1 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Chamados da Criação Primordial
As revelações de João (Apocalipse)
Jo...
2 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Eu, porém, me virei para ver quem falava comigo de forma tão
poderos...
3 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Com paciência tu serves e trazes frutos!
Mas Lúcifer ofuscou os olho...
4 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Ah, se tu estivesses fria ou quente! Mas como és morna, deverás ser
...
5 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Aí na frente, estavam os quatro animais com seis asas. Todos os seus...
6 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
“O cordeiro que derramou seu sangue por amor e misericórdia é digno ...
7 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
mares deslocaram-se. O Sol havia escurecido, todo o seu brilho havia...
8 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
pelo calor, nem enrijecerão pelo frio, pois vibrarão nas eternas lei...
9 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
E novamente o Eterno acenou e o quinto anjo tocou a trombeta, de
mod...
10 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
humanidade pecadora não fosse dado mais tempo para penitência.
Assi...
11 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Mas a Terra estremece e os seres humanos se enchem de medo.
E com i...
12 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Mas o jovem havia sido retraído a Deus, seu Pai eterno, para que fi...
13 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Quando era ferido na luta, a ferida sarava imediatamente. E a
human...
14 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
dos nomes eternos em suas testas. E todos esperavam pelo Senhor de
...
15 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Então vi uma nuvem branca pairar e sobre a nuvem, num trono dourado...
16 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Mas uma voz poderosa saiu do templo e clamou “Vós, servos de Deus, ...
17 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
E então os pensamentos do Deus triplo atravessaram as Criações como...
18 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
As cabeças e os chifres são os grandes da Terra, que fazem uso de s...
19 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Mas ainda não irão ver que serão puxados para dentro do mesmo Juízo...
20 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Então o céu sobre nós se abriu como um portal dourado. E saíam
cham...
21 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
testas e que haviam permanecido intocados pela marca do animal na
m...
22 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Ele, o Filho do Homem, o Filho do Deus eterno, irá morar com eles. ...
23 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Ela também não precisa mais da luz do sol e da lua para ter santida...
24 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João)
Eu Sou o Criador e Juiz, o Princípio e o Fim, o Primeiro e o Último...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

CHAMADOS DA CRIAÇÃO PRIMORDIAL "AS REVELAÇÕES DE JOÃO - APOCALIPSE"

67 visualizações

Publicada em

João, o servo de Deus, vos chama, seres humanos, assim como vos chamou quando ainda estava entre vós, em carne:
Arrependei-vos, porque o Reino de Deus está próximo!
E novamente ele chamou quando não mais se encontrava sobre a Terra. Ele vos anunciou o que Deus lhe revelou, o que pôde ver com os
novos olhos de seu espírito. Deveríeis ter aprendido com isso, deveríeis ter assimilado isso, para que vossa vida torne-se melhor.
Mas não aceitastes as palavras da forma como foram pronunciadas. Mexestes nelas e as torcestes e virastes, até que vós próprios não
éreis mais capazes de compreendê-las. O que era tão simples, isso confundistes, o que deveria ter vos soerguido, transformastes numa corda que vos puxou para baixo.
Agora clamo pela última vez. Trago-vos a revelação de Deus, assim como a trouxe para vós há mais de mil anos.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
67
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CHAMADOS DA CRIAÇÃO PRIMORDIAL "AS REVELAÇÕES DE JOÃO - APOCALIPSE"

  1. 1. 1 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Chamados da Criação Primordial As revelações de João (Apocalipse) João, o servo de Deus, vos chama, seres humanos, assim como vos chamou quando ainda estava entre vós, em carne: Arrependei-vos, porque o Reino de Deus está próximo! E novamente ele chamou quando não mais se encontrava sobre a Terra. Ele vos anunciou o que Deus lhe revelou, o que pôde ver com os novos olhos de seu espírito. Deveríeis ter aprendido com isso, deveríeis ter assimilado isso, para que vossa vida torne-se melhor. Mas não aceitastes as palavras da forma como foram pronunciadas. Mexestes nelas e as torcestes e virastes, até que vós próprios não éreis mais capazes de compreendê-las. O que era tão simples, isso confundistes, o que deveria ter vos soerguido, transformastes numa corda que vos puxou para baixo. Agora clamo pela última vez. Trago-vos a revelação de Deus, assim como a trouxe para vós há mais de mil anos. Se a compreenderdes e aceitardes, então pode acontecer que com isso algumas almas ainda possam ser salvas. Se não, vosso destino terá que se cumprir, seres humanos. Vós mesmos, ninguém mais, causastes isso para vós! Ouvi agora o que João tem a dizer-vos: Graça esteja convosco e paz Daquele que é e que era e que vem, assim eu vos saudei naquele tempo. Hoje posso falar: Graça esteja convosco Daquele que é e que era e que veio e habita agora entre vós! Que a graça do Deus triplo esteja convosco. Que a força de Deus vos preencha, vós que ledes estas palavras, para que vossas almas sejam abertas ainda na última hora. Eu, João, fui um ser humano como vós. Deus, porém, concedeu-me graça abundante, para que pudesse servir aos seus Filhos eternos, depois disso, abandonei a Terra e pude subir para Patmos, a bem- aventurada Ilha na Luz lá no 1alto. Não foi para que eu pudesse gozar lá de toda a bem-aventurança, mas os olhos de meu espírito foram abertos de modo imenso e amplo para que eu pudesse ver o dia de Imanuel, o Juízo do Senhor. Não foi para mim que esta visão foi dada, mas para vós, seres humanos, para que não corrêsseis despreparados para dentro da destruição. E ouvi som de trombeta, forte e poderoso, de modo que poderia despertar os que estavam nas sepulturas. E uma voz sobrepujou o som férreo e clamou: “Eu Sou o Alfa e o Omega, o Primeiro e o Último, o Começo e o Fim, o Sempiterno, Todo-Poderoso. Eu Sou o “Eu O Sou”. Sem Mim nada existe. Ouça-me, João! O que tu verás, escreve num livro e envia-o às sete partes do Universo, para que o leiam e possam tornar-se inteligentes. Os nomes, porém, das sete comunidades universais são: Éfeso, Smirna, Pérgamo, Tiátira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia. Ouve para elas, vê para elas, escreve para elas! ”
  2. 2. 2 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Eu, porém, me virei para ver quem falava comigo de forma tão poderosa. Então vi sete candeeiros altos, brilhando em ouro. Eram as imagens das sete comunidades, cada uma diferente da outra. Os sete candeeiros estavam em semicírculo, no centro deles, porém, encontrava-se o Filho do Homem, vestindo uma veste longa e branca, presa por um cinto dourado. O cabelo e a barba pareciam branco- prateado, seus olhos brilhavam como chamas e deles partiam raios que iluminavam todo o Universo. Seu semblante irradiava como o sol. De sua boca, porém, saía uma espada afiada, de dois gumes. Na mão ele segurava sete estrelas: os guardiões das sete comunidades universais. Quando o vi, caí em adoração. A força que partia Dele era tão grande que eu me encontrava como morto aos seus pés. Mas Ele estendeu sua mão direita e falou: “Não temas, Eu Sou, o Eterno, Eu Sou, o Vivo. Estou vivo e onipresente de eternidade a eternidade. Eu tenho as chaves do inferno e da morte, para amarrar o que está amaldiçoado, para libertar o que se converteu.* Escreve o que outrora falei às sete comunidades. O que outrora clamei para elas, isso também falo hoje. Escreve! ” E a estrela na mão do Eterno, que era o Guardião do sistema universal Smirna, acendeu-se, ficando muito clara. E uma voz falou: “Eu conheço tuas ações e tua humildade, Smirna, a mais clara de todas as comunidades universais! Tu pareces pobre e és infinitamente rica, porque tu executas a vontade do Senhor, teu Deus. Também sobre ti zunirá o Juízo, mas não temas: A tentação virá sobre ti, mas ela não conseguirá te atingir. Não temas, mesmo que tenhas que sofrer. Sê fiel até a morte e Eu te darei a coroa da vida. Quem subsistir, deverá ser salvo. Não deverá tornar-se uma presa da morte espiritual! ” Estava trêmula a estrela do Guardião de Pérgamo e a voz poderosa falou: “Eu sei, guardião da comunidade universal de Pérgamo, como tu te esforças para salvar os poucos que ainda pendem em Mim! Lúcifer erigiu seu reino no meio de vós e, um após o outro se tornou presa dele. Idolatria e todos os tipos de doutrinas erradas propagam-se entre vós. Apenas poucos ainda perguntam pelo Deus eterno. Mas por causa destes poucos e por causa de teu esforço e cuidados fiéis, Pérgamo não deverá sucumbir totalmente. Quem superar, ao seu espírito eu alimentarei e o tornarei rico em minha força. Ele, porém, deverá receber um novo nome, que ninguém nunca ouviu. “Este está escrito no Livro da Vida e não deverá ser apagado.” Serenamente flamejava a estrela do Guardião de Pérgamo, a bondade de Deus dera-lhe paz. Agora se clareou a estrela de Tiátira e a voz falou:“Tiátira, eu te conheço! Eu sei que todas as tuas obras acontecem a partir da fé e do amor. (* Imanuel)
  3. 3. 3 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Com paciência tu serves e trazes frutos! Mas Lúcifer ofuscou os olhos de alguns dentre vós, de modo que consideram a sabedoria terrena como divina e adoram-na. Ela reina sobre vós como uma mulher bonita, a qual gostaria de tornar todos vós submissos. Atrai para si o vosso raciocínio e ensina-vos como torná-lo grande. São seus filhos aqueles que se aprazem com suas palavras, aqueles que deixam brilhar o raciocínio e tornam-no senhor sobre si mesmos. Mas eu venho para o Juízo! A mulher e todos que pendem nela devem ser jogados no precipício para que pereçam. Vós, porém, que não escutastes a sua voz, devereis ser preservados. Conservai o que tendes, até que Eu venha! Quem superar e perseverar até o fim, este deverá receber a força para permanecer sendo um guerreiro da Luz. A força que recebi de meu Pai deverá lhe ser dada para isso! ” Muito fraca acendeu-se a estrela da comunidade universal Sardes. E a voz falou: “Sardes, eu também te conheço! Tu pensas que estás viva, mas estás morta! Pensa no que também tu recebeste. Teus corpos vivem e trabalham, mas teu espírito está morto! Desperta! Se não quiseres despertar, o Juízo se abaterá sobre ti quando menos esperas. Mas existem alguns dentre vós que mantiveram desperto o seu espírito. Por causa destes poucos, ainda será enviado também auxílio para vós. Eles deverão receber vestes brancas e seus nomes não deverão ser apagados do Livro da Vida. Eu quero reconhecer seus nomes diante de meu Pai! ” O Guardião de Filadélfia acendeu-se. E a voz falou: “Eu sou Aquele que tem a chave de todo o acontecer e do Reino do Céu! Lá onde abro, ninguém mais pode fechar. Eu mesmo abri a porta para cima,para ti, Filadélfia. Tu tens apenas pouca força, mas tu conservaste minha Palavra e não negaste o meu Nome. Sobre ti o acesso para a Luz está aberto. Todos os que pensam que têm direito à vida na eternidade porque pertencem ao povo outrora escolhido, estes deverão reconhecer que eu tenho amor por ti, por causa do teu amor e de tua fidelidade. Eu quero preservar-te da tentação que antecederá o Juízo, porque tu preservaste a minha Palavra. Vê, Eu logo virei! Conserva o que tens, para que ninguém tome de ti a tua coroa! Quem superar, Eu o farei numa coluna no meu novo Reino. Este deverá tornar-se uma pedra angular, que pode auxiliar a segurar a construção em nome de Deus e em meu nome”. Quase sem iluminar estava a estrela do Guardião de Laodicéia na mão do Sublime. E a voz falou: “Também tuas obras Eu conheço, Laodicéia.
  4. 4. 4 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Ah, se tu estivesses fria ou quente! Mas como és morna, deverás ser lançada fora. Tu pensavas que eras rica e farta e que não precisavas de mais nada. Não sabes o quanto és miserável, pobre e o quanto estás nua. Unge os teus olhos, para que se abram e para que possas ver o quanto não és nada. Em seguida, venha e toma de Mim o ouro que foi purificado no fogo do infortúnio, a fé pura e verdadeira e deixa que te sejam dadas vestes brancas, para que cubram a tua nudez. Seja aplicada e faça penitência. Terei que agir de forma dura contra ti, até que aprendas a agir de acordo com a Minha vontade; aqueles, a quem amo, a estes eu castigo e educo. Mas apressa-te. Não te é dado mais muito tempo. Vê, já me encontro à frente da porta e bato! Se alguém quiser ouvir a Minha voz e abrir-Me a porta, nesta casa irei entrar e renovarei a aliança com ele! ” A última estrela se acendeu: o Guardião da comunidade de Éfeso. E a voz falou: “Conheço tuas obras, Éfeso! Eu sei que não ficaste cansada de trabalhar em Meu Nome. Com paciência, alguns entre vós se esforçam.Repelem os mentirosos e desprezam os maus. Mas pensa, Éfeso, de onde tu caíste! Faça penitência e trabalha como outrora. Pensa em tudo o que a graça divina te concedeu. Como tu administraste isso? Fazei penitência e realizai as obras como outrora, caso contrário, Eu virei no Juízo e derrubarei teu candeeiro. Então serás apagado. Mas para quem superar, a este darei dos frutos da vida oriundos do Paraíso de Deus! ” A voz calou-se, eu, porém, escrevi tudo o que ouvi. E então olhei ao meu redor e a voz, que me falou primeiro como som de trombeta, novamente clamou: “Aproxima-te, te é permitido ver o que vai acontecer! ” Então meu espírito foi conduzido para mais alto e, nas mais elevadas alturas, vi um assento, como um trono precioso e nele estava sentado Um, que era a Vontade de Deus, que tomou forma a partir da vontade eterna de Deus.* Sua cabeça irradiava como um jaspe precioso e os raios que Dele partiam, quebravam-se nos raios que fluíam de cima em direção a Ele, de modo que parecia como um arco-íris de infinitas cores ao redor do assento. Mas, diante do assento estavam os sete arcanjos, que se assemelhavam a colunas de chamas. Consumiam-se no servir puro e sempre se tornavam novos, puros e claros. Mas, em círculo, ao redor, estavam vinte e quatro cadeiras, sobre as quais estavam sentados os vinte e quatro anciãos, em vestes de um branco puro e tinham as coroas da vida eterna sobre suas cabeças. Do assento, porém, partiam continuamente vozes, trovões e relâmpagos, levando os pensamentos da Vontade de Deus para o Universo. Diante do assento, toda a Criação estava distendida como um mar transparente e de vidro.
  5. 5. 5 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Aí na frente, estavam os quatro animais com seis asas. Todos os seus olhos estavam abertos, tanto os espirituais como os enteais. Olhavam o tempo inteiro em sua volta, não tinham descanso nem de dia, nem de noite, louvavam a Deus e falavam: “Santo, Santo, Santo é Deus, o Senhor, o Todo-Poderoso, que era e que é e que vem! ” O primeiro animal era como um leão, de grande força e beleza. O segundo era semelhante a um touro, o terceiro, a um homem e o último, a uma águia levantando vôo. E os animais nunca paravam de louvar a Deus até que toda a Criação estava preenchida de louvor. Então, também os vinte e quatro anciões entoaram junto, ajoelharam-se e depuseram suas coroas aos pés Daquele que estava sentado no assento e falaram: “Senhor, somente Tu és digno de receber honra e louvor! Tu criaste todas as coisas. Pela Tua vontade assumiram forma e vivem! ” Então, Aquele que estava sentado no assento, ergueu sua mão direita, na qual segurava um livro, que estava escrito por fora e por dentro e estava selado com sete selos. Todos os olhos voltaram-se para o livro, pois todos sabiam que era o Livro da Vida. Então um grande anjo chegou diante dos outros e falou com voz forte: “Quem é digno de abrir esse livro e quebrar os seus selos?” Fez-se, porém, um grande silêncio. Ninguém em todos os céus ou em todas as partes do Universo seria capaz de abrir o livro, a não ser Aquele que o segurava na mão. Então senti grande medo. O que aconteceria se o livro tivesse que ficar fechado? Comecei a tremer e clamei interiormente a Deus. Então um dos anciãos inclinou-se para mim e falou: “Não temas! Vê, o sacrifício foi feito, os selos podem ser abertos. O Filho eterno de Deus, que inclinou-se para a humanidade em uma misericórdia cheia de amor, para que ela não se perdesse por toda a eternidade, conquistou para si o direito de soltar os selos. Inocente como um cordeiro, ele foi conduzido ao matadouro! ” Enquanto ele ainda falava para mim, ficou muito claro diante do assento, sobre o qual reinava a Vontade de Deus. E vi a imagem de um cordeiro, em inocência e suavidade. Mas este se transformou e o Filho eterno de Deus, Jesus, encontrava-se no círculo dos anciãos e dos animais. E meu medo transformou-se em júbilo e louvor. Ele tomou o livro da mão sagrada da Vontade de Deus e o ergueu. Então os animais e os anciãos caíram de joelhos e o adoraram. De taças douradas, fluía o incenso em direção ao alto como orações que se elevam até o trono de Deus. Sons de harpas ecoaram e preenchiam tudo com sons maravilhosos e os anciãos entoaram um novo salmo: “Senhor, somente Tu és digno de tomar o livro e soltar os selos, pois Tu tomaste sobre Ti o que é pesado. Tu fizeste uma Nova Aliança entre Deus e os homens. Teu sangue jorrou na Terra por causa dessa aliança! ”E de todos os lados afluíram milhares de anjos, que se postaram atrás das cadeiras dos anciãos e clamavam bem alto:
  6. 6. 6 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) “O cordeiro que derramou seu sangue por amor e misericórdia é digno de todo louvor! Força e sabedoria, poder e honra são seus! ” Mas o que os anjos clamavam, propagou-se por toda a Criação primordial até embaixo na Criação posterior. E todas as criaturas entoaram junto e clamaram: “Louvor e honra, glória e adoração de eternidade em eternidade Àquele que está sentado no trono, a Vontade eterna do Senhor, e Àquele que se deixou sacrificar como um cordeiro! ” Em alta voz, os quatro animais falaram “Amém” e adoraram junto com os anciãos e todos os anjos. — Depois disso, houve grande silêncio. Todos olhavam para Jesus, que tomou um dos selos e o soltou. Então um dos animais chamou com voz forte: “Vem! ” E o chamado rolou como trovão por todas as Criações. E chegou um cavalo branco como a neve. Seu cavaleiro portava uma coroa e conduzia um arco. Com ele estava a vitória. Ele cavalgou para baixo, para planos, onde espíritos humanos lutavam para que a chama de Luz não se apagasse. Jesus soltou o segundo selo e novamente ecoou o chamado de trovão: “Vem! ” Então ele chegou: um cavalo vermelho, com narinas infladas. Sobre ele estava sentado um que usava um manto vermelho como chamas e tinha uma enorme espada, que chispava como raios. Aonde ele chegava, subia o ódio. Ele matava a paz e estrangulava a misericórdia. Também este cavalgou para baixo, para os seres humanos, para que entrassem em discórdia e matassem uns aos outros. Novamente retumbou o chamado de trovão e Jesus soltou o terceiro selo. Então chegou um cavaleiro com vestes pretas, montando um cavalo negro. Na mão segurava uma balança, para pesar e medir o que servia às necessidades dos seres humanos. A uns ele devia dar, de outros tirar, dependendo se suas obras eram boas ou más. A escassez e a fome ele iria desencadear e somente sobre os marcados pelo Senhor iria estender as mãos. Jesus soltou o quarto selo, o chamado de trovão ecoou novamente por todas as Criações. Então chegou um sobre um corcel pálido e desbotado e pálido era ele também. Era a morte e a ela foi dado o poder para ceifar a quarta parte da humanidade. Atrás dela vinha a matilha de seus auxiliares em desabalada corrida: peste, guerra, fome e todos os espíritos infelizes que arruínam as pessoas. Agora ela foi enviada para baixo. Novamente houve silêncio. Serenamente, Jesus soltou o quinto selo. Então passaram por ali todos os que pela fé em Deus e em Jesus Cristo haviam dado alegremente as suas vidas. Estes foram vestidos com vestes brancas e foi-lhes pedido que esperassem por aqueles que ainda viriam. No Juízo Final, a sentença de Deus também seria pronunciada sobre os seus adversários. Agora Jesus soltou o sexto selo. E então a Terra começou a estremecer em suas profundezas, de modo que fora sacudida e as montanhas e os
  7. 7. 7 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) mares deslocaram-se. O Sol havia escurecido, todo o seu brilho havia desaparecido. A Lua, porém, brilhava como sangue, de modo que todas as criaturas sentiram pavor. Estrelas caíam sobre a Terra e o vento zunia de todos os quatro cantos ao mesmo tempo. Então os reis da Terra e os grandes e poderosos começaram a gemer e a tremer. Esconderam-se em fendas e cavernas, mas isso de nada lhes adiantou. Por demais poderoso era o acontecimento. Então clamaram: “Quem poderá subsistir diante dos olhos Daquele que reina sobre o trono de Juiz? Quem poderá esconder-se da justa ira de Deus? Que caiam sobre nós as montanhas, cubram-nos as rochas, para que os Filhos de Deus não possam mais nos ver. O dia do Juízo veio para a Terra e nós iremos colher o que semeamos. Ai de nós! ” Nesse furor dos poderes da natureza, ordenado por Deus, soou, de repente, uma voz: “Não danifiqueis a terra, nem o mar, até que tenhamos selado os servos de Deus em suas testas! ” E estavam quatro anjos nos quatro cantos da terra e estes pararam os ventos para que não ventassem até que Deus tivesse permitido que se concluísse a sua obra. Eram cento e quarenta e quatro mil espíritos humanos que Deus escolheu para serem servos de seu Filho. Eles deveriam portar o signo do Eterno em suas testas(a Cruz) e com isso deveriam ficar preservados de todos os horrores que zuniam sobre a Terra. Depois disso, deveriam auxiliar Seu Filho eterno, a Sua Vontade, a construir o novo Reino. Agora eles se achegavam de todos os povos, vestidos com vestes brancas e segurando palmas em suas mãos. Louvavam a Deus por sua grande graça, por terem sido escolhidos para o servir e falavam com alegria: “Salve! Aquele que está sentado no trono e a nosso Deus que reina na eternidade e a Jesus que, por misericórdia, inclinou-se aos seres humanos! Glória a Trindade eterna de eternidade a eternidade! ” E os anjos, os anciãos e os animais falaram “Amém” e inclinaram-se diante da Vontade eterna de Deus. E por longo tempo só houve louvor e agradecimento, sons de harpas e alegria. E então um dos anciãos inclinou-se para mim e perguntou-me dizendo: “Quem são esses que podem usar vestes brancas? Quem os trouxe para cá?” Mas eu não sabia dizer quem eram e pedi que ele me dissesse. Ele o fez e disse: “São os espíritos humanos que passaram por grande aflição e por lutas internas, que procuraram manter puras as suas almas em sua fé em Deus e em Jesus. São aqueles que reconheceram a Vontade eterna de Deus, quando agora Ele vier para o Juízo. Por causa deste reconhecimento, os seus pecados foram-lhes perdoados. Não ficarão nem sedentos, nem famintos pela Palavra de Deus, pois esta estará eternamente com eles. Também não desmaiarão
  8. 8. 8 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) pelo calor, nem enrijecerão pelo frio, pois vibrarão nas eternas leis de Deus. Deus mandará secar todas as lágrimas de seus olhos, pois suas almas terão sido soerguidas do sofrimento e das dores terrenas, pois Deus os escolheu como servos de Seu Filho sagrado. Eles o servirão de dia e de noite em grande felicidade. E Ele mesmo que está sentado no trono, estará no meio deles. Ricos, acima de todos os conceitos humanos, são aqueles que podem servir aos Filhos eternos de Deus! ” Depois disso, houve longo silêncio, um silêncio sagrado, mas cheio de expectativa, anunciando desgraça. E Jesus ergueu um pouco o livro e soltou o último selo. Então os sete anjos vieram para frente e seguravam trombetas em suas mãos. Diante do trono havia sido erigido um altar, para o qual dirigiu- se um outro anjo, com um incensório dourado. Colocou muito incenso nele e a fumaça elevou-se e subiu para Deus, como um reflexo das orações de todos. Então Aquele que estava sentado no trono fez um pequeno sinal. E o anjo pegou o incensório, colocou fogo do altar nele e derramou-o sobre a Terra. Aí caíram relâmpagos, trovões retumbaram e a Terra estremeceu em todas as suas bases.Os sete anjos, porém, ergueram suas trombetas e olhavam para a Vontade eterna de Deus, que estava sentada no trono. Esta fez novamente um sinal. Então o primeiro anjo levou a trombeta aos lábios e um som longo, semelhante a um gemido, vibrou por todas as Criações. Sobre a Terra, porém, caiu granizo com sangue e fogo e a terça parte das árvores e das plantas se queimou. Novamente o Eterno inclinou-se e o segundo anjo soprou em sua trombeta de forma que o som saiu como um grito em direção às Criações. E houve fogo no mar e a terça parte de todos todos os mares tornou-se como sangue, a terça parte de todas as criaturas vivas do mar pereceu e a terça parte de todos os navios se queimou. E então um calor subiu em mim: “Sete trombetas – sete ais! Humanidade, o que tu preparaste para ti em tua teimosa obstinação! ” E novamente veio um sinal Daquele que estava sentado no trono e o terceiro anjo tocou sua trombeta, de um modo que o som passou por todos os céus. E caiu uma estrela e os rios e as águas da Terra tornaram-se amargas como fel e os seres humanos morriam quando delas bebiam. A um aceno do Eterno, o quarto anjo tocou sua trombeta. Então o Sol se escureceu, a Lua perdeu seu brilho e as estrelas se apagaram, de modo que tanto de dia quanto de noite estava igualmente escuro. Mas a voz de um dos anjos soou poderosa: “Ai, ai, ai, daqueles que se encontram sobre a Terra! Três anjos ainda tocarão suas trombetas e a aflição será insuportável! Mas não existe parada no Juízo que os próprios espíritos humanos trouxeram para si. Uma coisa após a outra terá que se cumprir! ”
  9. 9. 9 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) E novamente o Eterno acenou e o quinto anjo tocou a trombeta, de modo que o som ecoava longo por todas as Criações. Então as trevas ganharam poder sobre a Terra e das profundezas assomavam bichos como gafanhotos e cobriram toda a Terra. Mas esses tinham a ordem de não comer a grama, nem as ervas, mas apenas cair sobre os seres humanos, torturando-os. Mas naqueles que portavam o sinal de Deus sobre a testa(a cruz), nestes eles não deviam tocar. Horripilante era a aparência dos bichos em sua forma na matéria fina: tinham couraças, com as quais faziam barulho, rabos como escorpiões com os quais picavam, asas que os levavam a toda parte e rostos como caricaturas humanas e dentes afiados. Eles deveriam atormentar os seres humanos por algum tempo. Os tormentos deveriam ser tão grandes, que os seres humanos desejariam poder morrer. Mas justamente isso eles não deveriam. Deveriam sentir todos os tormentos, para que aprendessem a reconhecer contra quem tinham praguejado, a quem tinham afastado para longe de si. Mas o senhor de todos esses bichos era Lúcifer. E novamente o anjo clamou poderosamente: “Um ai passou, mas mais dois ais ainda virão! ” O sexto anjo tocou sua trombeta. Então a voz Daquele que estava sentado no trono clamou: “Solta os quatro servos de Deus! ” Então os quatro anjos foram soltos, que estavam preparados dia e noite, a cada ano e cada hora, para que, por ordem de Deus, matassem a terça parte de toda a humanidade. Com uma grande comitiva de cavaleiros armados, galoparam para a Terra e deixaram expelir fogo, fumaça e enxofre e mataram a terça parte de todos os que a morte havia deixado sobrar. Mas ainda havia sobre a Terra aqueles que não queriam pagar pelos seus crimes, que não queriam adorar a Deus, nem guardar suas leis. Do alto desceu um maravilhoso anjo, de aparência forte e esplendorosa. Suas vestes estavam em sua volta como uma nuvem, os raios que partiam de sua cabeça brilhavam como as cores do arco-íris, e seu semblante era luminoso como o sol. Seus pés assemelhavam-se a chamas de fogo que se acendiam e se consumiam, mas sempre se renovavam no serviço ao Eterno. Postou-se sobre toda a Criação posterior, pois tinha recebido poder de seu Senhor sobre ela. Então passou a chamar com voz poderosa, de modo que soava sobre todas as Criações como sete trovões rolantes. Mas o que ele clamava era tão poderoso que tudo estremecia diante disso. Senti muito medo, mas mesmo assim eu queria anotar o que pude perceber no rolar dos trovões, então uma voz suave soou de cima: “Guarda dentro de ti o que ouviste! Não escreve o que o anjo clamou através do soar dos trovões sobre a Criação posterior.” Então agradeci a Deus em minha alma por não ter que escrever isso, mas dentro de mim está escrito por toda a eternidade. Mas o anjo ergueu-se bem alto, levantou sua mão e fez um juramento ao Deus triplo, de cuja Vontade tudo tinha partido, para que à
  10. 10. 10 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) humanidade pecadora não fosse dado mais tempo para penitência. Assim que o sétimo anjo tivesse tocado a sua trombeta, tudo estaria terminado. Então se concluiria tudo o que estava previsto pelas leis eternas de Deus. Toda a paciência teria então chegado ao fim. O anjo tinha um livrinho na mão. E novamente ouvi uma voz de cima, que falou para mim: “Vai e pega o livro do anjo! ” E então me aproximei do poderoso anjo e pedi que ele me desse o livrinho. E ele falou: “Toma e absorve o conteúdo do livro em teu íntimo! Não terás mais sossego, mesmo que no começo ele te pareça brando.” Peguei o livrinho da mão do anjo e absorvi todo o seu conteúdo, que me parecia amável e doce. Mas quando tinha compreendido tudo, então um pavor tomou conta de mim. Mas o anjo falou: “Vê, o que tu agora absorveste, isso terás que passar adiante. Novamente terás que anunciar diante de todo o povo e diante de todos os pagãos, assim como anunciaste uma vez! ” O anjo deu na minha mão uma vara de medir e ordenou: “Meça o templo de Deus, o sagrado e o santíssimo. Mas o vestíbulo, este não o meça, pois doravante não haverá mais vestíbulo no templo de Deus. A cidade de Deus e os templos de Deus na Terra serão entregues aos pagãos e eles os destruirão por causa da descrença dos seres humanos! ” E novamente o anjo anunciou: “Duas testemunhas de Deus onipotente encontram- se na Terra, externamente iguais aos homens, simples e sem pompa. Mas eles são como oliveiras sempre verdes e como tochas ardentes diante da magnificência do Senhor, tal como o profeta Zacarias anunciou! ” * As trevas sibilam aqui e ali contra eles, mas não podem lhes fazer mal. Deus, o Senhor, porém, deu-lhes poder sobre toda a entealidade, para que no tempo de sua peregrinação na Terra, por sua vontade, todos os tipos de pragas pudessem abater-se sobre os seres humanos, assim como no tempo de Moisés no Egito. Eles trazem Luz e Verdade de Deus, do Todo-Poderoso, mas os seres humanos não querem ouvi-los. E depois que todos os ataques sobre eles foram em vão, as trevas se condensam. Como um enorme animal, elas erguem-se de baixo, lutam contra eles e aparentemente os vencem. São amarrados e largados como se estivessem mortos.* Deus, o Sempiterno inclina-se sobre Seus filhos e chama para que durante este tempo subam até Ele. Os seres humanos, porém, que caminham em obstinação e descrença, festejam festas de alegria íntima e triunfam dizendo que tinham matado a Verdade e o Amor e libertado a Terra da Justiça. Pois eles haviam se tornado incômodos àqueles que não queriam reconhecer. Mas exatamente na hora em que Deus, o Eterno, havia previsto, as duas testemunhas saem ilesas de todos os ataques. Elas vivem! E grande pavor toma conta daqueles que haviam testemunhado contra elas e daqueles que, em alegria, jubilavam por causa disso.
  11. 11. 11 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Mas a Terra estremece e os seres humanos se enchem de medo. E com isso também o sexto ai tinha passado sobre a humanidade, porém depois da palavra do anjo não havia mais nenhum tempo entre este e o último. A Vontade de Deus, que estava sentada no trono para julgar a humanidade, acenou e o último anjo tocou sua trombeta. Agudo soou o som por todas as Criações e todas as criaturas prenderam o fôlego, pois o fim de todas as coisas havia chegado. Do céu, porém, soavam vozes: “Agora os reinos de todas as partes universais são propriedade de nosso Senhor, do Filho do Homem e do Filho de Deus, Jesus. Ele, o Filho do Homem, irá reinar agora por toda a eternidade, assim como o fez desde todo o sempre! ” E os anciãos ergueram-se de suas cadeiras, caíram de joelhos e oraram: “Senhor, Deus onipotente, Tu que és e que eras de eternidade em eternidade! Nós Te agradecemos porque Tu deixas emanar agora toda a Tua força e porque Tu tomaste posse agora de Teu reinado sem limites. Agora Tu aniquilaste todos os que eram contra Deus e contra Ti. Tu julgaste todos os que não Te reconheceram. Tu ataste o antagonista que corrompeu a Terra. Mas aqueles que Te reconheceram receberão agora o seu quinhão. Teus servos eles poderão ser e a bem-aventurança preencherá suas almas! ” E veja, quando os anciãos oravam assim, o supremo Templo sagrado lá no alto do Universo abriu amplamente os seus portais, luzes e raios caíam para baixo, até o ponto onde o Eterno tinha firmado sua Nova Aliança com os seres humanos, para que estivessem seguros assim como no tempo de Noé. E os raios formavam a ligação para o alto e anjos subiam e desciam voando! Sobre a Criação posterior, porém, caíam granizos, relâmpagos e trovões retumbavam, a Terra estremecia como se fosse sacudida por poderes eternos e os pensamentos da Vontade de Deus bramiam como fortes vozes por sobre toda a Terra. E foi-me mostrada uma imagem: No céu surgiu a figura maravilhosamente bela de uma mulher. Raios de luz partiam dela como se o Sol fosse a sua veste. Ela se encontrava na meia-lua, cuja luz fosca envolvia os seus pés. Sobre a cabeça, ela portava uma coroa com sete exuberantes pedras preciosas, que brilhavam como as estrelas. Do centro dessas pedras preciosas, estendiam-se raios que teciam um envoltório dourado em torno da criancinha, que, sorrindo alegremente, subia no seu colo. Essa criancinha, porém, era o Senhor de todos os mundos, do qual os profetas profetizaram. Agora também houve agitação nas profundezas. Bufando e rosnando, chegou uma besta que tinha sete cabeças, pois queria tornar-se senhor das sete partes do Universo. Em cada uma das cabeças, portava uma coroa, pois estava certo de atingir seu objetivo e tornar-se o rei desta parte da Criação posterior, contanto que a criancinha recém-nascida desaparecesse. Por isso, o antagonista lançou-se com força, trazendo a perdição para tudo o que encontrava. Ele queria destruir a criancinha.*
  12. 12. 12 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Mas o jovem havia sido retraído a Deus, seu Pai eterno, para que ficasse junto Dele até que a besta fosse dominada. A Rainha do Céu, porém, foi para os seus jardins. E novamente houve um bramir que chegava, mas era um soar puro e um ressoar cheio de júbilo. O arcanjo Miguel aprontou-se com os seus fiéis, as multidões de anjos, para a luta que lhe fora ordenada por Deus. Ele atacou a besta que, por sua vez, chamou a si os seus exércitos das trevas. E a Luz e as trevas lutaram entre si; mas a Luz que vinha de Deus foi vitoriosa. E Lúcifer, que tinha assumido a figura da besta, tombou de todos os céus junto com todos os seus exércitos. Ele caiu para a Criação posterior e uma voz clamou: “Ai de vós, filhos da humanidade! Lúcifer desce para vós cheio de ira e ódio. A ele foi dado apenas curto tempo para realizar suas cobiças. Ai de vós, se não permanecerdes firmes! ” Mas o júbilo atravessou os céus por causa da queda do infiel. Quando a besta reconheceu que nada mais podia segurá-la em cima, procurou perseguir a nobre figura de mulher. Mas ela pairava, como que carregada por asas, subindo para alturas que a besta não mais podia alcançar. A besta então lançou espuma venenosa e água imunda contra ela, difamação e mentiras horríveis, mas a Terra bebeu tudo antes que essas coisas pudessem aproximar-se da sublime graciosa. E então a besta decidiu, em sua ira, combater tudo o que de alguma forma tivesse ligação com a Rainha do Céu.** * A figura feminina é a Rainha primordial Elisabeth. Que Parsival foi mostrado como criança é a reprodução figurada de seu ingresso na missão da grande purificação universal. A infância mostra o início da missão especial de Parsival; pois somente nesta ele é criança, que, através de experiências por meio da vivência, precisa amadurecer tornando-se homem para tudo o que terá que subjugar para cumprir a promessa. Também é somente a obra que Lúcifer, a besta, procura destruir já no início junto a criança para, com isso, impedir o cumprimento, no qual ele mesmo, assim como todo o seu falso atuar, é atado por Parsival. **Gradativamente, ele apagou completamente todo o saber sobre ela entre a humanidade. Escrava voluntária tornou-se-lhe a mulher humana, estrangulando todas as suas verdadeiras virtudes. Pisei na areia clara na beira do mar para ver o que ali acontecia. Então um animal ergueu-se das ondas e tinha sete cabeças e dez chifres e sobre os chifres portava coroas. Do mesmo modo que os servos de Deus têm escritos os nomes eternos na testa, oriundos do Livro da Vida, assim o animal tinha escrito sobre cada cabeça o nome da maldição. Era horrível de se ver. Mas o animal era o anticristo, saído da semente de Lúcifer. Possuía manchas como uma pantera, devido ao fato de portar a mentira como traje. Seus pés tinham a força das patas do urso, com força tanto para carregá-lo como para destruir tudo o que se opunha a ele. Sua bocarra era como a de um leão, para engolir o que podia alcançar. * Morte aqui significa “estar excluído por morte moral” (difamação)
  13. 13. 13 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Quando era ferido na luta, a ferida sarava imediatamente. E a humanidade, admirada, olhava o animal e inclinava-se diante de Lúcifer, que havia dado ao animal grande poder. Eles se admiravam muito e falavam: “Quem se compara ao anticristo? Quem quer ousar ir contra ele? Coisas maravilhosas ele nos anuncia, coisas que os ouvidos humanos nunca ouviram. Seu raciocínio é maior do que todo o resto! ” E os seres humanos acreditavam em tudo o que o animal lhes anunciava. Ele então começou a blasfemar contra Deus e divulgar mentiras sobre os Eternos e não havia ninguém entre os seres humanos que se opunha a isso, a não ser o pequeno grupo daqueles, cujos nomes estavam escritos no Livro da Vida, que são servos do Todo-Poderoso. Os outros, porém, riam-se da blasfêmia e acreditavam no animal e tinham se esquecido das leis eternas de Deus. Não sabiam mais que aquele que puxa da espada, será morto pela espada e quem ata as almas, este também será atado por toda a eternidade. Férreas encontram-se as leis de Deus: o que o ser humano semeia, ele colherá! E, vede, enquanto eu ainda olhava cheio de horror para o animal, saiu da terra um outro animal que tinha apenas dois chifres, de modo que se podia pensar que fosse um carneiro. Mas quando começou a falar, percebi que este também era um monstro, ou seja, o pecado, que tinha tomado posse de toda a Terra e a perpassava. Inflava-se e fazia-se de grande, desviava os homens e os tornava servos do anticristo. Ele ordenou que os seres humanos deviam construir imagens do anticristo e às imagens deviam ser dados poderes de falar aos homens e auxiliá-los. Mas ai dos seres humanos que confiavam nisso! Este segundo monstro mostrava aos seres humanos que, mediante seus pensamentos e suas ações, poderiam obter um sinal em sua mão direita. Este sinal, no qual poderiam reconhecer-se mutuamente, ligava aqueles que pendiam no anticristo. E ninguém era hábil o suficiente para que pudesse fazer negócios terrenos para tirar proveito e vantagem a não ser aquele que tinha o sinal da besta na mão. Mas quem estava completamente submisso ao segundo animal, ao pecado, na testa deste surgia uma segunda marca escura, de modo que ela ficava facilmente reconhecível aos olhos espirituais. Nesta marca, vibrava o número do animal, ou seja, seiscentos e sessenta e seis. Mas quem tiver olhos para ver, e o espírito de Deus, este também reconhecerá neste número a infinita sabedoria divina, pois também é o número do homem que clamou por arrependimento, contra o pecado. Portanto, que também este número, como qualquer outro, porta em si claramente o seu lado claro e o seu lado escuro. E vi o Filho de Deus, Jesus, o Amor de Deus, parado numa alta montanha e com Ele os cento e quarenta e quatro mil, que haviam sido escolhidos como servos do Sempiterno. Eles portavam todos, escrito, um
  14. 14. 14 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) dos nomes eternos em suas testas. E todos esperavam pelo Senhor de todos os mundos, para quem Jesus devia conduzi-los. Mas do alto, de todos os céus, ecoavam sons extraterrenos. Ora era como o bramir das águas do dilúvio, ora era como o retumbar de poderosos trovões, e entre um e outro soava o vibrar de harpas celestiais. Um novo cântico elevou-se ao Senhor dos mundos, que estava sentado no trono, no meio dos anciãos e dos animais. Ninguém, porém, aprenderá o cântico, o hino de louvor da Trindade, a não ser os cento e quarenta e quatro mil que portam o sinal de Deus em suas testas. A infinita misericórdia de Deus, o amor divino e a providência os puxaram para fora da multidão dos demais seres humanos, ensinaram- lhes a reconhecer os seus pecados e como se libertar deles. E, apesar de ainda continuarem sendo seres humanos, assim mesmo são puros diante dos olhos de Deus por causa de seu querer puro e de seu servir fiel. E, vede, enquanto eu observava esse grupo, um maravilhoso anjo voou do céu para baixo e a este foi permitido anunciar à humanidade a Nova Aliança com Deus. E ele clamou em alta voz: “Temei a Deus e dai-Lhe o louvor! Adorai-o, a Ele que criou todas as coisas, a Vontade primordial de Deus, o Senhor sobre todos os mundos! Ouvi, seres humanos, o tempo do Juízo chegou! ” Logo após este, outro anjo veio voando, igualmente maravilhoso de se ver, e este bradou ainda mais forte: “Agora desmoronou o antro do pecado na Terra, que desviou e emaranhou todos os seres humanos, de modo que haviam ficado bêbados como se tivessem tomado vinho e não eram mais senhores de seus sentidos! ” Mas o terceiro anjo, que veio logo atrás desses dois, bradou mais alto ainda e falou: “Mas quem adora o anticristo, ou portar o seu sinal na mão, ou na testa, este sentirá a ira divina vinda das taças que Deus mandará derramar sobre a Terra! Dia e noite ele não terá mais sossego, pois então saberá a quem adorou e o sinal de quem ele porta, mas não mais poderá fazer com que isso não tenha acontecido. Ele se torturará, de modo que arderá como no fogo eterno e seus gritos subirão como fumaça, mas como fumaça se dispersarão e desaparecerão inutilmente. Aqui, porém, esperam perseverantes aqueles que portam o sinal de Deus em suas testas, que vibram nos mandamentos de Deus e que são bem- aventurados na fé na eterna Trindade! ” E uma voz do céu clamou para mim: “Escreve: Bem-aventurados são os mortos que doravante morrem no Senhor! Suas obras os seguirão e eles poderão continuar a trabalhar nelas em reinos mais elevados. Poderão continuar a servir ao Sempiterno. Toda a luta passou para eles, em paz e tranqüilidade poderão trabalhar. O trabalho será felicidade e bem aventurança para eles! ” E eu escrevi. Mas quando terminei de escrever, olhei para cima.
  15. 15. 15 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Então vi uma nuvem branca pairar e sobre a nuvem, num trono dourado, estava sentado o Filho do Homem e luzes e raios partiam Dele. Os raios, porém, juntaram-se na forma da Cruz, de modo que se podia ver que Ele é a Verdade eterna. Sobre a cabeça, Ele portava a coroa dourada de todas as coroas, sua mão, porém, havia tomado uma foice, que arremessava relâmpagos azuis para o Universo. E então um anjo saiu do portão do templo e clamou para Ele: “Senhor, o tempo da colheita chegou. Dá um sinal com a Tua foice, para que comece a colheita sobre a Terra! ” E Aquele que reinava sobre a nuvem, bateu com a foice, de modo que ela soltou um som claro, despertando o eco em todas as Criações. Então as multidões de anjos vieram e começaram a colheita sobre a terra. Mas do templo também saiu um anjo que tinha uma gadanha, tal como é usada pelos vinicultores. Ele recebeu a ordem de bater com a gadanha, para que as uvas fossem colhidas nos vinhedos da Terra. Mas, como o Filho de Deus havia anunciado outrora, eram uvas ruins, que eram jogadas nos lagares da ira de Deus para serem destruídas, e espigas vazias que o anjo, que controlava o fogo, jogava na fogueira. Depois disso, foi me mostrada uma imagem sobremaneira maravilhosa: Sete anjos estavam em pé e seguravam as últimas sete pragas em suas mãos, com as quais o Juízo de Deus devia ser concluído. E novamente vi a Criação distendida como um mar de vidro transparente, debaixo do qual ardiam as chamas da destruição. Mas, na beira da Criação, na beira do mar de vidro, estavam aqueles que permaneceram vitoriosos sobre o anticristo e sobre sua imagem e seu sinal, e seu número. Vestidos com vestes brancas, eles seguravam harpas em suas mãos e cantavam em louvor a Deus. Cantavam o salmo de Moisés, o homem de Deus, e o hino de louvor para honra de Deus: “Senhor, Tu, Deus onipotente! Tuas obras permanecem em Verdade e Justiça. Todo o Universo Te teme e louva o Teu Nome santíssimo! Só Tu és santo, só Tu és o Senhor, Tu, Deus triplo. De todos os cantos do mundo virão e Te adorarão, pois Teus caminhos estão revelados diante dos olhos de todos os homens. Agora eles vêem como a Tua bondade e misericórdia os guiou até o fim.” E sob este hino de louvor, o supremo templo lá no Alto, na Luz, foi novamente aberto e dele saíram os anjos que tinham as sete pragas. Cintos dourados cingiam suas vestes brancas e diademas dourados prendiam seus cabelos. E o Leão, que está sentado diante do trono da suprema Vontade de Deus, ergueu-se e deu aos sete anjos sete taças douradas e essas estavam cheias até a borda com a ira de Deus. E tão intensa era a força que saía dessas taças, que todo o templo ficou preenchido disso. Parecia como se estivesse envolvido por fumaça. A ninguém era permitido entrar no templo antes que as taças de ira tivessem sido esvaziadas.
  16. 16. 16 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Mas uma voz poderosa saiu do templo e clamou “Vós, servos de Deus, o tempo é chegado, em que deveis derramar as taças da ira de Deus. Ide, pois, e agi! ” Então o primeiro anjo foi até a beira do mar de vidro, inclinou-se e derramou a sua taça sobre a Terra. E em todos os seres humanos que tinham o sinal do anticristo, o seu sangue se transformou, todas as suas más ações se manifestaram neles e em seus corpos se formavam feridas feias e cheias de pus, transformando-se em tormentos. A seguir, o segundo anjo chegou para frente e derramou sua taça no mar. E então o mar se tornou bravio e agitado e ficou vermelho como sangue e toda a vida morreu no mar. Mas quando o terceiro anjo derramou sua taça nos rios e nas fontes, então também essas águas se tornaram sangue. E o Guardião enteal de todas as águas clamou alto e disse: “Senhor, Deus, Tu Eterno, quão justo és Tu! Santo és Tu de eternidade em eternidade. Tuas leis se cumprem. Sangue dos homens derramaram, sangue Tu deixas fluir agora! O sangue dos santos e dos profetas eles derramaram, sangue agora deverão beber! Não mereceram coisa melhor! ”Mas um anjo clamou do altar de Deus: “Sim, Senhor, Teu Juízo é verdadeiro e justo!” Então o quarto anjo esvaziou sua taça no meio do sol, que ardeu como fogo sobre a Terra, fazendo com que os seres humanos quase sufocassem pelo calor. Mas quando acreditavam que iam perecer sob o calor abrasador, blasfemaram contra Deus. Bem sabiam que Ele tinha poder sobre todas essas pragas, mas não reconheciam isso, nem chamavam por Ele. Amaldiçoaram-no e não se arrependeram. Então também o quinto anjo esvaziou sua taça exatamente em cima do trono do anticristo, sobre o qual este estava sentado com grande pompa. E então toda a luz se apagou sobre a Terra e fez-se incrível escuridão. Medo e pavor tomaram conta dos seres humanos, que sofriam sob dores indizíveis em suas feridas e por causa do calor abrasador. Contorciam-se e rangiam os dentes e, no meio disso, blasfemavam contra Deus. Mas, o caminho para o arrependimento, este ainda não haviam encontrado. Assim o sexto anjo derramou sua taça. Então secaram os grandes rios. A besta e o anticristo e o terceiro animal, o pecado, conferenciavam entre si. Mas o hálito de sua respiração se condensou, formando configurações que pareciam sapos. Eram espíritos impuros que partiam para novamente seduzir os seres humanos e chamar os grandes e os reis para o dia da prestação de contas. Eles, porém, acreditaram que podiam então lutar contra Deus. Mas o dia de Deus chega como o ladrão na noite, quando menos se espera. Bendito aquele que vigia e que está à espera do Senhor e que, portanto, vestido, pode ir ao encontro Dele. Agora também o sétimo anjo adiantou-se e derramou o conteúdo de sua taça nos ares. E uma voz do alto clamou: “Está consumado”!
  17. 17. 17 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) E então os pensamentos do Deus triplo atravessaram as Criações como altas vozes, de modo que, por causa de seu bramir, quase não se podia mais ouvir o rolar dos poderosos trovões. Relâmpagos ziguezagueavam sem parar e a Terra tremia como nunca antes havia acontecido. Cidades foram destruídas, ilhas submergiam no mar e montanhas desapareciam. Do céu, porém, caía granizo sobre os seres humanos que gemiam e o granizo abatia a quem ele atingia. Eles blasfemavam contra Deus também na sétima praga e não se arrependeram. E um dos sete anjos que haviam derramado uma das taças da ira divina, chegou para mim e me falou: “Vem, eu quero mostrar-te o Juízo sobre a mulher, que erigiu o seu reino sobre todos os países. Todos os reis da Terra estavam submissos a ela e beberam de sua fonte até estarem embriagados e não poderem mais distinguir nada.” E em espírito guiou-me ao deserto. Ali estava sentada uma mulher voluptuosa, vaidosa e pretensiosa, sobre um animal vermelho escarlate, que tinha sete cabeças e dez chifres e em suas testas estavam escritos os nomes da blasfêmia. A mulher, porém, estava vestida de forma bem suntuosa, coberta de púrpura como se fosse uma rainha. Mas ela mesma se tinha feito senhora da Terra com ajuda do animal. Ouro, pedras preciosas e pérolas ela estava usando, para que ninguém pudesse ver o quanto estava nua. O copo dourado em sua mão estava cheio até as bordas com maldade, mentira e ignomínia. Bem largo sobre sua testa estendia-se um nome: “Babilônia, a mãe de todas as imundícies e de todos os horrores sobre a Terra.” Ela, porém, estava embriagada de todo o sangue que havia mandado derramar sobre a Terra, o sangue de todas as testemunhas de Jesus. Assustei-me muito quando vi a mulher e não conseguia compreender quem era ela. Então o anjo me falou consolando: “Por que tu temes? Eu quero esclarecer o mistério que tu acreditas que existe em torno da mulher e em torno do animal que a carrega e que tem sete cabeças e dez chifres. O animal era, agora não é mais, mas retornará do abismo. Mas então terá que cair na condenação. Mas quando isso acontecer a ele, todos aqueles, cujos nomes não estão escritos no Livro da Vida, irão ficar espantados e estarrecidos. Irão tremer quando perceberem que o animal, ao qual estavam ligados, será lançado à decomposição eterna. Compreendes agora o que vês? O animal que tu já viste lutar contra os exércitos de Michael, é o príncipe do raciocínio, Lúcifer. Mas a mulher carregada por ele, é a sabedoria terrena, vendeu-se a ele para que a iluminasse com toda sorte de saber e a ajudasse a dominar o reino na Terra.
  18. 18. 18 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) As cabeças e os chifres são os grandes da Terra, que fazem uso de seu poder para lutar contra Jesus e contra Deus, o Altíssimo. Nisso eles se entendem, mesmo que do contrário desejem se dilacerar. Rebelar-se-ão contra o Deus triplo, e Deus deixará que façam durante um certo tempo como queiram. Mas depois disso, erguer-se-á Aquele que se chama a Vontade de Deus e chamará a si os seus convocados e escolhidos. Ele irá derrubar a mulher do animal, de modo que todos os que quiserem lutar contra Deus terão que pisoteá-la com os pés. Toda a sua pompa se tornará farrapos e seu grande pretendido saber, sua aparente esperteza será arrancada dela, de modo que ela ficará pisoteada ao solo em sua nudez diante de todos os olhos humanos. Mas o animal, este ele irá amarrar.” E outro anjo veio do alto e Luz irradiava dele, de modo que a Terra ficou clara. Ele clamou com alta voz: “Vede a grande Babilônia, o reino do raciocínio e do saber humano sobre a Terra, ela caiu! Ela era um receptáculo de todos os pensamentos impuros, de todo o exibicionismo e autopavonear-se, de toda presunção e querer próprio, de saber próprio e de mentira. Ela envolveu toda a humanidade, tanto os grandes como os pequenos. Os reis ela embebedou, para que acreditassem em seu próprio saber e se imaginassem iguais a Deus, e os comerciantes ela tornou calculistas e ardilosos, de modo que a fidelidade e a justiça fugiam deles. Ela se apropriou de todos os povos, menos o pequeno grupo que agora circunda o Filho do Homem! ” E outra voz poderosa soou do alto: “Afastai-vos dela, meu povo, meu pequeno grupo de fiéis! Não tenhais nada a ver com ela, para que não vos torneis impuros por qualquer contato. Seu pecados são conhecidos em todos os céus e Deus lembra de seus crimes. Afastai - vos dela, pois quem, no Juízo, for encontrado ao lado dos malévolos, terá que sucumbir com eles! ” E novamente a voz falou aos exércitos: “Pegai-a e fazei com ela o mesmo que ela fez! Deixai que ela reconheça que os frutos assemelham-se à semeadura. Onde, porém, foi colocada uma semente, aí nascem mais frutos. Portanto, também ela terá que receber multiplicadamente o que semeou. Deixai que sinta o tormento e a dor, pois ela trouxe tormento e dor àqueles que nela pendiam. Ela se tornou o reflexo da pecaminosa Terra que agora terá que ser aniquilada no Juízo. Ela ainda está orgulhosa, sente-se uma rainha e não percebe o quanto se tornou miserável e nua. Mas suas pragas irão se abater em um dia: fome, sofrimento e morte irão atingi-la ao mesmo tempo, pois Deus, o Senhor, é forte e um Juiz justo! Mas aqueles que nela pendiam, os reis e os grandes, os comerciantes e todas as almas humanas desviadas, irão ver cheios de horror como a mulher, a sabedoria humana, será julgada. E irão chorar e uivar, pois reconhecerão que tudo o que receberam da mulher, não é absolutamente nada. Sim, menos que nada, pois irá jogar as suas almas à decomposição.
  19. 19. 19 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Mas ainda não irão ver que serão puxados para dentro do mesmo Juízo, porque abandonaram a Deus e blasfemaram contra Ele, e pendiam na mulher.” E um luminoso anjo ergueu uma grande pedra e a arremessou para dentro do mar, de forma que este respingou bem alto. Depois a pedra submergiu e não foi mais vista. Então o anjo bradou: “Vê, assim será o fim da Babilônia, o inflado saber humano! Com um golpe, ela será lançada fora e não será mais. Emudecido ficará o barulhento caos que a preenchia, o sonido vaidoso que dela partia. A falsa luz de que dela emanava será apagada. E com ela perecerão todos os que se ligaram a ela! ” Mas de cima soavam as vozes de grandes multidões: “Aleluia! Glória e louvor, honra e adoração seja a Deus, nosso Senhor! ” Justos e verdadeiros são os seus juízos. Ele aniquilou o mundo corrompido pelo falso saber humano, mandou castigá-lo com aquilo com que ele pecou! ” E como de um segundo coro, chegou a resposta: “Aleluia! A adoração dos Seus irá elevar-se a Deus como a fumaça da oferenda de agora até a eternidade! ” Então vi como os vinte e quatro anciãos, juntamente com os quatro animais se prostravam diante do trono e adoravam a Vontade de Deus, que estava sentado nele. Bem-aventurados, entoavam: ”Amém! Aleluia! ” Então aquele que estava sentado no trono falou: “Louvai a Deus, o Senhor, vós, Seus servos e todos os que o temem, pequenos e grandes! ” E então os servos escolhidos de Deus responderam e suas vozes soavam como água bramante e trovões retumbantes: “Aleluia! A Vontade de Deus, o Todo-Poderoso, tomou posse de Seu reino! Nosso Senhor é Rei de todas as Criações, o Senhor de todos os mundos! Felizes somos nós e bem-aventurados, pois nos é permitido servi-Lo! A Ele queremos dar a honra, o Seu tempo festivo chegou, o novo reino sobre a Terra será erguido. Será maravilhosamente preparado. Verdadeiros e justos devem ser todos os que ajudarão a construir. E então partirá um brilho dele que irradiará até os céus! ” E um anjo aproximou-se de mim e falou: “Escreve! Bem-aventurados são aqueles que são convocados para a Nova Aliança com Deus! ” E o anjo continuou anunciando: “Estas são verdadeiramente Palavras de Deus, conserve-as! ” Então caí aos seus pés em gratidão e adoração, mas ele se afastou de mim e falou: “Não faça isso! A Deus unicamente podes adorar. Eu também sou um servo de Deus como tu. Somos todos irmãos na Nova Aliança. Todos nós vivemos nas palavras de Jesus e naquele que é nosso Senhor. Olha para lá! ” O dedo do anjo apontou para cima. Eu olhei. *Imanuel
  20. 20. 20 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Então o céu sobre nós se abriu como um portal dourado. E saíam chamas e luzes dali, de forma que tudo para baixo até a Criação posterior se preencheu de luz celeste. Mas deste brilho saiu um cavalo, branco como neve e de maravilhosa beleza. Sobre este estava sentado Aquele que julga a Terra e o mundo em Justiça e seu nome é Fiel e Verdadeiro. Sim, Fiel e Verdadeiro é o Senhor, suas ações são Justiça! Seus olhos assemelham-se a chamas, que penetram com brilho forte tudo o que olham e nada de impuro consegue subsistir diante deles. Sobre sua cabeça repousam as coroas de todos os mundos. Em sua testa está escrito o Nome de todos os Nomes, que ninguém ousa pronunciar, a não ser Ele mesmo. * Estava vestido com vestes brancas, que são a Palavra de Deus. Atrás Dele, porém, seguiam os exércitos celestiais sobre cavalos brancos, vestidos com vestes de linho branco e precioso. Suas palavras, porém, eram como uma espada afiada que saíam de sua boca, pois Ele veio para julgar todos os que não acreditavam no Deus triplo e que não haviam reconhecido a sua Verdade. Com bastão férreo, irá Ele reger aqueles que não se curvam de boa vontade sob o seu cetro. De suas vestes e de seu cinto brilhava o Nome: Um Rei de todos os reis e um Senhor de todos os senhores. Mas ele cavalgava a fim de encontrar a Besta, para que o seu reinado tivesse um fim. Pois a Besta tinha reunido ao redor de si todos os grandes e reis da Terra e todos os falsos profetas e eruditos, todos os que tinham a marca do animal em sua mão direita. Ela queria lutar contra o Rei de todos os mundos. Mas a Luz triunfou sobre as trevas. Lúcifer e o animal, ao qual ele havia dado poder, foram manietados e lançados vivos na condenação, no charco que eles mesmos haviam formado pelo seu agir próprio. Os outros, no entanto, foram mortos pela espada Daquele que estava montado sobre o cavalo. A sua Palavra deu um fim a eles. Outra imagem me fora mostrada: Eu vi um que veio do céu, que se assemelhava a um anjo, mas era mais do que um servo de Deus. Como um Rei, caminhava para o abismo no qual Lúcifer se encontrava. A ele foi dado poder sobre tudo, tinha as chaves para o abismo e o abriu. ** Ele trazia uma longa e pesada corrente consigo e com esta Ele amarrou Lúcifer por mil anos, jogou-o novamente no abismo e fechou e selou a entrada. Mas Aquele que tinha poder sobre tudo, agia de acordo com a vontade de Deus, pois Ele mesmo era a Vontade de Deus. Ele queria que Lúcifer não perturbasse o novo Reino dos Mil Anos com a sua influência. Sem serem impedidos por ele, os seres humanos deveriam poder construir no novo reino. Deveriam comprovar que haviam chegado ao verdadeiro reconhecimento. Todos aqueles que por causa da Palavra tiveram que deixar um dia as suas vidas, todas as testemunhas de Jesus, que testemunharam fielmente por ele, e todos os que portavam o sinal do Senhor em suas
  21. 21. 21 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) testas e que haviam permanecido intocados pela marca do animal na mão e na testa, a todos estes foi permitido viver com o Filho do Homem e auxiliar na sua maravilhosa obra. Mas os demais, cujos espíritos já estavam mortos já há muito tempo, não se tornaram vivos e tiveram que perecer. Bem-aventurado aquele que faz parte do Reino do Filho do Homem! Sobre um destes a morte espiritual não tem nenhum poder. Mas quando os mil anos tiverem passado, Lúcifer será solto de suas algemas e correntes. Ele irá partir novamente para seduzir o mundo e os espíritos humanos. E com ele virão os seus espíritos impuros, que lhe são servis. Se, porém, os servos do Altíssimo na Terra tiverem se mantido puros sobre a Terra, Lúcifer não poderá ter poder sobre estes. E do alto virão multidões de exércitos e os ajudarão na luta e Lúcifer novamente será amarrado e condenado.Mas então por toda a eternidade! E vi novamente um grande trono claro e Aquele que sobre ele estava sentado, o Senhor e Juiz de todos os mundos. Diante de seu semblante luminoso, recuava aquilo que não podia subsistir no Juízo. E vi como os espíritos humanos vinham para diante do trono do Juiz: grandes e pequenos, altos e baixos, todos eles tiveram que aparecer para receber a sua sentença. E livros foram abertos e neles estavam registrados os pensamentos, palavras e ações de cada um, e cada um recebeu aquilo que ele mesmo preparou para si. A eterna Justiça não conhece nenhuma oscilação do ponteiro da balança! Mas também foi trazido o Livro da Vida, no qual estão registrados os nomes dos servos do Todo-Poderoso. E também tiveram que comparecer diante do trono do Juiz todos aqueles, cujos espíritos já se encontravam no sono da morte, mesmo que seus corpos ainda estivessem ativos. E eles foram entregues à morte eterna. De todos os planos vinham figuras espirituais, das alturas e das regiões das trevas. Todos receberam a recompensa que eles mesmos conquistaram. Mas aquele, cujo nome não estava registrado no Livro da Vida, era jogado para a decomposição, para que deixasse de existir para todos os tempos. Esta é a morte espiritual, que é pior do que a morte terrena. Depois disso vi um novo céu e uma nova Terra, pois todo o antigo havia passado, tudo tinha se tornado novo. Purificada estava a Criação posterior de todas as trevas e de toda a maldição do pecado. E eu, João, que vos relato tudo isso, vi a cidade sagrada de Deus, a nova Jerusalém, surgir de acordo com o modelo daquilo que se encontra no céu. Bela e maravilhosamente ornamentada estava ela para receber o eterno Filho de Deus, nosso Senhor. Aquele que estava sentado no trono chamou com voz alegre: Veja, a morada de Deus entre os homens! *Imanuel **Parsival (uma parte de Imanuel, que atua Nele)
  22. 22. 22 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Ele, o Filho do Homem, o Filho do Deus eterno, irá morar com eles. Eles serão seu povo e ele mesmo, Imanuel, será o seu Deus e Rei. Bem-aventurado será o povo! Todas as lágrimas secarão, a morte não terá mais pavor, mas abrir-lhes-á a porta para os reinos da Luz. Sofrimento e aflição e dor não terão mais morada entre eles, pois tudo se tornou novo. O que era velho passou! ” E novamente falou Aquele que estava sentado no trono: “João, escreve o que te ordeno. Todas essas palavras são verdadeiras e certas. Vê, eu torno tudo novo! Agora tudo está consumado. Eu Sou de eternidade a eternidade, o começo e o fim. Em mim se fecham todos os acontecimentos. Darei ao sedento gratuitamente do poço da água viva. Eles poderão beber e ter abundância. Quem se supera, herdará tudo, eu serei seu Deus e Rei e ele será meu servo. Mas quem desanima e é de pouca fé e não me reconheceu, quem estiver no pecado e pratica crimes, o seu quinhão será o tormento da condenação, da decomposição. Isso é o pior, a morte espiritual! ” Aproximou-se então de mim um dos sete anjos que haviam derramado as taças da ira divina e do Juízo sobre o mundo. Ele falou para mim: “Vem e vê o que quero te mostrar! ” E em espírito levou-me para uma alta montanha e mostrou-me a nova cidade, a Nova Jerusalém, que Deus havia mandado construir de acordo com o modelo do alto. A cidade estava completamente perpassada pela magnificência divina. Os raios que dela partiam assemelhavam-se ao brilho das pedras mais preciosas e como que de jaspe claro. Em volta da cidade, havia um muro alto e grande que tinha doze portões. Nos portões, vigiavam doze anjos e sobre os portões estavam escritos os nomes dos escolhidos do Senhor. Para cada direção celeste conduziam três portões. Entre estes, situavam-se doze superfícies, sobre as quais estavam escritos os nomes dos discípulos de Jesus. O anjo que comigo falava, tinha uma vara de medir, para que pudesse me mostrar o quanto era grande a cidade sagrada. Seu comprimento, sua largura e altura eram exatamente iguais. Quadrangularmente fora ela construída.* Seus muros eram unidos com jaspe, mas eles mesmos eram de ouro puro, que parecia fino e transparente como vidro. As superfícies dos muros estavam ornamentadas com pedras preciosas: com jaspe, safira, calcedônia, esmeralda, sárdio, carneol, crisólito, berílio, topázio, crisópraso, jacinto e ametista. Os doze portais eram pérolas e as ruas da cidade eram de ouro puro. E olhei em volta, mas não encontrei nenhum templo na cidade, pois toda a cidade é um templo de Deus, pois o seu Rei, o próprio Deus eterno, habita nela.
  23. 23. 23 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Ela também não precisa mais da luz do sol e da lua para ter santidade, pois a magnificência de Deus a ilumina. “Todos os que podem chegar até ela, caminham na mesma Luz de Deus, que do alto penetra em suas almas. Os reis da Terra deixarão de lado suas coroas e irão entrar na cidade para adorar a Deus. Jamais os portões da cidade estarão fechados, pois nada de mau ou de pecador poderá aproximar-se dela. Somente aqueles, cujos nomes estão escritos no Livro da Vida, poderão entrar e sair dela. Alegria pura preencherá todas as almas, pois o seu Rei está com elas.” E o anjo mostrou-me um rio de água viva, a água cristalina fluía e originava-se do trono de Deus. Nos dois lados do rio, estavam as árvores da vida. Doze vezes por ano elas frutificavam e suas folhas tinham força terapêutica. “Então nada mais haverá na Terra que não possa entrar na cidade sagrada do nosso Rei. Seu trono estará erigido no meio da cidade e com Ele estará o Filho de Deus, Jesus. Pois Ele e o Filho de Deus, Jesus, são Um, assim como Jesus e o Deus eterno são um e Imanuel é um com Deus. Vede aqui, seres humanos, o mistério divino da Trindade de Nosso Deus, assim como era no princípio e será para todo o sempre. Emudecei e adorai! Ele mesmo, o Rei, estará com os homens, eles poderão olhar para Seu semblante divino e Seu Nome resplandecerá de suas frontes. Não necessitarão mais da sabedoria terrena, pois Deus, que mora no meio deles, os iluminará de modo que poderão saber de tudo e tudo realizar em Seu Nome. Ele os “regerá a partir de agora por toda a eternidade.” E a Vontade eterna de Deus falou para mim: “Tudo isso é certamente verdadeiro. Deus, o Senhor, enviou o seu anjo para te mostrar o que em breve terá que acontecer. Através de ti, porém, Ele quer anunciar isso aos seres humanos. Vê, Eu venho logo! Bem-aventurado é aquele que recebe em si as Palavras da profecia deste livro e se segura nelas! ” Assim falou o Todo-Poderoso, o Juiz e Soberano dos mundos, para mim, João. Tudo isso eu ouvi e vi. Em adoração, caí aos pés do anjo que tudo havia me mostrado. Mas o anjo me afastou de si e falou: “Não a mim deves adorar, adora somente a Deus! Eu sou um servo de Deus como tu e um irmão de todos aqueles que recebem dentro de si as palavras deste livro, que tu escreveste.” Depois disso, o anjo falou: “Não sele as profecias deste livro, pois o tempo do cumprimento está próximo! Tudo, porém, terá que se cumprir, não importa se os seres humanos são maus, impuros, fiéis ou santos. Deixe que continuem a andar pelo caminho que uma vez escolheram, se não quiserem se modificar. Eles colherão o que semeiam! ” E novamente clamou o que estava sentado no trono: “Vê, Eu venho logo! Trarei o Juízo e darei a cada um a recompensa pelas suas obras.
  24. 24. 24 Chamados da Criação primordial (Apocalipse de João) Eu Sou o Criador e Juiz, o Princípio e o Fim, o Primeiro e o Último. Bem- aventurados são os que guardam os Meus mandamentos, para que possam passar pelos portões da cidade nova e possam comer dos frutos da vida. Eu te envio, João, para que testemunhes em todas as comunidades universais. Eu sou a origem de tudo o que foi criado, a Luz emanada de Deus. Quem ouvir isso, que diga: “Vem”. E quem estiver com sede, que venha e beba gratuitamente da Água da Vida! ” Eu, João, testemunho que as palavras que pude ouvir, transcrevi verdadeiramente. Mas, quem acrescentar algo de si próprio, este irá colher pragas, sobre as quais foi escrito neste livro, porque este coloca seu raciocínio na frente da Luz que vem de Deus. E se alguém retirar algo destas palavras, deste será tomada a sua parte nos frutos da vida eterna e na cidade sagrada. Como testemunha e como mensageiro de Deus, eu clamo: “Amém, Senhor, venha logo! ” Porém, com todos os que assimilarem em si as palavras deste livro, esteja a graça do Deus triplo. * A cidade sagrada é um cumprimento em alturas luminosas, não sobre a Terra.

×