Lançai sobre ele toda a culpa - Arthur Giese

25 visualizações

Publicada em

Sai então pequeno escrito e atue.
Ele deve mostrar a cada um, quer tenha se desviado ou esteja mais ligado à Luz —Justiça – Amor – Fidelidade refletindo-se como água pura e cristalina.
Eu luto pela Luz.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
25
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lançai sobre ele toda a culpa - Arthur Giese

  1. 1. Lançai sobre ELE Toda a culpa! Sai então pequeno escrito e atue. Ele deve mostrar a cada um, quer tenha se desviado ou esteja mais ligado à Luz —Justiça – Amor – Fidelidade refletindo-se como água pura e cristalina. Eu luto pela Luz. Abdrushin – Imanuel. O Trígono Sagrado. Arthur Giese. Agora é a época em que são feitas as mais fortes exigências, no que se refere à pertinácia e firmeza dos seres humanos ligados à Luz. Apenas quem estiver estreitamente ligado à Luz encontrar-se-á agora firme e inabalável nas diversas provas de resistência. As tempestades, que passarão agora numa força cada vez maior sobre nós, não poderão fazê-lo tombar. E, em relação a isso, nosso ambiente exterior e visível ainda se encontra relativamente calmo, estável. Mas o ódio já começa a vociferar mais forte, na espécie que só lhe é própria. Ele emite suas exalações atordoantes e venenosas até mesmo dos pequenos países em geral tão pacíficos entre as montanhas que se lançam ao céu. Com última força, as trevas procuram então apagar todas as chaminhas que tremulam inquietas. Quem não firmou em si, de forma suficiente, a confiança na Luz e em seu portador, tem de ser sua vítima. Aquele que se encontra estreitamente ligado à Luz não é surpreendido pelo comportamento recente dos amigos de outrora. Sabe que a força da Luz tem de efetuar-se em quem traz consigo algo latente – no bom ou no mal sentido. É assim o fenômeno colateral em geral costumeiro, cujas causas mais profundas encontram-se geralmente enraizadas na vaidade e no egoísmo humano. Agora eles procuram justificar-se e agem de forma enérgica, grave e convincente, segundo sua opinião: “De todas a predições, profecias, anunciações etc., nada, mas nada mesmo chegou ao cumprimento!” Constatamos de imediato e de forma totalmente objetiva com os sentidos interiores despertos que no fundo, desde os dias em que aqueles que se encontravam sob a cruz, gritando cegamente, exigindo provas terrenas do Filho de Deus, Jesus, o mundo não se tornou outro. Mesmo hoje não procuram os esclarecimentos para tantas contradições aparentes lá, onde só poderiam ser encontrados, ou seja, na Palavra de
  2. 2. Deus, mas entregam-se indolentemente em sua sonolência espiritual à falsa condução e aconselhamento. Quem só observa as coisas com a lampadinha turva do raciocínio terreno, esbarra-se em todas as exterioridades secundárias, jamais encontra o núcleo legítimo em todas as coisas. Como é conhecido, ele tem sempre razão, pois só se movimenta em círculo, jamais deixa seu plano terreno inferior. Da mesma forma como a colher no leite da manteiga, assim ele permanece sempre preso no que é inferior ou, se posso me expressar como profissional competente, ele pôs na marcha errada. Cada caçador sabe, pois, que eu só posso vencer a montanha, a altitude íngreme, com a mais acirrada força. Essa banalidade já deveria também ter se passado para o ser humano em carne e sangue, o qual já segura há muito tempo o ouro reluzente e legítimo nas mãos. Ele deveria saber que com o raciocínio ele jamais pode chegar à clareza, quando se trata de coisas eternas. Se quiser restabelecer nos nossos dias, outra vez, os contatos tão amargamente necessários com sua Pátria, então ele próprio, o espírito humano, tem de distender suas asas luminosas e movimentá-las para o vôo às alturas. Aquilo que é vibrante e vivo, ele só pode assimilar com a igual espécie. Ele tem de despertar a fagulha para que se torne uma chama ardente, tem de libertar-se a si mesmo da estreiteza e do embaraço terrenos. Este trabalho é indispensável. E para isso ele precisa do ouro legítimo e reluzente que encontra na Palavra de Deus, se apenas procurar com sinceridade aí. Se tiver valorizado de maneira correta o quinhão, o tesouro que há muito ele já possui, então também teria de chegar ao reconhecimento, que só pode acolher de forma pura e correta as revelações oriundas das alturas luminosas e as transmitir à medida terrena, o ser humano que se encontra, ele próprio, na ordem uniforme das leis. Então ele também saberia que não existem atos arbitrários no tecer da Criação e que as leis indesviáveis na Criação não podem ser contornadas. Enquanto o ser humano não se encontrar na pureza, ainda não estará livre de erros. O espírito ainda não se libertou plenamente da estreiteza terrena, o raciocínio ainda não serve de maneira correta. Por isso é compreensível que uma tal pessoa ainda possa cair também como vítima das correntezas escuras. Especialmente como pessoa com disposição mediúnica ela é apenas instrumento, antena, que retransmite aquilo que a toca. Reconhecemos facilmente aqui que a pessoa mediúnica não possui uma posição fácil nos tempos atuais. Como ninguém mais, ela é especialmente receptiva a todas as correntezas. O dom mediúnico é um presente elevado de Deus, contudo, ele também sobrecarrega a referida pessoa com uma grande responsabilidade. Por isso, ela tem de desempenhar um controle bem mais incisivo do que qualquer outro ser humano.
  3. 3. A escala, medida e chave para todo acontecimento em e ao redor de nós é sempre unicamente a Palavra Viva. Apenas e exclusivamente a Palavra Viva flui de forma pura das alturas luminosas até embaixo, à Terra, através de todos os degraus dos acontecimentos. Essa ligação pura jamais deve ser perturbada através de uma turvação. Quem acolhe o Vivo nele, está livre de erros. Nós sabemos que o discípulo está ligado com o puro espiritual. Se todo o seu íntimo estiver sintonizado na pureza, então a ligação nele até as alturas luminosas também será pura e sem turvações e ele só poderá transmitir coisas puras. Reconhecemos nisso que exatamente as pessoas que devem ser as pontes para a humanidade, têm em primeira linha o dever de assimilar em si de forma viva a Palavra do SENHOR e também de formá-la no dia- a-dia. Seu renascimento espiritual é a pressuposição para seu atuar rico em bênçãos. Se, além disso, elas ainda forem dotadas mediunicamente, então trazem uma responsabilidade dobrada. Pois exatamente as propriedades mediúnicas contêm em si o terrível perigo que, com cada turvação da pureza interior, possa ser dada oportunidade a correntezas de igual espécie para que atuem através dela. O ser humano de hoje, porém, não pode mais se enquadrar de forma simples e infantil no grande acontecimento vivo, pois seu raciocínio encontra-se mui fortemente desenvolvido. Ele necessita para tanto da Palavra da Verdade, para libertar primeiramente seu espírito do atamento terreno e executar a transformação interior, o renascimento espiritual. A verdadeira humildade que deve destacar o convocado da Luz, ele só pode ganhar através do saber, da convicção viva, da vivência interior. Ele tem de trabalhar com energia férrea em si, para pressentir novamente a grandeza de Deus e, com isso, reconhecer a própria pequenez. Em especial, o convocado mediúnico tem de aspirar isso de forma especialmente sincera, para que ele só possa transmitir o que é puro. Vemos numa observação objetiva de todas as perturbações e impedimentos terrenos, no grandioso acontecimento da Luz, que são sempre e apenas de novo os seres humanos que falham.As leis férreas, porém, jamais se deixam excluir. Nós, seres humanos, temos de nos enquadrar na realidade viva, se esta deva nos levar à paz e à felicidade. Se tornarmos apenas este fato corretamente claro, então temos o esclarecimento para todos os fenômenos obscuros dos últimos tempos. Terrenamente não poderia ter tomado nenhum outro curso. A Luz, a lei indesviável, tinha de varrer para fora o todo, assim como cada falsa imagem terrena, por não vibrar de forma pura na vontade de Deus. Aí também não pôde ser poupado o receptáculo terreno da Luz pura, pois o invólucro terreno do Portador da Luz também se encontra sob a lei. Nós todos, a quem ELE presenteou de forma tão rica, tínhamos que ter nos lembrado sempre disso.
  4. 4. “Ele mentiu conscientemente”, assim ouvimos uma pessoa, que como todos nós tinha motivo para ser agradecido por tanta luz e bondade recebidas, dizer em tom de convicção com uma indignação aparentemente sincera. “Como é que Ele pôde afirmar não ter sabido nada do contrabando de dinheiro, etc., se os fatos reais comprovam o contrário!” Essa acusação mostra de forma bem certa a indolência e a cegueira espiritual, com a qual tal pessoa se encontra diante de tais coisas. Um leve pressentimento de tal acontecimento grandioso só pode advir àquele, que penetrou mais fundo na Mensagem, que reconheceu aquilo que é vivo e vibrante na Palavra de Deus. Apenas aquele que O reconhece em sua Palavra, sabe que sua missão na Terra é única e que por isso, terrenamente, também necessita de um caminho especial. Infelizmente há muitos outros adeptos do Graal que crêem poder progredir espiritualmente apenas através do contato puramente pessoal com o Portador da Luz. Eles estão errados! Certamente os contatos pessoais têm um elevado valor até o ponto em que podem difundir a ligação espiritual. O SENHOR pode, de acordo com sua disposição e por ocasião de um esforço bom e interior, transmitir-lhes uma força especial. Essa força pode então lhes auxiliar a progredir espiritualmente, se a desenvolverem, a utilizarem de maneira correta. Contudo, jamais alcançará seu alvo espiritual o ser humano que praticar um culto pessoal vazio, negligenciando com isso a própria Mensagem; nem se esforçará com toda a força para assimilar o que é vivo na Palavra Sagrada e aplicá-lo no dia-a-dia. Um tal ser humano também jamais reconhecerá quem é ELE, e mesmo se morasse 100 anos em sua imediata proximidade e estivesse no mais estreito contato pessoal com ELE. O reconhecimento do Portador da Verdade só vem através da assimilação viva de sua Palavra. Só quem reconhecê-Lo em sua Palavra, sabe quem ELE é! Para tanto não se faz absolutamente necessário um conhecimento pessoal. A Palavra, a Mensagem, por si só, é a base viva que transmite o contato espiritual com ELE. Todos os outros contatos só poderão ter firmeza e durabilidade, se o ser humano também reconhecer a Lei Viva na Palavra e a cumprir com toda a força! Apenas tal ser humano sabe também que a meta terrena de Abdrushin é de espécie espiritual. A realização de sua missão terrena exige, por isso, total libertação de todas as preocupações e esforços terrenos, para que ELE possa se dedicar totalmente a sua verdadeira missão, transmitir o mais puro à humanidade terrena. Por isso deveria ser formado em torno DELE um anel firme de seres humanos que estivessem plenamente conscientes de sua elevada missão: “proteger o Filho de Deus de todos os incômodos terrenos”. Esse anel devia ser formado de modo tão firme, que repelisse tudo o que não vibrasse de forma pura. Em suas mãos residia toda a direção terrena. Espíritos despertos tinham de encontrar-se em seus postos de responsabilidade, não podiam fazer a mínima concessão para as trevas e seus asseclas.
  5. 5. Cada um deveria encontrar-se de forma luminosa e clara nesse anel luminoso, o qual deveria proteger o mais precioso, o mais sagrado, de todas as instigações terrenas. Isso era a pressuposição natural para a realização da missão terrena do Filho do Homem.Ele tinha que poder confiar plenamente em seu ambiente mais próximo. Eles tinham que tirar Dele todas as preocupações terrenas, para que Ele pudesse direcionar força a todos, para seu elevado alvo. Todos os seres humanos que se encontravam no círculo mais estreito tinham de saber, que eles deviam observar cuidadosamente as leis terrenas. Sua missão não era intervir de forma revolucionária, modificando violentamente o decurso do acontecimento terreno, mas cada um deveria acentuar para si o caminho certo e encontrar-se de forma firme e inabalável como a Luz. Mas não apenas o ambiente mais estreito, mas sim cada indivíduo ligado à Luz tinha de reconhecer isso e organizar sua vida de acordo. Como é que a Luz podia proteger, se os instrumentos ligados à Luz violavam grosseiramente as leis terrenas. Contudo, ainda de que forma tão infimamente pequena pensam todos os seres humanos a respeito do grandioso acontecimento da Luz, seres humanos que crêem que a Luz necessite desprezar uma lei terrena, para levar tudo a bom termo. O próprio Portador da Luz encontrava-se plenamente ao lado de todos os acontecimentos terrenos, totalmente dedicado a sua elevada missão, no círculo de seus auxiliares mais próximos. Como ELE confiava plenamente neles, ELE considerou como algo evidente que eles também se sintonizassem terrenamente de forma viva, a cada instante, ao acontecimento espiritual que se avançava, isto é, que avaliassem de forma espiritualmente correta as condições terrenas e orientassem assim tudo de maneira correta. ELE também não tinha nenhuma desconfiança das anunciações e revelações recebidas pelos convocados individuais. ELE próprio não é mediúnico! Eles, porém, eram guiados pela Luz. ELE havia dado a todos eles a Palavra e a força especial. Seu dever mais nobre era assimilar aquilo que é vivo na Palavra de Deus e transformar em ação. Unicamente disso dependia o sucesso e progresso do acontecimento terreno. Contudo, exatamente aqui também se encontra o empecilho, junto ao qual muitos adeptos do Graal erram. Eles crêem que o Portador da Verdade também teria de ser terrenamente onisciente. Que ELE, como a Lei Viva, também teria de ser capaz de prever e julgar de forma clara e sem erros os fenômenos terrenos. Certamente, ELE também iria ter o julgamento mais maduro nas coisas terrenas, se sua missão terrena residisse no plano terrenamente prático e se pudesse se concentrar com toda a força sobre os acontecimentos terrenos. Ele tinha, porém, uma outra importante meta, por isso seu olhar devia permanecer dirigido para o que era divino-espiritual.
  6. 6. Era sua missão nos transmitir o mais puro, na forma terrenamente compreensível a nós. Nossa tarefa deveria ser acolher o que é vivo na Palavra e ancorar terrenamente, transformar em ação. Só temos que diferenciar bem entre a pura Luz que ELE traz em si e o instrumento terreno. Quanto mais ELE se adentrava em sua verdadeira missão, quanto mais fortemente a força primordial se ancorava no invólucro terreno, tanto mais ELE se distanciava da Terra, perdia o olhar para os pequenos efeitos terrenos. Como Imanuel ele calculava medidas de tempo que, para nós seres humanos, careciam de qualquer imaginação. Nós não conseguimos fazer um quadro das alturas, nas quais o Enviado de Deus vive. E, apesar de tudo, para cada acontecimento espiritual nós temos reflexos naquilo que é visível, os quais, por ocasião de uma vontade boa e pura, podem nos transmitir um leve pressentimento para esse enorme acontecimento. Quem já não ouviu falar do professor disperso, que se perde exclusiva e totalmente em seu mundo científico, de modo que ele nem parece estar sobre a Terra e não possui mais compreensão para as mais simples coisas terrenas. Muitos de nós já vivenciamos pessoalmente estados semelhantes alguma vez, especialmente as pessoas ricas em idéias e que aspiram por ideais. Tais pessoas perdem, quanto mais elas se ocupam com seus elevados ideais, facilmente o contato com a pesada realidade terrena. Não é em vão que se diz na voz do povo: “A pessoa está nas nuvens!” Ela expressa pontos de vista que se destacam das idéias das grandes massas e que aparentemente são tolas. A pessoa que aspira por ideais, com suas idéias, reproduz um leve reflexo da relação da pessoa terrena do Portador da Verdade com sua missão espiritual divina. Apenas àquele que acolheu a Palavra de forma viva em si, isto é, que lutou para libertar o seu espírito do atamento terreno, é que pode advir um fraco pressentimento das alturas em que vive o ser humano terreno, que traz em si uma parte da inentealidade divina! Só ele entenderá também corretamente tantos pontos de vista e tantas palavras que Abdrushin expressou no decorrer dos anos, para ele mesmo ou para outros amigos. Foram imagens de acontecimentos vindouros, vistos de uma distância afastada da Terra e que geralmente precedia bem o pesado curso terreno das coisas. Quem procurava enquadrar tais palavras nos conceitos terrenos de espaço e tempo, tinha naturalmente de ter ficado várias vezes decepcionado quando, então, os acontecimentos anunciados terrenamente fizeram-se esperar e não surgiram na hora estabelecida. E quem teve de suportar a culpa de todas essas decepções? Por acaso, o Enviado de Deus que vivia totalmente no cumprimento de sua elevada missão e hauria para nós a água da vida da fonte primordial?
  7. 7. Não foi muito mais nossa culpa, por não termos utilizado, ter sabido dar valor àquilo que é valioso?! Era nossa missão haurir da fonte pura que ELE abriu novamente para nós na Palavra Sagrada. Com o espírito livre, sem opressão, podíamos julgar então, seguramente e por nós mesmos, as coisas terrenas e também as condições especiais em que o Enviado de Deus vivia. Nós, porém, pactuamos, namoriscamos com gosto com o velho inimigo hereditário e ficamos parados no meio do caminho. Contudo, antes de termos posto totalmente de lado a imundície, a Luz pura não pode adentrar em nós. Unicamente isso é a profunda e verdadeira causa de todos os insucessos, de todo sofrimento que teve de atingir Abdrushin e sua igual espécie. Nós não quisemos nos separar da condução errônea, de nossos erros e fraquezas; pois a Palavra Viva, oriunda das alturas luminosas, exige isso de forma dura e inexorável de todos os seres humanos ligados à Luz. Lançai sobre ELE toda a culpa! Foi a mesma terrível tragédia como há 2000 anos. Todos aqueles que se encontram odiosos do outro lado, não são capazes de haurir da fonte pura, pois lhes faltam a pureza interior e a humildade espiritual. Sua atenção principal está direcionada só para o que é terreno. Anteriormente todas essas pessoas reconheceram uma vez, de fato, a Verdade na Mensagem, pelo menos afirmaram isso outrora. A Verdade, porém, só segura firmemente aquele que realmente se esforça para reconhecer aí o caminho certo e moldar sua vida de acordo, pois ela exige dura e inexoravelmente de cada ser humano a transformação interior. Para muitas pessoas, habitualmente, este é então exatamente o momento em que elas oscilam; pois elas pendem por demais em todas as coisas baixas, inferiores e não querem se separar disso. A Verdade, com o tempo, torna-se-lhes incômoda, inoportuna. Elas não conseguem suportá-la e perseguem com aversão e, por fim, com ódio Aquele que a diz francamente a eles. Cada um de nós já vivenciou isso muitas vezes. E exatamente o Portador da Luz e da Verdade tem que vivenciar isso de forma especialmente amarga, pois não pode fazer nenhum tipo de concessão aos seres humanos. É a Palavra de Deus, a lei viva sem deformações que Ele traz. O ser humano tem de ter a intenção de cumpri- la. Os seres humanos sentem-se então, em geral, feridos em sua vaidade. A isso vem ainda o fato que Abdrushin jamais alicia, nem uma única pessoa que se afasta. Na Criação isto também seria incompatível com o atuar de acordo com as leis. Pois nós sabemos de fato: o ser humano tem, a partir de si, que se esforçar de forma completamente livre e ininfluenciada pela Verdade. Os opositores, porém, também afirmam que Abdrushin aliciaria pessoas e incitaria também seus adeptos a aliciarem. Quem afirma isso, ainda não reconheceu o que é vivo na Palavra da Verdade.
  8. 8. Se Abdrushin incumbiu um ser humano com alguma tarefa que seja, então isso foi sempre de acordo com o desejo desse ser humano, que equivalia a um pedido, e precedera a incumbência. Ele jamais desempenhou, direta ou indiretamente, a influência de sua vontade sobre um ser humano. Quem teve então a felicidade de reconhecer a Verdade na Mensagem, este também estará sempre disposto a servi-la com todas as suas forças e a retransmitir ao seu vizinho aquilo que pôde receber no caminho de graça e que preenche todo o seu íntimo. A partir dessa sintonização natural, diversos adeptos vieram a Abdrushin entre os anos de 1930 a 1932 com o pedido, para que fossem realizadas palestras públicas. De forma alguma Abdrushin os incumbiu com isso, ao contrário, Ele apenas realizou seus pedidos, ao dar o consentimento aos seus desejos. As palestras também não tinham nada a ver com uma propaganda (aliciamento), mas Abdrushin dava, assim como em cada atuar no movimento do Graal, onde quer que fosse, sempre apenas aos seres humanos a oportunidade de acolher a Verdade. Só exteriormente tinha a semelhança de uma propaganda, pois tínhamos que nos servir das formas em geral usuais para isso (anuncio no jornal, fixação de cartazes, etc.), mas jamais interiormente, nem no efeito. Para cada um que reconheceu de novo a Verdade na Mensagem é, por isso, evidente que Abdrushin jamais aliciasse um ser humano, nem influenciasse seus adeptos nesse sentido. Bem ao contrário, sua postura é reservada, de forma alguma lisonjeira. O ser humano tem de provar que a Verdade lhe é mais valiosa do que todos os bens terrenos. Mas exatamente o fato de que Abdrushin não alicia nenhum ser humano que se afasta, dá então o golpe mais amargo em sua vaidade, o qual eles pagam com um ódio irracional. Eles agem então na forma dos seres humanos que trazem o mal em si. Como é conhecido, o ser humano sentencia e julga de acordo com a própria espécie. Aquilo que pensa de seu semelhante, ele haure de si mesmo. Só assim pode se explicar o comportamento malévolo e irracional de tantas pessoas. Todos nós sabemos agora que os seres humanos que se encontram ao redor DELE, num círculo mais estreito, devem ser pontes para a humanidade. Eles devem cumprir como primeiros a Palavra, serem exemplos. Para tanto Abdrushin lhes deu tudo. Sua missão é desenvolver as elevadas forças em si. Com uma tenacidade férrea devem utilizar cada minuto de forma correta, trabalhar em si, a fim de se prepararem para sua elevada missão. Significa o desenvolvimento do espírito e da essência até a perfeição. De forma rigorosa, cada um tinha de ir para o Juízo e afastar todas as fraquezas. Nem um resquício de vaidade deveria permanecer neles. Eles tinham de servir à força da Luz, que lhes fora presenteada no caminho de graça, de forma fiel, verdadeira e cheia de humildade.
  9. 9. Dessa forma, tudo dependia da assimilação viva da Palavra, da transformação interior, do renascimento espiritual; pois como pode fluir algo puro através de um receptáculo obscuro e deformado? Como pode um ser humano que se encontra preso a todas as vilezas, ser uma diretriz e um caminho ao vizinho mais fraco? Para o ser humano que se encontra vivo na Palavra não é difícil reconhecer as profundas causas de todos os acontecimentos obscuros. Alguns de nós pensarão em silêncio: “Sim, se as coisas são assim, então só são culpados aqueles seres humanos, para cujas mãos convergiam os fios terrenos. O que tenho com isso. Eu não desempenhava nenhuma influência no curso das coisas!” Aqueles que pensam assim se enganam! Parece que não reconheceram de forma suficientemente clara a culpa primordial da humanidade e, com isso, também a própria culpa, esquivando-se covardemente da responsabilidade. O caminho para Canossa* (* N.T.: Canossa = tomar sobre si um auto-rebaixamento difícil, exigido pela situação.) não será poupado a nenhum espírito humano! Sem o “Mea culpa, Mea culpa, Mea maxima culpa” a ascensão não pode começar. É a primeira base firme, o primeiro degrau seguro no caminho para as alturas luminosas. Certamente que os que estavam na ponta tinham que ter ficado especialmente alertas, mas com isso a culpa de cada um ligado à Luz, indiferente se ele vivia aqui embaixo ou lá em cima nas proximidades da Luz, não é nem um milímetro menor. Todos nós tínhamos de ter estado espiritualmente alertas ao máximo. Cada um de nós tinha de ter se sintonizado de forma viva ao acontecimento inteiro e ter dado sempre tudo de si o que o respectivo momento exigia. É da espécie do raciocínio indicar sempre com o dedo para o seu mau vizinho; quando algo acontece, enfia-lhe a culpa nos bolsos, ao invés de ouvir o seu íntimo e se perguntar: onde foi que eu errei nisso. Lançai sobre ELE toda a culpa! Como um fio vermelho passa sempre de novo por todas hostilizações, odiosidades e maldades a afirmação: “Abdrushin se aproveita de pessoas de boa-fé para seus objetivos e cria à custa deles uma vida agradável para si!” Quão ridículas são tais acusações, em vista do fato que Abdrushin mesmo dispunha de um grande montante, que poderia fornecer-lhe uma vida despreocupada. Dessa maneira ele teria podido evitar todas as coisas feias em seu caminho. O fato Dele não ter feito isso, mas optado pelo terrível caminho cheio de tormentos e de espinhos, mostra que Ele tinha uma missão especial a cumprir. Quem reconheceu a Verdade na Mensagem, sabe também que temos de reconhecer, não apenas como nosso mais nobre dever, mas também como nossa mais alta felicidade, que devemos difundir beleza e harmonia ao SEU redor. Para aquele que O reconheceu na Palavra é, por isso, evidente que imponha a si mesmo as maiores privações, a fim de formar
  10. 10. a permanência terrena em torno DELE de modo agradável; pois este sabe então o que tem de proteger. Muitos se encontram sem apoio devido aos últimos acontecimentos. Eles se encontram economicamente diante do nada! Para eles o tempo é duplamente difícil. Quem ainda estiver melhor, é seu dever amparar os que estão sem apoio nessa difícil época de transição. No mais, cada um deve se esforçar no sentido da Mensagem, e firmar novamente o pé economicamente; pois sabemos também que um não deve ficar pendurado no outro, mas que cada um deve aspirar com toda a força também a independência econômica. A única coisa que a pessoa ligada à Luz pode e deve fazer com toda a força nessa difícil época, é trabalhar em si mesmo. Ele tem de amadurecer no silêncio, para que possa mostrar o caminho para a Luz a todos os seres humanos, como um exemplo vivo. É esse também, analisando de forma séria, o único auxílio para a humanidade tão profundamente caída. Cada um tem de reluzir de forma visível na hora da aflição. Não há também outro caminho para a própria felicidade, do que aquele do verdadeiro amor e auxílio ao próximo. Cada um tem de se esforçar com toda a força para batalhar pela felicidade do próximo, por meio de ser-lhe um exemplo. Já a mais simples reflexão leva a isto. Pois é impossível se sentir feliz em um ambiente infeliz. Nestes dias sérios, só há um pró ou contra. Cada mornidão, indecisão, pode tornar-se perigosa ao espírito humano. Quem se encontra intimamente ligado com a Luz, também reconhecerá sempre de forma clara as trevas e seu modo de lutar. As trevas serão sempre malévolas, feias e vis. Não movimentemos os últimos acontecimentos turvos apenas no raciocínio esgotado e corrosivo, deixemos que penetre até o nosso espírito, para que se torne uma vivência em nós. Temos que avaliar no sentido certo as experiências do passado e nos sintonizar no futuro, a cada instante, de forma correta a cada acontecimento vivo, sendo exemplos onde o destino tiver nos colocado. O estar espiritualmente junto e firme é o mais nobre mandamento desta hora. Pois como é que a Luz pode alcançar a humanidade se os seres humanos ligados à Luz, nem conseguem se encontrar uns aos outros, se o perturbador comum da paz, o raciocínio corrosivo, sufoca sempre de novo no gérmen cada anseio bom para harmonia? Colocar o raciocínio dentro da ordem que serve de acordo com as leis, unicamente isto é a luta que temos de travar, e só quem permanecer vitorioso nessa luta, alcançará seu alvo eterno e será o correto auxiliador do Portador da Verdade ABD-RU-SHIN – IMANUEL.

×