“As Leis Primordiais da Criação”
Retirado do livro "As Leis Primordiais da Criação", de autoria de Susanne
Schwartzkopff.
...
assim como a primavera segue o inverno.
Esses tritonos são movimentos circulares, assim como tudo na Criação
precisa reali...
Quem deverá ser o derrotado em tal ousadia está bem claro. Igualmente
claro está o fato de a humanidade estar já há muito ...
e está incluso no maior percurso da parte do Universo, ao qual o sistema
solar pertence. Estando o grande movimento circul...
gerações, o dom musical aparece num grau mais forte ou mais fraco. Disso
tirou-se a conclusão que dons são herdados.
Realm...
é que não foi reconhecida. Se, por exemplo, surgir um novo e forte
pensamento em qualquer lugar da Terra, então não demora...
apenas pelo fato de fortalecermos o executante através de semelhantes
formas de pensamentos, cujos geradores somos nós!
Qu...
variedade e a diversidade na Criação, sua inesgotável riqueza de formas.
Nessas formas divididas repousa, porém, de certa ...
se fundir um com o outro, por serem de espécies diferentes, mas que em
um determinado grau de calor e em uma força bem det...
posta de lado. Exatamente no tempo previsto ela se efetua, assim como a
semente num determinado tempo surge como uma jovem...
vontade atrai semelhantes forças do Universo e pode, dessa maneira
fortalecida, erguer-nos alto em direção à Luz, se permi...
O reconhecimento dessa inevitável "expiação obrigatória", a qual a justiça
e a harmonia exigem no Universo, esclarece tamb...
A Lei da Gravidade é conhecida por toda parte. Contudo ela só é observada
como uma lei física, portanto, atuante apenas na...
Movimenta-te, no espírito e no corpo, então tu evoluirás, então tuas
forças crescerão, teus campos de atuação se ampliarão...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AS LEIS PRIMORDIAIS DA CRIAÇÃO

154 visualizações

Publicada em

“As Leis Primordiais da Criação”
susanne schwartzkopff

Retirado do livro "As Leis Primordiais da Criação", de autoria de Susanne Schwartzkopff.

O ser humano que não esqueça que ele está na obra de Deus, que ele mesmo é uma parte dessa obra e que, por isso, também permanece incondicionalmente submetido às leis dessa obra.”.

“Abd-ru-schin”

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
154
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AS LEIS PRIMORDIAIS DA CRIAÇÃO

  1. 1. “As Leis Primordiais da Criação” Retirado do livro "As Leis Primordiais da Criação", de autoria de Susanne Schwartzkopff. O ser humano que não esqueça que ele está na obra de Deus, que ele mesmo é uma parte dessa obra e que, por isso, também permanece incondicionalmente submetido às leis dessa obra.”. “Abd-ru-schin” Aqui não deverá ser falado dos Dez Mandamentos recebidos outrora por Moisés sobre o Monte Sinai, mas sim das grandes Leis Primordiais da Criação, que, como um sistema nervoso, perpassam toda a Criação, movimentam-na, mantêm-na, e numa transformação sem fim, dissolvem e formam novamente. Nessas eternas Leis está tudo contido: o Cosmos, o ser humano, cada criatura. Elas são as grandes guardiãs da ordem que se preocupam para que a alternância entre o formar-se, o decompor-se e o surgir novamente se realizem sempre equilibradamente. Sem elas tudo desmoronaria. Elas conservam tudo reunido, organizam em harmonia e deixam tudo se desenvolver para florescer e frutificar. O ser humano fala de "Leis da Natureza" e com isso ele não está errado. As Leis Primordiais da Criação estão entretecidas naquilo que nós denominamos ''Natureza''. Contudo, elas abrangem também toda vida espiritual na Criação. As mesmas Leis que criaram e sustentam a Natureza também criaram e sustentam a vida espiritual. A magnífica uniformidade que perpassa toda a Criação revela-se nesse fato. Apenas os efeitos das Leis, as formas que elas produzem são diferentes, conforme a espécie da planície da Criação em que elas atuam. Por toda a parte na Criação esbarramos na trindade, partindo da trindade que está sobre todas as outras, a Trindade-Una de Deus: Deus-Pai, Deus- Filho e Deus Espírito Santo, até embaixo no "trítono" em nossa música. Precisamos apenas lançar um olhar em nossa própria vida e na natureza que nos rodeia para reencontrarmos a trindade por toda a parte. Como primeira está a trindade do nascimento, vida e morte ou expresso diferentemente: surgimento, desenvolvimento e perecimento, ou florescer, amadurecer e fenecer. Na planta é a semente, a planta e o fruto. O corpo é composto de cabeça, tronco e membros, uma família de homem, mulher e filho. Sempre no último degrau de tudo o que está submetido a um desenvolvimento, já reside a semente para o começo de um novo ciclo. Pois a morte é o nascimento em uma nova vida; da fruta da planta se forma a semente para uma nova planta, após o perecimento segue o ressurgir
  2. 2. assim como a primavera segue o inverno. Esses tritonos são movimentos circulares, assim como tudo na Criação precisa realizar um movimento circular, pois tudo é impulsionado para o desenvolvimento e, depois de concluído, é novamente atraído para o ponto de partida. Na Terra o ser humano realiza o movimento circular do nascimento, vida e morte. Mas esse movimento circular terreno está subordinado a um movimento bem maior e bem mais abrangente, que deve conduzir o espírito humano de seus primeiros princípios à perfeição que lhe é possível. Sua origem reside no reino do espírito; dele ele partiu como ínfima semente espiritual, assim como a semente é espalhada pelo semeador sobre o campo de cultivo. De lá de cima o espírito humano começa seu caminho de desenvolvimento, o qual o conduz por todos os mundos. Ele se torna um "peregrino dos mundos" para chegar ao amadurecimento totalmente consciente de seu Eu pessoal, assim como a semente se torna um fruto. Essa peregrinação o conduz até a mais densa materialidade, aqui, nesta Terra. E aqui no batalhar e esforçar-se, na luta consigo mesmo e com seu ambiente, no dar e receber o espírito se molda até que possa retornar ao seu ponto de partida, o reino do espírito, para ser então enquadrado lá como um membro da Criação que serve e trabalha junto. Espiritual, enteal e material, estes são os reinos pelos quais ele passa em sua peregrinação; partindo do espiritual, adquirindo invólucros em torno de si no reino enteal e material, para, em toda a parte, estar em solo de igual espécie, e, na peregrinação de retorno, porém, despindo novamente invólucro por invólucro, até que por fim, como espírito maduro, ele permanece vestido apenas com um leve invólucro espiritual. Também aqui se apresenta novamente a trindade: espiritual, enteal e material. Não pode ser diferente já que tudo se origina de Deus e Ele se revela à Criação na Trindade-Una. Assim, também não é de se admirar o fato de haver três grandes Leis Primordiais que perpassam a Criação. Deus, o Onipotente, entreteceu-as em sua grande obra. Automaticamente elas atuam agora dentro dela, não necessitam de supervisão, de inspeção. Elas são perfeitas, indesviáveis, assim como tudo o que foi criado pela Vontade do Criador é perfeito em si. O desenvolvimento da Criação é deixado aos cuidados de sua férrea atuação. Deus não se intromete em todo atuar e trabalhar das criaturas humanas. Repousa em suas mãos se elas querem se enquadrar e deixar-se conduzir pela poderosa força primordial das Leis Divinas da Criação e encontrar nelas as mais ricas possibilidades para o seu próprio aperfeiçoamento, ou se querem se opor a elas num atuar corrompido, em busca de objetivos humanos egoísticos e sombrios.
  3. 3. Quem deverá ser o derrotado em tal ousadia está bem claro. Igualmente claro está o fato de a humanidade estar já há muito tempo afastada do caminho claro das Leis. As conseqüências desse atuar manifestam-se tão nitidamente no caos atual sobre a Terra, que até um cego tem que vê-las. Três são as Leis, portanto, que Deus presenteou a sua Criação como apoio e força impulsionadora: A lei da atração da igual espécie, da reciprocidade, da gravidade, todas conseqüência do movimento. “LEI DA ATRAÇÃO DA IGUAL ESPÉCIE” Quando nós olhamos atentamente ao redor em nossa vida e em nosso vivenciar diário, então encontramos por toda a parte essa Lei. Ela foi observada muitas vezes por pessoas e possui um sedimento em muitos provérbios dos mais diversos povos. Assim falamos, por exemplo: "Igual com igual se combinam", ou "irmãos iguais, chapéus iguais" ou coisas semelhantes. Se certo número de pessoas for guiado, por um motivo qualquer, por um período de tempo, então não demora muito até que a igual espécie se encontre e se junte. Mesmas tendências, mesmos temperamentos, mesma índole conduzem inconscientemente os seres humanos uns aos outros. Falamos então de "simpatia" e referimo-nos com isso à força de atração da igual espécie. Isso já ocorre com as crianças, em geral de forma bem mais aberta e desimpedida do que com os adultos. Jogadores se encontram e se juntam. Beberrões, fumantes, esportistas, mas também aqueles que são ávidos pelo poder e que possuem um instinto de destruição semelhante, e então novamente os idealistas, aqueles que querem melhorar o mundo e os nobres, para um objetivo elevado. Ela atua tanto no que é bom como no que é mau. Mas essa Lei também atua em um campo bem diferente, ou seja, no da encarnação. A peregrinação de um germe espiritual até o seu aprimoramento para se tornar um espírito humano perfeito, é uma longa peregrinação. Uma única encarnação não é suficiente para lhe outorgar a maturidade que o deixa ascender às alturas luminosas. Ele precisa se encarnar várias vezes na Terra até que tenha vivenciado realmente em si, porque ele está aí, qual é o verdadeiro sentido da vida e o que o seu Criador espera e exige dele, em qual imagem ele deve se formar. Assim se juntam em seu grande movimento circular da formação, desde seu ponto de partida no reino espiritual até o retorno ao Paraíso, muitos movimentos circulares pequenos, exatamente da mesma forma que o percurso da Terra em torno do Sol é o pequeno circuito no grande e maior movimento circular do Sol com a elíptica, que é, por fim, novamente menor
  4. 4. e está incluso no maior percurso da parte do Universo, ao qual o sistema solar pertence. Estando o grande movimento circular do ser humano realizado, então ele não precisa mais voltar à materialidade; seus pequenos movimentos circulares terminaram. Ele vibra agora, para sempre, junto, na vida da eternidade que é independente do tempo. Como posse primordialmente sua, repousa no germe espiritual a capacidade de atração. Ela é tão inseparável dele quanto à liberdade de sua vontade, ou seja, de sua resolução. Ambas não podem ser separadas do espírito, porém faltam ao enteal, que não necessita dessa capacidade, já que sem a vontade de decisão vibra sempre na Vontade de Deus, não precisando, portanto, recair também nenhuma escolha sobre ele. Para o espírito, porém, a capacidade de atração é o leme que o guia através da diversidade dos fenômenos, ordena estes, reúne a igual espécie e através disso é fortalecido em sua capacidade de atuação. Se o espírito não possuísse essa propriedade, o que quer que encontrasse na peregrinação, seria reunido casualmente, surgindo assim desordem e desarmonia onde dever-se-ia imperar uma ordem harmônica. Os espíritos ainda não maduros são atraídos para cá e para lá através do desejo que cresce neles, o suave impulsionar neles, ao qual eles cedem bem cedo. Assim, separam-se logo após a sua saída àqueles que desejam atuar de forma predominantemente masculina daqueles germes espirituais que se impulsionam para uma atividade feminina, portanto, aqueles que querem estar sintonizados de forma mais positiva, atuar de forma ativa, daqueles que são receptores mais das formas negativas, femininas. Aos poucos se desenvolve então, sempre cedendo ao suave impulso ou desejo interior, uma capacidade após a outra no germe espiritual e procura se efetuar, se moldar. A possibilidade para tanto é dada ao espírito na materialidade, a grande escola dos espíritos humanos. Aqui vivem todas as espécies umas ao lado das outras, para se amoldarem umas às outras, beneficiarem-se num recíproco auxiliar e num atuar em comum. Encontram-se e juntam-se aí sempre de novo as iguais espécies. Assim o espírito também é atraído pelos pais, que são de sua espécie. Não é possível de outra forma, pois a Lei de Atração da Igual Espécie não admite de forma diferente. Dessa maneira ele também encontra a melhor possibilidade de progredir espiritualmente, pois através da igual espécie dos pais, encontra compreensão e essa igual espécie pode auxiliá-lo da melhor forma no esforçar-se para o alto. Em geral, o ser humano é atraído apenas por um dos pais. Muitas vezes já foi observado como crianças são bastante parecidas com o pai ou com a mãe, não apenas exteriormente, mas também na essência, nos dons. Há, por exemplo, famílias de músicos nas quais sempre de novo, através de
  5. 5. gerações, o dom musical aparece num grau mais forte ou mais fraco. Disso tirou-se a conclusão que dons são herdados. Realmente parece assim, mas essa conclusão é, no entanto, falsa. Propriedades espirituais, às quais se contam também os talentos, não podem ser herdadas, mas apenas propriedades materiais, portanto, corporais e o que estiver relacionado a isso. Espiritualmente cada ser humano é um ser individual por si, encerrado em si, com total responsabilidade sobre si próprio. Ninguém deve se desculpar com herança ou procurar uma circunstância atenuante para seus erros e fraquezas no fato de que seus antepassados tivessem lhe deixado esses como herança. Não, sua igual espécie o atraiu para pessoas da mesma espécie, com os mesmos erros e vantagens seguindo a grande Lei Primordial da Criação da Atração da Igual Espécie. Não reside exatamente aí novamente a Sabedoria e o Amor de Deus? De nenhuma outra maneira eu mesma posso melhor reconhecer, do que quando eu me esbarro nos erros de meu ambiente, erros que eu mesma trago em mim. Pois exatamente aquilo que mais me incomoda nos outros, são meus próprios erros. E no "esbarrar-se nisso" meus olhos são abertos por si mesmos. É como um espelho que é segurado diante de mim, no qual eu posso reconhecer minha imagem. Com isso nos é dado um forte apoio na mão, assim como em todas as Leis de Deus foram incorporados vários apoios para aqueles que são de boa vontade. Quanto mais puro um espírito humano for, tanto mais ele também pode atrair almas mais luminosas. Que elevada responsabilidade foi colocado com isso na mão das mães, com as quais almas com o objetivo da encarnação procuram se ligarem! Mas não apenas seres humanos de igual espécie são reunidos magneticamente através da Lei da Atração da Igual Espécie. Existe ainda um grande mundo, no qual essa Lei também se cumpre inexoravelmente. Este é o mundo das formas de pensamentos. Também o pensamento que, por fim, também parte do espírito, tem capacidade de atrair a igual espécie. E como tudo na Criação toma forma, assim se formam dos pensamentos enviados as formas de pensamentos, que correspondem exatamente ao conteúdo do pensamento. Assim um pensamento de amor apresentará uma forma de amor, um pensamento de inveja uma forma de inveja e assim por diante. O pensamento ao sair de seu autor vai, portanto, conforme a Lei da Atração da Igual Espécie, para onde ele encontra a igual espécie. Já se observou isso muitas vezes, apenas a Lei que reside por detrás disso
  6. 6. é que não foi reconhecida. Se, por exemplo, surgir um novo e forte pensamento em qualquer lugar da Terra, então não demora muito tempo até que ele, quase ao mesmo tempo, seja expresso também em outros lugares e chegue ao conhecimento do povo.(grifo meu) Isso foi vivenciado diversas vezes especialmente com invenções que foram feitas em diversos países ao mesmo tempo. O ser humano encontrou para isso a fórmula: "Estava no ar." Ele não estava totalmente errado com esta constatação incerta; pois pensamentos atravessam mar e terra, para eles espaço e tempo não desempenham nenhum papel, e assim um pensamento recentemente formado encontra-se rapidamente com sua igual espécie em qualquer lugar na Terra e produz lá pensamentos de igual espécie. Todo pensamento que formamos sai para o Universo, pois tudo na Criação está em constante movimento. A força de atração da igual espécie o atrai, então, magneticamente, para pensamentos de igual espécie, os quais, todos, tornaram-se formas vivas. Dessa forma surgem os assim chamados locais de agrupamento dos pensamentos, os quais também podemos chamar de centrais de força. Através da fusão da igual espécie realiza-se um grande fortalecimento, assim como se dá com qualquer fusão. Mas com isso o movimento circular ainda não estaria concluído, o trítono ainda não estaria realizado. Fortalecidas pela igual espécie as formas de pensamentos retornam agora novamente para seu autor, para lhe trazer felicidade ou sofrimento, conforme a espécie que ele enviou e chamou para a vida. Repousa em sua mão! Elas se aderem a ele, oprimem-no ou fortalecem-no, atormentam-no e o sobrecarregam ou soerguem-no para cima. Grande poder reside nas formas de pensamentos. Elas deveriam ser muito, muitíssimo mais observadas! Elas produzem bênção ou desgraça para o ser humano individual bem como para povos inteiros, e ninguém pode se esquivar dessa enorme responsabilidade, pois todos nós atuamos, contribuindo com o mundo das formas de pensamentos. Através do fato que pensamentos tomam formas - neles também reside força espiritual - surge algo vivo e isso irradia então, não apenas de volta ao gerador, mas também influencia outros seres humanos abertos para isso. Nós podemos, portanto, através de pensamentos bons, fortalecer seres humanos que se mantém abertos para o bem, podemos curar feridas e dirigir uma luta em prol da Luz, luta essa que beneficia a Criação. Contudo, nós também podemos, através de pensamentos de ódio, impelir para a ação alguém que se mantém aberto para estes pensamentos, alguém que por si só, talvez, jamais tivesse executado tal ação. Assim podemos participar de ações cuja terribilidade nos enche de horror,
  7. 7. apenas pelo fato de fortalecermos o executante através de semelhantes formas de pensamentos, cujos geradores somos nós! Quem reconhece isso em todas as suas graves conseqüências para a humanidade, sim, para a Criação inteira, reconhecerá que uma das mais importantes exigências que Deus nos faz é a pureza dos pensamentos. Este se esforçará em tomar um novo caminho em sua vida interior, se apenas ainda uma fagulha de pureza viver nele, e nesse caminho ele encontrará uma paz de coração até agora desconhecida! Quão profundamente ditoso é quando podemos sentir como estamos rodeados por puros pensamentos de amor e do querer auxiliar, os quais outros nos enviaram a fim de nos auxiliar e nos fortalecer em qualquer dificuldade interior ou exterior. É realidade! Em tal vivenciar reconhecemos a maravilhosa grandeza das Leis de Deus. Também na oração a Lei da Atração da Igual Espécie desempenha um papel importante, sim, o maior. Conforme a seriedade e a pureza, a profundidade da intuição, a oração ascende para o lugar onde se encontra com a igual espécie e recebe desse lugar fortalecimento, realização, resposta a uma pergunta, nova força. E, despindo o ser humano a espessa vestimenta terrena, a Lei da Atração da Igual Espécie o envolve novamente. Pois conforme sua espécie e constituição interior ele desce para o lugar onde encontra espíritos com tendências semelhantes ou se eleva às alturas em que ele pode se manter graças a sua leveza. Por toda a parte na Criação ele encontra a igual espécie de mentalidade e de anseio e o peso ligado a isso (grifo meu), e este ou o eleva bem - aventuradamente para cima ou o lança na noite e no desespero, onde, na vivência, ele deve reconhecer a si próprio e vivenciar nos outros até o fastio o que ele mesmo fez, até que finalmente lhe surja o ardente anseio pelo que é bom e melhor. Iguais se atraem, desiguais se repelem. Se o ser humano tentar contornar essa Lei, por desconhecimento ou querer saber melhor, então surgem conseqüências que lhe mostram nitidamente que ele está no caminho errado. A pesquisa médica, por exemplo, ao encontrar os "grupos sangüíneos", impede casos de morte nas transfusões de sangue, já que, a partir de então, só foram utilizados para isso a igual espécie. O mundo animal e vegetal, sobre os quais o ser humano tem uma influência, mostra quão assoladoramente ele cruza espécies desiguais umas com as outras. A não observação das Leis Divinas só pode levar a insucessos. Um outro anseio por ligação pertencente à Lei da Atração da Igual Espécie ainda deve ser mencionado aqui de forma breve. É o desejo de adesão das espécies divididas em si que anseiam por sua reunificação. De cima, visto da Criação Primordial, tudo se divide cada vez mais para baixo em ramificações cada vez mais numerosas, assim como a árvore, em direção contrária, ramifica-se, tornando-se cada vez mais fina. Isso resulta a
  8. 8. variedade e a diversidade na Criação, sua inesgotável riqueza de formas. Nessas formas divididas repousa, porém, de certa forma, a lembrança de que elas realmente se pertencem e conservam o desejo de adesão, assim como o homem e a mulher desejam se unir, para, em comum, formarem o ser humano no qual as forças masculinas e femininas atuam juntas como unidade. Esse desejo de adesão dá o esclarecimento para o fato do por que dos pólos diferentes se atraírem e os opostos se tocarem. Apenas em espécies fechadas é que a Lei da Atração de Igual Espécie entra em consideração. OBS: Retirado do livro "Respostas a Perguntas", em que Abdruschin esclarece que a força de atração da igual espécie, não trata apenas de partes ou ramificações de uma espécie, enfatizando que fundamental a questão é saber o que seja uma espécie. No livro consta o seguinte: "Eletricidade positiva, por exemplo, como também uma mulher má ou um homem mau, estão longe ainda de representar uma espécie por si, tal como ela se impõe na lei universal. As partes positivas e negativas procuram se juntar, porque somente com muitas outras partes elas conseguem formar uma espécie, a qual, então, exerce a força de atração sobre a igual espécie completa. Além diso, esse ato de juntar-se das diferentes partes de espécie é um efeito direto dessa lei da força de atração da igual espécie, que obriga as partes pertencentes a uma espécie completa a se encontrarem e se juntarem". Mensagem do Graal, dissertação "No Reino dos Demônios e dos Fantasmas". "Exatamente as variadas possibilidades e impossibilidades de ligação são os mais severos guardas da ordem na Criação posterior, resultando em firme e inamovível divisão em todo o formar e decompor". Mensagem do Graal, dissertação "Almas Torcidas". "Existem, pois, na atuação da Criação uma atração e um desejo de ligação! Os efeitos de ambos os processos exteriormente parecem idênticos. A força interna (grifo meu), que a isso impulsiona, é, porém, totalmente diferente. A atração resulta de espécies iguais, fechadas em si, e o desejo de ligação reside nas apartações das espécies, que permanecem almejando formar novamente uma espécie"! (continuação do livro de Susanne Schwartzkopff.) Uma junção existe também entre a alma e o corpo, os quais jamais podem
  9. 9. se fundir um com o outro, por serem de espécies diferentes, mas que em um determinado grau de calor e em uma força bem determinada de sua irradiação, podem se juntar firmemente de forma magnética um ao outro. Estando o corpo doente ou envelhecido, então sua irradiação e seu calor se modificam e ambos tem que se separar novamente um do outro. Esse fenômeno é então a morte terrena. No sono a ligação firme da alma já se afrouxa, devido ao fato da irradiação do corpo se tornar mais frouxa. Contudo essa irradiação é imediatamente restabelecida com o despertar. LEI DA RECIPROCIDADE. Nós descrevemos acima como é o caminho normal previsto por Deus para o espírito humano. Infelizmente já há muito tempo o ser humano se desviou desse maravilhoso caminho cheio de luz e se envolveu no lodo e no matagal. Ele colocou sua própria vontade à frente da Vontade de Deus numa teimosa exigência. Ao invés de deixar-se levar pela força primordial das Leis da Criação, procurou colocar-se sempre de novo contra elas. A beleza e harmonia desejada por Deus se transformaram em toda parte onde o ser humano pôde desempenhar uma influência, em desarmonia e escuridão. Cada pessoa sensata admitirá que por muito tempo isso não possa permanecer impune. A humanidade atraiu com esse agir uma reciprocidade que já se desencadeia com toda a impetuosidade sobre ela. Com uma exatidão incomparável a Lei da Reciprocidade atinge cada ser humano, como também povos inteiros. O que há então de importante com essa Lei? Toda pessoa sabe que quando semeia trigo não poderá colher centeio ou aveia. Isso é totalmente impossível. Quem, porém, compreende que espiritualmente isso ocorre da mesma forma? Se eu semear amor então colherei amor, se semear ódio então o ódio recairá sobre mim, e na verdade dez vezes mais forte do que quando partiu de mim, pois ele buscou fortalecimento da central de força de igual espécie. Jesus expressou essa Lei numa monumental simplicidade com as palavras: "O que o ser humano semear, terá que colher!". Essas palavras são, como todas as suas expressões, bastante abrangentes. Não se referem apenas ao fenômeno da Natureza, mas abrangem também toda a vida. A Lei expressa nessas palavras não pode ser contornada,
  10. 10. posta de lado. Exatamente no tempo previsto ela se efetua, assim como a semente num determinado tempo surge como uma jovem planta sobre a terra. A Lei da Reciprocidade ou da ação recíproca baseia-se na eterna exigência de Deus, do Criador, que apenas no dar se deve receber. O dar tem que ser sempre o primeiro, o que precede. E com nossas ações se dá o que exatamente se dá com nossos pensamentos. Também nossas ações, sim, já a vontade estando formada, é atraída para centrais de igual espécie e retorna de lá multiplamente fortalecida para nós. Nós permanecemos ligados com o que fazemos, como que por um firme cordão umbilical, até que a reciprocidade tenha se realizado e o fio que estava ligado possa cair no chão, extinto. Isto é nosso destino, também chamado de carma, o qual nós mesmos criamos através de nosso pensar, falar e agir. O que nós demos receberemos de volta, "a recompensa na mesma moeda". A macieira está carregada de maçãs na época da colheita, o ser humano está carregado com os frutos de seu pensar e agir, e exatamente no tempo que aquilo que foi formado por ele está iminente para retroagir, atinge-lhe de forma fortalecida aquilo que ele deu outrora. Quer seja ainda nessa vida terrena, já no Além ou em uma nova vida terrena, é-lhe posto à mesa os frutos de encarnações muitas vezes bem remotas, frutos colocados diante dele com a advertência: "Veja o que fizestes! Resgate, para que caia de ti e pereça e para que tu possas ascender para um melhor agir!" A Justiça exige de nós, que precisamos reparar o que fizemos de errado. Em nossa livre vontade repousa a resolução para cada pensamento, para cada ação! O ser humano deve se tornar um espírito livre, que tece ele próprio o tapete de sua vida, podendo entretecer, no meio dele, flores ou espinhos, conforme seu desejo. Esse tapete deve ser uma ínfima parte do grande tecer da Criação e se enquadrar harmoniosamente no grande padrão de florescimento. Se, contudo, tecermos no meio dele fios feios e sombrios, então eles perturbarão a harmonia e precisarão ser colocados de lado e tecidos novamente. Deus, o Senhor, nos deu um poderoso auxiliador para isso: é a titânica força da boa vontade! Ela inflama nosso íntimo quando a estimulamos em nós, ela consome as escórias que oprimem nossa alma, ela nos soergue em direção ao céu! O amor nos vem ao encontro em todos os nossos caminhos, fortes auxiliadores ficam ao nosso lado, e o ser humano não poderia absolutamente despencar e cair, se ele não colocasse de lado propositadamente todos os auxílios! Assim, todo golpe do destino é um progresso em nosso caminho da vida, pois ele serve para o resgate de culpas antigas. Ele não nos atinge, se não tivermos dado alguma vez ensejo para isso. Contudo, a radiação contrária da boa vontade constrói, protegendo, uma barreira em torno de nós, levanta-nos acima do âmbito de força da reciprocidade, de modo que ela se enfraqueça e por fim só se efetua simbolicamente, pois a força da boa
  11. 11. vontade atrai semelhantes forças do Universo e pode, dessa maneira fortalecida, erguer-nos alto em direção à Luz, se permitirmos a ela. Assim como na encarnação a Lei da Atração da Igual Espécie desempenha um importante papel, a reciprocidade, por outro lado, proporciona a volta à Terra para muitas almas, afim de repararem aqui e resgatarem o carma. Conforme a Lei, nossos fios do destino tecidos por nós mesmos nos guiam ao lugar, ao povo e à família, a quem estamos atados. Se eu tiver cometido uma injustiça contra um semelhante, então isso me conduzirá um dia infalivelmente para junto dele, quer seja nessa ou em uma outra vida, para reparar-lhe o que eu fiz contra ele. Fui eu desprovido de amor para com ele, então dessa vez se me oferece uma oportunidade para prestar-lhe um serviço em abnegado amor. Se eu, em alguma existência anterior, houver atormentado alguém através da ânsia pelo poder, então, dessa vez eu posso servi-lo, e assim por diante. Mesmo que também eu ainda deva um agradecimento a uma pessoa, me será dada a oportunidade de lhe agradecer de alguma maneira. Sejamos, portanto, agradecidos por tudo o que podemos fazer de bom! Não sabemos se não precisamos praticar exatamente essa prestação de auxílio, essa ajuda, para amortizar uma velha culpa, e se um sacrifício de nossa comodidade, de nosso egoísmo não resgata algo decisivo. Não deixemos jamais passar uma oportunidade que se nos oferece para auxiliar, não afastemos nada de lado que se nos coloca no caminho. Muitas vezes não servimos com isso apenas a um semelhante, mas muito mais, muito mais a nós mesmos! Livres e leves nos sentimos de repente e não sabemos de onde vem essa leveza. Contudo, ela não é nenhuma ilusão. Uma luta realizou-se, algo extinto caiu ao chão e nós ficamos libertos de um peso. Portanto, não existem injustiças de nascimentos. Quer rico ou pobre, quer em circunstâncias favoráveis ou infelizes - nós mesmos é que damos o ensejo para isso e determinamos o local no qual podemos realizar um novo começo em uma nova vida terrena; ela é sempre aquela pela qual podemos reconhecer e amadurecer da melhor forma possível. Ela nos oferece exatamente as possibilidades que nós precisamos, e acrescenta o próximo degrau àquele que deixamos na vida passada! Nenhum degrau pode ser saltado! Se paramos num profundo degrau de desenvolvimento na última encarnação, então, dessa vez, precisamos continuar nossa ascensão exatamente do mesmo local. Por outro lado, uma abreviação voluntária de nossa vida terrena não nos leva nenhum passo adiante no Além, não nos poupa nada. Exatamente lá onde paramos de nos esforçar, precisamos continuar no Além e uma tarefa que não realizamos aqui, fica sempre de novo exigindo de nós a realização, se tivermos despido o corpo terreno. Tudo é um único, grande e uno existir, perpassado pelas mesmas Leis!
  12. 12. O reconhecimento dessa inevitável "expiação obrigatória", a qual a justiça e a harmonia exigem no Universo, esclarece também o fenômeno muitas vezes tão misterioso de que pessoas realmente boas tenham que passar ainda por muito sofrimento e, às vezes, parece que se precipita uma avalanche sobre elas. O esclarecimento reside no fato delas ainda precisarem recolher uma colheita de outrora, amortizar velhas dívidas que, como agora elas aspiram pelo bem, lhe são conduzidas tão rápido quanto possível antigas exigências, uma após a outra, no caminho, para que se libertem delas o mais rápido possível. Então, chegará o dia em que a expiação obrigatória findará para cada um que coloca sua boa vontade como substituto. Então poderemos respirar aliviados; livres da pesada carga lançar-nos- emos num novo caminho para cima, que conduz às Alturas Luminosas! Quanto mais uma pessoa se esforçar pela verdade, pela pureza, em resumo, pela Luz, tanto mais fino e mais leve torna-se seu corpo de matéria fina, o invólucro que o espírito traz consigo quando ele despe seu invólucro de matéria grosseira, seu corpo terreno. Contudo, quanto mais ele pender para o que é terreno, ansiar por coisas e prazeres terrenos; tanto pior é sua vontade, tanto mais denso e com isso mais pesado se torna seu corpo de matéria fina. Poderosamente, então, se efetua nele uma outra Lei da Criação: LEI DA GRAVIDADE Segundo essa Lei, outrora, no princípio da Criação, o enteal, e por último a materialidade ainda mais pesada e mais densa, separaram-se das alturas da Criação Primordial e baixaram às profundezas. A última baixou ainda mais distante da região leve e luminosa do espírito primordial. Se um espírito humano deixa então a Terra, então ele precisa, segundo a Lei da Gravidade, descer para onde o igual peso e densidade dominam como ele os traz consigo, ou ele pode se elevar às alturas, que são da mesma leveza que ele. Toda vez ele encontra lá sua igual espécie. Ele mesmo não possui mais nenhuma influência e nenhuma escolha nisso, está submetido à Lei. O tempo da escolha passou, agora ele precisa ir para o local ao qual pertence, conforme o peso e a igual espécie. Ambas as Leis, a Lei da Gravidade e a Lei da Atração da Igual Espécie atuam como uma só. Na união da igual espécie sempre atua junto a gravidade. Esta é a "alavanca principal" na formação do espírito humano. Ele mesmo põe a mão na alavanca através de suas resoluções, e então fica atado às conseqüências resultantes daí.
  13. 13. A Lei da Gravidade é conhecida por toda parte. Contudo ela só é observada como uma lei física, portanto, atuante apenas na matéria. Precedendo esta, porém, está a Lei da Gravidade espiritual, da qual falamos acima. A mesma Lei perpassa todas as planícies da Criação. Muitas leis parciais ainda estão inseridas nas Leis Primordiais, as quais aos poucos aprendemos a reconhecer. Uma resulta da outra, harmônica e uniformemente, correspondendo a cada planície da Criação. Com isso fizemos, em grandes traços, uma peregrinação através da Criação. Por fim ela nos leva de volta ao ponto, do qual tudo partiu: a Deus, o Onipotente, o Criador e Sustentador de toda a vida. E como Ele se revela à Criação em Sua Sagrada Trindade-Una, que é a Trindade do "Três em Um", assim todas as três Leis da Criação confluem para uma Lei da Criação que tudo abrange: OBS:O tema gravidade é comentado também neste tópico. http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=7939210&tid=253047082 5297958125&na=4 MOVIMENTO De Deus, o qual unicamente é vida, irradia força. A força atua em movimento. Deus é o começo e o ponto de partida do movimento. Do movimento se formou toda a Criação, através dele e nele ela é mantida. Num movimento eternamente constante a força de Deus flui até nas últimas e mais finas ramificações da Criação, perpassa cada criatura, a folha na árvore, a pedra aparentemente tão rígida. E esse movimento que tudo abrange, também coloca em atividade as três "guardiãs da ordem": gravidade, igual espécie e reciprocidade! Elas atuam do e no movimento, sem ele elas nada são. Movimento é a base de tudo, ele mantém tudo saudável e vigoroso. Por isso Deus também exige da criatura humana: Movimenta-te, interna e externamente! Deixai o movimento interior, a atividade de teu espírito manter o passo com o circular da Criação em torno de ti, se quiseres permanecer saudável e se não quiseres ficar para trás e enfraquecer! O incessante movimento da Criação, o qual está condicionado à força de Deus que irradiantemente penetra nele de forma incessante, deveria, do contrário, arremessar-te de lado e te esmagar. Tudo na Criação nos clama:
  14. 14. Movimenta-te, no espírito e no corpo, então tu evoluirás, então tuas forças crescerão, teus campos de atuação se ampliarão! Bem - aventurado tu podes atuar junto no grande tear de Deus, Sua maravilhosa Criação! Em uma perfeição que nos enche de veneração, atuam as Leis Primordiais de Deus na Criação. Elas oferecem auxílio e apoio a cada um que se esforça para cima. Elas erguem aquele que anda junto com elas e colocam- no sobre suas fortes asas e o levam alto para cima, às alturas, as quais ele almeja e já aqui pode pressentir, e nas quais ele encontra um feliz atuar sem fim. Contudo, aniquilação deve atingir aquele que ousa se contrapor a seu poder primordial numa ridícula arrogância. Jamais uma Lei de Deus pode ser dobrada por uma minúscula criatura humana, jamais ela poderá influenciá-la. Nós ainda podemos e devemos escutá-las muito, para que finalmente amadureçamos e nos tornemos auxiliares na Criação. Nós estamos agora bem no princípio do reconhecimento, de tudo o que reside nelas, que inesgotáveis possibilidades, que milhares de riquezas de fenômenos elas contém em si. E se perguntardes de onde tiramos esse saber, então a resposta é: “Da Mensagem do Graal "Na Luz da Verdade", a qual foi dada à humanidade das alturas eternas e imortais, para nos mostrar, pela última vez, o caminho para Deus. O caminho para Suas inabaláveis Leis, nas quais impera Seu Amor. O caminho que não está ligado a confissões, raças e nações. Ele é acessível a cada um, quer jovem ou velho, rico ou pobre, erudito ou não. Seu espírito sabe sobre isso, apenas deve despertar novamente para a total clareza, para o verdadeiro anseio pela Luz.

×