ENERGIA E DESENVOLVIMENTO
LOCAL E REGIONAL

JOSÉ MARIA PRAZERES PÓS-DE-MINA
PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL DA LÓGICA EM, S...
•

Alterações Climáticas – uma das maiores ameaças ambientais da
actualidade.

•

Preservação dos valores e recursos natur...
•

Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento

•

Parecer sobre
Desenvolvimento

es

vel (CNADS)

ticas, Energia e...
•

Estão em fase de mudança, também, os conceitos de mobilidade,
agora com o selo da sustentabilidade. Novos conceitos e
e...
• EXEMPLO DA INTERVENÇÃO REALIZADA EM MOURA
TENDO COMO PREOCUPAÇÃO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO LOCAL E REGIONAL

Produção
C...
Central Fotovoltaica de Amareleja
Potência instalada:
46 MWp
Energia a produzir:
90.000 MWh/ano
Reduções de emissões CO2:
...
Fábrica de Painéis Fotovoltaicos
Capacidade:
Investimento:
Emprego:

inicial - 24 MW/ano
actual - 44 MW/ano
7,65 M€
115 po...
Lógica, E.M. SA

Objecto:
A Sociedade tem por objecto a instalação, o desenvolvimento, a
promoção e a gestão do Parque Tec...
Laboratório Fotovoltaico
Valências instaladas
Medidas eléctricas
Ensaios climáticos
Envelhecimento precoce (UV)
Simulação ...
Micro Geração
Apoio à instalação de novas unidades
Penetração de sistemas 15 vezes superior à média nacional
Consolidação ...
Pacto dos Autarcas
Milhares de eleitos locais europeus e da América Latina.
Objectivo 20-20-20.
Compromisso com a sustenta...
ECOS, Energia e Construção Sustentáveis

SunFlower
Moura, Lisboa,Turim, Bilbao, La Rochèlle, Sliven
North York Moors Natio...
I & DT – Projetos em curso
•
•
•
•
•
•
•
•

SKA - Radioastronomia
Aplicações fotovoltaicas BIPV
Unidades Autónomas de Ener...
Eficiência Energética
Gabinete de Eficiência Energética
Espaços e edifícios municipais
Espaços e edifícios públicos
Atendi...
Parque Tecnológico de Moura
Disponibilidade de espaços
Cerca de 35 ha, na fase imediata.
Expansão assegurada nas próximas ...
Formação Profissional:

Escola Profissional de Moura

Sensibilização da População:
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

FÓRUM PORTUGAL ENERGY POWER: Energia e Desenvolvimento Local e Regional

190 visualizações

Publicada em

José Maria Pós-de-Mina, Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável (CNADS)

Energy Meeting - Biocombustíveis e Biogás

FORUM PORTUGAL ENERGY POWER promovido pela ANJE no dia 20 de novembro, em Évora

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
190
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

FÓRUM PORTUGAL ENERGY POWER: Energia e Desenvolvimento Local e Regional

  1. 1. ENERGIA E DESENVOLVIMENTO LOCAL E REGIONAL JOSÉ MARIA PRAZERES PÓS-DE-MINA PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA GERAL DA LÓGICA EM, SA MEMBRO DO CONSELHO NACIONAL DE AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL EM REPRESENTAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS PORTUGUESES
  2. 2. • Alterações Climáticas – uma das maiores ameaças ambientais da actualidade. • Preservação dos valores e recursos naturais dos quais a humanidade depende • No quadro internacional as politicas ambientais devem respeitar as prioridades estabelecidas pelos países e potenciar a sua capacidade de resposta própria, incorporando nas suas estratégias de adaptação o conhecimento local, facilitando a sua assimilação e apropriação pelas comunidades locais. • Medidas de investimento em ID. • Protecção dos ecossistemas naturais respeitando as populações autóctones sem que a politica ambiental e de conservação da natureza sirva a apropriação por outros dos recursos. • A energia como factor de desenvolvimento e sustentabilidade • A economia de baixo carbono
  3. 3. • Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento • Parecer sobre Desenvolvimento es vel (CNADS) ticas, Energia e Segurança Alimentar no Quadro do vel aprovado em Julho de 2012 As principais medidas de redução da dependência dos combustíveis fósseis, ou de descarbonização da economia, são o aumento da eficiência energética na conversão e no uso da energia, a poupança de energia e o desenvolvimento e utilização das energias renováveis modernas – eólica, solar, biomassa, biocombustíveis (de forma compatível com a preservação da segurança alimentar e a proteção da biodiversidade), geotérmica, marés e várias formas de utilização da energia oceânica, tais como ondas, correntes e gradientes térmicos verticais. • As construções sustentáveis têm um importante papel nas políticas de mitigação e na redução do consumo de água através do reaproveitamento e redução de perdas. A gestão energética dos edifícios, o recurso à utilização das energias renováveis, a construção e, sobretudo, a reabilitação, com medidas de eficiência energética, relativamente às quais o sector tem um grande potencial, a utilização de novos materiais e design, a gestão eficiente da água e dos resíduos são medidas muito importantes para reduzir o consumo de recursos no sector habitacional e de serviços. A reabilitação urbana ou, de um modo mais geral, da generalidade dos edifícios, deveria incluir estímulos para uma maior sustentabilidade energética.
  4. 4. • Estão em fase de mudança, também, os conceitos de mobilidade, agora com o selo da sustentabilidade. Novos conceitos e equipamentos foram criados ou estão em processo de criação, de que são exemplos a rede de abastecimento para os veículos elétricos ou novas e mais descentralizadas infra-estruturas de distribuição elétrica. Os veículos elétricos irão ter uma penetração no mercado dura e difícil, mas podem constituir uma medida importante de sustentabilidade energética. Será desejável o fomento da produção descentralizada, embora seja de realçar o fracasso da primeira fase da microprodução descentralizada, que não atingiu os objetivos ambientais a que se propunha e não serviu os intentos do legislador. Diversas vicissitudes adulteraram esses objetivos e no atual contexto a restrição do crédito bancário é um constrangimento importante. Contudo a possibilidade de compra e venda de eletricidade à rede, em tempo real, com aproveitamento das diferenças de preço entre os picos e os períodos de menor consumo deve ser incentivada.
  5. 5. • EXEMPLO DA INTERVENÇÃO REALIZADA EM MOURA TENDO COMO PREOCUPAÇÃO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO LOCAL E REGIONAL Produção Centrais PV Indústria Fábricas Módulos Investigação Laboratório Uma parceria tripartida: a. Instituições b. Empresas c. Universidades
  6. 6. Central Fotovoltaica de Amareleja Potência instalada: 46 MWp Energia a produzir: 90.000 MWh/ano Reduções de emissões CO2: 87.500 ton Consumo equivalente: 30.000 lares Investimento: ~240 M€ Módulos: 263.080 (Yingli Solar YL180) Trackers: 2.520, axiais, 104 módulos Inversores: 70 unidades de 500 kW Área: ~250 ha Linha de Transporte: 32 km (4 enterrados), 60 kV É a primeira Central Fotovoltaica do Mundo a romper o paradigma de que a tecnologia PV estava condenada a pequenas aplicações.
  7. 7. Fábrica de Painéis Fotovoltaicos Capacidade: Investimento: Emprego: inicial - 24 MW/ano actual - 44 MW/ano 7,65 M€ 115 postos de trabalho Medidas de incremento da eficiência energética:  Climatização mediante aproveitamento de energia geotérmica  Captação de ar quente dos compressores para apoiar o aquecimento no inverno  Necessidades de agua quente sanitária cobertas mediante sistema de captação de energia térmica solar -68 % nos consumos com climatização -48 % nos consumos totais
  8. 8. Lógica, E.M. SA Objecto: A Sociedade tem por objecto a instalação, o desenvolvimento, a promoção e a gestão do Parque Tecnológico de Moura, bem como a prestação dos serviços de apoio necessários à sua actividade. Estrutura Accionista (actual): Câmara Municipal de Moura Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior Técnico Instituto Politécnico de Beja Comoiprel, Cooperativa Mourense de Interesse Público e Resp. Lim. Cooperativa Habitação Económica Lar para Todos Associação dos Micro, Pequenos e Médios Empresários do Alentejo Interior
  9. 9. Laboratório Fotovoltaico Valências instaladas Medidas eléctricas Ensaios climáticos Envelhecimento precoce (UV) Simulação solar Projecção de granizo Imagem térmica Electroluminescência Array tester (1000V/100A) Análise de células Estação meteorológica Monitorização da radiação solar Espectrometria Observação visual Estruturas dimensionais Esforços mecânicos … Sistema de Gestão da Qualidade – NP/ISO/IEC 17025 Acreditação Verificação integral de normas IEC 61215 Módulos PV de silício 61646 Módulos PV de filme fino Capacidade: Tempo de resposta: 200 certificações por ano 60 dias (em condições normais).
  10. 10. Micro Geração Apoio à instalação de novas unidades Penetração de sistemas 15 vezes superior à média nacional Consolidação de estrutura local de pme’s do sector Disseminação de sistemas por todo o Concelho Mini Geração Central do Edifício-Sede (15 kWp) Central da Escola Secundária de Moura (25 kWp) Central da EBI de Amareleja (35 kWp) Evolução dos apoios aguarda por redefinição das políticas nacionais para o sector. Objectivo: Apoio a particulares com critérios sociais. Generalização de instalações em escolas e outros espaços e edifícios públicos.
  11. 11. Pacto dos Autarcas Milhares de eleitos locais europeus e da América Latina. Objectivo 20-20-20. Compromisso com a sustentabilidade energética 74 municípios portugueses representando 4.078.446 habitantes 9 municípios e 1 freguesia do Alentejo Avis; Beja; Évora; Marvão; Moura; Santiago do Cacém; Santo Amador (freguesia); Serpa; Sousel e Vendas Novas
  12. 12. ECOS, Energia e Construção Sustentáveis SunFlower Moura, Lisboa,Turim, Bilbao, La Rochèlle, Sliven North York Moors National Park, Healthy Citiesof Czech Republic. Concerto Al Piano Alessandria, Moura, Tavira, Porto, Masonmagyorovar. Energie Cités Rede Europeia composta por cerca de 500 entidades urbanas. Pólo de Competividade e Tecnologia da Energia – EnergyIn Instituto Português de Energia Solar Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo
  13. 13. I & DT – Projetos em curso • • • • • • • • SKA - Radioastronomia Aplicações fotovoltaicas BIPV Unidades Autónomas de Energia Novos materiais para Filme Fino Novos materiais para Assemblagem Cogeração com Motores de Stirling Novo colector de espelhos de Fresnel Plataforma avançada de testes para CPV
  14. 14. Eficiência Energética Gabinete de Eficiência Energética Espaços e edifícios municipais Espaços e edifícios públicos Atendimento e aconselhamento ao público Formação de profissionais Novas soluções construtivas sustentáveis Redução de Emissões de CO2 Estudo de redução de emissões Contributo da disseminação de sistemas de micro geração Mobilidade sustentável – rede de abastecimento Veículos Eléctricos Intervenção em Escolas Secundárias Monitorização do comportamento energético Programas activos de acompanhamento com professores e alunos Medidas de optimização energética do espaço escolar Sensibilização Programa de animação pelas artes – teatro Aplicações e jogos interactivos
  15. 15. Parque Tecnológico de Moura Disponibilidade de espaços Cerca de 35 ha, na fase imediata. Expansão assegurada nas próximas fases. Terreno para acolher instalação integrada de centrais de diferentes tecnologias e unidades de I&DT associadas. Laboratório PV instalado. Apoio de I&DT a unidades do Parque. Outros Laboratórios em projecto. Apoio ao empreendedorismo Captação de investimento direccionado Disponibilização de recursos terrenos, soluções financeiras, capacidade de I&DT Rede de equipamentos de apoio Instalação de unidades de ensino superior (PCTA) Bolsa de Empreendedores / Bolsa de Ideias Instalação de Cluster Solar.
  16. 16. Formação Profissional: Escola Profissional de Moura Sensibilização da População:

×