SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema Estadual de Meio Ambiente e
Recursos Hídricos
SISEMA
APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: GUIA DE
ORIENTAÇÕES PARA GOVERNOS MUNICIPAIS DE MINAS GERAIS
Abílio César Soares de Azevedo
A PUBLICAÇÃO
www.feam.br
Energia e Mudanças
Climáticas
Publicações
ORIGEM
 A atribuição legal da FEAM de fomentar e orientar boas
práticas de gestão ambiental
 O grande número de propostas de projetos voltados
para o aproveitamento energético de RSU em diversas
localidades do estado de Minas Gerais
 A consequente necessidade de compilação de
informações técnicas relativas ao tema, de forma facilitar
a tomada de decisão em nível local e regional
(prefeituras e potenciais consórcios), assim como, um
maior esclarecimento por parte do público leigo no
assunto
A QUEM SE DESTINA
O Guia se destina principalmente às Prefeituras
Municipais, para que possam avaliar com mais critério esta
forma de gestão de seus RSU, analisar projetos e discutir
propostas que venham a ser a elas apresentadas
LIMITAÇÕES
O Guia traz orientações gerais sobre o aproveitamento
energético de RSU, com base em referências
bibliográficas, e não substitui, de forma alguma, a
necessidade de profissionais habilitados na elaboração
dos estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental
para escolha da tecnologia mais pertinente.
CONTEÚDO
 Contextualização
 RSU
 Gestão de resíduos em MG
 Oportunidades de aproveitamento energético dos RSU
 Rotas tecnológicas para aproveitamento energético dos RSU
 Tecnologias de tratamento térmico
 Tecnologias de tratamento biológico
 Consórcios intermunicipais para viabilidade de projeto
 Oportunidades de implementação de MDL
 Incentivos para o aproveitamento energético de RSU
CONTEXTUALIZAÇÃO - RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU)
 Resíduos domiciliares e aqueles procedentes de limpeza
urbana
 Resíduos compatíveis aos RSU
 Resíduos industriais e comerciais que tenham natureza e
composição similar aos RSU, excluídos os perigosos e
rejeitos radioativos;
 Resíduos de serviços de saúde do Grupo D (CONAMA n
358/2005);
 Lodos gerados em estações de tratamento biológico de
efluentes líquidos compatíveis com os esgotos sanitários.
CONTEXTUALIZAÇÃO - RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU)
Composição gravimétrica dos RSU no Brasil e em Minas Gerais
Fonte: Pereira Neto (2007); Pereira Neto e Magalhães (1999)
CONTEXTUALIZAÇÃO – GESTÃO DE RSU EM M.G.
 Apesar da evolução do
tratamento/disposição
de RSU em Minas, em
2010
• 670 municípios
dispunham em lixões ou
aterros controlados
 Em 2012 esse total foi
reduzido para 558
municípios (39,19 % da
população urbana)
CONTEXTUALIZAÇÃO – GESTÃO DE RSU EM M.G.
Fonte: FEAM, 2013
CONTEXTUALIZAÇÃO – OPORTUNIDADES PARA O
APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RSU
 “Poderão ser utilizadas tecnologias visando à recuperação
energética dos resíduos sólidos urbanos, desde que tenha sido
comprovada sua viabilidade técnica e ambiental e com a
implantação de programa de monitoramento de emissão de
gases tóxicos aprovado pelo Órgão Ambiental” (PNRS)
 A viabilidade econômica depende, além do balanço entre receitas e
despesas, de um adequado modelo de negócios com a(s)
prefeitura(s) municipal(is) para garantia na obtenção desses
resíduos
 Os valores dos custos médios para disposição em aterro sanitário
(R$ 20 a 40/t) podem inviabilizar a instalação dessas novas
tecnologias
ROTAS TECNOLÓGICAS - TRATAMENTO TÉRMICO
 O que é?
É o tratamento por processos que utilizam o calor como forma de
recuperar, separar ou neutralizar determinadas substâncias presentes
nos resíduos, ou reduzir massa e volume, ou produzir energia térmica,
elétrica ou mecânica.
 Em que resíduos pode ser aplicado?
Qualquer resíduo que tenha em sua composição química os
elementos carbono e hidrogênio, originários de atividades industriais,
domésticas, comerciais e rurais.
ROTAS TECNOLÓGICAS – TRATAMENTO TÉRMICO
 Incineração
(combustão a 800 - 1100 C)
 Pirólise
(decomposição térmica a 300 – 900 C, sem ar e com fonte externa de
calor)
 Gaseificação
(decomposição termoquímica, ar subestequiométrico e aprox. 850 C)
 Plasma
(jato de gás ionizado a 5.000 - 50.000 C, atua dissociando ligações
moleculares)
 Coprocessamento
(em forno de clínquer a 1500 – 2000 °C)
ROTAS TECNOLÓGIAS – TRATAMENTO TÉRMICO
 A INCINERAÇÃO é a mais desenvolvida e utilizada em escala
comercial.
 Normas: CONAMA 316/02, Diretivas Europeia 2000/76/CE e
2010/75/EU
ROTAS TECNOLÓGICAS – TRATAMENTO TÉRMICO
Características do RSU para escolha da tecnologia
 Interessa as frações de RSU que apresentem elevado poder
calorífico, como plásticos, papel/papelão e borrachas
 Considerando os princípios da PNRS, mesmo os RSU não
procedentes de coleta seletiva deverão passar por triagem dos
materiais efetivamente recicláveis.
ROTAS TECNOLÓGICAS – TRATAMENTO BIOLÓGICO
O que é?
É a forma de tratamento da matéria orgânica biodegradável na qual se
intensifica a ação de microrganismos, visando à estabilização e
oxidação dessa matéria
Em que resíduos pode ser aplicado?
Resíduos orgânicos biodegradáveis, podendo ser originários de
atividades industriais, domésticas, comerciais e rurais. Possui larga
aplicação nos processos de tratamento secundário (biológico) de
águas residuárias
ROTAS TECNOLÓGICAS – TRATAMENTO BIOLÓGICO
 Biometanização
(em reatores anaeróbios)
 Biogás de aterro sanitário
ROTAS TECNOLÓGICAS – DADOS COMPARATIVOS
Fonte: 1- Tolmasquim (2003); 2- Oliveira (2009).
 Considerando divergências dos valores mínimos de quantidade de
resíduos encontrados na literatura, recomenda-se estudos de
viabilidade local para determinação dos riscos de implantação de
projetos de aproveitamento energético
ROTAS TECNOLÓGICAS – DADOS COMPARATIVOS
Tecnologia Vantagens Desvantagens
INCINERAÇÃO
BIOGÁS DE ATERRO
CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS PARA VIABILIDADE DE PROJETOS
 A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política
Urbana (SEDRU) presta serviço gratuito aos municípios no
processo de constituição de consórcios intermunicipais conforme a
Lei Federal n 11.107/2005
 O auxílio é dado em três fases de estruturação de consórcios:
 Estruturação jurídica,
 Assistência técnica
 Captação de recursos
<http://www.urbano.mg.gov.br/municipios/saneamento>
OPORTUNIDADES DE IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE MDL
 As alternativas de geração de energia
através de RSU que resultam em
reduções adicionais de emissões de GEE
são passíveis de gerar créditos de
carbono, uma vez que aprovadas no
âmbito do MDL
 Emissão evitada total (tCO2eq/MWh) =
emissões evitadas pelo consumo do lixo
+ emissões evitadas pela substituição do
gás natural
INCENTIVOS PARA APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RSU
 Quais as instituições financeiras e programas (linhas de
crédito)?
 BNDES – Banco Nacional do Desenvolvimento
BNDES Finem – Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos
 CEF - Caixa Econômica Federal
Programa de Desenvolvimento Urbano/Saneamento Ambiental - RSU
Acordo para comercialização de Créditos de Carbono
 BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento
Cooperação Técnica (CT): Consolidação do marco legal e institucional dos
consórcios públicos para a gestão de RSU; Capacitação de agentes; Projeto
piloto para a implementação desses consórcios
 BDMG – Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais
Novo Somma Eco (programa voltado para a gestão sustentável de resíduos
sólidos, que tem por finalidade apoiar projetos para a sua disposição
adequada)
INCENTIVOS PARA APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RSU
 Quais os fomentos governamentais de incentivo?
 PROINFA - Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia
(Instituído em abril/2002, sua primeira fase representou um grande marco
regulatório para as energias renováveis -- eólica, PCH e biomassa)
 Leilões de energia elétrica de fontes alternativas
(Substituiu a segunda fase do PROINFA -1º leilão  jun/2007)
 Resolução ANEEL n° 271/2007
(isenção de tarifas de uso dos sistemas elétricos de transmissão e de
distribuição às PCHs e àqueles com base em fontes solar, eólica, biomassa
ou cogeração qualificada, cuja potência injetada nesses sistemas seja menor
ou igual a 30 MW).
 Ministério do Planejamento
Plano Mais Brasil – Plano Plurianual 2012-2015 - Programa 2067 - Resíduos
Sólidos
INCENTIVOS PARA APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RSU
Quais os fomentos governamentais de incentivo?
 Lei Federal n. 11.445/2007 (Política Nacional de Saneamento Básico)
Recursos de fundos como fontes ou garantias em operações de crédito para
financiamento de serviços públicos de limpeza e manejo de resíduos
 SEDRU – Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional e Política
Urbana
Ação Resíduos Sólidos: projetos técnicos abrangendo a implantação de
unidade de triagem e compostagem - UTC e aterro sanitário através de
consórcio intermunicipal
 ICMS Ecológico
Beneficia os municípios que priorizam Saneamento Básico e Unidades de
Conservação. Os sistemas de tratamento ou disposição final de lixo devem
atender, no mínimo, a 70% da população urbana.
 SEPLAG - Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas
Gerais
Plano Plurianual de Ação Governamental 2012-2015 (projeto de lei) -
Programa 046 – Qualidade Ambiental
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefíciosO que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
Sulgás
 
Abaixoassinado
AbaixoassinadoAbaixoassinado
Abaixoassinado
Resgate Cambuí
 
Apresentacao Energia
Apresentacao EnergiaApresentacao Energia
Apresentacao Energia
miguelrps
 
Política Municipal de Enfrentamento às Mudanças Climáticas de Belo Horizonte ...
Política Municipal de Enfrentamento às Mudanças Climáticas de Belo Horizonte ...Política Municipal de Enfrentamento às Mudanças Climáticas de Belo Horizonte ...
Política Municipal de Enfrentamento às Mudanças Climáticas de Belo Horizonte ...
forumsustentar
 
Benefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Benefícios da Cogeração para o Sistema EnergéticoBenefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Benefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Sulgás
 
Aula 2 - Alejandra Devecchi
Aula 2  - Alejandra DevecchiAula 2  - Alejandra Devecchi
Aula 2 - Alejandra Devecchi
Habitação e Cidade
 
Aula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta KubruslyAula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta Kubrusly
Habitação e Cidade
 
Aula 3 - Márcia Nascimento
Aula 3 - Márcia NascimentoAula 3 - Márcia Nascimento
Aula 3 - Márcia Nascimento
Habitação e Cidade
 
Seminário construções sustentáveis 19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
Seminário construções sustentáveis   19-11-2010 - apresentação de andré aranh...Seminário construções sustentáveis   19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
Seminário construções sustentáveis 19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
FecomercioSP
 
Políticas de Mudanças Climáticas - Casemiro Tércio de Carvalho
Políticas de Mudanças Climáticas  - Casemiro Tércio de CarvalhoPolíticas de Mudanças Climáticas  - Casemiro Tércio de Carvalho
Políticas de Mudanças Climáticas - Casemiro Tércio de Carvalho
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Aula 5 - Márcia Nascimento
Aula 5 - Márcia NascimentoAula 5 - Márcia Nascimento
Aula 5 - Márcia Nascimento
Habitação e Cidade
 
Viveiro Municipal Otávio Tisselli Filho
Viveiro Municipal Otávio Tisselli FilhoViveiro Municipal Otávio Tisselli Filho
Viveiro Municipal Otávio Tisselli Filho
Agricultura Sao Paulo
 
Anexos_carta 3 fórum gestão de resíduos de piracicaba
Anexos_carta 3 fórum gestão de resíduos de piracicabaAnexos_carta 3 fórum gestão de resíduos de piracicaba
Anexos_carta 3 fórum gestão de resíduos de piracicaba
Florespi
 
Questões 2º forum
Questões 2º forumQuestões 2º forum
Questões 2º forum
Florespi
 
Rafael apresentação encontro csjt final
Rafael apresentação encontro csjt finalRafael apresentação encontro csjt final
Rafael apresentação encontro csjt final
leonardo2710
 
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Isabella Aragão Araújo
 
Inventário Corporativo de Emissões de Gases do Efeito Estufa
Inventário Corporativo de Emissões de Gases do Efeito EstufaInventário Corporativo de Emissões de Gases do Efeito Estufa
Inventário Corporativo de Emissões de Gases do Efeito Estufa
Ambiente Energia
 
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásProcel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Ampla Energia S.A.
 
Luciana Betiol - Seminário 4 dezembro 2012
Luciana Betiol - Seminário 4 dezembro 2012Luciana Betiol - Seminário 4 dezembro 2012
Luciana Betiol - Seminário 4 dezembro 2012
institutoethos
 
Ofício CDU - Parecer do CAU/PE sobre a Arena Sport
Ofício CDU - Parecer do CAU/PE sobre a Arena Sport Ofício CDU - Parecer do CAU/PE sobre a Arena Sport
Ofício CDU - Parecer do CAU/PE sobre a Arena Sport
DialogoComunicacao
 

Mais procurados (20)

O que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefíciosO que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
O que é cogeração: constituição, aplicações e benefícios
 
Abaixoassinado
AbaixoassinadoAbaixoassinado
Abaixoassinado
 
Apresentacao Energia
Apresentacao EnergiaApresentacao Energia
Apresentacao Energia
 
Política Municipal de Enfrentamento às Mudanças Climáticas de Belo Horizonte ...
Política Municipal de Enfrentamento às Mudanças Climáticas de Belo Horizonte ...Política Municipal de Enfrentamento às Mudanças Climáticas de Belo Horizonte ...
Política Municipal de Enfrentamento às Mudanças Climáticas de Belo Horizonte ...
 
Benefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Benefícios da Cogeração para o Sistema EnergéticoBenefícios da Cogeração para o Sistema Energético
Benefícios da Cogeração para o Sistema Energético
 
Aula 2 - Alejandra Devecchi
Aula 2  - Alejandra DevecchiAula 2  - Alejandra Devecchi
Aula 2 - Alejandra Devecchi
 
Aula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta KubruslyAula 1 - Violêta Kubrusly
Aula 1 - Violêta Kubrusly
 
Aula 3 - Márcia Nascimento
Aula 3 - Márcia NascimentoAula 3 - Márcia Nascimento
Aula 3 - Márcia Nascimento
 
Seminário construções sustentáveis 19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
Seminário construções sustentáveis   19-11-2010 - apresentação de andré aranh...Seminário construções sustentáveis   19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
Seminário construções sustentáveis 19-11-2010 - apresentação de andré aranh...
 
Políticas de Mudanças Climáticas - Casemiro Tércio de Carvalho
Políticas de Mudanças Climáticas  - Casemiro Tércio de CarvalhoPolíticas de Mudanças Climáticas  - Casemiro Tércio de Carvalho
Políticas de Mudanças Climáticas - Casemiro Tércio de Carvalho
 
Aula 5 - Márcia Nascimento
Aula 5 - Márcia NascimentoAula 5 - Márcia Nascimento
Aula 5 - Márcia Nascimento
 
Viveiro Municipal Otávio Tisselli Filho
Viveiro Municipal Otávio Tisselli FilhoViveiro Municipal Otávio Tisselli Filho
Viveiro Municipal Otávio Tisselli Filho
 
Anexos_carta 3 fórum gestão de resíduos de piracicaba
Anexos_carta 3 fórum gestão de resíduos de piracicabaAnexos_carta 3 fórum gestão de resíduos de piracicaba
Anexos_carta 3 fórum gestão de resíduos de piracicaba
 
Questões 2º forum
Questões 2º forumQuestões 2º forum
Questões 2º forum
 
Rafael apresentação encontro csjt final
Rafael apresentação encontro csjt finalRafael apresentação encontro csjt final
Rafael apresentação encontro csjt final
 
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
Análise do Planejamento Metropolitano da Região Metropolitana de Porto Alegre...
 
Inventário Corporativo de Emissões de Gases do Efeito Estufa
Inventário Corporativo de Emissões de Gases do Efeito EstufaInventário Corporativo de Emissões de Gases do Efeito Estufa
Inventário Corporativo de Emissões de Gases do Efeito Estufa
 
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásProcel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
 
Luciana Betiol - Seminário 4 dezembro 2012
Luciana Betiol - Seminário 4 dezembro 2012Luciana Betiol - Seminário 4 dezembro 2012
Luciana Betiol - Seminário 4 dezembro 2012
 
Ofício CDU - Parecer do CAU/PE sobre a Arena Sport
Ofício CDU - Parecer do CAU/PE sobre a Arena Sport Ofício CDU - Parecer do CAU/PE sobre a Arena Sport
Ofício CDU - Parecer do CAU/PE sobre a Arena Sport
 

Destaque

Centro de certificação_de_destinação _campinas
Centro de certificação_de_destinação _campinasCentro de certificação_de_destinação _campinas
Centro de certificação_de_destinação _campinas
pbjunior
 
Tempo de decomposição do lixo
Tempo de decomposição do lixoTempo de decomposição do lixo
Tempo de decomposição do lixo
Victor Hugo
 
Decomposição do lixo
Decomposição do lixoDecomposição do lixo
Decomposição do lixo
Maria da Paz Pinto de Sousa
 
Decomposição do lixo
Decomposição do lixoDecomposição do lixo
Decomposição do lixo
Estado do RS
 
A co incineração
A co incineraçãoA co incineração
A co incineração
sanpersousa89
 
Ppt 1 ResíDuos Aterro SanitáRio
Ppt 1   ResíDuos    Aterro SanitáRioPpt 1   ResíDuos    Aterro SanitáRio
Ppt 1 ResíDuos Aterro SanitáRio
Nuno Correia
 
Reciclagem e Desenvolvimento Sustentável - A importância da discussão de um n...
Reciclagem e Desenvolvimento Sustentável - A importância da discussão de um n...Reciclagem e Desenvolvimento Sustentável - A importância da discussão de um n...
Reciclagem e Desenvolvimento Sustentável - A importância da discussão de um n...
REDERESÍDUO
 
Residúos Sólidos
Residúos SólidosResidúos Sólidos
Residúos Sólidos
FATEC Cariri
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Nuno Correia
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
Tânia Reis
 

Destaque (10)

Centro de certificação_de_destinação _campinas
Centro de certificação_de_destinação _campinasCentro de certificação_de_destinação _campinas
Centro de certificação_de_destinação _campinas
 
Tempo de decomposição do lixo
Tempo de decomposição do lixoTempo de decomposição do lixo
Tempo de decomposição do lixo
 
Decomposição do lixo
Decomposição do lixoDecomposição do lixo
Decomposição do lixo
 
Decomposição do lixo
Decomposição do lixoDecomposição do lixo
Decomposição do lixo
 
A co incineração
A co incineraçãoA co incineração
A co incineração
 
Ppt 1 ResíDuos Aterro SanitáRio
Ppt 1   ResíDuos    Aterro SanitáRioPpt 1   ResíDuos    Aterro SanitáRio
Ppt 1 ResíDuos Aterro SanitáRio
 
Reciclagem e Desenvolvimento Sustentável - A importância da discussão de um n...
Reciclagem e Desenvolvimento Sustentável - A importância da discussão de um n...Reciclagem e Desenvolvimento Sustentável - A importância da discussão de um n...
Reciclagem e Desenvolvimento Sustentável - A importância da discussão de um n...
 
Residúos Sólidos
Residúos SólidosResidúos Sólidos
Residúos Sólidos
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
 

Semelhante a Guia orientações

Pré dimensionamento de um sistema para produção de biogás a partir dos resídu...
Pré dimensionamento de um sistema para produção de biogás a partir dos resídu...Pré dimensionamento de um sistema para produção de biogás a partir dos resídu...
Pré dimensionamento de um sistema para produção de biogás a partir dos resídu...
Jose de Souza
 
Agenda Ambiental na Administração Pública
Agenda Ambiental na Administração PúblicaAgenda Ambiental na Administração Pública
Agenda Ambiental na Administração Pública
Ricardo Ferrao
 
Recife Energia
Recife EnergiaRecife Energia
Recife Energia
Jamildo Melo
 
CatimbauOfício Nº031-2022.pdf
CatimbauOfício Nº031-2022.pdfCatimbauOfício Nº031-2022.pdf
CatimbauOfício Nº031-2022.pdf
IncioFrana1
 
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Jim Naturesa
 
Projeto sustentabilidade-e-energia-renovavel-para-datacenters-v1
Projeto sustentabilidade-e-energia-renovavel-para-datacenters-v1Projeto sustentabilidade-e-energia-renovavel-para-datacenters-v1
Projeto sustentabilidade-e-energia-renovavel-para-datacenters-v1
Eduardo Fagundes
 
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos SustentáveisEmpreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
Jim Naturesa
 
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticasA área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação
 
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Instituto Besc
 
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
Jutair Rios
 
Biodigestores030
Biodigestores030Biodigestores030
Biodigestores030
Simony Marques Gandine
 
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera
 
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara HicksonPlano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Nativa Socioambiental
 
Modelo apresentação ciclo MAUI 2016
Modelo apresentação ciclo MAUI 2016Modelo apresentação ciclo MAUI 2016
Modelo apresentação ciclo MAUI 2016
malanger
 
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdfBS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
Vaii1
 
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
FecomercioSP
 
A Sustentabilidade nos Projetos de Geração de Energia - Copel
A Sustentabilidade nos Projetos de Geração de Energia - CopelA Sustentabilidade nos Projetos de Geração de Energia - Copel
A Sustentabilidade nos Projetos de Geração de Energia - Copel
Editora Fórum
 
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
Faga1939
 
Perspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Perspectivas Ambientais para Rio das PedrasPerspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Perspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Ewerton Clemente
 
Livro bombeamento
Livro bombeamentoLivro bombeamento
Livro bombeamento
Jonnathan Amaral de Freitas
 

Semelhante a Guia orientações (20)

Pré dimensionamento de um sistema para produção de biogás a partir dos resídu...
Pré dimensionamento de um sistema para produção de biogás a partir dos resídu...Pré dimensionamento de um sistema para produção de biogás a partir dos resídu...
Pré dimensionamento de um sistema para produção de biogás a partir dos resídu...
 
Agenda Ambiental na Administração Pública
Agenda Ambiental na Administração PúblicaAgenda Ambiental na Administração Pública
Agenda Ambiental na Administração Pública
 
Recife Energia
Recife EnergiaRecife Energia
Recife Energia
 
CatimbauOfício Nº031-2022.pdf
CatimbauOfício Nº031-2022.pdfCatimbauOfício Nº031-2022.pdf
CatimbauOfício Nº031-2022.pdf
 
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
 
Projeto sustentabilidade-e-energia-renovavel-para-datacenters-v1
Projeto sustentabilidade-e-energia-renovavel-para-datacenters-v1Projeto sustentabilidade-e-energia-renovavel-para-datacenters-v1
Projeto sustentabilidade-e-energia-renovavel-para-datacenters-v1
 
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos SustentáveisEmpreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
 
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticasA área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
 
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
Os Impactos nas Administrações Municipais e as Ações do Governo Federal para ...
 
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
A GESTÃO AMBIENTAL DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS COM ABORDAGEM PELA ABNT ISO 14001...
 
Biodigestores030
Biodigestores030Biodigestores030
Biodigestores030
 
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
Biotera - Produção mais Limpa (p+l)
 
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara HicksonPlano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
Plano nacional de resíduos sólidos - Jussara Hickson
 
Modelo apresentação ciclo MAUI 2016
Modelo apresentação ciclo MAUI 2016Modelo apresentação ciclo MAUI 2016
Modelo apresentação ciclo MAUI 2016
 
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdfBS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
BS 27 O aproveitamento energértico do biogás_P.pdf
 
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
Resíduos sólidos: os projetos de gestão das cidades-sede, 16/04/2012 - Aprese...
 
A Sustentabilidade nos Projetos de Geração de Energia - Copel
A Sustentabilidade nos Projetos de Geração de Energia - CopelA Sustentabilidade nos Projetos de Geração de Energia - Copel
A Sustentabilidade nos Projetos de Geração de Energia - Copel
 
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
 
Perspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Perspectivas Ambientais para Rio das PedrasPerspectivas Ambientais para Rio das Pedras
Perspectivas Ambientais para Rio das Pedras
 
Livro bombeamento
Livro bombeamentoLivro bombeamento
Livro bombeamento
 

Guia orientações

  • 1. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SISEMA APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA GOVERNOS MUNICIPAIS DE MINAS GERAIS Abílio César Soares de Azevedo
  • 2. A PUBLICAÇÃO www.feam.br Energia e Mudanças Climáticas Publicações
  • 3. ORIGEM  A atribuição legal da FEAM de fomentar e orientar boas práticas de gestão ambiental  O grande número de propostas de projetos voltados para o aproveitamento energético de RSU em diversas localidades do estado de Minas Gerais  A consequente necessidade de compilação de informações técnicas relativas ao tema, de forma facilitar a tomada de decisão em nível local e regional (prefeituras e potenciais consórcios), assim como, um maior esclarecimento por parte do público leigo no assunto
  • 4. A QUEM SE DESTINA O Guia se destina principalmente às Prefeituras Municipais, para que possam avaliar com mais critério esta forma de gestão de seus RSU, analisar projetos e discutir propostas que venham a ser a elas apresentadas
  • 5. LIMITAÇÕES O Guia traz orientações gerais sobre o aproveitamento energético de RSU, com base em referências bibliográficas, e não substitui, de forma alguma, a necessidade de profissionais habilitados na elaboração dos estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental para escolha da tecnologia mais pertinente.
  • 6. CONTEÚDO  Contextualização  RSU  Gestão de resíduos em MG  Oportunidades de aproveitamento energético dos RSU  Rotas tecnológicas para aproveitamento energético dos RSU  Tecnologias de tratamento térmico  Tecnologias de tratamento biológico  Consórcios intermunicipais para viabilidade de projeto  Oportunidades de implementação de MDL  Incentivos para o aproveitamento energético de RSU
  • 7. CONTEXTUALIZAÇÃO - RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU)  Resíduos domiciliares e aqueles procedentes de limpeza urbana  Resíduos compatíveis aos RSU  Resíduos industriais e comerciais que tenham natureza e composição similar aos RSU, excluídos os perigosos e rejeitos radioativos;  Resíduos de serviços de saúde do Grupo D (CONAMA n 358/2005);  Lodos gerados em estações de tratamento biológico de efluentes líquidos compatíveis com os esgotos sanitários.
  • 8. CONTEXTUALIZAÇÃO - RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Composição gravimétrica dos RSU no Brasil e em Minas Gerais Fonte: Pereira Neto (2007); Pereira Neto e Magalhães (1999)
  • 9. CONTEXTUALIZAÇÃO – GESTÃO DE RSU EM M.G.  Apesar da evolução do tratamento/disposição de RSU em Minas, em 2010 • 670 municípios dispunham em lixões ou aterros controlados  Em 2012 esse total foi reduzido para 558 municípios (39,19 % da população urbana)
  • 10. CONTEXTUALIZAÇÃO – GESTÃO DE RSU EM M.G. Fonte: FEAM, 2013
  • 11. CONTEXTUALIZAÇÃO – OPORTUNIDADES PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RSU  “Poderão ser utilizadas tecnologias visando à recuperação energética dos resíduos sólidos urbanos, desde que tenha sido comprovada sua viabilidade técnica e ambiental e com a implantação de programa de monitoramento de emissão de gases tóxicos aprovado pelo Órgão Ambiental” (PNRS)  A viabilidade econômica depende, além do balanço entre receitas e despesas, de um adequado modelo de negócios com a(s) prefeitura(s) municipal(is) para garantia na obtenção desses resíduos  Os valores dos custos médios para disposição em aterro sanitário (R$ 20 a 40/t) podem inviabilizar a instalação dessas novas tecnologias
  • 12. ROTAS TECNOLÓGICAS - TRATAMENTO TÉRMICO  O que é? É o tratamento por processos que utilizam o calor como forma de recuperar, separar ou neutralizar determinadas substâncias presentes nos resíduos, ou reduzir massa e volume, ou produzir energia térmica, elétrica ou mecânica.  Em que resíduos pode ser aplicado? Qualquer resíduo que tenha em sua composição química os elementos carbono e hidrogênio, originários de atividades industriais, domésticas, comerciais e rurais.
  • 13. ROTAS TECNOLÓGICAS – TRATAMENTO TÉRMICO  Incineração (combustão a 800 - 1100 C)  Pirólise (decomposição térmica a 300 – 900 C, sem ar e com fonte externa de calor)  Gaseificação (decomposição termoquímica, ar subestequiométrico e aprox. 850 C)  Plasma (jato de gás ionizado a 5.000 - 50.000 C, atua dissociando ligações moleculares)  Coprocessamento (em forno de clínquer a 1500 – 2000 °C)
  • 14. ROTAS TECNOLÓGIAS – TRATAMENTO TÉRMICO  A INCINERAÇÃO é a mais desenvolvida e utilizada em escala comercial.  Normas: CONAMA 316/02, Diretivas Europeia 2000/76/CE e 2010/75/EU
  • 15. ROTAS TECNOLÓGICAS – TRATAMENTO TÉRMICO Características do RSU para escolha da tecnologia  Interessa as frações de RSU que apresentem elevado poder calorífico, como plásticos, papel/papelão e borrachas  Considerando os princípios da PNRS, mesmo os RSU não procedentes de coleta seletiva deverão passar por triagem dos materiais efetivamente recicláveis.
  • 16. ROTAS TECNOLÓGICAS – TRATAMENTO BIOLÓGICO O que é? É a forma de tratamento da matéria orgânica biodegradável na qual se intensifica a ação de microrganismos, visando à estabilização e oxidação dessa matéria Em que resíduos pode ser aplicado? Resíduos orgânicos biodegradáveis, podendo ser originários de atividades industriais, domésticas, comerciais e rurais. Possui larga aplicação nos processos de tratamento secundário (biológico) de águas residuárias
  • 17. ROTAS TECNOLÓGICAS – TRATAMENTO BIOLÓGICO  Biometanização (em reatores anaeróbios)  Biogás de aterro sanitário
  • 18. ROTAS TECNOLÓGICAS – DADOS COMPARATIVOS Fonte: 1- Tolmasquim (2003); 2- Oliveira (2009).  Considerando divergências dos valores mínimos de quantidade de resíduos encontrados na literatura, recomenda-se estudos de viabilidade local para determinação dos riscos de implantação de projetos de aproveitamento energético
  • 19. ROTAS TECNOLÓGICAS – DADOS COMPARATIVOS Tecnologia Vantagens Desvantagens INCINERAÇÃO BIOGÁS DE ATERRO
  • 20. CONSÓRCIOS INTERMUNICIPAIS PARA VIABILIDADE DE PROJETOS  A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (SEDRU) presta serviço gratuito aos municípios no processo de constituição de consórcios intermunicipais conforme a Lei Federal n 11.107/2005  O auxílio é dado em três fases de estruturação de consórcios:  Estruturação jurídica,  Assistência técnica  Captação de recursos <http://www.urbano.mg.gov.br/municipios/saneamento>
  • 21. OPORTUNIDADES DE IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS DE MDL  As alternativas de geração de energia através de RSU que resultam em reduções adicionais de emissões de GEE são passíveis de gerar créditos de carbono, uma vez que aprovadas no âmbito do MDL  Emissão evitada total (tCO2eq/MWh) = emissões evitadas pelo consumo do lixo + emissões evitadas pela substituição do gás natural
  • 22. INCENTIVOS PARA APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RSU  Quais as instituições financeiras e programas (linhas de crédito)?  BNDES – Banco Nacional do Desenvolvimento BNDES Finem – Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos  CEF - Caixa Econômica Federal Programa de Desenvolvimento Urbano/Saneamento Ambiental - RSU Acordo para comercialização de Créditos de Carbono  BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento Cooperação Técnica (CT): Consolidação do marco legal e institucional dos consórcios públicos para a gestão de RSU; Capacitação de agentes; Projeto piloto para a implementação desses consórcios  BDMG – Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais Novo Somma Eco (programa voltado para a gestão sustentável de resíduos sólidos, que tem por finalidade apoiar projetos para a sua disposição adequada)
  • 23. INCENTIVOS PARA APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RSU  Quais os fomentos governamentais de incentivo?  PROINFA - Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia (Instituído em abril/2002, sua primeira fase representou um grande marco regulatório para as energias renováveis -- eólica, PCH e biomassa)  Leilões de energia elétrica de fontes alternativas (Substituiu a segunda fase do PROINFA -1º leilão  jun/2007)  Resolução ANEEL n° 271/2007 (isenção de tarifas de uso dos sistemas elétricos de transmissão e de distribuição às PCHs e àqueles com base em fontes solar, eólica, biomassa ou cogeração qualificada, cuja potência injetada nesses sistemas seja menor ou igual a 30 MW).  Ministério do Planejamento Plano Mais Brasil – Plano Plurianual 2012-2015 - Programa 2067 - Resíduos Sólidos
  • 24. INCENTIVOS PARA APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DE RSU Quais os fomentos governamentais de incentivo?  Lei Federal n. 11.445/2007 (Política Nacional de Saneamento Básico) Recursos de fundos como fontes ou garantias em operações de crédito para financiamento de serviços públicos de limpeza e manejo de resíduos  SEDRU – Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional e Política Urbana Ação Resíduos Sólidos: projetos técnicos abrangendo a implantação de unidade de triagem e compostagem - UTC e aterro sanitário através de consórcio intermunicipal  ICMS Ecológico Beneficia os municípios que priorizam Saneamento Básico e Unidades de Conservação. Os sistemas de tratamento ou disposição final de lixo devem atender, no mínimo, a 70% da população urbana.  SEPLAG - Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais Plano Plurianual de Ação Governamental 2012-2015 (projeto de lei) - Programa 046 – Qualidade Ambiental