FUNDAMENTOS      DO DESENHO E DA IMAGEM      DIGITALProfª Venise Melo/UFMS            AULA01
Paula PerissinottoUma trajetória para arte tecnológicaDissertação Mestrado • USP/2000
Quais as mudanças causadas nomundo e no homem com o adventodas máquinasda luz elétrica, da indústriaautomobilística, da in...
A intervenção tecnológica no dia-a-diamodifica rapidamenteo comportamentoa relação entre os seres humanosorganização tempo...
Perissinotto(2000) parte como pontoinicial a busca da compreensão da artecinética se mostra como o melhorprocedimento para...
O termo CINÉTICO está etimologicamenteligado à idéia de MOVIMENTO.O termo costuma ser usado para designarum tipo de Escult...
Termo é efetivamente incorporado aovocabulário artístico em 1955, por ocasião daexposição Le Mouvement [O Movimento],na ga...
Segundo Perissinotto este panoramaque se insere a arte tecnológica desdeo seu início até os dias atuais pode seranalisado ...
1.As obras que sugeriam a interaçãoperceptiva do espectador são aquelasque ficam entre o móvel e o estático. Sãoobras que ...
2.A interação espacial da obra ocorre quandoela se movimenta no espaço tridimensional(ao contrário daquelas que se utiliza...
3.A interação potencial, além de semesclar com recursos encontrados emoutras disciplinas, como na ciência e ou naengenhari...
A interação da obra com espaço ocorrequando a maioria dos trabalhos semove realmente de forma mecânica, porindução humana ...
Manifesto Futurista (Marinetti, 1910)Apologia à velocidade e àmecânica: "o mundo estava seenriquecendo com uma nova beleza...
Manifesto Realista (Gabo e Pesvner,1920) Surge pela primeira vez o termo cinético com referência às artes visuais. Nesse t...
Manifesto Realista            (Gabo e Pesvner,1920)1- Renunciamos à cor como elementopictórico na pintura. Afirmamos que o...
4- Na escultura, renunciamos à massacomo elemento escultural. Trazemos devolta a linha como direção, além deafirmarmos a p...
Entre os artistas que desenvolveram umalinguagem plástica edificada na presençade transformações, podemos incluirYacoov Ag...
Yacoov AgamIsraelense, realizadores de obrascinéticas transformáveis, ou seja,aquelas que requerem a movimentaçãodo observ...
Yacoov Agam
Yacoov Agam
Yacoov Agam
Cruz DiezVenezuelano, utiliza a técnicasdenominadas fisiocromias,cromografias e cromo-interferências
Cruz Diez
Cruz Diez
Cruz Diez
Cruz Diez
Cruz Diez
Le ParcArgentino, artista da luz e do movimento.http://www.julioleparc.org
Júlio le Parc
Júlio le Parc
Júlio le Parc
Júlio le Parc
Júlio le Parc
Júlio le Parc
Victor Vassarely  Húngaro, se funda em pesquisas e  experiências dos fenômenos de  percepção ótica.
Vassarely
Vassarely
Vassarely
Lygia ClarkBrasielira, busca peladesmaterialização da obra de arte. Oartista é o propositor.
Lygia ClarkMáscaras sensoriais
Lygia Clark
Lygia Clark
Lygia Clark
Lygia Clark
Lygia Clark
Lygia Clark
Abraham Palatnik   Brasieliro, suas obras contêm   instalações elétricas que criam   movimentos e jogos de luzes.
Palatnik
Palatnik
Palatnik
Palatnik
Palatnik
Palatnik
Quando sua sensibilidade é posta aprova é que o mecanismo daimprovisação desabrocha e o lúdico seapresenta reaproximando o...
A interação espacial da obra: umainteração mecânica, natural,maquinal e cibernética: obras queinteragem com o espaço, exat...
O desafio dos artistas cinéticos estava eminstaurar uma nova relação espaço/temporalno conceito das artes visuais.
Essas pesquisas tiveram direçõesdistintas: algumas buscavam soluçõesatravés da mecânica, outras através daindução humana, ...
Marcel Duchamp  Francês, pioneiro da arte conceitual.
Duchamp
Duchamp
Duchamp
Direcionado à arte Óptica, podem servistos vários experimentos queobjetivavam a manipulação da visão nasobras de Duchamp: ...
EXPERIMENTALISMOO experimentalismo do começo do séculoXX era a característica comum dediversos movimentos da vanguardamode...
Naum GaboRusso, destacou no movimento doConstrutivismo russo e na Arte cinética.
Gabo
Aula 01
Aula 01
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 01

646 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
646
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 01

  1. 1. FUNDAMENTOS DO DESENHO E DA IMAGEM DIGITALProfª Venise Melo/UFMS AULA01
  2. 2. Paula PerissinottoUma trajetória para arte tecnológicaDissertação Mestrado • USP/2000
  3. 3. Quais as mudanças causadas nomundo e no homem com o adventodas máquinasda luz elétrica, da indústriaautomobilística, da indústria deaviação, das conquistas no espaço, dotelefone, do rádio, da televisão e agorada Internet?
  4. 4. A intervenção tecnológica no dia-a-diamodifica rapidamenteo comportamentoa relação entre os seres humanosorganização temporal de suas rotinasSe a arte é uma expressão que representao pensamento uma épocapor que ela não se modificaria?
  5. 5. Perissinotto(2000) parte como pontoinicial a busca da compreensão da artecinética se mostra como o melhorprocedimento para compreender a artetecnológica.O objetivo é fazer uma análise acercada representação do elemento"movimento" na história das artesplásticas.
  6. 6. O termo CINÉTICO está etimologicamenteligado à idéia de MOVIMENTO.O termo costuma ser usado para designarum tipo de Escultura que incorpora ummotor ou as que são dirigidas por fluxos dear.É possível localizá-lo, por exemplo, noManifesto Realista de Antoine Pevsner(1886-1962) e Naum Gabo (1890-1977),em escritos de László Moholy-Nagy (1895-1946)
  7. 7. Termo é efetivamente incorporado aovocabulário artístico em 1955, por ocasião daexposição Le Mouvement [O Movimento],na galeria parisiense Denise René, com obrasde artistas de diferentes gerações:Marcel Duchamp (1887-1968),Alexander Calder (1898-1976),Vasarely (1908),Jesus Raphael Soto (1923)Yaacov Agam (1928),entre outros.
  8. 8. Segundo Perissinotto este panoramaque se insere a arte tecnológica desdeo seu início até os dias atuais pode seranalisado sob o pronto de vista dainteração em níveis diferenciados:1.interação perceptiva do espectador2.interação espacial3.interação potencial.
  9. 9. 1.As obras que sugeriam a interaçãoperceptiva do espectador são aquelasque ficam entre o móvel e o estático. Sãoobras que mostram uma vibração ópticaque só pode ser percebida com aapreciação e a percepção do espectador,seja ela também, sensitiva outransformativa, a realização de talinteração depende a predisposição e daatitude do espectador.
  10. 10. 2.A interação espacial da obra ocorre quandoela se movimenta no espaço tridimensional(ao contrário daquelas que se utilizamapenas de efeitos ópticos). Este movimentopode ser decorrente da mecânica, damanipulação do espectador, dos fenômenosnaturais, da máquina ou da cibernética.
  11. 11. 3.A interação potencial, além de semesclar com recursos encontrados emoutras disciplinas, como na ciência e ou naengenharia ela se potencializa quandointerage diretamente com o seu processocriativo e com as possibilidadespotencializadoras da era digital.
  12. 12. A interação da obra com espaço ocorrequando a maioria dos trabalhos semove realmente de forma mecânica, porindução humana e por máquinas.Existem também as obras que sãomovidas por fenômenos naturais, como ovento e o calor.E ainda aos movimentos tecnológicosgerados por rodas, motores de carro e debarcos, relógios e câmeras.
  13. 13. Manifesto Futurista (Marinetti, 1910)Apologia à velocidade e àmecânica: "o mundo estava seenriquecendo com uma nova beleza: abeleza da velocidade”.
  14. 14. Manifesto Realista (Gabo e Pesvner,1920) Surge pela primeira vez o termo cinético com referência às artes visuais. Nesse texto, os dois defendiam uma nova proposta de arte, na qual o elemento rítmico cinético devia constar como forma básica de percepção do tempo real.
  15. 15. Manifesto Realista (Gabo e Pesvner,1920)1- Renunciamos à cor como elementopictórico na pintura. Afirmamos que o tom dasubstância era a luz absorvendo a matéria,vista como única realidade pictórica.2-Renunciamos à linha como valor descritivo,isto é, defendemos a linha apenas como adireção das forças estáticas e seus ritmosem objetos.3- Renunciamos ao volume como formaplástica e pictórica do espaço. Advogávamosa profundidade como a única forma plástica epictórica do espaço.
  16. 16. 4- Na escultura, renunciamos à massacomo elemento escultural. Trazemos devolta a linha como direção, além deafirmarmos a profundidade como a únicaforma do espaço.5- Por fim, a renunciamos aos mil anosde desilusão na arte que sustentou oritmo estático como único elemento dasartes plásticas. Para nós, na arte, surgeum novo elemento rítmico, como formabásica da percepção do tempo real, oelemento "cinético".
  17. 17. Entre os artistas que desenvolveram umalinguagem plástica edificada na presençade transformações, podemos incluirYacoov Agam,Cruz Diez,Le Parc,Vassarely,Lígia Clark eAbraham Palatinik.
  18. 18. Yacoov AgamIsraelense, realizadores de obrascinéticas transformáveis, ou seja,aquelas que requerem a movimentaçãodo observador para perceber todas assuas variações
  19. 19. Yacoov Agam
  20. 20. Yacoov Agam
  21. 21. Yacoov Agam
  22. 22. Cruz DiezVenezuelano, utiliza a técnicasdenominadas fisiocromias,cromografias e cromo-interferências
  23. 23. Cruz Diez
  24. 24. Cruz Diez
  25. 25. Cruz Diez
  26. 26. Cruz Diez
  27. 27. Cruz Diez
  28. 28. Le ParcArgentino, artista da luz e do movimento.http://www.julioleparc.org
  29. 29. Júlio le Parc
  30. 30. Júlio le Parc
  31. 31. Júlio le Parc
  32. 32. Júlio le Parc
  33. 33. Júlio le Parc
  34. 34. Júlio le Parc
  35. 35. Victor Vassarely Húngaro, se funda em pesquisas e experiências dos fenômenos de percepção ótica.
  36. 36. Vassarely
  37. 37. Vassarely
  38. 38. Vassarely
  39. 39. Lygia ClarkBrasielira, busca peladesmaterialização da obra de arte. Oartista é o propositor.
  40. 40. Lygia ClarkMáscaras sensoriais
  41. 41. Lygia Clark
  42. 42. Lygia Clark
  43. 43. Lygia Clark
  44. 44. Lygia Clark
  45. 45. Lygia Clark
  46. 46. Lygia Clark
  47. 47. Abraham Palatnik Brasieliro, suas obras contêm instalações elétricas que criam movimentos e jogos de luzes.
  48. 48. Palatnik
  49. 49. Palatnik
  50. 50. Palatnik
  51. 51. Palatnik
  52. 52. Palatnik
  53. 53. Palatnik
  54. 54. Quando sua sensibilidade é posta aprova é que o mecanismo daimprovisação desabrocha e o lúdico seapresenta reaproximando o homem daparticipação e da integração.ARTELÚDICOJOGO
  55. 55. A interação espacial da obra: umainteração mecânica, natural,maquinal e cibernética: obras queinteragem com o espaço, exatamenteao contrário daquelas que se utilizamefeitos ópticos e de um movimentoda luz numa superfície plana.
  56. 56. O desafio dos artistas cinéticos estava eminstaurar uma nova relação espaço/temporalno conceito das artes visuais.
  57. 57. Essas pesquisas tiveram direçõesdistintas: algumas buscavam soluçõesatravés da mecânica, outras através daindução humana, algumas por meio demáquinas e outras pelos fenômenosnaturais (o vento, o calor, a ausência depeso, o movimento da água, a luze a gravidade).
  58. 58. Marcel Duchamp Francês, pioneiro da arte conceitual.
  59. 59. Duchamp
  60. 60. Duchamp
  61. 61. Duchamp
  62. 62. Direcionado à arte Óptica, podem servistos vários experimentos queobjetivavam a manipulação da visão nasobras de Duchamp: o Anémic Cinema (1925-1926), máquinase aparelhos ópticos, como em Placas devidro rotativas (1924) e Rotorrelevos(1935).
  63. 63. EXPERIMENTALISMOO experimentalismo do começo do séculoXX era a característica comum dediversos movimentos da vanguardamodernista. Com o advento das indústriase das novas máquinas que surgiam noinicio do século, ampliavam-se àspossibilidades de novas experiências.
  64. 64. Naum GaboRusso, destacou no movimento doConstrutivismo russo e na Arte cinética.
  65. 65. Gabo

×