Mpx 4 t12_port_nova

184 visualizações

Publicada em

MPXE3 - 4T2012

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
184
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mpx 4 t12_port_nova

  1. 1. Resultados 4T12Rio de Janeiro | Fevereiro de 2013
  2. 2. AVISO LEGALEsta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas daCompanhia e de sua administração a respeito de seu plano de negócios. Afirmações prospectivas incluem, entre outras, todas as afirmações quedenotam previsão, projeção, indicam ou implicam resultados, performance ou realizações futuras, podendo conter palavras como "acreditar","prever", "esperar“, "contemplar", "provavelmente resultará" ou outras palavras ou expressões de acepção semelhante.Tais afirmações estão sujeitas a uma série de expressivos riscos, incertezas e premissas. Advertimos que diversos fatores importantes podem fazercom que os resultados reais divirjam de maneira relevante dos planos, objetivos, expectativas, estimativas e intenções expressos nestaapresentação.Em nenhuma hipótese a Companhia ou suas subsidiárias, seus conselheiros, diretores, representantes ou empregados serão responsáveis perantequaisquer terceiros (inclusive investidores) por decisões ou atos de investimento ou negócios tomados com base nas informações e afirmaçõesconstantes desta apresentação, e tampouco por danos consequentes, indiretos ou semelhantes.A Companhia não tem intenção de fornecer aos eventuais detentores de ações uma revisão das afirmações prospectivas ou análise das diferençasentre as afirmações prospectivas e os resultados reais.Esta apresentação e seu teor constituem informação de propriedade da Companhia, não podendo ser reproduzidos ou divulgados no todo ou emparte sem a sua prévia anuência por escrito. 2
  3. 3. DESTAQUES 4T12 & EVENTOS SUBSEQUENTESIniciada a operação comercial nas UTEs Pecém I, Itaqui e Parnaíba I, totalizando 1.058 MW UTE Pecém I, 1ª turbina: 360 MW UTE Itaqui: 360 MW UTE Parnaíba I, 1ª e 2ª turbinas: 338 MWProdução de gás na bacia do Parnaíba atinge 2,1 MM m3/dia e OGX Maranhão declara comercialidade docampo Gavião Branco, com volume in situ estimado entre 0,2 e 0,5 TcfAquisição do projeto UTE MC2 Nova Venécia, com capacidade de 176 MW, sujeita à aprovação do MMERedução significativa da exposição ao mercado spot de energia com postergação do início de suprimento deenergia da UTE Pecém II (365 MW) para 01/06/13 e da UTE Parnaíba I (676 MW) para 01/04/13 3
  4. 4. EMPREENDIMENTOS EM OPERAÇÃO Capacidade Energia vendida Receita Fixa Mercado Regulado DCO Instalada (MW) (MW médio) (R$ MM/ano) Pecém I (1ª turbina) 360 307,5 283,6 01/12/2012 Itaqui 360 315 299,8 05/02/2013 Parnaíba I (1ª turbina) 169 112,5 105,3 01/02/2013 Parnaíba I (2ª turbina) 169 112,5 105,3 20/02/2013 TOTAL 1.058 847,5 794,0Nota: Dados consideram 100% do projeto 4
  5. 5. EMPREENDIMENTOS EM CONSTRUÇÃO Capacidade Energia vendida Receita Fixa Mercado Regulado DCO (Previsto) Instalada (MW) (MW médio) (R$ MM/ano) Pecém I (2ª turbina) 360 307,5 283,6 1T13 Pecém II 365 276 269,2 2T13 Parnaíba I (3ª e 4ª turbinas) 338 225 210,6 1T13 Parnaíba I (5ª turbina) 176 98 93,5 2T13 Parnaíba II 517 450 353,1 4T13 TOTAL 1.756 1.356,5 1.210,0 ETAPAS PARA INÍCIO DE OPERAÇÃO COMERCIAL Pecém I (2ª turbina): testes elétricos  primeira sincronização  testes de carga elétrica  DCO Pecém II: sopragem de vapor  recomposição  operação em by-pass  vapor para turbina  testes elétricos  primeira sincronização  testes de carga elétrica  DOC Parnaíba I: turbinas 3 e 4 em fase final de montagem eletromecânica Parnaíba II: turbinas 1 e 2 no site, em fase de montagem eletromecânicaNota: Dados consideram 100% do projeto 5
  6. 6. UTE PORTO DO PECÉM I & II 6
  7. 7. UTE PORTO DO ITAQUI 7
  8. 8. UTE PARNAÍBA I & II 8
  9. 9. BACIA DO PARNAÍBA: E&P DE GÁS NATURAL GAVIÃO REAL  Início da produção comercial em jan/13  Produção atual equivalente a 2,1 MM m3/dia  UTG com capacidade para processar 6,0 MM m3/dia, com ramp-up projetado para 7,5 MM m3/dia GAVIÃO BRANCO  Declaração de comercialidade apresentada à ANP  Volume total in situ estimado: 0,2 a 0,5 Tcf de gás 3 poços exploratórios em perfuração  OGX-105: Rocha Lima  OGX-107: Fazenda Chicote  OGX-108: Fazenda Santa Isabel 9
  10. 10. BACIA DO PARNAÍBA: E&P DE GÁS NATURAL 10
  11. 11. DESTAQUES FINANCEIROS
  12. 12. RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA Receita Operacional Líquida Consolidado (R$ MM) 4T12 4T11 % 2012 2011 % Receita Operacional Bruta Suprimento de Energia Elétrica 150,0 10,4 1346,9% 238,9 42,3 464,7% Comercialização de Energia Elétrica 89,5 39,9 124,2% 302,8 148,1 104,5% Deduções sobre a Receita (23,2) (8.2) 184,5% (50,7) (22,1) 129,3% RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 216,3 42,2 413,5% 490,9 168,3 191,7% Receita Operacional Líquida - Pecém I (50%) Receita Operacional Líquida: + R$ 174,1 MM, com Geração comercial da 1ª unidade geradora 13,2 destaque para: Repasse do custo de aquisição de energia - Res. 165 70,5 Início do contrato de comercialização de energia da UTE Adicional considerando repasse por ICB – 4T12 20,4 Pecém I: + R$ 114,9 MM Adicional considerando repasse por ICB – 3T12 10,8 Total Receita Líquida 114,9 12
  13. 13. DESPESAS OPERACIONAISDespesas Operacionais (R$ MM)  Pessoal: - 27,9%  Otimização da estrutura corporativa com a criação da MPX/E.ON Participações (-R$ 5,3 milhões) -18,4% 104,1  Diminuição do valor do bônus e gratificações (-R$ 2,5 MM)  Efeito não-caixa relacionados aos planos de remuneração 84,9 baseados em opções da Companhia (-R$ 2,9 MM)  Cisão dos ativos de mineração na Colômbia (-R$ 4,2 MM)  Serviços de terceiros: -2,3%  Consultorias jurídicas e técnicas relacionadas ao takeover da construção das UTEs Pecém I & II e Itaqui (+R$ 4,7 MM); 4T11 4T12  Suporte de informática (+ R$ 2,3 MM)  Cisão dos ativos de mineração na Colômbia (-R$ 8,2 milhões). 13
  14. 14. PERFIL DA DÍVIDA Perfil da Dívida Bruta R$ bilhões Dez/12 Set/12 Dívida Bruta (R$ MM) 6,0 5,6 37% 30% Dívida Líquida (R$ MM) 5,4 4,6 Curto Prazo 63% 70% Longo Prazo Custo Médio (%) 8,7 8,7 Prazo Médio (anos) 5,1 5,1 Set/12 Dez/12 Perfil de Maturação da Dívida (R$ MM) 3.189,2R$ 724,6 milhões referentes ao empréstimo-ponte para UTEs Parnaíba I & II serão 1.915,4substituídos por financiamento de longo prazoR$ 234,3 milhões referentes à parcela dasdívidas de Pecém I, II e Itaqui, a ser 593,9 333,1 315,4 314,3amortizada em 2013, com o início deoperação comercial e fim do período de Caixa e 2013 2014 2015 2016 De 2017 até o Valores vencimentocarência Mobiliários *Os valores incorporam principal + juros capitalizados + encargos e excluem debêntures conversíveis. 14
  15. 15. POSIÇÃO DE CAIXA CONSOLIDADA Caixa & Valores Mobiliários 181,6 744,2 886,0 1.103,6 24,9 1.003,0 66,1 593,9 155,1 Caixa e Valores Receitas OPEX & CAPEX & Resultado Desembolso de Amortização da Aportes de Sócios Depósitos Caixa e ValoresMobiliários (3T12) SG&A Financeiro Dívida Dívida Vinculados Mobiliários (4T12) 15
  16. 16. INVESTIMENTOS (R$ MM) 4T12 2012 Juros Capex Juros Empreendimentos Capex Total Capitalizados Total Capitalizados Pecém I (50%) 26,7 16,3 207,5 74,4 Itaqui 99,7 39,7 424,0 148,8 Pecém II 23,2 21,7 214,6 83,2 Parnaíba I 117,5 29,5 544,5 92,3 Parnaíba II 107,1 14,2 425,7 40,6 Total 374,1 121,5 1.816,3 439,3 Adicionalmente, a MPX investiu R$ 35,0 milhões na exploração da Bacia do Parnaíba e no desenvolvimento dos campos de Gavião Real e Gavião Branco. 16
  17. 17. Para mais informações, entre em contato com: Relações com Investidores (55 21) 2163-9215 ri.mpx@mpx.com.br

×