SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL
Curso de Comunicação Social
Disciplina: Fundamentos da Comunicação
Professora: Maria Clara Aquino.

O nascimento do cinema

Em 1889,Henry Reichenbach criou para a Kodak o filme feito com imagens fotográficas
impressas numa base de celulóide semitransparente cortada em fitas.

Em 1891, Thomas Edison patenteou a invenção do Cinetoscópio, um dispositivo com
visor e onde dentro havia um rolo de 1,5m de filme, que ficava rodando sem parar.

Em 1894 o Cinetoscópio foi apresentado em Paris e os irmãos Lumière, que trabalhavam
no estúdio fotográfico do pai, começaram a desenvolver uma máquina que competisse
com o Cinetoscópio. O Cinématrographe foi patenteado em nome dos irmãos Luimière
em 1895.

Primeiro filme: A saída da fábrica Lumière

Os primeiros efeitos especiais: Em Demolição de um muro, é utilizado o movimento
reverso, para”reconstruir” um muro que havia sido demolido. Como retroceder.

A primeira comédia: O regador regado de 1895, mostra um jardineiro tomando um jato
d'água na cara por travessura de um menino que pisa na mangueira e depois a solta.

Nickelodeons: Os primeiros cinemas se chamavam Nickelodeons. Tinham cerca de 100
lugares e exibiam filmes continuamente para os espectadores. O primeiro Nickelodeon
foi construído em 1905, nos EUA e em 1907 2 milhões de americanos já frequentavam
esses espaços diariamente. No entanto, em 1910, a criação de espaços maiores e com
filmes mais longos tirou o público dos Nickelodeons.

O nascimento do cinema de Hollywood: No início do século XX a produção americana
dos filmes estava baseada em Nova York.

Pouco antes da I Guerra Mundial, a mudança de vários produtores independentes para um
subúrbio a oeste de Los Angeles começou a formar o que hoje conhecemos como
Hollywood.

Estrelato: surgia também o estrelato. A primeira a reivindicar o título de estrela foi
Florence Lawrence. Outros atores famosos surgiam, como Mary Pickford e Charles
Chaplin.

Em 1919,cansados com a falta de independência em trabalhar como contratados, Chaplin,
Pickford, Fairbanks e Griffth fundaram a United Artists Corporation.
1920 – 1929

A Era do Cinema Mudo assistiu à consolidação do sistema de estúdios, que duraria até os
anos 50.

Gêneros e astros: Os estúdios começaram a vender filmes com temas e estruturas
repetidos, criando os “gêneros”.

O faroeste foi o carro-chefe do cinema dos anos 20.

Em1921 surge o órgão auto-regulador Produtores e Distribuidores de Filmes da América
(Motion Picture Producers and Distributors of America).

A chegada do som
Em agosto de 1926, a Warner Bros., em dificuldades financeiras, apresentou aos donos
de salas de cinema o primeiro programa sincronizado com o sistema de gravação sonora
Vitaphone.

Don Juan(1926) foi o primeiro longa-metragem sonoro, mas não era falado.

Em outubro de 1927, a Warner Bros. Lançou a grande inovação. O longa O cantor de
Jazztinha gravações musicais e alguns diálogos sobrepostos com sincronia labial. O
sucesso do filme levou à instalação de equipamentos de gravação e projeção sonora em
estúdios e cinemas.

Em 1928 quase todos os estúdios abandonaram o Vitaphone e adotaram o processo de
gravação da Western Electric.

No Reino Unido, o sucesso dos filmes falados americanos provocou a corrida de estúdios
e cinemas por novas tecnologias.

O som afetou não só o conteúdo e o estilo dos filmes, mas a estrutura cinematográfica da
época.

Depois da quebra da bolsa de Wall Street, em 1929, o cinema de Hollywood se recupera
e atinge seu apogeu. Depois do sucesso dos filmes falados nos anos 20, 1930 foi o melhor
ano da indústria cinematográfica americana, com recordes de bilheteria e lucros altos dos
estúdios. No entanto, em 1931 a depressão decorrente da queda da bolsa em 1929 afetou
o cinema e a arrecadação despencou.

Os grandes estúdios de Hollywood

Universal Pictures: produziu os primeiros clássicos do gênero de horror, e assim se
estabeleceu.
    • Frankenstein (1931)
    • Drácula (1931)
20th Century Fox: só chegou ao grupo dos grandes estúdios de Hollywood em 1935.

MGM: criou a fórmula dos filmes familiares e idealistas sobre histórias americanas e de
clássicos românticos e glamourosos.

Paramount Pictures: Se a MGM espelhava a classe média, a Paramount tinha
pretensões aristocratas, com grandes astros em seus filmes.

Selo de aprovação

Em setembro de 1931, o Código de Produção ficou consideravelmente mais rígido e
todos os roteiros tinham de ser enviados à Agência de Hays.

Tecnicolor: Nos anos 30, o Technicolor tornou-se o nome genérico de qualquer filme
colorido.

1940 – 1940 – O cinema e a Guerra

O início da II Guerra Mundial na Europa pôs fim aos problemas econômicos dos anos 30
nos EUA. O emprego no cinema se regularizou e a arrecadação dos cinemas se
multiplicou. No pós-guerra, os estúdios tiveram problemas com sindicatos e enfrentaram
greves, e assim ocorreu a famosa caça às bruxas anticomunista em Hollywood.

Por ironia, os anos de guerra foram bons para Hollywood. O governo americano via no
cinema a fonte para a diversão informação, apoio moral e propaganda, tanto para a
população quanto para as tropas que estavam na guerra.

O fim da guerra transformou rapidamente a indústria. Veio uma lei antitruste que marcou
o fim da antiga Hollywood.

1950 – 1959

Nos anos 50 surge o rival do cinema, a televisão.

O primeiro longa colorido feito em Hollywood com Natural Vision (3D) foi A sombra e
a escuridão (1925), que tinha como slogan publicitário “um leão no seu colo”. Porém,
logo os óculos Polaroid passaram a ser um estorvo e boas produções em 3D, como
Disque M para Matar, de Hitchcock foram relançados sem ser em 3D.

1960 – 1969

No inícios dos anos 60 o Sindicato dos Escritores dos EUA entrou em greve por contratos
maisjustos e por umaparcela de lucro de filmes vendidos para a TV. O Sindicato dos
Atores de Cinema e Televisão exigia salário mínimo e uma parcela sobre as reexibições
na TV. Conseguidas todas as reivindicações, Hollywood ficou a beira da falência.
Cleópatra (1962), filmado em Roma, quase faliu a 20th Century Fox, custou quase
US$44milhões de dólares, com Elizabeth Taylor, a atriz mais bem paga da história (US$1
milhão).

Com o alto custo das gravações em Hollywood e o encolhimento físico dos estúdios,
muitos reduziram a produção interna e fizeram mais filmes de alto orçamento em outros
países, principalmente no Reino Unido, que tinha uma base de produção financeiramente
vantajosa.

1970 – 1979

Dos 43,5 milhões de americanos que iam ao cinema semanalmente, em 1960, dez anos
depois eram apenas 15 milhões.

Como sempre, Hollywood conseguiu se recuperar lançando filmes melhores que os
passados, mais ricos, variados e inteligentes. Um dos grandes sucessos foi O Poderoso
Chefão, de Francis Coppola.

A Guerra do Vietnã foi a primeira a ser noticiada permanentemente na TV e um dos
vários motivos para o aumento da violência nos filmes (como os confrontos de rua e os
movimentos estudantis).

Um dos maiores avanços da época foi o lançamento do gravador doméstico de
videocassete, pela Sony, em 1975. Custava US$2000 e permitia gravar até uma hora. O
impacto nos hábitos dos espectadores foi muito forte.

1980 – 1989

Nos anos 80 Hollywood volta a se afirmar.

Em 82 Sylvester Stallone faz sua fama com Rambo e anos depois com Rocky.

Mas surge depois um herói considerado superior a Stallone, Arnold Schwarzenegger.

1990

Outra mudança ocorreu nos anos 90, com o surgimento da filmagem digital. Enquanto os
estúdios concentravam seus recursos em filmes grandiosos como Titanic, os
independentes alcançavam audiências inusitadas com dramas adultos e inteligentes, como
Pulp Fiction – Tempos de Violência, de Tarantino.

Embora Jurassic Park – Parque dos Dinossauros (1993), Forrest Gump, o contador de
histórias (1994) já interessassem por ter imagens geradas por computador, Toy Story
(1995) foi o primeiro longa de animação todo feito em computador, abrindo os horizontes
para épicos como Titanic (2000), Gladiador (2000), O Senhor dos Anéis (2000- 2003) e a
série Harry Potter (2001...).
DVD: a evolução tecnológica está mudando a forma como vemos filmes e aparelhos
portáteis de DVD ampliam as possibilidades.

A audiência dos cinemas diminuiu em todos os lugares à medidaque as tvs de alta
definição, recursos de interatividade e aparelhos de DVD facilitam o consumo doméstico
dos filmes.

O DVD surgiu no fim de 97, com reprodução superior de som e imagem, alta
durabilidade e tamanho reduzido. Desde 2005 o mercado de DVD se tornou a maior fonte
de renda da indústria cinematográfica, superando o VHS e o cinema, criando assim um
novo canal de venda de catálogos antigos dos estúdios.


Blu-Ray: formato de disco óptico de 12 cm de diâmetro (igual ao CD e ao DVD) para
vídeo de alta definição e capaz de armazenar filmes até 1080p Full HD de até 4 horas.

Download Digital: Hoje a indústria do cinema tem um novo desafio: a Internet. O
download digital de filmes e a exibição online se tornaram uma realidade que alimenta
temores de piratariageneralizada e colapso dos cinemas. Hollywood porém, já superou
outras fobias e sabe se adaptar as novas tecnologiaslucrando com elas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAISEVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAISTiago Lopes
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinemaeva_idavino
 
A história do cinema no Brasil
A história do cinema no BrasilA história do cinema no Brasil
A história do cinema no BrasilJoão da Mata
 
Cinema ana martins8c
Cinema ana martins8cCinema ana martins8c
Cinema ana martins8cnavegananet
 
Neto a emergencia da televisao
Neto   a emergencia da televisaoNeto   a emergencia da televisao
Neto a emergencia da televisaoPedro Pereira Neto
 
História do cinema estrangeiro
História do cinema estrangeiroHistória do cinema estrangeiro
História do cinema estrangeiroefaescacilhastejo
 
História da TV no mundo
História da TV no mundoHistória da TV no mundo
História da TV no mundoDaniel Hora
 
Cinema Marginal Brasileiro
Cinema Marginal BrasileiroCinema Marginal Brasileiro
Cinema Marginal BrasileiroStefan Leles
 
Cap 1 o cinema de Chris Rodrigues sob o olhar de Mérice Netto.
Cap 1 o cinema de Chris Rodrigues sob o olhar de Mérice Netto.Cap 1 o cinema de Chris Rodrigues sob o olhar de Mérice Netto.
Cap 1 o cinema de Chris Rodrigues sob o olhar de Mérice Netto.Merice Netto
 
História da televisão
História da televisãoHistória da televisão
História da televisãobrenobmf
 
História do rádio
História do rádioHistória do rádio
História do rádioJúlio Rocha
 
História da TV no Brasil
História da TV no BrasilHistória da TV no Brasil
História da TV no BrasilDaniel Hora
 

Mais procurados (20)

EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAISEVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
Senac 2ª aula
Senac    2ª aulaSenac    2ª aula
Senac 2ª aula
 
A história do cinema no Brasil
A história do cinema no BrasilA história do cinema no Brasil
A história do cinema no Brasil
 
Cinema ana martins8c
Cinema ana martins8cCinema ana martins8c
Cinema ana martins8c
 
Cinema Brasileiro
Cinema BrasileiroCinema Brasileiro
Cinema Brasileiro
 
Neto a emergencia da televisao
Neto   a emergencia da televisaoNeto   a emergencia da televisao
Neto a emergencia da televisao
 
Alfred hitchcock
Alfred hitchcockAlfred hitchcock
Alfred hitchcock
 
História do cinema estrangeiro
História do cinema estrangeiroHistória do cinema estrangeiro
História do cinema estrangeiro
 
História da TV no mundo
História da TV no mundoHistória da TV no mundo
História da TV no mundo
 
Tv
TvTv
Tv
 
Cinema de portugal
Cinema de portugalCinema de portugal
Cinema de portugal
 
Cinema Marginal Brasileiro
Cinema Marginal BrasileiroCinema Marginal Brasileiro
Cinema Marginal Brasileiro
 
Cap 1 o cinema de Chris Rodrigues sob o olhar de Mérice Netto.
Cap 1 o cinema de Chris Rodrigues sob o olhar de Mérice Netto.Cap 1 o cinema de Chris Rodrigues sob o olhar de Mérice Netto.
Cap 1 o cinema de Chris Rodrigues sob o olhar de Mérice Netto.
 
História da televisão
História da televisãoHistória da televisão
História da televisão
 
Velhas imagens
Velhas imagens Velhas imagens
Velhas imagens
 
História do rádio
História do rádioHistória do rádio
História do rádio
 
Cinema brasileiro
Cinema brasileiroCinema brasileiro
Cinema brasileiro
 
Uma história do rádio
Uma história do rádioUma história do rádio
Uma história do rádio
 
História da TV no Brasil
História da TV no BrasilHistória da TV no Brasil
História da TV no Brasil
 

Destaque

Matt Roseman
Matt RosemanMatt Roseman
Matt Rosemanmattbrady
 
The Washington Post1
The Washington Post1The Washington Post1
The Washington Post1crismenegon
 
Presentation Social Services
Presentation Social ServicesPresentation Social Services
Presentation Social ServicesDirkVanWaelderen
 
Maharaja Agrasen Institute of Technology, New Delhi, India
Maharaja Agrasen Institute of Technology, New Delhi, IndiaMaharaja Agrasen Institute of Technology, New Delhi, India
Maharaja Agrasen Institute of Technology, New Delhi, IndiaNakul Retdhania
 
Ciencias Sociales Y Herramientas Web 2.0.
Ciencias Sociales Y Herramientas Web 2.0.Ciencias Sociales Y Herramientas Web 2.0.
Ciencias Sociales Y Herramientas Web 2.0.gmsrosario
 
Bits de inteligencia de números
Bits de inteligencia de númerosBits de inteligencia de números
Bits de inteligencia de númerosMaria Rey
 
St a cavallo_di_due_millenni_1997-2003
St a cavallo_di_due_millenni_1997-2003St a cavallo_di_due_millenni_1997-2003
St a cavallo_di_due_millenni_1997-2003Maruzells zells
 
Desastre ecológico en Hungria
Desastre ecológico en HungriaDesastre ecológico en Hungria
Desastre ecológico en HungriaJ3sSy3
 
Perguntas
PerguntasPerguntas
PerguntasPedro
 
B.O. sobre a confusão do concurso Sabesp, organizado pelo INTESP, em 18 dez 2011
B.O. sobre a confusão do concurso Sabesp, organizado pelo INTESP, em 18 dez 2011B.O. sobre a confusão do concurso Sabesp, organizado pelo INTESP, em 18 dez 2011
B.O. sobre a confusão do concurso Sabesp, organizado pelo INTESP, em 18 dez 2011fygf
 
Por qué psicología55
Por qué psicología55Por qué psicología55
Por qué psicología55andre1014
 
Lengujes de 2 generacion
Lengujes de 2 generacionLengujes de 2 generacion
Lengujes de 2 generacionMiguel Angel
 

Destaque (20)

E-LEARNING
E-LEARNINGE-LEARNING
E-LEARNING
 
Mahesh dukudu infilm branding
Mahesh dukudu infilm brandingMahesh dukudu infilm branding
Mahesh dukudu infilm branding
 
Matt Roseman
Matt RosemanMatt Roseman
Matt Roseman
 
Lezione17 soluzioni
Lezione17 soluzioniLezione17 soluzioni
Lezione17 soluzioni
 
The Washington Post1
The Washington Post1The Washington Post1
The Washington Post1
 
Presentation Social Services
Presentation Social ServicesPresentation Social Services
Presentation Social Services
 
introduction video
introduction videointroduction video
introduction video
 
Maharaja Agrasen Institute of Technology, New Delhi, India
Maharaja Agrasen Institute of Technology, New Delhi, IndiaMaharaja Agrasen Institute of Technology, New Delhi, India
Maharaja Agrasen Institute of Technology, New Delhi, India
 
Tugas Prof. Yusuf
Tugas Prof. YusufTugas Prof. Yusuf
Tugas Prof. Yusuf
 
Ciencias Sociales Y Herramientas Web 2.0.
Ciencias Sociales Y Herramientas Web 2.0.Ciencias Sociales Y Herramientas Web 2.0.
Ciencias Sociales Y Herramientas Web 2.0.
 
Bits de inteligencia de números
Bits de inteligencia de númerosBits de inteligencia de números
Bits de inteligencia de números
 
St a cavallo_di_due_millenni_1997-2003
St a cavallo_di_due_millenni_1997-2003St a cavallo_di_due_millenni_1997-2003
St a cavallo_di_due_millenni_1997-2003
 
Teste seu-cerebro
Teste seu-cerebroTeste seu-cerebro
Teste seu-cerebro
 
Desastre ecológico en Hungria
Desastre ecológico en HungriaDesastre ecológico en Hungria
Desastre ecológico en Hungria
 
Perguntas
PerguntasPerguntas
Perguntas
 
B.O. sobre a confusão do concurso Sabesp, organizado pelo INTESP, em 18 dez 2011
B.O. sobre a confusão do concurso Sabesp, organizado pelo INTESP, em 18 dez 2011B.O. sobre a confusão do concurso Sabesp, organizado pelo INTESP, em 18 dez 2011
B.O. sobre a confusão do concurso Sabesp, organizado pelo INTESP, em 18 dez 2011
 
La calidad en la formación
La calidad en la formaciónLa calidad en la formación
La calidad en la formación
 
Pintar Parachoque Trasero Optra (desmontandolo)
Pintar Parachoque Trasero Optra (desmontandolo)Pintar Parachoque Trasero Optra (desmontandolo)
Pintar Parachoque Trasero Optra (desmontandolo)
 
Por qué psicología55
Por qué psicología55Por qué psicología55
Por qué psicología55
 
Lengujes de 2 generacion
Lengujes de 2 generacionLengujes de 2 generacion
Lengujes de 2 generacion
 

Semelhante a Aula 11 - Cinema

História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do CinemaFilipe Leal
 
Blockbuster
BlockbusterBlockbuster
Blockbusterbetousp
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)Mauricio Mallet Duprat
 
apresentao1-ppt-121016100934-phpapp01.pdf
apresentao1-ppt-121016100934-phpapp01.pdfapresentao1-ppt-121016100934-phpapp01.pdf
apresentao1-ppt-121016100934-phpapp01.pdfMaxLEspinosa
 
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCarolinaMagalhes54
 
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...Emerson Mathias
 
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdfcinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdfWeslleyDias8
 
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdfhistoriadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdfWeslleyDias8
 
Mcs o cinema, c daniel e vero
Mcs   o cinema, c daniel e veroMcs   o cinema, c daniel e vero
Mcs o cinema, c daniel e veroJosé Palma
 
cinema-130929154716-phpapp01.pdf
cinema-130929154716-phpapp01.pdfcinema-130929154716-phpapp01.pdf
cinema-130929154716-phpapp01.pdfWeslleyDias8
 
Cinema.atualizado agora
Cinema.atualizado agoraCinema.atualizado agora
Cinema.atualizado agoraAbner Amiel
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinemaRebeca Neiva
 
Luz, Câmera... Salvação: Hollywood após 1960
Luz, Câmera... Salvação: Hollywood após 1960Luz, Câmera... Salvação: Hollywood após 1960
Luz, Câmera... Salvação: Hollywood após 1960EDILAINE AVILA
 
Media e hábitos socioculturais
Media e hábitos socioculturaisMedia e hábitos socioculturais
Media e hábitos socioculturaisRaQuel Oliveira
 
Historia do cinema 2017
Historia do cinema 2017Historia do cinema 2017
Historia do cinema 2017Riaz Jassat
 

Semelhante a Aula 11 - Cinema (20)

Evolução do Cinema
Evolução do CinemaEvolução do Cinema
Evolução do Cinema
 
História do Cinema
História do CinemaHistória do Cinema
História do Cinema
 
Blockbuster
BlockbusterBlockbuster
Blockbuster
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
 
apresentao1-ppt-121016100934-phpapp01.pdf
apresentao1-ppt-121016100934-phpapp01.pdfapresentao1-ppt-121016100934-phpapp01.pdf
apresentao1-ppt-121016100934-phpapp01.pdf
 
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptxCinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
Cinema transform(ação) ppt1 introdução.pptx
 
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
A influência do cinema hollywoodiano no processo de emancipação da mulher bra...
 
A Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudoA Era do Cinema mudo
A Era do Cinema mudo
 
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdfcinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
cinemamudo-150112180744-conversion-gate02.pdf
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdfhistoriadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
historiadocinemamatheusvieira-120505123320-phpapp02.pdf
 
Mcs o cinema, c daniel e vero
Mcs   o cinema, c daniel e veroMcs   o cinema, c daniel e vero
Mcs o cinema, c daniel e vero
 
Cinema 2c16 2012
Cinema 2c16 2012Cinema 2c16 2012
Cinema 2c16 2012
 
cinema-130929154716-phpapp01.pdf
cinema-130929154716-phpapp01.pdfcinema-130929154716-phpapp01.pdf
cinema-130929154716-phpapp01.pdf
 
Cinema.atualizado agora
Cinema.atualizado agoraCinema.atualizado agora
Cinema.atualizado agora
 
A história do cinema
A história do cinemaA história do cinema
A história do cinema
 
Luz, Câmera... Salvação: Hollywood após 1960
Luz, Câmera... Salvação: Hollywood após 1960Luz, Câmera... Salvação: Hollywood após 1960
Luz, Câmera... Salvação: Hollywood após 1960
 
Setima arte
Setima arteSetima arte
Setima arte
 
Media e hábitos socioculturais
Media e hábitos socioculturaisMedia e hábitos socioculturais
Media e hábitos socioculturais
 
Historia do cinema 2017
Historia do cinema 2017Historia do cinema 2017
Historia do cinema 2017
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 

Aula 11 - Cinema

  • 1. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL Curso de Comunicação Social Disciplina: Fundamentos da Comunicação Professora: Maria Clara Aquino. O nascimento do cinema Em 1889,Henry Reichenbach criou para a Kodak o filme feito com imagens fotográficas impressas numa base de celulóide semitransparente cortada em fitas. Em 1891, Thomas Edison patenteou a invenção do Cinetoscópio, um dispositivo com visor e onde dentro havia um rolo de 1,5m de filme, que ficava rodando sem parar. Em 1894 o Cinetoscópio foi apresentado em Paris e os irmãos Lumière, que trabalhavam no estúdio fotográfico do pai, começaram a desenvolver uma máquina que competisse com o Cinetoscópio. O Cinématrographe foi patenteado em nome dos irmãos Luimière em 1895. Primeiro filme: A saída da fábrica Lumière Os primeiros efeitos especiais: Em Demolição de um muro, é utilizado o movimento reverso, para”reconstruir” um muro que havia sido demolido. Como retroceder. A primeira comédia: O regador regado de 1895, mostra um jardineiro tomando um jato d'água na cara por travessura de um menino que pisa na mangueira e depois a solta. Nickelodeons: Os primeiros cinemas se chamavam Nickelodeons. Tinham cerca de 100 lugares e exibiam filmes continuamente para os espectadores. O primeiro Nickelodeon foi construído em 1905, nos EUA e em 1907 2 milhões de americanos já frequentavam esses espaços diariamente. No entanto, em 1910, a criação de espaços maiores e com filmes mais longos tirou o público dos Nickelodeons. O nascimento do cinema de Hollywood: No início do século XX a produção americana dos filmes estava baseada em Nova York. Pouco antes da I Guerra Mundial, a mudança de vários produtores independentes para um subúrbio a oeste de Los Angeles começou a formar o que hoje conhecemos como Hollywood. Estrelato: surgia também o estrelato. A primeira a reivindicar o título de estrela foi Florence Lawrence. Outros atores famosos surgiam, como Mary Pickford e Charles Chaplin. Em 1919,cansados com a falta de independência em trabalhar como contratados, Chaplin, Pickford, Fairbanks e Griffth fundaram a United Artists Corporation.
  • 2. 1920 – 1929 A Era do Cinema Mudo assistiu à consolidação do sistema de estúdios, que duraria até os anos 50. Gêneros e astros: Os estúdios começaram a vender filmes com temas e estruturas repetidos, criando os “gêneros”. O faroeste foi o carro-chefe do cinema dos anos 20. Em1921 surge o órgão auto-regulador Produtores e Distribuidores de Filmes da América (Motion Picture Producers and Distributors of America). A chegada do som Em agosto de 1926, a Warner Bros., em dificuldades financeiras, apresentou aos donos de salas de cinema o primeiro programa sincronizado com o sistema de gravação sonora Vitaphone. Don Juan(1926) foi o primeiro longa-metragem sonoro, mas não era falado. Em outubro de 1927, a Warner Bros. Lançou a grande inovação. O longa O cantor de Jazztinha gravações musicais e alguns diálogos sobrepostos com sincronia labial. O sucesso do filme levou à instalação de equipamentos de gravação e projeção sonora em estúdios e cinemas. Em 1928 quase todos os estúdios abandonaram o Vitaphone e adotaram o processo de gravação da Western Electric. No Reino Unido, o sucesso dos filmes falados americanos provocou a corrida de estúdios e cinemas por novas tecnologias. O som afetou não só o conteúdo e o estilo dos filmes, mas a estrutura cinematográfica da época. Depois da quebra da bolsa de Wall Street, em 1929, o cinema de Hollywood se recupera e atinge seu apogeu. Depois do sucesso dos filmes falados nos anos 20, 1930 foi o melhor ano da indústria cinematográfica americana, com recordes de bilheteria e lucros altos dos estúdios. No entanto, em 1931 a depressão decorrente da queda da bolsa em 1929 afetou o cinema e a arrecadação despencou. Os grandes estúdios de Hollywood Universal Pictures: produziu os primeiros clássicos do gênero de horror, e assim se estabeleceu. • Frankenstein (1931) • Drácula (1931)
  • 3. 20th Century Fox: só chegou ao grupo dos grandes estúdios de Hollywood em 1935. MGM: criou a fórmula dos filmes familiares e idealistas sobre histórias americanas e de clássicos românticos e glamourosos. Paramount Pictures: Se a MGM espelhava a classe média, a Paramount tinha pretensões aristocratas, com grandes astros em seus filmes. Selo de aprovação Em setembro de 1931, o Código de Produção ficou consideravelmente mais rígido e todos os roteiros tinham de ser enviados à Agência de Hays. Tecnicolor: Nos anos 30, o Technicolor tornou-se o nome genérico de qualquer filme colorido. 1940 – 1940 – O cinema e a Guerra O início da II Guerra Mundial na Europa pôs fim aos problemas econômicos dos anos 30 nos EUA. O emprego no cinema se regularizou e a arrecadação dos cinemas se multiplicou. No pós-guerra, os estúdios tiveram problemas com sindicatos e enfrentaram greves, e assim ocorreu a famosa caça às bruxas anticomunista em Hollywood. Por ironia, os anos de guerra foram bons para Hollywood. O governo americano via no cinema a fonte para a diversão informação, apoio moral e propaganda, tanto para a população quanto para as tropas que estavam na guerra. O fim da guerra transformou rapidamente a indústria. Veio uma lei antitruste que marcou o fim da antiga Hollywood. 1950 – 1959 Nos anos 50 surge o rival do cinema, a televisão. O primeiro longa colorido feito em Hollywood com Natural Vision (3D) foi A sombra e a escuridão (1925), que tinha como slogan publicitário “um leão no seu colo”. Porém, logo os óculos Polaroid passaram a ser um estorvo e boas produções em 3D, como Disque M para Matar, de Hitchcock foram relançados sem ser em 3D. 1960 – 1969 No inícios dos anos 60 o Sindicato dos Escritores dos EUA entrou em greve por contratos maisjustos e por umaparcela de lucro de filmes vendidos para a TV. O Sindicato dos Atores de Cinema e Televisão exigia salário mínimo e uma parcela sobre as reexibições na TV. Conseguidas todas as reivindicações, Hollywood ficou a beira da falência.
  • 4. Cleópatra (1962), filmado em Roma, quase faliu a 20th Century Fox, custou quase US$44milhões de dólares, com Elizabeth Taylor, a atriz mais bem paga da história (US$1 milhão). Com o alto custo das gravações em Hollywood e o encolhimento físico dos estúdios, muitos reduziram a produção interna e fizeram mais filmes de alto orçamento em outros países, principalmente no Reino Unido, que tinha uma base de produção financeiramente vantajosa. 1970 – 1979 Dos 43,5 milhões de americanos que iam ao cinema semanalmente, em 1960, dez anos depois eram apenas 15 milhões. Como sempre, Hollywood conseguiu se recuperar lançando filmes melhores que os passados, mais ricos, variados e inteligentes. Um dos grandes sucessos foi O Poderoso Chefão, de Francis Coppola. A Guerra do Vietnã foi a primeira a ser noticiada permanentemente na TV e um dos vários motivos para o aumento da violência nos filmes (como os confrontos de rua e os movimentos estudantis). Um dos maiores avanços da época foi o lançamento do gravador doméstico de videocassete, pela Sony, em 1975. Custava US$2000 e permitia gravar até uma hora. O impacto nos hábitos dos espectadores foi muito forte. 1980 – 1989 Nos anos 80 Hollywood volta a se afirmar. Em 82 Sylvester Stallone faz sua fama com Rambo e anos depois com Rocky. Mas surge depois um herói considerado superior a Stallone, Arnold Schwarzenegger. 1990 Outra mudança ocorreu nos anos 90, com o surgimento da filmagem digital. Enquanto os estúdios concentravam seus recursos em filmes grandiosos como Titanic, os independentes alcançavam audiências inusitadas com dramas adultos e inteligentes, como Pulp Fiction – Tempos de Violência, de Tarantino. Embora Jurassic Park – Parque dos Dinossauros (1993), Forrest Gump, o contador de histórias (1994) já interessassem por ter imagens geradas por computador, Toy Story (1995) foi o primeiro longa de animação todo feito em computador, abrindo os horizontes para épicos como Titanic (2000), Gladiador (2000), O Senhor dos Anéis (2000- 2003) e a série Harry Potter (2001...).
  • 5. DVD: a evolução tecnológica está mudando a forma como vemos filmes e aparelhos portáteis de DVD ampliam as possibilidades. A audiência dos cinemas diminuiu em todos os lugares à medidaque as tvs de alta definição, recursos de interatividade e aparelhos de DVD facilitam o consumo doméstico dos filmes. O DVD surgiu no fim de 97, com reprodução superior de som e imagem, alta durabilidade e tamanho reduzido. Desde 2005 o mercado de DVD se tornou a maior fonte de renda da indústria cinematográfica, superando o VHS e o cinema, criando assim um novo canal de venda de catálogos antigos dos estúdios. Blu-Ray: formato de disco óptico de 12 cm de diâmetro (igual ao CD e ao DVD) para vídeo de alta definição e capaz de armazenar filmes até 1080p Full HD de até 4 horas. Download Digital: Hoje a indústria do cinema tem um novo desafio: a Internet. O download digital de filmes e a exibição online se tornaram uma realidade que alimenta temores de piratariageneralizada e colapso dos cinemas. Hollywood porém, já superou outras fobias e sabe se adaptar as novas tecnologiaslucrando com elas.