SlideShare uma empresa Scribd logo
VIDROS
Histórico – A nobre arte do vidro Antigamente o Império Romano usava  um material parecido com a mica para fechar as janelas. Mas o vidro já existia embora não se saiba ao certo quando o vidro começou a ser usado, o fato é que, há 5000 anos, ele já era utilizado pelos egípcios, na forma de contas, bolas de vidro colocadas, junto com o ouro, em colares. Em 1500 antes de Cristo, já se faziam peças ocas de vidro, como garrafas e vasos.
Naquela época, apesar de saber como fazer vidro e produzir uma série de objetos com ele, o ser humano ainda não tinha aprendido a produzir placas planas e transparentes desse material para serem usadas, por exemplo, nas janelas.
Materiais e Modo para produção Para fabricá-lo, são necessários areia, barrilha e calcário, sendo que barrilha é um material feito com sal marinho, gás carbônico e amônia, e calcário, um mineral. Esses três "ingredientes" são misturados e postos num forno, onde a temperatura chega a 1550 graus. Reagem e formam uma massa transparente com consistência de melado, chamada vidro fundido. Ao esfriar, ela endurece e forma o vidro propriamente dito.
Como era produzido No início da era cristã, as placas desse material eram fabricadas manualmente, despejando o vidro fundido sobre uma superfície metálica e o prensando com um bloco de madeira úmido. Mas o as placas eram pequenas e tinham espessura e superfície irregulares.
Como ele é feito hoje Somente no século 11 o vidro plano começou a ser feito pelo processo da centrifugação. Nele, uma pessoa colhia um pouco de vidro fundido usando um tubo de ferro chamado cana. Soprando o material o vidro se transformava numa grande bolha oca.
O símbolo do vidro   Os alquimistas (na Idade Média) usavam símbolos para identificar elementos. O  símbolo do vidro  era formado por um oito deitado -- que representa o infinito -- e uma cruz invertida -- representando a fragilidade, pois o material tem essas duas qualidades. O vidro pode ser considerado infinito porque não se decompõe e é integralmente reciclável.
http :// cienciahoje . uol .com. br / controlPanel / materia / view /1958
Outros tipos de vidros O vidro resulta tipicamente da fusão a alta temperatura de uma mistura de anídrido silícico (obtido normalmente de areia, quartzo, etc.), de um álcali terroso (óxido de cálcio, derivado do carbonato de cálcio presente na areia) e de um carbonato de sódio (soda) ou de potássio (potassa).   Podem acrescentar-se outras substâncias, como os corantes, que de igual modo modificam em parte ou substancialmente a própria estrutura do vidro.
Com estes objectivos, um dos maiores grupos da indústria vidreira inglesa, a  Glass Sellers Company , depositou confiança no químico George Ravenscroft (1618-1681), que, após algumas tentativas, alcançou finalmente os resultados desejados: em 1675 conseguiu produzir um novo tipo de vidro, sob o ponto de vista químico muito diferente dos anteriores: o cristal de chumbo ( glass of lead  e  flint glass , usando-se esta última designação porque a sílica era extraída de pedras de rio moídas, em vez de areia). Os componentes deste novo cristal eram:  55 por 100 de sílica  32 por 100 de óxido de chumbo  12 por 100 de potassa
Conclusão para a investigação científica: sem instrumentos como barômetros e termômetros, gases não teriam sido estudados e máquinas a vapor, eletricidade e lâmpadas não existiriam. Sem microscópios, seria impossível observar microrganismos e não haveria revolução médica; não conheceríamos as células e seu funcionamento e a genética seria ainda um mistério. A arte foi igualmente influenciada pelos novos caminhos abertos pelo vidro. O estudo da ótica e o surgimento de espelhos, lentes e vitrais foram imprescindíveis para as mudanças ocorridas durante o Renascimento.  Os autores concluem que o vidro está por trás de quase todas as transformações que a Europa ocidental conheceu entre 1200 e 1850 -- intervalo de tempo por eles estudado. Esse material foi fundamental para o advento das revoluções científica e industrial, que mudaram o mundo. "O vidro abriu a mente e os olhos das pessoas para novas possibilidades de observação, ao transformar a percepção humana da forma auditiva para a visual", afirmam.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

O vidro
O vidroO vidro
O vidro
Paula Lopes
 
Ficha de desenho à vista
Ficha de desenho à vistaFicha de desenho à vista
Ficha de desenho à vista
ruiseixas
 
Tudo sobre Vidro - Ciencias dos materiais
Tudo sobre Vidro - Ciencias dos materiaisTudo sobre Vidro - Ciencias dos materiais
Tudo sobre Vidro - Ciencias dos materiais
Chrislei Rizzatti
 
Vidro
Vidro  Vidro
Vidro
Andriy Russu
 
espaço e desenho de observação - regras a cumprir
espaço e desenho de observação - regras a cumprirespaço e desenho de observação - regras a cumprir
espaço e desenho de observação - regras a cumprir
agrupamento de escolas de carcavelos at DRE de lisboa e vale do tejo
 
Vidros
VidrosVidros
Seminário Vidro
Seminário VidroSeminário Vidro
Seminário Vidro
Alexandre Centini
 
Apresentação - tipos de vidro
Apresentação - tipos de vidroApresentação - tipos de vidro
Apresentação - tipos de vidro
Cintia Nogueira de Carvalho
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
Jorge Almeida
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
Carlos Pinheiro
 
Materiais e técnicas básicas de desenho
Materiais e técnicas básicas de desenhoMateriais e técnicas básicas de desenho
Materiais e técnicas básicas de desenho
Fernando Mendes
 
Curso completo de desenho (natureza morta)
Curso completo de desenho (natureza morta)Curso completo de desenho (natureza morta)
Curso completo de desenho (natureza morta)
Bruno Marques
 
Desenho De Observação
Desenho De ObservaçãoDesenho De Observação
Desenho De Observação
guest423574
 
Curso completo de desenho (luz e sombra)
Curso completo de desenho (luz e sombra)Curso completo de desenho (luz e sombra)
Curso completo de desenho (luz e sombra)
Bruno Marques
 
Desenho de observação
Desenho de observaçãoDesenho de observação
Desenho de observação
Cristiana Gomes
 
Aula 01 desenho de observação
Aula 01 desenho de observaçãoAula 01 desenho de observação
Aula 01 desenho de observação
Claudemilson Santos
 

Destaque (16)

O vidro
O vidroO vidro
O vidro
 
Ficha de desenho à vista
Ficha de desenho à vistaFicha de desenho à vista
Ficha de desenho à vista
 
Tudo sobre Vidro - Ciencias dos materiais
Tudo sobre Vidro - Ciencias dos materiaisTudo sobre Vidro - Ciencias dos materiais
Tudo sobre Vidro - Ciencias dos materiais
 
Vidro
Vidro  Vidro
Vidro
 
espaço e desenho de observação - regras a cumprir
espaço e desenho de observação - regras a cumprirespaço e desenho de observação - regras a cumprir
espaço e desenho de observação - regras a cumprir
 
Vidros
VidrosVidros
Vidros
 
Seminário Vidro
Seminário VidroSeminário Vidro
Seminário Vidro
 
Apresentação - tipos de vidro
Apresentação - tipos de vidroApresentação - tipos de vidro
Apresentação - tipos de vidro
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
 
Materiais e técnicas básicas de desenho
Materiais e técnicas básicas de desenhoMateriais e técnicas básicas de desenho
Materiais e técnicas básicas de desenho
 
Curso completo de desenho (natureza morta)
Curso completo de desenho (natureza morta)Curso completo de desenho (natureza morta)
Curso completo de desenho (natureza morta)
 
Desenho De Observação
Desenho De ObservaçãoDesenho De Observação
Desenho De Observação
 
Curso completo de desenho (luz e sombra)
Curso completo de desenho (luz e sombra)Curso completo de desenho (luz e sombra)
Curso completo de desenho (luz e sombra)
 
Desenho de observação
Desenho de observaçãoDesenho de observação
Desenho de observação
 
Aula 01 desenho de observação
Aula 01 desenho de observaçãoAula 01 desenho de observação
Aula 01 desenho de observação
 

Semelhante a A história do vidro

Vidro
VidroVidro
Indústria do vidro e cristal
Indústria do vidro e cristalIndústria do vidro e cristal
Indústria do vidro e cristal
Carolina Santos
 
indústria do vidro e do cristal
indústria do vidro e do cristal indústria do vidro e do cristal
indústria do vidro e do cristal
Carolina Santos
 
O vidro
O vidroO vidro
o Vidro
o Vidroo Vidro
Trabalho de Quimica Tecnica-1.docx
Trabalho de Quimica Tecnica-1.docxTrabalho de Quimica Tecnica-1.docx
Trabalho de Quimica Tecnica-1.docx
AlimweLeo1
 
Indústria do vidro e do cristal
Indústria do vidro e do cristalIndústria do vidro e do cristal
Indústria do vidro e do cristal
iurypreto
 
Origem e usos do vidro
Origem e usos do vidroOrigem e usos do vidro
Origem e usos do vidro
Roberto Lettiere
 
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicosEstruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Pedro Fernando
 
Materiais de construção (vidros)
Materiais de construção (vidros)Materiais de construção (vidros)
Materiais de construção (vidros)
André Carvalho
 
Relógio de areia ou ampulheta
Relógio de areia ou ampulhetaRelógio de areia ou ampulheta
Relógio de areia ou ampulheta
scostaalbino
 
A história dos baloes
A história dos baloesA história dos baloes
A história dos baloes
Dany Andrade
 
1 universo-da-mecanica
1 universo-da-mecanica1 universo-da-mecanica
1 universo-da-mecanica
Pedro Luiz Sanches Gonçales
 
Cruzadinha his
Cruzadinha hisCruzadinha his
Cruzadinha his
Dany Pereira
 
Vidro vs. plastico (word)
Vidro vs. plastico (word)Vidro vs. plastico (word)
Vidro vs. plastico (word)
Dani Malheiro
 
Polonia a catedral subterranea feita de sal
Polonia   a catedral subterranea feita de salPolonia   a catedral subterranea feita de sal
Polonia a catedral subterranea feita de sal
Rita Luz
 
Polonia, a catedral subterranea de sal
Polonia, a catedral subterranea de salPolonia, a catedral subterranea de sal
Polonia, a catedral subterranea de sal
aipaf
 
Capítulo 7 - Transmissão da química para o ocidente
Capítulo 7 - Transmissão da química para o ocidenteCapítulo 7 - Transmissão da química para o ocidente
Capítulo 7 - Transmissão da química para o ocidente
Márcio Martins
 
Apostila de refrigeração
Apostila de refrigeraçãoApostila de refrigeração
Apostila de refrigeração
ragrellos
 

Semelhante a A história do vidro (19)

Vidro
VidroVidro
Vidro
 
Indústria do vidro e cristal
Indústria do vidro e cristalIndústria do vidro e cristal
Indústria do vidro e cristal
 
indústria do vidro e do cristal
indústria do vidro e do cristal indústria do vidro e do cristal
indústria do vidro e do cristal
 
O vidro
O vidroO vidro
O vidro
 
o Vidro
o Vidroo Vidro
o Vidro
 
Trabalho de Quimica Tecnica-1.docx
Trabalho de Quimica Tecnica-1.docxTrabalho de Quimica Tecnica-1.docx
Trabalho de Quimica Tecnica-1.docx
 
Indústria do vidro e do cristal
Indústria do vidro e do cristalIndústria do vidro e do cristal
Indústria do vidro e do cristal
 
Origem e usos do vidro
Origem e usos do vidroOrigem e usos do vidro
Origem e usos do vidro
 
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicosEstruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
Estruturas i capitulo_ii_materiais_ceramicos
 
Materiais de construção (vidros)
Materiais de construção (vidros)Materiais de construção (vidros)
Materiais de construção (vidros)
 
Relógio de areia ou ampulheta
Relógio de areia ou ampulhetaRelógio de areia ou ampulheta
Relógio de areia ou ampulheta
 
A história dos baloes
A história dos baloesA história dos baloes
A história dos baloes
 
1 universo-da-mecanica
1 universo-da-mecanica1 universo-da-mecanica
1 universo-da-mecanica
 
Cruzadinha his
Cruzadinha hisCruzadinha his
Cruzadinha his
 
Vidro vs. plastico (word)
Vidro vs. plastico (word)Vidro vs. plastico (word)
Vidro vs. plastico (word)
 
Polonia a catedral subterranea feita de sal
Polonia   a catedral subterranea feita de salPolonia   a catedral subterranea feita de sal
Polonia a catedral subterranea feita de sal
 
Polonia, a catedral subterranea de sal
Polonia, a catedral subterranea de salPolonia, a catedral subterranea de sal
Polonia, a catedral subterranea de sal
 
Capítulo 7 - Transmissão da química para o ocidente
Capítulo 7 - Transmissão da química para o ocidenteCapítulo 7 - Transmissão da química para o ocidente
Capítulo 7 - Transmissão da química para o ocidente
 
Apostila de refrigeração
Apostila de refrigeraçãoApostila de refrigeração
Apostila de refrigeração
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

A história do vidro

  • 2. Histórico – A nobre arte do vidro Antigamente o Império Romano usava um material parecido com a mica para fechar as janelas. Mas o vidro já existia embora não se saiba ao certo quando o vidro começou a ser usado, o fato é que, há 5000 anos, ele já era utilizado pelos egípcios, na forma de contas, bolas de vidro colocadas, junto com o ouro, em colares. Em 1500 antes de Cristo, já se faziam peças ocas de vidro, como garrafas e vasos.
  • 3. Naquela época, apesar de saber como fazer vidro e produzir uma série de objetos com ele, o ser humano ainda não tinha aprendido a produzir placas planas e transparentes desse material para serem usadas, por exemplo, nas janelas.
  • 4. Materiais e Modo para produção Para fabricá-lo, são necessários areia, barrilha e calcário, sendo que barrilha é um material feito com sal marinho, gás carbônico e amônia, e calcário, um mineral. Esses três "ingredientes" são misturados e postos num forno, onde a temperatura chega a 1550 graus. Reagem e formam uma massa transparente com consistência de melado, chamada vidro fundido. Ao esfriar, ela endurece e forma o vidro propriamente dito.
  • 5. Como era produzido No início da era cristã, as placas desse material eram fabricadas manualmente, despejando o vidro fundido sobre uma superfície metálica e o prensando com um bloco de madeira úmido. Mas o as placas eram pequenas e tinham espessura e superfície irregulares.
  • 6. Como ele é feito hoje Somente no século 11 o vidro plano começou a ser feito pelo processo da centrifugação. Nele, uma pessoa colhia um pouco de vidro fundido usando um tubo de ferro chamado cana. Soprando o material o vidro se transformava numa grande bolha oca.
  • 7. O símbolo do vidro Os alquimistas (na Idade Média) usavam símbolos para identificar elementos. O símbolo do vidro era formado por um oito deitado -- que representa o infinito -- e uma cruz invertida -- representando a fragilidade, pois o material tem essas duas qualidades. O vidro pode ser considerado infinito porque não se decompõe e é integralmente reciclável.
  • 8. http :// cienciahoje . uol .com. br / controlPanel / materia / view /1958
  • 9. Outros tipos de vidros O vidro resulta tipicamente da fusão a alta temperatura de uma mistura de anídrido silícico (obtido normalmente de areia, quartzo, etc.), de um álcali terroso (óxido de cálcio, derivado do carbonato de cálcio presente na areia) e de um carbonato de sódio (soda) ou de potássio (potassa). Podem acrescentar-se outras substâncias, como os corantes, que de igual modo modificam em parte ou substancialmente a própria estrutura do vidro.
  • 10. Com estes objectivos, um dos maiores grupos da indústria vidreira inglesa, a Glass Sellers Company , depositou confiança no químico George Ravenscroft (1618-1681), que, após algumas tentativas, alcançou finalmente os resultados desejados: em 1675 conseguiu produzir um novo tipo de vidro, sob o ponto de vista químico muito diferente dos anteriores: o cristal de chumbo ( glass of lead e flint glass , usando-se esta última designação porque a sílica era extraída de pedras de rio moídas, em vez de areia). Os componentes deste novo cristal eram: 55 por 100 de sílica 32 por 100 de óxido de chumbo 12 por 100 de potassa
  • 11. Conclusão para a investigação científica: sem instrumentos como barômetros e termômetros, gases não teriam sido estudados e máquinas a vapor, eletricidade e lâmpadas não existiriam. Sem microscópios, seria impossível observar microrganismos e não haveria revolução médica; não conheceríamos as células e seu funcionamento e a genética seria ainda um mistério. A arte foi igualmente influenciada pelos novos caminhos abertos pelo vidro. O estudo da ótica e o surgimento de espelhos, lentes e vitrais foram imprescindíveis para as mudanças ocorridas durante o Renascimento. Os autores concluem que o vidro está por trás de quase todas as transformações que a Europa ocidental conheceu entre 1200 e 1850 -- intervalo de tempo por eles estudado. Esse material foi fundamental para o advento das revoluções científica e industrial, que mudaram o mundo. "O vidro abriu a mente e os olhos das pessoas para novas possibilidades de observação, ao transformar a percepção humana da forma auditiva para a visual", afirmam.