SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
Século XIX

Explosão demográfica nas grandes cidades industrializadas
Novas necessidades >> novos tipos de construções:
• Necessidade de alojamento de milhares de trabalhadores;
• Novas infraestruturas materiais para a produção e para o
transporte (fábricas, armazéns, estufas, caminhos de ferro,
mercados, pontes, gares, etc.);
• Necessidade de aproveitamento de espaço (propicia a construção
em altura);
Os criadores destas novas tipologias foram os engenheiros que eram novos
profissionais saídos do ensino moderno e atualizado e que por isso tinham mais
preparação científico-técnica:
• Conhecimentos de física mecânica;
• Resistência de materiais;

• Geometria;
• Matemática;
• Utilização de novos equipamentos e novos meios construtivos;
• Aproveitamento de novos materiais, produzidos industrialmente e por isso
mais baratos (tijolo cozido, ferro, vidro, aço e, mais tarde, cimento e betão).
Ferro: desde meados do século XVIII que já era aplicado em vários tipos de
construção, principalmente pela sua plasticidade e resistência, sobre a forma de
barras lineares em secção de “I”, que se podiam associar entre si, criando
estruturas construtivas, fáceis de montar e adaptáveis a todas as formas e
dimensões.
Inicialmente o seu formato em barras aplicou-se primeiro a construções abertas,
como pontes, e depois da resistência e funcionalidade comprovadas foi aplicado
em grandes cúpulas e coberturas mais arrojadas.
Em 1830, o emprego do ferro foi generalizado nas construções, pela invenção da
viga-mestra em ferro pelo francês Polonceau. Aligeiraram-se os suportes (mais
finos e mais afastados), reforçaram-se alicerces, vigas e paredes mestras,
sobretudo nas construções em altura.
A generalização do uso do ferro também se deu pela sua resistência ao fogo.
Esteticamente não era bonito e talvez por isso inicialmente ficava escondido, pela
pedra, tijolo, mármore ou por formas decorativas ao gosto da época.
O início da aceitação do ferro deu-se a partir da construção do Palácio de Cristal, de Joseph
Paxton, que acolheu a Primeira Exposição Mundial de Londres, em 1851.
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851

Esta construção foi inovadora não só ao nível construtivo mas também ao nível
estético. As paredes eram formadas por amplas e contínuas vidraças (ao estilo de
uma estufa) e foi decorado por estruturas metálicas pintadas em azul e vermelho.
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Incêndio de 30 novembro 1936
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Incêndio de 30 novembro 1936
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Alguns dias após o
Incêndio de 30 novembro 1936
Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
Outras realizações tiveram
igual êxito como a Torre Eiffel,
construída juntamente com a
Galeria das Máquinas para a
Exposição Universal de Paris
de 1889. Não tinha nenhum
objetivo funcional, foi
construída apenas para
demonstrar as capacidades
técnicas da nova engenharia e
acabou por ficar até hoje como
símbolo universal de Paris.

Torre Eiffel, Gustave Eiffel, Paris, 1889
Galeria das Máquinas, 1889, Paris
Galeria das Máquinas, 1889, Paris
Giuseppe Mengoni, abóboda e cúpula em ferro e vidro do pátio central das
Galerias Vittorio Emmanuelle II, Milão, Itália, 1865-77
Giuseppe Mengoni, abóboda e cúpula em ferro e vidro do pátio central das Galerias
Vittorio Emmanuelle II, Milão, Itália, 1865-77
Em conclusão a arquitetura do Ferro e do Vidro traduziu-se em duas tendências:
1. A que seguiu uma necessidade de modernizar os sistemas e processos
construtivos, aproveitando os novos materiais da industrialização e o avanço
da engenharia;
2. A que promoveu o desenvolvimento de novos gostos e conceitos estéticos, que
acompanhavam os novos tempos, desenvolvendo uma nova estética assente
nos elementos estruturais e não nos artifícios decorativos.
Em Portugal a utilização do ferro e do vidro foi tardia e rara…

Primeiras obras produzidas:
• Companhia de Fiação e Tecidos Lisbonense (1846-47)
• Palácio de Cristal – Porto (1865) [Demolido em 1951]
• Gare da Estação de Santa Apolónia – Lisboa (1865)

Palácio de Cristal – Porto (1865)
Companhia de Fiação e Tecidos Lisbonense (1846-47)
Gare da Estação de Santa Apolónia – Lisboa (1865)
Outros exemplos

Elevador do Carmo ou de Santa Justa,
Raul Mesnier du Ponsard, Lisboa, 1898
Outros exemplos

Ponte D. Luís – 1886 (Porto)
Outros exemplos

Ponte D. Maria Pia – 1879 (Porto)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
Ana Barreiros
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
Ana Barreiros
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
Ana Barreiros
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres1ª Grande Exposição de Londres
1ª Grande Exposição de Londres
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Arquitetura do Ferro
Arquitetura do FerroArquitetura do Ferro
Arquitetura do Ferro
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
A Arte Neoclássica
A Arte NeoclássicaA Arte Neoclássica
A Arte Neoclássica
 
Neoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugalNeoclassicismo em portugal
Neoclassicismo em portugal
 
O gótico em portugal
O gótico em portugalO gótico em portugal
O gótico em portugal
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Gustave Eiffel
Gustave EiffelGustave Eiffel
Gustave Eiffel
 
Arquitetura renascentista
Arquitetura renascentistaArquitetura renascentista
Arquitetura renascentista
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 

Semelhante a A arquitetura do ferro e do vidro

Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
Ana Barreiros
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
becresforte
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
Ana Barreiros
 

Semelhante a A arquitetura do ferro e do vidro (20)

05 mundo novo formas novas
05 mundo novo formas novas05 mundo novo formas novas
05 mundo novo formas novas
 
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptxCaderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
 
Levantamento de edificios em ferro em portugal
Levantamento de edificios em ferro em portugalLevantamento de edificios em ferro em portugal
Levantamento de edificios em ferro em portugal
 
HCA grupo C
HCA   grupo CHCA   grupo C
HCA grupo C
 
Aula 5 b
Aula 5 bAula 5 b
Aula 5 b
 
Metais na Arquitetura.
Metais na Arquitetura.Metais na Arquitetura.
Metais na Arquitetura.
 
3.2 lev edif_ferro
3.2 lev edif_ferro3.2 lev edif_ferro
3.2 lev edif_ferro
 
Aula 09 engenharia sec xix
Aula 09   engenharia sec xixAula 09   engenharia sec xix
Aula 09 engenharia sec xix
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
O%20 porto%20há%20100%20anos[1]
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Hau2 aula09
Hau2 aula09Hau2 aula09
Hau2 aula09
 
Movimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xxMovimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xx
 
Matec 1b
Matec 1bMatec 1b
Matec 1b
 
Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2
 
Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2
 
Arquitetura romana i
Arquitetura romana iArquitetura romana i
Arquitetura romana i
 
06 arte e função
06 arte  e função06 arte  e função
06 arte e função
 

Mais de Carlos Pinheiro

Mais de Carlos Pinheiro (20)

Formação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELCFormação de professores em Portugal e no AELC
Formação de professores em Portugal e no AELC
 
Videoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professoresVideoconferência - Dicas para professores
Videoconferência - Dicas para professores
 
Recursos educativos digitais
Recursos educativos digitaisRecursos educativos digitais
Recursos educativos digitais
 
Ensino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professoresEnsino online: dicas para escola e para professores
Ensino online: dicas para escola e para professores
 
Formulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professoresFormulários do Google - guia para professores
Formulários do Google - guia para professores
 
Edpuzzle: guia para professores
Edpuzzle:  guia para professoresEdpuzzle:  guia para professores
Edpuzzle: guia para professores
 
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia DigitalApresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
Apresentação do Manual de Instruções para a Literacia Digital
 
Tecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aulaTecnologias emergentes na sala de aula
Tecnologias emergentes na sala de aula
 
Leitura pública da Ilíada
Leitura pública da IlíadaLeitura pública da Ilíada
Leitura pública da Ilíada
 
Desinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsasDesinformação e noticias falsas
Desinformação e noticias falsas
 
Apresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILDApresentação da plataforma MILD
Apresentação da plataforma MILD
 
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola40 maneiras de usar o telemóvel na escola
40 maneiras de usar o telemóvel na escola
 
Citações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficasCitações e referências bibliográficas
Citações e referências bibliográficas
 
Manual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia DigitalManual de Instruções para a Literacia Digital
Manual de Instruções para a Literacia Digital
 
A gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aulaA gamificação em sala de aula
A gamificação em sala de aula
 
Van Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completaVan Gogh - obra completa
Van Gogh - obra completa
 
Jacques-Louis David
Jacques-Louis DavidJacques-Louis David
Jacques-Louis David
 
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino BásicoComo fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
Como fazer trabalhos escolares - Ensino Básico
 
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem  A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
A BE como Cadinho de Uso das TIC na Aprendizagem
 
Caravaggio
CaravaggioCaravaggio
Caravaggio
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 

A arquitetura do ferro e do vidro

  • 1.
  • 2. Século XIX Explosão demográfica nas grandes cidades industrializadas Novas necessidades >> novos tipos de construções: • Necessidade de alojamento de milhares de trabalhadores; • Novas infraestruturas materiais para a produção e para o transporte (fábricas, armazéns, estufas, caminhos de ferro, mercados, pontes, gares, etc.); • Necessidade de aproveitamento de espaço (propicia a construção em altura);
  • 3. Os criadores destas novas tipologias foram os engenheiros que eram novos profissionais saídos do ensino moderno e atualizado e que por isso tinham mais preparação científico-técnica: • Conhecimentos de física mecânica; • Resistência de materiais; • Geometria; • Matemática; • Utilização de novos equipamentos e novos meios construtivos; • Aproveitamento de novos materiais, produzidos industrialmente e por isso mais baratos (tijolo cozido, ferro, vidro, aço e, mais tarde, cimento e betão).
  • 4. Ferro: desde meados do século XVIII que já era aplicado em vários tipos de construção, principalmente pela sua plasticidade e resistência, sobre a forma de barras lineares em secção de “I”, que se podiam associar entre si, criando estruturas construtivas, fáceis de montar e adaptáveis a todas as formas e dimensões. Inicialmente o seu formato em barras aplicou-se primeiro a construções abertas, como pontes, e depois da resistência e funcionalidade comprovadas foi aplicado em grandes cúpulas e coberturas mais arrojadas. Em 1830, o emprego do ferro foi generalizado nas construções, pela invenção da viga-mestra em ferro pelo francês Polonceau. Aligeiraram-se os suportes (mais finos e mais afastados), reforçaram-se alicerces, vigas e paredes mestras, sobretudo nas construções em altura. A generalização do uso do ferro também se deu pela sua resistência ao fogo. Esteticamente não era bonito e talvez por isso inicialmente ficava escondido, pela pedra, tijolo, mármore ou por formas decorativas ao gosto da época.
  • 5. O início da aceitação do ferro deu-se a partir da construção do Palácio de Cristal, de Joseph Paxton, que acolheu a Primeira Exposição Mundial de Londres, em 1851. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851 Esta construção foi inovadora não só ao nível construtivo mas também ao nível estético. As paredes eram formadas por amplas e contínuas vidraças (ao estilo de uma estufa) e foi decorado por estruturas metálicas pintadas em azul e vermelho.
  • 6. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 7. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 8. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 9. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 10. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 11. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 12. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 13. Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 14. Incêndio de 30 novembro 1936 Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 15. Incêndio de 30 novembro 1936 Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 16. Alguns dias após o Incêndio de 30 novembro 1936 Crystal Palace, Joseph Paxton, Londres, 1851
  • 17. Outras realizações tiveram igual êxito como a Torre Eiffel, construída juntamente com a Galeria das Máquinas para a Exposição Universal de Paris de 1889. Não tinha nenhum objetivo funcional, foi construída apenas para demonstrar as capacidades técnicas da nova engenharia e acabou por ficar até hoje como símbolo universal de Paris. Torre Eiffel, Gustave Eiffel, Paris, 1889
  • 18. Galeria das Máquinas, 1889, Paris
  • 19. Galeria das Máquinas, 1889, Paris
  • 20. Giuseppe Mengoni, abóboda e cúpula em ferro e vidro do pátio central das Galerias Vittorio Emmanuelle II, Milão, Itália, 1865-77
  • 21. Giuseppe Mengoni, abóboda e cúpula em ferro e vidro do pátio central das Galerias Vittorio Emmanuelle II, Milão, Itália, 1865-77
  • 22. Em conclusão a arquitetura do Ferro e do Vidro traduziu-se em duas tendências: 1. A que seguiu uma necessidade de modernizar os sistemas e processos construtivos, aproveitando os novos materiais da industrialização e o avanço da engenharia; 2. A que promoveu o desenvolvimento de novos gostos e conceitos estéticos, que acompanhavam os novos tempos, desenvolvendo uma nova estética assente nos elementos estruturais e não nos artifícios decorativos.
  • 23. Em Portugal a utilização do ferro e do vidro foi tardia e rara… Primeiras obras produzidas: • Companhia de Fiação e Tecidos Lisbonense (1846-47) • Palácio de Cristal – Porto (1865) [Demolido em 1951] • Gare da Estação de Santa Apolónia – Lisboa (1865) Palácio de Cristal – Porto (1865)
  • 24. Companhia de Fiação e Tecidos Lisbonense (1846-47)
  • 25. Gare da Estação de Santa Apolónia – Lisboa (1865)
  • 26. Outros exemplos Elevador do Carmo ou de Santa Justa, Raul Mesnier du Ponsard, Lisboa, 1898
  • 27. Outros exemplos Ponte D. Luís – 1886 (Porto)
  • 28. Outros exemplos Ponte D. Maria Pia – 1879 (Porto)