SlideShare uma empresa Scribd logo
“UMA GALINHA”: ANÁLISE EXPANSIVA DA NARRATIVA, A PARTIR DE
                                     OPERADORES ANALÍTICOS

                                                                                Felipe de Souza Costa1

           A partir dos estudos e discussões realizados nas aulas do curso de
especialização em Estudos da Linguagem, disciplina Discurso Literário: Prosa,
ministrada pelo Prof. Dr. José Maria Rodrigues Filho, propomos, nesta análise,
ampliar a leitura feita em sala de aula, bem como as possíveis construções de
sentidos que se dão a partir dela, do conto “Uma galinha”, de Clarice Lispector. Para
tanto, relacionaremos a materialidade linguística proposta a operadores analíticos,
oriundos da teoria literária.

           Partiremos, portanto, de um método muito utilizado no exame de textos
literários: a divisão do corredor isotópico. Numeramos os parágrafos do conto e
obtemos a sequência de 1 a 16. Trata-se de um procedimento usual, o qual objetiva
guiar a leitura de maneira didática. A partir de então, trataremos dos assuntos nos
demais parágrafos seguindo a referida ordem.

           Antes, porém, falaremos em linhas gerais de alguns elementos que se
coadunam com a proposição desta. Iniciaremos com a análise actancial, cuja
finalidade é descrever a funcionalidade dos elementos das narrativas. O eixo axial,
conhecido também como eixo das ações, no qual encontramos um arrolamento
circunstancial entre sujeito e objeto, tem procedência na teoria proxêmica. O ovo, no
conto de Clarice, surge como uma provocação e passa a ser um arquiactante,
aquele que é mais importante no eixo axial. Ele é o transformador. Constatamos tal
afirmação ao observarmos que, após separar os corredores isotópicos, o ovo surge
exatamente no meio, ou seja, no parágrafo 8. A grande maioria dos parágrafos
costuma utilizar, com maior recorrência, os recursos narrativos narração, descrição e
dissertação.

           No tocante à organização sintática e gráfica, Clarice optou por períodos de
coordenadas assindéticas, sendo que a disposição do texto impõe certa velocimetria

1
    Licenciado em Letras e especialista em Estudos da Linguagem pela Universidade de Mogi das Cruzes.

                                                                                                        1
ao conto. Ela inicia com o famoso “era uma [...vez...]”, situando o leitor no cronotopo,
    é o que a teoria literária chama de forma fabular. O contributo deste início já
    pressupõe que a autora, na seleção paradigmática, não mede esforços em se
    aproximar de seu interlocutor. O título, também, nos aponta que, embora seja
    utilizado um animal, a aproximação com o ser humano é inevitável, uma vez que nas
    ideias Aristotélicas, temos uma imbricação muito pujante entre zoé (animais,
    escravos e mulheres) e biós (homem). Falaremos, do mesmo modo, do corte
    epistemológico machista no conto, que hoje é feito pela crítica feminista.

             A leitura completa, antecedente à análise detalhada, de “Uma galinha”
    propicia-nos uma abertura para que possamos, a partir da semiótica da narrativa,
    fazer uma divisão do enredo em partes, episódios, cenas ou quadros, apontamos
    abaixo uma sequência semiológica, dividida em escaletas, útil e abrangente:



G

A
    Domingo                                                           Vida na    Matam-   Passaram-
L
                Fuga   Perseguição   Captura    Ovo    Afetividade    família      na       se os
I   Abate
                                               Choca                                        anos
N                                                                     Membro    Comem-
    Comida
H                                                                                  na

A




                                          Esta cena divide
                                            o antes e o
             Nascimento, vida e               depois.
                                                                     Aspecto cíclico
            morte = Começo, meio                                     – Ligado à vida
                    e fim


             O valor sêmico de um esquema como esse descrito acima ajuda-nos a
    compreender de maneira ilustrada o caminho que o enredo constrói, a partir das
    materialidades linguísticas do texto. Conseguimos observar, de maneira sintética,

                                                                                                    2
que a galinha após protagonizar diversas ações repete o ciclo normal da vida, a
saber: nasce, vive e morre. Há, de igual modo, a visualização da cena que divide a
intriga, a qual está localizada exatamente no meio do eixo axial.

      Dando continuidade à ordem isotópica, testemunhamos que no primeiro
parágrafo, conseguimos perceber que, além da seleção lexical, a qual lembra a
forma fabular, há alguns indícios que nos permitem supor o fim da galinha, como por
exemplo, os termos “ainda vivia” pressupõe que morrerá e “não passava de nove
horas da manhã” conjetura que esse horário antecede o almoço e indica que essa
precedência aponta para o preparo.

      No segundo, começamos a identificar certa zoomorfização da galinha, ela
passa a receber atributos dos seres humanos. Tem-se uma oração curta, porém
com uma unidade de significação muito intensa: “Parecia calma.”, o adjetivo sugere
que a galinha não é tão animalesca assim.

      O terceiro parágrafo arresta-se em descrever com riqueza de detalhes a
perseguição. Destacamos, neste momento, uma análise morfológica do substantivo
perseguição que aparece numa passagem densa desta parte do texto: “A
perseguição tornou-se mais intensa”. A palavra destacada alude a outras classes
gramaticais   que    estão    atreladas   aos    sentidos   criados   na   narração:
PerseguiçãoPerseguirPerseguidaPerseguidor. A rede semântica criada por um
simples substantivo mostra que a seleção do eixo paradigmático é crucial na
construção de um discurso literário.

      Na sequência, o quarto e o quinto parágrafos constituem uma dissertação
filosofante, cuja tônica acentua-se num trecho em que os ideais machistas se
destacam de maneira sutil e, ao mesmo tempo, extremamente duro para uma
sociedade como a nossa: “Estúpida, tímida e livre. Não vitoriosa como seria uma
galo em fuga.” Entendemos, pela própria materialidade linguística manifesta no
texto, que o discurso da machidão subjaz a consciência filosófica do narrador e abre
espaço para enormes discussões acerca desta questão, uma vez que a galinha
jamais se igualaria à superioridade imposta do galo. O sexto, no entanto, retoma a



                                                                                  3
narrativa e se instaura como um retorno ao equilíbrio, de modo que ele encerra a
micronarrativa da fuga.

      O sétimo manifesta-se como um divisor de águas, uma vez que faz um
prenúncio de uma das cenas mais importantes do enredo: a aparição do ovo. Temos
no trecho “De pura afobação a galinha pôs um ovo” um momento que chamamos de
fulcral. A verdade epifânica ou reveladora desta frase sugere uma causalidade, cujo
fundo filosófico e biológico a coloca no mundo do real. Por fim, o parágrafo encerra
abrindo espaço para o outro entrar em cena, a marcação dos dois pontos introduz a
fala do outro e nos faz entender que, neste instante, o narrador sai de cena. Em
tempo, podemos perfazer uma analogia com a teoria do discurso, em que o viés da
polifonia remete a oralidade e esta, por sua vez, recorre à gênese do conto. O texto
passa a ser, partir deste ponto, um diálogo entre múltiplas vozes.

      O oitavo parágrafo é uma representação do discurso direto, pois fazendo um
estudo morfológico podemos perceber que, anteriormente a ele, temos um
substantivo que se aproxima de um verbo de elocução e que introduz a fala: “saiu
aos gritos”. Temos na fala da menina uma clássica aproximação da oralidade: “-
Mamãe, mamãe, não mate mais a galinha, ela pôs um ovo! ela quer o nosso bem!”.
O vocativo, bem como a repetição dele, expresso pelo substantivo “mamãe” e os
pontos de exclamação ilustram bem essa questão.

      O nono traz uma descrição carregada de tímia e o destaque se dá no trecho
“Esquentando seu filho”, uma vez que o gerúndio do verbo esquentar indica um
imbricamento entre os recursos descritivo e narrativo. Em contrapartida, a
humanização do episódio com a frase “seu filho” faz-nos ratificar que esta
metaforização é própria do discurso literário. Há, também, a frase “nem alegre, nem
triste”, a qual, ligando intertextos, podemos concluir que pode se tratar de uma
apropriação de Cecília Meireles em um de seus célebres poemas. O décimo, décimo
primeiro e décimo segundo seguem os mesmos moldes do oitavo parágrafo.

      O décimo terceiro, décimo quarto e décimo quinto apropriam-se da narração
analéptica (no passado) imbricada com a dissertação, a fim de que se possa



                                                                                  4
instaurar um narrador sintetizador, cujo objetivo é avaliar o ocorrido para chegar à
conclusiva.

      Por fim, abordamos o último parágrafo. Em semiótica podemos dizer que a
conclusão é terminativa e que se constitui de um final que visa à síntese cognitiva
(do autor) com relação à obra. Percebemos, claramente, que o final, embora
inovador, já era esperado desde o primeiro parágrafo quando foi sentenciado: “ainda
vivia”. Faz-nos, também, entender que o tempo da memória historiográfica sempre
se instaura como determinante para agir sobre o passado, presente e, quem sabe, o
futuro. E que o ciclo de vida, inerente a todo ser vivo, é inevitável, cedo ou tarde ele
se encerrará.




                                                                                      5
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FRANCO JUNIOR, Arnaldo. Operadores de Leitura da Narrativa. In BONNICI,
Thomas; ZOLIN, Lucia Osana (orgs.). Teoria Literária: abordagens históricas e
tendências contemporâneas. Maringá: EDUEM, 2003.

LISPECTOR, Clarice. Uma galinha. In Laços de Família. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1983.

RODRIGUES FILHO, José Maria. “Uma galinha”: um conto modelar de Clarice
Lispector. In Forma breve 1: O conto. Universidade de Aveiro: 2003, nº 1.




                                                                                6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides pronomes
Slides pronomesSlides pronomes
Slides pronomes
Cynthia Funchal
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
Isabella Neves Silva
 
Gêneros Literários
Gêneros Literários Gêneros Literários
Gêneros Literários
Caio Cavalcanti
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
Roberta Savana
 
Análise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanêsAnálise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanês
André Aleixo
 
O que é miniconto?
O que é miniconto?O que é miniconto?
O que é miniconto?
Fernanda Maite dos Passos
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
Valeria Nunes
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
Luciane Oliveira
 
APRESENTAÇÃO_GêneroÉpico_301.pptx
APRESENTAÇÃO_GêneroÉpico_301.pptxAPRESENTAÇÃO_GêneroÉpico_301.pptx
APRESENTAÇÃO_GêneroÉpico_301.pptx
MickSousa1
 
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
Simone Franco Martins
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
José Ricardo Lima
 
Funcões da linguagem
Funcões da linguagemFuncões da linguagem
Funcões da linguagem
Aguinaldo Do Carmo
 
O texto narrativo ppt
O texto narrativo pptO texto narrativo ppt
O texto narrativo ppt
Salomé Raposo
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
Teresa Pombo
 
05. produção, circulação e recepção de textos
05. produção, circulação e recepção de textos05. produção, circulação e recepção de textos
05. produção, circulação e recepção de textos
ma.no.el.ne.ves
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
Faell Vasconcelos
 
Aula roteiro de documentário
Aula roteiro de documentárioAula roteiro de documentário
Aula roteiro de documentário
Renato Delmanto
 
CrôNicas
CrôNicasCrôNicas
CrôNicas
maristeladegoes
 
Aula criação de personagem
Aula   criação de personagemAula   criação de personagem
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividadeTexto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
A vida
 

Mais procurados (20)

Slides pronomes
Slides pronomesSlides pronomes
Slides pronomes
 
Gênero épico
Gênero épicoGênero épico
Gênero épico
 
Gêneros Literários
Gêneros Literários Gêneros Literários
Gêneros Literários
 
G. Literários
G. LiteráriosG. Literários
G. Literários
 
Análise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanêsAnálise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanês
 
O que é miniconto?
O que é miniconto?O que é miniconto?
O que é miniconto?
 
Prosa x poema x soneto
Prosa x poema x sonetoProsa x poema x soneto
Prosa x poema x soneto
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
APRESENTAÇÃO_GêneroÉpico_301.pptx
APRESENTAÇÃO_GêneroÉpico_301.pptxAPRESENTAÇÃO_GêneroÉpico_301.pptx
APRESENTAÇÃO_GêneroÉpico_301.pptx
 
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
78900662 planejamento-lingua-portuguesa-7-ao-9-ano-ensino-fundamental-2012-14...
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 
Funcões da linguagem
Funcões da linguagemFuncões da linguagem
Funcões da linguagem
 
O texto narrativo ppt
O texto narrativo pptO texto narrativo ppt
O texto narrativo ppt
 
Categorias da Narrativa
Categorias da NarrativaCategorias da Narrativa
Categorias da Narrativa
 
05. produção, circulação e recepção de textos
05. produção, circulação e recepção de textos05. produção, circulação e recepção de textos
05. produção, circulação e recepção de textos
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Aula roteiro de documentário
Aula roteiro de documentárioAula roteiro de documentário
Aula roteiro de documentário
 
CrôNicas
CrôNicasCrôNicas
CrôNicas
 
Aula criação de personagem
Aula   criação de personagemAula   criação de personagem
Aula criação de personagem
 
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividadeTexto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
Texto, discurso, intertextualidade e interdiscursividade
 

Destaque

Uma galinha clarice lispector
Uma galinha  clarice lispectorUma galinha  clarice lispector
Uma galinha clarice lispector
jopinperslide
 
Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -
Joice Holanda
 
História escrita da galinha ruiva
História escrita da galinha ruivaHistória escrita da galinha ruiva
História escrita da galinha ruiva
Sandramarinagg
 
Galinha conto-a galinha ruiva
Galinha  conto-a galinha ruivaGalinha  conto-a galinha ruiva
Galinha conto-a galinha ruiva
Crescendo EAprendendo
 
A galinha ruiva completa
A galinha ruiva completaA galinha ruiva completa
A galinha ruiva completa
Dário Reis
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
blogdoalunocefa
 

Destaque (6)

Uma galinha clarice lispector
Uma galinha  clarice lispectorUma galinha  clarice lispector
Uma galinha clarice lispector
 
Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -Slide clarice lispector -
Slide clarice lispector -
 
História escrita da galinha ruiva
História escrita da galinha ruivaHistória escrita da galinha ruiva
História escrita da galinha ruiva
 
Galinha conto-a galinha ruiva
Galinha  conto-a galinha ruivaGalinha  conto-a galinha ruiva
Galinha conto-a galinha ruiva
 
A galinha ruiva completa
A galinha ruiva completaA galinha ruiva completa
A galinha ruiva completa
 
Slides narração
Slides narraçãoSlides narração
Slides narração
 

Semelhante a Uma galinha análise para o blog

Noções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficaNoções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográfica
designuna
 
Texto narativo trabalho
Texto narativo trabalhoTexto narativo trabalho
Texto narativo trabalho
Escola Superior de Jornalismo Manica
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
Marcos Feliciano
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
luisprista
 
Apólogo
ApólogoApólogo
A Narrativa. A Lírica. A Epopeia
A Narrativa. A Lírica. A EpopeiaA Narrativa. A Lírica. A Epopeia
A Narrativa. A Lírica. A Epopeia
complementoindirecto
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
vitoriaalyce2011
 
Jose flavio 2
Jose flavio 2Jose flavio 2
Jose flavio 2
Fernando Pissuto
 
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Seduc/AM
 
Ensaio Lit Inf 2009 Ana Da Palma
Ensaio Lit Inf 2009 Ana Da PalmaEnsaio Lit Inf 2009 Ana Da Palma
Ensaio Lit Inf 2009 Ana Da Palma
Home
 
Conto e suas demarcações
Conto e suas demarcaçõesConto e suas demarcações
Conto e suas demarcações
Kugera_tatsuki
 
A Semiotic Analysis Of The Recreation Of The Raven In The Simpsons
A Semiotic Analysis Of The Recreation Of  The Raven  In The SimpsonsA Semiotic Analysis Of The Recreation Of  The Raven  In The Simpsons
A Semiotic Analysis Of The Recreation Of The Raven In The Simpsons
Maria Perkins
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 15-16
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 15-16Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 15-16
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 15-16
luisprista
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
guesta35ddeb6
 
Resumo Tp5 Unid 19 20
Resumo   Tp5   Unid 19 20Resumo   Tp5   Unid 19 20
Resumo Tp5 Unid 19 20
Ramilson Saldanha
 
Teoria da literatura i vol2
Teoria da literatura i vol2Teoria da literatura i vol2
Teoria da literatura i vol2
Mariana Marcelino
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
mfmpafatima
 
Coesao textual 1
Coesao textual 1Coesao textual 1
Coesao textual 1
Catarina Labisa
 
discurso-da-narrativa-gerard-genette-
discurso-da-narrativa-gerard-genette-discurso-da-narrativa-gerard-genette-
discurso-da-narrativa-gerard-genette-
Juliana Souza
 
Fdocumentos.com ficha trabalho-conto-vicente-de-miguel-torga
Fdocumentos.com ficha trabalho-conto-vicente-de-miguel-torgaFdocumentos.com ficha trabalho-conto-vicente-de-miguel-torga
Fdocumentos.com ficha trabalho-conto-vicente-de-miguel-torga
Ana Paula Pomar Henriques
 

Semelhante a Uma galinha análise para o blog (20)

Noções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográficaNoções básicas de linguagem cinematográfica
Noções básicas de linguagem cinematográfica
 
Texto narativo trabalho
Texto narativo trabalhoTexto narativo trabalho
Texto narativo trabalho
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
 
Apólogo
ApólogoApólogo
Apólogo
 
A Narrativa. A Lírica. A Epopeia
A Narrativa. A Lírica. A EpopeiaA Narrativa. A Lírica. A Epopeia
A Narrativa. A Lírica. A Epopeia
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Jose flavio 2
Jose flavio 2Jose flavio 2
Jose flavio 2
 
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
Como ler um poema (de Susan Wise Bauer)
 
Ensaio Lit Inf 2009 Ana Da Palma
Ensaio Lit Inf 2009 Ana Da PalmaEnsaio Lit Inf 2009 Ana Da Palma
Ensaio Lit Inf 2009 Ana Da Palma
 
Conto e suas demarcações
Conto e suas demarcaçõesConto e suas demarcações
Conto e suas demarcações
 
A Semiotic Analysis Of The Recreation Of The Raven In The Simpsons
A Semiotic Analysis Of The Recreation Of  The Raven  In The SimpsonsA Semiotic Analysis Of The Recreation Of  The Raven  In The Simpsons
A Semiotic Analysis Of The Recreation Of The Raven In The Simpsons
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 15-16
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 15-16Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 15-16
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 15-16
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Resumo Tp5 Unid 19 20
Resumo   Tp5   Unid 19 20Resumo   Tp5   Unid 19 20
Resumo Tp5 Unid 19 20
 
Teoria da literatura i vol2
Teoria da literatura i vol2Teoria da literatura i vol2
Teoria da literatura i vol2
 
Narração
NarraçãoNarração
Narração
 
Coesao textual 1
Coesao textual 1Coesao textual 1
Coesao textual 1
 
discurso-da-narrativa-gerard-genette-
discurso-da-narrativa-gerard-genette-discurso-da-narrativa-gerard-genette-
discurso-da-narrativa-gerard-genette-
 
Fdocumentos.com ficha trabalho-conto-vicente-de-miguel-torga
Fdocumentos.com ficha trabalho-conto-vicente-de-miguel-torgaFdocumentos.com ficha trabalho-conto-vicente-de-miguel-torga
Fdocumentos.com ficha trabalho-conto-vicente-de-miguel-torga
 

Mais de Felipe De Souza Costa

Jornal.emef.itaim.a.01.nov.2011.servimpressao
Jornal.emef.itaim.a.01.nov.2011.servimpressaoJornal.emef.itaim.a.01.nov.2011.servimpressao
Jornal.emef.itaim.a.01.nov.2011.servimpressao
Felipe De Souza Costa
 
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino MédioFernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Felipe De Souza Costa
 
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino MédioFernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Felipe De Souza Costa
 
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e HeterônimosApresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Felipe De Souza Costa
 
A trama do signo
A trama do signoA trama do signo
A trama do signo
Felipe De Souza Costa
 
Vozes superpostas em duetos e solos
Vozes superpostas em duetos e solosVozes superpostas em duetos e solos
Vozes superpostas em duetos e solos
Felipe De Souza Costa
 
Análise de propaganda
Análise de propagandaAnálise de propaganda
Análise de propaganda
Felipe De Souza Costa
 
Análise de um texto jornalístico
Análise de um texto jornalísticoAnálise de um texto jornalístico
Análise de um texto jornalístico
Felipe De Souza Costa
 
Disseram que eu voltei americanizada análise
Disseram que eu voltei americanizada análiseDisseram que eu voltei americanizada análise
Disseram que eu voltei americanizada análise
Felipe De Souza Costa
 
A construção de sentidos em manchetes do meia hora felipe costa_versão finalí...
A construção de sentidos em manchetes do meia hora felipe costa_versão finalí...A construção de sentidos em manchetes do meia hora felipe costa_versão finalí...
A construção de sentidos em manchetes do meia hora felipe costa_versão finalí...
Felipe De Souza Costa
 

Mais de Felipe De Souza Costa (10)

Jornal.emef.itaim.a.01.nov.2011.servimpressao
Jornal.emef.itaim.a.01.nov.2011.servimpressaoJornal.emef.itaim.a.01.nov.2011.servimpressao
Jornal.emef.itaim.a.01.nov.2011.servimpressao
 
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino MédioFernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
 
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino MédioFernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
Fernando Pessoa e Heterônimos: Uma proposta intertextual para o Ensino Médio
 
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e HeterônimosApresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
Apresentação do TCC: Fernando Pessoa e Heterônimos
 
A trama do signo
A trama do signoA trama do signo
A trama do signo
 
Vozes superpostas em duetos e solos
Vozes superpostas em duetos e solosVozes superpostas em duetos e solos
Vozes superpostas em duetos e solos
 
Análise de propaganda
Análise de propagandaAnálise de propaganda
Análise de propaganda
 
Análise de um texto jornalístico
Análise de um texto jornalísticoAnálise de um texto jornalístico
Análise de um texto jornalístico
 
Disseram que eu voltei americanizada análise
Disseram que eu voltei americanizada análiseDisseram que eu voltei americanizada análise
Disseram que eu voltei americanizada análise
 
A construção de sentidos em manchetes do meia hora felipe costa_versão finalí...
A construção de sentidos em manchetes do meia hora felipe costa_versão finalí...A construção de sentidos em manchetes do meia hora felipe costa_versão finalí...
A construção de sentidos em manchetes do meia hora felipe costa_versão finalí...
 

Uma galinha análise para o blog

  • 1. “UMA GALINHA”: ANÁLISE EXPANSIVA DA NARRATIVA, A PARTIR DE OPERADORES ANALÍTICOS Felipe de Souza Costa1 A partir dos estudos e discussões realizados nas aulas do curso de especialização em Estudos da Linguagem, disciplina Discurso Literário: Prosa, ministrada pelo Prof. Dr. José Maria Rodrigues Filho, propomos, nesta análise, ampliar a leitura feita em sala de aula, bem como as possíveis construções de sentidos que se dão a partir dela, do conto “Uma galinha”, de Clarice Lispector. Para tanto, relacionaremos a materialidade linguística proposta a operadores analíticos, oriundos da teoria literária. Partiremos, portanto, de um método muito utilizado no exame de textos literários: a divisão do corredor isotópico. Numeramos os parágrafos do conto e obtemos a sequência de 1 a 16. Trata-se de um procedimento usual, o qual objetiva guiar a leitura de maneira didática. A partir de então, trataremos dos assuntos nos demais parágrafos seguindo a referida ordem. Antes, porém, falaremos em linhas gerais de alguns elementos que se coadunam com a proposição desta. Iniciaremos com a análise actancial, cuja finalidade é descrever a funcionalidade dos elementos das narrativas. O eixo axial, conhecido também como eixo das ações, no qual encontramos um arrolamento circunstancial entre sujeito e objeto, tem procedência na teoria proxêmica. O ovo, no conto de Clarice, surge como uma provocação e passa a ser um arquiactante, aquele que é mais importante no eixo axial. Ele é o transformador. Constatamos tal afirmação ao observarmos que, após separar os corredores isotópicos, o ovo surge exatamente no meio, ou seja, no parágrafo 8. A grande maioria dos parágrafos costuma utilizar, com maior recorrência, os recursos narrativos narração, descrição e dissertação. No tocante à organização sintática e gráfica, Clarice optou por períodos de coordenadas assindéticas, sendo que a disposição do texto impõe certa velocimetria 1 Licenciado em Letras e especialista em Estudos da Linguagem pela Universidade de Mogi das Cruzes. 1
  • 2. ao conto. Ela inicia com o famoso “era uma [...vez...]”, situando o leitor no cronotopo, é o que a teoria literária chama de forma fabular. O contributo deste início já pressupõe que a autora, na seleção paradigmática, não mede esforços em se aproximar de seu interlocutor. O título, também, nos aponta que, embora seja utilizado um animal, a aproximação com o ser humano é inevitável, uma vez que nas ideias Aristotélicas, temos uma imbricação muito pujante entre zoé (animais, escravos e mulheres) e biós (homem). Falaremos, do mesmo modo, do corte epistemológico machista no conto, que hoje é feito pela crítica feminista. A leitura completa, antecedente à análise detalhada, de “Uma galinha” propicia-nos uma abertura para que possamos, a partir da semiótica da narrativa, fazer uma divisão do enredo em partes, episódios, cenas ou quadros, apontamos abaixo uma sequência semiológica, dividida em escaletas, útil e abrangente: G A Domingo Vida na Matam- Passaram- L Fuga Perseguição Captura Ovo Afetividade família na se os I Abate Choca anos N Membro Comem- Comida H na A Esta cena divide o antes e o Nascimento, vida e depois. Aspecto cíclico morte = Começo, meio – Ligado à vida e fim O valor sêmico de um esquema como esse descrito acima ajuda-nos a compreender de maneira ilustrada o caminho que o enredo constrói, a partir das materialidades linguísticas do texto. Conseguimos observar, de maneira sintética, 2
  • 3. que a galinha após protagonizar diversas ações repete o ciclo normal da vida, a saber: nasce, vive e morre. Há, de igual modo, a visualização da cena que divide a intriga, a qual está localizada exatamente no meio do eixo axial. Dando continuidade à ordem isotópica, testemunhamos que no primeiro parágrafo, conseguimos perceber que, além da seleção lexical, a qual lembra a forma fabular, há alguns indícios que nos permitem supor o fim da galinha, como por exemplo, os termos “ainda vivia” pressupõe que morrerá e “não passava de nove horas da manhã” conjetura que esse horário antecede o almoço e indica que essa precedência aponta para o preparo. No segundo, começamos a identificar certa zoomorfização da galinha, ela passa a receber atributos dos seres humanos. Tem-se uma oração curta, porém com uma unidade de significação muito intensa: “Parecia calma.”, o adjetivo sugere que a galinha não é tão animalesca assim. O terceiro parágrafo arresta-se em descrever com riqueza de detalhes a perseguição. Destacamos, neste momento, uma análise morfológica do substantivo perseguição que aparece numa passagem densa desta parte do texto: “A perseguição tornou-se mais intensa”. A palavra destacada alude a outras classes gramaticais que estão atreladas aos sentidos criados na narração: PerseguiçãoPerseguirPerseguidaPerseguidor. A rede semântica criada por um simples substantivo mostra que a seleção do eixo paradigmático é crucial na construção de um discurso literário. Na sequência, o quarto e o quinto parágrafos constituem uma dissertação filosofante, cuja tônica acentua-se num trecho em que os ideais machistas se destacam de maneira sutil e, ao mesmo tempo, extremamente duro para uma sociedade como a nossa: “Estúpida, tímida e livre. Não vitoriosa como seria uma galo em fuga.” Entendemos, pela própria materialidade linguística manifesta no texto, que o discurso da machidão subjaz a consciência filosófica do narrador e abre espaço para enormes discussões acerca desta questão, uma vez que a galinha jamais se igualaria à superioridade imposta do galo. O sexto, no entanto, retoma a 3
  • 4. narrativa e se instaura como um retorno ao equilíbrio, de modo que ele encerra a micronarrativa da fuga. O sétimo manifesta-se como um divisor de águas, uma vez que faz um prenúncio de uma das cenas mais importantes do enredo: a aparição do ovo. Temos no trecho “De pura afobação a galinha pôs um ovo” um momento que chamamos de fulcral. A verdade epifânica ou reveladora desta frase sugere uma causalidade, cujo fundo filosófico e biológico a coloca no mundo do real. Por fim, o parágrafo encerra abrindo espaço para o outro entrar em cena, a marcação dos dois pontos introduz a fala do outro e nos faz entender que, neste instante, o narrador sai de cena. Em tempo, podemos perfazer uma analogia com a teoria do discurso, em que o viés da polifonia remete a oralidade e esta, por sua vez, recorre à gênese do conto. O texto passa a ser, partir deste ponto, um diálogo entre múltiplas vozes. O oitavo parágrafo é uma representação do discurso direto, pois fazendo um estudo morfológico podemos perceber que, anteriormente a ele, temos um substantivo que se aproxima de um verbo de elocução e que introduz a fala: “saiu aos gritos”. Temos na fala da menina uma clássica aproximação da oralidade: “- Mamãe, mamãe, não mate mais a galinha, ela pôs um ovo! ela quer o nosso bem!”. O vocativo, bem como a repetição dele, expresso pelo substantivo “mamãe” e os pontos de exclamação ilustram bem essa questão. O nono traz uma descrição carregada de tímia e o destaque se dá no trecho “Esquentando seu filho”, uma vez que o gerúndio do verbo esquentar indica um imbricamento entre os recursos descritivo e narrativo. Em contrapartida, a humanização do episódio com a frase “seu filho” faz-nos ratificar que esta metaforização é própria do discurso literário. Há, também, a frase “nem alegre, nem triste”, a qual, ligando intertextos, podemos concluir que pode se tratar de uma apropriação de Cecília Meireles em um de seus célebres poemas. O décimo, décimo primeiro e décimo segundo seguem os mesmos moldes do oitavo parágrafo. O décimo terceiro, décimo quarto e décimo quinto apropriam-se da narração analéptica (no passado) imbricada com a dissertação, a fim de que se possa 4
  • 5. instaurar um narrador sintetizador, cujo objetivo é avaliar o ocorrido para chegar à conclusiva. Por fim, abordamos o último parágrafo. Em semiótica podemos dizer que a conclusão é terminativa e que se constitui de um final que visa à síntese cognitiva (do autor) com relação à obra. Percebemos, claramente, que o final, embora inovador, já era esperado desde o primeiro parágrafo quando foi sentenciado: “ainda vivia”. Faz-nos, também, entender que o tempo da memória historiográfica sempre se instaura como determinante para agir sobre o passado, presente e, quem sabe, o futuro. E que o ciclo de vida, inerente a todo ser vivo, é inevitável, cedo ou tarde ele se encerrará. 5
  • 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FRANCO JUNIOR, Arnaldo. Operadores de Leitura da Narrativa. In BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lucia Osana (orgs.). Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: EDUEM, 2003. LISPECTOR, Clarice. Uma galinha. In Laços de Família. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983. RODRIGUES FILHO, José Maria. “Uma galinha”: um conto modelar de Clarice Lispector. In Forma breve 1: O conto. Universidade de Aveiro: 2003, nº 1. 6