SlideShare uma empresa Scribd logo
1
“Um arquipélago gráfico”
(Recensão sobre contra o esquecimento das mãos)
hoje em dia prolifera a literatura espectáculo, em vez da literatura que pertença ao mundo
de coesão com a verdadeira grafia no ser humano. Na verdade, há um lado gráfico esquecido e que se
une a nós com a mesma resistência das lapas que habitam as pedras…
gostaria de contar a magnífica história que trespassa estes textos, uma história que
demoraria o seu tempo
todo o tempo
mas hoje em dia prolifera o instantâneo, o mediato porque não há tempo, havendo na
realidade tempo para tanta vontade de espectáculos
espectáculo, tudo o que atrai a vista, que chama a nossa atenção,
diversão pública, cena ridícula
espectáculo, tudo o que entretém a passividade em vez da actividade,
tudo o que advém de fora e nunca se interpreta, nunca se
compreende, nunca pensa pensa pensa
de facto, cada vez mais, a leitura expõe-se à diversão fácil
já não digo que leia pouco, digo antes, do pouco que se lê é que é uma verdadeira perda
de tempo em textos vazios de compreensão, uma verdadeira deglutição de Macbooks, lightbooks.
Algures, no meio do oceano de falsa falta de tempo e de espectáculos literários, há
preciosos homens que arregaçam as mangas para conseguirem um punhado de pó e lançarem-no
sobre as ilhas que aos poucos se desenham contra essa distracção oceânica.
vou-vos apresentar um que é sem dúvida um fazedor de ilhas exímio.
vou-vos apresentar um que escreve a grafia dos seres que habitam as ilhas.
vou-vos apresentar um
(são poucos - eu sei
2
são poucos os fazedores de ilhas, mas
vou-vos apresentar um, só um)
João Ricardo Lopes respeita antes de mais a ordem gráfica que reside em cada ser, por
isso demora-se a tecer ilhas
(…) essas ilhas | de exacta luz e exacta embriaguez | ilhas de palavra – os poemas
(…)
são ilhas cuja grafia se encarna em cada um dos que lêem sob o signo da compreensão
são ilhas paradisíacas
ilhas que fluem na esfera de um gesto tangível
ilhas que formam um arquipélago gráfico chamado contra o esquecimento das mãos
A história que vou contar é a do próprio tempo gráfico que une cada um dos poemas deste
arquipélago
é a da secreta história insular, onde o tempo é um extenso corpo de água, cujo leito vive
fortificado por densas pedras que formam as ilhas textuais. Nessas águas, o João Ricardo Lopes
desvela-nos a existência de um ser de água mineral ferido constantemente pelo tempo, o homem.
O autor do livro, começa por nos contar, de uma forma majestosa, a existência do tempo-
antes-do-tempo, do homem-antes-do-homem.
(Quadro primeiro: O Lugar de Onde Viemos/ poema 5)
distante é a espuma furtiva das águas
o sangue do princípio derramando-se na
flor delicada dos olhos
antes do tempo
éramos peixes proibidos de navegar
apenas esperávamos …
na verdade, antes do tempo, do caos e do entropismo, a água gráfica não corria
por não existirem corpos dispostos a receberem tão nobre nascente. E foi então que o silêncio
decidiu procurar um corpo, um corpo silencioso, um corpo frio capaz de sustentar uma casa inteira, a
3
casa que aos poucos abandonava o entropismo das suas origens, o caos da grafia universal e assim
nasceu o corpo mais primitivo de toda a criação, a pedra
(Quadro primeiro: O Lugar de Onde Viemos/ poema 1)
desmoronam-se as carnes
e outro não é o oráculo
senão a raiz sagrada das pedras
o princípio e o fim
existem no seu silêncio
e mais longe do que é possível
uma própria voz
e uma própria alma
a água tépida depressa originou uma raiz nos seus corpos, causando o movimento. Aqui e acolá
começaram a jorrar géisers que embatiam uns nos outros, criando o leito de evolução que depressa
trespassava a casa, arrastando-a consigo. O leito desta água criou um rio gigantesco chamado Tempo
que na obra não é uma obsessão, mas antes a linha com que o autor tece ilha após ilha, poema após
poema, porque de facto não podemos ler estes versos isolados, já que o tempo não é feito de cesuras,
mas de um contínuo corpo que escreve, de um contínuo corpo que lê
porque o corpo que escreve e lê faz parte da mesma natureza textual.
O habitante deste arquipélago gráfico é, ao mesmo tempo, o pescador e pedreiro
pesca as pedras e com as mãos abre-as à procura da casa que nelas é comum. Não é uma
dedicação física, mas antes uma dedicação de ordem gráfica, de escrita. De facto – aqui – as palavras
são as pedras que compõem cada uma destas ilhas. Pedras de grafia que reunidas pela mão desses
habitantes crescem numa casa, a casa da escrita por onde, no arquipélago contra o esquecimento
das mãos, se estende a alma. Como vimos, a relação com as mãos e sobretudo uma relação de
grafia, a casa da escrita, a casa cuja entrada procura com as suas pétalas a quieta luz da tarde.
4
Na verdade, este arquipélago só é realmente visível perante o momento apontado – pelo
próprio poeta – como o (…) brilho salgado e feminino que | sulca a pele e purga | a casa
a tarde.
João Ricardo Lopes evidencia uma predilecção por esse intervalo do dia, uma hora
onde a transparência da luz toca o cristal mais translúcido do corpo, a própria liberdade de
consciência, onde as vozes se recriam numa circularidade de pensamento dentro da reflexão
causada por essa mesma luz. Tocar o cristal com as mãos, no horário da refracção mais doce,
é – sem dúvida – desvelar a própria alma (ou a casa) é um momento branco de pureza, onde a
estirpe abre as suas janelas para que o espaço gráfico tenha uma maior amplitude de
visibilidade
(Quadro Terceiro: Das tardes/ poema 8)
durante o intermezzo
cumprimos o possível
das enxúndias, do bodum
dos lodos nos limpámos
até sermos desta transparência de água
e só neste momento transparente da casa é que as mãos nunca serão esquecidas, porque é
um momento de grande visibilidade e liberdade criativa da consciência que reside nas vísceras das
casas. Esta relação só se torna exequível, quanto o ser é a própria grafia, uma espécie de dimensão
onde o corpo humano trabalha a sua alma, sob uma enorme pressão de luz. O homem experimenta a
sua correcta dimensão através do corpo gráfico, procurando, assim, o abandono do espaço onde
reside como um homem de pano, que (…) tem serapilheira em lugar de pele | e em vez de tripas
é feito de trapos. De facto, o homem é um pano gasto perante a refracção que o tempo experimenta
ao trespassá-lo como uma flecha, porque o tempo – no fim – anda mais depressa e o corpo não tem
fugacidade para acompanhar a luz que começa a cegar as próprias memórias.
O espaço findável do corpo ocorre à noitinha
5
um momento muito especial de transmutação, já que (…) na noite as sementes crescem na terra |
e as crisálidas passam-se a mariposas // e todas as coisas se transformam noutras coisas |
pelo milagre do mundo.
O corpo físico é apenas uma passagem, um corredor por onde o tempo trespassa até à
implosão do corpo na sua própria casa. A libertação da escravidão do corpo e a diluição da
identidade do rosto são a verdadeira luta contra o esquecimento das mãos enquanto dimensão da
escrita
lutar contra isso é escrever e ler cada um dos textos da obra, visitando, vez após vez, a casa onde se
desvela a mecânica do universo.
(Quadro Quarto: A Noite do Homem/ poema 11)
o corpo é apenas o estertor
de uma última inocência
de mim esvaem-se os últimos sinais
de um carvão consumido pelo silêncio
e depois desta cal, deste incêndio
deste deserto, o vórtice leva-nos a outra margem
as memórias calcinam
ou deixam de fazer sentido?
eles olham o cadáver de um homem velho
e eu digo não servi unicamente para morrer
depois desta cal, deste incêndio
deste deserto, indiviso o tempo é
6
João Ricardo Lopes é uma revelação a destacar na escrita contemporânea portuguesa, não só
pela majestosa articulação dos textos, mas, principalmente, pela habilidade de envolver os seus
leitores - mesmo aqueles que se dizem exilados da poesia – porque na escrita o interlocutor abandona
o seu estado total de passividade ao experimentar a exacta liberdade de consciência, quebrando assim
a taciturnidade literária em que estava anteriormente envolvido.
Aqui, não reside qualquer vestígio de literatura de espectáculo onde, cada vez mais,
enterramos a cabeça, até esquecermos a existência das próprias mãos, as mãos da escrita, as mãos
da leitura
(um parêntesis
há dias, um deputado inglês dizia, numa entrevista à BBC, que “o governo paga com
amendoins e em troca recebe macacos.”)
gostaria apenas de referir que contra o esquecimento das mãos é sem dúvida uma obra que se
destaca por uma assimetria total perante a literatura de símios – a literatura estandardizada, ou a
literatura de espectáculo.
contra o esquecimento das mãos é uma obra na qual experimentamos uma outra
maneira de estar com o nosso próprio corpo, com o nosso próprio tempo e com a nossa própria escrita.
João Ricardo Lopes (d)escreve como ninguém a real convivência entre estas três dimensões e
convida-nos a entrar na casa gráfica para compreender a alma de quem lê a de quem escreve como
princípios equiparáveis da mesma mecânica do mundo.
(João Ricardo Lopes pertence, admiravelmente à verdadeira e correcta
contemporaneidade
não me levem a mal por confessar que invejo a forma como este grande poeta escreve
não me levem a mal por confessar que gostaria de saber escrever poesia assim)…
Carlos Vaz (2002)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes

Poesia em 500 Citacoes - Antologia - Sammis Reachers.pdf
Poesia em 500 Citacoes - Antologia - Sammis Reachers.pdfPoesia em 500 Citacoes - Antologia - Sammis Reachers.pdf
Poesia em 500 Citacoes - Antologia - Sammis Reachers.pdf
VIEIRA RESENDE
 
O tempo da memória no miradouro da vida
O tempo da memória no miradouro da vidaO tempo da memória no miradouro da vida
O tempo da memória no miradouro da vida
J. C. Vilhena Mesquita
 
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
mafia888
 
Magter
MagterMagter
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
Mário Júnior Silva
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
Marlene Cunhada
 
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptxteoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
MarluceBrum1
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Madga Silva
 
O médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigoO médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigo
Angeli Nascimento
 
O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
Gladis Maia
 
Magtertexto
MagtertextoMagtertexto
Magtertexto
Regina Gouveia
 
Magnetismo terrestre
Magnetismo terrestreMagnetismo terrestre
Magnetismo terrestre
Regina Gouveia
 
Especial água viva
Especial água vivaEspecial água viva
Especial água viva
Ana Batista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
luisprista
 
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis TrindadePoesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Escola de Biodanza Rio de Janeiro
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
CAMILADELMONDES3
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
MaiteFerreira4
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
lluiscarlosdassilva
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
luisprista
 
Literatura
LiteraturaLiteratura

Semelhante a Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (20)

Poesia em 500 Citacoes - Antologia - Sammis Reachers.pdf
Poesia em 500 Citacoes - Antologia - Sammis Reachers.pdfPoesia em 500 Citacoes - Antologia - Sammis Reachers.pdf
Poesia em 500 Citacoes - Antologia - Sammis Reachers.pdf
 
O tempo da memória no miradouro da vida
O tempo da memória no miradouro da vidaO tempo da memória no miradouro da vida
O tempo da memória no miradouro da vida
 
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
Polishop (livro de poesia) - Tiago Nené [pt]
 
Magter
MagterMagter
Magter
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
 
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptxteoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
 
O médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigoO médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigo
 
O qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escritaO qorpo santo_da_escrita
O qorpo santo_da_escrita
 
Magtertexto
MagtertextoMagtertexto
Magtertexto
 
Magnetismo terrestre
Magnetismo terrestreMagnetismo terrestre
Magnetismo terrestre
 
Especial água viva
Especial água vivaEspecial água viva
Especial água viva
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
 
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis TrindadePoesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
Poesia e Biodanza | Por Denizis Henriques Assis Trindade
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 

Mais de Madga Silva

«Ver no Escuro» - posfácio a REFLEXÕES À BOCA DE CENA.pdf
«Ver no Escuro» - posfácio a REFLEXÕES À BOCA DE CENA.pdf«Ver no Escuro» - posfácio a REFLEXÕES À BOCA DE CENA.pdf
«Ver no Escuro» - posfácio a REFLEXÕES À BOCA DE CENA.pdf
Madga Silva
 
Crítica ao livro «Em Nome da Luz» - José António Gomes.docx
Crítica ao livro «Em Nome da Luz» - José António Gomes.docxCrítica ao livro «Em Nome da Luz» - José António Gomes.docx
Crítica ao livro «Em Nome da Luz» - José António Gomes.docx
Madga Silva
 
Crítica ao livro «Dias Desiguais» de João Ricardo Lopes (2005)
Crítica ao livro «Dias Desiguais» de João Ricardo Lopes (2005)Crítica ao livro «Dias Desiguais» de João Ricardo Lopes (2005)
Crítica ao livro «Dias Desiguais» de João Ricardo Lopes (2005)
Madga Silva
 
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo LopesCrítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes
Madga Silva
 
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes (2007)
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes (2007)Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes (2007)
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes (2007)
Madga Silva
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Madga Silva
 
Crítica e Posfácio ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo L...
Crítica e Posfácio ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo L...Crítica e Posfácio ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo L...
Crítica e Posfácio ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo L...
Madga Silva
 
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» (2018)
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» (2018)Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» (2018)
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» (2018)
Madga Silva
 
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo Lopes
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo LopesCrítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo Lopes
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo Lopes
Madga Silva
 
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
Madga Silva
 

Mais de Madga Silva (10)

«Ver no Escuro» - posfácio a REFLEXÕES À BOCA DE CENA.pdf
«Ver no Escuro» - posfácio a REFLEXÕES À BOCA DE CENA.pdf«Ver no Escuro» - posfácio a REFLEXÕES À BOCA DE CENA.pdf
«Ver no Escuro» - posfácio a REFLEXÕES À BOCA DE CENA.pdf
 
Crítica ao livro «Em Nome da Luz» - José António Gomes.docx
Crítica ao livro «Em Nome da Luz» - José António Gomes.docxCrítica ao livro «Em Nome da Luz» - José António Gomes.docx
Crítica ao livro «Em Nome da Luz» - José António Gomes.docx
 
Crítica ao livro «Dias Desiguais» de João Ricardo Lopes (2005)
Crítica ao livro «Dias Desiguais» de João Ricardo Lopes (2005)Crítica ao livro «Dias Desiguais» de João Ricardo Lopes (2005)
Crítica ao livro «Dias Desiguais» de João Ricardo Lopes (2005)
 
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo LopesCrítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes
 
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes (2007)
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes (2007)Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes (2007)
Crítica ao livro «Dos Maus e Bons Pecados» de João Ricardo Lopes (2007)
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
 
Crítica e Posfácio ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo L...
Crítica e Posfácio ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo L...Crítica e Posfácio ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo L...
Crítica e Posfácio ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo L...
 
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» (2018)
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» (2018)Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» (2018)
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» (2018)
 
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo Lopes
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo LopesCrítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo Lopes
Crítica ao livro «O Moscardo e Outras Histórias» de João Ricardo Lopes
 
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes (2002)
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 

Crítica ao livro «Contra o Esquecimento das Mãos» de João Ricardo Lopes

  • 1. 1 “Um arquipélago gráfico” (Recensão sobre contra o esquecimento das mãos) hoje em dia prolifera a literatura espectáculo, em vez da literatura que pertença ao mundo de coesão com a verdadeira grafia no ser humano. Na verdade, há um lado gráfico esquecido e que se une a nós com a mesma resistência das lapas que habitam as pedras… gostaria de contar a magnífica história que trespassa estes textos, uma história que demoraria o seu tempo todo o tempo mas hoje em dia prolifera o instantâneo, o mediato porque não há tempo, havendo na realidade tempo para tanta vontade de espectáculos espectáculo, tudo o que atrai a vista, que chama a nossa atenção, diversão pública, cena ridícula espectáculo, tudo o que entretém a passividade em vez da actividade, tudo o que advém de fora e nunca se interpreta, nunca se compreende, nunca pensa pensa pensa de facto, cada vez mais, a leitura expõe-se à diversão fácil já não digo que leia pouco, digo antes, do pouco que se lê é que é uma verdadeira perda de tempo em textos vazios de compreensão, uma verdadeira deglutição de Macbooks, lightbooks. Algures, no meio do oceano de falsa falta de tempo e de espectáculos literários, há preciosos homens que arregaçam as mangas para conseguirem um punhado de pó e lançarem-no sobre as ilhas que aos poucos se desenham contra essa distracção oceânica. vou-vos apresentar um que é sem dúvida um fazedor de ilhas exímio. vou-vos apresentar um que escreve a grafia dos seres que habitam as ilhas. vou-vos apresentar um (são poucos - eu sei
  • 2. 2 são poucos os fazedores de ilhas, mas vou-vos apresentar um, só um) João Ricardo Lopes respeita antes de mais a ordem gráfica que reside em cada ser, por isso demora-se a tecer ilhas (…) essas ilhas | de exacta luz e exacta embriaguez | ilhas de palavra – os poemas (…) são ilhas cuja grafia se encarna em cada um dos que lêem sob o signo da compreensão são ilhas paradisíacas ilhas que fluem na esfera de um gesto tangível ilhas que formam um arquipélago gráfico chamado contra o esquecimento das mãos A história que vou contar é a do próprio tempo gráfico que une cada um dos poemas deste arquipélago é a da secreta história insular, onde o tempo é um extenso corpo de água, cujo leito vive fortificado por densas pedras que formam as ilhas textuais. Nessas águas, o João Ricardo Lopes desvela-nos a existência de um ser de água mineral ferido constantemente pelo tempo, o homem. O autor do livro, começa por nos contar, de uma forma majestosa, a existência do tempo- antes-do-tempo, do homem-antes-do-homem. (Quadro primeiro: O Lugar de Onde Viemos/ poema 5) distante é a espuma furtiva das águas o sangue do princípio derramando-se na flor delicada dos olhos antes do tempo éramos peixes proibidos de navegar apenas esperávamos … na verdade, antes do tempo, do caos e do entropismo, a água gráfica não corria por não existirem corpos dispostos a receberem tão nobre nascente. E foi então que o silêncio decidiu procurar um corpo, um corpo silencioso, um corpo frio capaz de sustentar uma casa inteira, a
  • 3. 3 casa que aos poucos abandonava o entropismo das suas origens, o caos da grafia universal e assim nasceu o corpo mais primitivo de toda a criação, a pedra (Quadro primeiro: O Lugar de Onde Viemos/ poema 1) desmoronam-se as carnes e outro não é o oráculo senão a raiz sagrada das pedras o princípio e o fim existem no seu silêncio e mais longe do que é possível uma própria voz e uma própria alma a água tépida depressa originou uma raiz nos seus corpos, causando o movimento. Aqui e acolá começaram a jorrar géisers que embatiam uns nos outros, criando o leito de evolução que depressa trespassava a casa, arrastando-a consigo. O leito desta água criou um rio gigantesco chamado Tempo que na obra não é uma obsessão, mas antes a linha com que o autor tece ilha após ilha, poema após poema, porque de facto não podemos ler estes versos isolados, já que o tempo não é feito de cesuras, mas de um contínuo corpo que escreve, de um contínuo corpo que lê porque o corpo que escreve e lê faz parte da mesma natureza textual. O habitante deste arquipélago gráfico é, ao mesmo tempo, o pescador e pedreiro pesca as pedras e com as mãos abre-as à procura da casa que nelas é comum. Não é uma dedicação física, mas antes uma dedicação de ordem gráfica, de escrita. De facto – aqui – as palavras são as pedras que compõem cada uma destas ilhas. Pedras de grafia que reunidas pela mão desses habitantes crescem numa casa, a casa da escrita por onde, no arquipélago contra o esquecimento das mãos, se estende a alma. Como vimos, a relação com as mãos e sobretudo uma relação de grafia, a casa da escrita, a casa cuja entrada procura com as suas pétalas a quieta luz da tarde.
  • 4. 4 Na verdade, este arquipélago só é realmente visível perante o momento apontado – pelo próprio poeta – como o (…) brilho salgado e feminino que | sulca a pele e purga | a casa a tarde. João Ricardo Lopes evidencia uma predilecção por esse intervalo do dia, uma hora onde a transparência da luz toca o cristal mais translúcido do corpo, a própria liberdade de consciência, onde as vozes se recriam numa circularidade de pensamento dentro da reflexão causada por essa mesma luz. Tocar o cristal com as mãos, no horário da refracção mais doce, é – sem dúvida – desvelar a própria alma (ou a casa) é um momento branco de pureza, onde a estirpe abre as suas janelas para que o espaço gráfico tenha uma maior amplitude de visibilidade (Quadro Terceiro: Das tardes/ poema 8) durante o intermezzo cumprimos o possível das enxúndias, do bodum dos lodos nos limpámos até sermos desta transparência de água e só neste momento transparente da casa é que as mãos nunca serão esquecidas, porque é um momento de grande visibilidade e liberdade criativa da consciência que reside nas vísceras das casas. Esta relação só se torna exequível, quanto o ser é a própria grafia, uma espécie de dimensão onde o corpo humano trabalha a sua alma, sob uma enorme pressão de luz. O homem experimenta a sua correcta dimensão através do corpo gráfico, procurando, assim, o abandono do espaço onde reside como um homem de pano, que (…) tem serapilheira em lugar de pele | e em vez de tripas é feito de trapos. De facto, o homem é um pano gasto perante a refracção que o tempo experimenta ao trespassá-lo como uma flecha, porque o tempo – no fim – anda mais depressa e o corpo não tem fugacidade para acompanhar a luz que começa a cegar as próprias memórias. O espaço findável do corpo ocorre à noitinha
  • 5. 5 um momento muito especial de transmutação, já que (…) na noite as sementes crescem na terra | e as crisálidas passam-se a mariposas // e todas as coisas se transformam noutras coisas | pelo milagre do mundo. O corpo físico é apenas uma passagem, um corredor por onde o tempo trespassa até à implosão do corpo na sua própria casa. A libertação da escravidão do corpo e a diluição da identidade do rosto são a verdadeira luta contra o esquecimento das mãos enquanto dimensão da escrita lutar contra isso é escrever e ler cada um dos textos da obra, visitando, vez após vez, a casa onde se desvela a mecânica do universo. (Quadro Quarto: A Noite do Homem/ poema 11) o corpo é apenas o estertor de uma última inocência de mim esvaem-se os últimos sinais de um carvão consumido pelo silêncio e depois desta cal, deste incêndio deste deserto, o vórtice leva-nos a outra margem as memórias calcinam ou deixam de fazer sentido? eles olham o cadáver de um homem velho e eu digo não servi unicamente para morrer depois desta cal, deste incêndio deste deserto, indiviso o tempo é
  • 6. 6 João Ricardo Lopes é uma revelação a destacar na escrita contemporânea portuguesa, não só pela majestosa articulação dos textos, mas, principalmente, pela habilidade de envolver os seus leitores - mesmo aqueles que se dizem exilados da poesia – porque na escrita o interlocutor abandona o seu estado total de passividade ao experimentar a exacta liberdade de consciência, quebrando assim a taciturnidade literária em que estava anteriormente envolvido. Aqui, não reside qualquer vestígio de literatura de espectáculo onde, cada vez mais, enterramos a cabeça, até esquecermos a existência das próprias mãos, as mãos da escrita, as mãos da leitura (um parêntesis há dias, um deputado inglês dizia, numa entrevista à BBC, que “o governo paga com amendoins e em troca recebe macacos.”) gostaria apenas de referir que contra o esquecimento das mãos é sem dúvida uma obra que se destaca por uma assimetria total perante a literatura de símios – a literatura estandardizada, ou a literatura de espectáculo. contra o esquecimento das mãos é uma obra na qual experimentamos uma outra maneira de estar com o nosso próprio corpo, com o nosso próprio tempo e com a nossa própria escrita. João Ricardo Lopes (d)escreve como ninguém a real convivência entre estas três dimensões e convida-nos a entrar na casa gráfica para compreender a alma de quem lê a de quem escreve como princípios equiparáveis da mesma mecânica do mundo. (João Ricardo Lopes pertence, admiravelmente à verdadeira e correcta contemporaneidade não me levem a mal por confessar que invejo a forma como este grande poeta escreve não me levem a mal por confessar que gostaria de saber escrever poesia assim)… Carlos Vaz (2002)