SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA
INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGEO
DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA
AMBIENTES SEDIMENTARES – GEO712
PROFESSORA: LENA SIMONE BARATA SOUZA
EZEQUIAS GUIMARÃES
GABRIELA CHAVES
LIZANDRA ABREU
TRANSGRESSÃO E REGRESSÃO MARINHA
Boa Vista, RR.
2018
EZEQUIAS GUIMARÃES
GABRIELA CHAVES
LIZANDRA ABREU
TRANSGRESSÃO E REGRESSÃO MARINHA
Atividade apresentada à disciplina
Ambientes Sedimentares (GEO 712)
do departamento do curso de
Bacharelado em Geologia, Instituto
de Geociências da Universidade
Federal de Roraima ministrada pela
doutora Lena Simone Barata Souza
como requisito para obtenção de nota.
Boa Vista, RR.
2018
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Figura 1: Perfil geológico longitudinal de regressão marinha. 10
Figura 2: Sucessão vertical de fácies de regressão marinha. 120
Figura 3: Perfil geológico longitudinal de agradação. 142
Figura 4: Sucessões verticais de fácies do padrão agradacional. 12
Figura 5: Perfil geológico longitudinal de transgressão marinha. 14
Figura 6: Perfil vertical de fácies de transgressão marinha. 14
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO.....................................................................................................................5
2. OBJETIVO............................................................................................................................6
3. REFERENCIAL TEÓRICO ...............................................................................................7
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO..........................................................................................9
4.1. Progradação......................................................................................................................9
4.1.1. Perfil geológico longitudinal.....................................................................................9
4.1.2. Sucessão vertical das fácies.....................................................................................10
4.2. Agradação ......................................................................................................................11
4.2.1. Perfil geológico longitudinal...................................................................................11
4.2.2. Sucessão vertical das fácies.....................................................................................12
4.3. Retrogradação ................................................................................................................13
4.3.1. Perfil geológico longitudinal...................................................................................13
4.3.2. Sucessão vertical das fácies.....................................................................................14
REFERÊNCIAS......................................................................................................................15
5
1. INTRODUÇÃO
Em uma das várias etapas do ciclo sedimentar, após um longo processo de
transporte, os sedimentos acabam por se depositarem em áreas abauladas denominadas
de bacias. Cada bacia receptora de sedimentos possui um conjunto de características
individuais que forma o que se entende como ambiente sedimentar. Eles são agrupados
por sua localização na crosta de acordo com suas características eminentemente
continentais, de transição ou marinhas (SGARBI, 2012).
Estes ambientes possuem fluxos com características físicas distintas e irão
formar depósitos geneticamente relacionados, principalmente pela ação da água e do
gelo. Quando ocorre o agrupamento dessas rochas sedimentares que em conjunto
possuem características especificas, em termos de litologia, geometria, estruturas
sedimentares, modelos de paleocorrentes e conteúdo fossilíferos, denomina-se fácies
sedimentares.
Os ambientes de sedimentação marinhos são os principais depósitos de
sedimentos do planeta, principalmente porque oceanos e mares cobrem cerca de 70% da
superfície da Terra (SUGUIO, 2003). Por conta disso, o estudo das diferentes fáceis
resultantes da variação do nível do mar é importante para o melhor entendimento do
processo de deposição dos sedimentos e suas implicações na dinâmica terrestre.
6
2. OBJETIVO
Confeccionar um perfil geológico longitudinal para regressão, agradação e
transgressão marinha e para cada perfil construir a sucessão vertical das fácies.
7
3. REFERENCIAL TEÓRICO
A base para a estratigrafia de sequências remonta principalmente dos anos 60.
Devido ao avanço tecnológico que possibilitou equipamentos de aquisição e
processamento de dados mais sofisticados formou-se um terreno fértil para o
surgimento de uma série de atividades geológicas a partir da utilização desses
equipamentos, entre elas a sismoestratigrafia. Diante disso, Della Faverá (2001)
conceitua estratigrafia de sequência como o tratamento estratigráfico derivado
basicamente da sismoestratigrafia.
Em pouco tempo as seções sísmicas tornaram-se dentro de algumas limitações,
verdadeiras seções geológicas. A partir desses estudos passou-se a entender a
estratigrafia de sequencias como o
“[...] estudo das relações de rochas sedimentares dentro de um arcabouço
cronoestratigráficos de estratos relacionados geneticamente, o qual é limitado por
superfícies de erosão ou não deposição, ou por suas concordâncias relativas
(RIBEIRO, 2007)”.
A unidade fundamental da estratigrafia de sequências é como o próprio nome já
diz, a própria sequencia. Essa sequência é a unidade delimitada por discordâncias ou
concordâncias relativas, podendo ser subdivididas em tratos de sistema (definidos pela
sua posição dentro da sequência) ou parassequências (unidades de menor ordem,
limitadas por superfícies de inundação marinha) ou pelo conjunto dessas
parassequências (DELLA FÁVERA, 2007).
As sequências e suas componentes internas são interpretadas como resultado de
uma interação entre taxas de eustasia, subsidências e aporte sedimentar. Dessa forma,
cada sequência se forma num ciclo de variação do nível relativo do mar, sendo este
independente da eustasia ou tectônica. Assim, apenas necessita da variação relativa do
nível do mar em concomitância com o fluxo sedimentar e a fisiografia da bacia
(DELLA FÁVERA, 2007).
Apesar disso, as sequências são marcadamente condicionadas pelas oscilações
eustáticas, cujas amplitudes no tempo não são constantes, denotando uma ciclicidade no
registro sedimentar a muito conhecido (RIBEIRO, 2007).
A partir dessa ciclicidade na variação do nível do mar foram idealizadas ciclos
de tempo, caracterizados pela elevação e queda no nível do mar, construindo ciclos
8
transgressivo-regressivo. Estes foram os denominados superciclos que ainda comportam
ciclos menores, representados pelas sequências sedimentares.
Por último, ciclos menores constituem sucessões verticais que recebem
denominações diversas como ciclotemas ou parassequências.
Assim, um conjunto de parassequências é uma sucessão de parassequências
geneticamente relacionadas que formam um padrão distinto de empilhamento, limitado,
muitas vezes por uma superfície de inundação marinha de expressão maior ou suas
superfícies correlatadas. Os padrões de conjuntos de parassequências são
progradacionais, retrogradacionais ou agradacionais, dependentes da razão entre taxas
deposicionais e de acomodação (RIBEIRO, 2007).
Para Tucker (2014), uma unidade transgressiva inclui retrogradação e sucessivos
degraus movendo-se para o continente controlado pela subida do nível de base; unidade
de recobrimento estratal avançado para o continente, e afogamento para o topo, típico
de trato de sistemas transgressivos.
Já a regressão pode ser normal ou forçada. Normal quando acontece progradação
com agradação controladas pelo suprimento sedimentar, gerando recobrimento estratal
progradante no sentido da bacia com rasamento para o topo; típico de deposição de
nível alto e baixo; E forçada quando há progradação controlada pela descida do nível de
base; um pacote com recobrimento estratal progradante e em degraus sucessivamente
em níveis mais baixos; típico de tratos de sistemas do estágio final do nível alto do
estágio de descida e do nível baixo (TUCKER, 2014).
Por último a agradação ocorre quando as taxas de aporte sedimentar e de criação
de espaço de acomodação se equivalem.
9
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO
4.1. Progradação
4.1.1. Perfil geológico longitudinal
Na progradação as fáceis se tornam cada vez mais costeiras, ou seja, a linha de
costa avança para dentro da bacia caracterizando uma regressão marinha. A taxa de
deposição é maior que a taxa de acomodação. O empilhamento estratigráfico irá refletir
essa característica, sendo assim, as fáceis mais antigas serão marinhas e as mais jovens
continentais (Figura 1).
O empilhamento escolhido possui as litologias de folhelho negro, arenito com
estratificação cruzada hummocky, acamamento heterolítico do tipo wavy e
ortoconglomerado de matriz argilosa, indo respectivamente da base para o topo (Figura
2).
O folhelho negro foi classificado neste trabalho foi definido como proveniente
de ambiente marinho profundo. Segundo Suguio (2007), os folhelhos em geral derivam
de dois tipos de ambientes: marinho e água doce, de diferentes profundidades, mas
invariavelmente de águas calmas e com Eh extremamente redutor. Os folhelhos negros
são ricos em matéria orgânica de (3 a 15%) e desagregam-se em lascas finas,
semiflexíveis e altamente físseis. Eles ocorrem em muitos lugares do mundo e são de
diversas idades geológicas.
A segunda fácies é constituída pelo arenito com estratificação cruzada
hummocky que foi classificada como proveniente de ambiente marinho raso clástico.
Segundo Sgarbi (2012) tais arenitos são passíveis de ocorrerem igualmente em ambiente
de plataforma continental. É uma estrutura resultante de fluxos gravitacionais,
produzidas por uma corrente carregada de sedimentos que desce ao longo de uma praia
ou plataforma, derivada ao escoamento do setup costeiro após a corrente de turbidez
(FÁVERA, 2001).
A penúltima camada é composta pelo acamamento heterolíltico do tipo wavy
que está ligado ao ambiente transicional, sendo uma estrutura gerada pela corrente de
maré. Segundo Nichols (2009), ocorre na região intermaré, nas bordas da planície
arenosa distal, onde forma-se uma sucessão de estruturas.
10
A camada do topo é constituída do ortoconglomerado de matriz argilosa que
segundo Sgarbi (2012), ocorre em uma diversidade de ambientes continentais, sendo
principalmente no glacial, leque aluvial e fluvial entrelaçado. Este tipo de fácies
representa o produto de deposição em águas muito agitadas, sendo, portanto, rico em
estruturas hidrodinâmicas. Nesta atividade optamos por colocá-lo como uma fração
mais continental, de ambiente fluvial.
Figura 1: Perfil geológico longitudinal de regressão marinha.
Fonte: os autores.
4.1.2. Sucessão vertical das fácies
Figura 2: Sucessão vertical de fácies de regressão marinha.
Fonte: os autores.
11
4.2. Agradação
4.2.1. Perfil geológico longitudinal
A agradação representa o equilíbrio entre a regressão e a transgressão, sendo o
momento em que a taxa de deposição é igual à taxa de acomodação. Para esta atividade
optou-se pelo momento da agradação em que a regressão tem início a agradação. Dessa
forma, as fáceis mais antigas serão marinhas e as mais jovens continentais (Figura 3).
A base do empilhamento (Figura 4) é marcada pelo argilito laminado. A
laminação é formada predominantemente pela deposição por suspensão ou correntes
turbidíticas de baixa densidade que ocorrem em uma ampla variedade de litologias de
grão fino, mas especialmente em lamitos (TUCKER, 2014). Ocorre em ambientes que
vão desde o marinho raso ao profundo (SGARBI, 2012), e neste trabalho definido como
argilito laminado de ambiente marinho profundo.
Em seguida, temos a camada de calcário dolomítico. Os calcários em geral
ocorrem em diversos ambientes marinhos: marinho raso, plataforma continental e
recifes (SGARBI, 2012). Por serem calcários formados pela substituição da dolomita,
são mais comuns perto da superfície e, em alguns casos, trata-se de um efeito de
alteração (TUCKER, 2014), assim sendo, de ambiente marinho raso.
A terceira camada é o arenito com estratificação cruzada cavalgante, que foi
ligada ao ambiente transicional do tipo delta marinho, onde os arenitos podem
apresentar estratificações e laminações cavalgantes, além de outras estruturas
sedimentares. Arenitos finos com essa estratificação também podem ser relacionados a
ambientes deltaicos lacustrino. Essa estratificação ocorre quando as ondulações estão
migrando e muito sedimento está sendo depositado, especialmente em suspensão, as
marcas onduladas “cavalgam” no dorso das que estão corrente abaixo para formar a
laminação cruzada de ondulação cavalgante (TUCKER, 2014).
A última camada é composta pela brecha, que assim como os conglomerados,
são depositadas em uma variedade de ambientes (glacial, leque aluvial e fluvial
entrelaçado) (TUCKER, 2014). Sgarbi (2012) cita que ocorrem preferencialmente em
ambientes continentais como de leques aluvias, onde os sedimentos depositados variam
de cascalhos a areia mal selecionados, de angulosos e subangulosos e imaturos.
12
Figura 3: Perfil geológico longitudinal de agradação.
Fonte: os autores.
4.2.2. Sucessão vertical das fácies
Figura 4: Sucessões verticais de fácies do padrão agradacional.
Fonte: os autores.
13
4.3. Retrogradação
4.3.1. Perfil geológico longitudinal
Na retrogradação as fáceis se tornam cada vez mais marinhas, ou seja, a linha de
costa avança para dentro do continente caracterizando uma transgressão marinha
(Figura 5). A taxa de deposição é menor que a taxa de acomodação. O empilhamento
estratigráfico irá refletir essa característica, sendo assim, as fáceis mais antigas serão
mais continentais e as mais jovens mais marinhas (Figura 6).
A base é composta do arcósio que ocorre em ambientes continentais como
leques aluviais. Esses sedimentos representam produtos de fontes próximas e
intensamente soerguidas. Os sistemas fluviais (leque aluvial, fluvial entrelaçado) são
ambientes deposicionais típicos para a deposição de arcósios, especialmente se granitos
e granitos-gnaisses forem expostos na área fonte (TUCKER, 2014).
A segunda camada é composta pelo acamamento heterolíltico do tipo wavy, que
assim como na progradação é ligada ao ambiente transicional, sendo uma estrutura
gerada pela corrente de maré.
A terceira camada é composta de calcário dolomítico. Os calcários em geral
ocorrem em diversos ambientes marinhos: marinho raso, plataforma continental e
recifes (SGARBI, 2012). Por serem calcários formados pela substituição da dolomita,
são mais comuns perto da superfície e, em alguns casos, trata-se de um efeito de
alteração (TUCKER, 2014), assim sendo, de ambiente marinho raso.
Por fim, a camada do topo é o folhelho negro caracterizado anteriormente como
de marinho profundo.
14
Figura 5: Perfil geológico longitudinal de transgressão marinha.
Fonte: os autores
4.3.2. Sucessão vertical das fácies
Figura 6: Sucessão vertical de fácies de transgressão marinha.
Fonte: os autores.
15
REFERÊNCIAS
FAVERÁ, J. C. D. Fundamentos de Estratigrafia Moderna. 1ª Ed. Rio de Janeiro.
Editora da UERJ – EdUERJ, 2001. 264 p.
NICHOLS, G. Sedimentology and Stratigraphy. 2ª Ed. Reino Unido. Editora Wiley-
Blackwell, 2009. 419 p.
RIBEIRO, H. J. P. S. Estratigrafia de sequências: fundamentos e aplicações. 1ª Ed.
São Leopoldo. Editora UNISSINOS, 2007. 428 p.
SGARBI, G. N. C. Petrografia macroscópica de rochas ígneas, sedimentares e
metamórficas. 2ª Ed. Belo Horizonte. Editora da UFMG, 2012. 632 p.
SUGUIO, K. Geologia Sedimentar. 1ª Ed. São Paulo. Editora Blucher, 2003. 400 p.
TUCKER, M. E. Rochas sedimentares: guia geológico de campo. Tradução: Rualdo
Menegat. 4ª Ed. Porto Alegre. Editora Bookman, 2014. 324 p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
Luís Filipe Marinho
 
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaO tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
Ana Castro
 
Exercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Exercícios tipo exame sismologia metodos estruturaExercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Exercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Andreia Carvalho
 
Rochas sedimentares classificação biogénicas
Rochas sedimentares  classificação biogénicasRochas sedimentares  classificação biogénicas
Rochas sedimentares classificação biogénicas
Isabel Lopes
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
Hugo Martins
 
BioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferosBioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferos
Rita Rainho
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
Isabel Lopes
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
margaridabt
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
Tânia Reis
 
6 dobras e falhas
6   dobras e falhas6   dobras e falhas
6 dobras e falhas
margaridabt
 
Datação relativa
Datação relativaDatação relativa
Datação relativa
catiacsantos
 
Geologia 10º ano
Geologia 10º anoGeologia 10º ano
Geologia 10º ano
Renata Sofia
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
margaridabt
 
Rochas sedimentares - minerais e formação
Rochas sedimentares  - minerais e formaçãoRochas sedimentares  - minerais e formação
Rochas sedimentares - minerais e formação
Isabel Lopes
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
Bárbara Castanheira
 
7 vulcanologia
7   vulcanologia7   vulcanologia
7 vulcanologia
margaridabt
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
Isabel Lopes
 
Resumo 11º ano - rochas magmáticas
Resumo   11º ano - rochas magmáticasResumo   11º ano - rochas magmáticas
Resumo 11º ano - rochas magmáticas
Hugo Martins
 
BioGeo11-classificação das rochas sedimentares
BioGeo11-classificação das rochas sedimentaresBioGeo11-classificação das rochas sedimentares
BioGeo11-classificação das rochas sedimentares
Rita Rainho
 

Mais procurados (20)

Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
 
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaO tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
 
Exercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Exercícios tipo exame sismologia metodos estruturaExercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
Exercícios tipo exame sismologia metodos estrutura
 
Rochas sedimentares classificação biogénicas
Rochas sedimentares  classificação biogénicasRochas sedimentares  classificação biogénicas
Rochas sedimentares classificação biogénicas
 
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...(3) biologia e geologia   10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
(3) biologia e geologia 10º ano - compreender a estrutura e dinâmica da geo...
 
BioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferosBioGeo11-aquiferos
BioGeo11-aquiferos
 
Rochas sedimentares classificação detríticas
Rochas sedimentares  classificação detríticasRochas sedimentares  classificação detríticas
Rochas sedimentares classificação detríticas
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
6 dobras e falhas
6   dobras e falhas6   dobras e falhas
6 dobras e falhas
 
Datação relativa
Datação relativaDatação relativa
Datação relativa
 
Geologia 10º ano
Geologia 10º anoGeologia 10º ano
Geologia 10º ano
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
Rochas sedimentares - minerais e formação
Rochas sedimentares  - minerais e formaçãoRochas sedimentares  - minerais e formação
Rochas sedimentares - minerais e formação
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
 
7 vulcanologia
7   vulcanologia7   vulcanologia
7 vulcanologia
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
 
Resumo 11º ano - rochas magmáticas
Resumo   11º ano - rochas magmáticasResumo   11º ano - rochas magmáticas
Resumo 11º ano - rochas magmáticas
 
BioGeo11-classificação das rochas sedimentares
BioGeo11-classificação das rochas sedimentaresBioGeo11-classificação das rochas sedimentares
BioGeo11-classificação das rochas sedimentares
 

Semelhante a Transgressão e regressão marinha

Hidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios CársticosHidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios Cársticos
BrunoS26
 
Processos sedimentologicos em estuarios vfm
Processos sedimentologicos em estuarios vfmProcessos sedimentologicos em estuarios vfm
Processos sedimentologicos em estuarios vfm
Raísa Cardoso
 
Capitulo geologia camposgerais
Capitulo geologia camposgeraisCapitulo geologia camposgerais
Capitulo geologia camposgerais
Ana Vieira
 
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
CleberDosSantos11
 
Questões Marco Aurelio
Questões Marco AurelioQuestões Marco Aurelio
Questões Marco Aurelio
sylviasantana
 
Deltas e Estuários
Deltas e EstuáriosDeltas e Estuários
Deltas e Estuários
Girlene Virginia
 
11 hidraulica de pocos
11  hidraulica de pocos11  hidraulica de pocos
11 hidraulica de pocos
Fábio Souza
 
Banco de questões Geografia
Banco de questões GeografiaBanco de questões Geografia
Banco de questões Geografia
aroudus
 
Relevo e sociedade: movimentos de massa
Relevo e sociedade: movimentos de massa Relevo e sociedade: movimentos de massa
Relevo e sociedade: movimentos de massa
Geisa Andrade
 
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibularENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
atoanemachado2
 
Caminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdfCaminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdf
potiragomes27
 
A medida do tempo e a história da terra
A medida do tempo e a história da terraA medida do tempo e a história da terra
A medida do tempo e a história da terra
Claudia Martins
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
Catir
 
Apresentação - Dissertação de Mestrado em Antropologia e Arqueologia
Apresentação - Dissertação de Mestrado em Antropologia e ArqueologiaApresentação - Dissertação de Mestrado em Antropologia e Arqueologia
Apresentação - Dissertação de Mestrado em Antropologia e Arqueologia
Pedro Gaspar
 
Análise ambiental
Análise ambientalAnálise ambiental
Análise ambiental
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 
01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx
Teresa Cardoso
 
Geomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaGeomorfologia litorânea
Geomorfologia litorânea
Henrique Soares
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Carolina Corrêa
 
Estruturas geológicas no mundo e Brasil
 Estruturas geológicas no mundo e Brasil Estruturas geológicas no mundo e Brasil
Estruturas geológicas no mundo e Brasil
Geisa Andrade
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
Pedro Wallace
 

Semelhante a Transgressão e regressão marinha (20)

Hidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios CársticosHidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios Cársticos
 
Processos sedimentologicos em estuarios vfm
Processos sedimentologicos em estuarios vfmProcessos sedimentologicos em estuarios vfm
Processos sedimentologicos em estuarios vfm
 
Capitulo geologia camposgerais
Capitulo geologia camposgeraisCapitulo geologia camposgerais
Capitulo geologia camposgerais
 
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
1Geomorfo_Geodiversidade_PI.pdf
 
Questões Marco Aurelio
Questões Marco AurelioQuestões Marco Aurelio
Questões Marco Aurelio
 
Deltas e Estuários
Deltas e EstuáriosDeltas e Estuários
Deltas e Estuários
 
11 hidraulica de pocos
11  hidraulica de pocos11  hidraulica de pocos
11 hidraulica de pocos
 
Banco de questões Geografia
Banco de questões GeografiaBanco de questões Geografia
Banco de questões Geografia
 
Relevo e sociedade: movimentos de massa
Relevo e sociedade: movimentos de massa Relevo e sociedade: movimentos de massa
Relevo e sociedade: movimentos de massa
 
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibularENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
ENEM 500 Questões de GEOGRAFIA para vestibular
 
Caminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdfCaminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdf
 
A medida do tempo e a história da terra
A medida do tempo e a história da terraA medida do tempo e a história da terra
A medida do tempo e a história da terra
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
 
Apresentação - Dissertação de Mestrado em Antropologia e Arqueologia
Apresentação - Dissertação de Mestrado em Antropologia e ArqueologiaApresentação - Dissertação de Mestrado em Antropologia e Arqueologia
Apresentação - Dissertação de Mestrado em Antropologia e Arqueologia
 
Análise ambiental
Análise ambientalAnálise ambiental
Análise ambiental
 
01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx01 - Resumo 1.docx
01 - Resumo 1.docx
 
Geomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaGeomorfologia litorânea
Geomorfologia litorânea
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
 
Estruturas geológicas no mundo e Brasil
 Estruturas geológicas no mundo e Brasil Estruturas geológicas no mundo e Brasil
Estruturas geológicas no mundo e Brasil
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
 

Mais de Ezequias Guimaraes

VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
Ezequias Guimaraes
 
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUSMAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
Ezequias Guimaraes
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
Ezequias Guimaraes
 
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do TacutuGeologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Ezequias Guimaraes
 
Interface homem-maquina
Interface  homem-maquinaInterface  homem-maquina
Interface homem-maquina
Ezequias Guimaraes
 
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - TermoelétricasA Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
Ezequias Guimaraes
 
TV Series to improve your English
TV Series to improve your EnglishTV Series to improve your English
TV Series to improve your English
Ezequias Guimaraes
 
Movie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color PurpleMovie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color Purple
Ezequias Guimaraes
 
Political system of the USA
Political system of the USAPolitical system of the USA
Political system of the USA
Ezequias Guimaraes
 
TV Series Outlander
TV Series OutlanderTV Series Outlander
TV Series Outlander
Ezequias Guimaraes
 
Proyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudoProyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudo
Ezequias Guimaraes
 
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
Ezequias Guimaraes
 
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERAPLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
Ezequias Guimaraes
 
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
Ezequias Guimaraes
 
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
Ezequias Guimaraes
 
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINALMETODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
Ezequias Guimaraes
 
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOSCONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
Ezequias Guimaraes
 
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTOLICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
Ezequias Guimaraes
 
Vertederos Trapezoidales
Vertederos TrapezoidalesVertederos Trapezoidales
Vertederos Trapezoidales
Ezequias Guimaraes
 
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓNFundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Ezequias Guimaraes
 

Mais de Ezequias Guimaraes (20)

VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
VULNERABILIDADE NATURAL À CONTAMINAÇÃO DOS AQUÍFEROS DA SUB-BACIA DO RIO SIRI...
 
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUSMAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
MAPEAMENTO DE AQUÍFEROS NA CIDADE DE MANAUS
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
 
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do TacutuGeologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
 
Interface homem-maquina
Interface  homem-maquinaInterface  homem-maquina
Interface homem-maquina
 
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - TermoelétricasA Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
A Eletricidade e suas Aplicações - Termoelétricas
 
TV Series to improve your English
TV Series to improve your EnglishTV Series to improve your English
TV Series to improve your English
 
Movie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color PurpleMovie and Book - The Color Purple
Movie and Book - The Color Purple
 
Political system of the USA
Political system of the USAPolitical system of the USA
Political system of the USA
 
TV Series Outlander
TV Series OutlanderTV Series Outlander
TV Series Outlander
 
Proyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudoProyecto para extracción de crudo
Proyecto para extracción de crudo
 
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
BOOK - THE FOUR AGREEMENTS
 
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERAPLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
PLAN DE NEGOCIO - PLATAFORMA PETROLERA
 
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
PROYECTO DE UNA PLATAFORMA PETROLERA
 
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
PLAN MUNICIPAL DE DESARROLLO CELAYA 2012-2037
 
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINALMETODO DE REDES - IMPACTO FINAL
METODO DE REDES - IMPACTO FINAL
 
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOSCONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
CONTAMINANTES DEL SUELO - METALES PESADOS
 
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTOLICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
LICENCIA DE FUNCIONAMIENTO
 
Vertederos Trapezoidales
Vertederos TrapezoidalesVertederos Trapezoidales
Vertederos Trapezoidales
 
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓNFundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
Fundamentos de aguas residuales - ABSORCIÓN
 

Transgressão e regressão marinha

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS - IGEO DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA AMBIENTES SEDIMENTARES – GEO712 PROFESSORA: LENA SIMONE BARATA SOUZA EZEQUIAS GUIMARÃES GABRIELA CHAVES LIZANDRA ABREU TRANSGRESSÃO E REGRESSÃO MARINHA Boa Vista, RR. 2018
  • 2. EZEQUIAS GUIMARÃES GABRIELA CHAVES LIZANDRA ABREU TRANSGRESSÃO E REGRESSÃO MARINHA Atividade apresentada à disciplina Ambientes Sedimentares (GEO 712) do departamento do curso de Bacharelado em Geologia, Instituto de Geociências da Universidade Federal de Roraima ministrada pela doutora Lena Simone Barata Souza como requisito para obtenção de nota. Boa Vista, RR. 2018
  • 3. LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Perfil geológico longitudinal de regressão marinha. 10 Figura 2: Sucessão vertical de fácies de regressão marinha. 120 Figura 3: Perfil geológico longitudinal de agradação. 142 Figura 4: Sucessões verticais de fácies do padrão agradacional. 12 Figura 5: Perfil geológico longitudinal de transgressão marinha. 14 Figura 6: Perfil vertical de fácies de transgressão marinha. 14
  • 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO.....................................................................................................................5 2. OBJETIVO............................................................................................................................6 3. REFERENCIAL TEÓRICO ...............................................................................................7 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO..........................................................................................9 4.1. Progradação......................................................................................................................9 4.1.1. Perfil geológico longitudinal.....................................................................................9 4.1.2. Sucessão vertical das fácies.....................................................................................10 4.2. Agradação ......................................................................................................................11 4.2.1. Perfil geológico longitudinal...................................................................................11 4.2.2. Sucessão vertical das fácies.....................................................................................12 4.3. Retrogradação ................................................................................................................13 4.3.1. Perfil geológico longitudinal...................................................................................13 4.3.2. Sucessão vertical das fácies.....................................................................................14 REFERÊNCIAS......................................................................................................................15
  • 5. 5 1. INTRODUÇÃO Em uma das várias etapas do ciclo sedimentar, após um longo processo de transporte, os sedimentos acabam por se depositarem em áreas abauladas denominadas de bacias. Cada bacia receptora de sedimentos possui um conjunto de características individuais que forma o que se entende como ambiente sedimentar. Eles são agrupados por sua localização na crosta de acordo com suas características eminentemente continentais, de transição ou marinhas (SGARBI, 2012). Estes ambientes possuem fluxos com características físicas distintas e irão formar depósitos geneticamente relacionados, principalmente pela ação da água e do gelo. Quando ocorre o agrupamento dessas rochas sedimentares que em conjunto possuem características especificas, em termos de litologia, geometria, estruturas sedimentares, modelos de paleocorrentes e conteúdo fossilíferos, denomina-se fácies sedimentares. Os ambientes de sedimentação marinhos são os principais depósitos de sedimentos do planeta, principalmente porque oceanos e mares cobrem cerca de 70% da superfície da Terra (SUGUIO, 2003). Por conta disso, o estudo das diferentes fáceis resultantes da variação do nível do mar é importante para o melhor entendimento do processo de deposição dos sedimentos e suas implicações na dinâmica terrestre.
  • 6. 6 2. OBJETIVO Confeccionar um perfil geológico longitudinal para regressão, agradação e transgressão marinha e para cada perfil construir a sucessão vertical das fácies.
  • 7. 7 3. REFERENCIAL TEÓRICO A base para a estratigrafia de sequências remonta principalmente dos anos 60. Devido ao avanço tecnológico que possibilitou equipamentos de aquisição e processamento de dados mais sofisticados formou-se um terreno fértil para o surgimento de uma série de atividades geológicas a partir da utilização desses equipamentos, entre elas a sismoestratigrafia. Diante disso, Della Faverá (2001) conceitua estratigrafia de sequência como o tratamento estratigráfico derivado basicamente da sismoestratigrafia. Em pouco tempo as seções sísmicas tornaram-se dentro de algumas limitações, verdadeiras seções geológicas. A partir desses estudos passou-se a entender a estratigrafia de sequencias como o “[...] estudo das relações de rochas sedimentares dentro de um arcabouço cronoestratigráficos de estratos relacionados geneticamente, o qual é limitado por superfícies de erosão ou não deposição, ou por suas concordâncias relativas (RIBEIRO, 2007)”. A unidade fundamental da estratigrafia de sequências é como o próprio nome já diz, a própria sequencia. Essa sequência é a unidade delimitada por discordâncias ou concordâncias relativas, podendo ser subdivididas em tratos de sistema (definidos pela sua posição dentro da sequência) ou parassequências (unidades de menor ordem, limitadas por superfícies de inundação marinha) ou pelo conjunto dessas parassequências (DELLA FÁVERA, 2007). As sequências e suas componentes internas são interpretadas como resultado de uma interação entre taxas de eustasia, subsidências e aporte sedimentar. Dessa forma, cada sequência se forma num ciclo de variação do nível relativo do mar, sendo este independente da eustasia ou tectônica. Assim, apenas necessita da variação relativa do nível do mar em concomitância com o fluxo sedimentar e a fisiografia da bacia (DELLA FÁVERA, 2007). Apesar disso, as sequências são marcadamente condicionadas pelas oscilações eustáticas, cujas amplitudes no tempo não são constantes, denotando uma ciclicidade no registro sedimentar a muito conhecido (RIBEIRO, 2007). A partir dessa ciclicidade na variação do nível do mar foram idealizadas ciclos de tempo, caracterizados pela elevação e queda no nível do mar, construindo ciclos
  • 8. 8 transgressivo-regressivo. Estes foram os denominados superciclos que ainda comportam ciclos menores, representados pelas sequências sedimentares. Por último, ciclos menores constituem sucessões verticais que recebem denominações diversas como ciclotemas ou parassequências. Assim, um conjunto de parassequências é uma sucessão de parassequências geneticamente relacionadas que formam um padrão distinto de empilhamento, limitado, muitas vezes por uma superfície de inundação marinha de expressão maior ou suas superfícies correlatadas. Os padrões de conjuntos de parassequências são progradacionais, retrogradacionais ou agradacionais, dependentes da razão entre taxas deposicionais e de acomodação (RIBEIRO, 2007). Para Tucker (2014), uma unidade transgressiva inclui retrogradação e sucessivos degraus movendo-se para o continente controlado pela subida do nível de base; unidade de recobrimento estratal avançado para o continente, e afogamento para o topo, típico de trato de sistemas transgressivos. Já a regressão pode ser normal ou forçada. Normal quando acontece progradação com agradação controladas pelo suprimento sedimentar, gerando recobrimento estratal progradante no sentido da bacia com rasamento para o topo; típico de deposição de nível alto e baixo; E forçada quando há progradação controlada pela descida do nível de base; um pacote com recobrimento estratal progradante e em degraus sucessivamente em níveis mais baixos; típico de tratos de sistemas do estágio final do nível alto do estágio de descida e do nível baixo (TUCKER, 2014). Por último a agradação ocorre quando as taxas de aporte sedimentar e de criação de espaço de acomodação se equivalem.
  • 9. 9 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Progradação 4.1.1. Perfil geológico longitudinal Na progradação as fáceis se tornam cada vez mais costeiras, ou seja, a linha de costa avança para dentro da bacia caracterizando uma regressão marinha. A taxa de deposição é maior que a taxa de acomodação. O empilhamento estratigráfico irá refletir essa característica, sendo assim, as fáceis mais antigas serão marinhas e as mais jovens continentais (Figura 1). O empilhamento escolhido possui as litologias de folhelho negro, arenito com estratificação cruzada hummocky, acamamento heterolítico do tipo wavy e ortoconglomerado de matriz argilosa, indo respectivamente da base para o topo (Figura 2). O folhelho negro foi classificado neste trabalho foi definido como proveniente de ambiente marinho profundo. Segundo Suguio (2007), os folhelhos em geral derivam de dois tipos de ambientes: marinho e água doce, de diferentes profundidades, mas invariavelmente de águas calmas e com Eh extremamente redutor. Os folhelhos negros são ricos em matéria orgânica de (3 a 15%) e desagregam-se em lascas finas, semiflexíveis e altamente físseis. Eles ocorrem em muitos lugares do mundo e são de diversas idades geológicas. A segunda fácies é constituída pelo arenito com estratificação cruzada hummocky que foi classificada como proveniente de ambiente marinho raso clástico. Segundo Sgarbi (2012) tais arenitos são passíveis de ocorrerem igualmente em ambiente de plataforma continental. É uma estrutura resultante de fluxos gravitacionais, produzidas por uma corrente carregada de sedimentos que desce ao longo de uma praia ou plataforma, derivada ao escoamento do setup costeiro após a corrente de turbidez (FÁVERA, 2001). A penúltima camada é composta pelo acamamento heterolíltico do tipo wavy que está ligado ao ambiente transicional, sendo uma estrutura gerada pela corrente de maré. Segundo Nichols (2009), ocorre na região intermaré, nas bordas da planície arenosa distal, onde forma-se uma sucessão de estruturas.
  • 10. 10 A camada do topo é constituída do ortoconglomerado de matriz argilosa que segundo Sgarbi (2012), ocorre em uma diversidade de ambientes continentais, sendo principalmente no glacial, leque aluvial e fluvial entrelaçado. Este tipo de fácies representa o produto de deposição em águas muito agitadas, sendo, portanto, rico em estruturas hidrodinâmicas. Nesta atividade optamos por colocá-lo como uma fração mais continental, de ambiente fluvial. Figura 1: Perfil geológico longitudinal de regressão marinha. Fonte: os autores. 4.1.2. Sucessão vertical das fácies Figura 2: Sucessão vertical de fácies de regressão marinha. Fonte: os autores.
  • 11. 11 4.2. Agradação 4.2.1. Perfil geológico longitudinal A agradação representa o equilíbrio entre a regressão e a transgressão, sendo o momento em que a taxa de deposição é igual à taxa de acomodação. Para esta atividade optou-se pelo momento da agradação em que a regressão tem início a agradação. Dessa forma, as fáceis mais antigas serão marinhas e as mais jovens continentais (Figura 3). A base do empilhamento (Figura 4) é marcada pelo argilito laminado. A laminação é formada predominantemente pela deposição por suspensão ou correntes turbidíticas de baixa densidade que ocorrem em uma ampla variedade de litologias de grão fino, mas especialmente em lamitos (TUCKER, 2014). Ocorre em ambientes que vão desde o marinho raso ao profundo (SGARBI, 2012), e neste trabalho definido como argilito laminado de ambiente marinho profundo. Em seguida, temos a camada de calcário dolomítico. Os calcários em geral ocorrem em diversos ambientes marinhos: marinho raso, plataforma continental e recifes (SGARBI, 2012). Por serem calcários formados pela substituição da dolomita, são mais comuns perto da superfície e, em alguns casos, trata-se de um efeito de alteração (TUCKER, 2014), assim sendo, de ambiente marinho raso. A terceira camada é o arenito com estratificação cruzada cavalgante, que foi ligada ao ambiente transicional do tipo delta marinho, onde os arenitos podem apresentar estratificações e laminações cavalgantes, além de outras estruturas sedimentares. Arenitos finos com essa estratificação também podem ser relacionados a ambientes deltaicos lacustrino. Essa estratificação ocorre quando as ondulações estão migrando e muito sedimento está sendo depositado, especialmente em suspensão, as marcas onduladas “cavalgam” no dorso das que estão corrente abaixo para formar a laminação cruzada de ondulação cavalgante (TUCKER, 2014). A última camada é composta pela brecha, que assim como os conglomerados, são depositadas em uma variedade de ambientes (glacial, leque aluvial e fluvial entrelaçado) (TUCKER, 2014). Sgarbi (2012) cita que ocorrem preferencialmente em ambientes continentais como de leques aluvias, onde os sedimentos depositados variam de cascalhos a areia mal selecionados, de angulosos e subangulosos e imaturos.
  • 12. 12 Figura 3: Perfil geológico longitudinal de agradação. Fonte: os autores. 4.2.2. Sucessão vertical das fácies Figura 4: Sucessões verticais de fácies do padrão agradacional. Fonte: os autores.
  • 13. 13 4.3. Retrogradação 4.3.1. Perfil geológico longitudinal Na retrogradação as fáceis se tornam cada vez mais marinhas, ou seja, a linha de costa avança para dentro do continente caracterizando uma transgressão marinha (Figura 5). A taxa de deposição é menor que a taxa de acomodação. O empilhamento estratigráfico irá refletir essa característica, sendo assim, as fáceis mais antigas serão mais continentais e as mais jovens mais marinhas (Figura 6). A base é composta do arcósio que ocorre em ambientes continentais como leques aluviais. Esses sedimentos representam produtos de fontes próximas e intensamente soerguidas. Os sistemas fluviais (leque aluvial, fluvial entrelaçado) são ambientes deposicionais típicos para a deposição de arcósios, especialmente se granitos e granitos-gnaisses forem expostos na área fonte (TUCKER, 2014). A segunda camada é composta pelo acamamento heterolíltico do tipo wavy, que assim como na progradação é ligada ao ambiente transicional, sendo uma estrutura gerada pela corrente de maré. A terceira camada é composta de calcário dolomítico. Os calcários em geral ocorrem em diversos ambientes marinhos: marinho raso, plataforma continental e recifes (SGARBI, 2012). Por serem calcários formados pela substituição da dolomita, são mais comuns perto da superfície e, em alguns casos, trata-se de um efeito de alteração (TUCKER, 2014), assim sendo, de ambiente marinho raso. Por fim, a camada do topo é o folhelho negro caracterizado anteriormente como de marinho profundo.
  • 14. 14 Figura 5: Perfil geológico longitudinal de transgressão marinha. Fonte: os autores 4.3.2. Sucessão vertical das fácies Figura 6: Sucessão vertical de fácies de transgressão marinha. Fonte: os autores.
  • 15. 15 REFERÊNCIAS FAVERÁ, J. C. D. Fundamentos de Estratigrafia Moderna. 1ª Ed. Rio de Janeiro. Editora da UERJ – EdUERJ, 2001. 264 p. NICHOLS, G. Sedimentology and Stratigraphy. 2ª Ed. Reino Unido. Editora Wiley- Blackwell, 2009. 419 p. RIBEIRO, H. J. P. S. Estratigrafia de sequências: fundamentos e aplicações. 1ª Ed. São Leopoldo. Editora UNISSINOS, 2007. 428 p. SGARBI, G. N. C. Petrografia macroscópica de rochas ígneas, sedimentares e metamórficas. 2ª Ed. Belo Horizonte. Editora da UFMG, 2012. 632 p. SUGUIO, K. Geologia Sedimentar. 1ª Ed. São Paulo. Editora Blucher, 2003. 400 p. TUCKER, M. E. Rochas sedimentares: guia geológico de campo. Tradução: Rualdo Menegat. 4ª Ed. Porto Alegre. Editora Bookman, 2014. 324 p.