SlideShare uma empresa Scribd logo
Seminario Quimica Organica




Tema:Tintas




                             Alunos: Gabriel
                                    Juliana
                                    Mariana
Tintas

          Tinta é uma composição líquida, geralmente viscosa, constituída de um ou mais
pigmentos dispersos em um aglomerante líquido que, ao sofrer um processo de cura quando
estendida em película fina, forma um filme opaco e aderente ao substrato. Inicia-se uma reação
físico-química de seus compostos com os da base durante a cura da tinta. Além de
características básicas da proteção e sua estética acompanha-se o surgimento de tintas com
funções condutoras, isolantes, fluorescentes, magnéticas .




Esse filme tem a finalidade de proteger e embelezar as superfícies. Seus principais
componentes são:
Resinas
As resinas são formadoras da película da tinta e são responsáveis pela maioria das
características físicas e químicas desta, pois determinam o brilho, a resistência química
e física, a secagem, a aderência, e outras

A resina é a principal matéria prima da tinta,
responsável pelas características básicas das
tintas:
• Aplicabilidade
• Secagem e cura
• Durabilidade
• Adesão
• Resistências químicas
• Resistências a Abrasão/Riscos
• Flexibilidade e dureza
Pigmento
Os pigmentos são substâncias insolúveis no meio em que são
utilizados (orgânico
ou aquoso) e têm como finalidades principais conferir cor ou
cobertura às tintas. (da cor a tintas)
Aditivo
Existe uma variedade enorme de aditivos usados na indústria de tintas e
vernizes, a saber aumento da proteção anticorrosiva, bloqueadores dos
raios UV, catalisadores de reações, dispersantes e umectantes de
pigmentos e cargas, melhoria de nivelamento, preservantes e
antiespumantes.
Solvente
São compostos (orgânicos ou água) responsáveis pelo aspecto líquido da tinta com
uma determinada viscosidade. Após a aplicação da tinta, o solvente evapora deixando
uma camada de filme seco sobre o substrato.
Consumo de tintas no Brasil
Tipos de Tintas

Tintas Imobiliárias: destinadas à construçao civil. São subdivididas em produtos aquosos
(latex) e produtos à base de solvente orgânico (tintas a óleo e esmaltes sintéticos)
Tintas Industriais do tipo (Original Equipment Manufacture): tintas e complements
utilizados como materias-OEM primas no processo industrial; incluem fundos (primers)
eletroflureticos, fundos (primers) base solvente, esmalte, acabamento, tintas em pó.
Tintas Especiais: outros tipos de tintas como tintas e complementos para repintura
automotiva, tintas para demarcação de tráfego, manutenção industrial, tintas maritimas e
tintas para madeira.

Tintas maritimas evita a corrosao e o melhor processo de impedir é revestir material de
ferro com uma camada protetora que evite seu contato com oxigenio e a agua.Isso pode
ser feito aplicando uma camada de polimero a base de solvente organico

Propriedade de Resistência química (proteção contra corrosão)
Propriedades de superficies
 • Resistência a radiações energéticas
 influem diretamente no comportamento das
 pinturas são:


           é a propriedade dos materiais de não sofrerem
           deterioração ou decomposição quando expostos as
           radiações energéticas, em especial às radiações
           provenientes do sol, como a luz ultravioleta

           Propriedade deResistência à radiação solar (leia o
           trabalho de propriedades)
Reatividade química
      é a capacidade do material de combinar com
      agentes químicos ambientais.Os materiais de
      alvenaria são porosos, absorvem e podem
      reter água, desenvolver e abrigar fungos e
      possuem comportamento alcalino.Os metais,
      basicamente as ligas ferrosas, são altamente
      sensíveis à corrosão quando em contato
      com a umidade, o oxigênio e os elementos
      poluentes.


       Propriedades Antibactericidas (Evita a
      formação de populações de microorganismos
      na sua superfície ( leia o trabalho sobre
      propriedades de superficies)
TIPOS DE POLIÁCIDOS:
Anidrido Ftálico       Anidrido Isoftálico     Anidrido Maleico

    Matérias Primas e Reações

As materias-primas mais comuns nas resinas alquilicas sao os oleos vegetais, os poliois e os
poliacidos. As reações entre os ácidos e álcoois nos fornecem uma estrutura poliéster que em
seguida é reagida com ácidos graxos ou óleos.


Poliacidos
                                                                    Anidrido Maleico
Anidrido Ftálico                             Anidrido Isoftálico
TIPOS DE POLIALCOOIS




       Glicerina                             Trimetilol Propano




            Os óleos são classificados em três categorias
            principais: secativos, semi-secativos e não
            secativos
Características                     física-químicas
As caracteristicas fisica-quimicas é influenciada porque é o componente
responsavel pela aglomeraçao de pigmentos que forma a tinta.

           Este é o componente responsável pela aglomeração
           (ligação) das partículas de pigmentos e também pela
           formação da película de tinta. De maneira direta,
           influencia nas propriedades físico-químicas das tintas,
           isto é, a resistência da tinta depende do tipo de
           aglomerante (resina) usado na fabricação



                propriedades físico-químicas da tinta
                dependem do tipo de resina empregada na
                composição da tinta
Polímeros
Esses compostos orgânicos, quimicamente baseados no
carbono, no hidrogênio e em outros elementos não
metálicos (como o O, N, e Si), apresentam algumas
vantagens sobre outros materiais. Eles têm peso
reduzido, fácil transporte e instalação, resistência a
agentes corrosivos, flexibilidade e são atóxicos.
Relação com o Engenheiro Ambiental

A seguir são apontados os principais impactos ambientais que podem resultar de
atividades das empresas do setor de tintas e vernizes, bem como as
relações de causa e efeito entre os processos produtivos e o meio ambiente.

Energia No segmento de tintas e vernizes utiliza-se energia elétrica em instalações e
maquinários para dispersão, mistura, moagem e enlatamento.
Algumas instalações podem empregar óleo combustível, óleo diesel ou gás natural
para geração de calor. Nestes casos o controle de eficiência de queima deve ser feito de
modo a minimizar as emissões de monóxido de carbono, óxidos de enxofre e materiais
particulados para a atmosfera. Para operação e manutenção dessas instalações, também
existe geração de resíduos, tais como, borras oleosas, estopas sujas, embalagens de
combustível, entre outros.

Água- A água é o recurso mais empregado no setor e é usada para diversos fins. Uma parcela
pode ser incorporada ao produto, outra é empregada mas operacoes de limpeza e lavagem de
maquinas, equipamentos e instalações industriais, além do uso na área de utilidades e
manutenção.
O uso descontrolado deste insumo pode levar à crescente degradação das reservas,
apontando para a necessidade urgente de adoção de uma política racional de consumo.
Outras matérias-primas A variedade e quantidade de matérias-primas e produtos auxiliares
empregados no setor de tintas e vernizes é extremamente grande. Exemplos são:
• Resinas
• Pigmentos e cargas
• Solventes
• Aditivos
Várias destas matérias-primas possuem propriedades tóxicas, irritantes e corrosivas o que
torna essencial o conhecimento de seus efeitos potenciais sobre a saúde humana e meio
ambiente, assim como sobre os procedimentos emergenciais em caso de derramamentos
acidentais, contaminações e intoxicações.
Tais informações são obtidas nas Fichas de Informação de Segurança de Produto
Químico ( FISPQ ) e são essenciais para determinar quais equipamentos de proteção
individual ( EPI ) ou coletiva ( EPC ) deverão ser adotados em todos os procedimentos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tintas e Vernizes
Tintas e VernizesTintas e Vernizes
Tintas e Vernizes
MARCOSBESPALOFFJUNIO
 
Aula 18 pinturas
Aula 18   pinturasAula 18   pinturas
Aula 18 pinturas
Milton Moutinho
 
Processos industriais tintas[1]
Processos industriais   tintas[1]Processos industriais   tintas[1]
Processos industriais tintas[1]
Luan Nunes Ribeiro
 
Patologias na construção
Patologias na construçãoPatologias na construção
Patologias na construção
elitimothy30
 
Manual técnico de pintura
Manual técnico de pinturaManual técnico de pintura
Manual técnico de pintura
fabrabo
 
Revestimentos
RevestimentosRevestimentos
Revestimentos
Sofia Medeiros
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
David Grubba
 
Tintas
TintasTintas
Aula 7 argamassas
Aula 7   argamassasAula 7   argamassas
Aula 7 argamassas
profNICODEMOS
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
wendellnml
 
Nbr 13281 2005
Nbr 13281 2005Nbr 13281 2005
Nbr 13281 2005
Marta Tessaro
 
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizes
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizesQuimica coloidal na industria de tintas e vernizes
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizes
AdaLberto Janeiro
 
Fibra de carbono
Fibra de carbonoFibra de carbono
Fibra de carbono
Newton Munhoz
 
Revestimento cerâmico
Revestimento cerâmicoRevestimento cerâmico
Revestimento cerâmico
Ana Anicio
 
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologiasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
argamassasantarita
 
O linho
O linhoO linho
O linho
Leda Saboia
 
Concreto: Execução
Concreto: ExecuçãoConcreto: Execução
Concreto: Execução
David Grubba
 
Materiais de construções
Materiais de construçõesMateriais de construções
Materiais de construções
charlessousa192
 
Aula sobre Agregados (1).pptx
Aula sobre Agregados (1).pptxAula sobre Agregados (1).pptx
Aula sobre Agregados (1).pptx
WanessaMorais8
 
agregados
agregados agregados
agregados
Paulo Cabral
 

Mais procurados (20)

Tintas e Vernizes
Tintas e VernizesTintas e Vernizes
Tintas e Vernizes
 
Aula 18 pinturas
Aula 18   pinturasAula 18   pinturas
Aula 18 pinturas
 
Processos industriais tintas[1]
Processos industriais   tintas[1]Processos industriais   tintas[1]
Processos industriais tintas[1]
 
Patologias na construção
Patologias na construçãoPatologias na construção
Patologias na construção
 
Manual técnico de pintura
Manual técnico de pinturaManual técnico de pintura
Manual técnico de pintura
 
Revestimentos
RevestimentosRevestimentos
Revestimentos
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
 
Tintas
TintasTintas
Tintas
 
Aula 7 argamassas
Aula 7   argamassasAula 7   argamassas
Aula 7 argamassas
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
 
Nbr 13281 2005
Nbr 13281 2005Nbr 13281 2005
Nbr 13281 2005
 
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizes
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizesQuimica coloidal na industria de tintas e vernizes
Quimica coloidal na industria de tintas e vernizes
 
Fibra de carbono
Fibra de carbonoFibra de carbono
Fibra de carbono
 
Revestimento cerâmico
Revestimento cerâmicoRevestimento cerâmico
Revestimento cerâmico
 
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologiasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
 
O linho
O linhoO linho
O linho
 
Concreto: Execução
Concreto: ExecuçãoConcreto: Execução
Concreto: Execução
 
Materiais de construções
Materiais de construçõesMateriais de construções
Materiais de construções
 
Aula sobre Agregados (1).pptx
Aula sobre Agregados (1).pptxAula sobre Agregados (1).pptx
Aula sobre Agregados (1).pptx
 
agregados
agregados agregados
agregados
 

Semelhante a Tintas

Tintas 3 seminario
Tintas 3 seminarioTintas 3 seminario
Tintas 3 seminario
marianax3
 
Tintas 3
Tintas 3Tintas 3
Tintas 3
marianax3
 
Tintas 2
Tintas 2Tintas 2
Tintas 2
marianax3
 
Tintas e Vernizes
Tintas e Vernizes Tintas e Vernizes
Tintas e Vernizes
milenabsc
 
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdfLecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Carolina Direito
 
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Borrachas
 
Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
Borrachas
 
Modulo 3 - Matérias Primas e Formulações
Modulo 3  - Matérias Primas e FormulaçõesModulo 3  - Matérias Primas e Formulações
Modulo 3 - Matérias Primas e Formulações
Roberto Caforio
 
Química tele aula polímeros
Química tele aula polímerosQuímica tele aula polímeros
Química tele aula polímeros
Guido Beck
 
Modulo 2 química e formulações
Modulo 2   química e formulaçõesModulo 2   química e formulações
Modulo 2 química e formulações
Roberto Caforio
 
Tinta látex
Tinta látexTinta látex
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
Roberto Caforio
 
Aminas, Amida e Nitrocompostsos
Aminas, Amida e NitrocompostsosAminas, Amida e Nitrocompostsos
Aminas, Amida e Nitrocompostsos
João Brandão
 
Apresentação TCC 28-05-2022.pdf
Apresentação TCC 28-05-2022.pdfApresentação TCC 28-05-2022.pdf
Apresentação TCC 28-05-2022.pdf
andersonrodrigues354
 
Polímeros Sintéticos
Polímeros SintéticosPolímeros Sintéticos
Farmacotecnica 02
Farmacotecnica 02Farmacotecnica 02
Farmacotecnica 02
José Everton M Jr.
 
Tintas e Madeiras.pptx
Tintas e Madeiras.pptxTintas e Madeiras.pptx
Tintas e Madeiras.pptx
GiovannaFerreira84
 
Questões dayvid
Questões dayvidQuestões dayvid
Inf lubrificantes
Inf lubrificantesInf lubrificantes
Inf lubrificantes
Luis Gaspar
 
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdfFluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
CarlosEduardoRambald1
 

Semelhante a Tintas (20)

Tintas 3 seminario
Tintas 3 seminarioTintas 3 seminario
Tintas 3 seminario
 
Tintas 3
Tintas 3Tintas 3
Tintas 3
 
Tintas 2
Tintas 2Tintas 2
Tintas 2
 
Tintas e Vernizes
Tintas e Vernizes Tintas e Vernizes
Tintas e Vernizes
 
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdfLecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
Lecture_week 4 Aditivos em Polimeros.pdf
 
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
Auxiliares no processamento da borracha - Parte 1
 
Polietileno
PolietilenoPolietileno
Polietileno
 
Modulo 3 - Matérias Primas e Formulações
Modulo 3  - Matérias Primas e FormulaçõesModulo 3  - Matérias Primas e Formulações
Modulo 3 - Matérias Primas e Formulações
 
Química tele aula polímeros
Química tele aula polímerosQuímica tele aula polímeros
Química tele aula polímeros
 
Modulo 2 química e formulações
Modulo 2   química e formulaçõesModulo 2   química e formulações
Modulo 2 química e formulações
 
Tinta látex
Tinta látexTinta látex
Tinta látex
 
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
CURSO BÁSICO RADTECH - MÓDULO 3
 
Aminas, Amida e Nitrocompostsos
Aminas, Amida e NitrocompostsosAminas, Amida e Nitrocompostsos
Aminas, Amida e Nitrocompostsos
 
Apresentação TCC 28-05-2022.pdf
Apresentação TCC 28-05-2022.pdfApresentação TCC 28-05-2022.pdf
Apresentação TCC 28-05-2022.pdf
 
Polímeros Sintéticos
Polímeros SintéticosPolímeros Sintéticos
Polímeros Sintéticos
 
Farmacotecnica 02
Farmacotecnica 02Farmacotecnica 02
Farmacotecnica 02
 
Tintas e Madeiras.pptx
Tintas e Madeiras.pptxTintas e Madeiras.pptx
Tintas e Madeiras.pptx
 
Questões dayvid
Questões dayvidQuestões dayvid
Questões dayvid
 
Inf lubrificantes
Inf lubrificantesInf lubrificantes
Inf lubrificantes
 
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdfFluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
Fluidos de Perfuração - 1 - Beatriz, Felipe, Mariana, Victoria.pdf
 

Mais de marianax3

Estrutura e desenvolvimento de comunidades
Estrutura e desenvolvimento de comunidadesEstrutura e desenvolvimento de comunidades
Estrutura e desenvolvimento de comunidades
marianax3
 
Interações ecológicas1 engamb 1 (1)
Interações ecológicas1 engamb 1 (1)Interações ecológicas1 engamb 1 (1)
Interações ecológicas1 engamb 1 (1)
marianax3
 
Mutualismos
MutualismosMutualismos
Mutualismos
marianax3
 
Probabilidade
ProbabilidadeProbabilidade
Probabilidade
marianax3
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
marianax3
 
População engamb
População engambPopulação engamb
População engamb
marianax3
 
Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1
marianax3
 
Biogeografia histórica e ecológica1 1
Biogeografia histórica e ecológica1 1Biogeografia histórica e ecológica1 1
Biogeografia histórica e ecológica1 1
marianax3
 
Ambiente fisico e distribuição
Ambiente fisico e distribuiçãoAmbiente fisico e distribuição
Ambiente fisico e distribuição
marianax3
 
Aula2 estatística descritiva
Aula2 estatística descritivaAula2 estatística descritiva
Aula2 estatística descritiva
marianax3
 
Atividade1
Atividade1Atividade1
Atividade1
marianax3
 
Ecossistemas engamb1 (1)
Ecossistemas  engamb1 (1)Ecossistemas  engamb1 (1)
Ecossistemas engamb1 (1)
marianax3
 
Comunidades e padrões de riqueza
Comunidades e padrões de riquezaComunidades e padrões de riqueza
Comunidades e padrões de riqueza
marianax3
 
Biologia da conservação1
Biologia da conservação1Biologia da conservação1
Biologia da conservação1
marianax3
 
Estrutura e desenvolvimento de comunidades (1)
Estrutura e desenvolvimento de comunidades (1)Estrutura e desenvolvimento de comunidades (1)
Estrutura e desenvolvimento de comunidades (1)
marianax3
 
Mutualismos
MutualismosMutualismos
Mutualismos
marianax3
 
Mutualismo engamb
Mutualismo engambMutualismo engamb
Mutualismo engamb
marianax3
 
Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1
marianax3
 
2
22
-
--

Mais de marianax3 (20)

Estrutura e desenvolvimento de comunidades
Estrutura e desenvolvimento de comunidadesEstrutura e desenvolvimento de comunidades
Estrutura e desenvolvimento de comunidades
 
Interações ecológicas1 engamb 1 (1)
Interações ecológicas1 engamb 1 (1)Interações ecológicas1 engamb 1 (1)
Interações ecológicas1 engamb 1 (1)
 
Mutualismos
MutualismosMutualismos
Mutualismos
 
Probabilidade
ProbabilidadeProbabilidade
Probabilidade
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
População engamb
População engambPopulação engamb
População engamb
 
Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1
 
Biogeografia histórica e ecológica1 1
Biogeografia histórica e ecológica1 1Biogeografia histórica e ecológica1 1
Biogeografia histórica e ecológica1 1
 
Ambiente fisico e distribuição
Ambiente fisico e distribuiçãoAmbiente fisico e distribuição
Ambiente fisico e distribuição
 
Aula2 estatística descritiva
Aula2 estatística descritivaAula2 estatística descritiva
Aula2 estatística descritiva
 
Atividade1
Atividade1Atividade1
Atividade1
 
Ecossistemas engamb1 (1)
Ecossistemas  engamb1 (1)Ecossistemas  engamb1 (1)
Ecossistemas engamb1 (1)
 
Comunidades e padrões de riqueza
Comunidades e padrões de riquezaComunidades e padrões de riqueza
Comunidades e padrões de riqueza
 
Biologia da conservação1
Biologia da conservação1Biologia da conservação1
Biologia da conservação1
 
Estrutura e desenvolvimento de comunidades (1)
Estrutura e desenvolvimento de comunidades (1)Estrutura e desenvolvimento de comunidades (1)
Estrutura e desenvolvimento de comunidades (1)
 
Mutualismos
MutualismosMutualismos
Mutualismos
 
Mutualismo engamb
Mutualismo engambMutualismo engamb
Mutualismo engamb
 
Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1Interações ecológicas1 engamb 1
Interações ecológicas1 engamb 1
 
2
22
2
 
-
--
-
 

Tintas

  • 1. Seminario Quimica Organica Tema:Tintas Alunos: Gabriel Juliana Mariana
  • 2. Tintas Tinta é uma composição líquida, geralmente viscosa, constituída de um ou mais pigmentos dispersos em um aglomerante líquido que, ao sofrer um processo de cura quando estendida em película fina, forma um filme opaco e aderente ao substrato. Inicia-se uma reação físico-química de seus compostos com os da base durante a cura da tinta. Além de características básicas da proteção e sua estética acompanha-se o surgimento de tintas com funções condutoras, isolantes, fluorescentes, magnéticas . Esse filme tem a finalidade de proteger e embelezar as superfícies. Seus principais componentes são:
  • 3. Resinas As resinas são formadoras da película da tinta e são responsáveis pela maioria das características físicas e químicas desta, pois determinam o brilho, a resistência química e física, a secagem, a aderência, e outras A resina é a principal matéria prima da tinta, responsável pelas características básicas das tintas: • Aplicabilidade • Secagem e cura • Durabilidade • Adesão • Resistências químicas • Resistências a Abrasão/Riscos • Flexibilidade e dureza
  • 4. Pigmento Os pigmentos são substâncias insolúveis no meio em que são utilizados (orgânico ou aquoso) e têm como finalidades principais conferir cor ou cobertura às tintas. (da cor a tintas)
  • 5. Aditivo Existe uma variedade enorme de aditivos usados na indústria de tintas e vernizes, a saber aumento da proteção anticorrosiva, bloqueadores dos raios UV, catalisadores de reações, dispersantes e umectantes de pigmentos e cargas, melhoria de nivelamento, preservantes e antiespumantes.
  • 6. Solvente São compostos (orgânicos ou água) responsáveis pelo aspecto líquido da tinta com uma determinada viscosidade. Após a aplicação da tinta, o solvente evapora deixando uma camada de filme seco sobre o substrato.
  • 7. Consumo de tintas no Brasil
  • 8. Tipos de Tintas Tintas Imobiliárias: destinadas à construçao civil. São subdivididas em produtos aquosos (latex) e produtos à base de solvente orgânico (tintas a óleo e esmaltes sintéticos)
  • 9. Tintas Industriais do tipo (Original Equipment Manufacture): tintas e complements utilizados como materias-OEM primas no processo industrial; incluem fundos (primers) eletroflureticos, fundos (primers) base solvente, esmalte, acabamento, tintas em pó.
  • 10. Tintas Especiais: outros tipos de tintas como tintas e complementos para repintura automotiva, tintas para demarcação de tráfego, manutenção industrial, tintas maritimas e tintas para madeira. Tintas maritimas evita a corrosao e o melhor processo de impedir é revestir material de ferro com uma camada protetora que evite seu contato com oxigenio e a agua.Isso pode ser feito aplicando uma camada de polimero a base de solvente organico Propriedade de Resistência química (proteção contra corrosão)
  • 11. Propriedades de superficies • Resistência a radiações energéticas influem diretamente no comportamento das pinturas são: é a propriedade dos materiais de não sofrerem deterioração ou decomposição quando expostos as radiações energéticas, em especial às radiações provenientes do sol, como a luz ultravioleta Propriedade deResistência à radiação solar (leia o trabalho de propriedades)
  • 12. Reatividade química é a capacidade do material de combinar com agentes químicos ambientais.Os materiais de alvenaria são porosos, absorvem e podem reter água, desenvolver e abrigar fungos e possuem comportamento alcalino.Os metais, basicamente as ligas ferrosas, são altamente sensíveis à corrosão quando em contato com a umidade, o oxigênio e os elementos poluentes. Propriedades Antibactericidas (Evita a formação de populações de microorganismos na sua superfície ( leia o trabalho sobre propriedades de superficies)
  • 13. TIPOS DE POLIÁCIDOS: Anidrido Ftálico Anidrido Isoftálico Anidrido Maleico Matérias Primas e Reações As materias-primas mais comuns nas resinas alquilicas sao os oleos vegetais, os poliois e os poliacidos. As reações entre os ácidos e álcoois nos fornecem uma estrutura poliéster que em seguida é reagida com ácidos graxos ou óleos. Poliacidos Anidrido Maleico Anidrido Ftálico Anidrido Isoftálico
  • 14. TIPOS DE POLIALCOOIS Glicerina Trimetilol Propano Os óleos são classificados em três categorias principais: secativos, semi-secativos e não secativos
  • 15. Características física-químicas As caracteristicas fisica-quimicas é influenciada porque é o componente responsavel pela aglomeraçao de pigmentos que forma a tinta. Este é o componente responsável pela aglomeração (ligação) das partículas de pigmentos e também pela formação da película de tinta. De maneira direta, influencia nas propriedades físico-químicas das tintas, isto é, a resistência da tinta depende do tipo de aglomerante (resina) usado na fabricação propriedades físico-químicas da tinta dependem do tipo de resina empregada na composição da tinta
  • 16. Polímeros Esses compostos orgânicos, quimicamente baseados no carbono, no hidrogênio e em outros elementos não metálicos (como o O, N, e Si), apresentam algumas vantagens sobre outros materiais. Eles têm peso reduzido, fácil transporte e instalação, resistência a agentes corrosivos, flexibilidade e são atóxicos.
  • 17. Relação com o Engenheiro Ambiental A seguir são apontados os principais impactos ambientais que podem resultar de atividades das empresas do setor de tintas e vernizes, bem como as relações de causa e efeito entre os processos produtivos e o meio ambiente. Energia No segmento de tintas e vernizes utiliza-se energia elétrica em instalações e maquinários para dispersão, mistura, moagem e enlatamento. Algumas instalações podem empregar óleo combustível, óleo diesel ou gás natural para geração de calor. Nestes casos o controle de eficiência de queima deve ser feito de modo a minimizar as emissões de monóxido de carbono, óxidos de enxofre e materiais particulados para a atmosfera. Para operação e manutenção dessas instalações, também existe geração de resíduos, tais como, borras oleosas, estopas sujas, embalagens de combustível, entre outros. Água- A água é o recurso mais empregado no setor e é usada para diversos fins. Uma parcela pode ser incorporada ao produto, outra é empregada mas operacoes de limpeza e lavagem de maquinas, equipamentos e instalações industriais, além do uso na área de utilidades e manutenção. O uso descontrolado deste insumo pode levar à crescente degradação das reservas, apontando para a necessidade urgente de adoção de uma política racional de consumo.
  • 18. Outras matérias-primas A variedade e quantidade de matérias-primas e produtos auxiliares empregados no setor de tintas e vernizes é extremamente grande. Exemplos são: • Resinas • Pigmentos e cargas • Solventes • Aditivos Várias destas matérias-primas possuem propriedades tóxicas, irritantes e corrosivas o que torna essencial o conhecimento de seus efeitos potenciais sobre a saúde humana e meio ambiente, assim como sobre os procedimentos emergenciais em caso de derramamentos acidentais, contaminações e intoxicações. Tais informações são obtidas nas Fichas de Informação de Segurança de Produto Químico ( FISPQ ) e são essenciais para determinar quais equipamentos de proteção individual ( EPI ) ou coletiva ( EPC ) deverão ser adotados em todos os procedimentos.