Os recursos do subsolo Apresentação

22.345 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.345
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.801
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
209
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os recursos do subsolo Apresentação

  1. 1. Os Recursos do Subsolo Recursos minerais Indústria Extractiva © VICTOR VEIGA 2012
  2. 2. Os Recursos Minerais • A distribuição dos recursos minerais e a localização geográfica das áreas onde é feita a sua exploração está directamente relacionada com a estrutura geomorfológica do território nacional. © VICTOR VEIGA 2012
  3. 3. As Unidades Geomorfológicas / morfoestruturais de Portugal © VICTOR VEIGA 2012
  4. 4. As Unidades Geomorfológicas / morfoestruturais de Portugal • Maciço Antigo é a unidade geomorfológica mais antiga e também aquela que abrange uma maior área, correspondendo a cerca de 70% do território nacional. © VICTOR VEIGA 2012
  5. 5. As Unidades Geomorfológicas / morfoestruturais de Portugal © VICTOR VEIGA 2012
  6. 6. As Unidades Geomorfológicas / morfoestruturais de Portugal • As Orlas Sedimentares ou • mesocenozóicas correspondem a antigas áreas deprimidas, nas quais se foram acumulando numerosos sedimentos provenientes do desgaste ocorrido por todo o Maciço Antigo. As principais jazidas nesta unidade geomorfológica dizem respeito ao sector das rochas industriais. © VICTOR VEIGA 2012
  7. 7. Estrutura das Orlas © VICTOR VEIGA 2012
  8. 8. As Unidades Geomorfológicas / morfoestruturais de Portugal • As Bacias de sedimentação do Tejo e do Sado correspondem à unidade geomorfológica de formação mais recente, pois apenas teve lugar durante as Eras Terciária e Quaternária, em resultado da deposição de sedimentos marinhos - fluviais, em áreas deprimidas e de fundo oceânico, mas que acabaram por emergir, dando origem às actuais planícies do Tejo e do Sado. • Nesta área predominam as rochas sedimentares, como as areias, o cascalho, as argilas e o calcário. Rochas Industriais. 2012 © VICTOR VEIGA
  9. 9. As Unidades Geomorfológicas / morfoestruturais de Portugal © VICTOR VEIGA 2012
  10. 10. As Unidades Geomorfológicas / morfoestruturais de Portugal • Nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira a constituição geológica, de origem vulcânica, determina a reduzida diversidade de recursos minerais. • Deste modo, nos Açores explora-se sobretudo basalto, pedra-pomes e argilas. Na Madeira extraem-se principalmente areias e basalto. © VICTOR VEIGA 2012
  11. 11. © VICTOR VEIGA 2012
  12. 12. A Indústria Extractiva • Portugal é relativamente rico no que respeita à quantidade e diversidade dos recursos minerais. • Nomeadamente as rochas industriais e ornamentais e de águas minerais e de nascente. © VICTOR VEIGA 2012
  13. 13. A Indústria Extractiva – é… • A actividade económica que corresponde à exploração de recursos directamente da Natureza, ou seja, no seu estado bruto. © VICTOR VEIGA 2012
  14. 14. A Indústria Extractiva • A partir do ano 2003, a evolução foi globalmente positiva, o que se confirma pelo acréscimo do valor da produção entre 2004 e 2005, que foi da ordem dos 13%. © VICTOR VEIGA 2012
  15. 15. A Indústria Extractiva © VICTOR VEIGA 2012
  16. 16. A Indústria Extractiva © VICTOR VEIGA 2012
  17. 17. O Aumento do valor da produção da Indústria extractiva… • O aumento verificado justifica-se essencialmente pelo acréscimo da procura ocorrido nos subsectores dos minérios metálicos e das águas minerais e de nascente . • Nos minérios metálicos- deveu-se à subida das cotações dos metais, especialmente do cobre e volfrâmio. • As águas minerais e de nascente., deveu-se ao contínuo aumento do engarrafamento das águas, representando um volume de produção de 1037 milhões de litros, © VICTOR VEIGA correspondendo a 233 milhões de euros . 2012
  18. 18. Evolução do comércio externo na Indústria extractiva, 2001/2005 • A partir de 2002, tem havido uma tendência no sentido de o saldo do comércio externo do sector se aproxi­mar de valores positivos, tendo sido a taxa de cobertura em 2005 de 101%. © VICTOR VEIGA 2012
  19. 19. PANASQUEIRA © VICTOR VEIGA 2012

×