SlideShare uma empresa Scribd logo
Sistema Excretor
Excretas
Produto indesejável do
metabolismo celular
Definições
Excretas
nitrogenada
Produtos indesejáveis do
metabolismo de proteínas ou
ácidos nucleicos.
O tipo de excreta está relacionada com o tipo de ambiente
Importância:
• O sistema excretor tem papel fundamental
na manutenção da estabilidade dos
fluídos corporais, pois elimina certas
substâncias indesejadas ( amônia, uréia
ácido úrico) ao organismo e retém
aquelas que ainda possam ser
aproveitadas (água, sais).
• O sistema excretor também é responsável
pela osmorregulação, manutenção da
concentração salina no sangue e outros
fluídos corporais.
Sistema Excretor
Pressão osmótica:
• Osmose é a passagem de solventes de
um meio menos concentrado ou
hipotônico, para um meio mais
concentrado ou hipertônico. Com esse
deslocamento de líquidos tente a ocorrer
um equilíbrio entre as concentrações.
Sistema Excretor
Sistema Excretor
Sistema Excretor
Mecanismos excretores:
• Vacúolo contrátil: ocorre em organismos
unicelulares para eliminação do excesso
de água que entra na célula.
• Difusão simples: organismos
pluricelulares primitivos excretam água e
substâncias residuais (transporte ativo)
através de toda a superfície do corpo. Ex:
celenterados e esponjas.
• Células-flama: conjunto de células
especiais ligadas a uma série de tubos
ramificados, que se abrem para o exterior
por meio de poros. Possuem flagelos.
Principal função é remover o excesso de
água. Ex: planárias, vermes de água
doce.
Sistema Excretor
• Nefrídios: sistema excretor especial,
consiste em um par de túbulos
(metanefrídios) em cada segmento do
corpo. Na extremidade mais interna, cada
nefrídio se abre diretamente na cavidade
do corpo por meio de um funil ciliado, o
nefróstoma. Na extremidade externa, o
nefrídio termina num nefridióporo. Cada
nefrídio é envolvido por uma rede de
capilar, que absorve parte do líquido
recolhido pelo nefróstoma.
Sistema Excretor
• Túbulos de Malpighi: túbulos mergulhados
na cavidade do corpo e se abrem na parte
final do tubo digestivo. Retiram do líquido
circulante na cavidade do corpo, os
produtos de excreção que são eliminados
através do intestino.
Sistema Excretor
Exercícios
(unesp) O esquema seguinte representa a produção de compostos nitrogenados a
partir do metabolismo de um composto orgânico em diferentes grupos animais.
Os números de 1 a 4 podem, nessa ordem, ser corretamente substituídos por
a) proteínas, amônia, mamíferos, ácido úrico.
b) carboidratos, ácido úrico, mamíferos, amônia.
c) carboidratos, amônia, répteis, ácido úrico.
d) proteínas, ácido úrico, invertebrados aquáticos, amônia.
e) lipídios, amônia, invertebrados terrestres, ácido úrico.
Exercícios
(unesp) O esquema seguinte representa a produção de compostos nitrogenados a
partir do metabolismo de um composto orgânico em diferentes grupos animais.
Os números de 1 a 4 podem, nessa ordem, ser corretamente substituídos por
a) proteínas, amônia, mamíferos, ácido úrico.
b) carboidratos, ácido úrico, mamíferos, amônia.
c) carboidratos, amônia, répteis, ácido úrico.
d) proteínas, ácido úrico, invertebrados aquáticos, amônia.
e) lipídios, amônia, invertebrados terrestres, ácido úrico.
Exercícios
(UFPE) Assinale a alternativa que indica animais cujos principais produtos de
excreção são: a uréia (animais ureotélicos) e o ácido úrico (animais uricotélicos),
respectivamente.
a) Répteis e peixes ósseos.
b) Aves e insetos.
c) Anfíbios e peixes ósseos.
d) Mamíferos e aves.
e) Répteis e muitos anfíbios.
Exercícios
(UFPE) Assinale a alternativa que indica animais cujos principais produtos de
excreção são: a uréia (animais ureotélicos) e o ácido úrico (animais uricotélicos),
respectivamente.
a) Répteis e peixes ósseos.
b) Aves e insetos.
c) Anfíbios e peixes ósseos.
d) Mamíferos e aves.
e) Répteis e muitos anfíbios.
Exercícios
(PUC PR) Excreção é um processo de remoção de substâncias tóxicas ou inúteis do interior
dos organismos, realizado por estruturas especializadas. Analise os 5 exemplos, verificando
se há correspondência entre o animal e a estrutura excretora.
Animal Estrutura para excreção
I - gafanhoto → tubo de Malpighi
II - planária → célula flama
III - esquilo → rim
IV - minhoca → nefrídio
V - hidra → vacúolo contrátil
Estão corretas:
a) apenas II, III e IV. d) apenas II, III, IV e V.
b) apenas III, IV e V. e) apenas I, II e III.
c) apenas I, II, III e IV.
Excreção nos vertebrados:
• Dá-se através de um sistema excretor
formado pelos rins, o qual contém um
duto coletor (ureter), que nos anfíbios,
aves e répteis desemboca na cloaca. Na
maioria dos mamíferos os ureteres
desembocam diretamente à bexiga, do
qual parte a uretra, tubo que se abre para
o exterior.
Tipos de rins nos vertebrados
Larvas de peixe e anfíbios
adultos de peixes e anfíbios.
Embriões de répteis, aves e mamíferos
Adultos de répteis, aves e mamíferos
Sistema Excretor
Funcionamento dos rins nos
mamíferos:
• Cada rim contém cerca de um milhão de
unidades filtradoras, chamadas néfrons.
Esses são constituídos de um fino túbulo
excretor que se origina numa estrutura
chamada de cápsula de Bowman que
envolve um novelo capilar chamado
glomérulo. Cada túbulo termina em ductos
coletores que desembocam numa
cavidade do rim, daí para o ureter.
• Cada rim recebe sangue da aorta pela
artéria renal que se ramifica em milhares
de arteríolas, que vão formar os
glomérulos e os capilares que envolvem
os túbulos dos néfrons. Os capilares se
reúnem em vênulas, que se juntam na
veia renal, e saem do rim.
• O sangue que entra no glomérulo está
sob alta pressão, que força a água e
pequenas moléculas do plasma
sangüíneo para dentro da cápsula de
Browman. Nesse filtrado glomerular não
passam as células do sangue.
Formação da urina
Filtração glomerular
Água uréia,
moléculas
orgânicas
Sais minerais
glicose
Glóbulos
sanguíneos
e grandes
proteínas
Nesse processo a
pressão sanguínea
expulsa, do glomérulo
para a cápsula, a água
e as pequenas
moléculas dissolvidas
no plasma
Sistema Excretor
Formação da urina
Água
glicose
Glicose, aa e
parte dos sais
Glicose
e aa
Por transporte ativo,
glicose, aa e sais são
reabsorvidos
Sangue fica mais
concentrado
Cerca de 80% a 85%
da água são
reabsorvidos por
osmose
Água
Água
Água saissais
sais
Túbulo contorcido
proximal
Alça de Henle
Ramo descendente –
reabsorção de água
por osmose
Ramo ascendente –
reabsorção de sais por
transporte ativo
Túbulo contorcido
distal
Reabsorção ativa de
sais e de um pouco de
glicose
As paredes dessa
região do néfron tem
sensibilidade variável
em relação a água
Reabsorção
Formação da urina
Secreção
K+
e H+
K+
e H+
HCO3
-
Nesse processo as
células do túbulo
absorvem do sangue
íons K+
e H+
e lançam no
sangue íons HCO3
-
• O processo de reabsorção inicia-se no túbulo
proximal onde 70% da água é reabsorvida
(passiva) e praticamente toda glicose (ativa –
possuem mitocôndrias).
• Alça de Henle: 20% da água é reabsorvida, de
forma ativa reabsorve-se Na+
, Cl-
, k+
, Mg2+
, Ca2+
e HCO3-
.
• Túbulo distal: reabsorve NaCl e 7% da água. A
permeabilidade desse túbulo está associado à
concentração de ADH, hormônio (produzido
no hipotálamo) que atua sobre os túbulos
distais e sobre os túbulos coletores,
aumentando a permeabilidade à água quando
aumenta a concentração do plasma.
• Dutos coletores: onde termina o
processamento da urina. Essa vai para os
ureteres que a levam até a bexiga, um
órgão de parede elástica e musculatura
lisa que acumula a urina produzida nos
rins. Daí a urina vai para a uretra , de
onde é eliminada do corpo. Entre a bexiga
e a uretra há um anel muscular
denominado esfíncter uretral. Para que se
possa urinar é necessário contrair a
bexiga e relaxar o esfíncter.
Controle Hormonal
Aldosterona
Aumenta a reabsorção de sódio e secreção de potássio no túbulo contorcido
distal
Fator natriurético atrial
Aumenta a filtração glomerular por promover a dilatação da arteríola
aferente e contrição da arteríola eferente
Formação da Urina
Filtração Glomerular
Fator Natriurético Atrial (FNA):
- hormônio produzido pelo átrio cardíaco
- promove vasodilatação da arteríola aferente
- vasoconstricção da arteríola eferente
- ↑ a pressão glomerular
- ↑ o volume de urina produzida
- ↓ a pressão sanguínea
Controle Hormonal
Hormônio antidiurético (ADH)
Aumenta a
reabsorção
de água
Urina mais
concentrada e
mais escura
Sangue
concentrado
Sistema Excretor
Álcool
Por que as bebidas alcoólicas aumentam a vontade de ir ao
banheiro?
Inibe
Urina fica
mais diluída e
mais clara
Diminui a
reabsorção
de água
Formação da Urina
Reabsorção
Diabetes Insipidus
- Eliminação de grande quantidade de urina diluída (poliúria)
- Sede acentuada
- Ocorre devido à deficiência do ADH
- Polidipsia (aumenta a ingestão de água)
TRATAMENTO:
DESMOPRESSINA
Cálculo Renal
- “pedras nos rins”
- Formações sólidas de sais (oxalato de cálcio e ácido úrico)
- Se formam nos rins ou na bexiga
- À medida que crescem a dor aparece
Hemodiálise
- remoção de substâncias tóxicas do sangue com um rim artificial
- Filtragem realizada em pacientes com insuficiência renal
Hemodiálise
- remoção de substâncias tóxicas do sangue com um rim artificial
- Filtragem realizada em pacientes com insuficiência renal
Hemodiálise
- remoção de substâncias tóxicas do sangue com um rim artificial
- Filtragem realizada em pacientes com insuficiência renal
Exercícios
(unesp) O Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira,
define "ressaca", em uma de suas acepções, como "Indisposição de quem bebeu",
depois de passar a "bebedeira".
Por que as pessoas sentem tanta sede quando estão de ressaca? Justifique
Exercícios
(unesp) O Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira,
define "ressaca", em uma de suas acepções, como "Indisposição de quem bebeu",
depois de passar a "bebedeira".
Por que as pessoas sentem tanta sede quando estão de ressaca? Justifique
O álcool inibe a secreção do hormônio antidiurético (ADH) secretado pela
hipófise posterior. Este hormônio é responsável pela reabsorção de água
nos túbulos renais e, consequentemente pela diminuição na produção de
urina. Em menor concentração no sangue o indivíduo que bebeu urina
muito. Desidratado sente muita sede (ressaca) no "dia seguinte".
Exercícios
(PUC SP) No homem, várias substâncias presentes no sangue chegam ao néfron,
atravessam a cápsula de Bowman e atingem o túbulo renal. Várias dessas
substâncias são, normalmente, reabsorvidas, isto é, do néfron elas são lançadas
novamente no sangue, retornando a outras partes do corpo.
Entre essas substâncias normalmente reabsorvidas, no nível do néfron podem ser
citadas:
a) água e uréia.
b) água e glicose.
c) glicose e uréia.
d) água e ácido úrico.
e) aminoácidos e proteína.
Exercícios
(PUC SP) No homem, várias substâncias presentes no sangue chegam ao néfron,
atravessam a cápsula de Bowman e atingem o túbulo renal. Várias dessas
substâncias são, normalmente, reabsorvidas, isto é, do néfron elas são lançadas
novamente no sangue, retornando a outras partes do corpo.
Entre essas substâncias normalmente reabsorvidas, no nível do néfron podem ser
citadas:
a) água e uréia.
b) água e glicose.
c) glicose e uréia.
d) água e ácido úrico.
e) aminoácidos e proteína.
(UFPel) As figuras a seguir mostram diferentes estruturas, órgãos e/ou sistemas de excreção.
Analise as afirmativas.
I. No caso do animal representado na figura 1, toda excreção é realizada por uma organela específica, o
vacúolo pulsátil.
II. Nos insetos (figura 2), o excreta predominante é a amônia, que é coletada pelos tubos de Malpighi e
transportada até o intestino, onde se mistura com as fezes e é eliminada juntamente com elas.
III. Nos vertebrados a função de excreção é realizada pelos rins. O sistema urinário do vertebrado
representado na figura 3 é formado pelos rins (A), pelas uretras (B), pela bexiga (C) e pelo ureter (D).
IV. Os portadores da doença 'Diabetes Melito' apresentam glicose em sua urina, pois a concentração dessa
molécula no plasma é elevada e a sua reabsorção pelos túbulos renais não é completa.
V. Amônia, uréia e ácido úrico são excretas nitrogenados. O mais tóxico é a amônia, por isso deve ser
eliminada à medida que vai sendo produzida.
Estão corretas as afirmativas
a) I, II e V. d) II e IV.
b) III e V. e) I, III e V.
c) IV e V.
(UFPel) As figuras a seguir mostram diferentes estruturas, órgãos e/ou sistemas de excreção.
Analise as afirmativas.
I. No caso do animal representado na figura 1, toda excreção é realizada por uma organela específica, o
vacúolo pulsátil.
II. Nos insetos (figura 2), o excreta predominante é a amônia, que é coletada pelos tubos de Malpighi e
transportada até o intestino, onde se mistura com as fezes e é eliminada juntamente com elas.
III. Nos vertebrados a função de excreção é realizada pelos rins. O sistema urinário do vertebrado
representado na figura 3 é formado pelos rins (A), pelas uretras (B), pela bexiga (C) e pelo ureter (D).
IV. Os portadores da doença 'Diabetes Melito' apresentam glicose em sua urina, pois a concentração dessa
molécula no plasma é elevada e a sua reabsorção pelos túbulos renais não é completa.
V. Amônia, uréia e ácido úrico são excretas nitrogenados. O mais tóxico é a amônia, por isso deve ser
eliminada à medida que vai sendo produzida.
Estão corretas as afirmativas
a) I, II e V. d) II e IV.
b) III e V. e) I, III e V.
c) IV e V.
• A concentração osmótica dos fluídos
corporais dos peixes ósseos marinhos é
bem inferior àquela do ambiente. Esses
animais são, portanto, reguladores
hiposmóticos. Quais problemas osmóticos
e iônicos que esses animais enfrentam?
Como eles resolvem esses problemas?
•
05. (UNICAMP) O controle do volume de líquido
circulante em mamíferos é feito através dos rins,
que ou eliminam o excesso de água ou reduzem
a quantidade de urina produzida quando há
deficiência de água. Além disso, os rins são
responsáveis também pela excreção de vários
metabólitos e íons.
a) Qual é o hormônio responsável pelo controle
do volume hídrico do organismo? Onde ele é
produzido?
b) Qual o mecanismo de ação desse hormônio?
c) Qual é o principal metabólito excretado pelos
rins? De que substâncias esse metabólito se
origina?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebradosSistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
DANIEL SANTANA DA SILVA ARAÚJO
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
Guilherme Orlandi Goulart
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
emanuel
 
Revisão ENEM II- Origem da vida e evolução
Revisão ENEM II- Origem da vida e evoluçãoRevisão ENEM II- Origem da vida e evolução
Revisão ENEM II- Origem da vida e evolução
emanuel
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
José Luís Alves
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
Lidia Medeiros
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Moluscos Cefalópodes
Moluscos CefalópodesMoluscos Cefalópodes
Moluscos Cefalópodes
Vinicius Husein
 
Excrecão osmorregulação
Excrecão osmorregulaçãoExcrecão osmorregulação
Excrecão osmorregulação
marco ferreira
 
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
Nayana Maia
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
Cláudia Moura
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
emanuel
 
O Sistema Digestório
O Sistema DigestórioO Sistema Digestório
O Sistema Digestório
LdFlor
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
Bio
 
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
crisbassanimedeiros
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
Bio
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e FermentaçãoAula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Fernando Mori Miyazawa
 
Aula cordados
Aula cordadosAula cordados
Aula cordados
denilsonbio
 
Microscópio óptico
Microscópio ópticoMicroscópio óptico
Microscópio óptico
davidjpereira
 

Mais procurados (20)

Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebradosSistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
Sistema excretor - Animais invertebrados e vertebrados
 
Zoologia: Platelmintos
Zoologia: PlatelmintosZoologia: Platelmintos
Zoologia: Platelmintos
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
Revisão ENEM II- Origem da vida e evolução
Revisão ENEM II- Origem da vida e evoluçãoRevisão ENEM II- Origem da vida e evolução
Revisão ENEM II- Origem da vida e evolução
 
Sucessão ecológica
Sucessão ecológicaSucessão ecológica
Sucessão ecológica
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Moluscos Cefalópodes
Moluscos CefalópodesMoluscos Cefalópodes
Moluscos Cefalópodes
 
Excrecão osmorregulação
Excrecão osmorregulaçãoExcrecão osmorregulação
Excrecão osmorregulação
 
OS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOSOS EQUINODERMOS
OS EQUINODERMOS
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
O Sistema Digestório
O Sistema DigestórioO Sistema Digestório
O Sistema Digestório
 
Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)Platelmintos (Power Point)
Platelmintos (Power Point)
 
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
8 ano sistema reprodutor masculino e feminino
 
Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)Filo Moluscos (Power Point)
Filo Moluscos (Power Point)
 
Aula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetalAula fisiologia vegetal
Aula fisiologia vegetal
 
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e FermentaçãoAula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
 
Aula cordados
Aula cordadosAula cordados
Aula cordados
 
Microscópio óptico
Microscópio ópticoMicroscópio óptico
Microscópio óptico
 

Destaque

The week that was quiz, taken on 16/08/2014
The week that was quiz, taken on 16/08/2014The week that was quiz, taken on 16/08/2014
The week that was quiz, taken on 16/08/2014
Harsh Utkarsh
 
Week 1 and 2 Recap
Week 1 and 2 Recap Week 1 and 2 Recap
Week 1 and 2 Recap
hommocksmaker
 
How to crop and split a PDF (in LaTeX, without using it)
How to crop and split a PDF (in LaTeX, without using it)How to crop and split a PDF (in LaTeX, without using it)
How to crop and split a PDF (in LaTeX, without using it)
Nicola Rainiero
 
コミッション表
コミッション表コミッション表
コミッション表
medicalgrowup
 
DUBAI SAFARI ITINENARY.2014
DUBAI SAFARI ITINENARY.2014DUBAI SAFARI ITINENARY.2014
DUBAI SAFARI ITINENARY.2014
Beyondtour Andsafaris
 
Weekthatwas
WeekthatwasWeekthatwas
Weekthatwas
Harsh Utkarsh
 
revenge of the myth
revenge of the mythrevenge of the myth
revenge of the myth
Harsh Utkarsh
 
Lenovo Thinkpad T30 service guide
Lenovo Thinkpad T30 service guideLenovo Thinkpad T30 service guide
Lenovo Thinkpad T30 service guide
Wawan Chahyo Nugroho
 
コミッション表
コミッション表コミッション表
コミッション表
medicalgrowup
 

Destaque (10)

The week that was quiz, taken on 16/08/2014
The week that was quiz, taken on 16/08/2014The week that was quiz, taken on 16/08/2014
The week that was quiz, taken on 16/08/2014
 
Week 1 and 2 Recap
Week 1 and 2 Recap Week 1 and 2 Recap
Week 1 and 2 Recap
 
How to crop and split a PDF (in LaTeX, without using it)
How to crop and split a PDF (in LaTeX, without using it)How to crop and split a PDF (in LaTeX, without using it)
How to crop and split a PDF (in LaTeX, without using it)
 
コミッション表
コミッション表コミッション表
コミッション表
 
DUBAI SAFARI ITINENARY.2014
DUBAI SAFARI ITINENARY.2014DUBAI SAFARI ITINENARY.2014
DUBAI SAFARI ITINENARY.2014
 
漢字学習
漢字学習漢字学習
漢字学習
 
Weekthatwas
WeekthatwasWeekthatwas
Weekthatwas
 
revenge of the myth
revenge of the mythrevenge of the myth
revenge of the myth
 
Lenovo Thinkpad T30 service guide
Lenovo Thinkpad T30 service guideLenovo Thinkpad T30 service guide
Lenovo Thinkpad T30 service guide
 
コミッション表
コミッション表コミッション表
コミッション表
 

Semelhante a Sistema Excretor

Aula 18 sistema excretor
Aula 18   sistema excretorAula 18   sistema excretor
Aula 18 sistema excretor
Jonatas Carlos
 
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Pelo Siro
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
edu.biologia
 
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Pelo Siro
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
Fábio Evangelista
 
Osmorregulação
OsmorregulaçãoOsmorregulação
Osmorregulação
Isabel Lopes
 
Excretor - E.M.
Excretor - E.M.Excretor - E.M.
Excretor - E.M.
Carlos A Tristtao
 
Excretor
ExcretorExcretor
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção HumanaFrente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
Colégio Batista de Mantena
 
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdfAnatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
niltonlialunga
 
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ AnatomiaAnatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
FranciscaalineBrito
 
Sistema excretor novo
Sistema excretor   novoSistema excretor   novo
Sistema excretor novo
Luciano Mendes
 
Capítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioCapítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinário
Igor Brant
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
Estude Mais
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologiaSISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
ADELANEROCHA3
 
Sistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorSistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorregulador
aulasdotubao
 
Osmorregulação regulação hormonal
Osmorregulação   regulação hormonalOsmorregulação   regulação hormonal
Osmorregulação regulação hormonal
mianaalexandra
 
2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
Colégio Batista de Mantena
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia

Semelhante a Sistema Excretor (20)

Aula 18 sistema excretor
Aula 18   sistema excretorAula 18   sistema excretor
Aula 18 sistema excretor
 
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01Osmorregulao 110614174608-phpapp01
Osmorregulao 110614174608-phpapp01
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Osmorregulação
OsmorregulaçãoOsmorregulação
Osmorregulação
 
Excretor - E.M.
Excretor - E.M.Excretor - E.M.
Excretor - E.M.
 
Excretor
ExcretorExcretor
Excretor
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção HumanaFrente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
 
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdfAnatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
Anatomia_SU_SI_Priscilla.pdf
 
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ AnatomiaAnatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
Anatomia_SU_SI_ Anatomia-Anatomia_SU_SI_ Anatomia
 
Sistema excretor novo
Sistema excretor   novoSistema excretor   novo
Sistema excretor novo
 
Capítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioCapítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinário
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologiaSISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
 
Sistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorSistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorregulador
 
Osmorregulação regulação hormonal
Osmorregulação   regulação hormonalOsmorregulação   regulação hormonal
Osmorregulação regulação hormonal
 
2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
2016 Frente 2 módulo 10 excreção humana
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 

Mais de Patrick Von Braun

Sistema Circulatorio
Sistema CirculatorioSistema Circulatorio
Sistema Circulatorio
Patrick Von Braun
 
Império romano ascensão e crise
Império romano  ascensão e crise Império romano  ascensão e crise
Império romano ascensão e crise
Patrick Von Braun
 
Crise da república romana
Crise da república romana Crise da república romana
Crise da república romana
Patrick Von Braun
 
Civilização grega
Civilização grega Civilização grega
Civilização grega
Patrick Von Braun
 
Antiguidade oriental
Antiguidade oriental Antiguidade oriental
Antiguidade oriental
Patrick Von Braun
 
Pré-história
Pré-história Pré-história
Pré-história
Patrick Von Braun
 
Expansão maritima
Expansão maritima Expansão maritima
Expansão maritima
Patrick Von Braun
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
Patrick Von Braun
 

Mais de Patrick Von Braun (8)

Sistema Circulatorio
Sistema CirculatorioSistema Circulatorio
Sistema Circulatorio
 
Império romano ascensão e crise
Império romano  ascensão e crise Império romano  ascensão e crise
Império romano ascensão e crise
 
Crise da república romana
Crise da república romana Crise da república romana
Crise da república romana
 
Civilização grega
Civilização grega Civilização grega
Civilização grega
 
Antiguidade oriental
Antiguidade oriental Antiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
Pré-história
Pré-história Pré-história
Pré-história
 
Expansão maritima
Expansão maritima Expansão maritima
Expansão maritima
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 

Sistema Excretor

  • 2. Excretas Produto indesejável do metabolismo celular Definições Excretas nitrogenada Produtos indesejáveis do metabolismo de proteínas ou ácidos nucleicos.
  • 3. O tipo de excreta está relacionada com o tipo de ambiente
  • 4. Importância: • O sistema excretor tem papel fundamental na manutenção da estabilidade dos fluídos corporais, pois elimina certas substâncias indesejadas ( amônia, uréia ácido úrico) ao organismo e retém aquelas que ainda possam ser aproveitadas (água, sais). • O sistema excretor também é responsável pela osmorregulação, manutenção da concentração salina no sangue e outros fluídos corporais.
  • 6. Pressão osmótica: • Osmose é a passagem de solventes de um meio menos concentrado ou hipotônico, para um meio mais concentrado ou hipertônico. Com esse deslocamento de líquidos tente a ocorrer um equilíbrio entre as concentrações.
  • 10. Mecanismos excretores: • Vacúolo contrátil: ocorre em organismos unicelulares para eliminação do excesso de água que entra na célula.
  • 11. • Difusão simples: organismos pluricelulares primitivos excretam água e substâncias residuais (transporte ativo) através de toda a superfície do corpo. Ex: celenterados e esponjas. • Células-flama: conjunto de células especiais ligadas a uma série de tubos ramificados, que se abrem para o exterior por meio de poros. Possuem flagelos. Principal função é remover o excesso de água. Ex: planárias, vermes de água doce.
  • 13. • Nefrídios: sistema excretor especial, consiste em um par de túbulos (metanefrídios) em cada segmento do corpo. Na extremidade mais interna, cada nefrídio se abre diretamente na cavidade do corpo por meio de um funil ciliado, o nefróstoma. Na extremidade externa, o nefrídio termina num nefridióporo. Cada nefrídio é envolvido por uma rede de capilar, que absorve parte do líquido recolhido pelo nefróstoma.
  • 15. • Túbulos de Malpighi: túbulos mergulhados na cavidade do corpo e se abrem na parte final do tubo digestivo. Retiram do líquido circulante na cavidade do corpo, os produtos de excreção que são eliminados através do intestino.
  • 17. Exercícios (unesp) O esquema seguinte representa a produção de compostos nitrogenados a partir do metabolismo de um composto orgânico em diferentes grupos animais. Os números de 1 a 4 podem, nessa ordem, ser corretamente substituídos por a) proteínas, amônia, mamíferos, ácido úrico. b) carboidratos, ácido úrico, mamíferos, amônia. c) carboidratos, amônia, répteis, ácido úrico. d) proteínas, ácido úrico, invertebrados aquáticos, amônia. e) lipídios, amônia, invertebrados terrestres, ácido úrico.
  • 18. Exercícios (unesp) O esquema seguinte representa a produção de compostos nitrogenados a partir do metabolismo de um composto orgânico em diferentes grupos animais. Os números de 1 a 4 podem, nessa ordem, ser corretamente substituídos por a) proteínas, amônia, mamíferos, ácido úrico. b) carboidratos, ácido úrico, mamíferos, amônia. c) carboidratos, amônia, répteis, ácido úrico. d) proteínas, ácido úrico, invertebrados aquáticos, amônia. e) lipídios, amônia, invertebrados terrestres, ácido úrico.
  • 19. Exercícios (UFPE) Assinale a alternativa que indica animais cujos principais produtos de excreção são: a uréia (animais ureotélicos) e o ácido úrico (animais uricotélicos), respectivamente. a) Répteis e peixes ósseos. b) Aves e insetos. c) Anfíbios e peixes ósseos. d) Mamíferos e aves. e) Répteis e muitos anfíbios.
  • 20. Exercícios (UFPE) Assinale a alternativa que indica animais cujos principais produtos de excreção são: a uréia (animais ureotélicos) e o ácido úrico (animais uricotélicos), respectivamente. a) Répteis e peixes ósseos. b) Aves e insetos. c) Anfíbios e peixes ósseos. d) Mamíferos e aves. e) Répteis e muitos anfíbios.
  • 21. Exercícios (PUC PR) Excreção é um processo de remoção de substâncias tóxicas ou inúteis do interior dos organismos, realizado por estruturas especializadas. Analise os 5 exemplos, verificando se há correspondência entre o animal e a estrutura excretora. Animal Estrutura para excreção I - gafanhoto → tubo de Malpighi II - planária → célula flama III - esquilo → rim IV - minhoca → nefrídio V - hidra → vacúolo contrátil Estão corretas: a) apenas II, III e IV. d) apenas II, III, IV e V. b) apenas III, IV e V. e) apenas I, II e III. c) apenas I, II, III e IV.
  • 22. Excreção nos vertebrados: • Dá-se através de um sistema excretor formado pelos rins, o qual contém um duto coletor (ureter), que nos anfíbios, aves e répteis desemboca na cloaca. Na maioria dos mamíferos os ureteres desembocam diretamente à bexiga, do qual parte a uretra, tubo que se abre para o exterior.
  • 23. Tipos de rins nos vertebrados Larvas de peixe e anfíbios adultos de peixes e anfíbios. Embriões de répteis, aves e mamíferos Adultos de répteis, aves e mamíferos
  • 25. Funcionamento dos rins nos mamíferos: • Cada rim contém cerca de um milhão de unidades filtradoras, chamadas néfrons. Esses são constituídos de um fino túbulo excretor que se origina numa estrutura chamada de cápsula de Bowman que envolve um novelo capilar chamado glomérulo. Cada túbulo termina em ductos coletores que desembocam numa cavidade do rim, daí para o ureter.
  • 26. • Cada rim recebe sangue da aorta pela artéria renal que se ramifica em milhares de arteríolas, que vão formar os glomérulos e os capilares que envolvem os túbulos dos néfrons. Os capilares se reúnem em vênulas, que se juntam na veia renal, e saem do rim. • O sangue que entra no glomérulo está sob alta pressão, que força a água e pequenas moléculas do plasma sangüíneo para dentro da cápsula de Browman. Nesse filtrado glomerular não passam as células do sangue.
  • 27. Formação da urina Filtração glomerular Água uréia, moléculas orgânicas Sais minerais glicose Glóbulos sanguíneos e grandes proteínas Nesse processo a pressão sanguínea expulsa, do glomérulo para a cápsula, a água e as pequenas moléculas dissolvidas no plasma
  • 29. Formação da urina Água glicose Glicose, aa e parte dos sais Glicose e aa Por transporte ativo, glicose, aa e sais são reabsorvidos Sangue fica mais concentrado Cerca de 80% a 85% da água são reabsorvidos por osmose Água Água Água saissais sais Túbulo contorcido proximal Alça de Henle Ramo descendente – reabsorção de água por osmose Ramo ascendente – reabsorção de sais por transporte ativo Túbulo contorcido distal Reabsorção ativa de sais e de um pouco de glicose As paredes dessa região do néfron tem sensibilidade variável em relação a água Reabsorção
  • 30. Formação da urina Secreção K+ e H+ K+ e H+ HCO3 - Nesse processo as células do túbulo absorvem do sangue íons K+ e H+ e lançam no sangue íons HCO3 -
  • 31. • O processo de reabsorção inicia-se no túbulo proximal onde 70% da água é reabsorvida (passiva) e praticamente toda glicose (ativa – possuem mitocôndrias). • Alça de Henle: 20% da água é reabsorvida, de forma ativa reabsorve-se Na+ , Cl- , k+ , Mg2+ , Ca2+ e HCO3- . • Túbulo distal: reabsorve NaCl e 7% da água. A permeabilidade desse túbulo está associado à concentração de ADH, hormônio (produzido no hipotálamo) que atua sobre os túbulos distais e sobre os túbulos coletores, aumentando a permeabilidade à água quando aumenta a concentração do plasma.
  • 32. • Dutos coletores: onde termina o processamento da urina. Essa vai para os ureteres que a levam até a bexiga, um órgão de parede elástica e musculatura lisa que acumula a urina produzida nos rins. Daí a urina vai para a uretra , de onde é eliminada do corpo. Entre a bexiga e a uretra há um anel muscular denominado esfíncter uretral. Para que se possa urinar é necessário contrair a bexiga e relaxar o esfíncter.
  • 33. Controle Hormonal Aldosterona Aumenta a reabsorção de sódio e secreção de potássio no túbulo contorcido distal Fator natriurético atrial Aumenta a filtração glomerular por promover a dilatação da arteríola aferente e contrição da arteríola eferente
  • 34. Formação da Urina Filtração Glomerular Fator Natriurético Atrial (FNA): - hormônio produzido pelo átrio cardíaco - promove vasodilatação da arteríola aferente - vasoconstricção da arteríola eferente - ↑ a pressão glomerular - ↑ o volume de urina produzida - ↓ a pressão sanguínea
  • 35. Controle Hormonal Hormônio antidiurético (ADH) Aumenta a reabsorção de água Urina mais concentrada e mais escura Sangue concentrado
  • 37. Álcool Por que as bebidas alcoólicas aumentam a vontade de ir ao banheiro? Inibe Urina fica mais diluída e mais clara Diminui a reabsorção de água
  • 38. Formação da Urina Reabsorção Diabetes Insipidus - Eliminação de grande quantidade de urina diluída (poliúria) - Sede acentuada - Ocorre devido à deficiência do ADH - Polidipsia (aumenta a ingestão de água) TRATAMENTO: DESMOPRESSINA
  • 39. Cálculo Renal - “pedras nos rins” - Formações sólidas de sais (oxalato de cálcio e ácido úrico) - Se formam nos rins ou na bexiga - À medida que crescem a dor aparece
  • 40. Hemodiálise - remoção de substâncias tóxicas do sangue com um rim artificial - Filtragem realizada em pacientes com insuficiência renal
  • 41. Hemodiálise - remoção de substâncias tóxicas do sangue com um rim artificial - Filtragem realizada em pacientes com insuficiência renal
  • 42. Hemodiálise - remoção de substâncias tóxicas do sangue com um rim artificial - Filtragem realizada em pacientes com insuficiência renal
  • 43. Exercícios (unesp) O Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, define "ressaca", em uma de suas acepções, como "Indisposição de quem bebeu", depois de passar a "bebedeira". Por que as pessoas sentem tanta sede quando estão de ressaca? Justifique
  • 44. Exercícios (unesp) O Dicionário da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, define "ressaca", em uma de suas acepções, como "Indisposição de quem bebeu", depois de passar a "bebedeira". Por que as pessoas sentem tanta sede quando estão de ressaca? Justifique O álcool inibe a secreção do hormônio antidiurético (ADH) secretado pela hipófise posterior. Este hormônio é responsável pela reabsorção de água nos túbulos renais e, consequentemente pela diminuição na produção de urina. Em menor concentração no sangue o indivíduo que bebeu urina muito. Desidratado sente muita sede (ressaca) no "dia seguinte".
  • 45. Exercícios (PUC SP) No homem, várias substâncias presentes no sangue chegam ao néfron, atravessam a cápsula de Bowman e atingem o túbulo renal. Várias dessas substâncias são, normalmente, reabsorvidas, isto é, do néfron elas são lançadas novamente no sangue, retornando a outras partes do corpo. Entre essas substâncias normalmente reabsorvidas, no nível do néfron podem ser citadas: a) água e uréia. b) água e glicose. c) glicose e uréia. d) água e ácido úrico. e) aminoácidos e proteína.
  • 46. Exercícios (PUC SP) No homem, várias substâncias presentes no sangue chegam ao néfron, atravessam a cápsula de Bowman e atingem o túbulo renal. Várias dessas substâncias são, normalmente, reabsorvidas, isto é, do néfron elas são lançadas novamente no sangue, retornando a outras partes do corpo. Entre essas substâncias normalmente reabsorvidas, no nível do néfron podem ser citadas: a) água e uréia. b) água e glicose. c) glicose e uréia. d) água e ácido úrico. e) aminoácidos e proteína.
  • 47. (UFPel) As figuras a seguir mostram diferentes estruturas, órgãos e/ou sistemas de excreção. Analise as afirmativas. I. No caso do animal representado na figura 1, toda excreção é realizada por uma organela específica, o vacúolo pulsátil. II. Nos insetos (figura 2), o excreta predominante é a amônia, que é coletada pelos tubos de Malpighi e transportada até o intestino, onde se mistura com as fezes e é eliminada juntamente com elas. III. Nos vertebrados a função de excreção é realizada pelos rins. O sistema urinário do vertebrado representado na figura 3 é formado pelos rins (A), pelas uretras (B), pela bexiga (C) e pelo ureter (D). IV. Os portadores da doença 'Diabetes Melito' apresentam glicose em sua urina, pois a concentração dessa molécula no plasma é elevada e a sua reabsorção pelos túbulos renais não é completa. V. Amônia, uréia e ácido úrico são excretas nitrogenados. O mais tóxico é a amônia, por isso deve ser eliminada à medida que vai sendo produzida. Estão corretas as afirmativas a) I, II e V. d) II e IV. b) III e V. e) I, III e V. c) IV e V.
  • 48. (UFPel) As figuras a seguir mostram diferentes estruturas, órgãos e/ou sistemas de excreção. Analise as afirmativas. I. No caso do animal representado na figura 1, toda excreção é realizada por uma organela específica, o vacúolo pulsátil. II. Nos insetos (figura 2), o excreta predominante é a amônia, que é coletada pelos tubos de Malpighi e transportada até o intestino, onde se mistura com as fezes e é eliminada juntamente com elas. III. Nos vertebrados a função de excreção é realizada pelos rins. O sistema urinário do vertebrado representado na figura 3 é formado pelos rins (A), pelas uretras (B), pela bexiga (C) e pelo ureter (D). IV. Os portadores da doença 'Diabetes Melito' apresentam glicose em sua urina, pois a concentração dessa molécula no plasma é elevada e a sua reabsorção pelos túbulos renais não é completa. V. Amônia, uréia e ácido úrico são excretas nitrogenados. O mais tóxico é a amônia, por isso deve ser eliminada à medida que vai sendo produzida. Estão corretas as afirmativas a) I, II e V. d) II e IV. b) III e V. e) I, III e V. c) IV e V.
  • 49. • A concentração osmótica dos fluídos corporais dos peixes ósseos marinhos é bem inferior àquela do ambiente. Esses animais são, portanto, reguladores hiposmóticos. Quais problemas osmóticos e iônicos que esses animais enfrentam? Como eles resolvem esses problemas?
  • 50. • 05. (UNICAMP) O controle do volume de líquido circulante em mamíferos é feito através dos rins, que ou eliminam o excesso de água ou reduzem a quantidade de urina produzida quando há deficiência de água. Além disso, os rins são responsáveis também pela excreção de vários metabólitos e íons. a) Qual é o hormônio responsável pelo controle do volume hídrico do organismo? Onde ele é produzido? b) Qual o mecanismo de ação desse hormônio? c) Qual é o principal metabólito excretado pelos rins? De que substâncias esse metabólito se origina?