SlideShare uma empresa Scribd logo
FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS
                                                             UP: PINHEIROS/ES
                                                             CURSO: LICENCIATURA EM HISTÓRIA




                                  Dossiê Da América Latina
                                                             DISCIPLINA: HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA II
                                                             COMPONENTES: VALDILENE, PERCI, FABRÍCIA, SANTA
                                                             TUTOR: UDISON BRITO
 PRESIDENTE
                    DESTAQUE
    LULA



                       EM
HISTORIADOR MARCO


                    “ENTREVISTA
   ANTONIO VILLA


                      DO MÊS”
1      (foto)
ÍNDICE

EDITORIAL ..................................................................................... 03
ENTREVISTA ................................................................................. 04
CONTEXTO HISTÓRICO ............................................................... 09
ECONOMIA DA AMÉRICA LATINA .............................................. 11
NOTÍCIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS ............................... 13
CULINÁRIA .................................................................................... 14
FIQUE LIGADO .............................................................................. 15
PERSONALIDADE DO MÊS .......................................................... 16
MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA ............................................... 18
CHARGES SOBRE A POLÍTICA DA AMÉRICA LATINA ............. 19




                                                                                                     2
EDITORIAL
                                          A história da América
                                          Latina é uma história de
                                          injustiça e exploração.
                                          Mas é também - e
                                          sobretudo - a saga da
                                          resistência de homens e
                                          mulheres que, ao longo de
                                          cinco séculos, deram suas
                                          vidas no combate aos
                                          usurpadores das riquezas
                                          do continente.

                                          Uma história escrita com o
                                          sangue de heróis como o
                                          inca Tupac Amaru, morto
                                          pelos espanhóis em 1572,
                                          e    Condorcanqui,     que
                                          sublevou os indígenas
                                          peruanos duzentos anos
                                          depois, considerado o
                                          precursor dos libertadores
                                          da América.

                                           Símbolos dessa luta pela
emancipação latino-americana, Simon Bolívar, José Martí, Emiliano
Zapata, Augusto Sandino e Ernesto Che Guevara, entre tantos outros,
lideraram trabalhadores do campo e da cidade contra o opressor.

Também guiado pela convicção na justiça social - e sob a bandeira do
socialismo - o brasileiro Carlos Marighella procurou transformar de
forma radical a realidade sócio-econômica do seu país.

Com o resgate da trajetória de Marighella, trinta anos depois de seu
assassinato pela ditadura militar, homenageamos todos os
revolucionários do continente, cuja herança permanece atual como
nunca.


                                                                  3
ENTREVISTA
                Entrevista: Marco Antonio Villa
                      O bufão da américa
       Historiador diz que Hugo Chávez, presidente da
    Venezuela, é perigoso por ser ambicioso e imprevisível


                       O historiador Marco Antonio Villa já escreveu 21
                       livros, com temas que variam da Idade Média à
                       Revolução Mexicana. Ao investir contra mitos
                       da história nacional em suas obras e artigos,
                       esse professor da Universidade Federal de São
                       Carlos colecionou polêmicas e fez dezenas de
                       inimigos. Sete anos atrás, tornou-se persona
                       non grata no estado de Minas Gerais ao
                       sustentar que Tiradentes foi um herói construído
                       pelos republicanos. Em sua casa na Zona Norte
                       de São Paulo, o historiador deu a seguinte
                       entrevista a CAMINHOS DA AMÉRICA.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Como o senhor avalia a atual diplomacia
brasileira?
VILLA: Nossa diplomacia se esquiva de defender os interesses
nacionais na América Latina. Teima sempre em chegar a um acordo e,
como não consegue, acaba cedendo aos vizinhos. Se Lula tivesse sido
presidente na República Velha, o Acre seria hoje dos bolivianos e Santa
Catarina, dos argentinos. Por aqui se pensa que o Brasil não pode ter
interesses nacionais ou econômicos na América do Sul, uma vez que
estamos em busca de uma integração regional. É um equívoco. Os
interesses do Brasil não são os mesmos da Argentina. Os objetivos do
Paraguai não são os do Brasil.

CAMINHOS DA AMÉRICA: A diplomacia brasileira não era assim no
passado?
VILLA: Não. No fim do século XIX, a Argentina reivindicou o oeste do
Paraná e de Santa Catarina. Não fazia o menor sentido. O presidente
Prudente de Moraes, com a ajuda do barão do Rio Branco, resolveu a
questão e evitou a doação da área. Não perdemos um hectare de terra.
                                                                     4
O barão sabia quais eram os interesses nacionais e os defendia. Além
disso, profissionalizou o Itamaraty, que passou a coordenar uma política
em nome do país, e não de um governo ou partido. Hoje, precisamos
urgentemente que o barão do Rio Branco se incorpore no ministro das
Relações Exteriores.

CAMINHOS DA AMÉRICA: O Brasil cede sempre?
VILLA: Só não o fazemos quando é impossível. Em negociações
recentes com a argentina Cristina Kirchner e com Evo Morales, a
Petrobras recusou-se a fornecer gás para a Argentina, que vive sob
ameaça de um apagão. Se cedesse, o Brasil teria um grave
desabastecimento. Nos outros casos, somos sempre fregueses. O
Brasil já sofreu no passado uma invasão de produtos argentinos e
ninguém reclamou. Quando a situação se inverteu e a balança
comercial tornou-se superavitária para o Brasil, os argentinos chiaram e
conseguiram o que queriam. Com a Bolívia, aceitamos uma
indenização simbólica pelas refinarias nacionalizadas, a um valor muito
aquém do que foi investido pela Petrobras. Com Hugo Chávez, falamos
sempre "não" na primeira hora, depois dizemos "sim". Éramos contra o
Banco do Sul. Hoje somos a favor. Fazemos o oposto do que
recomendava Vladimir Lenin, para quem era preciso dar um passo atrás
e depois dois para a frente. A diplomacia nacional dá um para a frente e
dois para trás.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Deportar turistas espanhóis é uma resposta
inteligente à repatriação de brasileiros que tentavam ir para a Espanha?
VILLA: Foi um exagero. A política externa não é para ficar a cargo de
um funcionário da Polícia Federal. As cenas dos espanhóis sendo
deportados no aeroporto de Fortaleza são absurdas. Uma coisa é um
turista que vai para Jericoacoara, outra é um brasileiro que,
supostamente ou não, deseja trabalhar na Espanha. Quando faz
diplomacia com a Europa, os Estados Unidos ou a Ásia, o Brasil tem
sido muito agressivo. É como se o esforço para se afirmar como país,
uma vez que não se realiza na América Latina, fosse todo desviado
para os fóruns em outros continentes. Ser duro com um turista espanhol
é fácil. Quero ver ser duro com Hugo Chávez.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Chávez é o grande líder da América
Latina?
VILLA: Quando se olha o que ocorre com os mais de vinte países da
região, não há dúvida disso. Com a alta do preço do petróleo, Chávez
                                                                      5
construiu uma sólida rede de alianças. Foi uma sucessão de vitórias.
Tem o apoio de Cuba, Nicarágua, Equador, Bolívia, Argentina. Quem
está do lado do Brasil? Ninguém. Chávez é um ator que faz um
monólogo. Eventualmente alguém da platéia sobe no palco e participa.
O show é dele. Ele determina o que vai ser discutido e como. Os outros
só correm atrás. Os países que estão se aproximando do Brasil, como
Paraguai e Peru, fazem isso apenas porque não tiveram ainda um
estabelecimento de relações com a Venezuela. A história talvez
comece a mudar agora. Não por obra de Lula, evidentemente, e sim de
Álvaro Uribe, o presidente colombiano. Graças a ele, Chávez teve sua
primeira derrota em política externa. A reunião da Organização dos
Estados Americanos (OEA), que colocou panos quentes na discussão
que se seguiu à morte do terrorista Raúl Reyes, pode sinalizar um
futuro diferente.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Por que o senhor considera que Chávez
perdeu?
VILLA: Chávez é um caudilho e, como tal, precisa de um palanque para
discursar. Quando reagiu com firmeza à morte de Raúl Reyes no
Equador, ganhou um palco considerável. Só que durou pouquíssimo
tempo. A solução rápida e eficaz do problema pela OEA, que estava
sumida do mapa, tirou essa oportunidade dele. Chávez resignou-se
porque a maioria dos países apoiou a resolução final, que condenava a
invasão territorial no Equador e ao mesmo tempo acusava a presença
das Farc naquele país.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Por que os latino-americanos possuem o
vício da oratória?
VILLA: Em parte, há na América Latina uma forte tradição do
bacharelismo. Muitos dos presidentes passaram por faculdades de
direito. No Brasil, Getúlio Vargas e Jânio Quadros são exemplos.
Epitácio Pessoa era chamado de "A Patativa do Norte", em referência a
uma ave cantora. Fidel Castro foi advogado. O argentino Juan Domingo
Perón não era, mas a maioria dos seus auxiliares, sim. Para um
advogado, o que importa não é a legitimidade da causa, mas o nível de
retórica do advogado para defender seu acusado. Somos muito
marcados por isso.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Qual é o maior perigo de Chávez para o
resto da América Latina?

                                                                    6
VILLA: Ele está armando seu Exército e sua população. Compra fuzis,
caças e faz acordos com o Irã. Ninguém parece levar isso a sério. A
diplomacia brasileira sabe disso e vai contornando a situação. Uma
hora Chávez vai invadir a Guiana. Ele reivindica quase dois terços do
território desse país. Para Chávez, a Guiana é uma aventura fácil. E
quem vai defendê-la? O que a Guiana conta na América do Sul? Nada.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Chávez reagiu ao ataque colombiano às
Farc no Equador com um discurso em defesa da soberania nacional.
Ele invadiria a Guiana?
VILLA: Chávez é um bufão. Ele construiu um personagem. É um militar
de boina vermelha que se emociona, chora e canta em público. Em um
momento é simpático. No minuto seguinte, aparece totalmente irado. O
bufão é isso. Nunca se podem prever suas atitudes. Pode abraçar um
crítico ou mandá-lo para a prisão. Suas atitudes não se regem pelo
mundo racional. O bufão trabalha em outro universo.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Por que Chávez defende as Farc?
VILLA: Seu objetivo é enfraquecer Álvaro Uribe. Chávez vê de forma
simplista a conjuntura latino-americana. O mundo para ele se divide de
uma maneira muito primária: os que estão com ele e os que estão com
os Estados Unidos. Considera que o presidente da Colômbia é um
agente imperialista na América do Sul. O combate às Farc tem sido
uma das mais fortes bandeiras de Uribe.

CAMINHOS DA AMÉRICA: É legítimo usar grupos armados ou
políticos de outros países para causar instabilidade?
VILLA: Há uma incompatibilidade em defender a soberania e apoiar
materialmente um movimento terrorista em um país vizinho. No Brasil,
tivemos uma história parecida. No governo de João Goulart, as Ligas
Camponesas tinham meia dúzia de campos guerrilheiros e contavam
com o apoio financeiro cubano. Quando se descobriram os campos, foi
um escândalo. Vivíamos um regime democrático e o governo brasileiro
manifestava-se contrário à expulsão de Cuba da OEA, enquanto Cuba
violava a soberania brasileira apoiando um movimento guerrilheiro que
rompia com a legalidade constitucional. A defesa da soberania só valia
para os cubanos. Eu imaginava que essa prática de violação da
soberania fosse página virada da história latino-americana. Ledo
engano.



                                                                    7
CAMINHOS DA AMÉRICA: Chávez foi o grande pacificador do conflito
entre Colômbia e Equador, como disse Lula?
VILLA: Não há nenhum fato que comprove isso. Os documentos que
estavam no computador do guerrilheiro Raúl Reyes ainda mostram que
Chávez apoiava financeiramente as Farc e também recebia ajuda dos
narcoterroristas. Isso não tem nada a ver com paz. Lula não tinha por
que falar isso. Diz essas asneiras porque está em um momento
especial. A economia vai muito bem, o que levou Lula a entender que
ganhou um salvo-conduto para reescrever a história do Brasil.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Qual é a importância do Foro de São Paulo
na condução da política externa brasileira?
VILLA: O Foro de São Paulo é um clube da terceira idade. Basta ver as
fotos. São senhores em idade provecta, como se dizia antigamente.
São provectos também no sentido ideológico. Suas idéias pertencem ao
passado. Não creio que tenham uma estratégia revolucionária para a
América Latina tal como foi a Internacional Comunista. Durante o
período da União Soviética, os partidos comunistas espalhados pelo
mundo eram braços da política externa soviética. O Foro de São Paulo
não tem esse poder. Sua maior influência se dá pela pessoa de Marco
Aurélio Garcia, assessor especial para assuntos internacionais da
Presidência da República, que tem grande participação no Foro.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Qual é a relevância de Marco Aurélio
Garcia nas relações externas?
VILLA: Desde o início da República, não há registro de um assessor
com tanto poder como ele. Garcia aparece nas fotos quase sempre
atrás de Lula. Dá pronunciamentos em pé de igualdade com o ministro
das Relações Exteriores ou o secretário-geral do Itamaraty. Marco
Aurélio Garcia é considerado um grande acadêmico, um gênio, uma
referência para qualquer estudo sobre relações internacionais na
América Latina. Curioso é que não se conhece nenhuma nota de
rodapé que ele tenha escrito sobre o tema. Fui procurar seu currículo
na plataforma Lattes, do CNPq. Não há nada sobre ele. Marco Aurélio
Garcia é o Pacheco das relações internacionais.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Quem é o Pacheco?
VILLA: É um personagem de Eça de Queiroz que aparece no livro A
Correspondência de Fradique Mendes. Pacheco era um sujeito tido
como brilhante. No primeiro ano de Coimbra, as pessoas achavam
estranho um estudante andar pela universidade carregando grossos
                                                                   8
volumes. No segundo ano, ele começou a ficar mais calvo e se sentava
na primeira carteira. Começaram a achar que ele era muito inteligente,
porque fazia uma cara muito pensativa durante as aulas e, vez por
outra, folheava os tais volumes. No quarto ano, Portugal todo já sabia
que havia um grande talento em Coimbra. Era o Pacheco. Virou
deputado, ministro e primeiro-ministro. Quando morreu, a pátria toda
chorou. Os jornalistas foram estudar sua biografia e viram que ele não
tinha feito nada. Era uma fraude.

CAMINHOS DA AMÉRICA: Que conseqüências a política externa do
Brasil pode ter no futuro?
VILLA: Pela primeira vez na história do país existe a possibilidade de a
política externa tornar-se tema de eleição. Seria algo realmente inédito
que, para acontecer, só depende de como Chávez vai agir nos
próximos anos. As concessões dadas à Bolívia, os diversos acordos
com Chávez e a recusa em classificar as Farc como um grupo terrorista
estão provocando muita crítica dentro do Brasil e podem juntar-se em
um único e potente tema central na próxima campanha presidencial.


                    CONTEXTO HISTÓRICO

O nome América Latina é derivado das línguas faladas em diversas
partes do continente americano. Na América do Norte somente o
México se insere nesse contexto, além de toda a América Central e do
Sul. Isso significa que são países de língua latina, como o português, o
francês e o espanhol. Os países que integram a América Latina
possuem semelhanças quanto à condição de subdesenvolvimento, tais
como economia fragilizada e atrasada, problemas sociais e políticos.

Na América Latina era desenvolvida a agricultura de subsistência,
incluindo ainda caça, pesca e coleta. Com a chegada dos colonizadores
europeus, grande parte dos países latinos passaram a cultivar produtos
destinados à exportação, com o objetivo de obter lucro.

São identificadas duas formas de produção, uma destinada ao mercado
externo (monocultura) e outra direcionada ao abastecimento interno
(policultura).



                                                                      9
Os países latinos são grandes exportadores de produtos primários, os
mesmos tiveram uma industrialização tardia em relação às nações
desenvolvidas, motivo que fez com que a América Latina se tornasse
dependente.

Recentemente foram realizadas mudanças significativas na agricultura
latina que promoveram alterações profundas no espaço e na economia.
As mudanças ocorreram em decorrência da inserção de máquinas,
tecnologias, implementos, insumos agrícolas (herbicidas, fertilizantes,
inseticidas entre outros) e técnicas de manejo, que resultou no aumento
da produtividade e conseqüentemente dos lucros.

A pecuária ocupa hoje um lugar de destaque, atividade praticada de
forma semi-intensiva, são criadas raças bovinas européias em regiões
de clima frio e a raça zebu em áreas de clima tropical.

Outra atividade econômica bastante difundida em praticamente todos
os países da América Latina é o extrativismo e a mineração. Existe um
grande fluxo comercial desenvolvido internamente entre os
componentes latinos, uma vez que há uma dependência em relação a
alguns minérios, além da exportação dos mesmos para diversos
lugares do mundo.

O setor industrial é dividido em indústrias tradicionais e de
beneficiamento. Atuam na produção de matéria-prima a partir do
beneficiamento de minérios ou produtos agropecuários, incluindo
aquelas que produzem bens de consumo, como as tradicionais
indústrias alimentícias e têxteis, apesar de alguns países possuírem um
setor industrial mais diversificado, que varia desde a indústria de base
até a tecnologia de ponta, com essas características temos o Brasil, a
Argentina e o México.

RELIGIÃO

Quanto ao aspecto religioso trata-se de uma região profundamente
cristã. Vale assinalar que entre os 20 países repertoriados, 13 deles –
menos Cuba, Haiti, Uruguai, República Dominicana, Chile, Colômbia e
México – fazem referência à invocação a Deus nos preâmbulos das
respectivas constituições.



                                                                    10
ECONOMIA DA AMÉRICA LATINA

AGRICULTURA

A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos
povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada
pela caça, pela pesca em rios e lagos e pala coleta de frutos e raízes.

A colonização européia introduziu a lavoura comercial, destinada aos
mercados europeus e com exclusiva finalidade do lucro. Surgiu então
uma nova forma de atividade agrícola na América Latina.

Com o passar do tempo, tanto a agricultura, de origem européia
sofreram modificações. Mesmo assim, elas persistem até hoje. Por isso,
podemos identificar duas formas principais de uso da terra na América
Latina: uma, destinada principalmente a atender o mercado interno;
outra, voltada para a exportação, tanto para os Estados Unidos e
Canadá quanto para os demais países desenvolvidos.

AGRICULTURA MODERNA

Nos últimos decênios, alguns países da América Latina têm sofrido
grandes mudanças na forma de utilização agrícola do espaço. Tais
mudanças são causadas pelo surgimento de uma agricultura moderna,
ou seja, praticada com o emprego de máquinas, uso de fertilizantes e
de sementes selecionadas, aplicação de defensivos agrícolas (produtos
químicos destinados a combater as pragas da lavoura) etc...

PECUÁRIA

Os europeus introduziram a pecuária na América Latina como uma
atividade secundaria. Contudo, a criação de bovinos e ovinos
desenvolveu-se enormemente na planície Platina, favorecida pela
existência de ótimas pastagens naturais. Por isso, desde muito tempo,
o Uruguai e sobretudo a Argentina são exportadores de carne, lã e
couro. Nesses países, são criados animais de origem européia,
adaptados ao clima temperado. Aí a pecuária é feita de modo mais ou
menos intensivo.



                                                                   11
No século atual, a pecuária desenvolveu-se em outras áreas da
América Latina, onde são criados bovinos da raça zebu, adaptados ao
ambiente da regiões tropicais do continente.

Nos cerrados do Brasil e nos Ihanos da Venezuela e da Colômbia, os
bovinos encontraram razoáveis condições de desenvolvimento. Hoje o
Brasil possui um dos maiores rebanhos do mundo e a criação, apesar
de extensiva, vem sendo aos poucos melhorada, através da importação
da raças indianas e da utilização de pastagens cultivadas.

EXTRATIVISMO E MINERAÇÃO

A América Latina possui numerosos e grandes recursos minerais,
sendo que muitos deles ainda não são explorados. Além disso, é
provável que a riqueza mineral seja maior do que se sabe, pois o
subsolo latino-americano não é bem conhecido, por causa da falta de
maiores pesquisas.

A exploração mineral para fins comerciais começou com a vinda do
europeus. Os espanhóis organizaram grandes empreendimentos para
extrair os minerais e leva-los para a Europa.

No século XVIII, os portugueses exploraram grande parte do ouro que
existia no Estado de Minas Gerais.

No século passado, depois da independência política dos países latino-
americanos, a exploração mineral passou a ser feita por empresas
européias , principalmente inglesas.

No século atual, muitas empresas norte-americanas receberam
permissão para extrair e exportar diversos minerais da América Latina.

Hoje em dia, alguns países dependem muito das exportações de um ou
outro mineral. É o caso, por exemplo, da Bolívia, do Suriname e da
Guiana, que dependem do estanho, extraído da cassiterita. O Chile
depende do Cobre, e a Jamaica depende da bauxita, da qual se extraí o
alumínio. O México e a Venezuela, apesar de terem uma economia
mais ou menos diversificada, têm no petróleo um produto importante
em sua vendas ao estrangeiro.



                                                                  12
INDÚSTRIAS

No conjunto, a América Latina tem poucas indústrias. As principais são
as seguintes:

INDÚSTRIAS TRADICIONAIS

São as indústrias leves e de bens de consumo, ou seja, destinada a
satisfazer às necessidades elementares da população.

As principais são as indústrias de produtos alimentícios e a indústria
têxtil. São chamadas tradicionais porque são indústrias antigas, que
surgem junto com o crescimento da população das cidades. São
encontradas em quase todos os países latino-americanos e estão
localizadas em suas cidades principais.

INDÚSTRIAS DE BENEFICIAMENTO

São as industrias ligadas ao preparo de matérias-primas destinadas à
exportação. Geralmente estão instaladas perto dos portos de
embarque. Exemplo: Beneficiamento de minério e fabricação do açúcar
de cana.

Além dessas, vários países possuem algumas industrias pesadas e de
bens duráveis, como de aparelhos domésticos, motores etc. Por isso,
dizemos que na América Latina existem centros industriais, isto é,
conjuntos de indústrias de bens de consumo e algumas indústrias
pesadas e de bens duráveis.

Somente três países possuem conjuntos de muitas e variadas
indústrias, inclusive algumas indústrias de base, como a indústria
siderúrgica, a de produtos químicos etc. Por isso dizemos que esses
países possuem parques industriais. São eles: O Brasil, a Argentina, e
o México.

        NOTÍCIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS


Ninguém mais duvida que a atual crise capitalista, deflagrada nos EUA,
já é a mais destrutiva da história deste sistema desde o crash da Bolsa

                                                                   13
de Nova York em 1929. Seus efeitos estilhaçam por todos os lados.
    Bancos e "agências de risco", que antes ditavam as regras neoliberais
    para o mundo, estão definhando; os adoradores do "deus-mercado" e
    os mentores da desregulamentação financeira pedem, com urgência, a
    intervenção do "estado leviatã"; George Bush, o prepotente imperador,
    estava morto antes mesmo do pleito presidencial. Este é o lado bom da
    crise. O lixo vai para o lixo!


    O lado negativo são os seus efeitos no mundo real, na vida dos
    trabalhadores. Segundo estudo da Organização Internacional dos
    Trabalhadores (OIT), a crise deverá acrescentar mais 20 milhões de
    desempregados nas frias estatísticas mundiais. O desemprego saltará
    dos atuais 190 milhões para 210 milhões até fins de 2009, "um recorde
    histórico", segundo Juan Somavia, diretor-geral da OIT. O número de
    "trabalhadores pobres", com renda inferior a dois dólares por dia,
    crescerá em 140 milhões de pessoas. Infelizmente, as projeções da OIT
    não têm nada de alarmista.


                               CULINÁRIA
                               FEIJOADA
•         Ingredientes
    •   1 Kg de feijão preto
    •   100 g de carne seca
    •   70 g de orelha de porco
    •   70 g de rabo de porco
    •   70 g de pé de porco
    •   100 g de costelinha de porco
    •   50 g de lombo de porco
    •   100 g de paio
    •   150 g de lingüiça portuguesa
    •   Tempero:
    •   2 cebolas grandes ppicadinhas
    •   1 maço de cebolinha verde picadinha
    •   3 folhas de louro
    •   6 dentes de alho
    •   Pimenta do reino a gosto
    •   2 laranjas

                                                                     14
• 40 ml de de pingaSal se precisar
• 1 talo de salsão



MODO DE PREPARO

  1. Coloque as carnes de molho por 36 horas ou mais, vá trocando a
     água várias vezes, se for ambiente quente ou verão, coloque gelo
     por cima ou em camadas frias
  2. Coloque para cozinhar passo a passo: as carnes duras, em
     seguida as carnes moles
  3. Quando estiver mole coloque o feijão, e retire as carnes
  4. Finalmente tempere o feijão


                        FIQUE LIGADO




                                                                   15
PERSONALIDADE DO MÊS

                                             O presidente Lula quis usar
                                             uma metáfora bastante
                                             popular quando comparou
                                             a     relação    entre    a
                                             sociedade e a crise à de
                                             um médico com seu
                                             paciente. 'Ou você diria ao
                                             paciente 'sifu'? Se você
                                             chega dizendo a gravidade
                                             da doença, você acaba
                                             matando      o    paciente.'
                                             Quando um presidente da
                                             República desce o nível
das palavras deste jeito ele não pode ficar de fora das maiores gafes de
2008.




                   MOMENTOS DE LAZER
                                     Sorridente e bem-disposto, o
                                     presidente Luiz Inácio Lula da
                                     Silva passeou de barco no último
                                     dia do ano, no arquipélago de
                                     Fernando de Noronha. Lula
                                     chegou a Noronha na terça-feira,
                                     acompanhado da primeira-dama,
                                     Marisa Letícia, dos filhos Fábio e
                                     Sandro Luiz, além de noras e
                                     netos.    O     presidente    está
hospedado no Casarão da Aeronáutica, localizado no alto de um morro.
A intenção do presidente é descansar até o dia 11 de janeiro. De
acordo com a assessoria de Lula, ele passará os últimos dias de sua
férias na Base Naval de Aratu, em Salvador. Fonte: Estadão.



                                                                     16
PARA RECORDAR




                17
MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA
                                           Inaugurado em 18 de março
                                           de 1989, no bairro da Barra
                                           Funda, na cidade de São
                                           Paulo,     o     Memorial       da
                                           América Latina foi criado
                                           para          difundir          as
                                           manifestações              latino-
                                           americanas de criatividade e
                                           saber, sempre com o objetivo
                                           de       interagir      relações
                                           culturais,             políticas,
                                           econômicas        e    sociais.O
                                           espaço é divido em vários
ambientes. Como a Praça Cívica, um espaço aberto onde se encontra
um dos maiores símbolos do Memorial, a escultura “A Grande Mão”,
que simboliza o sangue derramado pelos povos latino-americanos na
luta pela liberdade; o Salão de Atos Tiradentes, que tem seis painéis
que contam a saga da colonização latino-americana; o Auditório Simon
Bolívar, famoso por já ter recebido chefes de Estado como Bill Clinton,
Fidel Castro, Hugo Chávez, entre outros. A Biblioteca Latino-
Americana, que conta com o maior acervo especializado em cultura
latino-americana, com cerca de 30 mil volumes. Outro ambiente é o
Pavilhão da Criatividade Popular Darcy Ribeiro, em que há uma
maquete com quase mil pequenas peças, criada pelos artistas Gepp e
Maia, com os principais pontos turísticos dos paises latino-americanos e
cenas como uma do livro de Ernest Hemingway escrita em Cuba, O
Velho e o Mar. O Pavilhão abriga também uma exposição permanente
de arte popular latino-americana. Além de todos esses ambientes, o
Memorial destaca-se como um dos principais pontos turísticos da
cidade pelos grandes nomes que recebeu até hoje, como Luciano
Pavarotti e o Balé de Cuba (que se apresentou na inauguração com a
bailarina Alicia Alonso). Além disso, foi durante anos a sede da
Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e foi lá que nasceu o
projeto da Universidade de Música e a Orquestra Jazz Sinfônica. O
Memorial recebe grupos para visitas gratuitas e monitoradas. O espaço
tem uma grande área ao ar livre, mas a falta de árvores o deixa com o
clima árido, então para a visita é bom se prevenir.

                                                                         18
CHARGES SOBRE A POLÍTICA DA AMÉRICA LATINA




                                             19
CAMINHOS DA
 AMÉRICA –
 TODOS OS
  DIREITOS
RESERVADOS



       20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Borrao 2 bimestre
Borrao 2 bimestreBorrao 2 bimestre
Borrao 2 bimestre
Edorildo Jl
 
A CRESCENTE MARÉ VERMELHA QUE AMEAÇA COBRIR O BRASIL‏
A CRESCENTE MARÉ VERMELHA QUE AMEAÇA COBRIR O BRASIL‏A CRESCENTE MARÉ VERMELHA QUE AMEAÇA COBRIR O BRASIL‏
A CRESCENTE MARÉ VERMELHA QUE AMEAÇA COBRIR O BRASIL‏
Lucio Borges
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
Saulo Barreto
 
Simuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º anoSimuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º ano
Merigrei
 
9ª ano revisão unidade 2 temas 3, 4 e 5 resp
9ª ano revisão unidade 2 temas 3, 4 e 5 resp9ª ano revisão unidade 2 temas 3, 4 e 5 resp
9ª ano revisão unidade 2 temas 3, 4 e 5 resp
SEMEC
 
Contestado revolta sertaneja
Contestado revolta sertanejaContestado revolta sertaneja
Contestado revolta sertaneja
Sebastião Luiz Alves
 
Gabarito 9º ano historia
Gabarito 9º ano historiaGabarito 9º ano historia
Gabarito 9º ano historia
Atividades Diversas Cláudia
 
L ista de exerc imperialismo
L ista de exerc imperialismoL ista de exerc imperialismo
L ista de exerc imperialismo
Érica Martins
 
Sinopse uniao da ilha da magia 2011
Sinopse uniao da ilha da magia 2011Sinopse uniao da ilha da magia 2011
Sinopse uniao da ilha da magia 2011
Mari Barboza
 
Prova est orient hist 2º ano esse
Prova est orient hist 2º ano esseProva est orient hist 2º ano esse
Prova est orient hist 2º ano esse
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritoresAvaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores
Atividades Diversas Cláudia
 
Suple bolívia brasil
Suple bolívia   brasilSuple bolívia   brasil
Suple bolívia brasil
comiteiv
 
H9. 1.bim aluno_2.0.1.3.
H9. 1.bim aluno_2.0.1.3.H9. 1.bim aluno_2.0.1.3.
H9. 1.bim aluno_2.0.1.3.
pedrogostoso
 
Trabalho de resistencia
Trabalho de resistenciaTrabalho de resistencia
Trabalho de resistencia
marcolinosilva
 
O Cangaço em Fogo Morto
O Cangaço em Fogo MortoO Cangaço em Fogo Morto
O Cangaço em Fogo Morto
Monitor Científico FaBCI
 
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica
Prova historia 2 ano conflitos 1 republicaProva historia 2 ano conflitos 1 republica
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades primeira republica
Atividades primeira republicaAtividades primeira republica
Atividades primeira republica
Atividades Diversas Cláudia
 
Suple bolívia brasil1
Suple bolívia   brasil1Suple bolívia   brasil1
Suple bolívia brasil1
comiteiv
 

Mais procurados (18)

Borrao 2 bimestre
Borrao 2 bimestreBorrao 2 bimestre
Borrao 2 bimestre
 
A CRESCENTE MARÉ VERMELHA QUE AMEAÇA COBRIR O BRASIL‏
A CRESCENTE MARÉ VERMELHA QUE AMEAÇA COBRIR O BRASIL‏A CRESCENTE MARÉ VERMELHA QUE AMEAÇA COBRIR O BRASIL‏
A CRESCENTE MARÉ VERMELHA QUE AMEAÇA COBRIR O BRASIL‏
 
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. limaA independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
A independência na américa latina -1969- gen. flamarion b. lima
 
Simuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º anoSimuladão de história para o paebes 9º ano
Simuladão de história para o paebes 9º ano
 
9ª ano revisão unidade 2 temas 3, 4 e 5 resp
9ª ano revisão unidade 2 temas 3, 4 e 5 resp9ª ano revisão unidade 2 temas 3, 4 e 5 resp
9ª ano revisão unidade 2 temas 3, 4 e 5 resp
 
Contestado revolta sertaneja
Contestado revolta sertanejaContestado revolta sertaneja
Contestado revolta sertaneja
 
Gabarito 9º ano historia
Gabarito 9º ano historiaGabarito 9º ano historia
Gabarito 9º ano historia
 
L ista de exerc imperialismo
L ista de exerc imperialismoL ista de exerc imperialismo
L ista de exerc imperialismo
 
Sinopse uniao da ilha da magia 2011
Sinopse uniao da ilha da magia 2011Sinopse uniao da ilha da magia 2011
Sinopse uniao da ilha da magia 2011
 
Prova est orient hist 2º ano esse
Prova est orient hist 2º ano esseProva est orient hist 2º ano esse
Prova est orient hist 2º ano esse
 
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritoresAvaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores
Avaliac3a7c3a3o diagnc3b3stica-de-histc3b3ria-9c2ba-ano-com-descritores
 
Suple bolívia brasil
Suple bolívia   brasilSuple bolívia   brasil
Suple bolívia brasil
 
H9. 1.bim aluno_2.0.1.3.
H9. 1.bim aluno_2.0.1.3.H9. 1.bim aluno_2.0.1.3.
H9. 1.bim aluno_2.0.1.3.
 
Trabalho de resistencia
Trabalho de resistenciaTrabalho de resistencia
Trabalho de resistencia
 
O Cangaço em Fogo Morto
O Cangaço em Fogo MortoO Cangaço em Fogo Morto
O Cangaço em Fogo Morto
 
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica
Prova historia 2 ano conflitos 1 republicaProva historia 2 ano conflitos 1 republica
Prova historia 2 ano conflitos 1 republica
 
Atividades primeira republica
Atividades primeira republicaAtividades primeira republica
Atividades primeira republica
 
Suple bolívia brasil1
Suple bolívia   brasil1Suple bolívia   brasil1
Suple bolívia brasil1
 

Destaque

Aula e commerce
Aula e commerceAula e commerce
Aula e commerce
Luis Fernando Justus
 
Projeto Bus Stops, Corner Stores and Countertops no Festival CulturaDigital.B...
Projeto Bus Stops, Corner Stores and Countertops no Festival CulturaDigital.B...Projeto Bus Stops, Corner Stores and Countertops no Festival CulturaDigital.B...
Projeto Bus Stops, Corner Stores and Countertops no Festival CulturaDigital.B...
Gabriela Agustini
 
Capitulo ii
Capitulo iiCapitulo ii
Capitulo ii
Dany Barraquil
 
Persia iran
Persia iranPersia iran
Persia iran
Paraschiv Sorin
 
Folklore colombiano
Folklore colombianoFolklore colombiano
Folklore colombiano
dayaquiroga
 
La clé resultados compras de natal_14_12_2012
La clé resultados  compras de natal_14_12_2012La clé resultados  compras de natal_14_12_2012
La clé resultados compras de natal_14_12_2012
Lusia Nicolino
 
Temas políticos y sociales de los medios de comunicacion
Temas políticos  y sociales de los medios de comunicacion Temas políticos  y sociales de los medios de comunicacion
Temas políticos y sociales de los medios de comunicacion
yadi1919
 
Recursos humanos INT
Recursos humanos INTRecursos humanos INT
Recursos humanos INT
Rodalu
 

Destaque (8)

Aula e commerce
Aula e commerceAula e commerce
Aula e commerce
 
Projeto Bus Stops, Corner Stores and Countertops no Festival CulturaDigital.B...
Projeto Bus Stops, Corner Stores and Countertops no Festival CulturaDigital.B...Projeto Bus Stops, Corner Stores and Countertops no Festival CulturaDigital.B...
Projeto Bus Stops, Corner Stores and Countertops no Festival CulturaDigital.B...
 
Capitulo ii
Capitulo iiCapitulo ii
Capitulo ii
 
Persia iran
Persia iranPersia iran
Persia iran
 
Folklore colombiano
Folklore colombianoFolklore colombiano
Folklore colombiano
 
La clé resultados compras de natal_14_12_2012
La clé resultados  compras de natal_14_12_2012La clé resultados  compras de natal_14_12_2012
La clé resultados compras de natal_14_12_2012
 
Temas políticos y sociales de los medios de comunicacion
Temas políticos  y sociales de los medios de comunicacion Temas políticos  y sociales de los medios de comunicacion
Temas políticos y sociales de los medios de comunicacion
 
Recursos humanos INT
Recursos humanos INTRecursos humanos INT
Recursos humanos INT
 

Semelhante a Revista eletrônica- Caminhos da América

LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptxLIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
RejaneConceiodeArajo
 
A nostalgia das ossadas Roberto Campos
A nostalgia das ossadas   Roberto CamposA nostalgia das ossadas   Roberto Campos
A nostalgia das ossadas Roberto Campos
Guy Valerio Barros dos Santos
 
República velha questões
República velha questõesRepública velha questões
República velha questões
cida0159
 
República velha questões
República velha questõesRepública velha questões
República velha questões
cida0159
 
A igualdade que não veio
A igualdade que não veioA igualdade que não veio
A igualdade que não veio
primeiraopcao
 
IntroduçãO2
IntroduçãO2IntroduçãO2
IntroduçãO2
rogerio
 
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdfCiências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
BrunoCosta364836
 
Guerra do contestado
Guerra do contestadoGuerra do contestado
Guerra do contestado
Sebastião Luiz Alves
 
História Alex Mendes
História Alex MendesHistória Alex Mendes
História Alex Mendes
Pré-Enem Seduc
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Madeleine Marcelino
 
Análise da Disciplina: América II – Filme A História Oficial - Parte da av3 i...
Análise da Disciplina: América II – Filme A História Oficial - Parte da av3 i...Análise da Disciplina: América II – Filme A História Oficial - Parte da av3 i...
Análise da Disciplina: América II – Filme A História Oficial - Parte da av3 i...
Emerson Mathias
 
revolução haitiana. Apresentação em powerpoint
revolução haitiana. Apresentação em powerpointrevolução haitiana. Apresentação em powerpoint
revolução haitiana. Apresentação em powerpoint
EdmarVictorGuaraniKa
 
RebelioesPopulares_Males.pdf
RebelioesPopulares_Males.pdfRebelioesPopulares_Males.pdf
RebelioesPopulares_Males.pdf
EzequielCanrio
 
Questões de História de Santa Catarina
Questões de História de Santa CatarinaQuestões de História de Santa Catarina
Questões de História de Santa Catarina
Elton Zanoni
 
O P O D E R D O S E U A S O B R E A A MÉ R I C A L A T I N A
O  P O D E R  D O S  E U A  S O B R E  A  A MÉ R I C A  L A T I N AO  P O D E R  D O S  E U A  S O B R E  A  A MÉ R I C A  L A T I N A
O P O D E R D O S E U A S O B R E A A MÉ R I C A L A T I N A
ProfMario De Mori
 
Historia da america, josé miguel arias neto
Historia da america, josé miguel arias netoHistoria da america, josé miguel arias neto
Historia da america, josé miguel arias neto
Vlademir Luft
 
Lançamentosde outubro da edtora Planeta
Lançamentosde outubro da edtora PlanetaLançamentosde outubro da edtora Planeta
Lançamentosde outubro da edtora Planeta
Claudia Valeria Ortega
 
América latina no século xx
América latina no século xxAmérica latina no século xx
América latina no século xx
harlissoncarvalho
 
Inconfidência 284 / Intentona Comunista
Inconfidência 284 / Intentona ComunistaInconfidência 284 / Intentona Comunista
Inconfidência 284 / Intentona Comunista
Lucio Borges
 
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
wladimir1aguiar
 

Semelhante a Revista eletrônica- Caminhos da América (20)

LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptxLIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
LIBERTADORES DA AMÉRICA COLONIAL.pptx
 
A nostalgia das ossadas Roberto Campos
A nostalgia das ossadas   Roberto CamposA nostalgia das ossadas   Roberto Campos
A nostalgia das ossadas Roberto Campos
 
República velha questões
República velha questõesRepública velha questões
República velha questões
 
República velha questões
República velha questõesRepública velha questões
República velha questões
 
A igualdade que não veio
A igualdade que não veioA igualdade que não veio
A igualdade que não veio
 
IntroduçãO2
IntroduçãO2IntroduçãO2
IntroduçãO2
 
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdfCiências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
Ciências Humanas - Tema 5 - Lista de questões.pdf
 
Guerra do contestado
Guerra do contestadoGuerra do contestado
Guerra do contestado
 
História Alex Mendes
História Alex MendesHistória Alex Mendes
História Alex Mendes
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Análise da Disciplina: América II – Filme A História Oficial - Parte da av3 i...
Análise da Disciplina: América II – Filme A História Oficial - Parte da av3 i...Análise da Disciplina: América II – Filme A História Oficial - Parte da av3 i...
Análise da Disciplina: América II – Filme A História Oficial - Parte da av3 i...
 
revolução haitiana. Apresentação em powerpoint
revolução haitiana. Apresentação em powerpointrevolução haitiana. Apresentação em powerpoint
revolução haitiana. Apresentação em powerpoint
 
RebelioesPopulares_Males.pdf
RebelioesPopulares_Males.pdfRebelioesPopulares_Males.pdf
RebelioesPopulares_Males.pdf
 
Questões de História de Santa Catarina
Questões de História de Santa CatarinaQuestões de História de Santa Catarina
Questões de História de Santa Catarina
 
O P O D E R D O S E U A S O B R E A A MÉ R I C A L A T I N A
O  P O D E R  D O S  E U A  S O B R E  A  A MÉ R I C A  L A T I N AO  P O D E R  D O S  E U A  S O B R E  A  A MÉ R I C A  L A T I N A
O P O D E R D O S E U A S O B R E A A MÉ R I C A L A T I N A
 
Historia da america, josé miguel arias neto
Historia da america, josé miguel arias netoHistoria da america, josé miguel arias neto
Historia da america, josé miguel arias neto
 
Lançamentosde outubro da edtora Planeta
Lançamentosde outubro da edtora PlanetaLançamentosde outubro da edtora Planeta
Lançamentosde outubro da edtora Planeta
 
América latina no século xx
América latina no século xxAmérica latina no século xx
América latina no século xx
 
Inconfidência 284 / Intentona Comunista
Inconfidência 284 / Intentona ComunistaInconfidência 284 / Intentona Comunista
Inconfidência 284 / Intentona Comunista
 
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
Movimentossociaisnarepblicavelha1889 1930-130326111526-phpapp01
 

Mais de Udison Brito Oliveira

Trabalho avaliativo 9º ano
Trabalho avaliativo   9º anoTrabalho avaliativo   9º ano
Trabalho avaliativo 9º ano
Udison Brito Oliveira
 
Horário 2014 matutino
Horário 2014   matutinoHorário 2014   matutino
Horário 2014 matutino
Udison Brito Oliveira
 
Horário vespertino alunos
Horário vespertino   alunosHorário vespertino   alunos
Horário vespertino alunos
Udison Brito Oliveira
 
Horário vespertino 2012
Horário vespertino 2012Horário vespertino 2012
Horário vespertino 2012
Udison Brito Oliveira
 
Horário vespertino - 2012
Horário vespertino - 2012Horário vespertino - 2012
Horário vespertino - 2012
Udison Brito Oliveira
 
Revista no rumo da história
Revista   no rumo da históriaRevista   no rumo da história
Revista no rumo da história
Udison Brito Oliveira
 
Foco historico
Foco historicoFoco historico
Foco historico
Udison Brito Oliveira
 
Ficha de avaliação de campo
Ficha de avaliação de campoFicha de avaliação de campo
Ficha de avaliação de campo
Udison Brito Oliveira
 
Jornal Stanislaw
Jornal StanislawJornal Stanislaw
Jornal Stanislaw
Udison Brito Oliveira
 
Cronograma de apresentação de trabalhos - 8º ano
Cronograma de apresentação de trabalhos - 8º anoCronograma de apresentação de trabalhos - 8º ano
Cronograma de apresentação de trabalhos - 8º ano
Udison Brito Oliveira
 
Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010
Udison Brito Oliveira
 
Revista eletrônica - Mundo Globalizado
Revista eletrônica - Mundo GlobalizadoRevista eletrônica - Mundo Globalizado
Revista eletrônica - Mundo Globalizado
Udison Brito Oliveira
 
Revista eletrônica + Mulher
Revista eletrônica + MulherRevista eletrônica + Mulher
Revista eletrônica + Mulher
Udison Brito Oliveira
 
Revista Eletrônica - História Contemporânea
Revista Eletrônica - História ContemporâneaRevista Eletrônica - História Contemporânea
Revista Eletrônica - História Contemporânea
Udison Brito Oliveira
 
Horário matutino
Horário matutinoHorário matutino
Horário matutino
Udison Brito Oliveira
 
Cronograma de apresentação de trabalhos em grupo 9º ano
Cronograma de apresentação de trabalhos em grupo 9º anoCronograma de apresentação de trabalhos em grupo 9º ano
Cronograma de apresentação de trabalhos em grupo 9º ano
Udison Brito Oliveira
 

Mais de Udison Brito Oliveira (16)

Trabalho avaliativo 9º ano
Trabalho avaliativo   9º anoTrabalho avaliativo   9º ano
Trabalho avaliativo 9º ano
 
Horário 2014 matutino
Horário 2014   matutinoHorário 2014   matutino
Horário 2014 matutino
 
Horário vespertino alunos
Horário vespertino   alunosHorário vespertino   alunos
Horário vespertino alunos
 
Horário vespertino 2012
Horário vespertino 2012Horário vespertino 2012
Horário vespertino 2012
 
Horário vespertino - 2012
Horário vespertino - 2012Horário vespertino - 2012
Horário vespertino - 2012
 
Revista no rumo da história
Revista   no rumo da históriaRevista   no rumo da história
Revista no rumo da história
 
Foco historico
Foco historicoFoco historico
Foco historico
 
Ficha de avaliação de campo
Ficha de avaliação de campoFicha de avaliação de campo
Ficha de avaliação de campo
 
Jornal Stanislaw
Jornal StanislawJornal Stanislaw
Jornal Stanislaw
 
Cronograma de apresentação de trabalhos - 8º ano
Cronograma de apresentação de trabalhos - 8º anoCronograma de apresentação de trabalhos - 8º ano
Cronograma de apresentação de trabalhos - 8º ano
 
Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010Brasil 1930 - 2010
Brasil 1930 - 2010
 
Revista eletrônica - Mundo Globalizado
Revista eletrônica - Mundo GlobalizadoRevista eletrônica - Mundo Globalizado
Revista eletrônica - Mundo Globalizado
 
Revista eletrônica + Mulher
Revista eletrônica + MulherRevista eletrônica + Mulher
Revista eletrônica + Mulher
 
Revista Eletrônica - História Contemporânea
Revista Eletrônica - História ContemporâneaRevista Eletrônica - História Contemporânea
Revista Eletrônica - História Contemporânea
 
Horário matutino
Horário matutinoHorário matutino
Horário matutino
 
Cronograma de apresentação de trabalhos em grupo 9º ano
Cronograma de apresentação de trabalhos em grupo 9º anoCronograma de apresentação de trabalhos em grupo 9º ano
Cronograma de apresentação de trabalhos em grupo 9º ano
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 

Revista eletrônica- Caminhos da América

  • 1. FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS UP: PINHEIROS/ES CURSO: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Dossiê Da América Latina DISCIPLINA: HISTÓRIA CONTEMPORÂNEA II COMPONENTES: VALDILENE, PERCI, FABRÍCIA, SANTA TUTOR: UDISON BRITO PRESIDENTE DESTAQUE LULA EM HISTORIADOR MARCO “ENTREVISTA ANTONIO VILLA DO MÊS” 1 (foto)
  • 2. ÍNDICE EDITORIAL ..................................................................................... 03 ENTREVISTA ................................................................................. 04 CONTEXTO HISTÓRICO ............................................................... 09 ECONOMIA DA AMÉRICA LATINA .............................................. 11 NOTÍCIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS ............................... 13 CULINÁRIA .................................................................................... 14 FIQUE LIGADO .............................................................................. 15 PERSONALIDADE DO MÊS .......................................................... 16 MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA ............................................... 18 CHARGES SOBRE A POLÍTICA DA AMÉRICA LATINA ............. 19 2
  • 3. EDITORIAL A história da América Latina é uma história de injustiça e exploração. Mas é também - e sobretudo - a saga da resistência de homens e mulheres que, ao longo de cinco séculos, deram suas vidas no combate aos usurpadores das riquezas do continente. Uma história escrita com o sangue de heróis como o inca Tupac Amaru, morto pelos espanhóis em 1572, e Condorcanqui, que sublevou os indígenas peruanos duzentos anos depois, considerado o precursor dos libertadores da América. Símbolos dessa luta pela emancipação latino-americana, Simon Bolívar, José Martí, Emiliano Zapata, Augusto Sandino e Ernesto Che Guevara, entre tantos outros, lideraram trabalhadores do campo e da cidade contra o opressor. Também guiado pela convicção na justiça social - e sob a bandeira do socialismo - o brasileiro Carlos Marighella procurou transformar de forma radical a realidade sócio-econômica do seu país. Com o resgate da trajetória de Marighella, trinta anos depois de seu assassinato pela ditadura militar, homenageamos todos os revolucionários do continente, cuja herança permanece atual como nunca. 3
  • 4. ENTREVISTA Entrevista: Marco Antonio Villa O bufão da américa Historiador diz que Hugo Chávez, presidente da Venezuela, é perigoso por ser ambicioso e imprevisível O historiador Marco Antonio Villa já escreveu 21 livros, com temas que variam da Idade Média à Revolução Mexicana. Ao investir contra mitos da história nacional em suas obras e artigos, esse professor da Universidade Federal de São Carlos colecionou polêmicas e fez dezenas de inimigos. Sete anos atrás, tornou-se persona non grata no estado de Minas Gerais ao sustentar que Tiradentes foi um herói construído pelos republicanos. Em sua casa na Zona Norte de São Paulo, o historiador deu a seguinte entrevista a CAMINHOS DA AMÉRICA. CAMINHOS DA AMÉRICA: Como o senhor avalia a atual diplomacia brasileira? VILLA: Nossa diplomacia se esquiva de defender os interesses nacionais na América Latina. Teima sempre em chegar a um acordo e, como não consegue, acaba cedendo aos vizinhos. Se Lula tivesse sido presidente na República Velha, o Acre seria hoje dos bolivianos e Santa Catarina, dos argentinos. Por aqui se pensa que o Brasil não pode ter interesses nacionais ou econômicos na América do Sul, uma vez que estamos em busca de uma integração regional. É um equívoco. Os interesses do Brasil não são os mesmos da Argentina. Os objetivos do Paraguai não são os do Brasil. CAMINHOS DA AMÉRICA: A diplomacia brasileira não era assim no passado? VILLA: Não. No fim do século XIX, a Argentina reivindicou o oeste do Paraná e de Santa Catarina. Não fazia o menor sentido. O presidente Prudente de Moraes, com a ajuda do barão do Rio Branco, resolveu a questão e evitou a doação da área. Não perdemos um hectare de terra. 4
  • 5. O barão sabia quais eram os interesses nacionais e os defendia. Além disso, profissionalizou o Itamaraty, que passou a coordenar uma política em nome do país, e não de um governo ou partido. Hoje, precisamos urgentemente que o barão do Rio Branco se incorpore no ministro das Relações Exteriores. CAMINHOS DA AMÉRICA: O Brasil cede sempre? VILLA: Só não o fazemos quando é impossível. Em negociações recentes com a argentina Cristina Kirchner e com Evo Morales, a Petrobras recusou-se a fornecer gás para a Argentina, que vive sob ameaça de um apagão. Se cedesse, o Brasil teria um grave desabastecimento. Nos outros casos, somos sempre fregueses. O Brasil já sofreu no passado uma invasão de produtos argentinos e ninguém reclamou. Quando a situação se inverteu e a balança comercial tornou-se superavitária para o Brasil, os argentinos chiaram e conseguiram o que queriam. Com a Bolívia, aceitamos uma indenização simbólica pelas refinarias nacionalizadas, a um valor muito aquém do que foi investido pela Petrobras. Com Hugo Chávez, falamos sempre "não" na primeira hora, depois dizemos "sim". Éramos contra o Banco do Sul. Hoje somos a favor. Fazemos o oposto do que recomendava Vladimir Lenin, para quem era preciso dar um passo atrás e depois dois para a frente. A diplomacia nacional dá um para a frente e dois para trás. CAMINHOS DA AMÉRICA: Deportar turistas espanhóis é uma resposta inteligente à repatriação de brasileiros que tentavam ir para a Espanha? VILLA: Foi um exagero. A política externa não é para ficar a cargo de um funcionário da Polícia Federal. As cenas dos espanhóis sendo deportados no aeroporto de Fortaleza são absurdas. Uma coisa é um turista que vai para Jericoacoara, outra é um brasileiro que, supostamente ou não, deseja trabalhar na Espanha. Quando faz diplomacia com a Europa, os Estados Unidos ou a Ásia, o Brasil tem sido muito agressivo. É como se o esforço para se afirmar como país, uma vez que não se realiza na América Latina, fosse todo desviado para os fóruns em outros continentes. Ser duro com um turista espanhol é fácil. Quero ver ser duro com Hugo Chávez. CAMINHOS DA AMÉRICA: Chávez é o grande líder da América Latina? VILLA: Quando se olha o que ocorre com os mais de vinte países da região, não há dúvida disso. Com a alta do preço do petróleo, Chávez 5
  • 6. construiu uma sólida rede de alianças. Foi uma sucessão de vitórias. Tem o apoio de Cuba, Nicarágua, Equador, Bolívia, Argentina. Quem está do lado do Brasil? Ninguém. Chávez é um ator que faz um monólogo. Eventualmente alguém da platéia sobe no palco e participa. O show é dele. Ele determina o que vai ser discutido e como. Os outros só correm atrás. Os países que estão se aproximando do Brasil, como Paraguai e Peru, fazem isso apenas porque não tiveram ainda um estabelecimento de relações com a Venezuela. A história talvez comece a mudar agora. Não por obra de Lula, evidentemente, e sim de Álvaro Uribe, o presidente colombiano. Graças a ele, Chávez teve sua primeira derrota em política externa. A reunião da Organização dos Estados Americanos (OEA), que colocou panos quentes na discussão que se seguiu à morte do terrorista Raúl Reyes, pode sinalizar um futuro diferente. CAMINHOS DA AMÉRICA: Por que o senhor considera que Chávez perdeu? VILLA: Chávez é um caudilho e, como tal, precisa de um palanque para discursar. Quando reagiu com firmeza à morte de Raúl Reyes no Equador, ganhou um palco considerável. Só que durou pouquíssimo tempo. A solução rápida e eficaz do problema pela OEA, que estava sumida do mapa, tirou essa oportunidade dele. Chávez resignou-se porque a maioria dos países apoiou a resolução final, que condenava a invasão territorial no Equador e ao mesmo tempo acusava a presença das Farc naquele país. CAMINHOS DA AMÉRICA: Por que os latino-americanos possuem o vício da oratória? VILLA: Em parte, há na América Latina uma forte tradição do bacharelismo. Muitos dos presidentes passaram por faculdades de direito. No Brasil, Getúlio Vargas e Jânio Quadros são exemplos. Epitácio Pessoa era chamado de "A Patativa do Norte", em referência a uma ave cantora. Fidel Castro foi advogado. O argentino Juan Domingo Perón não era, mas a maioria dos seus auxiliares, sim. Para um advogado, o que importa não é a legitimidade da causa, mas o nível de retórica do advogado para defender seu acusado. Somos muito marcados por isso. CAMINHOS DA AMÉRICA: Qual é o maior perigo de Chávez para o resto da América Latina? 6
  • 7. VILLA: Ele está armando seu Exército e sua população. Compra fuzis, caças e faz acordos com o Irã. Ninguém parece levar isso a sério. A diplomacia brasileira sabe disso e vai contornando a situação. Uma hora Chávez vai invadir a Guiana. Ele reivindica quase dois terços do território desse país. Para Chávez, a Guiana é uma aventura fácil. E quem vai defendê-la? O que a Guiana conta na América do Sul? Nada. CAMINHOS DA AMÉRICA: Chávez reagiu ao ataque colombiano às Farc no Equador com um discurso em defesa da soberania nacional. Ele invadiria a Guiana? VILLA: Chávez é um bufão. Ele construiu um personagem. É um militar de boina vermelha que se emociona, chora e canta em público. Em um momento é simpático. No minuto seguinte, aparece totalmente irado. O bufão é isso. Nunca se podem prever suas atitudes. Pode abraçar um crítico ou mandá-lo para a prisão. Suas atitudes não se regem pelo mundo racional. O bufão trabalha em outro universo. CAMINHOS DA AMÉRICA: Por que Chávez defende as Farc? VILLA: Seu objetivo é enfraquecer Álvaro Uribe. Chávez vê de forma simplista a conjuntura latino-americana. O mundo para ele se divide de uma maneira muito primária: os que estão com ele e os que estão com os Estados Unidos. Considera que o presidente da Colômbia é um agente imperialista na América do Sul. O combate às Farc tem sido uma das mais fortes bandeiras de Uribe. CAMINHOS DA AMÉRICA: É legítimo usar grupos armados ou políticos de outros países para causar instabilidade? VILLA: Há uma incompatibilidade em defender a soberania e apoiar materialmente um movimento terrorista em um país vizinho. No Brasil, tivemos uma história parecida. No governo de João Goulart, as Ligas Camponesas tinham meia dúzia de campos guerrilheiros e contavam com o apoio financeiro cubano. Quando se descobriram os campos, foi um escândalo. Vivíamos um regime democrático e o governo brasileiro manifestava-se contrário à expulsão de Cuba da OEA, enquanto Cuba violava a soberania brasileira apoiando um movimento guerrilheiro que rompia com a legalidade constitucional. A defesa da soberania só valia para os cubanos. Eu imaginava que essa prática de violação da soberania fosse página virada da história latino-americana. Ledo engano. 7
  • 8. CAMINHOS DA AMÉRICA: Chávez foi o grande pacificador do conflito entre Colômbia e Equador, como disse Lula? VILLA: Não há nenhum fato que comprove isso. Os documentos que estavam no computador do guerrilheiro Raúl Reyes ainda mostram que Chávez apoiava financeiramente as Farc e também recebia ajuda dos narcoterroristas. Isso não tem nada a ver com paz. Lula não tinha por que falar isso. Diz essas asneiras porque está em um momento especial. A economia vai muito bem, o que levou Lula a entender que ganhou um salvo-conduto para reescrever a história do Brasil. CAMINHOS DA AMÉRICA: Qual é a importância do Foro de São Paulo na condução da política externa brasileira? VILLA: O Foro de São Paulo é um clube da terceira idade. Basta ver as fotos. São senhores em idade provecta, como se dizia antigamente. São provectos também no sentido ideológico. Suas idéias pertencem ao passado. Não creio que tenham uma estratégia revolucionária para a América Latina tal como foi a Internacional Comunista. Durante o período da União Soviética, os partidos comunistas espalhados pelo mundo eram braços da política externa soviética. O Foro de São Paulo não tem esse poder. Sua maior influência se dá pela pessoa de Marco Aurélio Garcia, assessor especial para assuntos internacionais da Presidência da República, que tem grande participação no Foro. CAMINHOS DA AMÉRICA: Qual é a relevância de Marco Aurélio Garcia nas relações externas? VILLA: Desde o início da República, não há registro de um assessor com tanto poder como ele. Garcia aparece nas fotos quase sempre atrás de Lula. Dá pronunciamentos em pé de igualdade com o ministro das Relações Exteriores ou o secretário-geral do Itamaraty. Marco Aurélio Garcia é considerado um grande acadêmico, um gênio, uma referência para qualquer estudo sobre relações internacionais na América Latina. Curioso é que não se conhece nenhuma nota de rodapé que ele tenha escrito sobre o tema. Fui procurar seu currículo na plataforma Lattes, do CNPq. Não há nada sobre ele. Marco Aurélio Garcia é o Pacheco das relações internacionais. CAMINHOS DA AMÉRICA: Quem é o Pacheco? VILLA: É um personagem de Eça de Queiroz que aparece no livro A Correspondência de Fradique Mendes. Pacheco era um sujeito tido como brilhante. No primeiro ano de Coimbra, as pessoas achavam estranho um estudante andar pela universidade carregando grossos 8
  • 9. volumes. No segundo ano, ele começou a ficar mais calvo e se sentava na primeira carteira. Começaram a achar que ele era muito inteligente, porque fazia uma cara muito pensativa durante as aulas e, vez por outra, folheava os tais volumes. No quarto ano, Portugal todo já sabia que havia um grande talento em Coimbra. Era o Pacheco. Virou deputado, ministro e primeiro-ministro. Quando morreu, a pátria toda chorou. Os jornalistas foram estudar sua biografia e viram que ele não tinha feito nada. Era uma fraude. CAMINHOS DA AMÉRICA: Que conseqüências a política externa do Brasil pode ter no futuro? VILLA: Pela primeira vez na história do país existe a possibilidade de a política externa tornar-se tema de eleição. Seria algo realmente inédito que, para acontecer, só depende de como Chávez vai agir nos próximos anos. As concessões dadas à Bolívia, os diversos acordos com Chávez e a recusa em classificar as Farc como um grupo terrorista estão provocando muita crítica dentro do Brasil e podem juntar-se em um único e potente tema central na próxima campanha presidencial. CONTEXTO HISTÓRICO O nome América Latina é derivado das línguas faladas em diversas partes do continente americano. Na América do Norte somente o México se insere nesse contexto, além de toda a América Central e do Sul. Isso significa que são países de língua latina, como o português, o francês e o espanhol. Os países que integram a América Latina possuem semelhanças quanto à condição de subdesenvolvimento, tais como economia fragilizada e atrasada, problemas sociais e políticos. Na América Latina era desenvolvida a agricultura de subsistência, incluindo ainda caça, pesca e coleta. Com a chegada dos colonizadores europeus, grande parte dos países latinos passaram a cultivar produtos destinados à exportação, com o objetivo de obter lucro. São identificadas duas formas de produção, uma destinada ao mercado externo (monocultura) e outra direcionada ao abastecimento interno (policultura). 9
  • 10. Os países latinos são grandes exportadores de produtos primários, os mesmos tiveram uma industrialização tardia em relação às nações desenvolvidas, motivo que fez com que a América Latina se tornasse dependente. Recentemente foram realizadas mudanças significativas na agricultura latina que promoveram alterações profundas no espaço e na economia. As mudanças ocorreram em decorrência da inserção de máquinas, tecnologias, implementos, insumos agrícolas (herbicidas, fertilizantes, inseticidas entre outros) e técnicas de manejo, que resultou no aumento da produtividade e conseqüentemente dos lucros. A pecuária ocupa hoje um lugar de destaque, atividade praticada de forma semi-intensiva, são criadas raças bovinas européias em regiões de clima frio e a raça zebu em áreas de clima tropical. Outra atividade econômica bastante difundida em praticamente todos os países da América Latina é o extrativismo e a mineração. Existe um grande fluxo comercial desenvolvido internamente entre os componentes latinos, uma vez que há uma dependência em relação a alguns minérios, além da exportação dos mesmos para diversos lugares do mundo. O setor industrial é dividido em indústrias tradicionais e de beneficiamento. Atuam na produção de matéria-prima a partir do beneficiamento de minérios ou produtos agropecuários, incluindo aquelas que produzem bens de consumo, como as tradicionais indústrias alimentícias e têxteis, apesar de alguns países possuírem um setor industrial mais diversificado, que varia desde a indústria de base até a tecnologia de ponta, com essas características temos o Brasil, a Argentina e o México. RELIGIÃO Quanto ao aspecto religioso trata-se de uma região profundamente cristã. Vale assinalar que entre os 20 países repertoriados, 13 deles – menos Cuba, Haiti, Uruguai, República Dominicana, Chile, Colômbia e México – fazem referência à invocação a Deus nos preâmbulos das respectivas constituições. 10
  • 11. ECONOMIA DA AMÉRICA LATINA AGRICULTURA A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela pesca em rios e lagos e pala coleta de frutos e raízes. A colonização européia introduziu a lavoura comercial, destinada aos mercados europeus e com exclusiva finalidade do lucro. Surgiu então uma nova forma de atividade agrícola na América Latina. Com o passar do tempo, tanto a agricultura, de origem européia sofreram modificações. Mesmo assim, elas persistem até hoje. Por isso, podemos identificar duas formas principais de uso da terra na América Latina: uma, destinada principalmente a atender o mercado interno; outra, voltada para a exportação, tanto para os Estados Unidos e Canadá quanto para os demais países desenvolvidos. AGRICULTURA MODERNA Nos últimos decênios, alguns países da América Latina têm sofrido grandes mudanças na forma de utilização agrícola do espaço. Tais mudanças são causadas pelo surgimento de uma agricultura moderna, ou seja, praticada com o emprego de máquinas, uso de fertilizantes e de sementes selecionadas, aplicação de defensivos agrícolas (produtos químicos destinados a combater as pragas da lavoura) etc... PECUÁRIA Os europeus introduziram a pecuária na América Latina como uma atividade secundaria. Contudo, a criação de bovinos e ovinos desenvolveu-se enormemente na planície Platina, favorecida pela existência de ótimas pastagens naturais. Por isso, desde muito tempo, o Uruguai e sobretudo a Argentina são exportadores de carne, lã e couro. Nesses países, são criados animais de origem européia, adaptados ao clima temperado. Aí a pecuária é feita de modo mais ou menos intensivo. 11
  • 12. No século atual, a pecuária desenvolveu-se em outras áreas da América Latina, onde são criados bovinos da raça zebu, adaptados ao ambiente da regiões tropicais do continente. Nos cerrados do Brasil e nos Ihanos da Venezuela e da Colômbia, os bovinos encontraram razoáveis condições de desenvolvimento. Hoje o Brasil possui um dos maiores rebanhos do mundo e a criação, apesar de extensiva, vem sendo aos poucos melhorada, através da importação da raças indianas e da utilização de pastagens cultivadas. EXTRATIVISMO E MINERAÇÃO A América Latina possui numerosos e grandes recursos minerais, sendo que muitos deles ainda não são explorados. Além disso, é provável que a riqueza mineral seja maior do que se sabe, pois o subsolo latino-americano não é bem conhecido, por causa da falta de maiores pesquisas. A exploração mineral para fins comerciais começou com a vinda do europeus. Os espanhóis organizaram grandes empreendimentos para extrair os minerais e leva-los para a Europa. No século XVIII, os portugueses exploraram grande parte do ouro que existia no Estado de Minas Gerais. No século passado, depois da independência política dos países latino- americanos, a exploração mineral passou a ser feita por empresas européias , principalmente inglesas. No século atual, muitas empresas norte-americanas receberam permissão para extrair e exportar diversos minerais da América Latina. Hoje em dia, alguns países dependem muito das exportações de um ou outro mineral. É o caso, por exemplo, da Bolívia, do Suriname e da Guiana, que dependem do estanho, extraído da cassiterita. O Chile depende do Cobre, e a Jamaica depende da bauxita, da qual se extraí o alumínio. O México e a Venezuela, apesar de terem uma economia mais ou menos diversificada, têm no petróleo um produto importante em sua vendas ao estrangeiro. 12
  • 13. INDÚSTRIAS No conjunto, a América Latina tem poucas indústrias. As principais são as seguintes: INDÚSTRIAS TRADICIONAIS São as indústrias leves e de bens de consumo, ou seja, destinada a satisfazer às necessidades elementares da população. As principais são as indústrias de produtos alimentícios e a indústria têxtil. São chamadas tradicionais porque são indústrias antigas, que surgem junto com o crescimento da população das cidades. São encontradas em quase todos os países latino-americanos e estão localizadas em suas cidades principais. INDÚSTRIAS DE BENEFICIAMENTO São as industrias ligadas ao preparo de matérias-primas destinadas à exportação. Geralmente estão instaladas perto dos portos de embarque. Exemplo: Beneficiamento de minério e fabricação do açúcar de cana. Além dessas, vários países possuem algumas industrias pesadas e de bens duráveis, como de aparelhos domésticos, motores etc. Por isso, dizemos que na América Latina existem centros industriais, isto é, conjuntos de indústrias de bens de consumo e algumas indústrias pesadas e de bens duráveis. Somente três países possuem conjuntos de muitas e variadas indústrias, inclusive algumas indústrias de base, como a indústria siderúrgica, a de produtos químicos etc. Por isso dizemos que esses países possuem parques industriais. São eles: O Brasil, a Argentina, e o México. NOTÍCIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Ninguém mais duvida que a atual crise capitalista, deflagrada nos EUA, já é a mais destrutiva da história deste sistema desde o crash da Bolsa 13
  • 14. de Nova York em 1929. Seus efeitos estilhaçam por todos os lados. Bancos e "agências de risco", que antes ditavam as regras neoliberais para o mundo, estão definhando; os adoradores do "deus-mercado" e os mentores da desregulamentação financeira pedem, com urgência, a intervenção do "estado leviatã"; George Bush, o prepotente imperador, estava morto antes mesmo do pleito presidencial. Este é o lado bom da crise. O lixo vai para o lixo! O lado negativo são os seus efeitos no mundo real, na vida dos trabalhadores. Segundo estudo da Organização Internacional dos Trabalhadores (OIT), a crise deverá acrescentar mais 20 milhões de desempregados nas frias estatísticas mundiais. O desemprego saltará dos atuais 190 milhões para 210 milhões até fins de 2009, "um recorde histórico", segundo Juan Somavia, diretor-geral da OIT. O número de "trabalhadores pobres", com renda inferior a dois dólares por dia, crescerá em 140 milhões de pessoas. Infelizmente, as projeções da OIT não têm nada de alarmista. CULINÁRIA FEIJOADA • Ingredientes • 1 Kg de feijão preto • 100 g de carne seca • 70 g de orelha de porco • 70 g de rabo de porco • 70 g de pé de porco • 100 g de costelinha de porco • 50 g de lombo de porco • 100 g de paio • 150 g de lingüiça portuguesa • Tempero: • 2 cebolas grandes ppicadinhas • 1 maço de cebolinha verde picadinha • 3 folhas de louro • 6 dentes de alho • Pimenta do reino a gosto • 2 laranjas 14
  • 15. • 40 ml de de pingaSal se precisar • 1 talo de salsão MODO DE PREPARO 1. Coloque as carnes de molho por 36 horas ou mais, vá trocando a água várias vezes, se for ambiente quente ou verão, coloque gelo por cima ou em camadas frias 2. Coloque para cozinhar passo a passo: as carnes duras, em seguida as carnes moles 3. Quando estiver mole coloque o feijão, e retire as carnes 4. Finalmente tempere o feijão FIQUE LIGADO 15
  • 16. PERSONALIDADE DO MÊS O presidente Lula quis usar uma metáfora bastante popular quando comparou a relação entre a sociedade e a crise à de um médico com seu paciente. 'Ou você diria ao paciente 'sifu'? Se você chega dizendo a gravidade da doença, você acaba matando o paciente.' Quando um presidente da República desce o nível das palavras deste jeito ele não pode ficar de fora das maiores gafes de 2008. MOMENTOS DE LAZER Sorridente e bem-disposto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva passeou de barco no último dia do ano, no arquipélago de Fernando de Noronha. Lula chegou a Noronha na terça-feira, acompanhado da primeira-dama, Marisa Letícia, dos filhos Fábio e Sandro Luiz, além de noras e netos. O presidente está hospedado no Casarão da Aeronáutica, localizado no alto de um morro. A intenção do presidente é descansar até o dia 11 de janeiro. De acordo com a assessoria de Lula, ele passará os últimos dias de sua férias na Base Naval de Aratu, em Salvador. Fonte: Estadão. 16
  • 18. MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA Inaugurado em 18 de março de 1989, no bairro da Barra Funda, na cidade de São Paulo, o Memorial da América Latina foi criado para difundir as manifestações latino- americanas de criatividade e saber, sempre com o objetivo de interagir relações culturais, políticas, econômicas e sociais.O espaço é divido em vários ambientes. Como a Praça Cívica, um espaço aberto onde se encontra um dos maiores símbolos do Memorial, a escultura “A Grande Mão”, que simboliza o sangue derramado pelos povos latino-americanos na luta pela liberdade; o Salão de Atos Tiradentes, que tem seis painéis que contam a saga da colonização latino-americana; o Auditório Simon Bolívar, famoso por já ter recebido chefes de Estado como Bill Clinton, Fidel Castro, Hugo Chávez, entre outros. A Biblioteca Latino- Americana, que conta com o maior acervo especializado em cultura latino-americana, com cerca de 30 mil volumes. Outro ambiente é o Pavilhão da Criatividade Popular Darcy Ribeiro, em que há uma maquete com quase mil pequenas peças, criada pelos artistas Gepp e Maia, com os principais pontos turísticos dos paises latino-americanos e cenas como uma do livro de Ernest Hemingway escrita em Cuba, O Velho e o Mar. O Pavilhão abriga também uma exposição permanente de arte popular latino-americana. Além de todos esses ambientes, o Memorial destaca-se como um dos principais pontos turísticos da cidade pelos grandes nomes que recebeu até hoje, como Luciano Pavarotti e o Balé de Cuba (que se apresentou na inauguração com a bailarina Alicia Alonso). Além disso, foi durante anos a sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e foi lá que nasceu o projeto da Universidade de Música e a Orquestra Jazz Sinfônica. O Memorial recebe grupos para visitas gratuitas e monitoradas. O espaço tem uma grande área ao ar livre, mas a falta de árvores o deixa com o clima árido, então para a visita é bom se prevenir. 18
  • 19. CHARGES SOBRE A POLÍTICA DA AMÉRICA LATINA 19
  • 20. CAMINHOS DA AMÉRICA – TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 20