SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
LIXO...



O PLANETA PEDE SOCORRO!!!
1- O PROBLEMA DO LIXO URBANO
           O que você chama de lixo? Provavelmente tudo aquilo
           que é sujo, inútil, velho, ultrapassado, indesejável.
           Existem vários sinônimos para isso: resto, resíduo,
           detrito, dejeto, refugo.
                      O lixo é talvez um dos temais mais importantes
           da atualidade, quando se pensa em meio ambiente. O
           crescimento populacional e o desenvolvimento industrial
           têm levado a humanidade a produzir uma quantidade
           cada vez maior e mais variada de lixo.
                      Na verdade, quanto mais próspera é uma
           sociedade, mais lixo ela produz. Calcula-se que cada
           habitante da cidade de São Paulo produza cerca de 1 kg
           de lixo por dia.
                      A cidade mais populosa do país produz
           diariamente 15000 toneladas de lixo. E é aí que começa o
           problema: como coletar esse lixo todo e que destino se
           pode dar a ele? Antes de responder a essa pergunta, é
           importante notar que já transformamos o lixo em nosso
           objeto de estudo.
2- CLASSIFICAÇÃO DO LIXO
   Lixo orgânico:
    É aquele que tem origem em seres vivos, sejam animais ou vegetais. (restos de alimentos,
    folhas, sementes, papéis, madeira, dejetos humanos, etc.)




   Lixo inorgânico:
    É o material que não possui origem biológica e que foi produzido pelo trabalho humano.
    (vidro, metal, entulho de construção, plástico, etc.)
   B) Quanto a proveniência:
   Lixo domiciliar
    Orgânico e inorgânico, produzido em todos os lares.




   Lixo industrial
    São os resíduos produzidos por todo o tipo de atividade industrial.




   Lixo agrícola
    Além dos restos das colheitas, aqui se incluem as sobras de fertilizantes e agrotóxicos usados
    nas plantações, bem como sobras de rações e produtos veterinários. As embalagens desse
    produtos requerem cuidados especiais para não prejudicarem o meio ambiente.
   Lixo hospitalar
    Seringas, agulhas, instrumentos cirúrgicos, aventais, luvas, todo esse material utilizado nos
    hospitais pode estar contaminado e requer cuidados, tanto no que se refere a sua coleta quanto
    ao seu armazenamento.




   Lixo atômico
    São os materiais radioativos provenientes de usinas nucleares. A coleta e o armazenamento
    implicam procedimentos especiais e de altíssimo risco.




   Lixo espacial
    Satélites, sondas, estágios de foguetes, todos esse material que fica no espaço também é lixo.
    Estima-se que já existam 2000 toneladas desse tipo de dejeto.
3) COLETA E DESTINO DO LIXO
A) Coleta – Agentes ambientais:
   Agentes da varrição
    Eles percorrem ruas, calçadas, praças recolhendo todo o tipo de lixo.



   Agente da coleta domiciliar
    Em um caminhão especial, equipado com recursos de alta tecnologia, eles entram em ação
    recolhendo todos os sacos de lixo comum deixados à frente das residências e dos
    estabelecimentos comerciais.




   Agente da coleta seletiva

    Ele retira o lixo que ocupa o maior espaço: os materiais recicláveis   .
B) Destino:
        Lixões                 Aterro Sanitário




                 Incineração
   Lixões
    Trata-se de depósitos a céu aberto, localizados em locais afastados ou periféricos, onde o lixo é
    simplesmente descarregado no solo, sem medidas de proteção ao meio ambiente.
    Os lixões causam contaminação das águas subterrâneas e do solo devido ao chorume e causa
    também a poluição do ar devido a formação de gases tóxicos.
    Os lixões são ambientes de proliferação de animais transmissores de doenças graves como
    leptospirose, raiva e peste bubônica.


   Aterros sanitários
    Superiores ao lixões, são os aterros controlados onde o lixo é compactado e enterrado em valas
    forradas com uma manta de impermeabilização e posteriormente é coberto com uma camada de
    terra, minimizando odores, impedindo a proliferação de doenças e contendo o chorume. Mas
    mesmo assim, os aterros não são considerados a solução ideal para o destino do lixo, pois não
    comportam grandes quantidades de lixo e não existe espaço suficiente para a construção de
    novos aterros.
   Incineração
    É a queima do lixo, reduzindo-o a cinzas, diminuindo seu volume. É uma forma de
    potencializar o aproveitamento dos aterros sanitários. É também a forma mais indicada de se
    lidar com o lixo hospitalar. No entanto trata-se de um processo caro que envolve métodos
    tecnológicos sofisticados para evitar que a fumaça tóxica contamine o ar.
4) Coleta seletiva
      Alguns benefícios da coleta seletiva:
      Para 75 latas de aço recicladas, preserva-se 1
      árvore que seria usada como carvão nos fornos.
      Para cada tonelada de papel reciclado, evita-
      se a derrubada de 16 a 30 árvores adultas em
      média.
      A cada 100 toneladas de plástico reciclado,
      evita-se a extração de 1 tonelada de petróleo,
      economizando-se em torno de 90% da energia
      usada.
      Em 10% de vidro reciclado, economiza-se 4%
      de energia e reduz 10% no consumo de água.
                As vantagens são muitas, mas acima
      de tudo ela melhora a qualidade de vida,
      minimiza os efeitos da poluição no planeta,
      gera empregos e rendas.
5) TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO DO
LIXO
               Canetas esferográficas: 50 mil anos
               Pilhas: até 500 anos
               Fralda descartável: 450 anos
               Sacos e copos plásticos: 200 a 450 anos
               Tampinha de garrafa: 150 anos
               Nylon: 30 anos
               Latas de aço: 10 anos
               Goma de mascar: 5 anos
               Ponta de cigarro: 5 anos
               Palito de fósforo: de 6 a 12 meses
               Casca de frutas: 3 meses
               Jornais: de 2 e 6 semanas
               Vidro, isopor e pneus: tempo
                indeterminado de decomposição.
6) VOCÊ SABIA...
A) O lixo que vem dos hospitais...
                        ...       pelas       múltiplas
                        possibilidades que apresenta de
                        transmitir doenças, deve ser
                        transportado    em     veículos
                        especiais. Assim como o lixo
                        industrial, a menos que passe
                        por processos de tratamento
                        específico, deve ser disposto
                        em local apropriado ou ir para
                        os incineradores.
B) O lixo atômico não pode ser destruído...

                  ... e a radioatividade pode durar
                  milhares de anos. Atualmente
                  esse lixo       é isolado     em
                  compartimentos de chumbo e
                  concreto e enterrado a, no
                  mínimo, 0,5 km de profundidade.
C) A matéria orgânica abandonada nos
lixões...

                      ... gera um subproduto tóxico
                      ao se decompor: o chorume,
                      um líquido de cor escura que
                      se infiltra na terra.
D) O aquecimento global...
                ...é uma das mais graves agressões causadas
                na atmosfera. Nela ocorre um fenômeno de
                manutenção do calor da Terra denominado
                Efeito Estufa. Esse efeito é determinado
                por quantidades muito pequenas de certos
                gases normalmente presentes na atmosfera.
                Entretanto o homem está alterando esse
                quadro, despejando na atmosfera enormes
                quantidades desses gases, emitido pela
                queima de combustíveis e a destruição e
                queima das florestas. Isso agrava o efeito
                estufa e pode aquecer o planeta além do
                normal.
E) O derretimento das geleiras...
                   ...é causado pelo aumento de
                   temperatura em decorrência
                   às mudanças climáticas que o
                   nosso planeta vem sofrendo.
                   Isso faz com que o nível do
                   mar suba, o que pode gerar
                   muitos danos aos animais que
                   vivem nos pólos, às praias,
                   ilhas e cidades litorâneas.
7) TUDO O QUE SOBE, DESCE...
TUDO O QUE VAI, TEM VOLTA...
                   “Lugar de lixo é na
            lixeira!” Lixo na rua acaba sendo
            arrastado pela água da chuva, indo
            até os bueiros e entupindo tudo.
            Sem vazão, a água sobe e
            acontecem as enchentes, que
            causam tanta tristeza e destruição.
            O lixo jogado nas ruas também
            pode ir parar direto nos córregos e
            rios, contaminando a          água
            consumida por nós.
8) ENTÃO, O QUE FAZER COM TANTO
LIXO???
               Felizmente, o homem tem a seu favor várias
               soluções para dispor de forma correta, sem
               acarretar prejuízos ao ambiente e à saúde
               pública. O ideal, no entanto, seria que todos
               nós evitássemos o acúmulo de detritos,
               diminuindo o desperdício de materiais e o
               consumo excessivo de embalagens.
                     Nos últimos anos, nota-se uma
               tendência mundial em reaproveitar cada vez
               mais os produtos jogados no lixo para
               fabricação de novos objetos, através dos
               processos de reciclagem, o que representa
               economia de matéria-prima e de energia
               fornecidas pela natureza. Assim, o conceito
               de lixo tende a ser modificado, podendo ser
               entendido como “coisas que podem ser úteis
               e aproveitáveis pelo homem”
9) Material de Apoio
 Ler e Escrever. Coletânea de Atividades.


 Revista Ciência Hoje.


 Cartilha de Conscientização Ambiental. Prefeitura
  Municipal de Araras. Secretaria da Educação.

 Recicla Araras. Prefeitura de Araras.


 O que o lixo tem a ver com o clima? Governo de São
  Paulo.
 Site: www.novambiental.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra Meio Ambiente
Palestra Meio AmbientePalestra Meio Ambiente
Palestra Meio Ambienteadelsonb
 
Ciclo de Vida das Embalagens
Ciclo de Vida das EmbalagensCiclo de Vida das Embalagens
Ciclo de Vida das EmbalagensMa Rina
 
Cartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaCartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaEduardo Mendes
 
Slide sobre o meio ambiente PARA EDUCAÇÃO INFANTIL
Slide sobre o meio ambiente PARA EDUCAÇÃO INFANTILSlide sobre o meio ambiente PARA EDUCAÇÃO INFANTIL
Slide sobre o meio ambiente PARA EDUCAÇÃO INFANTILEdneide Lima
 
Lixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucõesLixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucõesCleber Reis
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambientelaiszanatta
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemClaudia Costa
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambientecoldplay
 
Educação Ambiental Infantil
Educação Ambiental InfantilEducação Ambiental Infantil
Educação Ambiental Infantilmpaffetti
 
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura FamiliarTecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura FamiliarSebastião Nascimento
 

Mais procurados (20)

Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Palestra Meio Ambiente
Palestra Meio AmbientePalestra Meio Ambiente
Palestra Meio Ambiente
 
Ciclo de Vida das Embalagens
Ciclo de Vida das EmbalagensCiclo de Vida das Embalagens
Ciclo de Vida das Embalagens
 
Cartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do MapaCartografia: Elementos do Mapa
Cartografia: Elementos do Mapa
 
Slide sobre o meio ambiente PARA EDUCAÇÃO INFANTIL
Slide sobre o meio ambiente PARA EDUCAÇÃO INFANTILSlide sobre o meio ambiente PARA EDUCAÇÃO INFANTIL
Slide sobre o meio ambiente PARA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Lixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucõesLixo: consequências e solucões
Lixo: consequências e solucões
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Impactos ambientais
Impactos ambientaisImpactos ambientais
Impactos ambientais
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
 
O lixo urbano
O lixo urbanoO lixo urbano
O lixo urbano
 
Apresentação projeto 3 rs
Apresentação projeto 3 rsApresentação projeto 3 rs
Apresentação projeto 3 rs
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Educação Ambiental Infantil
Educação Ambiental InfantilEducação Ambiental Infantil
Educação Ambiental Infantil
 
Meio Ambiente
Meio AmbienteMeio Ambiente
Meio Ambiente
 
Reciclagem
Reciclagem Reciclagem
Reciclagem
 
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura FamiliarTecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 

Destaque

Classificação do Lixo
Classificação do LixoClassificação do Lixo
Classificação do LixoNiise
 
Folheto de promoção da leitura
Folheto de promoção da leitura Folheto de promoção da leitura
Folheto de promoção da leitura beboliqueime
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambientalNayara Pombo
 
Vamos reciclar
Vamos reciclarVamos reciclar
Vamos reciclarjuvallejo
 
A vida devocional_na_tradição_wesleyana
A vida devocional_na_tradição_wesleyanaA vida devocional_na_tradição_wesleyana
A vida devocional_na_tradição_wesleyanaPaulo Dias Nogueira
 
Sustentabilidade-5º ano B
Sustentabilidade-5º ano BSustentabilidade-5º ano B
Sustentabilidade-5º ano Bemefelza
 
Bimestral de português 5º ano
Bimestral de português 5º anoBimestral de português 5º ano
Bimestral de português 5º anoMary Catisti
 
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO Ricardo Arend
 

Destaque (13)

Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Lixo úmido e lixo seco
Lixo úmido e lixo secoLixo úmido e lixo seco
Lixo úmido e lixo seco
 
Classificação do Lixo
Classificação do LixoClassificação do Lixo
Classificação do Lixo
 
Av 1 cie 4°ano
Av 1 cie 4°anoAv 1 cie 4°ano
Av 1 cie 4°ano
 
Folheto de promoção da leitura
Folheto de promoção da leitura Folheto de promoção da leitura
Folheto de promoção da leitura
 
Poluição ambiental
Poluição ambientalPoluição ambiental
Poluição ambiental
 
Lixo Orgânico
Lixo OrgânicoLixo Orgânico
Lixo Orgânico
 
Vamos reciclar
Vamos reciclarVamos reciclar
Vamos reciclar
 
A vida devocional_na_tradição_wesleyana
A vida devocional_na_tradição_wesleyanaA vida devocional_na_tradição_wesleyana
A vida devocional_na_tradição_wesleyana
 
Sustentabilidade-5º ano B
Sustentabilidade-5º ano BSustentabilidade-5º ano B
Sustentabilidade-5º ano B
 
Projeto meio ambiente e sustentabilidade
Projeto meio ambiente e sustentabilidadeProjeto meio ambiente e sustentabilidade
Projeto meio ambiente e sustentabilidade
 
Bimestral de português 5º ano
Bimestral de português 5º anoBimestral de português 5º ano
Bimestral de português 5º ano
 
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
TRABALHO COMPLETO SOBRE O LIXO
 

Semelhante a Projeto Cuidar de Planeta

Semelhante a Projeto Cuidar de Planeta (20)

Resíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais FastweldResíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
 
Lixo 1201307853819881-3
Lixo 1201307853819881-3Lixo 1201307853819881-3
Lixo 1201307853819881-3
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.pptColeta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
Coleta Seletiva e o Meio Ambiente.ppt
 
Autor
AutorAutor
Autor
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Aula 05 agentes poluidores do solo
Aula 05   agentes poluidores do soloAula 05   agentes poluidores do solo
Aula 05 agentes poluidores do solo
 
Residuos8ano
Residuos8anoResiduos8ano
Residuos8ano
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
PROJETO LIXO NO LIXO.ppt
PROJETO LIXO NO LIXO.pptPROJETO LIXO NO LIXO.ppt
PROJETO LIXO NO LIXO.ppt
 
Apresentação1 poams
Apresentação1 poamsApresentação1 poams
Apresentação1 poams
 
Ppoint.Reciclagem
Ppoint.ReciclagemPpoint.Reciclagem
Ppoint.Reciclagem
 
Coleta seletiva 2003
Coleta seletiva 2003Coleta seletiva 2003
Coleta seletiva 2003
 
Lixo
LixoLixo
Lixo
 
Meio ambiente contaminação de solos
Meio ambiente contaminação de solosMeio ambiente contaminação de solos
Meio ambiente contaminação de solos
 
Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01Olixourbano 100629124536-phpapp01
Olixourbano 100629124536-phpapp01
 
Condição ambiental da cidade de juazeiro do norte
Condição ambiental da cidade de juazeiro do norteCondição ambiental da cidade de juazeiro do norte
Condição ambiental da cidade de juazeiro do norte
 
Condição ambiental da cidade de juazeiro do norte
Condição ambiental da cidade de juazeiro do norteCondição ambiental da cidade de juazeiro do norte
Condição ambiental da cidade de juazeiro do norte
 
Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.pptTreinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
 

Último

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 

Projeto Cuidar de Planeta

  • 2. 1- O PROBLEMA DO LIXO URBANO O que você chama de lixo? Provavelmente tudo aquilo que é sujo, inútil, velho, ultrapassado, indesejável. Existem vários sinônimos para isso: resto, resíduo, detrito, dejeto, refugo. O lixo é talvez um dos temais mais importantes da atualidade, quando se pensa em meio ambiente. O crescimento populacional e o desenvolvimento industrial têm levado a humanidade a produzir uma quantidade cada vez maior e mais variada de lixo. Na verdade, quanto mais próspera é uma sociedade, mais lixo ela produz. Calcula-se que cada habitante da cidade de São Paulo produza cerca de 1 kg de lixo por dia. A cidade mais populosa do país produz diariamente 15000 toneladas de lixo. E é aí que começa o problema: como coletar esse lixo todo e que destino se pode dar a ele? Antes de responder a essa pergunta, é importante notar que já transformamos o lixo em nosso objeto de estudo.
  • 3. 2- CLASSIFICAÇÃO DO LIXO  Lixo orgânico: É aquele que tem origem em seres vivos, sejam animais ou vegetais. (restos de alimentos, folhas, sementes, papéis, madeira, dejetos humanos, etc.)  Lixo inorgânico: É o material que não possui origem biológica e que foi produzido pelo trabalho humano. (vidro, metal, entulho de construção, plástico, etc.)
  • 4. B) Quanto a proveniência:  Lixo domiciliar Orgânico e inorgânico, produzido em todos os lares.  Lixo industrial São os resíduos produzidos por todo o tipo de atividade industrial.  Lixo agrícola Além dos restos das colheitas, aqui se incluem as sobras de fertilizantes e agrotóxicos usados nas plantações, bem como sobras de rações e produtos veterinários. As embalagens desse produtos requerem cuidados especiais para não prejudicarem o meio ambiente.
  • 5. Lixo hospitalar Seringas, agulhas, instrumentos cirúrgicos, aventais, luvas, todo esse material utilizado nos hospitais pode estar contaminado e requer cuidados, tanto no que se refere a sua coleta quanto ao seu armazenamento.  Lixo atômico São os materiais radioativos provenientes de usinas nucleares. A coleta e o armazenamento implicam procedimentos especiais e de altíssimo risco.  Lixo espacial Satélites, sondas, estágios de foguetes, todos esse material que fica no espaço também é lixo. Estima-se que já existam 2000 toneladas desse tipo de dejeto.
  • 6. 3) COLETA E DESTINO DO LIXO A) Coleta – Agentes ambientais:  Agentes da varrição Eles percorrem ruas, calçadas, praças recolhendo todo o tipo de lixo.  Agente da coleta domiciliar Em um caminhão especial, equipado com recursos de alta tecnologia, eles entram em ação recolhendo todos os sacos de lixo comum deixados à frente das residências e dos estabelecimentos comerciais.  Agente da coleta seletiva Ele retira o lixo que ocupa o maior espaço: os materiais recicláveis .
  • 7. B) Destino: Lixões Aterro Sanitário Incineração
  • 8. Lixões Trata-se de depósitos a céu aberto, localizados em locais afastados ou periféricos, onde o lixo é simplesmente descarregado no solo, sem medidas de proteção ao meio ambiente. Os lixões causam contaminação das águas subterrâneas e do solo devido ao chorume e causa também a poluição do ar devido a formação de gases tóxicos. Os lixões são ambientes de proliferação de animais transmissores de doenças graves como leptospirose, raiva e peste bubônica.  Aterros sanitários Superiores ao lixões, são os aterros controlados onde o lixo é compactado e enterrado em valas forradas com uma manta de impermeabilização e posteriormente é coberto com uma camada de terra, minimizando odores, impedindo a proliferação de doenças e contendo o chorume. Mas mesmo assim, os aterros não são considerados a solução ideal para o destino do lixo, pois não comportam grandes quantidades de lixo e não existe espaço suficiente para a construção de novos aterros.  Incineração É a queima do lixo, reduzindo-o a cinzas, diminuindo seu volume. É uma forma de potencializar o aproveitamento dos aterros sanitários. É também a forma mais indicada de se lidar com o lixo hospitalar. No entanto trata-se de um processo caro que envolve métodos tecnológicos sofisticados para evitar que a fumaça tóxica contamine o ar.
  • 9. 4) Coleta seletiva Alguns benefícios da coleta seletiva: Para 75 latas de aço recicladas, preserva-se 1 árvore que seria usada como carvão nos fornos. Para cada tonelada de papel reciclado, evita- se a derrubada de 16 a 30 árvores adultas em média. A cada 100 toneladas de plástico reciclado, evita-se a extração de 1 tonelada de petróleo, economizando-se em torno de 90% da energia usada. Em 10% de vidro reciclado, economiza-se 4% de energia e reduz 10% no consumo de água. As vantagens são muitas, mas acima de tudo ela melhora a qualidade de vida, minimiza os efeitos da poluição no planeta, gera empregos e rendas.
  • 10. 5) TEMPO DE DECOMPOSIÇÃO DO LIXO  Canetas esferográficas: 50 mil anos  Pilhas: até 500 anos  Fralda descartável: 450 anos  Sacos e copos plásticos: 200 a 450 anos  Tampinha de garrafa: 150 anos  Nylon: 30 anos  Latas de aço: 10 anos  Goma de mascar: 5 anos  Ponta de cigarro: 5 anos  Palito de fósforo: de 6 a 12 meses  Casca de frutas: 3 meses  Jornais: de 2 e 6 semanas  Vidro, isopor e pneus: tempo indeterminado de decomposição.
  • 11. 6) VOCÊ SABIA... A) O lixo que vem dos hospitais... ... pelas múltiplas possibilidades que apresenta de transmitir doenças, deve ser transportado em veículos especiais. Assim como o lixo industrial, a menos que passe por processos de tratamento específico, deve ser disposto em local apropriado ou ir para os incineradores.
  • 12. B) O lixo atômico não pode ser destruído... ... e a radioatividade pode durar milhares de anos. Atualmente esse lixo é isolado em compartimentos de chumbo e concreto e enterrado a, no mínimo, 0,5 km de profundidade.
  • 13. C) A matéria orgânica abandonada nos lixões... ... gera um subproduto tóxico ao se decompor: o chorume, um líquido de cor escura que se infiltra na terra.
  • 14. D) O aquecimento global... ...é uma das mais graves agressões causadas na atmosfera. Nela ocorre um fenômeno de manutenção do calor da Terra denominado Efeito Estufa. Esse efeito é determinado por quantidades muito pequenas de certos gases normalmente presentes na atmosfera. Entretanto o homem está alterando esse quadro, despejando na atmosfera enormes quantidades desses gases, emitido pela queima de combustíveis e a destruição e queima das florestas. Isso agrava o efeito estufa e pode aquecer o planeta além do normal.
  • 15. E) O derretimento das geleiras... ...é causado pelo aumento de temperatura em decorrência às mudanças climáticas que o nosso planeta vem sofrendo. Isso faz com que o nível do mar suba, o que pode gerar muitos danos aos animais que vivem nos pólos, às praias, ilhas e cidades litorâneas.
  • 16.
  • 17. 7) TUDO O QUE SOBE, DESCE... TUDO O QUE VAI, TEM VOLTA... “Lugar de lixo é na lixeira!” Lixo na rua acaba sendo arrastado pela água da chuva, indo até os bueiros e entupindo tudo. Sem vazão, a água sobe e acontecem as enchentes, que causam tanta tristeza e destruição. O lixo jogado nas ruas também pode ir parar direto nos córregos e rios, contaminando a água consumida por nós.
  • 18. 8) ENTÃO, O QUE FAZER COM TANTO LIXO??? Felizmente, o homem tem a seu favor várias soluções para dispor de forma correta, sem acarretar prejuízos ao ambiente e à saúde pública. O ideal, no entanto, seria que todos nós evitássemos o acúmulo de detritos, diminuindo o desperdício de materiais e o consumo excessivo de embalagens. Nos últimos anos, nota-se uma tendência mundial em reaproveitar cada vez mais os produtos jogados no lixo para fabricação de novos objetos, através dos processos de reciclagem, o que representa economia de matéria-prima e de energia fornecidas pela natureza. Assim, o conceito de lixo tende a ser modificado, podendo ser entendido como “coisas que podem ser úteis e aproveitáveis pelo homem”
  • 19. 9) Material de Apoio  Ler e Escrever. Coletânea de Atividades.  Revista Ciência Hoje.  Cartilha de Conscientização Ambiental. Prefeitura Municipal de Araras. Secretaria da Educação.  Recicla Araras. Prefeitura de Araras.  O que o lixo tem a ver com o clima? Governo de São Paulo.  Site: www.novambiental.com.br