SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA 5
1
Apresentação
Aluno
Você é adolescente?
Está saindo da adolescência?
Já foi adolescente há algum tempo?
Respondendo afirmativamente a qualquer
pergunta acima, certamente você se
identificará com os textos deste módulo. Com
eles, você verá a importância dos conectores
para um texto bem feito. Aquele em que você
vai tecendo, ponto a ponto, como um tecido
mesmo. Com esse estudo, fará o seu próprio
texto, bem tecido.
2
Legenda
Exercício [faça no seu caderno]
Produção de texto [escreva no seu
caderno]
Conceito [conceito importante que você
deve gravar]
Aprenda mais [faça no seu caderno]
Ler é viver [leia e depois responda no seu
caderno]
3
JUVENTUDE:
A UTOPIA DA ONIPOTÊNCIA
Para derrotar o medo, alguns jovens acreditam ser imunes a qualquer perigo.
Vestem a couraça da onipotência e põem em risco seu futuro e sua vida.
Até que um dia descobrem por que não são “imortais”
A adolescência é uma fase extremamente difícil da vida. Talvez a mais difícil.
Temos que nos comportar como adultos sem dispor de cacife para isso. Temos que ser
fortes e independentes quando ainda nos sentimos inseguros e sem autonomia de vôo.
Temos que mostrar autoconfiança sexual, mesmo sendo totalmente inexperientes.
Temos que formar um juízo a nosso respeito  se possível positivo  , mas nos falta
a vivência para aprofundar o autoconhecimento. Enfim, temos que ser ousados e
corajosos, embora a cada passo surja o medo para nos inibir.
O que fazer? Frente a tantas incertezas, acabamos seguindo os modelos sugeridos
pela própria cultura. Passamos a imitar nossos heróis, “travestindo-nos” de super-
homens e de mulheres maravilha. Assim, encobrimos nossas dúvidas e inseguranças.
Elas que sejam reprimidas e enviadas para o porão do inconsciente. Nós seremos os
fortes e destemidos, para nós nada de errado ou ruim irá acontecer. Construímos uma
imagem de perfeição, de criaturas especiais, particularmente abençoadas pelos deuses.
Resultado: nos sentimos onipotentes e, a partir daí, não há coisa no mundo que possa
nos aterrorizar, uma vez que estamos revestidos de proteções extraordinárias.
Esse “estado de graça” irá perdurar por um tempo variável. É um período bastante
complicado para as pessoas que convivem com o jovem, pois ele sabe tudo, faz tudo
melhor, acha todo o mundo “alienado” e “burro”. Só ele é competente e sábio. No
entanto, para o próprio jovem, a fase parece muito positiva. Ele, finalmente, se sente
bem, forte, seguro e não tem medo de experimentar situações novas. Pode montar o
cavalo mais selvagem com a certeza absoluta de que não cairá em hipótese alguma.
Mais tarde, quando não for mais tão ousado e confiante, se lembrará dessa época da
vida como a mais feliz. Afinal de contas, a sensação de euforia é sempre inesquecível.
Na verdade, ninguém teria nada contra a onipotência, se ela correspondesse à
realidade. Porém, não é isso que os fatos nos ensinam. Sabemos que, entre os jovens,
são exatamente os mais confiantes, aqueles que se envolvem em todo tipo de acidentes
graves, quando não fatais. São estes jovens que dirigem seus carros na estrada, durante a
madrugada, com o “pé na tábua”. Não sentem medo porque “é óbvio que os pneus não
irão estourar” e “é lógico que não irão adormecer ao volante”. São estes jovens que
saem de uma festa e, alcoolizados, vão a toda a velocidade para a praia. Sua
“imortalidade” só é desmentida por um acidente fatal. Aliás, para ser sincero, parece
incrível que não ocorra um maior número de acidentes.
Alguns jovens, onipotentes e filhos diletos dos deuses, andam de motocicleta sem
capacete. Desafiam a chuva e o asfalto molhado, depois de usar tóxicos ou ingerir
4
álcool. Fazem curvas superperigosas. Não se intimidam porque “para eles nada de mau
irá acontecer”. E morrem ou ficam paralíticos, interrompendo vidas que poderiam ser
ricas e fascinantes. Estes mesmos jovens utilizam drogas em doses elevadas, porque se
julgam imunes aos riscos da overdose e suas graves conseqüências. Chegam a
compartilhar seringas, ao injetar tóxicos na veia, pois “é claro que não terão AIDS”. E,
pela mesma razão, continuam a ter relações sexuais com parceiros desconhecidos, sem
sequer tomar o cuidado de usar camisinha.
Aqueles que não morrem ou não ficam gravemente doentes, um dia acordam
desse sonho em que flutuavam em “estado de graça”. Acordam porque lhes aconteceu
algo: aquele acidente considerado impossível. Caíram do cavalo. Eles também são
mortais! Então, tomam consciência de toda a insegurança e de toda a fragilidade que os
levaram a construir a falsa armadura da onipotência. Ao se tornarem criaturas normais,
sentem-se fracos. Antes era muito melhor. Sim, mas era tudo mentira. Agora, o mundo
perdeu as cores vibrantes da fantasia. Vestiu os meios-tons da realidade. Eles não
conseguiram domar o cavalo selvagem e foram derrubados no chão. Terão que aprender
a cair e se levantar. Terão que aprender a respeitar mais os cavalos! Terão que saber que
todas as doenças, todos os acidentes, todas as faltas de sorte poderão persegui-los. E 
o que é mais importante  terão que enfrentar com serenidade a plena consciência
de que são vulneráveis. Este é um dos ingredientes da maturidade: ter serenidade na
viagem da vida, mesmo sabendo que tudo pode nos acontecer.
Gikovate, Flávio. Revista Cláudia
Fevereiro/92. Pág. 132.
Leia com atenção o texto “Juventude: a utopia da
onipotência”
1- Com o auxílio de um dicionário, faça em seu caderno a relação das
palavras abaixo com os sinônimos das que aparecem no texto.
1-
2-
3-
4-
5-
6-
1- que tem competência
2- confiar em sim mesmo
3- encantadores
5
4- poder absoluto e infinito
5- imortais
6- queridos
2- O autor expõe as incertezas da adolescência e os métodos usados para
enfrentar essa fase e atingir um “estado de graça”. No que constitui esse
estado?
3- A onipotência da adolescência é real? Explique.
4- O que o autor quer dizer sobre a adolescência com a frase: “Eles não
conseguiram domar o cavalo selvagem e foram derrubados no chão”?
5- Qual é um dos ingredientes da maturidade? Você concorda com o
autor? Por quê?
Leia, agora, este poema:
O ADOLESCENTE
“A vida é tão bela que chega a dar medo.
Não medo que paralisa e gela,
estátua súbita,
mas
esse medo fascinante e fremente de curiosidade que faz
o jovem felino seguir para a frente farejando o vento
ao sair, a primeira vez, da gruta.
Medo que ofusca: luz!
Cumplicemente,
as folhas contam-te um segredo
velho como o mundo:
Adolescente, olha! A vida é nova. . .
A vida é nova e anda nua
 vestida apenas com o teu desejo!”
Quintana, Mário. Nariz de Vidro.
São Paulo, Moderna, 1990.
6
O poema acima, de Mário Quintana, fala da adolescência, assim
como o texto de Flávio Gikovate. Porém, a maneira de abordar o tema é
diferente. Observe:
 texto de Flávio Gikovate não literário; refere-se ao
mundo real.
 texto de Mário Quintana literário; refere-se ao mundo
possível, partindo de observações reais e está escrito em versos.
O texto literário centra-se no trabalho com a língua. Compare a
observação sobre o medo na adolescência nos dois textos:
a) Gikovate “. . . temos que ser ousados e corajosos,
embora a cada passo surja o medo para nos inibir. O que fazer? Frente a
tantas incertezas acabamos seguindo os modelos sugeridos pela própria
cultura. Passamos a imitar nossos heróis, “travestindo-nos” de super-
homens e de mulheres-maravilha. Assim encobrimos nossas dúvidas e
inseguranças.
b) Quintana “A vida é tão bela que chega a dar medo.
Não medo que paralisa e gela,
estátua súbita,
mas
esse medo fascinante e fremente de curiosidade que faz
o jovem felino seguir para a frente farejando o vento
ao sair, a primeira vez, da gruta”.
Ambos os textos falam do medo da adolescência e a coragem para
enfrentá-lo, mas no texto “a” a adolescência é vista de modo real,
enquanto que no “b” ela é do mundo possível, como o poeta a vê.
Geralmente o poema expõe as idéias resumidamente e trabalhando a
língua. Leia em voz alta e sinta o efeito das palavras com F.
1- No texto de Gikovate e no de Quintana, qual a característica principal
da fase da adolescência?
2- Analise apenas o trecho a seguir, em que Quintana expõe
resumidamente: “A vida é nova . . . A vida é nova e anda nua  vestida
apenas com o teu desejo”.
7
Copie o trecho de Gikovate que expõe a mesma idéia.
Qual a função do elemento de conexão?
Todo texto, para fazer sentido, para ser verdadeiramente um texto,
precisa ir ligando uma parte a outra, uma frase a outra, uma palavra a
outra.
Às vezes, nos exercícios, para ficar mais fácil de se entender, as
frases estão soltas. Porém, elas só se firmam enquanto texto se estiverem
ligadas.
Vamos estudar a Conexão entre frases.
Observe:
a) Aquele aluno estudou muito.
b) Aquele aluno não entendeu a lição.
Transformando os períodos simples acima num período composto,
obteremos:
Aquele aluno estudou muito, mas não entendeu a lição. (idéia de
oposição)
Considerando-se outras conjunções (ou conectores) que também
indicam oposição, poderíamos construir:
Aquele aluno estudou muito, contudo não entendeu a lição.
Aquele aluno estudou muito, porém não entendeu a lição.
Embora tivesse estudado muito, aquele aluno não entendeu a lição.
Da mesma forma, poderemos fazer com os conectores que indicam
outras relações.
8
Veja no quadro abaixo alguns conectores (também chamados de
conjunções) e a relação que indicam:
condição se, caso, desde que, contanto que, a não ser que
causa porque, já que, visto que, por isso, como, por, pois
que
R
e mediação
l ou para que, a fim de que, para
a finalidade
ç
ã conformidade conforme, segundo, consoante, como
o
d tempo quando, nem bem, logo que, assim que, enquanto,
até que
oposição mas, embora, mesmo, apesar de, se bem que, no
entanto, todavia
adição e, também, não só. . . mas também, além de, tanto . . .
como
1- Escreva outras duas possibilidades para indicar as relações
apontadas:
a) Tempo Quando chegou em casa, começou a implicar com a
mulher.
b) Conformidade O farmacêutico preparou a receita conforme o
médico determinara.
c) Finalidade Fiz o possível para que meu amigo se recuperasse
da crise.
d) Condição Se fizer bom tempo, iremos à praia.
9
2- Encontre no texto de Gikovate e copie:
a) Uma frase com conector de causa.
b) Uma frase com conector de oposição.
3- Leia as palavras de Josefa Maria de Jesus abaixo, observe a oração
que está entre vírgulas e reescreva-a, substituindo o conector “quando”
por um conector que dê a idéia de condição.
4- A frase abaixo não tem um conector explícito, isto é, que esteja no
texto, mas os dois pontos dão idéia de um conector. Escreva essa frase e
encaixe o conector adequado.
10
5- Nas frases a seguir, há erros no emprego dos conectores. Corrija-os.
a) O rio transbordou mas choveu demais.
b) O grupo mantém dois dos cantores antigos porque o repertório
continua o mesmo.
Observe os conectores de seqüência:
Os conectores servem também para dar seqüência a um texto, isto
é, fazer o texto desenvolver-se .
Observe o primeiro parágrafo do texto de Gikovate. Ele está dando
os vários tipos de comportamento que temos quando adolescentes. Para
terminar essas citações sobre o comportamento e continuar outros
tópicos ele escreve “Enfim, temos que ser ousados e corajosos. . .”
E o texto dele caminha com vários conectores: assim, no entanto,
afinal de contas, na verdade, etc.
Os conectores que dão seqüência aos textos são muitos. Além dos
conectores do quadro anterior, você pode usar também: primeiro, depois,
por fim, finalmente, por último, antes, ainda, em conclusão, em resumo,
etc.
Agora você vai redigir uma dissertação que deverá conter, no
mínimo, três parágrafos. Observe que para isso há necessidade de
estruturá-la em: início, desenvolvimento e conclusão. Sugerimos que
você utilize os conectores que você aprendeu neste módulo.
Tema: Ser jovem.
11
INFLAÇÃO e INFRAÇÃO
Veja a diferença:
• Com a inflação aumentando assim, meu dinheiro não compra mais nada.
(inflação = desvalorização do dinheiro)
• Senhores, espancar um menor é uma grave infração.
(infração = desrespeito a um regulamento, violação de uma lei)
Complete com inflação ou infração
a) A __________ já atingiu 240%?
b) Dirigir sem habilitação é uma grave ________ às leis do trânsito.
c) Nossa economia não pode suportar uma taxa de _____ tão alta.
d) Você sabia que buzinar à noite é uma ________?
DESCRIÇÃO e DISCRIÇÃO
• Nesta reportagem, há uma ótima descrição da região.
(descrição = ato de descrever)
• Procure vestir-se com discrição.
(discrição = simplicidade)
• Foi uma pessoa que sempre agiu com discrição.
(discrição = prudência, sensatez)
APRENDA MAIS
12
1- Complete com descrição ou discrição:
a) Se agirmos com _______, tudo ficará mais fácil.
b) Sua _____ do assaltante é muito precária.
c) Já está muito escuro, por isso fica muito difícil fazer uma boa _______
do local.
d) Decorou a casa com bom gosto e ________.
2- Aponte a alternativa em que a palavra destacada está empregada
erradamente.
a) Se houvesse maior discrição, o problema não teria ido a público.
b) Não conseguiu fazer a descrição do acidente, pois estava
traumatizado.
c) Quem mais sofre com a inflação são os trabalhadores.
d) É importante que você faça uma boa discrição dos dois personagens.
SER BROTINHO
Ser brotinho é sorrir dos homens e rir interminavelmente das mulheres,
como se o ridículo, visível ou invisível, provocasse tosse e riso.
Ser brotinho é desdizer de enfeites e pinturas, e fazer uma cara
lambida, arrumar os cabelos no vento, apagar o corpo dentro de um vestido sem graça
de doer, mas ir por aí espalhando fagulhas pelos olhos. Ser brotinho é lançar fagulhas
pelos olhos.
É viver a eternidade de uma tarde em atitude esquemática, a compreender o teto.
É passar o feriado descalça, no apartamento da amiga, comendo de lata, e cortar o dedo,
e chupar o sangue. Ser brotinho é possuir vitrola própria. Perambular pelas ruas do
bairro com um ar sonso-moderninho-vagarento, abraçada a uma porção de elepês
esfuziantes. É dizer a palavra feia precisamente no instante em que essa palavra se faz
imprescindível e tão elegante e superior.
13
É poder usar óculos enormes como se fosse uma decoração, um adjetivo para o
rosto e para o espírito. É esvaziar o sentido das coisas que os coroas levam a sério, mas
é também dar sentido de repente ao vácuo absoluto. Aguardar na paciente geladeira o
momento exato de ir à forra da falsa amiga.
É telefonar muito, demais, revirando-se no chão como dançarina do deserto. É
querer ser rapaz só para vaguear sozinho pelos astros da madrugada. Achar muito bonito
um homenzarrão muito feio; mas achar tão legal uma senhora ilegal.
Ser brotinho é comparar o amigo do pai a um pincel de barba a gente vai ver, está
certo: o amigo do pai parece um pincel de barba. É sentir uma vontade adoidada de cair
nua no mar noturno, completamente. É esvoaçar de euforia à vista de uma cascata.
Falar inglês sem saber verbos irregulares.
É ter uma vez bebido dois gins, quatro uísques, cinco taças de champanha e uma
de cinzano sem sentir nada, mas ter outra vez bebido só um cálice de vinho-do-porto e
ter dado um vexame modelo grande.
Ser brotinho é atravessar de ponta a ponta o salão da festa com uma indiferença
glacial pelas mulheres que deixaram de ser brotinhos. É ficar pasmada no escuro da
varanda sem contar para ninguém a miserável traição. Amanhecer chorando, anoitecer
dançando. Ter horror de gente morta. Ladrão dentro de casa. Fantasma. Barata. É
policiar parentes, amigos, mestres, e mestras com ar songa-monga de quem nada vê,
nada ouve, nada fala.
Ser brotinho é adorar. Adorar o impossível. Ser brotinho é detestar o possível. É
acordar ao meio-dia de domingo com uma cara horrenda, comer só e lentamente uma
fruta meio verde, e ficar de pijama telefonando, até a hora do jantar, e mais telefonar, e
ir devorar um sanduíche americano na esquina; tão estranha é a vida na terra, no mar e
no ar.
CAMPOS, PAULO MENDES. Elenco de cronistas
modernos, 2ª edição, Editora Sabiá, Rio de Janeiro,
1971, pp. 165-167.
Qual dos conceitos de “ser brotinho” você achou mais adequado a
essa fase de vida? Por quê?
14
Gabarito
p. 05
1) 1- competente
2- autoconfiança
3- fascinantes
4- onipotente
4- deuses
5- diletos
2) Em um sentimento de onipotência, pois os adolescentes se acham revestidos de proteções
extraordinárias.
3) Não é real, pois com o passar do tempo eles tomam consciência de sua fragilidade.
4) Eles não conseguiram dominar a euforia e perceberam não ser onipotentes e sim vulneráveis aos
acontecimentos.
p. 06
5) Levar a vida com serenidade. Resposta pessoal.
p.07
1) A ousadia perante a vida.
2) “Ele, finalmente, se sente bem, forte, seguro e não tem medo de experimentar situações novas.”
p. 09
1) a- Nem bem chegou em casa, começou a implicar com a mulher.
Assim que chegou em casa, começou a implicar com a mulher.
b- O farmacêutico preparou a receita segundo o médico determinara.
O farmacêutico preparou a receita como o médico determinara.
c- Fiz o possível para meu amigo se recuperar da crise.
Fiz o possível a fim de que meu amigo se recuperasse da crise.
d- Caso faça bom tempo, iremos à praia.
Contanto que faça bom tempo, iremos à praia.
p. 10
2) a- Não sentem medo porque “é óbvio que os pneus não irão estourar”. . .
b- “Este é um dos ingredientes da maturidade: ter serenidade na viagem da vida, mesmo sabendo que
tudo pode nos acontecer.”
3) “ Se a pessoa sente muita fome, a fome acaba morrendo.”
4) “A liberdade não é dada pelos governos, mas deve ser exigida pelo povo.”
p. 11
5) a- O rio transbordou, pois choveu demais.
b- O grupo mantém dois dos cantores antigos e o repertório continua o mesmo.
p.12
a) inflação b) infração c) inflação d) infração
p.13
1) a) discrição b) descrição c) descrição d) discrição
2) Resposta d
p.15
Resposta pessoal.
15
Bibliografia
• O Texto: Da Teoria À Prática – Subsídios à Proposta Curricular para o
Ensino de Língua Portuguesa – Ensino Fundamental – Secretaria de
Estado da Educação – São Paulo – Coordenadoria de Estudos e Normas
Pedagógicas – 2ª ed. – São Paulo – 1998.
• Parâmetros Curriculares Nacionais – Português e Apresentação dos
Temas Transversais – Ministério da Educação e do Desporto – Secretaria
de Educação Fundamental – Brasília – 1997.
• Proposta Curricular para o ensino de Língua Portuguesa – Ensino
Fundamental – Secretaria de Estado da Educação – São Paulo -
Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas - 4ª ed. – São Paulo –
1998.
ALMEIDA, Maria Aparecida e FERREIRA, Givan - Falando a Mesma
Língua. São Paulo: FTD, 1994.
BASSI, Cristina M. e LEITE, Márcia - Leitura e Expressão. Atual Editora,
1992.
CARDOSO, Eloisa G. e DONADIO, Miriam G. - Português – Projeto
Alternativo. Ed. do Brasil, 1989.
CARVALHO, Carmen Silvia C. Torres de; PANACHÃO, Déborah;
KUTNIKAS, Sarina Bacellar; SALMASO, Silvia Maria de Almeida -
Construindo a escrita: Gramática/ ortografia. São Paulo: Ática, 1997.
CARVALHO, Carmen Silvia C. Torres de; PANACHÃO, Déborah;
KUTNIKAS, Sarina Bacellar; SALMASO, Silvia Maria de Almeida -
Construindo a escrita: Leitura e interpretação de textos. São Paulo: Ática,
1997.
COLEÇÃO “PARA GOSTAR DE LER” : Ed. Ática, 1994.
CUNHA, Celso e CINTRA, Lindley - Nova Gramática do Português
Contemporâneo. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.
ENCICLOPÉDIA BRITÂNICA DO BRASIL – Rio de Janeiro, 1997.
FARACO, Carlos Emílio e MOURA, Francisco Marto de - Gramática Nova.
São Paulo: Ática, 1992.
FARACO, Carlos Emílio e MOURA, Francisco Marto de - Linguagem Nova.
São Paulo: Ática, 1997.
FÁVERO, Leonor L. - Coesão e coerência textuais. 3ª ed. São Paulo: Ática,
1995.
FÁVERO, Leonor L. e KOCH, Ingedore G. V - Linguística textual:
introdução. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1994.
16
GARCIA, Othon M. - Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro:
Fundação Getúlio Vargas, 1975.
GONÇALVES, Maria Silvia e RIOS, Rosana - Português Em Outras
Palavras. 2ª ed. Ed. Scipione, 1997.
GRANATIC, Branca - Técnicas básicas de redação. 4ª ed. São Paulo:
Scipione, 1997.
INFANTE, Ulisses - Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação.
São Paulo: Scipione, 1998.
JORNAIS: O Estado de São Paulo, Cruzeiro do Sul, Folha de São Paulo,
Diário de Sorocaba.
KLEIMAN, Angela - Texto e leitor. 4ª ed. Campinas, SP: Pontes, 1995.
LUFT, Celso Pedro e CORREA, Maria Helena - A Palavra é Sua. 3ª ed. São
Paulo: Ed. Scipione, 1997.
MAIA, João D. - Literatura: Textos e técnicas. São Paulo: Ática, 1996.
MIRANDA, Claudia e RODRIGUES, Maria Luiza Delage - Linguagem viva.
3ª ed. São Paulo: Ática, 1997.
NICOLA, José De e INFANTE, Ulisses - Palavras e Idéias. São Paulo:
Scipione, 1995.
PERINI, Mario A. - Por uma nova gramática. 4ª ed. São Paulo: Ática, 1989.
PROENÇA, Graça e HORTA, Regina - A Palavra É Português. 3ª ed. Ed.
Ática, 1997.
REVISTAS: Veja, Isto É, Manequim, Nova Escola, Cláudia.
SARGENTIM, Hermínio G. - Atividades de Comunicação em Língua
Portuguesa. São Paulo: IBEP.
SILVA, Antonio de Siqueira e BERTOLIN, Rafael - A Construção da
Linguagem. São Paulo: IBEP.
SOARES, Magda - Português Através de Textos. 3ª ed. São Paulo: Ed.
Moderna, 1993.
TRAVAGLIA, Luiz C. - Gramática e interação: uma proposta para o ensino
de gramática no 1º e 2º graus. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1997.
TEATRO DA JUVENTUDE – Governo do Estado de São Paulo/ Secretaria
da Cultura. Ano 2 – Número 14 – Outubro/1997.
TESOTO, Lídio - Novo Texto e Contexto. São Paulo: Ed. do Brasil, 1994.
TUFANO, Douglas - Curso Moderno de Língua Portuguesa. 2ª ed.
reformulada. São Paulo: Moderna, 1991.
17
Equipe de Português
• Antonia Gilmara Biazotto de Souza Rodrigues
• Aparecida Ferreira Ladeira
• Edna Gouvêa
• Maria Alice Pacos
Coordenação
Cheila Fernanda Rodrigues
Supervisão
Terezinha Hashimoto Bertin
Colaboração especial
Neide Giamboni Lopes
Direção
Rita de Cássia Fraga Costa
Capa
Criação: Lopes e Vilela
Observação Importante
Este material foi elaborado pelos professores de
Português/ Sorocaba, para uso exclusivo de CEES.
É proibida a sua comercialização.
Observação
Estes Módulos foram feitos com base na nova
L D B, Parâmetros Curriculares, Proposta CENP.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dica enem
Dica enemDica enem
Dica enem
cvt de beberibe
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
Antônio Fernandes
 
Fuvest 2ª fase 1º dia
Fuvest 2ª fase 1º diaFuvest 2ª fase 1º dia
Fuvest 2ª fase 1º dia
FabsVitti
 
Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
Marcia Oliveira
 
Ex port639 f1_2013_v1
Ex port639 f1_2013_v1Ex port639 f1_2013_v1
Ex port639 f1_2013_v1
carlalouro11
 
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino MédioAvaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Marcia Oliveira
 
Prova 3 Em Simulado I 2009
Prova 3 Em Simulado I 2009Prova 3 Em Simulado I 2009
Prova 3 Em Simulado I 2009
Pitnews65
 
Textos portugues g
Textos portugues gTextos portugues g
Textos portugues g
Atividades Diversas Cláudia
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
Antônio Fernandes
 
Teste Intermédio Português 9º Ano 2013
Teste Intermédio Português 9º Ano 2013Teste Intermédio Português 9º Ano 2013
Teste Intermédio Português 9º Ano 2013
Ana Tapadinhas
 
avaliação de língua portuguesa 3ª A
avaliação de língua portuguesa 3ª A avaliação de língua portuguesa 3ª A
avaliação de língua portuguesa 3ª A
Marcia Oliveira
 
Simulado língua portuguesa 9º ano (análise sintática e morfológica)
Simulado língua portuguesa 9º ano (análise sintática e morfológica)Simulado língua portuguesa 9º ano (análise sintática e morfológica)
Simulado língua portuguesa 9º ano (análise sintática e morfológica)
Marcia Oliveira
 
Uninorte juridico_#4
Uninorte juridico_#4Uninorte juridico_#4
Uninorte juridico_#4
Centro Universitário do Norte
 
7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
Poliana Moura
 
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
Olivier Fausti Olivier
 
Simulado ENEM 1º ano
Simulado ENEM 1º anoSimulado ENEM 1º ano
Simulado ENEM 1º ano
Crisliane Pinheiro
 
RESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIAS
RESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIASRESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIAS
RESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIAS
Alcance Enem
 
2 45 200_2013-simualado enem-linguagens-2º anos-04-05-gabaritada
2 45 200_2013-simualado enem-linguagens-2º anos-04-05-gabaritada2 45 200_2013-simualado enem-linguagens-2º anos-04-05-gabaritada
2 45 200_2013-simualado enem-linguagens-2º anos-04-05-gabaritada
Governo do Estado do Ceará
 
Avaliação i 6º ano - 3º bimestre 2017 ferpanta
Avaliação i   6º ano  - 3º bimestre   2017 ferpantaAvaliação i   6º ano  - 3º bimestre   2017 ferpanta
Avaliação i 6º ano - 3º bimestre 2017 ferpanta
Aureliano Santos
 
Teste formativo 6º março 016_017.dotx
Teste formativo 6º março  016_017.dotxTeste formativo 6º março  016_017.dotx
Teste formativo 6º março 016_017.dotx
Margarida Isabel Pinto
 

Mais procurados (20)

Dica enem
Dica enemDica enem
Dica enem
 
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
SIMULADO UNIFICADO ESCOLA CORNÉLIA. 2º ANO ENSINO MÉDIO. DOCUMENTO PÚBLICO.
 
Fuvest 2ª fase 1º dia
Fuvest 2ª fase 1º diaFuvest 2ª fase 1º dia
Fuvest 2ª fase 1º dia
 
Tipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuaisTipologia e gêneros textuais
Tipologia e gêneros textuais
 
Ex port639 f1_2013_v1
Ex port639 f1_2013_v1Ex port639 f1_2013_v1
Ex port639 f1_2013_v1
 
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino MédioAvaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
 
Prova 3 Em Simulado I 2009
Prova 3 Em Simulado I 2009Prova 3 Em Simulado I 2009
Prova 3 Em Simulado I 2009
 
Textos portugues g
Textos portugues gTextos portugues g
Textos portugues g
 
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
APOSTILA PREPARATÓRIA ENEM 2012. LINGUAGENS SUAS TECNOLOGIAS E SEUS CÓDIGOS.
 
Teste Intermédio Português 9º Ano 2013
Teste Intermédio Português 9º Ano 2013Teste Intermédio Português 9º Ano 2013
Teste Intermédio Português 9º Ano 2013
 
avaliação de língua portuguesa 3ª A
avaliação de língua portuguesa 3ª A avaliação de língua portuguesa 3ª A
avaliação de língua portuguesa 3ª A
 
Simulado língua portuguesa 9º ano (análise sintática e morfológica)
Simulado língua portuguesa 9º ano (análise sintática e morfológica)Simulado língua portuguesa 9º ano (análise sintática e morfológica)
Simulado língua portuguesa 9º ano (análise sintática e morfológica)
 
Uninorte juridico_#4
Uninorte juridico_#4Uninorte juridico_#4
Uninorte juridico_#4
 
7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
7o ano lingua_portuguesa_gabarito_da_bateria_de_exercicios
 
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
59118853 questoes-de-variantes-linguisticas
 
Simulado ENEM 1º ano
Simulado ENEM 1º anoSimulado ENEM 1º ano
Simulado ENEM 1º ano
 
RESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIAS
RESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIASRESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIAS
RESOLUÇÃO DO MÓDULO I - PROF. SINVAL FARIAS
 
2 45 200_2013-simualado enem-linguagens-2º anos-04-05-gabaritada
2 45 200_2013-simualado enem-linguagens-2º anos-04-05-gabaritada2 45 200_2013-simualado enem-linguagens-2º anos-04-05-gabaritada
2 45 200_2013-simualado enem-linguagens-2º anos-04-05-gabaritada
 
Avaliação i 6º ano - 3º bimestre 2017 ferpanta
Avaliação i   6º ano  - 3º bimestre   2017 ferpantaAvaliação i   6º ano  - 3º bimestre   2017 ferpanta
Avaliação i 6º ano - 3º bimestre 2017 ferpanta
 
Teste formativo 6º março 016_017.dotx
Teste formativo 6º março  016_017.dotxTeste formativo 6º março  016_017.dotx
Teste formativo 6º março 016_017.dotx
 

Semelhante a Portugues vol5

AULAS JULHO MARIANA 2021.pdf
AULAS JULHO MARIANA 2021.pdfAULAS JULHO MARIANA 2021.pdf
AULAS JULHO MARIANA 2021.pdf
RicardoSBonf
 
15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas
RosaMisticaCoelho2
 
Primeiros anos
Primeiros anosPrimeiros anos
Primeiros anos
Diego Prezia
 
Atividades descritor 26
Atividades descritor 26Atividades descritor 26
Atividades descritor 26
profdileuza
 
Prova Português 7 ano
Prova Português 7 anoProva Português 7 ano
Prova Português 7 ano
Geo Honório
 
Mia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Mia couto-o-escritor-e-a-cienciaMia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Mia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Helena Maria
 
Livro - À flor da pele
Livro - À flor da peleLivro - À flor da pele
Livro - À flor da pele
Heloisa Ikeda
 
Para ser feliz
Para ser felizPara ser feliz
Para ser feliz
Ricardo Weg
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Zaara Miranda
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1
Lino Barbosa
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1
Lino Barbosa
 
Aula 2 Nivelamento de Português
Aula 2   Nivelamento de PortuguêsAula 2   Nivelamento de Português
Aula 2 Nivelamento de Português
Jhemisson Marinho
 
Para ser Feliz
Para ser FelizPara ser Feliz
Para ser Feliz
zpizarro
 
Para ser feliz
Para ser felizPara ser feliz
Para ser feliz
Débora Menezes Salles
 
Para ser feliz Um tratado sobre a felicidade
Para ser feliz  Um tratado sobre a felicidade Para ser feliz  Um tratado sobre a felicidade
Para ser feliz Um tratado sobre a felicidade
Serginho Sucesso
 
D 11.pptx
D 11.pptxD 11.pptx
D 11.pptx
MilenaDoCarmo3
 
Bioética-Aula 1
Bioética-Aula 1Bioética-Aula 1
Bioética-Aula 1
Biomedicina_
 
Ii simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Ii   simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunosIi   simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Ii simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Hilton Cézar Rezende
 
Pequeno Compêndio de Poemas Luminosos - Os mais inspirativos poemas da litera...
Pequeno Compêndio de Poemas Luminosos - Os mais inspirativos poemas da litera...Pequeno Compêndio de Poemas Luminosos - Os mais inspirativos poemas da litera...
Pequeno Compêndio de Poemas Luminosos - Os mais inspirativos poemas da litera...
Sammis Reachers
 
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado prontoMódulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
stuff5678
 

Semelhante a Portugues vol5 (20)

AULAS JULHO MARIANA 2021.pdf
AULAS JULHO MARIANA 2021.pdfAULAS JULHO MARIANA 2021.pdf
AULAS JULHO MARIANA 2021.pdf
 
15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas15º AULÃO preparatório para avaliações externas
15º AULÃO preparatório para avaliações externas
 
Primeiros anos
Primeiros anosPrimeiros anos
Primeiros anos
 
Atividades descritor 26
Atividades descritor 26Atividades descritor 26
Atividades descritor 26
 
Prova Português 7 ano
Prova Português 7 anoProva Português 7 ano
Prova Português 7 ano
 
Mia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Mia couto-o-escritor-e-a-cienciaMia couto-o-escritor-e-a-ciencia
Mia couto-o-escritor-e-a-ciencia
 
Livro - À flor da pele
Livro - À flor da peleLivro - À flor da pele
Livro - À flor da pele
 
Para ser feliz
Para ser felizPara ser feliz
Para ser feliz
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1
 
Aula 2 Nivelamento de Português
Aula 2   Nivelamento de PortuguêsAula 2   Nivelamento de Português
Aula 2 Nivelamento de Português
 
Para ser Feliz
Para ser FelizPara ser Feliz
Para ser Feliz
 
Para ser feliz
Para ser felizPara ser feliz
Para ser feliz
 
Para ser feliz Um tratado sobre a felicidade
Para ser feliz  Um tratado sobre a felicidade Para ser feliz  Um tratado sobre a felicidade
Para ser feliz Um tratado sobre a felicidade
 
D 11.pptx
D 11.pptxD 11.pptx
D 11.pptx
 
Bioética-Aula 1
Bioética-Aula 1Bioética-Aula 1
Bioética-Aula 1
 
Ii simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Ii   simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunosIi   simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
Ii simulado da prova saego-saeb-9ºano - alunos
 
Pequeno Compêndio de Poemas Luminosos - Os mais inspirativos poemas da litera...
Pequeno Compêndio de Poemas Luminosos - Os mais inspirativos poemas da litera...Pequeno Compêndio de Poemas Luminosos - Os mais inspirativos poemas da litera...
Pequeno Compêndio de Poemas Luminosos - Os mais inspirativos poemas da litera...
 
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado prontoMódulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
Módulo 2 pibid 2012 corrigido e finalizado pronto
 

Mais de Blaunier Matheus

Ed fisica fundamental - 2021
Ed fisica   fundamental - 2021Ed fisica   fundamental - 2021
Ed fisica fundamental - 2021
Blaunier Matheus
 
Geo ef - 2021 - volume 2
Geo   ef - 2021 - volume 2Geo   ef - 2021 - volume 2
Geo ef - 2021 - volume 2
Blaunier Matheus
 
Geo ef - 2021 - volume 1
Geo   ef - 2021 - volume 1Geo   ef - 2021 - volume 1
Geo ef - 2021 - volume 1
Blaunier Matheus
 
Geo ef - 2021 - volume 4
Geo   ef - 2021 - volume 4Geo   ef - 2021 - volume 4
Geo ef - 2021 - volume 4
Blaunier Matheus
 
Geo ef - 2021 - volume 3
Geo   ef - 2021 - volume 3Geo   ef - 2021 - volume 3
Geo ef - 2021 - volume 3
Blaunier Matheus
 
Artes
ArtesArtes
Educacao fisica fundamental
Educacao fisica   fundamentalEducacao fisica   fundamental
Educacao fisica fundamental
Blaunier Matheus
 
Educacaoo fisica medio
Educacaoo fisica   medioEducacaoo fisica   medio
Educacaoo fisica medio
Blaunier Matheus
 
Redacao vol1
Redacao vol1Redacao vol1
Redacao vol1
Blaunier Matheus
 
Portugues vol8
Portugues vol8Portugues vol8
Portugues vol8
Blaunier Matheus
 
Matematica vol6
Matematica vol6Matematica vol6
Matematica vol6
Blaunier Matheus
 
Matematica vol5
Matematica vol5Matematica vol5
Matematica vol5
Blaunier Matheus
 
Matematica vol4
Matematica vol4Matematica vol4
Matematica vol4
Blaunier Matheus
 
Matematica vol3
Matematica vol3Matematica vol3
Matematica vol3
Blaunier Matheus
 
Matematica vol2
Matematica vol2Matematica vol2
Matematica vol2
Blaunier Matheus
 
Matematica vol1
Matematica vol1Matematica vol1
Matematica vol1
Blaunier Matheus
 
Ingles
InglesIngles
Historia vol7
Historia vol7Historia vol7
Historia vol7
Blaunier Matheus
 
Historia vol8
Historia vol8Historia vol8
Historia vol8
Blaunier Matheus
 
Historia vol6
Historia vol6Historia vol6
Historia vol6
Blaunier Matheus
 

Mais de Blaunier Matheus (20)

Ed fisica fundamental - 2021
Ed fisica   fundamental - 2021Ed fisica   fundamental - 2021
Ed fisica fundamental - 2021
 
Geo ef - 2021 - volume 2
Geo   ef - 2021 - volume 2Geo   ef - 2021 - volume 2
Geo ef - 2021 - volume 2
 
Geo ef - 2021 - volume 1
Geo   ef - 2021 - volume 1Geo   ef - 2021 - volume 1
Geo ef - 2021 - volume 1
 
Geo ef - 2021 - volume 4
Geo   ef - 2021 - volume 4Geo   ef - 2021 - volume 4
Geo ef - 2021 - volume 4
 
Geo ef - 2021 - volume 3
Geo   ef - 2021 - volume 3Geo   ef - 2021 - volume 3
Geo ef - 2021 - volume 3
 
Artes
ArtesArtes
Artes
 
Educacao fisica fundamental
Educacao fisica   fundamentalEducacao fisica   fundamental
Educacao fisica fundamental
 
Educacaoo fisica medio
Educacaoo fisica   medioEducacaoo fisica   medio
Educacaoo fisica medio
 
Redacao vol1
Redacao vol1Redacao vol1
Redacao vol1
 
Portugues vol8
Portugues vol8Portugues vol8
Portugues vol8
 
Matematica vol6
Matematica vol6Matematica vol6
Matematica vol6
 
Matematica vol5
Matematica vol5Matematica vol5
Matematica vol5
 
Matematica vol4
Matematica vol4Matematica vol4
Matematica vol4
 
Matematica vol3
Matematica vol3Matematica vol3
Matematica vol3
 
Matematica vol2
Matematica vol2Matematica vol2
Matematica vol2
 
Matematica vol1
Matematica vol1Matematica vol1
Matematica vol1
 
Ingles
InglesIngles
Ingles
 
Historia vol7
Historia vol7Historia vol7
Historia vol7
 
Historia vol8
Historia vol8Historia vol8
Historia vol8
 
Historia vol6
Historia vol6Historia vol6
Historia vol6
 

Último

EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 

Portugues vol5

  • 2. 1 Apresentação Aluno Você é adolescente? Está saindo da adolescência? Já foi adolescente há algum tempo? Respondendo afirmativamente a qualquer pergunta acima, certamente você se identificará com os textos deste módulo. Com eles, você verá a importância dos conectores para um texto bem feito. Aquele em que você vai tecendo, ponto a ponto, como um tecido mesmo. Com esse estudo, fará o seu próprio texto, bem tecido.
  • 3. 2 Legenda Exercício [faça no seu caderno] Produção de texto [escreva no seu caderno] Conceito [conceito importante que você deve gravar] Aprenda mais [faça no seu caderno] Ler é viver [leia e depois responda no seu caderno]
  • 4. 3 JUVENTUDE: A UTOPIA DA ONIPOTÊNCIA Para derrotar o medo, alguns jovens acreditam ser imunes a qualquer perigo. Vestem a couraça da onipotência e põem em risco seu futuro e sua vida. Até que um dia descobrem por que não são “imortais” A adolescência é uma fase extremamente difícil da vida. Talvez a mais difícil. Temos que nos comportar como adultos sem dispor de cacife para isso. Temos que ser fortes e independentes quando ainda nos sentimos inseguros e sem autonomia de vôo. Temos que mostrar autoconfiança sexual, mesmo sendo totalmente inexperientes. Temos que formar um juízo a nosso respeito  se possível positivo  , mas nos falta a vivência para aprofundar o autoconhecimento. Enfim, temos que ser ousados e corajosos, embora a cada passo surja o medo para nos inibir. O que fazer? Frente a tantas incertezas, acabamos seguindo os modelos sugeridos pela própria cultura. Passamos a imitar nossos heróis, “travestindo-nos” de super- homens e de mulheres maravilha. Assim, encobrimos nossas dúvidas e inseguranças. Elas que sejam reprimidas e enviadas para o porão do inconsciente. Nós seremos os fortes e destemidos, para nós nada de errado ou ruim irá acontecer. Construímos uma imagem de perfeição, de criaturas especiais, particularmente abençoadas pelos deuses. Resultado: nos sentimos onipotentes e, a partir daí, não há coisa no mundo que possa nos aterrorizar, uma vez que estamos revestidos de proteções extraordinárias. Esse “estado de graça” irá perdurar por um tempo variável. É um período bastante complicado para as pessoas que convivem com o jovem, pois ele sabe tudo, faz tudo melhor, acha todo o mundo “alienado” e “burro”. Só ele é competente e sábio. No entanto, para o próprio jovem, a fase parece muito positiva. Ele, finalmente, se sente bem, forte, seguro e não tem medo de experimentar situações novas. Pode montar o cavalo mais selvagem com a certeza absoluta de que não cairá em hipótese alguma. Mais tarde, quando não for mais tão ousado e confiante, se lembrará dessa época da vida como a mais feliz. Afinal de contas, a sensação de euforia é sempre inesquecível. Na verdade, ninguém teria nada contra a onipotência, se ela correspondesse à realidade. Porém, não é isso que os fatos nos ensinam. Sabemos que, entre os jovens, são exatamente os mais confiantes, aqueles que se envolvem em todo tipo de acidentes graves, quando não fatais. São estes jovens que dirigem seus carros na estrada, durante a madrugada, com o “pé na tábua”. Não sentem medo porque “é óbvio que os pneus não irão estourar” e “é lógico que não irão adormecer ao volante”. São estes jovens que saem de uma festa e, alcoolizados, vão a toda a velocidade para a praia. Sua “imortalidade” só é desmentida por um acidente fatal. Aliás, para ser sincero, parece incrível que não ocorra um maior número de acidentes. Alguns jovens, onipotentes e filhos diletos dos deuses, andam de motocicleta sem capacete. Desafiam a chuva e o asfalto molhado, depois de usar tóxicos ou ingerir
  • 5. 4 álcool. Fazem curvas superperigosas. Não se intimidam porque “para eles nada de mau irá acontecer”. E morrem ou ficam paralíticos, interrompendo vidas que poderiam ser ricas e fascinantes. Estes mesmos jovens utilizam drogas em doses elevadas, porque se julgam imunes aos riscos da overdose e suas graves conseqüências. Chegam a compartilhar seringas, ao injetar tóxicos na veia, pois “é claro que não terão AIDS”. E, pela mesma razão, continuam a ter relações sexuais com parceiros desconhecidos, sem sequer tomar o cuidado de usar camisinha. Aqueles que não morrem ou não ficam gravemente doentes, um dia acordam desse sonho em que flutuavam em “estado de graça”. Acordam porque lhes aconteceu algo: aquele acidente considerado impossível. Caíram do cavalo. Eles também são mortais! Então, tomam consciência de toda a insegurança e de toda a fragilidade que os levaram a construir a falsa armadura da onipotência. Ao se tornarem criaturas normais, sentem-se fracos. Antes era muito melhor. Sim, mas era tudo mentira. Agora, o mundo perdeu as cores vibrantes da fantasia. Vestiu os meios-tons da realidade. Eles não conseguiram domar o cavalo selvagem e foram derrubados no chão. Terão que aprender a cair e se levantar. Terão que aprender a respeitar mais os cavalos! Terão que saber que todas as doenças, todos os acidentes, todas as faltas de sorte poderão persegui-los. E  o que é mais importante  terão que enfrentar com serenidade a plena consciência de que são vulneráveis. Este é um dos ingredientes da maturidade: ter serenidade na viagem da vida, mesmo sabendo que tudo pode nos acontecer. Gikovate, Flávio. Revista Cláudia Fevereiro/92. Pág. 132. Leia com atenção o texto “Juventude: a utopia da onipotência” 1- Com o auxílio de um dicionário, faça em seu caderno a relação das palavras abaixo com os sinônimos das que aparecem no texto. 1- 2- 3- 4- 5- 6- 1- que tem competência 2- confiar em sim mesmo 3- encantadores
  • 6. 5 4- poder absoluto e infinito 5- imortais 6- queridos 2- O autor expõe as incertezas da adolescência e os métodos usados para enfrentar essa fase e atingir um “estado de graça”. No que constitui esse estado? 3- A onipotência da adolescência é real? Explique. 4- O que o autor quer dizer sobre a adolescência com a frase: “Eles não conseguiram domar o cavalo selvagem e foram derrubados no chão”? 5- Qual é um dos ingredientes da maturidade? Você concorda com o autor? Por quê? Leia, agora, este poema: O ADOLESCENTE “A vida é tão bela que chega a dar medo. Não medo que paralisa e gela, estátua súbita, mas esse medo fascinante e fremente de curiosidade que faz o jovem felino seguir para a frente farejando o vento ao sair, a primeira vez, da gruta. Medo que ofusca: luz! Cumplicemente, as folhas contam-te um segredo velho como o mundo: Adolescente, olha! A vida é nova. . . A vida é nova e anda nua  vestida apenas com o teu desejo!” Quintana, Mário. Nariz de Vidro. São Paulo, Moderna, 1990.
  • 7. 6 O poema acima, de Mário Quintana, fala da adolescência, assim como o texto de Flávio Gikovate. Porém, a maneira de abordar o tema é diferente. Observe:  texto de Flávio Gikovate não literário; refere-se ao mundo real.  texto de Mário Quintana literário; refere-se ao mundo possível, partindo de observações reais e está escrito em versos. O texto literário centra-se no trabalho com a língua. Compare a observação sobre o medo na adolescência nos dois textos: a) Gikovate “. . . temos que ser ousados e corajosos, embora a cada passo surja o medo para nos inibir. O que fazer? Frente a tantas incertezas acabamos seguindo os modelos sugeridos pela própria cultura. Passamos a imitar nossos heróis, “travestindo-nos” de super- homens e de mulheres-maravilha. Assim encobrimos nossas dúvidas e inseguranças. b) Quintana “A vida é tão bela que chega a dar medo. Não medo que paralisa e gela, estátua súbita, mas esse medo fascinante e fremente de curiosidade que faz o jovem felino seguir para a frente farejando o vento ao sair, a primeira vez, da gruta”. Ambos os textos falam do medo da adolescência e a coragem para enfrentá-lo, mas no texto “a” a adolescência é vista de modo real, enquanto que no “b” ela é do mundo possível, como o poeta a vê. Geralmente o poema expõe as idéias resumidamente e trabalhando a língua. Leia em voz alta e sinta o efeito das palavras com F. 1- No texto de Gikovate e no de Quintana, qual a característica principal da fase da adolescência? 2- Analise apenas o trecho a seguir, em que Quintana expõe resumidamente: “A vida é nova . . . A vida é nova e anda nua  vestida apenas com o teu desejo”.
  • 8. 7 Copie o trecho de Gikovate que expõe a mesma idéia. Qual a função do elemento de conexão? Todo texto, para fazer sentido, para ser verdadeiramente um texto, precisa ir ligando uma parte a outra, uma frase a outra, uma palavra a outra. Às vezes, nos exercícios, para ficar mais fácil de se entender, as frases estão soltas. Porém, elas só se firmam enquanto texto se estiverem ligadas. Vamos estudar a Conexão entre frases. Observe: a) Aquele aluno estudou muito. b) Aquele aluno não entendeu a lição. Transformando os períodos simples acima num período composto, obteremos: Aquele aluno estudou muito, mas não entendeu a lição. (idéia de oposição) Considerando-se outras conjunções (ou conectores) que também indicam oposição, poderíamos construir: Aquele aluno estudou muito, contudo não entendeu a lição. Aquele aluno estudou muito, porém não entendeu a lição. Embora tivesse estudado muito, aquele aluno não entendeu a lição. Da mesma forma, poderemos fazer com os conectores que indicam outras relações.
  • 9. 8 Veja no quadro abaixo alguns conectores (também chamados de conjunções) e a relação que indicam: condição se, caso, desde que, contanto que, a não ser que causa porque, já que, visto que, por isso, como, por, pois que R e mediação l ou para que, a fim de que, para a finalidade ç ã conformidade conforme, segundo, consoante, como o d tempo quando, nem bem, logo que, assim que, enquanto, até que oposição mas, embora, mesmo, apesar de, se bem que, no entanto, todavia adição e, também, não só. . . mas também, além de, tanto . . . como 1- Escreva outras duas possibilidades para indicar as relações apontadas: a) Tempo Quando chegou em casa, começou a implicar com a mulher. b) Conformidade O farmacêutico preparou a receita conforme o médico determinara. c) Finalidade Fiz o possível para que meu amigo se recuperasse da crise. d) Condição Se fizer bom tempo, iremos à praia.
  • 10. 9 2- Encontre no texto de Gikovate e copie: a) Uma frase com conector de causa. b) Uma frase com conector de oposição. 3- Leia as palavras de Josefa Maria de Jesus abaixo, observe a oração que está entre vírgulas e reescreva-a, substituindo o conector “quando” por um conector que dê a idéia de condição. 4- A frase abaixo não tem um conector explícito, isto é, que esteja no texto, mas os dois pontos dão idéia de um conector. Escreva essa frase e encaixe o conector adequado.
  • 11. 10 5- Nas frases a seguir, há erros no emprego dos conectores. Corrija-os. a) O rio transbordou mas choveu demais. b) O grupo mantém dois dos cantores antigos porque o repertório continua o mesmo. Observe os conectores de seqüência: Os conectores servem também para dar seqüência a um texto, isto é, fazer o texto desenvolver-se . Observe o primeiro parágrafo do texto de Gikovate. Ele está dando os vários tipos de comportamento que temos quando adolescentes. Para terminar essas citações sobre o comportamento e continuar outros tópicos ele escreve “Enfim, temos que ser ousados e corajosos. . .” E o texto dele caminha com vários conectores: assim, no entanto, afinal de contas, na verdade, etc. Os conectores que dão seqüência aos textos são muitos. Além dos conectores do quadro anterior, você pode usar também: primeiro, depois, por fim, finalmente, por último, antes, ainda, em conclusão, em resumo, etc. Agora você vai redigir uma dissertação que deverá conter, no mínimo, três parágrafos. Observe que para isso há necessidade de estruturá-la em: início, desenvolvimento e conclusão. Sugerimos que você utilize os conectores que você aprendeu neste módulo. Tema: Ser jovem.
  • 12. 11 INFLAÇÃO e INFRAÇÃO Veja a diferença: • Com a inflação aumentando assim, meu dinheiro não compra mais nada. (inflação = desvalorização do dinheiro) • Senhores, espancar um menor é uma grave infração. (infração = desrespeito a um regulamento, violação de uma lei) Complete com inflação ou infração a) A __________ já atingiu 240%? b) Dirigir sem habilitação é uma grave ________ às leis do trânsito. c) Nossa economia não pode suportar uma taxa de _____ tão alta. d) Você sabia que buzinar à noite é uma ________? DESCRIÇÃO e DISCRIÇÃO • Nesta reportagem, há uma ótima descrição da região. (descrição = ato de descrever) • Procure vestir-se com discrição. (discrição = simplicidade) • Foi uma pessoa que sempre agiu com discrição. (discrição = prudência, sensatez) APRENDA MAIS
  • 13. 12 1- Complete com descrição ou discrição: a) Se agirmos com _______, tudo ficará mais fácil. b) Sua _____ do assaltante é muito precária. c) Já está muito escuro, por isso fica muito difícil fazer uma boa _______ do local. d) Decorou a casa com bom gosto e ________. 2- Aponte a alternativa em que a palavra destacada está empregada erradamente. a) Se houvesse maior discrição, o problema não teria ido a público. b) Não conseguiu fazer a descrição do acidente, pois estava traumatizado. c) Quem mais sofre com a inflação são os trabalhadores. d) É importante que você faça uma boa discrição dos dois personagens. SER BROTINHO Ser brotinho é sorrir dos homens e rir interminavelmente das mulheres, como se o ridículo, visível ou invisível, provocasse tosse e riso. Ser brotinho é desdizer de enfeites e pinturas, e fazer uma cara lambida, arrumar os cabelos no vento, apagar o corpo dentro de um vestido sem graça de doer, mas ir por aí espalhando fagulhas pelos olhos. Ser brotinho é lançar fagulhas pelos olhos. É viver a eternidade de uma tarde em atitude esquemática, a compreender o teto. É passar o feriado descalça, no apartamento da amiga, comendo de lata, e cortar o dedo, e chupar o sangue. Ser brotinho é possuir vitrola própria. Perambular pelas ruas do bairro com um ar sonso-moderninho-vagarento, abraçada a uma porção de elepês esfuziantes. É dizer a palavra feia precisamente no instante em que essa palavra se faz imprescindível e tão elegante e superior.
  • 14. 13 É poder usar óculos enormes como se fosse uma decoração, um adjetivo para o rosto e para o espírito. É esvaziar o sentido das coisas que os coroas levam a sério, mas é também dar sentido de repente ao vácuo absoluto. Aguardar na paciente geladeira o momento exato de ir à forra da falsa amiga. É telefonar muito, demais, revirando-se no chão como dançarina do deserto. É querer ser rapaz só para vaguear sozinho pelos astros da madrugada. Achar muito bonito um homenzarrão muito feio; mas achar tão legal uma senhora ilegal. Ser brotinho é comparar o amigo do pai a um pincel de barba a gente vai ver, está certo: o amigo do pai parece um pincel de barba. É sentir uma vontade adoidada de cair nua no mar noturno, completamente. É esvoaçar de euforia à vista de uma cascata. Falar inglês sem saber verbos irregulares. É ter uma vez bebido dois gins, quatro uísques, cinco taças de champanha e uma de cinzano sem sentir nada, mas ter outra vez bebido só um cálice de vinho-do-porto e ter dado um vexame modelo grande. Ser brotinho é atravessar de ponta a ponta o salão da festa com uma indiferença glacial pelas mulheres que deixaram de ser brotinhos. É ficar pasmada no escuro da varanda sem contar para ninguém a miserável traição. Amanhecer chorando, anoitecer dançando. Ter horror de gente morta. Ladrão dentro de casa. Fantasma. Barata. É policiar parentes, amigos, mestres, e mestras com ar songa-monga de quem nada vê, nada ouve, nada fala. Ser brotinho é adorar. Adorar o impossível. Ser brotinho é detestar o possível. É acordar ao meio-dia de domingo com uma cara horrenda, comer só e lentamente uma fruta meio verde, e ficar de pijama telefonando, até a hora do jantar, e mais telefonar, e ir devorar um sanduíche americano na esquina; tão estranha é a vida na terra, no mar e no ar. CAMPOS, PAULO MENDES. Elenco de cronistas modernos, 2ª edição, Editora Sabiá, Rio de Janeiro, 1971, pp. 165-167. Qual dos conceitos de “ser brotinho” você achou mais adequado a essa fase de vida? Por quê?
  • 15. 14 Gabarito p. 05 1) 1- competente 2- autoconfiança 3- fascinantes 4- onipotente 4- deuses 5- diletos 2) Em um sentimento de onipotência, pois os adolescentes se acham revestidos de proteções extraordinárias. 3) Não é real, pois com o passar do tempo eles tomam consciência de sua fragilidade. 4) Eles não conseguiram dominar a euforia e perceberam não ser onipotentes e sim vulneráveis aos acontecimentos. p. 06 5) Levar a vida com serenidade. Resposta pessoal. p.07 1) A ousadia perante a vida. 2) “Ele, finalmente, se sente bem, forte, seguro e não tem medo de experimentar situações novas.” p. 09 1) a- Nem bem chegou em casa, começou a implicar com a mulher. Assim que chegou em casa, começou a implicar com a mulher. b- O farmacêutico preparou a receita segundo o médico determinara. O farmacêutico preparou a receita como o médico determinara. c- Fiz o possível para meu amigo se recuperar da crise. Fiz o possível a fim de que meu amigo se recuperasse da crise. d- Caso faça bom tempo, iremos à praia. Contanto que faça bom tempo, iremos à praia. p. 10 2) a- Não sentem medo porque “é óbvio que os pneus não irão estourar”. . . b- “Este é um dos ingredientes da maturidade: ter serenidade na viagem da vida, mesmo sabendo que tudo pode nos acontecer.” 3) “ Se a pessoa sente muita fome, a fome acaba morrendo.” 4) “A liberdade não é dada pelos governos, mas deve ser exigida pelo povo.” p. 11 5) a- O rio transbordou, pois choveu demais. b- O grupo mantém dois dos cantores antigos e o repertório continua o mesmo. p.12 a) inflação b) infração c) inflação d) infração p.13 1) a) discrição b) descrição c) descrição d) discrição 2) Resposta d p.15 Resposta pessoal.
  • 16. 15 Bibliografia • O Texto: Da Teoria À Prática – Subsídios à Proposta Curricular para o Ensino de Língua Portuguesa – Ensino Fundamental – Secretaria de Estado da Educação – São Paulo – Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas – 2ª ed. – São Paulo – 1998. • Parâmetros Curriculares Nacionais – Português e Apresentação dos Temas Transversais – Ministério da Educação e do Desporto – Secretaria de Educação Fundamental – Brasília – 1997. • Proposta Curricular para o ensino de Língua Portuguesa – Ensino Fundamental – Secretaria de Estado da Educação – São Paulo - Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas - 4ª ed. – São Paulo – 1998. ALMEIDA, Maria Aparecida e FERREIRA, Givan - Falando a Mesma Língua. São Paulo: FTD, 1994. BASSI, Cristina M. e LEITE, Márcia - Leitura e Expressão. Atual Editora, 1992. CARDOSO, Eloisa G. e DONADIO, Miriam G. - Português – Projeto Alternativo. Ed. do Brasil, 1989. CARVALHO, Carmen Silvia C. Torres de; PANACHÃO, Déborah; KUTNIKAS, Sarina Bacellar; SALMASO, Silvia Maria de Almeida - Construindo a escrita: Gramática/ ortografia. São Paulo: Ática, 1997. CARVALHO, Carmen Silvia C. Torres de; PANACHÃO, Déborah; KUTNIKAS, Sarina Bacellar; SALMASO, Silvia Maria de Almeida - Construindo a escrita: Leitura e interpretação de textos. São Paulo: Ática, 1997. COLEÇÃO “PARA GOSTAR DE LER” : Ed. Ática, 1994. CUNHA, Celso e CINTRA, Lindley - Nova Gramática do Português Contemporâneo. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988. ENCICLOPÉDIA BRITÂNICA DO BRASIL – Rio de Janeiro, 1997. FARACO, Carlos Emílio e MOURA, Francisco Marto de - Gramática Nova. São Paulo: Ática, 1992. FARACO, Carlos Emílio e MOURA, Francisco Marto de - Linguagem Nova. São Paulo: Ática, 1997. FÁVERO, Leonor L. - Coesão e coerência textuais. 3ª ed. São Paulo: Ática, 1995. FÁVERO, Leonor L. e KOCH, Ingedore G. V - Linguística textual: introdução. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1994.
  • 17. 16 GARCIA, Othon M. - Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1975. GONÇALVES, Maria Silvia e RIOS, Rosana - Português Em Outras Palavras. 2ª ed. Ed. Scipione, 1997. GRANATIC, Branca - Técnicas básicas de redação. 4ª ed. São Paulo: Scipione, 1997. INFANTE, Ulisses - Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação. São Paulo: Scipione, 1998. JORNAIS: O Estado de São Paulo, Cruzeiro do Sul, Folha de São Paulo, Diário de Sorocaba. KLEIMAN, Angela - Texto e leitor. 4ª ed. Campinas, SP: Pontes, 1995. LUFT, Celso Pedro e CORREA, Maria Helena - A Palavra é Sua. 3ª ed. São Paulo: Ed. Scipione, 1997. MAIA, João D. - Literatura: Textos e técnicas. São Paulo: Ática, 1996. MIRANDA, Claudia e RODRIGUES, Maria Luiza Delage - Linguagem viva. 3ª ed. São Paulo: Ática, 1997. NICOLA, José De e INFANTE, Ulisses - Palavras e Idéias. São Paulo: Scipione, 1995. PERINI, Mario A. - Por uma nova gramática. 4ª ed. São Paulo: Ática, 1989. PROENÇA, Graça e HORTA, Regina - A Palavra É Português. 3ª ed. Ed. Ática, 1997. REVISTAS: Veja, Isto É, Manequim, Nova Escola, Cláudia. SARGENTIM, Hermínio G. - Atividades de Comunicação em Língua Portuguesa. São Paulo: IBEP. SILVA, Antonio de Siqueira e BERTOLIN, Rafael - A Construção da Linguagem. São Paulo: IBEP. SOARES, Magda - Português Através de Textos. 3ª ed. São Paulo: Ed. Moderna, 1993. TRAVAGLIA, Luiz C. - Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática no 1º e 2º graus. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 1997. TEATRO DA JUVENTUDE – Governo do Estado de São Paulo/ Secretaria da Cultura. Ano 2 – Número 14 – Outubro/1997. TESOTO, Lídio - Novo Texto e Contexto. São Paulo: Ed. do Brasil, 1994. TUFANO, Douglas - Curso Moderno de Língua Portuguesa. 2ª ed. reformulada. São Paulo: Moderna, 1991.
  • 18. 17 Equipe de Português • Antonia Gilmara Biazotto de Souza Rodrigues • Aparecida Ferreira Ladeira • Edna Gouvêa • Maria Alice Pacos Coordenação Cheila Fernanda Rodrigues Supervisão Terezinha Hashimoto Bertin Colaboração especial Neide Giamboni Lopes Direção Rita de Cássia Fraga Costa Capa Criação: Lopes e Vilela Observação Importante Este material foi elaborado pelos professores de Português/ Sorocaba, para uso exclusivo de CEES. É proibida a sua comercialização. Observação Estes Módulos foram feitos com base na nova L D B, Parâmetros Curriculares, Proposta CENP.