SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 70
Seis pontes sobre o rio Douro  ligam as cidades  do Porto e de Vila Nova de Gaia
 
 
Freixo
De montante  para jusante.
[object Object],[object Object]
Localizada no extremo da cidade, a montante de todas as outras pontes, a Ponte do Freixo nada tem a ver, estruturalmente, com as restantes pontes.  Foi construída com o objectivo de ser uma alternativa à Ponte da Arrábida no descongestionamento do trânsito que "atravessa" a cidade em direcção a sul ou a norte. 750 metros de comprimento e 4 faixas de rodagem em cada sentido. A Ponte do Freixo, de autoria do Professor António Reis, é constituída por duas vigas gémeas afastadas de 10 cm ao longo de toda a extensão. Trata-se, na verdade, de duas pontes construídas lado a lado e afastadas 10 cm uma da outra.  A ponte tem 8 vãos sendo o principal de 150 m a que se seguem para cada lado vãos de 115 m seguidos de outros menores. Cada uma das vigas tem de largura 18 metros e alberga 4 faixas rodoviárias.  clique
 
 
 
 
 
 
 
[object Object],[object Object]
O sistema construtivo adoptado para a sua construção foi arrojado e inovador —  cofragem deslizante  — e hoje em dia é um sistema padrão de construção mundial. Sendo então uma peça única, possui também um sistema inovador, que impossibilita que ao acontecer um acidente na mesma ponte as carruagens se encavalitem umas em cima das outras, fazendo com que deslizem pela ponte fora.  Ora, isto é único no mundo, como fez questão de sublinhar, na altura, Edgar Cardoso. Tal como a Ponte da Arrábida, à data da sua inauguração, também a Ponte de São João, com o seu vão central, constituiu, em 1991, um recorde mundial neste tipo de pontes, neste caso, para caminho-de-ferro. clique A Ponte de S. João foi o último projecto do Eng. Edgar Cardoso. Ao contrário das outras pontes construídas até à data, a Ponte de São João não é em arco, mas adopta uma solução em pórtico contínuo, em forma de  Pi ( π ) , com três vãos - dois de 125 metros e um de 250 metros - apoiados em dois majestosos pilares fundados no leito do rio Douro, junto de cada uma das margens.  Foi inaugurada em 24 de Junho (de 1991), dia de S. João,  Santo Padroeiro da Cidade. Esta ponte, muito avançada tecnicamente e destinada exclusivamente ao tráfego ferroviário, substituiu a velha Ponte Maria Pia.
 
 
 
 
 
 
[object Object],[object Object]
A primeira grande obra de Gustavo Eiffel é um arco biarticulado que suporta o tabuleiro ferroviário de via simples através de pilares em treliça. Iniciaram-se os trabalhos em 5 de Janeiro de 1876 e foram concluídos a 31 de Outubro do ano seguinte.  A inauguração solene deu-se a 4 de Novembro de 1877 pelos Reis D. Luís e D. Maria Pia de quem tomou o nome.  A ponte esteve activa durante 114 anos até à entrada em serviço da Ponte de S. João em 1991. Ainda antes da Ponte Pênsil ser substituída pela actual Ponte Luís I, foi construída a Ponte Maria Pia, actuando como ponte ferroviária entre o Porto e Vila Nova de Gaia. Esta ponte vem permitir a conclusão da primeira Linha de Caminho de Ferro Nacional, terminando na Estação de S. Bento, no Porto. Actualmente está encerrada à circulação ferroviária, sendo a sua utilização substituída pela Ponte de São João. Tabuleiro com 352 metros e uma altura de 61 metros do nível das águas. clique
clique O hábito muito arreigado de tratar os Reis com o atributo de Dom  faz com que ninguém conheça a ponte pelo seu verdadeiro nome, o de  Ponte Maria Pia. Assim acontece também com a Ponte “D. Luís”. A construção da ponte em tempo recorde, aliada à dificuldade da transposição do enorme vão, concedeu a Eiffel a fama que procurava desde 1866, altura em que fundou a sua empresa com o engenheiro Téophile Seyrig.  Eiffel, para acompanhar os trabalhos de construção da ponte, instalou-se em Barcelos entre 1875 e 1877. Gustave Eiffel publicou na "Revista de Obras Públicas e Minas" uma análise pormenorizada da construção, onde incluiu quer os projectos, quer o cálculo dos vários componentes da ponte.  Adoptando o mesmo modelo, realizou o Viaduto de Garabit (1880-1884) com 165 metros de vão, a estrutura da Estátua da Liberdade (1884-1886) e a Torre Eiffel (1889).
 
 
 
 
 
 
 
[object Object],[object Object]
A Ponte do Infante, baptizada em honra do Infante D.Henrique, nascido no Porto, é a mais recente e, segundo muitos, a mais esbelta ponte que liga o Porto a Gaia.  Foi construída pouco a montante da Ponte Luiz I, em plena zona histórica, ligando o bairro das Fontainhas (Porto) à Serra do Pilar (Vila Nova de Gaia). O objectivo era fazer o escoamento do trânsito anteriormente efectuado pelo tabuleiro superior da Ponte Luiz I, entretanto convertido para uso do  Metro do Porto.  A ponte tem uma extensão de 371 metros e 20 metros de largura no tabuleiro. Destinando-se à circulação rodoviária, o tráfego circula na ponte em duas faixas de rodagem em cada sentido, com 3,25 metros cada. A segurança da circulação é reforçada por um separador central com 1 metro de largura entre os dois sentidos  e passeios laterais de 3 metros com guarda de segurança e guarda corpos. A iluminação está colocada à cota baixa, integrada nas guardas, na estrutura do guarda rodas e no separador central, permitindo uma perfeita iluminação da via, sem sombras.   A ponte é constituída por uma viga caixão com 4,5m de altura apoiada num arco flexível com 1,50m de espessura.  Apresenta uma solução de arco semelhante à adoptada pelo engenheiro suíço Robert Maillard nas suas pontes alpinas, com uma flecha de 11,2m para um vão de arco com 280m,o que, como já vem sendo tradição nas pontes entre Porto e Gaia, constituiu um recorde mundial nesta tipologia de pontes e serviu de referência a inúmeras pontes posteriormente construídas. clique
Inaugurada em 30 de Março de 2003, mereceu 14 palavras por parte do Ministro das Obras Públicas: “ Esta Ponte é um exemplo da técnica. Foi concebida e executada por técnicos Portugueses.” -... Disse. 371 metros de comprimento e 20 metros de largura.
 
 
 
 
 
 
[object Object],[object Object]
Construída para substituir a Ponte Pênsil, justamente a nascente desta, e ainda em funcionamento, a travessia do Rio Douro passou a ser efectuada por uma nova ponte, totalmente metálica. Esta nova ponte é constituída por dois tabuleiros metálicos, sustentados por um arco de ferro. A existência de dois tabuleiros prende-se com o declive acentuado das margens neste ponto do Rio. Ficaram, assim, ligados ao trânsito automóvel e pedonal os centros das cidades do Porto e Vila Nova de Gaia (cota alta), e também as suas zonas ribeirinhas (cota baixa). Actualmente, o tabuleiro superior é apenas utilizado pela linha do metropolitano de superfície da cidade (Metro do Porto) e pela travessia pedonal. A circulação automóvel foi desviada para uma nova ponte – Ponte do Infante, construída propositadamente para esse efeito. Esta ponte é parte integrante da área classificada do Centro Histórico do Porto. Théophile Seyrig que, já fora o autor da concepção e chefe da equipa de projecto da Ponte Maria Pia, enquanto sócio de Eiffel, assina como único responsável a nova e grandiosa Ponte Luiz I.  A construção iniciou-se em 1881 e foi inaugurada em 31 de Outubro de 1886.  O arco mede 172 m de corda e tem 44,6 m de flecha. clique
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
[object Object],[object Object]
Em Março de 1952 foi adjudicada pela Junta Autónoma de Estradas ao Professor Edgar António de Mesquita Cardoso, nascido no Porto a 11 de Maio de 1913 e falecido a 5 de Julho de 2000, a elaboração de anteprojectos para a ponte rodoviária. O projecto foi aprovado em 1955 e a construção estendeu-se de Maio de 1957 até 22 de Junho de 1963, dia em que foi inaugurada. A Ponte da Arrábida, vão de 270 m, foi durante algum tempo o recorde mundial para pontes em arco de betão armado. A flecha do arco é de 52 m e o tabuleiro, com 27m de largura, eleva-se a 70m acima do nível médio das águas. Teve como objectivo dar seguimento à auto-estrada A1 até ao "interior" da Cidade. Foi durante anos a principal via de comunicação em auto-estrada para Sul. Actualmente existe como alternativa a Ponte do Freixo, também com ligação à auto-estrada A1. 495 metros de comprimento, arcos gémeos de betão armado com 270 metros de corda teórica e 52 metros de flecha. clique
Foi durante anos o maior arco de betão pré-esforçado do mundo.  Na inauguração, vieram jornalistas, repórteres e fotógrafos de todo o mundo para  ver "cair" a ponte. Ela aí está, … linda …e … segura. Parabéns  Senhor Engenheiro Edgar Cardoso
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
[object Object],mif Texto e imagens recolhidos na Internet Música: Canon in D  -  Johann Pachelbel (1653-1706)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (11)

Pontes i aula1 [modo de compatibilidade]
Pontes i  aula1 [modo de compatibilidade]Pontes i  aula1 [modo de compatibilidade]
Pontes i aula1 [modo de compatibilidade]
 
Ponte D. Luiz
Ponte D. LuizPonte D. Luiz
Ponte D. Luiz
 
Ponte D. Luiz
Ponte D. LuizPonte D. Luiz
Ponte D. Luiz
 
Monotrilho - Uma Tragédia Anunciada
Monotrilho - Uma Tragédia AnunciadaMonotrilho - Uma Tragédia Anunciada
Monotrilho - Uma Tragédia Anunciada
 
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]Pedro,guilherme,carolina conde[2]
Pedro,guilherme,carolina conde[2]
 
Ponte d. luiz
Ponte d. luizPonte d. luiz
Ponte d. luiz
 
3.2 lev edif_ferro
3.2 lev edif_ferro3.2 lev edif_ferro
3.2 lev edif_ferro
 
Arquitetura do Ferro
Arquitetura do FerroArquitetura do Ferro
Arquitetura do Ferro
 
AV Book
AV BookAV Book
AV Book
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 

Semelhante a Pontes do porto

Engenheiros Rg
Engenheiros RgEngenheiros Rg
Engenheiros Rg
marronei
 
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
Universidade Sénior Contemporânea do Porto
 

Semelhante a Pontes do porto (20)

008 pontes do porto
008 pontes do porto008 pontes do porto
008 pontes do porto
 
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptxCaderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
Caderno 2 - Arquitetura do Ferro.pptx
 
Engenheiros Rg
Engenheiros RgEngenheiros Rg
Engenheiros Rg
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
Douro Litoral 1
Douro Litoral 1Douro Litoral 1
Douro Litoral 1
 
A Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do FerroA Arquitectura do Ferro
A Arquitectura do Ferro
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Modal Ferroviário
Modal FerroviárioModal Ferroviário
Modal Ferroviário
 
Cultura da Gare
Cultura da Gare Cultura da Gare
Cultura da Gare
 
Arquitectura do Ferro no século XIX
Arquitectura do Ferro no século XIXArquitectura do Ferro no século XIX
Arquitectura do Ferro no século XIX
 
PONTES JK TERESINA
PONTES JK TERESINAPONTES JK TERESINA
PONTES JK TERESINA
 
Gustave Eiffel
Gustave EiffelGustave Eiffel
Gustave Eiffel
 
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
História da Cidade do Porto - As Pontes do Porto - Artur Filipe dos Santos - ...
 
Cultura da gare
Cultura da gareCultura da gare
Cultura da gare
 
S-T-C-6
S-T-C-6S-T-C-6
S-T-C-6
 
Gustave Eiffel
Gustave EiffelGustave Eiffel
Gustave Eiffel
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
 
Ascensores e elevador
Ascensores e elevadorAscensores e elevador
Ascensores e elevador
 
Ester ponte 25 de abril
Ester ponte 25 de abrilEster ponte 25 de abril
Ester ponte 25 de abril
 

Mais de Paula Andrade

A internet 1º ciclo
A internet 1º cicloA internet 1º ciclo
A internet 1º ciclo
Paula Andrade
 
Ribeira e suas origens
Ribeira e suas origensRibeira e suas origens
Ribeira e suas origens
Paula Andrade
 
Porto ontem e hoje bach
Porto ontem e hoje   bachPorto ontem e hoje   bach
Porto ontem e hoje bach
Paula Andrade
 
Porto e o eléctrico com tchaikovsky
Porto e o eléctrico com tchaikovskyPorto e o eléctrico com tchaikovsky
Porto e o eléctrico com tchaikovsky
Paula Andrade
 
Igrejas do porto convento e igreja de santa clara (1)
Igrejas do porto   convento e igreja de santa clara (1)Igrejas do porto   convento e igreja de santa clara (1)
Igrejas do porto convento e igreja de santa clara (1)
Paula Andrade
 
Cidade do porto roteiro 3
Cidade do porto roteiro 3Cidade do porto roteiro 3
Cidade do porto roteiro 3
Paula Andrade
 
A menina que detestava livros manjusha pawagi
A menina que detestava livros   manjusha pawagiA menina que detestava livros   manjusha pawagi
A menina que detestava livros manjusha pawagi
Paula Andrade
 
O mistério do rio douro
O mistério do rio douroO mistério do rio douro
O mistério do rio douro
Paula Andrade
 

Mais de Paula Andrade (20)

CDU Tabela de Autoridade_Desbloqueado (1).pdf
CDU Tabela de Autoridade_Desbloqueado (1).pdfCDU Tabela de Autoridade_Desbloqueado (1).pdf
CDU Tabela de Autoridade_Desbloqueado (1).pdf
 
Palavras do mundo
Palavras do mundoPalavras do mundo
Palavras do mundo
 
Como se faz um trabalho escolar sobre animais
Como se faz um trabalho escolar sobre animaisComo se faz um trabalho escolar sobre animais
Como se faz um trabalho escolar sobre animais
 
Espalhem Esta Noticia
Espalhem Esta NoticiaEspalhem Esta Noticia
Espalhem Esta Noticia
 
A nossa dimensão Universal
A nossa dimensão UniversalA nossa dimensão Universal
A nossa dimensão Universal
 
Jornal júnior 4
Jornal júnior 4Jornal júnior 4
Jornal júnior 4
 
A internet 1º ciclo
A internet 1º cicloA internet 1º ciclo
A internet 1º ciclo
 
Ribeira e suas origens
Ribeira e suas origensRibeira e suas origens
Ribeira e suas origens
 
Porto sé catedral
Porto sé catedralPorto sé catedral
Porto sé catedral
 
Porto ontem e hoje bach
Porto ontem e hoje   bachPorto ontem e hoje   bach
Porto ontem e hoje bach
 
Porto e o eléctrico com tchaikovsky
Porto e o eléctrico com tchaikovskyPorto e o eléctrico com tchaikovsky
Porto e o eléctrico com tchaikovsky
 
Igrejas do porto convento e igreja de santa clara (1)
Igrejas do porto   convento e igreja de santa clara (1)Igrejas do porto   convento e igreja de santa clara (1)
Igrejas do porto convento e igreja de santa clara (1)
 
Cidade do porto roteiro 3
Cidade do porto roteiro 3Cidade do porto roteiro 3
Cidade do porto roteiro 3
 
Bairros do porto
Bairros do portoBairros do porto
Bairros do porto
 
Porto.ruas.bielas
Porto.ruas.bielas Porto.ruas.bielas
Porto.ruas.bielas
 
A menina que detestava livros manjusha pawagi
A menina que detestava livros   manjusha pawagiA menina que detestava livros   manjusha pawagi
A menina que detestava livros manjusha pawagi
 
O mistério do rio douro
O mistério do rio douroO mistério do rio douro
O mistério do rio douro
 
Fruxas e badas
Fruxas e badasFruxas e badas
Fruxas e badas
 
As mais belas bibliotecas do mundo
As mais belas bibliotecas do mundoAs mais belas bibliotecas do mundo
As mais belas bibliotecas do mundo
 
Almeida Garrett o apaixonado
Almeida Garrett o apaixonadoAlmeida Garrett o apaixonado
Almeida Garrett o apaixonado
 

Pontes do porto

  • 1. Seis pontes sobre o rio Douro ligam as cidades do Porto e de Vila Nova de Gaia
  • 2.  
  • 3.  
  • 5. De montante para jusante.
  • 6.
  • 7. Localizada no extremo da cidade, a montante de todas as outras pontes, a Ponte do Freixo nada tem a ver, estruturalmente, com as restantes pontes. Foi construída com o objectivo de ser uma alternativa à Ponte da Arrábida no descongestionamento do trânsito que "atravessa" a cidade em direcção a sul ou a norte. 750 metros de comprimento e 4 faixas de rodagem em cada sentido. A Ponte do Freixo, de autoria do Professor António Reis, é constituída por duas vigas gémeas afastadas de 10 cm ao longo de toda a extensão. Trata-se, na verdade, de duas pontes construídas lado a lado e afastadas 10 cm uma da outra. A ponte tem 8 vãos sendo o principal de 150 m a que se seguem para cada lado vãos de 115 m seguidos de outros menores. Cada uma das vigas tem de largura 18 metros e alberga 4 faixas rodoviárias. clique
  • 8.  
  • 9.  
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15.
  • 16. O sistema construtivo adoptado para a sua construção foi arrojado e inovador — cofragem deslizante — e hoje em dia é um sistema padrão de construção mundial. Sendo então uma peça única, possui também um sistema inovador, que impossibilita que ao acontecer um acidente na mesma ponte as carruagens se encavalitem umas em cima das outras, fazendo com que deslizem pela ponte fora. Ora, isto é único no mundo, como fez questão de sublinhar, na altura, Edgar Cardoso. Tal como a Ponte da Arrábida, à data da sua inauguração, também a Ponte de São João, com o seu vão central, constituiu, em 1991, um recorde mundial neste tipo de pontes, neste caso, para caminho-de-ferro. clique A Ponte de S. João foi o último projecto do Eng. Edgar Cardoso. Ao contrário das outras pontes construídas até à data, a Ponte de São João não é em arco, mas adopta uma solução em pórtico contínuo, em forma de Pi ( π ) , com três vãos - dois de 125 metros e um de 250 metros - apoiados em dois majestosos pilares fundados no leito do rio Douro, junto de cada uma das margens. Foi inaugurada em 24 de Junho (de 1991), dia de S. João, Santo Padroeiro da Cidade. Esta ponte, muito avançada tecnicamente e destinada exclusivamente ao tráfego ferroviário, substituiu a velha Ponte Maria Pia.
  • 17.  
  • 18.  
  • 19.  
  • 20.  
  • 21.  
  • 22.  
  • 23.
  • 24. A primeira grande obra de Gustavo Eiffel é um arco biarticulado que suporta o tabuleiro ferroviário de via simples através de pilares em treliça. Iniciaram-se os trabalhos em 5 de Janeiro de 1876 e foram concluídos a 31 de Outubro do ano seguinte. A inauguração solene deu-se a 4 de Novembro de 1877 pelos Reis D. Luís e D. Maria Pia de quem tomou o nome. A ponte esteve activa durante 114 anos até à entrada em serviço da Ponte de S. João em 1991. Ainda antes da Ponte Pênsil ser substituída pela actual Ponte Luís I, foi construída a Ponte Maria Pia, actuando como ponte ferroviária entre o Porto e Vila Nova de Gaia. Esta ponte vem permitir a conclusão da primeira Linha de Caminho de Ferro Nacional, terminando na Estação de S. Bento, no Porto. Actualmente está encerrada à circulação ferroviária, sendo a sua utilização substituída pela Ponte de São João. Tabuleiro com 352 metros e uma altura de 61 metros do nível das águas. clique
  • 25. clique O hábito muito arreigado de tratar os Reis com o atributo de Dom faz com que ninguém conheça a ponte pelo seu verdadeiro nome, o de Ponte Maria Pia. Assim acontece também com a Ponte “D. Luís”. A construção da ponte em tempo recorde, aliada à dificuldade da transposição do enorme vão, concedeu a Eiffel a fama que procurava desde 1866, altura em que fundou a sua empresa com o engenheiro Téophile Seyrig. Eiffel, para acompanhar os trabalhos de construção da ponte, instalou-se em Barcelos entre 1875 e 1877. Gustave Eiffel publicou na "Revista de Obras Públicas e Minas" uma análise pormenorizada da construção, onde incluiu quer os projectos, quer o cálculo dos vários componentes da ponte. Adoptando o mesmo modelo, realizou o Viaduto de Garabit (1880-1884) com 165 metros de vão, a estrutura da Estátua da Liberdade (1884-1886) e a Torre Eiffel (1889).
  • 26.  
  • 27.  
  • 28.  
  • 29.  
  • 30.  
  • 31.  
  • 32.  
  • 33.
  • 34. A Ponte do Infante, baptizada em honra do Infante D.Henrique, nascido no Porto, é a mais recente e, segundo muitos, a mais esbelta ponte que liga o Porto a Gaia. Foi construída pouco a montante da Ponte Luiz I, em plena zona histórica, ligando o bairro das Fontainhas (Porto) à Serra do Pilar (Vila Nova de Gaia). O objectivo era fazer o escoamento do trânsito anteriormente efectuado pelo tabuleiro superior da Ponte Luiz I, entretanto convertido para uso do Metro do Porto. A ponte tem uma extensão de 371 metros e 20 metros de largura no tabuleiro. Destinando-se à circulação rodoviária, o tráfego circula na ponte em duas faixas de rodagem em cada sentido, com 3,25 metros cada. A segurança da circulação é reforçada por um separador central com 1 metro de largura entre os dois sentidos e passeios laterais de 3 metros com guarda de segurança e guarda corpos. A iluminação está colocada à cota baixa, integrada nas guardas, na estrutura do guarda rodas e no separador central, permitindo uma perfeita iluminação da via, sem sombras. A ponte é constituída por uma viga caixão com 4,5m de altura apoiada num arco flexível com 1,50m de espessura. Apresenta uma solução de arco semelhante à adoptada pelo engenheiro suíço Robert Maillard nas suas pontes alpinas, com uma flecha de 11,2m para um vão de arco com 280m,o que, como já vem sendo tradição nas pontes entre Porto e Gaia, constituiu um recorde mundial nesta tipologia de pontes e serviu de referência a inúmeras pontes posteriormente construídas. clique
  • 35. Inaugurada em 30 de Março de 2003, mereceu 14 palavras por parte do Ministro das Obras Públicas: “ Esta Ponte é um exemplo da técnica. Foi concebida e executada por técnicos Portugueses.” -... Disse. 371 metros de comprimento e 20 metros de largura.
  • 36.  
  • 37.  
  • 38.  
  • 39.  
  • 40.  
  • 41.  
  • 42.
  • 43. Construída para substituir a Ponte Pênsil, justamente a nascente desta, e ainda em funcionamento, a travessia do Rio Douro passou a ser efectuada por uma nova ponte, totalmente metálica. Esta nova ponte é constituída por dois tabuleiros metálicos, sustentados por um arco de ferro. A existência de dois tabuleiros prende-se com o declive acentuado das margens neste ponto do Rio. Ficaram, assim, ligados ao trânsito automóvel e pedonal os centros das cidades do Porto e Vila Nova de Gaia (cota alta), e também as suas zonas ribeirinhas (cota baixa). Actualmente, o tabuleiro superior é apenas utilizado pela linha do metropolitano de superfície da cidade (Metro do Porto) e pela travessia pedonal. A circulação automóvel foi desviada para uma nova ponte – Ponte do Infante, construída propositadamente para esse efeito. Esta ponte é parte integrante da área classificada do Centro Histórico do Porto. Théophile Seyrig que, já fora o autor da concepção e chefe da equipa de projecto da Ponte Maria Pia, enquanto sócio de Eiffel, assina como único responsável a nova e grandiosa Ponte Luiz I. A construção iniciou-se em 1881 e foi inaugurada em 31 de Outubro de 1886. O arco mede 172 m de corda e tem 44,6 m de flecha. clique
  • 44.  
  • 45.  
  • 46.  
  • 47.  
  • 48.  
  • 49.  
  • 50.  
  • 51.  
  • 52.  
  • 53.  
  • 54.  
  • 55.  
  • 56.
  • 57. Em Março de 1952 foi adjudicada pela Junta Autónoma de Estradas ao Professor Edgar António de Mesquita Cardoso, nascido no Porto a 11 de Maio de 1913 e falecido a 5 de Julho de 2000, a elaboração de anteprojectos para a ponte rodoviária. O projecto foi aprovado em 1955 e a construção estendeu-se de Maio de 1957 até 22 de Junho de 1963, dia em que foi inaugurada. A Ponte da Arrábida, vão de 270 m, foi durante algum tempo o recorde mundial para pontes em arco de betão armado. A flecha do arco é de 52 m e o tabuleiro, com 27m de largura, eleva-se a 70m acima do nível médio das águas. Teve como objectivo dar seguimento à auto-estrada A1 até ao "interior" da Cidade. Foi durante anos a principal via de comunicação em auto-estrada para Sul. Actualmente existe como alternativa a Ponte do Freixo, também com ligação à auto-estrada A1. 495 metros de comprimento, arcos gémeos de betão armado com 270 metros de corda teórica e 52 metros de flecha. clique
  • 58. Foi durante anos o maior arco de betão pré-esforçado do mundo. Na inauguração, vieram jornalistas, repórteres e fotógrafos de todo o mundo para ver "cair" a ponte. Ela aí está, … linda …e … segura. Parabéns Senhor Engenheiro Edgar Cardoso
  • 59.  
  • 60.  
  • 61.  
  • 62.  
  • 63.  
  • 64.  
  • 65.  
  • 66.  
  • 67.  
  • 68.  
  • 69.  
  • 70.