SlideShare uma empresa Scribd logo
Título: O que é o Atlas de Acesso à Justiça?
Texto: A Justiça no Brasil é lenta, difícil de entender e distante de quem mais precisa
dela. Para mudar essa situação, é preciso vontade política, responsabilidade, ideias
novas e o compromisso de envolver toda a sociedade nessa transformação. O Atlas de
Acesso à Justiça é um passo importante nessa direção: um serviço público online com
informações e dados essenciais sobre direitos e garantias para facilitar, no dia-a-dia, o
acesso dos cidadãos ao Sistema de Justiça. Esse é o grande objetivo do Atlas, criado
pelo Governo Federal. A partir de agora, é possível tirar dúvidas sobre direitos,
conhecer como funciona a Justiça e quem pode nos defender, saber que serviços
permitem resolver da maneira mais rápida um problema e obter informações de como
está a Justiça em cada Estado do país. Tudo isso em um só lugar. Por isso, o Atlas de
Acesso à Justiça é uma poderosa ferramenta à disposição da população para ajudar a
fazer do Brasil uma nação mais justa
Elaborado com a utilização de metodologia desenvolvida em conjunto pelo Ministério
da Justiça e a Universidade de Brasília (UnB), o INAJ nos revela como é o acesso à
Justiça no Brasil em cada estado, oferecendo um conjunto inédito de dados e análises
sobre a realidade judicial no país. Foram considerados ainda os dados relativos à
população brasileira e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) distribuído por
estado, bem como informações sobre os órgãos e instituições essenciais ao
funcionamento da Justiça —tais como o número de advogados.
Assim, foi possível dar início a um trabalho de mensuração do acesso à Justiça que
inclui os aspectos sociais da realidade nacional, permitindo a ampliação do que se
considera Sistema de Justiça para além das instituições que compõem o Judiciário hoje.
Em outras palavras, o Atlas introduz, a partir dos indicadores apresentados, a concepção
de que a justiça se realiza não apenas nos tribunais, mas com o apoio de inúmeras
instituições e iniciativas extrajudiciais (em núcleos de Justiça Comunitária, nos Procons,
nas agências reguladoras, entre outros).
A estruturação dos indicadores que compreendem a importância dessa dimensão
ampliada de acesso à Justiça é desafio que requer a participação de pesquisadores,
pensadores, centros de ensino e do próprio Sistema de Justiça para que tenhamos uma
referência cada vez mais sólida. Com o Atlas de Acesso à Justiça, damos início a essa
trajetória.
Em 17 de dezembro de 2014, a 2 edição dos indicadores de acesso à Justiça será lançada
e disponibilizada no Portal de Acesso à Justiça: http://www.acessoajustica.gov.br
Os indicadores foram formulados utilizando dados da concepção ampla de Sistema de
Justiça e do acesso à Justiça. A natureza propositiva do trabalho, contudo, implicou a
representação de somente um deles, o IAJ2 considerando, para a dimensão Sistema de
Justiça, dois intervalos distintos: um demonstrando o entendimento tradicional do SJ, com
somente os atores judiciais e essenciais à Justiça; o outro considerando parte dos atores
extrajudiciais.
As medições foram iniciadas pela consideração dos valores de, no numerador das equações,
os elementos do Sistema de Justiça (o número de operadores, QPo, e o número de unidades,
QU). Levantados os dados absolutos de cada grandeza (QPo e QU), seguiu-se a interação
com a dimensão social e depois entre os índices resultantes.
Os gráficos representam ou a quantidade total de operadores (QP) ou de unidades (QU) por
ramo do SJ, sendo:
QPjud: a quantidade de operadores Judiciais – magistrados de todos os níveis;
QUjud: a quantidade unidades de operacionais do Judiciário – varas, turmas
QPess: a quantidade de operadores atores essenciais à Justiça – promotores, advogados,
defensores públicos;
QPess: a quantidade de unidades operacionais dos Ministérios Públicos, Defensorias
Públicas e seções da OAB
QUext: a quantidade de unidades extrajudiciais: Delegacias, Cartórios, Procons, unidades
especializadas...
QUext: a quantidade de unidades operacionais dos atores extrajudiciais – delegados, oficiais
de registro, gerentes de procons...;
Os números ponderados dos operadores públicos, enfim, totalizaram:
Dos advogados:
O acesso à justiça foi considerado como a capacidade de um indivíduo, ou grupo de
indivíduos, em demandar, solucionar ou evitar um conflito de interesses por meio de
serviços do Sistema de Justiça. Os fatores que influenciam as dinâmicas de oferta e
demanda do sistema de justiça foram utilizadas para a avaliação de variações no indicador.
De um lado figurarm elementos como a disponibilidade de unidades de operacionais , de
outro representações das condicionantes da demanda, como a base populacional e
características econômicas e sociais de sua composição.
Os indicadores foram calculados da seguinte forma:
Cod.
Indicado
r
Elementos
Dimensão SJ
Elementos Dimensão
Socioeconômica
Fórmula Final
IAJ1
QU (qtd
Unidades)
Qpo (Qtd.
Operadores)
Pop (população) (((QU+QP)/2)/Pop)*100
IAJ2
QU (qtd
Unidades)
Qpo (Qtd.
Operadores)
Pop (população)
Desenvolv. Humano (IDH)
(((QU+QP)/2)/(Pop*(1/IDH)))*100
Os indicadores foram formulados utilizando dados da concepção ampla de Sistema de
Justiça e do acesso à Justiça. A natureza propositiva do trabalho, contudo, implicou a
representação de somente um deles, o IAJ2 considerando, para a dimensão Sistema de
Justiça, dois intervalos distintos: um demonstrando o entendimento tradicional do SJ, com
somente os atores judiciais e essenciais à Justiça; o outro considerando os atores
extrajudiciais.
Considerando-se o INAJ 2 – utilizado em 2013 para demonstrar o acesso no Brasil, os
resultados de 2014 foram os seguintes:
Ou
UF 2013 2014 2013 2014
UF
IAJ Jud,
Ess, Ext
2013
IAJ Jud,
Ess, Ext
- 2014
var%
IAJ SJ -
2013
IAJ SJ -
2014
var%
MA 0,06 0,06 -3,64% 0,04 0,05 8,41%
PA 0,07 0,07 -3,96% 0,06 0,06 1,23%
AM 0,08 0,08 0,84% 0,06 0,06 7,21%
BA 0,09 0,10 1,15% 0,07 0,07 7,92%
CE 0,09 0,10 6,70% 0,07 0,08 15,49%
AL 0,09 0,09 1,91% 0,07 0,08 11,04%
PI 0,11 0,12 5,13% 0,08 0,09 17,13%
PE 0,10 0,11 2,72% 0,08 0,09 9,17%
PB 0,12 0,13 1,67% 0,08 0,09 12,79%
SE 0,11 0,11 -0,42% 0,08 0,09 8,02%
RN 0,12 0,12 -1,34% 0,09 0,09 7,58%
RR 0,12 0,12 -2,92% 0,09 0,09 3,27%
AP 0,14 0,14 -5,49% 0,10 0,10 -1,77%
RO 0,13 0,12 -4,97% 0,10 0,10 -0,24%
TO 0,18 0,16 -11,90% 0,10 0,10 -2,93%
AC 0,15 0,14 -10,98% 0,12 0,11 -4,55%
MT 0,17 0,18 2,86% 0,14 0,15 8,29%
ES 0,17 0,17 -0,80% 0,14 0,14 3,56%
GO 0,17 0,17 -2,32% 0,14 0,14 1,82%
MG 0,19 0,19 3,72% 0,15 0,16 8,48%
MS 0,19 0,18 -3,86% 0,16 0,16 0,49%
SC 0,19 0,19 -2,13% 0,16 0,16 2,46%
PR 0,19 0,20 2,80% 0,16 0,17 6,92%
RS 0,24 0,24 1,55% 0,20 0,21 4,70%
SP 0,25 0,25 0,33% 0,23 0,24 1,63%
RJ 0,31 0,32 2,42% 0,29 0,30 3,47%
DF 0,41 0,46 10,33% 0,38 0,43 11,56%
total 4,29 4,30 0,27% 3,44 3,62 5,35%
Na a mensuração de 2014, houve pequena variação na contagem de atores
extrajudiciais, cujos levantamentos não tem a mesma periodicidade dos judiciais e
essenciais à Justiça. Assim, em ambas as visões, as mudanças foram causadas pela
variação desses dois tipos de ator. As mais notáveis foram a da advocacia, que teve
aumento de 8,32%, passando de 774.499 advogados para 838.976; das justiças estaduais
e federal, que apresentaram queda de 14,3% e 12,93%; bem como das defensorias
pública da União e estaduais que tiveram crescimento de 7,54% e 6,0%.
Os indicadores refletem fortemente a participação dos advogados, cujos valores
absolutos são bastante superiores aos demais. Ainda assim, os números obtidos quando
considerados apenas os atores públicos, conforme o gráfico abaixo, o quadro continua
de profunda desigualdade na capacidade de oferta de serviços, por cidadão, do Sistema
de Justiça.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Guia de Formação para Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas
Guia de Formação para Rede de Enfrentamento ao Tráfico de PessoasGuia de Formação para Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas
Guia de Formação para Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas
Ministério da Justiça
 
Guia Prático de Classicifacao Indicativa
Guia Prático de Classicifacao IndicativaGuia Prático de Classicifacao Indicativa
Guia Prático de Classicifacao Indicativa
Ministério da Justiça
 
Cartilha para solicitantes de refugio no Brasil
Cartilha para solicitantes de refugio no BrasilCartilha para solicitantes de refugio no Brasil
Cartilha para solicitantes de refugio no Brasil
Ministério da Justiça
 

Destaque (20)

SNJ - Balanço da Gestão 2011-2014
SNJ - Balanço da Gestão 2011-2014SNJ - Balanço da Gestão 2011-2014
SNJ - Balanço da Gestão 2011-2014
 
Comigrar | Manual do Participante
Comigrar | Manual do ParticipanteComigrar | Manual do Participante
Comigrar | Manual do Participante
 
1º Boletim de Segurança Pública - MJ
1º Boletim de Segurança Pública - MJ1º Boletim de Segurança Pública - MJ
1º Boletim de Segurança Pública - MJ
 
O tempo do processo de homicídio doloso em cinco capitais
O tempo do processo de homicídio doloso em cinco capitaisO tempo do processo de homicídio doloso em cinco capitais
O tempo do processo de homicídio doloso em cinco capitais
 
Boletim Consumo e Finança - Senacon e BC
Boletim Consumo e Finança - Senacon e BCBoletim Consumo e Finança - Senacon e BC
Boletim Consumo e Finança - Senacon e BC
 
Cadernos Temáticos sobre Tráfico de Pessoas Volume 2: Migração e Tráfico de P...
Cadernos Temáticos sobre Tráfico de Pessoas Volume 2: Migração e Tráfico de P...Cadernos Temáticos sobre Tráfico de Pessoas Volume 2: Migração e Tráfico de P...
Cadernos Temáticos sobre Tráfico de Pessoas Volume 2: Migração e Tráfico de P...
 
Classificação Indicativa -Artigo Final
Classificação Indicativa -Artigo FinalClassificação Indicativa -Artigo Final
Classificação Indicativa -Artigo Final
 
Caderno de Propostar da Comigrar
Caderno de Propostar da ComigrarCaderno de Propostar da Comigrar
Caderno de Propostar da Comigrar
 
Boletim Consumo e Finanças - Pacotes e Serviços Bancários
Boletim Consumo e Finanças - Pacotes e Serviços BancáriosBoletim Consumo e Finanças - Pacotes e Serviços Bancários
Boletim Consumo e Finanças - Pacotes e Serviços Bancários
 
Guia de Formação para Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas
Guia de Formação para Rede de Enfrentamento ao Tráfico de PessoasGuia de Formação para Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas
Guia de Formação para Rede de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas
 
Comigrar | Caderno de Proposta
Comigrar | Caderno de PropostaComigrar | Caderno de Proposta
Comigrar | Caderno de Proposta
 
Entenda o Anteprojeto de Lei de Migrações
Entenda o Anteprojeto de Lei de MigraçõesEntenda o Anteprojeto de Lei de Migrações
Entenda o Anteprojeto de Lei de Migrações
 
Guia Prático de Classicifacao Indicativa
Guia Prático de Classicifacao IndicativaGuia Prático de Classicifacao Indicativa
Guia Prático de Classicifacao Indicativa
 
Pesquisa Classificação Indicativa - Jogos Eletrônicos
Pesquisa Classificação Indicativa - Jogos Eletrônicos Pesquisa Classificação Indicativa - Jogos Eletrônicos
Pesquisa Classificação Indicativa - Jogos Eletrônicos
 
Cartilha para Emendas Orçamentárias 2015
Cartilha para Emendas Orçamentárias 2015Cartilha para Emendas Orçamentárias 2015
Cartilha para Emendas Orçamentárias 2015
 
Manual de Proteção aos Apatridas
Manual de Proteção aos ApatridasManual de Proteção aos Apatridas
Manual de Proteção aos Apatridas
 
Cartilha para solicitantes de refugio no Brasil
Cartilha para solicitantes de refugio no BrasilCartilha para solicitantes de refugio no Brasil
Cartilha para solicitantes de refugio no Brasil
 
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direitos Econômi...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direitos Econômi...Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direitos Econômi...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direitos Econômi...
 
Cartilha Brasil Mais Seguro
Cartilha Brasil Mais SeguroCartilha Brasil Mais Seguro
Cartilha Brasil Mais Seguro
 
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...
Jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos - Direito à Integr...
 

Semelhante a O que é o Atlas de Acesso à Justiça?

Infolocal: Um Estudo de Caso dos Limites e Potencialidades de um Sistema de I...
Infolocal: Um Estudo de Caso dos Limites e Potencialidades de um Sistema de I...Infolocal: Um Estudo de Caso dos Limites e Potencialidades de um Sistema de I...
Infolocal: Um Estudo de Caso dos Limites e Potencialidades de um Sistema de I...
Mário Januário Filho
 
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Bruno Martins Soares
 
Projeto_Metodologico_Dados_TraficodePessoas
Projeto_Metodologico_Dados_TraficodePessoasProjeto_Metodologico_Dados_TraficodePessoas
Projeto_Metodologico_Dados_TraficodePessoas
Alline Pedra Jorge Birol
 
PROJETO ESOCIAL - sociologia - fundamentos do direito publico e privado - dir...
PROJETO ESOCIAL - sociologia - fundamentos do direito publico e privado - dir...PROJETO ESOCIAL - sociologia - fundamentos do direito publico e privado - dir...
PROJETO ESOCIAL - sociologia - fundamentos do direito publico e privado - dir...
Amanda Cristina C Balceskis
 
Pensando o direito
Pensando o direitoPensando o direito
Pensando o direito
Deysi Macedo
 
Ouvidoria Para Cidadania MF
Ouvidoria Para Cidadania MFOuvidoria Para Cidadania MF
Ouvidoria Para Cidadania MF
Blan Tavares
 

Semelhante a O que é o Atlas de Acesso à Justiça? (20)

Judiciário custou R$ 84,8 bilhões em 2016, aponta CNJ
Judiciário custou R$ 84,8 bilhões em 2016, aponta CNJJudiciário custou R$ 84,8 bilhões em 2016, aponta CNJ
Judiciário custou R$ 84,8 bilhões em 2016, aponta CNJ
 
Pesquisa justiça em números 2013
Pesquisa justiça em números 2013Pesquisa justiça em números 2013
Pesquisa justiça em números 2013
 
CNJ - dados do balanço 2013
CNJ - dados do balanço 2013CNJ - dados do balanço 2013
CNJ - dados do balanço 2013
 
Lei 13.019/2014
Lei 13.019/2014 Lei 13.019/2014
Lei 13.019/2014
 
RGI - 2012
RGI - 2012RGI - 2012
RGI - 2012
 
Poder legislativo.DIAP
Poder legislativo.DIAPPoder legislativo.DIAP
Poder legislativo.DIAP
 
Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios
Jogos Limpos Dentro e Fora dos EstádiosJogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios
Jogos Limpos Dentro e Fora dos Estádios
 
Infolocal: Um Estudo de Caso dos Limites e Potencialidades de um Sistema de I...
Infolocal: Um Estudo de Caso dos Limites e Potencialidades de um Sistema de I...Infolocal: Um Estudo de Caso dos Limites e Potencialidades de um Sistema de I...
Infolocal: Um Estudo de Caso dos Limites e Potencialidades de um Sistema de I...
 
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
 
Projeto_Metodologico_Dados_TraficodePessoas
Projeto_Metodologico_Dados_TraficodePessoasProjeto_Metodologico_Dados_TraficodePessoas
Projeto_Metodologico_Dados_TraficodePessoas
 
Justiça recebe pela primeira vez mais processos em meio virtua1
Justiça recebe pela primeira vez mais processos em meio virtua1Justiça recebe pela primeira vez mais processos em meio virtua1
Justiça recebe pela primeira vez mais processos em meio virtua1
 
Veja o relatório do Índice de Confiança no Judiciário
Veja o relatório do Índice de Confiança no JudiciárioVeja o relatório do Índice de Confiança no Judiciário
Veja o relatório do Índice de Confiança no Judiciário
 
Relatório de produção da rede assistencial.pdf
Relatório de produção da rede assistencial.pdfRelatório de produção da rede assistencial.pdf
Relatório de produção da rede assistencial.pdf
 
aCartilha controle interno
aCartilha controle internoaCartilha controle interno
aCartilha controle interno
 
PROJETO ESOCIAL - sociologia - fundamentos do direito publico e privado - dir...
PROJETO ESOCIAL - sociologia - fundamentos do direito publico e privado - dir...PROJETO ESOCIAL - sociologia - fundamentos do direito publico e privado - dir...
PROJETO ESOCIAL - sociologia - fundamentos do direito publico e privado - dir...
 
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo FederalPalestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
Palestra CGU - Política de Dados Abertos no Poder Executivo Federal
 
Pensando o direito
Pensando o direitoPensando o direito
Pensando o direito
 
Iprev
IprevIprev
Iprev
 
Ouvidoria Para Cidadania MF
Ouvidoria Para Cidadania MFOuvidoria Para Cidadania MF
Ouvidoria Para Cidadania MF
 
Lei 8.112-anotada-9-3-2015-(2)
Lei 8.112-anotada-9-3-2015-(2)Lei 8.112-anotada-9-3-2015-(2)
Lei 8.112-anotada-9-3-2015-(2)
 

Mais de Ministério da Justiça

Mais de Ministério da Justiça (20)

Marco de Segurança no Futebol
Marco de Segurança no FutebolMarco de Segurança no Futebol
Marco de Segurança no Futebol
 
Sistema de refúgio brasileiro - Balanço até abril de 2016
Sistema de refúgio brasileiro - Balanço até abril de 2016Sistema de refúgio brasileiro - Balanço até abril de 2016
Sistema de refúgio brasileiro - Balanço até abril de 2016
 
Cartilha para Emendas Orçamentárias 2016
Cartilha para Emendas Orçamentárias 2016Cartilha para Emendas Orçamentárias 2016
Cartilha para Emendas Orçamentárias 2016
 
Refúgio no Brasil
Refúgio no BrasilRefúgio no Brasil
Refúgio no Brasil
 
Relatorio Trafico de Pessoas 2013
Relatorio Trafico de Pessoas 2013Relatorio Trafico de Pessoas 2013
Relatorio Trafico de Pessoas 2013
 
Relatório do Infopen - 2015
Relatório do Infopen - 2015Relatório do Infopen - 2015
Relatório do Infopen - 2015
 
Pesquisa Dar à Luz na Sombra
Pesquisa Dar à Luz na SombraPesquisa Dar à Luz na Sombra
Pesquisa Dar à Luz na Sombra
 
Balanço da Operação Rodovida da PRF - Carnaval 2015
Balanço da Operação Rodovida da PRF -  Carnaval 2015Balanço da Operação Rodovida da PRF -  Carnaval 2015
Balanço da Operação Rodovida da PRF - Carnaval 2015
 
SNJ - Balanço da Gestão 2011-2014
SNJ - Balanço da Gestão 2011-2014 SNJ - Balanço da Gestão 2011-2014
SNJ - Balanço da Gestão 2011-2014
 
Avaliação sobre o progresso do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico ...
Avaliação sobre o progresso do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico ...Avaliação sobre o progresso do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico ...
Avaliação sobre o progresso do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico ...
 
Cadernos temáticos sobre tráfico de pessoas
Cadernos temáticos sobre tráfico de pessoas Cadernos temáticos sobre tráfico de pessoas
Cadernos temáticos sobre tráfico de pessoas
 
Revista Diálogos sobre Justiça
Revista Diálogos sobre JustiçaRevista Diálogos sobre Justiça
Revista Diálogos sobre Justiça
 
Manual de Mediação e Conciliação para Defensoria Pública
Manual de Mediação e Conciliação para Defensoria PúblicaManual de Mediação e Conciliação para Defensoria Pública
Manual de Mediação e Conciliação para Defensoria Pública
 
Manual Mediação e Conciliação para representantes de empresas
Manual Mediação e Conciliação para representantes de empresasManual Mediação e Conciliação para representantes de empresas
Manual Mediação e Conciliação para representantes de empresas
 
Manual de Mediação de Conflito para advogados
Manual de Mediação de Conflito para advogados Manual de Mediação de Conflito para advogados
Manual de Mediação de Conflito para advogados
 
Manual de Negociação e Mediação para membros do Ministério Público
Manual de Negociação e Mediação para membros do Ministério PúblicoManual de Negociação e Mediação para membros do Ministério Público
Manual de Negociação e Mediação para membros do Ministério Público
 
Atlas de Acesso à Justiça - Indicadores Nacionais de Acesso à Justiça
Atlas de Acesso à Justiça - Indicadores Nacionais de Acesso à Justiça Atlas de Acesso à Justiça - Indicadores Nacionais de Acesso à Justiça
Atlas de Acesso à Justiça - Indicadores Nacionais de Acesso à Justiça
 
Federalização de Graves Violações de Direitos Humanos
Federalização de Graves Violações de Direitos HumanosFederalização de Graves Violações de Direitos Humanos
Federalização de Graves Violações de Direitos Humanos
 
Pesquisa Classificação Indicativa - Comportamento dos pais e filhos
Pesquisa Classificação Indicativa - Comportamento dos pais e filhosPesquisa Classificação Indicativa - Comportamento dos pais e filhos
Pesquisa Classificação Indicativa - Comportamento dos pais e filhos
 
A aplicação de penas e medidas alternativas
A aplicação de penas e medidas alternativas A aplicação de penas e medidas alternativas
A aplicação de penas e medidas alternativas
 

O que é o Atlas de Acesso à Justiça?

  • 1. Título: O que é o Atlas de Acesso à Justiça? Texto: A Justiça no Brasil é lenta, difícil de entender e distante de quem mais precisa dela. Para mudar essa situação, é preciso vontade política, responsabilidade, ideias novas e o compromisso de envolver toda a sociedade nessa transformação. O Atlas de Acesso à Justiça é um passo importante nessa direção: um serviço público online com informações e dados essenciais sobre direitos e garantias para facilitar, no dia-a-dia, o acesso dos cidadãos ao Sistema de Justiça. Esse é o grande objetivo do Atlas, criado pelo Governo Federal. A partir de agora, é possível tirar dúvidas sobre direitos, conhecer como funciona a Justiça e quem pode nos defender, saber que serviços permitem resolver da maneira mais rápida um problema e obter informações de como está a Justiça em cada Estado do país. Tudo isso em um só lugar. Por isso, o Atlas de Acesso à Justiça é uma poderosa ferramenta à disposição da população para ajudar a fazer do Brasil uma nação mais justa Elaborado com a utilização de metodologia desenvolvida em conjunto pelo Ministério da Justiça e a Universidade de Brasília (UnB), o INAJ nos revela como é o acesso à Justiça no Brasil em cada estado, oferecendo um conjunto inédito de dados e análises sobre a realidade judicial no país. Foram considerados ainda os dados relativos à população brasileira e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) distribuído por estado, bem como informações sobre os órgãos e instituições essenciais ao funcionamento da Justiça —tais como o número de advogados. Assim, foi possível dar início a um trabalho de mensuração do acesso à Justiça que inclui os aspectos sociais da realidade nacional, permitindo a ampliação do que se considera Sistema de Justiça para além das instituições que compõem o Judiciário hoje. Em outras palavras, o Atlas introduz, a partir dos indicadores apresentados, a concepção de que a justiça se realiza não apenas nos tribunais, mas com o apoio de inúmeras instituições e iniciativas extrajudiciais (em núcleos de Justiça Comunitária, nos Procons, nas agências reguladoras, entre outros). A estruturação dos indicadores que compreendem a importância dessa dimensão ampliada de acesso à Justiça é desafio que requer a participação de pesquisadores, pensadores, centros de ensino e do próprio Sistema de Justiça para que tenhamos uma referência cada vez mais sólida. Com o Atlas de Acesso à Justiça, damos início a essa trajetória. Em 17 de dezembro de 2014, a 2 edição dos indicadores de acesso à Justiça será lançada e disponibilizada no Portal de Acesso à Justiça: http://www.acessoajustica.gov.br Os indicadores foram formulados utilizando dados da concepção ampla de Sistema de Justiça e do acesso à Justiça. A natureza propositiva do trabalho, contudo, implicou a representação de somente um deles, o IAJ2 considerando, para a dimensão Sistema de Justiça, dois intervalos distintos: um demonstrando o entendimento tradicional do SJ, com somente os atores judiciais e essenciais à Justiça; o outro considerando parte dos atores extrajudiciais. As medições foram iniciadas pela consideração dos valores de, no numerador das equações, os elementos do Sistema de Justiça (o número de operadores, QPo, e o número de unidades, QU). Levantados os dados absolutos de cada grandeza (QPo e QU), seguiu-se a interação com a dimensão social e depois entre os índices resultantes.
  • 2. Os gráficos representam ou a quantidade total de operadores (QP) ou de unidades (QU) por ramo do SJ, sendo: QPjud: a quantidade de operadores Judiciais – magistrados de todos os níveis; QUjud: a quantidade unidades de operacionais do Judiciário – varas, turmas QPess: a quantidade de operadores atores essenciais à Justiça – promotores, advogados, defensores públicos; QPess: a quantidade de unidades operacionais dos Ministérios Públicos, Defensorias Públicas e seções da OAB QUext: a quantidade de unidades extrajudiciais: Delegacias, Cartórios, Procons, unidades especializadas... QUext: a quantidade de unidades operacionais dos atores extrajudiciais – delegados, oficiais de registro, gerentes de procons...;
  • 3. Os números ponderados dos operadores públicos, enfim, totalizaram:
  • 4. Dos advogados: O acesso à justiça foi considerado como a capacidade de um indivíduo, ou grupo de indivíduos, em demandar, solucionar ou evitar um conflito de interesses por meio de serviços do Sistema de Justiça. Os fatores que influenciam as dinâmicas de oferta e demanda do sistema de justiça foram utilizadas para a avaliação de variações no indicador. De um lado figurarm elementos como a disponibilidade de unidades de operacionais , de outro representações das condicionantes da demanda, como a base populacional e características econômicas e sociais de sua composição. Os indicadores foram calculados da seguinte forma: Cod. Indicado r Elementos Dimensão SJ Elementos Dimensão Socioeconômica Fórmula Final IAJ1 QU (qtd Unidades) Qpo (Qtd. Operadores) Pop (população) (((QU+QP)/2)/Pop)*100 IAJ2 QU (qtd Unidades) Qpo (Qtd. Operadores) Pop (população) Desenvolv. Humano (IDH) (((QU+QP)/2)/(Pop*(1/IDH)))*100 Os indicadores foram formulados utilizando dados da concepção ampla de Sistema de Justiça e do acesso à Justiça. A natureza propositiva do trabalho, contudo, implicou a representação de somente um deles, o IAJ2 considerando, para a dimensão Sistema de Justiça, dois intervalos distintos: um demonstrando o entendimento tradicional do SJ, com somente os atores judiciais e essenciais à Justiça; o outro considerando os atores extrajudiciais. Considerando-se o INAJ 2 – utilizado em 2013 para demonstrar o acesso no Brasil, os resultados de 2014 foram os seguintes:
  • 5. Ou UF 2013 2014 2013 2014 UF IAJ Jud, Ess, Ext 2013 IAJ Jud, Ess, Ext - 2014 var% IAJ SJ - 2013 IAJ SJ - 2014 var% MA 0,06 0,06 -3,64% 0,04 0,05 8,41% PA 0,07 0,07 -3,96% 0,06 0,06 1,23% AM 0,08 0,08 0,84% 0,06 0,06 7,21% BA 0,09 0,10 1,15% 0,07 0,07 7,92% CE 0,09 0,10 6,70% 0,07 0,08 15,49% AL 0,09 0,09 1,91% 0,07 0,08 11,04% PI 0,11 0,12 5,13% 0,08 0,09 17,13% PE 0,10 0,11 2,72% 0,08 0,09 9,17% PB 0,12 0,13 1,67% 0,08 0,09 12,79% SE 0,11 0,11 -0,42% 0,08 0,09 8,02% RN 0,12 0,12 -1,34% 0,09 0,09 7,58% RR 0,12 0,12 -2,92% 0,09 0,09 3,27% AP 0,14 0,14 -5,49% 0,10 0,10 -1,77% RO 0,13 0,12 -4,97% 0,10 0,10 -0,24% TO 0,18 0,16 -11,90% 0,10 0,10 -2,93% AC 0,15 0,14 -10,98% 0,12 0,11 -4,55%
  • 6. MT 0,17 0,18 2,86% 0,14 0,15 8,29% ES 0,17 0,17 -0,80% 0,14 0,14 3,56% GO 0,17 0,17 -2,32% 0,14 0,14 1,82% MG 0,19 0,19 3,72% 0,15 0,16 8,48% MS 0,19 0,18 -3,86% 0,16 0,16 0,49% SC 0,19 0,19 -2,13% 0,16 0,16 2,46% PR 0,19 0,20 2,80% 0,16 0,17 6,92% RS 0,24 0,24 1,55% 0,20 0,21 4,70% SP 0,25 0,25 0,33% 0,23 0,24 1,63% RJ 0,31 0,32 2,42% 0,29 0,30 3,47% DF 0,41 0,46 10,33% 0,38 0,43 11,56% total 4,29 4,30 0,27% 3,44 3,62 5,35% Na a mensuração de 2014, houve pequena variação na contagem de atores extrajudiciais, cujos levantamentos não tem a mesma periodicidade dos judiciais e essenciais à Justiça. Assim, em ambas as visões, as mudanças foram causadas pela variação desses dois tipos de ator. As mais notáveis foram a da advocacia, que teve aumento de 8,32%, passando de 774.499 advogados para 838.976; das justiças estaduais e federal, que apresentaram queda de 14,3% e 12,93%; bem como das defensorias pública da União e estaduais que tiveram crescimento de 7,54% e 6,0%. Os indicadores refletem fortemente a participação dos advogados, cujos valores absolutos são bastante superiores aos demais. Ainda assim, os números obtidos quando considerados apenas os atores públicos, conforme o gráfico abaixo, o quadro continua de profunda desigualdade na capacidade de oferta de serviços, por cidadão, do Sistema de Justiça.