SlideShare uma empresa Scribd logo
Bruno S. Oliveira
Bolsista
bruno.oliveira@cti.gov.br
Tel.: +55 11 3746-6000 - Fax: +55 19 3746-6028
www.cti.gov.br
Protocolos de Comunicação
Homem-Máquina
02/02/2012
Bruno Silva de Oliveira– DSSI/CTI
Introdução
• Conteúdo baseado na unidade do curso de
especialização em Gestão da Segurança da
Informação e Comunicações na Universidade
de Brasília
• Será usada a mesma organização de conteúdo
das aulas, aproveitando em alguns pontos
para acrescentar outros autores
Introdução
• Autor do curso foi Tiago Barros Pontes e Silva
• Graduado em Design nas habilitações de
Projeto de Produto e Programação Visual,
com mestrado em Psicologia com ênfase na
área de Ergonomia Cognitiva aplicada a
ambientes e interfaces pela UnB
• Professor do curso de Desenho Industrial da
Universidade de Brasília
Resumo
• Esta apresentação usa uma abordagem
ergonômica para avaliação de comportamentos
inseguros nas instituições públicas brasileiras.
• São apresentados elementos de contextualização
acerca da concepção das políticas de segurança
da informação, os principais conceitos e
pressupostos ergonômicos e a abordagem
metodológica da ergonomia denominada Análise
Ergonômica do Trabalho – AET.
Fator Humano
• Apesar do processo sistematizado de elaboração das políticas
e normas de segurança da informação e das comunicações, as
informações institucionais são expostas a ameaças.
• Em muitos casos, o comportamento inseguro dos
funcionários é o fator principal associado à quebra dos
procedimentos de segurança.
• A dificuldade em seguir os protocolos de segurança prescritos
advém do processo de concepção da política institucional.
LIMITES DA GESTÃO DA
SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO
Prevenir o comportamento inseguro dos funcionários que manipulam,
registram e recuperam informações ainda é um desafio. Nesse sentido,
são apresentadas questões relativas ao processo de concepção das
políticas de gestão da informação institucional, visando explorar o
aspecto da segurança sob a ótica do trabalhador.
Processo de Concepção das
Políticas, Normas e
Procedimentos• Geralmente são concebidas por grupos de especialistas em
questões de segurança, externos aos setores que realizam as
atividades cotidianas da instituição, e com base nas normas
propostas.
• Nesse sentido, é imprescindível que sejam considerados fatores
relacionados ao cotidiano de trabalho das pessoas, suas
condições e organização do trabalho. O afastamento dos
procedimentos de segurança propostos do contexto real de
trabalho pode favorecer os comportamentos inseguros,
expondo as vulnerabilidades da informação institucional a
riscos e ameaças.
Processo de Concepção das
Políticas, Normas e
ProcedimentosPONTO 1
• Identificar as normas de segurança da informação e das
comunicações vigentes no seu contexto de trabalho, assim como o
processo que a originou, como a equipe responsável, o referencial
adotado, o seu processo de formulação e de sensibilização dos
funcionários.
PONTO 2
• Levantar os incidentes de segurança ocorridos no seu contexto de
trabalho recentemente. Identificar os casos relacionados ao
comportamento inseguro, assim como os controles e sanções
previstos pelas normas de segurança para esses casos e as
consequências ocorridas para os funcionários.
Controles e Sanções
• Os controles e monitoramentos são necessários para o
acompanhamento dos procedimentos de segurança da
informação e das comunicações. Também são necessários em
casos de incidentes de segurança, que podem requerer
avaliações precisas que auxiliem o processo de atribuição de
responsabilidades.
• O uso de controles para responsabilizar e punir as pessoas,
nesses casos, não resolve o foco do problema de segurança,
originado pela própria incoerência das prescrições de trabalho.
Engenharia Social
• Os controles e monitoramentos são necessários para o
acompanhamento dos procedimentos de segurança da
informação e das comunicações. Também são necessários em
casos de incidentes de segurança, que podem requerer
avaliações precisas que auxiliem o processo de atribuição de
responsabilidades.
• O uso de controles para responsabilizar e punir as pessoas,
nesses casos, não resolve o foco do problema de segurança,
originado pela própria incoerência das prescrições de trabalho.
A ABORDAGEM ERGONÔMICA
São apresentados neste capítulo os principais conceitos relacionados à
abordagem ergonômica de avaliação do trabalho, iniciando pela sua
origem, a compreensão da situação de trabalho, as características do
trabalho para a ergonomia, a diferença entre a tarefa e a atividade, o
pressuposto de variabilidade e a organização do trabalho
Histórico
• A ergonomia foi originada logo após a Segunda Grande Guerra.
• Profissionais das áreas de engenharia, psicologia e fisiologia se
reuniram com o propósito comum de compreender a relação
das pessoas com os painéis e controles de aviões, visando
diminuir os erros e acidentes dos pilotos.
• No entanto, a ergonomia continuou evoluindo ao responder
demandas físicas e organizacionais em fábricas e indústrias.
Histórico
• Acreditava-se que o trabalho poderia ser fragmentado, de
maneira a aproveitar ao máximo o potencial físico humano.
• Assim, os operários tinham um trabalho simples e repetitivo,
em um contexto de esteiras de fábricas totalmente voltado
para a otimização da produção.
• Todas as ações dos trabalhadores era planejada e ajustada de
maneira a favorecer o uso de alavancas musculares humanas
para a carga de trabalho físico a ser executada.
Histórico
• Em seguida, os padrões da indústria foram se modificando de
acordo com os processos de automação e robotização da
produção.
• Nesse contexto, os principais focos da Ergonomia foram as
adequações de postos de trabalho.
• A organização desses dispositivos às zonas de alcance humano,
a adequação de controles ao formato da mão humana, os
ajustes de legibilidade de visores são exemplos de objetos
estudados pela Ergonomia nesse contexto.
Histórico
• A Ergonomia é, portanto, uma disciplina relacionada
ao entendimento das interações entre os seres
humanos e outros elementos ou sistemas, e à
aplicação de teorias, princípios, dados e métodos a
projetos a fim de otimizar o bem-estar humano e o
desempenho global do sistema (ABERGO, 2000).
Situação de Trabalho
• Durante o cotidiano de trabalho, as pessoas vivenciam
situações que fogem às prescrições de suas tarefas, de maneira
que precisam elaborar estratégias próprias para a manutenção
do fluxo de trabalho.
• Portanto, para a ergonomia, o conceito de trabalho resulta de
uma dialética entre o conjunto de prescrições e ações efetivas,
que pressupõem um investimento individual ou coletivo na sua
gestão.
Situação de Trabalho
• Durante o processo de trabalho, visando cumprir as metas
institucionais diante da variabilidade do cotidiano, as
estratégias elaboradas pelas pessoas podem não estar de
acordo com as recomendações de segurança da informação.
• Muitas vezes, quando confrontados com essas situações, em
um contexto de pressão temporal, os trabalhadores adotam a
estratégia com maior benefício imediato, relacionadas aos
objetivos do trabalho.
• Assim o comportamento inseguro pode ocorrer, originado pelo
conflito existente entre as metas de trabalho e o próprio
suporte organizacional.
Organização do Trabalho
• A organização da produção, os arranjos físicos, os critérios de
qualidade e produtividade são fatores influentes na
organização do trabalho.
• Eles refletem a natureza da atividade a ser realizada,
determinando, por exemplo, a frequência de ações específicas,
como os deslocamentos.
• A depender da situação vivenciada, como contextos de pressão
temporal, as pessoas podem elaborar estratégias que visam
reduzir a sua carga física e cognitiva de trabalho, ou mesmo
superar obstáculos existentes para a sua realização.
Variabilidade
• O organismo humano possui limites e especificidades que
influenciam a forma pela qual compreendemos e agimos sobre
o mundo.
• Nesse sentido, existe uma variabilidade na forma de agir de
cada indivíduo, denominada variabilidade inter-individual.
• Portanto, ao planejar uma situação de trabalho, incluindo os
procedimentos de segurança da informação, deve-se
considerar que o trabalhador não se comporta sempre da
mesma maneira, como um homem médio.
Variabilidade
• Para a Ergonomia, a variabilidade é um pressuposto e
deve ser considerado sempre, no contexto socio-
técnico da instituição, nas demandas de trabalho, nos
insumos, nos ambientes e equipamentos, nos
produtos e serviços gerados, entre os indivíduos ou no
mesmo indivíduo ao longo do tempo.
A Tarefa e a Atividade
Tarefa
• A tarefa pode ser entendida como a dimensão prescrita do
trabalho, i.e., o conjunto de prescrições acerca do que o
trabalhador deve fazer, utilizando equipamentos e ferramentas
determinadas, segundo padrões específicos de qualidade e
quantidade.
Atividade
• A atividade é a dimensão real do trabalho, i.e., compreende o
conjunto de ações dos trabalhadores diante de situações reais de
seu cotidiano que visam atingir os objetivos de sua tarefa.
A Tarefa e a Atividade
• É somente por meio da análise da atividade que os
motivos reais dos comportamentos inseguros podem
surgir.
• Não basta questionar os funcionários acerca das
dificuldades de seu trabalho cotidiano. É necessário
observar os comportamentos para inferir as
estratégias por eles elaboradas para lidar com a
variabilidade e atingir seus objetivos.
ERGONOMIA COGNITIVA
Esta seção aborda a forma como as pessoas adquirem e produzem
informação e conhecimentos
Cognição Humana
• Cognição é um conjunto de processos mentais que
permite às pessoas buscar, tratar, armazenar e utilizar
diferentes tipos de informações do ambiente.
• É a partir dos processos cognitivos que o indivíduo é
capaz de adquirir e produzir informações e
conhecimentos, necessários ao trabalho e ao mesmo
tempo aos seus determinantes.
Competências para Ação
• As competências são entendidas como o
conhecimento necessário para a realização de uma
ação, assim como a habilidade utilizada para agir.
• A competência remete à noção de experiência prévia
e à construção de estratégias pessoais na gestão dos
seus recursos materiais, temporais e cognitivos.
• As competências para ação são compostas pelas
representações para ação, pelas estratégias
operatórias e pelos modos operatórios, apresentados
a seguir.
Representação para Ação
• São processos mentais ativos para apropriação das
situações em um processo voluntário de conhecer,
uma apropriação psicológica produto da atividade.
• As representações são traços de memória evocados
mais (ou menos) facilmente diante de determinados
estímulos (Silvino, 2004)
• As associações com experiências anteriores permitem
às pessoas evocarem na memória informações a partir
das quais elaboram estratégias ou planos de ação.
Estratégias Operatórias
• As estratégias operatórias são processos de regulação
que envolvem mecanismos cognitivos como a
categorização, a resolução de problemas e a tomada
de decisão, que resultam em um modo operatório.
• Ou seja, enquanto os modos operatórios consistem
em uma sequência de ações e operações, em uma
ação propriamente dita, as estratégias operatórias são
planos de ações, estratégias elaboradas para resolver
determinados problemas em um contexto específico
(SILVINO e ABRAHÃO, 2003).
Estratégias Operatórias
• As estratégias são formuladas a partir da
interpretação das informações do ambiente e da
utilização de conhecimentos e experiências oriundos
da memória.
• De um lado as representações permitem ao
trabalhador resgatar os conhecimentos necessários
para entender a situação e, de outro, as estratégias
operatórias resultam de planejamentos que as
pessoas fazem e reelaboram para a realização do
trabalho.
MÉTODO
Em ergonomia não há um modelo pré-determinado de intervenção. O
que existe são princípios comuns, oriundos de conhecimentos gerais.
Cada demanda apresenta elementos que nos permitem compreendê-la à
luz de trabalhos anteriores
Análise Ergonômica do Trabalho
• A abordagem metodológica proposta pela ergonomia,
a Análise Ergonômica do Trabalho – AET, é
estruturada em várias etapas que se encadeiam com o
objetivo de compreender e transformar o trabalho
(GUÉRIN et al., 2001).
• Podemos dizer que ela constitui um método bastante
aberto, uma vez que as ferramentas usuais da coleta
dos dados podem variar, e que a sua escolha é feita
em função da natureza dos problemas colocados no
momento da demanda.
Análise Ergonômica do Trabalho
• Uma ação ergonômica aborda os seguintes passos:
• A) Análise da Demanda
– a compreensão dos indicadores diretos e indiretos
utilizados pelo demandante para justificar a análise
devem ser o eixo inicial das investigações a serem
realizadas.
• B) Coleta de Informações
– o contexto socio-técnico e o sistema de trabalho da
instituição devem ser compreendidos
Análise Ergonômica do Trabalho
• C) Levantamento de características
– O ambiente do sistema de trabalho deve ser
identificado com todas as variáveis externas ao
controle da instituição
• D) Escolha das situações
– Geralmente são escolhidas situações nos quais se
acredita que há um problema a ser investigado e
compreendido
Análise Ergonômica do Trabalho
• E) Análise do processo técnico e da tarefa
– Antes de inferir sobre a situação real de trabalho, o
pesquisador deve compreender todas as
prescrições acerca da tarefa a ser observada
(instruções, suporte, ambiente, perfil das pessoas..)
• F) Observações Globais
– A situação real de trabalho deve ser observada, de
maneira geral e aberta
Análise Ergonômica do Trabalho
• G) Pré-diagnóstico
– Há a reformulação ou reforço da hipótese inicial,
para sua verificação sistemática
• H) Observações Sistemáticas
– é feito um recorte da situação para análise com o
objetivo de demonstrar e validar a hipótese de
segundo nível(pré-diagnóstico)
Análise Ergonômica do Trabalho
• I) Validação
– Consiste em fazer uma devolução dos dados
pesquisados às pessoas que realizaram o trabalho.
• H) Diagnóstico
– Fornece subsídios em relação ao planejamento e à
operacionalização das transformações necessárias à
situação de trabalho.
Referências
PONTES. T. “Protocolos de Comunicação Homem-Máquina”. Curso de
Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações. UnB
– Universidade de Brasília. 2009 a 2011.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Pensando comunicação homem máquina (em termos de ergonomia)

Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdfConecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
EletricistaTrader
 
Apresentacao 2.2
Apresentacao 2.2Apresentacao 2.2
Apresentacao 2.2
sanan diogo
 
63416846
6341684663416846
Organização do ambiente de trabalho versus acidentes do trabalho
Organização do ambiente de trabalho versus acidentes do trabalhoOrganização do ambiente de trabalho versus acidentes do trabalho
Organização do ambiente de trabalho versus acidentes do trabalho
Universidade Federal Fluminense
 
Ergonomia Emocional ou Autoergonomia - uma abordagem crítica da micro e da ma...
Ergonomia Emocional ou Autoergonomia - uma abordagem crítica da micro e da ma...Ergonomia Emocional ou Autoergonomia - uma abordagem crítica da micro e da ma...
Ergonomia Emocional ou Autoergonomia - uma abordagem crítica da micro e da ma...
A. Rui Teixeira Santos
 
Ergonomia Emocional (2017), Gestão das Condições de Trabalho, Professor Douto...
Ergonomia Emocional (2017), Gestão das Condições de Trabalho, Professor Douto...Ergonomia Emocional (2017), Gestão das Condições de Trabalho, Professor Douto...
Ergonomia Emocional (2017), Gestão das Condições de Trabalho, Professor Douto...
A. Rui Teixeira Santos
 
Ppra uma abordagem sistêmica
Ppra   uma abordagem sistêmicaPpra   uma abordagem sistêmica
Ppra uma abordagem sistêmica
Luis Araujo
 
O que é especificação e descrição de cargos
O que é especificação e descrição de cargosO que é especificação e descrição de cargos
O que é especificação e descrição de cargos
Rosana Corrêa
 
W grupo acr
W grupo acrW grupo acr
W grupo acr
Inacio Tembe
 
Ergononomia
ErgononomiaErgononomia
Ergononomia
Cibele Gama
 
Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar
Tecpreve Tecpreve
 
Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar
Tecpreve Tecpreve
 
Pdf fernanda candido de almeida
Pdf   fernanda candido de almeidaPdf   fernanda candido de almeida
Pdf fernanda candido de almeida
Rafael Oliveira
 
tcc ergonomia trabalho de conclusão de curso
tcc ergonomia trabalho de conclusão de cursotcc ergonomia trabalho de conclusão de curso
tcc ergonomia trabalho de conclusão de curso
MarcioGleyber
 
01 aula seg. trabalho 02 ppra x ferramentas da gestão
01 aula seg. trabalho 02 ppra x ferramentas da gestão01 aula seg. trabalho 02 ppra x ferramentas da gestão
01 aula seg. trabalho 02 ppra x ferramentas da gestão
RONALDO COSTA
 
1191713142 1787.apresentacao 2
1191713142 1787.apresentacao 21191713142 1787.apresentacao 2
1191713142 1787.apresentacao 2
Pelo Siro
 
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptxEAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
AnaPaulaRochaPCD
 
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptxNR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
Luís Gustavo de Souza Santos
 
Aula 01 - Introdução 31.07.17.pdf
Aula 01 - Introdução 31.07.17.pdfAula 01 - Introdução 31.07.17.pdf
Aula 01 - Introdução 31.07.17.pdf
jefferson BARROS
 
04 - Ergonomia aplicada - Segurança do Trabalho - Módulo III.pptx
04 - Ergonomia aplicada - Segurança do Trabalho - Módulo III.pptx04 - Ergonomia aplicada - Segurança do Trabalho - Módulo III.pptx
04 - Ergonomia aplicada - Segurança do Trabalho - Módulo III.pptx
carlossilva333486
 

Semelhante a Pensando comunicação homem máquina (em termos de ergonomia) (20)

Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdfConecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
Conecimento em Segurança 2024 Trabalho.pdf
 
Apresentacao 2.2
Apresentacao 2.2Apresentacao 2.2
Apresentacao 2.2
 
63416846
6341684663416846
63416846
 
Organização do ambiente de trabalho versus acidentes do trabalho
Organização do ambiente de trabalho versus acidentes do trabalhoOrganização do ambiente de trabalho versus acidentes do trabalho
Organização do ambiente de trabalho versus acidentes do trabalho
 
Ergonomia Emocional ou Autoergonomia - uma abordagem crítica da micro e da ma...
Ergonomia Emocional ou Autoergonomia - uma abordagem crítica da micro e da ma...Ergonomia Emocional ou Autoergonomia - uma abordagem crítica da micro e da ma...
Ergonomia Emocional ou Autoergonomia - uma abordagem crítica da micro e da ma...
 
Ergonomia Emocional (2017), Gestão das Condições de Trabalho, Professor Douto...
Ergonomia Emocional (2017), Gestão das Condições de Trabalho, Professor Douto...Ergonomia Emocional (2017), Gestão das Condições de Trabalho, Professor Douto...
Ergonomia Emocional (2017), Gestão das Condições de Trabalho, Professor Douto...
 
Ppra uma abordagem sistêmica
Ppra   uma abordagem sistêmicaPpra   uma abordagem sistêmica
Ppra uma abordagem sistêmica
 
O que é especificação e descrição de cargos
O que é especificação e descrição de cargosO que é especificação e descrição de cargos
O que é especificação e descrição de cargos
 
W grupo acr
W grupo acrW grupo acr
W grupo acr
 
Ergononomia
ErgononomiaErgononomia
Ergononomia
 
Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar
 
Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar Ppra usina de açucar
Ppra usina de açucar
 
Pdf fernanda candido de almeida
Pdf   fernanda candido de almeidaPdf   fernanda candido de almeida
Pdf fernanda candido de almeida
 
tcc ergonomia trabalho de conclusão de curso
tcc ergonomia trabalho de conclusão de cursotcc ergonomia trabalho de conclusão de curso
tcc ergonomia trabalho de conclusão de curso
 
01 aula seg. trabalho 02 ppra x ferramentas da gestão
01 aula seg. trabalho 02 ppra x ferramentas da gestão01 aula seg. trabalho 02 ppra x ferramentas da gestão
01 aula seg. trabalho 02 ppra x ferramentas da gestão
 
1191713142 1787.apresentacao 2
1191713142 1787.apresentacao 21191713142 1787.apresentacao 2
1191713142 1787.apresentacao 2
 
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptxEAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
EAD_ANA_AULA_2_TGA.pptx
 
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptxNR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
NR01 - Treinamento - Integracao SST Fabrica Embalagens - P21 - Abr 21.pptx
 
Aula 01 - Introdução 31.07.17.pdf
Aula 01 - Introdução 31.07.17.pdfAula 01 - Introdução 31.07.17.pdf
Aula 01 - Introdução 31.07.17.pdf
 
04 - Ergonomia aplicada - Segurança do Trabalho - Módulo III.pptx
04 - Ergonomia aplicada - Segurança do Trabalho - Módulo III.pptx04 - Ergonomia aplicada - Segurança do Trabalho - Módulo III.pptx
04 - Ergonomia aplicada - Segurança do Trabalho - Módulo III.pptx
 

Mais de Bruno Oliveira

Construtivismo Imersivo - Revisão Sistemática da Literatura
Construtivismo Imersivo - Revisão Sistemática da LiteraturaConstrutivismo Imersivo - Revisão Sistemática da Literatura
Construtivismo Imersivo - Revisão Sistemática da Literatura
Bruno Oliveira
 
Visão geral de big data e mercado financeiro
Visão geral de big data e mercado financeiroVisão geral de big data e mercado financeiro
Visão geral de big data e mercado financeiro
Bruno Oliveira
 
Meio Ambiente com IoT na USP
Meio Ambiente com IoT na USPMeio Ambiente com IoT na USP
Meio Ambiente com IoT na USP
Bruno Oliveira
 
Wear Pay
Wear PayWear Pay
Wear Pay
Bruno Oliveira
 
Explorando novas tecnicas de comunicacao
Explorando novas tecnicas de comunicacaoExplorando novas tecnicas de comunicacao
Explorando novas tecnicas de comunicacao
Bruno Oliveira
 
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitivaPensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Bruno Oliveira
 
Projeto de pesquisa - Tecnologias imersivas e letramento financeiro
Projeto de pesquisa - Tecnologias imersivas e letramento financeiroProjeto de pesquisa - Tecnologias imersivas e letramento financeiro
Projeto de pesquisa - Tecnologias imersivas e letramento financeiro
Bruno Oliveira
 
Computação em Névoa - Introdução, estado da arte e aplicações
Computação em Névoa - Introdução, estado da arte e aplicaçõesComputação em Névoa - Introdução, estado da arte e aplicações
Computação em Névoa - Introdução, estado da arte e aplicações
Bruno Oliveira
 
EmoFindAR - Avaliação de jogo de realidade aumentada em crianças de escola pr...
EmoFindAR - Avaliação de jogo de realidade aumentada em crianças de escola pr...EmoFindAR - Avaliação de jogo de realidade aumentada em crianças de escola pr...
EmoFindAR - Avaliação de jogo de realidade aumentada em crianças de escola pr...
Bruno Oliveira
 
Revisão do uso de Realidade Virtual na Educação
Revisão do uso de Realidade Virtual na EducaçãoRevisão do uso de Realidade Virtual na Educação
Revisão do uso de Realidade Virtual na Educação
Bruno Oliveira
 
Monografia Computação na Névoa
Monografia Computação na NévoaMonografia Computação na Névoa
Monografia Computação na Névoa
Bruno Oliveira
 
BC - Feedbacks
BC - FeedbacksBC - Feedbacks
BC - Feedbacks
Bruno Oliveira
 
Analise da proposta de valor (fintech)
Analise da proposta de valor (fintech)Analise da proposta de valor (fintech)
Analise da proposta de valor (fintech)
Bruno Oliveira
 
Humaniza tecnocare
Humaniza tecnocareHumaniza tecnocare
Humaniza tecnocare
Bruno Oliveira
 
Caso Michigan - ITS (Sistema de Transporte Inteligente)
Caso Michigan - ITS (Sistema de Transporte Inteligente)Caso Michigan - ITS (Sistema de Transporte Inteligente)
Caso Michigan - ITS (Sistema de Transporte Inteligente)
Bruno Oliveira
 
Modelagem de sistemas - Pensamento sistêmico
Modelagem de sistemas - Pensamento sistêmicoModelagem de sistemas - Pensamento sistêmico
Modelagem de sistemas - Pensamento sistêmico
Bruno Oliveira
 
Alocação dinâmica em C
Alocação dinâmica em CAlocação dinâmica em C
Alocação dinâmica em C
Bruno Oliveira
 
Política e cultura de segurança da informação - aspectos burocráticos
Política e cultura de segurança da informação - aspectos burocráticosPolítica e cultura de segurança da informação - aspectos burocráticos
Política e cultura de segurança da informação - aspectos burocráticos
Bruno Oliveira
 
Labirintos 2D - Abordagem de grafos
Labirintos 2D - Abordagem de grafosLabirintos 2D - Abordagem de grafos
Labirintos 2D - Abordagem de grafos
Bruno Oliveira
 
Project Model Generation - Um case de implementação de escritório de projetos...
Project Model Generation - Um case de implementação de escritório de projetos...Project Model Generation - Um case de implementação de escritório de projetos...
Project Model Generation - Um case de implementação de escritório de projetos...
Bruno Oliveira
 

Mais de Bruno Oliveira (20)

Construtivismo Imersivo - Revisão Sistemática da Literatura
Construtivismo Imersivo - Revisão Sistemática da LiteraturaConstrutivismo Imersivo - Revisão Sistemática da Literatura
Construtivismo Imersivo - Revisão Sistemática da Literatura
 
Visão geral de big data e mercado financeiro
Visão geral de big data e mercado financeiroVisão geral de big data e mercado financeiro
Visão geral de big data e mercado financeiro
 
Meio Ambiente com IoT na USP
Meio Ambiente com IoT na USPMeio Ambiente com IoT na USP
Meio Ambiente com IoT na USP
 
Wear Pay
Wear PayWear Pay
Wear Pay
 
Explorando novas tecnicas de comunicacao
Explorando novas tecnicas de comunicacaoExplorando novas tecnicas de comunicacao
Explorando novas tecnicas de comunicacao
 
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitivaPensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
Pensamento estratégico e geração de vantagem competitiva
 
Projeto de pesquisa - Tecnologias imersivas e letramento financeiro
Projeto de pesquisa - Tecnologias imersivas e letramento financeiroProjeto de pesquisa - Tecnologias imersivas e letramento financeiro
Projeto de pesquisa - Tecnologias imersivas e letramento financeiro
 
Computação em Névoa - Introdução, estado da arte e aplicações
Computação em Névoa - Introdução, estado da arte e aplicaçõesComputação em Névoa - Introdução, estado da arte e aplicações
Computação em Névoa - Introdução, estado da arte e aplicações
 
EmoFindAR - Avaliação de jogo de realidade aumentada em crianças de escola pr...
EmoFindAR - Avaliação de jogo de realidade aumentada em crianças de escola pr...EmoFindAR - Avaliação de jogo de realidade aumentada em crianças de escola pr...
EmoFindAR - Avaliação de jogo de realidade aumentada em crianças de escola pr...
 
Revisão do uso de Realidade Virtual na Educação
Revisão do uso de Realidade Virtual na EducaçãoRevisão do uso de Realidade Virtual na Educação
Revisão do uso de Realidade Virtual na Educação
 
Monografia Computação na Névoa
Monografia Computação na NévoaMonografia Computação na Névoa
Monografia Computação na Névoa
 
BC - Feedbacks
BC - FeedbacksBC - Feedbacks
BC - Feedbacks
 
Analise da proposta de valor (fintech)
Analise da proposta de valor (fintech)Analise da proposta de valor (fintech)
Analise da proposta de valor (fintech)
 
Humaniza tecnocare
Humaniza tecnocareHumaniza tecnocare
Humaniza tecnocare
 
Caso Michigan - ITS (Sistema de Transporte Inteligente)
Caso Michigan - ITS (Sistema de Transporte Inteligente)Caso Michigan - ITS (Sistema de Transporte Inteligente)
Caso Michigan - ITS (Sistema de Transporte Inteligente)
 
Modelagem de sistemas - Pensamento sistêmico
Modelagem de sistemas - Pensamento sistêmicoModelagem de sistemas - Pensamento sistêmico
Modelagem de sistemas - Pensamento sistêmico
 
Alocação dinâmica em C
Alocação dinâmica em CAlocação dinâmica em C
Alocação dinâmica em C
 
Política e cultura de segurança da informação - aspectos burocráticos
Política e cultura de segurança da informação - aspectos burocráticosPolítica e cultura de segurança da informação - aspectos burocráticos
Política e cultura de segurança da informação - aspectos burocráticos
 
Labirintos 2D - Abordagem de grafos
Labirintos 2D - Abordagem de grafosLabirintos 2D - Abordagem de grafos
Labirintos 2D - Abordagem de grafos
 
Project Model Generation - Um case de implementação de escritório de projetos...
Project Model Generation - Um case de implementação de escritório de projetos...Project Model Generation - Um case de implementação de escritório de projetos...
Project Model Generation - Um case de implementação de escritório de projetos...
 

Pensando comunicação homem máquina (em termos de ergonomia)

  • 1. Bruno S. Oliveira Bolsista bruno.oliveira@cti.gov.br Tel.: +55 11 3746-6000 - Fax: +55 19 3746-6028 www.cti.gov.br
  • 3. Introdução • Conteúdo baseado na unidade do curso de especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações na Universidade de Brasília • Será usada a mesma organização de conteúdo das aulas, aproveitando em alguns pontos para acrescentar outros autores
  • 4. Introdução • Autor do curso foi Tiago Barros Pontes e Silva • Graduado em Design nas habilitações de Projeto de Produto e Programação Visual, com mestrado em Psicologia com ênfase na área de Ergonomia Cognitiva aplicada a ambientes e interfaces pela UnB • Professor do curso de Desenho Industrial da Universidade de Brasília
  • 5. Resumo • Esta apresentação usa uma abordagem ergonômica para avaliação de comportamentos inseguros nas instituições públicas brasileiras. • São apresentados elementos de contextualização acerca da concepção das políticas de segurança da informação, os principais conceitos e pressupostos ergonômicos e a abordagem metodológica da ergonomia denominada Análise Ergonômica do Trabalho – AET.
  • 6. Fator Humano • Apesar do processo sistematizado de elaboração das políticas e normas de segurança da informação e das comunicações, as informações institucionais são expostas a ameaças. • Em muitos casos, o comportamento inseguro dos funcionários é o fator principal associado à quebra dos procedimentos de segurança. • A dificuldade em seguir os protocolos de segurança prescritos advém do processo de concepção da política institucional.
  • 7. LIMITES DA GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Prevenir o comportamento inseguro dos funcionários que manipulam, registram e recuperam informações ainda é um desafio. Nesse sentido, são apresentadas questões relativas ao processo de concepção das políticas de gestão da informação institucional, visando explorar o aspecto da segurança sob a ótica do trabalhador.
  • 8. Processo de Concepção das Políticas, Normas e Procedimentos• Geralmente são concebidas por grupos de especialistas em questões de segurança, externos aos setores que realizam as atividades cotidianas da instituição, e com base nas normas propostas. • Nesse sentido, é imprescindível que sejam considerados fatores relacionados ao cotidiano de trabalho das pessoas, suas condições e organização do trabalho. O afastamento dos procedimentos de segurança propostos do contexto real de trabalho pode favorecer os comportamentos inseguros, expondo as vulnerabilidades da informação institucional a riscos e ameaças.
  • 9. Processo de Concepção das Políticas, Normas e ProcedimentosPONTO 1 • Identificar as normas de segurança da informação e das comunicações vigentes no seu contexto de trabalho, assim como o processo que a originou, como a equipe responsável, o referencial adotado, o seu processo de formulação e de sensibilização dos funcionários. PONTO 2 • Levantar os incidentes de segurança ocorridos no seu contexto de trabalho recentemente. Identificar os casos relacionados ao comportamento inseguro, assim como os controles e sanções previstos pelas normas de segurança para esses casos e as consequências ocorridas para os funcionários.
  • 10. Controles e Sanções • Os controles e monitoramentos são necessários para o acompanhamento dos procedimentos de segurança da informação e das comunicações. Também são necessários em casos de incidentes de segurança, que podem requerer avaliações precisas que auxiliem o processo de atribuição de responsabilidades. • O uso de controles para responsabilizar e punir as pessoas, nesses casos, não resolve o foco do problema de segurança, originado pela própria incoerência das prescrições de trabalho.
  • 11. Engenharia Social • Os controles e monitoramentos são necessários para o acompanhamento dos procedimentos de segurança da informação e das comunicações. Também são necessários em casos de incidentes de segurança, que podem requerer avaliações precisas que auxiliem o processo de atribuição de responsabilidades. • O uso de controles para responsabilizar e punir as pessoas, nesses casos, não resolve o foco do problema de segurança, originado pela própria incoerência das prescrições de trabalho.
  • 12. A ABORDAGEM ERGONÔMICA São apresentados neste capítulo os principais conceitos relacionados à abordagem ergonômica de avaliação do trabalho, iniciando pela sua origem, a compreensão da situação de trabalho, as características do trabalho para a ergonomia, a diferença entre a tarefa e a atividade, o pressuposto de variabilidade e a organização do trabalho
  • 13. Histórico • A ergonomia foi originada logo após a Segunda Grande Guerra. • Profissionais das áreas de engenharia, psicologia e fisiologia se reuniram com o propósito comum de compreender a relação das pessoas com os painéis e controles de aviões, visando diminuir os erros e acidentes dos pilotos. • No entanto, a ergonomia continuou evoluindo ao responder demandas físicas e organizacionais em fábricas e indústrias.
  • 14. Histórico • Acreditava-se que o trabalho poderia ser fragmentado, de maneira a aproveitar ao máximo o potencial físico humano. • Assim, os operários tinham um trabalho simples e repetitivo, em um contexto de esteiras de fábricas totalmente voltado para a otimização da produção. • Todas as ações dos trabalhadores era planejada e ajustada de maneira a favorecer o uso de alavancas musculares humanas para a carga de trabalho físico a ser executada.
  • 15. Histórico • Em seguida, os padrões da indústria foram se modificando de acordo com os processos de automação e robotização da produção. • Nesse contexto, os principais focos da Ergonomia foram as adequações de postos de trabalho. • A organização desses dispositivos às zonas de alcance humano, a adequação de controles ao formato da mão humana, os ajustes de legibilidade de visores são exemplos de objetos estudados pela Ergonomia nesse contexto.
  • 16. Histórico • A Ergonomia é, portanto, uma disciplina relacionada ao entendimento das interações entre os seres humanos e outros elementos ou sistemas, e à aplicação de teorias, princípios, dados e métodos a projetos a fim de otimizar o bem-estar humano e o desempenho global do sistema (ABERGO, 2000).
  • 17. Situação de Trabalho • Durante o cotidiano de trabalho, as pessoas vivenciam situações que fogem às prescrições de suas tarefas, de maneira que precisam elaborar estratégias próprias para a manutenção do fluxo de trabalho. • Portanto, para a ergonomia, o conceito de trabalho resulta de uma dialética entre o conjunto de prescrições e ações efetivas, que pressupõem um investimento individual ou coletivo na sua gestão.
  • 18. Situação de Trabalho • Durante o processo de trabalho, visando cumprir as metas institucionais diante da variabilidade do cotidiano, as estratégias elaboradas pelas pessoas podem não estar de acordo com as recomendações de segurança da informação. • Muitas vezes, quando confrontados com essas situações, em um contexto de pressão temporal, os trabalhadores adotam a estratégia com maior benefício imediato, relacionadas aos objetivos do trabalho. • Assim o comportamento inseguro pode ocorrer, originado pelo conflito existente entre as metas de trabalho e o próprio suporte organizacional.
  • 19. Organização do Trabalho • A organização da produção, os arranjos físicos, os critérios de qualidade e produtividade são fatores influentes na organização do trabalho. • Eles refletem a natureza da atividade a ser realizada, determinando, por exemplo, a frequência de ações específicas, como os deslocamentos. • A depender da situação vivenciada, como contextos de pressão temporal, as pessoas podem elaborar estratégias que visam reduzir a sua carga física e cognitiva de trabalho, ou mesmo superar obstáculos existentes para a sua realização.
  • 20. Variabilidade • O organismo humano possui limites e especificidades que influenciam a forma pela qual compreendemos e agimos sobre o mundo. • Nesse sentido, existe uma variabilidade na forma de agir de cada indivíduo, denominada variabilidade inter-individual. • Portanto, ao planejar uma situação de trabalho, incluindo os procedimentos de segurança da informação, deve-se considerar que o trabalhador não se comporta sempre da mesma maneira, como um homem médio.
  • 21. Variabilidade • Para a Ergonomia, a variabilidade é um pressuposto e deve ser considerado sempre, no contexto socio- técnico da instituição, nas demandas de trabalho, nos insumos, nos ambientes e equipamentos, nos produtos e serviços gerados, entre os indivíduos ou no mesmo indivíduo ao longo do tempo.
  • 22. A Tarefa e a Atividade Tarefa • A tarefa pode ser entendida como a dimensão prescrita do trabalho, i.e., o conjunto de prescrições acerca do que o trabalhador deve fazer, utilizando equipamentos e ferramentas determinadas, segundo padrões específicos de qualidade e quantidade. Atividade • A atividade é a dimensão real do trabalho, i.e., compreende o conjunto de ações dos trabalhadores diante de situações reais de seu cotidiano que visam atingir os objetivos de sua tarefa.
  • 23. A Tarefa e a Atividade • É somente por meio da análise da atividade que os motivos reais dos comportamentos inseguros podem surgir. • Não basta questionar os funcionários acerca das dificuldades de seu trabalho cotidiano. É necessário observar os comportamentos para inferir as estratégias por eles elaboradas para lidar com a variabilidade e atingir seus objetivos.
  • 24. ERGONOMIA COGNITIVA Esta seção aborda a forma como as pessoas adquirem e produzem informação e conhecimentos
  • 25. Cognição Humana • Cognição é um conjunto de processos mentais que permite às pessoas buscar, tratar, armazenar e utilizar diferentes tipos de informações do ambiente. • É a partir dos processos cognitivos que o indivíduo é capaz de adquirir e produzir informações e conhecimentos, necessários ao trabalho e ao mesmo tempo aos seus determinantes.
  • 26. Competências para Ação • As competências são entendidas como o conhecimento necessário para a realização de uma ação, assim como a habilidade utilizada para agir. • A competência remete à noção de experiência prévia e à construção de estratégias pessoais na gestão dos seus recursos materiais, temporais e cognitivos. • As competências para ação são compostas pelas representações para ação, pelas estratégias operatórias e pelos modos operatórios, apresentados a seguir.
  • 27. Representação para Ação • São processos mentais ativos para apropriação das situações em um processo voluntário de conhecer, uma apropriação psicológica produto da atividade. • As representações são traços de memória evocados mais (ou menos) facilmente diante de determinados estímulos (Silvino, 2004) • As associações com experiências anteriores permitem às pessoas evocarem na memória informações a partir das quais elaboram estratégias ou planos de ação.
  • 28. Estratégias Operatórias • As estratégias operatórias são processos de regulação que envolvem mecanismos cognitivos como a categorização, a resolução de problemas e a tomada de decisão, que resultam em um modo operatório. • Ou seja, enquanto os modos operatórios consistem em uma sequência de ações e operações, em uma ação propriamente dita, as estratégias operatórias são planos de ações, estratégias elaboradas para resolver determinados problemas em um contexto específico (SILVINO e ABRAHÃO, 2003).
  • 29. Estratégias Operatórias • As estratégias são formuladas a partir da interpretação das informações do ambiente e da utilização de conhecimentos e experiências oriundos da memória. • De um lado as representações permitem ao trabalhador resgatar os conhecimentos necessários para entender a situação e, de outro, as estratégias operatórias resultam de planejamentos que as pessoas fazem e reelaboram para a realização do trabalho.
  • 30. MÉTODO Em ergonomia não há um modelo pré-determinado de intervenção. O que existe são princípios comuns, oriundos de conhecimentos gerais. Cada demanda apresenta elementos que nos permitem compreendê-la à luz de trabalhos anteriores
  • 31. Análise Ergonômica do Trabalho • A abordagem metodológica proposta pela ergonomia, a Análise Ergonômica do Trabalho – AET, é estruturada em várias etapas que se encadeiam com o objetivo de compreender e transformar o trabalho (GUÉRIN et al., 2001). • Podemos dizer que ela constitui um método bastante aberto, uma vez que as ferramentas usuais da coleta dos dados podem variar, e que a sua escolha é feita em função da natureza dos problemas colocados no momento da demanda.
  • 32. Análise Ergonômica do Trabalho • Uma ação ergonômica aborda os seguintes passos: • A) Análise da Demanda – a compreensão dos indicadores diretos e indiretos utilizados pelo demandante para justificar a análise devem ser o eixo inicial das investigações a serem realizadas. • B) Coleta de Informações – o contexto socio-técnico e o sistema de trabalho da instituição devem ser compreendidos
  • 33. Análise Ergonômica do Trabalho • C) Levantamento de características – O ambiente do sistema de trabalho deve ser identificado com todas as variáveis externas ao controle da instituição • D) Escolha das situações – Geralmente são escolhidas situações nos quais se acredita que há um problema a ser investigado e compreendido
  • 34. Análise Ergonômica do Trabalho • E) Análise do processo técnico e da tarefa – Antes de inferir sobre a situação real de trabalho, o pesquisador deve compreender todas as prescrições acerca da tarefa a ser observada (instruções, suporte, ambiente, perfil das pessoas..) • F) Observações Globais – A situação real de trabalho deve ser observada, de maneira geral e aberta
  • 35. Análise Ergonômica do Trabalho • G) Pré-diagnóstico – Há a reformulação ou reforço da hipótese inicial, para sua verificação sistemática • H) Observações Sistemáticas – é feito um recorte da situação para análise com o objetivo de demonstrar e validar a hipótese de segundo nível(pré-diagnóstico)
  • 36. Análise Ergonômica do Trabalho • I) Validação – Consiste em fazer uma devolução dos dados pesquisados às pessoas que realizaram o trabalho. • H) Diagnóstico – Fornece subsídios em relação ao planejamento e à operacionalização das transformações necessárias à situação de trabalho.
  • 37. Referências PONTES. T. “Protocolos de Comunicação Homem-Máquina”. Curso de Especialização em Gestão da Segurança da Informação e Comunicações. UnB – Universidade de Brasília. 2009 a 2011.