SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 70
I WORKSHOP DE INOVAÇÃO
TECNOLÓGICA DA UFTM

01/11/2013

OPORTUNIDADES ATRAVÉS
DE
EDITAIS
Walter Figueiredo
Uberaba/MG
Abertura
 Walter Tadeu Figueiredo da Silva
Formado em Engenharia pela Pontifícia Universidade Católica
de Minas Gerais-PUC Minas, com especialização em gestão
de projetos e com mais de 20 anos de atividade profissional
dedicada ao gerenciamento de projetos em organizações de
grande e médio portes e mais de 10 anos de experiência em
elaboração e execução de projetos para captação de
recursos não reembolsáveis junto à FAPEMIG, FINEP e
CNPq.
(CEMIG, FUMSOFT, SEDS/MG, SES/MG, SEBRAE-MG)

 Conhecendo os participantes
Estrutura da Apresentação
10:30 – 11:30h - Apresentação
 11:30 – 12:00 - Esclarecimentos
Objetivo
 Apresentar as principais oportunidades de
captação de recursos reembolsáveis e não

reembolsáveis para inovação.

(A estruturação e a elaboração de projetos inovadores para
captação de recursos serão vistos na apresentação das
14:00h - Elaboração de Projetos para Captação de
recursos)
Recursos Reembolsáveis
Órgãos de Fomento para inovação:
BNDES
BDMG/FAPEMIG
FINEP
31/10/13 – 08:30h: Mesa Redonda: Inovação
Tecnológica e Agências de Fomento – BNDES, FAPEMIG
e UFTM
Recursos Reembolsáveis
EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA
MCTI/BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
NO SETOR DE AGRONEGÓCIO – INOVA AGRO – 2013

BNDES
a)Produtos BNDES Finem, especialmente a Linha
BNDES de Apoio à Inovação
a)Programa BNDES de Sustentação do Investimento
- BNDES PSI
a)Programa BNDES de Apoio à Engenharia – BNDES
Proengenharia
Recursos Reembolsáveis
EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA
MCTI/BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
NO SETOR DE AGRONEGÓCIO – INOVA AGRO – 2013

 BNDES
d) Programa BNDES para o Desenvolvimento da
Indústria Nacional de Software e Serviços de
Tecnologia da Informação – BNDES Prosoft
e) Apoio não reembolsável a ICTs em cooperação
com empresa por meio do Fundo Tecnológico –
BNDES Funtec
f) Instrumentos de Renda Variável
Recursos Reembolsáveis
EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA
MCTI/BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA
NO SETOR DE AGRONEGÓCIO – INOVA AGRO – 2013

 FINEP
a)Inova Brasil
b) Subvenção Econômica
c) Instrumentos de Renda Variável
Recursos Reembolsáveis
 BDMG/FAPEMIG
 Pró-inovação
 Inovacred
Recursos Reembolsáveis
 BDMG/FAPEMIG
Pró-inovação
Juros: 0,64% a.m.
Carência: até 12 meses
Prazo total: até 60 meses
Finalidade:
A linha de financiamento Pró-Inovação foi criada por meio
da parceria FAPEMIG/BDMG com o objetivo de apoiar
projetos de desenvolvimento com foco na inovação de
produtos, processos e serviços de empresas instaladas
em Minas Gerais.
Recursos Reembolsáveis
 BDMG/FAPEMIG
Pró-inovação
Itens financiáveis:
- Obras civis, construção e reforma;
- Máquinas e equipamentos novos, usados ou
importados;
- Instalações, montagens, móveis e utensílios;
- Veículos utilitários ou caminhões novos;
- Informatização e desenvolvimento tecnológico;
- Pesquisa e desenvolvimento;
- Investimentos intangíveis;
- Capital de giro associado.
Valores financiáveis:
Até R$ 2 milhões por empresa.
Recursos Reembolsáveis
 BDMG/FAPEMIG
Pró-inovação
Garantias: Aval dos sócios em operações até R$ 1
milhão. Outras modalidades de garantias, conforme
política de crédito do BDMG, em operações acima
de R$ 1 milhão.
Contatos para mais informações:
BDMG – inovacao@bdmg.mg.gov.br
FAPEMIG – ci@fapemig.br
Recursos Reembolsáveis
 BDMG/FINEP
Inovacred
O objetivo do Programa INOVACRED é oferecer
financiamento a empresas de receita operacional bruta
anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, para aplicação
no desenvolvimento de novos produtos, processos e
serviços, ou no aprimoramento dos já existentes, ou
ainda em inovação em marketing ou inovação
organizacional visando a ampliar a competitividade das
empresas no âmbito regional ou nacional.
Recursos Reembolsáveis
 BDMG/FINEP
Inovacred
•

Financiamento até 90% (MPE)

•

Despesas realizadas até 12 meses antecedentes podem
ser aceitas como contrapartida (MPE)

•

Taxa de juros: TJLP (+ou- 0,5% a.m) + spread de 5% a.a

•

Carência = prazo de execução: até 24 meses

•

Prazo de amortização: até 96 meses (carência+amortização)

•

Pede garantias

•

Valor: R$ 150 mil a R$ 2 milhões (MPE)
Recursos Não Reembolsáveis
Subvenção econômica
Esta modalidade de apoio financeiro, criada em
2006, permite a aplicação de recursos públicos não
reembolsáveis diretamente em empresas, para
compartilhar com elas os custos e riscos inerentes a
atividades de pesquisa, desenvolvimento e
inovação.

Fonte: FINEP
Recursos Não Reembolsáveis
Financiamento não reembolsável
Trata-se de financiamento não reembolsável
originado dos Fundos Setoriais para apoio a
projetos de Ciência, Tecnologia e Inovação
apresentados por ICTs nacionais.

Fonte: FINEP
Recursos Não Reembolsáveis
Órgãos de Fomento:
FAPEMIG
FINEP
CNPq
Recursos Não Reembolsáveis
Principais objetivos dos editais:
FAPEMIG
- Financiar projetos de pesquisa científica e tecnológica e de
inovação nas diversas áreas do conhecimento, promovendo o
desenvolvimento da C, T & I através da indução de temas;
TECNOVA contratação
- Desenvolvimento de projetos de inovação, com a 13/2013:
2.1 desenvolvimento
de mestres e doutores, e de apoio à pesquisa, Agronegócio;
2.2 Biotecnologia;
e inovação (PD&I);
2.3 Eletroeletrônico;
2.4 Energias Alternativas;
- Apoiar financeiramente a cobertura de gastos com reparos e
2.5 Meio Ambiente;
2.6 existentes, fora
manutenção de equipamentos de laboratóriosMineral-Metalúrgico;
2.7 Petróleo e Gás;
do período de garantia;
2.8 Tecnologia da
Informação e
Comunicação – TIC.
Recursos Não Reembolsáveis
Principais objetivos dos editais:
FAPEMIG
- Formação de pesquisadores através de bolsas;
- Apoio e fixação de pesquisadores através de pesquisas
básicas a pesquisas aplicadas;
- Apoio a projetos de pesquisa científica e tecnológica /
cooperação internacional.
EDITAL FAPEMIG
01/2013
DEMANDA
UNIVERSAL
Recursos Não Reembolsáveis
Chamada
Principais objetivos dos editais: MCTI/SEPIN/CNPq N
º 11/2013 – Programa Start-up
Brasil
CNPq

- apoiar projetos de pesquisa, científica, tecnológica e de
inovação visando desenvolver produtos e processos
inovadores em qualquer área do conhecimento ou em
temas específicos, para empresas e ICTs;
- a formação de recursos humanos altamente qualificados
(bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado, Programa
Ciência sem Fronteira);
Recursos Não Reembolsáveis
Principais objetivos dos editais:
CNPq

Chamada Pública
MCTI/SETEC/CNPq Nº
17/2012
RHAE Pesquisador na
Empresa

- Apoiar as atividades de pesquisa tecnológica e de inovação,
por meio da inserção de mestres ou doutores, em empresas
privadas, de micro, pequeno, médio e grande porte;
- Fomentar o intercâmbio e a cooperação científica e
tecnológica entre grupos de pesquisa nacionais e do
exterior;
Recursos Não Reembolsáveis
Principais objetivos dos editais
FINEP
- Desenvolvimento de produtos e/ou processos inovadores,
que envolvam significativo risco tecnológico associados à
uma oportunidade de mercado;
- Fundos Setoriais

SELEÇÃO PÚBLICA
MCTI/FINEP/FNDCT
Subvenção Econômica à
Inovação – 01/2013
Produtos obtidos por
processos biotecnológicos
Editais FINEP
FUNDOS SETORIAIS / FNDCT

1. CT – Aeronáutico

10. CT – Infra

2. CT – Agronegócio

11. CT - Mineral

3. CT – Amazônia

12. CT - Petro

4. CT – Aquaviário

13. CT - Saúde

5. CT – Biotecnologia

14. CT - Transporte

6. CT - Energ

15. CT - Verde Amarelo

7. CT – Espacial

16. Funttel

8. CT – Hidro

17. Ações Transversais

9. CT - Info

18. FSA
Instituições Elegíveis
Instituições elegíveis em Editais de recursos
não reembolsáveis e subvenções:
Instituições de Ciência e Tecnologia – ICT
Empresas de todos os portes
(participação isolada ou em parceria)
Pesquisadores individuais
Instituições Elegíveis
EDITAL FAPEMIG 16/2012
PROGRAMA HIPERDIA MINAS
Pesquisas na área da hipertensão arterial, doenças
cardiovasculares, diabetes mellitus e doença renal crônica
A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais –
FAPEMIG, atendendo à orientação programática da Secretaria de
Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – SECTES, observadas
as diretrizes políticas emanadas do Conselho Estadual de Ciência e
Tecnologia – CONECIT e de seu Conselho Curador, em parceria com a
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais – SES/MG, torna
público o presente Edital e convida Entidades Científicas,
Tecnológicas e de Inovação – ECTIs, localizadas no Estado de
Minas Gerais e cadastradas na FAPEMIG, a apresentarem propostas
para obtenção de apoio financeiro, em conformidade com o que
estabelece o presente Edital.
FAPEMIG - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais http://www.fapemig.br
Instituições Elegíveis
SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT
Subvenção Econômica à Inovação – 01/2013
Produtos obtidos por processos biotecnológicos
São elegíveis empresas brasileiras de qualquer porte,
individualmente ou em associação com outra(s) empresa(s)
brasileira(s), sendo que todas deverão atender às seguintes
condições:
....

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos - http://www.finep.gov.br
Instituições Elegíveis
CHAMADA MCTI/CNPq/UNESCO/HIDROEX Nº 10/2013
PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CsF)
BOLSAS DE DOUTORADO SANDUÍCHE, DOUTORADO PLENO e
PÓSDOUTORADO NA HOLANDA.
O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI, o
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico – CNPq e o UNESCO/HIDROEX tornam pública a
abertura de processo de seleção de candidatos a bolsas de

Doutorado Sanduíche, Doutorado Pleno e PósDoutorado no Exterior para estudos no Instituto de
Educação para as ÁguasUNESCO-IHE, sediado em DelftHolanda no âmbito do Programa Ciência sem Fronteiras
(CsF). ...

CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico http://www.cnpq.gov.br
Itens Financiáveis
Custeio/Despesas Correntes:

•Vencimentos e Obrigações Patronais
•Diárias
•Material de Consumo e matérias primas
•Passagens e Despesas de Locomoção
•Outros Serviços de Terceiros/Pessoa Física
•Outras Despesas com Serviços de Terceiros/Pessoa Jurídica
•Compartilhamento de laboratórios, de equipamentos, de
instrumentos, materiais e demais instalações das universidades
e centros de pesquisas
•Consultoria
•Software
•Manutenção de equipamentos
•Despesas acessórias de importação
Itens Financiáveis
Bolsas
Investimentos/Despesas de Capital

•Equipamentos e material permanente
•Obras e instalações

Despesas Operacionais e Administrativas

•Despesas operacionais e administrativas, de caráter indivisível,
respaldadas na Lei nº 10.973/04, denominada “Lei da
Inovação”, até o limite de 5% do valor dos recursos
federais solicitados.
Contrapartida Financeira e
Contrapartida Econômica
Chamada CNPq – RHAE 17/2012
Recursos financeiros ou não financeiros, efetivamente
necessários para a execução do projeto e que possam ser
economicamente mensuráveis e demonstráveis.
Como aportes, serão aceitos recursos do tipo:
-Custeio: salários, passagens e diárias, auxílio-moradia e
seguro-saúde de pessoal ligado diretamente ao projeto;
material de consumo, serviços de reprografia;
- Capital: equipamentos, material permanente e material
bibliográfico.
Contrapartida Financeira e
Contrapartida Econômica
Edital FAPEMIG 13/2013 – TECNOVA
5.6 O valor total da proposta neste Edital será composto do
valor solicitado à FAPEMIG, acrescentado do valor da
contrapartida financeira correspondente a, no mínimo, 10%
(dez por cento) do valor solicitado à FAPEMIG.
5.9 O valor total da contrapartida deverá ser efetivado por
meio de depósito bancário, em conta específica, para execução
do projeto em um banco oficial (Banco do Brasil ou Caixa
Econômica Federal). A liberação dos recursos, por parte da
FAPEMIG, somente será efetivada quando a Gestora enviar os
dados bancários da conta específica do projeto, com a
comprovação do depósito da contrapartida para o e-mail
dfi@fapemig.br.
Direitos de Propriedade Intelectual e de
equipamentos – FAPEMIG 13/2013 TECNOVA
Item 10
•Propriedade Intelectual (proporcional aos recursos
investidos)  Contratos de Cotitularidade
•.. hipótese de Contratos de Licença de Exploração e
Cessão para terceiros  Contratos de
Cotitularidade /Haverá remuneração para FAPEMIG
•...utilização, por um dos titulares e em suas próprias
atividades, ...  Não haverá remuneração da FAPEMIG
Direitos de Propriedade Intelectual e de equipamentos –
FINEP

CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP e MS/SCTIE/DCIIS – 03/2013
Seleção Pública de Projetos Cooperativos de P,D&I em
Equipamentos e Dispositivos
Médicos de Interesse Industrial – INOVA SAÚDE.

9.2. Propriedade Intelectual: Os direitos de
propriedade sobre os resultados dos projetos,
inclusive patentes, e a confidencialidade das
informações e conhecimentos gerados na
execução das atividades, deverão ser definidos pelas
instituições partícipes em instrumento
específico, o qual deverá ser entregue à FINEP para a
liberação.
Direitos de Propriedade Intelectual e de equipamentos –
CNPq

Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012
RHAE Pesquisador na Empresa
I.12.7. Caso os resultados do projeto ou o relatório em si
venham a ter valor comercial ou possam levar ao
desenvolvimento de um produto ou método envolvendo o
estabelecimento de uma patente, a troca de informações e a
reserva dos direitos, em cada caso, dar-se-ão de acordo com o
estabelecido na Lei de Inovação, nº 10.973, de 2 de dezembro
de 2004, regulamentada pelo Decreto nº 5.563, de 11 de
outubro de 2005 e pela RN-013/2008
(http://www.cnpq.br/web/guest/view/-/journal_content/56_I
NSTANCE_0oED/10157/24829).
Critérios de Análise e Julgamento
Edital FAPEMIG 13/2013 TECNOVA
Critérios de Análise e Julgamento
Chamada CNPq RHAE 17/2012

Critérios de análise e julgamento

Peso

Nota

A

Clareza, objetividade da proposta e sua
relevância para as áreas definidas na Chamada
Pública.

3

0 a 10

B

Grau de inovação e impacto tecnológico

3

0 a 10

C

Perfil da equipe e das bolsas solicitadas.

2

0 a 10

D

Adequação dos arranjos cooperativos ao
desenvolvimento da proposta (parcerias com
outras instituições).

1

0 a 10

E

Viabilidade técnica, mercadológica e econômica.

1

0 a 10
Critérios de Análise e Julgamento
Edital FINEP TI MAIOR 04/2013

Critérios Pertinentes ao Mérito da
Inovação

Peso

Abrangência e efetividade do projeto na solução
dos problemas definidos no tema específico

3

Grau de inovação do projeto em relação a
soluções já existentes

4

Grau do risco tecnológico envolvido

4
Critérios de Análise e Julgamento
Edital FINEP TI MAIOR 04/2013

Critérios Pertinentes aos Aspectos
Mercadológicos da Inovação

Peso

Viabilidade técnica

2

Viabilidade financeira

2

Orçamento apresentado

1

Impacto do projeto na estratégia empresarial

2

Impacto no mercado-alvo do produto/serviço

4
Critérios de Análise e Julgamento
Edital FINEP TI MAIOR 04/2013

Critérios Pertinentes à Capacidade de
Execução

Peso

Relevância da equipe executora própria

2

Capacitação técnica da equipe executora

4

Capacidade / experiência anterior da empresa
em projetos de inovação

1
Projeto do Produto
Os editais apoiam com recursos não reembolsáveis projetos
de toda a cadeia

da inovação:

•pesquisa básica dirigida
•pesquisa aplicada
•desenvolvimento experimental
•cabeça de série
•lote pioneiro
•inserção no mercado
•nacionalização de produto (desde que agregue algum
aprimoramento ou nova funcionalidade)
Erros mais frequentes que inviabilizam as
propostas
• Falta de clareza na descrição dos objetivos do projeto;
• Apresentação de justificativas no campo objetivo;
• Metas, atividades e indicadores físicos de execução
descritos de forma inadequada, quantitativa e
qualitativamente;
• Falta de clareza na definição do papel de empresas
participantes e na vinculação de membros da equipe
executora às metas e atividades;
• Descrição metodológica incompleta (execução do
projeto);
Fonte: http://www.fapemig.br/tecnova/
Erros mais frequentes que inviabilizam as
propostas
• Solicitação de recursos para despesas não financiáveis, sem
a observância do estabelecido no Edital e no Manual da
FAPEMIG;
• Informações insuficientes sobre a especificação e finalidade
de bens e serviços e sua vinculação às metas propostas;
• Valores solicitados incompatíveis com aqueles praticados no
mercado;
• Inexistência ou valores incompatíveis de contrapartida e
outros aportes, conforme exigidos no Edital;
• Falta de informações que indiquem a viabilidade econômica
e financeira do projeto;
• Falta de documentos obrigatórios, exigidos no Edital.
Fonte: http://www.fapemig.br/tecnova/
Buscar a Captação de Recursos não reembolsáveis
para o projeto
Buscar a Captação de Recursos não reembolsáveis
para o projeto
Verificar se a empresa e o projeto atendem
aos requisitos da Chamada e vice-versa:
1.O projeto se enquadra nas Áreas Prioritárias?
2.Dá para elaborar o projeto dentro do prazo para submissão
do projeto?
3.O valor máximo por projeto é suficiente?
4.Os itens financiáveis viabilizam o projeto?
5.Posso dar a contrapartida financeira e/ou econômica?
Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012 RHAE
Pesquisador na Empresa

Verificar se a empresa e o projeto atendem
aos requisitos da Chamada e vice-versa:
6. O prazo de execução é adequado?
7. Posso esperar o prazo até a liberação dos recursos?
8. A empresa e o coordenador atendem aos critérios de
elegibilidade?
9. Consigo elaborar o projeto para atender aos critérios de
análise e julgamento?
Obrigado!
Walter Figueiredo
TECCONS
31 – 8878.4388
walter.fig@oi.com.br
Skipe: waltertfig
Inovação: conceitos
Inovações Tecnológicas em Produtos e Processos (TPP): compreendem às
implantações de produtos e processos tecnologicamente novos e
substanciais melhorias tecnológicas em produtos e processos.
Manual de Oslo, 2ª edição, § 130

Inovação: introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente
produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou
serviços.
Lei nº 10.973 de 11/2004, Art. 2º, alínea IV
Lei de Inovação federal

Inovação Tecnológica: concepção de novo produto ou processo de
fabricação, bem como a agregação de novas funcionalidades ou
características ao produto ou processo que implique melhorias
incrementais e efetivo ganho de qualidade ou produtividade, resultando
maior competitividade no mercado.
Cap III da Lei nº 11.196 de 11/2005, Art. 17º, § 1 - Lei do Bem
Bibliografia Adotada
1. DRUCKER, Peter F. Inovação e Espírito Empreendedor, 2001
2. GRIZENDI, Eduardo Manual de Orientações Gerais sobre Inovação/Ministério
das Relações Exteriores, 2011

3. Manual de Oslo, OCDE - Organização para Cooperação e Desenvolvimento
Econômico, 2ª Edição FINEP, 2004
4. PMBOK GUIDE – Guide to project management body of knowledge. 3ª Ed.
Português. PMI-Project Management Institute, 2004
5. Ulrich & Eppinger, Product Design and Development, 1995
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
-O que é o CT-AERO - Fundo para o Setor Aeronáutico
A posição que a Empresa Brasileira de Aeronáutica S/A (EMBRAER)
conquistou no mercado internacional de aeronaves comerciais demonstra
a capacidade técnica dos brasileiros nessa área. Com o Fundo, pretendese estimular investimentos em P&D no setor para garantir a
competitividade nos mercados interno e externo, buscando a capacitação
científica e tecnológica na área de engenharia aeronáutica, eletrônica e
mecânica, a difusão de novas tecnologias, a atualização tecnológica da
indústria brasileira e a maior atração de investimentos internacionais para
o setor.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
-O que é o CT-AGRO - Fundo para o Setor de Agronegócios
O setor de agronegócios é responsável por uma parcela significativa do
PIB brasileiro. O foco do CT-AGRO é a capacitação científica e tecnológica
nas áreas de agronomia, veterinária, biotecnologia, economia e sociologia
agrícola, entre outras; atualização tecnológica da indústria agropecuária;
estímulo à ampliação de investimentos na área de biotecnologia agrícola
tropical e difusão de novas tecnologias.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
-O que é o CT-AMAZÔNIA
Seu foco é o fomento de atividades de pesquisa e desenvolvimento na
região amazônica, conforme projeto elaborado pelas empresas brasileiras
do setor de informática instaladas na Zona Franca de Manaus.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
- O que é o CT-AQUAVIÁRIO
Fundo para o Setor de Transporte Aquaviário e Construção
Naval.
Foco: Financiamento de projetos de pesquisa e desenvolvimento voltados
a inovações tecnológicas nas áreas do transporte aquaviário, de materiais,
de técnicas e processos de construção, de reparação e manutenção e de
projetos; capacitação de recursos humanos para o desenvolvimento de
tecnologias e inovações voltadas para o setor aquaviário e de construção
naval; desenvolvimento de tecnologia industrial básica e implantação de
infra-estrutura para atividades de pesquisa.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
-O que é o CT-BIOTEC - Fundo Setorial de Biotecnologia
O Brasil vem se destacando nesta área de conhecimento, que tem grande
potencial econômico. Este Fundo serve para a formação e capacitação de
recursos humanos para o setor de biotecnologia, fortalecimento da infraestrutura nacional de pesquisas e serviços de suporte, expansão da base
de conhecimento, estímulo à formação de empresas de base
biotecnológica e à transferência de tecnologias para empresas
consolidadas, prospecção e monitoramento do avanço do conhecimento
no setor.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
- O que é o CT-ENERG - Fundo Setorial de Energia
Este Fundo é destinado a financiar programas e projetos na área de
energia, especialmente na área de eficiência energética no uso final. A
ênfase é na articulação entre os gastos diretos das empresas em P&D e a
definição de um programa abrangente para enfrentar os desafios de longo
prazo no setor, tais como fontes alternativas de energia com menores
custos e melhor qualidade e redução do desperdício, além de estimular o
aumento da competitividade da tecnologia industrial nacional.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
-O

que é o CT-ESPACIAL - Fundo Setorial Espacial

Seu objetivo é estimular a pesquisa e o desenvolvimento ligados à
aplicação de tecnologia espacial na geração de produtos e serviços, com
ênfase nas áreas de elevado conteúdo tecnológico, como as de
comunicações, sensoriamento remoto, meteorologia,
agricultura, oceanografia e navegação, o que trará amplo benefício a toda
a sociedade.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
- O que é CT-HIDRO - Fundo Setorial de Recursos Hídricos
Destina-se a financiar estudos e projetos na área de recursos hídricos,
para aperfeiçoar os diversos usos da água, de modo a assegurar à atual e
às futuras gerações alto padrão de qualidade e utilização racional e
integrada, com vistas ao desenvolvimento sustentável e à prevenção e
defesa contra fenômenos hidrológicos críticos ou devido ao uso
inadequado de recursos naturais. Os recursos são oriundos da
compensação financeira atualmente recolhida pelas empresas geradoras
de energia elétrica
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

O que é o CT-INFO - Fundo Setorial para Tecnologia da
Informação
Destina-se a estimular as empresas nacionais a desenvolverem e
produzirem bens e serviços de informática e automação,
investindo em atividades de pesquisas científicas e tecnológicas.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
- O que é o CT-INFRA - Fundo Setorial de Intra-estrutura
Criado para viabilizar a modernização e ampliação da
infraestrutura e dos serviços de apoio à pesquisa desenvolvida em
instituições públicas de ensino superior e de pesquisas brasileiras, por
meio de criação e reforma de laboratórios e compra de equipamentos,
por exemplo, entre outras ações
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
- O que é o CT-MINERAL - Fundo Setorial Mineral
Focado no desenvolvimento e na difusão de tecnologia intermediária
nas pequenas e médias empresas e no estímulo à pesquisa técnicocientífica de suporte à exportação mineral, para atender aos desafios
impostos pela extensão do território brasileiro e pelas potencialidades
do setor na geração de divisas e no desenvolvimento do País.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
O que é o CT-PETRO - Fundo setorial do petróleo e gás natual
Foi o primeiro Fundo, criado em 1999. Seu objetivo é estimular a
inovação na cadeia produtiva do setor de petróleo e gás natural, a
formação e qualificação de recursos humanos e o desenvolvimento de
projetos em parceria entre empresas e universidades, instituições de
ensino superior ou centros de pesquisa do País, visando ao aumento
da produção e da produtividade, à redução de custos e preços e à
melhoria da qualidade dos produtos do setor.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
-O que é o CT-SAÚDE - Fundo Setorial de Saúde
O Brasil já dispõe de um desempenho reconhecido no mundo, que é
preciso ampliar de modo a gerar, cada vez mais, benefícios para a
população. O objetivo do Fundo é a capacitação tecnológica nas áreas de
interesse do SUS (saúde pública, fármacos, biotecnologia, etc.), o estímulo
ao aumento dos investimentos privados em P&D na área e à atualização
tecnológica da indústria brasileira de equipamentos médico-hospitalares
e a difusão de novas tecnologias que ampliem o acesso da população aos
bens e serviços na área de saúde.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

- O que é o CT-TRANSPORTE - Fundo Setorial de Transportes
terrestres
Seu foco é o financiamento de programas e projetos de P&D em
Engenharia Civil, Engenharia de Transportes, materiais, logística,
equipamentos e software para melhorar a qualidade, reduzir custos e
aumentar a competitividade do transporte rodoviário de passageiros e
de carga no Brasil.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

- O que é o CT-VERDE-AMARELO (Universidade - Empresa)
O Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa para Apoio
à Inovação tem como objetivo intensificar a cooperação tecnológica
entre universidades, centros de pesquisa e o setor produtivo em geral,
contribuindo para a elevação significativa dos investimentos em
atividades de C&T no Brasil nos próximos anos, além de apoiar ações e
programas que reforcem e consolidem uma cultura empreendedora e
de investimento de risco no País.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

- O que é o FUNTTEL - Fundo para o Desenvolvimento das
Telecomunicações
A gestão deste Fundo está no âmbito do Ministério das
Comunicações. Seu objetivo Å é estimular o processo de
inovação tecnológica, incentivar a capacitação de recursos
humanos, fomentar a geração de empregos e promover o acesso
de pequenas e médias empresas a recursos de capital, de modo
a ampliar a competitividade da indústria brasileira de
telecomunicações.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

-O que são Ações Transversais?
Definidas em julho de 2004 pelo Comitê de Coordenação dos
Fundos Setoriais, as Ações Transversais são programas
estratégicos do MCT que tinham ênfase na Política Industrial,
Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) do Governo Federal à
época. Hoje a referência das Ações é o Programa Brasil Maior.
Os editais utilizam recursos de diversos Fundos Setoriais
simultaneamente.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq
Fundo Setorial do Audiovisual
-O que é o FSA
O Fundo Setorial do Audiovisual - FSA foi criado pela Lei nº 11.437, de 28 de
dezembro de 2006 e regulamentado peloDecreto nº 6.299, de 12 de
dezembro de 2007, como uma categoria de programação específica do Fundo
Nacional de Cultura - FNC.
Os recursos do FSA serão aplicados em programas e projetos voltados para o
desenvolvimento das atividades cinematográficas e audiovisuais em
consonância com os programas do governo federal. Dessa forma, espera-se
aumentar a participação do produto audiovisual brasileiro no mercado
nacional e internacional, e, em última análise, traduzir em valor econômico e
desenvolvimento social o esforço da sociedade brasileira para se inserir no
cenário global do cinema e do audiovisual.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

Programa Brasil Maior (lançado em agosto/2011)
Inovar para competir. Competir para crescer.
Plano 2011/2014
Com o Plano Brasil Maior, o Governo Federal estabelece a sua política
industrial, tecnológica, de serviços e de comércio exterior para o
período de 2011 a 2014.
Focando no estímulo à inovação e à produção nacional para alavancar
a competitividade da indústria nos mercados interno e externo, o país se
organiza para dar passos mais ousados em direção ao desenvolvimento
econômico e social.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

Programa Brasil Maior
Ao mobilizar as forças produtivas para inovar, competir e crescer, o Plano
busca aproveitar competências presentes nas empresas, na academia
e na sociedade, construindo um país mais próspero e inclusivo.
O Plano Brasil Maior integra instrumentos de vários ministérios e
órgãos do Governo Federal cujas iniciativas e programas se somam
num esforço integrado e abrangente de geração de emprego e renda
em benefício do povo brasileiro.
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

Programa Brasil Maior
O Plano estabelece um conjunto inicial de medidas, que serão
complementadas ao longo do período 2011-2014 a partir do diálogo
com o setor produtivo. Destacam-se:
• desoneração dos investimentos e das exportações;
• ampliação e simplificação do financiamento ao investimento e às
exportações;
• aumento de recursos para inovação;
• aperfeiçoamento do marco regulatório da inovação;
Apoio para Captação de Recursos para P&D&I
EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq

Programa Brasil Maior
O Plano estabelece um conjunto inicial de medidas, que serão
complementadas ao longo do período 2011-2014 a partir do diálogo
com o setor produtivo. Destacam-se:
• estímulos ao crescimento de pequenos e micronegócios;
• fortalecimento da defesa comercial;
• criação de regimes especiais para agregação de valor e de
tecnologia nas cadeias produtivas ; e
• regulamentação da lei de compras governamentais para estimular
a produção e a inovação no país.
http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/conteudo/128

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (7)

Cia Minas Uilo
Cia Minas   UiloCia Minas   Uilo
Cia Minas Uilo
 
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
 
Emprenova
EmprenovaEmprenova
Emprenova
 
Ricardo Migueis GPPQ FCT
Ricardo Migueis GPPQ FCTRicardo Migueis GPPQ FCT
Ricardo Migueis GPPQ FCT
 
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
 
Edital pibic em
Edital pibic emEdital pibic em
Edital pibic em
 
Palestra apresentada por Francilene Garcia para empresas incubadas
Palestra apresentada por Francilene Garcia para empresas incubadasPalestra apresentada por Francilene Garcia para empresas incubadas
Palestra apresentada por Francilene Garcia para empresas incubadas
 

Destaque

MikeMarshall_Resume_November2016
MikeMarshall_Resume_November2016MikeMarshall_Resume_November2016
MikeMarshall_Resume_November2016Mike Marshall
 
practicing-gratitude-ogren
practicing-gratitude-ogrenpracticing-gratitude-ogren
practicing-gratitude-ogrenKarin Ogren
 
Cortes guillermo amaya_roberto_aporte_colectivo
Cortes guillermo amaya_roberto_aporte_colectivoCortes guillermo amaya_roberto_aporte_colectivo
Cortes guillermo amaya_roberto_aporte_colectivoAlejandro Amaya C
 
Webtutor: как использовать максимум возможностей
Webtutor: как использовать максимум возможностейWebtutor: как использовать максимум возможностей
Webtutor: как использовать максимум возможностейHR&Trainings EXPO
 
2014 04-30 guías-de-apoyo-relativas-a-trámites-del-rfc-y-uso-del-sistema-de-r...
2014 04-30 guías-de-apoyo-relativas-a-trámites-del-rfc-y-uso-del-sistema-de-r...2014 04-30 guías-de-apoyo-relativas-a-trámites-del-rfc-y-uso-del-sistema-de-r...
2014 04-30 guías-de-apoyo-relativas-a-trámites-del-rfc-y-uso-del-sistema-de-r...El Conta Puntocom
 
Aprendizagem nas nuvens
Aprendizagem nas nuvensAprendizagem nas nuvens
Aprendizagem nas nuvenspcsneto
 
Trabalho indio
Trabalho indioTrabalho indio
Trabalho indiomajununesr
 
Stage Avant-Vente réseau et sécurité H/F
Stage Avant-Vente réseau et sécurité H/FStage Avant-Vente réseau et sécurité H/F
Stage Avant-Vente réseau et sécurité H/FCertilience
 
Bulimia y anorexia
Bulimia y anorexiaBulimia y anorexia
Bulimia y anorexiaAjax Oileo
 

Destaque (20)

Sistemas distribuidos
Sistemas distribuidosSistemas distribuidos
Sistemas distribuidos
 
MikeMarshall_Resume_November2016
MikeMarshall_Resume_November2016MikeMarshall_Resume_November2016
MikeMarshall_Resume_November2016
 
practicing-gratitude-ogren
practicing-gratitude-ogrenpracticing-gratitude-ogren
practicing-gratitude-ogren
 
Cortes guillermo amaya_roberto_aporte_colectivo
Cortes guillermo amaya_roberto_aporte_colectivoCortes guillermo amaya_roberto_aporte_colectivo
Cortes guillermo amaya_roberto_aporte_colectivo
 
同性戀
同性戀同性戀
同性戀
 
ADA 1
ADA 1ADA 1
ADA 1
 
Webtutor: как использовать максимум возможностей
Webtutor: как использовать максимум возможностейWebtutor: как использовать максимум возможностей
Webtutor: как использовать максимум возможностей
 
Ensayolopcymat
EnsayolopcymatEnsayolopcymat
Ensayolopcymat
 
Leslie_Matey_CV_112016a
Leslie_Matey_CV_112016aLeslie_Matey_CV_112016a
Leslie_Matey_CV_112016a
 
2014 04-30 guías-de-apoyo-relativas-a-trámites-del-rfc-y-uso-del-sistema-de-r...
2014 04-30 guías-de-apoyo-relativas-a-trámites-del-rfc-y-uso-del-sistema-de-r...2014 04-30 guías-de-apoyo-relativas-a-trámites-del-rfc-y-uso-del-sistema-de-r...
2014 04-30 guías-de-apoyo-relativas-a-trámites-del-rfc-y-uso-del-sistema-de-r...
 
Raleste20
Raleste20Raleste20
Raleste20
 
14 encontro
14 encontro14 encontro
14 encontro
 
Aprendizagem nas nuvens
Aprendizagem nas nuvensAprendizagem nas nuvens
Aprendizagem nas nuvens
 
Sistemas de Informacion
Sistemas de Informacion Sistemas de Informacion
Sistemas de Informacion
 
Folha 197
Folha 197Folha 197
Folha 197
 
Trabalho indio
Trabalho indioTrabalho indio
Trabalho indio
 
Stage Avant-Vente réseau et sécurité H/F
Stage Avant-Vente réseau et sécurité H/FStage Avant-Vente réseau et sécurité H/F
Stage Avant-Vente réseau et sécurité H/F
 
Reader rofile
Reader rofileReader rofile
Reader rofile
 
Bulimia y anorexia
Bulimia y anorexiaBulimia y anorexia
Bulimia y anorexia
 
Practica 1
Practica 1Practica 1
Practica 1
 

Semelhante a Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba

Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas GeraisSecretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas GeraisFabricio Martins
 
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...Fabricio Martins
 
Espaço, Forma e Projetos - Apresentação
Espaço, Forma e Projetos - ApresentaçãoEspaço, Forma e Projetos - Apresentação
Espaço, Forma e Projetos - ApresentaçãoPaulo Meira
 
BNDES: Instrumentos de Apoio à Inovação
BNDES: Instrumentos de Apoio à InovaçãoBNDES: Instrumentos de Apoio à Inovação
BNDES: Instrumentos de Apoio à InovaçãoCPqD
 
A FINEP e o financiamento à Ciência, Tecnologia e Inovação
A FINEP e o financiamento à Ciência, Tecnologia e InovaçãoA FINEP e o financiamento à Ciência, Tecnologia e Inovação
A FINEP e o financiamento à Ciência, Tecnologia e InovaçãoBMRS Meeting
 
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão Preto
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão PretoIEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão Preto
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão PretoInstituto de Estudos Avançados - USP
 
O apoio do BNDES à Inovação e ao setor de Aeroespaço & Defesa - Novembro/2017
O apoio do BNDES à Inovação e ao setor de Aeroespaço & Defesa - Novembro/2017O apoio do BNDES à Inovação e ao setor de Aeroespaço & Defesa - Novembro/2017
O apoio do BNDES à Inovação e ao setor de Aeroespaço & Defesa - Novembro/2017BNDES
 
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGVFinanciamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGVHudson Mendonça
 
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdfDanielSieses
 
Ciência sem Fronteiras
Ciência sem FronteirasCiência sem Fronteiras
Ciência sem FronteirasConfap
 
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaIniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaConfap
 
Palestra Curso GEPIT - Financiamento da Inovação - João Florêncio da Silva...
Palestra Curso GEPIT -  Financiamento da Inovação  -  João Florêncio da Silva...Palestra Curso GEPIT -  Financiamento da Inovação  -  João Florêncio da Silva...
Palestra Curso GEPIT - Financiamento da Inovação - João Florêncio da Silva...auspin
 

Semelhante a Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba (20)

Embrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e InovaçãoEmbrapa: Empreededorismo e Inovação
Embrapa: Empreededorismo e Inovação
 
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas GeraisSecretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
Secretaria de Ciencia, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais
 
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
Palestra Básica. Secretaria De Ciencia, Tecnologia E Ensino Superior De Minas...
 
Espaço, Forma e Projetos - Apresentação
Espaço, Forma e Projetos - ApresentaçãoEspaço, Forma e Projetos - Apresentação
Espaço, Forma e Projetos - Apresentação
 
Financiando sua ideia
Financiando sua ideiaFinanciando sua ideia
Financiando sua ideia
 
BNDES: Instrumentos de Apoio à Inovação
BNDES: Instrumentos de Apoio à InovaçãoBNDES: Instrumentos de Apoio à Inovação
BNDES: Instrumentos de Apoio à Inovação
 
A FINEP e o financiamento à Ciência, Tecnologia e Inovação
A FINEP e o financiamento à Ciência, Tecnologia e InovaçãoA FINEP e o financiamento à Ciência, Tecnologia e Inovação
A FINEP e o financiamento à Ciência, Tecnologia e Inovação
 
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão Preto
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão PretoIEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão Preto
IEA - Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento de Ribeirão Preto
 
O apoio do BNDES à Inovação e ao setor de Aeroespaço & Defesa - Novembro/2017
O apoio do BNDES à Inovação e ao setor de Aeroespaço & Defesa - Novembro/2017O apoio do BNDES à Inovação e ao setor de Aeroespaço & Defesa - Novembro/2017
O apoio do BNDES à Inovação e ao setor de Aeroespaço & Defesa - Novembro/2017
 
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGVFinanciamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
 
Palestra Básica - Agosto de 2009
Palestra Básica - Agosto de 2009Palestra Básica - Agosto de 2009
Palestra Básica - Agosto de 2009
 
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
2019-12-03-16-00 IncoDay 2019 - Apresentacao BSRIA 2020 Draft .pdf
 
Ciência sem Fronteiras
Ciência sem FronteirasCiência sem Fronteiras
Ciência sem Fronteiras
 
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologiaIniciativa brasileira de nanotecnologia
Iniciativa brasileira de nanotecnologia
 
Palestra Curso GEPIT - Financiamento da Inovação - João Florêncio da Silva...
Palestra Curso GEPIT -  Financiamento da Inovação  -  João Florêncio da Silva...Palestra Curso GEPIT -  Financiamento da Inovação  -  João Florêncio da Silva...
Palestra Curso GEPIT - Financiamento da Inovação - João Florêncio da Silva...
 
Campus Party FIESP - 2013
Campus Party FIESP - 2013Campus Party FIESP - 2013
Campus Party FIESP - 2013
 
Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005
 
Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05
 
Palestra BáSica 21 07 09
Palestra BáSica 21 07 09Palestra BáSica 21 07 09
Palestra BáSica 21 07 09
 
Emprenova
EmprenovaEmprenova
Emprenova
 

Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba

  • 1. I WORKSHOP DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UFTM 01/11/2013 OPORTUNIDADES ATRAVÉS DE EDITAIS Walter Figueiredo Uberaba/MG
  • 2. Abertura  Walter Tadeu Figueiredo da Silva Formado em Engenharia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais-PUC Minas, com especialização em gestão de projetos e com mais de 20 anos de atividade profissional dedicada ao gerenciamento de projetos em organizações de grande e médio portes e mais de 10 anos de experiência em elaboração e execução de projetos para captação de recursos não reembolsáveis junto à FAPEMIG, FINEP e CNPq. (CEMIG, FUMSOFT, SEDS/MG, SES/MG, SEBRAE-MG)  Conhecendo os participantes
  • 3. Estrutura da Apresentação 10:30 – 11:30h - Apresentação  11:30 – 12:00 - Esclarecimentos
  • 4. Objetivo  Apresentar as principais oportunidades de captação de recursos reembolsáveis e não reembolsáveis para inovação. (A estruturação e a elaboração de projetos inovadores para captação de recursos serão vistos na apresentação das 14:00h - Elaboração de Projetos para Captação de recursos)
  • 5. Recursos Reembolsáveis Órgãos de Fomento para inovação: BNDES BDMG/FAPEMIG FINEP 31/10/13 – 08:30h: Mesa Redonda: Inovação Tecnológica e Agências de Fomento – BNDES, FAPEMIG e UFTM
  • 6. Recursos Reembolsáveis EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA MCTI/BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE AGRONEGÓCIO – INOVA AGRO – 2013 BNDES a)Produtos BNDES Finem, especialmente a Linha BNDES de Apoio à Inovação a)Programa BNDES de Sustentação do Investimento - BNDES PSI a)Programa BNDES de Apoio à Engenharia – BNDES Proengenharia
  • 7. Recursos Reembolsáveis EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA MCTI/BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE AGRONEGÓCIO – INOVA AGRO – 2013  BNDES d) Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação – BNDES Prosoft e) Apoio não reembolsável a ICTs em cooperação com empresa por meio do Fundo Tecnológico – BNDES Funtec f) Instrumentos de Renda Variável
  • 8. Recursos Reembolsáveis EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA MCTI/BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE AGRONEGÓCIO – INOVA AGRO – 2013  FINEP a)Inova Brasil b) Subvenção Econômica c) Instrumentos de Renda Variável
  • 9. Recursos Reembolsáveis  BDMG/FAPEMIG  Pró-inovação  Inovacred
  • 10. Recursos Reembolsáveis  BDMG/FAPEMIG Pró-inovação Juros: 0,64% a.m. Carência: até 12 meses Prazo total: até 60 meses Finalidade: A linha de financiamento Pró-Inovação foi criada por meio da parceria FAPEMIG/BDMG com o objetivo de apoiar projetos de desenvolvimento com foco na inovação de produtos, processos e serviços de empresas instaladas em Minas Gerais.
  • 11. Recursos Reembolsáveis  BDMG/FAPEMIG Pró-inovação Itens financiáveis: - Obras civis, construção e reforma; - Máquinas e equipamentos novos, usados ou importados; - Instalações, montagens, móveis e utensílios; - Veículos utilitários ou caminhões novos; - Informatização e desenvolvimento tecnológico; - Pesquisa e desenvolvimento; - Investimentos intangíveis; - Capital de giro associado. Valores financiáveis: Até R$ 2 milhões por empresa.
  • 12. Recursos Reembolsáveis  BDMG/FAPEMIG Pró-inovação Garantias: Aval dos sócios em operações até R$ 1 milhão. Outras modalidades de garantias, conforme política de crédito do BDMG, em operações acima de R$ 1 milhão. Contatos para mais informações: BDMG – inovacao@bdmg.mg.gov.br FAPEMIG – ci@fapemig.br
  • 13. Recursos Reembolsáveis  BDMG/FINEP Inovacred O objetivo do Programa INOVACRED é oferecer financiamento a empresas de receita operacional bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, para aplicação no desenvolvimento de novos produtos, processos e serviços, ou no aprimoramento dos já existentes, ou ainda em inovação em marketing ou inovação organizacional visando a ampliar a competitividade das empresas no âmbito regional ou nacional.
  • 14. Recursos Reembolsáveis  BDMG/FINEP Inovacred • Financiamento até 90% (MPE) • Despesas realizadas até 12 meses antecedentes podem ser aceitas como contrapartida (MPE) • Taxa de juros: TJLP (+ou- 0,5% a.m) + spread de 5% a.a • Carência = prazo de execução: até 24 meses • Prazo de amortização: até 96 meses (carência+amortização) • Pede garantias • Valor: R$ 150 mil a R$ 2 milhões (MPE)
  • 15. Recursos Não Reembolsáveis Subvenção econômica Esta modalidade de apoio financeiro, criada em 2006, permite a aplicação de recursos públicos não reembolsáveis diretamente em empresas, para compartilhar com elas os custos e riscos inerentes a atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação. Fonte: FINEP
  • 16. Recursos Não Reembolsáveis Financiamento não reembolsável Trata-se de financiamento não reembolsável originado dos Fundos Setoriais para apoio a projetos de Ciência, Tecnologia e Inovação apresentados por ICTs nacionais. Fonte: FINEP
  • 17. Recursos Não Reembolsáveis Órgãos de Fomento: FAPEMIG FINEP CNPq
  • 18. Recursos Não Reembolsáveis Principais objetivos dos editais: FAPEMIG - Financiar projetos de pesquisa científica e tecnológica e de inovação nas diversas áreas do conhecimento, promovendo o desenvolvimento da C, T & I através da indução de temas; TECNOVA contratação - Desenvolvimento de projetos de inovação, com a 13/2013: 2.1 desenvolvimento de mestres e doutores, e de apoio à pesquisa, Agronegócio; 2.2 Biotecnologia; e inovação (PD&I); 2.3 Eletroeletrônico; 2.4 Energias Alternativas; - Apoiar financeiramente a cobertura de gastos com reparos e 2.5 Meio Ambiente; 2.6 existentes, fora manutenção de equipamentos de laboratóriosMineral-Metalúrgico; 2.7 Petróleo e Gás; do período de garantia; 2.8 Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC.
  • 19. Recursos Não Reembolsáveis Principais objetivos dos editais: FAPEMIG - Formação de pesquisadores através de bolsas; - Apoio e fixação de pesquisadores através de pesquisas básicas a pesquisas aplicadas; - Apoio a projetos de pesquisa científica e tecnológica / cooperação internacional. EDITAL FAPEMIG 01/2013 DEMANDA UNIVERSAL
  • 20. Recursos Não Reembolsáveis Chamada Principais objetivos dos editais: MCTI/SEPIN/CNPq N º 11/2013 – Programa Start-up Brasil CNPq - apoiar projetos de pesquisa, científica, tecnológica e de inovação visando desenvolver produtos e processos inovadores em qualquer área do conhecimento ou em temas específicos, para empresas e ICTs; - a formação de recursos humanos altamente qualificados (bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado, Programa Ciência sem Fronteira);
  • 21. Recursos Não Reembolsáveis Principais objetivos dos editais: CNPq Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012 RHAE Pesquisador na Empresa - Apoiar as atividades de pesquisa tecnológica e de inovação, por meio da inserção de mestres ou doutores, em empresas privadas, de micro, pequeno, médio e grande porte; - Fomentar o intercâmbio e a cooperação científica e tecnológica entre grupos de pesquisa nacionais e do exterior;
  • 22. Recursos Não Reembolsáveis Principais objetivos dos editais FINEP - Desenvolvimento de produtos e/ou processos inovadores, que envolvam significativo risco tecnológico associados à uma oportunidade de mercado; - Fundos Setoriais SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação – 01/2013 Produtos obtidos por processos biotecnológicos
  • 23. Editais FINEP FUNDOS SETORIAIS / FNDCT 1. CT – Aeronáutico 10. CT – Infra 2. CT – Agronegócio 11. CT - Mineral 3. CT – Amazônia 12. CT - Petro 4. CT – Aquaviário 13. CT - Saúde 5. CT – Biotecnologia 14. CT - Transporte 6. CT - Energ 15. CT - Verde Amarelo 7. CT – Espacial 16. Funttel 8. CT – Hidro 17. Ações Transversais 9. CT - Info 18. FSA
  • 24. Instituições Elegíveis Instituições elegíveis em Editais de recursos não reembolsáveis e subvenções: Instituições de Ciência e Tecnologia – ICT Empresas de todos os portes (participação isolada ou em parceria) Pesquisadores individuais
  • 25. Instituições Elegíveis EDITAL FAPEMIG 16/2012 PROGRAMA HIPERDIA MINAS Pesquisas na área da hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, diabetes mellitus e doença renal crônica A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais – FAPEMIG, atendendo à orientação programática da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – SECTES, observadas as diretrizes políticas emanadas do Conselho Estadual de Ciência e Tecnologia – CONECIT e de seu Conselho Curador, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais – SES/MG, torna público o presente Edital e convida Entidades Científicas, Tecnológicas e de Inovação – ECTIs, localizadas no Estado de Minas Gerais e cadastradas na FAPEMIG, a apresentarem propostas para obtenção de apoio financeiro, em conformidade com o que estabelece o presente Edital. FAPEMIG - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais http://www.fapemig.br
  • 26. Instituições Elegíveis SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação – 01/2013 Produtos obtidos por processos biotecnológicos São elegíveis empresas brasileiras de qualquer porte, individualmente ou em associação com outra(s) empresa(s) brasileira(s), sendo que todas deverão atender às seguintes condições: .... FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos - http://www.finep.gov.br
  • 27. Instituições Elegíveis CHAMADA MCTI/CNPq/UNESCO/HIDROEX Nº 10/2013 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CsF) BOLSAS DE DOUTORADO SANDUÍCHE, DOUTORADO PLENO e PÓSDOUTORADO NA HOLANDA. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e o UNESCO/HIDROEX tornam pública a abertura de processo de seleção de candidatos a bolsas de Doutorado Sanduíche, Doutorado Pleno e PósDoutorado no Exterior para estudos no Instituto de Educação para as ÁguasUNESCO-IHE, sediado em DelftHolanda no âmbito do Programa Ciência sem Fronteiras (CsF). ... CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico http://www.cnpq.gov.br
  • 28. Itens Financiáveis Custeio/Despesas Correntes: •Vencimentos e Obrigações Patronais •Diárias •Material de Consumo e matérias primas •Passagens e Despesas de Locomoção •Outros Serviços de Terceiros/Pessoa Física •Outras Despesas com Serviços de Terceiros/Pessoa Jurídica •Compartilhamento de laboratórios, de equipamentos, de instrumentos, materiais e demais instalações das universidades e centros de pesquisas •Consultoria •Software •Manutenção de equipamentos •Despesas acessórias de importação
  • 29. Itens Financiáveis Bolsas Investimentos/Despesas de Capital •Equipamentos e material permanente •Obras e instalações Despesas Operacionais e Administrativas •Despesas operacionais e administrativas, de caráter indivisível, respaldadas na Lei nº 10.973/04, denominada “Lei da Inovação”, até o limite de 5% do valor dos recursos federais solicitados.
  • 30. Contrapartida Financeira e Contrapartida Econômica Chamada CNPq – RHAE 17/2012 Recursos financeiros ou não financeiros, efetivamente necessários para a execução do projeto e que possam ser economicamente mensuráveis e demonstráveis. Como aportes, serão aceitos recursos do tipo: -Custeio: salários, passagens e diárias, auxílio-moradia e seguro-saúde de pessoal ligado diretamente ao projeto; material de consumo, serviços de reprografia; - Capital: equipamentos, material permanente e material bibliográfico.
  • 31. Contrapartida Financeira e Contrapartida Econômica Edital FAPEMIG 13/2013 – TECNOVA 5.6 O valor total da proposta neste Edital será composto do valor solicitado à FAPEMIG, acrescentado do valor da contrapartida financeira correspondente a, no mínimo, 10% (dez por cento) do valor solicitado à FAPEMIG. 5.9 O valor total da contrapartida deverá ser efetivado por meio de depósito bancário, em conta específica, para execução do projeto em um banco oficial (Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal). A liberação dos recursos, por parte da FAPEMIG, somente será efetivada quando a Gestora enviar os dados bancários da conta específica do projeto, com a comprovação do depósito da contrapartida para o e-mail dfi@fapemig.br.
  • 32. Direitos de Propriedade Intelectual e de equipamentos – FAPEMIG 13/2013 TECNOVA Item 10 •Propriedade Intelectual (proporcional aos recursos investidos)  Contratos de Cotitularidade •.. hipótese de Contratos de Licença de Exploração e Cessão para terceiros  Contratos de Cotitularidade /Haverá remuneração para FAPEMIG •...utilização, por um dos titulares e em suas próprias atividades, ...  Não haverá remuneração da FAPEMIG
  • 33. Direitos de Propriedade Intelectual e de equipamentos – FINEP CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP e MS/SCTIE/DCIIS – 03/2013 Seleção Pública de Projetos Cooperativos de P,D&I em Equipamentos e Dispositivos Médicos de Interesse Industrial – INOVA SAÚDE. 9.2. Propriedade Intelectual: Os direitos de propriedade sobre os resultados dos projetos, inclusive patentes, e a confidencialidade das informações e conhecimentos gerados na execução das atividades, deverão ser definidos pelas instituições partícipes em instrumento específico, o qual deverá ser entregue à FINEP para a liberação.
  • 34. Direitos de Propriedade Intelectual e de equipamentos – CNPq Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012 RHAE Pesquisador na Empresa I.12.7. Caso os resultados do projeto ou o relatório em si venham a ter valor comercial ou possam levar ao desenvolvimento de um produto ou método envolvendo o estabelecimento de uma patente, a troca de informações e a reserva dos direitos, em cada caso, dar-se-ão de acordo com o estabelecido na Lei de Inovação, nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, regulamentada pelo Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005 e pela RN-013/2008 (http://www.cnpq.br/web/guest/view/-/journal_content/56_I NSTANCE_0oED/10157/24829).
  • 35. Critérios de Análise e Julgamento Edital FAPEMIG 13/2013 TECNOVA
  • 36. Critérios de Análise e Julgamento Chamada CNPq RHAE 17/2012 Critérios de análise e julgamento Peso Nota A Clareza, objetividade da proposta e sua relevância para as áreas definidas na Chamada Pública. 3 0 a 10 B Grau de inovação e impacto tecnológico 3 0 a 10 C Perfil da equipe e das bolsas solicitadas. 2 0 a 10 D Adequação dos arranjos cooperativos ao desenvolvimento da proposta (parcerias com outras instituições). 1 0 a 10 E Viabilidade técnica, mercadológica e econômica. 1 0 a 10
  • 37. Critérios de Análise e Julgamento Edital FINEP TI MAIOR 04/2013 Critérios Pertinentes ao Mérito da Inovação Peso Abrangência e efetividade do projeto na solução dos problemas definidos no tema específico 3 Grau de inovação do projeto em relação a soluções já existentes 4 Grau do risco tecnológico envolvido 4
  • 38. Critérios de Análise e Julgamento Edital FINEP TI MAIOR 04/2013 Critérios Pertinentes aos Aspectos Mercadológicos da Inovação Peso Viabilidade técnica 2 Viabilidade financeira 2 Orçamento apresentado 1 Impacto do projeto na estratégia empresarial 2 Impacto no mercado-alvo do produto/serviço 4
  • 39. Critérios de Análise e Julgamento Edital FINEP TI MAIOR 04/2013 Critérios Pertinentes à Capacidade de Execução Peso Relevância da equipe executora própria 2 Capacitação técnica da equipe executora 4 Capacidade / experiência anterior da empresa em projetos de inovação 1
  • 40. Projeto do Produto Os editais apoiam com recursos não reembolsáveis projetos de toda a cadeia da inovação: •pesquisa básica dirigida •pesquisa aplicada •desenvolvimento experimental •cabeça de série •lote pioneiro •inserção no mercado •nacionalização de produto (desde que agregue algum aprimoramento ou nova funcionalidade)
  • 41. Erros mais frequentes que inviabilizam as propostas • Falta de clareza na descrição dos objetivos do projeto; • Apresentação de justificativas no campo objetivo; • Metas, atividades e indicadores físicos de execução descritos de forma inadequada, quantitativa e qualitativamente; • Falta de clareza na definição do papel de empresas participantes e na vinculação de membros da equipe executora às metas e atividades; • Descrição metodológica incompleta (execução do projeto); Fonte: http://www.fapemig.br/tecnova/
  • 42. Erros mais frequentes que inviabilizam as propostas • Solicitação de recursos para despesas não financiáveis, sem a observância do estabelecido no Edital e no Manual da FAPEMIG; • Informações insuficientes sobre a especificação e finalidade de bens e serviços e sua vinculação às metas propostas; • Valores solicitados incompatíveis com aqueles praticados no mercado; • Inexistência ou valores incompatíveis de contrapartida e outros aportes, conforme exigidos no Edital; • Falta de informações que indiquem a viabilidade econômica e financeira do projeto; • Falta de documentos obrigatórios, exigidos no Edital. Fonte: http://www.fapemig.br/tecnova/
  • 43. Buscar a Captação de Recursos não reembolsáveis para o projeto
  • 44. Buscar a Captação de Recursos não reembolsáveis para o projeto Verificar se a empresa e o projeto atendem aos requisitos da Chamada e vice-versa: 1.O projeto se enquadra nas Áreas Prioritárias? 2.Dá para elaborar o projeto dentro do prazo para submissão do projeto? 3.O valor máximo por projeto é suficiente? 4.Os itens financiáveis viabilizam o projeto? 5.Posso dar a contrapartida financeira e/ou econômica?
  • 45. Chamada Pública MCTI/SETEC/CNPq Nº 17/2012 RHAE Pesquisador na Empresa Verificar se a empresa e o projeto atendem aos requisitos da Chamada e vice-versa: 6. O prazo de execução é adequado? 7. Posso esperar o prazo até a liberação dos recursos? 8. A empresa e o coordenador atendem aos critérios de elegibilidade? 9. Consigo elaborar o projeto para atender aos critérios de análise e julgamento?
  • 46. Obrigado! Walter Figueiredo TECCONS 31 – 8878.4388 walter.fig@oi.com.br Skipe: waltertfig
  • 47. Inovação: conceitos Inovações Tecnológicas em Produtos e Processos (TPP): compreendem às implantações de produtos e processos tecnologicamente novos e substanciais melhorias tecnológicas em produtos e processos. Manual de Oslo, 2ª edição, § 130 Inovação: introdução de novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social que resulte em novos produtos, processos ou serviços. Lei nº 10.973 de 11/2004, Art. 2º, alínea IV Lei de Inovação federal Inovação Tecnológica: concepção de novo produto ou processo de fabricação, bem como a agregação de novas funcionalidades ou características ao produto ou processo que implique melhorias incrementais e efetivo ganho de qualidade ou produtividade, resultando maior competitividade no mercado. Cap III da Lei nº 11.196 de 11/2005, Art. 17º, § 1 - Lei do Bem
  • 48. Bibliografia Adotada 1. DRUCKER, Peter F. Inovação e Espírito Empreendedor, 2001 2. GRIZENDI, Eduardo Manual de Orientações Gerais sobre Inovação/Ministério das Relações Exteriores, 2011 3. Manual de Oslo, OCDE - Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, 2ª Edição FINEP, 2004 4. PMBOK GUIDE – Guide to project management body of knowledge. 3ª Ed. Português. PMI-Project Management Institute, 2004 5. Ulrich & Eppinger, Product Design and Development, 1995
  • 49. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq -O que é o CT-AERO - Fundo para o Setor Aeronáutico A posição que a Empresa Brasileira de Aeronáutica S/A (EMBRAER) conquistou no mercado internacional de aeronaves comerciais demonstra a capacidade técnica dos brasileiros nessa área. Com o Fundo, pretendese estimular investimentos em P&D no setor para garantir a competitividade nos mercados interno e externo, buscando a capacitação científica e tecnológica na área de engenharia aeronáutica, eletrônica e mecânica, a difusão de novas tecnologias, a atualização tecnológica da indústria brasileira e a maior atração de investimentos internacionais para o setor.
  • 50. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq -O que é o CT-AGRO - Fundo para o Setor de Agronegócios O setor de agronegócios é responsável por uma parcela significativa do PIB brasileiro. O foco do CT-AGRO é a capacitação científica e tecnológica nas áreas de agronomia, veterinária, biotecnologia, economia e sociologia agrícola, entre outras; atualização tecnológica da indústria agropecuária; estímulo à ampliação de investimentos na área de biotecnologia agrícola tropical e difusão de novas tecnologias.
  • 51. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq -O que é o CT-AMAZÔNIA Seu foco é o fomento de atividades de pesquisa e desenvolvimento na região amazônica, conforme projeto elaborado pelas empresas brasileiras do setor de informática instaladas na Zona Franca de Manaus.
  • 52. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq - O que é o CT-AQUAVIÁRIO Fundo para o Setor de Transporte Aquaviário e Construção Naval. Foco: Financiamento de projetos de pesquisa e desenvolvimento voltados a inovações tecnológicas nas áreas do transporte aquaviário, de materiais, de técnicas e processos de construção, de reparação e manutenção e de projetos; capacitação de recursos humanos para o desenvolvimento de tecnologias e inovações voltadas para o setor aquaviário e de construção naval; desenvolvimento de tecnologia industrial básica e implantação de infra-estrutura para atividades de pesquisa.
  • 53. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq -O que é o CT-BIOTEC - Fundo Setorial de Biotecnologia O Brasil vem se destacando nesta área de conhecimento, que tem grande potencial econômico. Este Fundo serve para a formação e capacitação de recursos humanos para o setor de biotecnologia, fortalecimento da infraestrutura nacional de pesquisas e serviços de suporte, expansão da base de conhecimento, estímulo à formação de empresas de base biotecnológica e à transferência de tecnologias para empresas consolidadas, prospecção e monitoramento do avanço do conhecimento no setor.
  • 54. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq - O que é o CT-ENERG - Fundo Setorial de Energia Este Fundo é destinado a financiar programas e projetos na área de energia, especialmente na área de eficiência energética no uso final. A ênfase é na articulação entre os gastos diretos das empresas em P&D e a definição de um programa abrangente para enfrentar os desafios de longo prazo no setor, tais como fontes alternativas de energia com menores custos e melhor qualidade e redução do desperdício, além de estimular o aumento da competitividade da tecnologia industrial nacional.
  • 55. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq -O que é o CT-ESPACIAL - Fundo Setorial Espacial Seu objetivo é estimular a pesquisa e o desenvolvimento ligados à aplicação de tecnologia espacial na geração de produtos e serviços, com ênfase nas áreas de elevado conteúdo tecnológico, como as de comunicações, sensoriamento remoto, meteorologia, agricultura, oceanografia e navegação, o que trará amplo benefício a toda a sociedade.
  • 56. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq - O que é CT-HIDRO - Fundo Setorial de Recursos Hídricos Destina-se a financiar estudos e projetos na área de recursos hídricos, para aperfeiçoar os diversos usos da água, de modo a assegurar à atual e às futuras gerações alto padrão de qualidade e utilização racional e integrada, com vistas ao desenvolvimento sustentável e à prevenção e defesa contra fenômenos hidrológicos críticos ou devido ao uso inadequado de recursos naturais. Os recursos são oriundos da compensação financeira atualmente recolhida pelas empresas geradoras de energia elétrica
  • 57. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq O que é o CT-INFO - Fundo Setorial para Tecnologia da Informação Destina-se a estimular as empresas nacionais a desenvolverem e produzirem bens e serviços de informática e automação, investindo em atividades de pesquisas científicas e tecnológicas.
  • 58. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq - O que é o CT-INFRA - Fundo Setorial de Intra-estrutura Criado para viabilizar a modernização e ampliação da infraestrutura e dos serviços de apoio à pesquisa desenvolvida em instituições públicas de ensino superior e de pesquisas brasileiras, por meio de criação e reforma de laboratórios e compra de equipamentos, por exemplo, entre outras ações
  • 59. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq - O que é o CT-MINERAL - Fundo Setorial Mineral Focado no desenvolvimento e na difusão de tecnologia intermediária nas pequenas e médias empresas e no estímulo à pesquisa técnicocientífica de suporte à exportação mineral, para atender aos desafios impostos pela extensão do território brasileiro e pelas potencialidades do setor na geração de divisas e no desenvolvimento do País.
  • 60. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq O que é o CT-PETRO - Fundo setorial do petróleo e gás natual Foi o primeiro Fundo, criado em 1999. Seu objetivo é estimular a inovação na cadeia produtiva do setor de petróleo e gás natural, a formação e qualificação de recursos humanos e o desenvolvimento de projetos em parceria entre empresas e universidades, instituições de ensino superior ou centros de pesquisa do País, visando ao aumento da produção e da produtividade, à redução de custos e preços e à melhoria da qualidade dos produtos do setor.
  • 61. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq -O que é o CT-SAÚDE - Fundo Setorial de Saúde O Brasil já dispõe de um desempenho reconhecido no mundo, que é preciso ampliar de modo a gerar, cada vez mais, benefícios para a população. O objetivo do Fundo é a capacitação tecnológica nas áreas de interesse do SUS (saúde pública, fármacos, biotecnologia, etc.), o estímulo ao aumento dos investimentos privados em P&D na área e à atualização tecnológica da indústria brasileira de equipamentos médico-hospitalares e a difusão de novas tecnologias que ampliem o acesso da população aos bens e serviços na área de saúde.
  • 62. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq - O que é o CT-TRANSPORTE - Fundo Setorial de Transportes terrestres Seu foco é o financiamento de programas e projetos de P&D em Engenharia Civil, Engenharia de Transportes, materiais, logística, equipamentos e software para melhorar a qualidade, reduzir custos e aumentar a competitividade do transporte rodoviário de passageiros e de carga no Brasil.
  • 63. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq - O que é o CT-VERDE-AMARELO (Universidade - Empresa) O Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa para Apoio à Inovação tem como objetivo intensificar a cooperação tecnológica entre universidades, centros de pesquisa e o setor produtivo em geral, contribuindo para a elevação significativa dos investimentos em atividades de C&T no Brasil nos próximos anos, além de apoiar ações e programas que reforcem e consolidem uma cultura empreendedora e de investimento de risco no País.
  • 64. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq - O que é o FUNTTEL - Fundo para o Desenvolvimento das Telecomunicações A gestão deste Fundo está no âmbito do Ministério das Comunicações. Seu objetivo Å é estimular o processo de inovação tecnológica, incentivar a capacitação de recursos humanos, fomentar a geração de empregos e promover o acesso de pequenas e médias empresas a recursos de capital, de modo a ampliar a competitividade da indústria brasileira de telecomunicações.
  • 65. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq -O que são Ações Transversais? Definidas em julho de 2004 pelo Comitê de Coordenação dos Fundos Setoriais, as Ações Transversais são programas estratégicos do MCT que tinham ênfase na Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) do Governo Federal à época. Hoje a referência das Ações é o Programa Brasil Maior. Os editais utilizam recursos de diversos Fundos Setoriais simultaneamente.
  • 66. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq Fundo Setorial do Audiovisual -O que é o FSA O Fundo Setorial do Audiovisual - FSA foi criado pela Lei nº 11.437, de 28 de dezembro de 2006 e regulamentado peloDecreto nº 6.299, de 12 de dezembro de 2007, como uma categoria de programação específica do Fundo Nacional de Cultura - FNC. Os recursos do FSA serão aplicados em programas e projetos voltados para o desenvolvimento das atividades cinematográficas e audiovisuais em consonância com os programas do governo federal. Dessa forma, espera-se aumentar a participação do produto audiovisual brasileiro no mercado nacional e internacional, e, em última análise, traduzir em valor econômico e desenvolvimento social o esforço da sociedade brasileira para se inserir no cenário global do cinema e do audiovisual.
  • 67. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq Programa Brasil Maior (lançado em agosto/2011) Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Com o Plano Brasil Maior, o Governo Federal estabelece a sua política industrial, tecnológica, de serviços e de comércio exterior para o período de 2011 a 2014. Focando no estímulo à inovação e à produção nacional para alavancar a competitividade da indústria nos mercados interno e externo, o país se organiza para dar passos mais ousados em direção ao desenvolvimento econômico e social.
  • 68. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq Programa Brasil Maior Ao mobilizar as forças produtivas para inovar, competir e crescer, o Plano busca aproveitar competências presentes nas empresas, na academia e na sociedade, construindo um país mais próspero e inclusivo. O Plano Brasil Maior integra instrumentos de vários ministérios e órgãos do Governo Federal cujas iniciativas e programas se somam num esforço integrado e abrangente de geração de emprego e renda em benefício do povo brasileiro.
  • 69. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq Programa Brasil Maior O Plano estabelece um conjunto inicial de medidas, que serão complementadas ao longo do período 2011-2014 a partir do diálogo com o setor produtivo. Destacam-se: • desoneração dos investimentos e das exportações; • ampliação e simplificação do financiamento ao investimento e às exportações; • aumento de recursos para inovação; • aperfeiçoamento do marco regulatório da inovação;
  • 70. Apoio para Captação de Recursos para P&D&I EDITAIS (Recursos não reembolsáveis) – FAPEMIG, FINEP e CNPq Programa Brasil Maior O Plano estabelece um conjunto inicial de medidas, que serão complementadas ao longo do período 2011-2014 a partir do diálogo com o setor produtivo. Destacam-se: • estímulos ao crescimento de pequenos e micronegócios; • fortalecimento da defesa comercial; • criação de regimes especiais para agregação de valor e de tecnologia nas cadeias produtivas ; e • regulamentação da lei de compras governamentais para estimular a produção e a inovação no país. http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/conteudo/128

Notas do Editor

  1. Este modelo pode ser usado como arquivo de partida para apresentar materiais de treinamento em um cenário em grupo. Seções Clique com o botão direito em um slide para adicionar seções. Seções podem ajudar a organizar slides ou a facilitar a colaboração entre vários autores. Anotações Use a seção Anotações para anotações da apresentação ou para fornecer detalhes adicionais ao público. Exiba essas anotações no Modo de Exibição de Apresentação durante a sua apresentação. Considere o tamanho da fonte (importante para acessibilidade, visibilidade, gravação em vídeo e produção online) Cores coordenadas Preste atenção especial aos gráficos, tabelas e caixas de texto. Leve em consideração que os participantes irão imprimir em preto-e-branco ou escala de cinza. Execute uma impressão de teste para ter certeza de que as suas cores irão funcionar quando forem impressas em preto-e-branco puros e escala de cinza. Elementos gráficos, tabelas e gráficos Mantenha a simplicidade: se possível, use estilos e cores consistentes e não confusos. Rotule todos os gráficos e tabelas.
  2. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  3. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  4. Esta é outra opção para um slide de Visão Geral usando transições.
  5. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  6. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  7. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  8. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  9. Use um cabeçalho de seção para cada um dos tópicos, para que a transição seja evidente ao público.
  10. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.
  11. Forneça uma breve visão geral da apresentação. Descreva o foco principal da apresentação e por que ela é importante. Introduza cada um dos principais tópicos. Para fornecer um roteiro para o público, você pode repita este slide de Visão Geral por toda a apresentação, realçando o tópico específico que você discutirá em seguida.