SlideShare uma empresa Scribd logo
Dr. Daniel Roberto Callejon Diretor Científico [email_address]
Inovação: Novas idéias,novos conceitos...
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Alto custo em P&D Baixo retorno  Necessidade de redução de investimentos em P&D Redução das inovações e clinical pipelines
Modelo de Inovação Fechado Modelo de Inovação Aberto Melese, T. et al.,  Nature Medicine , v. 5, 2009.
Modelo de Inovação Fechado Modelo de Inovação Aberto Chesbrough, H.W.  Open Innovation: The New Imperative for Creating And Profiting from Technology (Harvard  Business School Press, Boston, 2003)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Complexo Industrial de Saúde Brasileiro Informações gentilmente cedidas pelo Prof. Dr. Marcos A. Zago ex-Presidente do CNPq
Complexo Industrial de Saúde Brasileiro ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Informações gentilmente cedidas pelo Prof. Dr. Marcos A. Zago ex-Presidente do CNPq
Distribuição das Atividade de P&D
Artigos brasileiros publicados em periódicos científicos indexados pela Thomson/ISI (Institute for Scientific Information) e percentual em relação ao mundo, 1990-2008 Pedidos de patentes de invenção depositados no escritório de marcas e patentes dos EUA; alguns países, 2008 Artigos  X  Patentes  Fonte: Incites, da Thomson Reuters. Adaptado de Coordenação-Geral de Indicadores - ASCAV/SEXEC - Ministério da Ciência e Tecnologia Fonte: United States Patent and Trademark Office (USPTO) – 29/03/2010. Adaptado do Ministério da Ciência e Tecnologia
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Interação entre Universidade - Empresa
Mecanismos de Transferência de Tecnologia Conhecimento Científico Sociedade Necessidade Market Pull Conhecimento Technology Push Market Pull Necessidade das empresas levada à academia para que os pesquisadores possam solucioná-las. Technology Push Ocorre quando o conhecimento científico produzido de forma autônoma pelos pesquisadores é licenciado ou vendido para o setor privado.
Interação Universidade - Empresa Contribuições para a Universidade: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Contribuições para a Empresa:
Principais Desafios Publicar X Patentear Retorno Financeiro X Partilha de Resultados Sigilo de Informações X Difusão Conhecimento Ampla Informalidade X Parcerias Formalizadas Parcerias X Co-titularidade Conflito de Interesses LIMITES da Interação  Universidade - Empresa
Desafio da Interação Universidade - Empresa Estabelecimento de estruturas ou modelos de colaboração, de novos paradigmas  Novas Drogas Novos alvos terapêuticos Novos tratamentos Processos biotecnológicos Plataformas tecnológicas
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PODER  PÚBLICO Legislação Regulamentação Beneficios Instrumentos de fomento Fomentar e atrair investimento em atividades de inovação Atingir níveis de desenvolvimento de C&T&I Ambiente propício Políticas Públicas de Inovação Tecnológica
Marco Legal – Lei da Inovação  ,[object Object],[object Object],TR ÊS EIXOS Interação entre universidades, institutos tecnológicos e empresas Estímulo à participação de ICT’s no processo de inovação.  Incentivo à inovação nas empresas. Políticas Públicas de Inovação Tecnológica
Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação Meta 2010 1,5 % PIB em P,D&I Políticas Públicas de Inovação Tecnológica PITCE PACTI 2007-2010 MCT/FINEP MDIC/BNDES inovação Política de Estado
Caminhos dos projetos de P&D&I Projeto de Pesquisa inovador Proteção da Tecnologia Prova de Conceito Estratégia de Comercialização Licenciamento e  Produção NITs INCT ,[object Object],[object Object],[object Object],Viabilidade Técnica Viabilidade Econômica Viabilidade Legal Proteção da tecnologia Plano ou modelo de negócios Prospecção de Clientes
[object Object],[object Object],Estímulo a Inovação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Proteção da Tecnologia  ,[object Object],[object Object],[object Object],Questões Legais ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS Projeto de Pesquisa ou Idéia Inovadora Produção Comercialização P&D P&D EMPRESA UNIVERSIDADE Caracterização da Tecnologia Análise de Mercado Análise de Viabilidade Econômica PROVA DE CONCEITO Ciência Mercado Spin-off, Start-up,  Empresas de base tecnológica...
[object Object],Araújo et al., Quim Nova, 28, S26, 2005 “ É uma empresa criada para explorar uma propriedade intelectual gerada a partir de um trabalho de pesquisa desenvolvido em uma instituição de pesquisa.” Shane, S.;  Academic Entrepreneurship. University Spin-offs and Wealth Creation, Edward Elgar, Northampton: EUA, 2004 Algumas características importantes destas Empresas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Araújo et al., Quim Nova, 28, S26, 2005 Impacto das empresas  spin-off ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Incubadoras de Empresas Alavancar empresas  spin-off “ São empreendimentos que oferecem espaço físico, por tempo limitado, para a instalação de empresas, de base tecnológica ou tradicional, e que disponham de uma equipe técnica para dar suporte e consultoria a estas empresa.” Panorama 2000, ANPROTEC “ É um espaço/ambiente, no qual um novo negócio tem um endereço renomado e tem acesso a ferramentas, fontes de informações e relacionamentos Fabian Monds, Ulster University que necessitam para crescer saudavelmente e desenvolver sua capacidade de sobreviver no mercado competitivo.”
Serviços e facilidades oferecidos nas Incubadoras Espaço Físico Serviços Administrativos Sistema Telefônico Acesso à Internet Acesso à  Biblioteca Recepcionista Office-boy Copa Infra-estrutura Estacionamento Gestão em Negócios Pesquisa de Mercado Consultoria de Marketing Acesso a Órgãos de Financiamento Planejamento Econômico/Financeiro Comercialização de Tecnologia Órgãos Regulatórios Assessorias Consultorias de Gestão Apoio na Contratação  de  Serviços Contábeis  e Jurídicos Outros Serviços Networking Universidades/ Acadêmicos Potenciais Clientes Mídia Órgãos de Financiamento Investidores de risco Outros Incubados
Parceiros  ,[object Object],[object Object],[object Object]
Parceiros  ,[object Object],[object Object],Revista Locus, v.61, 2010
Parceiros  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],SISTEMA PAULISTA DE PARQUES TECNOLÓGICOS. CT&I PARA O DESENVOLVIMENTO  DO ESTADO DE SÃO PAULO, abril de 2009
Parceiros  ,[object Object],http://www.fipase.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=71&Itemid=53
Fomento  Instrumentos de incentivo a P&D&I ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fomento  Por que os instrumentos existem? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Czarnitzki, Hanel e Rosa (2004)
Fomento  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],A cobertura da FINEP abrange: 1- Pesquisa básica nas universidades; 2 - Pesquisa aplicada nos institutos de pesquisa; 3- Atividades de inovação nas empresas.
Fomento  Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fomento  Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fomento  Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP
Fomento  Programa RHAE Pesquisador na Empresa ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fomento  Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fomento  Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fomento  Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/cartilha/cartilha_apoio_inovacao.pdf
Fomento  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Simulador- ANPEI http://proinova.isat.com.br/SimuladorFinanceiro.aspx
Fundos de Capital de Risco Start up Angel Seed Capital Venture Capital Investimento de R$50 a R$ 500 mil Investimento de R$ 500 mil a R$ 2 milhões Growth stage  R$2 a R$10 milhões Start up Privaty Equity Empresas  com faturamento  > R$100 milhões/ano Mais de R$10 milhões PF ou Agências de Fomento –  Investimento em projeto PJ ou Agências de Fomento - Fase inicial da empresa PJ - Expansão da empresa PJ - Alavancagem da empresa Investimento de R$50 a R$ 500 mil Investimento de R$ 500 mil a R$ 2 milhões R$2 a R$10 milhões Mais de R$10 milhões
Gerenciamento  O Gerenciamento visa reduzir os riscos e as incertezas inerente dos Projetos de P&D&I. Quando é importante gerenciar projetos: Quando temos que desenvolver um produto complexo. Quando é necessário controlar prazos e custos. Quando é necessário compartilhar recursos especiais. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Gerenciamento  O que significa Gerenciar um projeto? É a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas em projetos com o objetivo de atingir ou até mesmo exceder às necessidades e expectativas dos clientes e demais partes interessadas do projeto. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Gerenciamento  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Como Gerenciar um projeto de P&D&I ?
Gerenciamento  ,[object Object],[object Object],Como Gerenciar um projeto de P&D&I ?
Gerenciamento  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Como Gerenciar um projeto de P&D&I ?
Gerenciamento  ,[object Object],Como Gerenciar um projeto de P&D&I ? Formação de um time: Como formar e organizar sua equipe de modo a torná-la um  time – algo  maior que a soma dos talentos individuais de cada um?  A  disciplina de gestão de projetos pode ser comparada a um conjunto de ferramentas de carpintaria. Ambas  foram projetadas para fins específicos, e ambas são  capazes de produzir resultados surpreendentes nas mãos de um mestre.  [Eric Verzuh]
Inovação como fator fundamental para o  desenvolvimento das empresas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],.
Criação de uma  Spin – Off Caso da empresa LYCHNOFLORA
Fitoterápicos: Mercado  FEBRAFARMA, 2007. Mercado Mundial: US$ 22 bilhões por ano.  Mercado Brasileiro: US$ 160 milhões por ano Cadeia Produtiva: R$ 1 bilhão por ano Taxa de crescimento interna  Fitoterápicos: 15% Medicamentos sintéticos: 4%
Fitoterápicos: Mercado
Fitoterápicos: Mercado  Das 252 drogas consideradas básicas e essenciais pela OMS, 11% são originárias de plantas e um número significativo são drogas sintéticas obtidas de precursores naturais.  80% da população mundial utiliza como recurso terapêutico plantas; formulações  contendo plantas ou derivados destas.  Biodiversidade brasileira pouco explorada: dos registros de medicamentos na ANVISA , menos de 30% são de plantas nativas da América do Sul.  Alto valor agregado: alcalóides da vinca chegam a 20 mil dólares o grama. WHO, 1998; Rates, 2001; Carvalho, 2008
Fitoterápicos: Mercado  Carvalho, 2008
Fitoterápicos: Regulamentação  Falta de credibilidade  dos  medicamentos fitoterápicos Princípios Ativos geralmente são desconhecidos. A padronização, estabilidade e o controle de qualidade, embora realizáveis, são de difícil execução. Dificuldade na obtenção e estabelecimento de marcadores químicos. Disponibilidade e a qualidade da matéria-prima vegetal. Ausência de estudos clínicos e toxicológicos para comprovar a eficiência e eficácia.
Qualidade Segurança Eficácia Clínica Fitoterápicos: Regulamentação  ,[object Object],[object Object]
[object Object],Somos especializados na extração, purificação, isolamento e identificação estrutural de substâncias oriundas de produtos naturais e sintéticos.
[object Object],Empregamos pioneirismo, técnicas de alta tecnologia e rigor científico no desenvolvimento dos nossos produtos e serviços.
[object Object]
[object Object],Pesquisa de Novos Ativos da Biodiversidade Brasileira Desenvolvimento de Produtos Inovadores Vender serviços para empresas da indústria da saúde Análises Químicas e Ensaios Biológicos, com certificado de análise Desenvolvimento de padrões e biomarcadores Vantagem competitiva: Parceria com Universidades e sistema de gerenciamento de projeto.
Nosso compromisso é oferecer um serviço customizado, direcionado às necessidades de cada um de nossos clientes. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A Lychnoflora possui  qualificação e experiência para o desenvolvimento de projetos inovadores visando auxiliar o desenvolvimento de novos produtos farmacêuticos de alto valor agregado.  Neste caso a Lychnoflora atua no mercado como uma CRO ( Contract Research Organization).
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],15 profissionais entre colaboradores contratados, bolsistas, estagiários e sócios ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
A Lychnoflora está sempre aberta a novas ideias e relacionamentos . www. lychnoflora .com.br [email_address] 16  3966-2383 – ramal 28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Antônio Diomário de Queiroz
 
Dra. eliane bahruth
Dra. eliane bahruthDra. eliane bahruth
Difusao tecnologica
Difusao tecnologicaDifusao tecnologica
Difusao tecnologica
Marcel Gois
 
Innovation
InnovationInnovation
Innovation
Mateus Cozer
 
Open Innovation Seminar 2008 - Mesa 1 - Sônia Tuccori - Natura
Open Innovation Seminar 2008 - Mesa 1 - Sônia Tuccori - NaturaOpen Innovation Seminar 2008 - Mesa 1 - Sônia Tuccori - Natura
Open Innovation Seminar 2008 - Mesa 1 - Sônia Tuccori - Natura
Allagi Open Innovation Services
 
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação TecnológicaInteração Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Portal Inovação UFMS
 
Eeits 2015 final
Eeits 2015 finalEeits 2015 final
Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba
Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberabaPalestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba
Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba
tiuberaba
 
Obstáculos à inovação
Obstáculos à inovação Obstáculos à inovação
Obstáculos à inovação
Rodrigo Cristóvão
 
Curso embrapa seropédica eduardo grizendi julho 2013 v final
Curso embrapa seropédica   eduardo grizendi julho 2013 v final Curso embrapa seropédica   eduardo grizendi julho 2013 v final
Curso embrapa seropédica eduardo grizendi julho 2013 v final
Eduardo Grizendi
 
Prospecção tecnológica
Prospecção tecnológicaProspecção tecnológica
Prospecção tecnológica
NIT Rio
 
Bioeconomia e o Setor Sucroenergético
Bioeconomia e o Setor SucroenergéticoBioeconomia e o Setor Sucroenergético
Bioeconomia e o Setor Sucroenergético
Wilson A. Araujo
 
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PA...
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PA...PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PA...
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PA...
Gorete Figueiredo
 
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Fabiano Armellini
 
Gestão de Prospecção Tecnológica NIT Rio
Gestão de Prospecção Tecnológica NIT RioGestão de Prospecção Tecnológica NIT Rio
Gestão de Prospecção Tecnológica NIT Rio
NIT Rio
 
Prospecção tecnológica para aulas
Prospecção tecnológica para aulasProspecção tecnológica para aulas
Prospecção tecnológica para aulas
Danilo Câmara
 
Inovação e estratégia
Inovação e estratégiaInovação e estratégia
Inovação e estratégia
Marco Oliveira
 
20150525 apresentação defesa final
20150525 apresentação defesa   final20150525 apresentação defesa   final
20150525 apresentação defesa final
Luiza Pinheiro Alves da Silva
 
Campus Party FIESP - 2013
Campus Party FIESP - 2013Campus Party FIESP - 2013
Campus Party FIESP - 2013
startupsevolution
 
Onde está a inovacao no Brasil?
Onde está a inovacao no Brasil?Onde está a inovacao no Brasil?
Onde está a inovacao no Brasil?
Inventta
 

Mais procurados (20)

Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência EmpresarialInovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
Inovação e Criatividade para a Gestão e Vivência Empresarial
 
Dra. eliane bahruth
Dra. eliane bahruthDra. eliane bahruth
Dra. eliane bahruth
 
Difusao tecnologica
Difusao tecnologicaDifusao tecnologica
Difusao tecnologica
 
Innovation
InnovationInnovation
Innovation
 
Open Innovation Seminar 2008 - Mesa 1 - Sônia Tuccori - Natura
Open Innovation Seminar 2008 - Mesa 1 - Sônia Tuccori - NaturaOpen Innovation Seminar 2008 - Mesa 1 - Sônia Tuccori - Natura
Open Innovation Seminar 2008 - Mesa 1 - Sônia Tuccori - Natura
 
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação TecnológicaInteração Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
Interação Universidade-Empresa em Projetos de Inovação Tecnológica
 
Eeits 2015 final
Eeits 2015 finalEeits 2015 final
Eeits 2015 final
 
Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba
Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberabaPalestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba
Palestra oportunidades editais novembro 2013 uberaba
 
Obstáculos à inovação
Obstáculos à inovação Obstáculos à inovação
Obstáculos à inovação
 
Curso embrapa seropédica eduardo grizendi julho 2013 v final
Curso embrapa seropédica   eduardo grizendi julho 2013 v final Curso embrapa seropédica   eduardo grizendi julho 2013 v final
Curso embrapa seropédica eduardo grizendi julho 2013 v final
 
Prospecção tecnológica
Prospecção tecnológicaProspecção tecnológica
Prospecção tecnológica
 
Bioeconomia e o Setor Sucroenergético
Bioeconomia e o Setor SucroenergéticoBioeconomia e o Setor Sucroenergético
Bioeconomia e o Setor Sucroenergético
 
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PA...
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PA...PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PA...
PROSPECÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA POR MEIO DE BANCOS DE PUBLICAÇÕES E DE PA...
 
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a ref...
 
Gestão de Prospecção Tecnológica NIT Rio
Gestão de Prospecção Tecnológica NIT RioGestão de Prospecção Tecnológica NIT Rio
Gestão de Prospecção Tecnológica NIT Rio
 
Prospecção tecnológica para aulas
Prospecção tecnológica para aulasProspecção tecnológica para aulas
Prospecção tecnológica para aulas
 
Inovação e estratégia
Inovação e estratégiaInovação e estratégia
Inovação e estratégia
 
20150525 apresentação defesa final
20150525 apresentação defesa   final20150525 apresentação defesa   final
20150525 apresentação defesa final
 
Campus Party FIESP - 2013
Campus Party FIESP - 2013Campus Party FIESP - 2013
Campus Party FIESP - 2013
 
Onde está a inovacao no Brasil?
Onde está a inovacao no Brasil?Onde está a inovacao no Brasil?
Onde está a inovacao no Brasil?
 

Semelhante a Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento

O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
Roberto C. S. Pacheco
 
KraftGreen
KraftGreen KraftGreen
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos AlbertoINOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
NIT Rio
 
Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005
kleber.torres
 
Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05
kleber.torres
 
Cultura para Inovação
Cultura para InovaçãoCultura para Inovação
Cultura para Inovação
Roberto C. S. Pacheco
 
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do ConhecimentoSistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Roberto C. S. Pacheco
 
Propriedade Intelectual na Universidade
Propriedade Intelectual na UniversidadePropriedade Intelectual na Universidade
Propriedade Intelectual na Universidade
PET Engenharia Elétrica
 
Palestra VI SIMINOVE: Formação acadêmica, empreendedorismo e inovação - Adri...
Palestra VI SIMINOVE: Formação acadêmica, empreendedorismo e inovação -  Adri...Palestra VI SIMINOVE: Formação acadêmica, empreendedorismo e inovação -  Adri...
Palestra VI SIMINOVE: Formação acadêmica, empreendedorismo e inovação - Adri...
Sistema Mineiro de Inovação
 
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Antônio Diomário de Queiroz
 
Aula 16
Aula 16Aula 16
Open Innovation no Brasil
Open Innovation no BrasilOpen Innovation no Brasil
Open Innovation no Brasil
annajuenemann
 
Propriedade Intelectual
Propriedade IntelectualPropriedade Intelectual
Propriedade Intelectual
Rafael F. Buzon
 
Ufsc inovação colaborativa
Ufsc   inovação colaborativaUfsc   inovação colaborativa
Ufsc inovação colaborativa
Jose Claudio Terra
 
Inovacao.docx
Inovacao.docxInovacao.docx
Inovacao.docx
Isabela Rehem Vargas
 
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGVFinanciamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Hudson Mendonça
 
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
guest5555c1
 
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo HorizontePalestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Sistema Mineiro de Inovação
 
TECNOPUC
TECNOPUC TECNOPUC
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos MundiaisOportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
BRAIN Brasil Inovação
 

Semelhante a Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento (20)

O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimentoO conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
O conhecimento tecnológico e a gestão do conhecimento
 
KraftGreen
KraftGreen KraftGreen
KraftGreen
 
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos AlbertoINOVA UPS 2011_Carlos Alberto
INOVA UPS 2011_Carlos Alberto
 
Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005Brasiltec out/2005
Brasiltec out/2005
 
Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05Brasiltec 10 05
Brasiltec 10 05
 
Cultura para Inovação
Cultura para InovaçãoCultura para Inovação
Cultura para Inovação
 
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do ConhecimentoSistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
Sistema Nacional de Inovacao e o papel da Gestao do Conhecimento
 
Propriedade Intelectual na Universidade
Propriedade Intelectual na UniversidadePropriedade Intelectual na Universidade
Propriedade Intelectual na Universidade
 
Palestra VI SIMINOVE: Formação acadêmica, empreendedorismo e inovação - Adri...
Palestra VI SIMINOVE: Formação acadêmica, empreendedorismo e inovação -  Adri...Palestra VI SIMINOVE: Formação acadêmica, empreendedorismo e inovação -  Adri...
Palestra VI SIMINOVE: Formação acadêmica, empreendedorismo e inovação - Adri...
 
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
Fomento científico e tecnológico à Inovação e ao desenvolvimento de Santa Cat...
 
Aula 16
Aula 16Aula 16
Aula 16
 
Open Innovation no Brasil
Open Innovation no BrasilOpen Innovation no Brasil
Open Innovation no Brasil
 
Propriedade Intelectual
Propriedade IntelectualPropriedade Intelectual
Propriedade Intelectual
 
Ufsc inovação colaborativa
Ufsc   inovação colaborativaUfsc   inovação colaborativa
Ufsc inovação colaborativa
 
Inovacao.docx
Inovacao.docxInovacao.docx
Inovacao.docx
 
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGVFinanciamento Público a Inovação - Aula FGV
Financiamento Público a Inovação - Aula FGV
 
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
20080311.Sucesu BenefíCios Da Lei Catarinense De InovaçãO Para O Setor Empres...
 
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo HorizontePalestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
Palestra do Glaucius Oliva no VIII Siminove - Belo Horizonte
 
TECNOPUC
TECNOPUC TECNOPUC
TECNOPUC
 
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos MundiaisOportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
Oportunidades de Inovação para os Jogos Esportivos Mundiais
 

Projeto de p&d&i parceiros, fomento e gerenciamento

  • 1. Dr. Daniel Roberto Callejon Diretor Científico [email_address]
  • 3.
  • 4. Modelo de Inovação Fechado Modelo de Inovação Aberto Melese, T. et al., Nature Medicine , v. 5, 2009.
  • 5. Modelo de Inovação Fechado Modelo de Inovação Aberto Chesbrough, H.W. Open Innovation: The New Imperative for Creating And Profiting from Technology (Harvard Business School Press, Boston, 2003)
  • 6.
  • 7.
  • 9. Artigos brasileiros publicados em periódicos científicos indexados pela Thomson/ISI (Institute for Scientific Information) e percentual em relação ao mundo, 1990-2008 Pedidos de patentes de invenção depositados no escritório de marcas e patentes dos EUA; alguns países, 2008 Artigos X Patentes Fonte: Incites, da Thomson Reuters. Adaptado de Coordenação-Geral de Indicadores - ASCAV/SEXEC - Ministério da Ciência e Tecnologia Fonte: United States Patent and Trademark Office (USPTO) – 29/03/2010. Adaptado do Ministério da Ciência e Tecnologia
  • 10.
  • 11. Mecanismos de Transferência de Tecnologia Conhecimento Científico Sociedade Necessidade Market Pull Conhecimento Technology Push Market Pull Necessidade das empresas levada à academia para que os pesquisadores possam solucioná-las. Technology Push Ocorre quando o conhecimento científico produzido de forma autônoma pelos pesquisadores é licenciado ou vendido para o setor privado.
  • 12.
  • 13. Principais Desafios Publicar X Patentear Retorno Financeiro X Partilha de Resultados Sigilo de Informações X Difusão Conhecimento Ampla Informalidade X Parcerias Formalizadas Parcerias X Co-titularidade Conflito de Interesses LIMITES da Interação Universidade - Empresa
  • 14. Desafio da Interação Universidade - Empresa Estabelecimento de estruturas ou modelos de colaboração, de novos paradigmas Novas Drogas Novos alvos terapêuticos Novos tratamentos Processos biotecnológicos Plataformas tecnológicas
  • 15.
  • 16. PODER PÚBLICO Legislação Regulamentação Beneficios Instrumentos de fomento Fomentar e atrair investimento em atividades de inovação Atingir níveis de desenvolvimento de C&T&I Ambiente propício Políticas Públicas de Inovação Tecnológica
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. Incubadoras de Empresas Alavancar empresas spin-off “ São empreendimentos que oferecem espaço físico, por tempo limitado, para a instalação de empresas, de base tecnológica ou tradicional, e que disponham de uma equipe técnica para dar suporte e consultoria a estas empresa.” Panorama 2000, ANPROTEC “ É um espaço/ambiente, no qual um novo negócio tem um endereço renomado e tem acesso a ferramentas, fontes de informações e relacionamentos Fabian Monds, Ulster University que necessitam para crescer saudavelmente e desenvolver sua capacidade de sobreviver no mercado competitivo.”
  • 30. Serviços e facilidades oferecidos nas Incubadoras Espaço Físico Serviços Administrativos Sistema Telefônico Acesso à Internet Acesso à Biblioteca Recepcionista Office-boy Copa Infra-estrutura Estacionamento Gestão em Negócios Pesquisa de Mercado Consultoria de Marketing Acesso a Órgãos de Financiamento Planejamento Econômico/Financeiro Comercialização de Tecnologia Órgãos Regulatórios Assessorias Consultorias de Gestão Apoio na Contratação de Serviços Contábeis e Jurídicos Outros Serviços Networking Universidades/ Acadêmicos Potenciais Clientes Mídia Órgãos de Financiamento Investidores de risco Outros Incubados
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. Fomento Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46. Fundos de Capital de Risco Start up Angel Seed Capital Venture Capital Investimento de R$50 a R$ 500 mil Investimento de R$ 500 mil a R$ 2 milhões Growth stage R$2 a R$10 milhões Start up Privaty Equity Empresas com faturamento > R$100 milhões/ano Mais de R$10 milhões PF ou Agências de Fomento – Investimento em projeto PJ ou Agências de Fomento - Fase inicial da empresa PJ - Expansão da empresa PJ - Alavancagem da empresa Investimento de R$50 a R$ 500 mil Investimento de R$ 500 mil a R$ 2 milhões R$2 a R$10 milhões Mais de R$10 milhões
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54. Criação de uma Spin – Off Caso da empresa LYCHNOFLORA
  • 55. Fitoterápicos: Mercado FEBRAFARMA, 2007. Mercado Mundial: US$ 22 bilhões por ano. Mercado Brasileiro: US$ 160 milhões por ano Cadeia Produtiva: R$ 1 bilhão por ano Taxa de crescimento interna Fitoterápicos: 15% Medicamentos sintéticos: 4%
  • 57. Fitoterápicos: Mercado Das 252 drogas consideradas básicas e essenciais pela OMS, 11% são originárias de plantas e um número significativo são drogas sintéticas obtidas de precursores naturais. 80% da população mundial utiliza como recurso terapêutico plantas; formulações contendo plantas ou derivados destas. Biodiversidade brasileira pouco explorada: dos registros de medicamentos na ANVISA , menos de 30% são de plantas nativas da América do Sul. Alto valor agregado: alcalóides da vinca chegam a 20 mil dólares o grama. WHO, 1998; Rates, 2001; Carvalho, 2008
  • 58. Fitoterápicos: Mercado Carvalho, 2008
  • 59. Fitoterápicos: Regulamentação Falta de credibilidade dos medicamentos fitoterápicos Princípios Ativos geralmente são desconhecidos. A padronização, estabilidade e o controle de qualidade, embora realizáveis, são de difícil execução. Dificuldade na obtenção e estabelecimento de marcadores químicos. Disponibilidade e a qualidade da matéria-prima vegetal. Ausência de estudos clínicos e toxicológicos para comprovar a eficiência e eficácia.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66. A Lychnoflora possui qualificação e experiência para o desenvolvimento de projetos inovadores visando auxiliar o desenvolvimento de novos produtos farmacêuticos de alto valor agregado. Neste caso a Lychnoflora atua no mercado como uma CRO ( Contract Research Organization).
  • 67.  
  • 68.
  • 69.
  • 70.  
  • 71. A Lychnoflora está sempre aberta a novas ideias e relacionamentos . www. lychnoflora .com.br [email_address] 16 3966-2383 – ramal 28