SlideShare uma empresa Scribd logo
O Paisagismo na História Ocidental
Brasil – Paisagismo Moderno e Contemporâneo
Profa. Cássia Mariano - 2011.
BRASIL - ANTECEDENTES:
O país das florestas
Pujança;
Riqueza;
Jardins botânicos e
passeios públicos
(Carta Régia 1798):
Pará, Pernambuco,
Bahia, Minas Gerais e
São Paulo.
preocupação da Coroa
Portuguesa:
conhecimento e
potencialidades
econômicas da flora
local e aclimatação da
exótica, nos caracteres:
científico, agrícola e
econômico                    Mata Atlântica, São Paulo.
Rio de Janeiro, monumento à
                                                     flora e à paisagem;
                                                     Profundas reformas desde 1808;
                                                     1916: Missão Francesa; Gradjean
                                                     de Montigny - Missão Artística,
                                                     1816 - aclimata o classicismo na
                                                     arquitetura e os jardins continuam
                                                     imitando modelos europeus nas
                                                     formas e escolhas das essências;
                                                     Major Archer – 1862 –
                                                     reflorestamento da Tijuca a partir
                                                     de maciços heterogêneos de
                                                     espécies nativas – proteção aos
                                                     mananciais;




Rugendas, retratando a floresta da Tijuca, séc.19.
Passeio público, R. J. – Mestre Valentim.




Mestre Valentim: arquiteto e escultor, traçou recinto ajardinado sobre as áreas
alagadiças e de charcos da lagoa do Boqueirão da Ajuda: Passeio Público.
O Passeio Público remodelado por Auguste Glaziou: Campo de Santana e
construção dos Jardins da Quinta da Boa Vista - 1858 – nomeado pelo imperador chefe
de Parques e Jardins da Cidade do Rio de Janeiro - herbário de +/- 24mil espécies remetidas para Paris;
as realizações urbanísticas de Glaziou são referências para Burle Marx.
Auguste Glaziou -
                                               Campo de Santana,
                                               RJ.
                                               Síntese das tradições
                                               em voga na Europa:
                                               O pitoresco do
                                               jardim inglês e o
                                               formalismo do
                                               jardim francês.




Campo de Santana, 2005 e na imagem de época,
após a remodelação de Glaziou, 1880.
Quinta da Boa Vista, Rio de Janeiro.




Glaziou introduz o
jardim paisagista
inglês, com traços
formalistas do
jardim francês: “o
olhar do
paisagista e a
ciência da
botânica são os
instrumentos de
trabalho” ( Segawa, 2003)
São Paulo




Parque do
Anhangabaú,
déc.1920. Bouvard e
Cochet;
Várzeas saneadas e
parques centrais.




                      Destaque da planta Sara Brasil, 1930
Parque do Anhangabaú, em
postais; Bouvard e Cochet;
Parque dom Pedro II, várzea do Carmo. Projeto de Bouvard, década 1920.




Inundação na Várzea do Carmo, Benedito Calixto   Parque do Carmo, Ilha dos Amores, década de 1930.
Paisagismo moderno -
Brasil




                                                            Parque do Flamengo, B. Marx.

 Roberto Burle Marx (1909 – 1994) – fusão (mimese) das artes plásticas com a
 botânica moderna;
 Inaugura o paisagismo moderno em escala mundial transição da arte abstrata
 para a paisagem; fusão entre as artes e a ciência, técnica e estética para o
 desenho da paisagem – cria o paisagismo moderno, no Brasil, em 1932;
 Referências: Jardins europeus, Auguste Glaziou, Cândido Portinari, a exuberância
 da flora brasileira e a sinuosidade de nossos rios;
 Utiliza vegetação por sua individualidade e por sua textura como conjunto.
Roberto Burle Marx – 1905 - 1994

                                    Paisagem definida como exigência estética,
                                    necessidade absoluta para a vida humana –
                                    obra reitera a vegetação, como a maior
                                    riqueza do país, mote de seu trabalho;

                                    Uso de flora autóctone, como elemento de
                                    identidade, conhecimento e valorização;

                                    Conhecimento da flora brasileira – exercícios
                                    de desenho nos jardim botânico de Dahlem,
                                    Alemenha, déc. 1920;




ENBA – transferência da Arquitetura
para Artes Plásticas, por sugestão de
Lúcio Costa; Por este, o projeto para
os jardins da residência Schwartz,
1932, co-autoria de G. Warchavchik.
                                                Jardins do MES, guache, 1938
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneo
Residência Odette Monteiro, B. Marx
Corrêas, RJ. 1948 e 1988.

Próxima à serra dos Órgãos, RJ,
valorização das montanhas e uso de
vegetação autóctone;
Modelado de terreno com criação de
morrotes e depressões para conduzir
o olhar à riqueza da paisagem
circundante.
Residência Kronsfoth, B. Marx
Teresópolis, 1955.

Exploração de valores como cor,
textura, luz – uso de uma série de
elementos vegetais, pouco
utilizados até então;
O jardim captura a paisagem
circundante, como experiência
sensitiva.




“são formas de tocar, sublimar,
sentir ou estabelecer valores
culturalmente determinados”
Flávio Motta, 1986.
Hospital Sul-América, Burle Marx.
RJ, 1955.




Intensas relações formais entre o
gramado e o piso, o muro e o
banco, entre espelho d’água,
calçamento de pedra e vegetação
colorida;
Sentido de complementaridade
e precisão absoluta dos
elementos incorporados;
Tensão na descentralização.
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneo
São Paulo, 1950.




                                             Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, 1950
Otavio Augusto Teixeira Mendes (1907 –
1988) –
espaços projetados para estimular
sensações de prazer, paisagem para ser
vivida.
Dinamismo e estrutura explícitos, harmonia
e coesão, composições sofisticadas entre
vegetação e formas de relevo, valorização
de perspectivas.
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneo
O parque como ambiência e
espaço de convívio é produto da
proposta de Teixeira Mendes.

                                                Parque do Ibirapuera, 1952.


                                  Parque do Ibirapuera, 1952 –
                                  sinuosidades para capturar perspectivas
                                  da cidade a partir do parque; lagos,
                                  superfícies de grande perímetro e
                                  larguras diferenciadas; reflexibilidade,
                                  placidez e horizontalidade.
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneo
Paisagismo moderno-
América do Norte




 Thomas Church, Donnel Garden, 1948.
 Sofisticação no plano e tratamento formal –
 espaços adquirem complexidade quando
 vistos em perspectiva. Conexão estética
 dinâmica entre o projeto e o entorno.
Paisagismo moderno




Garret Eckbo, “ a paisagem é para se
viver” – 1950 –
A paisagem é algo que vemos ou
sentimos ao nosso redor, condicionada
pela cultura e desejos e expectativas;
- paisagismo moderno transmutado em
filosofia e arte, incorpora as ciências
ecológicas e os processos naturais –
relações humanas no meio bio-físico.
Paisagem e ambiente são sinônimos;
Desenho é produto e processo;
Elementos de ordenação: espaço, tempo,
luz, formas de terra, elementos
construídos, vegetação.
Paisagismo moderno



Lawrence Halprin, déc. 1960 –
envolvido com a natureza e seus
processos como elementos de
identidade própria dos lugares e
suas comunidades;




O desenho da paisagem requer
envolvimento participativo –
processo tão importante quanto o
projeto (resultado) obtido;
Conceitos de natureza e ecossistema
estão implícitos no processo, que é
sempre dinâmico, assim como a
paisagem.
Lawrence Halprin, 68.
Sistema de Espaços Livres de Portland.
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneo
Lawrence Halprin, 70’s.


Sea Ranch: estudo ecológico –
questão climática - diagrama de
Olgay - relação de necessidades
bioclimáticas;
A paisagem foi determinante
para a solução paisagista e
arquitetônica e as implicações
ecológicas foram respeitadas.
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneo
Paisagismo contemporâneo
Primórdios: década ambiental ~ década 1960
Paisagem e ambiente interdependentes;
Mc Harg: Design with Nature – base para o
desenho ambiental, políticas ambientalistas ...
plano e projeto do território
“Ecologia = Economia”
Ian Mc Harg.
Em 1954 - Universidade da Pensilvânia – cria o departamento de arquitetura da
paisagem - trabalho antológico – parte publicado em,
Design with Nature, 1969 - a ecologia, as ciências ambientais e as
manifestações culturais estão na gênese e no manejo da paisagem.
Metodologia de Planejamento da Paisagem.




Carta de vegetação, Design with Nature, Mc. Harg
Brasil
1972 – Conferência de Estocolmo;
Emerge na escala global a consciência do padrão equivocado da urbanização
e do desenvolvimento vigentes; ressalta-se a importância de preservar e
conservar os últimos remanescentes de paisagens naturais;
a conservação e manejo de recursos são tomados como pré-requisitos de um
novo conceito de desenvolvimento – arcabouço do desenvolvimento
sustentável.
Políticas Nacionais de Meio Ambiente – no Brasil, criação da Secretaria do
Meio Ambiente, e na década de 1980 a avançada Legislação Ambiental –
CONAMA – 1986 – obrigatoriedade de EIA / RIMA para projetos com alteração
de condições físicas, bióticas e socioeconômicas.
Planejamento paisagístico – necessário equipe multi e interdisciplinar;


Conscientização ecológica
Eco 92 –
No Brasil, o CONAMA legisla
sobre as APAs: “unidades de
conservação, destinadas a
proteger e preservar a
qualidade ambiental e os
sistemas naturais ali
existentes, visando à
melhoria da qualidade de vida
da população local e também
objetivando a proteção dos
ecossistemas regionais... As
Apas terão sempre um
zoneamento ecológico-
econômico”




Até o final da década de 1980
foram criadas 19 Apas no
estado.
CONTEMPORANEIDADE:
MODERNIDADE:
                                            SOCIEDADE: pós-industrial –
SOCIEDADE: industrial – setores de
                                            globalização;
produção / produção seriada;
                                            Sociedades pós-modernas:
                                            historicistas, simulacros.


ESTÉTICA: moderna – projeto
                                            ESTÉTICA:         Desconstrutivismo;
privilegiam a estrutura – visão do todo e
do todo nas partes;                                           Minimalismo;
A estrutura é bela, revela a essência,                        Pós-modernismo;
deve ser aparente;
                                                              Ambientalismo.
Figura e fundo são complementares e
compositivos.
                                            FILOSOFIA (ciências sociais):
                                            Pós-estruturalismo;
FILOSOFIA (ciências sociais):
                                            A história não evolui linearmente;
Estruturalista;
                                            Fragmentação, colagem, diversidade;
Concretista e dialética
                                            Complexidade;
Movimento que forma a totalidade.
                                            Desordem, dispersão, difuso.
Parque de La Villette, Bernard Tschumi, 1983. Desconstrução da paisagem –
sobreposição de 3 sistemas ordenadores, ponto – reta - plano. Remodelação
a noroeste de Paris.
Parque de La Villette, Bernard Tschumi.
Paisagismo contemporâneo
                                                Estéticas:
                                                Desconstrutivismo;
                                                Minimalismo;
                                                Metáfora na paisagem
                                                (ironia);
                                                Historicismo;
                                                Visão ecossistêmica;




George Hargreaves, San José Plaza,
Califórnia, 1998. Desconstrução e metáfora da
paisagem.
Desconstrução: base filosófica ao desenho –
sistemas autônomos, justapostos que podem
desbaratar a composição / negam hierarquia ou
sistema ordenador ou hegemonia.
Parque do Tejo e do Trancão, George
Hargreaves, 1998.

Usos e atividades previstas em
consonância aos processos ecológicos
e de resguardo (recuperação) do sítio, e
os processos com a água e a terra; O
Centro de educação ambiental
propicia oportunidade de aprendizado
sobre as áreas junto às águas
Parque do Tejo e Trancão,
Lisboa, Hargreaves, 1998
Arte ambiental (Land art):
Manifestação – expressão da natureza como processos e forças; “influência
libertadora no paisagismo cultural”( Franco), interação do artista com o meio
ambiente.




                                        Lightning Field, Walter de Maria, N. México, 70’s
Piazza d’Italia, N. Orleans, Charles Moore,
70’s
Tunner Fountain, Peter Walker, Harvard, 90’s.




                               Simbolismo e metáfora;
                               estrutura minimalista
Memorial WTC
Peter Walker, 2011




Poética e lirismo de
introspecção, minimalismo
Centro de Tecnologia e
Ciências Avançadas,
Hyogo, Japão, 1993.
Peter Walker & Partners
Peter Walker & Partners
Centro de Tecnologia e Ciências Avançadas,
Hyogo, Japão, 1993.
Martha Schwartz, 90’s
Ênfase na responsabilidade
ambiental e ironia como estética.




                                     Jacob Javits Plaza, NY




Center for Innovative
Technology, Herndon, USA            Courthouse Plaza, Japão.
Diusburg Nord, Peter Latz, 2000’s
Relação da arte abstrata com a
paisagem, a ecologia e a sociedade;
Desenho: layers que perpassam
sistemas naturais e culturais do
espaço.
Floriade, Haya, Holanda. Michiel den Ruijter, 1990’s.
Parque da Gleba E, Fernando
Chacel, 90’s.
Primeira intervenção com intenções
de incorporar princípios
conservacionistas e preservacionistas
de recuperação de ecossistemas na
região da barra da Tijuca, RJ. –
princípio da ecogênese;
- Projeto pauta-se na recomposição
possível dos ecossistemas do
mangue, restinga e o parque.

Início da implantação: recuperação, preparo do
solo e primeiros plantios.
Fernando Chacel:
                              Recomposição
                              ambiental no
                              conjunto de parques
                              lineares na Barra da
                              Tijuca;


                              Ecogênese: ação
                              humana, parte
                              integrante da
                              paisagem cultural
                              que utiliza, para
                              recuperação dos
                              componentes
                              bióticos, associações
                              e indivíduos que
                              compunham os
Parque Fazenda da Restinga,   ecossistemas
Barra da Tijuca, RJ, 90’s.    originais.              Parque da Gleba E, 90’s.
Charles Waldheim
Infraestrutura verde como partido –
sistemas naturais na base de manejo
nas cidades ... Retornar os ciclos
naturais que se perderam;
Revisão na forma de manejo, de
tratamento e de conservação
tradicionais (eng. civil), considerados
obsoletos por sistemas “naturais”
                                          Tratamento da baia de Ashbridges, Toronto, Canadá.
Kongjian Yu,
Matrizes naturais + matrizes culturais
sobrepostas
Red Ribbon River Park, Kongjian Yu,
2000’s

Matrizes ecológicas e elemento lúdico
de amarração.
A paisagem como máquina viva:
minimizar intervenções; deixar “a
natureza trabalhar”; valorizar o comum
e reciclar o existente.
Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning;
Kongjian Yu, Taizhou, China, 2006.



Solução projetual: O parque é composto por
dois“layers”:

- matriz natural sobreposta pela
- matriz humana, o jardim flutuante.

A matriz natural é composta pela wetland e pela
vegetação projetada a partir do processo de cheias
e do ecossistema original - paralelo à ecogênese-
Sobre esta matriz flutuam os jardins humanos,
composto por um sistema a incluir:
- a matriz das árvores;
- rede de caminhos e circulação;
- a matriz das caixas de histórias (story boxes);


                                                     Yongning River Park, Taizhou, 2006
Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning;


O plano de massas            Wetland ripária
baseia-se na carta de
águas e constitui
alternativa ecológica para   Lago externo, wetland
as águas de chuvas;
sistema de wetland é
constituído, dentro e fora   Caixas de histórias
                             flutuantes
da área das margens, nas
quais vegetação ripária é
introduzida;                 Sistema de caminhos
                             flutuantes


A partir deste quadro, a
                             Matriz arbórea
dinâmica da paisagem é
constituída, onde os
jardins de elementos
                             Plano de massas
humanos podem flutuar.
Paisagismo   brasil moderno e contemporâneo
Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning;




Matriz
ambiental;
Herbáceas
ripárias
nativas foram
utilizadas na
consolidação
das margens
do rio e para
criar
espacialidade
atrativa –
ambiência –
ao visitante.
Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning;




Matriz humana;
Casa de chá:
ambiência com a
paisagem no
entorno.
Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning;




Plataforma transparente flutua sobre a wetland construída e permite fluxos de águas durante a
estação das cheias
Bibliografia:
Laurie, M. Introducción a la Arquitectura del Paisaje. Barcelona: GG, 1990. cap 2.
Newton, N. Design on the Land. Harvard: MIT Press, 1986.
Jellicoe, G. El Paisaje del Hombre. Barcelona: GG, 1995.
Dourado, G. Visões da Paisagem. S. Paulo: ABAP, 1997.
Franco, Maria. Planejamento ambiental.
Leenhardt, J. Nos Jardins de Burle Marx. S. Paulo: Perspectiva, 1996.
Montero, M. Burle Marx, paisajes liricos.
Motta, F. Roberto Burle Marx e a nova visão da paisagem. S. Paulo, Nobel, 1983.

Process: Architecture. Lawrence Halprin.
Process: Architecture. Garrett Eckbo.
Mariano, Cássia. Preservação e paisagismo em São Paulo: O A Teixeira Mendes.
Toledo, Benedito. S. Paulo:três cidades em um século.

Holden, R. Diseño del espacio público. Barcelona: GG, 1996.

Fundação Maria Luisa e Oscar Americano. Guia do parque.

YU, Kongjian. The Art of Survive.
O Paisagismo na História Ocidental
Brasil – Paisagismo Moderno e Contemporâneo
Profa. Cássia Mariano - 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceito de paisagismo
Conceito de paisagismoConceito de paisagismo
Conceito de paisagismo
Juliana Oliveira
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
3C Arquitetura e Urbanismo
 
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
François Urban, MBA
 
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Lila Donato
 
Jardins renascentistas
Jardins renascentistasJardins renascentistas
Jardins renascentistas
Rodrigo Machado
 
1 paisagismo - introdução
1 paisagismo - introdução1 paisagismo - introdução
1 paisagismo - introdução
Urban Acabamentos
 
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar   terreno e seus condicionantesEstudo preliminar   terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Rômulo Marques
 
Jardim Contemporâneo
Jardim ContemporâneoJardim Contemporâneo
Jardim Contemporâneo
Sabrina Nascimento
 
Historia dos jardins
Historia dos jardins Historia dos jardins
Historia dos jardins
ANTONIO NETTO
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robbaPracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robba
Urban Acabamentos
 
Jardins dos Estados Unidos – Século XIX
Jardins dos Estados Unidos – Século XIXJardins dos Estados Unidos – Século XIX
Jardins dos Estados Unidos – Século XIX
ARQ210AN
 
Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismoTipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
Angélica Vidal
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
glauci coelho
 
AULA 3 - PAISAGISMO NO BRASIL-MODERNISMO.pdf
AULA 3 - PAISAGISMO  NO BRASIL-MODERNISMO.pdfAULA 3 - PAISAGISMO  NO BRASIL-MODERNISMO.pdf
AULA 3 - PAISAGISMO NO BRASIL-MODERNISMO.pdf
PaulaMariaMagalhesTe
 
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASPLina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Bruna Fonseca
 
Equipamentos urbanos
Equipamentos urbanosEquipamentos urbanos
Equipamentos urbanos
Caliandra Desenhos
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppfPracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Urban Acabamentos
 
Elementos utilizados para fazer um jardim
Elementos utilizados para fazer um jardimElementos utilizados para fazer um jardim
Elementos utilizados para fazer um jardim
Ana Cunha
 
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SP
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SPPRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SP
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SP
Juliana Carvalho
 
Museu da Língua Portuguesa
Museu da Língua PortuguesaMuseu da Língua Portuguesa
Museu da Língua Portuguesa
Jéssica Lucas
 

Mais procurados (20)

Conceito de paisagismo
Conceito de paisagismoConceito de paisagismo
Conceito de paisagismo
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
Sesc Pompeia - Lina Bo Bardi (Estudo de Caso)
 
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
Elaboração de plano conceitual no Projeto Paisagístico.
 
Jardins renascentistas
Jardins renascentistasJardins renascentistas
Jardins renascentistas
 
1 paisagismo - introdução
1 paisagismo - introdução1 paisagismo - introdução
1 paisagismo - introdução
 
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar   terreno e seus condicionantesEstudo preliminar   terreno e seus condicionantes
Estudo preliminar terreno e seus condicionantes
 
Jardim Contemporâneo
Jardim ContemporâneoJardim Contemporâneo
Jardim Contemporâneo
 
Historia dos jardins
Historia dos jardins Historia dos jardins
Historia dos jardins
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robbaPracas-brasileiras-fabio-robba
Pracas-brasileiras-fabio-robba
 
Jardins dos Estados Unidos – Século XIX
Jardins dos Estados Unidos – Século XIXJardins dos Estados Unidos – Século XIX
Jardins dos Estados Unidos – Século XIX
 
Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismoTipos vegetais aplicados ao paisagismo
Tipos vegetais aplicados ao paisagismo
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
 
AULA 3 - PAISAGISMO NO BRASIL-MODERNISMO.pdf
AULA 3 - PAISAGISMO  NO BRASIL-MODERNISMO.pdfAULA 3 - PAISAGISMO  NO BRASIL-MODERNISMO.pdf
AULA 3 - PAISAGISMO NO BRASIL-MODERNISMO.pdf
 
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASPLina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
Lina Bo Bardi - Sesc Pompeia e MASP
 
Equipamentos urbanos
Equipamentos urbanosEquipamentos urbanos
Equipamentos urbanos
 
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppfPracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
Pracas-brasileiras-fabio-robba-ppf
 
Elementos utilizados para fazer um jardim
Elementos utilizados para fazer um jardimElementos utilizados para fazer um jardim
Elementos utilizados para fazer um jardim
 
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SP
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SPPRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SP
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SP
 
Museu da Língua Portuguesa
Museu da Língua PortuguesaMuseu da Língua Portuguesa
Museu da Língua Portuguesa
 

Destaque

Manual de-paisagismo
Manual de-paisagismoManual de-paisagismo
Manual de-paisagismo
vendo
 
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
vagno junior
 
Paisagismo em residencias
Paisagismo em residenciasPaisagismo em residencias
Paisagismo em residencias
Ana Cunha
 
Módulos De Paisagismo.
Módulos De Paisagismo.Módulos De Paisagismo.
Módulos De Paisagismo.
CARLA RAISSA
 
8. comunicando através da paisagem 4
8. comunicando através da paisagem 48. comunicando através da paisagem 4
8. comunicando através da paisagem 4
Ana Cunha
 
93670474 guia-plantas
93670474 guia-plantas93670474 guia-plantas
93670474 guia-plantas
Reis David
 
Burle Marx
Burle MarxBurle Marx
Burle Marx
JoseSimas
 
Jardins Urbanos
Jardins UrbanosJardins Urbanos
Jardins Urbanos
JoseSimas
 
Jardins doa EUA no século XIX
Jardins doa EUA no século XIXJardins doa EUA no século XIX
Jardins doa EUA no século XIX
Gabriela Tavares Maia
 
Paisagismo Meio Ambiente
Paisagismo Meio AmbientePaisagismo Meio Ambiente
Paisagismo Meio Ambiente
JoseSimas
 
Paisagismo de interiores profª claudia canales (08 e 09 de julho de 2011) s...
Paisagismo de interiores   profª claudia canales (08 e 09 de julho de 2011) s...Paisagismo de interiores   profª claudia canales (08 e 09 de julho de 2011) s...
Paisagismo de interiores profª claudia canales (08 e 09 de julho de 2011) s...
Sustentare Escola de Negócios
 
Garden city theory by vaibhav patel
Garden city theory by vaibhav patelGarden city theory by vaibhav patel
Garden city theory by vaibhav patel
Vaibhav Patel
 
Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Residência Cavanelas - Oscar NiemeyerResidência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Matheus Oliveira Silva
 
Análise Projetual - Conforto Ambiental - Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Análise Projetual - Conforto Ambiental - Residência Cavanelas - Oscar NiemeyerAnálise Projetual - Conforto Ambiental - Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Análise Projetual - Conforto Ambiental - Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Matheus Oliveira Silva
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
Emerson Silva
 

Destaque (15)

Manual de-paisagismo
Manual de-paisagismoManual de-paisagismo
Manual de-paisagismo
 
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
Tipos de-vegetais-aplicados-ao-paisagismo aula 25-08
 
Paisagismo em residencias
Paisagismo em residenciasPaisagismo em residencias
Paisagismo em residencias
 
Módulos De Paisagismo.
Módulos De Paisagismo.Módulos De Paisagismo.
Módulos De Paisagismo.
 
8. comunicando através da paisagem 4
8. comunicando através da paisagem 48. comunicando através da paisagem 4
8. comunicando através da paisagem 4
 
93670474 guia-plantas
93670474 guia-plantas93670474 guia-plantas
93670474 guia-plantas
 
Burle Marx
Burle MarxBurle Marx
Burle Marx
 
Jardins Urbanos
Jardins UrbanosJardins Urbanos
Jardins Urbanos
 
Jardins doa EUA no século XIX
Jardins doa EUA no século XIXJardins doa EUA no século XIX
Jardins doa EUA no século XIX
 
Paisagismo Meio Ambiente
Paisagismo Meio AmbientePaisagismo Meio Ambiente
Paisagismo Meio Ambiente
 
Paisagismo de interiores profª claudia canales (08 e 09 de julho de 2011) s...
Paisagismo de interiores   profª claudia canales (08 e 09 de julho de 2011) s...Paisagismo de interiores   profª claudia canales (08 e 09 de julho de 2011) s...
Paisagismo de interiores profª claudia canales (08 e 09 de julho de 2011) s...
 
Garden city theory by vaibhav patel
Garden city theory by vaibhav patelGarden city theory by vaibhav patel
Garden city theory by vaibhav patel
 
Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Residência Cavanelas - Oscar NiemeyerResidência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
 
Análise Projetual - Conforto Ambiental - Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Análise Projetual - Conforto Ambiental - Residência Cavanelas - Oscar NiemeyerAnálise Projetual - Conforto Ambiental - Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
Análise Projetual - Conforto Ambiental - Residência Cavanelas - Oscar Niemeyer
 
Guia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentaisGuia de campo plantas ornamentais
Guia de campo plantas ornamentais
 

Semelhante a Paisagismo brasil moderno e contemporâneo

A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
Prefeitura de Olinda
 
Roberto Burle Marx - Paisagista
Roberto Burle Marx - Paisagista Roberto Burle Marx - Paisagista
Roberto Burle Marx - Paisagista
kellynevess
 
Sala Verde Inhotim - Informativo 21
Sala Verde Inhotim - Informativo 21Sala Verde Inhotim - Informativo 21
Sala Verde Inhotim - Informativo 21
Ricardo Ferrao
 
Paisagem antiguidade ao sec. xx
Paisagem antiguidade ao sec. xxPaisagem antiguidade ao sec. xx
Paisagem antiguidade ao sec. xx
Núbia C. Nobre
 
Análise comparativa de três Parques.
Análise comparativa de três Parques.Análise comparativa de três Parques.
Análise comparativa de três Parques.
Mônica Almeida
 
Burle1
Burle1Burle1
Burle1
Rose Felker
 
Paisagismo - Meio ambiente
Paisagismo - Meio ambientePaisagismo - Meio ambiente
Paisagismo - Meio ambiente
Redimob
 
Nos jardins de Burle Marx
Nos jardins de Burle MarxNos jardins de Burle Marx
Nos jardins de Burle Marx
Rejane Alves
 
Ao amor-do-publico-jardins-no-brasil-hugo-segawa
Ao amor-do-publico-jardins-no-brasil-hugo-segawaAo amor-do-publico-jardins-no-brasil-hugo-segawa
Ao amor-do-publico-jardins-no-brasil-hugo-segawa
Myllena Azevedo
 
2ª aula renasc-urb
2ª aula renasc-urb2ª aula renasc-urb
2ª aula renasc-urb
Karina Maciel Monteiro
 
LIVRO - Praças brasileiras - Fabio Robba.pdf
LIVRO - Praças brasileiras - Fabio Robba.pdfLIVRO - Praças brasileiras - Fabio Robba.pdf
LIVRO - Praças brasileiras - Fabio Robba.pdf
NoemiAlves18
 
Paisagem Cultural - Leonardo Castriota
Paisagem  Cultural - Leonardo CastriotaPaisagem  Cultural - Leonardo Castriota
Paisagem Cultural - Leonardo Castriota
Kelly Freitas
 
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio históricoRua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
Laboratório de Memória e Patrimônio Cultural
 
Proj. jardins int x ext pesquisa sobre um paisagista 20.10.2011
Proj. jardins int x ext pesquisa sobre um paisagista   20.10.2011Proj. jardins int x ext pesquisa sobre um paisagista   20.10.2011
Proj. jardins int x ext pesquisa sobre um paisagista 20.10.2011
Mateus Mes
 
Dr 4 clc
Dr 4 clcDr 4 clc
Dr 4 clc
cattonia
 
Saldanha o jardim e a praça
Saldanha o jardim e a praçaSaldanha o jardim e a praça
Saldanha o jardim e a praça
Myllena Azevedo
 
2012 volume1 cadernodoaluno_geografia_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
2012 volume1 cadernodoaluno_geografia_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito2012 volume1 cadernodoaluno_geografia_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
2012 volume1 cadernodoaluno_geografia_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
AndersonSantosB
 
Palestra - Arte Ambiental
Palestra - Arte Ambiental Palestra - Arte Ambiental
Palestra - Arte Ambiental
MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal
 
Geografia 5ª série vol 1
Geografia 5ª série vol 1Geografia 5ª série vol 1
Geografia 5ª série vol 1
nicholasfavaro
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
SILVIA G. FERNANDES
 

Semelhante a Paisagismo brasil moderno e contemporâneo (20)

A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
A Paisagem do Sítio Histórico de Olinda: Conceito e Conservação (Ana Rita Sá ...
 
Roberto Burle Marx - Paisagista
Roberto Burle Marx - Paisagista Roberto Burle Marx - Paisagista
Roberto Burle Marx - Paisagista
 
Sala Verde Inhotim - Informativo 21
Sala Verde Inhotim - Informativo 21Sala Verde Inhotim - Informativo 21
Sala Verde Inhotim - Informativo 21
 
Paisagem antiguidade ao sec. xx
Paisagem antiguidade ao sec. xxPaisagem antiguidade ao sec. xx
Paisagem antiguidade ao sec. xx
 
Análise comparativa de três Parques.
Análise comparativa de três Parques.Análise comparativa de três Parques.
Análise comparativa de três Parques.
 
Burle1
Burle1Burle1
Burle1
 
Paisagismo - Meio ambiente
Paisagismo - Meio ambientePaisagismo - Meio ambiente
Paisagismo - Meio ambiente
 
Nos jardins de Burle Marx
Nos jardins de Burle MarxNos jardins de Burle Marx
Nos jardins de Burle Marx
 
Ao amor-do-publico-jardins-no-brasil-hugo-segawa
Ao amor-do-publico-jardins-no-brasil-hugo-segawaAo amor-do-publico-jardins-no-brasil-hugo-segawa
Ao amor-do-publico-jardins-no-brasil-hugo-segawa
 
2ª aula renasc-urb
2ª aula renasc-urb2ª aula renasc-urb
2ª aula renasc-urb
 
LIVRO - Praças brasileiras - Fabio Robba.pdf
LIVRO - Praças brasileiras - Fabio Robba.pdfLIVRO - Praças brasileiras - Fabio Robba.pdf
LIVRO - Praças brasileiras - Fabio Robba.pdf
 
Paisagem Cultural - Leonardo Castriota
Paisagem  Cultural - Leonardo CastriotaPaisagem  Cultural - Leonardo Castriota
Paisagem Cultural - Leonardo Castriota
 
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio históricoRua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
Rua Dr. Assis: um percurso sobre os fragmentos do patrimônio histórico
 
Proj. jardins int x ext pesquisa sobre um paisagista 20.10.2011
Proj. jardins int x ext pesquisa sobre um paisagista   20.10.2011Proj. jardins int x ext pesquisa sobre um paisagista   20.10.2011
Proj. jardins int x ext pesquisa sobre um paisagista 20.10.2011
 
Dr 4 clc
Dr 4 clcDr 4 clc
Dr 4 clc
 
Saldanha o jardim e a praça
Saldanha o jardim e a praçaSaldanha o jardim e a praça
Saldanha o jardim e a praça
 
2012 volume1 cadernodoaluno_geografia_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
2012 volume1 cadernodoaluno_geografia_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito2012 volume1 cadernodoaluno_geografia_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
2012 volume1 cadernodoaluno_geografia_ensinofundamentalii_5aserie_gabarito
 
Palestra - Arte Ambiental
Palestra - Arte Ambiental Palestra - Arte Ambiental
Palestra - Arte Ambiental
 
Geografia 5ª série vol 1
Geografia 5ª série vol 1Geografia 5ª série vol 1
Geografia 5ª série vol 1
 
Clc 6 10_12
Clc 6 10_12Clc 6 10_12
Clc 6 10_12
 

Mais de Carlos Elson Cunha

Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Carlos Elson Cunha
 
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
Carlos Elson Cunha
 
Alexandria sem muros monografia 2016
Alexandria sem muros   monografia 2016Alexandria sem muros   monografia 2016
Alexandria sem muros monografia 2016
Carlos Elson Cunha
 
Shopping das artes
Shopping das artesShopping das artes
Shopping das artes
Carlos Elson Cunha
 
Atitude mental correta para falar em público
Atitude mental correta para falar em públicoAtitude mental correta para falar em público
Atitude mental correta para falar em público
Carlos Elson Cunha
 
Introduções para falar em público
Introduções para falar em públicoIntroduções para falar em público
Introduções para falar em público
Carlos Elson Cunha
 
O temor de falar em público
O temor de falar em públicoO temor de falar em público
O temor de falar em público
Carlos Elson Cunha
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
Carlos Elson Cunha
 
Xadrez é fácil com o aluno eterno
Xadrez é fácil   com o aluno eternoXadrez é fácil   com o aluno eterno
Xadrez é fácil com o aluno eterno
Carlos Elson Cunha
 
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Carlos Elson Cunha
 
B n
B nB n
Guindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picoléGuindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picolé
Carlos Elson Cunha
 
Atribuições arquiteto
Atribuições arquitetoAtribuições arquiteto
Atribuições arquiteto
Carlos Elson Cunha
 
Todas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdiaTodas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdia
Carlos Elson Cunha
 
R caetano pinto
R caetano pintoR caetano pinto
R caetano pinto
Carlos Elson Cunha
 
Levantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr brasLevantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr bras
Carlos Elson Cunha
 
Lançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparqLançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparq
Carlos Elson Cunha
 
Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007
Carlos Elson Cunha
 
Domótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecasDomótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecas
Carlos Elson Cunha
 
Cdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologiasCdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologias
Carlos Elson Cunha
 

Mais de Carlos Elson Cunha (20)

Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
 
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
 
Alexandria sem muros monografia 2016
Alexandria sem muros   monografia 2016Alexandria sem muros   monografia 2016
Alexandria sem muros monografia 2016
 
Shopping das artes
Shopping das artesShopping das artes
Shopping das artes
 
Atitude mental correta para falar em público
Atitude mental correta para falar em públicoAtitude mental correta para falar em público
Atitude mental correta para falar em público
 
Introduções para falar em público
Introduções para falar em públicoIntroduções para falar em público
Introduções para falar em público
 
O temor de falar em público
O temor de falar em públicoO temor de falar em público
O temor de falar em público
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
 
Xadrez é fácil com o aluno eterno
Xadrez é fácil   com o aluno eternoXadrez é fácil   com o aluno eterno
Xadrez é fácil com o aluno eterno
 
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
 
B n
B nB n
B n
 
Guindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picoléGuindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picolé
 
Atribuições arquiteto
Atribuições arquitetoAtribuições arquiteto
Atribuições arquiteto
 
Todas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdiaTodas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdia
 
R caetano pinto
R caetano pintoR caetano pinto
R caetano pinto
 
Levantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr brasLevantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr bras
 
Lançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparqLançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparq
 
Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007
 
Domótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecasDomótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecas
 
Cdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologiasCdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologias
 

Paisagismo brasil moderno e contemporâneo

  • 1. O Paisagismo na História Ocidental Brasil – Paisagismo Moderno e Contemporâneo Profa. Cássia Mariano - 2011.
  • 2. BRASIL - ANTECEDENTES: O país das florestas Pujança; Riqueza; Jardins botânicos e passeios públicos (Carta Régia 1798): Pará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais e São Paulo. preocupação da Coroa Portuguesa: conhecimento e potencialidades econômicas da flora local e aclimatação da exótica, nos caracteres: científico, agrícola e econômico Mata Atlântica, São Paulo.
  • 3. Rio de Janeiro, monumento à flora e à paisagem; Profundas reformas desde 1808; 1916: Missão Francesa; Gradjean de Montigny - Missão Artística, 1816 - aclimata o classicismo na arquitetura e os jardins continuam imitando modelos europeus nas formas e escolhas das essências; Major Archer – 1862 – reflorestamento da Tijuca a partir de maciços heterogêneos de espécies nativas – proteção aos mananciais; Rugendas, retratando a floresta da Tijuca, séc.19.
  • 4. Passeio público, R. J. – Mestre Valentim. Mestre Valentim: arquiteto e escultor, traçou recinto ajardinado sobre as áreas alagadiças e de charcos da lagoa do Boqueirão da Ajuda: Passeio Público. O Passeio Público remodelado por Auguste Glaziou: Campo de Santana e construção dos Jardins da Quinta da Boa Vista - 1858 – nomeado pelo imperador chefe de Parques e Jardins da Cidade do Rio de Janeiro - herbário de +/- 24mil espécies remetidas para Paris; as realizações urbanísticas de Glaziou são referências para Burle Marx.
  • 5. Auguste Glaziou - Campo de Santana, RJ. Síntese das tradições em voga na Europa: O pitoresco do jardim inglês e o formalismo do jardim francês. Campo de Santana, 2005 e na imagem de época, após a remodelação de Glaziou, 1880.
  • 6. Quinta da Boa Vista, Rio de Janeiro. Glaziou introduz o jardim paisagista inglês, com traços formalistas do jardim francês: “o olhar do paisagista e a ciência da botânica são os instrumentos de trabalho” ( Segawa, 2003)
  • 7. São Paulo Parque do Anhangabaú, déc.1920. Bouvard e Cochet; Várzeas saneadas e parques centrais. Destaque da planta Sara Brasil, 1930
  • 8. Parque do Anhangabaú, em postais; Bouvard e Cochet;
  • 9. Parque dom Pedro II, várzea do Carmo. Projeto de Bouvard, década 1920. Inundação na Várzea do Carmo, Benedito Calixto Parque do Carmo, Ilha dos Amores, década de 1930.
  • 10. Paisagismo moderno - Brasil Parque do Flamengo, B. Marx. Roberto Burle Marx (1909 – 1994) – fusão (mimese) das artes plásticas com a botânica moderna; Inaugura o paisagismo moderno em escala mundial transição da arte abstrata para a paisagem; fusão entre as artes e a ciência, técnica e estética para o desenho da paisagem – cria o paisagismo moderno, no Brasil, em 1932; Referências: Jardins europeus, Auguste Glaziou, Cândido Portinari, a exuberância da flora brasileira e a sinuosidade de nossos rios; Utiliza vegetação por sua individualidade e por sua textura como conjunto.
  • 11. Roberto Burle Marx – 1905 - 1994 Paisagem definida como exigência estética, necessidade absoluta para a vida humana – obra reitera a vegetação, como a maior riqueza do país, mote de seu trabalho; Uso de flora autóctone, como elemento de identidade, conhecimento e valorização; Conhecimento da flora brasileira – exercícios de desenho nos jardim botânico de Dahlem, Alemenha, déc. 1920; ENBA – transferência da Arquitetura para Artes Plásticas, por sugestão de Lúcio Costa; Por este, o projeto para os jardins da residência Schwartz, 1932, co-autoria de G. Warchavchik. Jardins do MES, guache, 1938
  • 13. Residência Odette Monteiro, B. Marx Corrêas, RJ. 1948 e 1988. Próxima à serra dos Órgãos, RJ, valorização das montanhas e uso de vegetação autóctone; Modelado de terreno com criação de morrotes e depressões para conduzir o olhar à riqueza da paisagem circundante.
  • 14. Residência Kronsfoth, B. Marx Teresópolis, 1955. Exploração de valores como cor, textura, luz – uso de uma série de elementos vegetais, pouco utilizados até então; O jardim captura a paisagem circundante, como experiência sensitiva. “são formas de tocar, sublimar, sentir ou estabelecer valores culturalmente determinados” Flávio Motta, 1986.
  • 15. Hospital Sul-América, Burle Marx. RJ, 1955. Intensas relações formais entre o gramado e o piso, o muro e o banco, entre espelho d’água, calçamento de pedra e vegetação colorida; Sentido de complementaridade e precisão absoluta dos elementos incorporados; Tensão na descentralização.
  • 17. São Paulo, 1950. Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, 1950 Otavio Augusto Teixeira Mendes (1907 – 1988) – espaços projetados para estimular sensações de prazer, paisagem para ser vivida. Dinamismo e estrutura explícitos, harmonia e coesão, composições sofisticadas entre vegetação e formas de relevo, valorização de perspectivas.
  • 19. O parque como ambiência e espaço de convívio é produto da proposta de Teixeira Mendes. Parque do Ibirapuera, 1952. Parque do Ibirapuera, 1952 – sinuosidades para capturar perspectivas da cidade a partir do parque; lagos, superfícies de grande perímetro e larguras diferenciadas; reflexibilidade, placidez e horizontalidade.
  • 21. Paisagismo moderno- América do Norte Thomas Church, Donnel Garden, 1948. Sofisticação no plano e tratamento formal – espaços adquirem complexidade quando vistos em perspectiva. Conexão estética dinâmica entre o projeto e o entorno.
  • 22. Paisagismo moderno Garret Eckbo, “ a paisagem é para se viver” – 1950 – A paisagem é algo que vemos ou sentimos ao nosso redor, condicionada pela cultura e desejos e expectativas; - paisagismo moderno transmutado em filosofia e arte, incorpora as ciências ecológicas e os processos naturais – relações humanas no meio bio-físico. Paisagem e ambiente são sinônimos; Desenho é produto e processo; Elementos de ordenação: espaço, tempo, luz, formas de terra, elementos construídos, vegetação.
  • 23. Paisagismo moderno Lawrence Halprin, déc. 1960 – envolvido com a natureza e seus processos como elementos de identidade própria dos lugares e suas comunidades; O desenho da paisagem requer envolvimento participativo – processo tão importante quanto o projeto (resultado) obtido; Conceitos de natureza e ecossistema estão implícitos no processo, que é sempre dinâmico, assim como a paisagem.
  • 24. Lawrence Halprin, 68. Sistema de Espaços Livres de Portland.
  • 26. Lawrence Halprin, 70’s. Sea Ranch: estudo ecológico – questão climática - diagrama de Olgay - relação de necessidades bioclimáticas; A paisagem foi determinante para a solução paisagista e arquitetônica e as implicações ecológicas foram respeitadas.
  • 28. Paisagismo contemporâneo Primórdios: década ambiental ~ década 1960 Paisagem e ambiente interdependentes; Mc Harg: Design with Nature – base para o desenho ambiental, políticas ambientalistas ... plano e projeto do território “Ecologia = Economia”
  • 29. Ian Mc Harg. Em 1954 - Universidade da Pensilvânia – cria o departamento de arquitetura da paisagem - trabalho antológico – parte publicado em, Design with Nature, 1969 - a ecologia, as ciências ambientais e as manifestações culturais estão na gênese e no manejo da paisagem. Metodologia de Planejamento da Paisagem. Carta de vegetação, Design with Nature, Mc. Harg
  • 30. Brasil 1972 – Conferência de Estocolmo; Emerge na escala global a consciência do padrão equivocado da urbanização e do desenvolvimento vigentes; ressalta-se a importância de preservar e conservar os últimos remanescentes de paisagens naturais; a conservação e manejo de recursos são tomados como pré-requisitos de um novo conceito de desenvolvimento – arcabouço do desenvolvimento sustentável. Políticas Nacionais de Meio Ambiente – no Brasil, criação da Secretaria do Meio Ambiente, e na década de 1980 a avançada Legislação Ambiental – CONAMA – 1986 – obrigatoriedade de EIA / RIMA para projetos com alteração de condições físicas, bióticas e socioeconômicas. Planejamento paisagístico – necessário equipe multi e interdisciplinar; Conscientização ecológica Eco 92 –
  • 31. No Brasil, o CONAMA legisla sobre as APAs: “unidades de conservação, destinadas a proteger e preservar a qualidade ambiental e os sistemas naturais ali existentes, visando à melhoria da qualidade de vida da população local e também objetivando a proteção dos ecossistemas regionais... As Apas terão sempre um zoneamento ecológico- econômico” Até o final da década de 1980 foram criadas 19 Apas no estado.
  • 32. CONTEMPORANEIDADE: MODERNIDADE: SOCIEDADE: pós-industrial – SOCIEDADE: industrial – setores de globalização; produção / produção seriada; Sociedades pós-modernas: historicistas, simulacros. ESTÉTICA: moderna – projeto ESTÉTICA: Desconstrutivismo; privilegiam a estrutura – visão do todo e do todo nas partes; Minimalismo; A estrutura é bela, revela a essência, Pós-modernismo; deve ser aparente; Ambientalismo. Figura e fundo são complementares e compositivos. FILOSOFIA (ciências sociais): Pós-estruturalismo; FILOSOFIA (ciências sociais): A história não evolui linearmente; Estruturalista; Fragmentação, colagem, diversidade; Concretista e dialética Complexidade; Movimento que forma a totalidade. Desordem, dispersão, difuso.
  • 33. Parque de La Villette, Bernard Tschumi, 1983. Desconstrução da paisagem – sobreposição de 3 sistemas ordenadores, ponto – reta - plano. Remodelação a noroeste de Paris.
  • 34. Parque de La Villette, Bernard Tschumi.
  • 35. Paisagismo contemporâneo Estéticas: Desconstrutivismo; Minimalismo; Metáfora na paisagem (ironia); Historicismo; Visão ecossistêmica; George Hargreaves, San José Plaza, Califórnia, 1998. Desconstrução e metáfora da paisagem. Desconstrução: base filosófica ao desenho – sistemas autônomos, justapostos que podem desbaratar a composição / negam hierarquia ou sistema ordenador ou hegemonia.
  • 36. Parque do Tejo e do Trancão, George Hargreaves, 1998. Usos e atividades previstas em consonância aos processos ecológicos e de resguardo (recuperação) do sítio, e os processos com a água e a terra; O Centro de educação ambiental propicia oportunidade de aprendizado sobre as áreas junto às águas
  • 37. Parque do Tejo e Trancão, Lisboa, Hargreaves, 1998
  • 38. Arte ambiental (Land art): Manifestação – expressão da natureza como processos e forças; “influência libertadora no paisagismo cultural”( Franco), interação do artista com o meio ambiente. Lightning Field, Walter de Maria, N. México, 70’s
  • 39. Piazza d’Italia, N. Orleans, Charles Moore, 70’s
  • 40. Tunner Fountain, Peter Walker, Harvard, 90’s. Simbolismo e metáfora; estrutura minimalista
  • 41. Memorial WTC Peter Walker, 2011 Poética e lirismo de introspecção, minimalismo
  • 42. Centro de Tecnologia e Ciências Avançadas, Hyogo, Japão, 1993. Peter Walker & Partners
  • 43. Peter Walker & Partners Centro de Tecnologia e Ciências Avançadas, Hyogo, Japão, 1993.
  • 44. Martha Schwartz, 90’s Ênfase na responsabilidade ambiental e ironia como estética. Jacob Javits Plaza, NY Center for Innovative Technology, Herndon, USA Courthouse Plaza, Japão.
  • 45. Diusburg Nord, Peter Latz, 2000’s Relação da arte abstrata com a paisagem, a ecologia e a sociedade; Desenho: layers que perpassam sistemas naturais e culturais do espaço.
  • 46. Floriade, Haya, Holanda. Michiel den Ruijter, 1990’s.
  • 47. Parque da Gleba E, Fernando Chacel, 90’s. Primeira intervenção com intenções de incorporar princípios conservacionistas e preservacionistas de recuperação de ecossistemas na região da barra da Tijuca, RJ. – princípio da ecogênese; - Projeto pauta-se na recomposição possível dos ecossistemas do mangue, restinga e o parque. Início da implantação: recuperação, preparo do solo e primeiros plantios.
  • 48. Fernando Chacel: Recomposição ambiental no conjunto de parques lineares na Barra da Tijuca; Ecogênese: ação humana, parte integrante da paisagem cultural que utiliza, para recuperação dos componentes bióticos, associações e indivíduos que compunham os Parque Fazenda da Restinga, ecossistemas Barra da Tijuca, RJ, 90’s. originais. Parque da Gleba E, 90’s.
  • 49. Charles Waldheim Infraestrutura verde como partido – sistemas naturais na base de manejo nas cidades ... Retornar os ciclos naturais que se perderam; Revisão na forma de manejo, de tratamento e de conservação tradicionais (eng. civil), considerados obsoletos por sistemas “naturais” Tratamento da baia de Ashbridges, Toronto, Canadá.
  • 50. Kongjian Yu, Matrizes naturais + matrizes culturais sobrepostas
  • 51. Red Ribbon River Park, Kongjian Yu, 2000’s Matrizes ecológicas e elemento lúdico de amarração. A paisagem como máquina viva: minimizar intervenções; deixar “a natureza trabalhar”; valorizar o comum e reciclar o existente.
  • 52. Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning; Kongjian Yu, Taizhou, China, 2006. Solução projetual: O parque é composto por dois“layers”: - matriz natural sobreposta pela - matriz humana, o jardim flutuante. A matriz natural é composta pela wetland e pela vegetação projetada a partir do processo de cheias e do ecossistema original - paralelo à ecogênese- Sobre esta matriz flutuam os jardins humanos, composto por um sistema a incluir: - a matriz das árvores; - rede de caminhos e circulação; - a matriz das caixas de histórias (story boxes); Yongning River Park, Taizhou, 2006
  • 53. Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning; O plano de massas Wetland ripária baseia-se na carta de águas e constitui alternativa ecológica para Lago externo, wetland as águas de chuvas; sistema de wetland é constituído, dentro e fora Caixas de histórias flutuantes da área das margens, nas quais vegetação ripária é introduzida; Sistema de caminhos flutuantes A partir deste quadro, a Matriz arbórea dinâmica da paisagem é constituída, onde os jardins de elementos Plano de massas humanos podem flutuar.
  • 55. Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning; Matriz ambiental; Herbáceas ripárias nativas foram utilizadas na consolidação das margens do rio e para criar espacialidade atrativa – ambiência – ao visitante.
  • 56. Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning; Matriz humana; Casa de chá: ambiência com a paisagem no entorno.
  • 57. Os Jardins Flutuantes: Parque do Rio Yongning; Plataforma transparente flutua sobre a wetland construída e permite fluxos de águas durante a estação das cheias
  • 58. Bibliografia: Laurie, M. Introducción a la Arquitectura del Paisaje. Barcelona: GG, 1990. cap 2. Newton, N. Design on the Land. Harvard: MIT Press, 1986. Jellicoe, G. El Paisaje del Hombre. Barcelona: GG, 1995. Dourado, G. Visões da Paisagem. S. Paulo: ABAP, 1997. Franco, Maria. Planejamento ambiental. Leenhardt, J. Nos Jardins de Burle Marx. S. Paulo: Perspectiva, 1996. Montero, M. Burle Marx, paisajes liricos. Motta, F. Roberto Burle Marx e a nova visão da paisagem. S. Paulo, Nobel, 1983. Process: Architecture. Lawrence Halprin. Process: Architecture. Garrett Eckbo. Mariano, Cássia. Preservação e paisagismo em São Paulo: O A Teixeira Mendes. Toledo, Benedito. S. Paulo:três cidades em um século. Holden, R. Diseño del espacio público. Barcelona: GG, 1996. Fundação Maria Luisa e Oscar Americano. Guia do parque. YU, Kongjian. The Art of Survive.
  • 59. O Paisagismo na História Ocidental Brasil – Paisagismo Moderno e Contemporâneo Profa. Cássia Mariano - 2011.