SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
Superintendência Federal de Agricultura
Divisão de Política, Produção e Desenvolvimento Agropecuário
TEMA: Mudanças climáticas e agropecuária
EMBRAPA MILHO SORGO
Sete Lagoas – MG
25/05/2015
AQUECIMENTO GLOBAL CONTÍNUO = é devido a concentração
dos gases de efeito estufa na atmosfera:
CO2, CH4 e N20
Este fenômeno é denominado de mudanças climáticas.
ENFOQUE CONCEITUAL DA PALESTRA
QUAIS EVENTOS QUE ESTÃO RELACIONADOS COM A MUDANÇA DO
CLIMA E QUE, CLARAMENTE, AFETAM A AGROPECUÁRIA
Estamos falando de: secas, precipitações, inundações, geadas,
ondas de calor, ondas de frio, tempestades, granizo, estiagem e
incêndios que estão mais frequentes, intensos e com ocorrência em
um maior número de regiões.
Estes eventos climáticos extremos criam risco de:
insegurança alimentar;
falta de água;
perda de produção agrícola e da renda rural;
perda da biodiversidade dos ecossistemas.
NESTE CONTEXTO DE AQUECIMENTO GLOBAL,
COMO A AGROPECUÁRIA AFETA O CLIMA?
ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS QUE GERAM EMISSÕES DE
GASES DE EFEITO ESTUFA - GEE
1) Práticas agropecuárias que usam combustíveis fósseis
(carvão mineral, petróleo e gás natural);
2) Desmatamento com queima do material vegetal de
ecossistemas naturais;
3) Produção e emissão de gás metano em aterros sanitários e na
pecuária;
4) Uso de fertilizantes nitrogenados, que produz óxido nitroso.
COMO A PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PODE MINIMIZAR SEUS
IMPACTOS SOBRE O CLIMA E EVITAR UMA COLISÃO COM OS NOVOS
PARADIGMAS DA SOCIEDADE?
Os produtores rurais devem:
1) reduzir a emissão dos gases de efeito estufa = GEE;
e
2) aumentar o sequestro de CO2 da atmosfera na
vegetação e no solo.
COMO A MUDANÇA DO CLIMA PODERÁ AFETAR A
AGROPECUÁRIA?
Fonte: Assad et
al. (2004)
1°C até 2100
3°C até 2100
5°C até 2100
OS MAPAS INDICAM CENÁRIOS PARA UMA PRODUÇÃO
AGROPECUÁRIA:
A) Mais dependente da irrigação devido ao alto risco de mudança do clima.
De onde virá esta água para a irrigação?
Como será feita a conservação da água da chuva a partir de agora?
B) Questão atual: como o produtor está lidando com a incerteza da chuva?
Novas janelas de plantio já deverão ser estabelecidas?
PARA FREAR AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GERENCIAR
OS RISCOS É PRECISO:
PROMOVER AÇÕES COMBINADAS DE
MITIGAÇÃO E DE ADAPTAÇÃO DA PRODUÇÃO
AGROPECUÁRIA.
A QUESTÃO DE ADAPTAÇÃO DE REGIÕES OU BACIAS
HIDROGRÁFICAS PARA O DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO,
NOS CENÁRIOS DE MUDANÇA DO CLIMA, INCLUI:
- Diagnosticar as bacias em que empreendimentos agropecuários
estão vivenciando a escassez hídrica;
- Entender qual a realidade atual da disponibilidade hídrica e da
demanda por região ou bacia hidrográfica;
- Realizar prognóstico de demanda de operação por água versus
disponibilidade para o período de seca;
- Atualizar o balanço hídrico do processo produtivo e checar eventuais
desvios para garantir a eficiência no uso da água.
OS CENÁRIOS ESTABELECIDOS PELA CIÊNCIA MOSTRAM:
A) ALGUMAS REGIÕES DE MINAS GERAIS MAIS VULNERÁVEIS ÀS
MUDANÇAS CLIMÁTICAS. (Temos que identificar quem são os atingidos e em
que nível são atingidos, considerando, por exemplo, a escassez hídrica para o
uso agropecuário.)
B) MODIFICAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DE LAVOURAS E DAS PASTAGENS
AO LONGO DO TEMPO.
OBS: A nossa função é promover a discussão sobre tecnologias
mais adequadas para reduzir os impactos ambientais previstos por
estes cenários e criar uma base de produção sustentável para a
agropecuária do século XXII.
DUAS REFLEXÕES SOBRE OS CENÁRIOS ESTABELECIDOS:
A) Nossa agropecuária vai estar adaptada para as mudanças climáticas?
B) Se as emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE continuarem aumentando
os meios de adaptação que temos serão suficientes?
DESAFIO ESPECÍFICO RELACIONADO À MUDANÇA DO CLIMA
DEFINIR CENÁRIOS AGRÍCOLAS FUTUROS PARA A PROPOR
AÇÕES DE MITIGAÇÃO E DE ADAPTAÇÃO PARA COMBATER OS
IMPACTOS NEGATIVOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE A
AGROPECUÁRIA.
ALGUMAS QUESTÕES PARA O DEBATE SOBRE
CENÁRIO AGRÍCOLA FUTURO:
1) Quanto o Brasil irá contribuir com a produção de alimentos nos próximos
35 anos?
2) Tecnicamente, como desacoplar o aumento da produção agropecuária com o
aumento das emissões dos GEE?
3) Quanto podemos reduzir de emissão de GEE sem comprometer a
segurança alimentar, a produção agropecuária, em escala, e as metas
ambientais?
OBS: O momento requer negociações para atingir metas estabelecidas.
DAS NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS SOBRE O CLIMA
Conferência das Partes, da Convenção-Quadro das Nações Unidas
Sobre Mudanças Climáticas, das Nações Unidas – COP
1) DURANTE A REUNIÃO DA COP 15, EM 2009, O BRASIL
ASSUMIU, DE FORMA VOLUNTÁRIA, O COMPROMISSO DE
REDUZIR A EMISSÃO DOS GEE, EM 36,1% E 38,9% ATÉ 2020.
2) ESTIMA-SE A REDUÇÃO DE 1 BILHÃO DE TONELADAS DE
CO2 EQUIVALENTE PARA O PERÍODO DE 2010 A 2020.
DESDOBRAMENTOS DECORRENTES DOS COMPROMISSOS ASSUMIDOS PELO
BRASIL FRENTE A ONU
1) ESTABELECIMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE MUDANÇA DO CLIMA, COM A
PUBLICAÇÃO DA LEI 12.187/2009 E DO DECRETO 7.390/2010;
2) IMPLANTAÇÃO DOS PLANOS SETORIAIS, NOS DIVERSOS SEGMENTOS DA
ECONOMIA BRASILEIRA, COM AÇÕES PARA DIMINUIR AS EMISSÕES DO GEE.
OBS: No momento, há esforços convergindo para o encaminhamento de um projeto
de lei estadual de mudança do clima.
DO APOIO DA AGRICULTURA PARA O CLIMA
GEROU O PLANO SETORIAL DE MITIGAÇÃO E DE ADAPTAÇÃO ÀS
MUDANÇAS CLIMÁTICAS VISANDO A CONSOLIDAÇÃO DE UMA
ECONOMIA DE BAIXA EMISSÃO DE CARBONO NA AGRICULTURA –
PLANO ABC.
Em nível estadual foi publicado o Plano Estadual de Agricultura de Baixa
Emissão de Carbono de Minas Gerais – PLANO ABC/MG, por meio da
Resolução SEAPA nº 1233/2011, onde se estabeleceu as suas metas
voluntárias;
Período de Vigência do Plano ABC: 2010 - 2020, com revisões periódicas a cada 2 anos.
Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono
(PLANO ABC)
OBJETIVO GERAL
Promover a redução da emissão de GEE na agropecuária para
minimizar os impactos vinculados com as mudanças do clima;
Aumentar a capacidade de sistemas produtivos com as
tecnologias preconizadas pelo Plano ABC;
Melhorar a eficiência no uso de recursos naturais;
Apoiar comunidades rurais no processo de adaptação do setor
agropecuário às mudanças climáticas.
SEIS SÃO AS TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS INDICADAS PELO
PLANO ABC PARA REDUZIR AS EMISSÕES DE GEE
1) Intensificar a Recuperação de Pastagens Degradadas;
2) Implantar maiores áreas com a integração lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF) e de
Sistemas Agrofloretais (SAFs);
3) Ampliar o tratamento dos Dejetos de Animais (suinos e aves);
4) Expandir o uso do Sistema de Plantio Direto (SPD);
5) Estimular o uso da fixação Biológica de Nitrogênio;
6) Implantar novas áreas de florestas plantadas;
METAS VOLUNTÁRIAS DO PLANO ABC, ATÉ 2020
(BRASIL E MINAS GERAIS)
Tecnologias e
sistemas de manejo
Compromisso
nacional
Compromisso
voluntário de
Minas Gerais
Participação
de Minas
Gerais
Recuperação de
pastagens
degradadas
15 milhões de ha ~ 2 milhões de ha 13,3 %
Integração Lavoura-
Pecuária-Floresta
4 milhões de ha 260 mil ha 6,5 %
Sistema Plantio
direto
8 milhões de ha 700 mil ha 8,8 %
Fixação biológica
de Nitrogênio
5,5 milhões de ha ~ 148 mil ha 2,7%
Florestas Plantadas 3 milhões de ha ~ 82 mil ha 2,7 %
Tratamento de
dejetos animais
4,4 milhões de m3 766,5 mil m3 17,4%
PARA ACOMPANHAR AS AÇÕES DO PLANO ABC
FOI CRIADO O
GRUPO GESTOR ABC
- Faz parte da cadeia de governança do Plano ABC, dando suporte a
implementação de uma política agrícola de cunho ambiental;
- A estratégia para a condução do GG/ABC-MG estabelece um
modelo de co-gestão entre o MAPA e a SEAPA o que criou um
ambiente facilitador para o acompanhamento das ações e de
monitoramento;
- O GG/ABC-MG é composto por 22 parceiros que representam:
governo federal, governo estadual e sociedade civil.
PARCEIROS DO GRUPO GESTOR ABC - MG
AssociaçãoBrasileiradeIrrigaçãoeDrenagem INMET5°DISME
BancodeDesenvolvimentodeMinasGeraisS.A.–BDMG InstitutodeTerras-ITER
BancodoBrasilemMinasGerais MAPA-MG/DPDAG-SESAG
CCPR-ITAMBÉ MDA/DFDA-MG
EMATER-MG SEAPA
EmbrapaGadodeLeite SEBRAEMINAS
EmbrapaMilhoeSorgo SEMAD-FEAM
EPAMIG SicoobCentralCrediminas
FAEMG UFV
FETAEMG SECTES-SecretariadeCiênciaeTecnologia
FórumMineirodeMudançasClimáticas SENAR-MG
PORQUE É POSITIVO PARA OS PRODUTORES A ADOÇÃO DAS
TECNOLOGIAS RECOMENDADAS PELO PLANO ABC?
1) Aproveita melhor a área de produção da propriedade, intensificando o seu uso de
forma sustentável;
2) Cria alternativas de renda para a propriedade;
3) Tem suporte das Instituições de pesquisa e da assistência técnica;
4) Tecnicamente, melhora as condições para a infiltração da água no solo;
5) Apoio do crédito rural subsidiado, via Programa ABC.
RECURSOS PARA FINANCIAR O PLANO ABC
CRÉDITO RURAL: PROGRAMA ABC
OBJETIVO: INCENTIVAR O FINANCIAMENTO DE SISTEMAS
PRODUTIVOS QUE FOCAM EM TECNOLOGIAS QUE REDUZEM A
EMISSÃO DE GEE
ESTRATÉGIA: O uso de taxa de juros subsidiadas até o momento.
(A expectativa atual está na divulgação do novo plano de safra
2015/2016, para avaliar a política de crédito rural e os impactos
sobre o Programa ABC).
CRÉDITO RURAL
PROGRAMA ABC
ANO
SAFRA
Nº CONTRATOS
BRASIL
Nº CONTRATOS
MINAS GERAIS
(%) VALOR
MINAS GERAIS
(R$)
2011/2012 3.728 655 17,56 213.392.760
2012/2013 10.265 2.127 20,72 524.581.690
2013/2014 9.473 1.894 19,99 452.269.040
2014/2015 9.802 1.832 18,69 436.017.952
TOTAL 33268 6508 19,56 1.626.261.952
FONTE: BANCO DO BRASIL
DADOS SAFRA 2014/2015 = 17.04.2015
Aplicações em MG - Por mesorregião
Posição em 17/04/2015
2014/2015
IBGE_NomeMesorregião Quant Valor R$
Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba 617 162.196.790
Norte de Minas 312 97.771.967
Noroeste de Minas 250 71.662.100
Sul/Sudoeste de Minas 108 25.357.582
Jequitinhonha 81 18.343.772
Zona da Mata 126 15.203.184
Oeste de Minas 68 11.487.207
Central Mineira 77 10.137.415
Vale do Mucuri 59 9.600.955
Vale do Rio Doce 77 9.575.904
Metropolitana de Belo Horizonte 48 3.873.396
Campo das Vertentes 9 807.680
Total Geral 1.832 436.017.952
Programa ABC – Safra 2014/2015
NESTE MOMENTO, O ESFORÇO É PARA AMPLIAR O DEBATE SOBRE O
PLANO ABC E O PROGRAMA ABC
EM MINAS GERAIS PARA:
- técnicos da extensão rural e assistência técnica (pública e privada),
profissionais dos sindicatos rurais, das cooperativas agropecuárias,
gestores públicos, elaboradores de projetos técnicos e operadores
do crédito rural;
- professores e estudantes das áreas de ciências agrárias, de nível
médio e superior;
- pesquisadores da comunidade científica;
- produtores rurais (apoio de 2 projetos internacionais).
FORMA: divulgação, capacitação, treinamento e assistência técnica.
RECURSOS INTERNACIONAIS
FINANCIAMENTO DE PROJETOS
PROJETO FIP/CERRADO: PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL EM
ÁREAS JÁ CONVERTIDAS PARA O USO AGROPECUÁRIO
DOADOR: Programa de Investimento Florestal – FIP
EXECUTOR: Banco Mundial - BIRD
ÁREA DE ATUAÇÃO: Bioma Cerrado
Objetivos básicos:
1) Capacitar e dar assistência técnica para produtores na implantação
de 4 tecnologias preconizadas pelo Plano ABC (iLPF, SPD, RPD e FP);
2) Induzir esforços para diminuir o desmatamento no bioma cerrado e,
consequentemente, as emissões de GEE e aumentar o sequestro de
carbono em terras privadas.
METAS BÁSICAS DO PROJETO FIP/CERRADO:
- Realizar 5 Seminários de Sensibilização, para 1.500 pessoas, nos
municípios de Sete Lagoas, Pirapora, Unai, Lavras e Uberaba, que
ocorrerá em junho e julho/2015;
- Ministrar 110 Cursos de Capacitação para 1.600 produtores e
responsáveis técnicos, em 2015 e 2016, sobre as tecnologias do
Plano ABC, nos municípios selecionados do cerrado mineiro;
- Dar assistência técnica em campo para 400 produtores
selecionados nos Cursos de Capacitação para transferência de
tecnologias;
- Gestão e monitoramento do projeto.
PROJETO: AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO
EVITADO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL
DOADOR: Governo do Reino Unido
EXECUTOR: Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID
ÁREA DE ATUAÇÃO: Bioma Mata Atlântica
Objetivo básico:
• melhorar as práticas de uso da terra e manejo florestal
utilizadas por produtores rurais de 10 municípios no bioma
Mata Atlântica de Minas Gerais, por meio de assistência
financeira e técnica.
• OBS: uso da política de Pagamento de Serviços Ambientais - PSA
MUNICÍPIOS SELECIONADOS EM MINAS GERAIS
OUTRO MECANISMO POSSÍVEL DE FOMENTO DA AGRICULTURA DE
BAIXA EMISSÃO DE CARBONO: emenda parlamentar
São recursos do Orçamento Geral da União que podem ser usados para
financiar ações de custeio e investimento, por meio de convênio com o
MAPA para:
- Capacitação de técnicos e produtores rurais nas tecnologias do Plano ABC;
- Desenvolvimento de projetos de recuperação em microbacias hidrográficas;
- Produção de mudas de espécies florestais nativas e exóticas para diversas
finalidades;
- Aquisição de insumos para correção da fertilidade do solo;
- Sistemas de tratamentos de dejetos de animais;
- Desenvolvimento de agricultura de florestas plantadas e heveicultura.
PROJETO TÉCNICO: Formular propostas de ações
regionalizadas para incentivar a recuperação de
pastagens degradadas
PARA SUBSIDIAR O TRABALHO DO GG-ABC/MG O
MAPA/SFA/MG CONTRATOU O INAES/FAEMG PARA
REALIZAR O ESTUDO DA ARTE DAS PASTAGENS NO
ESTADO DE MINAS GERAIS.
O OBJETIVO BÁSICO DO ESTUDO: VISUALIZAR A SITUAÇÃO
ATUAL DAS PASTAGENS
Para desenhar a geografia da intensificação sustentável
da pecuária em Minas Gerais e responder:
- Qual o mapa da produtividade das pastagens em MG?
- Onde intensificar a pecuária?
- Quanto de gado as pastagens mineiras podem suportar considerando
um novo patamar tecnológico?
- Quais as regiões com aptidão agrícola para a elevação da
produtividade das pastagens?
- Quais são as áreas de pastagens degradadas?
- Quais as regiões com deficiência no manejo tecnológico?
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Qualquer estratégia para promover a ABC:
1) demandará o uso da melhor ciência disponível e o incentivo para o
desenvolvimento de novas pesquisas, considerando os cenários de
mudança do clima;
2) deve considerar a ampliação de mecanismos Institucionais para
transferir as tecnologias aos produtores por meio de capacitação,
treinamento e assistência técnica;
3) precisa considerar a implantação de um processo de certificação do
produto oriundo da ABC, de forma a diferenciar e agregar valor a
produção da agropecuária mineira, em nível nacional e internacional.
CONCLUSÃO
O foco desta política agrícola de cunho ambiental é
estimular o crescimento do setor produtivo agropecuário
com redução das emissões de gases de efeito estufa,
tornando a agropecuária menos impactante ao clima.
Este é o nosso desafio!
* Esta apresentação teve como base a palestra do pesquisador Luiz Adriano
Cordeiro – Embrapa DF
FERNANDO COSTA
fernando.costa@agricultura.gov.br
3250-0331
Muito obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Microdistillery Feasibility Study Brazil
Microdistillery Feasibility Study BrazilMicrodistillery Feasibility Study Brazil
Microdistillery Feasibility Study Brazil
guest5b121
 
Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07
manjosp
 
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
cbsaf
 
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
cbsaf
 
Ficha de Trabalho - Agricultura
Ficha de Trabalho - AgriculturaFicha de Trabalho - Agricultura
Ficha de Trabalho - Agricultura
abarros
 
Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07
manjosp
 
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
cbsaf
 
Apresentação agribusiness alberto vilella
Apresentação agribusiness alberto vilellaApresentação agribusiness alberto vilella
Apresentação agribusiness alberto vilella
Kelvin Oliveira
 
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
cbsaf
 
Geografia- turismo
Geografia- turismoGeografia- turismo
Geografia- turismo
kyzinha
 

Mais procurados (20)

Microdistillery Feasibility Study Brazil
Microdistillery Feasibility Study BrazilMicrodistillery Feasibility Study Brazil
Microdistillery Feasibility Study Brazil
 
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
Modelo conceitual para o extrativismo sustentável da macaúba, na américa lati...
 
Agroenergia No Brasil
Agroenergia No BrasilAgroenergia No Brasil
Agroenergia No Brasil
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07
 
7 a pac 1_e a agricultura portuguesa
7 a pac 1_e a agricultura portuguesa7 a pac 1_e a agricultura portuguesa
7 a pac 1_e a agricultura portuguesa
 
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
 
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
 
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
Palestra Legislação Ambiental e Cafeicultura Ladislau
 
Fatores condicionantes da agricultura
Fatores condicionantes da agriculturaFatores condicionantes da agricultura
Fatores condicionantes da agricultura
 
Política Agrícola Comum 2014 2020
Política Agrícola Comum 2014 2020Política Agrícola Comum 2014 2020
Política Agrícola Comum 2014 2020
 
Ficha de Trabalho - Agricultura
Ficha de Trabalho - AgriculturaFicha de Trabalho - Agricultura
Ficha de Trabalho - Agricultura
 
Cropworld 2012
Cropworld 2012Cropworld 2012
Cropworld 2012
 
Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07Teste 3 dez 07
Teste 3 dez 07
 
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
Dia 2 - Estratégias de politicas públicas para uma maior adoção de sistemas a...
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Apresentação agribusiness alberto vilella
Apresentação agribusiness alberto vilellaApresentação agribusiness alberto vilella
Apresentação agribusiness alberto vilella
 
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
Dia 4 - Conferencia 3 - Sistemas Agroflorestais e Provisão de Benefícios Opor...
 
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...
Diagnóstico do Meio Naturale Antrópico da Região Costeira para Elaboração do ...
 
Geografia- turismo
Geografia- turismoGeografia- turismo
Geografia- turismo
 

Semelhante a Mapa fernando costa

Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
FAO
 
Agricultura de baixa emissão de carbono
Agricultura de baixa emissão de carbonoAgricultura de baixa emissão de carbono
Agricultura de baixa emissão de carbono
Geagra UFG
 
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
ANCP Ribeirão Preto
 
Apresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura FamiliarApresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura Familiar
Claudio Bomfim
 
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo ClimaPosicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Laercio Bruno
 
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo ClimaRelease Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Laercio Bruno
 

Semelhante a Mapa fernando costa (20)

Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
Primeira Conferência Nacional de Mudanças Climáticas Globais - CONCLIMA 2013
 
painel7_Eduardo.ppt
painel7_Eduardo.pptpainel7_Eduardo.ppt
painel7_Eduardo.ppt
 
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
 
Terça ambiental AMDA
Terça ambiental AMDATerça ambiental AMDA
Terça ambiental AMDA
 
Agricultura de baixa emissão de carbono
Agricultura de baixa emissão de carbonoAgricultura de baixa emissão de carbono
Agricultura de baixa emissão de carbono
 
Apresentação - Secretaria Nacional de Mudanças do Clima - SMC_25/05/23.pptx
Apresentação - Secretaria Nacional de Mudanças do Clima - SMC_25/05/23.pptxApresentação - Secretaria Nacional de Mudanças do Clima - SMC_25/05/23.pptx
Apresentação - Secretaria Nacional de Mudanças do Clima - SMC_25/05/23.pptx
 
Apresentacao ppof workshop comitês de bacias
Apresentacao ppof workshop comitês de baciasApresentacao ppof workshop comitês de bacias
Apresentacao ppof workshop comitês de bacias
 
Mozambique National Adaptation Roadmap Training
Mozambique National Adaptation Roadmap TrainingMozambique National Adaptation Roadmap Training
Mozambique National Adaptation Roadmap Training
 
Deloitte - O papel da tecnologia no futuro da alimentacao 25jun19
Deloitte - O papel da tecnologia no futuro da alimentacao 25jun19Deloitte - O papel da tecnologia no futuro da alimentacao 25jun19
Deloitte - O papel da tecnologia no futuro da alimentacao 25jun19
 
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
Seminário ANCP 2016 – Roberto Guimarães Junior – Pecuária de corte de alta pr...
 
Apresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura FamiliarApresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura Familiar
 
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo ClimaPosicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
 
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
Radiografia das Pastagens - Observatório Agricultura de Baixo Carbono, mudanç...
 
Plano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergiaPlano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergia
 
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GECapacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
Capacidades e limitações brasileiras para redução de emissões GE
 
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto RodriguesPalestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
 
Mudanças climáticas.pptx
Mudanças climáticas.pptxMudanças climáticas.pptx
Mudanças climáticas.pptx
 
Abc 17.03.2015
Abc   17.03.2015Abc   17.03.2015
Abc 17.03.2015
 
PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016
 
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo ClimaRelease Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
 

Mais de Embrapa Milho e Sorgo

Mais de Embrapa Milho e Sorgo (17)

Emater mg alimentacao_gado_leiteiro
Emater mg alimentacao_gado_leiteiroEmater mg alimentacao_gado_leiteiro
Emater mg alimentacao_gado_leiteiro
 
Sicoob dieta graos_warley_rocha
Sicoob dieta graos_warley_rochaSicoob dieta graos_warley_rocha
Sicoob dieta graos_warley_rocha
 
Plano energia mudancas_climaticas_mg
Plano energia mudancas_climaticas_mgPlano energia mudancas_climaticas_mg
Plano energia mudancas_climaticas_mg
 
Mitigacao agrotoxicos mg
Mitigacao agrotoxicos mgMitigacao agrotoxicos mg
Mitigacao agrotoxicos mg
 
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropecFitossanidade agronegocio mg_agropec
Fitossanidade agronegocio mg_agropec
 
Epm alimentacao gado_leiteiro
Epm alimentacao gado_leiteiroEpm alimentacao gado_leiteiro
Epm alimentacao gado_leiteiro
 
Epamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalvesEpamig clenderson goncalves
Epamig clenderson goncalves
 
Ems cont biol_ivan_cruz
Ems cont biol_ivan_cruzEms cont biol_ivan_cruz
Ems cont biol_ivan_cruz
 
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicenteEms baculovirus bt_fernando_valicente
Ems baculovirus bt_fernando_valicente
 
Emater rs alencar_rugeri
Emater rs alencar_rugeriEmater rs alencar_rugeri
Emater rs alencar_rugeri
 
Emater mg encontro_regional_pecuaria_leiteira
Emater mg encontro_regional_pecuaria_leiteiraEmater mg encontro_regional_pecuaria_leiteira
Emater mg encontro_regional_pecuaria_leiteira
 
Ems risco agropecuaria_mudancas_climaticas
Ems risco agropecuaria_mudancas_climaticasEms risco agropecuaria_mudancas_climaticas
Ems risco agropecuaria_mudancas_climaticas
 
Palestra Andrea
Palestra AndreaPalestra Andrea
Palestra Andrea
 
Palestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo CandiottoPalestra Marcelo Candiotto
Palestra Marcelo Candiotto
 
Palestra j herbert sit 2015
Palestra j herbert sit 2015Palestra j herbert sit 2015
Palestra j herbert sit 2015
 
Palestra emerson alvarenga sit 2015
Palestra emerson alvarenga sit 2015Palestra emerson alvarenga sit 2015
Palestra emerson alvarenga sit 2015
 
Palestra emerson borghi sit 2015
Palestra emerson borghi sit 2015Palestra emerson borghi sit 2015
Palestra emerson borghi sit 2015
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (14)

apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
 
poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
 
avaliação pratica .pdf
avaliação pratica                      .pdfavaliação pratica                      .pdf
avaliação pratica .pdf
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
 

Mapa fernando costa

  • 1. Superintendência Federal de Agricultura Divisão de Política, Produção e Desenvolvimento Agropecuário TEMA: Mudanças climáticas e agropecuária EMBRAPA MILHO SORGO Sete Lagoas – MG 25/05/2015
  • 2. AQUECIMENTO GLOBAL CONTÍNUO = é devido a concentração dos gases de efeito estufa na atmosfera: CO2, CH4 e N20 Este fenômeno é denominado de mudanças climáticas. ENFOQUE CONCEITUAL DA PALESTRA
  • 3. QUAIS EVENTOS QUE ESTÃO RELACIONADOS COM A MUDANÇA DO CLIMA E QUE, CLARAMENTE, AFETAM A AGROPECUÁRIA Estamos falando de: secas, precipitações, inundações, geadas, ondas de calor, ondas de frio, tempestades, granizo, estiagem e incêndios que estão mais frequentes, intensos e com ocorrência em um maior número de regiões. Estes eventos climáticos extremos criam risco de: insegurança alimentar; falta de água; perda de produção agrícola e da renda rural; perda da biodiversidade dos ecossistemas.
  • 4. NESTE CONTEXTO DE AQUECIMENTO GLOBAL, COMO A AGROPECUÁRIA AFETA O CLIMA?
  • 5. ATIVIDADES AGROPECUÁRIAS QUE GERAM EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA - GEE 1) Práticas agropecuárias que usam combustíveis fósseis (carvão mineral, petróleo e gás natural); 2) Desmatamento com queima do material vegetal de ecossistemas naturais; 3) Produção e emissão de gás metano em aterros sanitários e na pecuária; 4) Uso de fertilizantes nitrogenados, que produz óxido nitroso.
  • 6. COMO A PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PODE MINIMIZAR SEUS IMPACTOS SOBRE O CLIMA E EVITAR UMA COLISÃO COM OS NOVOS PARADIGMAS DA SOCIEDADE? Os produtores rurais devem: 1) reduzir a emissão dos gases de efeito estufa = GEE; e 2) aumentar o sequestro de CO2 da atmosfera na vegetação e no solo.
  • 7. COMO A MUDANÇA DO CLIMA PODERÁ AFETAR A AGROPECUÁRIA?
  • 8. Fonte: Assad et al. (2004) 1°C até 2100 3°C até 2100 5°C até 2100
  • 9. OS MAPAS INDICAM CENÁRIOS PARA UMA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA: A) Mais dependente da irrigação devido ao alto risco de mudança do clima. De onde virá esta água para a irrigação? Como será feita a conservação da água da chuva a partir de agora? B) Questão atual: como o produtor está lidando com a incerteza da chuva? Novas janelas de plantio já deverão ser estabelecidas?
  • 10. PARA FREAR AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GERENCIAR OS RISCOS É PRECISO: PROMOVER AÇÕES COMBINADAS DE MITIGAÇÃO E DE ADAPTAÇÃO DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA.
  • 11. A QUESTÃO DE ADAPTAÇÃO DE REGIÕES OU BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA O DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO, NOS CENÁRIOS DE MUDANÇA DO CLIMA, INCLUI: - Diagnosticar as bacias em que empreendimentos agropecuários estão vivenciando a escassez hídrica; - Entender qual a realidade atual da disponibilidade hídrica e da demanda por região ou bacia hidrográfica; - Realizar prognóstico de demanda de operação por água versus disponibilidade para o período de seca; - Atualizar o balanço hídrico do processo produtivo e checar eventuais desvios para garantir a eficiência no uso da água.
  • 12. OS CENÁRIOS ESTABELECIDOS PELA CIÊNCIA MOSTRAM: A) ALGUMAS REGIÕES DE MINAS GERAIS MAIS VULNERÁVEIS ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS. (Temos que identificar quem são os atingidos e em que nível são atingidos, considerando, por exemplo, a escassez hídrica para o uso agropecuário.) B) MODIFICAÇÃO DA PRODUTIVIDADE DE LAVOURAS E DAS PASTAGENS AO LONGO DO TEMPO. OBS: A nossa função é promover a discussão sobre tecnologias mais adequadas para reduzir os impactos ambientais previstos por estes cenários e criar uma base de produção sustentável para a agropecuária do século XXII.
  • 13. DUAS REFLEXÕES SOBRE OS CENÁRIOS ESTABELECIDOS: A) Nossa agropecuária vai estar adaptada para as mudanças climáticas? B) Se as emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE continuarem aumentando os meios de adaptação que temos serão suficientes?
  • 14. DESAFIO ESPECÍFICO RELACIONADO À MUDANÇA DO CLIMA DEFINIR CENÁRIOS AGRÍCOLAS FUTUROS PARA A PROPOR AÇÕES DE MITIGAÇÃO E DE ADAPTAÇÃO PARA COMBATER OS IMPACTOS NEGATIVOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE A AGROPECUÁRIA.
  • 15. ALGUMAS QUESTÕES PARA O DEBATE SOBRE CENÁRIO AGRÍCOLA FUTURO: 1) Quanto o Brasil irá contribuir com a produção de alimentos nos próximos 35 anos? 2) Tecnicamente, como desacoplar o aumento da produção agropecuária com o aumento das emissões dos GEE? 3) Quanto podemos reduzir de emissão de GEE sem comprometer a segurança alimentar, a produção agropecuária, em escala, e as metas ambientais? OBS: O momento requer negociações para atingir metas estabelecidas.
  • 16. DAS NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS SOBRE O CLIMA Conferência das Partes, da Convenção-Quadro das Nações Unidas Sobre Mudanças Climáticas, das Nações Unidas – COP 1) DURANTE A REUNIÃO DA COP 15, EM 2009, O BRASIL ASSUMIU, DE FORMA VOLUNTÁRIA, O COMPROMISSO DE REDUZIR A EMISSÃO DOS GEE, EM 36,1% E 38,9% ATÉ 2020. 2) ESTIMA-SE A REDUÇÃO DE 1 BILHÃO DE TONELADAS DE CO2 EQUIVALENTE PARA O PERÍODO DE 2010 A 2020.
  • 17. DESDOBRAMENTOS DECORRENTES DOS COMPROMISSOS ASSUMIDOS PELO BRASIL FRENTE A ONU 1) ESTABELECIMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE MUDANÇA DO CLIMA, COM A PUBLICAÇÃO DA LEI 12.187/2009 E DO DECRETO 7.390/2010; 2) IMPLANTAÇÃO DOS PLANOS SETORIAIS, NOS DIVERSOS SEGMENTOS DA ECONOMIA BRASILEIRA, COM AÇÕES PARA DIMINUIR AS EMISSÕES DO GEE. OBS: No momento, há esforços convergindo para o encaminhamento de um projeto de lei estadual de mudança do clima.
  • 18. DO APOIO DA AGRICULTURA PARA O CLIMA GEROU O PLANO SETORIAL DE MITIGAÇÃO E DE ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS VISANDO A CONSOLIDAÇÃO DE UMA ECONOMIA DE BAIXA EMISSÃO DE CARBONO NA AGRICULTURA – PLANO ABC. Em nível estadual foi publicado o Plano Estadual de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono de Minas Gerais – PLANO ABC/MG, por meio da Resolução SEAPA nº 1233/2011, onde se estabeleceu as suas metas voluntárias; Período de Vigência do Plano ABC: 2010 - 2020, com revisões periódicas a cada 2 anos.
  • 19. Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (PLANO ABC) OBJETIVO GERAL Promover a redução da emissão de GEE na agropecuária para minimizar os impactos vinculados com as mudanças do clima; Aumentar a capacidade de sistemas produtivos com as tecnologias preconizadas pelo Plano ABC; Melhorar a eficiência no uso de recursos naturais; Apoiar comunidades rurais no processo de adaptação do setor agropecuário às mudanças climáticas.
  • 20. SEIS SÃO AS TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS INDICADAS PELO PLANO ABC PARA REDUZIR AS EMISSÕES DE GEE 1) Intensificar a Recuperação de Pastagens Degradadas; 2) Implantar maiores áreas com a integração lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF) e de Sistemas Agrofloretais (SAFs); 3) Ampliar o tratamento dos Dejetos de Animais (suinos e aves); 4) Expandir o uso do Sistema de Plantio Direto (SPD); 5) Estimular o uso da fixação Biológica de Nitrogênio; 6) Implantar novas áreas de florestas plantadas;
  • 21. METAS VOLUNTÁRIAS DO PLANO ABC, ATÉ 2020 (BRASIL E MINAS GERAIS) Tecnologias e sistemas de manejo Compromisso nacional Compromisso voluntário de Minas Gerais Participação de Minas Gerais Recuperação de pastagens degradadas 15 milhões de ha ~ 2 milhões de ha 13,3 % Integração Lavoura- Pecuária-Floresta 4 milhões de ha 260 mil ha 6,5 % Sistema Plantio direto 8 milhões de ha 700 mil ha 8,8 % Fixação biológica de Nitrogênio 5,5 milhões de ha ~ 148 mil ha 2,7% Florestas Plantadas 3 milhões de ha ~ 82 mil ha 2,7 % Tratamento de dejetos animais 4,4 milhões de m3 766,5 mil m3 17,4%
  • 22. PARA ACOMPANHAR AS AÇÕES DO PLANO ABC FOI CRIADO O GRUPO GESTOR ABC - Faz parte da cadeia de governança do Plano ABC, dando suporte a implementação de uma política agrícola de cunho ambiental; - A estratégia para a condução do GG/ABC-MG estabelece um modelo de co-gestão entre o MAPA e a SEAPA o que criou um ambiente facilitador para o acompanhamento das ações e de monitoramento; - O GG/ABC-MG é composto por 22 parceiros que representam: governo federal, governo estadual e sociedade civil.
  • 23. PARCEIROS DO GRUPO GESTOR ABC - MG AssociaçãoBrasileiradeIrrigaçãoeDrenagem INMET5°DISME BancodeDesenvolvimentodeMinasGeraisS.A.–BDMG InstitutodeTerras-ITER BancodoBrasilemMinasGerais MAPA-MG/DPDAG-SESAG CCPR-ITAMBÉ MDA/DFDA-MG EMATER-MG SEAPA EmbrapaGadodeLeite SEBRAEMINAS EmbrapaMilhoeSorgo SEMAD-FEAM EPAMIG SicoobCentralCrediminas FAEMG UFV FETAEMG SECTES-SecretariadeCiênciaeTecnologia FórumMineirodeMudançasClimáticas SENAR-MG
  • 24. PORQUE É POSITIVO PARA OS PRODUTORES A ADOÇÃO DAS TECNOLOGIAS RECOMENDADAS PELO PLANO ABC? 1) Aproveita melhor a área de produção da propriedade, intensificando o seu uso de forma sustentável; 2) Cria alternativas de renda para a propriedade; 3) Tem suporte das Instituições de pesquisa e da assistência técnica; 4) Tecnicamente, melhora as condições para a infiltração da água no solo; 5) Apoio do crédito rural subsidiado, via Programa ABC.
  • 25. RECURSOS PARA FINANCIAR O PLANO ABC CRÉDITO RURAL: PROGRAMA ABC OBJETIVO: INCENTIVAR O FINANCIAMENTO DE SISTEMAS PRODUTIVOS QUE FOCAM EM TECNOLOGIAS QUE REDUZEM A EMISSÃO DE GEE ESTRATÉGIA: O uso de taxa de juros subsidiadas até o momento. (A expectativa atual está na divulgação do novo plano de safra 2015/2016, para avaliar a política de crédito rural e os impactos sobre o Programa ABC).
  • 26. CRÉDITO RURAL PROGRAMA ABC ANO SAFRA Nº CONTRATOS BRASIL Nº CONTRATOS MINAS GERAIS (%) VALOR MINAS GERAIS (R$) 2011/2012 3.728 655 17,56 213.392.760 2012/2013 10.265 2.127 20,72 524.581.690 2013/2014 9.473 1.894 19,99 452.269.040 2014/2015 9.802 1.832 18,69 436.017.952 TOTAL 33268 6508 19,56 1.626.261.952 FONTE: BANCO DO BRASIL DADOS SAFRA 2014/2015 = 17.04.2015
  • 27. Aplicações em MG - Por mesorregião Posição em 17/04/2015 2014/2015 IBGE_NomeMesorregião Quant Valor R$ Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba 617 162.196.790 Norte de Minas 312 97.771.967 Noroeste de Minas 250 71.662.100 Sul/Sudoeste de Minas 108 25.357.582 Jequitinhonha 81 18.343.772 Zona da Mata 126 15.203.184 Oeste de Minas 68 11.487.207 Central Mineira 77 10.137.415 Vale do Mucuri 59 9.600.955 Vale do Rio Doce 77 9.575.904 Metropolitana de Belo Horizonte 48 3.873.396 Campo das Vertentes 9 807.680 Total Geral 1.832 436.017.952 Programa ABC – Safra 2014/2015
  • 28. NESTE MOMENTO, O ESFORÇO É PARA AMPLIAR O DEBATE SOBRE O PLANO ABC E O PROGRAMA ABC EM MINAS GERAIS PARA: - técnicos da extensão rural e assistência técnica (pública e privada), profissionais dos sindicatos rurais, das cooperativas agropecuárias, gestores públicos, elaboradores de projetos técnicos e operadores do crédito rural; - professores e estudantes das áreas de ciências agrárias, de nível médio e superior; - pesquisadores da comunidade científica; - produtores rurais (apoio de 2 projetos internacionais). FORMA: divulgação, capacitação, treinamento e assistência técnica.
  • 30. PROJETO FIP/CERRADO: PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL EM ÁREAS JÁ CONVERTIDAS PARA O USO AGROPECUÁRIO DOADOR: Programa de Investimento Florestal – FIP EXECUTOR: Banco Mundial - BIRD ÁREA DE ATUAÇÃO: Bioma Cerrado Objetivos básicos: 1) Capacitar e dar assistência técnica para produtores na implantação de 4 tecnologias preconizadas pelo Plano ABC (iLPF, SPD, RPD e FP); 2) Induzir esforços para diminuir o desmatamento no bioma cerrado e, consequentemente, as emissões de GEE e aumentar o sequestro de carbono em terras privadas.
  • 31. METAS BÁSICAS DO PROJETO FIP/CERRADO: - Realizar 5 Seminários de Sensibilização, para 1.500 pessoas, nos municípios de Sete Lagoas, Pirapora, Unai, Lavras e Uberaba, que ocorrerá em junho e julho/2015; - Ministrar 110 Cursos de Capacitação para 1.600 produtores e responsáveis técnicos, em 2015 e 2016, sobre as tecnologias do Plano ABC, nos municípios selecionados do cerrado mineiro; - Dar assistência técnica em campo para 400 produtores selecionados nos Cursos de Capacitação para transferência de tecnologias; - Gestão e monitoramento do projeto.
  • 32. PROJETO: AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL DOADOR: Governo do Reino Unido EXECUTOR: Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID ÁREA DE ATUAÇÃO: Bioma Mata Atlântica Objetivo básico: • melhorar as práticas de uso da terra e manejo florestal utilizadas por produtores rurais de 10 municípios no bioma Mata Atlântica de Minas Gerais, por meio de assistência financeira e técnica. • OBS: uso da política de Pagamento de Serviços Ambientais - PSA
  • 34. OUTRO MECANISMO POSSÍVEL DE FOMENTO DA AGRICULTURA DE BAIXA EMISSÃO DE CARBONO: emenda parlamentar São recursos do Orçamento Geral da União que podem ser usados para financiar ações de custeio e investimento, por meio de convênio com o MAPA para: - Capacitação de técnicos e produtores rurais nas tecnologias do Plano ABC; - Desenvolvimento de projetos de recuperação em microbacias hidrográficas; - Produção de mudas de espécies florestais nativas e exóticas para diversas finalidades; - Aquisição de insumos para correção da fertilidade do solo; - Sistemas de tratamentos de dejetos de animais; - Desenvolvimento de agricultura de florestas plantadas e heveicultura.
  • 35. PROJETO TÉCNICO: Formular propostas de ações regionalizadas para incentivar a recuperação de pastagens degradadas PARA SUBSIDIAR O TRABALHO DO GG-ABC/MG O MAPA/SFA/MG CONTRATOU O INAES/FAEMG PARA REALIZAR O ESTUDO DA ARTE DAS PASTAGENS NO ESTADO DE MINAS GERAIS.
  • 36. O OBJETIVO BÁSICO DO ESTUDO: VISUALIZAR A SITUAÇÃO ATUAL DAS PASTAGENS Para desenhar a geografia da intensificação sustentável da pecuária em Minas Gerais e responder: - Qual o mapa da produtividade das pastagens em MG? - Onde intensificar a pecuária? - Quanto de gado as pastagens mineiras podem suportar considerando um novo patamar tecnológico? - Quais as regiões com aptidão agrícola para a elevação da produtividade das pastagens? - Quais são as áreas de pastagens degradadas? - Quais as regiões com deficiência no manejo tecnológico?
  • 37.
  • 38. CONSIDERAÇÕES FINAIS Qualquer estratégia para promover a ABC: 1) demandará o uso da melhor ciência disponível e o incentivo para o desenvolvimento de novas pesquisas, considerando os cenários de mudança do clima; 2) deve considerar a ampliação de mecanismos Institucionais para transferir as tecnologias aos produtores por meio de capacitação, treinamento e assistência técnica; 3) precisa considerar a implantação de um processo de certificação do produto oriundo da ABC, de forma a diferenciar e agregar valor a produção da agropecuária mineira, em nível nacional e internacional.
  • 39. CONCLUSÃO O foco desta política agrícola de cunho ambiental é estimular o crescimento do setor produtivo agropecuário com redução das emissões de gases de efeito estufa, tornando a agropecuária menos impactante ao clima. Este é o nosso desafio!
  • 40. * Esta apresentação teve como base a palestra do pesquisador Luiz Adriano Cordeiro – Embrapa DF FERNANDO COSTA fernando.costa@agricultura.gov.br 3250-0331 Muito obrigado!