SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
O NOVO NASCIMENTO
A última coisa considerada no capítulo anterior é a chamada interna. Esta chamada comunica-se aos homens em o
novo nascimento. De modo que somos trazidos, logicamente, a um estudo do novo nascimento ou regeneração.
I. A NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO
1. O FATO DE SUA NECESSIDADE
Jesus não deixou dúvidas quanto a indispensável necessidade do novo nascimento como um pré-requisito à entrada no
Reino de Deus quando Ele disse a Nicodemos: “Aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino
de Deus.” (João 3:5).
2. RAZÕES DE SUA NECESSIDADE
O novo nascimento é necessário porque:
(1). As bênçãos espirituais de Deus são somente para os filhos espirituais.
Rom. 8:16,17. O Homem, por natureza, não é um filho espiritual de Deus, ainda que o seja naturalmente. Adão é
chamado “o filho de Deus” (Lc. 3:28). Esta filiação baseou-se, não no nascimento, nem na mera criação, mas na
semelhança de Deus herdada pelo homem. Essa imagem era dupla: Adão tinha uma parecença moral e espiritual com
Deus na santidade. Tinha uma parecença natural com Deus na personalidade. Para discussão mais ampla dessas
semelhanças vide o capítulo sobre “O Estado Original e Queda do Homem”. Quando o homem caiu, ele perdeu a
parecença moral e espiritual com Deus e assim cessou de ser um filho espiritual de Deus. Mas ele não perdeu sua
personalidade, não caiu ao nível de um bruto e assim reteve uma base natural de filiação. Isto explica Atos 17:28-9.
Espiritualmente e moralmente o homem é um filho do diabo (João 8:44; e I João 3:10), porque traz a semelhança
espiritual e moral do diabo. Assim ele deve nascer de novo para herdar as bênçãos espirituais de Deus, porque estas,
como Rom. 8:16,17 mostra claramente, não são para ninguém exceto Seus filhos espirituais.
(2). O homem está espiritualmente morto e o reino de Deus, tanto aqui como além, é por natureza espiritual.
Rom. 5:12; Efe. 2:1; Col. 2:13; I João 3:14. A afirmação que o homem está espiritualmente morto quer dizer, por
causa do pecado, que o homem está espiritualmente privado de vida espiritual divina; contudo, ele tem vida espiritual
natural. O seu espírito perdeu toda afinidade real com Deus. Ele não tem afeto por Deus ou pelas coisas espirituais
(Rom. 8:7,8). Ele não tem habilidade para as coisas espirituais (Jer. 13:23; João 6:65).
Portanto, nada há em a natureza do homem que o qualifique para a cidadania num reino espiritual. O que estiver
espiritualmente morto não pode habitar um reino espiritual mais do que estiver fisicamente morto habitar um reino
físico. Assim, deve o homem nascer de novo para poder entrar no reino de Deus.
(3). Estar no reino de Deus implica submissão à Lei de Deus e o homem por natureza está em inimizade com Deus.
Rom. 8:7,8. O reino de Deus é a Sua Lei nos corações de Seus santos; logo, entrar no Seu reino, é submeter-se à Sua
Lei. Mas o homem, por natureza, não pode fazer isso porque ele está em inimizade contra Deus. É necessário o novo
nascimento para que esta inimizade seja dominada.
II. A NATUREZA DO NOVO NASCIMENTO
1. CONSIDERADA NEGATIVAMENTE
(1). Não é uma erradicação da velha natureza
O novo nascimento pode-se chamar uma mudança de coração no sentido de uma mudança da disposição regente
(incluindo os afetos bem como a vontade), mas o novo coração não desarraiga o velho. O velho, ou a natureza carnal,
fica. Vide Rom. 7:14-25; Gal. 5:17. O novo coração ou natureza é colocado lado a lado do velho e o santo tem duas
naturezas, como indicadas nas passagens pré-citadas. O novo nascimento deixa a velha natureza inalterada.
(2). Não é uma simples aquisição de religião
O homem é naturalmente religioso. Notai os atenienses pagãos em Atos 17. Recordai também as várias religiões e
formas de culto nas terras gentias de hoje. Pouco importa quão religioso um homem se torne, sem o novo nascimento
ele permanece essencialmente pecaminoso. Lemos num tratado metodista: “Cremos que alguém “adquira religião”,
perca-a e fique eternamente perdido.” Escrevemos a margem: “Passar-vos-ei um melhor que esse: creio que um
homem adquira religião, guarde-a e vá para o inferno, levando-a consigo.”
(3). Não é reforma humana
A reforma humana é superficial, deixando a natureza inteira essencialmente a mesma. Por essa razão a reforma
humana provavelmente não dura. O novo nascimento será seguido de reformas, mas é reforma que provém de uma
mudança fundamental na disposição regente e não a que se funda numa simples resolução da mente. A reforma
humana nunca pode purgar da alma o pecado e implantar uma nova disposição. 2 Pedro 2:20-22.
(4). Não é adoção
Adoção é um termo legal. É o resultado imediato de justificação. Não é o mesmo que regeneração. Adoção faz-nos
filhos de Deus legalmente, ao passo que a regeneração nos faz filhos de Deus experimentalmente. A adoção traz mera
mudança de parentesco legal. A regeneração muda nossa natureza. A adoção tem de ver conosco como os filhos
espirituais e morais do diabo por natureza. A regeneração tem de ver conosco como aqueles que por natureza estão
privados de vida espiritual.
2. CONSIDERADA POSITIVAMENTE
A regeneração é aquele ato instantâneo de Deus na região da alma abaixo do senso íntimo pelo qual se remove toda a
nódoa da alma, e pela qual, através da instrumentalidade da verdade, o exercício inicial da disposição santa assim
comunicada se efetua. Na regeneração há também formada uma união inseparável entre a alma regenerada e o
Espírito Santo.
Da descrição supra de regeneração notemos que:
(1). É um ato de Deus
O homem não pode dar nascimento a si mesmo. João atribui claramente a regeneração a Deus quando, ao falar de
nascermos outra vez, diz: “Não do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (João
1:13). Esta passagem nos diz que a nova natureza não é hereditária; que ela não provém da vontade da velha
natureza (carne); e que não se realiza pela vontade de homem algum, mas é operada por Deus. Na regeneração não
temos um homem trabalhando por si mesmo ou por algum outro homem, mas um homem trabalhado por Deus. Daí
podemos amplificar a afirmação que encabeça este parágrafo e dizer que a regeneração é um ato soberano de Deus.
João 3:8. Na sua fase inicial (vivificação) a regeneração é incondicional. Por ato algum de si mesmo o homem dispõe
Deus a regenerá-lo .
(2). É um ato instantâneo
Diz A. H. Strong: “A regeneração não é uma obra gradual. Conquanto possa haver uma obra gradual da providência de
Deus e do Espírito, preparando a mudança, e um reconhecimento gradual dela depois que ocorre, deve haver um
instante de tempo em que, sob a influência do Espírito de Deus, a disposição da alma, logo antes hostil a Deus, mudase para amar. Qualquer outra idéia assume um estado intermediário de indecisões que não tem nenhum caráter moral
que seja e confunde a regeneração quer como a convicção quer com a santificação.” (System Theology, pág. 458).
A regeneração consiste de gerar e produzir , uma vivificação e um nascimento. E, por causa disso, alguns tem tentado
explicar uma tal analogia entre os nascimentos físico e espiritual como interporia um lapso de tempo entre gerar e
nascer; mas a separação quanto ao tempo entre gerar e nascer no reino físico é ocasionada por condições que são
peculiares ao referido reino. Nenhumas condições tais prevalecem no reino espiritual.
Toda passagem da Escritura conduzindo ao novo nascimento implica que ele é instantâneo.
(3). Ele remove da alma toda a nódoa de pecado
Por natureza a alma do homem é pecaminosa, evidenciado pelo fato que a alma, quando separada do corpo, vai
imediatamente ao tormento do fogo (Lc. 16:23). Se a alma dos incrédulos não fosse pecaminosa tanto quanto o corpo,
não seria justo a alma sofrer no inferno. Mas que a alma da pessoa regenerada não é pecaminosa está evidenciado pelo
fato que tal alma quando separada do corpo na morte, vai imediatamente à presença de Jesus, onde certamente
nenhum pecado será permitido entrar. É-nos dito em 1 Pedro 1:22 que a fé purifica a alma.
E, a modo de mais extensa confirmação do precedente, notamos que, em descrever as duas naturezas dos crentes, a
Escritura representa a velha natureza como corpo e carne, enquanto que a nova natureza é chamada mente ou
espírito. O pecado no crente existe nas luxurias físicas e apetites, não na alma (espírito) ou parte imaterial do homem.
(4). Por meio desta purificação da alma os crentes se tornam “participantes da natureza divina” (2 Pedro 1:4)
Assim a imagem espiritual de Deus se restaura na alma dos crentes. A nova disposição santa assim instilada é a nova
natureza ou novo homem... criado em justiça e verdadeira santidade (Efe. 4:24).
(5). O novo nascimento não está completo até que o arrependimento e a fé tenham sido operados na alma.
É a estes que nos referimos quando falamos acima de “o exercício inicial da santa disposição”, cujo exercício é efetuado
pela regeneração. O arrependimento e a fé deveriam ser considerados como uma parte da regeneração mais do que
como frutos dela. A alma não se renova enquanto ela permanece na impenitência e na incredulidade. Estas atitudes do
coração expostas na regeneração. Isto se confirma pelo fato que a verdade é usada instrumentalmente na regeneração.
Se a regeneração não consistisse da operação do arrependimento e da fé no coração, não haveria necessidade da
instrumentalidade da palavra.
(6). O homem não é totalmente passivo na regeneração
Ele é passivo na vivificação, ou na comunicação inicial da vida. É passivo na mudança da disposição regente ou na
remoção de toda a nódoa da alma. Mas no exercício inicial da santa disposição comunicada na regeneração o homem é
ativo.
(7). Na regeneração forma-se uma união inseparável entre a alma regenerada e o Espírito Santo.
Rom. 8:26; Efe. 1:13,14. Esta união é tão íntima e completa que os santos gemidos do santo são os gemidos do
Espírito Santo, por meio dos quais Ele faz intercessão pelo santo. É por meio desta união entre alma regenerada e o
Espírito Santo que temos união moral e espiritual com Cristo (Rom. 7:2-4).
É em respeito a esta união do Espírito Santo com o espírito regenerado do homem que temos a diferença entre a
regeneração no Velho Testamento e a regeneração no Novo. A do Velho era exatamente a mesma como a do Novo,
exceto por isto:
III. COMO SE CUMPRE O NOVO NASCIMENTO
1. CONSIDERADO NEGATIVAMENTE
(1). Não por educação ou cultura
A educação e a cultura não podem tirar do homem aquilo que não esteja nele. Daí, desde que o homem é
essencialmente pecaminoso e totalmente depravado, a educação e a cultura não podem nunca produzir aquela santa
disposição regente que é operada na regeneração.
(2). Não por batismo
Que o batismo não é instrumental em o novo nascimento, está provado pelos seguintes fatos:
A. Não há nenhum meio concebível por que o batismo possa remover o pecado da alma ou comunicar uma santa
disposição regente.
Os meios físicos não podem nunca operar uma mudança espiritual. A idéia de regeneração batismal “é parte e parcela
de um esquema geral mais de salvação mecânica do que moral, mais coerente com uma filosofia materialística que
espiritual.” (Strong).
B. Pedro afirma que o batismo não é o despojo da imundícia da carne senão a resposta de uma boa consciência para
com Deus (I Pedro 3:21).
Uma boa consciência é a que foi purificada pelo sangue de Cristo (Heb. 9:14). Até que assim se purifica a consciência é
má (Heb. 10:22). E quando alguém for purificado, não há mais consciência de pecados (Heb. 10:2). Daí um que tem
uma boa consciência nunca fará nada para poder salvar-se, porque não tem consciência de pecados nenhum
sentimento de necessidade de salvação. Tudo isto prova que alguém está salvo antes do batismo e não por meio do
batismo.
C. As palavras de Jesus em Mat. 3:15 implicam que o batismo é uma obra de justiça e Paulo diz que não somente
somos salvos pelas obras de justiça (Tito 3:15).
D. A fé deve preceder o batismo (Atos 2:41, 8:37, 19:1-5), e quando a fé é exercitada, já se está salvo (João 3:18;
5:24; I João 5:1,12).
E. Quando a fé foi exercida, a regeneração está completa; logo, o batismo que segue a fé não pode ser instrumental na
regeneração.
A fé é operada no coração, como já foi mostrada e mais claro ainda se fará no capítulo sobre conversão.
F. O Ladrão na cruz foi salvo sem batismo.
A suposição que este ladrão deve ter tido o batismo de João antes de sua crucificação não tem base. Tal batismo não
teria sido melhor do que o batismo recebido pelos doze em Éfeso, porque teria sido, como o dos doze, sem fé em
Cristo, portanto não válida. O esforço para estabelecer que as palavras de Cristo ao ladrão formaram uma pergunta em
vez de uma declaração é absurdo e sem o mais leve pretexto no grego. Que o paraíso é o céu, a presença imediata de
Deus, está evidente de Apoc. 2:7 e 22:1,2.
Tomamos “água” em João 3:5 como um símbolo da Palavra de Deus na base dos seguintes fatos escrituristicos:
(a). A regeneração é uma lavagem (Tito 3:5) e é pela Palavra (Tiago 1:18; I Pedro 1:23).
(b). A purificação operada pela Palavra é como a “lavagem da água” Efe. 5:26.
Que é mais natural então do que “água” em João 3:5 representando o efeito purificador da Palavra na regeneração?
Alguns interpretam água em João 3:5 para referir-se ao nascimento natural. Uma interpretação tal é forçada e
desnatural. Em nenhuma parte da Bíblia se fala do nascimento natural como um nascimento da água. E não havia
necessidade de se dizer a um homem que ele tinha de nascer naturalmente para poder entrar no reino de Deus. A
construção da frase também favorece a idéia que um só batismo é aqui referido. A preposição “de” ocorre antes de
água só no grego.
2. CONSIDERADA POSITIVAMENTE
A regeneração é operada:
(1). Pelo Espírito Santo
João 3:5 nos diz que o novo nascimento é pelo Espírito Santo. Há dois sérios erros em referência à obra do Espírito
Santo na regeneração. Um é que Ele opera (pelo menos em alguns casos) inteiramente independente e à parte da
Palavra escrita de Deus. Isto é sustentado pelos Cascaduras. Conseqüentemente, eles crêem que os homens podem
salvar-se sem o conhecimento da Palavra de Deus escrita. As passagens que atribuem à Palavra de Deus num lugar na
regeneração, que são notadas sob a próxima epígrafe, refutam esta noção. O outro erro a que aqui nos referimos é o
ensino que o Espírito na regeneração não age imediatamente sobre a alma, mas somente imediatamente por meio da
Palavra. Isto é o ensino dos campbelistas. “As asserções escrituristicas da morada do Espírito Santo e do Seu imenso
poder na alma proíbem-nos considerar o divino espírito na regeneração como vindo em contato, não com a alma, mas
somente com a verdade. Desde que a verdade é só o que é, simplesmente, não pode haver mudança operada na
verdade. As frases “energizar a verdade”, “intensificar a verdade”, “iluminar a verdade”, não tem sentido próprio, uma
vez que Deus não pode fazer a verdade mais verdadeira. Se se opera alguma mudança, ela deve ser operada não na
verdade senão na alma.” (Strong, Systematic Theology, pág. 453).
A depravação e inabilidade por natureza de receber a verdade e virar-se do pecado para Cristo e para a justiça
(Jeremias 13:23; João 6:65; 1 Cor. 2:14) também mostram a necessidade absoluta do impacto imediato e da operação
do Espírito Santo sobre a alma na regeneração. “O mero aumento de luz não fará que o cego veja; a doença do olho
deve primeiro ser curada para que o cego veja objetos externos. Assim a obra de Deus na regeneração deve ser
executada dentro da alma mesma. Sobre a cima de toda a influência da verdade deve estar a influência direta do
Espírito Santo sobre o coração.” (ibid).
(2). Usando a instrumentalidade da palavra
A instrumentalidade da Palavra na regeneração está ensinada em Efes. 5:26; Tia. 1:18; 1 Ped. 1:23. É evidente de 1
Ped. 1:25 que a palavra nestas passagens é a Palavra escrita ou pregada antes que o Verbo encarnado (que é Cristo).
Em 1 Ped. 1:23 a palavra está caracterizada como aquilo que “vive e permanece para sempre”. Então, no verso 24,
está referido a natureza perecível de outras coisas. E, no verso 25, a duração da Palavra está de novo referida, e está
plenamente especificada que a referida Palavra é “a Palavra de boas novas que vos foi evangelizada” (tradução
correta).
Veremos mais adiante a evidência da instrumentalidade da Palavra na regeneração quando notamos em nossa
consideração de fé, o que é o objeto e a base de fé, a qual é operada em nossos corações como parte da regeneração.
Todavia, carece de ficar entendido que na primeira fase da regeneração (vivificação) o Espírito opera sobre a alma
independente da Palavra. À alma espiritualmente morta deve-se dar vida antes que ela possa ver e agir sobre a
verdade. É na vivificação que se pode vir a Cristo (João 6:65). É assim que Deus dá homens à possessão de Cristo
(João 6:37). “Na mudança primaria de disposição, a qual é o traço essencialíssimo da regeneração, o Espírito de Deus
age diretamente sobre o espírito do homem. Na consecução do exercício inicial da nova posição – a qual constitui o
traço secundário da obra de Deus na regeneração – a verdade é usada como um meio. Daí, talvez, em Tiago 1:18,
lemos: “Do seu próprio querer ele nos gerou pela Palavra da verdade”, em vês de “Ele nos ganhou pela Palavra da
Verdade” – a referência sendo ao secundário, não ao primário, traço da regeneração” (Strong, Systematic theology,
pág. 454)
IV. EVIDENCIAS DO NOVO NASCIMENTO
1. CONFIANÇA GENUÍNA EM CRISTO SÓ PARA A SALVAÇÃO.
Notamos que a fé é operada no coração como uma parte (a secundária) ou regeneração. Isto é necessariamente assim
porque a nova natureza não pode estar na incredulidade. A fé que se opera no homem pela regeneração não se detém
por menos que implícita confiança e certeza em Cristo como salvador pessoal. Não é meramente crença a respeito dEle,
mas fé e confiança nEle e sobre Ele. Isto é tão abundantemente evidente das passagens que tratam da fé que
argumento mais extenso não é preciso para substanciá-lo.
Ninguém se regenerou até que esteja pronto a confiar o seu eterno bem-estar inteiramente a Cristo. Deve ter se
arrependido das obras mortas (Heb. 6:1) . Todas as obras engajadas para a salvação são obras mortas. Nenhuma fé se
conta por justiça e portanto não é fé salvadora. Exceto a fé do que “não obra” para salvação (Rom. 4:5). Enquanto
alguém está olhando para qualquer coisa que não Cristo, não esta o tal regenerado.
2. O TESTEMUNHO E A PRESENÇA MORADORA DO ESPÍRITO
Rom. 8:16,9; 1 João 3:24; 4:13. O testemunho e a habitação do Espírito não se evidência por algum sentimento vago,
místico, abstrato, mas pelo constante poder regente do Espírito (Rom. 8:14) produzindo devoção a Deus e uma vida
obediente. É pela habitação constante do Espírito e Sua operação em nós que Deus executa até ao fim a obra que Ele
começa em nós na regeneração (Fil. 1:6, 2:13). O testemunho e a moradia do Espírito estão evidenciados em todos os
modos subseqüentes.
3. PRONTIDÃO EM ACEITAR A PALAVRA DE DEUS
João 8:47. Uma pessoa regenerada mostrará sempre um desejo de conhecer a vontade do Seu Pai em tudo a seguir
essa vontade quando se torna conhecida. Não se achará andando continuamente em obstinada rebelião contra a
verdade.
4. ESTADO CÔNSCIO DE PECADO
Rom. 7:14-25; 1 João 1:8. Nenhuma pessoa salva crer-se-á sem pecado. Os que crêem, estão enganados e sem a
verdade, pela qual somos regenerados (Tia. 1:18) e feitos livres (João 8:32). Isto o torna claro que não estão salvos. A
nova natureza reconhecerá sempre a presença do pecado no corpo, como no caso de Paulo (Rom. 7:14-25). Essa nova
natureza tem em si mesma a unção iluminante do Espírito (1 João 2:27) e participa da natureza de Deus mesmo (2
Ped. 1:4), sendo criada em justiça e verdadeira santidade (Efe. 4:24). Não pode estar cega ao pecado.
5. AMOR DE DEUS E JUSTIÇA
João 8:42; Rom. 7:22; 2 Cor. 5:17; 1 João 4:16-19. Juntamente com o estado cônscio de moradia do pecado estará
um amor de Deus e justiça, tal como no caso de Paulo. Paulo achou o pecado no corpo, mas contudo alegrou-se na Lei
de Deus segundo o homem interior.
6. UMA VIDA QUE É OBEDIENTE SEGUNDO O SEU TEOR PRINCIPAL
João 14:21-24; Rom. 6:14; 8:6,13; Gal. 5:24; 1 João 1:6; 2:4,15; 3:8,9; 2 João 6. A vida da pessoa salva não será
perfeita, mas será justa e obediente quanto ao seu teor principal. Para mais extensa discussão desta matéria vide
estudo de 1 João 2:4.
7. PURIFICAÇÃO PROGRESSIVA
1 João 3:3. Enquanto o crente nunca alcançará perfeição sem pecado nesta vida, contudo ele sempre batalha contra os
seus próprios pecados.
8. AMOR DE OUTROS CRENTES
1 João 3:14, 5:2. Há uma tal afinidade entre as pessoas regeneradas que elas se amam mutuamente. Uma evidência
deste amor é que elas se alegram na presença e amizade de uns pelos outros. Deus, porém, ajuntou um outro teste de
nosso amor pelos irmãos: se amarmos a Deus e guardamos os Seus mandamentos sabemos que amamos os filhos de
Deus. Vede a segunda passagem à cima. Assim, de novo somos trazidos de volta à matéria de obediência a Deus.
9. PERSEVERANÇA ATÉ AO FIM.
Mat. 10:22; Rom. 11:22; Fil. 1:6; Col. 1:23; 1 João 3:9; 5:4. A perseverança tanto é uma doutrina da Escritura como a
conservação. Pela conservação de Deus somos levados a perseverar. Estas duas doutrinas são perfeitamente coerentes
e precisam de ser sustentadas e pregadas como verdades gêmeas. Ninguém alcançará o céu senão aqueles que
resistem firmes até ao fim e vencem o mundo. Vide as promessas aos vencedores no Apoc. 3 e 4. Nenhumas
promessas a outros. Mas todos dentre os regenerados vencerão (1 João 5:4).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doutrinas bíblicas introdução
Doutrinas bíblicas introduçãoDoutrinas bíblicas introdução
Doutrinas bíblicas introduçãoRoberto Trindade
 
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)Rovanildo Vieira Soares
 
A regeneração ou novo nascimento a. w. pink
A regeneração ou novo nascimento   a. w. pinkA regeneração ou novo nascimento   a. w. pink
A regeneração ou novo nascimento a. w. pinkDeusdete Soares
 
Artigos de fe_da_igreja_do_nazareno
Artigos de fe_da_igreja_do_nazarenoArtigos de fe_da_igreja_do_nazareno
Artigos de fe_da_igreja_do_nazarenoLuiza Dayana
 
Só se vê a deus com santificação
Só se vê a deus com santificaçãoSó se vê a deus com santificação
Só se vê a deus com santificaçãoSilvio Dutra
 
O Mistério da Santificação por Cristo Aberto - Thomas Boston
O Mistério da Santificação por Cristo Aberto - Thomas BostonO Mistério da Santificação por Cristo Aberto - Thomas Boston
O Mistério da Santificação por Cristo Aberto - Thomas BostonSilvio Dutra
 
137 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_7
137 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_7137 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_7
137 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_7Robson Tavares Fernandes
 
135 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_5
135 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_5135 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_5
135 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_5Robson Tavares Fernandes
 
Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2
  Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2  Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2
Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2Fulvio Leite
 

Mais procurados (17)

Imortalidade da alma
Imortalidade da almaImortalidade da alma
Imortalidade da alma
 
03 santificação
03 santificação03 santificação
03 santificação
 
Doutrinas bíblicas introdução
Doutrinas bíblicas introduçãoDoutrinas bíblicas introdução
Doutrinas bíblicas introdução
 
A doutrina da morte
A doutrina da morteA doutrina da morte
A doutrina da morte
 
A conversão
A conversãoA conversão
A conversão
 
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
 
A regeneração ou novo nascimento a. w. pink
A regeneração ou novo nascimento   a. w. pinkA regeneração ou novo nascimento   a. w. pink
A regeneração ou novo nascimento a. w. pink
 
Nicodemos
NicodemosNicodemos
Nicodemos
 
Caminho a cristo
Caminho a cristoCaminho a cristo
Caminho a cristo
 
Artigos de fe_da_igreja_do_nazareno
Artigos de fe_da_igreja_do_nazarenoArtigos de fe_da_igreja_do_nazareno
Artigos de fe_da_igreja_do_nazareno
 
Só se vê a deus com santificação
Só se vê a deus com santificaçãoSó se vê a deus com santificação
Só se vê a deus com santificação
 
O Mistério da Santificação por Cristo Aberto - Thomas Boston
O Mistério da Santificação por Cristo Aberto - Thomas BostonO Mistério da Santificação por Cristo Aberto - Thomas Boston
O Mistério da Santificação por Cristo Aberto - Thomas Boston
 
Jesus e nicodemos
Jesus e nicodemosJesus e nicodemos
Jesus e nicodemos
 
O batismo nas águas
O batismo nas águasO batismo nas águas
O batismo nas águas
 
137 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_7
137 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_7137 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_7
137 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_7
 
135 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_5
135 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_5135 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_5
135 estudo panoramico-da_biblia-o_livro_de_romanos-parte_5
 
Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2
  Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2  Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2
Martyn lloyd jones, john stott e 1 co 12.13 2
 

Destaque

Steps to Fill employee expense sheet OfficeTimer
Steps to Fill employee expense sheet OfficeTimerSteps to Fill employee expense sheet OfficeTimer
Steps to Fill employee expense sheet OfficeTimerOfficeTimer
 
Careers in epidemiology
Careers in epidemiologyCareers in epidemiology
Careers in epidemiologyentranzz123
 
O estado original e a queda do homem
O estado original e a queda do homemO estado original e a queda do homem
O estado original e a queda do homemAntonio Ferreira
 
ENSAYO DE LOS PRINCIPIOS
ENSAYO DE LOS PRINCIPIOSENSAYO DE LOS PRINCIPIOS
ENSAYO DE LOS PRINCIPIOSIvan Lara Pazos
 
La mestruacion rossy
La mestruacion rossyLa mestruacion rossy
La mestruacion rossyLuIs Caguana
 
Careers in epidemiology
Careers in epidemiologyCareers in epidemiology
Careers in epidemiologyentranzz123
 
Careers in electronics engineering
Careers in electronics engineeringCareers in electronics engineering
Careers in electronics engineeringentranzz123
 
Cvfz2015 sw md-2page_docx
Cvfz2015 sw md-2page_docxCvfz2015 sw md-2page_docx
Cvfz2015 sw md-2page_docxYochanan Zweig
 

Destaque (14)

Sistema nervioso
Sistema nerviosoSistema nervioso
Sistema nervioso
 
Radio
RadioRadio
Radio
 
Steps to Fill employee expense sheet OfficeTimer
Steps to Fill employee expense sheet OfficeTimerSteps to Fill employee expense sheet OfficeTimer
Steps to Fill employee expense sheet OfficeTimer
 
Careers in epidemiology
Careers in epidemiologyCareers in epidemiology
Careers in epidemiology
 
Doe en leer presentatie
Doe en leer presentatieDoe en leer presentatie
Doe en leer presentatie
 
Despesas com eventos
Despesas com eventosDespesas com eventos
Despesas com eventos
 
O estado original e a queda do homem
O estado original e a queda do homemO estado original e a queda do homem
O estado original e a queda do homem
 
ENSAYO DE LOS PRINCIPIOS
ENSAYO DE LOS PRINCIPIOSENSAYO DE LOS PRINCIPIOS
ENSAYO DE LOS PRINCIPIOS
 
La mestruacion rossy
La mestruacion rossyLa mestruacion rossy
La mestruacion rossy
 
Careers in epidemiology
Careers in epidemiologyCareers in epidemiology
Careers in epidemiology
 
Careers in electronics engineering
Careers in electronics engineeringCareers in electronics engineering
Careers in electronics engineering
 
Lego mindstorms
Lego mindstormsLego mindstorms
Lego mindstorms
 
HDLC RESUMEN
HDLC RESUMENHDLC RESUMEN
HDLC RESUMEN
 
Cvfz2015 sw md-2page_docx
Cvfz2015 sw md-2page_docxCvfz2015 sw md-2page_docx
Cvfz2015 sw md-2page_docx
 

Semelhante a O novo nascimento

Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoÉder Tomé
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
RegeneraçãoPr Neto
 
A obra regeneradora do espirito santo de deus (1)
A obra regeneradora do espirito santo de deus (1)A obra regeneradora do espirito santo de deus (1)
A obra regeneradora do espirito santo de deus (1)samuel da silva silva
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoAntonio Ferreira
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoAntonio Ferreira
 
Andrew murray-espirito-de-habitacao
Andrew murray-espirito-de-habitacaoAndrew murray-espirito-de-habitacao
Andrew murray-espirito-de-habitacaoFrancisco Deuzilene
 
Lição 03 – a vida do novo convertido
Lição 03  –  a vida do novo convertidoLição 03  –  a vida do novo convertido
Lição 03 – a vida do novo convertidoestevao01
 
Arthur w. pink a necessidade do novo nascimento
Arthur w. pink   a necessidade do novo nascimentoArthur w. pink   a necessidade do novo nascimento
Arthur w. pink a necessidade do novo nascimentoRoberto Lyra
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoantonio ferreira
 
CURSO BIBLICO A Doutrina da Salvação Aula 4 Regeneração
CURSO BIBLICO A Doutrina da Salvação Aula 4 RegeneraçãoCURSO BIBLICO A Doutrina da Salvação Aula 4 Regeneração
CURSO BIBLICO A Doutrina da Salvação Aula 4 RegeneraçãoDr. Paulo Lis
 
Só se vê a deus com santificação - livro
Só se vê a deus com santificação - livroSó se vê a deus com santificação - livro
Só se vê a deus com santificação - livroSilvio Dutra
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 123º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 12Joel Oliveira
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 123º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 12Joel Silva
 
O chamado para a Regeneração
O chamado para a Regeneração O chamado para a Regeneração
O chamado para a Regeneração Andrew Guimarães
 
Deus requer santificação aos cristãos 15
Deus requer santificação aos cristãos 15Deus requer santificação aos cristãos 15
Deus requer santificação aos cristãos 15Silvio Dutra
 
Propósito com a santificação.
Propósito com a santificação.Propósito com a santificação.
Propósito com a santificação.Quenia Damata
 

Semelhante a O novo nascimento (20)

O novo nascimento
O novo nascimentoO novo nascimento
O novo nascimento
 
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
 
A conversão
A conversãoA conversão
A conversão
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
A obra regeneradora do espirito santo de deus (1)
A obra regeneradora do espirito santo de deus (1)A obra regeneradora do espirito santo de deus (1)
A obra regeneradora do espirito santo de deus (1)
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
 
Andrew murray-espirito-de-habitacao
Andrew murray-espirito-de-habitacaoAndrew murray-espirito-de-habitacao
Andrew murray-espirito-de-habitacao
 
Lição 03 – a vida do novo convertido
Lição 03  –  a vida do novo convertidoLição 03  –  a vida do novo convertido
Lição 03 – a vida do novo convertido
 
A conversão
A conversãoA conversão
A conversão
 
Arthur w. pink a necessidade do novo nascimento
Arthur w. pink   a necessidade do novo nascimentoArthur w. pink   a necessidade do novo nascimento
Arthur w. pink a necessidade do novo nascimento
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
 
CURSO BIBLICO A Doutrina da Salvação Aula 4 Regeneração
CURSO BIBLICO A Doutrina da Salvação Aula 4 RegeneraçãoCURSO BIBLICO A Doutrina da Salvação Aula 4 Regeneração
CURSO BIBLICO A Doutrina da Salvação Aula 4 Regeneração
 
Só se vê a deus com santificação - livro
Só se vê a deus com santificação - livroSó se vê a deus com santificação - livro
Só se vê a deus com santificação - livro
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 123º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 123º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
 
O chamado para a Regeneração
O chamado para a Regeneração O chamado para a Regeneração
O chamado para a Regeneração
 
Deus requer santificação aos cristãos 15
Deus requer santificação aos cristãos 15Deus requer santificação aos cristãos 15
Deus requer santificação aos cristãos 15
 
Propósito com a santificação.
Propósito com a santificação.Propósito com a santificação.
Propósito com a santificação.
 
As duas naturezas
As duas naturezasAs duas naturezas
As duas naturezas
 

Mais de Antonio Ferreira

Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deusOs portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deusAntonio Ferreira
 
Os anjos trabalhando para voce
Os anjos trabalhando para voceOs anjos trabalhando para voce
Os anjos trabalhando para voceAntonio Ferreira
 
O senhor faz o que você diz
O senhor faz o que você dizO senhor faz o que você diz
O senhor faz o que você dizAntonio Ferreira
 
Deus fara o que ele diz que fara
Deus fara o que ele diz que faraDeus fara o que ele diz que fara
Deus fara o que ele diz que faraAntonio Ferreira
 
Confessando a sua palavra para trazer fé
Confessando a sua palavra para trazer féConfessando a sua palavra para trazer fé
Confessando a sua palavra para trazer féAntonio Ferreira
 
A fé processada no intelecto crê no que está escrito
A fé processada no intelecto crê no que está escritoA fé processada no intelecto crê no que está escrito
A fé processada no intelecto crê no que está escritoAntonio Ferreira
 
1 falando coisas à existência
1 falando coisas à existência1 falando coisas à existência
1 falando coisas à existênciaAntonio Ferreira
 
Transformando céus de bronze em céus abertos
Transformando céus de bronze em céus abertosTransformando céus de bronze em céus abertos
Transformando céus de bronze em céus abertosAntonio Ferreira
 
Transformando céus de bronze em céus abertos
Transformando céus de bronze em céus abertosTransformando céus de bronze em céus abertos
Transformando céus de bronze em céus abertosAntonio Ferreira
 
Rodrigo vou te passar um bom projeto
Rodrigo vou te  passar um bom projetoRodrigo vou te  passar um bom projeto
Rodrigo vou te passar um bom projetoAntonio Ferreira
 
Prefeitura municipal de ouro
Prefeitura municipal de ouroPrefeitura municipal de ouro
Prefeitura municipal de ouroAntonio Ferreira
 
Prefeitura municipal de our1
Prefeitura municipal de our1Prefeitura municipal de our1
Prefeitura municipal de our1Antonio Ferreira
 
Os três tempos da salvação
Os três tempos da salvaçãoOs três tempos da salvação
Os três tempos da salvaçãoAntonio Ferreira
 
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deusOs portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deusAntonio Ferreira
 
Os estados finais dos justos e dos ímpios
Os estados finais dos justos e dos ímpiosOs estados finais dos justos e dos ímpios
Os estados finais dos justos e dos ímpiosAntonio Ferreira
 
Orgulho significa rebelião
Orgulho   significa rebeliãoOrgulho   significa rebelião
Orgulho significa rebeliãoAntonio Ferreira
 
Oi tudo bem a paz do senhor
Oi tudo bem a paz do senhorOi tudo bem a paz do senhor
Oi tudo bem a paz do senhorAntonio Ferreira
 
O valor da obra real na placa 69
O valor da obra real na placa    69O valor da obra real na placa    69
O valor da obra real na placa 69Antonio Ferreira
 
O conceito corrente da constituição dos seres humanos é dualista
O conceito corrente da constituição dos seres humanos é dualistaO conceito corrente da constituição dos seres humanos é dualista
O conceito corrente da constituição dos seres humanos é dualistaAntonio Ferreira
 

Mais de Antonio Ferreira (20)

Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deusOs portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
 
Os anjos trabalhando para voce
Os anjos trabalhando para voceOs anjos trabalhando para voce
Os anjos trabalhando para voce
 
O senhor faz o que você diz
O senhor faz o que você dizO senhor faz o que você diz
O senhor faz o que você diz
 
Deus fara o que ele diz que fara
Deus fara o que ele diz que faraDeus fara o que ele diz que fara
Deus fara o que ele diz que fara
 
Confessando a sua palavra para trazer fé
Confessando a sua palavra para trazer féConfessando a sua palavra para trazer fé
Confessando a sua palavra para trazer fé
 
A fé processada no intelecto crê no que está escrito
A fé processada no intelecto crê no que está escritoA fé processada no intelecto crê no que está escrito
A fé processada no intelecto crê no que está escrito
 
1 falando coisas à existência
1 falando coisas à existência1 falando coisas à existência
1 falando coisas à existência
 
Transformando céus de bronze em céus abertos
Transformando céus de bronze em céus abertosTransformando céus de bronze em céus abertos
Transformando céus de bronze em céus abertos
 
Transformando céus de bronze em céus abertos
Transformando céus de bronze em céus abertosTransformando céus de bronze em céus abertos
Transformando céus de bronze em céus abertos
 
Satanás e seu destino
Satanás e seu destinoSatanás e seu destino
Satanás e seu destino
 
Rodrigo vou te passar um bom projeto
Rodrigo vou te  passar um bom projetoRodrigo vou te  passar um bom projeto
Rodrigo vou te passar um bom projeto
 
Prefeitura municipal de ouro
Prefeitura municipal de ouroPrefeitura municipal de ouro
Prefeitura municipal de ouro
 
Prefeitura municipal de our1
Prefeitura municipal de our1Prefeitura municipal de our1
Prefeitura municipal de our1
 
Os três tempos da salvação
Os três tempos da salvaçãoOs três tempos da salvação
Os três tempos da salvação
 
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deusOs portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
Os portais de acesso as leis espirituais ao trono de deus
 
Os estados finais dos justos e dos ímpios
Os estados finais dos justos e dos ímpiosOs estados finais dos justos e dos ímpios
Os estados finais dos justos e dos ímpios
 
Orgulho significa rebelião
Orgulho   significa rebeliãoOrgulho   significa rebelião
Orgulho significa rebelião
 
Oi tudo bem a paz do senhor
Oi tudo bem a paz do senhorOi tudo bem a paz do senhor
Oi tudo bem a paz do senhor
 
O valor da obra real na placa 69
O valor da obra real na placa    69O valor da obra real na placa    69
O valor da obra real na placa 69
 
O conceito corrente da constituição dos seres humanos é dualista
O conceito corrente da constituição dos seres humanos é dualistaO conceito corrente da constituição dos seres humanos é dualista
O conceito corrente da constituição dos seres humanos é dualista
 

O novo nascimento

  • 1. O NOVO NASCIMENTO A última coisa considerada no capítulo anterior é a chamada interna. Esta chamada comunica-se aos homens em o novo nascimento. De modo que somos trazidos, logicamente, a um estudo do novo nascimento ou regeneração. I. A NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO 1. O FATO DE SUA NECESSIDADE Jesus não deixou dúvidas quanto a indispensável necessidade do novo nascimento como um pré-requisito à entrada no Reino de Deus quando Ele disse a Nicodemos: “Aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus.” (João 3:5). 2. RAZÕES DE SUA NECESSIDADE O novo nascimento é necessário porque: (1). As bênçãos espirituais de Deus são somente para os filhos espirituais. Rom. 8:16,17. O Homem, por natureza, não é um filho espiritual de Deus, ainda que o seja naturalmente. Adão é chamado “o filho de Deus” (Lc. 3:28). Esta filiação baseou-se, não no nascimento, nem na mera criação, mas na semelhança de Deus herdada pelo homem. Essa imagem era dupla: Adão tinha uma parecença moral e espiritual com Deus na santidade. Tinha uma parecença natural com Deus na personalidade. Para discussão mais ampla dessas semelhanças vide o capítulo sobre “O Estado Original e Queda do Homem”. Quando o homem caiu, ele perdeu a parecença moral e espiritual com Deus e assim cessou de ser um filho espiritual de Deus. Mas ele não perdeu sua personalidade, não caiu ao nível de um bruto e assim reteve uma base natural de filiação. Isto explica Atos 17:28-9. Espiritualmente e moralmente o homem é um filho do diabo (João 8:44; e I João 3:10), porque traz a semelhança espiritual e moral do diabo. Assim ele deve nascer de novo para herdar as bênçãos espirituais de Deus, porque estas, como Rom. 8:16,17 mostra claramente, não são para ninguém exceto Seus filhos espirituais. (2). O homem está espiritualmente morto e o reino de Deus, tanto aqui como além, é por natureza espiritual. Rom. 5:12; Efe. 2:1; Col. 2:13; I João 3:14. A afirmação que o homem está espiritualmente morto quer dizer, por causa do pecado, que o homem está espiritualmente privado de vida espiritual divina; contudo, ele tem vida espiritual natural. O seu espírito perdeu toda afinidade real com Deus. Ele não tem afeto por Deus ou pelas coisas espirituais (Rom. 8:7,8). Ele não tem habilidade para as coisas espirituais (Jer. 13:23; João 6:65). Portanto, nada há em a natureza do homem que o qualifique para a cidadania num reino espiritual. O que estiver espiritualmente morto não pode habitar um reino espiritual mais do que estiver fisicamente morto habitar um reino físico. Assim, deve o homem nascer de novo para poder entrar no reino de Deus. (3). Estar no reino de Deus implica submissão à Lei de Deus e o homem por natureza está em inimizade com Deus. Rom. 8:7,8. O reino de Deus é a Sua Lei nos corações de Seus santos; logo, entrar no Seu reino, é submeter-se à Sua Lei. Mas o homem, por natureza, não pode fazer isso porque ele está em inimizade contra Deus. É necessário o novo nascimento para que esta inimizade seja dominada. II. A NATUREZA DO NOVO NASCIMENTO 1. CONSIDERADA NEGATIVAMENTE (1). Não é uma erradicação da velha natureza O novo nascimento pode-se chamar uma mudança de coração no sentido de uma mudança da disposição regente (incluindo os afetos bem como a vontade), mas o novo coração não desarraiga o velho. O velho, ou a natureza carnal, fica. Vide Rom. 7:14-25; Gal. 5:17. O novo coração ou natureza é colocado lado a lado do velho e o santo tem duas naturezas, como indicadas nas passagens pré-citadas. O novo nascimento deixa a velha natureza inalterada. (2). Não é uma simples aquisição de religião O homem é naturalmente religioso. Notai os atenienses pagãos em Atos 17. Recordai também as várias religiões e formas de culto nas terras gentias de hoje. Pouco importa quão religioso um homem se torne, sem o novo nascimento ele permanece essencialmente pecaminoso. Lemos num tratado metodista: “Cremos que alguém “adquira religião”, perca-a e fique eternamente perdido.” Escrevemos a margem: “Passar-vos-ei um melhor que esse: creio que um homem adquira religião, guarde-a e vá para o inferno, levando-a consigo.” (3). Não é reforma humana
  • 2. A reforma humana é superficial, deixando a natureza inteira essencialmente a mesma. Por essa razão a reforma humana provavelmente não dura. O novo nascimento será seguido de reformas, mas é reforma que provém de uma mudança fundamental na disposição regente e não a que se funda numa simples resolução da mente. A reforma humana nunca pode purgar da alma o pecado e implantar uma nova disposição. 2 Pedro 2:20-22. (4). Não é adoção Adoção é um termo legal. É o resultado imediato de justificação. Não é o mesmo que regeneração. Adoção faz-nos filhos de Deus legalmente, ao passo que a regeneração nos faz filhos de Deus experimentalmente. A adoção traz mera mudança de parentesco legal. A regeneração muda nossa natureza. A adoção tem de ver conosco como os filhos espirituais e morais do diabo por natureza. A regeneração tem de ver conosco como aqueles que por natureza estão privados de vida espiritual. 2. CONSIDERADA POSITIVAMENTE A regeneração é aquele ato instantâneo de Deus na região da alma abaixo do senso íntimo pelo qual se remove toda a nódoa da alma, e pela qual, através da instrumentalidade da verdade, o exercício inicial da disposição santa assim comunicada se efetua. Na regeneração há também formada uma união inseparável entre a alma regenerada e o Espírito Santo. Da descrição supra de regeneração notemos que: (1). É um ato de Deus O homem não pode dar nascimento a si mesmo. João atribui claramente a regeneração a Deus quando, ao falar de nascermos outra vez, diz: “Não do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (João 1:13). Esta passagem nos diz que a nova natureza não é hereditária; que ela não provém da vontade da velha natureza (carne); e que não se realiza pela vontade de homem algum, mas é operada por Deus. Na regeneração não temos um homem trabalhando por si mesmo ou por algum outro homem, mas um homem trabalhado por Deus. Daí podemos amplificar a afirmação que encabeça este parágrafo e dizer que a regeneração é um ato soberano de Deus. João 3:8. Na sua fase inicial (vivificação) a regeneração é incondicional. Por ato algum de si mesmo o homem dispõe Deus a regenerá-lo . (2). É um ato instantâneo Diz A. H. Strong: “A regeneração não é uma obra gradual. Conquanto possa haver uma obra gradual da providência de Deus e do Espírito, preparando a mudança, e um reconhecimento gradual dela depois que ocorre, deve haver um instante de tempo em que, sob a influência do Espírito de Deus, a disposição da alma, logo antes hostil a Deus, mudase para amar. Qualquer outra idéia assume um estado intermediário de indecisões que não tem nenhum caráter moral que seja e confunde a regeneração quer como a convicção quer com a santificação.” (System Theology, pág. 458). A regeneração consiste de gerar e produzir , uma vivificação e um nascimento. E, por causa disso, alguns tem tentado explicar uma tal analogia entre os nascimentos físico e espiritual como interporia um lapso de tempo entre gerar e nascer; mas a separação quanto ao tempo entre gerar e nascer no reino físico é ocasionada por condições que são peculiares ao referido reino. Nenhumas condições tais prevalecem no reino espiritual. Toda passagem da Escritura conduzindo ao novo nascimento implica que ele é instantâneo. (3). Ele remove da alma toda a nódoa de pecado Por natureza a alma do homem é pecaminosa, evidenciado pelo fato que a alma, quando separada do corpo, vai imediatamente ao tormento do fogo (Lc. 16:23). Se a alma dos incrédulos não fosse pecaminosa tanto quanto o corpo, não seria justo a alma sofrer no inferno. Mas que a alma da pessoa regenerada não é pecaminosa está evidenciado pelo fato que tal alma quando separada do corpo na morte, vai imediatamente à presença de Jesus, onde certamente nenhum pecado será permitido entrar. É-nos dito em 1 Pedro 1:22 que a fé purifica a alma. E, a modo de mais extensa confirmação do precedente, notamos que, em descrever as duas naturezas dos crentes, a Escritura representa a velha natureza como corpo e carne, enquanto que a nova natureza é chamada mente ou espírito. O pecado no crente existe nas luxurias físicas e apetites, não na alma (espírito) ou parte imaterial do homem. (4). Por meio desta purificação da alma os crentes se tornam “participantes da natureza divina” (2 Pedro 1:4) Assim a imagem espiritual de Deus se restaura na alma dos crentes. A nova disposição santa assim instilada é a nova natureza ou novo homem... criado em justiça e verdadeira santidade (Efe. 4:24). (5). O novo nascimento não está completo até que o arrependimento e a fé tenham sido operados na alma. É a estes que nos referimos quando falamos acima de “o exercício inicial da santa disposição”, cujo exercício é efetuado pela regeneração. O arrependimento e a fé deveriam ser considerados como uma parte da regeneração mais do que como frutos dela. A alma não se renova enquanto ela permanece na impenitência e na incredulidade. Estas atitudes do
  • 3. coração expostas na regeneração. Isto se confirma pelo fato que a verdade é usada instrumentalmente na regeneração. Se a regeneração não consistisse da operação do arrependimento e da fé no coração, não haveria necessidade da instrumentalidade da palavra. (6). O homem não é totalmente passivo na regeneração Ele é passivo na vivificação, ou na comunicação inicial da vida. É passivo na mudança da disposição regente ou na remoção de toda a nódoa da alma. Mas no exercício inicial da santa disposição comunicada na regeneração o homem é ativo. (7). Na regeneração forma-se uma união inseparável entre a alma regenerada e o Espírito Santo. Rom. 8:26; Efe. 1:13,14. Esta união é tão íntima e completa que os santos gemidos do santo são os gemidos do Espírito Santo, por meio dos quais Ele faz intercessão pelo santo. É por meio desta união entre alma regenerada e o Espírito Santo que temos união moral e espiritual com Cristo (Rom. 7:2-4). É em respeito a esta união do Espírito Santo com o espírito regenerado do homem que temos a diferença entre a regeneração no Velho Testamento e a regeneração no Novo. A do Velho era exatamente a mesma como a do Novo, exceto por isto: III. COMO SE CUMPRE O NOVO NASCIMENTO 1. CONSIDERADO NEGATIVAMENTE (1). Não por educação ou cultura A educação e a cultura não podem tirar do homem aquilo que não esteja nele. Daí, desde que o homem é essencialmente pecaminoso e totalmente depravado, a educação e a cultura não podem nunca produzir aquela santa disposição regente que é operada na regeneração. (2). Não por batismo Que o batismo não é instrumental em o novo nascimento, está provado pelos seguintes fatos: A. Não há nenhum meio concebível por que o batismo possa remover o pecado da alma ou comunicar uma santa disposição regente. Os meios físicos não podem nunca operar uma mudança espiritual. A idéia de regeneração batismal “é parte e parcela de um esquema geral mais de salvação mecânica do que moral, mais coerente com uma filosofia materialística que espiritual.” (Strong). B. Pedro afirma que o batismo não é o despojo da imundícia da carne senão a resposta de uma boa consciência para com Deus (I Pedro 3:21). Uma boa consciência é a que foi purificada pelo sangue de Cristo (Heb. 9:14). Até que assim se purifica a consciência é má (Heb. 10:22). E quando alguém for purificado, não há mais consciência de pecados (Heb. 10:2). Daí um que tem uma boa consciência nunca fará nada para poder salvar-se, porque não tem consciência de pecados nenhum sentimento de necessidade de salvação. Tudo isto prova que alguém está salvo antes do batismo e não por meio do batismo. C. As palavras de Jesus em Mat. 3:15 implicam que o batismo é uma obra de justiça e Paulo diz que não somente somos salvos pelas obras de justiça (Tito 3:15). D. A fé deve preceder o batismo (Atos 2:41, 8:37, 19:1-5), e quando a fé é exercitada, já se está salvo (João 3:18; 5:24; I João 5:1,12). E. Quando a fé foi exercida, a regeneração está completa; logo, o batismo que segue a fé não pode ser instrumental na regeneração. A fé é operada no coração, como já foi mostrada e mais claro ainda se fará no capítulo sobre conversão. F. O Ladrão na cruz foi salvo sem batismo. A suposição que este ladrão deve ter tido o batismo de João antes de sua crucificação não tem base. Tal batismo não teria sido melhor do que o batismo recebido pelos doze em Éfeso, porque teria sido, como o dos doze, sem fé em Cristo, portanto não válida. O esforço para estabelecer que as palavras de Cristo ao ladrão formaram uma pergunta em vez de uma declaração é absurdo e sem o mais leve pretexto no grego. Que o paraíso é o céu, a presença imediata de Deus, está evidente de Apoc. 2:7 e 22:1,2.
  • 4. Tomamos “água” em João 3:5 como um símbolo da Palavra de Deus na base dos seguintes fatos escrituristicos: (a). A regeneração é uma lavagem (Tito 3:5) e é pela Palavra (Tiago 1:18; I Pedro 1:23). (b). A purificação operada pela Palavra é como a “lavagem da água” Efe. 5:26. Que é mais natural então do que “água” em João 3:5 representando o efeito purificador da Palavra na regeneração? Alguns interpretam água em João 3:5 para referir-se ao nascimento natural. Uma interpretação tal é forçada e desnatural. Em nenhuma parte da Bíblia se fala do nascimento natural como um nascimento da água. E não havia necessidade de se dizer a um homem que ele tinha de nascer naturalmente para poder entrar no reino de Deus. A construção da frase também favorece a idéia que um só batismo é aqui referido. A preposição “de” ocorre antes de água só no grego. 2. CONSIDERADA POSITIVAMENTE A regeneração é operada: (1). Pelo Espírito Santo João 3:5 nos diz que o novo nascimento é pelo Espírito Santo. Há dois sérios erros em referência à obra do Espírito Santo na regeneração. Um é que Ele opera (pelo menos em alguns casos) inteiramente independente e à parte da Palavra escrita de Deus. Isto é sustentado pelos Cascaduras. Conseqüentemente, eles crêem que os homens podem salvar-se sem o conhecimento da Palavra de Deus escrita. As passagens que atribuem à Palavra de Deus num lugar na regeneração, que são notadas sob a próxima epígrafe, refutam esta noção. O outro erro a que aqui nos referimos é o ensino que o Espírito na regeneração não age imediatamente sobre a alma, mas somente imediatamente por meio da Palavra. Isto é o ensino dos campbelistas. “As asserções escrituristicas da morada do Espírito Santo e do Seu imenso poder na alma proíbem-nos considerar o divino espírito na regeneração como vindo em contato, não com a alma, mas somente com a verdade. Desde que a verdade é só o que é, simplesmente, não pode haver mudança operada na verdade. As frases “energizar a verdade”, “intensificar a verdade”, “iluminar a verdade”, não tem sentido próprio, uma vez que Deus não pode fazer a verdade mais verdadeira. Se se opera alguma mudança, ela deve ser operada não na verdade senão na alma.” (Strong, Systematic Theology, pág. 453). A depravação e inabilidade por natureza de receber a verdade e virar-se do pecado para Cristo e para a justiça (Jeremias 13:23; João 6:65; 1 Cor. 2:14) também mostram a necessidade absoluta do impacto imediato e da operação do Espírito Santo sobre a alma na regeneração. “O mero aumento de luz não fará que o cego veja; a doença do olho deve primeiro ser curada para que o cego veja objetos externos. Assim a obra de Deus na regeneração deve ser executada dentro da alma mesma. Sobre a cima de toda a influência da verdade deve estar a influência direta do Espírito Santo sobre o coração.” (ibid). (2). Usando a instrumentalidade da palavra A instrumentalidade da Palavra na regeneração está ensinada em Efes. 5:26; Tia. 1:18; 1 Ped. 1:23. É evidente de 1 Ped. 1:25 que a palavra nestas passagens é a Palavra escrita ou pregada antes que o Verbo encarnado (que é Cristo). Em 1 Ped. 1:23 a palavra está caracterizada como aquilo que “vive e permanece para sempre”. Então, no verso 24, está referido a natureza perecível de outras coisas. E, no verso 25, a duração da Palavra está de novo referida, e está plenamente especificada que a referida Palavra é “a Palavra de boas novas que vos foi evangelizada” (tradução correta). Veremos mais adiante a evidência da instrumentalidade da Palavra na regeneração quando notamos em nossa consideração de fé, o que é o objeto e a base de fé, a qual é operada em nossos corações como parte da regeneração. Todavia, carece de ficar entendido que na primeira fase da regeneração (vivificação) o Espírito opera sobre a alma independente da Palavra. À alma espiritualmente morta deve-se dar vida antes que ela possa ver e agir sobre a verdade. É na vivificação que se pode vir a Cristo (João 6:65). É assim que Deus dá homens à possessão de Cristo (João 6:37). “Na mudança primaria de disposição, a qual é o traço essencialíssimo da regeneração, o Espírito de Deus age diretamente sobre o espírito do homem. Na consecução do exercício inicial da nova posição – a qual constitui o traço secundário da obra de Deus na regeneração – a verdade é usada como um meio. Daí, talvez, em Tiago 1:18, lemos: “Do seu próprio querer ele nos gerou pela Palavra da verdade”, em vês de “Ele nos ganhou pela Palavra da Verdade” – a referência sendo ao secundário, não ao primário, traço da regeneração” (Strong, Systematic theology, pág. 454) IV. EVIDENCIAS DO NOVO NASCIMENTO 1. CONFIANÇA GENUÍNA EM CRISTO SÓ PARA A SALVAÇÃO. Notamos que a fé é operada no coração como uma parte (a secundária) ou regeneração. Isto é necessariamente assim porque a nova natureza não pode estar na incredulidade. A fé que se opera no homem pela regeneração não se detém por menos que implícita confiança e certeza em Cristo como salvador pessoal. Não é meramente crença a respeito dEle, mas fé e confiança nEle e sobre Ele. Isto é tão abundantemente evidente das passagens que tratam da fé que argumento mais extenso não é preciso para substanciá-lo.
  • 5. Ninguém se regenerou até que esteja pronto a confiar o seu eterno bem-estar inteiramente a Cristo. Deve ter se arrependido das obras mortas (Heb. 6:1) . Todas as obras engajadas para a salvação são obras mortas. Nenhuma fé se conta por justiça e portanto não é fé salvadora. Exceto a fé do que “não obra” para salvação (Rom. 4:5). Enquanto alguém está olhando para qualquer coisa que não Cristo, não esta o tal regenerado. 2. O TESTEMUNHO E A PRESENÇA MORADORA DO ESPÍRITO Rom. 8:16,9; 1 João 3:24; 4:13. O testemunho e a habitação do Espírito não se evidência por algum sentimento vago, místico, abstrato, mas pelo constante poder regente do Espírito (Rom. 8:14) produzindo devoção a Deus e uma vida obediente. É pela habitação constante do Espírito e Sua operação em nós que Deus executa até ao fim a obra que Ele começa em nós na regeneração (Fil. 1:6, 2:13). O testemunho e a moradia do Espírito estão evidenciados em todos os modos subseqüentes. 3. PRONTIDÃO EM ACEITAR A PALAVRA DE DEUS João 8:47. Uma pessoa regenerada mostrará sempre um desejo de conhecer a vontade do Seu Pai em tudo a seguir essa vontade quando se torna conhecida. Não se achará andando continuamente em obstinada rebelião contra a verdade. 4. ESTADO CÔNSCIO DE PECADO Rom. 7:14-25; 1 João 1:8. Nenhuma pessoa salva crer-se-á sem pecado. Os que crêem, estão enganados e sem a verdade, pela qual somos regenerados (Tia. 1:18) e feitos livres (João 8:32). Isto o torna claro que não estão salvos. A nova natureza reconhecerá sempre a presença do pecado no corpo, como no caso de Paulo (Rom. 7:14-25). Essa nova natureza tem em si mesma a unção iluminante do Espírito (1 João 2:27) e participa da natureza de Deus mesmo (2 Ped. 1:4), sendo criada em justiça e verdadeira santidade (Efe. 4:24). Não pode estar cega ao pecado. 5. AMOR DE DEUS E JUSTIÇA João 8:42; Rom. 7:22; 2 Cor. 5:17; 1 João 4:16-19. Juntamente com o estado cônscio de moradia do pecado estará um amor de Deus e justiça, tal como no caso de Paulo. Paulo achou o pecado no corpo, mas contudo alegrou-se na Lei de Deus segundo o homem interior. 6. UMA VIDA QUE É OBEDIENTE SEGUNDO O SEU TEOR PRINCIPAL João 14:21-24; Rom. 6:14; 8:6,13; Gal. 5:24; 1 João 1:6; 2:4,15; 3:8,9; 2 João 6. A vida da pessoa salva não será perfeita, mas será justa e obediente quanto ao seu teor principal. Para mais extensa discussão desta matéria vide estudo de 1 João 2:4. 7. PURIFICAÇÃO PROGRESSIVA 1 João 3:3. Enquanto o crente nunca alcançará perfeição sem pecado nesta vida, contudo ele sempre batalha contra os seus próprios pecados. 8. AMOR DE OUTROS CRENTES 1 João 3:14, 5:2. Há uma tal afinidade entre as pessoas regeneradas que elas se amam mutuamente. Uma evidência deste amor é que elas se alegram na presença e amizade de uns pelos outros. Deus, porém, ajuntou um outro teste de nosso amor pelos irmãos: se amarmos a Deus e guardamos os Seus mandamentos sabemos que amamos os filhos de Deus. Vede a segunda passagem à cima. Assim, de novo somos trazidos de volta à matéria de obediência a Deus. 9. PERSEVERANÇA ATÉ AO FIM. Mat. 10:22; Rom. 11:22; Fil. 1:6; Col. 1:23; 1 João 3:9; 5:4. A perseverança tanto é uma doutrina da Escritura como a conservação. Pela conservação de Deus somos levados a perseverar. Estas duas doutrinas são perfeitamente coerentes e precisam de ser sustentadas e pregadas como verdades gêmeas. Ninguém alcançará o céu senão aqueles que resistem firmes até ao fim e vencem o mundo. Vide as promessas aos vencedores no Apoc. 3 e 4. Nenhumas promessas a outros. Mas todos dentre os regenerados vencerão (1 João 5:4).