SlideShare uma empresa Scribd logo
5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus
http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 1/5
Quarta, 05 de março de 2014
Foto: Lulu
Entrevistas
O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”.
Entrevista especial com Ted Polhemus
“Se há um problema que me preocupa sobre a juventude de hoje é que muitos dos jovens parecem
viver sob a sombra da minha geração”, afirma o antropólogo.
“A ideia de que nós, os Boomers, criávamos,
inventávamos e éramos definidos por nossa ‘juventude’ era
tão pervasiva, que nos tornamos a primeira geração que
nunca lidou bem com o envelhecimento.” A declaração é
do antropólogo Ted Polhemus, em entrevista concedida à
IHU On-Line, por e-mail, e faz parte de sua análise em
compreender o mito da juventude presente na sociedade.
Segundo ele, diante da “inabilidade de crescer e envelhecer,
os Boomers tentaram colar em si mesmos uma etiqueta de
‘Jovens para sempre’ que, em certo sentido, nega a
juventude àqueles que realmente são jovens”.
Autor do livro BOOM! A Baby Boom Memoir,
Polhemus evidencia um processo de “juvenilização”, ou
seja, “a transferência da cultura da juventude do domínio
estrito dos jovens para a penetração em todos os grupos
etários e na cultura em seu sentido mais amplo”.
E explica: “não é que simplesmente um novo mercado foi criado dentro da indústria da moda para lidar com
aqueles que eram jovens, mas que jovens modelos e criações apropriadas apenas para corpos jovens
empurraram tudo o mais para a indústria da moda”.
O resultado desse processo, adverte, são “‘adultos-infantis’, que vão envelhecendo e que tentam
desesperadamente ‘enturmar-se com as crianças’. Minha esperança é de que assim que a minha geração for
— finalmente — para aquele grande Festival de Rock no céu, o mundo possa voltar a ter uma percepção
mais normal e sensível de que a criatividade e os valores não estão limitados a nenhuma faixa etária”. E
dispara: “Hoje — diferentemente dos anos 1950 e 1960 — apenas os velhos estão presos no modelo de
juvenilização”.
Ted Polhemus é antropólogo com formação pela Temple University, Filadélfia.
Confira a entrevista.
IHU On-Line - Por que há um mito em torno da
Compartilhar
Imprimir
Enviar por e-mail
Diminuir / Aumentar a letra
5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus
http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 2/5
Foto: Urban Fieldnotes
“Tenho 67
anos e não
faço a menor
juventude?
Ted Polhemus - A partir das décadas de 1950 e 1960,
surgiu o mito de que é na juventude que tudo acontece —
que todos os avanços criativos vêm dos jovens. Isso
derrubou o (também absurdo) mito de que a juventude
nada tem a contribuir. O verdadeiro mito (e perigo) é a
presunção de que a criatividade é definida pela idade. No
fundo, somos mais importantes que nossa idade.
IHU On-Line - Que entendimento os Boomers tinham
da juventude? Em que medida a cultura que os
envolvia contribuiu para sua compreensão de juventude?
Ted Polhemus – Nós, Baby Boomers, crescemos em um mundo (logo após a Segunda Guerra
Mundial) no qual nos diziam constantemente que éramos a "juventude" e, como tal, éramos especiais. A
coisa realmente interessante é que toda a criatividade associada ao rock n’roll, ao Swinging London
Fashion (expressão comumente utilizada para descrever a efervescência cultural dos anos 1960 na
Inglaterra), veio de uma geração ligeiramente mais velha, que havia nascido durante ou mesmo antes da
Segunda Guerra. Os primeiros Baby Boomers, como eu (nascido em 1947), não tinham se tornado
adolescentes até 1960, enquanto o rock n’roll, os primeiros estilos de rua, o jazz moderno, os poetas
beats, haviam todos sido criados por adultos jovens que já não eram mais adolescentes há tempos. Mas a
ideia de que nós, os Boomers, criávamos, inventávamos e éramos definidos por nossa "juventude" era tão
pervasiva, que nos tornamos a primeira geração que nunca lidou bem com o envelhecimento.
IHU On-Line - O senhor diz que essa geração afetou “como um tsunami” as outras gerações,
“distorcendo e metamorfoseando toda a cultura ocidental”. Como e em que medida isso
aconteceu? Quais são os reflexos nas gerações futuras?
Ted Polhemus - Uma vez firmada a ideia de que a juventude, e apenas a juventude, tinha a chave mágica
para onde tudo acontece, todas as gerações mais velhas passaram a ser vistas como "quadrados", velhos,
sem esperança e que não compreendiam nada, e todas as gerações subsequentes (ou, ainda mais importante,
os homens e mulheres da publicidade, que desejavam atingi-los) aceitaram sem questionar a presunção de
que a vida termina quando sua juventude acaba. Veja a moda, por exemplo: estilistas como Dior, cujo "new
look" tomou o mundo de assalto em 1947, criava para mulheres, não garotas (que tradicionalmente
seguiriam as tendências estabelecidas por suas mães). De fato, a moda sempre focou nas mulheres e não nas
garotas, nos homens e não nos meninos. Mas os estilistas dos anos 1960 (que, ironicamente, não eram eles
mesmos adolescentes), como Mary Quant, criaram moda focando nas garotas adolescentes. Hoje existem
grandes debates sobre modelos tamanho zero e assim por diante, mas a essência dessa preocupação não
são as medidas corporais — é a idade. "Tamanho zero" denota garotas, não mulheres. Pessoalmente,
penso que é hora de dissociar a moda e o estilo dessa restrição centrada na idade.
IHU On-Line - A geração atual de jovens ainda sofre os efeitos da
geração Boomers? Em que aspectos?
Ted Polhemus - Em sua inabilidade de crescer e envelhecer, os Boomers
tentaram colar em si mesmos uma etiqueta de "Jovens para sempre" que, em
certo sentido, nega a juventude àqueles que realmente são jovens. Quando isso
aconteceu, nos anos 1970 — todos aqueles velhos hippies controlando a
indústria da música —, o triunfo final da juventude e da geração que era
5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus
http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 3/5
ideia sobre os
jovens de
hoje”
realmente jovem foi o punk. Mas o problema, hoje, é mais insidioso na medida
em que iguala "onde as coisas acontecem" com "juventude" e procura
aprisionar aqueles que são jovens numa categoria que é dominada puramente
pela idade. De fato, a partir do que eu vejo, a juventude de hoje tem tido a
sensibilidade de se apartar desse modelo etário — nos processos de escolhas
de estilo, música, ideologia, padrões de consumo, etc., estão os indicadores de
identidade realmente significativos, e estes cruzam a passos largos as fronteiras de idade.
IHU On-Line - Existe um processo generalizado de conflito de gerações na sociedade ocidental?
Se sim, em que termos?
Ted Polhemus - Havia nos anos 1970, quando os jovens rebeldes do punk miravam os "velhos chatos".
O que me impressiona é como o conflito geracional parece ser tão pequeno hoje. E é preciso ser mais do
que jovem para responsabilizar a nós, os velhos, por estragar o mundo. Apontou-se estatisticamente que a
geração Boomer teve seu próprio modo de fazer as coisas: iam sorrindo aos bancos e destruíam o planeta
como ninguém antes deles havia feito.
De fato, se me é permitido dizer, penso que esse tipo de argumento (como tem sido exposto em um grande
número de livros campeões de vendas recentemente) recai na mesma absurdidade de centrar-se na idade.
Havia Boomers que dirigiam ônibus e ganhavam salários muito baixos, enquanto outros — como Mark
Zuckerberg — que não são Boomers, mas têm feito dinheiro suficiente para manter uma pequena nação
funcionando. É absolutamente verdade que foi durante o tempo de vida dos Boomers que a destruição de
nosso planeta conheceu uma aceleração. Mas, novamente, não acho que seja justo colar este juízo em cada
um dos Baby Boomers. Contudo, a despeito dessas retratações, eu consigo entender facilmente que as
gerações mais jovens ressintam o fato de que tantos Boomers estão gozando de rendas confortáveis (para
não dizer que estão usufruindo de todas as vantagens da medicina), enquanto muitos de sua geração não
conseguem nem arrumar emprego.
IHU On-Line - Em que consiste esse processo de “juvenilização” de que o senhor fala?
Ted Polhemus - Por "juvenilização" eu entendo a transferência da cultura da juventude do domínio estrito
dos jovens para a penetração em todos os grupos etários e na cultura em seu sentido mais amplo. Por
exemplo, como mencionei antes, não é que simplesmente um novo mercado foi criado dentro da indústria da
moda para lidar com aqueles que eram jovens, mas que jovens modelos e criações apropriadas apenas para
corpos jovens empurraram tudo o mais para a indústria da moda; veja a música pop.
Nós esquecemos que este não é um fenômeno natural: durante 99,9% da sua história, nossos ancestrais
humanos reverenciaram o antigo por sua sabedoria. Hoje, o resultado final são os "adultos-infantis", que
vão envelhecendo e que tentam desesperadamente "enturmar-se com as crianças". Minha esperança é que
assim que a minha geração for — finalmente — para aquele grande Festival de Rock no céu, o mundo
possa voltar a ter uma percepção mais normal e sensível de que a criatividade e os valores não estão
limitados a nenhuma faixa etária.
IHU On-Line - É possível romper com esse processo de juvenilização inaugurado com os
Boomers? Qual seria o mito social subsequente?
Ted Polhemus - É só parar, como eu digo, de pensar que quem nós somos é definido pela nossa idade. O
principal personagem e narrador do romance do final dos anos 1950, Absolute Beginners, teme que ao
fazer 19 anos ele ultrapassaria o seu prazo de validade. Que tamanha bobagem — não o romance, que é
5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus
http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 4/5
“Nunca antes na
história humana o
Homo Sapiens teve
tal possibilidade de
se inventar a si
mesmo”
ótimo, mas a noção de que a certa idade você está passado.
IHU On-Line - Como se dá o processo identitário de jovens hoje em dia, e
como este processo se difere do conceito de "juventude" originado a
partir dos Boomers?
Ted Polhemus - Isso é exatamente o que alguém tem que começar a perguntar
aos jovens. Eu tenho 67 anos e não faço a menor ideia sobre os jovens de hoje.
É isso que quero que alguém faça: algum tipo de pesquisa que peça aos jovens
para listarem o significado de vários fatores (idade, nacionalidade, classes,
marcas, música, estilo, religião, raça, valores, etc.), do mais importante para o
menos importante. Aqui vai uma observação que fiz por mim mesmo: na cidade
de Hastings, no Reino Unido, onde eu vivo, quando o tempo melhora (se é que
melhora), há um monte de crianças, predominantemente novas, andando de
patins e skates no calçadão à beira da praia. Eu digo crianças predominantemente novas — e aqui está o
meu ponto —, mas noto que, quando chega alguma pessoa mais velha que é boa nos patins ou no skate, ela
é bem-vinda e respeitada, ao passo que algumas crianças que não têm habilidade são ignoradas. Compare
com a minha geração que dizia "Nunca".
IHU On-Line - Essa autocompreensão de “juvenilização” faz com que os jovens não desenvolvam
características próprias da idade adulta? Quais, por exemplo? Como a “juvenilização” afeta a vida
adulta?
Ted Polhemus - Eu penso que o outro lado dessa moeda seja mais significativo: como aqueles que não são
jovens se esforçam para viver suas vidas como se fossem jovens, quando na verdade não o são. Meu palpite
seria de que hoje — diferentemente dos anos 1950 e 1960 — apenas os velhos estão presos no modelo de
juvenilização.
Novamente, penso que a juventude de hoje lida bem, enquanto o problema de envelhecer é dos velhos. Se
há um problema que me preocupa sobre a juventude de hoje é que muitos desses jovens parecem viver sob
a sombra da minha geração. Estudantes dizem para mim: "deve ter sido tão legal viver nos anos 1960". Bem,
sim e não. A história tem uma mania de ignorar todas as coisas chatas e repetir em um "loop" infinito aquele
clipe de Woodstock no qual a mágica acontecia. Nos anos 1950 quando, na minha visão, as reais
revoluções aconteceram, tratava-se ainda mais da questão de uma pequena minoria estatisticamente
inundada por uma corrente extremamente tediosa. E não nos esqueçamos de que Jack Kerouack e Neal
Cassidy, de On the road, desperdiçaram muito de suas vidas — e estragaram a vida de muitos outros ao
seu redor, especialmente das mulheres que passaram por suas vidas. O que é tão significativo e excitante é
que o que era a preocupação de uma maioria, hoje tornou-se a preocupação da massa. Muitas pessoas hoje
— de todas as idades — se esforçam para criar uma identidade única para si e expressam essa identidade
em seus estilos ou palavras, música, ou seja lá o que for. E isso é global.
Lembre-se que lá atrás, nos anos 1950 e 1960, a maioria se conformava muito mais do que se expressava a
si mesma, e mesmo os Beats, Hippies, Bikers eram conformes às demandas de suas subculturas. A moda
dizia às pessoas o que era in ou out. Nunca antes na história humana o Homo Sapiens teve tal possibilidade
de se inventar a si mesmo.
Para ler mais:
14/02/2014 - OIT diz que 7,8 milhões de jovens da América Latina não conseguem emprego
5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus
http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 5/5
10/02/2014 - Geração Y: superpreparados e frustrados
30/11/2013 - Cresce 'geração canguru', que não sai de casa
20/09/2013 - Geração Y é menos dependente de carro, expõe pesquisa
30/07/2013 - A geração tecnomilitante: mudar o mundo a partir da Web
15/05/2011 - Geração Y e as novas relações do saber. Entrevista especial com Mário Corso
14/05/2011 - A gerações Y e as novas relações trabalhistas. Entrevista especial com Sidnei Oliveira
Veja também:
Cinco gerações contemporâneas. Uma descrição. Revista IHU On-Line, nº. 361

Mais conteúdo relacionado

Destaque

practica de asignatura favorita del año esc. 2013-14
practica de asignatura favorita del año esc. 2013-14practica de asignatura favorita del año esc. 2013-14
practica de asignatura favorita del año esc. 2013-14
Rdelacruz
 
5 saber and conocer
5 saber and conocer5 saber and conocer
5 saber and conocer
Laura Riddle
 
FOGO BACTERIANO – DOENÇA QUARENTENÁRIANA MACIEIRA
FOGO BACTERIANO – DOENÇA QUARENTENÁRIANA MACIEIRAFOGO BACTERIANO – DOENÇA QUARENTENÁRIANA MACIEIRA
FOGO BACTERIANO – DOENÇA QUARENTENÁRIANA MACIEIRA
Oxya Agro e Biociências
 
guia de internet
guia de internetguia de internet
guia de internet
Juancarlosportilla1
 
Miriam
MiriamMiriam
Miriam
MIRIAM CR
 
Criando Notas - ExamTime
Criando Notas - ExamTimeCriando Notas - ExamTime
Criando Notas - ExamTime
GoConqr Brasil
 
La atmosfera
La atmosferaLa atmosfera
La atmosfera
Natalia Sánchez
 
Ejercicio 2b
Ejercicio 2bEjercicio 2b
Ejercicio 2b
Feer Ramírez
 
Pragrama curricular
Pragrama curricularPragrama curricular
Pragrama curricular
mairefg
 
Monica act 2
Monica act 2Monica act 2
Monica act 2
Monii Olvera
 
catedra upecista
catedra upecistacatedra upecista
catedra upecista
alejandraafanador96
 
Reglamento Institucional Universidad Popular del Cesar.
Reglamento Institucional Universidad Popular del Cesar. Reglamento Institucional Universidad Popular del Cesar.
Reglamento Institucional Universidad Popular del Cesar.
alisonoviedo
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
El endoceptivo
El endoceptivoEl endoceptivo
Diapositivas gbi
Diapositivas gbiDiapositivas gbi
Diapositivas gbi
kamila0702
 
Preparemos la lectura de La sandía de Salvador Rueda
Preparemos la lectura de La sandía de Salvador RuedaPreparemos la lectura de La sandía de Salvador Rueda
Preparemos la lectura de La sandía de Salvador Rueda
Antonio García Velasco
 
reglamentos institucional UPC victor.
reglamentos institucional UPC  victor.reglamentos institucional UPC  victor.
reglamentos institucional UPC victor.
vensedor
 
revelado
reveladorevelado
revelado
alexpsart
 
La propiedad por Maria Arbujas
La propiedad por Maria ArbujasLa propiedad por Maria Arbujas
La propiedad por Maria Arbujas
elenavalentina2008
 
Ventajas y desventajas
Ventajas y desventajas  Ventajas y desventajas
Ventajas y desventajas
Nath Flores
 

Destaque (20)

practica de asignatura favorita del año esc. 2013-14
practica de asignatura favorita del año esc. 2013-14practica de asignatura favorita del año esc. 2013-14
practica de asignatura favorita del año esc. 2013-14
 
5 saber and conocer
5 saber and conocer5 saber and conocer
5 saber and conocer
 
FOGO BACTERIANO – DOENÇA QUARENTENÁRIANA MACIEIRA
FOGO BACTERIANO – DOENÇA QUARENTENÁRIANA MACIEIRAFOGO BACTERIANO – DOENÇA QUARENTENÁRIANA MACIEIRA
FOGO BACTERIANO – DOENÇA QUARENTENÁRIANA MACIEIRA
 
guia de internet
guia de internetguia de internet
guia de internet
 
Miriam
MiriamMiriam
Miriam
 
Criando Notas - ExamTime
Criando Notas - ExamTimeCriando Notas - ExamTime
Criando Notas - ExamTime
 
La atmosfera
La atmosferaLa atmosfera
La atmosfera
 
Ejercicio 2b
Ejercicio 2bEjercicio 2b
Ejercicio 2b
 
Pragrama curricular
Pragrama curricularPragrama curricular
Pragrama curricular
 
Monica act 2
Monica act 2Monica act 2
Monica act 2
 
catedra upecista
catedra upecistacatedra upecista
catedra upecista
 
Reglamento Institucional Universidad Popular del Cesar.
Reglamento Institucional Universidad Popular del Cesar. Reglamento Institucional Universidad Popular del Cesar.
Reglamento Institucional Universidad Popular del Cesar.
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
El endoceptivo
El endoceptivoEl endoceptivo
El endoceptivo
 
Diapositivas gbi
Diapositivas gbiDiapositivas gbi
Diapositivas gbi
 
Preparemos la lectura de La sandía de Salvador Rueda
Preparemos la lectura de La sandía de Salvador RuedaPreparemos la lectura de La sandía de Salvador Rueda
Preparemos la lectura de La sandía de Salvador Rueda
 
reglamentos institucional UPC victor.
reglamentos institucional UPC  victor.reglamentos institucional UPC  victor.
reglamentos institucional UPC victor.
 
revelado
reveladorevelado
revelado
 
La propiedad por Maria Arbujas
La propiedad por Maria ArbujasLa propiedad por Maria Arbujas
La propiedad por Maria Arbujas
 
Ventajas y desventajas
Ventajas y desventajas  Ventajas y desventajas
Ventajas y desventajas
 

Semelhante a O mito da juventude “o problema de envelhecer é dos velhos”

Cap 16 comunicação
Cap 16   comunicaçãoCap 16   comunicação
Cap 16 comunicação
Colegio GGE
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
mundica broda
 
Cap 16 comunicação
Cap 16   comunicaçãoCap 16   comunicação
Cap 16 comunicação
mundissa
 
Cap 16 comunicação
Cap 16   comunicaçãoCap 16   comunicação
Cap 16 comunicação
Colegio GGE
 
Cap 16 comunicação
Cap 16   comunicaçãoCap 16   comunicação
Cap 16 comunicação
mundissa
 
Cultivando discípulos do futuro
Cultivando discípulos do futuroCultivando discípulos do futuro
Cultivando discípulos do futuro
Giba Canto
 
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 34
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 34Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 34
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 34
Valter Gomes
 
3.pos modernidade
3.pos modernidade3.pos modernidade
3.pos modernidade
Leila Pryjma
 
Videos autorais na era youtube
Videos autorais na era youtubeVideos autorais na era youtube
Videos autorais na era youtube
Tetsuo Takita
 
Jovens & o Cool
Jovens & o Cool  Jovens & o Cool
Jovens & o Cool
Sthéfany Cechinel
 
Tema da redação
Tema da redaçãoTema da redação
Tema da redação
Piaget1623
 
Simulado ensino médio sociologia (salvo automaticamente)
Simulado ensino médio  sociologia (salvo automaticamente)Simulado ensino médio  sociologia (salvo automaticamente)
Simulado ensino médio sociologia (salvo automaticamente)
Atividades Diversas Cláudia
 
E OS VALORES ONDE ESTÃO??
E OS VALORES ONDE ESTÃO??E OS VALORES ONDE ESTÃO??
E OS VALORES ONDE ESTÃO??
acgobbo
 
Jhonatan e héctor final e anos 50
Jhonatan e héctor final e anos 50Jhonatan e héctor final e anos 50
Jhonatan e héctor final e anos 50
atividadesempic
 
A crise da cultura-Arendt
A crise da cultura-ArendtA crise da cultura-Arendt
A crise da cultura-Arendt
Secretaria da Cultura de Araçatuba-SP
 
A depressao como mal estar contemporaneo
A depressao como mal estar contemporaneoA depressao como mal estar contemporaneo
A depressao como mal estar contemporaneo
Fabíola Mapin
 
A depressão como mal estar contemporaneo
A depressão como mal estar contemporaneoA depressão como mal estar contemporaneo
A depressão como mal estar contemporaneo
Keven Wiliam Silva Rodrigues
 
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Elisio Estanque
 
Pos verdade como-compreender_um_tempo_em
Pos verdade como-compreender_um_tempo_emPos verdade como-compreender_um_tempo_em
Pos verdade como-compreender_um_tempo_em
Geldes Castro
 
Steiner
SteinerSteiner
Steiner
João Soares
 

Semelhante a O mito da juventude “o problema de envelhecer é dos velhos” (20)

Cap 16 comunicação
Cap 16   comunicaçãoCap 16   comunicação
Cap 16 comunicação
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Cap 16 comunicação
Cap 16   comunicaçãoCap 16   comunicação
Cap 16 comunicação
 
Cap 16 comunicação
Cap 16   comunicaçãoCap 16   comunicação
Cap 16 comunicação
 
Cap 16 comunicação
Cap 16   comunicaçãoCap 16   comunicação
Cap 16 comunicação
 
Cultivando discípulos do futuro
Cultivando discípulos do futuroCultivando discípulos do futuro
Cultivando discípulos do futuro
 
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 34
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 34Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 34
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 34
 
3.pos modernidade
3.pos modernidade3.pos modernidade
3.pos modernidade
 
Videos autorais na era youtube
Videos autorais na era youtubeVideos autorais na era youtube
Videos autorais na era youtube
 
Jovens & o Cool
Jovens & o Cool  Jovens & o Cool
Jovens & o Cool
 
Tema da redação
Tema da redaçãoTema da redação
Tema da redação
 
Simulado ensino médio sociologia (salvo automaticamente)
Simulado ensino médio  sociologia (salvo automaticamente)Simulado ensino médio  sociologia (salvo automaticamente)
Simulado ensino médio sociologia (salvo automaticamente)
 
E OS VALORES ONDE ESTÃO??
E OS VALORES ONDE ESTÃO??E OS VALORES ONDE ESTÃO??
E OS VALORES ONDE ESTÃO??
 
Jhonatan e héctor final e anos 50
Jhonatan e héctor final e anos 50Jhonatan e héctor final e anos 50
Jhonatan e héctor final e anos 50
 
A crise da cultura-Arendt
A crise da cultura-ArendtA crise da cultura-Arendt
A crise da cultura-Arendt
 
A depressao como mal estar contemporaneo
A depressao como mal estar contemporaneoA depressao como mal estar contemporaneo
A depressao como mal estar contemporaneo
 
A depressão como mal estar contemporaneo
A depressão como mal estar contemporaneoA depressão como mal estar contemporaneo
A depressão como mal estar contemporaneo
 
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
Ee juventude bloqueada (i) publico_18.05.17
 
Pos verdade como-compreender_um_tempo_em
Pos verdade como-compreender_um_tempo_emPos verdade como-compreender_um_tempo_em
Pos verdade como-compreender_um_tempo_em
 
Steiner
SteinerSteiner
Steiner
 

Mais de Elizete Santos

Datas comemorativas-2015
Datas comemorativas-2015Datas comemorativas-2015
Datas comemorativas-2015
Elizete Santos
 
Genero e a Complexidade- Ecofeminismo
Genero e a Complexidade-  EcofeminismoGenero e a Complexidade-  Ecofeminismo
Genero e a Complexidade- Ecofeminismo
Elizete Santos
 
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade   livro - educação em diálogos com a diversidadeDiversidade   livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
Elizete Santos
 
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e SatoDireito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Elizete Santos
 
O que é Educação Popular- livro
O que é Educação Popular- livroO que é Educação Popular- livro
O que é Educação Popular- livro
Elizete Santos
 
Kabengele munanga origem e histórico do quilombo na áfrica
Kabengele munanga  origem e histórico do quilombo na áfricaKabengele munanga  origem e histórico do quilombo na áfrica
Kabengele munanga origem e histórico do quilombo na áfrica
Elizete Santos
 
Uma história do negro no brasil ceao-ufba
Uma história do negro no brasil  ceao-ufbaUma história do negro no brasil  ceao-ufba
Uma história do negro no brasil ceao-ufba
Elizete Santos
 
Educação popular
Educação popular Educação popular
Educação popular
Elizete Santos
 
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolasO incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
Elizete Santos
 
No credo 2013
No credo 2013No credo 2013
No credo 2013
Elizete Santos
 
Municipios Educadores Sustentáveis
Municipios Educadores SustentáveisMunicipios Educadores Sustentáveis
Municipios Educadores Sustentáveis
Elizete Santos
 
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileiraLivro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Elizete Santos
 
O ultimo trem de hiroshima Charles Pellegrino
O ultimo trem de hiroshima   Charles PellegrinoO ultimo trem de hiroshima   Charles Pellegrino
O ultimo trem de hiroshima Charles Pellegrino
Elizete Santos
 
Guia prático da nova ortografia Michaelis
Guia prático da nova ortografia Michaelis Guia prático da nova ortografia Michaelis
Guia prático da nova ortografia Michaelis
Elizete Santos
 
Artigo ecology and sociedade
Artigo ecology and sociedadeArtigo ecology and sociedade
Artigo ecology and sociedade
Elizete Santos
 

Mais de Elizete Santos (15)

Datas comemorativas-2015
Datas comemorativas-2015Datas comemorativas-2015
Datas comemorativas-2015
 
Genero e a Complexidade- Ecofeminismo
Genero e a Complexidade-  EcofeminismoGenero e a Complexidade-  Ecofeminismo
Genero e a Complexidade- Ecofeminismo
 
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade   livro - educação em diálogos com a diversidadeDiversidade   livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
 
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e SatoDireito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
 
O que é Educação Popular- livro
O que é Educação Popular- livroO que é Educação Popular- livro
O que é Educação Popular- livro
 
Kabengele munanga origem e histórico do quilombo na áfrica
Kabengele munanga  origem e histórico do quilombo na áfricaKabengele munanga  origem e histórico do quilombo na áfrica
Kabengele munanga origem e histórico do quilombo na áfrica
 
Uma história do negro no brasil ceao-ufba
Uma história do negro no brasil  ceao-ufbaUma história do negro no brasil  ceao-ufba
Uma história do negro no brasil ceao-ufba
 
Educação popular
Educação popular Educação popular
Educação popular
 
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolasO incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
 
No credo 2013
No credo 2013No credo 2013
No credo 2013
 
Municipios Educadores Sustentáveis
Municipios Educadores SustentáveisMunicipios Educadores Sustentáveis
Municipios Educadores Sustentáveis
 
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileiraLivro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
 
O ultimo trem de hiroshima Charles Pellegrino
O ultimo trem de hiroshima   Charles PellegrinoO ultimo trem de hiroshima   Charles Pellegrino
O ultimo trem de hiroshima Charles Pellegrino
 
Guia prático da nova ortografia Michaelis
Guia prático da nova ortografia Michaelis Guia prático da nova ortografia Michaelis
Guia prático da nova ortografia Michaelis
 
Artigo ecology and sociedade
Artigo ecology and sociedadeArtigo ecology and sociedade
Artigo ecology and sociedade
 

O mito da juventude “o problema de envelhecer é dos velhos”

  • 1. 5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 1/5 Quarta, 05 de março de 2014 Foto: Lulu Entrevistas O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus “Se há um problema que me preocupa sobre a juventude de hoje é que muitos dos jovens parecem viver sob a sombra da minha geração”, afirma o antropólogo. “A ideia de que nós, os Boomers, criávamos, inventávamos e éramos definidos por nossa ‘juventude’ era tão pervasiva, que nos tornamos a primeira geração que nunca lidou bem com o envelhecimento.” A declaração é do antropólogo Ted Polhemus, em entrevista concedida à IHU On-Line, por e-mail, e faz parte de sua análise em compreender o mito da juventude presente na sociedade. Segundo ele, diante da “inabilidade de crescer e envelhecer, os Boomers tentaram colar em si mesmos uma etiqueta de ‘Jovens para sempre’ que, em certo sentido, nega a juventude àqueles que realmente são jovens”. Autor do livro BOOM! A Baby Boom Memoir, Polhemus evidencia um processo de “juvenilização”, ou seja, “a transferência da cultura da juventude do domínio estrito dos jovens para a penetração em todos os grupos etários e na cultura em seu sentido mais amplo”. E explica: “não é que simplesmente um novo mercado foi criado dentro da indústria da moda para lidar com aqueles que eram jovens, mas que jovens modelos e criações apropriadas apenas para corpos jovens empurraram tudo o mais para a indústria da moda”. O resultado desse processo, adverte, são “‘adultos-infantis’, que vão envelhecendo e que tentam desesperadamente ‘enturmar-se com as crianças’. Minha esperança é de que assim que a minha geração for — finalmente — para aquele grande Festival de Rock no céu, o mundo possa voltar a ter uma percepção mais normal e sensível de que a criatividade e os valores não estão limitados a nenhuma faixa etária”. E dispara: “Hoje — diferentemente dos anos 1950 e 1960 — apenas os velhos estão presos no modelo de juvenilização”. Ted Polhemus é antropólogo com formação pela Temple University, Filadélfia. Confira a entrevista. IHU On-Line - Por que há um mito em torno da Compartilhar Imprimir Enviar por e-mail Diminuir / Aumentar a letra
  • 2. 5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 2/5 Foto: Urban Fieldnotes “Tenho 67 anos e não faço a menor juventude? Ted Polhemus - A partir das décadas de 1950 e 1960, surgiu o mito de que é na juventude que tudo acontece — que todos os avanços criativos vêm dos jovens. Isso derrubou o (também absurdo) mito de que a juventude nada tem a contribuir. O verdadeiro mito (e perigo) é a presunção de que a criatividade é definida pela idade. No fundo, somos mais importantes que nossa idade. IHU On-Line - Que entendimento os Boomers tinham da juventude? Em que medida a cultura que os envolvia contribuiu para sua compreensão de juventude? Ted Polhemus – Nós, Baby Boomers, crescemos em um mundo (logo após a Segunda Guerra Mundial) no qual nos diziam constantemente que éramos a "juventude" e, como tal, éramos especiais. A coisa realmente interessante é que toda a criatividade associada ao rock n’roll, ao Swinging London Fashion (expressão comumente utilizada para descrever a efervescência cultural dos anos 1960 na Inglaterra), veio de uma geração ligeiramente mais velha, que havia nascido durante ou mesmo antes da Segunda Guerra. Os primeiros Baby Boomers, como eu (nascido em 1947), não tinham se tornado adolescentes até 1960, enquanto o rock n’roll, os primeiros estilos de rua, o jazz moderno, os poetas beats, haviam todos sido criados por adultos jovens que já não eram mais adolescentes há tempos. Mas a ideia de que nós, os Boomers, criávamos, inventávamos e éramos definidos por nossa "juventude" era tão pervasiva, que nos tornamos a primeira geração que nunca lidou bem com o envelhecimento. IHU On-Line - O senhor diz que essa geração afetou “como um tsunami” as outras gerações, “distorcendo e metamorfoseando toda a cultura ocidental”. Como e em que medida isso aconteceu? Quais são os reflexos nas gerações futuras? Ted Polhemus - Uma vez firmada a ideia de que a juventude, e apenas a juventude, tinha a chave mágica para onde tudo acontece, todas as gerações mais velhas passaram a ser vistas como "quadrados", velhos, sem esperança e que não compreendiam nada, e todas as gerações subsequentes (ou, ainda mais importante, os homens e mulheres da publicidade, que desejavam atingi-los) aceitaram sem questionar a presunção de que a vida termina quando sua juventude acaba. Veja a moda, por exemplo: estilistas como Dior, cujo "new look" tomou o mundo de assalto em 1947, criava para mulheres, não garotas (que tradicionalmente seguiriam as tendências estabelecidas por suas mães). De fato, a moda sempre focou nas mulheres e não nas garotas, nos homens e não nos meninos. Mas os estilistas dos anos 1960 (que, ironicamente, não eram eles mesmos adolescentes), como Mary Quant, criaram moda focando nas garotas adolescentes. Hoje existem grandes debates sobre modelos tamanho zero e assim por diante, mas a essência dessa preocupação não são as medidas corporais — é a idade. "Tamanho zero" denota garotas, não mulheres. Pessoalmente, penso que é hora de dissociar a moda e o estilo dessa restrição centrada na idade. IHU On-Line - A geração atual de jovens ainda sofre os efeitos da geração Boomers? Em que aspectos? Ted Polhemus - Em sua inabilidade de crescer e envelhecer, os Boomers tentaram colar em si mesmos uma etiqueta de "Jovens para sempre" que, em certo sentido, nega a juventude àqueles que realmente são jovens. Quando isso aconteceu, nos anos 1970 — todos aqueles velhos hippies controlando a indústria da música —, o triunfo final da juventude e da geração que era
  • 3. 5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 3/5 ideia sobre os jovens de hoje” realmente jovem foi o punk. Mas o problema, hoje, é mais insidioso na medida em que iguala "onde as coisas acontecem" com "juventude" e procura aprisionar aqueles que são jovens numa categoria que é dominada puramente pela idade. De fato, a partir do que eu vejo, a juventude de hoje tem tido a sensibilidade de se apartar desse modelo etário — nos processos de escolhas de estilo, música, ideologia, padrões de consumo, etc., estão os indicadores de identidade realmente significativos, e estes cruzam a passos largos as fronteiras de idade. IHU On-Line - Existe um processo generalizado de conflito de gerações na sociedade ocidental? Se sim, em que termos? Ted Polhemus - Havia nos anos 1970, quando os jovens rebeldes do punk miravam os "velhos chatos". O que me impressiona é como o conflito geracional parece ser tão pequeno hoje. E é preciso ser mais do que jovem para responsabilizar a nós, os velhos, por estragar o mundo. Apontou-se estatisticamente que a geração Boomer teve seu próprio modo de fazer as coisas: iam sorrindo aos bancos e destruíam o planeta como ninguém antes deles havia feito. De fato, se me é permitido dizer, penso que esse tipo de argumento (como tem sido exposto em um grande número de livros campeões de vendas recentemente) recai na mesma absurdidade de centrar-se na idade. Havia Boomers que dirigiam ônibus e ganhavam salários muito baixos, enquanto outros — como Mark Zuckerberg — que não são Boomers, mas têm feito dinheiro suficiente para manter uma pequena nação funcionando. É absolutamente verdade que foi durante o tempo de vida dos Boomers que a destruição de nosso planeta conheceu uma aceleração. Mas, novamente, não acho que seja justo colar este juízo em cada um dos Baby Boomers. Contudo, a despeito dessas retratações, eu consigo entender facilmente que as gerações mais jovens ressintam o fato de que tantos Boomers estão gozando de rendas confortáveis (para não dizer que estão usufruindo de todas as vantagens da medicina), enquanto muitos de sua geração não conseguem nem arrumar emprego. IHU On-Line - Em que consiste esse processo de “juvenilização” de que o senhor fala? Ted Polhemus - Por "juvenilização" eu entendo a transferência da cultura da juventude do domínio estrito dos jovens para a penetração em todos os grupos etários e na cultura em seu sentido mais amplo. Por exemplo, como mencionei antes, não é que simplesmente um novo mercado foi criado dentro da indústria da moda para lidar com aqueles que eram jovens, mas que jovens modelos e criações apropriadas apenas para corpos jovens empurraram tudo o mais para a indústria da moda; veja a música pop. Nós esquecemos que este não é um fenômeno natural: durante 99,9% da sua história, nossos ancestrais humanos reverenciaram o antigo por sua sabedoria. Hoje, o resultado final são os "adultos-infantis", que vão envelhecendo e que tentam desesperadamente "enturmar-se com as crianças". Minha esperança é que assim que a minha geração for — finalmente — para aquele grande Festival de Rock no céu, o mundo possa voltar a ter uma percepção mais normal e sensível de que a criatividade e os valores não estão limitados a nenhuma faixa etária. IHU On-Line - É possível romper com esse processo de juvenilização inaugurado com os Boomers? Qual seria o mito social subsequente? Ted Polhemus - É só parar, como eu digo, de pensar que quem nós somos é definido pela nossa idade. O principal personagem e narrador do romance do final dos anos 1950, Absolute Beginners, teme que ao fazer 19 anos ele ultrapassaria o seu prazo de validade. Que tamanha bobagem — não o romance, que é
  • 4. 5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 4/5 “Nunca antes na história humana o Homo Sapiens teve tal possibilidade de se inventar a si mesmo” ótimo, mas a noção de que a certa idade você está passado. IHU On-Line - Como se dá o processo identitário de jovens hoje em dia, e como este processo se difere do conceito de "juventude" originado a partir dos Boomers? Ted Polhemus - Isso é exatamente o que alguém tem que começar a perguntar aos jovens. Eu tenho 67 anos e não faço a menor ideia sobre os jovens de hoje. É isso que quero que alguém faça: algum tipo de pesquisa que peça aos jovens para listarem o significado de vários fatores (idade, nacionalidade, classes, marcas, música, estilo, religião, raça, valores, etc.), do mais importante para o menos importante. Aqui vai uma observação que fiz por mim mesmo: na cidade de Hastings, no Reino Unido, onde eu vivo, quando o tempo melhora (se é que melhora), há um monte de crianças, predominantemente novas, andando de patins e skates no calçadão à beira da praia. Eu digo crianças predominantemente novas — e aqui está o meu ponto —, mas noto que, quando chega alguma pessoa mais velha que é boa nos patins ou no skate, ela é bem-vinda e respeitada, ao passo que algumas crianças que não têm habilidade são ignoradas. Compare com a minha geração que dizia "Nunca". IHU On-Line - Essa autocompreensão de “juvenilização” faz com que os jovens não desenvolvam características próprias da idade adulta? Quais, por exemplo? Como a “juvenilização” afeta a vida adulta? Ted Polhemus - Eu penso que o outro lado dessa moeda seja mais significativo: como aqueles que não são jovens se esforçam para viver suas vidas como se fossem jovens, quando na verdade não o são. Meu palpite seria de que hoje — diferentemente dos anos 1950 e 1960 — apenas os velhos estão presos no modelo de juvenilização. Novamente, penso que a juventude de hoje lida bem, enquanto o problema de envelhecer é dos velhos. Se há um problema que me preocupa sobre a juventude de hoje é que muitos desses jovens parecem viver sob a sombra da minha geração. Estudantes dizem para mim: "deve ter sido tão legal viver nos anos 1960". Bem, sim e não. A história tem uma mania de ignorar todas as coisas chatas e repetir em um "loop" infinito aquele clipe de Woodstock no qual a mágica acontecia. Nos anos 1950 quando, na minha visão, as reais revoluções aconteceram, tratava-se ainda mais da questão de uma pequena minoria estatisticamente inundada por uma corrente extremamente tediosa. E não nos esqueçamos de que Jack Kerouack e Neal Cassidy, de On the road, desperdiçaram muito de suas vidas — e estragaram a vida de muitos outros ao seu redor, especialmente das mulheres que passaram por suas vidas. O que é tão significativo e excitante é que o que era a preocupação de uma maioria, hoje tornou-se a preocupação da massa. Muitas pessoas hoje — de todas as idades — se esforçam para criar uma identidade única para si e expressam essa identidade em seus estilos ou palavras, música, ou seja lá o que for. E isso é global. Lembre-se que lá atrás, nos anos 1950 e 1960, a maioria se conformava muito mais do que se expressava a si mesma, e mesmo os Beats, Hippies, Bikers eram conformes às demandas de suas subculturas. A moda dizia às pessoas o que era in ou out. Nunca antes na história humana o Homo Sapiens teve tal possibilidade de se inventar a si mesmo. Para ler mais: 14/02/2014 - OIT diz que 7,8 milhões de jovens da América Latina não conseguem emprego
  • 5. 5/3/2014 O mito da juventude: “O problema de envelhecer é dos velhos”. Entrevista especial com Ted Polhemus http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/528670-o-mito-da-juventude-o-problema-de-envelhecer-e-dos-velhos-entrevista-especial-com-ted-polhemus?tmpl=co… 5/5 10/02/2014 - Geração Y: superpreparados e frustrados 30/11/2013 - Cresce 'geração canguru', que não sai de casa 20/09/2013 - Geração Y é menos dependente de carro, expõe pesquisa 30/07/2013 - A geração tecnomilitante: mudar o mundo a partir da Web 15/05/2011 - Geração Y e as novas relações do saber. Entrevista especial com Mário Corso 14/05/2011 - A gerações Y e as novas relações trabalhistas. Entrevista especial com Sidnei Oliveira Veja também: Cinco gerações contemporâneas. Uma descrição. Revista IHU On-Line, nº. 361