SlideShare uma empresa Scribd logo
56 R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6
ACIMA,
DETALHE DE
ESTATUETA DE
ANCESTRAL
(ZAIRE); AO
LADO, TAMBOR
COM SUPORTE
DE CAVALO DE
MADEIRA
(GUINÉ); E DE
ADEREÇO
FEMININO EM
ANGOLA —
DESENHO DE
DELACHAUX
POVO
Negro
57R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6
NOTALINGÜÍSTICA
Na ortografia das palavras em línguas bantu, dispensamos a re-
presentaçãodatonalidade,fenômenocaracterísticodessaslínguas.
Essa tonalidade é marcada pelos tons baixo (por exemplo /à/), alto
(/á/), montante (/a/), descendente (/â/). Exemplo: kílómbò.
Utilizamos o alfabeto africano para grafar alguns nomes. Por
isso as letras como c e w pronunciam-se, respectivamente, tch e u.
Exemplo: cokwe pronuncia-se tcho-cu-e.
Os nomes de povos ou grupos culturais são precedidos de prefi-
xos classificadores: mu, indicando o singular e ba indicando o plu-
ral.Exemplos:mukongo(mu-kongo),indivíduoquepertenceàetnia
kongo; plural bakongo (ba-kongo). Mas, na literatura etnográfica,
K A B E N G E L E M U N A N G A
Origem e
histórico do
quilombo
na África
KABENGELE
MUNANGA é
professor do
Departamento de
Antropologia da
FFLCH-USP.
58 R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6
costuma-se dispensar os prefixos classifica-
dores, anotando apenas os radicais dos no-
mes dos povos. Por exemplo: os lunda; os
kongo; os mbundu; os jaga, etc.
Às vezes faz-se confusão entre o nome
dospovosesuasrespectivaslínguasquesem-
pre conservam o mesmo radical com prefixo
classificador diferente. Por exemplo: povo
bakongo, língua kikongo; povo mbundu, lín-
gua kimbundu; povo lunda, língua kalunda;
povo ovimbundu, língua umbundu.
NO CAMINHO DAS ORIGENS
DO QUILOMBO
O quilombo é seguramente uma palavra
origináriadospovosdelínguasbantu(kilombo,
aportuguesado:quilombo).Sua presençaeseu
significado no Brasil têm a ver com alguns
ramos desses povos bantu cujos membros fo-
ram trazidos e escravizados nesta terra. Trata-
se dos grupos lunda, ovimbundu, mbundu,
kongo, imbangala, etc., cujos territórios se
dividem entre Angola e Zaire.
Embora o quilombo (kilombo) seja uma
palavra de língua umbundu, de acordo com
Joseph C. Miller (1), seu conteúdo enquanto
instituição sociopolítica e militar é resultado
de uma longa história envolvendo regiões e
povos aos quais já me referi. É uma história
de conflitos pelo poder, de cisão dos grupos,
de migrações em busca de novos territórios e
de alianças políticas entre grupos alheios.
Paraentenderecaptarosentidodaforma-
ção dos quilombos no Brasil, precisamos
conheceroqueaconteceunessasregiõesafri-
canas de áreas bantu nos séculos XVI e XVII.
Por isso, a própria palavra bantu mereceria,
antes, algumas linhas de explicação. Com
efeito, Bantu, que hoje designa uma área ge-
ográfica contígua e um complexo cultural
específico dentro da África negra, é uma pa-
lavra herdada dos estudos lingüísticos oci-
dentais. Os estudiosos das línguas faladas no
continenteafricano(Guthrie,Greenberg,etc.),
aofazerestudoscomparativosdessaslínguas,
a partir do modelo das línguas indo-européi-
as, chegaram a classificá-las em algumas fa-
mílias principais, entre as quais a família das
línguas bantu. O estudo de algumas palavras
principais revelou a existência das mesmas
raízes com o mesmo conteúdo entre esses
povos. Todos empregam, entre outras, a pa-
lavra -ntu (muntu, singular, e bantu, plural)
para designar a pessoa, o ser humano. Por
isso, essas línguas foram batizadas de bantu
pelos lingüistas ocidentais. A mesma palavra
passou a identificar os povos que falam essas
línguas enquanto um complexo cultural ou
civilizatório,devidoàcontigüidadeterritorial
e aos múltiplos contatos, mestiçagens e em-
préstimos facilitados pela proximidade geo-
gráfica entre eles. Os mitos de origem nos
ensinam que todos esses povos, hoje com
identidades diferentes, foram no início gru-
pos criados por irmãos.
Segundo os lingüistas comparatistas es-
pecialistas da área bantu (Murdock,
Greenberg, Guthrie, etc.), há cerca de dois
milanos,houveumaexpansãogeraldosbantu
partindo do centro da Nigéria para o sul e
sudeste da África. O conhecimento da fundi-
çãoosteriaauxiliadoemsuadeslocação,pois
utilizaram ferramentas de ferro para abrir o
caminho através da floresta equatorial.
Guthrie, após estudos intensivos das raízes
delínguasbantu,concluiquepovosdelíngua
proto-bantu habitavam a região da floresta
equatorial, a meio caminho entre as costas
leste e oeste da África. Esses povos teriam
uma cultura do trabalho de ferro (2). Por sua
vez, Greenberg situa a origem dos bantu na
região fronteiriça entre Camarões e Nigéria
(3). Nenhuma prova arqueológica veio em
apoio às teses lingüísticas.
A história do quilombo como a dos povos
bantu é uma história que envolveu povos de
regiões diferentes entre Zaire e Angola. A
tradição oral - com o que tem de lacunas e de
imprecisões - continua sendo até hoje uma
das grandes fontes de informação da história
da África negra. No âmbito do mito, a histó-
ria começa no império Luba (centro e sudeste
do Zaire), provavelmente no fim do século
XVI. Segundo uma das versões do mito, esse
império era governado por Kalala Ilunga
Mbidi,cujamortecriouconflitosdesucessão
entrefilhosherdeirosdotrono.Umdeles,tido
como perdedor, o príncipe e caçador
KimbindaIlunga,partiucomseusseguidores
em busca de novo território. Estavam com
fome e sem nenhuma provisão quando avis-
taram ao longe uma aldeia e se aproximaram
para pedir bebida e comida. O rei desse grupo
acabava de morrer e foi substituído por sua
filha, a rainha Rweej. Encantada pela beleza
emaneirasnobresdopríncipecaçador,Rweej
pede Kimbinda Ilunga em casamento. Entre
1 Joseph C. Miller, King and
Kinsmen. Early Mbundu
States in Angola, Oxford,
Crarend Press, 1976, pp.
151-75.
2 M. Guthrie, The Clas-
sification of the Bantu
Language, London, 1948.
3 J. Greenberg, “The
Language of Africa”, in
International Journal of
AmericanLinguistics,XXIX,
I.Bloomington(Ind), 1963.
4 Kabengele Munanga, Os
Basanga de Shaba. Um
Grupo Étnico do Zaire, Col.
Antropologia,FFLCH-USP,
1986, pp. 54-5.
5 J. Vansina, Introduction à
l’Ethnographie du Congo,
Editions Universitaires du
Congo, 1965, pp.145-48.
6 Idem, Les Anciens
Royaumes de la Savane,
Léopoldville, Institut de
Recherches Economiques
et Sociales, 1965, pp. 51-3.
7 Idem, ibidem, p. 52.
59R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6
os lunda, como em todos os povos bantu, a
tradição proibia a rainha de governar durante
seu ciclo menstrual, pois, simbolicamente
morta como a lua, ela contaminaria negativa-
mente o país e seu povo. Um dia, aproveitan-
do-se dessa tradição quando entrava em perí-
odo de menstruação, a rainha Rweej chamou
seus notáveis e chefes de linhagens e apre-
sentou-lhesseumaridoLubacomonovoche-
fe dos lunda, colocando-lhe o bracelete
(rukan), símbolo do poder.
O casamento de Rweej, acompanhado da
transferência do poder real ao marido, prínci-
pe estrangeiro, causou descontentamento
entre os parentes da rainha e algumas cama-
das da população, gerando até movimento
migratório. Kinguli, irmão da rainha, foi-se
com seus simpatizantes para oeste, em dire-
ção a Angola (4). J. Vansina situa o episódio
da emigração de Kinguli no século XVII. Diz
elequearegiãoparaondesedirigiramKinguli
e seus seguidores lunda já havia sido subme-
tida, no século anterior, às invasões do povo
chamado jaga ou imbangala. Vindo da mar-
gem direita do rio Kwango antes de 1568, os
jaga invadiram o reino do Kongo do qual
foram rechaçados em 1568. Alguns deles se
estabeleceram ao longo do rio Kwango; mis-
turaram-se ao grupo suku e organizaram nu-
merosas chefias (5). Autores antigos, como
Cavazzi e Pigafetta, dizem que os jaga vi-
nham do interior da África, provavelmente
do leste do rio Kwango. O marinheiro inglês
Battel, que conviveu com eles, disse que vi-
nham das montanhas de Lion em direção à
capital do reino do Kongo. Mais tarde se re-
tiraram em direção ao sudeste, nas regiões
orientais do Ndongo e dirigiram-se à costa de
Angola e Benguele perto do rio Cuvo. Seu
verdadeironomeeraimbangalaouimbangola
(6). Ninguém sabe onde ficavam exatamente
as montanhas de Lion. Muitos etnólogos se
preocuparam com o problema da origem dos
jaga, propondo diversas respostas. Mas pare-
cem, segundo Vansina, ter vínculos culturais
com os povos lunda e luba (7).
Quando os jaga chegaram ao oeste do
Kwango, eles viviam permanentemente em
pé de guerra nos campos fortificados. Diz-se
que matavam seus recém-nascidos para não
ser atrapalhados em suas campanhas milita-
res.Emrevanche,elesadotavamosjovensde
ambos os sexos das regiões por eles vencidas
e dominadas e os incorporavam a seus cam-
Fonte:J.Vansina,LesAnciensRoyaumesdelaSavane.Fonte:J.Vansina,LesAnciensRoyaumesdelaSavane.
OS POVOS DE ANGOLA ORIENTAL POR VOLTA DE 1850
ANGOLA NO SÉCULO XVIII
60 R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6
pos. Assim, podia o número de suas tropas
crescerrapidamente.Algunsmilharesdepes-
soasequipadasparaaguerraeorganizadasde
modo a assimilar os vencidos podiam derru-
bar todo o oeste da África central. Isso expli-
ca a superioridade militar dos jaga, que im-
primiram sua marca à história da costa ango-
lana durante meio século (8).
O que a história dos jaga tem a ver com o
quilombo?OpríncipelundaKinguliter-se-ia
feito aliado dos poderosos bandos jaga que
dominavam a região antes de sua chegada.
Embora a palavra quilombo seja de língua
umbundu, de acordo com J. Miller, como já
foidito,ainstituiçãoteriapertencidoaosjaga.
Kinguli e seu exército formado pelos lunda e
aliados jaga adotaram o quilombo e forma-
ram um exército mais poderoso constituído
debandosdeguerreirosnômadesconhecidos
como imbangala. Tiveram a capacidade de
espalhar-se por toda a região mbundu depois
de 1610 e finalmente se estabeleceram para
fundar novos estados mbundu (Kalandula,
Kabuku, Matanda, Holo, Kasanje, Mwa
Ndonge, etc.) (9). Sociedade guerreira, o
quilombo forneceu ao exército de Kinguli
original duas coisas que lhe faltavam: uma
estrutura firme capaz de reunir grande núme-
ro de estranhos desvinculados de suas linha-
gens vencidas e uma disciplina militar capaz
de derrotar os grandes reinos que bloquea-
vam sua progressão ao norte e ao oeste de
Kwanza.Apalavraquilombotemaconotação
de uma associação de homens, aberta a todos
sem distinção de filiação a qualquer linha-
gem, na qual os membros eram submetidos a
dramáticos rituais de iniciação que os retira-
vam do âmbito protetor de suas linhagens e
os integravam como co-guerreiros num regi-
mento de super-homens invulneráveis às ar-
mas de inimigos (10). O quilombo amadure-
cido é uma instituição transcultural que rece-
beucontribuiçõesdediversasculturas:lunda,
imbangala, mbundu, kongo, wovimbundu,
etc.Osovimbunducontribuíramcomaestru-
tura centralizada de seus campos de inicia-
ção, campos esses que ainda se encontram
hoje entre os mbundu e cokwe de Angola
central e ocidental.
Algumas evidências lingüísticas vêm em
apoioparaesclareceraorigemdosquilombos.
Entre o povo mundombe de língua umbundu,
perto de Benguele, a palavra quilombo signi-
ficava campo de iniciação, no século XIX.
No moderno umbundu padrão, tem-se a pala-
vra ocilombo, que se refere ao fluxo de san-
gue de um pênis recém-circuncidado, e
ulombo, que designa um remédio preparado
com o sangue e o prepúcio dos iniciados no
campodecircuncisãoequeéusadoemcertos
ritos não especificados. A raiz -lombo, que
constitui a base de todas essas palavras, iden-
tifica a palavra quilombo como sendo unica-
menteovimbundu,umavezquecontrastacom
a palavra cokwe e mbundu para as cerimôni-
as de circuncisão: mukanda (11).
Os imbangala ou jaga tiveram um papel
notável na formação do kilombo amadureci-
do.OsseguidoresdeKinguli,deorigemlunda,
rejeitaramasualiderança,consideradamuito
opressiva, e adotaram como novo aliado a
sociedade guerreira de iniciação quilombo,
trazida pelos imbangala. No entanto, o termo
imbangala deriva da raiz umbundu -vangala,
que significa “ser bravo” e/ou “vagar exten-
samente pelo território” (12) .
POPULAÇÕES E CULTURAS
As migrações e mestiçagens tanto bioló-
gicas como culturais caracterizam todos os
povosaosuldaflorestaequatorial,deondese
originou o modelo de quilombo. Apesar de
uma certa homogeneidade resultante dessa
mescladepopulações,asculturasdessaimen-
sa região são bastante variadas. Descrevê-las
aqui seria uma tarefa difícil, senão impossí-
vel. No entanto, podemos, com base nas se-
melhanças, esboçar alguns elementos gerais.
Todospraticamumaagriculturaitinerante
sobre queimada a fogo corrente, sem
rotatividade bem definida, e utilizam as cin-
zas como adubo. O terreno é deixado em al-
queivedurantemuitotempo,àsvezesatévin-
te anos. As espécies mais cultivadas perten-
cem ao complexo americano: o milho e a
mandioca. Acrescentem-se a batata-doce e o
amendoim, que também têm um papel muito
importante na alimentação. Todas essas es-
pécies são provenientes da América do Sul,
provavelmente do Brasil. O milho teria sido
introduzido na África central entre 1548 e
1583, provavelmente a partir do reino do
Kongo. A mandioca foi introduzida mais tar-
de, por volta de 1600 (13). Ao lado dessas
plantas de origem americana, encontram-se
em quase todos os lugares as velhas culturas
africanas que, segundo Murdock, vêm do
8 Idem, ibidem.
9 Joseph Miller, op.cit., p.151.
10 Idem, ibidem, p. 162.
11 Idem, ibidem, p. 167.
12 Idem, ibidem, p. 168.
13 J. Vansina, Les Anciens
Royaumes de la Savane,
op. cit., p.20.
14 Idem, ibidem, p. 21.
61R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6
complexo sudanês, como o sorgo, o milho
miúdo e a palmeira. As culturas de origem
asiática (Malásia), como a banana, o inhame
e o taro, ocupam uma posição secundária. A
bebida alcoolizada mais difundida vem da
palmeira, a ráfia (o vinho de palmeira), além
da cerveja de milho e de sorgo.
Os animais domésticos em toda a região
são galinhas, cabras, carneiros e cachorros.
Os porcos e os patos foram introduzidos nos
séculos XVIII e XIX (14). O gado é uma ra-
ridade, pois o complexo do gado, salvo entre
os ovimbundu e os lozi, não pertence a esse
povo. Na margem dos grandes lagos e dos
rios vivem comunidades de pescadores
especializados. A caça é também muito apre-
ciada, embora seja uma atividade secundária
à agricultura.
ORGANIZAÇÃO SOCIAL
A maioria dos povos da África central
pratica o sistema de parentesco matrilinear,
em relação à descendência, estrato social,
sucessão e herança. O casamento com paren-
tes consangüíneos é proibido, salvo entre
parceiros obrigatórios ou preferenciais, ge-
ralmente primos cruzados. O casamento im-
plica sempre transferência de bens matrimo-
niais(dote)eprestaçõesdeserviçosembene-
fíciodafamíliadanoiva.Aresidênciadocasal
é geralmente virilocal, até nas sociedades
matrilineares. Embora a descendência e as
linhagens constituídas fossem matrilineares,
a autoridade ficava sempre nas mãos dos ho-
mens e não das mulheres.
A aldeia constitui a menor unidade
territorial e, portanto, é a pedra angular da
estrutura política. Ela pode ser composta de
uma linhagem ou de mais linhagens. O con-
junto de aldeias forma a chefia, encabeçada
por um rei pertencendo à linhagen chefal,
geralmente a mais velha de todas. O rei sim-
boliza a chefia e tem obrigações religiosas.
Seu poder não é absoluto, pois contrabalan-
çado pelo conselho composto dos chefes de
aldeias, chefes de linhagens e outros notáveis
da corte.
A RELIGIÃO
As religiões de todos os povos bantu são
semelhantes. Todos acreditam num criador
únicooudivindadesuprema:Zambi,Kalunga,
I: YAA OU YAKA DO MYARI
II: YAKA DO KWANGO
III: IMBANGALA
IV: YAKA D’AMBAKA
V: YAKA DOS OVIMBUNDU
VI: YAKA DE HUMBE
Fonte:J.Vansina,LesAnciensRoyaumesdelaSavane.
ESTADOS ONDE OS JAGA TIVERAM INFLUÊNCIA
REGIÕES CULTURAIS NA ÁFRICA CENTRAL
Fonte:J.Vansina,LesAnciensRoyaumesdelaSavane.
62 R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6
Lessa, Mvidie, etc. É uma divindade longín-
qua, que criou o mundo e distanciou-se dele,
deixando a administração a seus filhos
divinizados que são ancestrais fundadores de
linhagens. Por isso, essa divindade ou deus
único é raramente objeto de culto coletivo,
geralmente reservado às divindades secun-
dárias (espíritos ancestrais). São estes que
fazem o elo entre os homens e o deus único,
criador de tudo que existe no mundo bantu.
Por isso, costuma-se reduzir e simplificar as
religiões bantu pelo culto dos ancestrais,
embora exista um panteão religioso
estruturado como mostra o conteúdo do livro
La Philosophie Bantoue, de Placide Tempels
(15). Segundo essa filosofia, o mundo é um
conjunto de forças hierarquizadas por uma
relação de energia ou força vital. Essa ener-
gia ou força vital, cuja fonte é o próprio deus
criador, é distribuída em ordem decrescente
aos ancestrais e defuntos que fazem parte do
mundo divino; em seguida ao mundo dos
vivos, numa relação hierárquica, começando
pelos reis, chefes de aldeias, de linhagens,
pais e filhos; e finalmente ao mundo animal,
vegetal e mineral. Trata-se de uma visão
antropocêntrica,naqualohomemconstitui o
centro e o interesse maior de toda a obra de
deus. A força vital explica a existência da
vida, da doença e da morte, do sofrimento, da
depressão ou fadiga, de qualquer injustiça ou
fracasso, da felicidade, da riqueza, da pobre-
za, da miséria, etc. Tudo que é positivo à vida
e à felicidade humana é interpretado como
aumento e crescimento da força vital; tudo
que é considerado como privação, sofrimen-
to e até a perda da própria vida é interpretado
como diminuição da força vital. Os outros
seres da natureza criados por deus e coloca-
dos ao serviço do homem possuem também,
emumgraumenor,essaenergiaouforçavital.
Entre os baluba, um dos ramos importantes
das civilizações bantu, a palavra “morrer”,
que é uma privação ao extremo da força vital,
é aplicada a tudo que existe na natureza. Se
quebrar um copo, um vidro, um carro, uma
pedra,secairumaárvore,etc.,elesdizemque
“morreu”, mesma palavra utilizada para os
homens e os animais.
Nessavisãodemundo,asnoçõesde“Ser”
e de “Força” são inseparáveis e interligadas.
Um ser é por definição uma força, daí o cará-
terdinâmicodoseredapessoahumana.Toda
forçapodecresceroudecrescer,tornar-semais
forte ou mais fraca. O crescimento e a dimi-
nuição da força vital explicam-se pela lei da
interaçãodasforças.Umserinfluenciaoutro,
ouseja,umaforçareforçaouenfraqueceoutra
63R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6
força. Existe uma causalidade metafísica en-
tre o criador e a criatura. Em outras palavras,
a relação entre o criador e a criatura é uma
constante, porque o primeiro é por sua natu-
reza dependente do segundo quanto a sua
existência e sua substância. Uma criança,
mesmotornadaadulta,permanecesempreem
uma dependência causal, em uma subordina-
ção ontológica às forças do pai e da mãe. A
força primogênita domina sempre a força
ultimogênita e continua a exercer sua influ-
ência vital sobre ela. O mundo das forças
mantém-se como uma teia de aranha, da qual
não se pode fazer vibrar um único fio sem
sacudir todas as malhas.
Qualquer ser humano é colocado numa
relação de forças vitais, algumas mais desen-
volvidas do que a sua própria força. Essas
forçasmaisdesenvolvidassãooprópriodeus,
os antepassados, os defuntos da linhagem, da
família; são os pais, feiticeiros, bruxos, etc.
Elas podem influenciar a sua vida no bom
sentido (saúde, riqueza, poder, promoção na
profissão,etc.),aumentandoasuaforçavital,
ou no mau sentido (doença, morte, pobreza,
insucesso na profissão, etc.), diminuindo a
sua força vital. Por isso, o culto aos ances-
trais, num mundo criado por um deus que
dele se distanciou, constitui o aspecto mais
observável da cosmovisão bantu sem se re-
duzir a ele. O que está por trás do culto aos
ancestrais,senãoabuscadaconservaçãoedo
crescimento constantes da força vital, fonte
inesgotável da vida e de todas as felicidades?
CONCLUINDO
Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares,
foi morto em 1695, quase no fim do século
XVII. Coincidentemente, a formação da insti-
tuiçãokilombonocontinenteafricano,especi-
ficamente na área cultural bantu, aconteceu
também nos séculos XVI e XVII. O quilombo
africano,noseuprocessodeamadurecimento,
tornou-se uma instituição política e militar
transétnica,centralizada,formadaporsujeitos
masculinos submetidos a um ritual de inicia-
ção. A iniciação, além de conferir-lhes forças
específicas e qualidades de grandes guerrei-
ros, tinha a função de unificá-los e integrá-los
ritualmente,tendoemvistaqueforamrecruta-
dos das linhagens estrangeiras ao grupo de
origem. Como instituição centralizada, o
quilombo era liderado por um guerreiro entre
guerreiros, um chefe intransigente dentro da
rigidez da disciplina militar.
Pelo conteúdo, o quilombo brasileiro é,
sem dúvida, uma cópia do quilombo africano
reconstruído pelos escravizados para se opor
a uma estrutura escravocrata, pela implanta-
ção de uma outra estrutura política na qual se
encontraram todos os oprimidos. Escraviza-
dos,revoltados,organizaram-separafugirdas
senzalas e das plantações e ocuparam partes
de territórios brasileiros não-povoados, ge-
ralmente de acesso difícil. Imitando o mode-
lo africano, eles transformaram esses territó-
rios em espécie de campos de iniciação à re-
sistência, campos esses abertos a todos os
oprimidosdasociedade(negros,índiosebran-
cos), prefigurando um modelo de democra-
cia plurirracial que o Brasil ainda está a bus-
car. Não há como negar a presença, na lide-
rança desses movimentos de fuga organiza-
dos, de indivíduos escravizados oriundos da
regiãobantu,emespecialdeAngola,ondefoi
desenvolvido o quilombo. Apesar de o
quilombo ser um modelo bantu, creio eu que,
ao unir africanos de outras áreas culturais e
outros descontentes não-africanos, ele teria
recebido influências diversas, daí seu caráter
transcultural. Com efeito, a transculturação
parece-me um dado fundamental da cultura
afro-brasileira. A “pureza” das culturas nagô
e bantu é uma preocupação de alguns pesqui-
sadores e nada tem a ver com as práticas e
estratégias dos que nos legaram a chamada
cultura negra no Brasil. Com efeito, os escra-
vizados africanos e seus descendentes nunca
ficaram presos aos modelos ideológicos
excludentes. Suas práticas e estratégias de-
senvolveram-se dentro do modelo
transcultural, com o objetivo de formar iden-
tidades pessoais ricas e estáveis que não po-
diam estruturar-se unicamente dentro dos li-
mites de sua cultura. Tiveram uma abertura
externa em duplo sentido para dar e receber
influências culturais de outras comunidades,
sem abrir mão de sua existência enquanto
cultura distinta e sem desrespeitar o que ha-
via de comum entre seres humanos. Visavam
a formação de identidades abertas, produzi-
das pela comunicação incessante com o ou-
tro, e não de identidades fechadas, geradas
por barricadas culturais que excluem o outro
(16). Precisamos desse exemplo de união le-
gado pela República de Palmares para supe-
rar e radicar o racismo e seus duplos.
15. Placide Tempels, La
Philosophie Bantoue, 2ª
ed., Paris, Présence
Africaine, 1961.
16. Kabengele Munanga, “As
Facetas de uma Identida-
de Endeusada”. (manuscri-
to inédito), São Paulo,
1955, pp. 10-1.Ver tam-
bém: Sergio Paulo
R o u a n e t ,
“Transculturalismo ou Re-
torno à Etnicidade”, comu-
nicação apresentada no
seminário “Mestiçagem e
Experiências Interculturais
no Brasil”, Berlin, Haus Der
Kulturen Der Welt, 27 de
outubro de 1994, p. 4.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Kabengele munanga origem e histórico do quilombo na áfrica

História de Mato Grosso - parte 02
História de Mato Grosso - parte 02História de Mato Grosso - parte 02
História de Mato Grosso - parte 02
HisrelBlog
 
A arte dos povos da áfrica ocidental carla amaral e ursula rosa
A arte dos povos da áfrica ocidental   carla amaral e ursula rosaA arte dos povos da áfrica ocidental   carla amaral e ursula rosa
A arte dos povos da áfrica ocidental carla amaral e ursula rosa
Monitoria Contabil S/C
 
Galego e português
Galego e portuguêsGalego e português
Galego e português
jeeaane
 
O folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileiraO folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileira
Alessandra Silva Costa
 
HISTORIA_INDIGENA_E_DO_INDIGENISMO_NO_AL
HISTORIA_INDIGENA_E_DO_INDIGENISMO_NO_ALHISTORIA_INDIGENA_E_DO_INDIGENISMO_NO_AL
HISTORIA_INDIGENA_E_DO_INDIGENISMO_NO_AL
Robin Wright
 
Os guarani no oeste
Os guarani no oesteOs guarani no oeste
Os guarani no oeste
Historia Line
 
Sócio-história da Língua Portuguesa
Sócio-história da Língua PortuguesaSócio-história da Língua Portuguesa
Sócio-história da Língua Portuguesa
Universidade de Santiago de Compostela
 
HistóRia Dos Xukuru
HistóRia Dos XukuruHistóRia Dos Xukuru
HistóRia Dos Xukuru
guestb196c
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
Gabriel Resende
 
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravosQuestões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
Zé Knust
 
Malês
MalêsMalês
O Reino do Ndongo
O Reino do NdongoO Reino do Ndongo
O Reino do Ndongo
Neldimiro Fialho Vieira Dias
 
POVOS AFRICANOS.pptx
POVOS AFRICANOS.pptxPOVOS AFRICANOS.pptx
POVOS AFRICANOS.pptx
ThasllaFCavalcanti
 
100 anos de luiz gonzaga
100 anos de luiz gonzaga100 anos de luiz gonzaga
100 anos de luiz gonzaga
maiseducacaohc
 
Lise dourado
Lise douradoLise dourado
Lise dourado
literafro
 
Missões - Patrimônio Histórico e Cultural da América do Sul
Missões - Patrimônio Histórico e Cultural da América do SulMissões - Patrimônio Histórico e Cultural da América do Sul
Missões - Patrimônio Histórico e Cultural da América do Sul
Vítor André Duarte
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades Diversas Cláudia
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
Gabriel Resende
 
Africa & cultura afrobrasileira
Africa & cultura afrobrasileiraAfrica & cultura afrobrasileira
Africa & cultura afrobrasileira
Eliphas Rodrigues
 

Semelhante a Kabengele munanga origem e histórico do quilombo na áfrica (20)

História de Mato Grosso - parte 02
História de Mato Grosso - parte 02História de Mato Grosso - parte 02
História de Mato Grosso - parte 02
 
A arte dos povos da áfrica ocidental carla amaral e ursula rosa
A arte dos povos da áfrica ocidental   carla amaral e ursula rosaA arte dos povos da áfrica ocidental   carla amaral e ursula rosa
A arte dos povos da áfrica ocidental carla amaral e ursula rosa
 
Galego e português
Galego e portuguêsGalego e português
Galego e português
 
O folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileiraO folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileira
 
HISTORIA_INDIGENA_E_DO_INDIGENISMO_NO_AL
HISTORIA_INDIGENA_E_DO_INDIGENISMO_NO_ALHISTORIA_INDIGENA_E_DO_INDIGENISMO_NO_AL
HISTORIA_INDIGENA_E_DO_INDIGENISMO_NO_AL
 
Os guarani no oeste
Os guarani no oesteOs guarani no oeste
Os guarani no oeste
 
Sócio-história da Língua Portuguesa
Sócio-história da Língua PortuguesaSócio-história da Língua Portuguesa
Sócio-história da Língua Portuguesa
 
HistóRia Dos Xukuru
HistóRia Dos XukuruHistóRia Dos Xukuru
HistóRia Dos Xukuru
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
 
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravosQuestões de vestibular - África e tráfico de escravos
Questões de vestibular - África e tráfico de escravos
 
Malês
MalêsMalês
Malês
 
O Reino do Ndongo
O Reino do NdongoO Reino do Ndongo
O Reino do Ndongo
 
POVOS AFRICANOS.pptx
POVOS AFRICANOS.pptxPOVOS AFRICANOS.pptx
POVOS AFRICANOS.pptx
 
100 anos de luiz gonzaga
100 anos de luiz gonzaga100 anos de luiz gonzaga
100 anos de luiz gonzaga
 
Lise dourado
Lise douradoLise dourado
Lise dourado
 
Missões - Patrimônio Histórico e Cultural da América do Sul
Missões - Patrimônio Histórico e Cultural da América do SulMissões - Patrimônio Histórico e Cultural da América do Sul
Missões - Patrimônio Histórico e Cultural da América do Sul
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
 
Africa & cultura afrobrasileira
Africa & cultura afrobrasileiraAfrica & cultura afrobrasileira
Africa & cultura afrobrasileira
 

Mais de Elizete Santos

Datas comemorativas-2015
Datas comemorativas-2015Datas comemorativas-2015
Datas comemorativas-2015
Elizete Santos
 
Genero e a Complexidade- Ecofeminismo
Genero e a Complexidade-  EcofeminismoGenero e a Complexidade-  Ecofeminismo
Genero e a Complexidade- Ecofeminismo
Elizete Santos
 
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade   livro - educação em diálogos com a diversidadeDiversidade   livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
Elizete Santos
 
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e SatoDireito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Elizete Santos
 
O que é Educação Popular- livro
O que é Educação Popular- livroO que é Educação Popular- livro
O que é Educação Popular- livro
Elizete Santos
 
Uma história do negro no brasil ceao-ufba
Uma história do negro no brasil  ceao-ufbaUma história do negro no brasil  ceao-ufba
Uma história do negro no brasil ceao-ufba
Elizete Santos
 
Educação popular
Educação popular Educação popular
Educação popular
Elizete Santos
 
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolasO incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
Elizete Santos
 
O mito da juventude “o problema de envelhecer é dos velhos”
O mito da juventude  “o problema de envelhecer é dos velhos”O mito da juventude  “o problema de envelhecer é dos velhos”
O mito da juventude “o problema de envelhecer é dos velhos”
Elizete Santos
 
No credo 2013
No credo 2013No credo 2013
No credo 2013
Elizete Santos
 
Municipios Educadores Sustentáveis
Municipios Educadores SustentáveisMunicipios Educadores Sustentáveis
Municipios Educadores Sustentáveis
Elizete Santos
 
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileiraLivro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Elizete Santos
 
O ultimo trem de hiroshima Charles Pellegrino
O ultimo trem de hiroshima   Charles PellegrinoO ultimo trem de hiroshima   Charles Pellegrino
O ultimo trem de hiroshima Charles Pellegrino
Elizete Santos
 
Guia prático da nova ortografia Michaelis
Guia prático da nova ortografia Michaelis Guia prático da nova ortografia Michaelis
Guia prático da nova ortografia Michaelis
Elizete Santos
 
Artigo ecology and sociedade
Artigo ecology and sociedadeArtigo ecology and sociedade
Artigo ecology and sociedade
Elizete Santos
 

Mais de Elizete Santos (15)

Datas comemorativas-2015
Datas comemorativas-2015Datas comemorativas-2015
Datas comemorativas-2015
 
Genero e a Complexidade- Ecofeminismo
Genero e a Complexidade-  EcofeminismoGenero e a Complexidade-  Ecofeminismo
Genero e a Complexidade- Ecofeminismo
 
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade   livro - educação em diálogos com a diversidadeDiversidade   livro - educação em diálogos com a diversidade
Diversidade livro - educação em diálogos com a diversidade
 
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e SatoDireito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
Direito Ambiental e Comunidades tradicionais- André e Sato
 
O que é Educação Popular- livro
O que é Educação Popular- livroO que é Educação Popular- livro
O que é Educação Popular- livro
 
Uma história do negro no brasil ceao-ufba
Uma história do negro no brasil  ceao-ufbaUma história do negro no brasil  ceao-ufba
Uma história do negro no brasil ceao-ufba
 
Educação popular
Educação popular Educação popular
Educação popular
 
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolasO incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
O incra e os desafios para a regularização dos territórios quilombolas
 
O mito da juventude “o problema de envelhecer é dos velhos”
O mito da juventude  “o problema de envelhecer é dos velhos”O mito da juventude  “o problema de envelhecer é dos velhos”
O mito da juventude “o problema de envelhecer é dos velhos”
 
No credo 2013
No credo 2013No credo 2013
No credo 2013
 
Municipios Educadores Sustentáveis
Municipios Educadores SustentáveisMunicipios Educadores Sustentáveis
Municipios Educadores Sustentáveis
 
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileiraLivro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
Livro Identidades da Educação Amnbiental brasileira
 
O ultimo trem de hiroshima Charles Pellegrino
O ultimo trem de hiroshima   Charles PellegrinoO ultimo trem de hiroshima   Charles Pellegrino
O ultimo trem de hiroshima Charles Pellegrino
 
Guia prático da nova ortografia Michaelis
Guia prático da nova ortografia Michaelis Guia prático da nova ortografia Michaelis
Guia prático da nova ortografia Michaelis
 
Artigo ecology and sociedade
Artigo ecology and sociedadeArtigo ecology and sociedade
Artigo ecology and sociedade
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Kabengele munanga origem e histórico do quilombo na áfrica

  • 1. 56 R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6 ACIMA, DETALHE DE ESTATUETA DE ANCESTRAL (ZAIRE); AO LADO, TAMBOR COM SUPORTE DE CAVALO DE MADEIRA (GUINÉ); E DE ADEREÇO FEMININO EM ANGOLA — DESENHO DE DELACHAUX POVO Negro
  • 2. 57R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6 NOTALINGÜÍSTICA Na ortografia das palavras em línguas bantu, dispensamos a re- presentaçãodatonalidade,fenômenocaracterísticodessaslínguas. Essa tonalidade é marcada pelos tons baixo (por exemplo /à/), alto (/á/), montante (/a/), descendente (/â/). Exemplo: kílómbò. Utilizamos o alfabeto africano para grafar alguns nomes. Por isso as letras como c e w pronunciam-se, respectivamente, tch e u. Exemplo: cokwe pronuncia-se tcho-cu-e. Os nomes de povos ou grupos culturais são precedidos de prefi- xos classificadores: mu, indicando o singular e ba indicando o plu- ral.Exemplos:mukongo(mu-kongo),indivíduoquepertenceàetnia kongo; plural bakongo (ba-kongo). Mas, na literatura etnográfica, K A B E N G E L E M U N A N G A Origem e histórico do quilombo na África KABENGELE MUNANGA é professor do Departamento de Antropologia da FFLCH-USP.
  • 3. 58 R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6 costuma-se dispensar os prefixos classifica- dores, anotando apenas os radicais dos no- mes dos povos. Por exemplo: os lunda; os kongo; os mbundu; os jaga, etc. Às vezes faz-se confusão entre o nome dospovosesuasrespectivaslínguasquesem- pre conservam o mesmo radical com prefixo classificador diferente. Por exemplo: povo bakongo, língua kikongo; povo mbundu, lín- gua kimbundu; povo lunda, língua kalunda; povo ovimbundu, língua umbundu. NO CAMINHO DAS ORIGENS DO QUILOMBO O quilombo é seguramente uma palavra origináriadospovosdelínguasbantu(kilombo, aportuguesado:quilombo).Sua presençaeseu significado no Brasil têm a ver com alguns ramos desses povos bantu cujos membros fo- ram trazidos e escravizados nesta terra. Trata- se dos grupos lunda, ovimbundu, mbundu, kongo, imbangala, etc., cujos territórios se dividem entre Angola e Zaire. Embora o quilombo (kilombo) seja uma palavra de língua umbundu, de acordo com Joseph C. Miller (1), seu conteúdo enquanto instituição sociopolítica e militar é resultado de uma longa história envolvendo regiões e povos aos quais já me referi. É uma história de conflitos pelo poder, de cisão dos grupos, de migrações em busca de novos territórios e de alianças políticas entre grupos alheios. Paraentenderecaptarosentidodaforma- ção dos quilombos no Brasil, precisamos conheceroqueaconteceunessasregiõesafri- canas de áreas bantu nos séculos XVI e XVII. Por isso, a própria palavra bantu mereceria, antes, algumas linhas de explicação. Com efeito, Bantu, que hoje designa uma área ge- ográfica contígua e um complexo cultural específico dentro da África negra, é uma pa- lavra herdada dos estudos lingüísticos oci- dentais. Os estudiosos das línguas faladas no continenteafricano(Guthrie,Greenberg,etc.), aofazerestudoscomparativosdessaslínguas, a partir do modelo das línguas indo-européi- as, chegaram a classificá-las em algumas fa- mílias principais, entre as quais a família das línguas bantu. O estudo de algumas palavras principais revelou a existência das mesmas raízes com o mesmo conteúdo entre esses povos. Todos empregam, entre outras, a pa- lavra -ntu (muntu, singular, e bantu, plural) para designar a pessoa, o ser humano. Por isso, essas línguas foram batizadas de bantu pelos lingüistas ocidentais. A mesma palavra passou a identificar os povos que falam essas línguas enquanto um complexo cultural ou civilizatório,devidoàcontigüidadeterritorial e aos múltiplos contatos, mestiçagens e em- préstimos facilitados pela proximidade geo- gráfica entre eles. Os mitos de origem nos ensinam que todos esses povos, hoje com identidades diferentes, foram no início gru- pos criados por irmãos. Segundo os lingüistas comparatistas es- pecialistas da área bantu (Murdock, Greenberg, Guthrie, etc.), há cerca de dois milanos,houveumaexpansãogeraldosbantu partindo do centro da Nigéria para o sul e sudeste da África. O conhecimento da fundi- çãoosteriaauxiliadoemsuadeslocação,pois utilizaram ferramentas de ferro para abrir o caminho através da floresta equatorial. Guthrie, após estudos intensivos das raízes delínguasbantu,concluiquepovosdelíngua proto-bantu habitavam a região da floresta equatorial, a meio caminho entre as costas leste e oeste da África. Esses povos teriam uma cultura do trabalho de ferro (2). Por sua vez, Greenberg situa a origem dos bantu na região fronteiriça entre Camarões e Nigéria (3). Nenhuma prova arqueológica veio em apoio às teses lingüísticas. A história do quilombo como a dos povos bantu é uma história que envolveu povos de regiões diferentes entre Zaire e Angola. A tradição oral - com o que tem de lacunas e de imprecisões - continua sendo até hoje uma das grandes fontes de informação da história da África negra. No âmbito do mito, a histó- ria começa no império Luba (centro e sudeste do Zaire), provavelmente no fim do século XVI. Segundo uma das versões do mito, esse império era governado por Kalala Ilunga Mbidi,cujamortecriouconflitosdesucessão entrefilhosherdeirosdotrono.Umdeles,tido como perdedor, o príncipe e caçador KimbindaIlunga,partiucomseusseguidores em busca de novo território. Estavam com fome e sem nenhuma provisão quando avis- taram ao longe uma aldeia e se aproximaram para pedir bebida e comida. O rei desse grupo acabava de morrer e foi substituído por sua filha, a rainha Rweej. Encantada pela beleza emaneirasnobresdopríncipecaçador,Rweej pede Kimbinda Ilunga em casamento. Entre 1 Joseph C. Miller, King and Kinsmen. Early Mbundu States in Angola, Oxford, Crarend Press, 1976, pp. 151-75. 2 M. Guthrie, The Clas- sification of the Bantu Language, London, 1948. 3 J. Greenberg, “The Language of Africa”, in International Journal of AmericanLinguistics,XXIX, I.Bloomington(Ind), 1963. 4 Kabengele Munanga, Os Basanga de Shaba. Um Grupo Étnico do Zaire, Col. Antropologia,FFLCH-USP, 1986, pp. 54-5. 5 J. Vansina, Introduction à l’Ethnographie du Congo, Editions Universitaires du Congo, 1965, pp.145-48. 6 Idem, Les Anciens Royaumes de la Savane, Léopoldville, Institut de Recherches Economiques et Sociales, 1965, pp. 51-3. 7 Idem, ibidem, p. 52.
  • 4. 59R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6 os lunda, como em todos os povos bantu, a tradição proibia a rainha de governar durante seu ciclo menstrual, pois, simbolicamente morta como a lua, ela contaminaria negativa- mente o país e seu povo. Um dia, aproveitan- do-se dessa tradição quando entrava em perí- odo de menstruação, a rainha Rweej chamou seus notáveis e chefes de linhagens e apre- sentou-lhesseumaridoLubacomonovoche- fe dos lunda, colocando-lhe o bracelete (rukan), símbolo do poder. O casamento de Rweej, acompanhado da transferência do poder real ao marido, prínci- pe estrangeiro, causou descontentamento entre os parentes da rainha e algumas cama- das da população, gerando até movimento migratório. Kinguli, irmão da rainha, foi-se com seus simpatizantes para oeste, em dire- ção a Angola (4). J. Vansina situa o episódio da emigração de Kinguli no século XVII. Diz elequearegiãoparaondesedirigiramKinguli e seus seguidores lunda já havia sido subme- tida, no século anterior, às invasões do povo chamado jaga ou imbangala. Vindo da mar- gem direita do rio Kwango antes de 1568, os jaga invadiram o reino do Kongo do qual foram rechaçados em 1568. Alguns deles se estabeleceram ao longo do rio Kwango; mis- turaram-se ao grupo suku e organizaram nu- merosas chefias (5). Autores antigos, como Cavazzi e Pigafetta, dizem que os jaga vi- nham do interior da África, provavelmente do leste do rio Kwango. O marinheiro inglês Battel, que conviveu com eles, disse que vi- nham das montanhas de Lion em direção à capital do reino do Kongo. Mais tarde se re- tiraram em direção ao sudeste, nas regiões orientais do Ndongo e dirigiram-se à costa de Angola e Benguele perto do rio Cuvo. Seu verdadeironomeeraimbangalaouimbangola (6). Ninguém sabe onde ficavam exatamente as montanhas de Lion. Muitos etnólogos se preocuparam com o problema da origem dos jaga, propondo diversas respostas. Mas pare- cem, segundo Vansina, ter vínculos culturais com os povos lunda e luba (7). Quando os jaga chegaram ao oeste do Kwango, eles viviam permanentemente em pé de guerra nos campos fortificados. Diz-se que matavam seus recém-nascidos para não ser atrapalhados em suas campanhas milita- res.Emrevanche,elesadotavamosjovensde ambos os sexos das regiões por eles vencidas e dominadas e os incorporavam a seus cam- Fonte:J.Vansina,LesAnciensRoyaumesdelaSavane.Fonte:J.Vansina,LesAnciensRoyaumesdelaSavane. OS POVOS DE ANGOLA ORIENTAL POR VOLTA DE 1850 ANGOLA NO SÉCULO XVIII
  • 5. 60 R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6 pos. Assim, podia o número de suas tropas crescerrapidamente.Algunsmilharesdepes- soasequipadasparaaguerraeorganizadasde modo a assimilar os vencidos podiam derru- bar todo o oeste da África central. Isso expli- ca a superioridade militar dos jaga, que im- primiram sua marca à história da costa ango- lana durante meio século (8). O que a história dos jaga tem a ver com o quilombo?OpríncipelundaKinguliter-se-ia feito aliado dos poderosos bandos jaga que dominavam a região antes de sua chegada. Embora a palavra quilombo seja de língua umbundu, de acordo com J. Miller, como já foidito,ainstituiçãoteriapertencidoaosjaga. Kinguli e seu exército formado pelos lunda e aliados jaga adotaram o quilombo e forma- ram um exército mais poderoso constituído debandosdeguerreirosnômadesconhecidos como imbangala. Tiveram a capacidade de espalhar-se por toda a região mbundu depois de 1610 e finalmente se estabeleceram para fundar novos estados mbundu (Kalandula, Kabuku, Matanda, Holo, Kasanje, Mwa Ndonge, etc.) (9). Sociedade guerreira, o quilombo forneceu ao exército de Kinguli original duas coisas que lhe faltavam: uma estrutura firme capaz de reunir grande núme- ro de estranhos desvinculados de suas linha- gens vencidas e uma disciplina militar capaz de derrotar os grandes reinos que bloquea- vam sua progressão ao norte e ao oeste de Kwanza.Apalavraquilombotemaconotação de uma associação de homens, aberta a todos sem distinção de filiação a qualquer linha- gem, na qual os membros eram submetidos a dramáticos rituais de iniciação que os retira- vam do âmbito protetor de suas linhagens e os integravam como co-guerreiros num regi- mento de super-homens invulneráveis às ar- mas de inimigos (10). O quilombo amadure- cido é uma instituição transcultural que rece- beucontribuiçõesdediversasculturas:lunda, imbangala, mbundu, kongo, wovimbundu, etc.Osovimbunducontribuíramcomaestru- tura centralizada de seus campos de inicia- ção, campos esses que ainda se encontram hoje entre os mbundu e cokwe de Angola central e ocidental. Algumas evidências lingüísticas vêm em apoioparaesclareceraorigemdosquilombos. Entre o povo mundombe de língua umbundu, perto de Benguele, a palavra quilombo signi- ficava campo de iniciação, no século XIX. No moderno umbundu padrão, tem-se a pala- vra ocilombo, que se refere ao fluxo de san- gue de um pênis recém-circuncidado, e ulombo, que designa um remédio preparado com o sangue e o prepúcio dos iniciados no campodecircuncisãoequeéusadoemcertos ritos não especificados. A raiz -lombo, que constitui a base de todas essas palavras, iden- tifica a palavra quilombo como sendo unica- menteovimbundu,umavezquecontrastacom a palavra cokwe e mbundu para as cerimôni- as de circuncisão: mukanda (11). Os imbangala ou jaga tiveram um papel notável na formação do kilombo amadureci- do.OsseguidoresdeKinguli,deorigemlunda, rejeitaramasualiderança,consideradamuito opressiva, e adotaram como novo aliado a sociedade guerreira de iniciação quilombo, trazida pelos imbangala. No entanto, o termo imbangala deriva da raiz umbundu -vangala, que significa “ser bravo” e/ou “vagar exten- samente pelo território” (12) . POPULAÇÕES E CULTURAS As migrações e mestiçagens tanto bioló- gicas como culturais caracterizam todos os povosaosuldaflorestaequatorial,deondese originou o modelo de quilombo. Apesar de uma certa homogeneidade resultante dessa mescladepopulações,asculturasdessaimen- sa região são bastante variadas. Descrevê-las aqui seria uma tarefa difícil, senão impossí- vel. No entanto, podemos, com base nas se- melhanças, esboçar alguns elementos gerais. Todospraticamumaagriculturaitinerante sobre queimada a fogo corrente, sem rotatividade bem definida, e utilizam as cin- zas como adubo. O terreno é deixado em al- queivedurantemuitotempo,àsvezesatévin- te anos. As espécies mais cultivadas perten- cem ao complexo americano: o milho e a mandioca. Acrescentem-se a batata-doce e o amendoim, que também têm um papel muito importante na alimentação. Todas essas es- pécies são provenientes da América do Sul, provavelmente do Brasil. O milho teria sido introduzido na África central entre 1548 e 1583, provavelmente a partir do reino do Kongo. A mandioca foi introduzida mais tar- de, por volta de 1600 (13). Ao lado dessas plantas de origem americana, encontram-se em quase todos os lugares as velhas culturas africanas que, segundo Murdock, vêm do 8 Idem, ibidem. 9 Joseph Miller, op.cit., p.151. 10 Idem, ibidem, p. 162. 11 Idem, ibidem, p. 167. 12 Idem, ibidem, p. 168. 13 J. Vansina, Les Anciens Royaumes de la Savane, op. cit., p.20. 14 Idem, ibidem, p. 21.
  • 6. 61R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6 complexo sudanês, como o sorgo, o milho miúdo e a palmeira. As culturas de origem asiática (Malásia), como a banana, o inhame e o taro, ocupam uma posição secundária. A bebida alcoolizada mais difundida vem da palmeira, a ráfia (o vinho de palmeira), além da cerveja de milho e de sorgo. Os animais domésticos em toda a região são galinhas, cabras, carneiros e cachorros. Os porcos e os patos foram introduzidos nos séculos XVIII e XIX (14). O gado é uma ra- ridade, pois o complexo do gado, salvo entre os ovimbundu e os lozi, não pertence a esse povo. Na margem dos grandes lagos e dos rios vivem comunidades de pescadores especializados. A caça é também muito apre- ciada, embora seja uma atividade secundária à agricultura. ORGANIZAÇÃO SOCIAL A maioria dos povos da África central pratica o sistema de parentesco matrilinear, em relação à descendência, estrato social, sucessão e herança. O casamento com paren- tes consangüíneos é proibido, salvo entre parceiros obrigatórios ou preferenciais, ge- ralmente primos cruzados. O casamento im- plica sempre transferência de bens matrimo- niais(dote)eprestaçõesdeserviçosembene- fíciodafamíliadanoiva.Aresidênciadocasal é geralmente virilocal, até nas sociedades matrilineares. Embora a descendência e as linhagens constituídas fossem matrilineares, a autoridade ficava sempre nas mãos dos ho- mens e não das mulheres. A aldeia constitui a menor unidade territorial e, portanto, é a pedra angular da estrutura política. Ela pode ser composta de uma linhagem ou de mais linhagens. O con- junto de aldeias forma a chefia, encabeçada por um rei pertencendo à linhagen chefal, geralmente a mais velha de todas. O rei sim- boliza a chefia e tem obrigações religiosas. Seu poder não é absoluto, pois contrabalan- çado pelo conselho composto dos chefes de aldeias, chefes de linhagens e outros notáveis da corte. A RELIGIÃO As religiões de todos os povos bantu são semelhantes. Todos acreditam num criador únicooudivindadesuprema:Zambi,Kalunga, I: YAA OU YAKA DO MYARI II: YAKA DO KWANGO III: IMBANGALA IV: YAKA D’AMBAKA V: YAKA DOS OVIMBUNDU VI: YAKA DE HUMBE Fonte:J.Vansina,LesAnciensRoyaumesdelaSavane. ESTADOS ONDE OS JAGA TIVERAM INFLUÊNCIA REGIÕES CULTURAIS NA ÁFRICA CENTRAL Fonte:J.Vansina,LesAnciensRoyaumesdelaSavane.
  • 7. 62 R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6 Lessa, Mvidie, etc. É uma divindade longín- qua, que criou o mundo e distanciou-se dele, deixando a administração a seus filhos divinizados que são ancestrais fundadores de linhagens. Por isso, essa divindade ou deus único é raramente objeto de culto coletivo, geralmente reservado às divindades secun- dárias (espíritos ancestrais). São estes que fazem o elo entre os homens e o deus único, criador de tudo que existe no mundo bantu. Por isso, costuma-se reduzir e simplificar as religiões bantu pelo culto dos ancestrais, embora exista um panteão religioso estruturado como mostra o conteúdo do livro La Philosophie Bantoue, de Placide Tempels (15). Segundo essa filosofia, o mundo é um conjunto de forças hierarquizadas por uma relação de energia ou força vital. Essa ener- gia ou força vital, cuja fonte é o próprio deus criador, é distribuída em ordem decrescente aos ancestrais e defuntos que fazem parte do mundo divino; em seguida ao mundo dos vivos, numa relação hierárquica, começando pelos reis, chefes de aldeias, de linhagens, pais e filhos; e finalmente ao mundo animal, vegetal e mineral. Trata-se de uma visão antropocêntrica,naqualohomemconstitui o centro e o interesse maior de toda a obra de deus. A força vital explica a existência da vida, da doença e da morte, do sofrimento, da depressão ou fadiga, de qualquer injustiça ou fracasso, da felicidade, da riqueza, da pobre- za, da miséria, etc. Tudo que é positivo à vida e à felicidade humana é interpretado como aumento e crescimento da força vital; tudo que é considerado como privação, sofrimen- to e até a perda da própria vida é interpretado como diminuição da força vital. Os outros seres da natureza criados por deus e coloca- dos ao serviço do homem possuem também, emumgraumenor,essaenergiaouforçavital. Entre os baluba, um dos ramos importantes das civilizações bantu, a palavra “morrer”, que é uma privação ao extremo da força vital, é aplicada a tudo que existe na natureza. Se quebrar um copo, um vidro, um carro, uma pedra,secairumaárvore,etc.,elesdizemque “morreu”, mesma palavra utilizada para os homens e os animais. Nessavisãodemundo,asnoçõesde“Ser” e de “Força” são inseparáveis e interligadas. Um ser é por definição uma força, daí o cará- terdinâmicodoseredapessoahumana.Toda forçapodecresceroudecrescer,tornar-semais forte ou mais fraca. O crescimento e a dimi- nuição da força vital explicam-se pela lei da interaçãodasforças.Umserinfluenciaoutro, ouseja,umaforçareforçaouenfraqueceoutra
  • 8. 63R E V I S T A U S P , S Ã O P A U L O ( 2 8 ) : 5 6 - 6 3, D E Z E M B R O / F E V E R E I R O 9 5 / 9 6 força. Existe uma causalidade metafísica en- tre o criador e a criatura. Em outras palavras, a relação entre o criador e a criatura é uma constante, porque o primeiro é por sua natu- reza dependente do segundo quanto a sua existência e sua substância. Uma criança, mesmotornadaadulta,permanecesempreem uma dependência causal, em uma subordina- ção ontológica às forças do pai e da mãe. A força primogênita domina sempre a força ultimogênita e continua a exercer sua influ- ência vital sobre ela. O mundo das forças mantém-se como uma teia de aranha, da qual não se pode fazer vibrar um único fio sem sacudir todas as malhas. Qualquer ser humano é colocado numa relação de forças vitais, algumas mais desen- volvidas do que a sua própria força. Essas forçasmaisdesenvolvidassãooprópriodeus, os antepassados, os defuntos da linhagem, da família; são os pais, feiticeiros, bruxos, etc. Elas podem influenciar a sua vida no bom sentido (saúde, riqueza, poder, promoção na profissão,etc.),aumentandoasuaforçavital, ou no mau sentido (doença, morte, pobreza, insucesso na profissão, etc.), diminuindo a sua força vital. Por isso, o culto aos ances- trais, num mundo criado por um deus que dele se distanciou, constitui o aspecto mais observável da cosmovisão bantu sem se re- duzir a ele. O que está por trás do culto aos ancestrais,senãoabuscadaconservaçãoedo crescimento constantes da força vital, fonte inesgotável da vida e de todas as felicidades? CONCLUINDO Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, foi morto em 1695, quase no fim do século XVII. Coincidentemente, a formação da insti- tuiçãokilombonocontinenteafricano,especi- ficamente na área cultural bantu, aconteceu também nos séculos XVI e XVII. O quilombo africano,noseuprocessodeamadurecimento, tornou-se uma instituição política e militar transétnica,centralizada,formadaporsujeitos masculinos submetidos a um ritual de inicia- ção. A iniciação, além de conferir-lhes forças específicas e qualidades de grandes guerrei- ros, tinha a função de unificá-los e integrá-los ritualmente,tendoemvistaqueforamrecruta- dos das linhagens estrangeiras ao grupo de origem. Como instituição centralizada, o quilombo era liderado por um guerreiro entre guerreiros, um chefe intransigente dentro da rigidez da disciplina militar. Pelo conteúdo, o quilombo brasileiro é, sem dúvida, uma cópia do quilombo africano reconstruído pelos escravizados para se opor a uma estrutura escravocrata, pela implanta- ção de uma outra estrutura política na qual se encontraram todos os oprimidos. Escraviza- dos,revoltados,organizaram-separafugirdas senzalas e das plantações e ocuparam partes de territórios brasileiros não-povoados, ge- ralmente de acesso difícil. Imitando o mode- lo africano, eles transformaram esses territó- rios em espécie de campos de iniciação à re- sistência, campos esses abertos a todos os oprimidosdasociedade(negros,índiosebran- cos), prefigurando um modelo de democra- cia plurirracial que o Brasil ainda está a bus- car. Não há como negar a presença, na lide- rança desses movimentos de fuga organiza- dos, de indivíduos escravizados oriundos da regiãobantu,emespecialdeAngola,ondefoi desenvolvido o quilombo. Apesar de o quilombo ser um modelo bantu, creio eu que, ao unir africanos de outras áreas culturais e outros descontentes não-africanos, ele teria recebido influências diversas, daí seu caráter transcultural. Com efeito, a transculturação parece-me um dado fundamental da cultura afro-brasileira. A “pureza” das culturas nagô e bantu é uma preocupação de alguns pesqui- sadores e nada tem a ver com as práticas e estratégias dos que nos legaram a chamada cultura negra no Brasil. Com efeito, os escra- vizados africanos e seus descendentes nunca ficaram presos aos modelos ideológicos excludentes. Suas práticas e estratégias de- senvolveram-se dentro do modelo transcultural, com o objetivo de formar iden- tidades pessoais ricas e estáveis que não po- diam estruturar-se unicamente dentro dos li- mites de sua cultura. Tiveram uma abertura externa em duplo sentido para dar e receber influências culturais de outras comunidades, sem abrir mão de sua existência enquanto cultura distinta e sem desrespeitar o que ha- via de comum entre seres humanos. Visavam a formação de identidades abertas, produzi- das pela comunicação incessante com o ou- tro, e não de identidades fechadas, geradas por barricadas culturais que excluem o outro (16). Precisamos desse exemplo de união le- gado pela República de Palmares para supe- rar e radicar o racismo e seus duplos. 15. Placide Tempels, La Philosophie Bantoue, 2ª ed., Paris, Présence Africaine, 1961. 16. Kabengele Munanga, “As Facetas de uma Identida- de Endeusada”. (manuscri- to inédito), São Paulo, 1955, pp. 10-1.Ver tam- bém: Sergio Paulo R o u a n e t , “Transculturalismo ou Re- torno à Etnicidade”, comu- nicação apresentada no seminário “Mestiçagem e Experiências Interculturais no Brasil”, Berlin, Haus Der Kulturen Der Welt, 27 de outubro de 1994, p. 4.