SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Copyright © 1993 by Lilia Moritz Schwarcz
Criação/Formatação ePub: Relíquia
Capa: Hélio de Almeida
Preparação: Marcia Copola
Revisão: Cecília Ramos/Carmen S. da Costa
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Schwarcz, Lilia Moritz, 1957-
O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão
racial no Brasil – 1870-1930/Lilia Moritz Schwarcz.
– São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
Bibliografia.
ISBN 85-7164-329-6
1. Antropologia social 2. História institucional 3.
Raça-Brasil 1. Título n. Título: Cientistas, instituições
e questão racial no Brasil – 1870-1930.
93-2040 CDD-305.80981
índices para catálogo sistemático:
Brasil: Integração racial: Aspectos sociais 305.80981
Brasil: Raças: Integração: Aspectos sociais 305.80981
2005
Todos os direitos desta edição reservados à
EDITORA SCHWARCZ LTDA.
Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32
04532-002 – São Paulo – SP
Telefone: (11) 3707-3500
Fax: (11) 3707-3501
www.companhiadasletras.com.br
2
– – –
UMA HISTÓRIA DE
“DIFERENÇAS E DESIGUALDADES”
AS DOUTRINAS RACIAIS DO SÉCULO XIX1
A partir de 1870 introduzem-se no cenário brasileiro teorias de pensamento até então
desconhecidas, como o positivismo, o evolucionismo, o darwinismo. No entanto, a entrada coletiva,
simultânea e maciça dessas doutrinas acarretou, nas leituras mais contemporânea sobre o período,
uma percepção por demais unívoca e mesmo coincidente de todas essas, tendências. Tais modelos,
porém, foram utilizados de forma particular, guardando-se suas conclusões singulares, suas
decorrências teóricas distintas. Dessa forma, se a noção de evolução social funcionava como um
paradigma de época, 2
acima das especificidades das diferentes escolas, não implicou uma única
visão de época, ou uma só interpretação.
O que se pretende realizar neste capítulo, portanto, é um balanço das diferentes teorias raciais
produzidas durante o século XIX — uma espécie de glossário de época —, para que se possa pensar
com mais propriedade as especificidades do uso local. Esse debate, que amadurece em meados do
século passado, remete, no entanto, a questões anteriores que exigem um breve retorno aos modelos
de reflexão do século das Luzes, sem o que esta caracterização ficaria incompleta. Com efeito, os
teóricos raciais do século XIX referiam-se constantemente aos pensadores do século XVIII, mas não
de maneira uniforme. Enquanto a literatura humanista e em especial Rousseau apareciam como seus
principais antagonistas — em sua defesa da noção de uma humanidade una —, autores como Buffon e
De Pauw eram apontados como grandes influências quando se tratava de justificar diferenças
essenciais entre os homens.
ENTRE A EDENIZAÇÃO E A DETRAÇÃO
A época das grandes viagens inaugura um momento específico na história ocidental, quando a
percepção da diferença entre os homens torna-se tema constante, de debate e reflexão: a conquista de
terras desconhecidas levava a novas concepções e posturas, já que, se era bom observar, era ainda
mais fácil ouvir do que ver. Nas narrativas de viagem, que aliavam fantasia a realidade, esses
“novos homens” eram frequentemente descritos como estranhos em seus costumes, diversos em sua
natureza (Mello e Souza, 1986; Holanda, s. d.; Todorov, 1983; Gerbi, 1982).
Pode-se dizer, no entanto, que é no século XVIII que os “povos selvagens passam a ser
entendidos e caracterizados como primitivos” (Clastres, 1983:188). Primitivos porque primeiros, no
começo do gênero humano; os homens americanos se transformam-se em objetos privilegiados para a
nova percepção que reduzia a humanidade a uma espécie, uma única evolução e uma possível
“perfectibilidade”.
Conceito-chave na teoria humanista de Rousseau, a “perfectibilidade” resumia — conjuntamente
com a “liberdade” de resistir aos ditames da natureza ou acordar neles — uma especificidade
propriamente humana (1775/1978:243). Longe da concepção que será utilizada pelos evolucionistas
no decorrer do século XIX, a visão humanista discorria, a partir dessa noção, sobre a capacidade
singular e inerente a todos os homens de sempre se superarem. Afirmava o filósofo genebrino: “há
uma outra qualidade muito específica que distingue os homens, a respeito da qual não pode haver
contestação — é a faculdade de aperfeiçoar-se”. Via de mão dupla, “a perfectibilidade” não
supunha, porém, o acesso obrigatório ao “estado de civilização” e à virtude, como supunham os
teóricos do século XIX. “Será triste para nós vermo-nos forçados a convir que seja essa faculdade
distintiva e quase ilimitada, a fonte de todos os males do homem, que seja ela que, fazendo com que
através de séculos desabrochem suas luzes e erros, seus vícios e virtudes, o torna com o tempo o
tirano de si mesmo e da natureza” (op. cit.: 243).3
Marca de uma humanidade una, mas diversa em
seus caminhos, a “perfectibilidade humana” anunciava para Rousseau os “vícios” da civilização, a
origem da desigualdade entre os homens.
Herdeira de uma tradição humanista, a reflexão sobre a diversidade se torna, portanto, central
quando, no século XVIII, a partir dos legados políticos da Revolução Francesa e dos ensinamentos
da Ilustração, estabelecem-se as bases filosóficas para se pensar a humanidade enquanto totalidade.
Pressupor a igualdade e a liberdade como naturais levava à determinacão da unidade do gênero
humano e a certa universalização da igualdade, entendida como um modelo imposto pela natureza. A
igualdade de princípios era inscrita na constituição das nações modernas, delegando-se às
“diferenças” um espaço “moralmente neutro” (Dumont, 1966:322). Afinal, os homens nascem iguais,
apenas sem uma definição completa da natureza.
Em Rousseau, por exemplo, com a noção do “bom selvagem”, essa idéia estará absolutamente
presente. O homem americano se transformava inclusive em modelo lógico, já que o “estado de
natureza” significava, para esse autor, não o retorno a um paraíso original, e sim um trampolim para a
análise da própria sociedade ocidental, um instrumento adequado para se pensar o próprio “estado,
de civilização”.
Pergunto qual das duas — a vida civil ou a natural — é mais suscetível de tornar-se
insuportável. À nossa volta vemos quase somente pessoas que se lamentam de sua
existência, inúmeras até que dela se privam assim que podem … Pergunto se algum
dia se ouviu dizer que um selvagem em liberdade pensa em lamentar-se da vida e
querer morrer. Que se julgue pois, com menos orgulho, de que lado está a verdadeira
miséria (1775/1978:251).
A alteridade desses “novos homens” transformada em modelo lógico se contrapunha à
experiência ocidental. Como concluía Rousseau sobre a origem da desigualdade entre os homens, “se
há uma bondade original da natureza humana: a evolução social corrompeu-a” (op. cit.: 205).
Estrangeiro em terras próprias, abandonado em meio a um mundo que lhe parece hostil, o famoso
filósofo da Ilustração encontrava um modelo ideal nesse “outro” tão distante do “nós, ocidentais”, e
o elegia como moralmente superior.
No entanto, ao conformar esse quadro antitético, Rousseau de certa forma se afastava da
Ilustração, já que refletia sobre um progresso às avessas. Em contraposição à filosofia humanista,
procurava na identificação, ou na “compaixão”, 4
a melhor maneira para entender esse homem que
tanto se distinguia da experiência ocidental.
Mas, se a visão idílica de Rousseau foi no decorrer do século XVIII a mais fecunda (Holanda,
1985: XXV), 5
é impossível deixar de falar das vertentes mais negativas de interpretação. Segundo
Mello e Souza, as imagens que detratam o Novo Mundo se intensificaram sobretudo a partir da
segunda metade do século XVIII, simetricamente correspondentes ao maior conhecimento e
colonização desses novos territórios (op. cit.: 42). É o momento em que se passa da projeção da
inocência à inata maldade do selvagem: “a da suposta inferioridade física do continente, e de uma
consequente debilidade natural de suas espécies … todos condenados por natureza a uma decadência
irresistível, a uma corrupção fatal” (Gerbi, 1982: IX).
Vários pensadores corroboraram esse tipo de visão mais negativa da América, mas dois
merecem uma atenção maior: Buffon. com sua tese da “infantilidade do continente”, e De Pauw, com
a teoria da “degeneração americana”.
A partir de Buffon (1707-88), conhecido naturalista francês, podem-se perceber os primórdios
de uma “ciência geral do homem” (Foucault, 1966), marcada pela tensão entre uma imagem negativa
da natureza e do homem americanos, e a representação positiva do estado natural apresentada por
Rousseau. Buffon personificou, com sua teoria, uma runtura com o paraíso rousseauniano, passando a
caracterizar o continente americano sob o signo da carência. O pequeno porte dos animais, o escasso
povoamento, a ausência de pêlos nos homens, a proliferação de espécies pequenas, de répteis e de
insetos, tudo parecia corroborar a tese da debilidade e imaturidade dessa terra (Buffon, 1834).
Assim, apesar de a unidade do gênero humano permanecer como postulado, um agudo senso de
hierarquia aparecia como novidade. Por meio da obra desse naturalista, uma concepção étnica e
cultural estritamente etnocêntrica delineava-se.
O debate se vê realmente polarizado com a introdução da noção de ‘‘degeneração”, utilizada
pelo jurista Cornelius de Pauw. Até então chamavam-se de degeneradas espécies consideradas
inferiores, porque menos complexas em sua conformação orgânica. A partir desse momento, porém, o
termo deixa de se referir a mudanças de forma, passando a descrever ‘‘um desvio patológico do tipo
original.” 6
Radicalizando os argumentos de Buffon, De Pauw acreditava que os americanos não eram
apenas ‘‘imaturos” como também “decaídos”, confirmando sua tese central de “fé no progresso, e
falta de fé na bondade humana” (Gerbi, op. cit.: 66). Em seus textos um antiamericanismo claro
transparecia quando de suas avaliações sobre a “natureza do Novo Mundo, débil por estar
corrompida, inferior por estar degenerada” (De Pauw, 1768 apud Gerbi: 1982).7
Portanto, no contexto intelectual do século XVII, novas perspectivas se destacam. De um lado, a
visão humanista herdeira da Revolução Francesa, que naturalizava a igualdade humana; de outro, uma
reflexão, ainda tímida, sobre as diferenças básicas existentes entre os homens. A partir do século
XIX, será a segunda postura a mais influente, estabelecendo-se correlações rígidas entre patrimônio
genético, aptidões intelectuais e inclinações morais.
NATURALIZANDO AS DIFERENÇAS
A emergência da “raça”
O final do século XVIII representa, dessa forma, o prolongamento de um debate ainda não
resolvido. Prevalecia, porém, certo otimismo próprio da tradição igualitária que advinha da
Revolução Francesa e que tendeu a considerar os diversos grupos como “povos”, “nações” e jamais
como raças diferentes em sua origem e conformação (Stocking, 1968:28).
Com efeito, o termo raça é introduzido na literatura mais especializada em inícios do século
XIX, por Georges Cuvier, inaugurando a idéia da existência de heranças físicas permanentes entre os
vários grupos humanos (Stocking, 1968:29).8
Esboçava-se um projeto marcado pela diferença de
atitude entre o cronista do século XVI e o naturalista do século XIX,-“a quem não cabia apenas
narrar, como classificar, ordenar, organizar tudo o que se encontra pelo caminho” (Sussekind,
1990:45).
Delineia-se a partir de então certa reorientação intelectual, uma reação ao Iluminismo em sua
visão unitária da humanidade. Tratava-se de uma investida contra os pressupostos igualitários das
revoluções burguesas, cujo novo suporte intelectual concentrava-se na idéia de raça, que em tal
contexto cada vez mais se aproximava da noção de povo. O discurso racial surgia, dessa maneira,
como variante do debate sobre a cidadania, já que no interior desses novos modelos discorria-se
mais sobre as determinações do grupo biológico do que sobre o arbítrio do indivíduo entendido
como “um resultado, uma reificação dos atributos específicos da sua raça” (Galton, 1869/1988:86).
PENSANDO NA ORIGEM: MONOGENISMO x POLIGENISMO
Esse debate — que opunha o modelo igualitário da Ilustração às doutrinas raciais — faz parte,
no entanto, de um problema mais remoto, sobre as origens da humanidade. Mas, se o tema é em si
antigo, toma uma forma mais definida a partir do século XIX, quando o imaginário social parecia
abalado por esse tipo de questão.
Exemplo típico são os relatos sobre “crianças selvagens”, “meninos-lobos” perdidos nas
florestas do exótico Oriente, casos extraordinários que alimentavam a curiosidade ocidental. Uma
discussão sobre a veracidade ou não desses episódios poderia ser desenvolvida, 9
mas o que
interessa é pensar no papel que cumpriam esses estranhos eventos. Exemplos vivos, tais meninos
selvagens pareciam personificar e estabelecer limites, mesmo que tênues, entre o mundo da natureza
e o mundo da cultura, revelando a atenção que o tema despertava. 10
Duas grandes vertentes aglutinavam os diferentes autores que na época enfrentaram o desafio de
pensar a origem do homem. De um lado, a visão monogenista, dominante até meados do século XIX,
congregou a maior parte dos pensadores que, conformes às escrituras bíblicas, acreditavam que a
humanidade era una. O homem, segundo essa versão, teria se originado de uma fonte comum, sendo
os diferentes tipos humanos apenas um produto “da maior degeneração ou perfeição do Éden”
(Quatrefage, 1857 apud Stocking, 1968). Nesse tipo de argumentação vinha embutida, por outro lado,
a noção de virtualidade, pois a origem uniforme garantiria um desenvolvimento (mais ou menos)
retardado, mas de toda forma semelhante. Pensava-se na humanidade como um gradiente — que iria
do mais perfeito (mais próximo do Éden) ao menos perfeito (mediante a degeneração) —, sem
pressupor, num primeiro momento, uma noção única de evolução. 11
Esse mesmo contexto propicia o surgimento de uma interpretação divergente. A partir de
meados do século XIX a hipótese poligenista transformava-se em uma alternativa plausível, em vista
da crescente sofisticação das ciências biológicas e sobretudo diante da contestação ao dogma
monogenisía da Igreja. Partiam esses autores da crença na existência de vários centros de criação,
que corresponderiam, por sua vez, às diferenças raciais observadas.
A versão poligenista permitiria, por outro lado, o fortalecimento de uma interpretação biológica
na análise dos comportamentos humanos, que passam a ser crescentemente encarados como resultado
imediato de leis biológicas e naturais. Esse tipo de viés foi encorajado sobretudo pelo nascimento
simultâneo da frenologia e da antropometria, teorias que passavam a interpretar a capacidade

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf

Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaSilvana Oliveira
 
Seminário Fluxos, Fronteiras, Hibridos.ppt
Seminário Fluxos, Fronteiras, Hibridos.pptSeminário Fluxos, Fronteiras, Hibridos.ppt
Seminário Fluxos, Fronteiras, Hibridos.pptssuser9cb078
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanasdanielaleite59
 
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiensQuartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiensFrederico Garcia Brito
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptTlioLucena5
 
O rosto surrealista_do_brasil_contemporaneo_analise_historica_a_partir_da_obr...
O rosto surrealista_do_brasil_contemporaneo_analise_historica_a_partir_da_obr...O rosto surrealista_do_brasil_contemporaneo_analise_historica_a_partir_da_obr...
O rosto surrealista_do_brasil_contemporaneo_analise_historica_a_partir_da_obr...Equipemundi2014
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaJoao Balbi
 
Resenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Resenha Raça e diversidade, de Lilia SchwarczResenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Resenha Raça e diversidade, de Lilia SchwarczTeka Montenegro Ramos
 
RAGO_Margareth_O efeito Foucault na historiografia brasileira.pdf
RAGO_Margareth_O efeito Foucault na historiografia brasileira.pdfRAGO_Margareth_O efeito Foucault na historiografia brasileira.pdf
RAGO_Margareth_O efeito Foucault na historiografia brasileira.pdfElisaCaetano12
 
A escrita da história
A escrita da história A escrita da história
A escrita da história 7 de Setembro
 
Paper de ética jurídica
Paper de ética jurídicaPaper de ética jurídica
Paper de ética jurídicaNelson Sena
 
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo AvelinoErrico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo AvelinoBlackBlocRJ
 
Espetáculo da miscigenação
Espetáculo da miscigenaçãoEspetáculo da miscigenação
Espetáculo da miscigenaçãoGeraa Ufms
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentadoemanuel
 

Semelhante a O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf (20)

Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
 
Seminário Fluxos, Fronteiras, Hibridos.ppt
Seminário Fluxos, Fronteiras, Hibridos.pptSeminário Fluxos, Fronteiras, Hibridos.ppt
Seminário Fluxos, Fronteiras, Hibridos.ppt
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
 
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiensQuartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
Quartim de moraes, j o humanismo e o homo sapiens
 
Sociologia ii
Sociologia iiSociologia ii
Sociologia ii
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).ppt
 
O rosto surrealista_do_brasil_contemporaneo_analise_historica_a_partir_da_obr...
O rosto surrealista_do_brasil_contemporaneo_analise_historica_a_partir_da_obr...O rosto surrealista_do_brasil_contemporaneo_analise_historica_a_partir_da_obr...
O rosto surrealista_do_brasil_contemporaneo_analise_historica_a_partir_da_obr...
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
 
Resenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Resenha Raça e diversidade, de Lilia SchwarczResenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
Resenha Raça e diversidade, de Lilia Schwarcz
 
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e CulturasCapítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
Capítulo 2 - Padrões, Normas e Culturas
 
RAGO_Margareth_O efeito Foucault na historiografia brasileira.pdf
RAGO_Margareth_O efeito Foucault na historiografia brasileira.pdfRAGO_Margareth_O efeito Foucault na historiografia brasileira.pdf
RAGO_Margareth_O efeito Foucault na historiografia brasileira.pdf
 
Hannerz
HannerzHannerz
Hannerz
 
Diversidade e diferenca
Diversidade e diferencaDiversidade e diferenca
Diversidade e diferenca
 
A escrita da história
A escrita da história A escrita da história
A escrita da história
 
Instinto nacionalidade
Instinto nacionalidadeInstinto nacionalidade
Instinto nacionalidade
 
Paper de ética jurídica
Paper de ética jurídicaPaper de ética jurídica
Paper de ética jurídica
 
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo AvelinoErrico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
Errico Malatesta, Revolta e Ética anarquista - Nildo Avelino
 
Espetáculo da miscigenação
Espetáculo da miscigenaçãoEspetáculo da miscigenação
Espetáculo da miscigenação
 
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
3º simulado ENEM (sábado)- Gabarito comentado
 
07
0707
07
 

Último

BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalDouglasVasconcelosMa
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf

  • 1.
  • 2.
  • 3. Copyright © 1993 by Lilia Moritz Schwarcz Criação/Formatação ePub: Relíquia Capa: Hélio de Almeida Preparação: Marcia Copola Revisão: Cecília Ramos/Carmen S. da Costa Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Schwarcz, Lilia Moritz, 1957- O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930/Lilia Moritz Schwarcz. – São Paulo: Companhia das Letras, 1993. Bibliografia. ISBN 85-7164-329-6 1. Antropologia social 2. História institucional 3. Raça-Brasil 1. Título n. Título: Cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. 93-2040 CDD-305.80981 índices para catálogo sistemático: Brasil: Integração racial: Aspectos sociais 305.80981 Brasil: Raças: Integração: Aspectos sociais 305.80981 2005 Todos os direitos desta edição reservados à EDITORA SCHWARCZ LTDA. Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32 04532-002 – São Paulo – SP Telefone: (11) 3707-3500 Fax: (11) 3707-3501 www.companhiadasletras.com.br
  • 4. 2 – – – UMA HISTÓRIA DE “DIFERENÇAS E DESIGUALDADES” AS DOUTRINAS RACIAIS DO SÉCULO XIX1 A partir de 1870 introduzem-se no cenário brasileiro teorias de pensamento até então desconhecidas, como o positivismo, o evolucionismo, o darwinismo. No entanto, a entrada coletiva, simultânea e maciça dessas doutrinas acarretou, nas leituras mais contemporânea sobre o período, uma percepção por demais unívoca e mesmo coincidente de todas essas, tendências. Tais modelos, porém, foram utilizados de forma particular, guardando-se suas conclusões singulares, suas decorrências teóricas distintas. Dessa forma, se a noção de evolução social funcionava como um paradigma de época, 2 acima das especificidades das diferentes escolas, não implicou uma única visão de época, ou uma só interpretação. O que se pretende realizar neste capítulo, portanto, é um balanço das diferentes teorias raciais produzidas durante o século XIX — uma espécie de glossário de época —, para que se possa pensar com mais propriedade as especificidades do uso local. Esse debate, que amadurece em meados do século passado, remete, no entanto, a questões anteriores que exigem um breve retorno aos modelos de reflexão do século das Luzes, sem o que esta caracterização ficaria incompleta. Com efeito, os teóricos raciais do século XIX referiam-se constantemente aos pensadores do século XVIII, mas não de maneira uniforme. Enquanto a literatura humanista e em especial Rousseau apareciam como seus principais antagonistas — em sua defesa da noção de uma humanidade una —, autores como Buffon e De Pauw eram apontados como grandes influências quando se tratava de justificar diferenças essenciais entre os homens. ENTRE A EDENIZAÇÃO E A DETRAÇÃO A época das grandes viagens inaugura um momento específico na história ocidental, quando a percepção da diferença entre os homens torna-se tema constante, de debate e reflexão: a conquista de terras desconhecidas levava a novas concepções e posturas, já que, se era bom observar, era ainda mais fácil ouvir do que ver. Nas narrativas de viagem, que aliavam fantasia a realidade, esses “novos homens” eram frequentemente descritos como estranhos em seus costumes, diversos em sua natureza (Mello e Souza, 1986; Holanda, s. d.; Todorov, 1983; Gerbi, 1982). Pode-se dizer, no entanto, que é no século XVIII que os “povos selvagens passam a ser entendidos e caracterizados como primitivos” (Clastres, 1983:188). Primitivos porque primeiros, no começo do gênero humano; os homens americanos se transformam-se em objetos privilegiados para a nova percepção que reduzia a humanidade a uma espécie, uma única evolução e uma possível “perfectibilidade”. Conceito-chave na teoria humanista de Rousseau, a “perfectibilidade” resumia — conjuntamente com a “liberdade” de resistir aos ditames da natureza ou acordar neles — uma especificidade
  • 5. propriamente humana (1775/1978:243). Longe da concepção que será utilizada pelos evolucionistas no decorrer do século XIX, a visão humanista discorria, a partir dessa noção, sobre a capacidade singular e inerente a todos os homens de sempre se superarem. Afirmava o filósofo genebrino: “há uma outra qualidade muito específica que distingue os homens, a respeito da qual não pode haver contestação — é a faculdade de aperfeiçoar-se”. Via de mão dupla, “a perfectibilidade” não supunha, porém, o acesso obrigatório ao “estado de civilização” e à virtude, como supunham os teóricos do século XIX. “Será triste para nós vermo-nos forçados a convir que seja essa faculdade distintiva e quase ilimitada, a fonte de todos os males do homem, que seja ela que, fazendo com que através de séculos desabrochem suas luzes e erros, seus vícios e virtudes, o torna com o tempo o tirano de si mesmo e da natureza” (op. cit.: 243).3 Marca de uma humanidade una, mas diversa em seus caminhos, a “perfectibilidade humana” anunciava para Rousseau os “vícios” da civilização, a origem da desigualdade entre os homens. Herdeira de uma tradição humanista, a reflexão sobre a diversidade se torna, portanto, central quando, no século XVIII, a partir dos legados políticos da Revolução Francesa e dos ensinamentos da Ilustração, estabelecem-se as bases filosóficas para se pensar a humanidade enquanto totalidade. Pressupor a igualdade e a liberdade como naturais levava à determinacão da unidade do gênero humano e a certa universalização da igualdade, entendida como um modelo imposto pela natureza. A igualdade de princípios era inscrita na constituição das nações modernas, delegando-se às “diferenças” um espaço “moralmente neutro” (Dumont, 1966:322). Afinal, os homens nascem iguais, apenas sem uma definição completa da natureza. Em Rousseau, por exemplo, com a noção do “bom selvagem”, essa idéia estará absolutamente presente. O homem americano se transformava inclusive em modelo lógico, já que o “estado de natureza” significava, para esse autor, não o retorno a um paraíso original, e sim um trampolim para a análise da própria sociedade ocidental, um instrumento adequado para se pensar o próprio “estado, de civilização”. Pergunto qual das duas — a vida civil ou a natural — é mais suscetível de tornar-se insuportável. À nossa volta vemos quase somente pessoas que se lamentam de sua existência, inúmeras até que dela se privam assim que podem … Pergunto se algum dia se ouviu dizer que um selvagem em liberdade pensa em lamentar-se da vida e querer morrer. Que se julgue pois, com menos orgulho, de que lado está a verdadeira miséria (1775/1978:251). A alteridade desses “novos homens” transformada em modelo lógico se contrapunha à experiência ocidental. Como concluía Rousseau sobre a origem da desigualdade entre os homens, “se há uma bondade original da natureza humana: a evolução social corrompeu-a” (op. cit.: 205). Estrangeiro em terras próprias, abandonado em meio a um mundo que lhe parece hostil, o famoso filósofo da Ilustração encontrava um modelo ideal nesse “outro” tão distante do “nós, ocidentais”, e o elegia como moralmente superior. No entanto, ao conformar esse quadro antitético, Rousseau de certa forma se afastava da Ilustração, já que refletia sobre um progresso às avessas. Em contraposição à filosofia humanista, procurava na identificação, ou na “compaixão”, 4 a melhor maneira para entender esse homem que tanto se distinguia da experiência ocidental. Mas, se a visão idílica de Rousseau foi no decorrer do século XVIII a mais fecunda (Holanda, 1985: XXV), 5 é impossível deixar de falar das vertentes mais negativas de interpretação. Segundo
  • 6. Mello e Souza, as imagens que detratam o Novo Mundo se intensificaram sobretudo a partir da segunda metade do século XVIII, simetricamente correspondentes ao maior conhecimento e colonização desses novos territórios (op. cit.: 42). É o momento em que se passa da projeção da inocência à inata maldade do selvagem: “a da suposta inferioridade física do continente, e de uma consequente debilidade natural de suas espécies … todos condenados por natureza a uma decadência irresistível, a uma corrupção fatal” (Gerbi, 1982: IX). Vários pensadores corroboraram esse tipo de visão mais negativa da América, mas dois merecem uma atenção maior: Buffon. com sua tese da “infantilidade do continente”, e De Pauw, com a teoria da “degeneração americana”. A partir de Buffon (1707-88), conhecido naturalista francês, podem-se perceber os primórdios de uma “ciência geral do homem” (Foucault, 1966), marcada pela tensão entre uma imagem negativa da natureza e do homem americanos, e a representação positiva do estado natural apresentada por Rousseau. Buffon personificou, com sua teoria, uma runtura com o paraíso rousseauniano, passando a caracterizar o continente americano sob o signo da carência. O pequeno porte dos animais, o escasso povoamento, a ausência de pêlos nos homens, a proliferação de espécies pequenas, de répteis e de insetos, tudo parecia corroborar a tese da debilidade e imaturidade dessa terra (Buffon, 1834). Assim, apesar de a unidade do gênero humano permanecer como postulado, um agudo senso de hierarquia aparecia como novidade. Por meio da obra desse naturalista, uma concepção étnica e cultural estritamente etnocêntrica delineava-se. O debate se vê realmente polarizado com a introdução da noção de ‘‘degeneração”, utilizada pelo jurista Cornelius de Pauw. Até então chamavam-se de degeneradas espécies consideradas inferiores, porque menos complexas em sua conformação orgânica. A partir desse momento, porém, o termo deixa de se referir a mudanças de forma, passando a descrever ‘‘um desvio patológico do tipo original.” 6 Radicalizando os argumentos de Buffon, De Pauw acreditava que os americanos não eram apenas ‘‘imaturos” como também “decaídos”, confirmando sua tese central de “fé no progresso, e falta de fé na bondade humana” (Gerbi, op. cit.: 66). Em seus textos um antiamericanismo claro transparecia quando de suas avaliações sobre a “natureza do Novo Mundo, débil por estar corrompida, inferior por estar degenerada” (De Pauw, 1768 apud Gerbi: 1982).7 Portanto, no contexto intelectual do século XVII, novas perspectivas se destacam. De um lado, a visão humanista herdeira da Revolução Francesa, que naturalizava a igualdade humana; de outro, uma reflexão, ainda tímida, sobre as diferenças básicas existentes entre os homens. A partir do século XIX, será a segunda postura a mais influente, estabelecendo-se correlações rígidas entre patrimônio genético, aptidões intelectuais e inclinações morais. NATURALIZANDO AS DIFERENÇAS A emergência da “raça” O final do século XVIII representa, dessa forma, o prolongamento de um debate ainda não resolvido. Prevalecia, porém, certo otimismo próprio da tradição igualitária que advinha da Revolução Francesa e que tendeu a considerar os diversos grupos como “povos”, “nações” e jamais como raças diferentes em sua origem e conformação (Stocking, 1968:28). Com efeito, o termo raça é introduzido na literatura mais especializada em inícios do século XIX, por Georges Cuvier, inaugurando a idéia da existência de heranças físicas permanentes entre os
  • 7. vários grupos humanos (Stocking, 1968:29).8 Esboçava-se um projeto marcado pela diferença de atitude entre o cronista do século XVI e o naturalista do século XIX,-“a quem não cabia apenas narrar, como classificar, ordenar, organizar tudo o que se encontra pelo caminho” (Sussekind, 1990:45). Delineia-se a partir de então certa reorientação intelectual, uma reação ao Iluminismo em sua visão unitária da humanidade. Tratava-se de uma investida contra os pressupostos igualitários das revoluções burguesas, cujo novo suporte intelectual concentrava-se na idéia de raça, que em tal contexto cada vez mais se aproximava da noção de povo. O discurso racial surgia, dessa maneira, como variante do debate sobre a cidadania, já que no interior desses novos modelos discorria-se mais sobre as determinações do grupo biológico do que sobre o arbítrio do indivíduo entendido como “um resultado, uma reificação dos atributos específicos da sua raça” (Galton, 1869/1988:86). PENSANDO NA ORIGEM: MONOGENISMO x POLIGENISMO Esse debate — que opunha o modelo igualitário da Ilustração às doutrinas raciais — faz parte, no entanto, de um problema mais remoto, sobre as origens da humanidade. Mas, se o tema é em si antigo, toma uma forma mais definida a partir do século XIX, quando o imaginário social parecia abalado por esse tipo de questão. Exemplo típico são os relatos sobre “crianças selvagens”, “meninos-lobos” perdidos nas florestas do exótico Oriente, casos extraordinários que alimentavam a curiosidade ocidental. Uma discussão sobre a veracidade ou não desses episódios poderia ser desenvolvida, 9 mas o que interessa é pensar no papel que cumpriam esses estranhos eventos. Exemplos vivos, tais meninos selvagens pareciam personificar e estabelecer limites, mesmo que tênues, entre o mundo da natureza e o mundo da cultura, revelando a atenção que o tema despertava. 10 Duas grandes vertentes aglutinavam os diferentes autores que na época enfrentaram o desafio de pensar a origem do homem. De um lado, a visão monogenista, dominante até meados do século XIX, congregou a maior parte dos pensadores que, conformes às escrituras bíblicas, acreditavam que a humanidade era una. O homem, segundo essa versão, teria se originado de uma fonte comum, sendo os diferentes tipos humanos apenas um produto “da maior degeneração ou perfeição do Éden” (Quatrefage, 1857 apud Stocking, 1968). Nesse tipo de argumentação vinha embutida, por outro lado, a noção de virtualidade, pois a origem uniforme garantiria um desenvolvimento (mais ou menos) retardado, mas de toda forma semelhante. Pensava-se na humanidade como um gradiente — que iria do mais perfeito (mais próximo do Éden) ao menos perfeito (mediante a degeneração) —, sem pressupor, num primeiro momento, uma noção única de evolução. 11 Esse mesmo contexto propicia o surgimento de uma interpretação divergente. A partir de meados do século XIX a hipótese poligenista transformava-se em uma alternativa plausível, em vista da crescente sofisticação das ciências biológicas e sobretudo diante da contestação ao dogma monogenisía da Igreja. Partiam esses autores da crença na existência de vários centros de criação, que corresponderiam, por sua vez, às diferenças raciais observadas. A versão poligenista permitiria, por outro lado, o fortalecimento de uma interpretação biológica na análise dos comportamentos humanos, que passam a ser crescentemente encarados como resultado imediato de leis biológicas e naturais. Esse tipo de viés foi encorajado sobretudo pelo nascimento simultâneo da frenologia e da antropometria, teorias que passavam a interpretar a capacidade