SlideShare uma empresa Scribd logo
1
O INSTINTO DA NACIONALIDADE E CONTROLE IDEOLÓGICO DA
NATUREZA
Fabiana Móes Miranda
Não basta certamente a adoção do sistema para acabar logo com a
dor, mas é indispensável; o resto é a natural evolução das coisas.
(Machado de Assis – Memórias póstumas de Brás Cubas)
Introdução
O panorama da literatura brasileira, que Machado de Assis revelou no Instinto de
Nacionalidade, não diferia das outras literaturas produzidas na América no início do século
XIX, em que a busca por uma imagem nacionalista fazia parte da busca da identidade
cultural.
Em seu estudo sobre a antiphysis em Jorge Luiz Borges, Costa Lima demonstra
como o autor argentino escapou de uma crítica controladora: a que buscava na forma
documentária uma expressão quase espelhada da nação. Borges controlou em seus textos
todos aspectos possíveis, transformando em estético os elementos diversos ao seu redor e
dispondo a physis como espelho, mas de sua percepção.
Estes dois exemplos – o desprezo pela “cor local” e o não comprometimento com a
physis – mostram como a concepção da natureza havia sido deslocada no centro da
literatura, desde o descobrimento até o presente, a uma metáfora de nação. As duas
perspectivas de conceber a imagem da natureza americana – tão universal com era a idéia
central de Machado de Assis, justamente criticando os autores que se prendiam
exclusivamente aos aspectos “pitorescos” e naturais do país, ou, como em Borges, em de
uma liberdade criadora que o des-localizava.
Mas, tanto o excesso como a escassez criaram os parâmetros da literatura – no
nosso caso – brasileira, tornando controlada o único elemento que não podia se auto-
representar em sua relação entre localidade/globalidade: a natureza. A visão da natureza na
literatura obrigava em parte à metáfora e à comparação e, como bem colocou Machado de
Assis, aparecia no texto como descrição do que a pátria oferecia de beleza natural e assim,
justificava também os homens da nação.
2
Este ensaio servirá para esboçar algumas questões gerais sobre a imagem da
natureza como instinto de nacionalidade, na sua condição e representação como uma
natureza controlada ideologicamente no texto.
1. Uma margem do rio
A natureza controladora a que me refiro é a que escapa, dentro do texto, e questiona
a descrição e a verossimilhança, sem precisar tornar-se antiphysis. Podemos dizer que é
aquela que exibe as relações de trabalho ou ainda a que, em seu “não-dito”, encontra
espaços em que distingue contingentes históricos.
Contrariando um pouco Machado de Assis, por exemplo, poderíamos inferir que
em pleno século XIX – era do desenvolvimento industrial – já estava se tornando possível
colocar a natureza em segundo plano, pois a “civilidade” (aquela que, segundo o autor, não
nos fez em nada devedores ao indígena) estava baseada na premissa de que se podia
controlar os elementos naturais e “bárbaros” que se circunscreviam no ambiente. Desta
forma, o meio mais rápido de se chegar ao universal seria atravessar com máquina a vapor
as palmeiras e os sabiás.
Ora, Machado de Assis pode voltar atrás percorrendo as eras em cima de um
hipopótamo, e podendo ver, face a face, a Natureza. Uma forma feminina cruel, que
atormenta o delirante Brás Cubas: “chama-me Natureza ou Pandora; sou tua mãe e tua
inimiga” (ASSIS, 2007, p.26) e se manifesta tanto como construção, como destruição. Brás
Cubas faz o percurso do naturalista – na melhor inconsciência universalizada machadiana –
e demonstra que o único momento de visão da vida natural é para ele congelada e significa
um aviso de sua morte.
Caiu do ar? Destacou-se da terra? Não sei; sei que um vulto imenso, uma
figura de mulher me apareceu então, fitando-me uns olhos rutilantes
como o sol. Tudo nesta figura tinha a vastidão das coisas selváticas, e
tudo escapava à compreensão do olhar humano, porque os contornos
perdiam-se no ambiente, e o que parecia espesso era muitas vezes
diáfano. (ASSIS, 2007, p. 25, grifo meu)
Se a primeira visão é a da Natureza – e mais uma vez a tese evolucionista da força
dos sobreviventes: aqueles que ganham “as batatas” – a segunda visão é a da História,
numa progressão que vai também escapar ao campo de visão de Brás Cubas, embora ele
3
possa acompanhar a seqüência que é feita de repetições e sua manutenção é feita pelo
egoísmo da conservação.
A história do homem e da Terra tinha assim uma intensidade que não lhe
podiam dar nem a imaginação nem a ciência, porque a ciência é mais
lenta e a imaginação mais vaga, enquanto o que eu via era a
condensação viva de todos os tempos. Para descrevê-la seria preciso
fixar o relâmpago. (ASSIS, 2007, p. 28 – grifo meu)
Mas, a compreensão do protagonista vai se fazendo, a partir do momento em que o
homem passa a controlar a natureza pela detenção da técnica e a forjar sua história.
Ao passo que a vida tinha assim uma regularidade de calendário, fazia-se
a história e a civilização, e o homem, nu e desarmado, armava-se e vestia-
se, construía o tugúrio e o palácio, a rude Aldeia e Tebas de cem portas,
criava a ciência, que percrusta, e a arte que enleva, fazia-se orador,
filósofo, corria a face do globo, descia ao ventre da Terra, subia à esfera
das nuvens, colaborando assim na obra misteriosa, com que entretinha a
necessidade da vida e a melancolia do desamparo. (ASSIS, 2007, p. 29)
Basta o capítulo do Delírio para que sejam redimensionadas algumas perspectivas
sobre a concepção da natureza, seja ou não na obra de Machado de Assis, uma vez que a
escolha foi mais sugestiva que generalizadora. Outros textos já destacam a relação da obra
de Machado com as idéias vigentes em sua época. Neste aspecto o capítulo em questão é
quase descritivo, uma vez que o diálogo crítico com estas idéias não são desenvolvidos
pelo protagonista. Entretanto, a forma como o autor conduz a narrativa parece atemporal,
ou melhor, atual.
O que interessa nas passagens acima são as três determinantes que servem de base
como produção e reprodução do que fundamentam das ideologias modernas: o domínio da
Natureza; a História como idéia de evolução e a ciência/técnica como mediadora destas
relações. A base de tudo, como mostra o trecho acima, é a criação da necessidade, a “obra
misteriosa”. Por que não podemos chamar de capitalismo?
O trecho ainda mostra que fazer “civilização” é o percurso do “desarmado” ao
“armado”, da “rude Aldeia” à “Tebas de cem portas”, e por fim, criar oposições
ciência/arte e política/filosofia. O título do capítulo pode tanto se referir ao estado de Brás
Cuba como a consciência histórica daquele momento, pois seria através deste “delírio” que
a nação deixaria sua “cor local” que a primitizava, com orgulho ao que possuía face aos
4
outros países coloniais, e seria inserida arrebatadamente numa vertigem civilizatória, com
traços semelhantes ao que ocorreu no “descobrimento”.
Foi e seria, mais uma vez, para servir a um desequilíbrio global em termos de
produção que o Brasil ofereceria “suas belezas naturais” em troca da civilização do Velho
Mundo. Nossa natureza devia comungar com o mercado e servir de moeda de troca nas
engrenagens do desenvolvimento unilateral: era o momento da natureza sair do assunto da
literatura, já havia se fixado a metáfora da abundância, restava a exploração, não pela
palavra, mas pela ação.
O que resta a Natureza ou Pandora – no que possui de males e esperanças humanas
– era sua alternativa entre representação e descrição. Como descrição era material
revelador de uma geografia exuberante e diferenciada daquela conhecida pelos europeus e,
dada a extensão territorial do país, pelos próprios brasileiros. Como representação,
constituía um campo vasto para uma metáfora ambivalente, sendo a esperança benfeitora
(amiga), já que sinônimo de nossa caracterização social e uma ameaça, já que encobria os
verdadeiros problemas sociais e culturais. Não é a toa que as formigas saúvas, no Triste
Fim de Policarpo Quaresma, são a contra-representação da ideologia utópica da terra em
“que se plantando tudo dá”.
A representação continua até mesmo na crítica quando, de forma bastante singular,
Silviano Santiago, num dos ensaios de Vale quanto Pesa, mostra a alegoria do rio, na
concepção da hierarquia no livro O Guarani de Alencar. O rio é hierarquicamente inferior
ao mar. Toda esta linguagem de equivalência – mesmo que não seja este o cerne da
atenção de Silviano – apenas confirma e reforça a forma de apreensão figurativa do espaço
natural.
Assim como Peri tem vidas sociais paralelas, assim também o rio. São
eles que têm uma ambigüidade social que permite, por exemplo, Peri ser
fidalgo e selvagem. O rio é livre, é suserano dos rochedos, é vassalo do
rio Paraíba. (SILVIANO, 1981, p. 108)
Estas formas de representação demonstram que a nossa identidade cultural se
apoiou numa linguagem espacial (geográfica) em substituição a uma linguagem histórica,
já que nos faltava o “amadurecimento” intelectual cultivado pelo Velho Mundo – éramos,
como diria Machado de Assis, um povo na “adolescência”.
Até para a superação desta “adolescência” foi necessário o afastamento geopolítico
nos textos literários – havendo sempre recortes por regiões: a Semana de Artes Modernas
no eixo Sul ou a Literatura de 30, de caráter regionalista, no Centro-Norte. Cada localidade
5
apresentava geograficamente a sua identidade, se certificando assim de uma
heterogeneidade cultural e de uma linguagem particularizante.
A linguagem particularizante era levada ao extremo ainda pela nomeação, que
Machado de Assis censurava, de todos os elementos naturais de cada região. Um exemplo
está em Grande Sertões: Veredas, de Guimarães Rosa: nos sertões seria impossível não
chegar a verossimilhança sem a descrição ou nomeação dos elementos naturais que
constituam a geografia local. Aqui nossa literatura já chegou a maioridade e permanece
descritiva, embora não apresente e apenas cite espaços, mas reencontre a subjetividade que
relaciona a história em seu tempo/espaço na apreensão do ambiente.
Não há dúvida que uma literatura, sobretudo uma literatura nascente,
deve principalmente alimentar-se dos assuntos que lhe oferece a sua
região, mas não estabeleçamos doutrinas tão absolutas que a
empobreçam. O que se deve exigir do escritor antes de tudo, é certo
sentimento íntimo, que o torne homem do seu tempo e do seu país, ainda
quando trate de assuntos remotos no tempo e no espaço. (ASSIS, 1953).
2. A outra margem do rio
Esta premissa pela descrição como patrimônio tanto de uma literatura brasileira,
como de uma natureza brasileira deveriam ser reconsiderados, senão como identidade ou
alteridade, ao menos em suas implicações culturais sobre a concepção de espaço na nossa
literatura. De certa forma, seria realmente um “engano” constituir uma literatura que
abordasse a “cor-local” como distinção de um lugar constituído colonialmente?
Tudo isto oferece não apenas uma história das idéias sobre o Brasil e seu desejo de
sair do estado “selvagem”, diga-se natural, e ingressar na fase da produção – que era deixar
para trás uma geografia comprometedora do pensamento colonial (uma vez que nossas
“idéias” estavam na Europa e na América do Norte como observa Schwarz em Idéias Fora
do Lugar). A idéia fora do lugar comprometia tanto os conceitos de liberdade num país
escravocrata, como a forma de produção, fosse econômica ou literária.
Em textos como o de Ferdinand Denis1
podemos concluir que o Brasil era ainda um
país que oferecia a matéria-prima e recebia os produtos manufaturados da Europa
industrializada. Esta dependência, persistente ainda hoje, como característica de um país
1
DENIS, Ferdinand. Brésil, Paris: Firmin Didot frères, éditeurs, 1837.
6
agrário, que permanecia no cultivo e que contava desta forma com os recursos naturais –
na verdade, naturalizados, já que importados para o solo brasileiro – e prorrogava nos
modos de produção coloniais.
Neste caso, parecia que a natureza impedia o desenvolvimento e a indústria. O
excedente da matéria-prima precisava suportar o mercado externo e se adaptar aos da
balança comercial dos outros países. Na literatura estes acontecimentos aparecem de várias
formas, mas todas, como colocou Marx conseguem ocultar a exploração da natureza das
relações. O que aparece é a técnica e a ciência no que podem contribuir para o progresso
dos países periféricos.
O mascaramento da exploração da natureza representa o que se tem chamado de
crise ecológica, que inclui o esgotamento dos recursos naturais e, ao mesmo tempo, um
conjunto de relações históricas que incluem as condições e meios de trabalho. Esta alusão
se deu também nas produções culturais e reflete a urbanização e a tecnocracia das relações
sociais, que abarcam autores e leitores.
O panorama da literatura modifica-se, suas paisagens transformam-se e o mesmo
recurso que encobre as relações de trabalhos e produção, não permitem que se enxergue a
perda da consciência geográfica. Podemos questionar se havia mais responsabilidade no
romântico, que via utopicamente um país integral geograficamente e por suas belezas
naturais ou no realista que, passando para o texto, transformou a natureza em história da
degeneração humana?
Nem o romantismo, nem o realismo poderiam, entretanto, exceder sua própria
produção como forma literária. O Brasil era um país que se desconhecia, o Nordeste se
tornou uma criação do Sul e vice-versa, as dimensões continentais impediam o
reconhecimento e, muitas vezes, geravam preconceitos e fantasias sobre as condições de
um estado para outro. Como dimensionar uma modernidade que não chegava a todos
cantos do país e quando os lugares mais avançados tecnologicamente continuava a ver
como “selvagens” os que ainda não estavam incluídos na produção, como sinônimo de
produtividade e crescimento econômico?
O próprio título do ensaio machadiano revela sua escolha: a nacionalidade é
colocada como instinto e não como razão. A razão não poderia apenas se fixar no local,
esta argumentação é certa, partindo-se do principio de que se precisava saber com quem
estávamos tratando e reconhecer a exploração, mas parece um engano se não inclui parte
7
do pensamento de nacionalidade como uma racionalização do próprio estado de
colonizado.
Intuir muitas vezes se torna a primeira forma de criticar. Tento imaginar que foi
nesta idéia que Machado de Assis observou os escritores de sua época e da anterior: todos
dotados de intuição sobre como constituir uma identidade nacional e ao mesmo tempo sem
ter alcance da melhor norma de representação, que não acabasse apenas num “retrato”
físico do país.
O que parece estranho é que ao mesmo tempo que toda “fotografia” parecia
constituir um patrimônio cultural, e assim, um representativo do povo brasileiro, por outro
lado mantinham-se as manchas com as metáforas comuns e como também coloca
Machado, com a pastora árcade em nosso território. O paradoxo é o acima citado, ou seja,
os verdadeiros espaços que poderiam ser representados eram considerados infrutíferos, isto
justifica todas as críticas feitas aos poetas que falavam do campo estando confortavelmente
na cidade.
Este método de fazer a literatura nacional mostra suas problemáticas quando todo
estudo esquece-se do objeto representado e desloca para o imaginário as atenções
primordiais. Torna a representação uma verdade inquestionável e tudo o que poderia ser
revelador de um acontecimento ou de um compromisso histórico passa a ser considerado
metáfora ou alegoria no ato da criação. Mas, também, ocorre o inverso e o excesso
metafórico obscurece a clareza da palavra.
Voltando mais uma vez ao exemplo de Brás Cubas no seu delírio, a Natureza era
tão imensa que não podia ser compreendida e esta concepção parece idêntica aos contornos
do Brasil. Brás Cubas não monta num animal do país e nem visita o rio Amazonas, sua
origem do mundo começa na Europa, sua formação intelectual e sua passagem pelo Éden
descarta toda origem autóctone do indígena brasileiro. Aqui, o crítico e o autor
demonstram coerência. Mesmo que se busque a natureza e a naturalização esta não é
interna, mas depende do sentido de autenticidade concedida pelo exterior.
A Natureza de Cubas deve seguir a história natural mundial para sua legitimação. A
história que dizemos ser nossa só tem sentido junto da História que começa no início do
mundo que nos colonizou. Mas, o hipopótamo também representa um elemento da
colonização européia e a máquina do tempo que gira na frente dos olhos do protagonista
mostrando o mundo e partes não percebidas do futuro mostra também as tenazes correntes
com que a história do Brasil está presa à história mundial.
8
Peri, o rio e o hipopótamo mostram a hierarquização das representações na
literatura brasileira. E é a consciência desta hierarquia, em maior ou em menor grau, que
faz com que se busquem saídas regionalistas para resgatar as identidades nacionais do
Brasil. A passagem de uma margem para outra, oferece os mesmos riscos e oferece
alternativas criativas nos textos. Entretanto, o Sertão é o mundo, mas o mundo não é o
sertão, isto revela a singularidade até “um dia em que o mar vire sertão”.
3. A terceira margem
Como, ao que parece, o questionamento da representação tem se colocado junto as
condições de produções de discursos hegemônicos, a mímeses em forma de physis e
antiphysis2
, sendo entendidas como elementos de controle textual poderiam se entregar a
novas revisões, pois, como coloca Costa Lima, o problema fica em dois extremos, o lugar
sem tempo/espaço que é o labirinto borgiano e o documentarismo que é o espaço/tempo da
nacionalidade.
Tudo que continua sendo refletido, em maior ou menor grau, é a supremacia da
palavra representativa dos discursos, sem que se resolva a velha tripartição entre
natureza/história/homem, uma vez que, segundo Marx, o homem faz a sua história
transformando a natureza. Esta transformação dos recursos naturais em energia, ou seja,
em produção e, posteriormente, em consumo, só encontraria na crítica das representações
um caminho como re-interpretação.
A re-interpretação passa por toda sociedade e cultura e deve questionar a forma
como os elementos representados aparecem ou não nos textos literários. O que fica oculto,
quando apenas a descrição geográfica é colocada como elemento mimético, são também
possíveis demonstradores históricos e culturais da sociedade. Sua função econômica
também fica relegada ao segundo plano, uma vez que aparecem o “utópico”, apresentando
este país como um paraíso ou não, e os contrastes para uma diferenciação entre as regiões,
que mostra a pobreza e atraso de algumas regiões ainda como falta de desenvolvimento e
devido a fatores como condições climáticas e outros.
Esta criação de uma imagem nacional, com estruturas diferentes em cada região,
exploram os elementos geográficos e climáticos. Desta maneira, alega-se como natural
2
N da A. Aqui, a citação do texto de Costa Lima é apenas de localização, pois os termos physis e antiphysis
que estou empregando estão mais no sentido de mundo em que as representações coincidem com os objetos
representados e de outro mundo, em que as referências não coincidem com os elementos naturais.
9
certas diferenças e da mesma forma a literatura explora estas diferenças para “localizar” o
texto e o discurso.
Nem deixou de recordar que em algumas partes do globo o espetáculo é
mais grandioso: as criaturas humanas é que disputam aos cães os ossos e
outros manjares menos apetecíveis; luta que se complica muito, porque
entra em ação a inteligência do homem, com todo o acúmulo da
sagacidade que lhe deram o século, etc. (ASSIS, 2007, p.193)
O tão conhecido diálogo entre Brás Cubas e Quincas Borba sobre a luta dos cães
pela sobrevivência justifica o delírio de Brás Cubas que vê na sucessão da História a
contínua luta, que segundo Borba é a própria vida. É a mesma vida que se apresenta como
Pandora ou Natureza.
Machado de Assis continua a falar no universal: as lutas pelo “osso” ocorrem em
alguma “parte do globo” – o flagelo histórico não é nacional. Se o texto fosse escrito na
atualidade ofereceria uma crítica para a globalização da economia, mas podemos verificar
que todo caminho histórico parece determinado e a soma da inteligência humana é “o
espetáculo mais grandioso”, o que lhe dá formas de produção e exploração.
O texto Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, nos oferece as
metáforas da subjetivação da natureza (de forma alguma é o único ou primeiro texto a
fazê-lo), pois as pessoas são, para o protagonista, questões de botânica, de geologia, e não
é a toa que o livro é dedicado ao verme, o devorador da sua matéria – a mesma que não
transmitiu “a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.” (ASSIS, 2007, p.209)
Pode-se referir a consciência, a religião e tudo o que se quiser
como distinção entre os homens e os animais; porém, esta distinção
só começa a existir quando os homens iniciam a produção dos seus
meios de vida, passo em frente que é conseqüência da sua
organização corporal. Ao produzirem os seus meios de existência,
os homens produzem indiretamente a sua própria vida material.
(Marx & Engels.)
Esta é a existência material que transmite como legado a cultura e a história das
idéias, como formas de produção que distinguem os homens e os tornam mais nacionais
que naturais. Podemos questionar o quanto de idealismo havia nas idéias nacionalistas, de
construção do discurso da identidade, mas também podemos reconhecer que este discurso
foi mantido a partir do momento que se fixaram as bases materiais das produções
nacionais, ainda que dependentes do elemento estrangeiro.
10
Isso demonstra que a ilusão ou o espelhamento da realidade fazem parte dos
contingentes históricos e da representação da natureza na cultura (luta da physis e
antiphysis). Na atualidade resgatar essa representação nos produtos culturais – no nosso
caso na literatura – é uma forma de compreender como se re-constroem as identidades
sociais.
A lição de Machado de Assis permanece em sua crítica, mas a “cor-local” – a
physis como descrição – deve ser resgatada nos estudos literários, não como romantismo
ou realismo, mas como matéria de exploração global. E, em termos literários como matéria
de elaboração textual.
Referências Bibliográficas
ALBUQUERQUE, Durval Muniz de. Geografia m ruínas. In: A invenção do
Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 1999.
ALTVATER, Elmar. Hacia uma crítica ecológica de la economia política. In: As
Américas: encruzilhadas glocais. Org. WALTER, Roland. Recife, 2007. CD-ROM.
ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. Porto Alegre: LP&M,
2007.
_____________. Instinto de Nacionalidade. In: Crítica literária. Rio de Janeiro:
W.M. Jackson, 1953.
DENIS, Ferdinand. Brésil, Paris: Firmin Didot frères, éditeurs, 1837.
FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. Trad. Salma Tannus. São Paulo:
Martins Fontes, 2000.
LIMA, L. C. A antiphysis em Jorge Luis Borges, in: Mímesis e Modernidade:
formas das sombras. Rio de Janeiro: Graal, 1980.
___________O Fingidor e o Censor: no ancien régime, no iluminismo e hoje. Rio
de Janeiro: Forense-Universitária, 1988.
MARX, C. & ENGELS, F. A ideologia alemã. <http://www.jahr.org>
SANTIAGO, Silviano. Liderança e Hierarquia em Alencar. In: Vale quanto pesa:
ensaios sobre questões político-culturais. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.
SCHWARZ, Roberto. As idéias fora do lugar. In: Ao vencedor as batatas: forma
literária e processo social do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades, 1977.
SODRÉ, Muniz. O patrimônio como virtude. In: Claros e escuros: identidade,
povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura Era Colonial
Literatura   Era Colonial Literatura   Era Colonial
Literatura Era Colonial
CrisBiagio
 
O Quinhentismo
O QuinhentismoO Quinhentismo
O Quinhentismo
hsjval
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
ma.no.el.ne.ves
 
Literatura no ENEM
Literatura no ENEMLiteratura no ENEM
Literatura no ENEM
Yasmin Matos
 
Grande sertão: veredas e Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa: similaridade ...
Grande sertão: veredas e Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa: similaridade ...Grande sertão: veredas e Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa: similaridade ...
Grande sertão: veredas e Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa: similaridade ...
Mariana Klafke
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 03
Revisando o realismo e o naturalismo, 03Revisando o realismo e o naturalismo, 03
Revisando o realismo e o naturalismo, 03
ma.no.el.ne.ves
 
Literaturas sobre realismo (7)
Literaturas sobre realismo (7)Literaturas sobre realismo (7)
Literaturas sobre realismo (7)
Equipemundi2014
 
Maria helena de_ moura_arias
Maria helena de_ moura_ariasMaria helena de_ moura_arias
Maria helena de_ moura_arias
Gladis Maia
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
jaquemarcondes
 
Épocas literárias
Épocas literáriasÉpocas literárias
Épocas literárias
heleira02
 
Escolas literarias
Escolas literariasEscolas literarias
Escolas literarias
1103sancho
 

Mais procurados (20)

Literatura Era Colonial
Literatura   Era Colonial Literatura   Era Colonial
Literatura Era Colonial
 
Movimentos Literários
Movimentos LiteráriosMovimentos Literários
Movimentos Literários
 
O Quinhentismo
O QuinhentismoO Quinhentismo
O Quinhentismo
 
História e Literatura
História e LiteraturaHistória e Literatura
História e Literatura
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
Literatura no ENEM
Literatura no ENEMLiteratura no ENEM
Literatura no ENEM
 
Grande sertão: veredas e Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa: similaridade ...
Grande sertão: veredas e Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa: similaridade ...Grande sertão: veredas e Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa: similaridade ...
Grande sertão: veredas e Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa: similaridade ...
 
Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 03
Revisando o realismo e o naturalismo, 03Revisando o realismo e o naturalismo, 03
Revisando o realismo e o naturalismo, 03
 
Conto machadiano
Conto machadianoConto machadiano
Conto machadiano
 
Literaturas sobre realismo (7)
Literaturas sobre realismo (7)Literaturas sobre realismo (7)
Literaturas sobre realismo (7)
 
Maria helena de_ moura_arias
Maria helena de_ moura_ariasMaria helena de_ moura_arias
Maria helena de_ moura_arias
 
O médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigoO médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigo
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Épocas literárias
Épocas literáriasÉpocas literárias
Épocas literárias
 
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
História da Litertura Brasileira   José VeríssimoHistória da Litertura Brasileira   José Veríssimo
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
 
Escolas literarias
Escolas literariasEscolas literarias
Escolas literarias
 

Semelhante a Instinto nacionalidade

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
QueleLiberato
 
Arrigucci jr., david. o cacto e as ruínas
Arrigucci jr., david. o cacto e as ruínasArrigucci jr., david. o cacto e as ruínas
Arrigucci jr., david. o cacto e as ruínas
Iara Gregório
 
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias""Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
Mariana Klafke
 
Murilo mendes
Murilo mendes Murilo mendes
Murilo mendes
mbl2012
 
Euclides da cunha, a amazônia e a barbárie
Euclides da cunha, a amazônia e a barbárieEuclides da cunha, a amazônia e a barbárie
Euclides da cunha, a amazônia e a barbárie
Linguagens Identidades
 
Tendendências na literatura brasileira contemporânea, by Wilson Martins
Tendendências na literatura brasileira contemporânea, by Wilson MartinsTendendências na literatura brasileira contemporânea, by Wilson Martins
Tendendências na literatura brasileira contemporânea, by Wilson Martins
Mariane Farias
 

Semelhante a Instinto nacionalidade (20)

Complexo de ze carioca notas sobre uma identidade mestiça e malandra
Complexo de ze carioca notas sobre uma identidade mestiça e malandraComplexo de ze carioca notas sobre uma identidade mestiça e malandra
Complexo de ze carioca notas sobre uma identidade mestiça e malandra
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
David Arrigucci Jr. - O cacto e as Ruínas
David Arrigucci Jr. - O cacto e as RuínasDavid Arrigucci Jr. - O cacto e as Ruínas
David Arrigucci Jr. - O cacto e as Ruínas
 
Arrigucci jr., david. o cacto e as ruínas
Arrigucci jr., david. o cacto e as ruínasArrigucci jr., david. o cacto e as ruínas
Arrigucci jr., david. o cacto e as ruínas
 
Hannerz
HannerzHannerz
Hannerz
 
Euclides da cunha
Euclides da cunhaEuclides da cunha
Euclides da cunha
 
Cronicas de rubens
Cronicas de rubensCronicas de rubens
Cronicas de rubens
 
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias""Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
"Grande sertão: veredas" e "Primeiras estórias"
 
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptxLITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
LITERATURA- A ARTE DA PALAVRA 1 ANOS.pptx
 
O nascimento do brasil
O nascimento do brasilO nascimento do brasil
O nascimento do brasil
 
Murilo mendes
Murilo mendes Murilo mendes
Murilo mendes
 
O imbecil coletivo
O imbecil coletivoO imbecil coletivo
O imbecil coletivo
 
Euclides da cunha, a amazônia e a barbárie
Euclides da cunha, a amazônia e a barbárieEuclides da cunha, a amazônia e a barbárie
Euclides da cunha, a amazônia e a barbárie
 
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdf
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdfRelações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdf
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdf
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
 
Estilos literarios
Estilos literariosEstilos literarios
Estilos literarios
 
webnode
webnodewebnode
webnode
 
Atos de fingir
Atos de fingirAtos de fingir
Atos de fingir
 
analise a hora da estrela
analise a hora da estrela analise a hora da estrela
analise a hora da estrela
 
Tendendências na literatura brasileira contemporânea, by Wilson Martins
Tendendências na literatura brasileira contemporânea, by Wilson MartinsTendendências na literatura brasileira contemporânea, by Wilson Martins
Tendendências na literatura brasileira contemporânea, by Wilson Martins
 

Mais de Fabiana Miranda

Mais de Fabiana Miranda (9)

Indio nat
Indio natIndio nat
Indio nat
 
Posthuman
PosthumanPosthuman
Posthuman
 
Hipertexto mito
Hipertexto mitoHipertexto mito
Hipertexto mito
 
Leitor discurso
Leitor discursoLeitor discurso
Leitor discurso
 
Hipertexto leitor
Hipertexto leitorHipertexto leitor
Hipertexto leitor
 
Manuel lopes ecocrítica
Manuel lopes ecocríticaManuel lopes ecocrítica
Manuel lopes ecocrítica
 
Mornas e oralidade
Mornas e oralidadeMornas e oralidade
Mornas e oralidade
 
Cibergêneros ethos
Cibergêneros ethosCibergêneros ethos
Cibergêneros ethos
 
Recife Luanda Raproximacoes Historicas E Culturais
Recife   Luanda Raproximacoes Historicas E CulturaisRecife   Luanda Raproximacoes Historicas E Culturais
Recife Luanda Raproximacoes Historicas E Culturais
 

Instinto nacionalidade

  • 1. 1 O INSTINTO DA NACIONALIDADE E CONTROLE IDEOLÓGICO DA NATUREZA Fabiana Móes Miranda Não basta certamente a adoção do sistema para acabar logo com a dor, mas é indispensável; o resto é a natural evolução das coisas. (Machado de Assis – Memórias póstumas de Brás Cubas) Introdução O panorama da literatura brasileira, que Machado de Assis revelou no Instinto de Nacionalidade, não diferia das outras literaturas produzidas na América no início do século XIX, em que a busca por uma imagem nacionalista fazia parte da busca da identidade cultural. Em seu estudo sobre a antiphysis em Jorge Luiz Borges, Costa Lima demonstra como o autor argentino escapou de uma crítica controladora: a que buscava na forma documentária uma expressão quase espelhada da nação. Borges controlou em seus textos todos aspectos possíveis, transformando em estético os elementos diversos ao seu redor e dispondo a physis como espelho, mas de sua percepção. Estes dois exemplos – o desprezo pela “cor local” e o não comprometimento com a physis – mostram como a concepção da natureza havia sido deslocada no centro da literatura, desde o descobrimento até o presente, a uma metáfora de nação. As duas perspectivas de conceber a imagem da natureza americana – tão universal com era a idéia central de Machado de Assis, justamente criticando os autores que se prendiam exclusivamente aos aspectos “pitorescos” e naturais do país, ou, como em Borges, em de uma liberdade criadora que o des-localizava. Mas, tanto o excesso como a escassez criaram os parâmetros da literatura – no nosso caso – brasileira, tornando controlada o único elemento que não podia se auto- representar em sua relação entre localidade/globalidade: a natureza. A visão da natureza na literatura obrigava em parte à metáfora e à comparação e, como bem colocou Machado de Assis, aparecia no texto como descrição do que a pátria oferecia de beleza natural e assim, justificava também os homens da nação.
  • 2. 2 Este ensaio servirá para esboçar algumas questões gerais sobre a imagem da natureza como instinto de nacionalidade, na sua condição e representação como uma natureza controlada ideologicamente no texto. 1. Uma margem do rio A natureza controladora a que me refiro é a que escapa, dentro do texto, e questiona a descrição e a verossimilhança, sem precisar tornar-se antiphysis. Podemos dizer que é aquela que exibe as relações de trabalho ou ainda a que, em seu “não-dito”, encontra espaços em que distingue contingentes históricos. Contrariando um pouco Machado de Assis, por exemplo, poderíamos inferir que em pleno século XIX – era do desenvolvimento industrial – já estava se tornando possível colocar a natureza em segundo plano, pois a “civilidade” (aquela que, segundo o autor, não nos fez em nada devedores ao indígena) estava baseada na premissa de que se podia controlar os elementos naturais e “bárbaros” que se circunscreviam no ambiente. Desta forma, o meio mais rápido de se chegar ao universal seria atravessar com máquina a vapor as palmeiras e os sabiás. Ora, Machado de Assis pode voltar atrás percorrendo as eras em cima de um hipopótamo, e podendo ver, face a face, a Natureza. Uma forma feminina cruel, que atormenta o delirante Brás Cubas: “chama-me Natureza ou Pandora; sou tua mãe e tua inimiga” (ASSIS, 2007, p.26) e se manifesta tanto como construção, como destruição. Brás Cubas faz o percurso do naturalista – na melhor inconsciência universalizada machadiana – e demonstra que o único momento de visão da vida natural é para ele congelada e significa um aviso de sua morte. Caiu do ar? Destacou-se da terra? Não sei; sei que um vulto imenso, uma figura de mulher me apareceu então, fitando-me uns olhos rutilantes como o sol. Tudo nesta figura tinha a vastidão das coisas selváticas, e tudo escapava à compreensão do olhar humano, porque os contornos perdiam-se no ambiente, e o que parecia espesso era muitas vezes diáfano. (ASSIS, 2007, p. 25, grifo meu) Se a primeira visão é a da Natureza – e mais uma vez a tese evolucionista da força dos sobreviventes: aqueles que ganham “as batatas” – a segunda visão é a da História, numa progressão que vai também escapar ao campo de visão de Brás Cubas, embora ele
  • 3. 3 possa acompanhar a seqüência que é feita de repetições e sua manutenção é feita pelo egoísmo da conservação. A história do homem e da Terra tinha assim uma intensidade que não lhe podiam dar nem a imaginação nem a ciência, porque a ciência é mais lenta e a imaginação mais vaga, enquanto o que eu via era a condensação viva de todos os tempos. Para descrevê-la seria preciso fixar o relâmpago. (ASSIS, 2007, p. 28 – grifo meu) Mas, a compreensão do protagonista vai se fazendo, a partir do momento em que o homem passa a controlar a natureza pela detenção da técnica e a forjar sua história. Ao passo que a vida tinha assim uma regularidade de calendário, fazia-se a história e a civilização, e o homem, nu e desarmado, armava-se e vestia- se, construía o tugúrio e o palácio, a rude Aldeia e Tebas de cem portas, criava a ciência, que percrusta, e a arte que enleva, fazia-se orador, filósofo, corria a face do globo, descia ao ventre da Terra, subia à esfera das nuvens, colaborando assim na obra misteriosa, com que entretinha a necessidade da vida e a melancolia do desamparo. (ASSIS, 2007, p. 29) Basta o capítulo do Delírio para que sejam redimensionadas algumas perspectivas sobre a concepção da natureza, seja ou não na obra de Machado de Assis, uma vez que a escolha foi mais sugestiva que generalizadora. Outros textos já destacam a relação da obra de Machado com as idéias vigentes em sua época. Neste aspecto o capítulo em questão é quase descritivo, uma vez que o diálogo crítico com estas idéias não são desenvolvidos pelo protagonista. Entretanto, a forma como o autor conduz a narrativa parece atemporal, ou melhor, atual. O que interessa nas passagens acima são as três determinantes que servem de base como produção e reprodução do que fundamentam das ideologias modernas: o domínio da Natureza; a História como idéia de evolução e a ciência/técnica como mediadora destas relações. A base de tudo, como mostra o trecho acima, é a criação da necessidade, a “obra misteriosa”. Por que não podemos chamar de capitalismo? O trecho ainda mostra que fazer “civilização” é o percurso do “desarmado” ao “armado”, da “rude Aldeia” à “Tebas de cem portas”, e por fim, criar oposições ciência/arte e política/filosofia. O título do capítulo pode tanto se referir ao estado de Brás Cuba como a consciência histórica daquele momento, pois seria através deste “delírio” que a nação deixaria sua “cor local” que a primitizava, com orgulho ao que possuía face aos
  • 4. 4 outros países coloniais, e seria inserida arrebatadamente numa vertigem civilizatória, com traços semelhantes ao que ocorreu no “descobrimento”. Foi e seria, mais uma vez, para servir a um desequilíbrio global em termos de produção que o Brasil ofereceria “suas belezas naturais” em troca da civilização do Velho Mundo. Nossa natureza devia comungar com o mercado e servir de moeda de troca nas engrenagens do desenvolvimento unilateral: era o momento da natureza sair do assunto da literatura, já havia se fixado a metáfora da abundância, restava a exploração, não pela palavra, mas pela ação. O que resta a Natureza ou Pandora – no que possui de males e esperanças humanas – era sua alternativa entre representação e descrição. Como descrição era material revelador de uma geografia exuberante e diferenciada daquela conhecida pelos europeus e, dada a extensão territorial do país, pelos próprios brasileiros. Como representação, constituía um campo vasto para uma metáfora ambivalente, sendo a esperança benfeitora (amiga), já que sinônimo de nossa caracterização social e uma ameaça, já que encobria os verdadeiros problemas sociais e culturais. Não é a toa que as formigas saúvas, no Triste Fim de Policarpo Quaresma, são a contra-representação da ideologia utópica da terra em “que se plantando tudo dá”. A representação continua até mesmo na crítica quando, de forma bastante singular, Silviano Santiago, num dos ensaios de Vale quanto Pesa, mostra a alegoria do rio, na concepção da hierarquia no livro O Guarani de Alencar. O rio é hierarquicamente inferior ao mar. Toda esta linguagem de equivalência – mesmo que não seja este o cerne da atenção de Silviano – apenas confirma e reforça a forma de apreensão figurativa do espaço natural. Assim como Peri tem vidas sociais paralelas, assim também o rio. São eles que têm uma ambigüidade social que permite, por exemplo, Peri ser fidalgo e selvagem. O rio é livre, é suserano dos rochedos, é vassalo do rio Paraíba. (SILVIANO, 1981, p. 108) Estas formas de representação demonstram que a nossa identidade cultural se apoiou numa linguagem espacial (geográfica) em substituição a uma linguagem histórica, já que nos faltava o “amadurecimento” intelectual cultivado pelo Velho Mundo – éramos, como diria Machado de Assis, um povo na “adolescência”. Até para a superação desta “adolescência” foi necessário o afastamento geopolítico nos textos literários – havendo sempre recortes por regiões: a Semana de Artes Modernas no eixo Sul ou a Literatura de 30, de caráter regionalista, no Centro-Norte. Cada localidade
  • 5. 5 apresentava geograficamente a sua identidade, se certificando assim de uma heterogeneidade cultural e de uma linguagem particularizante. A linguagem particularizante era levada ao extremo ainda pela nomeação, que Machado de Assis censurava, de todos os elementos naturais de cada região. Um exemplo está em Grande Sertões: Veredas, de Guimarães Rosa: nos sertões seria impossível não chegar a verossimilhança sem a descrição ou nomeação dos elementos naturais que constituam a geografia local. Aqui nossa literatura já chegou a maioridade e permanece descritiva, embora não apresente e apenas cite espaços, mas reencontre a subjetividade que relaciona a história em seu tempo/espaço na apreensão do ambiente. Não há dúvida que uma literatura, sobretudo uma literatura nascente, deve principalmente alimentar-se dos assuntos que lhe oferece a sua região, mas não estabeleçamos doutrinas tão absolutas que a empobreçam. O que se deve exigir do escritor antes de tudo, é certo sentimento íntimo, que o torne homem do seu tempo e do seu país, ainda quando trate de assuntos remotos no tempo e no espaço. (ASSIS, 1953). 2. A outra margem do rio Esta premissa pela descrição como patrimônio tanto de uma literatura brasileira, como de uma natureza brasileira deveriam ser reconsiderados, senão como identidade ou alteridade, ao menos em suas implicações culturais sobre a concepção de espaço na nossa literatura. De certa forma, seria realmente um “engano” constituir uma literatura que abordasse a “cor-local” como distinção de um lugar constituído colonialmente? Tudo isto oferece não apenas uma história das idéias sobre o Brasil e seu desejo de sair do estado “selvagem”, diga-se natural, e ingressar na fase da produção – que era deixar para trás uma geografia comprometedora do pensamento colonial (uma vez que nossas “idéias” estavam na Europa e na América do Norte como observa Schwarz em Idéias Fora do Lugar). A idéia fora do lugar comprometia tanto os conceitos de liberdade num país escravocrata, como a forma de produção, fosse econômica ou literária. Em textos como o de Ferdinand Denis1 podemos concluir que o Brasil era ainda um país que oferecia a matéria-prima e recebia os produtos manufaturados da Europa industrializada. Esta dependência, persistente ainda hoje, como característica de um país 1 DENIS, Ferdinand. Brésil, Paris: Firmin Didot frères, éditeurs, 1837.
  • 6. 6 agrário, que permanecia no cultivo e que contava desta forma com os recursos naturais – na verdade, naturalizados, já que importados para o solo brasileiro – e prorrogava nos modos de produção coloniais. Neste caso, parecia que a natureza impedia o desenvolvimento e a indústria. O excedente da matéria-prima precisava suportar o mercado externo e se adaptar aos da balança comercial dos outros países. Na literatura estes acontecimentos aparecem de várias formas, mas todas, como colocou Marx conseguem ocultar a exploração da natureza das relações. O que aparece é a técnica e a ciência no que podem contribuir para o progresso dos países periféricos. O mascaramento da exploração da natureza representa o que se tem chamado de crise ecológica, que inclui o esgotamento dos recursos naturais e, ao mesmo tempo, um conjunto de relações históricas que incluem as condições e meios de trabalho. Esta alusão se deu também nas produções culturais e reflete a urbanização e a tecnocracia das relações sociais, que abarcam autores e leitores. O panorama da literatura modifica-se, suas paisagens transformam-se e o mesmo recurso que encobre as relações de trabalhos e produção, não permitem que se enxergue a perda da consciência geográfica. Podemos questionar se havia mais responsabilidade no romântico, que via utopicamente um país integral geograficamente e por suas belezas naturais ou no realista que, passando para o texto, transformou a natureza em história da degeneração humana? Nem o romantismo, nem o realismo poderiam, entretanto, exceder sua própria produção como forma literária. O Brasil era um país que se desconhecia, o Nordeste se tornou uma criação do Sul e vice-versa, as dimensões continentais impediam o reconhecimento e, muitas vezes, geravam preconceitos e fantasias sobre as condições de um estado para outro. Como dimensionar uma modernidade que não chegava a todos cantos do país e quando os lugares mais avançados tecnologicamente continuava a ver como “selvagens” os que ainda não estavam incluídos na produção, como sinônimo de produtividade e crescimento econômico? O próprio título do ensaio machadiano revela sua escolha: a nacionalidade é colocada como instinto e não como razão. A razão não poderia apenas se fixar no local, esta argumentação é certa, partindo-se do principio de que se precisava saber com quem estávamos tratando e reconhecer a exploração, mas parece um engano se não inclui parte
  • 7. 7 do pensamento de nacionalidade como uma racionalização do próprio estado de colonizado. Intuir muitas vezes se torna a primeira forma de criticar. Tento imaginar que foi nesta idéia que Machado de Assis observou os escritores de sua época e da anterior: todos dotados de intuição sobre como constituir uma identidade nacional e ao mesmo tempo sem ter alcance da melhor norma de representação, que não acabasse apenas num “retrato” físico do país. O que parece estranho é que ao mesmo tempo que toda “fotografia” parecia constituir um patrimônio cultural, e assim, um representativo do povo brasileiro, por outro lado mantinham-se as manchas com as metáforas comuns e como também coloca Machado, com a pastora árcade em nosso território. O paradoxo é o acima citado, ou seja, os verdadeiros espaços que poderiam ser representados eram considerados infrutíferos, isto justifica todas as críticas feitas aos poetas que falavam do campo estando confortavelmente na cidade. Este método de fazer a literatura nacional mostra suas problemáticas quando todo estudo esquece-se do objeto representado e desloca para o imaginário as atenções primordiais. Torna a representação uma verdade inquestionável e tudo o que poderia ser revelador de um acontecimento ou de um compromisso histórico passa a ser considerado metáfora ou alegoria no ato da criação. Mas, também, ocorre o inverso e o excesso metafórico obscurece a clareza da palavra. Voltando mais uma vez ao exemplo de Brás Cubas no seu delírio, a Natureza era tão imensa que não podia ser compreendida e esta concepção parece idêntica aos contornos do Brasil. Brás Cubas não monta num animal do país e nem visita o rio Amazonas, sua origem do mundo começa na Europa, sua formação intelectual e sua passagem pelo Éden descarta toda origem autóctone do indígena brasileiro. Aqui, o crítico e o autor demonstram coerência. Mesmo que se busque a natureza e a naturalização esta não é interna, mas depende do sentido de autenticidade concedida pelo exterior. A Natureza de Cubas deve seguir a história natural mundial para sua legitimação. A história que dizemos ser nossa só tem sentido junto da História que começa no início do mundo que nos colonizou. Mas, o hipopótamo também representa um elemento da colonização européia e a máquina do tempo que gira na frente dos olhos do protagonista mostrando o mundo e partes não percebidas do futuro mostra também as tenazes correntes com que a história do Brasil está presa à história mundial.
  • 8. 8 Peri, o rio e o hipopótamo mostram a hierarquização das representações na literatura brasileira. E é a consciência desta hierarquia, em maior ou em menor grau, que faz com que se busquem saídas regionalistas para resgatar as identidades nacionais do Brasil. A passagem de uma margem para outra, oferece os mesmos riscos e oferece alternativas criativas nos textos. Entretanto, o Sertão é o mundo, mas o mundo não é o sertão, isto revela a singularidade até “um dia em que o mar vire sertão”. 3. A terceira margem Como, ao que parece, o questionamento da representação tem se colocado junto as condições de produções de discursos hegemônicos, a mímeses em forma de physis e antiphysis2 , sendo entendidas como elementos de controle textual poderiam se entregar a novas revisões, pois, como coloca Costa Lima, o problema fica em dois extremos, o lugar sem tempo/espaço que é o labirinto borgiano e o documentarismo que é o espaço/tempo da nacionalidade. Tudo que continua sendo refletido, em maior ou menor grau, é a supremacia da palavra representativa dos discursos, sem que se resolva a velha tripartição entre natureza/história/homem, uma vez que, segundo Marx, o homem faz a sua história transformando a natureza. Esta transformação dos recursos naturais em energia, ou seja, em produção e, posteriormente, em consumo, só encontraria na crítica das representações um caminho como re-interpretação. A re-interpretação passa por toda sociedade e cultura e deve questionar a forma como os elementos representados aparecem ou não nos textos literários. O que fica oculto, quando apenas a descrição geográfica é colocada como elemento mimético, são também possíveis demonstradores históricos e culturais da sociedade. Sua função econômica também fica relegada ao segundo plano, uma vez que aparecem o “utópico”, apresentando este país como um paraíso ou não, e os contrastes para uma diferenciação entre as regiões, que mostra a pobreza e atraso de algumas regiões ainda como falta de desenvolvimento e devido a fatores como condições climáticas e outros. Esta criação de uma imagem nacional, com estruturas diferentes em cada região, exploram os elementos geográficos e climáticos. Desta maneira, alega-se como natural 2 N da A. Aqui, a citação do texto de Costa Lima é apenas de localização, pois os termos physis e antiphysis que estou empregando estão mais no sentido de mundo em que as representações coincidem com os objetos representados e de outro mundo, em que as referências não coincidem com os elementos naturais.
  • 9. 9 certas diferenças e da mesma forma a literatura explora estas diferenças para “localizar” o texto e o discurso. Nem deixou de recordar que em algumas partes do globo o espetáculo é mais grandioso: as criaturas humanas é que disputam aos cães os ossos e outros manjares menos apetecíveis; luta que se complica muito, porque entra em ação a inteligência do homem, com todo o acúmulo da sagacidade que lhe deram o século, etc. (ASSIS, 2007, p.193) O tão conhecido diálogo entre Brás Cubas e Quincas Borba sobre a luta dos cães pela sobrevivência justifica o delírio de Brás Cubas que vê na sucessão da História a contínua luta, que segundo Borba é a própria vida. É a mesma vida que se apresenta como Pandora ou Natureza. Machado de Assis continua a falar no universal: as lutas pelo “osso” ocorrem em alguma “parte do globo” – o flagelo histórico não é nacional. Se o texto fosse escrito na atualidade ofereceria uma crítica para a globalização da economia, mas podemos verificar que todo caminho histórico parece determinado e a soma da inteligência humana é “o espetáculo mais grandioso”, o que lhe dá formas de produção e exploração. O texto Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, nos oferece as metáforas da subjetivação da natureza (de forma alguma é o único ou primeiro texto a fazê-lo), pois as pessoas são, para o protagonista, questões de botânica, de geologia, e não é a toa que o livro é dedicado ao verme, o devorador da sua matéria – a mesma que não transmitiu “a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.” (ASSIS, 2007, p.209) Pode-se referir a consciência, a religião e tudo o que se quiser como distinção entre os homens e os animais; porém, esta distinção só começa a existir quando os homens iniciam a produção dos seus meios de vida, passo em frente que é conseqüência da sua organização corporal. Ao produzirem os seus meios de existência, os homens produzem indiretamente a sua própria vida material. (Marx & Engels.) Esta é a existência material que transmite como legado a cultura e a história das idéias, como formas de produção que distinguem os homens e os tornam mais nacionais que naturais. Podemos questionar o quanto de idealismo havia nas idéias nacionalistas, de construção do discurso da identidade, mas também podemos reconhecer que este discurso foi mantido a partir do momento que se fixaram as bases materiais das produções nacionais, ainda que dependentes do elemento estrangeiro.
  • 10. 10 Isso demonstra que a ilusão ou o espelhamento da realidade fazem parte dos contingentes históricos e da representação da natureza na cultura (luta da physis e antiphysis). Na atualidade resgatar essa representação nos produtos culturais – no nosso caso na literatura – é uma forma de compreender como se re-constroem as identidades sociais. A lição de Machado de Assis permanece em sua crítica, mas a “cor-local” – a physis como descrição – deve ser resgatada nos estudos literários, não como romantismo ou realismo, mas como matéria de exploração global. E, em termos literários como matéria de elaboração textual. Referências Bibliográficas ALBUQUERQUE, Durval Muniz de. Geografia m ruínas. In: A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 1999. ALTVATER, Elmar. Hacia uma crítica ecológica de la economia política. In: As Américas: encruzilhadas glocais. Org. WALTER, Roland. Recife, 2007. CD-ROM. ASSIS, Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. Porto Alegre: LP&M, 2007. _____________. Instinto de Nacionalidade. In: Crítica literária. Rio de Janeiro: W.M. Jackson, 1953. DENIS, Ferdinand. Brésil, Paris: Firmin Didot frères, éditeurs, 1837. FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. Trad. Salma Tannus. São Paulo: Martins Fontes, 2000. LIMA, L. C. A antiphysis em Jorge Luis Borges, in: Mímesis e Modernidade: formas das sombras. Rio de Janeiro: Graal, 1980. ___________O Fingidor e o Censor: no ancien régime, no iluminismo e hoje. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1988. MARX, C. & ENGELS, F. A ideologia alemã. <http://www.jahr.org> SANTIAGO, Silviano. Liderança e Hierarquia em Alencar. In: Vale quanto pesa: ensaios sobre questões político-culturais. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. SCHWARZ, Roberto. As idéias fora do lugar. In: Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades, 1977. SODRÉ, Muniz. O patrimônio como virtude. In: Claros e escuros: identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000.