SlideShare uma empresa Scribd logo
Instituto Federal de Pernambuco
Pós-Graduação em Gestão e Qualidade em TIC
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Andre, Danilo, Luciano, Natanael, Neilson
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Roteiro
• Conceitos de normas e padrões
• Classificação de qualidade de software:
– Qualidade de produto
– Qualidade de processo
• Principais normas:
– ISO 9000-3
– CMMI
– Mps.br
• Comparação entre as normas
2
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Conceito de Normas e Padrões
• Conceito
– Atividade que estabelece prescrições destinadas à
utilização comum e repetitiva com vistas à obtenção do
grau ótimo de ordem em um dado contexto (ABNT)
• Objetivos
3
ComunicaçãoEconomia
Eliminação
de barreiras
comerciais
Proteção
do
consumidor
Segurança
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Conceito de Normas e Padrões
• Níveis
– Internacional: JTC1 (de Joint Technical Committe)
• ISO (International Organization for Standardisation)
• IEC (International Electrotechnical Commission )
– Nacional: ABNT (Associação Brasileira de Normas
Técnicas) /CB21 (Comitê Brasileiro de Computadores e
Processamento de Dados)
4
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Classificação da Qualidade de Software
5
Definição
Construção
Manutenção
Software
produto
Qualidade
do
Processo
Qualidade
do
Produto
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Classificação da Qualidade de Software
• Qualidade de produto
6
Modelos de
qualidade
ISO/IEC
14598-1
Qualidade do
produto de
software
ISO/IEC
14598-5
ISO/IEC
12119
Avaliação de
qualidade
ISO/IEC
9126-1
Estabelece atributos
e métricas para
produto de software
Específica para
pacote de software
Específica para a
avaliação de
pacote de software
Define um processo
de avaliação de
produto de software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Classificação da Qualidade de Software
7
Criar Projeto Criar Tarefa
Tipos de atividades: tarefa,
noticias, documentos e
arquicovos
Vincular uma
versão a uma tarefa
Criar Versão
Visualizar
atividade
Visualizar
calendário
Visualizar
gráfico de gantt
Criar Projeto Criar
backlog
Criar sprint Criar tarefa
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Classificação da Qualidade de Software
• Qualidade de produto
8
Criar Ticket
(issue)
Relatar
mudança
Níveis de mudança:
1º nível mudança de rotina
2º mudança parcial
3 º mudança total
Finalizar
Ticket (issue)
Criar
problema
Visualizar
problema
Vincular
tarefa
Visualizar relatório
com mudança
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Classificação da Qualidade de Software
• Qualidade de processo
9
Normas
internacionais
ISO IEC
12207
CMMI
Qualidade do
processo de
software
MPS.br
ISO
9000-3
Modelos
Avaliar a maturidade organizacional
ou capacidade de área de processo
e estabelecer prioridade para melhoria
Processo de Ciclo
de vida do software
Processo de
desenvolvimento e
Manutenção de software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Principais Normas
• Em 2015, 15,3% das empresas Brasileiras de TI
receberam certificados específicos de tecnologia.
• 3,9% das empresa de TI receberam ISO 9001
• 3,2% das empresas de TI possuem MPS.br
• 3% das empresas de TI têm CMMI nos níveis 2 e 3.
10
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• ISO 9000-3 É uma interpretação da ISO 9001 para a
área de projeto, desenvolvimento, fornecimento,
instalação e manutenção de software
• Inclusão da responsabilidade do cliente
• Tradução para a linguagem de informática
11
ISO 9000-3ISO 9001
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• A primeira edição foi lançada em 1991
• Sofreu atualizações em 1994 e 1997
• A NBR-ISO 9000-3 atual é de 1993
12
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Diretrizes
– Entendimento comum dos requisitos funcionais pelo
contratante e contratado
– Uso de metodologia de desenvolvimento de software
desde a concepção até a instalação do software
– Metodologia de gerenciamento do projeto
13
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Partes da ISO 9000-3
14
Atividades do
ciclo de vida
Estrutura do
sistema de
qualidade
Atividades de
Apoio e
suporte
ISO 9000-3
D
O
C
U
M
E
N
T
A
Ç
Ã
O
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Estrutura do sistema de qualidade
– Descreve aspectos organizacionais, relacionados ao
sistema de qualidade.
– Descreve as responsabilidades relacionadas à qualidade
de software que devem ser tomadas entre os
fornecedores e clientes
15
Definição da
documentação
responsabilidade
da gerência
Procedimentos
para a auditoria
interna
Procedimentos
para ações
corretivas
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Estrutura do sistema de qualidade
– Definição da documentação
• O sistema de qualidade deve ser documentado na
forma de uma manual
– A estrutura do documento deve
16
Manter um sistema
de qualidade e um
manual que o
descreva.
Desenvolver planos de
qualidade para
controlar os projetos
de software.
Integrar com o
ciclo de vida do
software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Estrutura do sistema de qualidade
– Responsabilidade da gerência
• A política de qualidade deve ser definida, documentada,
comunicada, implementada e mantida por uma gerência
– A direção da organização deve
17
Definir e manter
uma política para
a qualidade.
Definir as
autoridades e
responsabilidades
Indicar um executivo
experiente para
gerenciar o sistema
Identificar e
fornecer recursos
para executar o
sistema
Revisar
periodicamente com
vistas ao seu
aprimoramento.
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Estrutura do sistema de qualidade
– Procedimentos para a auditoria interna
• Implantar um sistema de auditoria interna para avaliar
o programa da qualidade
– A auditoria interna deve
18
Desenvolver um plano
interno de auditoria
para os projetos de
software.
Avaliar a performance
do seu sistema de
qualidade.
Verificar a eficácia
das suas ações
corretivas.
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Estrutura do sistema de qualidade
– Procedimentos para ações corretivas
• Realizar uma investigação e análise das causas de
produtos e adoção de medidas para prevenir erros
– A ação corretiva deve
19
Realizar procedimentos
que corrija ou previna
erros
Realizar procedimento
para identificar e
corrigir erros sem perda
de tempo
Realizar procedimento
para detectar e
prevenir erros
rotineiramente.
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades do ciclo de vida do software
– Utiliza a qualidade de software aplicada em cada uma das
fase do ciclo de vida do software
20
Análise do
sistema
Estudo
preliminar
Estruturação
física
Construção do
software
Liberação do
software
Manutenção
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades do ciclo de vida do software
– Descreve as atividades de desenvolvimento de software
– 9 categorias
21
Especificação de
requisitos
Análise crítica
do contrato
Planejamento do
desenvolvimento
Planejamento da
qualidade
Teste e
certificação
Projeto e
implementação
Aceitação
Manutenção
Instalação
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades do ciclo de vida do software
22
Especificação de
requisitos
Análise crítica
do contrato
Planejamento do
desenvolvimento
Aborda os itens que devem constar nos
contratos relativos à compra e venda de
software
Trata as especificações de requisitos que
devem ser preparadas em conjunto pelo
comprador e fornecedor
Define o planejamento do
desenvolvimento de software: definição do
projeto, organização, fases, cronogramas e
planos de testes
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades do ciclo de vida do software
23
Projeto de
implementação
Planejamento
de qualidade
Teste e
certificação
Trata dos objetivos de qualidade do
produto de software e dos critérios de
saída e entrada de cada fase
Preconiza uma análise de software, onde o
comprador e fornecedor concordam com o
conjunto de informações que serão
fornecido
Define a necessidade de teste e
homologação dos software em vários
níveis. O plano de teste deve possuir
ambiente, documentação e cases de teste
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades do ciclo de vida do software
24
Instalação
Aceitação
Manutenção
Cobre os termos acordados previamente e
as condições estabelecidas pelo comprador
para aceitação do produto
Tratam de registros de considerações
relativas a número de cópias e licença
relacionada a instalação do software
Trata de manutenção como uma qualidade
de software. Mudança de software,
solução de problemas e melhorias de
desempenho.
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades de suporte
– Descreve as atividades que apoiam as atividades do ciclo
de vida do software
– 9 categorias
25
Controle de
documentos
Sistema de
configuração
Registro da
qualidade
Medição
Ferramentas e
técnicas
Regras e práticas
Aquisição
Treinamento
Inclusão de produto
no software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades de suporte
26
Fornece um mecanismo para controle do
software que seja possível identificar cada
versão e realizar atualização.
Fornece procedimentos para controlar toda
a documentação relacionada a qualidade de
software. Ciclo de vida do sistema e do
planejamento das atividades
Fornece formas para identificar, coletar,
armazenar, manter e dispor dos registros da
qualidade, de forma que sejam recuperáveis
Controle de
documento
Sistema de
configuração
Registro da
qualidade
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades de suporte
27
Fornece métricas para realizar medição dos
produtos e processos . Ex: tempo médio de
reparo e número de problema com solução
pendente
Estipula que cada fornecedor de software
deve definir suas regras e práticas para
tornar efetivo o sistema de qualidade
Impõe responsabilidade ao fornecedor de
software para utilizar técnica da sua escolha
que garanta a efetividade da norma
Regras e
práticas
Medição
Ferramentas e
técnicas
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Atividades de suporte
28
Realiza uma avaliação das ferramentas do
produto final e compara os seus requisitos
especificados
Trata dos cuidados relativos à qualidade do
software de terceiro que serão integradas
para compor o software
Responsabilidade do fornecedor em
identificar a necessidade de treinamento
visando a qualificação dos funcionários
Inclusão de
produto no
software
Aquisição
Treinamento
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
29
ISO 9001 ISO 9000-3
1 Responsabilidades da administração Responsabilidade da administração
2.Sistema de qualidade Sistema de qualidade
3. Análise crítica do contrato Análise crítica do contrato
4. Controle do projeto Especificação de requisitos
5. Controle de documento Controle do documento
6. Aquisição aquisição
7. Produto fornecido pelo comprador Produto fornecido pelo comprador
8.rastreabilidade do produto Gestão de configuração
9.Controle do processo Ferramentas e técnicas
10. Inspeção e controle Entrega, validação e Aceitação
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
30
ISO 9001 ISO 9000-3
11. Equipamento de medição Regras, práticas e conversões
12. Situação da inspeção Gestão de configuração
13. Controle de produto Projeto de implementação
14. Ação corretiva Ação corretiva
15. Manuseio Copia, entrega e instalação.
16. Requisitos de qualidade Requisitos de qualidade
17. Auditoria interna Auditoria interna
18. Treinamento Treinamento
19. Assistência técnica Manutenção
20. Técnicas estatísticas Medição
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Processo de certificação
– Órgãos certificadores
31
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
32
• Empresas certificadas
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
• Processo de certificação
– A empresa estabelece o seu sistema de qualidade
– A empresa faz uma solicitação formal a um órgão
certificador
– O órgão certificador faz uma visita à empresa
– O órgão certificador verifica a documentação do sistema
de qualidade
– O órgão certificador envia uma equipe à empresa com fins
de auditoria.
– O órgão certificador emite o certificado de qualidade
– O órgão certificador realiza visitas periódicas à empresa
33
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
34
Trata de aspectos como a melhoria contínua do processo de software
Considera apenas quais processo a organização deve ter e manter
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
ISO 9000-3
35
Orienta quanto aos passos que devem ser seguidos para chegar a
desenvolvê-los e nem de como aperfeiçoá-los
MPS.BR
36
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
MPS.BR
• Empresas Certificadas
37
COORDENAÇÃO
GOVERNO
UNIVERSIDADES
PARCEIROS
INVESTIMENTOS
ISO/IEC 12207
ISO/IEC 15504
BASE TÉCNICA
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
36
MPS.BR
● Níveis
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
37
MPS.BR
● Níveis
A Em Otimização
Implantação de Inovações na Organização
Análise de Causas e Resolução
B
Gerenciado
Quantitativamente
Desempenho do processo organizacional
Gerência Quantitativa do projeto
C Definido
Análise de Decisão e resolução
Gerência de Riscos
D Largamente Definido
Desenvolvimento de Requisitos / Integração do Produto
Projeto e Construção do produto / Validação / Verificação
E Parcialmente Definido
Definição do Processo Organizacional
Treinamento / Avaliação de melhoria do processo org.
Adaptação do processo para gerência de projeto
F Gerenciado
Medição / Gerência de Configuração
Aquisição / Garantia da Qualidade
G
Parcialmente
Gerenciado
Gerência de Requisitos
Gerência de Projetos
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
MPS.BR
38
MPS.BR CMMI
Nível G – Parcialmente Gerenciado
• GPR – Gerência de Projetos
• GRE – Gerência de Requisitos
Nível 2
É sobre planejar a execução e confrontar
o executado contra o que foi panejado.
Nível F – Gerenciado
• AQU – Aquisição
• GCO – Gerência de Configuração
• GQA – Garantia da Qualidade
• GPP – Gerência de Portfólio de
Projetos
• MED - Medição
● Comparação entre normas
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
MPS.BR
39
• Empresas certificadas
Pcg - Engenharia De Sistemas
– nível C – Definido.
Emprel – Empresa municipal de informática
–nível C – Definido.
MV Sistemas
–nível G - Parcialmente Gerenciado
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Implantação nível F da MPS.BR
40
• Empresa de TI < jexperts.com.br >
• Desenvolvimento de produtos e software sob medida
• Implantação realizada no período de 12 meses
• Aproximadamente 30 pessoas envolvidas
• Instituição Avaliadora do MPS.BR
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Implantação nível F da MPS.BR
• Obtenção de patrocinador para o projeto
• Conscientização da equipe
–Apresentação do modelo para a equipe com foco nos
resultados esperados com as mudanças
–Enfoque o apoio da direção
• Mudança nos processos
–Criação de comitê de melhoria de processos
–Mapeamento dos processos atuais
–Análise dos gaps necessários para atender ao modelo MR-MPS
–Documentação das atividades, papéis e artefatos(saídas)
–Documentação das competências de cada papel
41
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Implantação nível F da MPS.BR
• Mudança nos processos
–Levantamento das competências da equipe
–Inventário de software e hardware
• Definição das políticas
–Política geral
–Política para cada grupo de processo
–Comunicação para toda a equipe
• Definição dos modelos de projetos(Templates)
–Criação de modelos para cada tipo de projeto
–Levantamento dos riscos mais comuns
42
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Implantação nível F da MPS.BR
• Escolha das ferramentas de apoio
–Mapeamento dos processos
•EPF Composer ( www.eclipse.org/epf/ )
•OpenSwitch ( www.openswitch.com.br )
•Bizagi (www.bizagi.com )
–Gerenciamento de portfólio, projetos e indicadores
•Redmine (www.redmine.org)
–Gerenciamento de requisitos
•EA ( www.sparxsystems.com.au )
•Redmine (www.redmine.org)
–Gerenciamento de configuração
•Git ( git-scm.com )
•Jenkins (jenkins-ci.org )
43
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Implantação nível F da MPS.BR
• Treinamento da Equipe
–Atenção especial: Gerente de portfólio, gerente de projetos,
analista de requisitos, gerente de configuração, auditores de
qualidade
–Treine a equipe no processo e nas ferramentas que serão
utilizadas
–Lembre a equipe que o modelo é baseado em evidências. Então
não basta fazer, tem que evidenciar!!!
44
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Implantação nível F da MPS.BR
• Comece com projetos pilotos (de preferência projetos mais
simples)
• Crie o hábito de realizar reuniões de lições aprendidas em cada
projetos regularmente
• Crie reuniões periódicas do comitê de melhorias de processo para
avaliar o andamento dos processos e ajustar o mesmo
• Execute o ciclo PDCA (Pan, Do, Check e Act) e promova a melhoria
contínua
• Seja o mentor de sua equipe. Esteja disponível para ensinar e
apoiar os envolvidos na implantação dos processos
• Maturidade = Repetição > Processo leva em torno de 6 à 12 meses
45
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GPR – Gerência de Projetos
• O propósito do processo Gerência de Projetos é:
–Estabelecer e manter planos que definem as atividades,
recursos e responsabilidades do projeto
–Prover informações sobre o andamento do projeto (Status
reports, paineis, relatórios...)
–Realização de correções quando houver desvios significativos
no desempenho do projeto
46
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GPR – Gerência de Projetos
• 19 resultados esperados + 14 atributos do processo
• Pontos principais
–Definição do escopo
–Estimativas e orçamentação (esforço e custo)
–Criação do cronograma
–Identificação dos riscos
–Planejamento dos recursos (humanos, infra)
–Planejamento da comunicação
–Consolidação do plano do projeto
–Monitoramento do projeto (identificar e corrigir problemas)
47
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GPR – Fluxo do projeto
48
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Disposição de projetos no Redmine
49
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Criação de modelos de projeto
50
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Status report
51
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GRE – Gerência de requisitos
• O propósito do processo Gerência de requisitos é:
–Gerenciar os requisitos do produto e dos componentes do
produto do projeto
–Identificar inconsistências entre os requisitos, os planos do
projeto e os produtos de trabalho do projeto.
• 5 resultados esperados + 14 atributos do processo
• Pontos principais
–Entendimento dos requisitos com os stakeholders
–Avaliação dos requisitos com a equipe
–Rastreabilidade bidirecional
–Revisões para identificar e corrigir inconsistências
–Gerenciamento de mudanças
52
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GRE – Gerência de requisitos
53
• Rastreabilidade bidirecional
• Anotação do requisito no código fonte
• Marcação do requisito no comentário do controle de versão
• Associação entre o projeto e os requisitos
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GPP – Gerência de portfólio
• 8 resultados esperados + 14 atributos do processo
• Pontos Principais
–Gestão do ciclo de vida da demanda
–Seleção e priorização de projetos
–Escolha dos recursos e orçamentação
–Atribuição de responsabilidades
–Monitoramento de problemas, resolução de conflitos
–Comunicação com os stakeholders
54
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Processo
55
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GPR – Fluxo do portfólio
56
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GCO – Gerência de configuração
• O propósito do processo Gerência de Configuração é:
–Estabelecer e manter a integridade de todos os produtos de
trabalho de um processo ou projeto
–Estabelecer e manter a integridade de todos os produtos de
trabalho de um processo ou projeto
–Disponibilizá-los a todos os envolvidos
57
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GCO – Gerência de configuração
• 7 resultados esperados + 14 atributos do processo
• Pontos principais
–Criação de um plano de gerenciamento de configuração
–Identificação dos itens de configuração com base em critérios
–Gestão das baselines
–Gerenciamentos de mudanças
–Auditorias de configuração
58
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GQA – Garantia da qualidade
• 4 resultados esperados + 14 atributos do processo
• Pontos principais
–Auditar os produtos de trabalho e os processos relacionados a
projetos e a processos organizacionais
–Registrar as não conformidades
–Criar e acompanhar as ações corretivas para as não
conformidades
59
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
GQA – Garantia da qualidade
60
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
AQU – Aquisição
• O propósito do processo de aquisição é gerenciar a aquisição
de produtos que satisfaçam às necessidades expressas pela
adquirente
61
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
MED - Medição
• O propósito do processo Medição é:
–Coletar, armazenar, analisar e relatar os dados relativos aos
produtos desenvolvidos e aos processos implementados na
organização e em seus projetos, de forma a apoiar os objetivos
organizacionais.
• 7 resultados esperados + 14 atributos do processo
• Pontos principais
–Estabelecer objetivos de medição com base nos objetivos de
negócio da empresa
–Identificar e documentar medidas
–Coletar as medidas, analisá-las e comunicá-las
–Executar ações decorrentes do resultado
62
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
MED - Medição
• Identificar e documentar medidas
–Formas de cálculo
–Forma de coleta
–Orientações para análise e interpretação
63
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
64
CMMI
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
65
• Introdução
–O CMMI (Capability Maturity Model Integration) é
um modelo de qualidade (ou padrão de qualidade) de
processos de software.
–Foi criado pelo SEI (Software Engineering Institute) e é
referência quando se fala em melhoria de processos
de Software.
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
66
• Introdução
–O CMMI é o sucessor do CMM, (Capability Maturity Model) que
também foi criado pelo SEI, e é a integração de três modelos de
qualidade:
•SW-CMM (SEI Software CMM)
•EIA SECM (Electronic Industries Alliances’s Systems Engineer
Capability Model)
•IPD-CMM (Integrated Product Development CMM)
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
67
• Versão
–A versão atual do CMMI, publicada em 2010 apresenta três
modelos:
•CMMI for Development (CMMI-DEV) – Voltado para o
desenvolvimento de produtos e serviços
•CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ) – Voltado aos processos
de aquisição e terceirização de bens e serviços
•CMMI for Services (CMMI-SVC) – Voltado aos processos de
empresas prestadoras de serviços
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
68
• Versão
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
69
• Representações
–O CMMI possui duas representações ou agrupamentos:
•Agrupamento ou representação por Estágio (Staged)
•Agrupamento ou representação Contínua (Continuous)
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
70
• Representações
–Agrupamento ou representação por Estágio (Staged)
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
71
• Representações
–Agrupamento ou representação Contínua (Continuous)
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
72
• Processos
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
73
• Categorias
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
74
• Níveis de maturidade
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI - Nível 2
75
• Para atingir o nível 2 é preciso possuir maturidade em 7
processos da metodologia, desta forma, a empresa passa
gerenciar projetos da maneira mais simples.
• Processos para atingir o nivel 2:
– Planejamento de Projeto (PP);
– Monitoramento e Controle do Projeto (PMC) ;
– Gestão de Requisitos (REQM);
– Medição e Análise (MA);
– Garantia da Qualidade de Processo e Produto (PPQA);
– Gerência de Configuração (CM);
– Gestão de Contrato com Fornecedores (SAM).
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI- Nível 3
76
• Para atingir o nível 3 é preciso possuir maturidade em 11
processos da metodologia.
• Processos para atingir o nível 3:
– Análise e Tomada de Decisões (DAR);
– Desenvolvimento de Requisitos (RD);
– Verificação (VER);
– Validação (VAL);
– Solução Técnica (TS);
– Integração do Produto (PI);
– Gestão Integrada de Projeto (IPM);
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI- Nível 3
77
– Gestão de Riscos (RSKM);
– Treinamento Organizacional (OT);
– Definição dos Processos da Organização (OPD);
– Foco nos Processos da Organização (OPF).
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI- Nível 4
78
• Para atingir o nível 4 é preciso possuir maturidade em 2
processos da metodologia.
• Processos para atingir o nível 3:
–Gestão Quantitativa de Projeto (QPM);
–Desempenho de Processos da Organização (OPP).
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI- Nível 5
79
• Ao atingir o nível 5 é preciso possuir maturidade em 2
processos da metodologia.
• Processos para atingir o nível 5:
–Análise e Resolução de Causas (CAR);
–Gerenciamento de Performace da Organização (OPM).
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
CMMI
80
• Empresas certificadas
Emprel e Neurotech (PE)
–CMMI-DEV nível 2 e CMMI-SCV nível 2
Accenture e Stefanini (América do Sul ) Pitang e indra (PE)
– CMMI-DEV nível 3
in forma, IVIA e síntese de compra (PE)
– CMMI-SCV nível 2
Appsware (PE)
– CMMI-DEV nível 2
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Comparação entre as normas
81
ISO 9000-3 CMMI MPS.br
Objetivo Gestão de qualidade e
garantia de qualidade.
Aplicação nos
processos de
desenvolvimento de
software.
Propor para as
organizações uma
evolução através
de níveis de
maturidade de
capacitação.
Atender as micros,
pequenas e médias
empresas de software
brasileiras com custo
de certificação
reduzido.
Órgão de
Certificação
ISO: International
Standartization
Organization. IEC:
International
Engineering
Consortium.
Internacional
SEI: Software
Engineering
Institute
Internacional
SOFTEX – Associação
para promoção da
excelência do
software brasileiro.
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Comparação entre as normas
84
ISO 9000-3 CMMI MPS.br
Custo de
certificação
custo de
deslocamento e
hospedagem, o
valor pode passar
de R$ 45 mil
entre R$ 200 mil a
R$ 1 milhão a
depender da
complexidade do
processo
certificação no
nível G para uma
empresa está em
torno de R$ 70 mil,
já para o nível F
estima-se um custo
de R$ 104 mil
Tipo de Empresa Organizações em
geral.
Organizações em
geral.
Micros, Pequenas e
Médias
Tempo Para Obter
a Certificação
Processo de médio
a longo prazo. A
norma não prevê o
tempo.
Processo de longa
duração. De 2 a 10
anos depende do
nível.
Processo de médio
a longo prazo. A
norma não prevê o
tempo.
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Comparação entre as normas
85
ISO 9000-3 CMMI MPS.br
Vantagens Independe de
tecnologia, modelos
de ciclo de vida,
processos de
desenvolvimento e
estrutura
organizacional.
Práticas de Processos
Maduros; melhoria
de Processos; Análise
de Riscos ao
Implantar;
Certificação; Níveis
de maturidade
Modelo de processo
rápido de ser
adquirido, adequado
a realidade brasileira
e de mais
acessibilidade.
Desvantagens Não é usada como
critério de avaliação
em certificações/
registros.
Não contempla todos
os Processos da
Empresa; Não se
integra com outros
modelos.
Certificação pouco
reconhecida para
tornar a empresa
competitiva
internacionalmente.
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Referências
● Neto,Pedro Luiz de Oliveira Costa. Qualidade Em Tecnologia
da Informação, 2013.
● SEBRAE. Normas e certificações em software. 2014.
● CMMI Institute. https://sas.cmmiinstitute.com/pars/pars.aspx
● SOFTEX. MPS.BR. https://www.softex.br/mpsbr/
● ASSESPRO. http://www.assespro-pe.org.br/
86
Instituto Federal de Pernambuco
Pós-Graduação em Gestão e Qualidade em TIC
Normas e Padrões para a Qualidade de Software
Andre, Danilo, Luciano, Natanael, Neilson

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
Cloves da Rocha
 
Qualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareQualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de software
Alex Camargo
 
Analise de Requisitos Software
Analise de Requisitos SoftwareAnalise de Requisitos Software
Analise de Requisitos Software
Rildo (@rildosan) Santos
 
ISO/IEC 12207
ISO/IEC 12207ISO/IEC 12207
ISO/IEC 12207
Elaine Cecília Gatto
 
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de SistemasIntrodução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Nécio de Lima Veras
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Cloves da Rocha
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
Ronney Moreira de Castro
 
Qualidade de Software - Introdução
Qualidade de Software - Introdução Qualidade de Software - Introdução
Qualidade de Software - Introdução
Elaine Cecília Gatto
 
Projeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de SoftwareProjeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de Software
Aragon Vieira
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Leinylson Fontinele
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
Estêvão Bissoli Saleme
 
Uml Diagramas Estruturais
Uml   Diagramas EstruturaisUml   Diagramas Estruturais
Uml Diagramas Estruturais
thaisedd
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
Mailson Queiroz
 
Implantação e Manutenção de Softwares
Implantação e Manutenção de SoftwaresImplantação e Manutenção de Softwares
Implantação e Manutenção de Softwares
Marcelo Schumacher
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
Elaine Cecília Gatto
 
Banco de dados exercícios resolvidos
Banco de dados exercícios resolvidosBanco de dados exercícios resolvidos
Banco de dados exercícios resolvidos
Gleydson Sousa
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
COTIC-PROEG (UFPA)
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
Mauricio Cesar Santos da Purificação
 
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdfAula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
IvanFontainha
 
Análise e Projeto de Sistemas
Análise e Projeto de SistemasAnálise e Projeto de Sistemas
Análise e Projeto de Sistemas
Guilherme
 

Mais procurados (20)

Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Qualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareQualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de software
 
Analise de Requisitos Software
Analise de Requisitos SoftwareAnalise de Requisitos Software
Analise de Requisitos Software
 
ISO/IEC 12207
ISO/IEC 12207ISO/IEC 12207
ISO/IEC 12207
 
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de SistemasIntrodução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
 
Qualidade de Software - Introdução
Qualidade de Software - Introdução Qualidade de Software - Introdução
Qualidade de Software - Introdução
 
Projeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de SoftwareProjeto e Desenvolvimento de Software
Projeto e Desenvolvimento de Software
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Uml Diagramas Estruturais
Uml   Diagramas EstruturaisUml   Diagramas Estruturais
Uml Diagramas Estruturais
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
 
Implantação e Manutenção de Softwares
Implantação e Manutenção de SoftwaresImplantação e Manutenção de Softwares
Implantação e Manutenção de Softwares
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
 
Banco de dados exercícios resolvidos
Banco de dados exercícios resolvidosBanco de dados exercícios resolvidos
Banco de dados exercícios resolvidos
 
Teste de software
Teste de softwareTeste de software
Teste de software
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
 
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdfAula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
Aula 10 - Diagrama de Sequencia.pdf
 
Análise e Projeto de Sistemas
Análise e Projeto de SistemasAnálise e Projeto de Sistemas
Análise e Projeto de Sistemas
 

Semelhante a Normas e Padrões para a Qualidade de Software

Iso
IsoIso
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdfQualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
AugustoPleno
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
Dalcino Erdmann
 
Processos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana ReginaProcessos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana Regina
Cristina Cerdeiral
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
ANDREINAMOREIRA2
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
TacianoBalardin1
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
UERN
 
Gestao qualidade
Gestao qualidadeGestao qualidade
Gestao qualidade
Isabel Gil
 
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Claudio Cardozo
 
Aula SGA / SGQ / SGI
Aula   SGA / SGQ / SGI Aula   SGA / SGQ / SGI
Aula SGA / SGQ / SGI
fabiofm
 
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Tatiana Santos
 
9126 1
9126 19126 1
9126 1
DuilioNobre
 
ISO9001
ISO9001ISO9001
ISO9001_2000.ppt
ISO9001_2000.pptISO9001_2000.ppt
ISO9001_2000.ppt
LUANALETICIAVILADONA
 
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06   qs - garantia da qualidade de swAula 06   qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
Junior Gomes
 
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Ricardo Zalla
 
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptx
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptxAula 4 -Qualidade do Processo.pptx
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptx
AlexandreLisboadaSil
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
Beto Briscese
 
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Fernando Palma
 
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Fernando Palma
 

Semelhante a Normas e Padrões para a Qualidade de Software (20)

Iso
IsoIso
Iso
 
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdfQualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
Processos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana ReginaProcessos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana Regina
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
 
qualidade.ppt
qualidade.pptqualidade.ppt
qualidade.ppt
 
Gestao qualidade
Gestao qualidadeGestao qualidade
Gestao qualidade
 
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
 
Aula SGA / SGQ / SGI
Aula   SGA / SGQ / SGI Aula   SGA / SGQ / SGI
Aula SGA / SGQ / SGI
 
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
Aula edgardo sobre normas 9000 parte 1
 
9126 1
9126 19126 1
9126 1
 
ISO9001
ISO9001ISO9001
ISO9001
 
ISO9001_2000.ppt
ISO9001_2000.pptISO9001_2000.ppt
ISO9001_2000.ppt
 
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06   qs - garantia da qualidade de swAula 06   qs - garantia da qualidade de sw
Aula 06 qs - garantia da qualidade de sw
 
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
 
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptx
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptxAula 4 -Qualidade do Processo.pptx
Aula 4 -Qualidade do Processo.pptx
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
Introdução a ISO 9001 ISO 20000 e ISO 27001
 
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
Introdução a iso 9001 iso 20000 e iso 27001
 

Mais de Danilo Sousa

Gestão de projetos em administração aplicada a TIC
Gestão de projetos em administração aplicada a TICGestão de projetos em administração aplicada a TIC
Gestão de projetos em administração aplicada a TIC
Danilo Sousa
 
Teste de usabilidade
Teste de usabilidadeTeste de usabilidade
Teste de usabilidade
Danilo Sousa
 
Teste Tradicional e Teste Ágil: de que lado você esta?
Teste Tradicional e Teste Ágil: de que lado você esta?Teste Tradicional e Teste Ágil: de que lado você esta?
Teste Tradicional e Teste Ágil: de que lado você esta?
Danilo Sousa
 
Especificação de Requisitos de Software ParentalBeta
Especificação de Requisitos de Software ParentalBetaEspecificação de Requisitos de Software ParentalBeta
Especificação de Requisitos de Software ParentalBeta
Danilo Sousa
 
Aplicativo de Controle Parental para Dispositivos Móveis ParentalBeta
Aplicativo de Controle Parental para Dispositivos Móveis ParentalBetaAplicativo de Controle Parental para Dispositivos Móveis ParentalBeta
Aplicativo de Controle Parental para Dispositivos Móveis ParentalBeta
Danilo Sousa
 
Ferramenta de Gerenciamento de Projeto para Apoio à Gestão de Qualidade
Ferramenta de Gerenciamento de Projeto para Apoio à Gestão de QualidadeFerramenta de Gerenciamento de Projeto para Apoio à Gestão de Qualidade
Ferramenta de Gerenciamento de Projeto para Apoio à Gestão de Qualidade
Danilo Sousa
 
Ferramenta de Cloud Computer para apoio à Engenharia de Software
Ferramenta de Cloud Computer para apoio à Engenharia de SoftwareFerramenta de Cloud Computer para apoio à Engenharia de Software
Ferramenta de Cloud Computer para apoio à Engenharia de Software
Danilo Sousa
 
Resenha crítica sobre as responsabilidades de um ScrumMaster
Resenha crítica sobre as responsabilidades de um ScrumMasterResenha crítica sobre as responsabilidades de um ScrumMaster
Resenha crítica sobre as responsabilidades de um ScrumMaster
Danilo Sousa
 

Mais de Danilo Sousa (8)

Gestão de projetos em administração aplicada a TIC
Gestão de projetos em administração aplicada a TICGestão de projetos em administração aplicada a TIC
Gestão de projetos em administração aplicada a TIC
 
Teste de usabilidade
Teste de usabilidadeTeste de usabilidade
Teste de usabilidade
 
Teste Tradicional e Teste Ágil: de que lado você esta?
Teste Tradicional e Teste Ágil: de que lado você esta?Teste Tradicional e Teste Ágil: de que lado você esta?
Teste Tradicional e Teste Ágil: de que lado você esta?
 
Especificação de Requisitos de Software ParentalBeta
Especificação de Requisitos de Software ParentalBetaEspecificação de Requisitos de Software ParentalBeta
Especificação de Requisitos de Software ParentalBeta
 
Aplicativo de Controle Parental para Dispositivos Móveis ParentalBeta
Aplicativo de Controle Parental para Dispositivos Móveis ParentalBetaAplicativo de Controle Parental para Dispositivos Móveis ParentalBeta
Aplicativo de Controle Parental para Dispositivos Móveis ParentalBeta
 
Ferramenta de Gerenciamento de Projeto para Apoio à Gestão de Qualidade
Ferramenta de Gerenciamento de Projeto para Apoio à Gestão de QualidadeFerramenta de Gerenciamento de Projeto para Apoio à Gestão de Qualidade
Ferramenta de Gerenciamento de Projeto para Apoio à Gestão de Qualidade
 
Ferramenta de Cloud Computer para apoio à Engenharia de Software
Ferramenta de Cloud Computer para apoio à Engenharia de SoftwareFerramenta de Cloud Computer para apoio à Engenharia de Software
Ferramenta de Cloud Computer para apoio à Engenharia de Software
 
Resenha crítica sobre as responsabilidades de um ScrumMaster
Resenha crítica sobre as responsabilidades de um ScrumMasterResenha crítica sobre as responsabilidades de um ScrumMaster
Resenha crítica sobre as responsabilidades de um ScrumMaster
 

Último

Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

Normas e Padrões para a Qualidade de Software

  • 1. Instituto Federal de Pernambuco Pós-Graduação em Gestão e Qualidade em TIC Normas e Padrões para a Qualidade de Software Andre, Danilo, Luciano, Natanael, Neilson
  • 2. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Roteiro • Conceitos de normas e padrões • Classificação de qualidade de software: – Qualidade de produto – Qualidade de processo • Principais normas: – ISO 9000-3 – CMMI – Mps.br • Comparação entre as normas 2
  • 3. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Conceito de Normas e Padrões • Conceito – Atividade que estabelece prescrições destinadas à utilização comum e repetitiva com vistas à obtenção do grau ótimo de ordem em um dado contexto (ABNT) • Objetivos 3 ComunicaçãoEconomia Eliminação de barreiras comerciais Proteção do consumidor Segurança
  • 4. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Conceito de Normas e Padrões • Níveis – Internacional: JTC1 (de Joint Technical Committe) • ISO (International Organization for Standardisation) • IEC (International Electrotechnical Commission ) – Nacional: ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) /CB21 (Comitê Brasileiro de Computadores e Processamento de Dados) 4
  • 5. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Classificação da Qualidade de Software 5 Definição Construção Manutenção Software produto Qualidade do Processo Qualidade do Produto
  • 6. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Classificação da Qualidade de Software • Qualidade de produto 6 Modelos de qualidade ISO/IEC 14598-1 Qualidade do produto de software ISO/IEC 14598-5 ISO/IEC 12119 Avaliação de qualidade ISO/IEC 9126-1 Estabelece atributos e métricas para produto de software Específica para pacote de software Específica para a avaliação de pacote de software Define um processo de avaliação de produto de software
  • 7. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Classificação da Qualidade de Software 7 Criar Projeto Criar Tarefa Tipos de atividades: tarefa, noticias, documentos e arquicovos Vincular uma versão a uma tarefa Criar Versão Visualizar atividade Visualizar calendário Visualizar gráfico de gantt Criar Projeto Criar backlog Criar sprint Criar tarefa
  • 8. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Classificação da Qualidade de Software • Qualidade de produto 8 Criar Ticket (issue) Relatar mudança Níveis de mudança: 1º nível mudança de rotina 2º mudança parcial 3 º mudança total Finalizar Ticket (issue) Criar problema Visualizar problema Vincular tarefa Visualizar relatório com mudança
  • 9. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Classificação da Qualidade de Software • Qualidade de processo 9 Normas internacionais ISO IEC 12207 CMMI Qualidade do processo de software MPS.br ISO 9000-3 Modelos Avaliar a maturidade organizacional ou capacidade de área de processo e estabelecer prioridade para melhoria Processo de Ciclo de vida do software Processo de desenvolvimento e Manutenção de software
  • 10. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Principais Normas • Em 2015, 15,3% das empresas Brasileiras de TI receberam certificados específicos de tecnologia. • 3,9% das empresa de TI receberam ISO 9001 • 3,2% das empresas de TI possuem MPS.br • 3% das empresas de TI têm CMMI nos níveis 2 e 3. 10
  • 11. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • ISO 9000-3 É uma interpretação da ISO 9001 para a área de projeto, desenvolvimento, fornecimento, instalação e manutenção de software • Inclusão da responsabilidade do cliente • Tradução para a linguagem de informática 11 ISO 9000-3ISO 9001
  • 12. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • A primeira edição foi lançada em 1991 • Sofreu atualizações em 1994 e 1997 • A NBR-ISO 9000-3 atual é de 1993 12
  • 13. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Diretrizes – Entendimento comum dos requisitos funcionais pelo contratante e contratado – Uso de metodologia de desenvolvimento de software desde a concepção até a instalação do software – Metodologia de gerenciamento do projeto 13
  • 14. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Partes da ISO 9000-3 14 Atividades do ciclo de vida Estrutura do sistema de qualidade Atividades de Apoio e suporte ISO 9000-3 D O C U M E N T A Ç Ã O Capítulo 4 Capítulo 5 Capítulo 6
  • 15. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Estrutura do sistema de qualidade – Descreve aspectos organizacionais, relacionados ao sistema de qualidade. – Descreve as responsabilidades relacionadas à qualidade de software que devem ser tomadas entre os fornecedores e clientes 15 Definição da documentação responsabilidade da gerência Procedimentos para a auditoria interna Procedimentos para ações corretivas
  • 16. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Estrutura do sistema de qualidade – Definição da documentação • O sistema de qualidade deve ser documentado na forma de uma manual – A estrutura do documento deve 16 Manter um sistema de qualidade e um manual que o descreva. Desenvolver planos de qualidade para controlar os projetos de software. Integrar com o ciclo de vida do software
  • 17. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Estrutura do sistema de qualidade – Responsabilidade da gerência • A política de qualidade deve ser definida, documentada, comunicada, implementada e mantida por uma gerência – A direção da organização deve 17 Definir e manter uma política para a qualidade. Definir as autoridades e responsabilidades Indicar um executivo experiente para gerenciar o sistema Identificar e fornecer recursos para executar o sistema Revisar periodicamente com vistas ao seu aprimoramento.
  • 18. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Estrutura do sistema de qualidade – Procedimentos para a auditoria interna • Implantar um sistema de auditoria interna para avaliar o programa da qualidade – A auditoria interna deve 18 Desenvolver um plano interno de auditoria para os projetos de software. Avaliar a performance do seu sistema de qualidade. Verificar a eficácia das suas ações corretivas.
  • 19. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Estrutura do sistema de qualidade – Procedimentos para ações corretivas • Realizar uma investigação e análise das causas de produtos e adoção de medidas para prevenir erros – A ação corretiva deve 19 Realizar procedimentos que corrija ou previna erros Realizar procedimento para identificar e corrigir erros sem perda de tempo Realizar procedimento para detectar e prevenir erros rotineiramente.
  • 20. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades do ciclo de vida do software – Utiliza a qualidade de software aplicada em cada uma das fase do ciclo de vida do software 20 Análise do sistema Estudo preliminar Estruturação física Construção do software Liberação do software Manutenção
  • 21. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades do ciclo de vida do software – Descreve as atividades de desenvolvimento de software – 9 categorias 21 Especificação de requisitos Análise crítica do contrato Planejamento do desenvolvimento Planejamento da qualidade Teste e certificação Projeto e implementação Aceitação Manutenção Instalação
  • 22. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades do ciclo de vida do software 22 Especificação de requisitos Análise crítica do contrato Planejamento do desenvolvimento Aborda os itens que devem constar nos contratos relativos à compra e venda de software Trata as especificações de requisitos que devem ser preparadas em conjunto pelo comprador e fornecedor Define o planejamento do desenvolvimento de software: definição do projeto, organização, fases, cronogramas e planos de testes
  • 23. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades do ciclo de vida do software 23 Projeto de implementação Planejamento de qualidade Teste e certificação Trata dos objetivos de qualidade do produto de software e dos critérios de saída e entrada de cada fase Preconiza uma análise de software, onde o comprador e fornecedor concordam com o conjunto de informações que serão fornecido Define a necessidade de teste e homologação dos software em vários níveis. O plano de teste deve possuir ambiente, documentação e cases de teste
  • 24. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades do ciclo de vida do software 24 Instalação Aceitação Manutenção Cobre os termos acordados previamente e as condições estabelecidas pelo comprador para aceitação do produto Tratam de registros de considerações relativas a número de cópias e licença relacionada a instalação do software Trata de manutenção como uma qualidade de software. Mudança de software, solução de problemas e melhorias de desempenho.
  • 25. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades de suporte – Descreve as atividades que apoiam as atividades do ciclo de vida do software – 9 categorias 25 Controle de documentos Sistema de configuração Registro da qualidade Medição Ferramentas e técnicas Regras e práticas Aquisição Treinamento Inclusão de produto no software
  • 26. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades de suporte 26 Fornece um mecanismo para controle do software que seja possível identificar cada versão e realizar atualização. Fornece procedimentos para controlar toda a documentação relacionada a qualidade de software. Ciclo de vida do sistema e do planejamento das atividades Fornece formas para identificar, coletar, armazenar, manter e dispor dos registros da qualidade, de forma que sejam recuperáveis Controle de documento Sistema de configuração Registro da qualidade
  • 27. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades de suporte 27 Fornece métricas para realizar medição dos produtos e processos . Ex: tempo médio de reparo e número de problema com solução pendente Estipula que cada fornecedor de software deve definir suas regras e práticas para tornar efetivo o sistema de qualidade Impõe responsabilidade ao fornecedor de software para utilizar técnica da sua escolha que garanta a efetividade da norma Regras e práticas Medição Ferramentas e técnicas
  • 28. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Atividades de suporte 28 Realiza uma avaliação das ferramentas do produto final e compara os seus requisitos especificados Trata dos cuidados relativos à qualidade do software de terceiro que serão integradas para compor o software Responsabilidade do fornecedor em identificar a necessidade de treinamento visando a qualificação dos funcionários Inclusão de produto no software Aquisição Treinamento
  • 29. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 29 ISO 9001 ISO 9000-3 1 Responsabilidades da administração Responsabilidade da administração 2.Sistema de qualidade Sistema de qualidade 3. Análise crítica do contrato Análise crítica do contrato 4. Controle do projeto Especificação de requisitos 5. Controle de documento Controle do documento 6. Aquisição aquisição 7. Produto fornecido pelo comprador Produto fornecido pelo comprador 8.rastreabilidade do produto Gestão de configuração 9.Controle do processo Ferramentas e técnicas 10. Inspeção e controle Entrega, validação e Aceitação
  • 30. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 30 ISO 9001 ISO 9000-3 11. Equipamento de medição Regras, práticas e conversões 12. Situação da inspeção Gestão de configuração 13. Controle de produto Projeto de implementação 14. Ação corretiva Ação corretiva 15. Manuseio Copia, entrega e instalação. 16. Requisitos de qualidade Requisitos de qualidade 17. Auditoria interna Auditoria interna 18. Treinamento Treinamento 19. Assistência técnica Manutenção 20. Técnicas estatísticas Medição
  • 31. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Processo de certificação – Órgãos certificadores 31
  • 32. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 32 • Empresas certificadas
  • 33. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 • Processo de certificação – A empresa estabelece o seu sistema de qualidade – A empresa faz uma solicitação formal a um órgão certificador – O órgão certificador faz uma visita à empresa – O órgão certificador verifica a documentação do sistema de qualidade – O órgão certificador envia uma equipe à empresa com fins de auditoria. – O órgão certificador emite o certificado de qualidade – O órgão certificador realiza visitas periódicas à empresa 33
  • 34. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 34 Trata de aspectos como a melhoria contínua do processo de software Considera apenas quais processo a organização deve ter e manter
  • 35. Normas e Padrões para a Qualidade de Software ISO 9000-3 35 Orienta quanto aos passos que devem ser seguidos para chegar a desenvolvê-los e nem de como aperfeiçoá-los
  • 36. MPS.BR 36 Normas e Padrões para a Qualidade de Software
  • 37. MPS.BR • Empresas Certificadas 37 COORDENAÇÃO GOVERNO UNIVERSIDADES PARCEIROS INVESTIMENTOS ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 BASE TÉCNICA Normas e Padrões para a Qualidade de Software
  • 38. Normas e Padrões para a Qualidade de Software 36 MPS.BR ● Níveis
  • 39. Normas e Padrões para a Qualidade de Software 37 MPS.BR ● Níveis A Em Otimização Implantação de Inovações na Organização Análise de Causas e Resolução B Gerenciado Quantitativamente Desempenho do processo organizacional Gerência Quantitativa do projeto C Definido Análise de Decisão e resolução Gerência de Riscos D Largamente Definido Desenvolvimento de Requisitos / Integração do Produto Projeto e Construção do produto / Validação / Verificação E Parcialmente Definido Definição do Processo Organizacional Treinamento / Avaliação de melhoria do processo org. Adaptação do processo para gerência de projeto F Gerenciado Medição / Gerência de Configuração Aquisição / Garantia da Qualidade G Parcialmente Gerenciado Gerência de Requisitos Gerência de Projetos
  • 40. Normas e Padrões para a Qualidade de Software MPS.BR 38 MPS.BR CMMI Nível G – Parcialmente Gerenciado • GPR – Gerência de Projetos • GRE – Gerência de Requisitos Nível 2 É sobre planejar a execução e confrontar o executado contra o que foi panejado. Nível F – Gerenciado • AQU – Aquisição • GCO – Gerência de Configuração • GQA – Garantia da Qualidade • GPP – Gerência de Portfólio de Projetos • MED - Medição ● Comparação entre normas
  • 41. Normas e Padrões para a Qualidade de Software MPS.BR 39 • Empresas certificadas Pcg - Engenharia De Sistemas – nível C – Definido. Emprel – Empresa municipal de informática –nível C – Definido. MV Sistemas –nível G - Parcialmente Gerenciado
  • 42. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Implantação nível F da MPS.BR 40 • Empresa de TI < jexperts.com.br > • Desenvolvimento de produtos e software sob medida • Implantação realizada no período de 12 meses • Aproximadamente 30 pessoas envolvidas • Instituição Avaliadora do MPS.BR
  • 43. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Implantação nível F da MPS.BR • Obtenção de patrocinador para o projeto • Conscientização da equipe –Apresentação do modelo para a equipe com foco nos resultados esperados com as mudanças –Enfoque o apoio da direção • Mudança nos processos –Criação de comitê de melhoria de processos –Mapeamento dos processos atuais –Análise dos gaps necessários para atender ao modelo MR-MPS –Documentação das atividades, papéis e artefatos(saídas) –Documentação das competências de cada papel 41
  • 44. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Implantação nível F da MPS.BR • Mudança nos processos –Levantamento das competências da equipe –Inventário de software e hardware • Definição das políticas –Política geral –Política para cada grupo de processo –Comunicação para toda a equipe • Definição dos modelos de projetos(Templates) –Criação de modelos para cada tipo de projeto –Levantamento dos riscos mais comuns 42
  • 45. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Implantação nível F da MPS.BR • Escolha das ferramentas de apoio –Mapeamento dos processos •EPF Composer ( www.eclipse.org/epf/ ) •OpenSwitch ( www.openswitch.com.br ) •Bizagi (www.bizagi.com ) –Gerenciamento de portfólio, projetos e indicadores •Redmine (www.redmine.org) –Gerenciamento de requisitos •EA ( www.sparxsystems.com.au ) •Redmine (www.redmine.org) –Gerenciamento de configuração •Git ( git-scm.com ) •Jenkins (jenkins-ci.org ) 43
  • 46. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Implantação nível F da MPS.BR • Treinamento da Equipe –Atenção especial: Gerente de portfólio, gerente de projetos, analista de requisitos, gerente de configuração, auditores de qualidade –Treine a equipe no processo e nas ferramentas que serão utilizadas –Lembre a equipe que o modelo é baseado em evidências. Então não basta fazer, tem que evidenciar!!! 44
  • 47. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Implantação nível F da MPS.BR • Comece com projetos pilotos (de preferência projetos mais simples) • Crie o hábito de realizar reuniões de lições aprendidas em cada projetos regularmente • Crie reuniões periódicas do comitê de melhorias de processo para avaliar o andamento dos processos e ajustar o mesmo • Execute o ciclo PDCA (Pan, Do, Check e Act) e promova a melhoria contínua • Seja o mentor de sua equipe. Esteja disponível para ensinar e apoiar os envolvidos na implantação dos processos • Maturidade = Repetição > Processo leva em torno de 6 à 12 meses 45
  • 48. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GPR – Gerência de Projetos • O propósito do processo Gerência de Projetos é: –Estabelecer e manter planos que definem as atividades, recursos e responsabilidades do projeto –Prover informações sobre o andamento do projeto (Status reports, paineis, relatórios...) –Realização de correções quando houver desvios significativos no desempenho do projeto 46
  • 49. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GPR – Gerência de Projetos • 19 resultados esperados + 14 atributos do processo • Pontos principais –Definição do escopo –Estimativas e orçamentação (esforço e custo) –Criação do cronograma –Identificação dos riscos –Planejamento dos recursos (humanos, infra) –Planejamento da comunicação –Consolidação do plano do projeto –Monitoramento do projeto (identificar e corrigir problemas) 47
  • 50. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GPR – Fluxo do projeto 48
  • 51. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Disposição de projetos no Redmine 49
  • 52. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Criação de modelos de projeto 50
  • 53. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Status report 51
  • 54. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GRE – Gerência de requisitos • O propósito do processo Gerência de requisitos é: –Gerenciar os requisitos do produto e dos componentes do produto do projeto –Identificar inconsistências entre os requisitos, os planos do projeto e os produtos de trabalho do projeto. • 5 resultados esperados + 14 atributos do processo • Pontos principais –Entendimento dos requisitos com os stakeholders –Avaliação dos requisitos com a equipe –Rastreabilidade bidirecional –Revisões para identificar e corrigir inconsistências –Gerenciamento de mudanças 52
  • 55. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GRE – Gerência de requisitos 53 • Rastreabilidade bidirecional • Anotação do requisito no código fonte • Marcação do requisito no comentário do controle de versão • Associação entre o projeto e os requisitos
  • 56. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GPP – Gerência de portfólio • 8 resultados esperados + 14 atributos do processo • Pontos Principais –Gestão do ciclo de vida da demanda –Seleção e priorização de projetos –Escolha dos recursos e orçamentação –Atribuição de responsabilidades –Monitoramento de problemas, resolução de conflitos –Comunicação com os stakeholders 54
  • 57. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Processo 55
  • 58. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GPR – Fluxo do portfólio 56
  • 59. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GCO – Gerência de configuração • O propósito do processo Gerência de Configuração é: –Estabelecer e manter a integridade de todos os produtos de trabalho de um processo ou projeto –Estabelecer e manter a integridade de todos os produtos de trabalho de um processo ou projeto –Disponibilizá-los a todos os envolvidos 57
  • 60. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GCO – Gerência de configuração • 7 resultados esperados + 14 atributos do processo • Pontos principais –Criação de um plano de gerenciamento de configuração –Identificação dos itens de configuração com base em critérios –Gestão das baselines –Gerenciamentos de mudanças –Auditorias de configuração 58
  • 61. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GQA – Garantia da qualidade • 4 resultados esperados + 14 atributos do processo • Pontos principais –Auditar os produtos de trabalho e os processos relacionados a projetos e a processos organizacionais –Registrar as não conformidades –Criar e acompanhar as ações corretivas para as não conformidades 59
  • 62. Normas e Padrões para a Qualidade de Software GQA – Garantia da qualidade 60
  • 63. Normas e Padrões para a Qualidade de Software AQU – Aquisição • O propósito do processo de aquisição é gerenciar a aquisição de produtos que satisfaçam às necessidades expressas pela adquirente 61
  • 64. Normas e Padrões para a Qualidade de Software MED - Medição • O propósito do processo Medição é: –Coletar, armazenar, analisar e relatar os dados relativos aos produtos desenvolvidos e aos processos implementados na organização e em seus projetos, de forma a apoiar os objetivos organizacionais. • 7 resultados esperados + 14 atributos do processo • Pontos principais –Estabelecer objetivos de medição com base nos objetivos de negócio da empresa –Identificar e documentar medidas –Coletar as medidas, analisá-las e comunicá-las –Executar ações decorrentes do resultado 62
  • 65. Normas e Padrões para a Qualidade de Software MED - Medição • Identificar e documentar medidas –Formas de cálculo –Forma de coleta –Orientações para análise e interpretação 63
  • 66. Normas e Padrões para a Qualidade de Software 64 CMMI
  • 67. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 65 • Introdução –O CMMI (Capability Maturity Model Integration) é um modelo de qualidade (ou padrão de qualidade) de processos de software. –Foi criado pelo SEI (Software Engineering Institute) e é referência quando se fala em melhoria de processos de Software.
  • 68. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 66 • Introdução –O CMMI é o sucessor do CMM, (Capability Maturity Model) que também foi criado pelo SEI, e é a integração de três modelos de qualidade: •SW-CMM (SEI Software CMM) •EIA SECM (Electronic Industries Alliances’s Systems Engineer Capability Model) •IPD-CMM (Integrated Product Development CMM)
  • 69. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 67 • Versão –A versão atual do CMMI, publicada em 2010 apresenta três modelos: •CMMI for Development (CMMI-DEV) – Voltado para o desenvolvimento de produtos e serviços •CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ) – Voltado aos processos de aquisição e terceirização de bens e serviços •CMMI for Services (CMMI-SVC) – Voltado aos processos de empresas prestadoras de serviços
  • 70. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 68 • Versão
  • 71. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 69 • Representações –O CMMI possui duas representações ou agrupamentos: •Agrupamento ou representação por Estágio (Staged) •Agrupamento ou representação Contínua (Continuous)
  • 72. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 70 • Representações –Agrupamento ou representação por Estágio (Staged)
  • 73. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 71 • Representações –Agrupamento ou representação Contínua (Continuous)
  • 74. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 72 • Processos
  • 75. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 73 • Categorias
  • 76. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 74 • Níveis de maturidade
  • 77. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI - Nível 2 75 • Para atingir o nível 2 é preciso possuir maturidade em 7 processos da metodologia, desta forma, a empresa passa gerenciar projetos da maneira mais simples. • Processos para atingir o nivel 2: – Planejamento de Projeto (PP); – Monitoramento e Controle do Projeto (PMC) ; – Gestão de Requisitos (REQM); – Medição e Análise (MA); – Garantia da Qualidade de Processo e Produto (PPQA); – Gerência de Configuração (CM); – Gestão de Contrato com Fornecedores (SAM).
  • 78. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI- Nível 3 76 • Para atingir o nível 3 é preciso possuir maturidade em 11 processos da metodologia. • Processos para atingir o nível 3: – Análise e Tomada de Decisões (DAR); – Desenvolvimento de Requisitos (RD); – Verificação (VER); – Validação (VAL); – Solução Técnica (TS); – Integração do Produto (PI); – Gestão Integrada de Projeto (IPM);
  • 79. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI- Nível 3 77 – Gestão de Riscos (RSKM); – Treinamento Organizacional (OT); – Definição dos Processos da Organização (OPD); – Foco nos Processos da Organização (OPF).
  • 80. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI- Nível 4 78 • Para atingir o nível 4 é preciso possuir maturidade em 2 processos da metodologia. • Processos para atingir o nível 3: –Gestão Quantitativa de Projeto (QPM); –Desempenho de Processos da Organização (OPP).
  • 81. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI- Nível 5 79 • Ao atingir o nível 5 é preciso possuir maturidade em 2 processos da metodologia. • Processos para atingir o nível 5: –Análise e Resolução de Causas (CAR); –Gerenciamento de Performace da Organização (OPM).
  • 82. Normas e Padrões para a Qualidade de Software CMMI 80 • Empresas certificadas Emprel e Neurotech (PE) –CMMI-DEV nível 2 e CMMI-SCV nível 2 Accenture e Stefanini (América do Sul ) Pitang e indra (PE) – CMMI-DEV nível 3 in forma, IVIA e síntese de compra (PE) – CMMI-SCV nível 2 Appsware (PE) – CMMI-DEV nível 2
  • 83. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Comparação entre as normas 81 ISO 9000-3 CMMI MPS.br Objetivo Gestão de qualidade e garantia de qualidade. Aplicação nos processos de desenvolvimento de software. Propor para as organizações uma evolução através de níveis de maturidade de capacitação. Atender as micros, pequenas e médias empresas de software brasileiras com custo de certificação reduzido. Órgão de Certificação ISO: International Standartization Organization. IEC: International Engineering Consortium. Internacional SEI: Software Engineering Institute Internacional SOFTEX – Associação para promoção da excelência do software brasileiro.
  • 84. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Comparação entre as normas 84 ISO 9000-3 CMMI MPS.br Custo de certificação custo de deslocamento e hospedagem, o valor pode passar de R$ 45 mil entre R$ 200 mil a R$ 1 milhão a depender da complexidade do processo certificação no nível G para uma empresa está em torno de R$ 70 mil, já para o nível F estima-se um custo de R$ 104 mil Tipo de Empresa Organizações em geral. Organizações em geral. Micros, Pequenas e Médias Tempo Para Obter a Certificação Processo de médio a longo prazo. A norma não prevê o tempo. Processo de longa duração. De 2 a 10 anos depende do nível. Processo de médio a longo prazo. A norma não prevê o tempo.
  • 85. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Comparação entre as normas 85 ISO 9000-3 CMMI MPS.br Vantagens Independe de tecnologia, modelos de ciclo de vida, processos de desenvolvimento e estrutura organizacional. Práticas de Processos Maduros; melhoria de Processos; Análise de Riscos ao Implantar; Certificação; Níveis de maturidade Modelo de processo rápido de ser adquirido, adequado a realidade brasileira e de mais acessibilidade. Desvantagens Não é usada como critério de avaliação em certificações/ registros. Não contempla todos os Processos da Empresa; Não se integra com outros modelos. Certificação pouco reconhecida para tornar a empresa competitiva internacionalmente.
  • 86. Normas e Padrões para a Qualidade de Software Referências ● Neto,Pedro Luiz de Oliveira Costa. Qualidade Em Tecnologia da Informação, 2013. ● SEBRAE. Normas e certificações em software. 2014. ● CMMI Institute. https://sas.cmmiinstitute.com/pars/pars.aspx ● SOFTEX. MPS.BR. https://www.softex.br/mpsbr/ ● ASSESPRO. http://www.assespro-pe.org.br/ 86
  • 87. Instituto Federal de Pernambuco Pós-Graduação em Gestão e Qualidade em TIC Normas e Padrões para a Qualidade de Software Andre, Danilo, Luciano, Natanael, Neilson