SlideShare uma empresa Scribd logo
Modelos e normasModelos e normas
Prof. Alex Dias Camargo
alexcamargo@ifsul.edu.br
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA
SUL-RIO-GRANDENSE
CÂMPUS BAGÉ
QUALIDADE DE SOFTWARE
2
I. Plano de aula
Na aula anterior foi visto:
 Conceitos básicos de qualidade de software
 Controle e garantia de qualidade
QDS - Modelos e normas
3
I. Plano de aula
Nesta aula será apresentado:
 Principais modelos e normas de qualidade de software
 Análise comparativa
QDS - Modelos e normas
4
1. Introdução
Modelos e normas de qualidade foram criados a fim de atender
plenamente os requisitos de qualidade. Por que adotá-los?
 Utilizar práticas reconhecidas internacionalmente.
 Estabelecer maior confiança no relacionamento com o cliente.
 Dentre os padrões existentes no mercado destacam-se: os
modelos CMMI e MPS.BR, bem como a norma ISO 9126-1.
QDS - Modelos e normas
5
2. CMMI (Capability Maturity Model
Integration)
Modelo que serve de base para a melhoria das organizações que
desejam aumentar a capacitação de seu processo de
desenvolvimento de software.
 Tem como objetivos auxiliar o gerenciamento e mudança de
processo.
 Aborda 5 níveis de maturidade da organização de software.
 Foi criado pelo SEI (Software Engineering Institute), uma
referência em melhoria de processos de software.
QDS - Modelos e normas
6
2. CMMI (Capability Maturity Model
Integration)
O conceito de CMMI (versão 1.3) abrange os modelos/padrões para:
desenvolvimento de software, engenharia de sistemas, aquisição
de software e recursos humanos.
 CMMI for Development (CMMI-DEV): voltado ao processo
de desenvolvimento de produtos e serviços.
 CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ): voltado aos processos
de aquisição e terceirização de bens e serviços.
 CMMI for Services (CMMI-SVC): voltado aos processos de
empresas prestadoras de serviços.
QDS - Modelos e normas
7
2. CMMI (Capability Maturity Model
Integration)
QDS - Modelos e normas
Figura. CMMI: site oficial.
https://cmmiinstitute.com/cmmi
8
2. CMMI (Capability Maturity Model
Integration)
QDS - Modelos e normas
Figura. CMMI: modelo de trabalho.
9
2. CMMI (Capability Maturity Model
Integration)
QDS - Modelos e normas
Figura. CMMI: tempo de certificação.
10
2. CMMI (Capability Maturity Model
Integration)
QDS - Modelos e normas
Figura. Níveis de maturidade do CMMI.
11
2. CMMI (Capability Maturity Model
Integration)
Aspectos a considerar para comprovar a validade de uma
certificação CMMI:
 A avaliação precisa ser liderada por um profissional
credenciado chamado de “lead appraiser (avaliador principal)”.
http://partners.clearmodel.com/find-partner-sponsored-individual
;
 O CMMI Institute disponibiliza um site onde são publicados os
resultados de avaliações oficiais de CMMI.
https://sas.cmmiinstitute.com/pars/pars.aspx
 Por fim, validar o junto a fornecedores o desempenho e
qualidade de seus produtos e serviços.
http://www.isdbrasil.com.br/procura-e-selecao-de-fornecedores/
consultoria-procura-e-selecao-de-fornecedores.php
QDS - Modelos e normas
12
3. Exercícios
1. Liste 5 empresas certificadas pelo modelo CMMI no Brasil,
considerando cada um dos seus 5 níveis. As informações podem
ser obtidas pelo CMMI Institute em:
https://sas.cmmiinstitute.com/pars/pars.aspx
2. O que é um modelo de maturidade?
3. Os modelos de maturidade possuem foco na melhoria contínua
do software, por exemplo: atuam na melhoria da qualidade do
produto gerado. Na sua opinião, como eles incentivam esta
melhoria?
4. Quais são os níveis de maturidade do CMMI? Detalhe as
principais atividades de cada um deles e dê um exemplo prático de
processo baseado numa situação real.
QDS - Modelos e normas
13
4. MPS.BR (Melhoria de Processo do
Software Brasileiro)
Este modelo tem como objetivo atender as micros, pequenas e
médias empresas de software brasileiras com custo de certificação
reduzido.
 Projeto coordenado pela Softex, Governo e Universidades.
 Baseado no CMMI, porém com características mais específicas
dentro da realidade do mercado brasileiro.
 Implementa sete níveis de maturidade, possibilitando um
crescimento mais gradual.
QDS - Modelos e normas
14
4. MPS.BR (Melhoria de Processo do
Software Brasileiro)
QDS - Modelos e normas
Figura. MPS.BR: site oficial.
https://softex.br/mpsbr
15
4. MPS.BR (Melhoria de Processo do
Software Brasileiro)
QDS - Modelos e normas
Figura. MPS.BR: site oficial.
https://softex.br/mpsbr
16
4. MPS.BR (Melhoria de Processo do
Software Brasileiro)
QDS - Modelos e normas
Figura. MPS.BR: site oficial.
https://softex.br/mpsbr
17
4. MPS.BR (Melhoria de Processo do
Software Brasileiro)
QDS - Modelos e normas
Figura. MPS.BR: site oficial.
https://softex.br/mpsbr
18
4. MPS.BR (Melhoria de Processo do
Software Brasileiro)
Os modelos MPS.BR são compatíveis com os padrões de qualidade
aceitos internacionalmente. Adequado ao perfil de empresas com
diferentes tamanhos e características, públicas e privadas.
 Modelo MPS-SW de Software: processos definidos nos
modelos de melhoria de processo, atendendo a necessidade de
implantar os princípios de engenharia de software.
 Modelo MPS-SV de Serviços: visa apoiar a melhoria dos
processos de serviços, como oferecer um processo de
avaliação que atesta a aderência das práticas da organização.
 Modelo MPS-RH de Gestão de Pessoas: implementação
gradativa de práticas de gestão de RH na indústria de TIC, de
forma a selecionar, desenvolver e reter talentos humanos.
QDS - Modelos e normas
19
4. MPS.BR (Melhoria de Processo do
Software Brasileiro)
QDS - Modelos e normas
Figura. Níveis de maturidade do MPS.BR.
20
4. MPS.BR (Melhoria de Processo do
Software Brasileiro)
QDS - Modelos e normas
Figura. Níveis de maturidade do MPS.BR (e CMMI).
21
5. Exercícios
1. Qual a principal finalidade da Softex (Associação para Promoção
da Excelência do Software Brasileiro)?
2. Quais as principais diferenças entre o CMMI e o MPS.BR?
3. Quais são os níveis de maturidade do MPS.BR?
4. Cite 5 instituições autorizadas a aplicar o MPS.BR no Brasil,
descrevendo o seu nome e estado. As informações podem ser
obtidas pelo site oficial da Softex.
5. De acordo com os resultados esperados de um dos níveis de
maturidade, descreva a implementação de uma tarefa baseada
numa situação real de aplicação da norma. O modelo de referência
está no “Quadro 1 - Itens para descrição de uma tarefa” seguido da
“Tabela 1 - Processo de avaliação” do Guia de Avaliação MPS.BR.
Págs. 10-11/116.
QDS - Modelos e normas
22
6. ISO 9126-1
É uma norma que define um conjunto de parâmetros com o
objetivo de padronizar a avaliação da qualidade de software. Ela se
enquadra no modelo de qualidade das normas da família 9000.
 International Organization for Standardization (ISO): É
uma das principais entidades do assunto, sendo reconhecida
internacionalmente.
 O processo pode ser aplicado a cada fase apropriada do ciclo
de vida do software.
 A ISO/IEC 25010 é uma norma disponibilizada em 2011 que
substituiu a norma ISO/IEC 9126.
QDS - Modelos e normas
23
6. ISO 9126-1
A ISO/IEC 9126, sob o título geral "Engenharia de software -
Qualidade do produto", consiste nas seguintes partes:
 Parte 1 (ISO/IEC 9126-1): Modelo de qualidade.
 Parte 2 (ISO/IEC 9126-2): Métricas externas.
 Parte 3 (ISO/IEC 9126-3): Métricas internas.
 Parte 4 (ISO/IEC 9126-4): Métricas de qualidade em uso.
QDS - Modelos e normas
24
4. ISO 9126-1
QDS - Modelos e normas
Figura. NBR-ISO 9126-1.
25
6. ISO 9126-1
QDS - Modelos e normas
Figura. Ciclo de vida do software pela ISO 9126-1.
26
6. ISO 9126-1
QDS - Modelos e normas
Figura. ISO 9126-1: atributos de qualidade.
27
5. ISO 9126-1
QDS - Modelos e normas
Figura. ISO 9126-1: empresas certificadoras.
https://www.promovesolucoes.com/avaliacao-cmmi-mps-iso/
28
6. ISO 9126-1
QDS - Modelos e normas
Figura. ISO 9126-1: empresas certificadoras.
http://www.abnt.org.br/certificacao/abnt-certificadora
29
6. ISO 9126-1
QDS - Modelos e normas
Figura. Comparação de alto nível entre as características da ISO 9126-1 e o CMMI/MPS.BR.
30
7. Análise comparativa
Através dos seguintes quadros é possível visualizar as principais
características da norma ISO 9126-1 e os modelos CMMI e MPS.BR,
considerando:
 Objetivo: foco da aplicação.
 Órgão de certificação: quem certifica.
 Tipo de empresa: a quem aplicar.
 Tempo de obtenção: tempo aproximado do processo.
QDS - Modelos e normas
31
5. Análise comparativa
QDS - Modelos e normas
Quadro. Comparativo: Norma 9126-1 vesrus modelos CMMI e MPS.BR
32
5. Análise comparativa
QDS - Modelos e normas
Quadro. Comparativo: Norma ISO 9126-1 versus os modelos CMMI e MPS.BR
33
8. Exercícios
1. De acordo com a norma ISO/IEC 9126, qual das alternativas
abaixo NÃO faz parte dos subconjuntos de requisitos de qualidade
de manutenibilidade?
a. Facilidade de análise
b. Facilidade de mudança
c. Estabilidade
d. Facilidade de teste
e. Facilidade de operação
QDS - Modelos e normas
34
8. Exercícios
2. Conforme a NBR ISO/IEC 9126 e o modelo de avaliação de
qualidade de software interna e externa, a capacidade do produto
de software de prover um conjunto apropriado de funções para
tarefas e objetivos do usuário especificados corresponde à:
a. interoperabilidade.
b. confiabilidade.
c. adequação.
d. acurácia.
QDS - Modelos e normas
35
8. Exercícios
3. Um usuário avaliou um software sob o ponto de vista da
qualidade em uso, em complemento à medição de qualidade
interna e externa do referido software. O produto, sob a
perspectiva do usuário, falhou em lhe permitir o atingimento das
metas especificadas com acurácia e completude em um contexto
de uso especificado. Nessa situação, o software avaliado falhou no
atributo:
a. segurança.
b. eficácia.
c. satisfação.
d. analisabilidade.
e. produtividade.
QDS - Modelos e normas
36
8. Exercícios
4. O padrão ISO 9126 foi desenvolvido com o objetivo de identificar
os atributos fundamentais de qualidade de software. Em relação a
esses atributos, é correto afirmar que:
a. eficiência corresponde ao grau com que o software satisfaz as
necessidades declaradas conforme indicado pelos subatributos
adequação, acurácia, conformidade e segurança.
b. confiabilidade corresponde à quantidade de tempo que o
software fica disponível para uso conforme indicado pelos
subatributos maturidade, tolerância a falhas e recuperabilidade.
c. portabilidade corresponde ao grau de otimização do uso, pelo
software, dos recursos do sistema conforme indicado pelos
subatributos analisabilidade, estabilidade e testabilidade.
QDS - Modelos e normas
37
8. Exercícios
5. Acerca da NBR ISO/IEC n.º 12.207 e da NBR ISO/IEC n.º 9.126,
julgue os itens subsequentes.
A finalidade da NBR ISO/IEC n.º 9.126 é proporcionar que o produto
de software e seu processo de desenvolvimento alcancem a
qualidade necessária para o contexto desejado. Para tanto é
obrigatório que todos os requisitos de qualidade sejam explicitados
antes do projeto de software.
( ) Certo ( ) Errado
QDS - Modelos e normas
38
Referências básicas
CHRISSIS, M.B., KONRAD, M., SHRUM, S., CMMI for development:
guidelines for process integration and product improvement, 3rd
edition, Addison Wesley Professional, 2011.
DELAMARO, M.E.; MALDONADO, J.C.; JINO, M. Introdução ao Teste de
Software. Elsevier Editora, ISBN 978-8535226348. 2007.
MYERS, G.; BADGETT, T.; THOMAS, T.; SANDLER, C.; The Art of Software
Testing. Wiley, 3rd Edition, ISBN 978-1118031964. 2011.
PRESSMAN, Roger, MAXIM, Bruce. Engenharia de Software, 8º edição.
AMGH, 01/2016.
PAULA FILHO, W. de P., Engenharia de Software: fundamentos,
métodos e padrões. 3.ed. Rio de Janeiro. LTC. 2008.
ROCHA, A.R.C., SOUZA, G.S., BARCELLOS, M.P., Medição e Controle
Estatístico de Processos. MCTi: Série de Livros PBQP. 2012.
QDS - Modelos e normas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
Tiago Antônio da Silva
 
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de SoftwareX-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
AlexandreBartie
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
Ronney Moreira de Castro
 
Modelos de Processo de Software Parte 1
Modelos de Processo de Software Parte 1Modelos de Processo de Software Parte 1
Modelos de Processo de Software Parte 1
Elaine Cecília Gatto
 
CMM e CMMI
CMM e CMMICMM e CMMI
Introdução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareIntrodução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de Software
Cloves da Rocha
 
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de RequisitosPrincípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
elliando dias
 
Qualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareQualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de software
Alex Camargo
 
Gerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIGerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TI
Eliseu Castelo
 
Metodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de SoftwareMetodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de Software
Álvaro Farias Pinheiro
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
Marcelo Yamaguti
 
Segurança da Informação
Segurança da InformaçãoSegurança da Informação
Segurança da Informação
Efrain Saavedra
 
Levantamento Ágil de Requisitos
Levantamento Ágil de RequisitosLevantamento Ágil de Requisitos
Levantamento Ágil de Requisitos
Paulo Furtado
 
Modelos de Processo de Software Parte 2
Modelos de Processo de Software Parte 2Modelos de Processo de Software Parte 2
Modelos de Processo de Software Parte 2
Elaine Cecília Gatto
 
Requisitos de software
Requisitos de softwareRequisitos de software
Requisitos de software
Marcelo Yamaguti
 
Analise de Requisitos Software
Analise de Requisitos SoftwareAnalise de Requisitos Software
Analise de Requisitos Software
Rildo (@rildosan) Santos
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Leinylson Fontinele
 
Aula 04 coneitos de auditoria de sistemas
Aula 04   coneitos de auditoria de sistemasAula 04   coneitos de auditoria de sistemas
Aula 04 coneitos de auditoria de sistemas
sorayaNadja
 
Modelo V
Modelo VModelo V
Modelo V
Nelson Loia Jr.
 
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareIntrodução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Camilo Almendra
 

Mais procurados (20)

Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de SoftwareX-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
 
Modelos de Processo de Software Parte 1
Modelos de Processo de Software Parte 1Modelos de Processo de Software Parte 1
Modelos de Processo de Software Parte 1
 
CMM e CMMI
CMM e CMMICMM e CMMI
CMM e CMMI
 
Introdução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareIntrodução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de Software
 
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de RequisitosPrincípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
 
Qualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de softwareQualidade de Software: Teste de software
Qualidade de Software: Teste de software
 
Gerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TIGerenciamento de Projetos de TI
Gerenciamento de Projetos de TI
 
Metodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de SoftwareMetodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de Software
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Segurança da Informação
Segurança da InformaçãoSegurança da Informação
Segurança da Informação
 
Levantamento Ágil de Requisitos
Levantamento Ágil de RequisitosLevantamento Ágil de Requisitos
Levantamento Ágil de Requisitos
 
Modelos de Processo de Software Parte 2
Modelos de Processo de Software Parte 2Modelos de Processo de Software Parte 2
Modelos de Processo de Software Parte 2
 
Requisitos de software
Requisitos de softwareRequisitos de software
Requisitos de software
 
Analise de Requisitos Software
Analise de Requisitos SoftwareAnalise de Requisitos Software
Analise de Requisitos Software
 
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 -  Introdução a Engenharia de SoftwareAula 1 -  Introdução a Engenharia de Software
Aula 1 - Introdução a Engenharia de Software
 
Aula 04 coneitos de auditoria de sistemas
Aula 04   coneitos de auditoria de sistemasAula 04   coneitos de auditoria de sistemas
Aula 04 coneitos de auditoria de sistemas
 
Modelo V
Modelo VModelo V
Modelo V
 
Introdução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de SoftwareIntrodução a Gerência de Configuração de Software
Introdução a Gerência de Configuração de Software
 

Semelhante a Qualidade de Software: Modelos e normas

QUALIDADE DE SOFTWARE
QUALIDADE DE SOFTWAREQUALIDADE DE SOFTWARE
QUALIDADE DE SOFTWARE
CarlosDaniloLuz2
 
CMMI e MPS.BR - Introdução
CMMI e MPS.BR - IntroduçãoCMMI e MPS.BR - Introdução
CMMI e MPS.BR - Introdução
Joaquim Lopes Júnior
 
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Claudio Cardozo
 
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
Alexsandro Oliveira
 
Processos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana ReginaProcessos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana Regina
Cristina Cerdeiral
 
Slide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAFSlide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAF
Edton Lemos
 
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
nathan85
 
Aula 25 - CMMI.ppt
Aula 25 - CMMI.pptAula 25 - CMMI.ppt
Aula 25 - CMMI.ppt
GustavoBarrosLins1
 
CMMI 7
CMMI 7CMMI 7
CMMI 7
Aleh Santos
 
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdfQualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
AugustoPleno
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
Rodrigo Gomes da Silva
 
Melhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiroMelhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiro
ingrid_fatec
 
Pmbok qualidadde
Pmbok qualidaddePmbok qualidadde
Pmbok qualidadde
Carolina Silva Cleto
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Fernando Vargas
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
GrupoAlves - professor
 
MPS.BR
MPS.BRMPS.BR
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
elliando dias
 
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
elliando dias
 
CMM – Capability Maturity Model
CMM – Capability Maturity Model CMM – Capability Maturity Model
CMM – Capability Maturity Model
alef menezes
 
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Ricardo Zalla
 

Semelhante a Qualidade de Software: Modelos e normas (20)

QUALIDADE DE SOFTWARE
QUALIDADE DE SOFTWAREQUALIDADE DE SOFTWARE
QUALIDADE DE SOFTWARE
 
CMMI e MPS.BR - Introdução
CMMI e MPS.BR - IntroduçãoCMMI e MPS.BR - Introdução
CMMI e MPS.BR - Introdução
 
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
Apresentação Fábrica de Softwares baseado em ISO 9001:2008
 
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
SlidesHarmonization of ISO/IEC 9001:2000 and CMMI-DEV: from a theoretical com...
 
Processos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana ReginaProcessos De Software Ana Regina
Processos De Software Ana Regina
 
Slide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAFSlide apresentação CMMI-TOGAF
Slide apresentação CMMI-TOGAF
 
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
FEI - Modelagem de negocios - 2° semestre 2010
 
Aula 25 - CMMI.ppt
Aula 25 - CMMI.pptAula 25 - CMMI.ppt
Aula 25 - CMMI.ppt
 
CMMI 7
CMMI 7CMMI 7
CMMI 7
 
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdfQualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
QualidadeSoftwarequalidadeetestedesoftware.pdf
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
 
Melhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiroMelhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiro
 
Pmbok qualidadde
Pmbok qualidaddePmbok qualidadde
Pmbok qualidadde
 
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
Apresentação estrela vs cmmi nivel 2
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
MPS.BR
MPS.BRMPS.BR
MPS.BR
 
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
Gerencia De Projetos Com RUP Cmm E Iso 9001
 
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
Gerência de Projetos de Software com RUP, CMM e ISO 9001
 
CMM – Capability Maturity Model
CMM – Capability Maturity Model CMM – Capability Maturity Model
CMM – Capability Maturity Model
 
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
Trabalho sobre a ISO/IEC 15504
 

Mais de Alex Camargo

Escola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - EclesiologiaEscola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - Eclesiologia
Alex Camargo
 
Escola Bíblica - Demonologia
Escola Bíblica - DemonologiaEscola Bíblica - Demonologia
Escola Bíblica - Demonologia
Alex Camargo
 
Python para finanças: explorando dados financeiros
Python para finanças: explorando dados financeirosPython para finanças: explorando dados financeiros
Python para finanças: explorando dados financeiros
Alex Camargo
 
A practical guide: How to use Bitcoins?
A practical guide: How to use Bitcoins?A practical guide: How to use Bitcoins?
A practical guide: How to use Bitcoins?
Alex Camargo
 
IA e Bioinformática: modelos computacionais de proteínas
IA e Bioinformática: modelos computacionais de proteínasIA e Bioinformática: modelos computacionais de proteínas
IA e Bioinformática: modelos computacionais de proteínas
Alex Camargo
 
Introdução às criptomoedas: investimento, mercado e segurança
Introdução às criptomoedas: investimento, mercado e segurançaIntrodução às criptomoedas: investimento, mercado e segurança
Introdução às criptomoedas: investimento, mercado e segurança
Alex Camargo
 
Introdução às criptomoedas: criando a sua própria moeda como o Bitcoin!
Introdução às criptomoedas:  criando a sua própria moeda como o Bitcoin!Introdução às criptomoedas:  criando a sua própria moeda como o Bitcoin!
Introdução às criptomoedas: criando a sua própria moeda como o Bitcoin!
Alex Camargo
 
Cristão versus Redes Sociais - Alex (Arca da Aliança)
Cristão versus Redes Sociais - Alex (Arca da Aliança)Cristão versus Redes Sociais - Alex (Arca da Aliança)
Cristão versus Redes Sociais - Alex (Arca da Aliança)
Alex Camargo
 
Empatia e compaixão: O Bom Samaritano
Empatia e compaixão: O Bom SamaritanoEmpatia e compaixão: O Bom Samaritano
Empatia e compaixão: O Bom Samaritano
Alex Camargo
 
Alta performance em IA: uma abordagem pratica
Alta performance em IA: uma abordagem praticaAlta performance em IA: uma abordagem pratica
Alta performance em IA: uma abordagem pratica
Alex Camargo
 
Bioinformática do DNA ao medicamento: ferramentas e usabilidade
Bioinformática do DNA ao medicamento: ferramentas e usabilidadeBioinformática do DNA ao medicamento: ferramentas e usabilidade
Bioinformática do DNA ao medicamento: ferramentas e usabilidade
Alex Camargo
 
Inteligência Artificial aplicada: reconhecendo caracteres escritos à mão
Inteligência Artificial aplicada: reconhecendo caracteres escritos à mãoInteligência Artificial aplicada: reconhecendo caracteres escritos à mão
Inteligência Artificial aplicada: reconhecendo caracteres escritos à mão
Alex Camargo
 
IA versus COVID-19 Deep Learning, Códigos e Execução em nuvem (Tchelinux 2020)
IA versus COVID-19 Deep Learning, Códigos e Execução em nuvem (Tchelinux 2020)IA versus COVID-19 Deep Learning, Códigos e Execução em nuvem (Tchelinux 2020)
IA versus COVID-19 Deep Learning, Códigos e Execução em nuvem (Tchelinux 2020)
Alex Camargo
 
Algoritmos de inteligência artificial para classificação de notícias falsas. ...
Algoritmos de inteligência artificial para classificação de notícias falsas. ...Algoritmos de inteligência artificial para classificação de notícias falsas. ...
Algoritmos de inteligência artificial para classificação de notícias falsas. ...
Alex Camargo
 
Fake News - Conceitos, métodos e aplicações de identificação e mitigação
Fake News - Conceitos, métodos e aplicações de identificação e mitigaçãoFake News - Conceitos, métodos e aplicações de identificação e mitigação
Fake News - Conceitos, métodos e aplicações de identificação e mitigação
Alex Camargo
 
PredictCovid: IA. SIEPE UNIPAMPA 2020
PredictCovid: IA. SIEPE UNIPAMPA 2020PredictCovid: IA. SIEPE UNIPAMPA 2020
PredictCovid: IA. SIEPE UNIPAMPA 2020
Alex Camargo
 
Ia versus covid 19 - alex
Ia versus covid 19 - alexIa versus covid 19 - alex
Ia versus covid 19 - alex
Alex Camargo
 
2a Mini-conf PredictCovid. Field: Artificial Intelligence
2a Mini-conf PredictCovid. Field: Artificial Intelligence2a Mini-conf PredictCovid. Field: Artificial Intelligence
2a Mini-conf PredictCovid. Field: Artificial Intelligence
Alex Camargo
 
Aula 5 - Considerações finais
Aula 5 - Considerações finaisAula 5 - Considerações finais
Aula 5 - Considerações finais
Alex Camargo
 
Aula 04 - Injeção de código (Cross-Site Scripting)
Aula 04 - Injeção de código (Cross-Site Scripting)Aula 04 - Injeção de código (Cross-Site Scripting)
Aula 04 - Injeção de código (Cross-Site Scripting)
Alex Camargo
 

Mais de Alex Camargo (20)

Escola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - EclesiologiaEscola Bíblica - Eclesiologia
Escola Bíblica - Eclesiologia
 
Escola Bíblica - Demonologia
Escola Bíblica - DemonologiaEscola Bíblica - Demonologia
Escola Bíblica - Demonologia
 
Python para finanças: explorando dados financeiros
Python para finanças: explorando dados financeirosPython para finanças: explorando dados financeiros
Python para finanças: explorando dados financeiros
 
A practical guide: How to use Bitcoins?
A practical guide: How to use Bitcoins?A practical guide: How to use Bitcoins?
A practical guide: How to use Bitcoins?
 
IA e Bioinformática: modelos computacionais de proteínas
IA e Bioinformática: modelos computacionais de proteínasIA e Bioinformática: modelos computacionais de proteínas
IA e Bioinformática: modelos computacionais de proteínas
 
Introdução às criptomoedas: investimento, mercado e segurança
Introdução às criptomoedas: investimento, mercado e segurançaIntrodução às criptomoedas: investimento, mercado e segurança
Introdução às criptomoedas: investimento, mercado e segurança
 
Introdução às criptomoedas: criando a sua própria moeda como o Bitcoin!
Introdução às criptomoedas:  criando a sua própria moeda como o Bitcoin!Introdução às criptomoedas:  criando a sua própria moeda como o Bitcoin!
Introdução às criptomoedas: criando a sua própria moeda como o Bitcoin!
 
Cristão versus Redes Sociais - Alex (Arca da Aliança)
Cristão versus Redes Sociais - Alex (Arca da Aliança)Cristão versus Redes Sociais - Alex (Arca da Aliança)
Cristão versus Redes Sociais - Alex (Arca da Aliança)
 
Empatia e compaixão: O Bom Samaritano
Empatia e compaixão: O Bom SamaritanoEmpatia e compaixão: O Bom Samaritano
Empatia e compaixão: O Bom Samaritano
 
Alta performance em IA: uma abordagem pratica
Alta performance em IA: uma abordagem praticaAlta performance em IA: uma abordagem pratica
Alta performance em IA: uma abordagem pratica
 
Bioinformática do DNA ao medicamento: ferramentas e usabilidade
Bioinformática do DNA ao medicamento: ferramentas e usabilidadeBioinformática do DNA ao medicamento: ferramentas e usabilidade
Bioinformática do DNA ao medicamento: ferramentas e usabilidade
 
Inteligência Artificial aplicada: reconhecendo caracteres escritos à mão
Inteligência Artificial aplicada: reconhecendo caracteres escritos à mãoInteligência Artificial aplicada: reconhecendo caracteres escritos à mão
Inteligência Artificial aplicada: reconhecendo caracteres escritos à mão
 
IA versus COVID-19 Deep Learning, Códigos e Execução em nuvem (Tchelinux 2020)
IA versus COVID-19 Deep Learning, Códigos e Execução em nuvem (Tchelinux 2020)IA versus COVID-19 Deep Learning, Códigos e Execução em nuvem (Tchelinux 2020)
IA versus COVID-19 Deep Learning, Códigos e Execução em nuvem (Tchelinux 2020)
 
Algoritmos de inteligência artificial para classificação de notícias falsas. ...
Algoritmos de inteligência artificial para classificação de notícias falsas. ...Algoritmos de inteligência artificial para classificação de notícias falsas. ...
Algoritmos de inteligência artificial para classificação de notícias falsas. ...
 
Fake News - Conceitos, métodos e aplicações de identificação e mitigação
Fake News - Conceitos, métodos e aplicações de identificação e mitigaçãoFake News - Conceitos, métodos e aplicações de identificação e mitigação
Fake News - Conceitos, métodos e aplicações de identificação e mitigação
 
PredictCovid: IA. SIEPE UNIPAMPA 2020
PredictCovid: IA. SIEPE UNIPAMPA 2020PredictCovid: IA. SIEPE UNIPAMPA 2020
PredictCovid: IA. SIEPE UNIPAMPA 2020
 
Ia versus covid 19 - alex
Ia versus covid 19 - alexIa versus covid 19 - alex
Ia versus covid 19 - alex
 
2a Mini-conf PredictCovid. Field: Artificial Intelligence
2a Mini-conf PredictCovid. Field: Artificial Intelligence2a Mini-conf PredictCovid. Field: Artificial Intelligence
2a Mini-conf PredictCovid. Field: Artificial Intelligence
 
Aula 5 - Considerações finais
Aula 5 - Considerações finaisAula 5 - Considerações finais
Aula 5 - Considerações finais
 
Aula 04 - Injeção de código (Cross-Site Scripting)
Aula 04 - Injeção de código (Cross-Site Scripting)Aula 04 - Injeção de código (Cross-Site Scripting)
Aula 04 - Injeção de código (Cross-Site Scripting)
 

Qualidade de Software: Modelos e normas

  • 1. Modelos e normasModelos e normas Prof. Alex Dias Camargo alexcamargo@ifsul.edu.br INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE CÂMPUS BAGÉ QUALIDADE DE SOFTWARE
  • 2. 2 I. Plano de aula Na aula anterior foi visto:  Conceitos básicos de qualidade de software  Controle e garantia de qualidade QDS - Modelos e normas
  • 3. 3 I. Plano de aula Nesta aula será apresentado:  Principais modelos e normas de qualidade de software  Análise comparativa QDS - Modelos e normas
  • 4. 4 1. Introdução Modelos e normas de qualidade foram criados a fim de atender plenamente os requisitos de qualidade. Por que adotá-los?  Utilizar práticas reconhecidas internacionalmente.  Estabelecer maior confiança no relacionamento com o cliente.  Dentre os padrões existentes no mercado destacam-se: os modelos CMMI e MPS.BR, bem como a norma ISO 9126-1. QDS - Modelos e normas
  • 5. 5 2. CMMI (Capability Maturity Model Integration) Modelo que serve de base para a melhoria das organizações que desejam aumentar a capacitação de seu processo de desenvolvimento de software.  Tem como objetivos auxiliar o gerenciamento e mudança de processo.  Aborda 5 níveis de maturidade da organização de software.  Foi criado pelo SEI (Software Engineering Institute), uma referência em melhoria de processos de software. QDS - Modelos e normas
  • 6. 6 2. CMMI (Capability Maturity Model Integration) O conceito de CMMI (versão 1.3) abrange os modelos/padrões para: desenvolvimento de software, engenharia de sistemas, aquisição de software e recursos humanos.  CMMI for Development (CMMI-DEV): voltado ao processo de desenvolvimento de produtos e serviços.  CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ): voltado aos processos de aquisição e terceirização de bens e serviços.  CMMI for Services (CMMI-SVC): voltado aos processos de empresas prestadoras de serviços. QDS - Modelos e normas
  • 7. 7 2. CMMI (Capability Maturity Model Integration) QDS - Modelos e normas Figura. CMMI: site oficial. https://cmmiinstitute.com/cmmi
  • 8. 8 2. CMMI (Capability Maturity Model Integration) QDS - Modelos e normas Figura. CMMI: modelo de trabalho.
  • 9. 9 2. CMMI (Capability Maturity Model Integration) QDS - Modelos e normas Figura. CMMI: tempo de certificação.
  • 10. 10 2. CMMI (Capability Maturity Model Integration) QDS - Modelos e normas Figura. Níveis de maturidade do CMMI.
  • 11. 11 2. CMMI (Capability Maturity Model Integration) Aspectos a considerar para comprovar a validade de uma certificação CMMI:  A avaliação precisa ser liderada por um profissional credenciado chamado de “lead appraiser (avaliador principal)”. http://partners.clearmodel.com/find-partner-sponsored-individual ;  O CMMI Institute disponibiliza um site onde são publicados os resultados de avaliações oficiais de CMMI. https://sas.cmmiinstitute.com/pars/pars.aspx  Por fim, validar o junto a fornecedores o desempenho e qualidade de seus produtos e serviços. http://www.isdbrasil.com.br/procura-e-selecao-de-fornecedores/ consultoria-procura-e-selecao-de-fornecedores.php QDS - Modelos e normas
  • 12. 12 3. Exercícios 1. Liste 5 empresas certificadas pelo modelo CMMI no Brasil, considerando cada um dos seus 5 níveis. As informações podem ser obtidas pelo CMMI Institute em: https://sas.cmmiinstitute.com/pars/pars.aspx 2. O que é um modelo de maturidade? 3. Os modelos de maturidade possuem foco na melhoria contínua do software, por exemplo: atuam na melhoria da qualidade do produto gerado. Na sua opinião, como eles incentivam esta melhoria? 4. Quais são os níveis de maturidade do CMMI? Detalhe as principais atividades de cada um deles e dê um exemplo prático de processo baseado numa situação real. QDS - Modelos e normas
  • 13. 13 4. MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) Este modelo tem como objetivo atender as micros, pequenas e médias empresas de software brasileiras com custo de certificação reduzido.  Projeto coordenado pela Softex, Governo e Universidades.  Baseado no CMMI, porém com características mais específicas dentro da realidade do mercado brasileiro.  Implementa sete níveis de maturidade, possibilitando um crescimento mais gradual. QDS - Modelos e normas
  • 14. 14 4. MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) QDS - Modelos e normas Figura. MPS.BR: site oficial. https://softex.br/mpsbr
  • 15. 15 4. MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) QDS - Modelos e normas Figura. MPS.BR: site oficial. https://softex.br/mpsbr
  • 16. 16 4. MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) QDS - Modelos e normas Figura. MPS.BR: site oficial. https://softex.br/mpsbr
  • 17. 17 4. MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) QDS - Modelos e normas Figura. MPS.BR: site oficial. https://softex.br/mpsbr
  • 18. 18 4. MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) Os modelos MPS.BR são compatíveis com os padrões de qualidade aceitos internacionalmente. Adequado ao perfil de empresas com diferentes tamanhos e características, públicas e privadas.  Modelo MPS-SW de Software: processos definidos nos modelos de melhoria de processo, atendendo a necessidade de implantar os princípios de engenharia de software.  Modelo MPS-SV de Serviços: visa apoiar a melhoria dos processos de serviços, como oferecer um processo de avaliação que atesta a aderência das práticas da organização.  Modelo MPS-RH de Gestão de Pessoas: implementação gradativa de práticas de gestão de RH na indústria de TIC, de forma a selecionar, desenvolver e reter talentos humanos. QDS - Modelos e normas
  • 19. 19 4. MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) QDS - Modelos e normas Figura. Níveis de maturidade do MPS.BR.
  • 20. 20 4. MPS.BR (Melhoria de Processo do Software Brasileiro) QDS - Modelos e normas Figura. Níveis de maturidade do MPS.BR (e CMMI).
  • 21. 21 5. Exercícios 1. Qual a principal finalidade da Softex (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro)? 2. Quais as principais diferenças entre o CMMI e o MPS.BR? 3. Quais são os níveis de maturidade do MPS.BR? 4. Cite 5 instituições autorizadas a aplicar o MPS.BR no Brasil, descrevendo o seu nome e estado. As informações podem ser obtidas pelo site oficial da Softex. 5. De acordo com os resultados esperados de um dos níveis de maturidade, descreva a implementação de uma tarefa baseada numa situação real de aplicação da norma. O modelo de referência está no “Quadro 1 - Itens para descrição de uma tarefa” seguido da “Tabela 1 - Processo de avaliação” do Guia de Avaliação MPS.BR. Págs. 10-11/116. QDS - Modelos e normas
  • 22. 22 6. ISO 9126-1 É uma norma que define um conjunto de parâmetros com o objetivo de padronizar a avaliação da qualidade de software. Ela se enquadra no modelo de qualidade das normas da família 9000.  International Organization for Standardization (ISO): É uma das principais entidades do assunto, sendo reconhecida internacionalmente.  O processo pode ser aplicado a cada fase apropriada do ciclo de vida do software.  A ISO/IEC 25010 é uma norma disponibilizada em 2011 que substituiu a norma ISO/IEC 9126. QDS - Modelos e normas
  • 23. 23 6. ISO 9126-1 A ISO/IEC 9126, sob o título geral "Engenharia de software - Qualidade do produto", consiste nas seguintes partes:  Parte 1 (ISO/IEC 9126-1): Modelo de qualidade.  Parte 2 (ISO/IEC 9126-2): Métricas externas.  Parte 3 (ISO/IEC 9126-3): Métricas internas.  Parte 4 (ISO/IEC 9126-4): Métricas de qualidade em uso. QDS - Modelos e normas
  • 24. 24 4. ISO 9126-1 QDS - Modelos e normas Figura. NBR-ISO 9126-1.
  • 25. 25 6. ISO 9126-1 QDS - Modelos e normas Figura. Ciclo de vida do software pela ISO 9126-1.
  • 26. 26 6. ISO 9126-1 QDS - Modelos e normas Figura. ISO 9126-1: atributos de qualidade.
  • 27. 27 5. ISO 9126-1 QDS - Modelos e normas Figura. ISO 9126-1: empresas certificadoras. https://www.promovesolucoes.com/avaliacao-cmmi-mps-iso/
  • 28. 28 6. ISO 9126-1 QDS - Modelos e normas Figura. ISO 9126-1: empresas certificadoras. http://www.abnt.org.br/certificacao/abnt-certificadora
  • 29. 29 6. ISO 9126-1 QDS - Modelos e normas Figura. Comparação de alto nível entre as características da ISO 9126-1 e o CMMI/MPS.BR.
  • 30. 30 7. Análise comparativa Através dos seguintes quadros é possível visualizar as principais características da norma ISO 9126-1 e os modelos CMMI e MPS.BR, considerando:  Objetivo: foco da aplicação.  Órgão de certificação: quem certifica.  Tipo de empresa: a quem aplicar.  Tempo de obtenção: tempo aproximado do processo. QDS - Modelos e normas
  • 31. 31 5. Análise comparativa QDS - Modelos e normas Quadro. Comparativo: Norma 9126-1 vesrus modelos CMMI e MPS.BR
  • 32. 32 5. Análise comparativa QDS - Modelos e normas Quadro. Comparativo: Norma ISO 9126-1 versus os modelos CMMI e MPS.BR
  • 33. 33 8. Exercícios 1. De acordo com a norma ISO/IEC 9126, qual das alternativas abaixo NÃO faz parte dos subconjuntos de requisitos de qualidade de manutenibilidade? a. Facilidade de análise b. Facilidade de mudança c. Estabilidade d. Facilidade de teste e. Facilidade de operação QDS - Modelos e normas
  • 34. 34 8. Exercícios 2. Conforme a NBR ISO/IEC 9126 e o modelo de avaliação de qualidade de software interna e externa, a capacidade do produto de software de prover um conjunto apropriado de funções para tarefas e objetivos do usuário especificados corresponde à: a. interoperabilidade. b. confiabilidade. c. adequação. d. acurácia. QDS - Modelos e normas
  • 35. 35 8. Exercícios 3. Um usuário avaliou um software sob o ponto de vista da qualidade em uso, em complemento à medição de qualidade interna e externa do referido software. O produto, sob a perspectiva do usuário, falhou em lhe permitir o atingimento das metas especificadas com acurácia e completude em um contexto de uso especificado. Nessa situação, o software avaliado falhou no atributo: a. segurança. b. eficácia. c. satisfação. d. analisabilidade. e. produtividade. QDS - Modelos e normas
  • 36. 36 8. Exercícios 4. O padrão ISO 9126 foi desenvolvido com o objetivo de identificar os atributos fundamentais de qualidade de software. Em relação a esses atributos, é correto afirmar que: a. eficiência corresponde ao grau com que o software satisfaz as necessidades declaradas conforme indicado pelos subatributos adequação, acurácia, conformidade e segurança. b. confiabilidade corresponde à quantidade de tempo que o software fica disponível para uso conforme indicado pelos subatributos maturidade, tolerância a falhas e recuperabilidade. c. portabilidade corresponde ao grau de otimização do uso, pelo software, dos recursos do sistema conforme indicado pelos subatributos analisabilidade, estabilidade e testabilidade. QDS - Modelos e normas
  • 37. 37 8. Exercícios 5. Acerca da NBR ISO/IEC n.º 12.207 e da NBR ISO/IEC n.º 9.126, julgue os itens subsequentes. A finalidade da NBR ISO/IEC n.º 9.126 é proporcionar que o produto de software e seu processo de desenvolvimento alcancem a qualidade necessária para o contexto desejado. Para tanto é obrigatório que todos os requisitos de qualidade sejam explicitados antes do projeto de software. ( ) Certo ( ) Errado QDS - Modelos e normas
  • 38. 38 Referências básicas CHRISSIS, M.B., KONRAD, M., SHRUM, S., CMMI for development: guidelines for process integration and product improvement, 3rd edition, Addison Wesley Professional, 2011. DELAMARO, M.E.; MALDONADO, J.C.; JINO, M. Introdução ao Teste de Software. Elsevier Editora, ISBN 978-8535226348. 2007. MYERS, G.; BADGETT, T.; THOMAS, T.; SANDLER, C.; The Art of Software Testing. Wiley, 3rd Edition, ISBN 978-1118031964. 2011. PRESSMAN, Roger, MAXIM, Bruce. Engenharia de Software, 8º edição. AMGH, 01/2016. PAULA FILHO, W. de P., Engenharia de Software: fundamentos, métodos e padrões. 3.ed. Rio de Janeiro. LTC. 2008. ROCHA, A.R.C., SOUZA, G.S., BARCELLOS, M.P., Medição e Controle Estatístico de Processos. MCTi: Série de Livros PBQP. 2012. QDS - Modelos e normas