SlideShare uma empresa Scribd logo
COMBATER OU CONVIVER? ANÁLISE 
BENEFÍCIO - CUSTO DE PROGRAMAS DE 
COMBATE A PRAGAS QUARENTENÁRIAS 
Sílvia Helena G. de Miranda 
Profa. ESALQ-USP 
Pesquisadora CEPEA/ESALQ 
Contato: shgdmira@usp.br 
Workshop Ameaças Fitossanitárias 
Fortaleza – CE 
25/09/14
2 
Roteiro da apresentação 
1 – Introdução 
2 – Análise Benefício-Custo 
3 –Ilustrações da Aplicação da ABC 
4 – Considerações Finais 
Referências Bibliográficas
1 -INTRODUÇÃO
4 
Contextualização 
 Os impactos econômicos das pragas podem ser de grande 
magnitude, inviabilizar culturas, causar seu deslocamento, impedir 
exportações etc 
 Greening – São Paulo 
 Helicoverpa armigera 
 Ácaro vermelho das palmeiras – Raoiella indica no Caribe 
 A International Standards for Phytosanitary Measures (ISPM) 11 
(FAO, 2006) estabelece que a ARP deve conter uma avaliação 
também dos impactos econômicos, sociais e ambientais 
Importância da quantificação dos impactos das pragas  para setor 
privado e público
Impactos econômicos de pragas: alguns 
exemplos de estimativas 
• MMA (2008): estudos realizados nos Estados Unidos, Reino Unido, 
Austrália, África do Sul, Índia e Brasil => prejuízos anuais das pragas 
introduzidas em torno de US$ 250 bilhões. 
• Oliveira et al (2012): insetos considerados pragas causam perdas 
anuais de US$12 bilhões para a economia brasileira, sendo US$1,6 
bilhão devido a pragas exóticas 
• Desde o final do século XIX: 24 espécies de pragas foram introduzidas no 
Brasil e causaram prejuízos econômicos significativos
Defesa sanitária e questões econômicas 
1 – Subsidiar decisões de intervenção dos governos, comunicação – 
transparência, definição de medidas compensatórias 
• Restrição orçamentária: A quantificação de impactos ajuda a amparar as escolhas 
em termos de alocação de recursos 
• Ações preventivas x ações curativas 
2- Análise prévia de potenciais impactos econômicos, sociais e 
ambientais; planejamento para atenuar impactos na infra-estrutura e 
no ambiente institucional 
3 – Interface com o âmbito regulatório internacional 
• Potencial impacto sobre comércio internacional 
• Análise de Risco de Praga: associar uma análise de impactos potenciais 
econômicos e socio-ambientais (ISPM n. 11 – IPPC) – importação de materiais 
vegetais 
• Notificações de políticas e regulamentos fitossanitários e sanitários informadas à 
OMC
Avaliação de impactos de políticas 
• Com ampla abrangência, já é realidade nos países da 
OCDE – através da RIA (Regulatory Impact 
Assessment) ou AIR (Avaliação de Impacto 
Regulatório) 
• Pode ser ex-post ou ex-ante 
• No Brasil: ANVISA, INMETRO e iniciativa do PRO-REG 
pela Casa Civil (2007) – envolvendo diversas 
agências regulatórias 
7
8 
Metodologias adotadas por diversos países para AIR 
Países Metodologia (AIR) 
Áustria, Dinamarca, 
Reino Unido Análise Benefício-custo (ABC) 
Filândia ABC não completa/comparação entre os custos e benefícios 
Alemanha Técnicas de monetização dos custos e benefícios 
Hungria 
Técnicas de monetização dos custos e benefícios/ABC se 
possível 
Itália Análise Benefício-custo e Análise multicritério 
Holanda, Irlanda, 
Espanha, Suíça Aplicação de checklists 
Polônia Análise Benefício-custo ou análise de custos 
Suécia Análise Benefício-custo ou análise de custos 
Fonte: OECD (2004); APEC-OECD (2008)
Tipos de impactos (casos envolvendo pragas e 
políticas fitossanitárias) 
• Impactos econômicos: 
- Redução da produtividade e produção ou de plantel 
- Elevação dos custos de produção (manejo, inspeção) 
- Redução nas exportações ou proibição de comércio 
- Choques sobre preços domésticos ou internacionais 
- Impactos sociais 
- Choques sobre mercado de empregos 
- Realocação regional de culturas e desarticulação de suas estruturas produtivas 
- Concentração industrial: inviabilização da pequena produção 
- Impactos ambientais 
- Intensificação no uso de agrotóxicos 
- Impactos sobre a biodiversidade 
- Contaminação de água e solo 
- Impactos institucionais 
• Redução de arrecadação tributária 
• Alterações em orçamento ou necessidade de recursos emergenciais 
• Aumento da demanda sobre serviços de sanidade ofertados pelos governos
Métodos de quantificação econômica de 
impactos 
• Estimativas com base em perdas de produtividade (e produção): Bento (2000), 
Oliveira et al (2012) 
• Análise Custo-Efetividade: usada quando não se tem dados para medir os 
benefícios 
• Análise Benefício-Custo: 
• Possibilidade de sofisticação utilizando elasticidades e flexibilidades para estudar os efeitos das 
crises fitossanitárias sobre preços; e simulações de Monte-Carlo para construir intervalos de 
confiança para os resultados 
• Uso de instrumentos de análise econômica mais sofisticados: 
• Análise de Insumo-Produto (Costa e Guilhoto, 2012) 
• Modelos de Equilíbrio Parcial e de Equilíbrio Geral (trabalhos internacionais e sobre Gripe 
Aviária - Fachinello, 2008) 
• Soliman et al (2010): Avaliam o uso de técnicas para avaliação quantitativa de 
impacto econômico – orçamento parcial, equilíbrio parcial, insumo-produto, 
modelos computáveis de equilíbrio geral. 
• Propõem que o orçamento parcial seja conduzido em qualquer avaliação de risco e os 
demais, apenas quando seus ganhos superarem os custos e incertezas.
2 –ANÁLISE BENEFÍCIO-CUSTO
Análise Benefício-Custo (ABC) 
• ABC: ex-ante ou ex-post 
• Consiste no cálculo do Valor Presente dos Benefícios e dos Custos (tangíveis 
e intangíveis) da implementação do projeto, programa ou regulamento, ao 
longo de um dado horizonte temporal relevante. 
• Definir os cenários que serão comparados (modelo epidemiológico e 
impactos/segmentos a serem analisados)* 
• Identificar os benefícios do controle ou erradicação da praga em cada cenário 
(“perdas evitadas”) 
• Identificar os custos para cada cenário 
• Valorar/Monetizar os benefícios e custos 
• Projetar esses valores para um horizonte temporal relevante 
• Comparar o Valor presente líquido (VPL) de cada cenário
Vantagens e desvantagens da ABC 
• Vantagens 
• Facilidade de execução 
• Dados necessários 
• Fácil interpretação 
• Pode ser associada a outros instrumentos 
• Desvantagens 
• Restrita para avaliar médio e longo prazos 
• Não permite analisar as relações com outras variáveis que podem 
ser impactadas em decorrência dos impactos por ela medidos 
Soliman et al (2010): técnicas de maior alcance requerem UM 
MAIOR esforço e MAIS dados e agravam incertezas
3 – ILUSTRAÇÕES DA APLICAÇÃO DA 
ABC
Exemplos de estudos no exterior 
• Rautapaa (1984) examinou os benefícios e custos de manter a Finlândia 
livre da mosca-minadora (Liriomyza trifolii), que ataca folhas de crisântemo; 
• Pemberton (1988): estudou os benefícios e custos da erradicação da 
bactéria Clavibacter michiganensis ssp. sependonicus, causadora da 
mancha–anelar-da-batata. 
• Vo e Miller (1995): avaliaram a possível entrada e dispersão da Bactrocera 
no Caribe, América do Sul e EUA (para 12 anos de projeção) 
• Calvin e Krissoff (1998): ABC + modelo de equilíbrio parcial aplicados pelos 
EUA para subsidiar as decisões do USDA sobre o comércio de maçãs com o 
Japão. 
• Macleod et al. (2003) e Breukers et al. (2008): usaram Orçamento Parcial 
para avaliar consequencias econômicas de invasão de praga quarentenária 
(nível nacional) 
• Peterson e Orden (2006): caso do abacate entre EUA e México 
• APHIS (2010): Estudo de impactos econômicos da Lobesia botrana (traça da 
videira) na California – utilizou uma ABC simplificada e enfatizou análise 
qualitativa dos benefícios
Exemplos de estudos no Brasil 
• Bento (2000) – avaliação geral 
• Miranda et al (2010) – Mosca da carambola, Greening (ex-post) e 
Gripe aviária (ex-ante) 
• Miranda, Adami e Bassanezi (2011) – Greening São Paulo 
• Barreto et al (2011) – mosca da carambola 
• Oliveira et al (2012) – avaliação geral impactos de pragas 
• Oliveira (2012) – ABC do Greening (ex-ante) para a Bahia 
• Adami e Miranda (2013) – seguro fitossanitário Greening 
• Sanches e Miranda (2014) – cancro cítrico
17 
Caso 1 –Mosca-da-carambola
VPLA e relação Benefício-Custo do Programa de Erradicação da Mosca-da- 
Carambola para manga, goiaba e laranja. Projeção: 10 anos (taxa de desconto- 
TJLP). Em R$ de 2008
Caso 2 - Resumo dos cenários e sub cenários 
simulados para o cancro cítrico (Sanches et al, 2014) 
PREVENÇÃO CONTROLE DOENÇA EM EXPANSÃO 
SEM 
CONTROLE 
Cen. 1 Cen. 2 Cen. 3A Cen. 3B Cen. 3C Cen. 3D Cen. 3E Cen. 3F Cen. 4 
Quantidade 
de 
varreduras 
0 6 0 6 6 6 6 6 0 
Talhões que 
recebem 
varreduras 
0% 
2x o número 
de talhões 
infectados 
0% 
2x o 
número 
de talhões 
infectados 
2x o 
número 
de talhões 
infectados 
2x o 
número 
de talhões 
infectados 
2x o 
número 
de talhões 
infectados 
2x o 
número 
de talhões 
infectados 
0% 
Quantidade 
de inspeções 
1 1 0 1 1 1 1 1 0 
Plantas 
erradicadas 
0 
100% dos 
talhões 
infectados 
0 
20% dos 
talhões 
infectados 
40% dos 
talhões 
infectados 
60% dos 
talhões 
infectados 
90% dos 
talhões 
infectados 
95% dos 
talhões 
infectados 
0 
Taxa de 
disseminação 
da doença 
0 Controle Expansão 
80% 
Expansão 
60% 
Expansão 
40% 
Expansão 
10% 
Expansão 
5% 
Expansão 
Expansão 
Quantidade 
de 0 0 
5 jovens 5 jovens 5 jovens 5 jovens 5 jovens 5 jovens 
0 
aplicações 
cúpricas 
3,5 
formados 
3,5 
formados 
3,5 
formados 
3,5 
formados 
3,5 
formados 
3,5 
formados 
% de talhões 
que recebem 
aplicações 
cúpricas 
0 0 
100% dos 
talhões 
infectados 
80% dos 
talhões 
infectados 
60% dos 
talhões 
infectados 
40% dos 
talhões 
infectados 
10% dos 
talhões 
infectados 
10% dos 
talhões 
infectados 
0
Relação Benefício-Custo calculada pela diferença entre o valor presente da 
produção e o custo total de produção com diferentes níveis de preço pago pela 
caixa de laranja. São Paulo, 2011 a 2030 (Sanches et al, 2014) 
Acumulado 
(anos) 
Preço 
da cx de 
40,8 Kg 
(R$) 
Cen. 
1 
Cen. 
2 
Cen. 
3A 
Cen. 
3B 
Cen. 
3C 
Cen. 
3D 
Cen. 
3E 
Cen 
3F 
3,3 0,48 0,25 1,18 0,00 -0,07 -0,09 -0,11 -0,11 
5 anos 10,5 1,54 0,80 3,76 0,00 -0,21 -0,27 -0,36 -0,34 
21,1 3,09 1,62 7,56 0,01 -0,42 -0,55 -0,71 -0,68 
3,3 1,54 1,22 1,16 -0,09 -0,19 -0,08 0,35 0,45 
10 anos 10,5 4,90 3,89 3,68 -0,28 -0,59 -0,24 1,13 1,45 
21,1 9,84 7,81 7,40 -0,55 -1,19 -0,49 2,26 2,91 
3,3 2,81 2,43 1,18 -0,18 -0,26 0,03 1,18 1,36 
15 anos 10,5 8,94 7,74 3,76 -0,56 -0,84 0,09 3,74 4,34 
21,1 17,96 15,55 7,56 -1,12 -1,69 0,19 7,51 8,72 
3,3 3,84 3,34 1,19 -0,21 -0,24 0,16 1,78 2,02 
20 anos 10,5 12,23 10,63 3,79 -0,66 -0,78 0,50 5,66 6,43 
21,1 24,58 21,37 7,62 -1,33 -1,56 1,01 11,38 12,92
21 
Caso 3 – Greening (HuangLongBing) 
• Estudos realizados em colaboração com o pesquisador Renato 
Bassanezi – Fundecitrus 
• Bactéria (Candidatus) transmitida pela Diaphorina citri (psilìdeo 
que se hospeda nos citros e na murta) ou por enxertia/mudas 
infectadas 
• Comentários importantes 
• Modelo epidemiológico 
• Projeções e dados do Fundecitrus 
• Já se observam mudanças relevantes na estrutura produtiva – 
desde adensamento dos plantios à concentração na produção 
de laranja
22 
Incidência de HLB em plantas por tamanho de propriedades em 
SP. Fonte: dados do Fundecitrus 
Fonte: extraído de Bassanezi (2012), elaborado com dados do Fundecitrus.
23 
Resultados da ABC para o programa de defesa fitossanitária do HLB do 
estado de São Paulo e do Sul do Triângulo Mineiro. Horizonte de projeção: 
2009 a 2028 (Taxa de desconto TJLP) 
B/C para governo + Fundecitrus = 85,8 
B/C (governo + Fundecitrus + produtores) = 6,1
Adami e Miranda (2013): Relação benefício-custo do controle 
do HLB em função da produtividade média dos pomares. São 
Paulo (Simulação Monte Carlo)
Atualmente: 
• Desenvolvimento de software para análise do HLB no âmbito de propriedades 
citrícolas – parceria com Fundecitrus 
• Estudo sobre potenciais impactos da Raoiella indica – parceria com Dra. Denise 
Navia 
• Projeto CVC – Parceria Embrapa Fruticultura Tropical e Mandioca, ADAB, 
ESALQ 
• Estudo “Avaliação do impacto econômico e socioambiental da política de 
defesa fitossanitária em cultivos de melão no Nordeste brasileiro: um 
estudo para a Área Livre de Anastrepha grandis” - pos-doutoranda Eliane 
Pinheiro 
• Estudo “Uma proposta metodológica para a análise de impactos econômicos e 
sociais de diferentes tecnologias de controle de pragas na citricultura” – pos-doutoranda 
Andréia Adami 
• Atualização do estudo para Mosca-da-Carambola – projeto TCC Breno Bícego – 
ESALQ/USP
4 –CONSIDERAÇÕES FINAIS
Considerações finais 
Resultados dos estudos de avaliação de impactos econômicos 
podem se tornar instrumento importante de planejamento público 
e mesmo privado 
• na regulamentação de pragas quarentenárias 
• para o planejamento de investimentos em pesquisa de novos produtos, 
controle biológico e registro de defensivos 
• para alocação de recursos para a defesa agropecuária 
• negociação internacional no âmbito fitossanitário 
Mesmo variando os cenários, os benefícios líquidos são 
significativos e a relação B/C das políticas de defesa é, em geral, 
alta para o Estado => PREVENIR é melhor do que CONVIVER
Do ponto de vista de adoção de instrumentos 
econômicos de análise 
• Definição de instrumento flexível e de aplicação viável 
• ARP, ou de modo mais amplo para AIR 
• Importante levar em consideração estrutura administrativa e 
técnica existente para realizar os estudos: orçamento, equipe, 
objetivos das análises 
• Esforços na integração de bancos de dados 
• Ainda é preciso avançar na identificação, descrição e 
quantificação dos impactos sociais e ambientais 
(subestimados) 
• Articulação, sensibilização e ações conjuntas público-privadas 
28
29 
Algumas referências 
BENTO, J M S (2000). Comedores de Lucro. Cultivar 22: 18-21. 
COSTA, C.C.; GUILHOTO, J.J. M. Impactos Econômicos do Sistema de Detecção e 
Eliminação Precoce de Citros com Huanglongbing. Revista de Economia e 
Agronegócio, v.09, n.03. 
MIRANDA, S. H. G.; BARTHOLOMEU, D. B.; LIMA, L. M. Guia para Avaliação de Impacto Regulatório 
com Sustentabilidade (AIR-S). FEALQ-INMETRO. 2009. (Relatório de pesquisa). 
MIRANDA, S. H. G. ; BASSANEZI, R. B. ; ADAMI, A. C. O. . ABC das Ações de Defesa Fitossanitária 
para o HLB em São Paulo: lições para a Citricultura do Nordeste. Bahia Agrícola, v. 9, p. 64-71, 2011. 
MIRANDA, Sílvia H.G.; NASCIMENTO, A.M.; XIMENES, V.P.; BASSANEZI, R.B.. Uma 
Aplicação da Análise Benefício-Custo para Políticas de Defesa Sanitária: Alguns Estudos de 
Caso para o Brasil. Relatório de Pesquisa. 110p.2010 
OLIVEIRA CM, Auad AM, Mendes SM, Frizzas MR (2012). Economic impact of exotic insect pests in 
Brazilian agriculture. Journal of Applied Enthomology doi: 10.1111/jen.12018. 
OLIVEIRA, J.M.C. Diaphorina citri Kuwayama,1908 E Candidatus Liberibacter spp: ASSOCIAÇÃO QUE 
COLOCA EM RISCO A CITRICULTURA BAIANA: uma estimativa do impacto econômico. (Dissertação 
de mestrado em Defesa Agropecuária – Cruz das Almas) 2012. 
SANCHES, A. L..; MIRANDA, S.H.G.. Avaliação econômica do cancro cítrico no Estado de São Paulo. 
Relatório de pesquisa para Fundecitrus. Circulação restrita. Março/2012. 38p. 
SOLIMAN A. T; MOURITS , M.C.M.; OUDE LANSINK, A .G.J.M.; ; W. VAN DER WERF. Economic impact 
assessment in pest risk analysis. Crop Protection, 29: 517–524, 2010. 
VO, T.T.; MILLER, C.E. (Coord.) Viabilidade Econômica da Erradicação da Mosca-da-carambola 
(Bactrocera carambolae) da América do Sul. APHIS/USDA(Relatório). Mimeo (Tradução de Regina 
Sugayama).1995. 42p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão práticaManejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão prática
IRAC-BR
 
Programa Nacional de Moscas-das-Frutas
Programa Nacional de Moscas-das-FrutasPrograma Nacional de Moscas-das-Frutas
Programa Nacional de Moscas-das-Frutas
PNMF
 
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em FronteirasVigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Cristiane Assis
 
vigilancia sanitaria animal
vigilancia sanitaria animalvigilancia sanitaria animal
vigilancia sanitaria animal
Clécio Limeira
 
Deise capalbo principios para analise de risco ambiental
Deise capalbo principios para analise de risco ambientalDeise capalbo principios para analise de risco ambiental
Deise capalbo principios para analise de risco ambiental
Sofia Iba
 
Acidentes químicos ampliados
Acidentes químicos ampliadosAcidentes químicos ampliados
Acidentes químicos ampliados
Universidade Federal Fluminense
 

Mais procurados (6)

Manejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão práticaManejo da resistência: uma visão prática
Manejo da resistência: uma visão prática
 
Programa Nacional de Moscas-das-Frutas
Programa Nacional de Moscas-das-FrutasPrograma Nacional de Moscas-das-Frutas
Programa Nacional de Moscas-das-Frutas
 
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em FronteirasVigilância Sanitária Animal em Fronteiras
Vigilância Sanitária Animal em Fronteiras
 
vigilancia sanitaria animal
vigilancia sanitaria animalvigilancia sanitaria animal
vigilancia sanitaria animal
 
Deise capalbo principios para analise de risco ambiental
Deise capalbo principios para analise de risco ambientalDeise capalbo principios para analise de risco ambiental
Deise capalbo principios para analise de risco ambiental
 
Acidentes químicos ampliados
Acidentes químicos ampliadosAcidentes químicos ampliados
Acidentes químicos ampliados
 

Semelhante a Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pragas quarentenárias

I WSF, Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
I WSF,  Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...I WSF,  Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
I WSF, Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
Oxya Agro e Biociências
 
Impacto econômico da resistência no mundo
Impacto econômico da resistência no mundoImpacto econômico da resistência no mundo
Impacto econômico da resistência no mundo
IRAC-BR
 
Implem. e gerenc. de MIP.pptx
Implem. e gerenc. de MIP.pptxImplem. e gerenc. de MIP.pptx
Implem. e gerenc. de MIP.pptx
FabricioMoreiraSobre1
 
Citros - Manejo integrado de pragas na UFPR
Citros - Manejo integrado de pragas na UFPRCitros - Manejo integrado de pragas na UFPR
Citros - Manejo integrado de pragas na UFPR
Carlos Alberto Monteiro
 
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Fernando Leme
 
PGR e Impactos das Mudanças das NR's1 e 9 para a Higiene Ocupacional.ppt...
PGR e Impactos das Mudanças das NR's1 e 9 para a Higiene Ocupacional.ppt...PGR e Impactos das Mudanças das NR's1 e 9 para a Higiene Ocupacional.ppt...
PGR e Impactos das Mudanças das NR's1 e 9 para a Higiene Ocupacional.ppt...
Fbio67
 
I Oficina Nacional para o VIGIPOS
I Oficina Nacional para o VIGIPOS I Oficina Nacional para o VIGIPOS
I Oficina Nacional para o VIGIPOS
Suzie Marie Gomes
 
PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016
Oxya Agro e Biociências
 
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
TheFoodChallenge
 
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Sistema de gestão ambiental
Sistema de gestão ambientalSistema de gestão ambiental
Sistema de gestão ambiental
Jose Rafael Lopes
 
Análise do ciclo de vida
Análise do ciclo de vidaAnálise do ciclo de vida
Análise do ciclo de vida
felipeviaro
 
Lyfe Cycle Analyses: Concepts and Case Study - ERM
Lyfe Cycle Analyses: Concepts and Case Study - ERMLyfe Cycle Analyses: Concepts and Case Study - ERM
Lyfe Cycle Analyses: Concepts and Case Study - ERM
Revista H&C
 
Análisis económicos de recuperación de pasturas degradadas y sistemas de prod...
Análisis económicos de recuperación de pasturas degradadas y sistemas de prod...Análisis económicos de recuperación de pasturas degradadas y sistemas de prod...
Análisis económicos de recuperación de pasturas degradadas y sistemas de prod...
FAO
 
Sistema de gestao ambiental
Sistema de gestao ambientalSistema de gestao ambiental
Sistema de gestao ambiental
Pelo Siro
 
1229273 tenuta
1229273 tenuta1229273 tenuta
1229273 tenuta
Pelo Siro
 
Agrotoxicos.pdf
Agrotoxicos.pdfAgrotoxicos.pdf
Agrotoxicos.pdf
CceroOliveira17
 
Impacto agricultura precisão economia brasileira
Impacto agricultura precisão economia brasileiraImpacto agricultura precisão economia brasileira
Impacto agricultura precisão economia brasileira
Eduardo Garcia
 
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
Oncoguia
 
Impactos ambientais da cadeia têxtil do algodão por meio da avaliacão do cicl...
Impactos ambientais da cadeia têxtil do algodão por meio da avaliacão do cicl...Impactos ambientais da cadeia têxtil do algodão por meio da avaliacão do cicl...
Impactos ambientais da cadeia têxtil do algodão por meio da avaliacão do cicl...
Priscila Pasti Barbosa
 

Semelhante a Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pragas quarentenárias (20)

I WSF, Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
I WSF,  Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...I WSF,  Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
I WSF, Brasília - Sílvia Helena aG. de Miranda - Análise Benefício-Custo par...
 
Impacto econômico da resistência no mundo
Impacto econômico da resistência no mundoImpacto econômico da resistência no mundo
Impacto econômico da resistência no mundo
 
Implem. e gerenc. de MIP.pptx
Implem. e gerenc. de MIP.pptxImplem. e gerenc. de MIP.pptx
Implem. e gerenc. de MIP.pptx
 
Citros - Manejo integrado de pragas na UFPR
Citros - Manejo integrado de pragas na UFPRCitros - Manejo integrado de pragas na UFPR
Citros - Manejo integrado de pragas na UFPR
 
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
 
PGR e Impactos das Mudanças das NR's1 e 9 para a Higiene Ocupacional.ppt...
PGR e Impactos das Mudanças das NR's1 e 9 para a Higiene Ocupacional.ppt...PGR e Impactos das Mudanças das NR's1 e 9 para a Higiene Ocupacional.ppt...
PGR e Impactos das Mudanças das NR's1 e 9 para a Higiene Ocupacional.ppt...
 
I Oficina Nacional para o VIGIPOS
I Oficina Nacional para o VIGIPOS I Oficina Nacional para o VIGIPOS
I Oficina Nacional para o VIGIPOS
 
PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016
 
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
Uso defensivos agricolas Brasil e mundo - Palestra Mario Von Zuben ABAG 06.08.19
 
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
Estado da arte do processo de REVISÃO DA PORTARIA GM/MS n°2.914/2011
 
Sistema de gestão ambiental
Sistema de gestão ambientalSistema de gestão ambiental
Sistema de gestão ambiental
 
Análise do ciclo de vida
Análise do ciclo de vidaAnálise do ciclo de vida
Análise do ciclo de vida
 
Lyfe Cycle Analyses: Concepts and Case Study - ERM
Lyfe Cycle Analyses: Concepts and Case Study - ERMLyfe Cycle Analyses: Concepts and Case Study - ERM
Lyfe Cycle Analyses: Concepts and Case Study - ERM
 
Análisis económicos de recuperación de pasturas degradadas y sistemas de prod...
Análisis económicos de recuperación de pasturas degradadas y sistemas de prod...Análisis económicos de recuperación de pasturas degradadas y sistemas de prod...
Análisis económicos de recuperación de pasturas degradadas y sistemas de prod...
 
Sistema de gestao ambiental
Sistema de gestao ambientalSistema de gestao ambiental
Sistema de gestao ambiental
 
1229273 tenuta
1229273 tenuta1229273 tenuta
1229273 tenuta
 
Agrotoxicos.pdf
Agrotoxicos.pdfAgrotoxicos.pdf
Agrotoxicos.pdf
 
Impacto agricultura precisão economia brasileira
Impacto agricultura precisão economia brasileiraImpacto agricultura precisão economia brasileira
Impacto agricultura precisão economia brasileira
 
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
7º Fórum Oncoguia - 28/06/2017 - Raquel Lisbôa (pt.2)
 
Impactos ambientais da cadeia têxtil do algodão por meio da avaliacão do cicl...
Impactos ambientais da cadeia têxtil do algodão por meio da avaliacão do cicl...Impactos ambientais da cadeia têxtil do algodão por meio da avaliacão do cicl...
Impactos ambientais da cadeia têxtil do algodão por meio da avaliacão do cicl...
 

Mais de Oxya Agro e Biociências

Flyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcanaFlyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcana
Oxya Agro e Biociências
 
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESPSegurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia VivaApresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Oxya Agro e Biociências
 
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitaisSegurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Oxya Agro e Biociências
 
Sistema GEDAVE
Sistema GEDAVESistema GEDAVE
Sistema GEDAVE
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAsApresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Oxya Agro e Biociências
 
Boas Práticas Regulatórias
Boas Práticas RegulatóriasBoas Práticas Regulatórias
Boas Práticas Regulatórias
Oxya Agro e Biociências
 
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto RegulatórioBoas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Oxya Agro e Biociências
 
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegaisCampanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Oxya Agro e Biociências
 
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileiraImpacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Oxya Agro e Biociências
 
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no BrasilImpacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Oxya Agro e Biociências
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afinsNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Oxya Agro e Biociências
 
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de AgrotóxicosNovas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Oxya Agro e Biociências
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicosNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Oxya Agro e Biociências
 
Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?
Oxya Agro e Biociências
 
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Oxya Agro e Biociências
 
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVEGestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Oxya Agro e Biociências
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Oxya Agro e Biociências
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na AnvisaSituação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Oxya Agro e Biociências
 
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Oxya Agro e Biociências
 

Mais de Oxya Agro e Biociências (20)

Flyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcanaFlyer eletrônico - simpdcana
Flyer eletrônico - simpdcana
 
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESPSegurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
Segurança da informação - ISO 27001 - PRODESP
 
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia VivaApresentação do Projeto Colmeia Viva
Apresentação do Projeto Colmeia Viva
 
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitaisSegurança no recebimento e guarda de documentos digitais
Segurança no recebimento e guarda de documentos digitais
 
Sistema GEDAVE
Sistema GEDAVESistema GEDAVE
Sistema GEDAVE
 
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAsApresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
Apresentação de Resultados Harmonização da Fiscalização - SFAs
 
Boas Práticas Regulatórias
Boas Práticas RegulatóriasBoas Práticas Regulatórias
Boas Práticas Regulatórias
 
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto RegulatórioBoas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
Boas Práticas Regulatórias: Análise de Impacto Regulatório
 
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegaisCampanha contra defensivos agrícolas ilegais
Campanha contra defensivos agrícolas ilegais
 
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileiraImpacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
Impacto da adoção de tecnologias na agricultura brasileira
 
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no BrasilImpacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
Impacto econômico de pragas agrícolas no Brasil
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afinsNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos e afins
 
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de AgrotóxicosNovas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
Novas Legislações e Procedimentos na área de Agrotóxicos
 
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicosNovas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
Novas legislações e procedimentos na área de agrotóxicos
 
Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?Gestão e Inovação, para quê?
Gestão e Inovação, para quê?
 
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
Programa Estadual de Análise Fiscais de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos ...
 
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVEGestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
Gestão de Defesa Animal e Vegetal - GEDAVE
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos no Brasil - Área A...
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na AnvisaSituação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
 
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
Sistema de Fiscalização do Comércio de Agrotóxicos no Estado de Rondônia - SI...
 

Último

EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
MelissaSouza39
 

Último (8)

EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
Grupo_3-Como_o_conhecimento_cientifico_e_construido_e_divulgado.pptx ________...
 

Combater ou conviver? Análise benefício - custo de programas de combate a pragas quarentenárias

  • 1. COMBATER OU CONVIVER? ANÁLISE BENEFÍCIO - CUSTO DE PROGRAMAS DE COMBATE A PRAGAS QUARENTENÁRIAS Sílvia Helena G. de Miranda Profa. ESALQ-USP Pesquisadora CEPEA/ESALQ Contato: shgdmira@usp.br Workshop Ameaças Fitossanitárias Fortaleza – CE 25/09/14
  • 2. 2 Roteiro da apresentação 1 – Introdução 2 – Análise Benefício-Custo 3 –Ilustrações da Aplicação da ABC 4 – Considerações Finais Referências Bibliográficas
  • 4. 4 Contextualização  Os impactos econômicos das pragas podem ser de grande magnitude, inviabilizar culturas, causar seu deslocamento, impedir exportações etc  Greening – São Paulo  Helicoverpa armigera  Ácaro vermelho das palmeiras – Raoiella indica no Caribe  A International Standards for Phytosanitary Measures (ISPM) 11 (FAO, 2006) estabelece que a ARP deve conter uma avaliação também dos impactos econômicos, sociais e ambientais Importância da quantificação dos impactos das pragas  para setor privado e público
  • 5. Impactos econômicos de pragas: alguns exemplos de estimativas • MMA (2008): estudos realizados nos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, África do Sul, Índia e Brasil => prejuízos anuais das pragas introduzidas em torno de US$ 250 bilhões. • Oliveira et al (2012): insetos considerados pragas causam perdas anuais de US$12 bilhões para a economia brasileira, sendo US$1,6 bilhão devido a pragas exóticas • Desde o final do século XIX: 24 espécies de pragas foram introduzidas no Brasil e causaram prejuízos econômicos significativos
  • 6. Defesa sanitária e questões econômicas 1 – Subsidiar decisões de intervenção dos governos, comunicação – transparência, definição de medidas compensatórias • Restrição orçamentária: A quantificação de impactos ajuda a amparar as escolhas em termos de alocação de recursos • Ações preventivas x ações curativas 2- Análise prévia de potenciais impactos econômicos, sociais e ambientais; planejamento para atenuar impactos na infra-estrutura e no ambiente institucional 3 – Interface com o âmbito regulatório internacional • Potencial impacto sobre comércio internacional • Análise de Risco de Praga: associar uma análise de impactos potenciais econômicos e socio-ambientais (ISPM n. 11 – IPPC) – importação de materiais vegetais • Notificações de políticas e regulamentos fitossanitários e sanitários informadas à OMC
  • 7. Avaliação de impactos de políticas • Com ampla abrangência, já é realidade nos países da OCDE – através da RIA (Regulatory Impact Assessment) ou AIR (Avaliação de Impacto Regulatório) • Pode ser ex-post ou ex-ante • No Brasil: ANVISA, INMETRO e iniciativa do PRO-REG pela Casa Civil (2007) – envolvendo diversas agências regulatórias 7
  • 8. 8 Metodologias adotadas por diversos países para AIR Países Metodologia (AIR) Áustria, Dinamarca, Reino Unido Análise Benefício-custo (ABC) Filândia ABC não completa/comparação entre os custos e benefícios Alemanha Técnicas de monetização dos custos e benefícios Hungria Técnicas de monetização dos custos e benefícios/ABC se possível Itália Análise Benefício-custo e Análise multicritério Holanda, Irlanda, Espanha, Suíça Aplicação de checklists Polônia Análise Benefício-custo ou análise de custos Suécia Análise Benefício-custo ou análise de custos Fonte: OECD (2004); APEC-OECD (2008)
  • 9. Tipos de impactos (casos envolvendo pragas e políticas fitossanitárias) • Impactos econômicos: - Redução da produtividade e produção ou de plantel - Elevação dos custos de produção (manejo, inspeção) - Redução nas exportações ou proibição de comércio - Choques sobre preços domésticos ou internacionais - Impactos sociais - Choques sobre mercado de empregos - Realocação regional de culturas e desarticulação de suas estruturas produtivas - Concentração industrial: inviabilização da pequena produção - Impactos ambientais - Intensificação no uso de agrotóxicos - Impactos sobre a biodiversidade - Contaminação de água e solo - Impactos institucionais • Redução de arrecadação tributária • Alterações em orçamento ou necessidade de recursos emergenciais • Aumento da demanda sobre serviços de sanidade ofertados pelos governos
  • 10. Métodos de quantificação econômica de impactos • Estimativas com base em perdas de produtividade (e produção): Bento (2000), Oliveira et al (2012) • Análise Custo-Efetividade: usada quando não se tem dados para medir os benefícios • Análise Benefício-Custo: • Possibilidade de sofisticação utilizando elasticidades e flexibilidades para estudar os efeitos das crises fitossanitárias sobre preços; e simulações de Monte-Carlo para construir intervalos de confiança para os resultados • Uso de instrumentos de análise econômica mais sofisticados: • Análise de Insumo-Produto (Costa e Guilhoto, 2012) • Modelos de Equilíbrio Parcial e de Equilíbrio Geral (trabalhos internacionais e sobre Gripe Aviária - Fachinello, 2008) • Soliman et al (2010): Avaliam o uso de técnicas para avaliação quantitativa de impacto econômico – orçamento parcial, equilíbrio parcial, insumo-produto, modelos computáveis de equilíbrio geral. • Propõem que o orçamento parcial seja conduzido em qualquer avaliação de risco e os demais, apenas quando seus ganhos superarem os custos e incertezas.
  • 12. Análise Benefício-Custo (ABC) • ABC: ex-ante ou ex-post • Consiste no cálculo do Valor Presente dos Benefícios e dos Custos (tangíveis e intangíveis) da implementação do projeto, programa ou regulamento, ao longo de um dado horizonte temporal relevante. • Definir os cenários que serão comparados (modelo epidemiológico e impactos/segmentos a serem analisados)* • Identificar os benefícios do controle ou erradicação da praga em cada cenário (“perdas evitadas”) • Identificar os custos para cada cenário • Valorar/Monetizar os benefícios e custos • Projetar esses valores para um horizonte temporal relevante • Comparar o Valor presente líquido (VPL) de cada cenário
  • 13. Vantagens e desvantagens da ABC • Vantagens • Facilidade de execução • Dados necessários • Fácil interpretação • Pode ser associada a outros instrumentos • Desvantagens • Restrita para avaliar médio e longo prazos • Não permite analisar as relações com outras variáveis que podem ser impactadas em decorrência dos impactos por ela medidos Soliman et al (2010): técnicas de maior alcance requerem UM MAIOR esforço e MAIS dados e agravam incertezas
  • 14. 3 – ILUSTRAÇÕES DA APLICAÇÃO DA ABC
  • 15. Exemplos de estudos no exterior • Rautapaa (1984) examinou os benefícios e custos de manter a Finlândia livre da mosca-minadora (Liriomyza trifolii), que ataca folhas de crisântemo; • Pemberton (1988): estudou os benefícios e custos da erradicação da bactéria Clavibacter michiganensis ssp. sependonicus, causadora da mancha–anelar-da-batata. • Vo e Miller (1995): avaliaram a possível entrada e dispersão da Bactrocera no Caribe, América do Sul e EUA (para 12 anos de projeção) • Calvin e Krissoff (1998): ABC + modelo de equilíbrio parcial aplicados pelos EUA para subsidiar as decisões do USDA sobre o comércio de maçãs com o Japão. • Macleod et al. (2003) e Breukers et al. (2008): usaram Orçamento Parcial para avaliar consequencias econômicas de invasão de praga quarentenária (nível nacional) • Peterson e Orden (2006): caso do abacate entre EUA e México • APHIS (2010): Estudo de impactos econômicos da Lobesia botrana (traça da videira) na California – utilizou uma ABC simplificada e enfatizou análise qualitativa dos benefícios
  • 16. Exemplos de estudos no Brasil • Bento (2000) – avaliação geral • Miranda et al (2010) – Mosca da carambola, Greening (ex-post) e Gripe aviária (ex-ante) • Miranda, Adami e Bassanezi (2011) – Greening São Paulo • Barreto et al (2011) – mosca da carambola • Oliveira et al (2012) – avaliação geral impactos de pragas • Oliveira (2012) – ABC do Greening (ex-ante) para a Bahia • Adami e Miranda (2013) – seguro fitossanitário Greening • Sanches e Miranda (2014) – cancro cítrico
  • 17. 17 Caso 1 –Mosca-da-carambola
  • 18. VPLA e relação Benefício-Custo do Programa de Erradicação da Mosca-da- Carambola para manga, goiaba e laranja. Projeção: 10 anos (taxa de desconto- TJLP). Em R$ de 2008
  • 19. Caso 2 - Resumo dos cenários e sub cenários simulados para o cancro cítrico (Sanches et al, 2014) PREVENÇÃO CONTROLE DOENÇA EM EXPANSÃO SEM CONTROLE Cen. 1 Cen. 2 Cen. 3A Cen. 3B Cen. 3C Cen. 3D Cen. 3E Cen. 3F Cen. 4 Quantidade de varreduras 0 6 0 6 6 6 6 6 0 Talhões que recebem varreduras 0% 2x o número de talhões infectados 0% 2x o número de talhões infectados 2x o número de talhões infectados 2x o número de talhões infectados 2x o número de talhões infectados 2x o número de talhões infectados 0% Quantidade de inspeções 1 1 0 1 1 1 1 1 0 Plantas erradicadas 0 100% dos talhões infectados 0 20% dos talhões infectados 40% dos talhões infectados 60% dos talhões infectados 90% dos talhões infectados 95% dos talhões infectados 0 Taxa de disseminação da doença 0 Controle Expansão 80% Expansão 60% Expansão 40% Expansão 10% Expansão 5% Expansão Expansão Quantidade de 0 0 5 jovens 5 jovens 5 jovens 5 jovens 5 jovens 5 jovens 0 aplicações cúpricas 3,5 formados 3,5 formados 3,5 formados 3,5 formados 3,5 formados 3,5 formados % de talhões que recebem aplicações cúpricas 0 0 100% dos talhões infectados 80% dos talhões infectados 60% dos talhões infectados 40% dos talhões infectados 10% dos talhões infectados 10% dos talhões infectados 0
  • 20. Relação Benefício-Custo calculada pela diferença entre o valor presente da produção e o custo total de produção com diferentes níveis de preço pago pela caixa de laranja. São Paulo, 2011 a 2030 (Sanches et al, 2014) Acumulado (anos) Preço da cx de 40,8 Kg (R$) Cen. 1 Cen. 2 Cen. 3A Cen. 3B Cen. 3C Cen. 3D Cen. 3E Cen 3F 3,3 0,48 0,25 1,18 0,00 -0,07 -0,09 -0,11 -0,11 5 anos 10,5 1,54 0,80 3,76 0,00 -0,21 -0,27 -0,36 -0,34 21,1 3,09 1,62 7,56 0,01 -0,42 -0,55 -0,71 -0,68 3,3 1,54 1,22 1,16 -0,09 -0,19 -0,08 0,35 0,45 10 anos 10,5 4,90 3,89 3,68 -0,28 -0,59 -0,24 1,13 1,45 21,1 9,84 7,81 7,40 -0,55 -1,19 -0,49 2,26 2,91 3,3 2,81 2,43 1,18 -0,18 -0,26 0,03 1,18 1,36 15 anos 10,5 8,94 7,74 3,76 -0,56 -0,84 0,09 3,74 4,34 21,1 17,96 15,55 7,56 -1,12 -1,69 0,19 7,51 8,72 3,3 3,84 3,34 1,19 -0,21 -0,24 0,16 1,78 2,02 20 anos 10,5 12,23 10,63 3,79 -0,66 -0,78 0,50 5,66 6,43 21,1 24,58 21,37 7,62 -1,33 -1,56 1,01 11,38 12,92
  • 21. 21 Caso 3 – Greening (HuangLongBing) • Estudos realizados em colaboração com o pesquisador Renato Bassanezi – Fundecitrus • Bactéria (Candidatus) transmitida pela Diaphorina citri (psilìdeo que se hospeda nos citros e na murta) ou por enxertia/mudas infectadas • Comentários importantes • Modelo epidemiológico • Projeções e dados do Fundecitrus • Já se observam mudanças relevantes na estrutura produtiva – desde adensamento dos plantios à concentração na produção de laranja
  • 22. 22 Incidência de HLB em plantas por tamanho de propriedades em SP. Fonte: dados do Fundecitrus Fonte: extraído de Bassanezi (2012), elaborado com dados do Fundecitrus.
  • 23. 23 Resultados da ABC para o programa de defesa fitossanitária do HLB do estado de São Paulo e do Sul do Triângulo Mineiro. Horizonte de projeção: 2009 a 2028 (Taxa de desconto TJLP) B/C para governo + Fundecitrus = 85,8 B/C (governo + Fundecitrus + produtores) = 6,1
  • 24. Adami e Miranda (2013): Relação benefício-custo do controle do HLB em função da produtividade média dos pomares. São Paulo (Simulação Monte Carlo)
  • 25. Atualmente: • Desenvolvimento de software para análise do HLB no âmbito de propriedades citrícolas – parceria com Fundecitrus • Estudo sobre potenciais impactos da Raoiella indica – parceria com Dra. Denise Navia • Projeto CVC – Parceria Embrapa Fruticultura Tropical e Mandioca, ADAB, ESALQ • Estudo “Avaliação do impacto econômico e socioambiental da política de defesa fitossanitária em cultivos de melão no Nordeste brasileiro: um estudo para a Área Livre de Anastrepha grandis” - pos-doutoranda Eliane Pinheiro • Estudo “Uma proposta metodológica para a análise de impactos econômicos e sociais de diferentes tecnologias de controle de pragas na citricultura” – pos-doutoranda Andréia Adami • Atualização do estudo para Mosca-da-Carambola – projeto TCC Breno Bícego – ESALQ/USP
  • 27. Considerações finais Resultados dos estudos de avaliação de impactos econômicos podem se tornar instrumento importante de planejamento público e mesmo privado • na regulamentação de pragas quarentenárias • para o planejamento de investimentos em pesquisa de novos produtos, controle biológico e registro de defensivos • para alocação de recursos para a defesa agropecuária • negociação internacional no âmbito fitossanitário Mesmo variando os cenários, os benefícios líquidos são significativos e a relação B/C das políticas de defesa é, em geral, alta para o Estado => PREVENIR é melhor do que CONVIVER
  • 28. Do ponto de vista de adoção de instrumentos econômicos de análise • Definição de instrumento flexível e de aplicação viável • ARP, ou de modo mais amplo para AIR • Importante levar em consideração estrutura administrativa e técnica existente para realizar os estudos: orçamento, equipe, objetivos das análises • Esforços na integração de bancos de dados • Ainda é preciso avançar na identificação, descrição e quantificação dos impactos sociais e ambientais (subestimados) • Articulação, sensibilização e ações conjuntas público-privadas 28
  • 29. 29 Algumas referências BENTO, J M S (2000). Comedores de Lucro. Cultivar 22: 18-21. COSTA, C.C.; GUILHOTO, J.J. M. Impactos Econômicos do Sistema de Detecção e Eliminação Precoce de Citros com Huanglongbing. Revista de Economia e Agronegócio, v.09, n.03. MIRANDA, S. H. G.; BARTHOLOMEU, D. B.; LIMA, L. M. Guia para Avaliação de Impacto Regulatório com Sustentabilidade (AIR-S). FEALQ-INMETRO. 2009. (Relatório de pesquisa). MIRANDA, S. H. G. ; BASSANEZI, R. B. ; ADAMI, A. C. O. . ABC das Ações de Defesa Fitossanitária para o HLB em São Paulo: lições para a Citricultura do Nordeste. Bahia Agrícola, v. 9, p. 64-71, 2011. MIRANDA, Sílvia H.G.; NASCIMENTO, A.M.; XIMENES, V.P.; BASSANEZI, R.B.. Uma Aplicação da Análise Benefício-Custo para Políticas de Defesa Sanitária: Alguns Estudos de Caso para o Brasil. Relatório de Pesquisa. 110p.2010 OLIVEIRA CM, Auad AM, Mendes SM, Frizzas MR (2012). Economic impact of exotic insect pests in Brazilian agriculture. Journal of Applied Enthomology doi: 10.1111/jen.12018. OLIVEIRA, J.M.C. Diaphorina citri Kuwayama,1908 E Candidatus Liberibacter spp: ASSOCIAÇÃO QUE COLOCA EM RISCO A CITRICULTURA BAIANA: uma estimativa do impacto econômico. (Dissertação de mestrado em Defesa Agropecuária – Cruz das Almas) 2012. SANCHES, A. L..; MIRANDA, S.H.G.. Avaliação econômica do cancro cítrico no Estado de São Paulo. Relatório de pesquisa para Fundecitrus. Circulação restrita. Março/2012. 38p. SOLIMAN A. T; MOURITS , M.C.M.; OUDE LANSINK, A .G.J.M.; ; W. VAN DER WERF. Economic impact assessment in pest risk analysis. Crop Protection, 29: 517–524, 2010. VO, T.T.; MILLER, C.E. (Coord.) Viabilidade Econômica da Erradicação da Mosca-da-carambola (Bactrocera carambolae) da América do Sul. APHIS/USDA(Relatório). Mimeo (Tradução de Regina Sugayama).1995. 42p.