SlideShare uma empresa Scribd logo
CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE
GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS
INFORMÁTICOS
Profª. Elisabete Neves
11º Ano
Módulo 3 - Sistema Operativo Servidor
Sistema operativo cliente servidor
 Servidor – computador que presta serviços a uma rede de computadores.
 Esses serviços podem ser de diversas naturezas, por exemplo, correio
eletrónico, FTP, Web.
 Os computadores que acedem aos serviços de um servidor são chamados
clientes.
 As redes que utilizam servidores são do tipo cliente-servidor, utilizadas em
redes de médio e grande porte.
 Segurança desempenha um papel de grande importância numa rede de
computadores.
Nota: O termo servidor é largamente aplicado a computadores completos, embora um servidor possa equivaler a um software ou a
partes de um computador.
Conceito
Sistema operativo cliente servidor
Cliente
• Máquinas que providenciam
serviços (ISP, FTP server, Web server)
Servidor
• Máquinas que utilizam os
serviços prestados pelos
servidores
Clientes e Servidores
Sistema operativo cliente servidor
• Os dados importantes são todos mantidos no
mesmo lugar.
Centralidade
• Dados protegidos por fortes ferramentas de
segurança, reduzindo a ameaça de intrusão.
Proteção
• Possibilidade de remover e adicionar clientes
sem afetar a operabilidade da rede e sem
alteração de grandes alterações.
Escalabilidade
• Requer pouca administração porque os clientes
não têm um papel importante.
Administração
Vantagens da utilização da arquitetura
Cliente/Servidor
Sistema operativo cliente servidor
Autenticação
(Utilizador/password)
• Permite o acesso às
funcionalidades
Ausência
de servidor
• Implicaria redundância de
informação por todos os
computadores
Implicaria
• Necessidade de configurar
cada máquina
independentemente para
funcionarem todas de igual
forma
Serviços e Servidores
Exemplo:
Existiam 50 turmas numa escola em
que cada uma representa um utilizador.
Sistema operativo cliente servidor
 Servidor proxy:
 Servidor de imagens
 Servidor FTP:
 Servidor webmail
 Servidor de sistema operativos
Tipos de servidores
Existem diversos tipos de servidores. Os mais conhecidos são:
 Servidor de Fax
 Servidor de ficheiros
 Servidor web
 Servidor de e-mail
 Servidor de impressão
 Servidor de base de dados
 Servidor DNS
Sistema operativo cliente servidor
Resumo
A utilização de um servidor permite:
• Maior segurança a uma rede
▫ Permite impor restrições nos acessos aos clientes
• Centralizar a informação
• Evita a redundância de informação
• Reduz os custos de manutenção
• Maior transparência e criação de hierarquias.
Otimização do Sistema Operativo
Servidor
Segundo Rosa(2013)
“A otimização passa por ter o servidor com um desempenho
tão bom quanto possível, à luz do hardware, do sistema
operativo e das tarefas que desempenha.”
Otimização do Sistema Operativo
Servidor
Otimização de um Servidor
Identificar os
estrangulamentos à
performance
Otimização do Sistema Operativo
Servidor
Princípios básicos da otimização:
• Determinar onde estão os estrangulamentos e eliminá-los;
• De cada vez que é removido um estrangulamento, ganhasse menos do que o
que se ganhou na remoção do anterior;
• Não é possível remover todos os estrangulamentos, ao remover-se um,
outros surgem naturalmente;
• Por vezes para melhorar as caraterísticas de um sistema num determinado
prisma, pode-se estar a piorá-las noutro;
• Algumas otimizações só se fazem à custa de dinheiro!
Otimização do Sistema operativo
servidor
Otimização em Windows Server 2012
Razões para manter o servidor otimizado:
 Aumentar o desempenho global do servidor, mantendo a sua atual
configuração;
 Saber onde deverá investir dinheiro com o objetivo de melhorar o
desempenho;
 Poder planear o dimensionamento do servidor no futuro;
 Disponibilizar informação relativamente a componentes que estejam a
funcionar de forma deficiente.
Otimização do Sistema Operativo
Servidor
Otimização em Windows Server 2012
A otimização da performance é feita sempre segundo
determinados objetivos:
 Melhor desempenho de um determinado processo;
 Melhor partilha do tempo de processador entre os vários processos;
 Mais memória livre no disco rígido;
 Otimização dos tempos de resposta;
 Diminuição de erros de sistema por falta de recursos.
BACKUPS - Cópias de segurança
 As cópias de segurança protege o sistema contra dois riscos:
 Falhas dos sistemas de disco;
 Alteração ou eliminação acidental de dados.
 A implementação de sistemas de discos com tolerância a falhas é uma
boa prática ;
 As cópias podem ser utilizadas para o restauro de serviços, arquivos ou
restauro do sistema;
 Permite aos administradores configurar as cópias num determinado
momento dos volumes de dados críticos sem a interrupção do serviço.
BACKUPS - Cópias de segurança
Boas práticas em cópias de segurança
 Frequência das cópias
 Uma boa prática será a realização frequente de cópias;
 Este tipo de cópias deverão ser realizadas durante a noite , num
período de menor dependência do servidor, porque este tipo de
operações causam degradação no desempenho do servidor.
 Armazenamento das cópias de segurança
 As cópias de segurança não deverão ser guardadas junto ao servidor;
 Os backups deverão ser armazenados noutras instalações ou num cofre
com proteção contra incêndio;
 Mesmo quando as cópias são feitas durante a noite, de manhã
devemos ter o cuidado de recolher o dispositivo.
BACKUPS - Cópias de segurança
Boas práticas em cópias de segurança
 Rotatividade de dispositivos
 Evitar de usar sempre o mesmo dispositivo e fazer cópias por cima
das anteriores;
 É conveniente ir rodando os dispositivos para onde se faz as cópias, e
não sobrepor cópias durante um certo período.
BACKUPS - Cópias de segurança
Windows Server Backup
• O Windows Server tem uma funcionalidade chamada Windows Server
Backup que permite a realização de cópias de segurança e do restauro
• Permite agendar uma cópia de segurança para que seja efetuada em
determinada data o com determinada frequência;
• Instalação: Features / Windows Server Backup
TIPOS DE BACKUPS
 Normal - copia todos os ficheiros selecionados e marca-os como
copiados.
 Cópia - copia todos os ficheiros selecionados mas não os marca como
copiados.
 Incremental - faz a cópia dos ficheiros selecionados não antes
copiados (marcados como copiados) ou alterados após a última cópia:
marca os copiados.
 Diferencial - copia ficheiros selecionados apenas se ainda não foram
copiados (não marcados como copiados) ou se foram alterados depois
da última cópia: não os marca como copiados.
 Diário - faz a cópia apenas dos ficheiros alterados nesse dia e não
marca os copiados.
ESTRATÉGIAS DE BACKUPS
 É importante definir um plano de backups. Aconselhe-se com quem
tiver mais experiência, mas uma boa ideia é fazer um backup
incremental por dia e um normal uma vez por semana.
 Passemos agora aos procedimentos de backups. Começaremos pelo
backup do Active Directory e depois avançaremos para outros
documentos.
BACKUP DO ACTIVE DIRECTORY
Siga os seguintes passos:
1/12
- Aceda ao menu Iniciar -> Todos os programas -> Acessórios ->
Ferramentas do sistema -> Cópia de segurança para iniciar o
Assistente de Backups. Desmarque a opção Iniciar sempre em modo
de assistente e reinicie a ferramenta de Cópia de segurança.
Tipos de licenças
 Software livre
 “Software livre" refere-se à liberdade dos utilizadores executarem,
copiarem, distribuírem, estudarem, modificarem e aperfeiçoarem o
software. Mais precisamente, para os utilizadores do software, refere-se
a quatro tipos de liberdade:
○ A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito.
○ A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as
suas necessidades.
○ A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar o seu
próximo.
○ A liberdade de aperfeiçoar o programa e publicar os seus
aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade beneficie.
Tipos de licenças
 Código Aberto – Open Source
 O movimento pelo código aberto foi iniciado por algumas pessoas que
admiravam os benefícios técnicos e económicos do código fonte
aberto e desenvolvimento aberto, e pouco ou nada se importavam
com os aspetos relativos à liberdade.
Contudo existe muito pouco software reconhecido pela iniciativa código
aberto que não é simultaneamente software livre, e a sigla FOSS (Free
and Open Source Software) é usada regularmente.
Tipos de Licenças
 Copyleft
 A maioria das licenças usadas na publicação de software livre permite
que os programas sejam modificados e redistribuídos. Estas práticas
são geralmente proibidas pela legislação internacional de copyright,
que tenta justamente impedir que alterações e cópias sejam efetuadas
sem a autorização do/s autor/es.
 As licenças que acompanham software livre fazem uso da legislação de
copyright para impedir utilização não autorizada, mas estas licenças
definem clara e explicitamente as condições sob as quais cópias,
modificações e redistribuições podem ser efetuadas, para garantir as
liberdades de modificar e redistribuir o software assim licenciado.
 A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft.
Tipos de Licenças
 GPL
 A Licença Pública Geral GNU (GNU General Public License GPL) é a
licença que acompanha os pacotes distribuídos pelo Projecto GNU, e
mais uma grande variedade de software, incluindo o núcleo do
sistema operativo Linux.
 A formulação da GPL é tal que ao invés de limitar a distribuição do
software por ela protegido, ela de facto impede que este software seja
integrado em software proprietário.
 A GPL é baseada na legislação internacional de copyright, o que deve
garantir cobertura legal para o software licenciado com a GPL.
Tipos de Licenças
 Freeware
 O termo freeware não possui uma definição amplamente aceite, mas é
usado com programas que permitem a redistribuição mas não a
modificação, e seu o código fonte não é disponibilizado.
 Shareware
 É um programa de computador disponibilizado gratuitamente, porém
com algum tipo de limitação. Geralmente possui funcionalidades
limitadas e/ou tempo de uso gratuito do software limitado, após o
qual o utilizador terá que pagar a licença para continuar a utilizá-lo.
Tipos de Licenças
 Software Proprietário
 É aquele cuja cópia, redistribuição ou modificação são em alguma
medida proibidos pelo seu proprietário. Para usar, copiar ou
redistribuir, deve-se solicitar permissão ao proprietário, ou pagar para
o poder fazer.
 Software Comercial
 É o software desenvolvido por uma empresa com o objetivo de lucrar
com sua utilização. É de referir que 'comercial' e 'proprietário' não
são o mesmo. A maioria do software comercial é proprietário mas
existe software livre que é comercial, e existe software não livre não
comercial.
Licenciamento do Windows
 Licenciamento de Caixa (Full Packaged Product - FPP)
 Essas licenças trazem numa única caixa (daí seu nome) a licença, os
direitos de uso / instalação e documentação. A instalação deste software
é permitida em num único computador.
Licenciamento do Windows
 Software pré-instalado num computador (OEM - Original
Equipment Manufacturer)
 Com este modo de aquisição, o software vem pré-instalado ao comprar um
computador ou um servidor. Assim, o hardware é fornecido com uma ou mais
licenças individuais.
 Atenção: esta licença está ligada à máquina e não pode ser reinstalada em outra
máquina. É necessário comprar outra licença quando o computador ou o servidor
é substituído.
 É facilmente reconhecível através do seu autocolante colocado na caixa do
computador.
Licenciamento do Windows
 Licenciamento em volume
 Destina-se a empresas que necessitem de cinco ou mais licenças, a
Microsoft oferece contratos de licenciamento chamados
licenciamento em volume. Estes tipos de programas de licenciamento
são feitos para corresponder exatamente às necessidades dos
diferentes tipos de organizações.
 Através de programas de licenciamento em volume da Microsoft, as
empresas (da pequena à multinacional) podem obter licenças para seu
software Microsoft de forma simples e económica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas de arquivos e partições
Sistemas de arquivos e partiçõesSistemas de arquivos e partições
Sistemas de arquivos e partições
Wesley Germano Otávio
 
Sistema operativo de rede
Sistema operativo de redeSistema operativo de rede
Sistema operativo de rede
André bogas
 
Projeto final instalação e configuração de redes locais
Projeto final  instalação e configuração de redes locaisProjeto final  instalação e configuração de redes locais
Projeto final instalação e configuração de redes locais
MarcoSoaresGI
 
Virtualização
VirtualizaçãoVirtualização
Virtualização
Wellington Oliveira
 
Aula- Virtualização
Aula- VirtualizaçãoAula- Virtualização
Aula- Virtualização
Jorge Ávila Miranda
 
Virtualização - Máquinas Virtuais
Virtualização - Máquinas VirtuaisVirtualização - Máquinas Virtuais
Virtualização - Máquinas Virtuais
André Felipe Santos Martins
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
vini_campos
 
Sistema Operativo Servidor
Sistema Operativo ServidorSistema Operativo Servidor
Sistema Operativo Servidor
Daniel Barros
 
Sistemas operacionais de redes particionamento de discos ii
Sistemas operacionais de redes   particionamento de discos iiSistemas operacionais de redes   particionamento de discos ii
Sistemas operacionais de redes particionamento de discos ii
Carlos Melo
 
Sistemas operativos módulo2 - ms dos
Sistemas operativos   módulo2 -  ms dosSistemas operativos   módulo2 -  ms dos
Sistemas operativos módulo2 - ms dos
teacherpereira
 
Sistemas operativos ficha formativa nº3 - resolução
Sistemas operativos   ficha formativa nº3 - resoluçãoSistemas operativos   ficha formativa nº3 - resolução
Sistemas operativos ficha formativa nº3 - resolução
teacherpereira
 
Windows Server 2008 - Marcio
Windows Server 2008 - MarcioWindows Server 2008 - Marcio
Windows Server 2008 - Marcio
Anderson Favaro
 
ApresentaçãO2 Sistema Operacional
ApresentaçãO2  Sistema OperacionalApresentaçãO2  Sistema Operacional
ApresentaçãO2 Sistema Operacional
Cláudia Costa
 
Trabalho de sistema operativo servidor
Trabalho de sistema operativo servidorTrabalho de sistema operativo servidor
Trabalho de sistema operativo servidor
dtml2k
 
Modelo TCP/IP
Modelo TCP/IPModelo TCP/IP
Aula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linuxAula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linux
Rogério Cardoso
 
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SOSistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Mauro Duarte
 
Sistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos ServidoresSistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos Servidores
Alexandre Maia
 
Aula 2 introdução a sistemas distribuídos
Aula 2   introdução a sistemas distribuídosAula 2   introdução a sistemas distribuídos
Aula 2 introdução a sistemas distribuídos
Eduardo de Lucena Falcão
 
Windows server 2012
Windows server 2012Windows server 2012
Windows server 2012
Jairo Soares Dolores Mosca
 

Mais procurados (20)

Sistemas de arquivos e partições
Sistemas de arquivos e partiçõesSistemas de arquivos e partições
Sistemas de arquivos e partições
 
Sistema operativo de rede
Sistema operativo de redeSistema operativo de rede
Sistema operativo de rede
 
Projeto final instalação e configuração de redes locais
Projeto final  instalação e configuração de redes locaisProjeto final  instalação e configuração de redes locais
Projeto final instalação e configuração de redes locais
 
Virtualização
VirtualizaçãoVirtualização
Virtualização
 
Aula- Virtualização
Aula- VirtualizaçãoAula- Virtualização
Aula- Virtualização
 
Virtualização - Máquinas Virtuais
Virtualização - Máquinas VirtuaisVirtualização - Máquinas Virtuais
Virtualização - Máquinas Virtuais
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
 
Sistema Operativo Servidor
Sistema Operativo ServidorSistema Operativo Servidor
Sistema Operativo Servidor
 
Sistemas operacionais de redes particionamento de discos ii
Sistemas operacionais de redes   particionamento de discos iiSistemas operacionais de redes   particionamento de discos ii
Sistemas operacionais de redes particionamento de discos ii
 
Sistemas operativos módulo2 - ms dos
Sistemas operativos   módulo2 -  ms dosSistemas operativos   módulo2 -  ms dos
Sistemas operativos módulo2 - ms dos
 
Sistemas operativos ficha formativa nº3 - resolução
Sistemas operativos   ficha formativa nº3 - resoluçãoSistemas operativos   ficha formativa nº3 - resolução
Sistemas operativos ficha formativa nº3 - resolução
 
Windows Server 2008 - Marcio
Windows Server 2008 - MarcioWindows Server 2008 - Marcio
Windows Server 2008 - Marcio
 
ApresentaçãO2 Sistema Operacional
ApresentaçãO2  Sistema OperacionalApresentaçãO2  Sistema Operacional
ApresentaçãO2 Sistema Operacional
 
Trabalho de sistema operativo servidor
Trabalho de sistema operativo servidorTrabalho de sistema operativo servidor
Trabalho de sistema operativo servidor
 
Modelo TCP/IP
Modelo TCP/IPModelo TCP/IP
Modelo TCP/IP
 
Aula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linuxAula 1 sistema operacional linux
Aula 1 sistema operacional linux
 
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SOSistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
Sistemas Operacionais - 03 - Tipos e Estrutura dos SO
 
Sistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos ServidoresSistemas Operativos Servidores
Sistemas Operativos Servidores
 
Aula 2 introdução a sistemas distribuídos
Aula 2   introdução a sistemas distribuídosAula 2   introdução a sistemas distribuídos
Aula 2 introdução a sistemas distribuídos
 
Windows server 2012
Windows server 2012Windows server 2012
Windows server 2012
 

Semelhante a Módulo 3-Sistema Operativo Servidor - V3.pdf

0798 manual.pdf
0798 manual.pdf0798 manual.pdf
0798 manual.pdf
luisamouro1
 
Sos final
Sos finalSos final
Introdução ao windows server
Introdução ao windows serverIntrodução ao windows server
Introdução ao windows server
GuiTelmoRicardo
 
Windows Vista , Seven , Server 2008 r2
Windows Vista , Seven , Server 2008 r2Windows Vista , Seven , Server 2008 r2
Windows Vista , Seven , Server 2008 r2
Flávio de Almeida Navarro
 
SI - Processos, Threads, Virtualização e Migração de Código
SI - Processos, Threads, Virtualização e Migração de CódigoSI - Processos, Threads, Virtualização e Migração de Código
SI - Processos, Threads, Virtualização e Migração de Código
Frederico Madeira
 
Guia de configuração de um servidor linux para utilização em uma pequena empresa
Guia de configuração de um servidor linux para utilização em uma pequena empresaGuia de configuração de um servidor linux para utilização em uma pequena empresa
Guia de configuração de um servidor linux para utilização em uma pequena empresa
SoftD Abreu
 
Sistemas Operacionais parte 2
Sistemas Operacionais  parte 2Sistemas Operacionais  parte 2
Sistemas Operacionais parte 2
Matheus Brito
 
Instalação e configuração do windows server 2003
Instalação e configuração do windows server 2003Instalação e configuração do windows server 2003
Instalação e configuração do windows server 2003
andrefrois2
 
Instalação do Windows Server 2003
Instalação do Windows Server 2003Instalação do Windows Server 2003
Instalação do Windows Server 2003
andrefrois2
 
Linux
LinuxLinux
Sistemas de controle de versão
Sistemas de controle de versãoSistemas de controle de versão
Sistemas de controle de versão
Marcos Pessoa
 
Manuten o do_sistema_operativo-vitor_n_brega_guardado_automaticamente_1
Manuten o do_sistema_operativo-vitor_n_brega_guardado_automaticamente_1Manuten o do_sistema_operativo-vitor_n_brega_guardado_automaticamente_1
Manuten o do_sistema_operativo-vitor_n_brega_guardado_automaticamente_1
Vitor Nobrega
 
Segurança em servidores Linux
Segurança em servidores LinuxSegurança em servidores Linux
Segurança em servidores Linux
Impacta Eventos
 
Sistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºanoSistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºano
Hus Juky
 
desafios na implementacao de sistemas distribuidos
desafios na implementacao de sistemas distribuidosdesafios na implementacao de sistemas distribuidos
desafios na implementacao de sistemas distribuidos
Hélio Jovo
 
Hardening
HardeningHardening
Hardening
Anderson Lago
 
Manutenção de Servidores.pptx
Manutenção de Servidores.pptxManutenção de Servidores.pptx
Manutenção de Servidores.pptx
ADASVIEIRAArmazmPara
 
Estruturas de Sistemas Operacionais
Estruturas de Sistemas OperacionaisEstruturas de Sistemas Operacionais
Estruturas de Sistemas Operacionais
Cid de Andrade
 
SlackWare - Leonel
SlackWare - LeonelSlackWare - Leonel
SlackWare - Leonel
Anderson Favaro
 
Sistema
SistemaSistema

Semelhante a Módulo 3-Sistema Operativo Servidor - V3.pdf (20)

0798 manual.pdf
0798 manual.pdf0798 manual.pdf
0798 manual.pdf
 
Sos final
Sos finalSos final
Sos final
 
Introdução ao windows server
Introdução ao windows serverIntrodução ao windows server
Introdução ao windows server
 
Windows Vista , Seven , Server 2008 r2
Windows Vista , Seven , Server 2008 r2Windows Vista , Seven , Server 2008 r2
Windows Vista , Seven , Server 2008 r2
 
SI - Processos, Threads, Virtualização e Migração de Código
SI - Processos, Threads, Virtualização e Migração de CódigoSI - Processos, Threads, Virtualização e Migração de Código
SI - Processos, Threads, Virtualização e Migração de Código
 
Guia de configuração de um servidor linux para utilização em uma pequena empresa
Guia de configuração de um servidor linux para utilização em uma pequena empresaGuia de configuração de um servidor linux para utilização em uma pequena empresa
Guia de configuração de um servidor linux para utilização em uma pequena empresa
 
Sistemas Operacionais parte 2
Sistemas Operacionais  parte 2Sistemas Operacionais  parte 2
Sistemas Operacionais parte 2
 
Instalação e configuração do windows server 2003
Instalação e configuração do windows server 2003Instalação e configuração do windows server 2003
Instalação e configuração do windows server 2003
 
Instalação do Windows Server 2003
Instalação do Windows Server 2003Instalação do Windows Server 2003
Instalação do Windows Server 2003
 
Linux
LinuxLinux
Linux
 
Sistemas de controle de versão
Sistemas de controle de versãoSistemas de controle de versão
Sistemas de controle de versão
 
Manuten o do_sistema_operativo-vitor_n_brega_guardado_automaticamente_1
Manuten o do_sistema_operativo-vitor_n_brega_guardado_automaticamente_1Manuten o do_sistema_operativo-vitor_n_brega_guardado_automaticamente_1
Manuten o do_sistema_operativo-vitor_n_brega_guardado_automaticamente_1
 
Segurança em servidores Linux
Segurança em servidores LinuxSegurança em servidores Linux
Segurança em servidores Linux
 
Sistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºanoSistemas operativos trabalho 10ºano
Sistemas operativos trabalho 10ºano
 
desafios na implementacao de sistemas distribuidos
desafios na implementacao de sistemas distribuidosdesafios na implementacao de sistemas distribuidos
desafios na implementacao de sistemas distribuidos
 
Hardening
HardeningHardening
Hardening
 
Manutenção de Servidores.pptx
Manutenção de Servidores.pptxManutenção de Servidores.pptx
Manutenção de Servidores.pptx
 
Estruturas de Sistemas Operacionais
Estruturas de Sistemas OperacionaisEstruturas de Sistemas Operacionais
Estruturas de Sistemas Operacionais
 
SlackWare - Leonel
SlackWare - LeonelSlackWare - Leonel
SlackWare - Leonel
 
Sistema
SistemaSistema
Sistema
 

Mais de FChico2

SOP M2 Apresentação 10ºAno v004.PDF
SOP M2 Apresentação 10ºAno v004.PDFSOP M2 Apresentação 10ºAno v004.PDF
SOP M2 Apresentação 10ºAno v004.PDF
FChico2
 
SOP M3 Apresentação 10ºAno v004.PDF
SOP M3 Apresentação 10ºAno v004.PDFSOP M3 Apresentação 10ºAno v004.PDF
SOP M3 Apresentação 10ºAno v004.PDF
FChico2
 
SOP Sumários T1 Módulo 1 10G v001.PDF
SOP Sumários T1 Módulo 1 10G v001.PDFSOP Sumários T1 Módulo 1 10G v001.PDF
SOP Sumários T1 Módulo 1 10G v001.PDF
FChico2
 
FES_SENAIPR_Processos.pdf
FES_SENAIPR_Processos.pdfFES_SENAIPR_Processos.pdf
FES_SENAIPR_Processos.pdf
FChico2
 
SO M2_apontamentos1.pdf
SO M2_apontamentos1.pdfSO M2_apontamentos1.pdf
SO M2_apontamentos1.pdf
FChico2
 
6_TI2007-Desenv_SI_e_DFD_v2.5.pdf
6_TI2007-Desenv_SI_e_DFD_v2.5.pdf6_TI2007-Desenv_SI_e_DFD_v2.5.pdf
6_TI2007-Desenv_SI_e_DFD_v2.5.pdf
FChico2
 
Aula 3 - Processos de Software.pdf
Aula 3 - Processos de Software.pdfAula 3 - Processos de Software.pdf
Aula 3 - Processos de Software.pdf
FChico2
 
silo.tips_sistemas-operacionais.pdf
silo.tips_sistemas-operacionais.pdfsilo.tips_sistemas-operacionais.pdf
silo.tips_sistemas-operacionais.pdf
FChico2
 

Mais de FChico2 (8)

SOP M2 Apresentação 10ºAno v004.PDF
SOP M2 Apresentação 10ºAno v004.PDFSOP M2 Apresentação 10ºAno v004.PDF
SOP M2 Apresentação 10ºAno v004.PDF
 
SOP M3 Apresentação 10ºAno v004.PDF
SOP M3 Apresentação 10ºAno v004.PDFSOP M3 Apresentação 10ºAno v004.PDF
SOP M3 Apresentação 10ºAno v004.PDF
 
SOP Sumários T1 Módulo 1 10G v001.PDF
SOP Sumários T1 Módulo 1 10G v001.PDFSOP Sumários T1 Módulo 1 10G v001.PDF
SOP Sumários T1 Módulo 1 10G v001.PDF
 
FES_SENAIPR_Processos.pdf
FES_SENAIPR_Processos.pdfFES_SENAIPR_Processos.pdf
FES_SENAIPR_Processos.pdf
 
SO M2_apontamentos1.pdf
SO M2_apontamentos1.pdfSO M2_apontamentos1.pdf
SO M2_apontamentos1.pdf
 
6_TI2007-Desenv_SI_e_DFD_v2.5.pdf
6_TI2007-Desenv_SI_e_DFD_v2.5.pdf6_TI2007-Desenv_SI_e_DFD_v2.5.pdf
6_TI2007-Desenv_SI_e_DFD_v2.5.pdf
 
Aula 3 - Processos de Software.pdf
Aula 3 - Processos de Software.pdfAula 3 - Processos de Software.pdf
Aula 3 - Processos de Software.pdf
 
silo.tips_sistemas-operacionais.pdf
silo.tips_sistemas-operacionais.pdfsilo.tips_sistemas-operacionais.pdf
silo.tips_sistemas-operacionais.pdf
 

Último

se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
zetec10
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
snerdct
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 

Último (6)

se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 

Módulo 3-Sistema Operativo Servidor - V3.pdf

  • 1. CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS Profª. Elisabete Neves 11º Ano Módulo 3 - Sistema Operativo Servidor
  • 2. Sistema operativo cliente servidor  Servidor – computador que presta serviços a uma rede de computadores.  Esses serviços podem ser de diversas naturezas, por exemplo, correio eletrónico, FTP, Web.  Os computadores que acedem aos serviços de um servidor são chamados clientes.  As redes que utilizam servidores são do tipo cliente-servidor, utilizadas em redes de médio e grande porte.  Segurança desempenha um papel de grande importância numa rede de computadores. Nota: O termo servidor é largamente aplicado a computadores completos, embora um servidor possa equivaler a um software ou a partes de um computador. Conceito
  • 3. Sistema operativo cliente servidor Cliente • Máquinas que providenciam serviços (ISP, FTP server, Web server) Servidor • Máquinas que utilizam os serviços prestados pelos servidores Clientes e Servidores
  • 4. Sistema operativo cliente servidor • Os dados importantes são todos mantidos no mesmo lugar. Centralidade • Dados protegidos por fortes ferramentas de segurança, reduzindo a ameaça de intrusão. Proteção • Possibilidade de remover e adicionar clientes sem afetar a operabilidade da rede e sem alteração de grandes alterações. Escalabilidade • Requer pouca administração porque os clientes não têm um papel importante. Administração Vantagens da utilização da arquitetura Cliente/Servidor
  • 5. Sistema operativo cliente servidor Autenticação (Utilizador/password) • Permite o acesso às funcionalidades Ausência de servidor • Implicaria redundância de informação por todos os computadores Implicaria • Necessidade de configurar cada máquina independentemente para funcionarem todas de igual forma Serviços e Servidores Exemplo: Existiam 50 turmas numa escola em que cada uma representa um utilizador.
  • 6. Sistema operativo cliente servidor  Servidor proxy:  Servidor de imagens  Servidor FTP:  Servidor webmail  Servidor de sistema operativos Tipos de servidores Existem diversos tipos de servidores. Os mais conhecidos são:  Servidor de Fax  Servidor de ficheiros  Servidor web  Servidor de e-mail  Servidor de impressão  Servidor de base de dados  Servidor DNS
  • 7. Sistema operativo cliente servidor Resumo A utilização de um servidor permite: • Maior segurança a uma rede ▫ Permite impor restrições nos acessos aos clientes • Centralizar a informação • Evita a redundância de informação • Reduz os custos de manutenção • Maior transparência e criação de hierarquias.
  • 8. Otimização do Sistema Operativo Servidor Segundo Rosa(2013) “A otimização passa por ter o servidor com um desempenho tão bom quanto possível, à luz do hardware, do sistema operativo e das tarefas que desempenha.”
  • 9. Otimização do Sistema Operativo Servidor Otimização de um Servidor Identificar os estrangulamentos à performance
  • 10. Otimização do Sistema Operativo Servidor Princípios básicos da otimização: • Determinar onde estão os estrangulamentos e eliminá-los; • De cada vez que é removido um estrangulamento, ganhasse menos do que o que se ganhou na remoção do anterior; • Não é possível remover todos os estrangulamentos, ao remover-se um, outros surgem naturalmente; • Por vezes para melhorar as caraterísticas de um sistema num determinado prisma, pode-se estar a piorá-las noutro; • Algumas otimizações só se fazem à custa de dinheiro!
  • 11. Otimização do Sistema operativo servidor Otimização em Windows Server 2012 Razões para manter o servidor otimizado:  Aumentar o desempenho global do servidor, mantendo a sua atual configuração;  Saber onde deverá investir dinheiro com o objetivo de melhorar o desempenho;  Poder planear o dimensionamento do servidor no futuro;  Disponibilizar informação relativamente a componentes que estejam a funcionar de forma deficiente.
  • 12. Otimização do Sistema Operativo Servidor Otimização em Windows Server 2012 A otimização da performance é feita sempre segundo determinados objetivos:  Melhor desempenho de um determinado processo;  Melhor partilha do tempo de processador entre os vários processos;  Mais memória livre no disco rígido;  Otimização dos tempos de resposta;  Diminuição de erros de sistema por falta de recursos.
  • 13. BACKUPS - Cópias de segurança  As cópias de segurança protege o sistema contra dois riscos:  Falhas dos sistemas de disco;  Alteração ou eliminação acidental de dados.  A implementação de sistemas de discos com tolerância a falhas é uma boa prática ;  As cópias podem ser utilizadas para o restauro de serviços, arquivos ou restauro do sistema;  Permite aos administradores configurar as cópias num determinado momento dos volumes de dados críticos sem a interrupção do serviço.
  • 14. BACKUPS - Cópias de segurança Boas práticas em cópias de segurança  Frequência das cópias  Uma boa prática será a realização frequente de cópias;  Este tipo de cópias deverão ser realizadas durante a noite , num período de menor dependência do servidor, porque este tipo de operações causam degradação no desempenho do servidor.  Armazenamento das cópias de segurança  As cópias de segurança não deverão ser guardadas junto ao servidor;  Os backups deverão ser armazenados noutras instalações ou num cofre com proteção contra incêndio;  Mesmo quando as cópias são feitas durante a noite, de manhã devemos ter o cuidado de recolher o dispositivo.
  • 15. BACKUPS - Cópias de segurança Boas práticas em cópias de segurança  Rotatividade de dispositivos  Evitar de usar sempre o mesmo dispositivo e fazer cópias por cima das anteriores;  É conveniente ir rodando os dispositivos para onde se faz as cópias, e não sobrepor cópias durante um certo período.
  • 16. BACKUPS - Cópias de segurança Windows Server Backup • O Windows Server tem uma funcionalidade chamada Windows Server Backup que permite a realização de cópias de segurança e do restauro • Permite agendar uma cópia de segurança para que seja efetuada em determinada data o com determinada frequência; • Instalação: Features / Windows Server Backup
  • 17. TIPOS DE BACKUPS  Normal - copia todos os ficheiros selecionados e marca-os como copiados.  Cópia - copia todos os ficheiros selecionados mas não os marca como copiados.  Incremental - faz a cópia dos ficheiros selecionados não antes copiados (marcados como copiados) ou alterados após a última cópia: marca os copiados.  Diferencial - copia ficheiros selecionados apenas se ainda não foram copiados (não marcados como copiados) ou se foram alterados depois da última cópia: não os marca como copiados.  Diário - faz a cópia apenas dos ficheiros alterados nesse dia e não marca os copiados.
  • 18. ESTRATÉGIAS DE BACKUPS  É importante definir um plano de backups. Aconselhe-se com quem tiver mais experiência, mas uma boa ideia é fazer um backup incremental por dia e um normal uma vez por semana.  Passemos agora aos procedimentos de backups. Começaremos pelo backup do Active Directory e depois avançaremos para outros documentos.
  • 19. BACKUP DO ACTIVE DIRECTORY Siga os seguintes passos: 1/12 - Aceda ao menu Iniciar -> Todos os programas -> Acessórios -> Ferramentas do sistema -> Cópia de segurança para iniciar o Assistente de Backups. Desmarque a opção Iniciar sempre em modo de assistente e reinicie a ferramenta de Cópia de segurança.
  • 20. Tipos de licenças  Software livre  “Software livre" refere-se à liberdade dos utilizadores executarem, copiarem, distribuírem, estudarem, modificarem e aperfeiçoarem o software. Mais precisamente, para os utilizadores do software, refere-se a quatro tipos de liberdade: ○ A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. ○ A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. ○ A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar o seu próximo. ○ A liberdade de aperfeiçoar o programa e publicar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade beneficie.
  • 21. Tipos de licenças  Código Aberto – Open Source  O movimento pelo código aberto foi iniciado por algumas pessoas que admiravam os benefícios técnicos e económicos do código fonte aberto e desenvolvimento aberto, e pouco ou nada se importavam com os aspetos relativos à liberdade. Contudo existe muito pouco software reconhecido pela iniciativa código aberto que não é simultaneamente software livre, e a sigla FOSS (Free and Open Source Software) é usada regularmente.
  • 22. Tipos de Licenças  Copyleft  A maioria das licenças usadas na publicação de software livre permite que os programas sejam modificados e redistribuídos. Estas práticas são geralmente proibidas pela legislação internacional de copyright, que tenta justamente impedir que alterações e cópias sejam efetuadas sem a autorização do/s autor/es.  As licenças que acompanham software livre fazem uso da legislação de copyright para impedir utilização não autorizada, mas estas licenças definem clara e explicitamente as condições sob as quais cópias, modificações e redistribuições podem ser efetuadas, para garantir as liberdades de modificar e redistribuir o software assim licenciado.  A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft.
  • 23. Tipos de Licenças  GPL  A Licença Pública Geral GNU (GNU General Public License GPL) é a licença que acompanha os pacotes distribuídos pelo Projecto GNU, e mais uma grande variedade de software, incluindo o núcleo do sistema operativo Linux.  A formulação da GPL é tal que ao invés de limitar a distribuição do software por ela protegido, ela de facto impede que este software seja integrado em software proprietário.  A GPL é baseada na legislação internacional de copyright, o que deve garantir cobertura legal para o software licenciado com a GPL.
  • 24. Tipos de Licenças  Freeware  O termo freeware não possui uma definição amplamente aceite, mas é usado com programas que permitem a redistribuição mas não a modificação, e seu o código fonte não é disponibilizado.  Shareware  É um programa de computador disponibilizado gratuitamente, porém com algum tipo de limitação. Geralmente possui funcionalidades limitadas e/ou tempo de uso gratuito do software limitado, após o qual o utilizador terá que pagar a licença para continuar a utilizá-lo.
  • 25. Tipos de Licenças  Software Proprietário  É aquele cuja cópia, redistribuição ou modificação são em alguma medida proibidos pelo seu proprietário. Para usar, copiar ou redistribuir, deve-se solicitar permissão ao proprietário, ou pagar para o poder fazer.  Software Comercial  É o software desenvolvido por uma empresa com o objetivo de lucrar com sua utilização. É de referir que 'comercial' e 'proprietário' não são o mesmo. A maioria do software comercial é proprietário mas existe software livre que é comercial, e existe software não livre não comercial.
  • 26. Licenciamento do Windows  Licenciamento de Caixa (Full Packaged Product - FPP)  Essas licenças trazem numa única caixa (daí seu nome) a licença, os direitos de uso / instalação e documentação. A instalação deste software é permitida em num único computador.
  • 27. Licenciamento do Windows  Software pré-instalado num computador (OEM - Original Equipment Manufacturer)  Com este modo de aquisição, o software vem pré-instalado ao comprar um computador ou um servidor. Assim, o hardware é fornecido com uma ou mais licenças individuais.  Atenção: esta licença está ligada à máquina e não pode ser reinstalada em outra máquina. É necessário comprar outra licença quando o computador ou o servidor é substituído.  É facilmente reconhecível através do seu autocolante colocado na caixa do computador.
  • 28. Licenciamento do Windows  Licenciamento em volume  Destina-se a empresas que necessitem de cinco ou mais licenças, a Microsoft oferece contratos de licenciamento chamados licenciamento em volume. Estes tipos de programas de licenciamento são feitos para corresponder exatamente às necessidades dos diferentes tipos de organizações.  Através de programas de licenciamento em volume da Microsoft, as empresas (da pequena à multinacional) podem obter licenças para seu software Microsoft de forma simples e económica.