SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Lendas e Mitos ÁGUA
Lendas
[object Object]
Lenda do Rio Tejo
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Lenda do Rio Mondego
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Lenda do Rio Douro
 
Há centenas de anos, a Pátria começava aqui! Sabiam-no os Romanos, os Gregos, os Cartagineses, os Fenícios, os Vândalos, os Suevos, os Alanos e os Moiros; só alguns de nós é que não... Do interior profundo, sedento de distâncias, agreste como o leito que o embalou, surge acolá naquela curva o rei dos reis, o senhor das montanhas coroado por amendoeiras e vinhedos. Corta o país em dois e maior feito não há.   Bom barqueiro, bom barqueiro, deixa-me passar, eu levo o rio comigo não o posso demorar. Ele quer chegar à foz, ele quer chegar ao mar, bom barqueiro, bom barqueiro, deixa-nos passar...
Lenda do Rio Ave
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Lenda do Rio Lima
. Chegando à outra margem Os Romanos acreditavam que entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos havia uma fronteira. Essa fronteira era o rio Lethes, também chamado rio do esquecimento porque as suas águas tinham como efeito apagar a memória, fazer esquecer tudo o que acontecera em vida. As almas dos mortos reuniam-se à beira do rio, aguardando a sua vez de beber um gole de água, e só depois entravam na barca que as levaria à outra margem. No ano de 136 a.C. um exército romano comandado por Décios Junos Brutos fez muitas conquistas no território que veio a ser Portugal. Os soldados atravessaram o Tejo perto da ilha de Almorol, depois atravessaram o Zêzere, o Mondego, o Vouga, o Douro sem problema nenhum.
Mas por qualquer motivo que se desconhece  ficaram aterrorizados quando se aproximaram da margem do rio Lima e recusaram-se  a sulcar aquelas águas.  Convenceram-se que aquele era o tal rio Lethes, o rio do esquecimento que conduzia ao mundo dos mortos! Brutos, não conseguia que penssassem o contrário, então para dar o exemplo, atravessou para o lado de lá, levando consigo apenas o estandarte com as águias, que era o símbolo do Império Romano. Acenou e gritou que estava vivo e que não se tinha esquecido de nada... Só então os soldados resolveram segui-lo...
pois uma  lenda  sobre a origem do nome « Sever » refere que um cavaleiro teria dito a umas senhoras que precisavam de se refrescar e compor que perto havia um  rio  em que «era bom de  Se ver ». S ever   é o nome de um rio do extremo leste de Portugal, que  c onstitui parte da fronteira do distrito de Portalegre com Espanha.  N asce na Serra de São Mamede, recebe águas de Espanha e  u ne-se ao Tejo quando este deixa a Espanha.
Mitos MITOS
" O mito conta uma história sagrada; relata um acontecimento que teve lugar num tempo primordial - o tempo fabuloso das "origens".  O mito conta como, graças às acções primordiais dos seres sobrenaturais surgiu um facto qualquer, seja a realidade total - o Cosmos- seja apenas um dos seus fragmentos, tais como: uma ilha, um comportamento humano ou uma instituição. O mito surge como uma narrativa duma "criação".  As personagens dos mitos são seres sobrenaturais.
 
[object Object],Arca de Noé
[object Object]
O Nilo e as suas Guerras
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
a deusa protectora do Alto Egipto. Hathor, além de ser a vaca criadora de tudo o que era  visível e a protectora das mulheres  na maternidade, também estava situada no limite entre as terras férteis e as secas, oferecendo das figueiras a água e o păo aos mortos que se aproximavam do seu terreno para fazer-lhes saber que eram bem-vindos.
A Mãe D'Água
[object Object]
A Mitologia é um dos repositórios do conhecimento humano. Assim, através da interpretação dos mitos, alguns autores desenvolvem um trabalho que tem como finalidade resgatar este conhecimento adormecido no inconsciente, restaurando e vitalizando o significado mais profundo contido nestas narrações. Raíssa Cavalcanti, no livro “Mitos da Água”, trabalha na recuperação dessa memória ancestral e faz uma investigação do processo evolutivo e da finalidade espiritual da vida humana. Desta forma, selecciona mitos relacionados com a água, considerada um dos elementos essenciais formadores da vida, a “Prima Matéria”, pois acreditamos que o projecto evolutivo do homem está ligado à evolução do cosmo como um todo. A antropogênese está relacionada à cosmogênese.  MITOS DA ÁGUA
[object Object],[object Object],[object Object],Bibliografia
Trabalho elaborado por:  Marco Pinho,Ana Mirrado,Ana Carolina e João Realinho
Para os Professores: António Tavares e Filomena Póvoas
ÁREA DE PROJECTO 5ºB
Fim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivofranciscaf
 
CEL: Classificação das Palavras Quanto à Posição da Sílaba Tónica
CEL: Classificação das Palavras Quanto à Posição da Sílaba Tónica CEL: Classificação das Palavras Quanto à Posição da Sílaba Tónica
CEL: Classificação das Palavras Quanto à Posição da Sílaba Tónica A. Simoes
 
Recursosexpressivosportuguês 6º ano 2017
Recursosexpressivosportuguês 6º ano 2017Recursosexpressivosportuguês 6º ano 2017
Recursosexpressivosportuguês 6º ano 2017Carla Barros
 
Pronomes demonstrativos vs Determinantes Demonstrativos
Pronomes demonstrativos vs Determinantes DemonstrativosPronomes demonstrativos vs Determinantes Demonstrativos
Pronomes demonstrativos vs Determinantes DemonstrativosA. Simoes
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do infernoMaria Rodrigues
 
Mat5 t3-05-relacoes-entre-angulos
Mat5 t3-05-relacoes-entre-angulosMat5 t3-05-relacoes-entre-angulos
Mat5 t3-05-relacoes-entre-angulosPaula Gomes
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoGabriel Lima
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativafercariagomes
 
Determinantes e pronomes - resumo teórico
Determinantes e pronomes -  resumo teóricoDeterminantes e pronomes -  resumo teórico
Determinantes e pronomes - resumo teóricoAna Tapadinhas
 
Animação da leitura atividade 1 a maior flor do mundo
Animação da leitura atividade 1   a maior flor do mundoAnimação da leitura atividade 1   a maior flor do mundo
Animação da leitura atividade 1 a maior flor do mundoLucília Lopes
 
A Fada Oriana Capitulos I e II
A Fada Oriana Capitulos I e IIA Fada Oriana Capitulos I e II
A Fada Oriana Capitulos I e IISlidesDoCostume
 

Mais procurados (20)

Auto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivoAuto da barca do inferno - texto expositivo
Auto da barca do inferno - texto expositivo
 
CEL: Classificação das Palavras Quanto à Posição da Sílaba Tónica
CEL: Classificação das Palavras Quanto à Posição da Sílaba Tónica CEL: Classificação das Palavras Quanto à Posição da Sílaba Tónica
CEL: Classificação das Palavras Quanto à Posição da Sílaba Tónica
 
Graus dos adjetivos
Graus dos adjetivosGraus dos adjetivos
Graus dos adjetivos
 
Aia
AiaAia
Aia
 
Recursosexpressivosportuguês 6º ano 2017
Recursosexpressivosportuguês 6º ano 2017Recursosexpressivosportuguês 6º ano 2017
Recursosexpressivosportuguês 6º ano 2017
 
Pronomes demonstrativos vs Determinantes Demonstrativos
Pronomes demonstrativos vs Determinantes DemonstrativosPronomes demonstrativos vs Determinantes Demonstrativos
Pronomes demonstrativos vs Determinantes Demonstrativos
 
Texto poético.ppt
Texto poético.pptTexto poético.ppt
Texto poético.ppt
 
Auto da barca do inferno
Auto da barca do infernoAuto da barca do inferno
Auto da barca do inferno
 
Mat5 t3-05-relacoes-entre-angulos
Mat5 t3-05-relacoes-entre-angulosMat5 t3-05-relacoes-entre-angulos
Mat5 t3-05-relacoes-entre-angulos
 
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º anoOs lusíadas tempestade - Português 9º ano
Os lusíadas tempestade - Português 9º ano
 
Miguel torga
Miguel torgaMiguel torga
Miguel torga
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
 
Resumo fada oriana
Resumo fada orianaResumo fada oriana
Resumo fada oriana
 
Subclasses dos verbos
Subclasses dos verbosSubclasses dos verbos
Subclasses dos verbos
 
Texto dramatico
Texto dramaticoTexto dramatico
Texto dramatico
 
Ciencias naturais 3
Ciencias naturais 3Ciencias naturais 3
Ciencias naturais 3
 
Determinantes e pronomes - resumo teórico
Determinantes e pronomes -  resumo teóricoDeterminantes e pronomes -  resumo teórico
Determinantes e pronomes - resumo teórico
 
Tipologia textual6
Tipologia textual6Tipologia textual6
Tipologia textual6
 
Animação da leitura atividade 1 a maior flor do mundo
Animação da leitura atividade 1   a maior flor do mundoAnimação da leitura atividade 1   a maior flor do mundo
Animação da leitura atividade 1 a maior flor do mundo
 
A Fada Oriana Capitulos I e II
A Fada Oriana Capitulos I e IIA Fada Oriana Capitulos I e II
A Fada Oriana Capitulos I e II
 

Semelhante a Lendas E Mitos

Lendas das regiões autónomas de Portugal
Lendas das regiões autónomas de PortugalLendas das regiões autónomas de Portugal
Lendas das regiões autónomas de Portugalguest1b247a
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei a.s franchiniDenilza Willian
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei a.s franchiniMaureen Bruxa
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini 2
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini 2100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini 2
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini 2Catarina Cartaxo
 
10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneraçãosidneyjorge
 
14 maria de magdala
14 maria de magdala14 maria de magdala
14 maria de magdalasidneyjorge
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugalJWM V.
 
Lendas de alguns distritos de Portugal
Lendas de alguns distritos de PortugalLendas de alguns distritos de Portugal
Lendas de alguns distritos de Portugalguest1b247a
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catMariana
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catIsabel Ribeiro
 
( Espiritismo) # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
( Espiritismo)   # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...( Espiritismo)   # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
( Espiritismo) # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Apresentação1 porto santo
Apresentação1  porto santoApresentação1  porto santo
Apresentação1 porto santo1324658709
 

Semelhante a Lendas E Mitos (20)

Lendas das regiões autónomas de Portugal
Lendas das regiões autónomas de PortugalLendas das regiões autónomas de Portugal
Lendas das regiões autónomas de Portugal
 
Adaptação D&D 4th
Adaptação D&D 4thAdaptação D&D 4th
Adaptação D&D 4th
 
Adaptação D&D 4th
Adaptação D&D 4thAdaptação D&D 4th
Adaptação D&D 4th
 
Lendas,Tradições
Lendas,TradiçõesLendas,Tradições
Lendas,Tradições
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini
 
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini 2
100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini 2100 lendas do folclore brasilei   a.s franchini 2
100 lendas do folclore brasilei a.s franchini 2
 
10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração10 a transformação do homem na era da regeneração
10 a transformação do homem na era da regeneração
 
14 maria de magdala
14 maria de magdala14 maria de magdala
14 maria de magdala
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Lendas de Portugal
Lendas de PortugalLendas de Portugal
Lendas de Portugal
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
 
Francisco 7ºd
Francisco 7ºdFrancisco 7ºd
Francisco 7ºd
 
Lendas de alguns distritos de Portugal
Lendas de alguns distritos de PortugalLendas de alguns distritos de Portugal
Lendas de alguns distritos de Portugal
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão cat
 
O cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão catO cavaleiro da dinamarca versão cat
O cavaleiro da dinamarca versão cat
 
Francisco... 7ºd
Francisco... 7ºdFrancisco... 7ºd
Francisco... 7ºd
 
( Espiritismo) # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
( Espiritismo)   # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...( Espiritismo)   # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
( Espiritismo) # - andre luiz - francisco c xavier - a lenda do peixinho ve...
 
Apresentação1 porto santo
Apresentação1  porto santoApresentação1  porto santo
Apresentação1 porto santo
 

Mais de Maria Filomena

Mais de Maria Filomena (17)

RESPIRAÇÃO CELULAR E SISTEMA EXCRETOR
RESPIRAÇÃO CELULAR E SISTEMA EXCRETORRESPIRAÇÃO CELULAR E SISTEMA EXCRETOR
RESPIRAÇÃO CELULAR E SISTEMA EXCRETOR
 
O Caule
O CauleO Caule
O Caule
 
Power Point Raiz
Power Point RaizPower Point Raiz
Power Point Raiz
 
LocomoçAo No Ar
LocomoçAo No ArLocomoçAo No Ar
LocomoçAo No Ar
 
LocomoçAo No Solo
LocomoçAo No SoloLocomoçAo No Solo
LocomoçAo No Solo
 
Locomo%C3%A7%C3%A3o Na Agua[1]
Locomo%C3%A7%C3%A3o Na Agua[1]Locomo%C3%A7%C3%A3o Na Agua[1]
Locomo%C3%A7%C3%A3o Na Agua[1]
 
Trabalhouniao Europeia
Trabalhouniao EuropeiaTrabalhouniao Europeia
Trabalhouniao Europeia
 
MicróBios
MicróBiosMicróBios
MicróBios
 
água
águaágua
água
 
O Sistema Reprodutor
O Sistema ReprodutorO Sistema Reprodutor
O Sistema Reprodutor
 
Slides1
Slides1Slides1
Slides1
 
Joana E Liliana E Rafaela
Joana E  Liliana E  RafaelaJoana E  Liliana E  Rafaela
Joana E Liliana E Rafaela
 
ÁGua
ÁGuaÁGua
ÁGua
 
Diversidade Nos Animais
Diversidade Nos  AnimaisDiversidade Nos  Animais
Diversidade Nos Animais
 
Animais Revestimento Do Corpo
Animais    Revestimento Do  CorpoAnimais    Revestimento Do  Corpo
Animais Revestimento Do Corpo
 
Ivan E Filipe 5ªB
Ivan E Filipe 5ªBIvan E Filipe 5ªB
Ivan E Filipe 5ªB
 
Powerpoint Diversidade
Powerpoint DiversidadePowerpoint Diversidade
Powerpoint Diversidade
 

Lendas E Mitos

  • 3.
  • 5.
  • 6. Lenda do Rio Mondego
  • 7.
  • 8. Lenda do Rio Douro
  • 9.  
  • 10. Há centenas de anos, a Pátria começava aqui! Sabiam-no os Romanos, os Gregos, os Cartagineses, os Fenícios, os Vândalos, os Suevos, os Alanos e os Moiros; só alguns de nós é que não... Do interior profundo, sedento de distâncias, agreste como o leito que o embalou, surge acolá naquela curva o rei dos reis, o senhor das montanhas coroado por amendoeiras e vinhedos. Corta o país em dois e maior feito não há. Bom barqueiro, bom barqueiro, deixa-me passar, eu levo o rio comigo não o posso demorar. Ele quer chegar à foz, ele quer chegar ao mar, bom barqueiro, bom barqueiro, deixa-nos passar...
  • 12.
  • 13. Lenda do Rio Lima
  • 14. . Chegando à outra margem Os Romanos acreditavam que entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos havia uma fronteira. Essa fronteira era o rio Lethes, também chamado rio do esquecimento porque as suas águas tinham como efeito apagar a memória, fazer esquecer tudo o que acontecera em vida. As almas dos mortos reuniam-se à beira do rio, aguardando a sua vez de beber um gole de água, e só depois entravam na barca que as levaria à outra margem. No ano de 136 a.C. um exército romano comandado por Décios Junos Brutos fez muitas conquistas no território que veio a ser Portugal. Os soldados atravessaram o Tejo perto da ilha de Almorol, depois atravessaram o Zêzere, o Mondego, o Vouga, o Douro sem problema nenhum.
  • 15. Mas por qualquer motivo que se desconhece ficaram aterrorizados quando se aproximaram da margem do rio Lima e recusaram-se a sulcar aquelas águas. Convenceram-se que aquele era o tal rio Lethes, o rio do esquecimento que conduzia ao mundo dos mortos! Brutos, não conseguia que penssassem o contrário, então para dar o exemplo, atravessou para o lado de lá, levando consigo apenas o estandarte com as águias, que era o símbolo do Império Romano. Acenou e gritou que estava vivo e que não se tinha esquecido de nada... Só então os soldados resolveram segui-lo...
  • 16. pois uma lenda sobre a origem do nome « Sever » refere que um cavaleiro teria dito a umas senhoras que precisavam de se refrescar e compor que perto havia um rio em que «era bom de Se ver ». S ever é o nome de um rio do extremo leste de Portugal, que c onstitui parte da fronteira do distrito de Portalegre com Espanha. N asce na Serra de São Mamede, recebe águas de Espanha e u ne-se ao Tejo quando este deixa a Espanha.
  • 18. " O mito conta uma história sagrada; relata um acontecimento que teve lugar num tempo primordial - o tempo fabuloso das "origens". O mito conta como, graças às acções primordiais dos seres sobrenaturais surgiu um facto qualquer, seja a realidade total - o Cosmos- seja apenas um dos seus fragmentos, tais como: uma ilha, um comportamento humano ou uma instituição. O mito surge como uma narrativa duma "criação". As personagens dos mitos são seres sobrenaturais.
  • 19.  
  • 20.
  • 21.
  • 22. O Nilo e as suas Guerras
  • 23.
  • 24.
  • 25. a deusa protectora do Alto Egipto. Hathor, além de ser a vaca criadora de tudo o que era visível e a protectora das mulheres na maternidade, também estava situada no limite entre as terras férteis e as secas, oferecendo das figueiras a água e o păo aos mortos que se aproximavam do seu terreno para fazer-lhes saber que eram bem-vindos.
  • 27.
  • 28. A Mitologia é um dos repositórios do conhecimento humano. Assim, através da interpretação dos mitos, alguns autores desenvolvem um trabalho que tem como finalidade resgatar este conhecimento adormecido no inconsciente, restaurando e vitalizando o significado mais profundo contido nestas narrações. Raíssa Cavalcanti, no livro “Mitos da Água”, trabalha na recuperação dessa memória ancestral e faz uma investigação do processo evolutivo e da finalidade espiritual da vida humana. Desta forma, selecciona mitos relacionados com a água, considerada um dos elementos essenciais formadores da vida, a “Prima Matéria”, pois acreditamos que o projecto evolutivo do homem está ligado à evolução do cosmo como um todo. A antropogênese está relacionada à cosmogênese. MITOS DA ÁGUA
  • 29.
  • 30. Trabalho elaborado por: Marco Pinho,Ana Mirrado,Ana Carolina e João Realinho
  • 31. Para os Professores: António Tavares e Filomena Póvoas
  • 33. Fim