SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
JUDAÍSM
                            O
Trabalho realizado por:
Débora Neves nº5 10ºA
Flávia Magalhães nº9 10ºA
Leonardo Rio nº12 10ºA
Margarida Varandas nº13
10ºA
Conceitos

Profano
 É aquilo que não mantém nenhuma ligação

  com o(s) deus(es). Da mesma forma, para
  grande parte das religiões a imoralidade e o
  profano são correspondentes. Já o verbo
  "profanar" (tornar algo profano) é sempre tido
  como uma acção má pelos religiosos.
Sagrado
   A palavra Sagrado constitui uma das dimensões
    fundamentais da vida religiosa e designa uma área ou
    conjunto de realidades (seres, lugares, coisas ou
    momentos) que de certa forma estão separados do
    mundo profano comum, manifestando um poder
    superior e podendo ser abordados apenas ritualmente.
    No contacto com o sagrado, o homem experimenta algo
    que o ultrapassa, que o transcende. Assim sendo, as
    realidades sagradas não existem em função das suas
    próprias    características  mas    sim    devido   à
    transcendência nelas manifestada.
   Além do seu sentido religioso, o termo sagrado tem
    também um sentido moral que constitui uma atenuação
    do sentido religioso: na moral, o sagrado qualifica
    valores primordiais como por exemplo a liberdade ou a
Transcendência
 Transcendência foi usado inicialmente para se
  referir a relação de Deus com o mundo e de
  particular importância na teologia. Neste caso
  transcendente     significa  que    Deus  está
  completamente além dos limites do mundo.

Imanência
 A imanência é um conceito religioso e metafísico
  que defende a existência de um ser supremo e
  divino (ou força) dentro do mundo físico. Este
  conceito geralmente contrasta ou coexiste com a
  ideia de transcendência.
Finitude
   Finitude é uma característica dos seres que se
    modificam ou têm limites.
   Todos os seres vivos são seres finitos isto quer
    dizer que todos morremos, que todos temos um
    final.
   É incrível a importância da finitude. É ela que nos
    leva a procurar as pessoas, as coisas, os
    sentimentos e as emoções, e a não as deixar
    sempre para amanhã. E ela que nos leva a
    balançar e ponderar as decisões, que nos obriga a
    fazer escolhas, a ser responsáveis e respeitar os
    outros, a amar e desejar estar com os outros.
    É a morte e nada mais que a concretização do
    conceito de finitude, é a sua força, a sua arma.
Religião e sentido da existência

   A religião tenta justificar o sentido da
    existência, ou seja, o por quê de existirmos.
    Para dar sentido à existência, a religião une o
    Homem e o divino. Com base nesta união, vê-
    se na religião o refúgio para os nossos
    problemas.
   A religião ajuda a superar a dor e a angústia
    da finitude e também é com base nela que a
    maioria dos seus crentes vivem o seu dia-a-
    dia e criam objectivos para a vida.
Surgimento da Religião Judaica
   Abraão recebe uma revelação de Deus, abandona o politeísmo e
    muda-se para Canaã, actual Palestina, em torno de 1800 a.C. De
    Abraão descendem Isaque e o filho deste Jacó. Jacó um dia luta com
    um anjo de Deus. Seus doze filhos dão origem às doze tribos do povo
    que, naquela época, era chamado de hebreu. Em 1700 a.C., os
    hebreus vão para o Egipto, onde são escravizados por 400 anos.
    Libertam-se por volta de 1300 a.C., liderados por Moisés, descendente
    de Abraão, que recebe as tábuas com os Dez Mandamentos no monte
    Sinai. Por decisão de Deus, peregrinam no deserto por 40 anos,
    aguardando a indicação da terra prometida, Canaã.
   Muitos anos depois de estabelecidos na terra prometida (“Terra
    Santa”), o rei Davi transforma Jerusalém em centro religioso e seu
    filho, Salomão, constrói um templo em seu reinado. Depois de
    Salomão, as tribos dividem-se em dois Reinos, o de Israel, na
    Samaria, e o de Judá, com capital em Jerusalém. Com a cisão, surge
    a crença na vinda de um      Messias (o enviado de Deus para
    restaurar a unidade do povo judeu e a soberania divina sobre o
    mundo), que persiste até hoje. O Reino de Israel é devastado em 721
    a.C. pelos assírios. Em 586 a.C., o imperador babilónico
    Nabucodonosor II invade o Reino de Judá, destrói o Templo de
Religião Judaica
   Abraão recebeu um sinal de Deus para abandonar o
    politeísmo sendo então considerado o fundador do
    judaísmo.
   A Torá é considerada o livro sagrado que foi revelado
    diretamente por Deus. Fazem parte da Torá : Gênesis, o
    Êxodo, o Levítico, os Números e o Deuteronômio.

Etapas importantes da vida de um Judeu
 A Circuncisão – Aos oito dias depois do nascimento,
  todo o rapaz hebreu é circuncisado e nesta altura é-lhe
  dado o nome. A circuncisão simboliza a Aliança entre
  Yavhé e Abraão.
 Aos treze anos, o rapaz hebreu torna-se membro da
  comunidade e, por isso, está sujeito aos direitos e aos
  deveres que a Torá lhe indica.
Alimentação
   Os judeus não comem carne de porco, cavalo,
    camelo, coelho, caranguejo, lagosta e
    camarão. Na verdade, somente peixes com
    escamas, nenhum fruto do mar é permitido.
    Há também a proibição de misturar leite e
    carne.
Festividades
   As datas das festas religiosas dos judeus são móveis, pois
    seguem um calendário lunisolar. As principais são as
    seguintes:
   Purim - os judeus comemoram a salvação de um massacre
    elaborado        pelo        rei      persa       Assucro.
    Páscoa ( Pessach ) - comemora-se a libertação da
    escravidão do povo judeu no Egito, em 1300 a.C.
    Shavuót - celebra a revelação da Torá ao povo de Israel, por
    volta               de              1300                a.C.
    Rosh Hashaná - é comemorado o Ano-Novo judaico.
    Yom Kipur - considerado o dia do perdão. Os judeus fazem
    jejum por 25 horas seguidas para purificar o espírito.
    Sucót - refere-se a peregrinação de 40 anos pelo deserto,
    após     a    libertação    do    cativeiro   do     Egito.
    Chanucá - comemora-se o fim do domínio assírio e a
    restauração       do       tempo       de      Jerusalém.
    Simchat Torá - celebra a entrega dos Dez Mandamentos a
    Moisés.
Símbolos do Judaísmo

   - O Muro das Lamentações – em Jerusalém, é o que resta do
    templo de Herodes, destruído pelos romanos no ano 70 d.C.
    Aqui os hebreus vêm rezar. É o único lugar sagrado de todo
    o Judaísmo.
    - O Candelabro dos sete braços – A "Menorah" é o símbolo
    do Judaísmo. O 7 é para os Judeus o número da plenitude,
    da perfeição.
    - A Sinagoga – É o lugar de oração, de estudo e de reunião.
    - O Rabino – Os hebreus não têm sacerdotes. O Rabino é
    só um mestre, um guia espiritual para os fiéis na
    interpretação da Torá.
    - O Sábado – É o dia semanal festivo dos judeus. Começa
    ao pôr-do-sol de Sexta-feira e vai até ao pôr-do-sol de
    Sábado. É um dia dedicado à oração e ao descanso.
Convicções Judaicas

   O judaísmo apresentou ao mundo a ideia que Deus é Um, e
    não muitos. No judaísmo reza-se directamente para Deus e
    somente Dele pode receber auxílio, orientação e
    compreensão. Você pode rezar por conta própria e junto a
    uma comunidade em uma congregação judaica. O judaísmo
    afirma a ideia de um pacto entre Deus e o Povo Judeu.

   O judaísmo não aceita a ideia que as pessoas nascem más.
    Em vez disso, acredita que as pessoas têm livre-arbítrio para
    escolher entre o bom e o ruim, entre o certo e o errado.

   O judaísmo estimula a liberdade religiosa de pensamento e o
    questionamento           de         ordem         espiritual.

   O judaísmo tem enfatizado um forte senso familiar e o valor
    inestimável do pertencimento a uma comunidade.
   Em casos de pacientes terminais onde há
    sofrimento envolvido e não há vontade expressa
    pelo paciente de que sua vida seja prolongada, é
    permitido, pela lei judaica, deixar que o processo
    natural de morte ocorra sem que seja impedido
    artificialmente. Apesar de ser terminantemente
    proibido pela lei judaica qualquer atitude que
    acelere o processo de morte, é permitido que se
    lance mão de recursos como a morfina para
    minimizar       o sofrimento de um paciente
    terminal durante este período.
   Com estas premissas é possível dar ao doente
    terminal um cuidado humano sem que se viole
    em momento algum o profundo respeito pela sua
Problema da Existência
  Deus foi quem criou o Homem livre e responsável.
 O Judeu espera pelo Messias, este trará a paz, a

  justiça e fraternidade ao Mundo.
 A visão que o Judeu tem da vida é optimista. E o

  cumprimento por boa vontade das suas obrigações
  duras e rigorosas da Torá exprime o respeito humano a
  Deus e simboliza a estima pela Aliança.
O Judaísmo tem estes, como verdadeiros princípios
  ou sentidos para a sua existência.
Experiência da Finitude e Abertura
        à Transcendência
Essênios:
   A ideia que tinham sobre a imortalidade limitava-se a considerar que a
    alma veio do céu e a ele volta depois da morte do corpo, se o merecer.
    Presume-se também que atribuíam muita importância à magia e à arte de
    prever o futuro.
Fariseus, Safaradi e Caraítas:
   “Se Deus reserva a recompensa das boas acções para o mundo futuro é
    com o fim de que os homens ajam neste mundo por convicção e não por
    interesse”.
    Estas três seitas acreditavam que se fossem bons trabalhadores durante a
    sua vida, e se seguissem todas as boas práticas que a Torá lhes ensinava,
    então mereceriam o Paraíso.
Saduceus:
   Sobre os Saduceus não se sabe muito, mas a Bíblia afirma que eles não
    acreditavam na ressurreição, tendo até tentado enlaçar Jesus com uma
    pergunta enganadora sobre esse conceito.
Hassidismo:
   O hassidismo, que começou por abandonar o formalismo ritual,
    despertou maior importância ao sentimento religioso que à prática.
    Proclamou a omnipresença de Deus e por isso ordenou que a
    oração fosse feita com devoção psicológica e alegria especial, até
    chegar a um êxtase que permitia ao homem entrar em
    comunicação directa com a divindade. Devolveu à alma popular o
    sentido profundo do divino.
Ebionitas:
   As suas músicas exerciam tal poder, que os ouvintes cheios de
    entusiasmo caíam em êxtase e sentiam-se transformados. Era isto
    o que entendiam antes por algo divino . Mas com o passar do
    tempo mudou, tornando-se numa base completamente nova, mais
    espiritual e mais moral.
Caracterização da Religião
                Judaica
   É conhecida como uma das primeiras religiões
    monoteístas da humanidade e cronologicamente
    a primeira das três religiões oriundas de Abrãao,
    junto com o cristianismo e o islamismo.
   O judaísmo acredita em um Deus único,
    omnipotente e omnisciente, que criou o mundo e
    os homens. Esse Deus fez um pacto com os
    hebreus, tornando-os o seu povo escolhido, e
    prometeu-lhes uma terra chamada Canaã.
   O judaísmo possui fortes características étnicas,
    nas quais nação e religião se ligam.
Bibliografia
   “História do povo judeu”, de Werner Keller
   http://www.crencasecrendices.hpg.ig.com.br/judaismo.htm
   http://www.rsbcancer.com.br/rsbc/15_Pg06.asp?nrev=N%BA%A015
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_judaica
   http://www.suapesquisa.com/judaismo/
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Transcend%C3%AAncia_(filosofia
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Religi%C3%A3o
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Iman%C3%Aancia
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Finitude
    http://filosofialogos.blogspot.com/2007/04/religio.html
   http://filosofialogos.blogspot.com/2007/04/religio.html
   http://www.suapesquisa.com/judaismo/
   http://www.conversaojudaica.org/why.php
    http://www.ebah.com.br/trabalho-judaismo-ppt-a5085.html
   http://colecao.judaismo.tryte.com.br/index.php

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
5. O Êxodo: do Egito ao Sinai
 
Judaísmo
JudaísmoJudaísmo
Judaísmo
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
 
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
TESTEMUNHAS DE JEOVÁTESTEMUNHAS DE JEOVÁ
TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
 
RELIGIÃO 2ª AULA
RELIGIÃO 2ª AULA RELIGIÃO 2ª AULA
RELIGIÃO 2ª AULA
 
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeováEstudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeová
 
Disciplina História do Cristianismo
Disciplina História do CristianismoDisciplina História do Cristianismo
Disciplina História do Cristianismo
 
O surgimento do cristianismo
O surgimento do cristianismoO surgimento do cristianismo
O surgimento do cristianismo
 
Slide Teologia
Slide TeologiaSlide Teologia
Slide Teologia
 
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTO
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTOGEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTO
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTO
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
 
A história da igreja cristã
A história da igreja cristãA história da igreja cristã
A história da igreja cristã
 
Slide islamismo
Slide islamismoSlide islamismo
Slide islamismo
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Lição 9 - Juízes: Os Altos e Baixos da Nação de Israel
Lição 9 - Juízes: Os Altos e Baixos da Nação de IsraelLição 9 - Juízes: Os Altos e Baixos da Nação de Israel
Lição 9 - Juízes: Os Altos e Baixos da Nação de Israel
 
Geografia bíblica
Geografia bíblicaGeografia bíblica
Geografia bíblica
 
O Cisma do Oriente
O Cisma do OrienteO Cisma do Oriente
O Cisma do Oriente
 
Quadro religião comparadas
Quadro religião comparadasQuadro religião comparadas
Quadro religião comparadas
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
 
Os deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religiãoOs deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religião
 

Destaque

Destaque (6)

Judaísmo
JudaísmoJudaísmo
Judaísmo
 
Judaísmo "su historia, población, lengua, tradiciones"
Judaísmo "su historia, población, lengua, tradiciones"  Judaísmo "su historia, población, lengua, tradiciones"
Judaísmo "su historia, población, lengua, tradiciones"
 
Judaismo
JudaismoJudaismo
Judaismo
 
Judaismo
JudaismoJudaismo
Judaismo
 
Judaismo
JudaismoJudaismo
Judaismo
 
Religion de judaismo
Religion de judaismoReligion de judaismo
Religion de judaismo
 

Semelhante a Judaísmo

Religião e a ciência universal
Religião e a ciência universalReligião e a ciência universal
Religião e a ciência universalJesh Wah-DE
 
Algumas Religiões.8 Série
Algumas Religiões.8 SérieAlgumas Religiões.8 Série
Algumas Religiões.8 Sérienicollegouveia
 
Algumas formas de religião.
Algumas formas de religião.Algumas formas de religião.
Algumas formas de religião.Nicole Gouveia
 
Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidadeOver Lane
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidade  Religioes da humanidade
Religioes da humanidade Paulo Henrique
 
religiões CP- IA-Dr1
religiões CP- IA-Dr1religiões CP- IA-Dr1
religiões CP- IA-Dr1mega
 
Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Over Lane
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidadeReligioes da humanidade
Religioes da humanidadeOver Lane
 
Religies 1203591977526744-3-cpia-091019055500-phpapp02
Religies 1203591977526744-3-cpia-091019055500-phpapp02Religies 1203591977526744-3-cpia-091019055500-phpapp02
Religies 1203591977526744-3-cpia-091019055500-phpapp02Marcia Silva
 
Judaismo- Trabalho de filosofia.pdf
Judaismo- Trabalho de filosofia.pdfJudaismo- Trabalho de filosofia.pdf
Judaismo- Trabalho de filosofia.pdfAlineSantos412757
 
Jesus, Cristo e o desafio das missões
Jesus, Cristo e o desafio das missõesJesus, Cristo e o desafio das missões
Jesus, Cristo e o desafio das missõesLeandro Nazareth Souto
 
Religião- Judaísmo e Hinduísmos
Religião- Judaísmo e HinduísmosReligião- Judaísmo e Hinduísmos
Religião- Judaísmo e HinduísmosIsabele Félix
 
As grandes religiões do mundo
As grandes religiões do mundoAs grandes religiões do mundo
As grandes religiões do mundoZaara Miranda
 

Semelhante a Judaísmo (20)

Religião e a ciência universal
Religião e a ciência universalReligião e a ciência universal
Religião e a ciência universal
 
Algumas Religiões.8 Série
Algumas Religiões.8 SérieAlgumas Religiões.8 Série
Algumas Religiões.8 Série
 
Algumas formas de religião.
Algumas formas de religião.Algumas formas de religião.
Algumas formas de religião.
 
Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidade  Religioes da humanidade
Religioes da humanidade
 
religiões CP- IA-Dr1
religiões CP- IA-Dr1religiões CP- IA-Dr1
religiões CP- IA-Dr1
 
Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidadeReligioes da humanidade
Religioes da humanidade
 
Religiões Abraâmicas
Religiões AbraâmicasReligiões Abraâmicas
Religiões Abraâmicas
 
Religies 1203591977526744-3-cpia-091019055500-phpapp02
Religies 1203591977526744-3-cpia-091019055500-phpapp02Religies 1203591977526744-3-cpia-091019055500-phpapp02
Religies 1203591977526744-3-cpia-091019055500-phpapp02
 
Judaísmo - EREM
Judaísmo - EREMJudaísmo - EREM
Judaísmo - EREM
 
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
 
Judaismo- Trabalho de filosofia.pdf
Judaismo- Trabalho de filosofia.pdfJudaismo- Trabalho de filosofia.pdf
Judaismo- Trabalho de filosofia.pdf
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Jesus, Cristo e o desafio das missões
Jesus, Cristo e o desafio das missõesJesus, Cristo e o desafio das missões
Jesus, Cristo e o desafio das missões
 
Religião- Judaísmo e Hinduísmos
Religião- Judaísmo e HinduísmosReligião- Judaísmo e Hinduísmos
Religião- Judaísmo e Hinduísmos
 
Religioes
ReligioesReligioes
Religioes
 
As grandes religiões do mundo
As grandes religiões do mundoAs grandes religiões do mundo
As grandes religiões do mundo
 
A Origem Das Religiões
A Origem Das ReligiõesA Origem Das Religiões
A Origem Das Religiões
 
Judaísmo
JudaísmoJudaísmo
Judaísmo
 

Mais de Débora Neves

Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferroImportância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferroDébora Neves
 
Convenção de Berna
Convenção de BernaConvenção de Berna
Convenção de BernaDébora Neves
 
Residuos industriais
Residuos industriaisResiduos industriais
Residuos industriaisDébora Neves
 
Importância da atmosfera para os seres vivos
Importância da atmosfera para os seres vivosImportância da atmosfera para os seres vivos
Importância da atmosfera para os seres vivosDébora Neves
 
Política e gestão do ar em portugal
Política e gestão do ar em portugalPolítica e gestão do ar em portugal
Política e gestão do ar em portugalDébora Neves
 
Cidade, ordenamento e ambiente
Cidade, ordenamento e ambienteCidade, ordenamento e ambiente
Cidade, ordenamento e ambienteDébora Neves
 
Órgãos e Instituições Europeias; Cidadania Europeia
Órgãos e Instituições Europeias; Cidadania EuropeiaÓrgãos e Instituições Europeias; Cidadania Europeia
Órgãos e Instituições Europeias; Cidadania EuropeiaDébora Neves
 
interferência do homem nos ecossistemas
interferência do homem nos ecossistemasinterferência do homem nos ecossistemas
interferência do homem nos ecossistemasDébora Neves
 

Mais de Débora Neves (14)

Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferroImportância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
 
2ª lei de newton
2ª lei de newton2ª lei de newton
2ª lei de newton
 
Convenção de Berna
Convenção de BernaConvenção de Berna
Convenção de Berna
 
Residuos industriais
Residuos industriaisResiduos industriais
Residuos industriais
 
Parasitoses
ParasitosesParasitoses
Parasitoses
 
Importância da atmosfera para os seres vivos
Importância da atmosfera para os seres vivosImportância da atmosfera para os seres vivos
Importância da atmosfera para os seres vivos
 
Política e gestão do ar em portugal
Política e gestão do ar em portugalPolítica e gestão do ar em portugal
Política e gestão do ar em portugal
 
Cidade, ordenamento e ambiente
Cidade, ordenamento e ambienteCidade, ordenamento e ambiente
Cidade, ordenamento e ambiente
 
Chaves
ChavesChaves
Chaves
 
GPS
GPSGPS
GPS
 
Órgãos e Instituições Europeias; Cidadania Europeia
Órgãos e Instituições Europeias; Cidadania EuropeiaÓrgãos e Instituições Europeias; Cidadania Europeia
Órgãos e Instituições Europeias; Cidadania Europeia
 
Carvalhos
CarvalhosCarvalhos
Carvalhos
 
Aves
AvesAves
Aves
 
interferência do homem nos ecossistemas
interferência do homem nos ecossistemasinterferência do homem nos ecossistemas
interferência do homem nos ecossistemas
 

Judaísmo

  • 1. JUDAÍSM O Trabalho realizado por: Débora Neves nº5 10ºA Flávia Magalhães nº9 10ºA Leonardo Rio nº12 10ºA Margarida Varandas nº13 10ºA
  • 2. Conceitos Profano  É aquilo que não mantém nenhuma ligação com o(s) deus(es). Da mesma forma, para grande parte das religiões a imoralidade e o profano são correspondentes. Já o verbo "profanar" (tornar algo profano) é sempre tido como uma acção má pelos religiosos.
  • 3. Sagrado  A palavra Sagrado constitui uma das dimensões fundamentais da vida religiosa e designa uma área ou conjunto de realidades (seres, lugares, coisas ou momentos) que de certa forma estão separados do mundo profano comum, manifestando um poder superior e podendo ser abordados apenas ritualmente. No contacto com o sagrado, o homem experimenta algo que o ultrapassa, que o transcende. Assim sendo, as realidades sagradas não existem em função das suas próprias características mas sim devido à transcendência nelas manifestada.  Além do seu sentido religioso, o termo sagrado tem também um sentido moral que constitui uma atenuação do sentido religioso: na moral, o sagrado qualifica valores primordiais como por exemplo a liberdade ou a
  • 4. Transcendência  Transcendência foi usado inicialmente para se referir a relação de Deus com o mundo e de particular importância na teologia. Neste caso transcendente significa que Deus está completamente além dos limites do mundo. Imanência  A imanência é um conceito religioso e metafísico que defende a existência de um ser supremo e divino (ou força) dentro do mundo físico. Este conceito geralmente contrasta ou coexiste com a ideia de transcendência.
  • 5. Finitude  Finitude é uma característica dos seres que se modificam ou têm limites.  Todos os seres vivos são seres finitos isto quer dizer que todos morremos, que todos temos um final.  É incrível a importância da finitude. É ela que nos leva a procurar as pessoas, as coisas, os sentimentos e as emoções, e a não as deixar sempre para amanhã. E ela que nos leva a balançar e ponderar as decisões, que nos obriga a fazer escolhas, a ser responsáveis e respeitar os outros, a amar e desejar estar com os outros. É a morte e nada mais que a concretização do conceito de finitude, é a sua força, a sua arma.
  • 6. Religião e sentido da existência  A religião tenta justificar o sentido da existência, ou seja, o por quê de existirmos. Para dar sentido à existência, a religião une o Homem e o divino. Com base nesta união, vê- se na religião o refúgio para os nossos problemas.  A religião ajuda a superar a dor e a angústia da finitude e também é com base nela que a maioria dos seus crentes vivem o seu dia-a- dia e criam objectivos para a vida.
  • 7. Surgimento da Religião Judaica  Abraão recebe uma revelação de Deus, abandona o politeísmo e muda-se para Canaã, actual Palestina, em torno de 1800 a.C. De Abraão descendem Isaque e o filho deste Jacó. Jacó um dia luta com um anjo de Deus. Seus doze filhos dão origem às doze tribos do povo que, naquela época, era chamado de hebreu. Em 1700 a.C., os hebreus vão para o Egipto, onde são escravizados por 400 anos. Libertam-se por volta de 1300 a.C., liderados por Moisés, descendente de Abraão, que recebe as tábuas com os Dez Mandamentos no monte Sinai. Por decisão de Deus, peregrinam no deserto por 40 anos, aguardando a indicação da terra prometida, Canaã.  Muitos anos depois de estabelecidos na terra prometida (“Terra Santa”), o rei Davi transforma Jerusalém em centro religioso e seu filho, Salomão, constrói um templo em seu reinado. Depois de Salomão, as tribos dividem-se em dois Reinos, o de Israel, na Samaria, e o de Judá, com capital em Jerusalém. Com a cisão, surge a crença na vinda de um Messias (o enviado de Deus para restaurar a unidade do povo judeu e a soberania divina sobre o mundo), que persiste até hoje. O Reino de Israel é devastado em 721 a.C. pelos assírios. Em 586 a.C., o imperador babilónico Nabucodonosor II invade o Reino de Judá, destrói o Templo de
  • 8. Religião Judaica  Abraão recebeu um sinal de Deus para abandonar o politeísmo sendo então considerado o fundador do judaísmo.  A Torá é considerada o livro sagrado que foi revelado diretamente por Deus. Fazem parte da Torá : Gênesis, o Êxodo, o Levítico, os Números e o Deuteronômio. Etapas importantes da vida de um Judeu  A Circuncisão – Aos oito dias depois do nascimento, todo o rapaz hebreu é circuncisado e nesta altura é-lhe dado o nome. A circuncisão simboliza a Aliança entre Yavhé e Abraão.  Aos treze anos, o rapaz hebreu torna-se membro da comunidade e, por isso, está sujeito aos direitos e aos deveres que a Torá lhe indica.
  • 9. Alimentação  Os judeus não comem carne de porco, cavalo, camelo, coelho, caranguejo, lagosta e camarão. Na verdade, somente peixes com escamas, nenhum fruto do mar é permitido. Há também a proibição de misturar leite e carne.
  • 10. Festividades  As datas das festas religiosas dos judeus são móveis, pois seguem um calendário lunisolar. As principais são as seguintes:  Purim - os judeus comemoram a salvação de um massacre elaborado pelo rei persa Assucro. Páscoa ( Pessach ) - comemora-se a libertação da escravidão do povo judeu no Egito, em 1300 a.C. Shavuót - celebra a revelação da Torá ao povo de Israel, por volta de 1300 a.C. Rosh Hashaná - é comemorado o Ano-Novo judaico. Yom Kipur - considerado o dia do perdão. Os judeus fazem jejum por 25 horas seguidas para purificar o espírito. Sucót - refere-se a peregrinação de 40 anos pelo deserto, após a libertação do cativeiro do Egito. Chanucá - comemora-se o fim do domínio assírio e a restauração do tempo de Jerusalém. Simchat Torá - celebra a entrega dos Dez Mandamentos a Moisés.
  • 11. Símbolos do Judaísmo  - O Muro das Lamentações – em Jerusalém, é o que resta do templo de Herodes, destruído pelos romanos no ano 70 d.C. Aqui os hebreus vêm rezar. É o único lugar sagrado de todo o Judaísmo.  - O Candelabro dos sete braços – A "Menorah" é o símbolo do Judaísmo. O 7 é para os Judeus o número da plenitude, da perfeição.  - A Sinagoga – É o lugar de oração, de estudo e de reunião.  - O Rabino – Os hebreus não têm sacerdotes. O Rabino é só um mestre, um guia espiritual para os fiéis na interpretação da Torá.  - O Sábado – É o dia semanal festivo dos judeus. Começa ao pôr-do-sol de Sexta-feira e vai até ao pôr-do-sol de Sábado. É um dia dedicado à oração e ao descanso.
  • 12. Convicções Judaicas  O judaísmo apresentou ao mundo a ideia que Deus é Um, e não muitos. No judaísmo reza-se directamente para Deus e somente Dele pode receber auxílio, orientação e compreensão. Você pode rezar por conta própria e junto a uma comunidade em uma congregação judaica. O judaísmo afirma a ideia de um pacto entre Deus e o Povo Judeu.  O judaísmo não aceita a ideia que as pessoas nascem más. Em vez disso, acredita que as pessoas têm livre-arbítrio para escolher entre o bom e o ruim, entre o certo e o errado.  O judaísmo estimula a liberdade religiosa de pensamento e o questionamento de ordem espiritual.  O judaísmo tem enfatizado um forte senso familiar e o valor inestimável do pertencimento a uma comunidade.
  • 13. Em casos de pacientes terminais onde há sofrimento envolvido e não há vontade expressa pelo paciente de que sua vida seja prolongada, é permitido, pela lei judaica, deixar que o processo natural de morte ocorra sem que seja impedido artificialmente. Apesar de ser terminantemente proibido pela lei judaica qualquer atitude que acelere o processo de morte, é permitido que se lance mão de recursos como a morfina para minimizar o sofrimento de um paciente terminal durante este período.  Com estas premissas é possível dar ao doente terminal um cuidado humano sem que se viole em momento algum o profundo respeito pela sua
  • 14. Problema da Existência  Deus foi quem criou o Homem livre e responsável.  O Judeu espera pelo Messias, este trará a paz, a justiça e fraternidade ao Mundo.  A visão que o Judeu tem da vida é optimista. E o cumprimento por boa vontade das suas obrigações duras e rigorosas da Torá exprime o respeito humano a Deus e simboliza a estima pela Aliança. O Judaísmo tem estes, como verdadeiros princípios ou sentidos para a sua existência.
  • 15. Experiência da Finitude e Abertura à Transcendência Essênios:  A ideia que tinham sobre a imortalidade limitava-se a considerar que a alma veio do céu e a ele volta depois da morte do corpo, se o merecer. Presume-se também que atribuíam muita importância à magia e à arte de prever o futuro. Fariseus, Safaradi e Caraítas:  “Se Deus reserva a recompensa das boas acções para o mundo futuro é com o fim de que os homens ajam neste mundo por convicção e não por interesse”.  Estas três seitas acreditavam que se fossem bons trabalhadores durante a sua vida, e se seguissem todas as boas práticas que a Torá lhes ensinava, então mereceriam o Paraíso. Saduceus:  Sobre os Saduceus não se sabe muito, mas a Bíblia afirma que eles não acreditavam na ressurreição, tendo até tentado enlaçar Jesus com uma pergunta enganadora sobre esse conceito.
  • 16. Hassidismo:  O hassidismo, que começou por abandonar o formalismo ritual, despertou maior importância ao sentimento religioso que à prática. Proclamou a omnipresença de Deus e por isso ordenou que a oração fosse feita com devoção psicológica e alegria especial, até chegar a um êxtase que permitia ao homem entrar em comunicação directa com a divindade. Devolveu à alma popular o sentido profundo do divino. Ebionitas:  As suas músicas exerciam tal poder, que os ouvintes cheios de entusiasmo caíam em êxtase e sentiam-se transformados. Era isto o que entendiam antes por algo divino . Mas com o passar do tempo mudou, tornando-se numa base completamente nova, mais espiritual e mais moral.
  • 17. Caracterização da Religião Judaica  É conhecida como uma das primeiras religiões monoteístas da humanidade e cronologicamente a primeira das três religiões oriundas de Abrãao, junto com o cristianismo e o islamismo.  O judaísmo acredita em um Deus único, omnipotente e omnisciente, que criou o mundo e os homens. Esse Deus fez um pacto com os hebreus, tornando-os o seu povo escolhido, e prometeu-lhes uma terra chamada Canaã.  O judaísmo possui fortes características étnicas, nas quais nação e religião se ligam.
  • 18. Bibliografia  “História do povo judeu”, de Werner Keller  http://www.crencasecrendices.hpg.ig.com.br/judaismo.htm  http://www.rsbcancer.com.br/rsbc/15_Pg06.asp?nrev=N%BA%A015  http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_judaica  http://www.suapesquisa.com/judaismo/  http://pt.wikipedia.org/wiki/Transcend%C3%AAncia_(filosofia  http://pt.wikipedia.org/wiki/Religi%C3%A3o  http://pt.wikipedia.org/wiki/Iman%C3%Aancia  http://pt.wikipedia.org/wiki/Finitude  http://filosofialogos.blogspot.com/2007/04/religio.html  http://filosofialogos.blogspot.com/2007/04/religio.html  http://www.suapesquisa.com/judaismo/  http://www.conversaojudaica.org/why.php  http://www.ebah.com.br/trabalho-judaismo-ppt-a5085.html  http://colecao.judaismo.tryte.com.br/index.php