SlideShare uma empresa Scribd logo
1 Entradas


     Imitar o chefe                                                   Cabe ao professor gerir o tempo
                                                                      de execução de cada movimento
         Organiza-se a classe numa roda e escolhe-se um               proposto, em função do seu
                                                                      interesse e da eventual
     aluno para ser o primeiro a começar o jogo. Este é o
                                                                      dificuldade de alguns alunos em
     chefe e propõe uma maneira de andar: aos saltos, de
                                                                      executá-lo correctamente.
     gatas, a mancar, etc.
         Todos na roda o imitam, reproduzindo o movimento
     proposto e, a um sinal do professor,
     previamente estabelecido (por exem-
     plo, um assobio), o aluno seguinte na
     roda passa a ser o chefe, propondo ele
     uma nova maneira de andar. O jogo
     só termina quando todos os alunos
     tiverem passado pelo papel de chefe.



     Apanhar a cauda
         Com a classe organizada em grupos de seis a oito
     alunos, dispostos em colunas, cada aluno agarra-se com
     as mãos à cinta do colega da frente. O primeiro ele-
     mento da fila é a cabeça do cão e o último, com uma
     corda presa à cinta, é a cauda do animal.
         O jogo começa com o primeiro, a cabeça, a tentar apa-
     nhar o último, a cauda, que deve fugir-lhe. Durante esta dis-
     puta, a fila não pode ser desfeita, isto é, os alunos que for-
     mam o corpo do cão não podem largar a cinta dos outros.
         Quando a cabeça apanhar a cauda, o aluno da frente
     passa para o último lugar da fila, tomando a posição de
     cauda. Todos os alunos devem experimentar as duas
     posições.



     O sério                                                          Não é permitido tocar no Sério,
                                                                      nem este pode fechar os olhos
         Um aluno senta-se frente à classe. Os colegas, à vez,        ou tapar os ouvidos.
     têm de tentar que ele se ria, fazendo-lhe caretas, macaca-
     das, contando anedotas, dizendo palavras engraçadas,
     etc. Quando o Sério se rir, cede o seu lugar àquele que o
     venceu.



10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As vacas não voam
As vacas não voamAs vacas não voam
As vacas não voam
jleiteg
 
Recursos pedagogicos
Recursos pedagogicosRecursos pedagogicos
Recursos pedagogicos
Xana Santos
 
História das 5 vogais de Luísa Ducla Soares
História das 5 vogais de Luísa Ducla SoaresHistória das 5 vogais de Luísa Ducla Soares
História das 5 vogais de Luísa Ducla Soares
MargaridaPaula
 
Cartazes ditongos
Cartazes ditongosCartazes ditongos
Cartazes ditongos
labeques
 
Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Conceitos e Práticas em Intervenção PrecoceConceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Joaquim Colôa
 
Comunicação alternativa
Comunicação alternativaComunicação alternativa
Comunicação alternativa
Luzia Ester
 

Mais procurados (20)

As vacas não voam
As vacas não voamAs vacas não voam
As vacas não voam
 
Livro a sementinha que nao queria nascer
Livro a sementinha que nao queria nascerLivro a sementinha que nao queria nascer
Livro a sementinha que nao queria nascer
 
'Para onde foram os ovos da Paulina?'
'Para onde foram os ovos da Paulina?''Para onde foram os ovos da Paulina?'
'Para onde foram os ovos da Paulina?'
 
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTAA MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
 
Recursos pedagogicos
Recursos pedagogicosRecursos pedagogicos
Recursos pedagogicos
 
Fogo+no+céu+novo
Fogo+no+céu+novoFogo+no+céu+novo
Fogo+no+céu+novo
 
Livro Quem vai ficar como o pessego
Livro Quem vai ficar como o pessego Livro Quem vai ficar como o pessego
Livro Quem vai ficar como o pessego
 
Bruxa bruxa pdf
Bruxa bruxa pdfBruxa bruxa pdf
Bruxa bruxa pdf
 
História das 5 vogais de Luísa Ducla Soares
História das 5 vogais de Luísa Ducla SoaresHistória das 5 vogais de Luísa Ducla Soares
História das 5 vogais de Luísa Ducla Soares
 
Cartazes ditongos
Cartazes ditongosCartazes ditongos
Cartazes ditongos
 
O lobo que queria mudar de cor.
O lobo que queria mudar de cor.O lobo que queria mudar de cor.
O lobo que queria mudar de cor.
 
Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Conceitos e Práticas em Intervenção PrecoceConceitos e Práticas em Intervenção Precoce
Conceitos e Práticas em Intervenção Precoce
 
Fichasavaliaomensal1ano 130524102908-phpapp02
Fichasavaliaomensal1ano 130524102908-phpapp02Fichasavaliaomensal1ano 130524102908-phpapp02
Fichasavaliaomensal1ano 130524102908-phpapp02
 
Lá vem o ratinho carteiro!
Lá vem o ratinho carteiro!Lá vem o ratinho carteiro!
Lá vem o ratinho carteiro!
 
Historia zebrinha
Historia zebrinhaHistoria zebrinha
Historia zebrinha
 
O senhor ano e as quatro estações
O senhor ano e as quatro estaçõesO senhor ano e as quatro estações
O senhor ano e as quatro estações
 
Livro - A Zebra Camila
Livro - A Zebra CamilaLivro - A Zebra Camila
Livro - A Zebra Camila
 
Como se faz um trabalho escolar
Como se faz um trabalho escolarComo se faz um trabalho escolar
Como se faz um trabalho escolar
 
Comunicação alternativa
Comunicação alternativaComunicação alternativa
Comunicação alternativa
 
FOLCLORICES DE BRINCAR
FOLCLORICES DE BRINCARFOLCLORICES DE BRINCAR
FOLCLORICES DE BRINCAR
 

Mais de Alfredo Lopes

O Jogo DramáTico Na Vida Da CriançA
O Jogo DramáTico Na Vida Da CriançAO Jogo DramáTico Na Vida Da CriançA
O Jogo DramáTico Na Vida Da CriançA
Alfredo Lopes
 
ReflexãO CríTica Didatica Evt
ReflexãO CríTica Didatica EvtReflexãO CríTica Didatica Evt
ReflexãO CríTica Didatica Evt
Alfredo Lopes
 
ExpressãO DramáTica
ExpressãO DramáTicaExpressãO DramáTica
ExpressãO DramáTica
Alfredo Lopes
 
A ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
A ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTicaA ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
A ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
Alfredo Lopes
 
ExpressãO E EducaçãO FíSico
ExpressãO E EducaçãO FíSicoExpressãO E EducaçãO FíSico
ExpressãO E EducaçãO FíSico
Alfredo Lopes
 
ExpressãO PláStica Mascaras
ExpressãO PláStica MascarasExpressãO PláStica Mascaras
ExpressãO PláStica Mascaras
Alfredo Lopes
 
ExpressãO PláStica E Expressao Musical
ExpressãO PláStica E Expressao MusicalExpressãO PláStica E Expressao Musical
ExpressãO PláStica E Expressao Musical
Alfredo Lopes
 
Actividade Para O Dia Da Avó E Do Pai
Actividade Para O Dia Da Avó E Do PaiActividade Para O Dia Da Avó E Do Pai
Actividade Para O Dia Da Avó E Do Pai
Alfredo Lopes
 
A CriançA E O Movimento ExpressãO FíSico Motora
A CriançA E O Movimento ExpressãO FíSico MotoraA CriançA E O Movimento ExpressãO FíSico Motora
A CriançA E O Movimento ExpressãO FíSico Motora
Alfredo Lopes
 
ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTicaExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
Alfredo Lopes
 
Roteiro Para A EducaçãO ArtíStica
Roteiro Para A EducaçãO ArtíSticaRoteiro Para A EducaçãO ArtíStica
Roteiro Para A EducaçãO ArtíStica
Alfredo Lopes
 
Livro Competencias Essenciais
Livro Competencias EssenciaisLivro Competencias Essenciais
Livro Competencias Essenciais
Alfredo Lopes
 

Mais de Alfredo Lopes (20)

Cartaz Carta 2070
Cartaz Carta 2070Cartaz Carta 2070
Cartaz Carta 2070
 
ReflexãO Critica
ReflexãO CriticaReflexãO Critica
ReflexãO Critica
 
EstratéGias Essenciais No Campo Da
EstratéGias Essenciais No Campo DaEstratéGias Essenciais No Campo Da
EstratéGias Essenciais No Campo Da
 
Revistas Infantis
Revistas InfantisRevistas Infantis
Revistas Infantis
 
O Jogo DramáTico Na Vida Da CriançA
O Jogo DramáTico Na Vida Da CriançAO Jogo DramáTico Na Vida Da CriançA
O Jogo DramáTico Na Vida Da CriançA
 
ReflexãO CríTica Didatica Evt
ReflexãO CríTica Didatica EvtReflexãO CríTica Didatica Evt
ReflexãO CríTica Didatica Evt
 
ExpressãO DramáTica
ExpressãO DramáTicaExpressãO DramáTica
ExpressãO DramáTica
 
A ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
A ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTicaA ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
A ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
 
ExpressãO E EducaçãO FíSico
ExpressãO E EducaçãO FíSicoExpressãO E EducaçãO FíSico
ExpressãO E EducaçãO FíSico
 
ExpressãO PláStica Mascaras
ExpressãO PláStica MascarasExpressãO PláStica Mascaras
ExpressãO PláStica Mascaras
 
ExpressãO PláStica E Expressao Musical
ExpressãO PláStica E Expressao MusicalExpressãO PláStica E Expressao Musical
ExpressãO PláStica E Expressao Musical
 
Actividade Para O Dia Da Avó E Do Pai
Actividade Para O Dia Da Avó E Do PaiActividade Para O Dia Da Avó E Do Pai
Actividade Para O Dia Da Avó E Do Pai
 
A CriançA E O Movimento ExpressãO FíSico Motora
A CriançA E O Movimento ExpressãO FíSico MotoraA CriançA E O Movimento ExpressãO FíSico Motora
A CriançA E O Movimento ExpressãO FíSico Motora
 
ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTicaExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
ExpressãO E EducaçãO Musical E DramáTica
 
Roteiro Para A EducaçãO ArtíStica
Roteiro Para A EducaçãO ArtíSticaRoteiro Para A EducaçãO ArtíStica
Roteiro Para A EducaçãO ArtíStica
 
Processos
ProcessosProcessos
Processos
 
Livro Competencias Essenciais
Livro Competencias EssenciaisLivro Competencias Essenciais
Livro Competencias Essenciais
 
Acorda
AcordaAcorda
Acorda
 
A Carta De 2070
A Carta De 2070A Carta De 2070
A Carta De 2070
 
46 1986
46 198646 1986
46 1986
 

Último

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 

Último (20)

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 

Imitar O Chefe, Apanhar A Cauda, O SéRio

  • 1. 1 Entradas Imitar o chefe Cabe ao professor gerir o tempo de execução de cada movimento Organiza-se a classe numa roda e escolhe-se um proposto, em função do seu interesse e da eventual aluno para ser o primeiro a começar o jogo. Este é o dificuldade de alguns alunos em chefe e propõe uma maneira de andar: aos saltos, de executá-lo correctamente. gatas, a mancar, etc. Todos na roda o imitam, reproduzindo o movimento proposto e, a um sinal do professor, previamente estabelecido (por exem- plo, um assobio), o aluno seguinte na roda passa a ser o chefe, propondo ele uma nova maneira de andar. O jogo só termina quando todos os alunos tiverem passado pelo papel de chefe. Apanhar a cauda Com a classe organizada em grupos de seis a oito alunos, dispostos em colunas, cada aluno agarra-se com as mãos à cinta do colega da frente. O primeiro ele- mento da fila é a cabeça do cão e o último, com uma corda presa à cinta, é a cauda do animal. O jogo começa com o primeiro, a cabeça, a tentar apa- nhar o último, a cauda, que deve fugir-lhe. Durante esta dis- puta, a fila não pode ser desfeita, isto é, os alunos que for- mam o corpo do cão não podem largar a cinta dos outros. Quando a cabeça apanhar a cauda, o aluno da frente passa para o último lugar da fila, tomando a posição de cauda. Todos os alunos devem experimentar as duas posições. O sério Não é permitido tocar no Sério, nem este pode fechar os olhos Um aluno senta-se frente à classe. Os colegas, à vez, ou tapar os ouvidos. têm de tentar que ele se ria, fazendo-lhe caretas, macaca- das, contando anedotas, dizendo palavras engraçadas, etc. Quando o Sério se rir, cede o seu lugar àquele que o venceu. 10