SlideShare uma empresa Scribd logo
Homero
Trabalho realizado por:
- Pedro Cândido Nº20 11ºB
Quem foi
• Homero era um poeta grego que
teria provavelmente pertencido ao
século VIII a.C. e nasceu na Jónia,
região que hoje pertence à Turquia.
• Algumas lendas descrevem-no
como cantor errante de histórias
heróicas de um povo e um homem
pobre e cego. Pouco se sabe acerca
da sua vida, mas Homero tem um
grande significado para o povo
grego, pelas suas obras.
Obras
• Homero é autor de duas das obras gregas mais importantes da
antiguidade.
• Essas obras são:
Ligações a Frei Luís de Sousa
«Esta é uma verdadeira tragédia - se as pode haver, e como só imagino que as possa haver sobre
factos e pessoas comparativamente recentes. [...]
Demais, posto que eu não creia no verso como língua dramática possível para assuntos tão
modernos, também não sou tão desabusado contudo que me atreva a dar a uma composição em
prosa o título solene que as musas gregas deixaram consagrado à mais sublime e difícil de todas as
composições poéticas.
O que escrevi em prosa, pudera escrevê-lo em verso; - e o nosso verso solto está provado que é
dócil e ingénuo bastante para dar todos os efeitos de arte sem quebrar na natureza. mas sempre
havia de aparecer mais artifício do que a índole especial do assunto podia sofrer. E di-lo-ei porque é
verdade - repugnava-me também pôr na boca de Frei Luís de Sousa outro ritmo que não fosse o da
elegante prosa portuguesa que ele, mais do que ninguém, deduziu com tanta harmonia e suavidade.
Bem sei que assim ficará mais clara a impossibilidade de imitar o grande modelo; mas antes isso, do
que fazer falar por versos meus o mais perfeito prosador da língua.
Contento-me para a minha obra com o título modesto de drama; só peço que a não julguem pelas
leis que regem, ou devem reger, essa composição de forma e índole nova; porque a minha, se na
forma desmerece da categoria, pela índole há-de ficar pertencendo sempre ao antigo género trágico.
[...]
Escuso dizer-vos, Senhores, que me não julguei obrigado a ser escravo da cronologia nem a
rejeitar por impróprio da cena tudo quanto a severa crítica moderna indigitou como arriscado de se
apurar para a história. Eu sacrifico às musas de Homero, não às de Heródoto: e quem sabe, por fim,
em qual dos dois altares arde o fogo de melhor verdade!»
Almeida Garrett, Memória ao Conservatório Real de Lisboa (lida em 6 de maio de 1843 - nota de Garrett)
Ligações a Frei Luís de Sousa
“Eu sacrifico às musas de Homero, não às de Heródoto: e quem
sabe, por fim, em qual dos dois altares arde o fogo de melhor
verdade!”
• Há também uma possível referência à Odisseia de Homero,
sobretudo no uso do estratagema da ocultação de identidade
do “Ninguém” que Romeiro, tal como o Ulisses, utiliza.
Conclusão
• Mesmo que não se saiba se
realmente existiu, Homero foi e
ainda é uma grande inspiração para
muitos autores e para o povo grego.
• As duas obras de Homero foram de
grande importância não só para a
literatura grega como também para
a literatura do resto da europa e do
mundo e atualmente ainda têm
grande importância.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
António Teixeira
 
Plural palavras compostas
Plural palavras compostasPlural palavras compostas
Plural palavras compostas
gracacruz
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
Helena Coutinho
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
Paula Oliveira Cruz
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
Cláudia Heloísa
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
A Montanha Da áGua LiláS, PepetelaA Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
catiasgs
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Marcia Regina Mourao
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
Bruno Jardim
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
Maria Freitas
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
Isabel DA COSTA
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
Lurdes Augusto
 
9ºano gramática – português
9ºano gramática – português9ºano gramática – português
9ºano gramática – português
Mariana Monteiro
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
Vanda Marques
 
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
catiasgs
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Maria Gomes
 
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptxo_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
Maria Cardoso
 
Complemento direto, indireto e oblíquo
Complemento direto, indireto e oblíquoComplemento direto, indireto e oblíquo
Complemento direto, indireto e oblíquo
António Fernandes
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
Lurdes Augusto
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
CecliaGomes25
 

Mais procurados (20)

O Mostrengo
O MostrengoO Mostrengo
O Mostrengo
 
Plural palavras compostas
Plural palavras compostasPlural palavras compostas
Plural palavras compostas
 
Descalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonteDescalça vai para a fonte
Descalça vai para a fonte
 
Invocação e Dedicarória
Invocação e DedicaróriaInvocação e Dedicarória
Invocação e Dedicarória
 
Luís Vaz de Camões
Luís Vaz de CamõesLuís Vaz de Camões
Luís Vaz de Camões
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
A Montanha Da áGua LiláS, PepetelaA Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Aquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e AnáliseAquela cativa Poema e Análise
Aquela cativa Poema e Análise
 
Análise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última NauAnálise do Poema - A Última Nau
Análise do Poema - A Última Nau
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
9ºano gramática – português
9ºano gramática – português9ºano gramática – português
9ºano gramática – português
 
Despedidas em belém
Despedidas em belémDespedidas em belém
Despedidas em belém
 
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
 
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptxo_sentimento_dum_ocidental.pptx
o_sentimento_dum_ocidental.pptx
 
Complemento direto, indireto e oblíquo
Complemento direto, indireto e oblíquoComplemento direto, indireto e oblíquo
Complemento direto, indireto e oblíquo
 
Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas Análise de Os Lusíadas
Análise de Os Lusíadas
 
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptxO imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
O imaginário épico em _O sentimento dum Ocidental_.pptx
 

Destaque

Homero Escenas De La IlíAda
Homero  Escenas De La IlíAdaHomero  Escenas De La IlíAda
Homero Escenas De La IlíAda
rosasegf
 
Homero
HomeroHomero
Homero
guest74da096
 
Analisis literario obra iliada de homero JCNET
Analisis literario obra iliada de homero JCNETAnalisis literario obra iliada de homero JCNET
Analisis literario obra iliada de homero JCNET
Juan Carlos Becerra Perez
 
Todo sobre la obra la ilíada
Todo sobre la obra la ilíadaTodo sobre la obra la ilíada
Todo sobre la obra la ilíada
Samuel Vasquez
 
La Iliada
La IliadaLa Iliada
La Iliada
Alejandra
 
Joma ilustra la Ilíada
Joma ilustra la IlíadaJoma ilustra la Ilíada
Joma ilustra la Ilíada
susanazan
 
Homero
HomeroHomero
Algunas reflexiones sobre la Ilíada
Algunas reflexiones sobre la IlíadaAlgunas reflexiones sobre la Ilíada
Algunas reflexiones sobre la Ilíada
NEOΣ AIΓIAΛOΣ
 
Apresentação de "Introdução a Homero"
Apresentação de "Introdução a Homero"Apresentação de "Introdução a Homero"
Apresentação de "Introdução a Homero"
Renata Cardoso
 
Egito: presente do Nilo
Egito: presente do NiloEgito: presente do Nilo
Egito: presente do Nilo
Patrícia Costa Grigório
 
O mundo de Homero
O mundo de HomeroO mundo de Homero
O mundo de Homero
Patrícia Costa Grigório
 
A Odisséia de Homero
A Odisséia de Homero A Odisséia de Homero
A Odisséia de Homero
Maria Domingas de Souza
 
La odisea analisis estructural.
La odisea analisis estructural.La odisea analisis estructural.
La odisea analisis estructural.
trabajoliteratura
 
El Teatro en la Atenas clásica
El Teatro en la Atenas clásicaEl Teatro en la Atenas clásica
El Teatro en la Atenas clásica
Gamarra92
 
Fue cristóbal colón el único en descubrir
Fue cristóbal colón el único en descubrirFue cristóbal colón el único en descubrir
Fue cristóbal colón el único en descubrir
Refuerzo
 

Destaque (15)

Homero Escenas De La IlíAda
Homero  Escenas De La IlíAdaHomero  Escenas De La IlíAda
Homero Escenas De La IlíAda
 
Homero
HomeroHomero
Homero
 
Analisis literario obra iliada de homero JCNET
Analisis literario obra iliada de homero JCNETAnalisis literario obra iliada de homero JCNET
Analisis literario obra iliada de homero JCNET
 
Todo sobre la obra la ilíada
Todo sobre la obra la ilíadaTodo sobre la obra la ilíada
Todo sobre la obra la ilíada
 
La Iliada
La IliadaLa Iliada
La Iliada
 
Joma ilustra la Ilíada
Joma ilustra la IlíadaJoma ilustra la Ilíada
Joma ilustra la Ilíada
 
Homero
HomeroHomero
Homero
 
Algunas reflexiones sobre la Ilíada
Algunas reflexiones sobre la IlíadaAlgunas reflexiones sobre la Ilíada
Algunas reflexiones sobre la Ilíada
 
Apresentação de "Introdução a Homero"
Apresentação de "Introdução a Homero"Apresentação de "Introdução a Homero"
Apresentação de "Introdução a Homero"
 
Egito: presente do Nilo
Egito: presente do NiloEgito: presente do Nilo
Egito: presente do Nilo
 
O mundo de Homero
O mundo de HomeroO mundo de Homero
O mundo de Homero
 
A Odisséia de Homero
A Odisséia de Homero A Odisséia de Homero
A Odisséia de Homero
 
La odisea analisis estructural.
La odisea analisis estructural.La odisea analisis estructural.
La odisea analisis estructural.
 
El Teatro en la Atenas clásica
El Teatro en la Atenas clásicaEl Teatro en la Atenas clásica
El Teatro en la Atenas clásica
 
Fue cristóbal colón el único en descubrir
Fue cristóbal colón el único en descubrirFue cristóbal colón el único en descubrir
Fue cristóbal colón el único en descubrir
 

Semelhante a Homero

Apresentação para décimo primeiro ano, aula 39
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 39Apresentação para décimo primeiro ano, aula 39
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 39
luisprista
 
HAMLET DE SHAKESPEARE COM COMENTÁRIOS
HAMLET DE SHAKESPEARE COM COMENTÁRIOSHAMLET DE SHAKESPEARE COM COMENTÁRIOS
HAMLET DE SHAKESPEARE COM COMENTÁRIOS
ESCRIBAVALDEMIR
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 93-94
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 93-94Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 93-94
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 93-94
luisprista
 
José de Alencar - Ao correr da pena
José de Alencar - Ao correr da penaJosé de Alencar - Ao correr da pena
José de Alencar - Ao correr da pena
Francis Monteiro da Rocha
 
Teatro romântico um auto de gil vicente
Teatro romântico  um auto de gil vicenteTeatro romântico  um auto de gil vicente
Teatro romântico um auto de gil vicente
Helena Coutinho
 
Almeida garett
Almeida garettAlmeida garett
Almeida garett
Bruno Soares
 
Almeida Garret Viagens na minha terra
Almeida Garret   Viagens na minha terraAlmeida Garret   Viagens na minha terra
Almeida Garret Viagens na minha terra
Escola Secundária do Cartaxo
 
Power point Sexualidade na Literatura
Power  point Sexualidade na LiteraturaPower  point Sexualidade na Literatura
Power point Sexualidade na Literatura
gracafigueiredo2
 
Shakespeare
ShakespeareShakespeare
Shakespeare
AnaLuizaCampos15
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Jonatas Carlos
 
As Troianas - Eurípedes
As Troianas - EurípedesAs Troianas - Eurípedes
As Troianas - Eurípedes
Maurileni Moreira
 
O drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
O drama romântico em _Frei Luís de SousapptxO drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
O drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
Elsabastos
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
wiyofog561
 
Breves apontamentos andre-sena-wanderley-art.12ed.21
Breves apontamentos andre-sena-wanderley-art.12ed.21Breves apontamentos andre-sena-wanderley-art.12ed.21
Breves apontamentos andre-sena-wanderley-art.12ed.21
Januário Esteves
 
Teatro romano
Teatro romanoTeatro romano
Teatro romano
jxuia
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 93-94
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 93-94Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 93-94
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 93-94
luisprista
 
Camões
CamõesCamões
Camões
Pedro Alves
 
Otelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom CasmurroOtelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom Casmurro
acheiotexto
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Amanda Assenza Fratucci
 
Apostila minicurso clssicas
Apostila minicurso clssicasApostila minicurso clssicas
Apostila minicurso clssicas
Lailsa Li
 

Semelhante a Homero (20)

Apresentação para décimo primeiro ano, aula 39
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 39Apresentação para décimo primeiro ano, aula 39
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 39
 
HAMLET DE SHAKESPEARE COM COMENTÁRIOS
HAMLET DE SHAKESPEARE COM COMENTÁRIOSHAMLET DE SHAKESPEARE COM COMENTÁRIOS
HAMLET DE SHAKESPEARE COM COMENTÁRIOS
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 93-94
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 93-94Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 93-94
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 93-94
 
José de Alencar - Ao correr da pena
José de Alencar - Ao correr da penaJosé de Alencar - Ao correr da pena
José de Alencar - Ao correr da pena
 
Teatro romântico um auto de gil vicente
Teatro romântico  um auto de gil vicenteTeatro romântico  um auto de gil vicente
Teatro romântico um auto de gil vicente
 
Almeida garett
Almeida garettAlmeida garett
Almeida garett
 
Almeida Garret Viagens na minha terra
Almeida Garret   Viagens na minha terraAlmeida Garret   Viagens na minha terra
Almeida Garret Viagens na minha terra
 
Power point Sexualidade na Literatura
Power  point Sexualidade na LiteraturaPower  point Sexualidade na Literatura
Power point Sexualidade na Literatura
 
Shakespeare
ShakespeareShakespeare
Shakespeare
 
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
Aula 10   romantismo no brasil e em portugalAula 10   romantismo no brasil e em portugal
Aula 10 romantismo no brasil e em portugal
 
As Troianas - Eurípedes
As Troianas - EurípedesAs Troianas - Eurípedes
As Troianas - Eurípedes
 
O drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
O drama romântico em _Frei Luís de SousapptxO drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
O drama romântico em _Frei Luís de Sousapptx
 
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da PaixãoA Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
A Inconfidência - Rodolfo Gustavo da Paixão - Rodolpho Gustavo da Paixão
 
Breves apontamentos andre-sena-wanderley-art.12ed.21
Breves apontamentos andre-sena-wanderley-art.12ed.21Breves apontamentos andre-sena-wanderley-art.12ed.21
Breves apontamentos andre-sena-wanderley-art.12ed.21
 
Teatro romano
Teatro romanoTeatro romano
Teatro romano
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 93-94
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 93-94Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 93-94
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 93-94
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Otelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom CasmurroOtelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom Casmurro
 
Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580Luís vaz de camões (1524 – 1580
Luís vaz de camões (1524 – 1580
 
Apostila minicurso clssicas
Apostila minicurso clssicasApostila minicurso clssicas
Apostila minicurso clssicas
 

Último

A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 

Último (20)

A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 

Homero

  • 1. Homero Trabalho realizado por: - Pedro Cândido Nº20 11ºB
  • 2. Quem foi • Homero era um poeta grego que teria provavelmente pertencido ao século VIII a.C. e nasceu na Jónia, região que hoje pertence à Turquia. • Algumas lendas descrevem-no como cantor errante de histórias heróicas de um povo e um homem pobre e cego. Pouco se sabe acerca da sua vida, mas Homero tem um grande significado para o povo grego, pelas suas obras.
  • 3. Obras • Homero é autor de duas das obras gregas mais importantes da antiguidade. • Essas obras são:
  • 4. Ligações a Frei Luís de Sousa «Esta é uma verdadeira tragédia - se as pode haver, e como só imagino que as possa haver sobre factos e pessoas comparativamente recentes. [...] Demais, posto que eu não creia no verso como língua dramática possível para assuntos tão modernos, também não sou tão desabusado contudo que me atreva a dar a uma composição em prosa o título solene que as musas gregas deixaram consagrado à mais sublime e difícil de todas as composições poéticas. O que escrevi em prosa, pudera escrevê-lo em verso; - e o nosso verso solto está provado que é dócil e ingénuo bastante para dar todos os efeitos de arte sem quebrar na natureza. mas sempre havia de aparecer mais artifício do que a índole especial do assunto podia sofrer. E di-lo-ei porque é verdade - repugnava-me também pôr na boca de Frei Luís de Sousa outro ritmo que não fosse o da elegante prosa portuguesa que ele, mais do que ninguém, deduziu com tanta harmonia e suavidade. Bem sei que assim ficará mais clara a impossibilidade de imitar o grande modelo; mas antes isso, do que fazer falar por versos meus o mais perfeito prosador da língua. Contento-me para a minha obra com o título modesto de drama; só peço que a não julguem pelas leis que regem, ou devem reger, essa composição de forma e índole nova; porque a minha, se na forma desmerece da categoria, pela índole há-de ficar pertencendo sempre ao antigo género trágico. [...] Escuso dizer-vos, Senhores, que me não julguei obrigado a ser escravo da cronologia nem a rejeitar por impróprio da cena tudo quanto a severa crítica moderna indigitou como arriscado de se apurar para a história. Eu sacrifico às musas de Homero, não às de Heródoto: e quem sabe, por fim, em qual dos dois altares arde o fogo de melhor verdade!» Almeida Garrett, Memória ao Conservatório Real de Lisboa (lida em 6 de maio de 1843 - nota de Garrett)
  • 5. Ligações a Frei Luís de Sousa “Eu sacrifico às musas de Homero, não às de Heródoto: e quem sabe, por fim, em qual dos dois altares arde o fogo de melhor verdade!” • Há também uma possível referência à Odisseia de Homero, sobretudo no uso do estratagema da ocultação de identidade do “Ninguém” que Romeiro, tal como o Ulisses, utiliza.
  • 6. Conclusão • Mesmo que não se saiba se realmente existiu, Homero foi e ainda é uma grande inspiração para muitos autores e para o povo grego. • As duas obras de Homero foram de grande importância não só para a literatura grega como também para a literatura do resto da europa e do mundo e atualmente ainda têm grande importância.