SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 70
Baixar para ler offline
GEOLOGIA
Professora Carolina Corrêa
Forças endógenas;
Forças exógenas;
Tectônica de placas;
Hot Spot.
Conteúdos
O planeta se encontra em constante
transformação. Algumas destas, podem
ser observadas na superfície da crosta
que é modificada pelas forças exógenas
e endógenas.
O Planeta em Constante
Transformação
Forças exógenas
são as que
modelam o relevo
e resultam da
dinâmica da
atmosfera, da
hidrosfera e da
atividade biológica
na superfície da
Terra.
Que processos exógenos são esses?
Os processos exógenos são
intemperismo, erosão, transporte e
deposição que atuam através da ação dos
seus agentes que são as chuvas, os rios, o
gelo, a gravidade e o vento. Existe uma
tendência constante de nivelamento da
superfície terrestre.
Então por que a superfície não é
toda plana?
Fonte:www.colegioweb.com.br
Forças
endógenas são
as responsáveis
pela
estruturação das
formas de
relevo.
8
Resultam da dinâmica interna
da Terra, que envolve a estrutura
da Terra, a dinâmica da litosfera e
os fenômenos magmáticos,
metamórficos, tectônicos,
orogenéticos e epirogenéticos.
Geodinâmica Interna
Os processos endógenos envolvem
todos os fenômenos magmáticos,
metamórficos e tectônicos que estão
ligados à tectônica de placas e à
dinâmica da litosfera.
Fenômenos magmáticos: são
aqueles relacionados à gênese,
evolução e solidificação do magma.
Quando ocorrem no interior da
crosta são intrusivos ou plutônicos e
quando ocorrem no exterior são
chamados extrusivos ou vulcânicos.
Fenômenos metamórficos:
ocorrem sob altas temperaturas e/ou
pressões e provocam recristalização e
deformação das rochas ígneas,
sedimentares e metamórficas, com
mudanças de suas características
mineralógicas e texturais.
Fenômenos tectônicos: geram
falhamentos e dobramentos devido à
movimentação das placas. A
incidência de tensões de diferentes
tipos e magnitudes sobre as rochas da
litosfera, gera deformações e
movimentos em larga escala.
Os fenômenos tectônicos podem
ser de dois tipos: orogenéticos e
epirogenéticos.
Orogenias ou orogêneses –
processos tectônicos pelos quais
vastas regiões da crosta são
deformadas e elevadas formando
grandes cinturões de montanhas (Ex:
Alpes, Andes, Himalaias).
Epirogenias ou epirogêneses –
movimentos lentos de subida ou
descida de grandes áreas da crosta
terrestre. É um reajustamento
isostático afetando grandes regiões,
sem perturbar significativamente a
disposição e estrutura das formações
geológicas antigas.
A Teoria da Tectônica Global
revolucionou as Geociências do mesmo
modo que a Seleção Natural modificou as
Biociências e as teorias da Relatividade e
da Gravitação Universal mudaram os
conceitos da Física.
Tectônica Global
Em 1620, Francis Bacon, filósofo
inglês, apontava o perfeito encaixe
entre o contorno da América do Sul e
da África e aventava, pela primeira vez,
a hipótese da união destes dois
continentes no passado.
Alfred Wegener foi
Visionário alemão que
se dedicava a
meteorologia,
astronomia, geofísica e
paleontologia.
1880 - 1930
Ele propôs a Teoria da Deriva
Continental em seu livro A origem dos
continentes e oceanos, publicado em
1915.
Ele sugeriu que, a cerca de 200
milhões de anos atrás, existia um
supercontinente que ele chamou de
Pangea (do latim pan=todo e gea=terra).
19
Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD
e TAIOLI - São Paulo, 2ª Ed., Companhia Editora Nacional,
2009.
Triássico Inferior
PANGÉIA
Fonte : PRESS, F.; SIEVER, R.; GROTZINGER, John;
JORDAN, T. H. Para Entender a Terra. São
Paulo:Bookman, 2006.
A coincidência do contorno entre a América
do Sul e a África.
Evidências que contribuíram para a
hipótese da Deriva Continental
22
Evidências fósseis
23
www.cite-sciences.fr
24
Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD
e TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
Associação
entre os
tipos e
estruturas
de rochas.
Glaciação
há 300
milhões de
anos.
A pesar das evidências, Wegener não
coseguiu responder adequadamente
questões fundamentais como:
Que forças seriam capazes de movimentar
os continentes?
Como uma crosta continental poderia
deslizar sobre a oceânica sem que ambas
fossem quebradas pelo atrito?
Com a morte de Wegener em 1930, sua
teoria caiu no esquecimento.
Seu livro foi considerado por parte
dos cientistas, principalmente pelos
geofísicos, como uma “poesia”, uma obra
irrelevante.
Alfred Wegener morre em 1930 e
apesar dos esforços de alguns (Alexander
Du Toit) em tentar prová-la, sua teoria cai
no esquecimento.
Durante a Segunda Guerra
Mundial houve a necessidade de
orientar o movimento dos submarinos e
então expedições de pesquisas
começaram a mapear o assoalho
oceânico Atlântico.
Esse mapeamento foi possível
através do desenvolvimento de
equipamentos como o sonar.
A partir do final dos anos 1940 as
expedições oceânicas passaram a ser
feitas principalmente por
pesquisadores de
universidades que
coletaram amostras
das rochas.
O que eles encontraram?
Um gigantesco
sistema de cadeias de
montanhas submarinas
denominadas de dorsais
ou cadeias meso
oceânicas que dividem
a crosta dos oceanos
simetricamente.
Importância: representa a ruptura da
separação dos continentes.
Fonte: mesozoico.wordpress.com-
Fonte: http://meiobit.com/15337/google-quer-mapear-o-solo-dos-
oceanos-da-terra/
Fonte: espacociencias.com-
Que idade tinham as
amostras das rochas
coletadas?
Na década de 50 os avanços da
geocronologia permitiram datar as
amostras coletadas.
As rochas oceânicas não eram as
mais antigas do planeta, na verdade
apresentaram idades bem jovens não
ultrapassando 200 milhões de anos.
Fonte: Decifrando a Terra, pág. 100.
Na década de 60 Herry Hess, da
Universidade de Princeton, relacionou as
estruturas do fundo oceânico a
processos de convecção do manto.
Enfim, surgia um mecanismo plausível
para a Deriva Continental.
Mas como é esse processo?
Tectônica de Placas
Do grego tektonikés “a arte de
construir”.
Esta teoria é um a das
manifestações mais tangíveis da
dinâmica interna da Terra e se baseia
no deslocamento de placas rígidas na
superfície do planeta que deslizam
sobre um material plástico.
São 13 grandes
placas e
algumas
menores que se
movem
lentamente sobre
a astenosfera
Movimentação das placas
Ambientes
Extensionais
Ambientes
Compressionais
 Limite Divergente ou Construtivo
 Limite Convergente ou Destrutivo
 Limite Transformante ou
Conservativo
Tipos de limites entre placas
Limite Divergente ou Construtivo
43
Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e
TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
Limite Convergente ou Destrutivo
Entre duas placas oceânicas
Entre uma placa oceânicas e
uma continental.
Entre duas placas continentais.
Limite Transformante ou Conservativo
49
50
Falha de
Santo André
51
Alguns vulcões ocorrem no meio das
placas nas áreas chamadas "hotspots"
(pontos quentes).
Ou seja, pontos de anomalia termal no
interior da terra, ligados a sistemas de
convecção do manto e responsáveis pelo
vulcanismo que ocorre no interior de placas
tectônicas (CPRM).
Hotspots
Os vulcões havaianos fornecem o
melhor exemplo de uma corrente vulcânica
de "intra-placa", desenvolvida no interior da
Placa Pacífica que passa sobre "um ponto
quente", relativamente estacionário, o qual
fornece o magma para alimentar os novos
vulcões.
A Islândia é a maior parcela de terra
inteiramente de origem vulcânica, formada
por planaltos de lava expelida através de
fraturas ou por grandes vulcões de forma
cônica. O complexo vulcânico da Islândia
cobre uma área de, aproximadamente,
100.000 quilômetros quadrados atingindo,
em certos locais, alturas de mais de 2
quilômetros acima do nível do mar.
Erupção fissural na Islândia.
Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/vulcoes_7.html
Em virtude da sua posição em relação
à Dorsal Meso-Atlântica a Islândia está em
contínua expansão, sendo as duas metades
estiradas pela expansão dos fundos
oceânicos
Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/vulcoes_6.html
O círculo de Fogo do
Pacífico, mostrando os
vulcões ativos ( ) e
terremotos ( )
Regiões com atividades vulcânicas e sísmicas
associadas a convergência e a distribuição de
placas.
A Movimentação dos Continentes
Proterozóico Superior
Rodínia formou-se há cerca de 1,1 B.a e começou a fragmentar
há cerca de 750 M.a.
Ordoviciano Médio
Devoniano Inferior
Triássico Inferior
PANGÉIA
Jurássico Inferior
Fragmentação do Pangéia
Jurássico Superior
Cretáceo Superior e Terciário Inferior ,
O Mundo Moderno
Próximos 50 Ma, no futuro
Referências
 CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo:
Edgard Blücher, 2. ed., 1980.
 GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma
atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p.
 LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. São Paulo:
Nacional, 1980.
 PENTEADO, M.M. Fundamentos de Geomorfologia.
Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 185 p.
 TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.;
TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de
Textos, 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geografia planeta terra - nave em que viajamos
Geografia   planeta terra - nave em que viajamosGeografia   planeta terra - nave em que viajamos
Geografia planeta terra - nave em que viajamosGustavo Soares
 
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestreIECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestreprofrodrigoribeiro
 
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solosAula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solosLeonardo Kaplan
 
Trabalho geografia formação da terra
Trabalho geografia   formação da terraTrabalho geografia   formação da terra
Trabalho geografia formação da terraTatazitcha_tcha
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terracleiton denez
 
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...Ste Escola Bernardino
 
Revisão de geografia 3º bimestre-biosfera- 6º ano
Revisão de geografia  3º bimestre-biosfera- 6º anoRevisão de geografia  3º bimestre-biosfera- 6º ano
Revisão de geografia 3º bimestre-biosfera- 6º anoSimone Aguiar
 
Planeta terra 6º ano 2013
Planeta terra 6º ano 2013Planeta terra 6º ano 2013
Planeta terra 6º ano 2013Simoneprof
 
Formacao Do Planeta Terra
Formacao Do Planeta TerraFormacao Do Planeta Terra
Formacao Do Planeta Terramayckon
 
Superficie e centro da terra 6 ano
Superficie e centro da terra 6 anoSuperficie e centro da terra 6 ano
Superficie e centro da terra 6 anoUFMS
 
Origem e formação do Planeta Terra
Origem e formação do Planeta TerraOrigem e formação do Planeta Terra
Origem e formação do Planeta TerraRodrigo Zanon
 
Geologia 10º ano II
Geologia 10º ano IIGeologia 10º ano II
Geologia 10º ano IIRenata Sofia
 

Mais procurados (20)

Aula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismoAula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismo
 
Geografia planeta terra - nave em que viajamos
Geografia   planeta terra - nave em que viajamosGeografia   planeta terra - nave em que viajamos
Geografia planeta terra - nave em que viajamos
 
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestreIECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
 
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solosAula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
 
Formação da Terra - 5º ou 6º ano
Formação da Terra - 5º ou 6º anoFormação da Terra - 5º ou 6º ano
Formação da Terra - 5º ou 6º ano
 
Trabalho geografia formação da terra
Trabalho geografia   formação da terraTrabalho geografia   formação da terra
Trabalho geografia formação da terra
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terra
 
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
 
Revisão de geografia 3º bimestre-biosfera- 6º ano
Revisão de geografia  3º bimestre-biosfera- 6º anoRevisão de geografia  3º bimestre-biosfera- 6º ano
Revisão de geografia 3º bimestre-biosfera- 6º ano
 
Planeta terra 6º ano 2013
Planeta terra 6º ano 2013Planeta terra 6º ano 2013
Planeta terra 6º ano 2013
 
introdução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismointrodução ao vulcanismo
introdução ao vulcanismo
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologiaTrabalho de geologia
Trabalho de geologia
 
Formacao Do Planeta Terra
Formacao Do Planeta TerraFormacao Do Planeta Terra
Formacao Do Planeta Terra
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
Superficie e centro da terra 6 ano
Superficie e centro da terra 6 anoSuperficie e centro da terra 6 ano
Superficie e centro da terra 6 ano
 
Crosta terrestre
Crosta terrestreCrosta terrestre
Crosta terrestre
 
Origem e formação do Planeta Terra
Origem e formação do Planeta TerraOrigem e formação do Planeta Terra
Origem e formação do Planeta Terra
 
Estrutura da Terra
Estrutura da TerraEstrutura da Terra
Estrutura da Terra
 
Geologia 10º ano II
Geologia 10º ano IIGeologia 10º ano II
Geologia 10º ano II
 

Semelhante a Geologia 2

Formação dos Continentes
Formação dos ContinentesFormação dos Continentes
Formação dos ContinentesAndre Rodrigues
 
Separação dos continentes
Separação dos continentes Separação dos continentes
Separação dos continentes ruivaz1994
 
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicosGeologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicosWander Junior
 
Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02
Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02
Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02Bruno-machado Bruno
 
Ap 4 a terra, um planeta em mudança
Ap 4   a terra, um planeta em mudançaAp 4   a terra, um planeta em mudança
Ap 4 a terra, um planeta em mudançaessg
 
Tectonica global - Geologia
Tectonica global - GeologiaTectonica global - Geologia
Tectonica global - GeologiaDiego Leite
 
Mobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaMobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaTânia Reis
 
Terra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudançaTerra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudançajoanabreu
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentesNaira Delazari
 
Crostaterrestre 110519004732-phpapp01 - cópia
Crostaterrestre 110519004732-phpapp01 - cópiaCrostaterrestre 110519004732-phpapp01 - cópia
Crostaterrestre 110519004732-phpapp01 - cópiaAlexandre Quadrado
 
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - VulcanismoDinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - VulcanismoLeonardo Alves
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientaisgeografiafelipe
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientaisgeografiafelipe
 

Semelhante a Geologia 2 (20)

Formação dos Continentes
Formação dos ContinentesFormação dos Continentes
Formação dos Continentes
 
Geologia
Geologia Geologia
Geologia
 
Separação dos continentes
Separação dos continentes Separação dos continentes
Separação dos continentes
 
"A Gênese", cap. 7.
 "A Gênese",  cap. 7. "A Gênese",  cap. 7.
"A Gênese", cap. 7.
 
Resumo 3º módulo
Resumo 3º móduloResumo 3º módulo
Resumo 3º módulo
 
Abalos Sismicos No Brasil E No Mundo
Abalos Sismicos No Brasil E No MundoAbalos Sismicos No Brasil E No Mundo
Abalos Sismicos No Brasil E No Mundo
 
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicosGeologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
Geologia evoluçao da terra e fenomenos geologicos
 
Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02
Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02
Geologiaerelevodobrasil 110327065444-phpapp02
 
Ap 4 a terra, um planeta em mudança
Ap 4   a terra, um planeta em mudançaAp 4   a terra, um planeta em mudança
Ap 4 a terra, um planeta em mudança
 
Tectonica global - Geologia
Tectonica global - GeologiaTectonica global - Geologia
Tectonica global - Geologia
 
Mobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaMobilidade Geológica
Mobilidade Geológica
 
Terra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudançaTerra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudança
 
Formação terra
Formação terraFormação terra
Formação terra
 
Apistila p1 a
Apistila p1 aApistila p1 a
Apistila p1 a
 
Margens oceanicass
Margens oceanicassMargens oceanicass
Margens oceanicass
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentes
 
Crostaterrestre 110519004732-phpapp01 - cópia
Crostaterrestre 110519004732-phpapp01 - cópiaCrostaterrestre 110519004732-phpapp01 - cópia
Crostaterrestre 110519004732-phpapp01 - cópia
 
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - VulcanismoDinmica interna da terra - Vulcanismo
Dinmica interna da terra - Vulcanismo
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientais
 
Geografia natureza e riscos ambientais
Geografia   natureza e riscos ambientaisGeografia   natureza e riscos ambientais
Geografia natureza e riscos ambientais
 

Último

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Geologia 2

  • 3. O planeta se encontra em constante transformação. Algumas destas, podem ser observadas na superfície da crosta que é modificada pelas forças exógenas e endógenas. O Planeta em Constante Transformação
  • 4. Forças exógenas são as que modelam o relevo e resultam da dinâmica da atmosfera, da hidrosfera e da atividade biológica na superfície da Terra.
  • 5. Que processos exógenos são esses? Os processos exógenos são intemperismo, erosão, transporte e deposição que atuam através da ação dos seus agentes que são as chuvas, os rios, o gelo, a gravidade e o vento. Existe uma tendência constante de nivelamento da superfície terrestre.
  • 6. Então por que a superfície não é toda plana? Fonte:www.colegioweb.com.br
  • 8. 8 Resultam da dinâmica interna da Terra, que envolve a estrutura da Terra, a dinâmica da litosfera e os fenômenos magmáticos, metamórficos, tectônicos, orogenéticos e epirogenéticos.
  • 9. Geodinâmica Interna Os processos endógenos envolvem todos os fenômenos magmáticos, metamórficos e tectônicos que estão ligados à tectônica de placas e à dinâmica da litosfera.
  • 10. Fenômenos magmáticos: são aqueles relacionados à gênese, evolução e solidificação do magma. Quando ocorrem no interior da crosta são intrusivos ou plutônicos e quando ocorrem no exterior são chamados extrusivos ou vulcânicos.
  • 11. Fenômenos metamórficos: ocorrem sob altas temperaturas e/ou pressões e provocam recristalização e deformação das rochas ígneas, sedimentares e metamórficas, com mudanças de suas características mineralógicas e texturais.
  • 12. Fenômenos tectônicos: geram falhamentos e dobramentos devido à movimentação das placas. A incidência de tensões de diferentes tipos e magnitudes sobre as rochas da litosfera, gera deformações e movimentos em larga escala.
  • 13. Os fenômenos tectônicos podem ser de dois tipos: orogenéticos e epirogenéticos. Orogenias ou orogêneses – processos tectônicos pelos quais vastas regiões da crosta são deformadas e elevadas formando grandes cinturões de montanhas (Ex: Alpes, Andes, Himalaias).
  • 14. Epirogenias ou epirogêneses – movimentos lentos de subida ou descida de grandes áreas da crosta terrestre. É um reajustamento isostático afetando grandes regiões, sem perturbar significativamente a disposição e estrutura das formações geológicas antigas.
  • 15. A Teoria da Tectônica Global revolucionou as Geociências do mesmo modo que a Seleção Natural modificou as Biociências e as teorias da Relatividade e da Gravitação Universal mudaram os conceitos da Física. Tectônica Global
  • 16. Em 1620, Francis Bacon, filósofo inglês, apontava o perfeito encaixe entre o contorno da América do Sul e da África e aventava, pela primeira vez, a hipótese da união destes dois continentes no passado.
  • 17. Alfred Wegener foi Visionário alemão que se dedicava a meteorologia, astronomia, geofísica e paleontologia. 1880 - 1930
  • 18. Ele propôs a Teoria da Deriva Continental em seu livro A origem dos continentes e oceanos, publicado em 1915. Ele sugeriu que, a cerca de 200 milhões de anos atrás, existia um supercontinente que ele chamou de Pangea (do latim pan=todo e gea=terra).
  • 19. 19 Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI - São Paulo, 2ª Ed., Companhia Editora Nacional, 2009.
  • 20. Triássico Inferior PANGÉIA Fonte : PRESS, F.; SIEVER, R.; GROTZINGER, John; JORDAN, T. H. Para Entender a Terra. São Paulo:Bookman, 2006.
  • 21. A coincidência do contorno entre a América do Sul e a África. Evidências que contribuíram para a hipótese da Deriva Continental
  • 24. 24 Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000. Associação entre os tipos e estruturas de rochas. Glaciação há 300 milhões de anos.
  • 25. A pesar das evidências, Wegener não coseguiu responder adequadamente questões fundamentais como: Que forças seriam capazes de movimentar os continentes? Como uma crosta continental poderia deslizar sobre a oceânica sem que ambas fossem quebradas pelo atrito? Com a morte de Wegener em 1930, sua teoria caiu no esquecimento.
  • 26. Seu livro foi considerado por parte dos cientistas, principalmente pelos geofísicos, como uma “poesia”, uma obra irrelevante. Alfred Wegener morre em 1930 e apesar dos esforços de alguns (Alexander Du Toit) em tentar prová-la, sua teoria cai no esquecimento.
  • 27. Durante a Segunda Guerra Mundial houve a necessidade de orientar o movimento dos submarinos e então expedições de pesquisas começaram a mapear o assoalho oceânico Atlântico.
  • 28. Esse mapeamento foi possível através do desenvolvimento de equipamentos como o sonar. A partir do final dos anos 1940 as expedições oceânicas passaram a ser feitas principalmente por pesquisadores de universidades que coletaram amostras das rochas.
  • 29. O que eles encontraram?
  • 30. Um gigantesco sistema de cadeias de montanhas submarinas denominadas de dorsais ou cadeias meso oceânicas que dividem a crosta dos oceanos simetricamente. Importância: representa a ruptura da separação dos continentes. Fonte: mesozoico.wordpress.com-
  • 32. Que idade tinham as amostras das rochas coletadas? Na década de 50 os avanços da geocronologia permitiram datar as amostras coletadas.
  • 33. As rochas oceânicas não eram as mais antigas do planeta, na verdade apresentaram idades bem jovens não ultrapassando 200 milhões de anos. Fonte: Decifrando a Terra, pág. 100.
  • 34. Na década de 60 Herry Hess, da Universidade de Princeton, relacionou as estruturas do fundo oceânico a processos de convecção do manto. Enfim, surgia um mecanismo plausível para a Deriva Continental. Mas como é esse processo?
  • 35.
  • 36. Tectônica de Placas Do grego tektonikés “a arte de construir”. Esta teoria é um a das manifestações mais tangíveis da dinâmica interna da Terra e se baseia no deslocamento de placas rígidas na superfície do planeta que deslizam sobre um material plástico.
  • 37. São 13 grandes placas e algumas menores que se movem lentamente sobre a astenosfera
  • 41.  Limite Divergente ou Construtivo  Limite Convergente ou Destrutivo  Limite Transformante ou Conservativo Tipos de limites entre placas
  • 42. Limite Divergente ou Construtivo
  • 43. 43 Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  • 44. Limite Convergente ou Destrutivo
  • 45. Entre duas placas oceânicas
  • 46. Entre uma placa oceânicas e uma continental.
  • 47. Entre duas placas continentais.
  • 48. Limite Transformante ou Conservativo
  • 49. 49
  • 51. 51
  • 52. Alguns vulcões ocorrem no meio das placas nas áreas chamadas "hotspots" (pontos quentes). Ou seja, pontos de anomalia termal no interior da terra, ligados a sistemas de convecção do manto e responsáveis pelo vulcanismo que ocorre no interior de placas tectônicas (CPRM). Hotspots
  • 53. Os vulcões havaianos fornecem o melhor exemplo de uma corrente vulcânica de "intra-placa", desenvolvida no interior da Placa Pacífica que passa sobre "um ponto quente", relativamente estacionário, o qual fornece o magma para alimentar os novos vulcões.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57. A Islândia é a maior parcela de terra inteiramente de origem vulcânica, formada por planaltos de lava expelida através de fraturas ou por grandes vulcões de forma cônica. O complexo vulcânico da Islândia cobre uma área de, aproximadamente, 100.000 quilômetros quadrados atingindo, em certos locais, alturas de mais de 2 quilômetros acima do nível do mar.
  • 58. Erupção fissural na Islândia. Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/vulcoes_7.html
  • 59. Em virtude da sua posição em relação à Dorsal Meso-Atlântica a Islândia está em contínua expansão, sendo as duas metades estiradas pela expansão dos fundos oceânicos Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/vulcoes_6.html
  • 60. O círculo de Fogo do Pacífico, mostrando os vulcões ativos ( ) e terremotos ( ) Regiões com atividades vulcânicas e sísmicas associadas a convergência e a distribuição de placas.
  • 61. A Movimentação dos Continentes Proterozóico Superior Rodínia formou-se há cerca de 1,1 B.a e começou a fragmentar há cerca de 750 M.a.
  • 67. Cretáceo Superior e Terciário Inferior ,
  • 69. Próximos 50 Ma, no futuro
  • 70. Referências  CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, 2. ed., 1980.  GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p.  LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. São Paulo: Nacional, 1980.  PENTEADO, M.M. Fundamentos de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 185 p.  TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000.