SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Fibra Óptica
2
Natureza da Luz
 A luz apresenta características de partículas
(corpos dotados de massa) e em outros, de onda
(energia);
 Em determinadas condições, a luz parece um raio
ou partícula eletromagnética que se move em alta
velocidade, denominada fótons;
 Assim sendo é importante notar que não se pode
generalizar a luz como partículas ou ondas,
dependendo da situação, uma ou outra teoria
melhor descrevem um dado fenômeno;
3
Ondas Eletromagnéticas
 As onda eletromagnéticas incluem a luz visível, as
onda de rádio e as de radar, os raios X, raios gama,
microondas e outras que envolvem a propagação
de ondas de campos elétricos e magnéticos através
do espaço com velocidade de 300.000.000 m/s no
vácuo;
 Todas as ondas eletromagnéticas são geradas pela
aceleração de cargas elétricas;
 A diferença entre diversos tipos estão nas
freqüências e comprimentos de onda;
 A luz tem uma freqüência na faixa de 10 elevado
14 10 elevado 16 Hz;
4
Vantagens na Utilização da Fibra
Total imunidade às interferências
Eletromagnéticas
 Características dielétricas (imunes
interferências eletromagnéticas);
 Material dielétrico (sem condutores
metálicos);
 Não conduz eletricidade;
5
Vantagens na Utilização da Fibra
Dimensões Reduzidas
 Mesmo com revestimento necessário para
proteção, os cabos também possuem
dimensões bastantes reduzidas;
 Cabos óptico pode ser 20 vezes menor em
tamanho que o cabo metálico com a mesma
capacidade de transmissão;
6
Vantagens na Utilização da Fibra
Segurança no tráfego de Informações
 Utilizam infravermelho como sinal de
comunicação e isso traz grandes dificuldades
para aqueles que desejam ”grampear” os
sinais;
7
Vantagens na Utilização da Fibra
Maiores distâncias nas transmissões
 Perdas pequenas;
 Lances de cabos com grande distância;
 Dependendo os tipo e qualidade da fibra
óptica os lances podem alcançar até 250 Km
(fonte: Furukawa);
8
Vantagens na Utilização da Fibra
Maior capacidade de transmissão
 A capacidade de transmissão está relacionada
com a freqüência das portadoras entre 160MHz
ou centenas THz;
 dependendo do tipo (multimodo ou monomodo);
 Comprimento da onda utilizado;
9
Vantagens na Utilização da Fibra
Custo/Benefício
 Em sistemas telefônicos de longa distância;
 Redes de comunicação de dados;
 Maior capacidade de transmissão e
distâncias maiores entre os repetidores;
10
Noções Ópticas
 A luz viaja em linha reta;
 Reflexão total: é a reflexão angular
Ex: Ângulo de entrada igual ao de saída;
 Reflexão: quando a luz ou parte é desviada.
Ex: Ângulo de entrada diferente ao de saída;
11
Funcionamento da Fibra
 Princípio pelo qual a luz se propaga no
interior de uma fibra óptica é fundamentado
na reflexão total da luz;
 Constituição da Fibra:
 Cobertura;
 Casca
 Núcleo;
12
Constituição da Fibra
62,5 µm
125 µm
Capa externa
Capa da fibra
13
Fibra Óptica
14
Classificação das Fibras
 Variam conforme aplicação específica;
 Materiais;
 Dimensões;
 Processos de fabricação;
 Tipos monomodo e multimodo;
15
Fibras Multimodo
 Permite em seu núcleo que os feixes luminosos
percorram diversos caminhos;
 Índice degrau: fabricação simples em relação a
gradual (não mais fabricadas);
 Índice gradual: fibra mais utilizada, fabricação
mais complexa;
Índice gradual faz que os raios de luz que
percorrem caminhos diferentes, tenham
velocidades diferentes, e os raios de luz
cheguem a extremidade da fibra
aproximadamente ao mesmo tempo.
16
Fibras Multimodo
 Advento da padronização FDDI seu uso em
redes locais;
 Padronização GigaBit Ethernet traz o
interesse de se especificar soluções sobre
MMF (fibra multimodo);
 Utiliza com fonte LED’s;
 Multimodo -cabo até 2 km;
17
Fibras Monomodo
 Único modo de propagação;
Classificam-se em:
 índice degrau;
 Dispersão deslocada;
 Fibras monomodo fabricação mais complexa
que fibra multimodo, pois suas dimensões
são muito reduzidas e a tecnologia
envolvida é mais avançada;
18
Fibras Monomodo
 Características superior na banda passante,
mais larga o que aumenta a transmissão;
 Atenuação mais baixas;
 Aumento a distancia sem uso de repetidores;
 Desvantagem é seu manuseio, mais
complexo;
 Monomodo - cabo até 45 km;
19
Fontes de Luz
 LEDs: Mais barato;
 LASER: difícil de fabricar, sensível a
temperatura altas;
 Vida útil dos Laser é menos que o LED;
 A temperatura do ambiente influência no
tempo de vida;
20
Exercício
1. Explique as vantagens na utilização de fibra óptica?
2. Em qual princípio óptico trabalha a fibra?
3. Diferencia fibra Multimodo e Monomodo. Exemplifique.
4. Quais as fontes de Luz para fibra óptica ?
5. Dê exemplos da utilização de fibra (multimodo e monodo)
e qual fontes de luz são utilizadas para cada tipo.
6. Diferencie cabos metálicos e fibra. Cite suas principais
utilizações ?
7. Cria um infra-estrutura de um LAN, utilizando fibra óptica
para conectar 15 pontos.
21
Sistema de Comunicação por
Fibra
 Transmissor Óptica
 Receptor Óptico
Foto Detector
Fonte LuminosaCircuito Driver
Amplificador
Filtro
Decodificador
Codificador
Sinal Elétrico
Fibra
Sinal Elétrico
22
Atenuação e Dispersão em Fibra
 Atenuação é a diminuição progressiva da
potência da radiação quando esta atravessa
o meio físico;
 Fatores Intrínsecos: a medida que a luz se
propaga pela fibra óptica, perde parte da
potência por causa da absorção de luz na
casca, imperfeições da sílica dentro da
fibra.
23
Fatores Intrínsecos
Mais importantes:
 Alterações na direção e comprimento de
onda;
 Imperfeições na sílica;
 Variações no índice de refração;
 Impurezas durante a fabricação;
24
Dispersão em Fibras
 Dispersão é responsável pela limitação da
largura de banda do sinal transmitido;
 Isto significa um alargamento temporal do
pulso óptico, resultando na superposição de
diversos pulsos do sinal;
25
Recomendações da Norma
 Norma TIA/EIA- 568-B.3;
 Tipo de Cabo: Multimodo (índice gradual);
 Conectores com vida útil de 1000 operações
no mínimo, sem alterar suas características;
26
Terminações Ópticas
 As terminações ópticas são constituídas
basicamente de conectores;
 Destinados a conectar desconectar, de forma
freqüente e fácil, fibras ópticas entre si, a um
fonte ou a um detector óptico;
27
Terminações Ópticas
 Conectores Ópticos são acessórios
compostos basicamente de um ferrolho,
onde se encontra a terminação da fibra
óptica;
 Parte responsável pela fixação das fibras;
 Tenta evitar perda de sinal;
28
Terminações Ópticas
A conectorização requer cuidados para sua
realização, como:
 Ambiente limpo;
 Temperatura controlada;
 Baixo nível de umidade;
 Polimento mecanizado;
 Estas condições proporcionam conectorização de
boa qualidade e baixo níveis de atenuação, além
de garantir uma uniformidade de conectorização;
29
Aplicação das Terminações
 Extensões ópticas ou pig-tail: o conector é
aplicado em uma das extremidades da fibra
óptica, e outra extremidade será utilizado
para emenda por fusão ou emenda
mecânica;
 Cordão óptico: o conector é aplicado nas
duas extremidades da fibra óptica;
 Cabo Multicordão: o conector é aplicado em
um cabo com várias fibras;
30
Cordão Ópticos
31
Aplicação das Terminações
Tipos de Conectores mais usados:
 ST;
 SC;
 SC DUPLEX;
32
Conectores
33
Emendas Ópticas
 Necessidade de se dar continuidade a um
lance de cabos ópticos que esteja sendo
instalado;
 Para cada tipo de emenda existe um tipo de
processo de preparo da fibra, que exigem
cuidados especiais para sua realização;
34
Emendas Ópticas
Emenda por fusão:
 Decapando o cabo;
 Limpeza do cabo;
 Decapagem;
 Limpeza da fibra;
 Clivagem: corte da fibra sob um ângulo de
90 graus;
35
Emendas Ópticas
 Processo de emenda Mecânica;
 Processo de emenda por fusão;
 Emenda Óptica por "Acoplamento de
Conectores" (Conectorização – alinhamento
das fibras através de conectores);
36
Processo Mecânico
 Primeiro consiste no uso de alinhadores de
precisão, onde as fibra são introduzidas;
 Alinhadores possui uma ranhura na qual as
fibra são alinhadas frente a frente e
aproximadas uma a outra até o quase
contato entre as duas;
 Logo após é introduzido um gel casador de
índice de refração entre as duas fibras de
forma que o casamento entre as duas fibras
seja melhorado;
37
Processo Mecânico
 Finalmente, pelo monitoramento de
equipamentos (Power meter, OTDR), as fibra
são aproximadas, ajustadas e, quando é obtido
o ponto de menor atenuação, as fibra são
travadas, de modo que fiquem estáticas,
impedindo que se movimentem;
 Esta emenda é bastante utilizada em situações
de emergência, pois a atenuação é bastante
grande quando comparada às emendas
realizadas por máquinas de fusão e tem a
tendência a aumentar com o passar do tempo;
38
Processo Mecânico
39
Processo Mecânico
40
Processo por Fusão de Fibra
 Caracteriza-se por “fundir” as extremidades
das fibras ópticas, de modo a torná-las
continuas;
 É o processo mais utilizado, pois apresenta
os menores níveis de atenuação para tal
torna-se necessário a utilização de máquinas
de emenda;
41
Processo por Fusão de Fibra
 Basicamente, as fibras são inseridas em um
dispositivo da máquina de emenda denominado
V-Groove, que tem o papel de alinhar as fibras
de forma que as faces cortadas delas fiquem
paralelas entre si;
 Após isso, as fibras são aproximadas pelo
próprio V-Groove, que é móvel, até que as
fibras fiquem a uma distância de
aproximadamente 1 mm, evitando que se
encostem;
42
Processo por Fusão de Fibra
 A partir daí, as fibras são fundidas entre si por arcos
voltaicos gerados pro dois eletrodos existentes
na máquina, que tornam as fibras contínuas;
 Após isso, a emenda é envolvida por um acessório
denominado protetor de emendas que proverá
proteção mecânica;
 Como em todos os processos com fibra exige
cuidado, pois qualquer irregularidade pode
prejudicar a qualidade da emenda, elevando o
nível de atenuação;
43
Esquema da Fusão
44
Máquina de fusão
45
Processo por Conectorização
 Consiste no uso de conectores ópticos, que
são aproximados e alinhados sem, contudo,
encostar um no outro;
 Isso se realiza por adaptadores ópticos que
aproximam, alinham e fixam os conectores,
proporcionando assim uma emenda
mecânica;
 Comparações de Fibra versus satélite;
46
Processo por Conectorização
47
Certificações e Teste em Fibra
 Testador verifica se a rede está disponível
para uso e, se não estiver, vai apontar as
falhas a corrigir;
 É fundamentalmente importante que a rede
seja certificada convenientemente antes de
ativada, pois defeitos com software ou
hardware costuma ser confundidos com
defeitos de cabeamento;
48
Fibra X Satélite
49
Capacidade de transmissão
de dados de Fibras Ópticas
50
Medições Realizadas
 Os cabos e os acessórios são submetidos a testes
que envolvem uma série de parâmetros
relacionados com os dados construtivos deles e,
principalmente, com os parâmetros de
desempenho;
 Dispersão Cromática;
 Largura de Banda;
 Comprimento de onda e corte;
 Características geométricas;
 Atenuação;
51
Teste em Campo
 Continuidade: é um teste rápido que
assegura que a luz passará de uma
extremidade do enlace para outra;
 Para fazer o teste de continuidade pode ser
usado uma lanterna comum ou uma outra
fonte de luz visível;
 Corta-se a extremidade da fibra e se verifica
se ela está visível do outro lado;
 Este teste serve de referencia básica
52
Teste em Campo
 Atenuação: medida em decibéis (dB). A
perda em dB de um enlace é determinada
medindo a potência óptica inserindo em uma
extremidade, e a potência óptica na outra
extremidade.
53
1. Comente sobre o TIA/EIA- 568-B.3;
2. Quais os tipos de terminações em fibra
mais utilizadas no mercado?
3. Quais os processos de emendas em fibra
ópticas ? Suas melhores utilizações.
4. Procure sobre testadores de fibra e quais
informações oferecem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ENTENDENDO OTDR
ENTENDENDO OTDRENTENDENDO OTDR
ENTENDENDO OTDR
WELLINGTON MARTINS
 
fttx (Fiber To The X)
fttx (Fiber To The X)fttx (Fiber To The X)
fttx (Fiber To The X)
Marilene de Melo
 
PROJETO DE REDE
PROJETO DE REDEPROJETO DE REDE
PROJETO DE REDE
WELLINGTON MARTINS
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Leonardo Bruno
 
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPONFIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
WELLINGTON MARTINS
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
Thiago Barros, PSM
 
Topologias de rede
Topologias de redeTopologias de rede
Topologias de rede
Susana Oliveira
 
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IPAula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Filipo Mór
 
Redes de computadores 2 - Protocolos
Redes de computadores 2 - ProtocolosRedes de computadores 2 - Protocolos
Redes de computadores 2 - Protocolos
José Ronaldo Trajano
 
FIBRA ÓPTICA CABOS
FIBRA ÓPTICA CABOS FIBRA ÓPTICA CABOS
FIBRA ÓPTICA CABOS
WELLINGTON MARTINS
 
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte IIAula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Dalton Martins
 
Projeto final instalação e configuração de redes locais
Projeto final  instalação e configuração de redes locaisProjeto final  instalação e configuração de redes locais
Projeto final instalação e configuração de redes locais
MarcoSoaresGI
 
FIBRA ÓPTICA REDES
FIBRA ÓPTICA REDES FIBRA ÓPTICA REDES
FIBRA ÓPTICA REDES
WELLINGTON MARTINS
 
Cabos coaxiais
Cabos coaxiaisCabos coaxiais
Cabos coaxiais
joana_moura
 
Dispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e PassivosDispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e Passivos
Rikelmo19
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
Fábio Eliseu
 
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fioAula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
camila_seixas
 
Redes de comunicação - TGPSI
Redes de comunicação - TGPSIRedes de comunicação - TGPSI
Redes de comunicação - TGPSI
Agrupamento de Escolas da Batalha
 
FIBRA ÓPTICA EMENDA ÓPTICA
FIBRA ÓPTICA EMENDA ÓPTICAFIBRA ÓPTICA EMENDA ÓPTICA
FIBRA ÓPTICA EMENDA ÓPTICA
WELLINGTON MARTINS
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
Jakson Silva
 

Mais procurados (20)

ENTENDENDO OTDR
ENTENDENDO OTDRENTENDENDO OTDR
ENTENDENDO OTDR
 
fttx (Fiber To The X)
fttx (Fiber To The X)fttx (Fiber To The X)
fttx (Fiber To The X)
 
PROJETO DE REDE
PROJETO DE REDEPROJETO DE REDE
PROJETO DE REDE
 
Redes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redesRedes de-computadores-tipos-de-redes
Redes de-computadores-tipos-de-redes
 
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPONFIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
 
Meios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissãoMeios guiado de transmissão
Meios guiado de transmissão
 
Topologias de rede
Topologias de redeTopologias de rede
Topologias de rede
 
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IPAula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
Aula 6 - Redes de Computadores A - Endereçamento IP
 
Redes de computadores 2 - Protocolos
Redes de computadores 2 - ProtocolosRedes de computadores 2 - Protocolos
Redes de computadores 2 - Protocolos
 
FIBRA ÓPTICA CABOS
FIBRA ÓPTICA CABOS FIBRA ÓPTICA CABOS
FIBRA ÓPTICA CABOS
 
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte IIAula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
Aula 07 - Projeto de Topologia e Exercícios - Parte II
 
Projeto final instalação e configuração de redes locais
Projeto final  instalação e configuração de redes locaisProjeto final  instalação e configuração de redes locais
Projeto final instalação e configuração de redes locais
 
FIBRA ÓPTICA REDES
FIBRA ÓPTICA REDES FIBRA ÓPTICA REDES
FIBRA ÓPTICA REDES
 
Cabos coaxiais
Cabos coaxiaisCabos coaxiais
Cabos coaxiais
 
Dispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e PassivosDispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e Passivos
 
Redes de Computadores
Redes de ComputadoresRedes de Computadores
Redes de Computadores
 
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fioAula 1: Conceitos de redes sem fio
Aula 1: Conceitos de redes sem fio
 
Redes de comunicação - TGPSI
Redes de comunicação - TGPSIRedes de comunicação - TGPSI
Redes de comunicação - TGPSI
 
FIBRA ÓPTICA EMENDA ÓPTICA
FIBRA ÓPTICA EMENDA ÓPTICAFIBRA ÓPTICA EMENDA ÓPTICA
FIBRA ÓPTICA EMENDA ÓPTICA
 
Redes de computadores
Redes de computadoresRedes de computadores
Redes de computadores
 

Destaque

Trabalho de fibra óptica
Trabalho de fibra óptica Trabalho de fibra óptica
Trabalho de fibra óptica
Cantinho do Saber
 
Fibra Óptica
Fibra ÓpticaFibra Óptica
Fibra Óptica
Maria João Silva
 
Fibra óptica conceitos gerais
Fibra óptica   conceitos geraisFibra óptica   conceitos gerais
Fibra óptica conceitos gerais
Brunolp
 
Fibra optica csc
Fibra optica cscFibra optica csc
Fibra optica csc
jose_santinha
 
Fibra óptica
Fibra ópticaFibra óptica
Fibra óptica
Nilss' Nieto Lopz
 
fibra optica
fibra opticafibra optica
fibra optica
Denilson Ramirez
 
Redes ethernet sobre fibra óptica
Redes ethernet sobre fibra ópticaRedes ethernet sobre fibra óptica
Redes ethernet sobre fibra óptica
Jarbas Pereira
 
Fibra optica
Fibra opticaFibra optica
Fibra optica
asmendes
 
Cabos de fibra óptica
Cabos de fibra ópticaCabos de fibra óptica
Cabos de fibra óptica
Pedro Peixoto
 
FTTH para ISPs
FTTH para ISPsFTTH para ISPs
FTTH para ISPs
Luiz Gustavo Schmoekel
 
Fibras ópticas
Fibras ópticasFibras ópticas
Fibras ópticas
Thalles Anderson
 
Bastidores
BastidoresBastidores
Bastidores
Baguiasri
 
Planeamento Rede
Planeamento RedePlaneamento Rede
Planeamento Rede
João Sousa
 
Cablagem bastidores
Cablagem bastidoresCablagem bastidores
Cablagem bastidores
AndreiaOliveira94
 
Planeamento da rede
Planeamento da redePlaneamento da rede
Planeamento da rede
filipereira
 
Bastidores e cablgaem
Bastidores e cablgaemBastidores e cablgaem
Bastidores e cablgaem
kamatozza
 
Ficha de trabalho 5 bastidores e cablagem estruturada
Ficha de trabalho 5   bastidores e cablagem estruturadaFicha de trabalho 5   bastidores e cablagem estruturada
Ficha de trabalho 5 bastidores e cablagem estruturada
Paulo Sergio
 
Ficha 5 - bastidores e cablagem estruturada
Ficha 5 - bastidores e cablagem estruturada Ficha 5 - bastidores e cablagem estruturada
Ficha 5 - bastidores e cablagem estruturada
nunesgilvicente
 
Sebrae Recife
Sebrae RecifeSebrae Recife
Sebrae Recife
Elis Monteiro
 
Biography steinbach en
Biography steinbach enBiography steinbach en
Biography steinbach en
Y2Studio
 

Destaque (20)

Trabalho de fibra óptica
Trabalho de fibra óptica Trabalho de fibra óptica
Trabalho de fibra óptica
 
Fibra Óptica
Fibra ÓpticaFibra Óptica
Fibra Óptica
 
Fibra óptica conceitos gerais
Fibra óptica   conceitos geraisFibra óptica   conceitos gerais
Fibra óptica conceitos gerais
 
Fibra optica csc
Fibra optica cscFibra optica csc
Fibra optica csc
 
Fibra óptica
Fibra ópticaFibra óptica
Fibra óptica
 
fibra optica
fibra opticafibra optica
fibra optica
 
Redes ethernet sobre fibra óptica
Redes ethernet sobre fibra ópticaRedes ethernet sobre fibra óptica
Redes ethernet sobre fibra óptica
 
Fibra optica
Fibra opticaFibra optica
Fibra optica
 
Cabos de fibra óptica
Cabos de fibra ópticaCabos de fibra óptica
Cabos de fibra óptica
 
FTTH para ISPs
FTTH para ISPsFTTH para ISPs
FTTH para ISPs
 
Fibras ópticas
Fibras ópticasFibras ópticas
Fibras ópticas
 
Bastidores
BastidoresBastidores
Bastidores
 
Planeamento Rede
Planeamento RedePlaneamento Rede
Planeamento Rede
 
Cablagem bastidores
Cablagem bastidoresCablagem bastidores
Cablagem bastidores
 
Planeamento da rede
Planeamento da redePlaneamento da rede
Planeamento da rede
 
Bastidores e cablgaem
Bastidores e cablgaemBastidores e cablgaem
Bastidores e cablgaem
 
Ficha de trabalho 5 bastidores e cablagem estruturada
Ficha de trabalho 5   bastidores e cablagem estruturadaFicha de trabalho 5   bastidores e cablagem estruturada
Ficha de trabalho 5 bastidores e cablagem estruturada
 
Ficha 5 - bastidores e cablagem estruturada
Ficha 5 - bastidores e cablagem estruturada Ficha 5 - bastidores e cablagem estruturada
Ficha 5 - bastidores e cablagem estruturada
 
Sebrae Recife
Sebrae RecifeSebrae Recife
Sebrae Recife
 
Biography steinbach en
Biography steinbach enBiography steinbach en
Biography steinbach en
 

Semelhante a Fibras opticas

Aulas de rede
Aulas de redeAulas de rede
Aulas de rede
Luand Gadelha
 
Comunicações ópticas
Comunicações ópticasComunicações ópticas
Comunicações ópticas
Heitor Galvão
 
Comunicacoes opticas I
Comunicacoes opticas IComunicacoes opticas I
Comunicacoes opticas I
Igors Cardoso
 
Características da propagação em fibras ópticas
Características da propagação em fibras ópticasCaracterísticas da propagação em fibras ópticas
Características da propagação em fibras ópticas
Maitsudá Matos
 
Apresentação meios físicos
Apresentação meios físicosApresentação meios físicos
Apresentação meios físicos
kamatozza
 
Modulo4 1º trabalho
Modulo4 1º trabalhoModulo4 1º trabalho
Modulo4 1º trabalho
Sandeep Singh
 
OTDR APLICAÇÃO
OTDR APLICAÇÃOOTDR APLICAÇÃO
OTDR APLICAÇÃO
WELLINGTON MARTINS
 
Aplicacao do otdr
Aplicacao do otdrAplicacao do otdr
Aplicacao do otdr
CARLOS MAGNO RABELO
 
Aplicação do otdr
Aplicação do otdrAplicação do otdr
Aplicação do otdr
Maitsudá Matos
 
06 aula 20032012
06   aula 2003201206   aula 20032012
06 aula 20032012
atsileg
 
50524(1).ppt
50524(1).ppt50524(1).ppt
50524(1).ppt
JoberthSilva
 
Cabos
CabosCabos
Fibras ópticas
Fibras ópticasFibras ópticas
Fibras ópticas
vagnerliboiro
 
4 meios físicos ópticos
4 meios físicos ópticos4 meios físicos ópticos
4 meios físicos ópticos
Edmir Tavares de Arruda Junior
 
Redes em Fibras Óticas: Produção e Caracterização
Redes em Fibras Óticas: Produção e CaracterizaçãoRedes em Fibras Óticas: Produção e Caracterização
Redes em Fibras Óticas: Produção e Caracterização
Narah Rank
 
Aula 04 - Meios de Transmissao (1).pptx
Aula 04 - Meios de Transmissao (1).pptxAula 04 - Meios de Transmissao (1).pptx
Aula 04 - Meios de Transmissao (1).pptx
ssuser892ef3
 
FORMAÇÃO FIBRA
FORMAÇÃO FIBRAFORMAÇÃO FIBRA
FORMAÇÃO FIBRA
Fernando Reis
 
Atenuacoes
AtenuacoesAtenuacoes
Atenuacoes
j_vello
 
Meios físicos AC
Meios físicos ACMeios físicos AC
Meios físicos AC
shecklone
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
sharik27
 

Semelhante a Fibras opticas (20)

Aulas de rede
Aulas de redeAulas de rede
Aulas de rede
 
Comunicações ópticas
Comunicações ópticasComunicações ópticas
Comunicações ópticas
 
Comunicacoes opticas I
Comunicacoes opticas IComunicacoes opticas I
Comunicacoes opticas I
 
Características da propagação em fibras ópticas
Características da propagação em fibras ópticasCaracterísticas da propagação em fibras ópticas
Características da propagação em fibras ópticas
 
Apresentação meios físicos
Apresentação meios físicosApresentação meios físicos
Apresentação meios físicos
 
Modulo4 1º trabalho
Modulo4 1º trabalhoModulo4 1º trabalho
Modulo4 1º trabalho
 
OTDR APLICAÇÃO
OTDR APLICAÇÃOOTDR APLICAÇÃO
OTDR APLICAÇÃO
 
Aplicacao do otdr
Aplicacao do otdrAplicacao do otdr
Aplicacao do otdr
 
Aplicação do otdr
Aplicação do otdrAplicação do otdr
Aplicação do otdr
 
06 aula 20032012
06   aula 2003201206   aula 20032012
06 aula 20032012
 
50524(1).ppt
50524(1).ppt50524(1).ppt
50524(1).ppt
 
Cabos
CabosCabos
Cabos
 
Fibras ópticas
Fibras ópticasFibras ópticas
Fibras ópticas
 
4 meios físicos ópticos
4 meios físicos ópticos4 meios físicos ópticos
4 meios físicos ópticos
 
Redes em Fibras Óticas: Produção e Caracterização
Redes em Fibras Óticas: Produção e CaracterizaçãoRedes em Fibras Óticas: Produção e Caracterização
Redes em Fibras Óticas: Produção e Caracterização
 
Aula 04 - Meios de Transmissao (1).pptx
Aula 04 - Meios de Transmissao (1).pptxAula 04 - Meios de Transmissao (1).pptx
Aula 04 - Meios de Transmissao (1).pptx
 
FORMAÇÃO FIBRA
FORMAÇÃO FIBRAFORMAÇÃO FIBRA
FORMAÇÃO FIBRA
 
Atenuacoes
AtenuacoesAtenuacoes
Atenuacoes
 
Meios físicos AC
Meios físicos ACMeios físicos AC
Meios físicos AC
 
2 ficehiro
2 ficehiro2 ficehiro
2 ficehiro
 

Último

PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
anpproferick
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
tnrlucas
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
anpproferick
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Annelise Gripp
 
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptxREDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
IranyGarcia
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Rafael Santos
 

Último (6)

PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
 
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptxREDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
REDE_DE_COMPUTADORES_TECNOLOGIA_TIPOS.pptx
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
 

Fibras opticas

  • 2. 2 Natureza da Luz  A luz apresenta características de partículas (corpos dotados de massa) e em outros, de onda (energia);  Em determinadas condições, a luz parece um raio ou partícula eletromagnética que se move em alta velocidade, denominada fótons;  Assim sendo é importante notar que não se pode generalizar a luz como partículas ou ondas, dependendo da situação, uma ou outra teoria melhor descrevem um dado fenômeno;
  • 3. 3 Ondas Eletromagnéticas  As onda eletromagnéticas incluem a luz visível, as onda de rádio e as de radar, os raios X, raios gama, microondas e outras que envolvem a propagação de ondas de campos elétricos e magnéticos através do espaço com velocidade de 300.000.000 m/s no vácuo;  Todas as ondas eletromagnéticas são geradas pela aceleração de cargas elétricas;  A diferença entre diversos tipos estão nas freqüências e comprimentos de onda;  A luz tem uma freqüência na faixa de 10 elevado 14 10 elevado 16 Hz;
  • 4. 4 Vantagens na Utilização da Fibra Total imunidade às interferências Eletromagnéticas  Características dielétricas (imunes interferências eletromagnéticas);  Material dielétrico (sem condutores metálicos);  Não conduz eletricidade;
  • 5. 5 Vantagens na Utilização da Fibra Dimensões Reduzidas  Mesmo com revestimento necessário para proteção, os cabos também possuem dimensões bastantes reduzidas;  Cabos óptico pode ser 20 vezes menor em tamanho que o cabo metálico com a mesma capacidade de transmissão;
  • 6. 6 Vantagens na Utilização da Fibra Segurança no tráfego de Informações  Utilizam infravermelho como sinal de comunicação e isso traz grandes dificuldades para aqueles que desejam ”grampear” os sinais;
  • 7. 7 Vantagens na Utilização da Fibra Maiores distâncias nas transmissões  Perdas pequenas;  Lances de cabos com grande distância;  Dependendo os tipo e qualidade da fibra óptica os lances podem alcançar até 250 Km (fonte: Furukawa);
  • 8. 8 Vantagens na Utilização da Fibra Maior capacidade de transmissão  A capacidade de transmissão está relacionada com a freqüência das portadoras entre 160MHz ou centenas THz;  dependendo do tipo (multimodo ou monomodo);  Comprimento da onda utilizado;
  • 9. 9 Vantagens na Utilização da Fibra Custo/Benefício  Em sistemas telefônicos de longa distância;  Redes de comunicação de dados;  Maior capacidade de transmissão e distâncias maiores entre os repetidores;
  • 10. 10 Noções Ópticas  A luz viaja em linha reta;  Reflexão total: é a reflexão angular Ex: Ângulo de entrada igual ao de saída;  Reflexão: quando a luz ou parte é desviada. Ex: Ângulo de entrada diferente ao de saída;
  • 11. 11 Funcionamento da Fibra  Princípio pelo qual a luz se propaga no interior de uma fibra óptica é fundamentado na reflexão total da luz;  Constituição da Fibra:  Cobertura;  Casca  Núcleo;
  • 12. 12 Constituição da Fibra 62,5 µm 125 µm Capa externa Capa da fibra
  • 14. 14 Classificação das Fibras  Variam conforme aplicação específica;  Materiais;  Dimensões;  Processos de fabricação;  Tipos monomodo e multimodo;
  • 15. 15 Fibras Multimodo  Permite em seu núcleo que os feixes luminosos percorram diversos caminhos;  Índice degrau: fabricação simples em relação a gradual (não mais fabricadas);  Índice gradual: fibra mais utilizada, fabricação mais complexa; Índice gradual faz que os raios de luz que percorrem caminhos diferentes, tenham velocidades diferentes, e os raios de luz cheguem a extremidade da fibra aproximadamente ao mesmo tempo.
  • 16. 16 Fibras Multimodo  Advento da padronização FDDI seu uso em redes locais;  Padronização GigaBit Ethernet traz o interesse de se especificar soluções sobre MMF (fibra multimodo);  Utiliza com fonte LED’s;  Multimodo -cabo até 2 km;
  • 17. 17 Fibras Monomodo  Único modo de propagação; Classificam-se em:  índice degrau;  Dispersão deslocada;  Fibras monomodo fabricação mais complexa que fibra multimodo, pois suas dimensões são muito reduzidas e a tecnologia envolvida é mais avançada;
  • 18. 18 Fibras Monomodo  Características superior na banda passante, mais larga o que aumenta a transmissão;  Atenuação mais baixas;  Aumento a distancia sem uso de repetidores;  Desvantagem é seu manuseio, mais complexo;  Monomodo - cabo até 45 km;
  • 19. 19 Fontes de Luz  LEDs: Mais barato;  LASER: difícil de fabricar, sensível a temperatura altas;  Vida útil dos Laser é menos que o LED;  A temperatura do ambiente influência no tempo de vida;
  • 20. 20 Exercício 1. Explique as vantagens na utilização de fibra óptica? 2. Em qual princípio óptico trabalha a fibra? 3. Diferencia fibra Multimodo e Monomodo. Exemplifique. 4. Quais as fontes de Luz para fibra óptica ? 5. Dê exemplos da utilização de fibra (multimodo e monodo) e qual fontes de luz são utilizadas para cada tipo. 6. Diferencie cabos metálicos e fibra. Cite suas principais utilizações ? 7. Cria um infra-estrutura de um LAN, utilizando fibra óptica para conectar 15 pontos.
  • 21. 21 Sistema de Comunicação por Fibra  Transmissor Óptica  Receptor Óptico Foto Detector Fonte LuminosaCircuito Driver Amplificador Filtro Decodificador Codificador Sinal Elétrico Fibra Sinal Elétrico
  • 22. 22 Atenuação e Dispersão em Fibra  Atenuação é a diminuição progressiva da potência da radiação quando esta atravessa o meio físico;  Fatores Intrínsecos: a medida que a luz se propaga pela fibra óptica, perde parte da potência por causa da absorção de luz na casca, imperfeições da sílica dentro da fibra.
  • 23. 23 Fatores Intrínsecos Mais importantes:  Alterações na direção e comprimento de onda;  Imperfeições na sílica;  Variações no índice de refração;  Impurezas durante a fabricação;
  • 24. 24 Dispersão em Fibras  Dispersão é responsável pela limitação da largura de banda do sinal transmitido;  Isto significa um alargamento temporal do pulso óptico, resultando na superposição de diversos pulsos do sinal;
  • 25. 25 Recomendações da Norma  Norma TIA/EIA- 568-B.3;  Tipo de Cabo: Multimodo (índice gradual);  Conectores com vida útil de 1000 operações no mínimo, sem alterar suas características;
  • 26. 26 Terminações Ópticas  As terminações ópticas são constituídas basicamente de conectores;  Destinados a conectar desconectar, de forma freqüente e fácil, fibras ópticas entre si, a um fonte ou a um detector óptico;
  • 27. 27 Terminações Ópticas  Conectores Ópticos são acessórios compostos basicamente de um ferrolho, onde se encontra a terminação da fibra óptica;  Parte responsável pela fixação das fibras;  Tenta evitar perda de sinal;
  • 28. 28 Terminações Ópticas A conectorização requer cuidados para sua realização, como:  Ambiente limpo;  Temperatura controlada;  Baixo nível de umidade;  Polimento mecanizado;  Estas condições proporcionam conectorização de boa qualidade e baixo níveis de atenuação, além de garantir uma uniformidade de conectorização;
  • 29. 29 Aplicação das Terminações  Extensões ópticas ou pig-tail: o conector é aplicado em uma das extremidades da fibra óptica, e outra extremidade será utilizado para emenda por fusão ou emenda mecânica;  Cordão óptico: o conector é aplicado nas duas extremidades da fibra óptica;  Cabo Multicordão: o conector é aplicado em um cabo com várias fibras;
  • 31. 31 Aplicação das Terminações Tipos de Conectores mais usados:  ST;  SC;  SC DUPLEX;
  • 33. 33 Emendas Ópticas  Necessidade de se dar continuidade a um lance de cabos ópticos que esteja sendo instalado;  Para cada tipo de emenda existe um tipo de processo de preparo da fibra, que exigem cuidados especiais para sua realização;
  • 34. 34 Emendas Ópticas Emenda por fusão:  Decapando o cabo;  Limpeza do cabo;  Decapagem;  Limpeza da fibra;  Clivagem: corte da fibra sob um ângulo de 90 graus;
  • 35. 35 Emendas Ópticas  Processo de emenda Mecânica;  Processo de emenda por fusão;  Emenda Óptica por "Acoplamento de Conectores" (Conectorização – alinhamento das fibras através de conectores);
  • 36. 36 Processo Mecânico  Primeiro consiste no uso de alinhadores de precisão, onde as fibra são introduzidas;  Alinhadores possui uma ranhura na qual as fibra são alinhadas frente a frente e aproximadas uma a outra até o quase contato entre as duas;  Logo após é introduzido um gel casador de índice de refração entre as duas fibras de forma que o casamento entre as duas fibras seja melhorado;
  • 37. 37 Processo Mecânico  Finalmente, pelo monitoramento de equipamentos (Power meter, OTDR), as fibra são aproximadas, ajustadas e, quando é obtido o ponto de menor atenuação, as fibra são travadas, de modo que fiquem estáticas, impedindo que se movimentem;  Esta emenda é bastante utilizada em situações de emergência, pois a atenuação é bastante grande quando comparada às emendas realizadas por máquinas de fusão e tem a tendência a aumentar com o passar do tempo;
  • 40. 40 Processo por Fusão de Fibra  Caracteriza-se por “fundir” as extremidades das fibras ópticas, de modo a torná-las continuas;  É o processo mais utilizado, pois apresenta os menores níveis de atenuação para tal torna-se necessário a utilização de máquinas de emenda;
  • 41. 41 Processo por Fusão de Fibra  Basicamente, as fibras são inseridas em um dispositivo da máquina de emenda denominado V-Groove, que tem o papel de alinhar as fibras de forma que as faces cortadas delas fiquem paralelas entre si;  Após isso, as fibras são aproximadas pelo próprio V-Groove, que é móvel, até que as fibras fiquem a uma distância de aproximadamente 1 mm, evitando que se encostem;
  • 42. 42 Processo por Fusão de Fibra  A partir daí, as fibras são fundidas entre si por arcos voltaicos gerados pro dois eletrodos existentes na máquina, que tornam as fibras contínuas;  Após isso, a emenda é envolvida por um acessório denominado protetor de emendas que proverá proteção mecânica;  Como em todos os processos com fibra exige cuidado, pois qualquer irregularidade pode prejudicar a qualidade da emenda, elevando o nível de atenuação;
  • 45. 45 Processo por Conectorização  Consiste no uso de conectores ópticos, que são aproximados e alinhados sem, contudo, encostar um no outro;  Isso se realiza por adaptadores ópticos que aproximam, alinham e fixam os conectores, proporcionando assim uma emenda mecânica;  Comparações de Fibra versus satélite;
  • 47. 47 Certificações e Teste em Fibra  Testador verifica se a rede está disponível para uso e, se não estiver, vai apontar as falhas a corrigir;  É fundamentalmente importante que a rede seja certificada convenientemente antes de ativada, pois defeitos com software ou hardware costuma ser confundidos com defeitos de cabeamento;
  • 49. 49 Capacidade de transmissão de dados de Fibras Ópticas
  • 50. 50 Medições Realizadas  Os cabos e os acessórios são submetidos a testes que envolvem uma série de parâmetros relacionados com os dados construtivos deles e, principalmente, com os parâmetros de desempenho;  Dispersão Cromática;  Largura de Banda;  Comprimento de onda e corte;  Características geométricas;  Atenuação;
  • 51. 51 Teste em Campo  Continuidade: é um teste rápido que assegura que a luz passará de uma extremidade do enlace para outra;  Para fazer o teste de continuidade pode ser usado uma lanterna comum ou uma outra fonte de luz visível;  Corta-se a extremidade da fibra e se verifica se ela está visível do outro lado;  Este teste serve de referencia básica
  • 52. 52 Teste em Campo  Atenuação: medida em decibéis (dB). A perda em dB de um enlace é determinada medindo a potência óptica inserindo em uma extremidade, e a potência óptica na outra extremidade.
  • 53. 53 1. Comente sobre o TIA/EIA- 568-B.3; 2. Quais os tipos de terminações em fibra mais utilizadas no mercado? 3. Quais os processos de emendas em fibra ópticas ? Suas melhores utilizações. 4. Procure sobre testadores de fibra e quais informações oferecem.

Notas do Editor

  1. - A descrição completa das ondas eletromagnéticas se baseia nas leis da eletricidade e do magnetismo, conforme a teoria de Maxwell;
  2. - Diferenças entre MHz e MBps?
  3. Reflexão é o fenômeno; Ângulo de refração é o formado pela reflexão;
  4. ILS – Injection laser diode
  5. Circuito driver: função de controle de polarização elétrica e emissão de potência; Foto Detector: converte o sinal Óptico em sinal elétrico;
  6. Quais os fatores que influenciam na perda de sinal em fibra.
  7. - Explique os tipos de terminações e exemplos.
  8. Quais os processos de emendas em fibra ópticas ? Suas melhores utilizações.
  9. - Cite um testedor de fibra e suas fucionalidades.