SlideShare uma empresa Scribd logo
  É uma representação gráfica do reconhecimento dos riscos que o indivíduo está sujeito no meio em que vive ou trabalha. A elaboração dos Mapas de Riscos Ambientais é competência dos membros da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), conforme orientações contidas no anexo IV da NR-5, dada pela Portaria n. 25 de 29/12/94 do MTb. O Mapa de Riscos tem como objetivos: Reunir as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da situação de segurança e saúde no trabalho na empresa; b) Possibilitar, durante a sua elaboração, a troca e divulgação de informações entre os trabalhadores, bem como estimular sua participação nas atividades de prevenção. Mapa  de Riscos
 
  MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS DEA-DEPTO.ENGª. DE ALIMENTOS   TÉRREO  
PLANTA PILOTO - PISO INFERIOR                                                                                                                                    
PLANTA PILOTO - PISO SUPERIOR
Mapa de riscos O Diário Oficial da União de 20 de agosto de 1992 publicou uma portaria do Departamento Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador (DNSST) implantando  a obrigatoriedade da elaboração de mapas de riscos pelas Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (CIPAS) nas empresas.  Essa portaria entrou em vigor em dezembro 2004.  http://www.btu.unesp.br/cipa/mapaderisco.htm UNESP Botucatu
O mapa é um levantamento dos pontos de risco nos diferentes setores das empresas. Trata-se de identificar situações e locais potencialmente perigosos.  A partir de uma planta baixa de cada seção são levantados todos os tipos de riscos, classificando-os por grau de perigo:  pequeno, médio e grande.  Estes tipos são agrupados em cinco grupos classificados pelas  cores  vermelho ,  verde ,  marrom ,  amarelo   e  azul .  Cada grupo corresponde a um tipo de agente: químico, físico, biológico, ergonômico e mecânico
A idéia é que os funcionários de uma seção façam a seleção apontando aos cipeiros os principais problemas da respectiva unidade. Na planta da seção, exatamente no local onde se encontra o risco (uma máquina, por exemplo) deve ser colocado o círculo no tamanho avaliado pela CIPA e na cor correspondente ao grau de risco.  O mapa deve ser colocado em um local visível para alertar aos trabalhadores sobre os perigos existentes naquela área.  Os riscos serão simbolizados por círculos de três tamanhos distintos: pequeno, com diâmetro de 2,5 cm; médio, com diâmetro de 5 cm; e grande, com diâmetro de 10 cm.  A empresa receberá o levantamento e terá 30 dias para analisar e negociar com os membros da CIPA ou do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT), se houver, prazos para providenciar as alterações propostas.  Caso estes prazos sejam descumpridos, a CIPA deverá comunicar a Delegacia Regional do Trabalho.
01 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade 02 - Tabela descritiva dos riscos ambientais 03 - Riscos Físicos 04 - Riscos Químicos 05 - Riscos Biológicos 06 - Riscos Ergonômicos 07 - Riscos de Acidentes 08 - Como elaborar o Mapa de Risco? 09 - Exemplos de Mapa de Risco
01 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade
Tabela de Gravidade     Pequeno 1 Médio 2 Grande 4 Tipos de Riscos Proporção Símbolo
02 - Tabela descritiva dos riscos ambientais
GP =Grau de perigo Arranjo físico inadequado, iluminação inadequada, incêndio e explosão, eletricidade, máquinas e equipamentos sem proteção, quedas e animais peçonhentos.  Azul   Acidentes  5  Levantamento e transporte manual de peso, monotonia, repetitividade, responsabilidade, ritmo excessivo, posturas inadequadas de trabalho, trabalho em turnos, etc.  Amarela   Ergonômicos  4  Fungos, vírus, parasitas, bactérias, protozoários, insetos, etc.  Marrom   Biológicos  3  Poeiras, fumos, gases, vapores, névoas, neblinas, etc.  Vermelho   Químicos  2  Ruído, calor, frio, pressões, umidade, radiações ionizantes e não ionizantes, vibrações, etc.  Verde   Físicos  1  Descrição  Cor de identificação   Riscos  Gp
03 - Riscos Físicos   São considerados riscos físicos: Ruídos; Vibrações; Radiações;  Calor; Frio;  Pressões anormais; Umidade.    
As máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo a curto, médio e longo prazos provocar sérios prejuízos à saúde.  Dependendo do tempo de exposição, nível sonoro e da sensibilidade individual, as alterações danosas poderão manifestar-se imediatamente ou gradualmente.  Quanto maior o nível de ruído, menor deverá ser o tempo de exposição ocupacional.   RUÍDOS
       Limite de tolerância para ruído contínuo ou intermitente
   1 hora  100  1 hora e 15 minutos  98  1 hora e 45 minutos  96  2 horas  95  2 horas e 40 minutos  94  2 horas e 40 minutos  93  3 horas  92  3 horas e 30 minutos  91  4 horas  90  4 horas e 30 minutos  89  5 horas  88  6 horas  87  7 horas  86  8 horas  85  Máxima exposição diária permissível  Nível de ruído dB(A)
7 minutos  115  8 minutos  114  10 minutos  112  15 minutos  110  20 minutos  108  25 minutos  106  30 minutos  105  35 minutos  104  45 minutos  102
Conseqüências  O ruído age diretamente sobre o sistema nervoso, ocasionando:  fadiga nervosa;  alterações mentais: perda de memória, irritabilidade, dificuldade em coordenar idéias; hipertensão; modificação do rítmo cardíaco;  modificação do calibre dos vasos sanguíneos; modificação do ritmo respiratório;  perturbações gastrointestinais; diminuição da visão noturna; dificuldade na percepção de cores. Além destas conseqüências, o ruído atinge também o aparelho auditivo causando a perda temporária ou definitiva da audição.
Medidas de controle  Para evitar ou diminuir  os danos provocados pelo ruído no local de trabalho, podem ser adotadas as seguintes medidas: Medidas de proteção coletiva: enclausuramento  da máquina produtora de ruído; isolamento de ruído. Medida de proteção individual: fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI) (nocaso, protetor auricular).  O EPI deve ser fornecido na impossibilidade de eliminar o ruído ou como medida complementar.  Medidas médicas: exames audiométricos periódicos, afastamento do local de trabalho, revezamento.  Medidas educacionais: orientação para o uso correto do EPI, campanha de conscientização.  Medidas administrativas: tornar obrigatório o uso do EPI: controlar seu uso.    
Na indústria é comum o uso de máquinas e equipamentos que produzem vibrações, as quais podem ser nocivas ao trabalhador.   VIBRAÇÕES
Generalizadas  - (ou do corpo inteiro) . As lesões ocorrem com os operadores de grandes máquinas, como os motoristas de caminhões, ônibus e tratores. Conseqüências: Lesões na coluna vertebral; dores lombares.  As vibrações podem ser: Localizadas  - (em certas partes do corpo) . São provocadas por ferramentas manuais, elétricas e pneumáticas.  Conseqüências: alterações neurovasculares nas mãos, problemas nas articulações das mãos e braços; osteoporose (perda de substância óssea).
Medidas de controle :  Para evitar ou diminuir as conseqüências das vibrações é recomendado o revezamento dos trabalhadores expostos aos riscos (menor tempo de exposição).
São formas de energia que se transmitem por ondas eletromagnéticas.  A absorção das radiações pelo organismo é responsável pelo aparecimento de diversas lesões.  Podem ser classificadas em dois grupos:  Radiações ionizantes Radiações não ionizantes   RADIAÇÕES
Radiações ionizantes: Os operadores de raio-x e radioterapia estão freqüentemente expostos a esse tipo de radiação, que pode afetar o organismo ou se manifestar nos descendentes das pessoas expostas.
Radiações não ionizantes : São radiações não ionizantes a radiação infravermelha, proveniente de operação em fornos , ou de solda oxiacetilênica, radiação ultravioleta como a gerada por operações em solda elétrica, ou ainda raios laser, microondas, etc.  Seus efeitos são perturbações visuais (conjuntivites, cataratas), queimaduras, lesões na pele, etc.
Medidas de controle :  Medidas de proteção coletiva: isolamento da fonte de radiação  (ex: biombo protetor para operação em solda), enclausuramento da fonte de radiação  (ex: pisos e paredes revestidas de chumbo em salas de raio-x).  Medidas de proteção individual: fornecimento de EPI adequado ao risco (ex: avental, luva, perneira e mangote de raspa para soldador , óculos para operadores de forno).  Medida administrativa: (ex: dosímetro de bolso para técnicos de raio-x). Medida médica: exames periódicos.
Altas temperaturas podem provocar:     desidratação;  erupção da pele;  câimbras;  fadiga física;  distúrbios psiconeuróticos;  problemas cardiocirculatórios;  insolação.  CALOR
Baixas temperaturas podem provocar: feridas;  rachaduras e necrose na pele;  enregelamento: ficar congelado;  agravamento de doenças reumáticas;  predisposição para acidentes;  predisposição para doenças das vias respiratórias.  FRIO
Medidas de controle :  Medidas de proteção coletiva: ventilação local exaustora com a função de retirar o calor e gases dos ambientes, isolamento das fontes de calor/frio.  Medidas de proteção individual: fornecimento de EPI (ex: avental, bota, capuz, luvas especiais para trabalhar no frio).
Há uma série de atividades em que os trabalhadores ficam sujeitos a pressões ambientais acima ou abaixo das pressões normais, isto é, da pressão atmosférica a que normalmente estamos expostos. PRESSÕES ANORMAIS
Baixas pressões: são as que se situam abaixo da pressão atmosférica normal e ocorrem com trabalhadores que realizam tarefas em grandes altitudes.  No Brasil, são raros os trabalhadores expostos a este risco.
Altas pressões: São as que se situam acima da pressão atmosférica normal. Ocorrem em trabalhos realizados em tubulações de ar comprimido, máquinas de perfuração, caixões pneumáticos e trabalhos executados por mergulhadores. Ex: caixões pneumáticos, compartimentos estanques instalados nos fundos dos mares, rios, e represas onde é injetado ar comprimido que expulsa a água do interior  do caixão, possibilitando o trabalho.  São usados na construção de pontes e barragens.
Conseqüências :  ruptura do tímpano quando o aumento de pressão for brusca;  liberação de nitrogênio nos tecidos e vasos sangüíneos e morte.  Medidas de controle   Por ser uma atividade de alto risco, exige legislação específica (NR-15) a ser obedecida.
As atividades ou operações executadas em locais alagados ou encharcados, com umidade excessiva, capazes de produzir danos à saúde dos trabalhadores, são situações insalubres e devem ter a atenção dos prevencionistas por meio de verificações realizadas nesses locais para estudar a implantação de medida de controle.  UMIDADE
Conseqüências: doenças do aparelho respiratório; quedas;  doenças de pele;  doenças circulatórias.   Medidas de controle : Medidas de proteção coletiva: estudo de modificações no processo do trabalho, colocação de estrados de madeira, ralos para escoamento. Medidas de proteção individual: fornecimento do EPI (ex: luvas, de borracha, botas, aventa para trabalhadores em galvanoplastia, cozinha, limpeza etc).     
Os riscos químicos presentes nos locais de trabalho são encontrados na forma sólida, líquida e gasosa e classificam-se em:  poeiras, fumos, névoas, gases, vapores, neblinas e substâncias, compostos e produtos químicos em geral. Poeiras, fumos, névoas, gases e vapores estão dispersos no ar (aerodispersóides).  04 - Riscos Químicos
POEIRAS São partículas sólidas geradas mecanicamente por ruptura de partículas maiores.   As poeiras são classificadas em: -Poeiras minerais  Ex: sílica, asbesto, carvão mineral. Conseqüências: silicose (quartzo), asbestose (amianto), pneumoconiose dos minérios de carvão (mineral).  -Poeiras vegetais  Ex: algodão, bagaço de cana-de-açúcar.  Conseqüências: bissinose (algodão), bagaçose (cana-de-açúcar) etc.  -Poeiras alcalinas  Ex: calcário  Conseqüências: doenças pulmonares obstrutivas crônicas, enfizema pulmonar. -Poeiras incômodas  Conseqüências: interação com outros agentes nocivos presentes no ambiente de trabalho, potencializando sua nocividade.
FUMOS   Partículas sólidas produzidas por condensação de vapores metálicos.  Ex: fumos de óxido de zinco nas operações de soldagem com ferro. Conseqüências: doença pulmonar obstrutiva, febre de fumos metálicos, intoxicação  específica de acordo com o metal.
NÉVOAS Partículas líquidas resultantes da condensação de vapores ou da dispersão  mecânica de líquidos.  Ex: névoa resultante do processo de pintura a revólver, monóxido de carbono  liberado pelos escapamentos dos carros.
GASES Estado natural das substâncias nas condições usuais de temperatura e pressão. Ex: GLP, hidrogênio, ácido nítrico, butano, ozona, etc.
VAPORES   São dispersões de moléculas no ar que podem condensar-se para formar líquidos ou sólidos em condições normais de temperatura e pressão. Ex: nafta, gasolina, naftalina, etc.  Névoas, gases e vapores podem ser classificados em:        - Irritantes: irritação das vias aéreas superiores.  Ex: ácido clorídrico, ácido sulfúrico, soda caústica, cloro, etc.       -Asfixiantes: dor de cabeça, náuseas, sonolência, convulsões, coma e morte.  Ex: hidrogênio, nitrogênio, hélio, metano, acetileno, dióxido de carbono, monóxido de carbono, etc.           -Anestésicos: (a maioria solventes orgânicos). Ação depressiva sobre o sistema nervoso, danos aos diversos órgãos, ao sistema formador de sangue (benzeno), etc.           -Ex: butano, propano, aldeídos, cetonas, cloreto de carbono, tricloroetileno, benzeno, tolueno, álcoois, percloritileno, xileno, etc
Vias de penetração dos agentes químicos Via cutânea (pele);  Via digestiva (boca);  Via respiratória (nariz).   A penetração dos agentes químicos no organismo depende de sua forma de utilização.
Fatores que influenciam a toxicidade dos contaminantes ambientais Para avaliar o potencial tóxico das substâncias químicas, alguns fatores devem ser levados em consideração: -  Concentração: quanto maior a concentração, mais rapidamente seus efeitos nocivos manifestar-se-ão no organismo;         Índice respiratório: representa a quantidade de ar inalado pelo trabalhador durante a jornada de trabalho;  -Sensibilidade individual: o nível de resistência varia de indivíduo para indivíduo;  -Toxicidade: é o potencial tóxico da substância no organismo;  -Tempo de exposição: é o tempo que o organismo fica exposto ao contaminante
Medidas de controle As medidas sugeridas abaixo pretendem dar apenas uma idéia do que pode ser adotado, pois existe uma grande quantidade de produtos químicos em uso e as medidas de proteção devem ser adaptadas a cada tipo.
Medidas de proteção coletiva Ventilação e exaustão do ponto de operação, substituição do produto químico utilizado por outro menos tóxico, redução do tempo de exposição, estudo de alteração de processo de trabalho, conscientização dos riscos no ambiente.
Medidas de proteção individual Fornecimento do EPI como medida complementar (ex: máscara de proteção respiratória para poeira, para gases e fumos; luvas de borracha, neoprene para trabalhos com produtos químicos, afastamento do local de trabalho.
05 - Riscos Biológicos  
São considerados riscos biológicos: vírus, bactérias, parasitas, protozoários, fungos e bacilos.  Os riscos biológicos ocorrem por meio de microorganismos que, em contato com o homem, podem provocar inúmeras doenças.  Muitas atividades profissionais favorecem o contato com tais riscos.  É o caso das indústrias de alimentação, hospitais, limpeza pública (coleta de lixo), laboratórios, etc.  Entre as inúmeras doenças profissionais provocadas por microorganismos incluem-se: tuberculose, brucelose, malária, febre amarela.  Para que essa doenças possam ser consideradas doenças profissionais é preciso que haja exposição do funcionário a estes microorganismos.  São necessárias medidas preventivas para que as condições de higiene e segurança nos diversos setores de trabalho sejam adequadas.
Medidas de controle   As mais comuns são: saneamento básico (água e esgoto), controle médico permanente, uso de EPI, higiene rigorosa nos locais de trabalho, hábitos de higiene pessoal, uso de roupas adequadas, vacinação, treinamento, sistema de ventilação/exaustão.  Para que uma substância seja nociva ao homem, é necessário que ela entre em contato com seu corpo.  Existem diferentes vias de penetração no organismo humano, com relação à ação dos riscos biológicos:  -Cutânea: ex: a leptospirose é adquirida pelo contato com águas contaminadas pela urina do rato;  -Digestiva: ex: ingestão de alimentos deteriorados;  -Respiratória: ex: a pneumonia é transmitida pela aspiração de ar contaminado.   
07 - Riscos de Acidentes            São considerados como riscos geradores de acidentes: arranjo físico deficiente; máquinas e equipamentos sem proteção; ferramentas inadequadas; ou defeituosas; eletricidade; incêndio ou explosão; animais peçonhentos; armazenamento inadequado.
Arranjo físico deficiente  É resultante de: prédios com área insuficiente; localização imprópria de máquinas e equipamentos; má arrumação e limpeza; sinalização incorreta ou inexistente; pisos fracos e/ou irregulares.
Máquinas e equipamentos sem proteção   Máquinas obsoletas; máquinas sem proteção em pontos de transmissão e de operação; comando de liga/desliga fora do alcance do operador; máquinas e equipamentos com defeitos ou inadequados; EPI inadequado ou não fornecido.
Ferramentas inadequadas ou defeituosas   Ferramentas usadas de forma incorreta; falta de fornecimento de ferramentas adequadas; falta de manutenção.
Eletricidade   Instalação elétrica imprópria , com defeito ou exposta; fios desencapados; falta de aterramento elétrico; falta de manutenção.
Incêndio ou explosão   Armazenamento inadequado de inflamáveis e/ou gases; manipulação e transporte inadequado de produtos inflamáveis e perigosos; sobrecarga em rede elétrica; falta de sinalização; falta de equipamentos de combate ou equipamentos defeituosos.
08 - Como elaborar o Mapa de Risco 1º) PASSO:   Conhecer os setores/seções da empresa:  O que é e como produz. Para quem e quanto produz (direito de saber);  2º) PASSO:  Fazer o fluxograma (desenho de todos os setores da empresa e das etapas de produção);  3º) PASSO:   Listar todas as matérias-primas e os demais insumos (equipamentos, tipo de alimentação das máquinas etc.) envolvidos no processo produtivo.  4º) PASSO:   Listar todos os riscos existentes, setor por setor, etapa por etapa (se forem  muitos , priorize aqueles que os trabalhadores mais se queixam, aqueles que geram até doenças ocupacionais ou do trabalho comprovadas ou não, ou que haja suspeitas). Julgar importante qualquer informação do trabalhador.         NÃO FAÇA JULGAMENTOS PRECIPITADOS, PEQUENAS QUEIXAS PODEM ESCONDER GRANDES PROBLEMAS
09 - Exemplos de Mapa de Risco
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mapa de risco 120410
Mapa de risco 120410Mapa de risco 120410
Mapa de risco 120410
Hobedes Albuquerque
 
Riscos ambientais
Riscos ambientais   Riscos ambientais
Riscos ambientais
Ythia Karla
 
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Jonas B. Larrosa
 
modelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-riscomodelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-risco
Patrícia Rodrigues
 
Plano emergencia modelo
Plano emergencia modeloPlano emergencia modelo
Plano emergencia modelo
Marlon Gatti
 
Nr 32 treinamento básico
Nr 32 treinamento básicoNr 32 treinamento básico
Nr 32 treinamento básico
Ythia Karla
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
HugoDalevedove
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
Anderson Fluflu
 
Relatório de seguranca do trabalho
Relatório de seguranca do trabalhoRelatório de seguranca do trabalho
Relatório de seguranca do trabalho
Douglas Silva
 
Treinamento brigada de incêndio
Treinamento brigada de incêndioTreinamento brigada de incêndio
Treinamento brigada de incêndio
Régis Pinheiro Martins Bezerra
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Robson Peixoto
 
Inspeção de epi modelo
Inspeção de epi   modeloInspeção de epi   modelo
Inspeção de epi modelo
Junior Arouca
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Sergio Silva
 
Plano de emergência.
Plano de emergência.Plano de emergência.
Plano de emergência.
Alfredo Brito
 
Treinamento segurança e saude no trabalho
Treinamento segurança e saude no trabalhoTreinamento segurança e saude no trabalho
Treinamento segurança e saude no trabalho
Jupira Silva
 
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de RiscosRiscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Gerlane Batista
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
emanueltstegeon
 
Mapa de Riscos
Mapa de RiscosMapa de Riscos
Mapa de Riscos
proftstsergioetm
 
Planejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de smsPlanejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de sms
Universidade Federal Fluminense
 
Treinamento de epi novo reparado mecnil
Treinamento de epi novo reparado  mecnilTreinamento de epi novo reparado  mecnil
Treinamento de epi novo reparado mecnil
Ythia Karla
 

Mais procurados (20)

Mapa de risco 120410
Mapa de risco 120410Mapa de risco 120410
Mapa de risco 120410
 
Riscos ambientais
Riscos ambientais   Riscos ambientais
Riscos ambientais
 
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
Acidente de trabalho - Causas, Consequências e Prevenção.
 
modelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-riscomodelo-de-mapa-de-risco
modelo-de-mapa-de-risco
 
Plano emergencia modelo
Plano emergencia modeloPlano emergencia modelo
Plano emergencia modelo
 
Nr 32 treinamento básico
Nr 32 treinamento básicoNr 32 treinamento básico
Nr 32 treinamento básico
 
Treinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos QuímicosTreinamento - Produtos Químicos
Treinamento - Produtos Químicos
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
 
Relatório de seguranca do trabalho
Relatório de seguranca do trabalhoRelatório de seguranca do trabalho
Relatório de seguranca do trabalho
 
Treinamento brigada de incêndio
Treinamento brigada de incêndioTreinamento brigada de incêndio
Treinamento brigada de incêndio
 
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADOApresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
Apresentação NR33 ESPAÇO CONFINADO
 
Inspeção de epi modelo
Inspeção de epi   modeloInspeção de epi   modelo
Inspeção de epi modelo
 
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVOIntegração de Segurança do Trabalho NOVO
Integração de Segurança do Trabalho NOVO
 
Plano de emergência.
Plano de emergência.Plano de emergência.
Plano de emergência.
 
Treinamento segurança e saude no trabalho
Treinamento segurança e saude no trabalhoTreinamento segurança e saude no trabalho
Treinamento segurança e saude no trabalho
 
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de RiscosRiscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
Riscos Ambientais e Medidas de Controle de Riscos
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
Mapa de Riscos
Mapa de RiscosMapa de Riscos
Mapa de Riscos
 
Planejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de smsPlanejamento das atividades de sms
Planejamento das atividades de sms
 
Treinamento de epi novo reparado mecnil
Treinamento de epi novo reparado  mecnilTreinamento de epi novo reparado  mecnil
Treinamento de epi novo reparado mecnil
 

Destaque

Mapa de risco por setores
Mapa de risco por setoresMapa de risco por setores
Mapa de risco por setores
Sergio Silva
 
Incidente ou acidente qual a diferença?
Incidente ou acidente qual a diferença?Incidente ou acidente qual a diferença?
Incidente ou acidente qual a diferença?
Alex Costa Triers
 
Descrição sobre mapa de risco
Descrição sobre mapa de riscoDescrição sobre mapa de risco
Descrição sobre mapa de risco
Sandro Sartorte
 
accidentes e incidentes
accidentes e incidentes accidentes e incidentes
accidentes e incidentes
Jessica0610
 
Investigação e analise de acidentes
Investigação e analise de acidentesInvestigação e analise de acidentes
Investigação e analise de acidentes
Willian Bronguel
 
Plano de emergência interno
Plano de emergência internoPlano de emergência interno
Plano de emergência interno
Pelo Siro
 
Mapa de risco e pcmso(1).
Mapa de risco e pcmso(1).Mapa de risco e pcmso(1).
Mapa de risco e pcmso(1).
Eder Da Silva Junque Junqueira
 
Trabalho de conclusão de curso tst senac anexo ppra
Trabalho de conclusão de curso tst senac  anexo ppraTrabalho de conclusão de curso tst senac  anexo ppra
Trabalho de conclusão de curso tst senac anexo ppra
Andre Guarizo
 
Análise acidentes
Análise acidentes Análise acidentes
Análise acidentes
maleixo
 

Destaque (9)

Mapa de risco por setores
Mapa de risco por setoresMapa de risco por setores
Mapa de risco por setores
 
Incidente ou acidente qual a diferença?
Incidente ou acidente qual a diferença?Incidente ou acidente qual a diferença?
Incidente ou acidente qual a diferença?
 
Descrição sobre mapa de risco
Descrição sobre mapa de riscoDescrição sobre mapa de risco
Descrição sobre mapa de risco
 
accidentes e incidentes
accidentes e incidentes accidentes e incidentes
accidentes e incidentes
 
Investigação e analise de acidentes
Investigação e analise de acidentesInvestigação e analise de acidentes
Investigação e analise de acidentes
 
Plano de emergência interno
Plano de emergência internoPlano de emergência interno
Plano de emergência interno
 
Mapa de risco e pcmso(1).
Mapa de risco e pcmso(1).Mapa de risco e pcmso(1).
Mapa de risco e pcmso(1).
 
Trabalho de conclusão de curso tst senac anexo ppra
Trabalho de conclusão de curso tst senac  anexo ppraTrabalho de conclusão de curso tst senac  anexo ppra
Trabalho de conclusão de curso tst senac anexo ppra
 
Análise acidentes
Análise acidentes Análise acidentes
Análise acidentes
 

Semelhante a Exemplos De Mapas De Riscos

Exemplosdemapasderiscos 091229181656-phpapp02
Exemplosdemapasderiscos 091229181656-phpapp02Exemplosdemapasderiscos 091229181656-phpapp02
Exemplosdemapasderiscos 091229181656-phpapp02
Mauricio Machado Concalves
 
Mapa De Risco
Mapa De RiscoMapa De Risco
Mapa De Risco
Santos de Castro
 
Treinamento de CIPA.pptx
Treinamento de CIPA.pptxTreinamento de CIPA.pptx
Treinamento de CIPA.pptx
SESMTMedicinadoTraba
 
ApresentacaoMapadeRisco.ppt
ApresentacaoMapadeRisco.pptApresentacaoMapadeRisco.ppt
ApresentacaoMapadeRisco.ppt
SARAJAQUELINEAIRESCA
 
atividade 3.ppt
atividade 3.pptatividade 3.ppt
atividade 3.ppt
fofurinhasexoticas
 
Mapa de risco
Mapa de riscoMapa de risco
Mapa de risco
Àlvaro Fonseca
 
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptxEPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
MirnaKathary1
 
Apostila cipa umberto
Apostila cipa umbertoApostila cipa umberto
Apostila cipa umberto
Umberto Reis
 
Treinamento de cipa
Treinamento de cipaTreinamento de cipa
Treinamento de cipa
Josiel Leite
 
Higiene segtrabalho pa
Higiene segtrabalho paHigiene segtrabalho pa
Higiene segtrabalho pa
JeronimoDaGloriaToma
 
Das Imagens Feias
Das Imagens FeiasDas Imagens Feias
Das Imagens Feias
Ainoan
 
Regras básicas de segurança geral.pptx
Regras básicas de segurança geral.pptxRegras básicas de segurança geral.pptx
Regras básicas de segurança geral.pptx
JesusAntnio1
 
Acidente do trabalho e doenças ocupacionais
Acidente do trabalho e doenças ocupacionaisAcidente do trabalho e doenças ocupacionais
Acidente do trabalho e doenças ocupacionais
RONALDO COSTA
 
1416
14161416
1416
Pelo Siro
 
Mapa de riscos ambientais
Mapa de riscos ambientaisMapa de riscos ambientais
Mapa de riscos ambientais
Carlos Demétrius Rolim Figueiredo
 
Mapa de riscos ambientais
Mapa de riscos ambientaisMapa de riscos ambientais
Mapa de riscos ambientais
Carlos Demétrius Rolim Figueiredo
 
Apresentação 1
Apresentação 1Apresentação 1
Apresentação 1
stoc3214
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3
Augusto Junior
 
Mapa de Risco Higiene do Trabalho
Mapa de Risco Higiene do TrabalhoMapa de Risco Higiene do Trabalho
Mapa de Risco Higiene do Trabalho
Winer Augusto da Fonseca
 
Curso de cipa
Curso de cipaCurso de cipa
Curso de cipa
BelbelAntunes
 

Semelhante a Exemplos De Mapas De Riscos (20)

Exemplosdemapasderiscos 091229181656-phpapp02
Exemplosdemapasderiscos 091229181656-phpapp02Exemplosdemapasderiscos 091229181656-phpapp02
Exemplosdemapasderiscos 091229181656-phpapp02
 
Mapa De Risco
Mapa De RiscoMapa De Risco
Mapa De Risco
 
Treinamento de CIPA.pptx
Treinamento de CIPA.pptxTreinamento de CIPA.pptx
Treinamento de CIPA.pptx
 
ApresentacaoMapadeRisco.ppt
ApresentacaoMapadeRisco.pptApresentacaoMapadeRisco.ppt
ApresentacaoMapadeRisco.ppt
 
atividade 3.ppt
atividade 3.pptatividade 3.ppt
atividade 3.ppt
 
Mapa de risco
Mapa de riscoMapa de risco
Mapa de risco
 
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptxEPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
EPIDEMIOLOGIA DO TRABALHO.pptx
 
Apostila cipa umberto
Apostila cipa umbertoApostila cipa umberto
Apostila cipa umberto
 
Treinamento de cipa
Treinamento de cipaTreinamento de cipa
Treinamento de cipa
 
Higiene segtrabalho pa
Higiene segtrabalho paHigiene segtrabalho pa
Higiene segtrabalho pa
 
Das Imagens Feias
Das Imagens FeiasDas Imagens Feias
Das Imagens Feias
 
Regras básicas de segurança geral.pptx
Regras básicas de segurança geral.pptxRegras básicas de segurança geral.pptx
Regras básicas de segurança geral.pptx
 
Acidente do trabalho e doenças ocupacionais
Acidente do trabalho e doenças ocupacionaisAcidente do trabalho e doenças ocupacionais
Acidente do trabalho e doenças ocupacionais
 
1416
14161416
1416
 
Mapa de riscos ambientais
Mapa de riscos ambientaisMapa de riscos ambientais
Mapa de riscos ambientais
 
Mapa de riscos ambientais
Mapa de riscos ambientaisMapa de riscos ambientais
Mapa de riscos ambientais
 
Apresentação 1
Apresentação 1Apresentação 1
Apresentação 1
 
Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3Segurança e medicina do trabalho aula3
Segurança e medicina do trabalho aula3
 
Mapa de Risco Higiene do Trabalho
Mapa de Risco Higiene do TrabalhoMapa de Risco Higiene do Trabalho
Mapa de Risco Higiene do Trabalho
 
Curso de cipa
Curso de cipaCurso de cipa
Curso de cipa
 

Mais de Santos de Castro

39 RECEITAS DOCES SEM AÇÚCAR PARA DIABÉTICOS
39 RECEITAS DOCES SEM AÇÚCAR PARA DIABÉTICOS39 RECEITAS DOCES SEM AÇÚCAR PARA DIABÉTICOS
39 RECEITAS DOCES SEM AÇÚCAR PARA DIABÉTICOS
Santos de Castro
 
39 receitas doces sem açucar para diabéticos
39 receitas doces sem açucar para diabéticos39 receitas doces sem açucar para diabéticos
39 receitas doces sem açucar para diabéticos
Santos de Castro
 
Manual criança também pode ser portadora de diabetes
Manual criança também pode ser portadora de diabetes Manual criança também pode ser portadora de diabetes
Manual criança também pode ser portadora de diabetes
Santos de Castro
 
Diabetes :- os 5 secredos que você deve saber sobre insulina
Diabetes :- os 5 secredos que você deve saber sobre insulinaDiabetes :- os 5 secredos que você deve saber sobre insulina
Diabetes :- os 5 secredos que você deve saber sobre insulina
Santos de Castro
 
Tabela internacional de índice glicêmico (ig) e carga glicêmica
Tabela internacional de índice glicêmico (ig) e carga glicêmicaTabela internacional de índice glicêmico (ig) e carga glicêmica
Tabela internacional de índice glicêmico (ig) e carga glicêmica
Santos de Castro
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
Santos de Castro
 
Entendendoodiabetes
EntendendoodiabetesEntendendoodiabetes
Entendendoodiabetes
Santos de Castro
 
Entendendoodiabetes
EntendendoodiabetesEntendendoodiabetes
Entendendoodiabetes
Santos de Castro
 
Apresentação da abad
Apresentação da abadApresentação da abad
Apresentação da abad
Santos de Castro
 
Gráfico da taxa de glicose1
Gráfico da taxa de glicose1Gráfico da taxa de glicose1
Gráfico da taxa de glicose1
Santos de Castro
 
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Santos de Castro
 
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Santos de Castro
 
Amante
AmanteAmante
A Adolescencia
A AdolescenciaA Adolescencia
A Adolescencia
Santos de Castro
 
@ Poema Para Amigos
@ Poema Para Amigos@ Poema Para Amigos
@ Poema Para Amigos
Santos de Castro
 
A Borboleta E O Cavalinho
A Borboleta E O CavalinhoA Borboleta E O Cavalinho
A Borboleta E O Cavalinho
Santos de Castro
 
A Cadeira O Encontro
A Cadeira O EncontroA Cadeira O Encontro
A Cadeira O Encontro
Santos de Castro
 
Adietadaalma
AdietadaalmaAdietadaalma
Adietadaalma
Santos de Castro
 
Aexist Nciade Deus
Aexist Nciade DeusAexist Nciade Deus
Aexist Nciade Deus
Santos de Castro
 
As 10 Melhores
As 10 MelhoresAs 10 Melhores
As 10 Melhores
Santos de Castro
 

Mais de Santos de Castro (20)

39 RECEITAS DOCES SEM AÇÚCAR PARA DIABÉTICOS
39 RECEITAS DOCES SEM AÇÚCAR PARA DIABÉTICOS39 RECEITAS DOCES SEM AÇÚCAR PARA DIABÉTICOS
39 RECEITAS DOCES SEM AÇÚCAR PARA DIABÉTICOS
 
39 receitas doces sem açucar para diabéticos
39 receitas doces sem açucar para diabéticos39 receitas doces sem açucar para diabéticos
39 receitas doces sem açucar para diabéticos
 
Manual criança também pode ser portadora de diabetes
Manual criança também pode ser portadora de diabetes Manual criança também pode ser portadora de diabetes
Manual criança também pode ser portadora de diabetes
 
Diabetes :- os 5 secredos que você deve saber sobre insulina
Diabetes :- os 5 secredos que você deve saber sobre insulinaDiabetes :- os 5 secredos que você deve saber sobre insulina
Diabetes :- os 5 secredos que você deve saber sobre insulina
 
Tabela internacional de índice glicêmico (ig) e carga glicêmica
Tabela internacional de índice glicêmico (ig) e carga glicêmicaTabela internacional de índice glicêmico (ig) e carga glicêmica
Tabela internacional de índice glicêmico (ig) e carga glicêmica
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
 
Entendendoodiabetes
EntendendoodiabetesEntendendoodiabetes
Entendendoodiabetes
 
Entendendoodiabetes
EntendendoodiabetesEntendendoodiabetes
Entendendoodiabetes
 
Apresentação da abad
Apresentação da abadApresentação da abad
Apresentação da abad
 
Gráfico da taxa de glicose1
Gráfico da taxa de glicose1Gráfico da taxa de glicose1
Gráfico da taxa de glicose1
 
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
 
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
Livro do churrasco_com_fotos..aac..pp..
 
Amante
AmanteAmante
Amante
 
A Adolescencia
A AdolescenciaA Adolescencia
A Adolescencia
 
@ Poema Para Amigos
@ Poema Para Amigos@ Poema Para Amigos
@ Poema Para Amigos
 
A Borboleta E O Cavalinho
A Borboleta E O CavalinhoA Borboleta E O Cavalinho
A Borboleta E O Cavalinho
 
A Cadeira O Encontro
A Cadeira O EncontroA Cadeira O Encontro
A Cadeira O Encontro
 
Adietadaalma
AdietadaalmaAdietadaalma
Adietadaalma
 
Aexist Nciade Deus
Aexist Nciade DeusAexist Nciade Deus
Aexist Nciade Deus
 
As 10 Melhores
As 10 MelhoresAs 10 Melhores
As 10 Melhores
 

Exemplos De Mapas De Riscos

  • 1.   É uma representação gráfica do reconhecimento dos riscos que o indivíduo está sujeito no meio em que vive ou trabalha. A elaboração dos Mapas de Riscos Ambientais é competência dos membros da CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), conforme orientações contidas no anexo IV da NR-5, dada pela Portaria n. 25 de 29/12/94 do MTb. O Mapa de Riscos tem como objetivos: Reunir as informações necessárias para estabelecer o diagnóstico da situação de segurança e saúde no trabalho na empresa; b) Possibilitar, durante a sua elaboração, a troca e divulgação de informações entre os trabalhadores, bem como estimular sua participação nas atividades de prevenção. Mapa  de Riscos
  • 2.  
  • 3.   MAPA DE RISCOS AMBIENTAIS DEA-DEPTO.ENGª. DE ALIMENTOS   TÉRREO  
  • 4. PLANTA PILOTO - PISO INFERIOR                                                                                                                                    
  • 5. PLANTA PILOTO - PISO SUPERIOR
  • 6. Mapa de riscos O Diário Oficial da União de 20 de agosto de 1992 publicou uma portaria do Departamento Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador (DNSST) implantando a obrigatoriedade da elaboração de mapas de riscos pelas Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (CIPAS) nas empresas. Essa portaria entrou em vigor em dezembro 2004. http://www.btu.unesp.br/cipa/mapaderisco.htm UNESP Botucatu
  • 7. O mapa é um levantamento dos pontos de risco nos diferentes setores das empresas. Trata-se de identificar situações e locais potencialmente perigosos. A partir de uma planta baixa de cada seção são levantados todos os tipos de riscos, classificando-os por grau de perigo: pequeno, médio e grande. Estes tipos são agrupados em cinco grupos classificados pelas cores vermelho , verde , marrom , amarelo e azul . Cada grupo corresponde a um tipo de agente: químico, físico, biológico, ergonômico e mecânico
  • 8. A idéia é que os funcionários de uma seção façam a seleção apontando aos cipeiros os principais problemas da respectiva unidade. Na planta da seção, exatamente no local onde se encontra o risco (uma máquina, por exemplo) deve ser colocado o círculo no tamanho avaliado pela CIPA e na cor correspondente ao grau de risco. O mapa deve ser colocado em um local visível para alertar aos trabalhadores sobre os perigos existentes naquela área. Os riscos serão simbolizados por círculos de três tamanhos distintos: pequeno, com diâmetro de 2,5 cm; médio, com diâmetro de 5 cm; e grande, com diâmetro de 10 cm. A empresa receberá o levantamento e terá 30 dias para analisar e negociar com os membros da CIPA ou do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT), se houver, prazos para providenciar as alterações propostas. Caso estes prazos sejam descumpridos, a CIPA deverá comunicar a Delegacia Regional do Trabalho.
  • 9. 01 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade 02 - Tabela descritiva dos riscos ambientais 03 - Riscos Físicos 04 - Riscos Químicos 05 - Riscos Biológicos 06 - Riscos Ergonômicos 07 - Riscos de Acidentes 08 - Como elaborar o Mapa de Risco? 09 - Exemplos de Mapa de Risco
  • 10. 01 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade
  • 11. Tabela de Gravidade   Pequeno 1 Médio 2 Grande 4 Tipos de Riscos Proporção Símbolo
  • 12. 02 - Tabela descritiva dos riscos ambientais
  • 13. GP =Grau de perigo Arranjo físico inadequado, iluminação inadequada, incêndio e explosão, eletricidade, máquinas e equipamentos sem proteção, quedas e animais peçonhentos. Azul Acidentes 5 Levantamento e transporte manual de peso, monotonia, repetitividade, responsabilidade, ritmo excessivo, posturas inadequadas de trabalho, trabalho em turnos, etc. Amarela Ergonômicos 4 Fungos, vírus, parasitas, bactérias, protozoários, insetos, etc. Marrom Biológicos 3 Poeiras, fumos, gases, vapores, névoas, neblinas, etc. Vermelho Químicos 2 Ruído, calor, frio, pressões, umidade, radiações ionizantes e não ionizantes, vibrações, etc. Verde Físicos 1 Descrição Cor de identificação Riscos Gp
  • 14. 03 - Riscos Físicos São considerados riscos físicos: Ruídos; Vibrações; Radiações; Calor; Frio; Pressões anormais; Umidade.   
  • 15. As máquinas e equipamentos utilizados pelas empresas produzem ruídos que podem atingir níveis excessivos, podendo a curto, médio e longo prazos provocar sérios prejuízos à saúde. Dependendo do tempo de exposição, nível sonoro e da sensibilidade individual, as alterações danosas poderão manifestar-se imediatamente ou gradualmente. Quanto maior o nível de ruído, menor deverá ser o tempo de exposição ocupacional. RUÍDOS
  • 16.       Limite de tolerância para ruído contínuo ou intermitente
  • 17.   1 hora 100 1 hora e 15 minutos 98 1 hora e 45 minutos 96 2 horas 95 2 horas e 40 minutos 94 2 horas e 40 minutos 93 3 horas 92 3 horas e 30 minutos 91 4 horas 90 4 horas e 30 minutos 89 5 horas 88 6 horas 87 7 horas 86 8 horas 85 Máxima exposição diária permissível Nível de ruído dB(A)
  • 18. 7 minutos 115 8 minutos 114 10 minutos 112 15 minutos 110 20 minutos 108 25 minutos 106 30 minutos 105 35 minutos 104 45 minutos 102
  • 19. Conseqüências O ruído age diretamente sobre o sistema nervoso, ocasionando: fadiga nervosa; alterações mentais: perda de memória, irritabilidade, dificuldade em coordenar idéias; hipertensão; modificação do rítmo cardíaco; modificação do calibre dos vasos sanguíneos; modificação do ritmo respiratório; perturbações gastrointestinais; diminuição da visão noturna; dificuldade na percepção de cores. Além destas conseqüências, o ruído atinge também o aparelho auditivo causando a perda temporária ou definitiva da audição.
  • 20. Medidas de controle Para evitar ou diminuir os danos provocados pelo ruído no local de trabalho, podem ser adotadas as seguintes medidas: Medidas de proteção coletiva: enclausuramento da máquina produtora de ruído; isolamento de ruído. Medida de proteção individual: fornecimento de equipamento de proteção individual (EPI) (nocaso, protetor auricular). O EPI deve ser fornecido na impossibilidade de eliminar o ruído ou como medida complementar. Medidas médicas: exames audiométricos periódicos, afastamento do local de trabalho, revezamento. Medidas educacionais: orientação para o uso correto do EPI, campanha de conscientização. Medidas administrativas: tornar obrigatório o uso do EPI: controlar seu uso.   
  • 21. Na indústria é comum o uso de máquinas e equipamentos que produzem vibrações, as quais podem ser nocivas ao trabalhador. VIBRAÇÕES
  • 22. Generalizadas - (ou do corpo inteiro) . As lesões ocorrem com os operadores de grandes máquinas, como os motoristas de caminhões, ônibus e tratores. Conseqüências: Lesões na coluna vertebral; dores lombares. As vibrações podem ser: Localizadas - (em certas partes do corpo) . São provocadas por ferramentas manuais, elétricas e pneumáticas. Conseqüências: alterações neurovasculares nas mãos, problemas nas articulações das mãos e braços; osteoporose (perda de substância óssea).
  • 23. Medidas de controle : Para evitar ou diminuir as conseqüências das vibrações é recomendado o revezamento dos trabalhadores expostos aos riscos (menor tempo de exposição).
  • 24. São formas de energia que se transmitem por ondas eletromagnéticas. A absorção das radiações pelo organismo é responsável pelo aparecimento de diversas lesões. Podem ser classificadas em dois grupos: Radiações ionizantes Radiações não ionizantes RADIAÇÕES
  • 25. Radiações ionizantes: Os operadores de raio-x e radioterapia estão freqüentemente expostos a esse tipo de radiação, que pode afetar o organismo ou se manifestar nos descendentes das pessoas expostas.
  • 26. Radiações não ionizantes : São radiações não ionizantes a radiação infravermelha, proveniente de operação em fornos , ou de solda oxiacetilênica, radiação ultravioleta como a gerada por operações em solda elétrica, ou ainda raios laser, microondas, etc. Seus efeitos são perturbações visuais (conjuntivites, cataratas), queimaduras, lesões na pele, etc.
  • 27. Medidas de controle : Medidas de proteção coletiva: isolamento da fonte de radiação (ex: biombo protetor para operação em solda), enclausuramento da fonte de radiação (ex: pisos e paredes revestidas de chumbo em salas de raio-x). Medidas de proteção individual: fornecimento de EPI adequado ao risco (ex: avental, luva, perneira e mangote de raspa para soldador , óculos para operadores de forno). Medida administrativa: (ex: dosímetro de bolso para técnicos de raio-x). Medida médica: exames periódicos.
  • 28. Altas temperaturas podem provocar:   desidratação; erupção da pele; câimbras; fadiga física; distúrbios psiconeuróticos; problemas cardiocirculatórios; insolação. CALOR
  • 29. Baixas temperaturas podem provocar: feridas; rachaduras e necrose na pele; enregelamento: ficar congelado; agravamento de doenças reumáticas; predisposição para acidentes; predisposição para doenças das vias respiratórias. FRIO
  • 30. Medidas de controle : Medidas de proteção coletiva: ventilação local exaustora com a função de retirar o calor e gases dos ambientes, isolamento das fontes de calor/frio. Medidas de proteção individual: fornecimento de EPI (ex: avental, bota, capuz, luvas especiais para trabalhar no frio).
  • 31. Há uma série de atividades em que os trabalhadores ficam sujeitos a pressões ambientais acima ou abaixo das pressões normais, isto é, da pressão atmosférica a que normalmente estamos expostos. PRESSÕES ANORMAIS
  • 32. Baixas pressões: são as que se situam abaixo da pressão atmosférica normal e ocorrem com trabalhadores que realizam tarefas em grandes altitudes. No Brasil, são raros os trabalhadores expostos a este risco.
  • 33. Altas pressões: São as que se situam acima da pressão atmosférica normal. Ocorrem em trabalhos realizados em tubulações de ar comprimido, máquinas de perfuração, caixões pneumáticos e trabalhos executados por mergulhadores. Ex: caixões pneumáticos, compartimentos estanques instalados nos fundos dos mares, rios, e represas onde é injetado ar comprimido que expulsa a água do interior do caixão, possibilitando o trabalho. São usados na construção de pontes e barragens.
  • 34. Conseqüências : ruptura do tímpano quando o aumento de pressão for brusca; liberação de nitrogênio nos tecidos e vasos sangüíneos e morte. Medidas de controle Por ser uma atividade de alto risco, exige legislação específica (NR-15) a ser obedecida.
  • 35. As atividades ou operações executadas em locais alagados ou encharcados, com umidade excessiva, capazes de produzir danos à saúde dos trabalhadores, são situações insalubres e devem ter a atenção dos prevencionistas por meio de verificações realizadas nesses locais para estudar a implantação de medida de controle. UMIDADE
  • 36. Conseqüências: doenças do aparelho respiratório; quedas; doenças de pele; doenças circulatórias. Medidas de controle : Medidas de proteção coletiva: estudo de modificações no processo do trabalho, colocação de estrados de madeira, ralos para escoamento. Medidas de proteção individual: fornecimento do EPI (ex: luvas, de borracha, botas, aventa para trabalhadores em galvanoplastia, cozinha, limpeza etc).    
  • 37. Os riscos químicos presentes nos locais de trabalho são encontrados na forma sólida, líquida e gasosa e classificam-se em: poeiras, fumos, névoas, gases, vapores, neblinas e substâncias, compostos e produtos químicos em geral. Poeiras, fumos, névoas, gases e vapores estão dispersos no ar (aerodispersóides). 04 - Riscos Químicos
  • 38. POEIRAS São partículas sólidas geradas mecanicamente por ruptura de partículas maiores. As poeiras são classificadas em: -Poeiras minerais Ex: sílica, asbesto, carvão mineral. Conseqüências: silicose (quartzo), asbestose (amianto), pneumoconiose dos minérios de carvão (mineral). -Poeiras vegetais Ex: algodão, bagaço de cana-de-açúcar. Conseqüências: bissinose (algodão), bagaçose (cana-de-açúcar) etc. -Poeiras alcalinas Ex: calcário Conseqüências: doenças pulmonares obstrutivas crônicas, enfizema pulmonar. -Poeiras incômodas Conseqüências: interação com outros agentes nocivos presentes no ambiente de trabalho, potencializando sua nocividade.
  • 39. FUMOS Partículas sólidas produzidas por condensação de vapores metálicos. Ex: fumos de óxido de zinco nas operações de soldagem com ferro. Conseqüências: doença pulmonar obstrutiva, febre de fumos metálicos, intoxicação específica de acordo com o metal.
  • 40. NÉVOAS Partículas líquidas resultantes da condensação de vapores ou da dispersão mecânica de líquidos. Ex: névoa resultante do processo de pintura a revólver, monóxido de carbono liberado pelos escapamentos dos carros.
  • 41. GASES Estado natural das substâncias nas condições usuais de temperatura e pressão. Ex: GLP, hidrogênio, ácido nítrico, butano, ozona, etc.
  • 42. VAPORES São dispersões de moléculas no ar que podem condensar-se para formar líquidos ou sólidos em condições normais de temperatura e pressão. Ex: nafta, gasolina, naftalina, etc. Névoas, gases e vapores podem ser classificados em:       - Irritantes: irritação das vias aéreas superiores. Ex: ácido clorídrico, ácido sulfúrico, soda caústica, cloro, etc.      -Asfixiantes: dor de cabeça, náuseas, sonolência, convulsões, coma e morte. Ex: hidrogênio, nitrogênio, hélio, metano, acetileno, dióxido de carbono, monóxido de carbono, etc.         -Anestésicos: (a maioria solventes orgânicos). Ação depressiva sobre o sistema nervoso, danos aos diversos órgãos, ao sistema formador de sangue (benzeno), etc.          -Ex: butano, propano, aldeídos, cetonas, cloreto de carbono, tricloroetileno, benzeno, tolueno, álcoois, percloritileno, xileno, etc
  • 43. Vias de penetração dos agentes químicos Via cutânea (pele); Via digestiva (boca); Via respiratória (nariz). A penetração dos agentes químicos no organismo depende de sua forma de utilização.
  • 44. Fatores que influenciam a toxicidade dos contaminantes ambientais Para avaliar o potencial tóxico das substâncias químicas, alguns fatores devem ser levados em consideração: -  Concentração: quanto maior a concentração, mais rapidamente seus efeitos nocivos manifestar-se-ão no organismo;         Índice respiratório: representa a quantidade de ar inalado pelo trabalhador durante a jornada de trabalho; -Sensibilidade individual: o nível de resistência varia de indivíduo para indivíduo; -Toxicidade: é o potencial tóxico da substância no organismo; -Tempo de exposição: é o tempo que o organismo fica exposto ao contaminante
  • 45. Medidas de controle As medidas sugeridas abaixo pretendem dar apenas uma idéia do que pode ser adotado, pois existe uma grande quantidade de produtos químicos em uso e as medidas de proteção devem ser adaptadas a cada tipo.
  • 46. Medidas de proteção coletiva Ventilação e exaustão do ponto de operação, substituição do produto químico utilizado por outro menos tóxico, redução do tempo de exposição, estudo de alteração de processo de trabalho, conscientização dos riscos no ambiente.
  • 47. Medidas de proteção individual Fornecimento do EPI como medida complementar (ex: máscara de proteção respiratória para poeira, para gases e fumos; luvas de borracha, neoprene para trabalhos com produtos químicos, afastamento do local de trabalho.
  • 48. 05 - Riscos Biológicos  
  • 49. São considerados riscos biológicos: vírus, bactérias, parasitas, protozoários, fungos e bacilos. Os riscos biológicos ocorrem por meio de microorganismos que, em contato com o homem, podem provocar inúmeras doenças. Muitas atividades profissionais favorecem o contato com tais riscos. É o caso das indústrias de alimentação, hospitais, limpeza pública (coleta de lixo), laboratórios, etc. Entre as inúmeras doenças profissionais provocadas por microorganismos incluem-se: tuberculose, brucelose, malária, febre amarela. Para que essa doenças possam ser consideradas doenças profissionais é preciso que haja exposição do funcionário a estes microorganismos. São necessárias medidas preventivas para que as condições de higiene e segurança nos diversos setores de trabalho sejam adequadas.
  • 50. Medidas de controle As mais comuns são: saneamento básico (água e esgoto), controle médico permanente, uso de EPI, higiene rigorosa nos locais de trabalho, hábitos de higiene pessoal, uso de roupas adequadas, vacinação, treinamento, sistema de ventilação/exaustão. Para que uma substância seja nociva ao homem, é necessário que ela entre em contato com seu corpo. Existem diferentes vias de penetração no organismo humano, com relação à ação dos riscos biológicos: -Cutânea: ex: a leptospirose é adquirida pelo contato com águas contaminadas pela urina do rato; -Digestiva: ex: ingestão de alimentos deteriorados; -Respiratória: ex: a pneumonia é transmitida pela aspiração de ar contaminado.  
  • 51. 07 - Riscos de Acidentes            São considerados como riscos geradores de acidentes: arranjo físico deficiente; máquinas e equipamentos sem proteção; ferramentas inadequadas; ou defeituosas; eletricidade; incêndio ou explosão; animais peçonhentos; armazenamento inadequado.
  • 52. Arranjo físico deficiente É resultante de: prédios com área insuficiente; localização imprópria de máquinas e equipamentos; má arrumação e limpeza; sinalização incorreta ou inexistente; pisos fracos e/ou irregulares.
  • 53. Máquinas e equipamentos sem proteção Máquinas obsoletas; máquinas sem proteção em pontos de transmissão e de operação; comando de liga/desliga fora do alcance do operador; máquinas e equipamentos com defeitos ou inadequados; EPI inadequado ou não fornecido.
  • 54. Ferramentas inadequadas ou defeituosas Ferramentas usadas de forma incorreta; falta de fornecimento de ferramentas adequadas; falta de manutenção.
  • 55. Eletricidade Instalação elétrica imprópria , com defeito ou exposta; fios desencapados; falta de aterramento elétrico; falta de manutenção.
  • 56. Incêndio ou explosão Armazenamento inadequado de inflamáveis e/ou gases; manipulação e transporte inadequado de produtos inflamáveis e perigosos; sobrecarga em rede elétrica; falta de sinalização; falta de equipamentos de combate ou equipamentos defeituosos.
  • 57. 08 - Como elaborar o Mapa de Risco 1º) PASSO:   Conhecer os setores/seções da empresa: O que é e como produz. Para quem e quanto produz (direito de saber); 2º) PASSO:  Fazer o fluxograma (desenho de todos os setores da empresa e das etapas de produção); 3º) PASSO:   Listar todas as matérias-primas e os demais insumos (equipamentos, tipo de alimentação das máquinas etc.) envolvidos no processo produtivo. 4º) PASSO:   Listar todos os riscos existentes, setor por setor, etapa por etapa (se forem muitos , priorize aqueles que os trabalhadores mais se queixam, aqueles que geram até doenças ocupacionais ou do trabalho comprovadas ou não, ou que haja suspeitas). Julgar importante qualquer informação do trabalhador.         NÃO FAÇA JULGAMENTOS PRECIPITADOS, PEQUENAS QUEIXAS PODEM ESCONDER GRANDES PROBLEMAS
  • 58. 09 - Exemplos de Mapa de Risco
  • 59.