SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTATUTO DO IDOSO MUDOU
EM 2019 PARA ESTATUTO DA
PESSOA IDOSA
NOSSA CONVERSA DE HOJE
 LEI - ESTATUTO DO IDOSO Lei 10.741/03 Dispõe sobre o Estatuto do
Idoso e dá outras providências
 .VAMOS CONHECER UM POUCO MAIS DESTA IMPORTANTE LEI.
 ENVELHECIMENTO E VIDA
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA • Art. 230. A
família, a sociedade e o Estado têm o dever de
amparar as pessoas idosas, assegurando sua
participação na comunidade, defendendo sua
dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito
à vida. • § 1º Os programas de amparo aos idosos
serão executados preferencialmente em seus
lares
QUEM É O IDOSO
DOSO – CRITÉRIO ETÁRIO • Art. 1o É instituído
o Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos
assegurados às pessoas com idade igual ou
superior a 60 (sessenta) anos. • Art. 34. Aos
idosos, a partir de 65 (sessenta e cinco) anos, que
não possuam meios para prover sua subsistência,
nem de tê-la provida por sua família, é assegurado
o benefício mensal de 1 (um) salário- mínimo, nos
termos da Lei Orgânica da Assistência Social –
Loas.
O Estatuto do idoso – Lei 10.741/03, divide-se em:
• 1 – Direitos fundamentais •
2 – Medidas de proteção ao Idoso em estado de
risco pessoal ou social. •
 3 – Política de Atendimento •
4 – Acesso a Justiça •
 5 – Crimes
ESTRUTURA DO ESTATUTO:
TÍTULO I - Disposições Preliminares
TÍTULO II - Dos Direitos Fundamentais
CAPÍTULO I - Do Direito à Vida
CAPÍTULO II - Do Direito à Liberdade, ao Respeito e à Dignidade
CAPÍTULO III - Dos Alimentos
CAPÍTULO IV - Do Direito à Saúde
CAPÍTULO V - Da Educação, Cultura, Esporte e Lazer
CAPÍTULO VI - Da Profissionalização e do Trabalho
CAPÍTULO VII - Da Previdência Social
CAPÍTULO VIII - Da Assistência Social
CAPÍTULO IX - Da Habitação
CAPÍTULO X- Do Transporte
FCV
Estrutura do estatuto:
TÍTULO III - Das Medidas de Proteção
CAPÍTULO I - Das Disposições Gerais
CAPÍTULO II - Das Medidas Específicas de Proteção
TÍTULO IV - Da Política de Atendimento ao Idoso
CAPÍTULO I - Disposições Gerais
CAPÍTULO II - Das Entidades de Atendimento ao Idoso
CAPÍTULO III - Da Fiscalização das Entidades de Atendimento
CAPÍTULO IV - Das Infrações Administrativas
CAPÍTULO V - Da Apuração Administrativa de Infração às Normas de Proteção ao idoso
CAPÍTULO VI - Da Apuração Judicial de Irregularidades em Entidade de Atendimento
FCV
Estrutura do estatuto:
TÍTULO V - Do Acesso à Justiça
CAPÍTULO I - Disposições Gerais
CAPÍTULO II - Do Ministério Público
CAPÍTULO III - Da Proteção Judicial dos Interesses Difusos, Coletivos e Individuais
Indisponíveis ou Homogêneos
TÍTULO VI - Dos Crimes
CAPÍTULO I - Disposições Gerais
CAPÍTULO II - Dos Crimes em Espécie
TÍTULO VII - Disposições Finais e Transitórias
FCV
Art. 1o Estatuto do Idoso: idade igual ou superior a 60 anos.
Art. 2o direitos do idoso : preservação de sua saúde física e
mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual
e social, em condições de liberdade e dignidade.
Art. 3o É obrigação da família, da comunidade, da
sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com
absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à
saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte,
ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à
dignidade, ao respeito e à convivência familiar e
comunitária.
TÍTULO I
Disposições Preliminares
FCV
• Parágrafo único. A garantia de prioridade compreende:
• I – atendimento preferencial imediato e individualizado junto aos órgãos
públicos e privados prestadores de serviços à população;
• II – preferência na formulação e na execução de políticas sociais públicas
específicas;
• III – destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com
a proteção ao idoso;
• IV – viabilização de formas alternativas de participação, ocupação e convívio
do idoso com as demais gerações;
• V – priorização do atendimento do idoso por sua própria família, em
detrimento do atendimento asilar, exceto dos que não a possuam ou careçam
de condições de manutenção da própria sobrevivência;
• VI – capacitação e reciclagem dos recursos humanos nas áreas de geriatria e
gerontologia e na prestação de serviços aos idosos;
TÍTULO I
Disposições Preliminares
FCV
VII – estabelecimento de mecanismos que favoreçam a divulgação de informações de caráter
educativo sobre os aspectos biopsicossociais de envelhecimento;
VIII – garantia de acesso à rede de serviços de saúde e de assistência social locais.
Art. 4o Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência,
crueldade ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será
punido na forma da lei.
§ 1o É dever de todos prevenir a ameaça ou violação aos direitos do idoso.
§ 2o As obrigações previstas nesta Lei não excluem da prevenção outras decorrentes dos
princípios por ela adotados.
Art. 5o A inobservância das normas de prevenção importará em responsabilidade à pessoa
física ou jurídica nos termos da lei.
Art. 6o Todo cidadão tem o dever de comunicar à autoridade competente qualquer forma
de violação a esta Lei que tenha testemunhado ou de que tenha conhecimento.
Art. 7o Os Conselhos Nacional, Estaduais, do Distrito Federal e Municipais do Idoso,
previstos na , zelarão pelo cumprimento dos direitos do idoso, definidos nesta Lei.
TÍTULO I
Disposições Preliminares
FCV
Art. 8o O envelhecimento é um direito - reflexão sobre o envelhecimento
Art.9o É obrigação do Estado, garantir envelhecimento saudável e em condições
de dignidade.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO I
Do Direito à Vida
FCV
Pensar que a velhice é um processo degenerativo oposto a qualquer progresso.
A imagem da velhice como uma fase temida e apavorante da vida.
Estereótipo da velhice: pessoas doentes, incapazes, dependentes,, rabugentas e
impotentes.
A alternativa pro envelhecimento é a morte prematura.
PRECONCEITO
MEDO
INSEGURANÇA
 Envelhecer é um processo, inerente a todos os seres humanos, que se inicia na concepção e
perpassa todos os dias de nossas vidas.
Infância/Adol
Jovem/Adulto
Pessoa
NOVOS PAPÉIS...????? Não sei se se tenho condições para
assumir !?!?.
”Novos PLANOS ..Um novo projeto de vida? Nem pensar,
começar tudo de novo!
LIDAR COM PERDAS afetivas, sociais e orgânicas ´é muito
doloroso... Adaptar-se a novas tecnologias, computador, etc.é um
desafio que bloqueia!
Ruth Kay (Instituto Nacional de Saúde Mental – EUA), ao final de seutrabalhovisando
“a arte de envelhecer” enfatiza que nunca é cedo para se fazer asseguintes
perguntas:
dentro de minhas possibilidades, hoje ou num tempo de futuro, quetipo demoradia e
estilo de vida me proporcionarão conforto, conveniência,independência e
companhia?
sendo apto, que tipo de trabalho, atividades, lazer me interessam,causando-me
prazer e realização?
que organizações de prestação de serviço (públicas ou particulares)são demeu
interesse conhecer?
que serviços, benefícios médicos e de saúde estão disponíveisenfim,
quaisprovidências que tomadas a tempo, proporcionarão equilíbrio, não sóna
idadeavançada mas em qualquer fase da vida, uma vez que mudanças edesafios
Art. 10. É obrigação do Estado e da sociedade, assegurar à
pessoa idosa a liberdade, o respeito e a dignidade,
§ 2o O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da
integridade física, psíquica e moral, abrangendo a
preservação da imagem, da identidade, da autonomia, de
valores, idéias e crenças, dos espaços e dos objetos
pessoais.
§ 3o É dever de todos zelar pela dignidade do idoso,
colocando-o a salvo de qualquer tratamento desumano,
violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO II
Do Direito à Liberdade, ao Respeito e à Dignidade
FCV
Art. 14. Se o idoso ou seus familiares não
possuírem condições econômicas de prover o seu
sustento, impõe-se ao Poder Público esse
provimento, no âmbito da assistência social.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO III
Dos Alimentos
FCV
Art. 15. É assegurada a atenção integral à saúde do idoso, por
intermédio do SUS,
§ 1o A prevenção e a manutenção da saúde do idoso serão efetivadas
por meio de:
I – cadastramento da população idosa em base territorial;
II – atendimento geriátrico e gerontológico em ambulatórios;
III – unidades geriátricas de referência, com pessoal especializado
nas áreas de geriatria e gerontologia social;
IV – atendimento domiciliar, incluindo a internação, para a população que
dele necessitar e esteja impossibilitada de se locomover, inclusive para
idosos abrigados e acolhidos por instituições públicas, filantrópicas ou
sem fins lucrativos e eventualmente conveniadas com o Poder Público,
nos meios urbano e rural;
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IV
Do Direito à Saúde
FCV
V – reabilitação orientada pela geriatria e gerontologia, para redução das
seqüelas decorrentes do agravo da saúde.
§ 2o Incumbe ao Poder Público fornecer aos idosos, gratuitamente,
medicamentos, especialmente os de uso continuado, assim como próteses,
órteses e outros recursos relativos ao tratamento, habilitação ou reabilitação.
§ 3o É vedada a discriminação do idoso nos planos de saúde pela cobrança de
valores diferenciados em razão da idade.
§ 4o Os idosos portadores de deficiência ou com limitação incapacitante terão
atendimento especializado, nos termos da lei.
Art. 17. Ao idoso que esteja no domínio de suas faculdades mentais é
assegurado o direito de optar pelo tratamento de saúde que lhe for reputado
mais favorável.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IV
Do Direito à Saúde
FCV
Parágrafo único. Não estando o idoso em condições de proceder à opção, esta
será feita:
I – pelo curador, quando o idoso for interditado;
II – pelos familiares, quando o idoso não tiver curador ou este não puder ser
contactado em tempo hábil;
III – pelo médico, quando ocorrer iminente risco de vida e não houver tempo
hábil para consulta a curador ou familiar;
IV – pelo próprio médico, quando não houver curador ou familiar conhecido,
caso em que deverá comunicar o fato ao Ministério Público.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IV
Do Direito à Saúde
FCV
Art. 18. As instituições de saúde devem atender aos critérios mínimos
para o atendimento às necessidades do idoso, promovendo o
treinamento e a capacitação dos profissionais, assim como
orientação a cuidadores familiares e grupos de auto-ajuda.
Art. 19. Os casos de suspeita ou confirmação de maus-tratos contra
idoso serão obrigatoriamente comunicados pelos profissionais de
saúde a quaisquer dos seguintes órgãos:
I – autoridade policial;
II – Ministério Público;
III – Conselho Municipal do Idoso;
IV – Conselho Estadual do Idoso;
V – Conselho Nacional do Idoso.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IV
Do Direito à Saúde
FCV
Art. 20. Direito a educação, cultura, esporte, lazer, diversões, espetáculos,
produtos e serviços que respeitem sua peculiar condição de idade.
Art. 21. acesso do idoso à educação, adequando currículos, metodologias e
material didático
Art. 22. nos currículos mínimos dos diversos níveis de ensino formal serão
inseridos conteúdos de forma a eliminar o preconceito e a produzir
conhecimentos.
Art. 23. descontos de pelo menos 50% (cinqüenta por cento) e acesso
preferencial aos respectivos locais.
Art. 24. Os meios de comunicação manterão espaços ou horários especiais
voltados aos idosos, com finalidade informativa, educativa, artística e cultural, e
ao público sobre o processo de envelhecimento.
Art. 25. apoiará a criação de universidade aberta para as pessoas idosas e
incentivará a publicação de livros e periódicos, de conteúdo e padrão editorial
adequados ao idoso, que facilitem a leitura
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO V
Da Educação, Cultura, Esporte e Lazer
FCV
Art. 26. direito ao exercício de atividade profissional,
Art. 27. vedada a discriminação e a fixação de limite
máximo de idade, inclusive para concursos, ressalvados os
casos em que a natureza do cargo o exigir.
Parágrafo único. o primeiro critério de desempate em
concurso público será a idade,
Art. 28.
III – estímulo às empresas privadas para admissão de
idosos ao trabalho.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO VI
Da Profissionalização e do Trabalho
FCV
Art. 29. os benefícios de aposentadoria observarão critérios de cálculo que
preservem o valor real dos salários sobre os quais incidiram contribuição
Art. 31. as parcelas efetuadas com atraso por responsabilidade da Previdência
Social, serão atualizadas pelo mesmo índice
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO VII
Da Previdência Social
FCV
Art. 33. A assistência social aos idosos será prestada, de forma articulada,
conforme os princípios e diretrizes previstos na Lei Orgânica da Assistência
Social, na Política Nacional do Idoso, no Sistema Único de Saúde e demais
normas pertinentes.
Art. 34. Aos idosos, a partir de 65 anos, que não possuam meios para prover
sua subsistência, nem de tê-la provida por sua família, é assegurado o
benefício mensal de 1 salário-mínimo, nos termos da Lei Orgânica da
Assistência Social – Loas.
Art. 35. Todas as entidades de longa permanência, ou casa-lar, são obrigadas a
firmar contrato de prestação de serviços com a pessoa idosa abrigada.
§ 1o No caso de entidades filantrópicas, ou casa-lar, é facultada a cobrança de
participação do idoso no custeio da entidade.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO VIII
Da Assistência Social
FCV
Art. 37. O idoso tem direito a moradia digna, no seio da família natural ou
substituta, ou desacompanhado de seus familiares, quando assim o desejar, ou,
ainda, em instituição pública ou privada.
§ 1o A assistência integral na modalidade de entidade de longa permanência
será prestada quando verificada inexistência de grupo familiar, casa-lar,
abandono ou carência de recursos financeiros próprios ou da família.
§ 2o Toda instituição dedicada ao atendimento ao idoso fica obrigada a manter
identificação externa visível
§ 3o As instituições que abrigarem idosos são obrigadas a manter padrões de
habitação compatíveis com alimentação e higiene.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IX
Da Habitação
FCV
Art. 38. Nos programas habitacionais, públicos ou
subsidiados com recursos públicos, o idoso goza de
prioridade na aquisição de imóvel para moradia própria:
I – reserva de 3% aos idosos;
II – implantação de equipamentos urbanos comunitários
voltados ao idoso;
III – eliminação de barreiras arquitetônicas e urbanísticas,
para garantia de acessibilidade ao idoso;
IV – critérios de financiamento compatíveis com os
rendimentos de aposentadoria e pensão.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IX
Da Habitação
FCV
Art. 39. Aos maiores de 65 anos fica assegurada a gratuidade dos transportes
coletivos públicos urbanos e semi-urbanos, exceto nos serviços seletivos e
especiais, quando prestados paralelamente aos serviços regulares.
§ 1o Para ter acesso à gratuidade, basta que o idoso apresente qualquer
documento pessoal
§ 2o serão reservados 10% dos assentos para os idosos, devidamente
identificados
§ 3o No caso das pessoas compreendidas na faixa etária entre 60 e 65 anos,
ficará a critério da legislação local
Art. 40. no sistema de transporte coletivo interestadual
I – a reserva de 2 vagas gratuitas por veículo para idosos com renda igual ou
inferior a 2 salários-mínimos;
II – desconto de 50%, no mínimo, no valor das passagens, para os idosos que
excederem as vagas gratuitas, com renda igual ou inferior a 2 salários-mínimos.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO X
Do Transporte
FCV
Parágrafo único. Caberá aos órgãos competentes definir os mecanismos e os
critérios para o exercício dos direitos previstos nos incisos I e II.
Art. 41. reserva, para os idosos de 5% das vagas nos estacionamentos públicos
e privados, com comodidade ao idoso.
Art. 42. É assegurada a prioridade do idoso no embarque no sistema de
transporte coletivo.
TÍTULO II
Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO X
Do Transporte
FCV
Art. 43. As medidas de proteção ao idoso são aplicáveis sempre que os direitos
reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados:
I – por ação ou omissão da sociedade ou do Estado;
II – por falta, omissão ou abuso da família, curador ou entidade de atendimento;
III – em razão de sua condição pessoal.
TÍTULO III
Das Medidas de Proteção
CAPÍTULO I
Das Disposições Gerais
FCV
Art. 44. As medidas de proteção ao idoso previstas nesta Lei poderão ser
aplicadas, isolada ou cumulativamente, e levarão em conta os fins sociais a que
se destinam e o fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários.
Art. 45. Ministério Público ou o Poder Judiciário, poderá determinar
III – requisição para tratamento de sua saúde, em regime ambulatorial,
hospitalar ou domiciliar;
V – abrigo em entidade;
VI – abrigo temporário.
TÍTULO III
Das Medidas de Proteção
CAPÍTULO II
Das Medidas Específicas de Proteção
FCV
Art. 47. São linhas de ação da política de atendimento:
I – políticas sociais básicas, previstas na lei 8842
IV – serviço de identificação e localização de parentes ou responsáveis por
idosos abandonados em hospitais e instituições de longa permanência;
V – proteção jurídico-social por entidades de defesa dos direitos dos idosos;
VI – mobilização da opinião pública no sentido da participação dos diversos
segmentos da sociedade no atendimento do idoso.
TÍTULO IV
Da Política de Atendimento ao
Idoso
CAPÍTULO I
Disposições Gerais
FCV
Art. 48. As entidades de atendimento são responsáveis pela manutenção das
próprias unidades
I – oferecer instalações físicas em condições adequadas de habitabilidade,
higiene, salubridade e segurança;
IV – demonstrar a idoneidade de seus dirigentes.
Art. 50. Constituem obrigações das entidades de atendimento:
I – celebrar contrato escrito de prestação de serviço com o idoso,
especificando o tipo de atendimento, as obrigações da entidade e prestações
decorrentes do contrato, com os respectivos preços, se for o caso;
II – observar os direitos e as garantias de que são titulares os idosos;
III – fornecer vestuário adequado, se for pública, e alimentação suficiente;
VI – diligenciar no sentido da preservação dos vínculos familiares;
IX – promover atividades educacionais, esportivas, culturais e de lazer;
TÍTULO IV
Da Política de Atendimento ao
Idoso
CAPÍTULO II
Das Entidades de Atendimento ao Idoso
FCV
X – propiciar assistência religiosa àqueles que desejarem, de acordo com
suas crenças;
XI – proceder a estudo social e pessoal de cada caso;
XII – comunicar à autoridade competente de saúde toda ocorrência de idoso
portador de doenças infecto-contagiosas;
XIII – providenciar ou solicitar que o Ministério Público requisite os
documentos necessários ao exercício da cidadania àqueles que não os
tiverem, na forma da lei;
XIV – fornecer comprovante de depósito dos bens móveis que receberem dos
idosos;
TÍTULO IV
Da Política de Atendimento ao
Idoso
CAPÍTULO II
Das Entidades de Atendimento ao Idoso
FCV
XV – manter arquivo de anotações onde constem data e circunstâncias do
atendimento, nome do idoso, responsável, parentes, endereços, cidade, relação de
seus pertences, bem como o valor de contribuições e etc
XVI – comunicar ao Ministério Público, para as providências cabíveis, a situação
de abandono moral ou material por parte dos familiares;
XVII – manter no quadro de pessoal profissionais com formação específica.
Art. 51. As instituições filantrópicas ou sem fins lucrativos prestadoras de serviço ao
idoso terão direito à assistência judiciária gratuita.
TÍTULO IV
Da Política de Atendimento ao
Idoso
CAPÍTULO II
Das Entidades de Atendimento ao Idoso
FCV
Art. 52. As entidades governamentais e não-governamentais de atendimento ao
idoso serão fiscalizadas pelos Conselhos do Idoso, Ministério Público,
Vigilância Sanitária e outros previstos em lei.
Art. 55. As entidades de atendimento que descumprirem as determinações
desta Lei ficarão sujeitas, sem prejuízo da responsabilidade civil e criminal de
seus dirigentes ou prepostos, às seguintes penalidades, observado o devido
processo legal:
I – as entidades governamentais:
a) advertência;
b) afastamento provisório de seus dirigentes;
c) afastamento definitivo de seus dirigentes;
d) fechamento de unidade ou interdição de programa;
TÍTULO IV
Da Política de Atendimento ao
Idoso
CAPÍTULO III
Da Fiscalização das Entidades de Atendimento
FCV
II – as entidades não-governamentais:
a) advertência;
b) multa;
c) suspensão parcial ou total do repasse de verbas públicas;
d) interdição de unidade ou suspensão de programa;
e) proibição de atendimento a idosos a bem do interesse público.
TÍTULO IV
Da Política de Atendimento ao
Idoso
CAPÍTULO III
Da Fiscalização das Entidades de Atendimento
FCV
Art. 56. Deixar a entidade de atendimento de cumprir as determinações do art.
50 desta lei ( obrigações das entidades de atendimento).
Pena – multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 3.000,00 (três mil reais), se
o fato não for caracterizado como crime, podendo haver a interdição do
estabelecimento até que sejam cumpridas as exigências legais.
Parágrafo único. No caso de interdição do estabelecimento de longa
permanência, os idosos abrigados serão transferidos para outra instituição, a
expensas do estabelecimento interditado, enquanto durar a interdição.
Art. 57. Deixar o profissional de saúde ou o responsável por estabelecimento
de saúde ou instituição de longa permanência de comunicar à autoridade
competente os casos de crimes contra idoso de que tiver conhecimento:
Pena – multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 3.000,00 (três mil reais),
aplicada em dobro no caso de reincidência.
Art. 58. Deixar de cumprir as determinações desta Lei sobre a prioridade no
atendimento ao idoso:
Pena – multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 1.000,00 (um mil reais) e
multa civil a ser estipulada pelo juiz, conforme o dano sofrido pelo idoso.
TÍTULO IV
Da Política de Atendimento ao
Idoso
CAPÍTULO IV
Das Infrações Administrativas
FCV
Art. 61. O autuado terá prazo de 10 dias para a apresentação da defesa,
contado da data da intimação.
TÍTULO IV
Da Política de Atendimento ao
Idoso
CAPÍTULO V
Da Apuração Administrativa de Infração às
Normas de Proteção ao Idoso
FCV
Art. 70. O Poder Público poderá criar varas especializadas e exclusivas do
idoso.
Art. 71. É assegurada prioridade na tramitação dos processos e
procedimentos e na execução dos atos e diligências judiciais em que figure
como parte ou interveniente pessoa com idade igual ou superior a 60 anos, em
qualquer instância.
TÍTULO V
Do Acesso à Justiça
CAPÍTULO I
Disposições Gerais
FCV
Art. 72. (VETADO*)
Art. 74. Compete ao Ministério Público:
I – instaurar o inquérito civil e a ação civil pública para a proteção dos direitos
e interesses difusos ou coletivos, individuais indisponíveis e individuais
homogêneos do idoso;
V – instaurar procedimento administrativo e, para instruí-lo:
b) requisitar informações, exames, perícias e documentos de autoridades
municipais, estaduais e federais, da administração direta e indireta, bem como
promover inspeções e diligências investigatórias;
VIII – inspecionar as entidades públicas e particulares
IX – requisitar força policial
* por iniciativa do Ministério da Justiça e da Advocacia-Geral da União, pois impunha a aplicação do
procedimento sumário, previsto no Código de Processo Civil, aos feitos que tivessem por objeto matéria
referente ao tema "idoso", por implicar na fixação, reflexa, da competência do Juizado Especial previsto
pela Lei nº 9.099/95.
TÍTULO V
Do Acesso à Justiça
CAPÍTULO II
Do Ministério Público
FCV
Art. 81. Para as ações cíveis fundadas em interesses difusos, coletivos,
individuais indisponíveis ou homogêneos, consideram-se legitimados,
concorrentemente:
I – o Ministério Público;
II – a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios;
III – a Ordem dos Advogados do Brasil;
IV – as associações legalmente constituídas há pelo menos 1 ano e que
incluam entre os fins institucionais a defesa dos interesses e direitos da pessoa
idosa, dispensada a autorização da assembléia, se houver prévia autorização
estatutária.
Art. 84. Os valores das multas previstas nesta Lei reverterão ao Fundo do
Idoso, onde houver, ou na falta deste, ao Fundo Municipal de Assistência
Social, ficando vinculados ao atendimento ao idoso.
TÍTULO V
Do Acesso à Justiça
CAPÍTULO III
Da Proteção Judicial dos
Interesses Difusos, Coletivos e
Individuais Indisponíveis ou Homogêneos
FCV
Art. 96. Discriminar pessoa idosa, impedindo ou dificultando seu acesso a
operações bancárias, aos meios de transporte, ao direito de contratar ou por
qualquer outro meio ou instrumento necessário ao exercício da cidadania, por
motivo de idade:
Pena – reclusão de 6 (seis) meses a 1 (um) ano e multa.
§ 1o Na mesma pena incorre quem desdenhar, humilhar, menosprezar ou
discriminar pessoa idosa, por qualquer motivo.
§ 2o A pena será aumentada de 1/3 (um terço) se a vítima se encontrar sob os
cuidados ou responsabilidade do agente.
TÍTULO V
Do Acesso à Justiça
CAPÍTULO II
Dos Crimes em Espécie
Violência Psicológica
FCV
 Consiste em agressões verbais com objetivo de humilhar, aterrorizar ou
afastar a PI da convivência de seu meio.
 O abuso psicológico corresponde a todas as formas de
menosprezo, de desprezo, de discriminação que provocam
sofrimento mental. Exemplos verbais comuns de abuso: “Você
já não serve para nada; você já deveria ter morrido mesmo;
você já é a bananeira que deu cacho”. Estudos médicos
mostram que o sofrimento mental provocado por esse tipo de
mau trato contribui para processos depressivos e
autodestrutivos em pessoas idosas. As que mais sofrem são as
muito pobres e as dependentes financeira, emocional e
fisicamente.
Conceituando abuso psicológico
Art. 97. Deixar de prestar assistência ao idoso, quando possível fazê-lo sem
risco pessoal, em situação de iminente perigo, ou recusar, retardar ou
dificultar sua assistência à saúde, sem justa causa, ou não pedir, nesses
casos, o socorro de autoridade pública:
Pena – detenção de 6 (seis) meses a 1 (um) ano e multa.
Parágrafo único. A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão
corporal de natureza grave, e triplicada, se resulta a morte.
Art. 98. Abandonar o idoso em hospitais, casas de saúde, entidades de longa
permanência, ou congêneres, ou não prover suas necessidades básicas,
quando obrigado por lei ou mandado:
Pena – detenção de 6 (seis) meses a 3 (três) anos e multa.
TÍTULO V
Do Acesso à Justiça
CAPÍTULO II
Dos Crimes em Espécie
FCV
CONCEITUANDO ABANDONO
 Consiste na ausência ou deserção dos familiares, instituições e responsáveis
governamentais em relação à PI.
 Exemplos:colocar a pessoa num quartinho nos fundos da casa privando-a do
convívio familiar; deixá-la em abrigo ou em qualquer outra instituição de
longa permanência para se livrar da sua presença na casa; deixar a entidades
que abrigam os idosos o domínio sobre suas vida, suas vontades, a saúde e o
direito de ir e vir deles; permitir que passem fome e outras necessidades
básicas; privar a pessoa idosa de cuidados requeridos, de medicamentos e de
alimentação, antecipando sua imobilidade ou mesmo adoecimento e morte.
CONCEITUANDO ABUSOS
FINANCEIROS
 Consiste na exploração imprópria ou ilegal da PI
no uso não consentido de seus bens financeiros ou
patrimoniais. São cometidos por familiares,
empresas, governos.
 O Disque Idoso Paraná registra 917 queixas de
abusos, sendo que 200 delas dizem respeito a
agressões verbais e psicológicas;158, a
negligência/abandono de filhos e cônjuge; 87, a
apropriação indébita do cartão de benefício; 67, a
agressões à saúde, com uso de medicamentos
psicotrópicos, 37, a cárcere privado, e 35 a
agressões físicas.
ESTATUTO DO IDOSO
 VIOLÊNCIA FINANCEIRA
 Art. 102. Apropriar-se de ou desviar bens, proventos, pensão ou qualquer
outro rendimento do idoso, dando-lhes aplicação diversa da de sua
finalidade:
 Pena – reclusão de 1 (um) a 4 (quatro) anos e multa.
 Art. 104. Reter o cartão magnético de conta bancária relativa a benefícios,
proventos ou pensão do idoso, bem como qualquer outro documento com
o objetivo de assegurar recebimento de dívida:
Pena: detenção de 6 meses a 2 anos e multa.
CONCEITUANDO VIOLÊNCIA
FÍSICA
 O abuso físico consiste no uso da força para obrigar a PI
a fazer o que não deseja, provocando-lhe dor, ferimentos
ou morte.
 Os abusos físicos constituem as maiores queixas
dos idosos e costumam acontecer no seio da
família, na rua, nas instituições de prestação de
serviços, dentre outros espaços. Às vezes, o abuso
físico resulta em lesões e traumas que levam à
internação hospitalar, ou também conduzem à
morte. No Paraná, os idosos são responsáveis por
110 mil internações/ano: 55,38%- quedas; 19%-
trânsito; 3%-agressões; 1%- auto-agressões.
NOTIFICAR / ESTATUTO DO IDOSO
LEI Nº 10741 DE 01/10/2003
Art. 19: Os casos de suspeita ou confirmação de
maus-tratos contra idoso serão objeto de
notificação compulsória pelos serviços de saúde
públicos e privados à autoridade sanitária, bem
como obrigatoriamente comunicados por eles a
quaisquer dos seguintes órgãos:
 Autoridade Policial;
 Ministério Público;
 Conselho Municipal do Idoso;
 Conselho Estadual do Idoso; Conselho Nacional
do Idoso.
Quais as 7 violências ao idoso?
Abaixo são elencados os tipos de violência praticada contra a
pessoa idosa: Violência Física; Violência Psicológica;
Negligência; Violência Institucional; Abuso
financeiro; Violência patrimonial; Violência sexual; Discriminação.
UF
ABUSO
FINANCEIRO
E
ECONÔMICO/
VIOLÊNCIA
PATRIMONIAL
DIREITO À
MEMÓRIA E
À VERDADE
DISCRIMINAÇÃO
FALTA DE
ACESSIBILIDADE AO
MEIO
FÍSICO(EDIFICAÇÕES
OU VEÍCULOS)
EXPLORAÇÃO DO
TRABALHO
INFANTIL
NEGLIGÊNCIA
OUTRAS VIOLAÇÕES / OUTROS
ASSUNTOS RELACIONADOS A
DIREITOS HUMANOS
TOTAL 15.620 0 113 1 1 29.792 180
% 41,70% 0,00% 0,30% 0,00% 0,00% 79,54% 0,48%
TORTURA E
OUTROS
TRATAMENTOS OU
PENAS CRUÉIS,
DESUMANOS OU
DEGRADANTES
TRABALHO
ESCRAVO
TRÁFICO
DE
PESSOAS
VIOLÊNCIA
FÍSICA
VIOLÊNCIA
INSTITUCIONA
L
VIOLÊNCIA
PSICOLÓGICA
VIOLÊNCIA SEXUAL
3 15 0 9.921 1.688 20.778 171
0,01% 0,04% 0,00% 26,49% 4,51% 55,48% 0,46%
POSSÍVEIS AGRESSORES
Ranking
TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA
(60 ANOS E MAIS)
2011 - VIVA / SVS / MS %
1º FILHOS 29,7%
2º OUTROS 13,6%
3º DESCONHECIDOS 10,6%
4º CÔNJUGE/AMIGOS/CONHECIDOS 9,3%
5º PRÓPRIA PESSOA 9,2%
6º CUIDADOR 3,5%
POSSÍVEIS AGRESSORES
ONDE OCORREM OS MAUS TRATOS :
Na casa do possível agressor
Na rua
Na casa do próprio idoso
Nas Instituições de Longa
Permanência
Detectar situações e fatores de
risco e a efetiva intervenção.
COMO PREVENIR A VIOLÊNCIA
CONTRA A PESSOA IDOSA?
Dependência física: sem condições de desenvolver suas AVDs
Dependência psíquica: associada a transtornos mentais
Isolamento social da pessoa idosa
SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE
VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
Associadas ao agressor
É principalmente o filho
Único cuidador
Vive na mesma casa da pessoa idosa
É dependente financeiramente do idoso
É usuário de álcool e/ou drogas
SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE
VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
Associadas ao agressor
Vínculos afetivos fragilizados
Submete o idoso ao isolamento social
É agressivo em suas relações familiares
Foi vítima de violência perpetrada pelo idoso
Foi vítima de violência doméstica
SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE
VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
Associadas a questões
estruturais
Baixa renda
Discriminação etária
Descumprimento das leis que protegem os idosos
SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE
VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
Associadas a questões
Institucionais
Profissionais sem capacitação na área
Baixos salários
Sobrecarga de trabalho ou número insuficiente de
profissionais
Escassez de recursos materiais
Normas de funcionamento inadequadas
Falta de controle e fiscalização
SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE
VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
Descuido com a higiene;
Desamparo,
desesperança ou
ansiedade
Lesões físicas
Desidratação
desnutrição
difíceis de serem
explicadas;
Fuga de contato físico do cuidador
Visitas frequentes ao
médico devido à piora
de uma doença crônica
em tratamento
Diferenças entre a
história contada pela
pessoa idosa e a
contada pelo
familiar/cuidador
SITUAÇÕES QUE SUGEREM
VIOLÊNCIA
CUIDADOS À PESSOA IDOSA
RECOMENDAÇÕES AOS PROFISSIONAIS:
1. Avaliar periodicamente o nível de dependência da pessoa
idosa nas suas AVDs (quanto maior a dependência, maior
será o risco da ocorrência de violência);
2. Incentivar que os idosos participem de atividades sociais,
e lazer;
3. Detectar situações e fatores de risco e a efetiva
intervenção;
4. Criar uma relação de confiança e receptividade –
profissional e idoso para propiciar um diálogo aberto diante
as possíveis situações de violência;
5. Orientar os familiares sobre o processo do
envelhecimento.
1.Ter amigos que possam lhe visitar;
2.Participar de atividades físicas, sociais e
da comunidade (centros de convivência, serviços
voluntários, academia da saúde dentre outros);
3.Ter controle de seu cartão bancário, não
fornecendo senha para estranhos ou pessoas
que não de sua
confiança;
5.Ter alguém a quem recorrer quando se sentir
maltratado.
RECOMENDAÇÕES
DOS
PROFISSIONAIS
ÀS
PESSOAS
IDOSAS:
RECOMENDAÇÕES À SOCIEDADE E
FAMÍLIA
Educar a sociedade sobre o processo do
envelhecimento.
Sensibilizar e conscientizar a família e a
sociedade quanto a violência praticada
contra a pessoa idosa por meio de
campanhas educativas, mídia e
materiais educativos;
SAÚDE
UBS/ESF
CENTROS
REFERÊNCIA
UPA/HOSP.
LEGISLATIVO
ASSISTÊNCIA
SOCIAL
CREAS/CRAS
ILPI
EDUCAÇÃO
UNIVERSIDADES
ESCOLAS
TURISMO
DELEGACIAS
VARAS
DEFENSORIAS
MINISTÉRIO
PÚBLICO
PRIVADO
CIDADÃOS
ORGANISMOS
INTERNACIONAIS
.......
CONSELHOS DOS
DIREITOS DO
IDOSO
SOCIEDADE
CIVIL/ONG’s
REDES DE ATENÇÃO INTEGRAL E PROTEÇÃO
SOCIAL ÀS
PESSOAS IDOSAS EM SITUAÇÃO DE
VIOLËNCIA
COMUNICAÇÃO
MÍDIA
RESPONSABILIDADES
SOCIEDADE
FAMÍLIA
PODER
PÚBLICO
(MS, SES/SMS)
A CASA ESPIRITA E A PESSOA IDOSA
“(…) Maria de Magdala ao encontrar Jesus, decidiu e transformou-setotalmente;
Paulo de Tarso, desperto ao chamado do Mestre, nunca maisfoi omesmo; Francisco
de Assis, aceitando Jesus, renasce. Leonardo da Vinci,Galileu,Newton, Descartes,
Pasteur, Schuwitzer e tantos outros no campo dopensamento,da ciência, da arte,
da religião e do amor (…)” após despertarem pararealidade “(…) alteraram a
própria rota, erguendo para si e paraHumanidade umpatamar de maior beleza e de
mais ampla felicidade”.
Essa coragem “do mudar” estabelecendo novas metas “(…) significaencontrar-se
construindo, livre de preconceitos e de limites, aberto ao beme àverdade de que se
torna vanguardeiro e divulgador”.
PROMOVER RODAS DE CONVERSA EM GRUPOS DE PESSOAS IDOSAS PARA REFLEXÃO
QUEM SOMOS?
NOSSO DESTINO NA TERRA COMO PASSAGEIROS DE UMA PEQUENA VIAGEM
ACEITAÇÃO DO TEMPO
VIDA DO ESPIRITO E O A VIDA DA MATÉRIA
ESPAÇOS DE ACOLHIMENTO
OFICINAS DE TRABALHO PARA MÃOS OPEROSAS
ESPAÇO PARA ESCUTA AFETUOSAS
ESPAÇO DE CUIDADO E PROTEÇÃO
TÍTULO VII
Disposições Finais e
Transitórias
TÍTULO VII
Disposições Finais e Transitórias
Art. 110. O , passa a vigorar com as seguintes alterações:
Art. 61. ............................................................................
h) contra criança, maior de 60 (sessenta) anos, enfermo ou mulher grávida;
Art. 121. ............................................................................
§ 4o No homicídio culposo, a pena é aumentada de 1/3 (um terço), se o crime
resulta de inobservância de regra técnica de profissão, arte ou ofício, ou se o
agente deixa de prestar imediato socorro à vítima, não procura diminuir as
conseqüências do seu ato, ou foge para evitar prisão em flagrante. Sendo
doloso o homicídio, a pena é aumentada de 1/3 (um terço) se o crime é
praticado contra pessoa menor de 14 (quatorze) ou maior de 60 (sessenta)
anos.
Art. 133. ............................................................................
III – se a vítima é maior de 60 (sessenta) anos." (NR)
Art. 140. ............................................................................
§ 3o Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia,
religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência:
ETC
FCV
• Proibição de reajustar as mensalidades dos planos de saúde
• Prioridade de andamento dos processos judiciais
• Estatuto do Idoso x Estatuto da Criança e do Adolescente
• Relação com a família
• Transporte interestadual
• Atendimento especializado X profissionais e estrutura
• Conscientizar a população
• A situação dos abrigos
QUESTÕES PARA DISCUSSÃO:
FCV

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do séculoGestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
O que é envelhecer
O que é envelhecerO que é envelhecer
O que é envelhecer
Dersonoliveira
 
NIT PORTAL SOCIAL - SAÚDE DO IDOSO
NIT PORTAL SOCIAL - SAÚDE DO IDOSONIT PORTAL SOCIAL - SAÚDE DO IDOSO
NIT PORTAL SOCIAL - SAÚDE DO IDOSO
Nit Portal Social
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
Greicy Kapisch
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Dany Romeira
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimento
gerontopedia
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
Marcos Figueiredo
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
Carlean Oliveira
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
André Fidelis
 
Idoso
IdosoIdoso
Direito do idosos
Direito do idososDireito do idosos
Direito do idosos
Cristina de Souza
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Jessica Monteiro
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
Carla Couto
 
Programa de Saúde da
Programa de Saúde daPrograma de Saúde da
Programa de Saúde da
Luciana Oliveira
 
Teorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoTeorias do Envelhecimento
Teorias do Envelhecimento
Anabelazita
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
luzienne moraes
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
Ismael Costa
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Tania Jesus
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 

Mais procurados (20)

Gestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do séculoGestão do envelhecimento ativo: desafio do século
Gestão do envelhecimento ativo: desafio do século
 
O que é envelhecer
O que é envelhecerO que é envelhecer
O que é envelhecer
 
NIT PORTAL SOCIAL - SAÚDE DO IDOSO
NIT PORTAL SOCIAL - SAÚDE DO IDOSONIT PORTAL SOCIAL - SAÚDE DO IDOSO
NIT PORTAL SOCIAL - SAÚDE DO IDOSO
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimento
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 
Direito do idosos
Direito do idososDireito do idosos
Direito do idosos
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
Programa de Saúde da
Programa de Saúde daPrograma de Saúde da
Programa de Saúde da
 
Teorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoTeorias do Envelhecimento
Teorias do Envelhecimento
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
 

Semelhante a ESTATUTO DO IDOSO.pptx

09 estatuto do idoso
09 estatuto do idoso09 estatuto do idoso
09 estatuto do idoso
Hernando Professor
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
ACS PM RN
 
Estatuto do idoso pdf
Estatuto do idoso pdfEstatuto do idoso pdf
Estatuto do idoso pdf
CEDDHSC-ESTADUAL-RJ
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idoso Estatuto do idoso
Estatuto do idoso
Bispo Ossesio Silva
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idoso Estatuto do idoso
Estatuto do idoso
Bispo Ossesio Silva
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idoso Estatuto do idoso
Estatuto do idoso
Bispo Ossesio Silva
 
Estatuto
Estatuto Estatuto
Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Estatuto do Idoso
Estatuto do Idoso Estatuto do Idoso
Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
Bispo Ossesio Silva
 
2855_inss_legis_da_assis_socia_anali_do_segur_socia_servi_socia_inss_novo_cur...
2855_inss_legis_da_assis_socia_anali_do_segur_socia_servi_socia_inss_novo_cur...2855_inss_legis_da_assis_socia_anali_do_segur_socia_servi_socia_inss_novo_cur...
2855_inss_legis_da_assis_socia_anali_do_segur_socia_servi_socia_inss_novo_cur...
andreiaDysarz
 
TERCEIRA IDADE - AULA 2.pptx
TERCEIRA IDADE - AULA 2.pptxTERCEIRA IDADE - AULA 2.pptx
TERCEIRA IDADE - AULA 2.pptx
VitalyCursos
 
Estatuto do Idoso.pptx
Estatuto do Idoso.pptxEstatuto do Idoso.pptx
Estatuto do Idoso.pptx
cara688242
 
Conhecimentos básicos da legislação educacional
Conhecimentos básicos da legislação educacionalConhecimentos básicos da legislação educacional
Conhecimentos básicos da legislação educacional
Félix Caballero
 
estatuto da pessoa com deficiencia
estatuto da pessoa com deficienciaestatuto da pessoa com deficiencia
estatuto da pessoa com deficiencia
Maisa Bruna
 
Fichamento ESTATUTO do IDOSO- para estudos
Fichamento   ESTATUTO do IDOSO- para estudosFichamento   ESTATUTO do IDOSO- para estudos
Fichamento ESTATUTO do IDOSO- para estudos
Rosane Domingues
 
Dclegislacao 110208194129-phpapp02
Dclegislacao 110208194129-phpapp02Dclegislacao 110208194129-phpapp02
Dclegislacao 110208194129-phpapp02
Tharssia Baldasso
 
Legislacão
 Legislacão Legislacão
Legislacão
CEDDHSC-ESTADUAL-RJ
 
Estatuto da Criança e do Adolescente ECA 2016 - Enfermagem - CENTEC
Estatuto da Criança e do Adolescente ECA 2016 - Enfermagem - CENTECEstatuto da Criança e do Adolescente ECA 2016 - Enfermagem - CENTEC
Estatuto da Criança e do Adolescente ECA 2016 - Enfermagem - CENTEC
WALFRIDO Farias Gomes
 
1ª aulaaaaaaaaaaaaaaaaa estatuto da criança - apresentação1
1ª aulaaaaaaaaaaaaaaaaa   estatuto da criança - apresentação11ª aulaaaaaaaaaaaaaaaaa   estatuto da criança - apresentação1
1ª aulaaaaaaaaaaaaaaaaa estatuto da criança - apresentação1
Paulo Roberto Soares
 

Semelhante a ESTATUTO DO IDOSO.pptx (20)

09 estatuto do idoso
09 estatuto do idoso09 estatuto do idoso
09 estatuto do idoso
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Estatuto do idoso pdf
Estatuto do idoso pdfEstatuto do idoso pdf
Estatuto do idoso pdf
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idoso Estatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idoso Estatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idoso Estatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Estatuto
Estatuto Estatuto
Estatuto
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Estatuto do Idoso
Estatuto do Idoso Estatuto do Idoso
Estatuto do Idoso
 
Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
2855_inss_legis_da_assis_socia_anali_do_segur_socia_servi_socia_inss_novo_cur...
2855_inss_legis_da_assis_socia_anali_do_segur_socia_servi_socia_inss_novo_cur...2855_inss_legis_da_assis_socia_anali_do_segur_socia_servi_socia_inss_novo_cur...
2855_inss_legis_da_assis_socia_anali_do_segur_socia_servi_socia_inss_novo_cur...
 
TERCEIRA IDADE - AULA 2.pptx
TERCEIRA IDADE - AULA 2.pptxTERCEIRA IDADE - AULA 2.pptx
TERCEIRA IDADE - AULA 2.pptx
 
Estatuto do Idoso.pptx
Estatuto do Idoso.pptxEstatuto do Idoso.pptx
Estatuto do Idoso.pptx
 
Conhecimentos básicos da legislação educacional
Conhecimentos básicos da legislação educacionalConhecimentos básicos da legislação educacional
Conhecimentos básicos da legislação educacional
 
estatuto da pessoa com deficiencia
estatuto da pessoa com deficienciaestatuto da pessoa com deficiencia
estatuto da pessoa com deficiencia
 
Fichamento ESTATUTO do IDOSO- para estudos
Fichamento   ESTATUTO do IDOSO- para estudosFichamento   ESTATUTO do IDOSO- para estudos
Fichamento ESTATUTO do IDOSO- para estudos
 
Dclegislacao 110208194129-phpapp02
Dclegislacao 110208194129-phpapp02Dclegislacao 110208194129-phpapp02
Dclegislacao 110208194129-phpapp02
 
Legislacão
 Legislacão Legislacão
Legislacão
 
Estatuto da Criança e do Adolescente ECA 2016 - Enfermagem - CENTEC
Estatuto da Criança e do Adolescente ECA 2016 - Enfermagem - CENTECEstatuto da Criança e do Adolescente ECA 2016 - Enfermagem - CENTEC
Estatuto da Criança e do Adolescente ECA 2016 - Enfermagem - CENTEC
 
1ª aulaaaaaaaaaaaaaaaaa estatuto da criança - apresentação1
1ª aulaaaaaaaaaaaaaaaaa   estatuto da criança - apresentação11ª aulaaaaaaaaaaaaaaaaa   estatuto da criança - apresentação1
1ª aulaaaaaaaaaaaaaaaaa estatuto da criança - apresentação1
 

Último

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 

ESTATUTO DO IDOSO.pptx

  • 1. ESTATUTO DO IDOSO MUDOU EM 2019 PARA ESTATUTO DA PESSOA IDOSA
  • 2. NOSSA CONVERSA DE HOJE  LEI - ESTATUTO DO IDOSO Lei 10.741/03 Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências  .VAMOS CONHECER UM POUCO MAIS DESTA IMPORTANTE LEI.  ENVELHECIMENTO E VIDA
  • 3. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA • Art. 230. A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida. • § 1º Os programas de amparo aos idosos serão executados preferencialmente em seus lares
  • 4. QUEM É O IDOSO DOSO – CRITÉRIO ETÁRIO • Art. 1o É instituído o Estatuto do Idoso, destinado a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. • Art. 34. Aos idosos, a partir de 65 (sessenta e cinco) anos, que não possuam meios para prover sua subsistência, nem de tê-la provida por sua família, é assegurado o benefício mensal de 1 (um) salário- mínimo, nos termos da Lei Orgânica da Assistência Social – Loas.
  • 5. O Estatuto do idoso – Lei 10.741/03, divide-se em: • 1 – Direitos fundamentais • 2 – Medidas de proteção ao Idoso em estado de risco pessoal ou social. •  3 – Política de Atendimento • 4 – Acesso a Justiça •  5 – Crimes
  • 6. ESTRUTURA DO ESTATUTO: TÍTULO I - Disposições Preliminares TÍTULO II - Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO I - Do Direito à Vida CAPÍTULO II - Do Direito à Liberdade, ao Respeito e à Dignidade CAPÍTULO III - Dos Alimentos CAPÍTULO IV - Do Direito à Saúde CAPÍTULO V - Da Educação, Cultura, Esporte e Lazer CAPÍTULO VI - Da Profissionalização e do Trabalho CAPÍTULO VII - Da Previdência Social CAPÍTULO VIII - Da Assistência Social CAPÍTULO IX - Da Habitação CAPÍTULO X- Do Transporte FCV
  • 7. Estrutura do estatuto: TÍTULO III - Das Medidas de Proteção CAPÍTULO I - Das Disposições Gerais CAPÍTULO II - Das Medidas Específicas de Proteção TÍTULO IV - Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO I - Disposições Gerais CAPÍTULO II - Das Entidades de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO III - Da Fiscalização das Entidades de Atendimento CAPÍTULO IV - Das Infrações Administrativas CAPÍTULO V - Da Apuração Administrativa de Infração às Normas de Proteção ao idoso CAPÍTULO VI - Da Apuração Judicial de Irregularidades em Entidade de Atendimento FCV
  • 8. Estrutura do estatuto: TÍTULO V - Do Acesso à Justiça CAPÍTULO I - Disposições Gerais CAPÍTULO II - Do Ministério Público CAPÍTULO III - Da Proteção Judicial dos Interesses Difusos, Coletivos e Individuais Indisponíveis ou Homogêneos TÍTULO VI - Dos Crimes CAPÍTULO I - Disposições Gerais CAPÍTULO II - Dos Crimes em Espécie TÍTULO VII - Disposições Finais e Transitórias FCV
  • 9. Art. 1o Estatuto do Idoso: idade igual ou superior a 60 anos. Art. 2o direitos do idoso : preservação de sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual, espiritual e social, em condições de liberdade e dignidade. Art. 3o É obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, com absoluta prioridade, a efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária. TÍTULO I Disposições Preliminares FCV
  • 10. • Parágrafo único. A garantia de prioridade compreende: • I – atendimento preferencial imediato e individualizado junto aos órgãos públicos e privados prestadores de serviços à população; • II – preferência na formulação e na execução de políticas sociais públicas específicas; • III – destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção ao idoso; • IV – viabilização de formas alternativas de participação, ocupação e convívio do idoso com as demais gerações; • V – priorização do atendimento do idoso por sua própria família, em detrimento do atendimento asilar, exceto dos que não a possuam ou careçam de condições de manutenção da própria sobrevivência; • VI – capacitação e reciclagem dos recursos humanos nas áreas de geriatria e gerontologia e na prestação de serviços aos idosos; TÍTULO I Disposições Preliminares FCV
  • 11. VII – estabelecimento de mecanismos que favoreçam a divulgação de informações de caráter educativo sobre os aspectos biopsicossociais de envelhecimento; VIII – garantia de acesso à rede de serviços de saúde e de assistência social locais. Art. 4o Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência, crueldade ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido na forma da lei. § 1o É dever de todos prevenir a ameaça ou violação aos direitos do idoso. § 2o As obrigações previstas nesta Lei não excluem da prevenção outras decorrentes dos princípios por ela adotados. Art. 5o A inobservância das normas de prevenção importará em responsabilidade à pessoa física ou jurídica nos termos da lei. Art. 6o Todo cidadão tem o dever de comunicar à autoridade competente qualquer forma de violação a esta Lei que tenha testemunhado ou de que tenha conhecimento. Art. 7o Os Conselhos Nacional, Estaduais, do Distrito Federal e Municipais do Idoso, previstos na , zelarão pelo cumprimento dos direitos do idoso, definidos nesta Lei. TÍTULO I Disposições Preliminares FCV
  • 12. Art. 8o O envelhecimento é um direito - reflexão sobre o envelhecimento Art.9o É obrigação do Estado, garantir envelhecimento saudável e em condições de dignidade. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO I Do Direito à Vida FCV
  • 13. Pensar que a velhice é um processo degenerativo oposto a qualquer progresso. A imagem da velhice como uma fase temida e apavorante da vida. Estereótipo da velhice: pessoas doentes, incapazes, dependentes,, rabugentas e impotentes. A alternativa pro envelhecimento é a morte prematura. PRECONCEITO MEDO INSEGURANÇA
  • 14.  Envelhecer é um processo, inerente a todos os seres humanos, que se inicia na concepção e perpassa todos os dias de nossas vidas. Infância/Adol Jovem/Adulto Pessoa
  • 15. NOVOS PAPÉIS...????? Não sei se se tenho condições para assumir !?!?. ”Novos PLANOS ..Um novo projeto de vida? Nem pensar, começar tudo de novo! LIDAR COM PERDAS afetivas, sociais e orgânicas ´é muito doloroso... Adaptar-se a novas tecnologias, computador, etc.é um desafio que bloqueia!
  • 16. Ruth Kay (Instituto Nacional de Saúde Mental – EUA), ao final de seutrabalhovisando “a arte de envelhecer” enfatiza que nunca é cedo para se fazer asseguintes perguntas: dentro de minhas possibilidades, hoje ou num tempo de futuro, quetipo demoradia e estilo de vida me proporcionarão conforto, conveniência,independência e companhia? sendo apto, que tipo de trabalho, atividades, lazer me interessam,causando-me prazer e realização? que organizações de prestação de serviço (públicas ou particulares)são demeu interesse conhecer? que serviços, benefícios médicos e de saúde estão disponíveisenfim, quaisprovidências que tomadas a tempo, proporcionarão equilíbrio, não sóna idadeavançada mas em qualquer fase da vida, uma vez que mudanças edesafios
  • 17. Art. 10. É obrigação do Estado e da sociedade, assegurar à pessoa idosa a liberdade, o respeito e a dignidade, § 2o O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, de valores, idéias e crenças, dos espaços e dos objetos pessoais. § 3o É dever de todos zelar pela dignidade do idoso, colocando-o a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO II Do Direito à Liberdade, ao Respeito e à Dignidade FCV
  • 18. Art. 14. Se o idoso ou seus familiares não possuírem condições econômicas de prover o seu sustento, impõe-se ao Poder Público esse provimento, no âmbito da assistência social. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO III Dos Alimentos FCV
  • 19. Art. 15. É assegurada a atenção integral à saúde do idoso, por intermédio do SUS, § 1o A prevenção e a manutenção da saúde do idoso serão efetivadas por meio de: I – cadastramento da população idosa em base territorial; II – atendimento geriátrico e gerontológico em ambulatórios; III – unidades geriátricas de referência, com pessoal especializado nas áreas de geriatria e gerontologia social; IV – atendimento domiciliar, incluindo a internação, para a população que dele necessitar e esteja impossibilitada de se locomover, inclusive para idosos abrigados e acolhidos por instituições públicas, filantrópicas ou sem fins lucrativos e eventualmente conveniadas com o Poder Público, nos meios urbano e rural; TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IV Do Direito à Saúde FCV
  • 20. V – reabilitação orientada pela geriatria e gerontologia, para redução das seqüelas decorrentes do agravo da saúde. § 2o Incumbe ao Poder Público fornecer aos idosos, gratuitamente, medicamentos, especialmente os de uso continuado, assim como próteses, órteses e outros recursos relativos ao tratamento, habilitação ou reabilitação. § 3o É vedada a discriminação do idoso nos planos de saúde pela cobrança de valores diferenciados em razão da idade. § 4o Os idosos portadores de deficiência ou com limitação incapacitante terão atendimento especializado, nos termos da lei. Art. 17. Ao idoso que esteja no domínio de suas faculdades mentais é assegurado o direito de optar pelo tratamento de saúde que lhe for reputado mais favorável. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IV Do Direito à Saúde FCV
  • 21. Parágrafo único. Não estando o idoso em condições de proceder à opção, esta será feita: I – pelo curador, quando o idoso for interditado; II – pelos familiares, quando o idoso não tiver curador ou este não puder ser contactado em tempo hábil; III – pelo médico, quando ocorrer iminente risco de vida e não houver tempo hábil para consulta a curador ou familiar; IV – pelo próprio médico, quando não houver curador ou familiar conhecido, caso em que deverá comunicar o fato ao Ministério Público. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IV Do Direito à Saúde FCV
  • 22. Art. 18. As instituições de saúde devem atender aos critérios mínimos para o atendimento às necessidades do idoso, promovendo o treinamento e a capacitação dos profissionais, assim como orientação a cuidadores familiares e grupos de auto-ajuda. Art. 19. Os casos de suspeita ou confirmação de maus-tratos contra idoso serão obrigatoriamente comunicados pelos profissionais de saúde a quaisquer dos seguintes órgãos: I – autoridade policial; II – Ministério Público; III – Conselho Municipal do Idoso; IV – Conselho Estadual do Idoso; V – Conselho Nacional do Idoso. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IV Do Direito à Saúde FCV
  • 23. Art. 20. Direito a educação, cultura, esporte, lazer, diversões, espetáculos, produtos e serviços que respeitem sua peculiar condição de idade. Art. 21. acesso do idoso à educação, adequando currículos, metodologias e material didático Art. 22. nos currículos mínimos dos diversos níveis de ensino formal serão inseridos conteúdos de forma a eliminar o preconceito e a produzir conhecimentos. Art. 23. descontos de pelo menos 50% (cinqüenta por cento) e acesso preferencial aos respectivos locais. Art. 24. Os meios de comunicação manterão espaços ou horários especiais voltados aos idosos, com finalidade informativa, educativa, artística e cultural, e ao público sobre o processo de envelhecimento. Art. 25. apoiará a criação de universidade aberta para as pessoas idosas e incentivará a publicação de livros e periódicos, de conteúdo e padrão editorial adequados ao idoso, que facilitem a leitura TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO V Da Educação, Cultura, Esporte e Lazer FCV
  • 24. Art. 26. direito ao exercício de atividade profissional, Art. 27. vedada a discriminação e a fixação de limite máximo de idade, inclusive para concursos, ressalvados os casos em que a natureza do cargo o exigir. Parágrafo único. o primeiro critério de desempate em concurso público será a idade, Art. 28. III – estímulo às empresas privadas para admissão de idosos ao trabalho. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO VI Da Profissionalização e do Trabalho FCV
  • 25. Art. 29. os benefícios de aposentadoria observarão critérios de cálculo que preservem o valor real dos salários sobre os quais incidiram contribuição Art. 31. as parcelas efetuadas com atraso por responsabilidade da Previdência Social, serão atualizadas pelo mesmo índice TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO VII Da Previdência Social FCV
  • 26. Art. 33. A assistência social aos idosos será prestada, de forma articulada, conforme os princípios e diretrizes previstos na Lei Orgânica da Assistência Social, na Política Nacional do Idoso, no Sistema Único de Saúde e demais normas pertinentes. Art. 34. Aos idosos, a partir de 65 anos, que não possuam meios para prover sua subsistência, nem de tê-la provida por sua família, é assegurado o benefício mensal de 1 salário-mínimo, nos termos da Lei Orgânica da Assistência Social – Loas. Art. 35. Todas as entidades de longa permanência, ou casa-lar, são obrigadas a firmar contrato de prestação de serviços com a pessoa idosa abrigada. § 1o No caso de entidades filantrópicas, ou casa-lar, é facultada a cobrança de participação do idoso no custeio da entidade. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO VIII Da Assistência Social FCV
  • 27. Art. 37. O idoso tem direito a moradia digna, no seio da família natural ou substituta, ou desacompanhado de seus familiares, quando assim o desejar, ou, ainda, em instituição pública ou privada. § 1o A assistência integral na modalidade de entidade de longa permanência será prestada quando verificada inexistência de grupo familiar, casa-lar, abandono ou carência de recursos financeiros próprios ou da família. § 2o Toda instituição dedicada ao atendimento ao idoso fica obrigada a manter identificação externa visível § 3o As instituições que abrigarem idosos são obrigadas a manter padrões de habitação compatíveis com alimentação e higiene. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IX Da Habitação FCV
  • 28. Art. 38. Nos programas habitacionais, públicos ou subsidiados com recursos públicos, o idoso goza de prioridade na aquisição de imóvel para moradia própria: I – reserva de 3% aos idosos; II – implantação de equipamentos urbanos comunitários voltados ao idoso; III – eliminação de barreiras arquitetônicas e urbanísticas, para garantia de acessibilidade ao idoso; IV – critérios de financiamento compatíveis com os rendimentos de aposentadoria e pensão. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO IX Da Habitação FCV
  • 29. Art. 39. Aos maiores de 65 anos fica assegurada a gratuidade dos transportes coletivos públicos urbanos e semi-urbanos, exceto nos serviços seletivos e especiais, quando prestados paralelamente aos serviços regulares. § 1o Para ter acesso à gratuidade, basta que o idoso apresente qualquer documento pessoal § 2o serão reservados 10% dos assentos para os idosos, devidamente identificados § 3o No caso das pessoas compreendidas na faixa etária entre 60 e 65 anos, ficará a critério da legislação local Art. 40. no sistema de transporte coletivo interestadual I – a reserva de 2 vagas gratuitas por veículo para idosos com renda igual ou inferior a 2 salários-mínimos; II – desconto de 50%, no mínimo, no valor das passagens, para os idosos que excederem as vagas gratuitas, com renda igual ou inferior a 2 salários-mínimos. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO X Do Transporte FCV
  • 30. Parágrafo único. Caberá aos órgãos competentes definir os mecanismos e os critérios para o exercício dos direitos previstos nos incisos I e II. Art. 41. reserva, para os idosos de 5% das vagas nos estacionamentos públicos e privados, com comodidade ao idoso. Art. 42. É assegurada a prioridade do idoso no embarque no sistema de transporte coletivo. TÍTULO II Dos Direitos Fundamentais CAPÍTULO X Do Transporte FCV
  • 31. Art. 43. As medidas de proteção ao idoso são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I – por ação ou omissão da sociedade ou do Estado; II – por falta, omissão ou abuso da família, curador ou entidade de atendimento; III – em razão de sua condição pessoal. TÍTULO III Das Medidas de Proteção CAPÍTULO I Das Disposições Gerais FCV
  • 32. Art. 44. As medidas de proteção ao idoso previstas nesta Lei poderão ser aplicadas, isolada ou cumulativamente, e levarão em conta os fins sociais a que se destinam e o fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários. Art. 45. Ministério Público ou o Poder Judiciário, poderá determinar III – requisição para tratamento de sua saúde, em regime ambulatorial, hospitalar ou domiciliar; V – abrigo em entidade; VI – abrigo temporário. TÍTULO III Das Medidas de Proteção CAPÍTULO II Das Medidas Específicas de Proteção FCV
  • 33. Art. 47. São linhas de ação da política de atendimento: I – políticas sociais básicas, previstas na lei 8842 IV – serviço de identificação e localização de parentes ou responsáveis por idosos abandonados em hospitais e instituições de longa permanência; V – proteção jurídico-social por entidades de defesa dos direitos dos idosos; VI – mobilização da opinião pública no sentido da participação dos diversos segmentos da sociedade no atendimento do idoso. TÍTULO IV Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO I Disposições Gerais FCV
  • 34. Art. 48. As entidades de atendimento são responsáveis pela manutenção das próprias unidades I – oferecer instalações físicas em condições adequadas de habitabilidade, higiene, salubridade e segurança; IV – demonstrar a idoneidade de seus dirigentes. Art. 50. Constituem obrigações das entidades de atendimento: I – celebrar contrato escrito de prestação de serviço com o idoso, especificando o tipo de atendimento, as obrigações da entidade e prestações decorrentes do contrato, com os respectivos preços, se for o caso; II – observar os direitos e as garantias de que são titulares os idosos; III – fornecer vestuário adequado, se for pública, e alimentação suficiente; VI – diligenciar no sentido da preservação dos vínculos familiares; IX – promover atividades educacionais, esportivas, culturais e de lazer; TÍTULO IV Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO II Das Entidades de Atendimento ao Idoso FCV
  • 35. X – propiciar assistência religiosa àqueles que desejarem, de acordo com suas crenças; XI – proceder a estudo social e pessoal de cada caso; XII – comunicar à autoridade competente de saúde toda ocorrência de idoso portador de doenças infecto-contagiosas; XIII – providenciar ou solicitar que o Ministério Público requisite os documentos necessários ao exercício da cidadania àqueles que não os tiverem, na forma da lei; XIV – fornecer comprovante de depósito dos bens móveis que receberem dos idosos; TÍTULO IV Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO II Das Entidades de Atendimento ao Idoso FCV
  • 36. XV – manter arquivo de anotações onde constem data e circunstâncias do atendimento, nome do idoso, responsável, parentes, endereços, cidade, relação de seus pertences, bem como o valor de contribuições e etc XVI – comunicar ao Ministério Público, para as providências cabíveis, a situação de abandono moral ou material por parte dos familiares; XVII – manter no quadro de pessoal profissionais com formação específica. Art. 51. As instituições filantrópicas ou sem fins lucrativos prestadoras de serviço ao idoso terão direito à assistência judiciária gratuita. TÍTULO IV Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO II Das Entidades de Atendimento ao Idoso FCV
  • 37. Art. 52. As entidades governamentais e não-governamentais de atendimento ao idoso serão fiscalizadas pelos Conselhos do Idoso, Ministério Público, Vigilância Sanitária e outros previstos em lei. Art. 55. As entidades de atendimento que descumprirem as determinações desta Lei ficarão sujeitas, sem prejuízo da responsabilidade civil e criminal de seus dirigentes ou prepostos, às seguintes penalidades, observado o devido processo legal: I – as entidades governamentais: a) advertência; b) afastamento provisório de seus dirigentes; c) afastamento definitivo de seus dirigentes; d) fechamento de unidade ou interdição de programa; TÍTULO IV Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO III Da Fiscalização das Entidades de Atendimento FCV
  • 38. II – as entidades não-governamentais: a) advertência; b) multa; c) suspensão parcial ou total do repasse de verbas públicas; d) interdição de unidade ou suspensão de programa; e) proibição de atendimento a idosos a bem do interesse público. TÍTULO IV Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO III Da Fiscalização das Entidades de Atendimento FCV
  • 39. Art. 56. Deixar a entidade de atendimento de cumprir as determinações do art. 50 desta lei ( obrigações das entidades de atendimento). Pena – multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 3.000,00 (três mil reais), se o fato não for caracterizado como crime, podendo haver a interdição do estabelecimento até que sejam cumpridas as exigências legais. Parágrafo único. No caso de interdição do estabelecimento de longa permanência, os idosos abrigados serão transferidos para outra instituição, a expensas do estabelecimento interditado, enquanto durar a interdição. Art. 57. Deixar o profissional de saúde ou o responsável por estabelecimento de saúde ou instituição de longa permanência de comunicar à autoridade competente os casos de crimes contra idoso de que tiver conhecimento: Pena – multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 3.000,00 (três mil reais), aplicada em dobro no caso de reincidência. Art. 58. Deixar de cumprir as determinações desta Lei sobre a prioridade no atendimento ao idoso: Pena – multa de R$ 500,00 (quinhentos reais) a R$ 1.000,00 (um mil reais) e multa civil a ser estipulada pelo juiz, conforme o dano sofrido pelo idoso. TÍTULO IV Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO IV Das Infrações Administrativas FCV
  • 40. Art. 61. O autuado terá prazo de 10 dias para a apresentação da defesa, contado da data da intimação. TÍTULO IV Da Política de Atendimento ao Idoso CAPÍTULO V Da Apuração Administrativa de Infração às Normas de Proteção ao Idoso FCV
  • 41. Art. 70. O Poder Público poderá criar varas especializadas e exclusivas do idoso. Art. 71. É assegurada prioridade na tramitação dos processos e procedimentos e na execução dos atos e diligências judiciais em que figure como parte ou interveniente pessoa com idade igual ou superior a 60 anos, em qualquer instância. TÍTULO V Do Acesso à Justiça CAPÍTULO I Disposições Gerais FCV
  • 42. Art. 72. (VETADO*) Art. 74. Compete ao Ministério Público: I – instaurar o inquérito civil e a ação civil pública para a proteção dos direitos e interesses difusos ou coletivos, individuais indisponíveis e individuais homogêneos do idoso; V – instaurar procedimento administrativo e, para instruí-lo: b) requisitar informações, exames, perícias e documentos de autoridades municipais, estaduais e federais, da administração direta e indireta, bem como promover inspeções e diligências investigatórias; VIII – inspecionar as entidades públicas e particulares IX – requisitar força policial * por iniciativa do Ministério da Justiça e da Advocacia-Geral da União, pois impunha a aplicação do procedimento sumário, previsto no Código de Processo Civil, aos feitos que tivessem por objeto matéria referente ao tema "idoso", por implicar na fixação, reflexa, da competência do Juizado Especial previsto pela Lei nº 9.099/95. TÍTULO V Do Acesso à Justiça CAPÍTULO II Do Ministério Público FCV
  • 43. Art. 81. Para as ações cíveis fundadas em interesses difusos, coletivos, individuais indisponíveis ou homogêneos, consideram-se legitimados, concorrentemente: I – o Ministério Público; II – a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; III – a Ordem dos Advogados do Brasil; IV – as associações legalmente constituídas há pelo menos 1 ano e que incluam entre os fins institucionais a defesa dos interesses e direitos da pessoa idosa, dispensada a autorização da assembléia, se houver prévia autorização estatutária. Art. 84. Os valores das multas previstas nesta Lei reverterão ao Fundo do Idoso, onde houver, ou na falta deste, ao Fundo Municipal de Assistência Social, ficando vinculados ao atendimento ao idoso. TÍTULO V Do Acesso à Justiça CAPÍTULO III Da Proteção Judicial dos Interesses Difusos, Coletivos e Individuais Indisponíveis ou Homogêneos FCV
  • 44. Art. 96. Discriminar pessoa idosa, impedindo ou dificultando seu acesso a operações bancárias, aos meios de transporte, ao direito de contratar ou por qualquer outro meio ou instrumento necessário ao exercício da cidadania, por motivo de idade: Pena – reclusão de 6 (seis) meses a 1 (um) ano e multa. § 1o Na mesma pena incorre quem desdenhar, humilhar, menosprezar ou discriminar pessoa idosa, por qualquer motivo. § 2o A pena será aumentada de 1/3 (um terço) se a vítima se encontrar sob os cuidados ou responsabilidade do agente. TÍTULO V Do Acesso à Justiça CAPÍTULO II Dos Crimes em Espécie Violência Psicológica FCV
  • 45.  Consiste em agressões verbais com objetivo de humilhar, aterrorizar ou afastar a PI da convivência de seu meio.  O abuso psicológico corresponde a todas as formas de menosprezo, de desprezo, de discriminação que provocam sofrimento mental. Exemplos verbais comuns de abuso: “Você já não serve para nada; você já deveria ter morrido mesmo; você já é a bananeira que deu cacho”. Estudos médicos mostram que o sofrimento mental provocado por esse tipo de mau trato contribui para processos depressivos e autodestrutivos em pessoas idosas. As que mais sofrem são as muito pobres e as dependentes financeira, emocional e fisicamente. Conceituando abuso psicológico
  • 46. Art. 97. Deixar de prestar assistência ao idoso, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, em situação de iminente perigo, ou recusar, retardar ou dificultar sua assistência à saúde, sem justa causa, ou não pedir, nesses casos, o socorro de autoridade pública: Pena – detenção de 6 (seis) meses a 1 (um) ano e multa. Parágrafo único. A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão corporal de natureza grave, e triplicada, se resulta a morte. Art. 98. Abandonar o idoso em hospitais, casas de saúde, entidades de longa permanência, ou congêneres, ou não prover suas necessidades básicas, quando obrigado por lei ou mandado: Pena – detenção de 6 (seis) meses a 3 (três) anos e multa. TÍTULO V Do Acesso à Justiça CAPÍTULO II Dos Crimes em Espécie FCV
  • 47. CONCEITUANDO ABANDONO  Consiste na ausência ou deserção dos familiares, instituições e responsáveis governamentais em relação à PI.  Exemplos:colocar a pessoa num quartinho nos fundos da casa privando-a do convívio familiar; deixá-la em abrigo ou em qualquer outra instituição de longa permanência para se livrar da sua presença na casa; deixar a entidades que abrigam os idosos o domínio sobre suas vida, suas vontades, a saúde e o direito de ir e vir deles; permitir que passem fome e outras necessidades básicas; privar a pessoa idosa de cuidados requeridos, de medicamentos e de alimentação, antecipando sua imobilidade ou mesmo adoecimento e morte.
  • 48. CONCEITUANDO ABUSOS FINANCEIROS  Consiste na exploração imprópria ou ilegal da PI no uso não consentido de seus bens financeiros ou patrimoniais. São cometidos por familiares, empresas, governos.  O Disque Idoso Paraná registra 917 queixas de abusos, sendo que 200 delas dizem respeito a agressões verbais e psicológicas;158, a negligência/abandono de filhos e cônjuge; 87, a apropriação indébita do cartão de benefício; 67, a agressões à saúde, com uso de medicamentos psicotrópicos, 37, a cárcere privado, e 35 a agressões físicas.
  • 49. ESTATUTO DO IDOSO  VIOLÊNCIA FINANCEIRA  Art. 102. Apropriar-se de ou desviar bens, proventos, pensão ou qualquer outro rendimento do idoso, dando-lhes aplicação diversa da de sua finalidade:  Pena – reclusão de 1 (um) a 4 (quatro) anos e multa.  Art. 104. Reter o cartão magnético de conta bancária relativa a benefícios, proventos ou pensão do idoso, bem como qualquer outro documento com o objetivo de assegurar recebimento de dívida: Pena: detenção de 6 meses a 2 anos e multa.
  • 50. CONCEITUANDO VIOLÊNCIA FÍSICA  O abuso físico consiste no uso da força para obrigar a PI a fazer o que não deseja, provocando-lhe dor, ferimentos ou morte.  Os abusos físicos constituem as maiores queixas dos idosos e costumam acontecer no seio da família, na rua, nas instituições de prestação de serviços, dentre outros espaços. Às vezes, o abuso físico resulta em lesões e traumas que levam à internação hospitalar, ou também conduzem à morte. No Paraná, os idosos são responsáveis por 110 mil internações/ano: 55,38%- quedas; 19%- trânsito; 3%-agressões; 1%- auto-agressões.
  • 51. NOTIFICAR / ESTATUTO DO IDOSO LEI Nº 10741 DE 01/10/2003 Art. 19: Os casos de suspeita ou confirmação de maus-tratos contra idoso serão objeto de notificação compulsória pelos serviços de saúde públicos e privados à autoridade sanitária, bem como obrigatoriamente comunicados por eles a quaisquer dos seguintes órgãos:  Autoridade Policial;  Ministério Público;  Conselho Municipal do Idoso;  Conselho Estadual do Idoso; Conselho Nacional do Idoso.
  • 52. Quais as 7 violências ao idoso? Abaixo são elencados os tipos de violência praticada contra a pessoa idosa: Violência Física; Violência Psicológica; Negligência; Violência Institucional; Abuso financeiro; Violência patrimonial; Violência sexual; Discriminação.
  • 53. UF ABUSO FINANCEIRO E ECONÔMICO/ VIOLÊNCIA PATRIMONIAL DIREITO À MEMÓRIA E À VERDADE DISCRIMINAÇÃO FALTA DE ACESSIBILIDADE AO MEIO FÍSICO(EDIFICAÇÕES OU VEÍCULOS) EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL NEGLIGÊNCIA OUTRAS VIOLAÇÕES / OUTROS ASSUNTOS RELACIONADOS A DIREITOS HUMANOS TOTAL 15.620 0 113 1 1 29.792 180 % 41,70% 0,00% 0,30% 0,00% 0,00% 79,54% 0,48%
  • 54. TORTURA E OUTROS TRATAMENTOS OU PENAS CRUÉIS, DESUMANOS OU DEGRADANTES TRABALHO ESCRAVO TRÁFICO DE PESSOAS VIOLÊNCIA FÍSICA VIOLÊNCIA INSTITUCIONA L VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA VIOLÊNCIA SEXUAL 3 15 0 9.921 1.688 20.778 171 0,01% 0,04% 0,00% 26,49% 4,51% 55,48% 0,46%
  • 56. Ranking TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA (60 ANOS E MAIS) 2011 - VIVA / SVS / MS % 1º FILHOS 29,7% 2º OUTROS 13,6% 3º DESCONHECIDOS 10,6% 4º CÔNJUGE/AMIGOS/CONHECIDOS 9,3% 5º PRÓPRIA PESSOA 9,2% 6º CUIDADOR 3,5% POSSÍVEIS AGRESSORES
  • 57. ONDE OCORREM OS MAUS TRATOS : Na casa do possível agressor Na rua Na casa do próprio idoso Nas Instituições de Longa Permanência
  • 58. Detectar situações e fatores de risco e a efetiva intervenção. COMO PREVENIR A VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA?
  • 59. Dependência física: sem condições de desenvolver suas AVDs Dependência psíquica: associada a transtornos mentais Isolamento social da pessoa idosa SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
  • 60. Associadas ao agressor É principalmente o filho Único cuidador Vive na mesma casa da pessoa idosa É dependente financeiramente do idoso É usuário de álcool e/ou drogas SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
  • 61. Associadas ao agressor Vínculos afetivos fragilizados Submete o idoso ao isolamento social É agressivo em suas relações familiares Foi vítima de violência perpetrada pelo idoso Foi vítima de violência doméstica SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
  • 62. Associadas a questões estruturais Baixa renda Discriminação etária Descumprimento das leis que protegem os idosos SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
  • 63. Associadas a questões Institucionais Profissionais sem capacitação na área Baixos salários Sobrecarga de trabalho ou número insuficiente de profissionais Escassez de recursos materiais Normas de funcionamento inadequadas Falta de controle e fiscalização SITUAÇÕES DE RISCO QUE PODEM GERAR ATOS DE VIOLÊNCIA À PESSOA IDOSA
  • 64. Descuido com a higiene; Desamparo, desesperança ou ansiedade Lesões físicas Desidratação desnutrição difíceis de serem explicadas; Fuga de contato físico do cuidador Visitas frequentes ao médico devido à piora de uma doença crônica em tratamento Diferenças entre a história contada pela pessoa idosa e a contada pelo familiar/cuidador SITUAÇÕES QUE SUGEREM VIOLÊNCIA
  • 66. RECOMENDAÇÕES AOS PROFISSIONAIS: 1. Avaliar periodicamente o nível de dependência da pessoa idosa nas suas AVDs (quanto maior a dependência, maior será o risco da ocorrência de violência); 2. Incentivar que os idosos participem de atividades sociais, e lazer; 3. Detectar situações e fatores de risco e a efetiva intervenção; 4. Criar uma relação de confiança e receptividade – profissional e idoso para propiciar um diálogo aberto diante as possíveis situações de violência; 5. Orientar os familiares sobre o processo do envelhecimento.
  • 67. 1.Ter amigos que possam lhe visitar; 2.Participar de atividades físicas, sociais e da comunidade (centros de convivência, serviços voluntários, academia da saúde dentre outros); 3.Ter controle de seu cartão bancário, não fornecendo senha para estranhos ou pessoas que não de sua confiança; 5.Ter alguém a quem recorrer quando se sentir maltratado. RECOMENDAÇÕES DOS PROFISSIONAIS ÀS PESSOAS IDOSAS:
  • 68. RECOMENDAÇÕES À SOCIEDADE E FAMÍLIA Educar a sociedade sobre o processo do envelhecimento. Sensibilizar e conscientizar a família e a sociedade quanto a violência praticada contra a pessoa idosa por meio de campanhas educativas, mídia e materiais educativos;
  • 71. A CASA ESPIRITA E A PESSOA IDOSA “(…) Maria de Magdala ao encontrar Jesus, decidiu e transformou-setotalmente; Paulo de Tarso, desperto ao chamado do Mestre, nunca maisfoi omesmo; Francisco de Assis, aceitando Jesus, renasce. Leonardo da Vinci,Galileu,Newton, Descartes, Pasteur, Schuwitzer e tantos outros no campo dopensamento,da ciência, da arte, da religião e do amor (…)” após despertarem pararealidade “(…) alteraram a própria rota, erguendo para si e paraHumanidade umpatamar de maior beleza e de mais ampla felicidade”. Essa coragem “do mudar” estabelecendo novas metas “(…) significaencontrar-se construindo, livre de preconceitos e de limites, aberto ao beme àverdade de que se torna vanguardeiro e divulgador”.
  • 72. PROMOVER RODAS DE CONVERSA EM GRUPOS DE PESSOAS IDOSAS PARA REFLEXÃO QUEM SOMOS? NOSSO DESTINO NA TERRA COMO PASSAGEIROS DE UMA PEQUENA VIAGEM ACEITAÇÃO DO TEMPO VIDA DO ESPIRITO E O A VIDA DA MATÉRIA ESPAÇOS DE ACOLHIMENTO OFICINAS DE TRABALHO PARA MÃOS OPEROSAS ESPAÇO PARA ESCUTA AFETUOSAS ESPAÇO DE CUIDADO E PROTEÇÃO
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76. TÍTULO VII Disposições Finais e Transitórias TÍTULO VII Disposições Finais e Transitórias Art. 110. O , passa a vigorar com as seguintes alterações: Art. 61. ............................................................................ h) contra criança, maior de 60 (sessenta) anos, enfermo ou mulher grávida; Art. 121. ............................................................................ § 4o No homicídio culposo, a pena é aumentada de 1/3 (um terço), se o crime resulta de inobservância de regra técnica de profissão, arte ou ofício, ou se o agente deixa de prestar imediato socorro à vítima, não procura diminuir as conseqüências do seu ato, ou foge para evitar prisão em flagrante. Sendo doloso o homicídio, a pena é aumentada de 1/3 (um terço) se o crime é praticado contra pessoa menor de 14 (quatorze) ou maior de 60 (sessenta) anos. Art. 133. ............................................................................ III – se a vítima é maior de 60 (sessenta) anos." (NR) Art. 140. ............................................................................ § 3o Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência: ETC FCV
  • 77. • Proibição de reajustar as mensalidades dos planos de saúde • Prioridade de andamento dos processos judiciais • Estatuto do Idoso x Estatuto da Criança e do Adolescente • Relação com a família • Transporte interestadual • Atendimento especializado X profissionais e estrutura • Conscientizar a população • A situação dos abrigos QUESTÕES PARA DISCUSSÃO: FCV