SlideShare uma empresa Scribd logo
E STA D O D E M I N A S      ●      S E X T A - F E I R A ,        2 2        D E       J U N H O             D E      2 0 1 2



   4                                                                                                     POLÍTICA




Companheiros de militância da presidente foram surpreendidos pelos militares quando o
aparelho no Bairro São Geraldo, em BH, foi estourado, marcando o início do fim do Colina


O dia em
                                                                                                                                                                                                                        REPRODUÇÃO




que a
turma da
Dilma caiu
    DANIEL CAMARGOS E SANDRA KIEFER             pelas vítimas da ditadura como um dos
                                                principais torturadores do país. “Eles
    Antes de o Sol nascer, em 14 de ja-         eram muito perigosos”, afirma Lara Re-
neiro de 1969, Jorge, Maria, Afonso,            sende sobre o Colina. O ex-delegado
Murilo, Júlio, Nilo e Maurício estavam          destaca que o subinspetor Cecildes Mo-
reunidos em uma casa numa tranqui-              reira da Silva deixou a viúva com oito
la rua do Bairro São Geraldo, Região            filhos. A outra vítima foi o guarda civil
Leste de Belo Horizonte. Policiais do           José Antunes Ferreira e o ferido o inves-
Dops e da Delegacia de Furtos e Rou-            tigador José Reis de Oliveira. “Meu pro-
bos estouraram o portão e, segundo re-          blema era roubo. Quando era assalto a
latos, entraram atirando. A resposta foi        banco eu me envolvia. Mas no geral
no mesmo tom, e o policial que estava           mandava tudo para o Dops, comanda-
à frente morreu baleado por projéteis           do pelo Luiz Soares da Rocha”, destaca
de uma metralhadora .30. Do lado de             Lara Resende.
fora da casa outro policial morreu. A                Quem portava a metralhadora
então militante Dilma Rousseff fazia            Thompson calibre .30 era Murilo Pinto
parte do grupo, mas não participou.             da Silva, irmão do líder, Ângelo Pezzu-
“Ela articulava o movimento estudan-            ti. Tia deles, Ângela Pezzuti fala com or-
til do Colina e atuava nos bastidores.          gulho dos sobrinhos. “Havia um movi-
Não entrou na linha de frente nem               mento mundial de jovens, não aconte-
participava das ações armadas”, deta-           cia somente no Brasil. Eram idealistas
lha Jorge Nahas, atual secretário de Po-        e queriam o mudar o mundo, come-
líticas Sociais da Prefeitura de Belo Ho-       çando pelo Brasil”, afirma. Ela também
rizonte. A troca de tiros foi o início do       sustenta que o sobrinho agiu em legíti-                                  MARCOS VIEIRA/EM/D.A PRESS – 13/12/09
fim do Comando de Libertação Nacio-
nal (Colina), o grupo de esquerda que
                                                ma defesa. “A polícia chegou atirando.
                                                O detetive Cecildes chegou atirando e
                                                                                                                                                                     CAÇADOS PELA DITADURA
chegou a praticar assaltos e pegar em           morreu caído em cima das próprias                                                                                    O regime militar adotava métodos nazistas para procurar militantes políticos,
armas para tentar derrubar a ditadura.          balas”, afirma Ângela Pezzuti.                                                                                       como neste cartaz distribuído por todo o país. Nele, aparecem o mineiro Apolo
    Antes da troca de tiros, que acabou                                                                                                                              Heringer Lisboa, codinome Ricardo (no alto à esquerda e ao lado), hoje
em mortes e provocou a prisão do nú-              ENXOVAL E ARMAS Jorge Nahas, como                                                                                  coordenador do Projeto Manuelzão; Gilberto Faria Lima, o Zorro, morto pelo
cleo duro do Colina, os integrantes do            a maioria do Colina, começou a mili-                                                                               regime militar em 1974 (alto à direita); Carlos Alberto Soares de Freitas, o
grupo assaltaram uma agência do Ban-              tância na Faculdade de Medicina da                                                                                 Breno ou Gustavo, também mineiro, desaparecido em 1971 (embaixo à
co da Lavoura, em Sabará, na região               UFMG. Ingressou na Organização Re-                                                                                 esquerda); e o belo-horizontino Herbert Eustáquio de Carvalho, o Daniel
metropolitana. O cerco apertou e o lí-            volucionária Marxista de Política Ope-                                                                             Tampinha, último exilado a voltar ao país, em 1981. Herbert morreu em 1992.
der do grupo, Ânge-                                                   rária (Polop) e de-
lo Pezzuti, foi preso.                                                pois, como grande
Outro integrante,                                                     parte da Polop, mi-
Pedro Paulo Bretas,           ❚ OS SETE DA CASA                       grou para o Colina.                                               JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS – 13/9/07                                                      PEDRO GRAEFF/EM – 16/11/85
também foi captu-                                                     Depois da prisão na
rado pelos militares.            DO SÃO GERALDO                       queda do aparelho
“O Bretas era o úni-                                                  do Bairro São Geral-
co que sabia onde fi-          ● Jorge Nahas                          do, Jorge foi solto
cavam os três apare-           ● Maria José Nahas                     um ano e meio de-
lhos da Colina”, lem-                                                 pois em troca do
                               ● Afonso Celso Lana Leite
bra Jorge. Com a pri-                                                 embaixador alemão
são e as recorrentes           ● Murilo Pinto da Silva                Ehrenfried Anton
torturas praticadas            ● Júlio Bitencourt                     Theodor Ludwig
nos porões do Exér-            ● Nilo Sérgio Macedo
                                                                      Von Holleben, se-
cito e da polícia, era                                                questrado por mili-
                               ● Maurício Paiva
uma questão de                                                        tantes. Foi para a Ar-
tempo até os poli-                                                    gélia com sua mu-
ciais descobrirem o                                                   lher, Maria José
esconderijo da Coli-                                                  Nahas, também do
na. Os sete decidiram esperar amanhe-             Colina e presa na queda do aparelho
cer para abandonar o aparelho do Bair-            em BH. Maria José ficou conhecida, por
ro São Geraldo. Não deu tempo.                    ser loira e portar uma metralhadora.
    A troca de tiros, que levou à morte           Na imprensa, entre os militantes e os
de dois policiais, deixando outro mi-             policiais passou a ser chamada de a
litar ferido e também ferindo o mili-             “Loira da Metralhadora”. Uma história
tante Maurício Paiva, foi uma espécie             curiosa do período é que o dinheiro do
de gota d’água para os militares. “O              enxoval de casamento do casal foi re-
impacto foi muito grande. Os milita-              vertido para compra de armas.
res ficaram desorientados porque não
imaginavam que aquilo poderia acon-               CLANDESTINIDADECOM a perseguição
tecer e a repressão aumentou muito”,              a seus militantes, o Colina chegaria ao        Jorge Nahas e Lara Resende, estavam em lados opostos: um como militante e o outro, apontados como um dos principais torturadores
lembra Jorge Nahas.                               fim, logo depois do Ato Institucional 5
    O cerco apertou na casa do Bairro             (AI-5). “Passei a ser procurado como
São Geraldo e os sete membros da Co-              terrorista no país inteiro, em cartazes
lina foram rendidos. Eles foram colo-             pregados em todos os aeroportos e ro-          Manuelzão, que vai concluir no fim                   ção, tocou a campainha. O casal foi sal-              tem muito orgulho do que viveu.
cados no paredão e os policiais, furio-           doviárias. Meus irmãos passaram a so-          deste ano o doutorado, aos 69 anos,                  vo pelo porteiro, segundo relato que                  “Nós atendemos a um chamado his-
sos com a morte dos colegas, queriam              frer bullying na escola e meu pai e mi-        postergado pelo período vivido na                    consta do depoimento pessoal de Este-                 tórico. A ditadura não deixava espaço
fuzilá-los ali mesmo. “O comandante               nha mãe, que eram evangélicos presbi-          clandestinidade.                                     la, arquivado no Conselho de Defesa                   e nós não medíamos as consequên-
da diligência suspendeu o massacre,               terianos, foram alvo de deboche até na                                                              dos Direitos Humanos de Minas Gerais                  cias para combatê-la mesmo as chan-
pois seria uma barbárie de prisionei-             igreja”, desabafa Apolo Heringer Lis-          FUGA NA MADRUGADA No dia se-                         (Conedh-MG): “Numa noite, no fim de                   ces de vitórias sendo muito peque-
ros rendidos”, lembra Jorge. Ele se re-           boa, que dividia a liderança do Colina         guinte em que o aparelho do Bairro                   dezembro, o apartamento foi cercado                   nas”, acredita. Ele completa: “Estáva-
corda de ter, por mais de uma vez, a              com Ângelo Pezzuti. Médico, passou a           São Geraldo foi descoberto, Dilma e o                e conseguimos fugir, na madrugada. O                  mos imbuídos de um imperativo
sensação de que ali seria seu fim. O co-          sofrer de anorexia nervosa ao fugir pa-        marido, Cláudio Galeno, fugiram do                   porteiro disse aos policiais do Dops de               moral e claro que sabíamos que o
mandante da operação era o delegado               ra o Rio de Janeiro e ser impedido de          apartamento 1001 no Edifício Solar, na               BH que não estávamos em casa. Fugi-                   preço a pagar não seria baixo”. Por
Luiz Soares da Rocha, chefe do temido             exercer a profissão, por ser clandesti-        Avenida João Pinheiro, na Região Cen-                mos pela garagem que dá para a rua do                 fim, Nahas acredita que valeu a pena:
Departamento de Ordem Política e                  no. “Enfrentei privações morando cin-          tral da cidade. A residência do casal,               fundo, Rua Goiás”, relata a presidente.               “A história diz que fomos vencedores.
Social (Dops), que se notabilizou pelas           co anos em uma favela no Rio. Cheguei          que já havia deixado de ter a destina-                                                                     A prova maior é a Dilma, eleita demo-
torturas praticadas nas dependências              a pesar 64 quilos, pois não tinha fome.        ção original e estava sendo usada co-                VERDADE E ORGULHO A onda de re-                       craticamente presidente do Brasil”.
do local .                                        Eu me sentia vítima de uma mentira             mo ponto de encontro pelos militan-                  visão do passado, motivada pela cria-
    Quem comandava a Delegacia de                 que a ditadura inventou contra o meu           tes do Colina, estava “queimada”. De                 ção da Comissão da Verdade pela pre-
Furtos e Roubos e também participou               grupo e não podia nem me defender.             fato, no momento em que os dois se                   sidente Dilma, não assusta o delega-                      LEIA AMANHÃ
da operação foi o delegado Antônio No-            Nunca fui um terrorista”, desabafa He-         encontravam dentro do apartamento                    do Lara Resende. “É uma besteira                          NOVOS RELATOS SOBRE DILMA
gueira Lara Resende, 83 anos, apontado            ringer, atual coordenador do Projeto           destruindo documentos da organiza-                   muito grande”, afirma. Já Jorge Nahas                     E O PERÍODO DA DITADURA

Mais conteúdo relacionado

Destaque

T codes
T codesT codes
T codes
sekharpmvs
 
Smjcasy flyer(1)
Smjcasy flyer(1)Smjcasy flyer(1)
Smjcasy flyer(1)
Shawn Leonard
 
acai berry opinie
acai berry opinieacai berry opinie
acai berry opinie
pagealto70
 
Folleto inscrición A Busca do Tesouro
Folleto inscrición A Busca do TesouroFolleto inscrición A Busca do Tesouro
Folleto inscrición A Busca do Tesouro
quedamosencarballo
 
Oracle business strategy
Oracle business strategyOracle business strategy
Oracle business strategy
yongb1ix
 
2013 2014. 4ºeso. temas 14,15,16,17
2013 2014. 4ºeso. temas 14,15,16,172013 2014. 4ºeso. temas 14,15,16,17
2013 2014. 4ºeso. temas 14,15,16,17
Chemagutierrez73
 
Aravel Apartments Wrocław what we offer
Aravel Apartments Wrocław   what we offerAravel Apartments Wrocław   what we offer
Aravel Apartments Wrocław what we offer
Aravel Apartamenty Wrocław
 

Destaque (12)

Ireo city gurgaon @ 9811426116
Ireo city gurgaon @ 9811426116Ireo city gurgaon @ 9811426116
Ireo city gurgaon @ 9811426116
 
T codes
T codesT codes
T codes
 
Smjcasy flyer(1)
Smjcasy flyer(1)Smjcasy flyer(1)
Smjcasy flyer(1)
 
acai berry opinie
acai berry opinieacai berry opinie
acai berry opinie
 
GSSA certificate
GSSA certificateGSSA certificate
GSSA certificate
 
Folleto inscrición A Busca do Tesouro
Folleto inscrición A Busca do TesouroFolleto inscrición A Busca do Tesouro
Folleto inscrición A Busca do Tesouro
 
Menu
MenuMenu
Menu
 
Oracle business strategy
Oracle business strategyOracle business strategy
Oracle business strategy
 
Http1
Http1Http1
Http1
 
2013 2014. 4ºeso. temas 14,15,16,17
2013 2014. 4ºeso. temas 14,15,16,172013 2014. 4ºeso. temas 14,15,16,17
2013 2014. 4ºeso. temas 14,15,16,17
 
Dibujo
DibujoDibujo
Dibujo
 
Aravel Apartments Wrocław what we offer
Aravel Apartments Wrocław   what we offerAravel Apartments Wrocław   what we offer
Aravel Apartments Wrocław what we offer
 

Semelhante a Ept2206p0004

Seqüestro dos embaixadores
Seqüestro dos embaixadoresSeqüestro dos embaixadores
Seqüestro dos embaixadores
mmbgl
 
Oqueeisso 2
Oqueeisso 2Oqueeisso 2
Oqueeisso 2
PortuguesIFSC
 
Ditadura Argentina
Ditadura ArgentinaDitadura Argentina
Ditadura Argentina
Ana Lod Ferreira
 
Mortose desaparecidos maiode1974-outubrode1985
Mortose desaparecidos maiode1974-outubrode1985Mortose desaparecidos maiode1974-outubrode1985
Mortose desaparecidos maiode1974-outubrode1985
Portal NE10
 
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos Maio de...
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos Maio de...Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos Maio de...
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos Maio de...
Jeferson Espindola
 
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos Maio de 1974 - Outubro de...
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos Maio de 1974 - Outubro de...Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos Maio de 1974 - Outubro de...
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos Maio de 1974 - Outubro de...
Portal Brasil
 
Jaime Petit da Silva
Jaime Petit da SilvaJaime Petit da Silva
Jaime Petit da Silva
comissaodaverdadesp
 
Jaime Petit da Silva
Jaime Petit da SilvaJaime Petit da Silva
Jaime Petit da Silva
comissaodaverdadesp
 
O Que é Isso, Companheiro
O Que é Isso, CompanheiroO Que é Isso, Companheiro
O Que é Isso, Companheiro
Edir Alonso
 
Ditadura tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Ditadura   tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)Ditadura   tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Ditadura tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Lola Lisbeth
 
Ept1806p0003
Ept1806p0003Ept1806p0003
Ept1806p0003
Daniel Camargos
 
Ept1806p0004
Ept1806p0004Ept1806p0004
Ept1806p0004
Daniel Camargos
 
O terrorista de 1968
O terrorista de 1968O terrorista de 1968
O terrorista de 1968
site curiosidades
 
Ditadura no brasil 2 parte
Ditadura no brasil   2  parteDitadura no brasil   2  parte
Ditadura no brasil 2 parte
harlissoncarvalho
 
Ditadura no brasil 2 parte
Ditadura no brasil   2  parteDitadura no brasil   2  parte
Ditadura no brasil 2 parte
harlissoncarvalho
 
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos 1950-1969
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos 1950-1969Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos 1950-1969
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos 1950-1969
Portal Brasil
 
Mortose desaparecidos 1950-1969
Mortose desaparecidos 1950-1969Mortose desaparecidos 1950-1969
Mortose desaparecidos 1950-1969
Portal NE10
 
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e desaparecidos 1950 1969
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e desaparecidos 1950 1969Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e desaparecidos 1950 1969
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e desaparecidos 1950 1969
Jeferson Espindola
 
Relatorio final cnv_volume_i_tomo_ii
Relatorio final cnv_volume_i_tomo_iiRelatorio final cnv_volume_i_tomo_ii
Relatorio final cnv_volume_i_tomo_ii
Portal NE10
 
Relatorio Final Comissão Nacional da Verdade - Volume I - Tomo II
Relatorio Final Comissão Nacional da Verdade - Volume I - Tomo IIRelatorio Final Comissão Nacional da Verdade - Volume I - Tomo II
Relatorio Final Comissão Nacional da Verdade - Volume I - Tomo II
Jeferson Espindola
 

Semelhante a Ept2206p0004 (20)

Seqüestro dos embaixadores
Seqüestro dos embaixadoresSeqüestro dos embaixadores
Seqüestro dos embaixadores
 
Oqueeisso 2
Oqueeisso 2Oqueeisso 2
Oqueeisso 2
 
Ditadura Argentina
Ditadura ArgentinaDitadura Argentina
Ditadura Argentina
 
Mortose desaparecidos maiode1974-outubrode1985
Mortose desaparecidos maiode1974-outubrode1985Mortose desaparecidos maiode1974-outubrode1985
Mortose desaparecidos maiode1974-outubrode1985
 
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos Maio de...
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos Maio de...Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos Maio de...
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e Desaparecidos Maio de...
 
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos Maio de 1974 - Outubro de...
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos Maio de 1974 - Outubro de...Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos Maio de 1974 - Outubro de...
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos Maio de 1974 - Outubro de...
 
Jaime Petit da Silva
Jaime Petit da SilvaJaime Petit da Silva
Jaime Petit da Silva
 
Jaime Petit da Silva
Jaime Petit da SilvaJaime Petit da Silva
Jaime Petit da Silva
 
O Que é Isso, Companheiro
O Que é Isso, CompanheiroO Que é Isso, Companheiro
O Que é Isso, Companheiro
 
Ditadura tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Ditadura   tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)Ditadura   tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
Ditadura tortura e resistencia ( armada e movimentos sociais)
 
Ept1806p0003
Ept1806p0003Ept1806p0003
Ept1806p0003
 
Ept1806p0004
Ept1806p0004Ept1806p0004
Ept1806p0004
 
O terrorista de 1968
O terrorista de 1968O terrorista de 1968
O terrorista de 1968
 
Ditadura no brasil 2 parte
Ditadura no brasil   2  parteDitadura no brasil   2  parte
Ditadura no brasil 2 parte
 
Ditadura no brasil 2 parte
Ditadura no brasil   2  parteDitadura no brasil   2  parte
Ditadura no brasil 2 parte
 
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos 1950-1969
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos 1950-1969Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos 1950-1969
Relatório CNV - Volume III - Mortos e desaparecidos 1950-1969
 
Mortose desaparecidos 1950-1969
Mortose desaparecidos 1950-1969Mortose desaparecidos 1950-1969
Mortose desaparecidos 1950-1969
 
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e desaparecidos 1950 1969
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e desaparecidos 1950 1969Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e desaparecidos 1950 1969
Relatório Final Comissão Nacional da Verdade - Mortos e desaparecidos 1950 1969
 
Relatorio final cnv_volume_i_tomo_ii
Relatorio final cnv_volume_i_tomo_iiRelatorio final cnv_volume_i_tomo_ii
Relatorio final cnv_volume_i_tomo_ii
 
Relatorio Final Comissão Nacional da Verdade - Volume I - Tomo II
Relatorio Final Comissão Nacional da Verdade - Volume I - Tomo IIRelatorio Final Comissão Nacional da Verdade - Volume I - Tomo II
Relatorio Final Comissão Nacional da Verdade - Volume I - Tomo II
 

Mais de Daniel Camargos

Ept2506p0003
Ept2506p0003Ept2506p0003
Ept2506p0003
Daniel Camargos
 
Efi2506p0001
Efi2506p0001Efi2506p0001
Efi2506p0001
Daniel Camargos
 
Ept2406p0005
Ept2406p0005Ept2406p0005
Ept2406p0005
Daniel Camargos
 
Ept2406p0004
Ept2406p0004Ept2406p0004
Ept2406p0004
Daniel Camargos
 
Ept2406p0003
Ept2406p0003Ept2406p0003
Ept2406p0003
Daniel Camargos
 
Efi2406p0001
Efi2406p0001Efi2406p0001
Efi2406p0001
Daniel Camargos
 
Ept2306p0004
Ept2306p0004Ept2306p0004
Ept2306p0004
Daniel Camargos
 
Ept2306p0003
Ept2306p0003Ept2306p0003
Ept2306p0003
Daniel Camargos
 
Efi2306p0001 2ed
Efi2306p0001 2edEfi2306p0001 2ed
Efi2306p0001 2ed
Daniel Camargos
 
Ept2206p0003
Ept2206p0003Ept2206p0003
Ept2206p0003
Daniel Camargos
 
Efi2206p0001 2ed
Efi2206p0001 2edEfi2206p0001 2ed
Efi2206p0001 2ed
Daniel Camargos
 
Ept2206p0004
Ept2206p0004Ept2206p0004
Ept2206p0004
Daniel Camargos
 
Ept2206p0003
Ept2206p0003Ept2206p0003
Ept2206p0003
Daniel Camargos
 
Efi2206p0001 2ed
Efi2206p0001 2edEfi2206p0001 2ed
Efi2206p0001 2ed
Daniel Camargos
 
Ept2106p0004
Ept2106p0004Ept2106p0004
Ept2106p0004
Daniel Camargos
 
Ept2106p0003
Ept2106p0003Ept2106p0003
Ept2106p0003
Daniel Camargos
 
Efi2106p0001 2ed
Efi2106p0001 2edEfi2106p0001 2ed
Efi2106p0001 2ed
Daniel Camargos
 
Ept2006p0004
Ept2006p0004Ept2006p0004
Ept2006p0004
Daniel Camargos
 
Ept2006p0003
Ept2006p0003Ept2006p0003
Ept2006p0003
Daniel Camargos
 
Efi2006p0001 2ed
Efi2006p0001 2edEfi2006p0001 2ed
Efi2006p0001 2ed
Daniel Camargos
 

Mais de Daniel Camargos (20)

Ept2506p0003
Ept2506p0003Ept2506p0003
Ept2506p0003
 
Efi2506p0001
Efi2506p0001Efi2506p0001
Efi2506p0001
 
Ept2406p0005
Ept2406p0005Ept2406p0005
Ept2406p0005
 
Ept2406p0004
Ept2406p0004Ept2406p0004
Ept2406p0004
 
Ept2406p0003
Ept2406p0003Ept2406p0003
Ept2406p0003
 
Efi2406p0001
Efi2406p0001Efi2406p0001
Efi2406p0001
 
Ept2306p0004
Ept2306p0004Ept2306p0004
Ept2306p0004
 
Ept2306p0003
Ept2306p0003Ept2306p0003
Ept2306p0003
 
Efi2306p0001 2ed
Efi2306p0001 2edEfi2306p0001 2ed
Efi2306p0001 2ed
 
Ept2206p0003
Ept2206p0003Ept2206p0003
Ept2206p0003
 
Efi2206p0001 2ed
Efi2206p0001 2edEfi2206p0001 2ed
Efi2206p0001 2ed
 
Ept2206p0004
Ept2206p0004Ept2206p0004
Ept2206p0004
 
Ept2206p0003
Ept2206p0003Ept2206p0003
Ept2206p0003
 
Efi2206p0001 2ed
Efi2206p0001 2edEfi2206p0001 2ed
Efi2206p0001 2ed
 
Ept2106p0004
Ept2106p0004Ept2106p0004
Ept2106p0004
 
Ept2106p0003
Ept2106p0003Ept2106p0003
Ept2106p0003
 
Efi2106p0001 2ed
Efi2106p0001 2edEfi2106p0001 2ed
Efi2106p0001 2ed
 
Ept2006p0004
Ept2006p0004Ept2006p0004
Ept2006p0004
 
Ept2006p0003
Ept2006p0003Ept2006p0003
Ept2006p0003
 
Efi2006p0001 2ed
Efi2006p0001 2edEfi2006p0001 2ed
Efi2006p0001 2ed
 

Ept2206p0004

  • 1. E STA D O D E M I N A S ● S E X T A - F E I R A , 2 2 D E J U N H O D E 2 0 1 2 4 POLÍTICA Companheiros de militância da presidente foram surpreendidos pelos militares quando o aparelho no Bairro São Geraldo, em BH, foi estourado, marcando o início do fim do Colina O dia em REPRODUÇÃO que a turma da Dilma caiu DANIEL CAMARGOS E SANDRA KIEFER pelas vítimas da ditadura como um dos principais torturadores do país. “Eles Antes de o Sol nascer, em 14 de ja- eram muito perigosos”, afirma Lara Re- neiro de 1969, Jorge, Maria, Afonso, sende sobre o Colina. O ex-delegado Murilo, Júlio, Nilo e Maurício estavam destaca que o subinspetor Cecildes Mo- reunidos em uma casa numa tranqui- reira da Silva deixou a viúva com oito la rua do Bairro São Geraldo, Região filhos. A outra vítima foi o guarda civil Leste de Belo Horizonte. Policiais do José Antunes Ferreira e o ferido o inves- Dops e da Delegacia de Furtos e Rou- tigador José Reis de Oliveira. “Meu pro- bos estouraram o portão e, segundo re- blema era roubo. Quando era assalto a latos, entraram atirando. A resposta foi banco eu me envolvia. Mas no geral no mesmo tom, e o policial que estava mandava tudo para o Dops, comanda- à frente morreu baleado por projéteis do pelo Luiz Soares da Rocha”, destaca de uma metralhadora .30. Do lado de Lara Resende. fora da casa outro policial morreu. A Quem portava a metralhadora então militante Dilma Rousseff fazia Thompson calibre .30 era Murilo Pinto parte do grupo, mas não participou. da Silva, irmão do líder, Ângelo Pezzu- “Ela articulava o movimento estudan- ti. Tia deles, Ângela Pezzuti fala com or- til do Colina e atuava nos bastidores. gulho dos sobrinhos. “Havia um movi- Não entrou na linha de frente nem mento mundial de jovens, não aconte- participava das ações armadas”, deta- cia somente no Brasil. Eram idealistas lha Jorge Nahas, atual secretário de Po- e queriam o mudar o mundo, come- líticas Sociais da Prefeitura de Belo Ho- çando pelo Brasil”, afirma. Ela também rizonte. A troca de tiros foi o início do sustenta que o sobrinho agiu em legíti- MARCOS VIEIRA/EM/D.A PRESS – 13/12/09 fim do Comando de Libertação Nacio- nal (Colina), o grupo de esquerda que ma defesa. “A polícia chegou atirando. O detetive Cecildes chegou atirando e CAÇADOS PELA DITADURA chegou a praticar assaltos e pegar em morreu caído em cima das próprias O regime militar adotava métodos nazistas para procurar militantes políticos, armas para tentar derrubar a ditadura. balas”, afirma Ângela Pezzuti. como neste cartaz distribuído por todo o país. Nele, aparecem o mineiro Apolo Antes da troca de tiros, que acabou Heringer Lisboa, codinome Ricardo (no alto à esquerda e ao lado), hoje em mortes e provocou a prisão do nú- ENXOVAL E ARMAS Jorge Nahas, como coordenador do Projeto Manuelzão; Gilberto Faria Lima, o Zorro, morto pelo cleo duro do Colina, os integrantes do a maioria do Colina, começou a mili- regime militar em 1974 (alto à direita); Carlos Alberto Soares de Freitas, o grupo assaltaram uma agência do Ban- tância na Faculdade de Medicina da Breno ou Gustavo, também mineiro, desaparecido em 1971 (embaixo à co da Lavoura, em Sabará, na região UFMG. Ingressou na Organização Re- esquerda); e o belo-horizontino Herbert Eustáquio de Carvalho, o Daniel metropolitana. O cerco apertou e o lí- volucionária Marxista de Política Ope- Tampinha, último exilado a voltar ao país, em 1981. Herbert morreu em 1992. der do grupo, Ânge- rária (Polop) e de- lo Pezzuti, foi preso. pois, como grande Outro integrante, parte da Polop, mi- Pedro Paulo Bretas, ❚ OS SETE DA CASA grou para o Colina. JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS – 13/9/07 PEDRO GRAEFF/EM – 16/11/85 também foi captu- Depois da prisão na rado pelos militares. DO SÃO GERALDO queda do aparelho “O Bretas era o úni- do Bairro São Geral- co que sabia onde fi- ● Jorge Nahas do, Jorge foi solto cavam os três apare- ● Maria José Nahas um ano e meio de- lhos da Colina”, lem- pois em troca do ● Afonso Celso Lana Leite bra Jorge. Com a pri- embaixador alemão são e as recorrentes ● Murilo Pinto da Silva Ehrenfried Anton torturas praticadas ● Júlio Bitencourt Theodor Ludwig nos porões do Exér- ● Nilo Sérgio Macedo Von Holleben, se- cito e da polícia, era questrado por mili- ● Maurício Paiva uma questão de tantes. Foi para a Ar- tempo até os poli- gélia com sua mu- ciais descobrirem o lher, Maria José esconderijo da Coli- Nahas, também do na. Os sete decidiram esperar amanhe- Colina e presa na queda do aparelho cer para abandonar o aparelho do Bair- em BH. Maria José ficou conhecida, por ro São Geraldo. Não deu tempo. ser loira e portar uma metralhadora. A troca de tiros, que levou à morte Na imprensa, entre os militantes e os de dois policiais, deixando outro mi- policiais passou a ser chamada de a litar ferido e também ferindo o mili- “Loira da Metralhadora”. Uma história tante Maurício Paiva, foi uma espécie curiosa do período é que o dinheiro do de gota d’água para os militares. “O enxoval de casamento do casal foi re- impacto foi muito grande. Os milita- vertido para compra de armas. res ficaram desorientados porque não imaginavam que aquilo poderia acon- CLANDESTINIDADECOM a perseguição tecer e a repressão aumentou muito”, a seus militantes, o Colina chegaria ao Jorge Nahas e Lara Resende, estavam em lados opostos: um como militante e o outro, apontados como um dos principais torturadores lembra Jorge Nahas. fim, logo depois do Ato Institucional 5 O cerco apertou na casa do Bairro (AI-5). “Passei a ser procurado como São Geraldo e os sete membros da Co- terrorista no país inteiro, em cartazes lina foram rendidos. Eles foram colo- pregados em todos os aeroportos e ro- Manuelzão, que vai concluir no fim ção, tocou a campainha. O casal foi sal- tem muito orgulho do que viveu. cados no paredão e os policiais, furio- doviárias. Meus irmãos passaram a so- deste ano o doutorado, aos 69 anos, vo pelo porteiro, segundo relato que “Nós atendemos a um chamado his- sos com a morte dos colegas, queriam frer bullying na escola e meu pai e mi- postergado pelo período vivido na consta do depoimento pessoal de Este- tórico. A ditadura não deixava espaço fuzilá-los ali mesmo. “O comandante nha mãe, que eram evangélicos presbi- clandestinidade. la, arquivado no Conselho de Defesa e nós não medíamos as consequên- da diligência suspendeu o massacre, terianos, foram alvo de deboche até na dos Direitos Humanos de Minas Gerais cias para combatê-la mesmo as chan- pois seria uma barbárie de prisionei- igreja”, desabafa Apolo Heringer Lis- FUGA NA MADRUGADA No dia se- (Conedh-MG): “Numa noite, no fim de ces de vitórias sendo muito peque- ros rendidos”, lembra Jorge. Ele se re- boa, que dividia a liderança do Colina guinte em que o aparelho do Bairro dezembro, o apartamento foi cercado nas”, acredita. Ele completa: “Estáva- corda de ter, por mais de uma vez, a com Ângelo Pezzuti. Médico, passou a São Geraldo foi descoberto, Dilma e o e conseguimos fugir, na madrugada. O mos imbuídos de um imperativo sensação de que ali seria seu fim. O co- sofrer de anorexia nervosa ao fugir pa- marido, Cláudio Galeno, fugiram do porteiro disse aos policiais do Dops de moral e claro que sabíamos que o mandante da operação era o delegado ra o Rio de Janeiro e ser impedido de apartamento 1001 no Edifício Solar, na BH que não estávamos em casa. Fugi- preço a pagar não seria baixo”. Por Luiz Soares da Rocha, chefe do temido exercer a profissão, por ser clandesti- Avenida João Pinheiro, na Região Cen- mos pela garagem que dá para a rua do fim, Nahas acredita que valeu a pena: Departamento de Ordem Política e no. “Enfrentei privações morando cin- tral da cidade. A residência do casal, fundo, Rua Goiás”, relata a presidente. “A história diz que fomos vencedores. Social (Dops), que se notabilizou pelas co anos em uma favela no Rio. Cheguei que já havia deixado de ter a destina- A prova maior é a Dilma, eleita demo- torturas praticadas nas dependências a pesar 64 quilos, pois não tinha fome. ção original e estava sendo usada co- VERDADE E ORGULHO A onda de re- craticamente presidente do Brasil”. do local . Eu me sentia vítima de uma mentira mo ponto de encontro pelos militan- visão do passado, motivada pela cria- Quem comandava a Delegacia de que a ditadura inventou contra o meu tes do Colina, estava “queimada”. De ção da Comissão da Verdade pela pre- Furtos e Roubos e também participou grupo e não podia nem me defender. fato, no momento em que os dois se sidente Dilma, não assusta o delega- LEIA AMANHÃ da operação foi o delegado Antônio No- Nunca fui um terrorista”, desabafa He- encontravam dentro do apartamento do Lara Resende. “É uma besteira NOVOS RELATOS SOBRE DILMA gueira Lara Resende, 83 anos, apontado ringer, atual coordenador do Projeto destruindo documentos da organiza- muito grande”, afirma. Já Jorge Nahas E O PERÍODO DA DITADURA