SlideShare uma empresa Scribd logo
Quem joga nas 11 dispensa resenhas, arrazoados. Douglas Germano é de
chutar de longe, cabecear de olhos abertos. Sabe o que desfaz. O adversário,
derrotado pelo próprio golpe de visão, vai cabisbaixo buscar a redonda, que
ainda gira sob a rede sem sair do lugar – ajeita o meião e chora sem lágrimas,
querendo ficar invisível.
Douglas se coloca então na posição do adversário, nem piedade nem exibição,
vestindo sua farda grená de goleiro: colocação de luvas e rito benzedeiro
debaixo das traves. Vem o tirambaço de média distância. Move lentamente a
cabeçaparaoladoesquerdo,observaabolabeliscarotravessão.Tirodemeta.
O Golpe não deixa retranqueiro pular faixa. Poucos comparsas neste disco,
valentia se mostra mesmo em menor número. Seu hino: plástico fino do maço
de cigarros amassado no bolso; espuma de saideira; passos estalando nas
calçadas da Vila Matilde; fantasia purpurinada de luar; mapa do tesouro
bordado em pano de cuíca.
Operário-despadrãodamúsicadoBrasil,arredioàscópiasecondescendências
de falsa humildade, não segue o jogo. Douglas Germano é um apanhador de
sonhos, que mira na sabedoria dos veteranos da Javari.
 Fez o que quis com seu Golpe de Vista.
Roberto Didio
Meu samba não fez juramento
mas serve pra me confessar.
Meu samba não é de lamento
é muito mais de atormentar.
Meu samba não porta bandeira,
meu samba não é pra rezar.
Meu samba não serve pra roda
pra outro sambista cantar.
Meu samba tem sua maneira,
meu samba é do jeito que dá
Meu samba não joga no ataque,
meu samba não sabe lançar.
Meu samba é de beira de campo:
de surdo, de nylon e ganzá.
Meu samba é juiz na gaveta
pro time da casa ganhar.
Meu samba é o couro que come
se o time de fora virar.
Meu samba é reserva que aquece
faltando 5 pra acabar.
Meu samba é quem manda na pena,
escrevo o que o samba pensar.
Meu samba é o sarro que sobra
na hora que ele atravessar.
Meu samba é o cavaquinista
quando a corda sol estourar.
Meu samba é um golpe de vista,
termina onde quer começar.
Meu samba é ruim da cabeça,
meu samba até manca pra andar.
Meu samba não faz cerimônia,
meu samba não pede pra entrar.
Meu samba é sem eira e nem beira,
meu samba se ajeita onde está.
Meu samba não vale o que pesa,
meu samba não pesa o que dá.
Meu samba é caminho sem volta
e a volta é o mundo a girar...
Meu samba é o que jorra do braço
do talho que o aço cortar.
Douglas Germano | 2013
Era linha de frente na ala de cuíca,
já viu muita cabrocha envelhecer.
O seu ronco encobria os “tarol” e as “ripa”,
no samba botava pra ferver.
No talabarte a cuíca cobria o coração,
num alguidá é que ele molhava o gorgurão.
Era linha de frente na ala de cuíca,
já viu muitos “apitador” cair.
Sua bronca era gente de classe mais rica
que vinha em fevereiro querendo sair.
Sua cuíca rugia, dizia:
— Não! “Tão” loteando
as “faixa” do nosso pavilhão.
“Nêgo”tirava:
—Semprearrumandoconfusão!
Outro calava e tirava a mesma conclusão.
Mas era Xogum Guia Cruzada
Pr’um lado Xangô, pro outro Ogum.
Você, desavisado, curtindo o seu reinado,
no “vende/compra” qualquer um...
No teu mapa da mina, o X em cada esquina
indica que tem lá mais um.
Igual a Xogum Guia Cruzada:
Oxé de Xangô na mão de Ogum.
Era linha de frente na ala de cuíca,
Anhembi, Tiradentes, São João...
Adorava contar como era bonita
a avenida antes da televisão.
Sua cuíca era ferro com ronco de trovão
Por minha parte, Xogum tava sempre
com a razão.
Douglas Germano | 2009
Douglas Germano | 2014
Cadê meu celular?
Eu vou ligar pr’um, oito, zero!
Vou entregar teu nome e explicar meu endereço.
Aqui você não entra mais, eu digo que não te conheço
e jogo água fervendo se você se aventurar.
Eu solto o cachorro e, apontando pra você,
eu grito: — Péguix x x x...
Eu quero ver você pular, você correr na frente dos “vizim”.
“Cê” vai se arrepender de levantar a mão pra mim!
E quando o “Samango” chegar
eu mostro o roxo no meu braço!
Entrego teu baralho, teu bloco de pule,
teu dado chumbado, ponho água no bule,
passo e ofereço um “cafezim”.
Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim!
E quando tua mãe ligar eu capricho no esculacho:
Digo que é mimado, que é cheio de dengo,
mal acostumado, tem nada no “quengo”,
deita, vira e dorme “rapidim”...
“Cê” vai se arrepender de levantar a mão pra mim!
...porqueseadaPenhaébrava,imagineadaVilaMatilde.
Douglas Germano | 2005 – Participação especial: Gui
O Samba que eu fiz pra você, Guiomar,
agora tem o selo Iso 9000.
O samba que eu fiz pra você,
pode-se dizer que é um dos melhores do Brasil.
Tá certo que eu fiz o maestro penar um bocado
e que paguei bem pouquinho pelo resultado.
O coitado sofreu, quase teve um enfarte...
Mas o samba tem introdução e tem segunda parte.
Tá certo que eu fiz o letrista cortar o riscado
e que ainda não paguei pelo bom resultado.
Gastou uma caixa de lápis, aquele infeliz,
mas quem ouve logo acredita que fui eu que fiz.
Sou fogo, sou Rai, pedreira, trovão.
Mourão que não cai.
Malandro é que vai de cara no chão
se eu gingo pra cá e giro pra lá,
se perde em meu turbilhão.
Que de um lado caminha Ogum e
do outro caminha Iansã
e no meio, “ca” minha cruz, vou eu.
Eu nasci, mas não vou Pará.
Eu saí me deixando lá...
Fiz do olho, uma seta de Alta mira
Jogo o jogo sem pio,
hora palco, hora meio-fio,
hora rio ou derramo um rio de chorar.
Samba, quimbanda, macumba,
batucada, atabaque, zabumba...
Enluarada me visto, me entrego de cantar.
Douglas Germano | 2007
Chora não, Oxum!
De quê chorar?
Sonha, viu Oxum?...
Sem lágrima!
Hoje eu não vou deixar ninguém sofrer
Não quero ver a minha Oxum chorar
Colho os prantos, sem deixar nenhum
para lhe acordar.
Douglas Germano | 2010
No fundo do olho, um fio de esperança
No fio da navalha, o fundo do poço
No fim do caminho, puro perigo
a roda da vida não para nunca,
a dança do tempo é um desafio.
No fio de esperança tem uma navalha
No fundo do poço tem sempre um caminho
No fundo do olho tem um desafio:
a dança da vida é puro perigo,
a roda do tempo não para nunca.
Se eu cismo, me sinto à beira do abismo,
com medo da bala da vida perdida
No meio do dia, um tiro no escuro
No meio da tarde penso no futuro
Começo da noite, “tô” meio desnorteado.
Não posso me deixar levar!
Angustia, solidão sem fé.
Não quero mais sonhar a pé
Pela madrugada,
vou fazer um Samba
pra cantar num canto qualquer,
esperando o dia raiar.
Douglas Germano | Carlinhos Vergueiro | 1996
Douglas Germano | 1998
Temos que nos separar.
Agora é assim:
Juro que vou te encontrar
tão logo chegue o fim.
Primeiro eu vou passar
e você, depois de mim,
vai, por ser tão bela,
distrair corações por aí,
me esquecendo...
Eu posso até te esquecer:
esqueço até de mim.
Mas, já tomei meu lugar
e vou até o fim.
e, quando tudo acabar,
naquele butiquim,
a gente se encontra:
Você de verde e branco
e eu de azul.
Na quarta-feira de cinzas
Douglas Germano | Everaldo F. Silva | 2007
Polidez:
Fino trato na plateia atroz.
O aplauso satisfeito à vez
De quem cala a tua voz.
Palidez:
Engomada da cabeça aos pés.
O discurso prega sensatez,
Condenando-te ao revés
Outra vez, holofotes à evolução.
Teu espanto diz que “não”, é “sim”!
Um cinismo sem igual...
Sem ‘talvez’, o sucesso à disposição.
Teu silêncio do início ao fim:
Invenção gerencial
Sisudez:
Embalando a tese e o viés.
A lacuna preenche com: “inglês”
Rejeitando quem tu és.
Avidez:
Reverência no auditório após
aclamarem o bem do freguês,
Renegando-te ao algoz
Douglas Germano | 2015
Vila do Calvário, campo do Cruzeiro
foi tanta gente lá pra ver Jesus...
Nosso capitão, nossa contenção,
Só joga na bola: nunca viu cartão!
Maria, sua mãe, a lavadeira;
ria de orgulho de seu rebento:
— Jesus nunca sujou o fardamento...
Que ela bordou à mão há mais de mês:
Jesus, camisa 33
A Vila “tava” toda lá
Cachorro, moleque, malandro e batucada
“Nêgo” apertava um atrás do bar
Verô trouxe bandeira pra enfeitar,
Leninha puxa o canto pra empurrar
Começa o jogo em pleno lê lê ô... Zeirô, Zeirô!!!
Ele grita, marca, puxa, rouba, faz a linha burra.
Antecipa, rasga, lança, fala com o juiz.
Jesus dá sermão no meio campo:
— Chega, Pedro!
— Toca fácil, André!!!
— Corre, João!!!
— Tá 2 a 1 pra nós, pros cara, só falta 1 !!!
42...
Pedro domina marcado.
Sem opção toca atrás pra Jesus,
que erra ao fazer um corta-luz!
Tomé, o goleirão, no “sai-não-sai”, não foi.
O centro-avante antecipou...
Gol
E como culparam Jesus...
E como xingaram Jesus!
E como bateram em Jesus.
Vila do Calvário, Campo do Cruzeiro:
Foi tanta gente lá matar Jesus.
Cansei
De ver o melhor perder.
De ver o fraco morrer.
De fingir liberdade.
De ver tanta ironia
invertendo a verdade.
E a verdade trancada
Com quem deveria soltar.
Cansei
Mas quem não vai se cansar?
Vendo tudo terminar
sem nem ter começado.
Sem nem ter resistido.
Sem sequer um passado.
E o futuro guardado
Com que quer nos guiar.
Tanta solidão,
tanta servidão!
E a gente cada dia mais feliz...
Tanta ingratidão,
tanta incompreensão...
E a gente mais perto
do que nunca quis.
Douglas Germano | 1995
Douglas Germano | 1995
Um samba que fale das coisas do mundo.
Um samba que ninguém precisa explicar.
Há de vir com a simplicidade
de qualquer amor,
de qualquer suor,
de qualquer dor, dessas de verdade!
Há de vir carregado de história de vida e de morte.
Há de vir no garrancho das mãos calejadas que há por aí.
Há de vir com a simplicidade
de quem tem paixão,
de quem não tem vez,
de uma cicatriz feita de verdade.
Há de vir carregado de história,
há de vir carregado de mágoa...
Vai ser feito de lama: que molda, que quebra,
mas nunca se acaba.
Gravado em Bueno Estúdio | Santo André | 11/2015
Técnico de Som | Mixagem e Masterização: Nandu Valverde
Faixa “Golpe de Vista”
Gravada por Guilherme Ramos em SP | 2014
Direção de arte: Deiverson Ribeiro
Imagens: Arnon Gonçalves
Agradecimentos
Darkon Vieira Roque,
Eliane Weinfurter, Ildo Silva, João Poleto, Stela Handa, Pedruska, Guima Ramos, Deiverson, Nandu Valverde,
Dênia, Vat, Diego, José, Rai, Márcia, Marimari, Stefânia Gola, Rafa Y Castro, Júlio César, Juliana Amaral,
Roberto Didio, Renato Martins, Everaldo F. Silva, Maysa Aguiar, Carlinhos Vergueiro, Rubão.
Gui e Tantan: meu amores.
SP, 2016
FORA TEMER!
Violão, cavaquinho e percussão | Douglas Germano
Flauta, Sax | João Poleto
Trombone | Pedro Moreira
Coro
Tânia Viana, Dênia Campos, Negravat, Márcia Fernandes, Railídia,
Mariana Laura, Diego Maurílio, José

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O POETA SETUBALENSE GRAVATINHA
O POETA SETUBALENSE GRAVATINHAO POETA SETUBALENSE GRAVATINHA
O POETA SETUBALENSE GRAVATINHA
ASPASIA57
 
Aler+poesia
Aler+poesiaAler+poesia
PROJETO POESIA
PROJETO POESIAPROJETO POESIA
PROJETO POESIA
profmarialeite
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
Jairo Coêlho
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
AELPB
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
proveronice
 
Apresentação poesia1
Apresentação poesia1Apresentação poesia1
Apresentação poesia1
Soleducador1
 
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anosIEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas PortuguêsCaderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
bibliotecacampo
 
temas que ... nem eu sei.
temas que ... nem eu sei.temas que ... nem eu sei.
temas que ... nem eu sei.
Ana Carvalhosa
 
Rui Belo
Rui BeloRui Belo
Rui Belo
davidaaduarte
 
Jan2017
Jan2017Jan2017
Ameopoema ediçao 0048
Ameopoema ediçao 0048Ameopoema ediçao 0048
Ameopoema ediçao 0048
AMEOPOEMA Editora
 
49 músicas fáceis cifradas para violão
49 músicas fáceis cifradas para violão49 músicas fáceis cifradas para violão
49 músicas fáceis cifradas para violão
Gizele Soares Miranda
 
Qualquer versar
Qualquer versar Qualquer versar
Qualquer versar
Iran Maia
 
Concurso poesia na corda 2013
Concurso poesia na corda 2013Concurso poesia na corda 2013
Concurso poesia na corda 2013
Graça Neves Oliveira
 
AMEOPOEMA 073 janeiro 2021
AMEOPOEMA 073 janeiro 2021AMEOPOEMA 073 janeiro 2021
AMEOPOEMA 073 janeiro 2021
AMEOPOEMA Editora
 
Rosa lobat - ana branco e marta
Rosa lobat - ana branco e martaRosa lobat - ana branco e marta
Rosa lobat - ana branco e marta
101d1
 
Poemas del -portugal
Poemas   del -portugalPoemas   del -portugal
Poemas del -portugal
Maria Paredes
 

Mais procurados (19)

O POETA SETUBALENSE GRAVATINHA
O POETA SETUBALENSE GRAVATINHAO POETA SETUBALENSE GRAVATINHA
O POETA SETUBALENSE GRAVATINHA
 
Aler+poesia
Aler+poesiaAler+poesia
Aler+poesia
 
PROJETO POESIA
PROJETO POESIAPROJETO POESIA
PROJETO POESIA
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Apresentação poesia1
Apresentação poesia1Apresentação poesia1
Apresentação poesia1
 
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anosIEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
IEL- Caderno de Poemas 7º, 8º e 9º anos
 
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas PortuguêsCaderno de poesia 9º ano - Metas Português
Caderno de poesia 9º ano - Metas Português
 
temas que ... nem eu sei.
temas que ... nem eu sei.temas que ... nem eu sei.
temas que ... nem eu sei.
 
Rui Belo
Rui BeloRui Belo
Rui Belo
 
Jan2017
Jan2017Jan2017
Jan2017
 
Ameopoema ediçao 0048
Ameopoema ediçao 0048Ameopoema ediçao 0048
Ameopoema ediçao 0048
 
49 músicas fáceis cifradas para violão
49 músicas fáceis cifradas para violão49 músicas fáceis cifradas para violão
49 músicas fáceis cifradas para violão
 
Qualquer versar
Qualquer versar Qualquer versar
Qualquer versar
 
Concurso poesia na corda 2013
Concurso poesia na corda 2013Concurso poesia na corda 2013
Concurso poesia na corda 2013
 
AMEOPOEMA 073 janeiro 2021
AMEOPOEMA 073 janeiro 2021AMEOPOEMA 073 janeiro 2021
AMEOPOEMA 073 janeiro 2021
 
Rosa lobat - ana branco e marta
Rosa lobat - ana branco e martaRosa lobat - ana branco e marta
Rosa lobat - ana branco e marta
 
Poemas del -portugal
Poemas   del -portugalPoemas   del -portugal
Poemas del -portugal
 

Semelhante a Encarte - Douglas Germano

Caderno poemas português
Caderno poemas portuguêsCaderno poemas português
Caderno poemas português
Biblioteca Esbocage
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
gracatremoco45
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Cris Gonçalves
 
Caderno poemas
Caderno poemasCaderno poemas
Caderno poemas
be_age_mdouro
 
Acre004ago set-outde2014e-book-140924131458-phpapp01(1)
Acre004ago set-outde2014e-book-140924131458-phpapp01(1)Acre004ago set-outde2014e-book-140924131458-phpapp01(1)
Acre004ago set-outde2014e-book-140924131458-phpapp01(1)
Ana Fonseca
 
Acre 004 (ago set-out de 2014) e-book revista de arte e poesia em geral circ...
Acre 004 (ago set-out de 2014)  e-book revista de arte e poesia em geral circ...Acre 004 (ago set-out de 2014)  e-book revista de arte e poesia em geral circ...
Acre 004 (ago set-out de 2014) e-book revista de arte e poesia em geral circ...
AMEOPOEMA Editora
 
Versos e Obras
Versos e ObrasVersos e Obras
Versos e Obras
tchriscoutinho
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
senadecarlosfreitas
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
senadecarlosfreitas
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
senadecarlosfreitas
 
Livro ebook
Livro ebookLivro ebook
Livro ebook
senadecarlosfreitas
 
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
bib2009
 
Suplemento Acre 029 - Agosto, setembro e outubro 2023
Suplemento Acre 029 - Agosto, setembro e outubro 2023Suplemento Acre 029 - Agosto, setembro e outubro 2023
Suplemento Acre 029 - Agosto, setembro e outubro 2023
AMEOPOEMA Editora
 
Ana Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pésAna Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pés
sullbreda
 
Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014
Arlindo Rodrigues Vieira
 
Slides Arte De Ser Poeta
Slides Arte De Ser PoetaSlides Arte De Ser Poeta
Acre 018 julho, agosto, setembro de 2020 ebook
Acre 018 julho, agosto, setembro de 2020 ebookAcre 018 julho, agosto, setembro de 2020 ebook
Acre 018 julho, agosto, setembro de 2020 ebook
AMEOPOEMA Editora
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
guida04
 
Acre 4ª edição (agosto, outubro 2014)
Acre 4ª edição (agosto,  outubro 2014)Acre 4ª edição (agosto,  outubro 2014)
Acre 4ª edição (agosto, outubro 2014)
AMEOPOEMA Editora
 
Como um Estalo
Como um EstaloComo um Estalo
Como um Estalo
Como Um Estalo
 

Semelhante a Encarte - Douglas Germano (20)

Caderno poemas português
Caderno poemas portuguêsCaderno poemas português
Caderno poemas português
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
 
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_anoCaderno poemas 7_8_e_9_ano
Caderno poemas 7_8_e_9_ano
 
Caderno poemas
Caderno poemasCaderno poemas
Caderno poemas
 
Acre004ago set-outde2014e-book-140924131458-phpapp01(1)
Acre004ago set-outde2014e-book-140924131458-phpapp01(1)Acre004ago set-outde2014e-book-140924131458-phpapp01(1)
Acre004ago set-outde2014e-book-140924131458-phpapp01(1)
 
Acre 004 (ago set-out de 2014) e-book revista de arte e poesia em geral circ...
Acre 004 (ago set-out de 2014)  e-book revista de arte e poesia em geral circ...Acre 004 (ago set-out de 2014)  e-book revista de arte e poesia em geral circ...
Acre 004 (ago set-out de 2014) e-book revista de arte e poesia em geral circ...
 
Versos e Obras
Versos e ObrasVersos e Obras
Versos e Obras
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
EMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRASEMBRULHO DE LETRAS
EMBRULHO DE LETRAS
 
Livro ebook
Livro ebookLivro ebook
Livro ebook
 
20120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_320120803 caderno poemas_ciclo_3
20120803 caderno poemas_ciclo_3
 
Suplemento Acre 029 - Agosto, setembro e outubro 2023
Suplemento Acre 029 - Agosto, setembro e outubro 2023Suplemento Acre 029 - Agosto, setembro e outubro 2023
Suplemento Acre 029 - Agosto, setembro e outubro 2023
 
Ana Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pésAna Cristina César / a teus pés
Ana Cristina César / a teus pés
 
Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014Sessão leitura poética 2014
Sessão leitura poética 2014
 
Slides Arte De Ser Poeta
Slides Arte De Ser PoetaSlides Arte De Ser Poeta
Slides Arte De Ser Poeta
 
Acre 018 julho, agosto, setembro de 2020 ebook
Acre 018 julho, agosto, setembro de 2020 ebookAcre 018 julho, agosto, setembro de 2020 ebook
Acre 018 julho, agosto, setembro de 2020 ebook
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
 
Acre 4ª edição (agosto, outubro 2014)
Acre 4ª edição (agosto,  outubro 2014)Acre 4ª edição (agosto,  outubro 2014)
Acre 4ª edição (agosto, outubro 2014)
 
Como um Estalo
Como um EstaloComo um Estalo
Como um Estalo
 

Mais de alfeuRIO

MENG - Meng Su.pdf
MENG - Meng Su.pdfMENG - Meng Su.pdf
MENG - Meng Su.pdf
alfeuRIO
 
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdfKlengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
alfeuRIO
 
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdfSebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
alfeuRIO
 
Alta Madrugada - 2003.pdf
Alta Madrugada - 2003.pdfAlta Madrugada - 2003.pdf
Alta Madrugada - 2003.pdf
alfeuRIO
 
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdfBrasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
alfeuRIO
 
ANNA VINNITSKAYA - Ravel (2011)
ANNA  VINNITSKAYA -   Ravel (2011)ANNA  VINNITSKAYA -   Ravel (2011)
ANNA VINNITSKAYA - Ravel (2011)
alfeuRIO
 
Camille Thomas: Saint-Saëns, Offenbach
Camille Thomas:  Saint-Saëns, OffenbachCamille Thomas:  Saint-Saëns, Offenbach
Camille Thomas: Saint-Saëns, Offenbach
alfeuRIO
 
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch MusicChristian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
alfeuRIO
 
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / KlavierwerkeNelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
alfeuRIO
 
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson FreireBrasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
alfeuRIO
 
Cartola Entre Amigos - Encarte
Cartola Entre Amigos - EncarteCartola Entre Amigos - Encarte
Cartola Entre Amigos - Encarte
alfeuRIO
 
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-PiecesShin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
alfeuRIO
 
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
alfeuRIO
 
Brazilian Landscapes - Encarte
Brazilian Landscapes - EncarteBrazilian Landscapes - Encarte
Brazilian Landscapes - Encarte
alfeuRIO
 
Hekel Tavares
Hekel TavaresHekel Tavares
Hekel Tavares
alfeuRIO
 
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from BrazilVilla-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
alfeuRIO
 
Ophélie Gaillard: Schumann - Liszt (2012)
Ophélie Gaillard:  Schumann - Liszt (2012)Ophélie Gaillard:  Schumann - Liszt (2012)
Ophélie Gaillard: Schumann - Liszt (2012)
alfeuRIO
 
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
alfeuRIO
 
Jongo do Sudeste - São Paulo
Jongo do Sudeste - São PauloJongo do Sudeste - São Paulo
Jongo do Sudeste - São Paulo
alfeuRIO
 
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische BilderImagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
alfeuRIO
 

Mais de alfeuRIO (20)

MENG - Meng Su.pdf
MENG - Meng Su.pdfMENG - Meng Su.pdf
MENG - Meng Su.pdf
 
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdfKlengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
Klengel, Schumann - Romantic Cello Concertos (Encarte).pdf
 
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdfSebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
Sebastião Tapajós – Visões Do Nordeste (1986).pdf
 
Alta Madrugada - 2003.pdf
Alta Madrugada - 2003.pdfAlta Madrugada - 2003.pdf
Alta Madrugada - 2003.pdf
 
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdfBrasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
Brasil Guitar Duo - Zanzibar, A Música de Edu Lobo.pdf
 
ANNA VINNITSKAYA - Ravel (2011)
ANNA  VINNITSKAYA -   Ravel (2011)ANNA  VINNITSKAYA -   Ravel (2011)
ANNA VINNITSKAYA - Ravel (2011)
 
Camille Thomas: Saint-Saëns, Offenbach
Camille Thomas:  Saint-Saëns, OffenbachCamille Thomas:  Saint-Saëns, Offenbach
Camille Thomas: Saint-Saëns, Offenbach
 
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch MusicChristian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
Christian Scott a Tunde Adjuah - Stretch Music
 
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / KlavierwerkeNelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
Nelson Freire: Heitor Villa-Lobos / Klavierwerke
 
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson FreireBrasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
Brasileiro: Villa-Lobos & Friends, com Nelson Freire
 
Cartola Entre Amigos - Encarte
Cartola Entre Amigos - EncarteCartola Entre Amigos - Encarte
Cartola Entre Amigos - Encarte
 
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-PiecesShin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
Shin-Ichi Fukuda: Guitar-Pieces
 
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
YUJA WANG - Sonatas & Etudes (2009)
 
Brazilian Landscapes - Encarte
Brazilian Landscapes - EncarteBrazilian Landscapes - Encarte
Brazilian Landscapes - Encarte
 
Hekel Tavares
Hekel TavaresHekel Tavares
Hekel Tavares
 
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from BrazilVilla-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
Villa-Lobos, Ripper, Gomes - A Night of Classics from Brazil
 
Ophélie Gaillard: Schumann - Liszt (2012)
Ophélie Gaillard:  Schumann - Liszt (2012)Ophélie Gaillard:  Schumann - Liszt (2012)
Ophélie Gaillard: Schumann - Liszt (2012)
 
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
Mestre Severino - Cocoimbolê (2010)
 
Jongo do Sudeste - São Paulo
Jongo do Sudeste - São PauloJongo do Sudeste - São Paulo
Jongo do Sudeste - São Paulo
 
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische BilderImagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
Imagens Brasileiras/Brazilian Images/Brasilianische Bilder
 

Encarte - Douglas Germano

  • 1.
  • 2. Quem joga nas 11 dispensa resenhas, arrazoados. Douglas Germano é de chutar de longe, cabecear de olhos abertos. Sabe o que desfaz. O adversário, derrotado pelo próprio golpe de visão, vai cabisbaixo buscar a redonda, que ainda gira sob a rede sem sair do lugar – ajeita o meião e chora sem lágrimas, querendo ficar invisível. Douglas se coloca então na posição do adversário, nem piedade nem exibição, vestindo sua farda grená de goleiro: colocação de luvas e rito benzedeiro debaixo das traves. Vem o tirambaço de média distância. Move lentamente a cabeçaparaoladoesquerdo,observaabolabeliscarotravessão.Tirodemeta. O Golpe não deixa retranqueiro pular faixa. Poucos comparsas neste disco, valentia se mostra mesmo em menor número. Seu hino: plástico fino do maço de cigarros amassado no bolso; espuma de saideira; passos estalando nas calçadas da Vila Matilde; fantasia purpurinada de luar; mapa do tesouro bordado em pano de cuíca. Operário-despadrãodamúsicadoBrasil,arredioàscópiasecondescendências de falsa humildade, não segue o jogo. Douglas Germano é um apanhador de sonhos, que mira na sabedoria dos veteranos da Javari.  Fez o que quis com seu Golpe de Vista. Roberto Didio
  • 3. Meu samba não fez juramento mas serve pra me confessar. Meu samba não é de lamento é muito mais de atormentar. Meu samba não porta bandeira, meu samba não é pra rezar. Meu samba não serve pra roda pra outro sambista cantar. Meu samba tem sua maneira, meu samba é do jeito que dá Meu samba não joga no ataque, meu samba não sabe lançar. Meu samba é de beira de campo: de surdo, de nylon e ganzá. Meu samba é juiz na gaveta pro time da casa ganhar. Meu samba é o couro que come se o time de fora virar. Meu samba é reserva que aquece faltando 5 pra acabar. Meu samba é quem manda na pena, escrevo o que o samba pensar. Meu samba é o sarro que sobra na hora que ele atravessar. Meu samba é o cavaquinista quando a corda sol estourar. Meu samba é um golpe de vista, termina onde quer começar. Meu samba é ruim da cabeça, meu samba até manca pra andar. Meu samba não faz cerimônia, meu samba não pede pra entrar. Meu samba é sem eira e nem beira, meu samba se ajeita onde está. Meu samba não vale o que pesa, meu samba não pesa o que dá. Meu samba é caminho sem volta e a volta é o mundo a girar... Meu samba é o que jorra do braço do talho que o aço cortar. Douglas Germano | 2013
  • 4. Era linha de frente na ala de cuíca, já viu muita cabrocha envelhecer. O seu ronco encobria os “tarol” e as “ripa”, no samba botava pra ferver. No talabarte a cuíca cobria o coração, num alguidá é que ele molhava o gorgurão. Era linha de frente na ala de cuíca, já viu muitos “apitador” cair. Sua bronca era gente de classe mais rica que vinha em fevereiro querendo sair. Sua cuíca rugia, dizia: — Não! “Tão” loteando as “faixa” do nosso pavilhão. “Nêgo”tirava: —Semprearrumandoconfusão! Outro calava e tirava a mesma conclusão. Mas era Xogum Guia Cruzada Pr’um lado Xangô, pro outro Ogum. Você, desavisado, curtindo o seu reinado, no “vende/compra” qualquer um... No teu mapa da mina, o X em cada esquina indica que tem lá mais um. Igual a Xogum Guia Cruzada: Oxé de Xangô na mão de Ogum. Era linha de frente na ala de cuíca, Anhembi, Tiradentes, São João... Adorava contar como era bonita a avenida antes da televisão. Sua cuíca era ferro com ronco de trovão Por minha parte, Xogum tava sempre com a razão. Douglas Germano | 2009
  • 5. Douglas Germano | 2014 Cadê meu celular? Eu vou ligar pr’um, oito, zero! Vou entregar teu nome e explicar meu endereço. Aqui você não entra mais, eu digo que não te conheço e jogo água fervendo se você se aventurar. Eu solto o cachorro e, apontando pra você, eu grito: — Péguix x x x... Eu quero ver você pular, você correr na frente dos “vizim”. “Cê” vai se arrepender de levantar a mão pra mim! E quando o “Samango” chegar eu mostro o roxo no meu braço! Entrego teu baralho, teu bloco de pule, teu dado chumbado, ponho água no bule, passo e ofereço um “cafezim”. Cê vai se arrepender de levantar a mão pra mim! E quando tua mãe ligar eu capricho no esculacho: Digo que é mimado, que é cheio de dengo, mal acostumado, tem nada no “quengo”, deita, vira e dorme “rapidim”... “Cê” vai se arrepender de levantar a mão pra mim! ...porqueseadaPenhaébrava,imagineadaVilaMatilde.
  • 6. Douglas Germano | 2005 – Participação especial: Gui O Samba que eu fiz pra você, Guiomar, agora tem o selo Iso 9000. O samba que eu fiz pra você, pode-se dizer que é um dos melhores do Brasil. Tá certo que eu fiz o maestro penar um bocado e que paguei bem pouquinho pelo resultado. O coitado sofreu, quase teve um enfarte... Mas o samba tem introdução e tem segunda parte. Tá certo que eu fiz o letrista cortar o riscado e que ainda não paguei pelo bom resultado. Gastou uma caixa de lápis, aquele infeliz, mas quem ouve logo acredita que fui eu que fiz.
  • 7. Sou fogo, sou Rai, pedreira, trovão. Mourão que não cai. Malandro é que vai de cara no chão se eu gingo pra cá e giro pra lá, se perde em meu turbilhão. Que de um lado caminha Ogum e do outro caminha Iansã e no meio, “ca” minha cruz, vou eu. Eu nasci, mas não vou Pará. Eu saí me deixando lá... Fiz do olho, uma seta de Alta mira Jogo o jogo sem pio, hora palco, hora meio-fio, hora rio ou derramo um rio de chorar. Samba, quimbanda, macumba, batucada, atabaque, zabumba... Enluarada me visto, me entrego de cantar. Douglas Germano | 2007
  • 8. Chora não, Oxum! De quê chorar? Sonha, viu Oxum?... Sem lágrima! Hoje eu não vou deixar ninguém sofrer Não quero ver a minha Oxum chorar Colho os prantos, sem deixar nenhum para lhe acordar. Douglas Germano | 2010
  • 9. No fundo do olho, um fio de esperança No fio da navalha, o fundo do poço No fim do caminho, puro perigo a roda da vida não para nunca, a dança do tempo é um desafio. No fio de esperança tem uma navalha No fundo do poço tem sempre um caminho No fundo do olho tem um desafio: a dança da vida é puro perigo, a roda do tempo não para nunca. Se eu cismo, me sinto à beira do abismo, com medo da bala da vida perdida No meio do dia, um tiro no escuro No meio da tarde penso no futuro Começo da noite, “tô” meio desnorteado. Não posso me deixar levar! Angustia, solidão sem fé. Não quero mais sonhar a pé Pela madrugada, vou fazer um Samba pra cantar num canto qualquer, esperando o dia raiar. Douglas Germano | Carlinhos Vergueiro | 1996
  • 10. Douglas Germano | 1998 Temos que nos separar. Agora é assim: Juro que vou te encontrar tão logo chegue o fim. Primeiro eu vou passar e você, depois de mim, vai, por ser tão bela, distrair corações por aí, me esquecendo... Eu posso até te esquecer: esqueço até de mim. Mas, já tomei meu lugar e vou até o fim. e, quando tudo acabar, naquele butiquim, a gente se encontra: Você de verde e branco e eu de azul. Na quarta-feira de cinzas
  • 11. Douglas Germano | Everaldo F. Silva | 2007 Polidez: Fino trato na plateia atroz. O aplauso satisfeito à vez De quem cala a tua voz. Palidez: Engomada da cabeça aos pés. O discurso prega sensatez, Condenando-te ao revés Outra vez, holofotes à evolução. Teu espanto diz que “não”, é “sim”! Um cinismo sem igual... Sem ‘talvez’, o sucesso à disposição. Teu silêncio do início ao fim: Invenção gerencial Sisudez: Embalando a tese e o viés. A lacuna preenche com: “inglês” Rejeitando quem tu és. Avidez: Reverência no auditório após aclamarem o bem do freguês, Renegando-te ao algoz
  • 12. Douglas Germano | 2015 Vila do Calvário, campo do Cruzeiro foi tanta gente lá pra ver Jesus... Nosso capitão, nossa contenção, Só joga na bola: nunca viu cartão! Maria, sua mãe, a lavadeira; ria de orgulho de seu rebento: — Jesus nunca sujou o fardamento... Que ela bordou à mão há mais de mês: Jesus, camisa 33 A Vila “tava” toda lá Cachorro, moleque, malandro e batucada “Nêgo” apertava um atrás do bar Verô trouxe bandeira pra enfeitar, Leninha puxa o canto pra empurrar Começa o jogo em pleno lê lê ô... Zeirô, Zeirô!!! Ele grita, marca, puxa, rouba, faz a linha burra. Antecipa, rasga, lança, fala com o juiz. Jesus dá sermão no meio campo: — Chega, Pedro! — Toca fácil, André!!! — Corre, João!!! — Tá 2 a 1 pra nós, pros cara, só falta 1 !!! 42... Pedro domina marcado. Sem opção toca atrás pra Jesus, que erra ao fazer um corta-luz! Tomé, o goleirão, no “sai-não-sai”, não foi. O centro-avante antecipou... Gol E como culparam Jesus... E como xingaram Jesus! E como bateram em Jesus. Vila do Calvário, Campo do Cruzeiro: Foi tanta gente lá matar Jesus.
  • 13. Cansei De ver o melhor perder. De ver o fraco morrer. De fingir liberdade. De ver tanta ironia invertendo a verdade. E a verdade trancada Com quem deveria soltar. Cansei Mas quem não vai se cansar? Vendo tudo terminar sem nem ter começado. Sem nem ter resistido. Sem sequer um passado. E o futuro guardado Com que quer nos guiar. Tanta solidão, tanta servidão! E a gente cada dia mais feliz... Tanta ingratidão, tanta incompreensão... E a gente mais perto do que nunca quis. Douglas Germano | 1995
  • 14. Douglas Germano | 1995 Um samba que fale das coisas do mundo. Um samba que ninguém precisa explicar. Há de vir com a simplicidade de qualquer amor, de qualquer suor, de qualquer dor, dessas de verdade! Há de vir carregado de história de vida e de morte. Há de vir no garrancho das mãos calejadas que há por aí. Há de vir com a simplicidade de quem tem paixão, de quem não tem vez, de uma cicatriz feita de verdade. Há de vir carregado de história, há de vir carregado de mágoa... Vai ser feito de lama: que molda, que quebra, mas nunca se acaba.
  • 15. Gravado em Bueno Estúdio | Santo André | 11/2015 Técnico de Som | Mixagem e Masterização: Nandu Valverde Faixa “Golpe de Vista” Gravada por Guilherme Ramos em SP | 2014 Direção de arte: Deiverson Ribeiro Imagens: Arnon Gonçalves Agradecimentos Darkon Vieira Roque, Eliane Weinfurter, Ildo Silva, João Poleto, Stela Handa, Pedruska, Guima Ramos, Deiverson, Nandu Valverde, Dênia, Vat, Diego, José, Rai, Márcia, Marimari, Stefânia Gola, Rafa Y Castro, Júlio César, Juliana Amaral, Roberto Didio, Renato Martins, Everaldo F. Silva, Maysa Aguiar, Carlinhos Vergueiro, Rubão. Gui e Tantan: meu amores. SP, 2016 FORA TEMER! Violão, cavaquinho e percussão | Douglas Germano Flauta, Sax | João Poleto Trombone | Pedro Moreira Coro Tânia Viana, Dênia Campos, Negravat, Márcia Fernandes, Railídia, Mariana Laura, Diego Maurílio, José