SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
FACULDADE DE CASTANHAL - FCAT
CURSO DE DIREITO
DISCIPLINA: ECONOMIA POLÍTICA
PROFESSOR: NAIRO RILDO DOS SANTOS

APOSTILA II
MÓDULO 4: CRÍTICAS
KEYNES

À ECONOMIA POLÍTICA CLÁSSICA:

MARX

E

O pensamento econômico clássico opõe-se aos fisiocratas franceses, na medida
em que preconizavam que não apenas a agricultura era produtora de excedentes e de
valor, mas também a indústria criaria valor. A economia clássica é pautada pelo
individualismo, liberdade pessoal, tanto econômica quanto política, e crença no
comportamento racional dos agentes econômicos. Defendiam a propriedade privada, a
iniciativa individual e o controle individual da empresa. Estes seriam princípios básicos
capazes de harmonizar interesses individuais e coletivos e gerar o progresso social.
O Estado, tal qual na teoria fisiocrata, deveria atuar somente na defesa, na justiça
e na manutenção de algumas obras públicas, sem intervir significativamente na
atividade econômica nem no funcionamento do mercado.
Mantém-se aqui a visão de um mundo regido por leis naturais e harmônicas, que
se refletia na economia, a qual deveria ser deixada livre de intervenções, a fim de chegar
a um equilíbrio que proporcionaria o bem-estar de todos.
O pensamento clássico surge em meio à revolução industrial, onde a economia
apresenta um avanço significativo de produtividade, refletindo-se numa mudança na
estrutura política e social do mundo. Há um crescimento estrondoso da urbanização, um
amplo êxodo rural, a consolidação dos Estados nacionais e da democracia representativa
como sistema político. A partir da contribuição dos economistas clássicos, a economia
passa a formar um corpo teórico próprio e a desenvolver um instrumental de análise
específico para as questões econômicas.
Busca-se, sobretudo encontrar leis gerais e regularidades no comportamento
econômico, e o interesse primordial passa a ser a análise abstrata das relações
2

econômicas. Não mais são priorizados os pressupostos morais e as conseqüências
sociais das atividades econômicas, como antes.
Os clássicos acreditam que o valor dos bens é determinado pela quantidade de
trabalho neles incorporada, e assim, o elemento crucial para a determinação dos preços
seria o custo de produção. A análise é centrada, portanto, na oferta. A grande
preocupação destes primeiros economistas é a determinação das causas do
desenvolvimento da riqueza.
É preciso ter em mente que o liberalismo econômico característico da escola
clássica se manteve muito mais no plano da retórica, pois na prática houve muito
dirigismo estatal na sociedade capitalista desde o seu surgimento.
A economia política clássica pressupõe uma (ou diversas) ontologia(s) do ser
social. As concepções de natureza humanas presentes no empirismo naturalista dos
fisiocratas, nos moralistas escoceses (Hume e Smith), no utilitarismo de John Stuart
Mill, projetam suas sombras nas respectivas teorias do valor e do capital. A teoria do
valor trabalho, em particular, foi uma herdeira direta do jusnaturalismo, capaz de
atravessar o pragmatismo da teoria ricardiana dos custos de produção e se projetar até
Marx. Em suma, os principais sistemas econômicos clássicos pressupõem concepções
filosóficas do homem e da sociedade econômica.
Os economistas clássicos estão preocupados, fundamentalmente, com as “leis de
movimento”, descritas por meio das relações entres grandes agregados e categorias
econômicas, como lucros, salários, renda da terra. Não se trata de uma simples
coincidência Smith, Ricardo e Marx terem-se preocupado com a tendência declinante da
taxa de lucro, assim como não é ocasional a inserção da dinâmica da renda da terra no
centro da teoria ricardiana dos lucros. A preocupação com as leis de movimento
transforma as principais teorias clássicas em grandiosas macrodinâmicas. Por sua vez,
existe relação entre as macrodinâmicas clássicas e a idéia de que a sociedade capitalista
pode ser descrita por uma estrutura básica de classes sociais economicamente definidas,
uma visão codificada por Adam Smith. A noção de classes sociais (grupos sociais
definidos pela posição econômica dos indivíduos) é indissociável da economia política
clássica.
3

Os economistas clássicos têm como horizonte a acumulação do capital. Isso
significa que não é a utilidade, a demanda ou as preferências dos consumidores o ponto
de referência da teoria econômica. Mais ainda, embora ter como horizonte a acumulação
não leve a uma rejeição à micro-racionalidade, implica a adoção de uma microracionalidade própria, compatível com as concepções de acumulação e classes sociais
adotadas pelas teorias. A micro-racionalidade clássica é bastante distinta da que viria a
caracterizar a economia neoclássica.

4.1 CRÍTICAS À ECONOMIA POLÍTICA CLÁSSICA: MARX
O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes
fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho e de vida, com
salários de subsistência, sem direitos políticos nem sociais, em condições de miséria e
abandono. Deste contexto histórico surge a necessidade de despertar a consciência da
sociedade para a situação econômica das classes desfavorecidas.
Os socialistas rejeitam a idéia de livre mercado e de harmonia de interesses entre
as diferentes classes sociais. Não acreditam que a busca egoísta e desenfreada dos
indivíduos pelos seus próprios interesses levará a sociedade à maximização de seu bemestar.
O grande teórico desta corrente de pensamento econômico é Karl Marx (18181883). Tal como Stuart Mill, Marx se preocupa com as conseqüências sociais da
industrialização e do desenvolvimento capitalista. O objetivo de Marx era descobrir a
estrutura e o funcionamento da economia capitalista e suas leis de movimento. Seu
objetivo era demonstrar que o capitalismo explorava a classe trabalhadora, e como essa
exploração conduziria necessariamente à destruição desse sistema econômico.
Assim como Smith e Ricardo, Marx também acreditava no trabalho como
determinante do valor, e que a origem da riqueza estava no trabalho humano produtivo.
A apropriação do excedente econômico produtivo era a origem da acumulação de
capital e riqueza.
O excedente econômico no capitalismo surge do fato do capitalista pagar ao
trabalhador uma quantidade igual ao valor de sua força de trabalho (insumos necessários
4

à subsistência e reprodução do trabalhador), mas esse pagamento equivale somente a
uma parte daquilo que o trabalhador produz para o capitalista em sua jornada de
trabalho. O valor das mercadorias produzidas pelos trabalhadores em um dado período
de tempo é superior ao valor da força de trabalho vendida aos capitalistas que a
contratam. A diferença destes valores é a chamada mais-valia – o valor que excede o
valor da força de trabalho e que é apropriado pelos capitalistas. Seria esta, para Marx, a
origem dos lucros, juros e aluguéis neste sistema econômico.

Isto ocorre porque os trabalhadores só possuem sua força de trabalho para
vender, não possuindo outra fonte de renda alternativa, sendo obrigados a aceitar as
condições impostas pelos capitalistas, detentores não apenas dos meios de produção,
mas também dos meios de subsistência. A propriedade privada dos meios de produção
seria então a chave para compreender a exploração no capitalismo.

Para Marx a economia política clássica teria nascido com as obras do inglês
Petty e do francês Boisguillebert e teria sua conclusão-realização com as obras do inglês
Ricardo e do "francês" Sismondi. Cento e cinqüenta anos de história — da consolidação
da revolução burguesa na Inglaterra à Revolução Industrial, passando pela Revolução
Francesa.
A crítica de Marx à elisão da história nos diversos sistemas econômicos e
filosóficos passa por ao menos duas dimensões. Por um lado, Marx pretendia criticar a
5

“naturalização” das categorias econômicas, efetuada pelos economistas. Para ele, a
concepção de natureza humana da economia política, a despeito de sua atemporalidade
e aspiração à generalidade, representaria nada mais do que uma condensação da visão
de mundo burguesa, historicamente datada. A elisão das relações sociais burguesas
provocaria uma mistificação das categorias econômicas, em particular da noção de
capital. Marx entende que o capital é uma relação social historicamente determinada, e
não um simples instrumento ou meio de produção. A diferença fundamental entre o arco
e flecha do selvagem primitivo e o equipamento industrial moderno reside em ser este
último fruto do trabalho assalariado.
Em contraposição aos clássicos, Marx afirmava que erraram ao afirmar que a
estabilidade e o crescimento econômico seria efeito da atuação da ordem natural. E
explica, dizendo que “as forças que criaram essa ordem procuram estabilizá-la,
sufocando o crescimento de novas forças que ameaçam solapá-la, até que essas novas
forças finalmente se afirmem e realizem suas aspirações”.

4.2 CRÍTICAS À ECONOMIA POLÍTICA CLÁSSICA: KEYNES
John Maynard Keynes, Primeiro Barão de Keynes (1946), foi um economista
britânico. Suas idéias inovadoras chocaram-se com as doutrinas econômicas vigentes
em sua época, além de ter enorme impacto sobre a teoria política e a política fiscal de
muitos governos. Foi um dos mais influentes economistas do século XX.
Keynes defendeu o papel regulatório do Estado na economia, através de medidas
de política monetária e fiscal, para mitigar os efeitos adversos dos ciclos econômicos recessão, depressão e booms econômicos. Keynes é considerado um dos pais da
moderna teoria macroeconômica.
6

Segundo este pensador, um dos principais fatores responsáveis pelo nível de
emprego é explicado pelo nível de produção nacional de uma economia, o qual seria
determinado pela demanda agregada. Keynes vai assim refutar a teoria de um dos
pensadores clássicos consagrados, Jean Baptiste Say, que acreditava que a oferta cria
sua própria procura, onde o aumento da produção se transformaria em renda de
trabalhadores e empresários, a qual seria gasta na compra de outras mercadorias e
serviços. Para Keynes, a oferta é determinada pela demanda e não o contrário.
Para Keynes, os principais determinantes da renda e do emprego são os gastos
com consumo e investimento, sendo o gasto público uma importante variável
componente do gasto total. Para cada nível de renda, o gasto em consumo é uma
proporção dada da renda, proporção esta que cai quando a renda aumenta. O nível de
consumo varia então com a renda. E a renda varia porque o investimento ou o gasto
público varia. O gasto com investimento seria por sua vez determinado pela taxa de
juros e pela taxa de retorno esperada sobre o custo dos novos investimentos (a que
Keynes chamava eficiência marginal do capital).
Keynes acaba mostrando que não existem forças de auto-ajustamento da
economia, sendo necessária a intervenção governamental através de uma política de
gastos públicos para garantir melhores níveis de emprego, colocando em xeque o
princípio do laissez-faire, consagrado pelo pensamento econômico clássico e
neoclássico. Isto porque quando os gastos com consumo e investimento são
insuficientes para manter o pleno emprego, o Estado deve estar disposto a aumentar o
fluxo de renda por meio de gastos financeiros.
A teoria de Keynes influenciou sobremaneira a política econômica dos países
capitalistas no período pós-guerra e estas políticas mostraram-se eficientes a ponto de se
7

considerar este período os “anos dourados” do capitalismo, que se encerra com a crise
do sistema monetário no início da década de 1970.
O impacto da Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda nos meios
acadêmicos e na formulação de políticas públicas excedeu o que normalmente seria
esperado, até mesmo de pensadores tão destacados como John Maynard Keynes. A
razão para seu extraordinário sucesso, frente à defesa de longo tempo da "doutrina
herdada" e à recepção geralmente negativa nos círculos não-acadêmicos na época de sua
publicação, em 1936, é que a obra tinha alguma coisa para todos.
Ter-se-ia que volver ao tempo de Adam Smith para encontrar um grau
comparável de persuasão com respeito a política pública; ter-se-ia que volver a David
Ricardo para a espécie de análise rigorosa que inspira o pensador dedutivo; e a Karl
Marx para alguém que atraísse seguidores capazes e suficientemente zelosos a fim de
levar sua mensagem ao mundo. Parece que a hereditariedade havia destinado a Keynes a
fazer uma valiosa contribuição para o mundo.
4.2.1 Keynes e política econômica
J. M. Keynes discordou da lei de Say (que Keynes resumiu como : "a oferta cria
sua própria demanda"). Assim como Thomas Malthus, não acreditava que a produção
de mercadorias gerariam, sempre e obrigatoriamente, demanda suficiente para outras
mercadorias. Poderiam ocorrer crises de superprodução, como ocorreu na década de
1930. Para ele o livre mercado pode, durante os períodos recessivos, não gerar demanda
bastante para garantir o pleno emprego dos fatores de produção devido ao
"entesouramento" das poupanças. Nessa ocasião seria aconselhável que o Estado criasse
déficits fiscais para aumentar a demanda efetiva e instituir uma situação de pleno
emprego.
A teoria dos ciclos comerciais seja ela monetária ou não em sua maneira de
apreciar a questão, interessa-se primordialmente pelos problemas das rendas e empregos
flutuantes; esses problemas preocuparam os economistas por muitos anos. Os estudos
primitivos sobre os ciclos comerciais raramente empregaram muita evidência empírica,
mas pelo menos nos Estados Unidos da América a macro análise existiu durante meio
século. Keynes fez a ênfase recair inteiramente sobre os níveis de renda, que segundo
8

ele, afetavam os níveis de emprego, o que constitui, naturalmente, uma ênfase diferente
da encontrada nos estudos anteriores.
É provavelmente verídico que toda a economia keynesiana tenha-se destinado a
encontrar as causas e curas para o desemprego periódico. Keynes não encontrou solução
alguma para o problema em quaisquer trabalhos sobre Economia Política então
existentes, sendo os seus esforços, portanto, grandemente exploratórios. Desviou-se
claramente da maioria das teorias econômicas anteriores, até mesmo da de seu
professor, Alfred Marshall, a qual era considerada pela maior parte dos eruditos, quase
sacrossanta. É verdade que muitas de suas idéias combinaram com as dos economistas
anteriores, como Lauderdale, Malthus, Rae, Sismondi, Say, Quesnay e outros. Keynes
combinou suas próprias teorias e os desenvolvimentos anteriores em uma análise que
ocasionou transformações na Economia aceita em grau que raiou pela revolução.
O objetivo de Keynes, ao defender a intervenção do Estado na economia não é,
de modo algum, destruir o sistema capitalista de produção. Muito pelo contrário,
segundo o autor, o capitalismo é o sistema mais eficiente que a humanidade já conheceu
(incluindo aí o socialismo). O objetivo é o aperfeiçoamento do sistema, de modo que se
una o altruísmo social (através do Estado) com os instintos do ganho individual (através
da livre iniciativa privada). Segundo o autor, a intervenção estatal na economia é
necessária porque essa união não ocorre por vias naturais, graças a problemas do livre
mercado (desproporcionalidade entre a poupança e o investimento e o "Estado de
Ânimo" ou, como se diz no Brasil, o "Espírito Animal", dos empresários).
Como um homem prático e intuitivo, Keynes também tem sua curiosidade
intelectual aguçada pelos eventos econômicos da época. Na década de 20, a economia
inglesa atravessa sucessivas crises que culminam na grande Depressão dos anos 30. Em
1932, por exemplo, se observa desemprego em massa nas principais economias
capitalistas. Nessa mesma data, a produção industrial americana correspondia a 58%, a
alemã a 65% e a inglesa a 90% da verificada em 1913.
Diante dessa realidade, Keynes intuitivamente começa a se afastar da ortodoxia
como representada pela “Lei de Say”. De acordo com essa “Lei”, não poderia ocorrer
“escassez de poder de compra” no sistema econômico, primeiramente porque o processo
de produção capitalista é também o de geração de renda (salário, lucros, aluguéis etc.) e,
9

portanto, de criação da fonte de financiamento da demanda; e, segundo, porque dada a
existência dos mecanismos automáticos dos mercados livres, os movimentos corretivos
e espontâneos de salários, preços e juros garantiriam que os níveis de demanda não
ficassem permanentemente aquém dos níveis de produção de pleno emprego.
Da crítica à “Lei de Say” Keynes caminha em busca de uma explicação analítica
para o desemprego e tenta dar fundamento teórico às sugestões de intervenção estatal
como geradora de demanda para garantir níveis elevados do emprego. É importante
notar que inúmeros economistas de orientação ortodoxa também advogaram gastos
públicos para combater o desemprego, a exemplo de Pigou e Robertson. A crítica de
Keynes se concentra na inconsistência entre os fundamentos teóricos desses autores, de
um lado, e suas recomendações práticas, de outro.
A sua primeira tentativa de superar a teoria clássica resulta na publicação de A
Treatise on Money em 1930. Infelizmente foi uma tentativa frustrada. Ainda que não
tenha encontrado uma explicação analítica para o problema do desemprego, nesse livro
Keynes reafirma seu prestígio profissional como conhecedor dos intrincados problemas
monetários da economia capitalista. Não faltaram críticas, também. Hayek e Robertson,
em particular, apontaram um grave equívoco no que Keynes pretendia ser à base do
livro. Este, seguindo as idéias de Robertson, pretendia explicar as flutuações de preço e
produção a partir dos desequilíbrios entre investimento e poupança.
Tanto Hayek quanto Robertson detectaram uma inconsistência entre a
explicação dessa relação e a equação escrita por Keynes no corpo do livro. Também os
discípulos de Keynes em Cambridge (Joan e Austin Robinson, Richard Kahn, James
Mead, Piero Sraffa e outros) anotaram várias críticas ao seu trabalho. A mais severa
dizia respeito ao fato de que Keynes havia desenvolvido uma teoria de flutuações de
nível geral de preços que pressupunha, a exemplo dos clássicos, a hipótese de produto
constante em nível de pleno emprego. Ou seja, não explicava o que se propunha
explicar: as flutuações de emprego e produção.
Essas avaliações críticas imediatamente induzem Keynes a tentar uma nova
explicação. Do trabalho que se segue entre 1930 e 1935, resulta a publicação da Teoria
Geral em 1936. De imediato se estabeleceu uma ampla controvérsia entre Keynes e seus
discípulos, de um lado, e Pigou, Hayek, Robertson, Hawtrey e outros, de outro. O
10

debate entre convertidos e não-convertidos também empolga imediatamente os
economistas do outro lado do Atlântico. Samuelson expressa com elegância o
significado da obra, naqueles negros dias de recessão: “Para o estudante moderno é
totalmente impossível entender o pleno efeito do que foi convenientemente denominado
‘A Revolução keynesiana’, sobre aqueles que, como nós, foram educados dentro da
tradição ortodoxa.
Teoria Clássica x Teoria keynesiana
Clássicos

Keynes

A crise só pode ser setorial

A crise pode ser generalizada

Pleno emprego é uma situação normal

Pleno emprego é uma situação especial

A produção (oferta) determina o emprego

A despesa (procura global) determina o

(lei dos mercados)

emprego e a produção.

Toda a poupança vai para o investimento

Não existe relação entre poupança e
Investimento

A taxa de juro determinava a poupança

O determinante da poupança é o
rendimento e não a taxa de juro.

O investimento era determinado pela taxa

O investimento é determinado pelos

de juro.

lucros esperados e pela taxa de juro

A moeda só tem função de troca

A moeda tem una função especulativa e a
sua procura depende da taxa de juro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômicoEvolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômico
André Dal Bello
 
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e ClássicaAs Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
economiadeuniversitario
 
Aula 48 senior, jevons e walras - a construção da ortodoxia econômica
Aula 48   senior, jevons e walras - a construção da ortodoxia econômicaAula 48   senior, jevons e walras - a construção da ortodoxia econômica
Aula 48 senior, jevons e walras - a construção da ortodoxia econômica
petecoslides
 
Breve historia do_pensamento_economico
Breve historia do_pensamento_economicoBreve historia do_pensamento_economico
Breve historia do_pensamento_economico
Vanessa Fenner
 
1. plano de curso história econômica ii. 1º sem.2015. eduardo carneiro
1. plano de curso   história econômica ii. 1º sem.2015. eduardo carneiro1. plano de curso   história econômica ii. 1º sem.2015. eduardo carneiro
1. plano de curso história econômica ii. 1º sem.2015. eduardo carneiro
Eduardo Carneiro
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
Daniele Rubim
 
Apresentação Estado, Governo e Mercado
Apresentação Estado, Governo e MercadoApresentação Estado, Governo e Mercado
Apresentação Estado, Governo e Mercado
Vilsione Serra
 

Mais procurados (20)

Evolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômicoEvolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômico
 
História do pensamento econômico da escola clássica, marxista, neoclássica e ...
História do pensamento econômico da escola clássica, marxista, neoclássica e ...História do pensamento econômico da escola clássica, marxista, neoclássica e ...
História do pensamento econômico da escola clássica, marxista, neoclássica e ...
 
A Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento EconômicoA Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento Econômico
 
Epe hunt cap10
Epe hunt cap10Epe hunt cap10
Epe hunt cap10
 
02 Economia - Pensamento Econômico
02 Economia - Pensamento Econômico02 Economia - Pensamento Econômico
02 Economia - Pensamento Econômico
 
A importância da história para a formação do economista
A importância da história para a formação do economistaA importância da história para a formação do economista
A importância da história para a formação do economista
 
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e ClássicaAs Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
As Escolas: Mercantilista, Fisiocrata e Clássica
 
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atual
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise AtualAs Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atual
As Principais Escolas Da Econimia E A Crise Atual
 
introdução à história econômica para economistas
  introdução à história econômica para economistas  introdução à história econômica para economistas
introdução à história econômica para economistas
 
Trabalho de economia (1)
Trabalho de economia (1)Trabalho de economia (1)
Trabalho de economia (1)
 
7ª aula 09 04-2010
7ª aula 09 04-20107ª aula 09 04-2010
7ª aula 09 04-2010
 
Introdução à história econômica para economistas (Parte 2)
Introdução à história econômica para economistas (Parte 2)Introdução à história econômica para economistas (Parte 2)
Introdução à história econômica para economistas (Parte 2)
 
Epe hunt cap 8
Epe hunt cap 8Epe hunt cap 8
Epe hunt cap 8
 
Marshall (1996) principios de economia, vol 1
Marshall (1996) principios de economia, vol 1Marshall (1996) principios de economia, vol 1
Marshall (1996) principios de economia, vol 1
 
Aula 48 senior, jevons e walras - a construção da ortodoxia econômica
Aula 48   senior, jevons e walras - a construção da ortodoxia econômicaAula 48   senior, jevons e walras - a construção da ortodoxia econômica
Aula 48 senior, jevons e walras - a construção da ortodoxia econômica
 
Foucault, Michel Nascimento da Biopolítica
Foucault, Michel   Nascimento da BiopolíticaFoucault, Michel   Nascimento da Biopolítica
Foucault, Michel Nascimento da Biopolítica
 
Breve historia do_pensamento_economico
Breve historia do_pensamento_economicoBreve historia do_pensamento_economico
Breve historia do_pensamento_economico
 
1. plano de curso história econômica ii. 1º sem.2015. eduardo carneiro
1. plano de curso   história econômica ii. 1º sem.2015. eduardo carneiro1. plano de curso   história econômica ii. 1º sem.2015. eduardo carneiro
1. plano de curso história econômica ii. 1º sem.2015. eduardo carneiro
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
 
Apresentação Estado, Governo e Mercado
Apresentação Estado, Governo e MercadoApresentação Estado, Governo e Mercado
Apresentação Estado, Governo e Mercado
 

Destaque

Aula 42 karl marx e a mercadoria
Aula 42    karl marx e a mercadoriaAula 42    karl marx e a mercadoria
Aula 42 karl marx e a mercadoria
petecoslides
 
Economia política do bem público
Economia política do bem públicoEconomia política do bem público
Economia política do bem público
José Mota
 
1. antónio alvarenga sustentabilidade politica_economia_iscte_6dezembro_aa_s
1. antónio alvarenga sustentabilidade politica_economia_iscte_6dezembro_aa_s1. antónio alvarenga sustentabilidade politica_economia_iscte_6dezembro_aa_s
1. antónio alvarenga sustentabilidade politica_economia_iscte_6dezembro_aa_s
António Alvarenga
 
SITUAÇÃO DO BRASIL NA POLITICA E NA ECONOMIA
 SITUAÇÃO DO BRASIL NA POLITICA E NA ECONOMIA SITUAÇÃO DO BRASIL NA POLITICA E NA ECONOMIA
SITUAÇÃO DO BRASIL NA POLITICA E NA ECONOMIA
faf29
 
A economia política do governo lula
A economia política do governo lulaA economia política do governo lula
A economia política do governo lula
Gisele Spinosa
 
Economia politica
Economia politicaEconomia politica
Economia politica
Pablo Kuhn
 
MERCOSUL (MERCADO COMUM DO SUL)
MERCOSUL (MERCADO COMUM DO SUL)MERCOSUL (MERCADO COMUM DO SUL)
MERCOSUL (MERCADO COMUM DO SUL)
jessicasantiagosoares
 
Aula 56 economia política da proteção internacional
Aula 56   economia política da proteção internacionalAula 56   economia política da proteção internacional
Aula 56 economia política da proteção internacional
petecoslides
 

Destaque (20)

Aula 42 karl marx e a mercadoria
Aula 42    karl marx e a mercadoriaAula 42    karl marx e a mercadoria
Aula 42 karl marx e a mercadoria
 
Economia politica
Economia politicaEconomia politica
Economia politica
 
Economia politica ii
Economia politica iiEconomia politica ii
Economia politica ii
 
Economia política do bem público
Economia política do bem públicoEconomia política do bem público
Economia política do bem público
 
1. antónio alvarenga sustentabilidade politica_economia_iscte_6dezembro_aa_s
1. antónio alvarenga sustentabilidade politica_economia_iscte_6dezembro_aa_s1. antónio alvarenga sustentabilidade politica_economia_iscte_6dezembro_aa_s
1. antónio alvarenga sustentabilidade politica_economia_iscte_6dezembro_aa_s
 
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)
Curso de Economia Politica I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT, 2011/12)
 
Economia Política da Corrupção Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, 2009
Economia Política da Corrupção Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, 2009Economia Política da Corrupção Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, 2009
Economia Política da Corrupção Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, 2009
 
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...
Lições de Economia Política I, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ULHT 2011/20...
 
SITUAÇÃO DO BRASIL NA POLITICA E NA ECONOMIA
 SITUAÇÃO DO BRASIL NA POLITICA E NA ECONOMIA SITUAÇÃO DO BRASIL NA POLITICA E NA ECONOMIA
SITUAÇÃO DO BRASIL NA POLITICA E NA ECONOMIA
 
A economia política do governo lula
A economia política do governo lulaA economia política do governo lula
A economia política do governo lula
 
Escola Austríaca – do ponto de vista de Martín Krause – vídeo na Internet
Escola Austríaca – do ponto de vista de Martín Krause – vídeo na InternetEscola Austríaca – do ponto de vista de Martín Krause – vídeo na Internet
Escola Austríaca – do ponto de vista de Martín Krause – vídeo na Internet
 
Mercosul
MercosulMercosul
Mercosul
 
Mercosul
MercosulMercosul
Mercosul
 
Economia politica
Economia politicaEconomia politica
Economia politica
 
MERCOSUL (MERCADO COMUM DO SUL)
MERCOSUL (MERCADO COMUM DO SUL)MERCOSUL (MERCADO COMUM DO SUL)
MERCOSUL (MERCADO COMUM DO SUL)
 
Aula 6 - Conceitos Econômicos
Aula 6 - Conceitos EconômicosAula 6 - Conceitos Econômicos
Aula 6 - Conceitos Econômicos
 
Economia politica 1
Economia politica 1Economia politica 1
Economia politica 1
 
Economia politica
Economia politicaEconomia politica
Economia politica
 
Aula 56 economia política da proteção internacional
Aula 56   economia política da proteção internacionalAula 56   economia política da proteção internacional
Aula 56 economia política da proteção internacional
 
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...
Economia Política, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos, Curso de Direito, 1º ano...
 

Semelhante a Economia politica 2

Fundamentos de econômia
Fundamentos de econômiaFundamentos de econômia
Fundamentos de econômia
Dayane Dias
 
Aula liberalismo
Aula liberalismoAula liberalismo
Aula liberalismo
Over Lane
 
Sem nome economia
Sem nome economiaSem nome economia
Sem nome economia
holinaldo
 
Resumo Capitalismo
Resumo CapitalismoResumo Capitalismo
Resumo Capitalismo
CADUCOCMED
 
Aula 5 AZ - Capitalismo e Nova Ordem
Aula 5 AZ - Capitalismo e Nova OrdemAula 5 AZ - Capitalismo e Nova Ordem
Aula 5 AZ - Capitalismo e Nova Ordem
CADUCOC1
 
Aula 1 terceiro ano
Aula 1 terceiro anoAula 1 terceiro ano
Aula 1 terceiro ano
CADUCOC
 
As três fontes _Lenin
As três fontes _LeninAs três fontes _Lenin
As três fontes _Lenin
ujcpe
 

Semelhante a Economia politica 2 (20)

Fundamentos de econômia
Fundamentos de econômiaFundamentos de econômia
Fundamentos de econômia
 
Ec 2 adm_a01
Ec 2 adm_a01Ec 2 adm_a01
Ec 2 adm_a01
 
Aula liberalismo
Aula liberalismoAula liberalismo
Aula liberalismo
 
A ciência e os avanços do conhecimento em economia
A ciência e os avanços do conhecimento em economiaA ciência e os avanços do conhecimento em economia
A ciência e os avanços do conhecimento em economia
 
( Espiritismo) # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
( Espiritismo)   # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo( Espiritismo)   # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
( Espiritismo) # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
 
( Espiritismo) # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
( Espiritismo)   # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo( Espiritismo)   # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
( Espiritismo) # - ademar a c reis - neoliberalismo x espiritismo
 
Teorias sociais do século xix
Teorias  sociais do século xixTeorias  sociais do século xix
Teorias sociais do século xix
 
Karlmarx
KarlmarxKarlmarx
Karlmarx
 
Sem nome economia
Sem nome economiaSem nome economia
Sem nome economia
 
Resumo Capitalismo
Resumo CapitalismoResumo Capitalismo
Resumo Capitalismo
 
John keynes
John keynesJohn keynes
John keynes
 
Aula 5 AZ - Capitalismo e Nova Ordem
Aula 5 AZ - Capitalismo e Nova OrdemAula 5 AZ - Capitalismo e Nova Ordem
Aula 5 AZ - Capitalismo e Nova Ordem
 
Aula 1 terceiro ano
Aula 1 terceiro anoAula 1 terceiro ano
Aula 1 terceiro ano
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
As três fontes _Lenin
As três fontes _LeninAs três fontes _Lenin
As três fontes _Lenin
 
Capitalismo, Comunismo, Socialismo, Marxismo, Anarquismo e Liberismo
Capitalismo, Comunismo, Socialismo, Marxismo, Anarquismo e LiberismoCapitalismo, Comunismo, Socialismo, Marxismo, Anarquismo e Liberismo
Capitalismo, Comunismo, Socialismo, Marxismo, Anarquismo e Liberismo
 
Karl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistasKarl max e as teorias socialistas
Karl max e as teorias socialistas
 
Teorias econc3b4micas
Teorias econc3b4micasTeorias econc3b4micas
Teorias econc3b4micas
 
Texto de apoio: Capitalismo
Texto de apoio: CapitalismoTexto de apoio: Capitalismo
Texto de apoio: Capitalismo
 

Economia politica 2

  • 1. FACULDADE DE CASTANHAL - FCAT CURSO DE DIREITO DISCIPLINA: ECONOMIA POLÍTICA PROFESSOR: NAIRO RILDO DOS SANTOS APOSTILA II MÓDULO 4: CRÍTICAS KEYNES À ECONOMIA POLÍTICA CLÁSSICA: MARX E O pensamento econômico clássico opõe-se aos fisiocratas franceses, na medida em que preconizavam que não apenas a agricultura era produtora de excedentes e de valor, mas também a indústria criaria valor. A economia clássica é pautada pelo individualismo, liberdade pessoal, tanto econômica quanto política, e crença no comportamento racional dos agentes econômicos. Defendiam a propriedade privada, a iniciativa individual e o controle individual da empresa. Estes seriam princípios básicos capazes de harmonizar interesses individuais e coletivos e gerar o progresso social. O Estado, tal qual na teoria fisiocrata, deveria atuar somente na defesa, na justiça e na manutenção de algumas obras públicas, sem intervir significativamente na atividade econômica nem no funcionamento do mercado. Mantém-se aqui a visão de um mundo regido por leis naturais e harmônicas, que se refletia na economia, a qual deveria ser deixada livre de intervenções, a fim de chegar a um equilíbrio que proporcionaria o bem-estar de todos. O pensamento clássico surge em meio à revolução industrial, onde a economia apresenta um avanço significativo de produtividade, refletindo-se numa mudança na estrutura política e social do mundo. Há um crescimento estrondoso da urbanização, um amplo êxodo rural, a consolidação dos Estados nacionais e da democracia representativa como sistema político. A partir da contribuição dos economistas clássicos, a economia passa a formar um corpo teórico próprio e a desenvolver um instrumental de análise específico para as questões econômicas. Busca-se, sobretudo encontrar leis gerais e regularidades no comportamento econômico, e o interesse primordial passa a ser a análise abstrata das relações
  • 2. 2 econômicas. Não mais são priorizados os pressupostos morais e as conseqüências sociais das atividades econômicas, como antes. Os clássicos acreditam que o valor dos bens é determinado pela quantidade de trabalho neles incorporada, e assim, o elemento crucial para a determinação dos preços seria o custo de produção. A análise é centrada, portanto, na oferta. A grande preocupação destes primeiros economistas é a determinação das causas do desenvolvimento da riqueza. É preciso ter em mente que o liberalismo econômico característico da escola clássica se manteve muito mais no plano da retórica, pois na prática houve muito dirigismo estatal na sociedade capitalista desde o seu surgimento. A economia política clássica pressupõe uma (ou diversas) ontologia(s) do ser social. As concepções de natureza humanas presentes no empirismo naturalista dos fisiocratas, nos moralistas escoceses (Hume e Smith), no utilitarismo de John Stuart Mill, projetam suas sombras nas respectivas teorias do valor e do capital. A teoria do valor trabalho, em particular, foi uma herdeira direta do jusnaturalismo, capaz de atravessar o pragmatismo da teoria ricardiana dos custos de produção e se projetar até Marx. Em suma, os principais sistemas econômicos clássicos pressupõem concepções filosóficas do homem e da sociedade econômica. Os economistas clássicos estão preocupados, fundamentalmente, com as “leis de movimento”, descritas por meio das relações entres grandes agregados e categorias econômicas, como lucros, salários, renda da terra. Não se trata de uma simples coincidência Smith, Ricardo e Marx terem-se preocupado com a tendência declinante da taxa de lucro, assim como não é ocasional a inserção da dinâmica da renda da terra no centro da teoria ricardiana dos lucros. A preocupação com as leis de movimento transforma as principais teorias clássicas em grandiosas macrodinâmicas. Por sua vez, existe relação entre as macrodinâmicas clássicas e a idéia de que a sociedade capitalista pode ser descrita por uma estrutura básica de classes sociais economicamente definidas, uma visão codificada por Adam Smith. A noção de classes sociais (grupos sociais definidos pela posição econômica dos indivíduos) é indissociável da economia política clássica.
  • 3. 3 Os economistas clássicos têm como horizonte a acumulação do capital. Isso significa que não é a utilidade, a demanda ou as preferências dos consumidores o ponto de referência da teoria econômica. Mais ainda, embora ter como horizonte a acumulação não leve a uma rejeição à micro-racionalidade, implica a adoção de uma microracionalidade própria, compatível com as concepções de acumulação e classes sociais adotadas pelas teorias. A micro-racionalidade clássica é bastante distinta da que viria a caracterizar a economia neoclássica. 4.1 CRÍTICAS À ECONOMIA POLÍTICA CLÁSSICA: MARX O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho e de vida, com salários de subsistência, sem direitos políticos nem sociais, em condições de miséria e abandono. Deste contexto histórico surge a necessidade de despertar a consciência da sociedade para a situação econômica das classes desfavorecidas. Os socialistas rejeitam a idéia de livre mercado e de harmonia de interesses entre as diferentes classes sociais. Não acreditam que a busca egoísta e desenfreada dos indivíduos pelos seus próprios interesses levará a sociedade à maximização de seu bemestar. O grande teórico desta corrente de pensamento econômico é Karl Marx (18181883). Tal como Stuart Mill, Marx se preocupa com as conseqüências sociais da industrialização e do desenvolvimento capitalista. O objetivo de Marx era descobrir a estrutura e o funcionamento da economia capitalista e suas leis de movimento. Seu objetivo era demonstrar que o capitalismo explorava a classe trabalhadora, e como essa exploração conduziria necessariamente à destruição desse sistema econômico. Assim como Smith e Ricardo, Marx também acreditava no trabalho como determinante do valor, e que a origem da riqueza estava no trabalho humano produtivo. A apropriação do excedente econômico produtivo era a origem da acumulação de capital e riqueza. O excedente econômico no capitalismo surge do fato do capitalista pagar ao trabalhador uma quantidade igual ao valor de sua força de trabalho (insumos necessários
  • 4. 4 à subsistência e reprodução do trabalhador), mas esse pagamento equivale somente a uma parte daquilo que o trabalhador produz para o capitalista em sua jornada de trabalho. O valor das mercadorias produzidas pelos trabalhadores em um dado período de tempo é superior ao valor da força de trabalho vendida aos capitalistas que a contratam. A diferença destes valores é a chamada mais-valia – o valor que excede o valor da força de trabalho e que é apropriado pelos capitalistas. Seria esta, para Marx, a origem dos lucros, juros e aluguéis neste sistema econômico. Isto ocorre porque os trabalhadores só possuem sua força de trabalho para vender, não possuindo outra fonte de renda alternativa, sendo obrigados a aceitar as condições impostas pelos capitalistas, detentores não apenas dos meios de produção, mas também dos meios de subsistência. A propriedade privada dos meios de produção seria então a chave para compreender a exploração no capitalismo. Para Marx a economia política clássica teria nascido com as obras do inglês Petty e do francês Boisguillebert e teria sua conclusão-realização com as obras do inglês Ricardo e do "francês" Sismondi. Cento e cinqüenta anos de história — da consolidação da revolução burguesa na Inglaterra à Revolução Industrial, passando pela Revolução Francesa. A crítica de Marx à elisão da história nos diversos sistemas econômicos e filosóficos passa por ao menos duas dimensões. Por um lado, Marx pretendia criticar a
  • 5. 5 “naturalização” das categorias econômicas, efetuada pelos economistas. Para ele, a concepção de natureza humana da economia política, a despeito de sua atemporalidade e aspiração à generalidade, representaria nada mais do que uma condensação da visão de mundo burguesa, historicamente datada. A elisão das relações sociais burguesas provocaria uma mistificação das categorias econômicas, em particular da noção de capital. Marx entende que o capital é uma relação social historicamente determinada, e não um simples instrumento ou meio de produção. A diferença fundamental entre o arco e flecha do selvagem primitivo e o equipamento industrial moderno reside em ser este último fruto do trabalho assalariado. Em contraposição aos clássicos, Marx afirmava que erraram ao afirmar que a estabilidade e o crescimento econômico seria efeito da atuação da ordem natural. E explica, dizendo que “as forças que criaram essa ordem procuram estabilizá-la, sufocando o crescimento de novas forças que ameaçam solapá-la, até que essas novas forças finalmente se afirmem e realizem suas aspirações”. 4.2 CRÍTICAS À ECONOMIA POLÍTICA CLÁSSICA: KEYNES John Maynard Keynes, Primeiro Barão de Keynes (1946), foi um economista britânico. Suas idéias inovadoras chocaram-se com as doutrinas econômicas vigentes em sua época, além de ter enorme impacto sobre a teoria política e a política fiscal de muitos governos. Foi um dos mais influentes economistas do século XX. Keynes defendeu o papel regulatório do Estado na economia, através de medidas de política monetária e fiscal, para mitigar os efeitos adversos dos ciclos econômicos recessão, depressão e booms econômicos. Keynes é considerado um dos pais da moderna teoria macroeconômica.
  • 6. 6 Segundo este pensador, um dos principais fatores responsáveis pelo nível de emprego é explicado pelo nível de produção nacional de uma economia, o qual seria determinado pela demanda agregada. Keynes vai assim refutar a teoria de um dos pensadores clássicos consagrados, Jean Baptiste Say, que acreditava que a oferta cria sua própria procura, onde o aumento da produção se transformaria em renda de trabalhadores e empresários, a qual seria gasta na compra de outras mercadorias e serviços. Para Keynes, a oferta é determinada pela demanda e não o contrário. Para Keynes, os principais determinantes da renda e do emprego são os gastos com consumo e investimento, sendo o gasto público uma importante variável componente do gasto total. Para cada nível de renda, o gasto em consumo é uma proporção dada da renda, proporção esta que cai quando a renda aumenta. O nível de consumo varia então com a renda. E a renda varia porque o investimento ou o gasto público varia. O gasto com investimento seria por sua vez determinado pela taxa de juros e pela taxa de retorno esperada sobre o custo dos novos investimentos (a que Keynes chamava eficiência marginal do capital). Keynes acaba mostrando que não existem forças de auto-ajustamento da economia, sendo necessária a intervenção governamental através de uma política de gastos públicos para garantir melhores níveis de emprego, colocando em xeque o princípio do laissez-faire, consagrado pelo pensamento econômico clássico e neoclássico. Isto porque quando os gastos com consumo e investimento são insuficientes para manter o pleno emprego, o Estado deve estar disposto a aumentar o fluxo de renda por meio de gastos financeiros. A teoria de Keynes influenciou sobremaneira a política econômica dos países capitalistas no período pós-guerra e estas políticas mostraram-se eficientes a ponto de se
  • 7. 7 considerar este período os “anos dourados” do capitalismo, que se encerra com a crise do sistema monetário no início da década de 1970. O impacto da Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda nos meios acadêmicos e na formulação de políticas públicas excedeu o que normalmente seria esperado, até mesmo de pensadores tão destacados como John Maynard Keynes. A razão para seu extraordinário sucesso, frente à defesa de longo tempo da "doutrina herdada" e à recepção geralmente negativa nos círculos não-acadêmicos na época de sua publicação, em 1936, é que a obra tinha alguma coisa para todos. Ter-se-ia que volver ao tempo de Adam Smith para encontrar um grau comparável de persuasão com respeito a política pública; ter-se-ia que volver a David Ricardo para a espécie de análise rigorosa que inspira o pensador dedutivo; e a Karl Marx para alguém que atraísse seguidores capazes e suficientemente zelosos a fim de levar sua mensagem ao mundo. Parece que a hereditariedade havia destinado a Keynes a fazer uma valiosa contribuição para o mundo. 4.2.1 Keynes e política econômica J. M. Keynes discordou da lei de Say (que Keynes resumiu como : "a oferta cria sua própria demanda"). Assim como Thomas Malthus, não acreditava que a produção de mercadorias gerariam, sempre e obrigatoriamente, demanda suficiente para outras mercadorias. Poderiam ocorrer crises de superprodução, como ocorreu na década de 1930. Para ele o livre mercado pode, durante os períodos recessivos, não gerar demanda bastante para garantir o pleno emprego dos fatores de produção devido ao "entesouramento" das poupanças. Nessa ocasião seria aconselhável que o Estado criasse déficits fiscais para aumentar a demanda efetiva e instituir uma situação de pleno emprego. A teoria dos ciclos comerciais seja ela monetária ou não em sua maneira de apreciar a questão, interessa-se primordialmente pelos problemas das rendas e empregos flutuantes; esses problemas preocuparam os economistas por muitos anos. Os estudos primitivos sobre os ciclos comerciais raramente empregaram muita evidência empírica, mas pelo menos nos Estados Unidos da América a macro análise existiu durante meio século. Keynes fez a ênfase recair inteiramente sobre os níveis de renda, que segundo
  • 8. 8 ele, afetavam os níveis de emprego, o que constitui, naturalmente, uma ênfase diferente da encontrada nos estudos anteriores. É provavelmente verídico que toda a economia keynesiana tenha-se destinado a encontrar as causas e curas para o desemprego periódico. Keynes não encontrou solução alguma para o problema em quaisquer trabalhos sobre Economia Política então existentes, sendo os seus esforços, portanto, grandemente exploratórios. Desviou-se claramente da maioria das teorias econômicas anteriores, até mesmo da de seu professor, Alfred Marshall, a qual era considerada pela maior parte dos eruditos, quase sacrossanta. É verdade que muitas de suas idéias combinaram com as dos economistas anteriores, como Lauderdale, Malthus, Rae, Sismondi, Say, Quesnay e outros. Keynes combinou suas próprias teorias e os desenvolvimentos anteriores em uma análise que ocasionou transformações na Economia aceita em grau que raiou pela revolução. O objetivo de Keynes, ao defender a intervenção do Estado na economia não é, de modo algum, destruir o sistema capitalista de produção. Muito pelo contrário, segundo o autor, o capitalismo é o sistema mais eficiente que a humanidade já conheceu (incluindo aí o socialismo). O objetivo é o aperfeiçoamento do sistema, de modo que se una o altruísmo social (através do Estado) com os instintos do ganho individual (através da livre iniciativa privada). Segundo o autor, a intervenção estatal na economia é necessária porque essa união não ocorre por vias naturais, graças a problemas do livre mercado (desproporcionalidade entre a poupança e o investimento e o "Estado de Ânimo" ou, como se diz no Brasil, o "Espírito Animal", dos empresários). Como um homem prático e intuitivo, Keynes também tem sua curiosidade intelectual aguçada pelos eventos econômicos da época. Na década de 20, a economia inglesa atravessa sucessivas crises que culminam na grande Depressão dos anos 30. Em 1932, por exemplo, se observa desemprego em massa nas principais economias capitalistas. Nessa mesma data, a produção industrial americana correspondia a 58%, a alemã a 65% e a inglesa a 90% da verificada em 1913. Diante dessa realidade, Keynes intuitivamente começa a se afastar da ortodoxia como representada pela “Lei de Say”. De acordo com essa “Lei”, não poderia ocorrer “escassez de poder de compra” no sistema econômico, primeiramente porque o processo de produção capitalista é também o de geração de renda (salário, lucros, aluguéis etc.) e,
  • 9. 9 portanto, de criação da fonte de financiamento da demanda; e, segundo, porque dada a existência dos mecanismos automáticos dos mercados livres, os movimentos corretivos e espontâneos de salários, preços e juros garantiriam que os níveis de demanda não ficassem permanentemente aquém dos níveis de produção de pleno emprego. Da crítica à “Lei de Say” Keynes caminha em busca de uma explicação analítica para o desemprego e tenta dar fundamento teórico às sugestões de intervenção estatal como geradora de demanda para garantir níveis elevados do emprego. É importante notar que inúmeros economistas de orientação ortodoxa também advogaram gastos públicos para combater o desemprego, a exemplo de Pigou e Robertson. A crítica de Keynes se concentra na inconsistência entre os fundamentos teóricos desses autores, de um lado, e suas recomendações práticas, de outro. A sua primeira tentativa de superar a teoria clássica resulta na publicação de A Treatise on Money em 1930. Infelizmente foi uma tentativa frustrada. Ainda que não tenha encontrado uma explicação analítica para o problema do desemprego, nesse livro Keynes reafirma seu prestígio profissional como conhecedor dos intrincados problemas monetários da economia capitalista. Não faltaram críticas, também. Hayek e Robertson, em particular, apontaram um grave equívoco no que Keynes pretendia ser à base do livro. Este, seguindo as idéias de Robertson, pretendia explicar as flutuações de preço e produção a partir dos desequilíbrios entre investimento e poupança. Tanto Hayek quanto Robertson detectaram uma inconsistência entre a explicação dessa relação e a equação escrita por Keynes no corpo do livro. Também os discípulos de Keynes em Cambridge (Joan e Austin Robinson, Richard Kahn, James Mead, Piero Sraffa e outros) anotaram várias críticas ao seu trabalho. A mais severa dizia respeito ao fato de que Keynes havia desenvolvido uma teoria de flutuações de nível geral de preços que pressupunha, a exemplo dos clássicos, a hipótese de produto constante em nível de pleno emprego. Ou seja, não explicava o que se propunha explicar: as flutuações de emprego e produção. Essas avaliações críticas imediatamente induzem Keynes a tentar uma nova explicação. Do trabalho que se segue entre 1930 e 1935, resulta a publicação da Teoria Geral em 1936. De imediato se estabeleceu uma ampla controvérsia entre Keynes e seus discípulos, de um lado, e Pigou, Hayek, Robertson, Hawtrey e outros, de outro. O
  • 10. 10 debate entre convertidos e não-convertidos também empolga imediatamente os economistas do outro lado do Atlântico. Samuelson expressa com elegância o significado da obra, naqueles negros dias de recessão: “Para o estudante moderno é totalmente impossível entender o pleno efeito do que foi convenientemente denominado ‘A Revolução keynesiana’, sobre aqueles que, como nós, foram educados dentro da tradição ortodoxa. Teoria Clássica x Teoria keynesiana Clássicos Keynes A crise só pode ser setorial A crise pode ser generalizada Pleno emprego é uma situação normal Pleno emprego é uma situação especial A produção (oferta) determina o emprego A despesa (procura global) determina o (lei dos mercados) emprego e a produção. Toda a poupança vai para o investimento Não existe relação entre poupança e Investimento A taxa de juro determinava a poupança O determinante da poupança é o rendimento e não a taxa de juro. O investimento era determinado pela taxa O investimento é determinado pelos de juro. lucros esperados e pela taxa de juro A moeda só tem função de troca A moeda tem una função especulativa e a sua procura depende da taxa de juro