Economia política

1.313 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.313
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Economia política

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ECONOMIA POLÍTICA Weslley H. Cruz Mauricio Reis Junior Mariane Braga Thalisson Rodrigues Bianka Vieira
  2. 2. Introdução: o Economia política é a ciência social que trata das leis governamentais de produção, circulação e consumo das riquezas. o Tal ciência se sobressai na sociedade por evidenciar problemas econômicos decorrente das relações do homem em sociedade. o No final do século XIX o termo Economia Política, foi sendo substituído apenas por Economia, sendo apenas restrito o antigo termo ao pensamento Marxista.
  3. 3. Princípio do Excedente (Abordagem clássica) o O excedente é determinado pelas condições técnicas de produção e que produz além do consumo de subsistência. Esse excedente é apropriado e dividido pelos diversos grupos sociais. Capitalismo
  4. 4. o A Economia Política tem como foco principal, dentro do sistema capitalista, criar um mecanismo que garante a apropriação e a forma de divisão desse produto que excede o consumo socialmente necessário entre os membros da sociedade. o A competição age distribuindo o excedente entre vários tipos de renda, por meio do sistema de preços
  5. 5. o Todas as sociedades modernas utilizam sistema de preços. Eles motivam os consumidores e produtores a tomar decisões, ou seja, comprar o que não é necessário para sobreviver. o O governo regulamenta e controla o sistema de preços, não permitindo que fique totalmente fixo e nem totalmente livre.
  6. 6. Princípio da Substituição (a base do marginalismo ou teoria neoclássica) o Na teoria neoclássica o mercado promove a alocação ótima dos recursos escassos, satisfazendo os desejos e necessidades dos agentes econômicos. o O processo de alocação de recursos em condições competitivas é feito pelo princípio da substituição. Esse princípio age de duas formas, na produção e no consumo.
  7. 7. o Na produção conhecida como substituição direta ou tecnológica, a queda do preço de um fator induz o produtor a utilizar métodos de produção mais intensivos nesse fator o O aumento do preço de um fator induz o produtor a utilizar métodos de produção menos intensivos nesse fator. o No consumo, conhecida como substituição direta, mesmo sem mudar os métodos de produção, se o preço de um fator “mais intensivo” aumentar, leva os consumidores a consumirem menos desse produto.
  8. 8. o Esse princípio mostra que sempre algo mais caro será substituído pelo substituto mais próximo com preço menor. o Vale lembrar que de acordo com a crítica de Sraffa, a teoria marginalista é uma teoria especial, totalmente restritiva, não válida em condições gerais. Piero Sraffa
  9. 9. Princípio da demanda efetiva (Keynesianismo) o Keynes argumentava que o fato que determina os níveis de emprego é a demanda efetiva, se as pessoas forem demitidas, as pessoas consomem menos, poupariam mais e consequentemente a demanda cai. John M. Keynes
  10. 10. o Essa retração aconteceria automaticamente, as fábricas fechariam e as empresas seriam forçadas a diminuir o preço para poder vender, consequentemente quebrariam. Foi o que aconteceu com a Grande Depressão (crash da bolsa de Nova York).
  11. 11. o Keynes reconheceu que decisões econômicas são impulsivas e movidas por acontecimentos, incertas e condicionais. o A solução para Keynes era a intervenção estatal com medidas econômicas e políticas para a garantia do pleno emprego, alcançado com o equilíbrio da demanda e a capacidade de produção. A ideia serviu de base para a formulação de políticas econômicas como o New Deal nos Estados Unidos pelo Presidente Roosevelt. Presidente Roosevelt
  12. 12. BIBLIOGRAFIA: SERRANO, Freitas; MEDEIROS, O Desenvolvimento Econômico e a Retomada da Abordagem Clássica do Excedente. Revista de Economia Política, Rio de Janeiro. v. 24, n. 2, 2004. DAUDT, Gabriel. A Crítica Sraffiana à Teoria Neoclássica no Âmbito do Equilíbrio Geral de Longo Prazo [Monografia]. Rio de Janeiro: UFRJ; 2010. FURTADO, Celso. Prefácio a Nova Economia Política [Internet]. Disponível em: endereço eletrônico (URL) http://andreboelter.blogspot.com.br/2012/03/furtado-celso-prefacio-novaeconomia.html - acesso em 14/02/14 BRANCO, Renata. Em Economia, o que é Sistema de Preços [Internet] Disponível em: endereço eletrônico (URL) http://www.manutencaoesuprimentos.com.br/conteudo/6983-em-economia-oque-e-sistema-de-precos/ - acesso em 16/02/14 Dadalto, Lucas; Gomes, Silvana. Keynes e o princípio da demanda efetiva. [Internet] Disponível em: endereço eletrônico (URL) http://ecopoliticauff.blogspot.com.br/2013/07/keynes-e-o-principio-dademanda-efetiva.html - acesso em 16/02/14

×