O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Economia política

1.411 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Economia política

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA ECONOMIA POLÍTICA Weslley H. Cruz Mauricio Reis Junior Mariane Braga Thalisson Rodrigues Bianka Vieira
  2. 2. Introdução: o Economia política é a ciência social que trata das leis governamentais de produção, circulação e consumo das riquezas. o Tal ciência se sobressai na sociedade por evidenciar problemas econômicos decorrente das relações do homem em sociedade. o No final do século XIX o termo Economia Política, foi sendo substituído apenas por Economia, sendo apenas restrito o antigo termo ao pensamento Marxista.
  3. 3. Princípio do Excedente (Abordagem clássica) o O excedente é determinado pelas condições técnicas de produção e que produz além do consumo de subsistência. Esse excedente é apropriado e dividido pelos diversos grupos sociais. Capitalismo
  4. 4. o A Economia Política tem como foco principal, dentro do sistema capitalista, criar um mecanismo que garante a apropriação e a forma de divisão desse produto que excede o consumo socialmente necessário entre os membros da sociedade. o A competição age distribuindo o excedente entre vários tipos de renda, por meio do sistema de preços
  5. 5. o Todas as sociedades modernas utilizam sistema de preços. Eles motivam os consumidores e produtores a tomar decisões, ou seja, comprar o que não é necessário para sobreviver. o O governo regulamenta e controla o sistema de preços, não permitindo que fique totalmente fixo e nem totalmente livre.
  6. 6. Princípio da Substituição (a base do marginalismo ou teoria neoclássica) o Na teoria neoclássica o mercado promove a alocação ótima dos recursos escassos, satisfazendo os desejos e necessidades dos agentes econômicos. o O processo de alocação de recursos em condições competitivas é feito pelo princípio da substituição. Esse princípio age de duas formas, na produção e no consumo.
  7. 7. o Na produção conhecida como substituição direta ou tecnológica, a queda do preço de um fator induz o produtor a utilizar métodos de produção mais intensivos nesse fator o O aumento do preço de um fator induz o produtor a utilizar métodos de produção menos intensivos nesse fator. o No consumo, conhecida como substituição direta, mesmo sem mudar os métodos de produção, se o preço de um fator “mais intensivo” aumentar, leva os consumidores a consumirem menos desse produto.
  8. 8. o Esse princípio mostra que sempre algo mais caro será substituído pelo substituto mais próximo com preço menor. o Vale lembrar que de acordo com a crítica de Sraffa, a teoria marginalista é uma teoria especial, totalmente restritiva, não válida em condições gerais. Piero Sraffa
  9. 9. Princípio da demanda efetiva (Keynesianismo) o Keynes argumentava que o fato que determina os níveis de emprego é a demanda efetiva, se as pessoas forem demitidas, as pessoas consomem menos, poupariam mais e consequentemente a demanda cai. John M. Keynes
  10. 10. o Essa retração aconteceria automaticamente, as fábricas fechariam e as empresas seriam forçadas a diminuir o preço para poder vender, consequentemente quebrariam. Foi o que aconteceu com a Grande Depressão (crash da bolsa de Nova York).
  11. 11. o Keynes reconheceu que decisões econômicas são impulsivas e movidas por acontecimentos, incertas e condicionais. o A solução para Keynes era a intervenção estatal com medidas econômicas e políticas para a garantia do pleno emprego, alcançado com o equilíbrio da demanda e a capacidade de produção. A ideia serviu de base para a formulação de políticas econômicas como o New Deal nos Estados Unidos pelo Presidente Roosevelt. Presidente Roosevelt
  12. 12. BIBLIOGRAFIA: SERRANO, Freitas; MEDEIROS, O Desenvolvimento Econômico e a Retomada da Abordagem Clássica do Excedente. Revista de Economia Política, Rio de Janeiro. v. 24, n. 2, 2004. DAUDT, Gabriel. A Crítica Sraffiana à Teoria Neoclássica no Âmbito do Equilíbrio Geral de Longo Prazo [Monografia]. Rio de Janeiro: UFRJ; 2010. FURTADO, Celso. Prefácio a Nova Economia Política [Internet]. Disponível em: endereço eletrônico (URL) http://andreboelter.blogspot.com.br/2012/03/furtado-celso-prefacio-novaeconomia.html - acesso em 14/02/14 BRANCO, Renata. Em Economia, o que é Sistema de Preços [Internet] Disponível em: endereço eletrônico (URL) http://www.manutencaoesuprimentos.com.br/conteudo/6983-em-economia-oque-e-sistema-de-precos/ - acesso em 16/02/14 Dadalto, Lucas; Gomes, Silvana. Keynes e o princípio da demanda efetiva. [Internet] Disponível em: endereço eletrônico (URL) http://ecopoliticauff.blogspot.com.br/2013/07/keynes-e-o-principio-dademanda-efetiva.html - acesso em 16/02/14

×