SlideShare uma empresa Scribd logo
MODELO
Perceber que
buscar a
santificação
pode ser difícil,
mas possível.
O nosso
compromisso
agora é com
Jesus
• 1 – O Cristão Está Isento da Lei – Rm 7:1-6
• 2 – O Cristão Reconhece o Valor da Lei – Rm 7:7-13
• 3 – O Cristão Sabe Que é Incapaz de Cumprir a Lei da
Santificação – Rm 7:14-25
DIVISÃO DA LIÇÃO
Segunda-Feira: ....................................................................Gálatas 3
Terça-Feira:.............................................................2 Coríntios 3:1-19
Quarta-Feira:........................................................1 Coríntios 10:1-13
Quinta-Feira:...........................................................Mateus 28:36-46
Sexta-Feira:................................................................Efésios 6:10-20
Sábado:.........................................................................1 João 2:3-17
Domingo:............................................................................Salmo 32
TEXTO BÁSICO
Romanos 7:1-23
• 1 Porventura, ignorais, irmãos (pois falo aos que conhecem a
lei), que a lei tem domínio sobre o homem toda a sua vida?
• 2 Ora, a mulher casada está ligada pela lei ao marido,
enquanto ele vive; mas, se o mesmo morrer, desobrigada
ficará da lei conjugal.
• 3 De sorte que será considerada adúltera se, vivendo ainda o
marido, unir-se com outro homem; porém, se morrer o
marido, estará livre da lei e não será adúltera se contrair
novas núpcias.
• 4 Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente
à lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerdes a outro,
a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de
que frutifiquemos para Deus.
• 5 Porque, quando vivíamos segundo a carne, as paixões
pecaminosas postas em realce pela lei operavam em nossos
membros, a fim de frutificarem para a morte.
• 6 Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para
aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em
novidade de espírito e não na caducidade da letra.
• 7 Que diremos, pois? É a lei pecado? De modo nenhum! Mas
eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da
lei; pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera:
Não cobiçarás.
• 8 Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento,
despertou em mim toda sorte de concupiscência; porque,
sem lei, está morto o pecado.
• 9 Outrora, sem a lei, eu vivia; mas, sobrevindo o preceito,
reviveu o pecado, e eu morri.
• 10 E o mandamento que me fora para vida, verifiquei que
este mesmo se me tornou para morte.
• 11 Porque o pecado, prevalecendo-se do mandamento, pelo
mesmo mandamento, me enganou e me matou.
• 12 Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo, e
justo, e bom.
• 13 Acaso o bom se me tornou em morte? De modo nenhum!
Pelo contrário, o pecado, para revelar-se como pecado, por
meio de uma coisa boa, causou-me a morte, a fim de que,
pelo mandamento, se mostrasse sobremaneira maligno.
• 14 Porque bem sabemos que a lei é espiritual; eu, todavia,
sou carnal, vendido à escravidão do pecado.
• 15 Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de
agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que detesto.
• 16 Ora, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é
boa.
• 17 Neste caso, quem faz isto já não sou eu, mas o pecado
que habita em mim.
• 18 Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não
habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não,
porém, o efetuá-lo.
• 19 Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não
quero, esse faço.
• 20 Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o
faz, e sim o pecado que habita em mim.
• 21 Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal
reside em mim.
• 22 Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei
de Deus;
• 23 mas vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando
contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do
pecado que está nos meus membros.
• 24 Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo
desta morte?
• 25 Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor. De maneira
que eu, de mim mesmo, com a mente, sou escravo da lei de
Deus, mas, segundo a carne, da lei do pecado.
INTRODUÇÃO
No desejo de buscar uma vida de santificação o cristão pode
tomar três caminhos perigosos.
1) Formalismo
Geral
Formalizar é descrever um processo, um objeto, um fenômeno,
uma fórmula, etc, de tal forma que qualquer pessoa (todas) da
área de conhecimento, independente da língua, etnia, religião,
política, sexo, etc, possa entender o que está sendo descrito sem
alguma dualidade de interpretação.
Religioso
O formalismo em religião significa uma ênfase no ritual e
observância, acima do seu significado.
Tem o devido conhecimento religioso, não peca, através da
prostituição e nem busca mais a idolatria, como na antiga
aliança: como Israel sempre fazia sempre distanciando do seu
DEUS, deixando esta pratica somente pós exilio, no novo
testamento não buscam mais esta pratica, porem tornaram-se
formalista com conhecimento porem sem poder, sem a
verdadeira comunhão, realizando cultos mecanizados isto é
padrão sem fugir do seu ritmo.
2) Legalismo
• Significa pôr as regras acima de Deus e das necessidades
humanas.
• A Bíblia diz em Mateus 12:9-12 “Partindo dali, entrou Jesus na
sinagoga deles.
• E eis que estava ali um homem que tinha uma das mãos
atrofiadas; e eles, para poderem acusar a Jesus, o
interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? (Claro que
eles queriam que Jesus dissesse ‘Sim’ para o poder prender).
• “E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que, tendo
uma só ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não há de
lançar mão dela, e tirá-la?
• Ora, quanto mais vale um homem do que uma ovelha!
Portanto, é lícito fazer bem nos sábados."
• O legalismo é uma forma de escravidão. A Bíblia diz em
Gálatas 4:8-9 “Outrora, quando não conhecíeis a Deus,
servíeis aos que por natureza não são deuses; agora, porém,
que já conheceis a Deus, ou, melhor, sendo conhecidos por
Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e
pobres, aos quais de novo quereis servir?”
• O legalismo é atrativo mas destrutivo. A Bíblia diz em
Colossenses 2:23 “As quais têm, na verdade, alguma
aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade
fingida, e severidade para com o corpo, mas não têm valor
algum no combate contra a satisfação da carne.”
• Somos salvos pela fé não pelas obras. A Bíblia diz em Efésios
2:8-10 “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto
não vem de vós, é dom de Deus.”
3) Antinomismo
A palavra antinomianismo vem de duas palavras gregas, anti,
que significa "contra", e nomos, que significa "lei". Sendo assim,
antinomianismo significa “contra a lei.”
Teologicamente, o antinomianismo é a crença de que não há leis
morais que Deus espera que os cristãos obedeçam. O
antinomianismo leva um ensinamento bíblico a uma conclusão
antibíblica.
O ensinamento bíblico é o de que os cristãos não são obrigados a
observarem a lei do Antigo Testamento como um meio de
salvação. Quando Jesus Cristo morreu na cruz, Ele cumpriu a Lei
do Antigo Testamento (Romanos 10:4, Gálatas 3:23-25, Efésios
2:15).
A conclusão antibíblica é a de que não há nenhuma lei moral que
Deus espera que os cristãos obedeçam.
• O apóstolo Paulo tratou da questão do antinomianismo em
Romanos 6:1-2: "Que diremos, pois? Permaneceremos no
pecado, para que abunde a graça? De modo nenhum. Nós,
que já morremos para o pecado, como viveremos ainda
nele?"
• O ataque mais frequente sobre a doutrina da salvação pela
graça é que ela encoraja o pecado. As pessoas podem se
perguntar:
• "Se sou salvo pela graça e todos os meus pecados são
perdoados, por que não pecar o quanto quiser?"
• ESSE PENSAMENTO NÃO É O RESULTADO DE UMA
VERDADEIRA CONVERSÃO PORQUE A VERDADEIRA
CONVERSÃO PRODUZ UM MAIOR, NÃO MENOR, DESEJO DE
OBEDECER.
• O desejo de Deus – e o nosso desejo quando somos
regenerados por Seu Espírito - é que nos esforcemos a não
pecar.
• Como gratidão por Sua graça e perdão, queremos agradá-Lo.
• Deus nos deu o Seu dom infinitamente misericordioso através
da salvação em Jesus (João 3:16; Romanos 5:8).
• Nossa resposta é consagrar nossa vida a Ele como uma forma
de amor, adoração e gratidão pelo que Ele fez por nós
(Romanos 12:1-2).
• O antinomianismo é antibíblico por aplicar de forma errada o
significado do favor gracioso de Deus.
• A segunda razão por que o antinomianismo é antibíblico é
que existe uma lei moral que Deus espera que obedeçamos.
• Primeiro João 5:3 nos diz: "Porque este é o amor de Deus,
que guardemos os seus mandamentos; e os seus
mandamentos não são penosos." O que é essa lei que Deus
espera que obedeçamos? É a lei de Cristo - "Respondeu-lhe
Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de
toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o
grande e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a
este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Destes
dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas"
(Mateus 22:37-40).
• Não, não estamos sob a Lei do Antigo Testamento.
1 – O Cristão está ausente da Lei – Rm 7:1-6
Um sermão ministrado em 1876 por C. H. Spurgeon.
• Cristo é a conclusão da lei, visto que não estamos mais
debaixo de sua maldição.
• A lei não pode amaldiçoar um crente, pois não sabe como
fazê-lo.
• Ela abençoa o crente, sim, e ele será abençoado, porque se a
lei exige justiça e olha para o crente em Cristo – e vê que Jesus
o deu toda a justiça que lhe é exigido – a lei é obrigada a
pronunciá-lo abençoado. “Bem-aventurado aquele cuja
transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto.
• Ah, a alegria de estar redimido da maldição da lei através de
Cristo, o qual foi “feito maldição por nós”, como está escrito,
“Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”.
• Vocês entendem o doce mistério da salvação?
• Você já viu Jesus tomando o seu lugar para que você se
colocasse no lugar dele?
• Cristo acusado e Cristo condenado! Cristo levado a morrer e
Cristo ferido de Deus, até para a morte!
• E você limpo, justificado, liberto da maldição porque a
maldição foi paga no Redentor!
• Você é chamado para aproveitar a benção porque a justiça a
qual era Dele agora é transferida para você para que você seja
abençoado do Senhor.
• Vamos exultar e nos regojizar nisso para todo o sempre!
• Por que não deveríamos?
• E ainda assim parte do povo de Deus se submete à lei com
seus sentimentos e começam a temer que, porque eles estão
conscientes de seu pecado, eles não são salvos, enquanto que
está escrito “Ele justifica o ímpio”.
• Por mim mesmo, eu amo viver perto de um Salvador de
pecadores.
• Se a minha presença diante de Deus dependesse do que eu
sou em mim mesmo e quais boas obras e justiça eu poderia
ofertar, certamente eu teria que condenar a mim mesmo
milhares de vezes ao dia!
• Mas fugir disso e dizer, “Eu tenho crido em Jesus Cristo e por
isso a justiça é minha”, isso é paz, descanso, alegria e começo
do Céu!”
• Quando uma pessoa alcança essa experiência, seu amor por
Jesus Cristo começa a se inflamar e ele alimenta isso, se o
Redentor o libertou da maldição da lei, ele não continuará em
pecado, mas sim irá se esforçar para viver em novidade de
vida!
• Não pertencemos a nós mesmos, nós fomos comprados com
um preço e nós vamos, então, glorificar a Deus em nossos
corpos e em nossos espíritos, os quais pertencem a Deus.
• Isso termina o ponto de Cristo em conexão com a lei.
• Agora o segundo ponto central desse sermão: Nós mesmos
conectados com Cristo – pois, “Cristo é o fim da lei para todo
aquele que crê”.
• Entenda o ponto – “aquele que crê” – é aí que o estresse
reside. E então, homens, mulheres, vocês creem? Nenhuma
pergunta de maior peso pode ser feita debaixo do Céu! “Você
acredita no Filho de Deus?” E o que é acreditar? Não é
meramente aceitar um conjunto de doutrinas e dizer que tal
credo é seu e colocá-lo na prateleira e esquecê-lo.
• Acreditar é confiar na crença, defendê-la, descansar nela.
• Você acredita que Jesus Cristo ressuscitou dos mortos?
• Você acredita que Ele tomou o lugar do pecador e sofreu, o
Justo pelo injusto?
• Você acredita que Ele pode salvar totalmente aquele que vem
a Deus por meio Dele?
• E você, portanto, entrega todo o peso e estresse da salvação
da sua alma sobre Ele, somente Nele?
• Então, Cristo é o fim da lei pela justiça sobre você e você se
fez justo!
• Com a justiça de Deus você é vestido, se você crê! Não há uso
algum em trazer à tona nada mais se você não está crendo,
porque não servirá de nada.
• Se a fé está ausente, as coisas essenciais estão faltando:
• – sacramentos, orações, leitura da Bíblia, ouvir do Evangelho
• – você pode amontoá-los tão alto quanto as estrelas, mas eles
não terão valor algum se a fé não estiver presente!
• É o seu crer ou o não crer que resolve a questão!
• Você olha para longe de si próprio e olha para Jesus em busca
de justiça?
• Se sim, Ele é o fim da lei para você.
• Agora observe que não há questão levantada sobre seu
caráter anterior, porque está escrito
• “Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que
crê”.
• Mas, Senhor, esse homem, antes de crer, era um perseguidor
e ofensivo!
• Ele assolava e rugia contra os santos os colocando em prisões
e buscando o sangue deles!
• Sim, caro amigo, e esse é o mesmo homem que escreveu
essas palavras, pelo Espírito Santo,
• “Cristo é o fim da lei para justiça de todo aquele que crê”.
• Então se eu me dirijo a alguém aqui cuja vida foi contaminada
com todo pecado e manchada com toda transgressão que nós
podemos conceber, eu ainda digo, lembrem-se que “todo
pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens”.
• Se você crê no Senhor Jesus Cristo, suas iniquidades são
riscadas, pelo sangue de Jesus Cristo, o filho querido de Deus,
que nos limpa de todo o pecado!
• Essa é a glória do evangelho, que é um Evangelho para o
pecador – boas novas de bençãos, não para aqueles sem
pecado, mas para aqueles que confessam e o abandonam!
• Jesus veio para o mundo não para recompensar aqueles sem
pecados, mas para procurar e salvar aquele que está perdido.
• E ele, estando perdido e longe de Deus, o qual vai para perto
de Deus por Cristo e acredita Nele, irá descobrir que Ele é
capaz de outorgar justiça sobre o culpado.
• Ele é o fim da lei pela justiça para todo que crê e, portanto,
para a pobre prostituta que acredita, para o bêbado de muitos
anos que acredita, para o ladrão, o mentiroso e o
escarnecedor que acreditam! Jesus é o fim da lei para aqueles
que, antes estavam revoltos em pecado, mas agora se afastam
dele e creem em Jesus. Mas eu não sei se preciso mencionar
tais casos.
• Para mim, o fato mais maravilhoso é que Cristo é o fim da lei
para a minha justiça, porque eu creio Nele. “Porque eu sei em
quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para
guardar o meu depósito até àquele dia”.
2 – O Cristão Reconhece o Valor da Lei – Rm 7:7:13
• Sem dúvida, Romanos 7.1-25 é um dos textos mais complexos
da epístola e, talvez, um dos mais difíceis de interpretar em
todo o NT.
• Por isso, há tanta polêmica entre os estudiosos.
• A grande tensão está na dificuldade que os ouvintes de Paulo,
especialmente os judeus, tinham de relacionar a lei com a fé
em Jesus Cristo.
• O propósito desta lição é definir e explorar os principais
aspectos que dizem respeito à lei e ao seu relacionamento
com o cristão.
I. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A LEI
• No trecho em estudo, aparece 21 vezes a palavra “lei”.
• Tal frequência indica o tema central do trecho.
• Façamos algumas considerações sobre a palavra “lei” na
Bíblia.
1. Que é lei?
• De maneira simples, tomamos “lei” como a vontade de Deus
revelada aos homens em palavras, princípios, preceitos,
julgamentos, atos (cf. Êx 16.28; Sl 119).
• Na Bíblia, geralmente está relacionada ao AT, mas não
significa que o NT não apresenta normas ao crente.
• a. O Pentateuco – Nominado pelos judeus de “A Lei” (Torá),
Pentateuco é o conjunto dos cinco primeiros livros do AT.
• De origem grega, Pentateuco significa “cinco volumes”.
• Para os judeus, ouvintes de Paulo, a Torá, designava todo o
conjunto de leis da sua tradição – lei escrita e lei oral.
• b. O Antigo Testamento – O AT também era visto como um
tipo de compêndio de toda a lei de Deus.
• c. Um princípio – Lei, em sentido geral, significa regra,
prescrição que emana de autoridade soberana.
• Assim, lei também é entendida como um princípio de
obediência a toda orientação de Deus.
• Nesse sentido o NT é lei de Deus.
• d. A lei de Deus – Significa todo desígnio de Deus ao homem –
a Bíblia em sua constituição total (66 livros, cf. Sl 119; 2Tm
3.16).
2. Três possíveis atitudes diante da lei
• John Stott, em sua obra A Mensagem de Romanos,
menciona três tipos de pessoas e as atitudes que elas
adotam diante da lei.
• a. O legalista – Observa rigorosamente a lei, mas está
sob sua servidão.
• Uma vez que não é capaz de cumprir integralmente a lei,
acaba vivendo de aparências.
• Pauta seu comportamento pela religiosidade hipócrita.
Observa excessivamente o exterior, mas não é capaz de
examinar o próprio interior.
• Aponta os pecados alheios, mas não enxerga os próprios
erros.
• b. O antinomiano (ou libertino) – Detesta a lei e a lança fora.
Transforma a liberdade em libertinagem.
• Rejeita integralmente a lei e se declara completamente livre
de suas exigências. Para quem pensa assim, a lei é causadora
de todos os seus problemas.
• Vive sem normas ou limites.
• c. O cristão equilibrado – Respeita, ama e obedece à lei. Ele
se alegra pela libertação do regime da lei e pela liberdade que
Deus dá para cumpri-la.
• Regozija-se pela oportunidade de observar a revelação de
Deus – a Bíblia (Rm 7.12), reconhecendo que a força para
cumprir tais preceitos vem do Senhor.
3. Os objetivos da lei
• a. Ser uma revelação de Deus e de Sua vontade.
• b. Proporcionar bem-estar e preservação da raça humana.
• c. Pôr o pecado às claras.
• d. Levar os homens ao arrependimento e à confiança na graça
de Deus.
• e. Prover orientação para a vida do cristão.
Romanos para hoje:
• Das três atitudes diante da lei, mencionadas na lição: legalista;
antinomiana e cristã equilibrada – em qual você se enquadra?
Mesmo livre do regime da lei, você tem prazer em cumprir os
preceitos de Deus?
II. A SEVERIDADE DA LEI (Rm 7.1-6)
• Paulo inicia a seção indagando se os seus ouvintes conheciam
os limites da lei.
• O texto deixa claro que os ouvintes do apóstolo conheciam a
lei (Rm 7.1).
• Para ele, “a lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e
bom” (Rm 7.12).
• O problema estava no conceito que se dava à lei.
• Segundo F. F. Bruce, os ouvintes de Paulo entendiam que,
devido à penosa conformidade com um código de leis, era
possível adquirir mérito para salvação diante de Deus.
1. O princípio (Rm 7.1)
O princípio estabelecido é:
• A lei tem autoridade sobre o homem somente enquanto ele
vive.
• A morte invalida o domínio da lei sobre o indivíduo e o
desobriga dos compromissos contratuais.
• Com a morte, os preceitos da lei são dados como terminados.
• O princípio é visto de maneira universal como uma sentença
legal para qualquer tipo de lei: grega; romana; judaica ou
bíblica.
2. A ilustração (Rm 7.2-3)
• Paulo explica o princípio da autoridade da lei usando a
ilustração do casamento.
• A mulher está legalmente unida ao marido enquanto ele viver
(o mesmo se aplica ao marido). O compromisso conjugal só é
rompido quando uma das partes morre. As obrigações de um
para com o outro são canceladas na morte. Matrimônio para
toda a vida não significa para além da vida. Na ilustração, o
marido morre, e a esposa fica livre para contrair novas
núpcias.
• No tema em questão, existe uma morte que nos libera da
escravidão da lei, pois pela morte de Cristo somos libertos das
exigências da lei. É evidente que isso só ocorre por meio da fé
em Jesus.
3. A aplicação (Rm 7.4-6)
• Na morte de Cristo, o homem pode ser liberto do regime da
lei e contrair novo relacionamento, agora com o próprio
Senhor Jesus (Rm 7.4). A nova união, porém, não pode ser
desfeita uma vez que Cristo ressuscitou e não mais morrerá
(Rm 7.9). Então o crente pode frutificar para Deus, uma vez
que morreu com Cristo.
• John Stott alerta para o fato de que estar emancipado da
escravidão da lei não significa estar livre para fazer o que
quiser. Libertação da lei não significa liberdade para pecar, e
sim liberdade para servir a Deus (Rm 7.6).
• F. F. Bruce conclui dizendo que a morte e o pecado são
resultados da associação com a lei, mas a vida e a justiça são o
resultado da união com Cristo.
III. O MINISTÉRIO DA LEI (Rm 7.7-13)
1. A lei é pecado?
• A resposta é franca e clara:
• “De modo nenhum!” (Rm 7.7).
• O apóstolo precisava ter certeza de que seus ouvintes não
deturpariam seus ensinos sobre a lei.
• Mas se por um lado a lei não é pecado, qual a relação entre
pecado e lei?
a. A lei revela o pecado (Rm 7.7)
• Paulo já havia escrito algo a respeito: “visto que ninguém será
justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela
lei vem o pleno conhecimento do pecado” (Rm 3.20).
• Agora ele diz: “eu não teria conhecido o pecado, senão por
intermédio da lei” (Rm 7.7).
• A lei é capaz de revelar os pecados mais ocultos e conduzir o
indivíduo à luz.
• Paulo ainda menciona o décimo mandamento: “pois não teria
eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás”
(Rm 7.7).
• Paulo dá testemunho da ação da lei em sua vida, citando o
pecado da cobiça.
• b. A lei desperta o pecado (Rm 7.8)
• Para melhor compreensão do verso, faz-se necessário
observar como algumas versões traduziram Romanos 7.8.
• Bíblia Viva – “O pecado, no entanto, usou essa lei contra os
maus desejos lembrando-me que eles estão errados, e
despertando dentro de mim toda sorte de desejos proibidos!
Somente se não houvesse leis para serem quebradas é que
não haveria pecado”.
• Cartas para Hoje – “Mas o pecado em mim, encontrando no
mandamento oportunidade para se manifestar, estimulou
todos os meus desejos. Pois na ausência da lei o pecado não
tem vida própria”.
• NTLH – “Porém o pecado se aproveitou dessa lei para
despertar em mim todo tipo de cobiça. Porque, se não existe
a lei, o pecado é uma coisa morta”.
• A lei não só revela o pecado como também o expõe ou o
desperta.
• A natureza pecaminosa do homem, em contraposição à lei de
Deus, o leva a fazer o que é proibido.
• É como se a lei funcionasse como um fio condutor que
desperta a atenção do homem para o pecado e, ao perceber o
pecado, ele se sente estimulado a fazer o que não deve. O que
é proibido pela lei sempre parece mais prazeroso, porém,
sempre será condenado por Deus e pela própria lei.
c. A lei condena o pecado (Rm 7.8-11,13)
• Se não existir lei, também não existirá transgressão (Rm 7.9).
Se pecado é toda forma de transgressão à lei de Deus (1Jo
3.4), ela existe justamente para condenar o pecado.
• O papel da lei é mostrar às pessoas que elas são pecadoras e
estão destinadas a morrer.
• A lei revela, desperta e condena o pecado, mas Paulo deixa
claro que a lei não é responsável pelos nossos pecados nem
por nossa morte como não foi para ele.
• Nossa inclinação ao erro é que nos faz pecar, e o pecado nos
conduz à morte (Rm 7.13). Por isso, a lei sempre vai exercer
seu papel de condenar o pecado.
2. Atributos da lei (Rm 7.12)
• Paulo caracteriza a lei com palavras simples, mas profundas:
“a lei é santa, e o mandamento, santo, e justo, e bom”. As
características da lei simplesmente refletem o caráter de
Deus, sendo uma cópia de Sua perfeição. Isso mostra que o
problema não está na lei, e sim em nós. A lei sempre exerceu
seu papel perfeito como perfeito é Deus.
• Romanos para hoje:
• A lei de Deus funciona como alerta contra o pecado. Você tem
observado atentamente esse alerta? A lei tem lhe conduzido a
viver longe do pecado?
IV. A LEI E A CARNE (Rm 7.14-25)
• O problema nunca esteve na lei, mas no homem que é frágil e
pecador.
• O ser humano não é capaz de cumprir integralmente os
preceitos da lei e se vê em constante conflito.
• Exemplo dessa situação encontramos na vida do apóstolo
Paulo.
• 1. Os conflitos de Paulo (Rm 7.14-23)
• Paulo sentiu na pele os conflitos gerados pelo conhecimento
da lei, que o direcionava à vontade de Deus, ao mesmo tempo
em que era assediado pelo pecado, que tentava conduzi-lo à
morte.
• Há conflitos entre o que é espiritual e o que é carnal (Rm
7.14), e entre o saber e o fazer (Rm 7.15.23).
• Os constantes conflitos do apóstolo remetem aos três tempos
da santificação: somos libertos da culpa do pecado na
justificação em Cristo; estamos sendo libertos do poder do
pecado pela ação do Espírito Santo e seremos libertos da
presença do pecado no encontro com Deus Pai (glorificação).
2. O desespero de Paulo (Rm 7.24)
• O grito ecoado de Paulo não é um pedido de socorro de
alguém que está completamente perdido nem um apelo sem
convicções a respeito de sua salvação, mas um desabafo, em
forma de pergunta retórica, de um servo que está fragilizado
pelas lutas e anseia pela libertação do pecado.
3. A única saída (Rm 7.25)
• Paulo lamenta ser influenciado pelo pecado e fazer algo que
não deseja, ansiando pela libertação plena da escravidão do
pecado. Ele exalta a Deus por meio do Senhor Jesus Cristo
como seu único e suficiente Salvador.
3 – O Cristão Sabe Que é Incapaz de Cumprir a
Lei Santificadora – Rm 7:17-25
Santificação
• Através de toda a Bíblia, a santificação tem sido um elemento
essencial na relação entre Deus e seu povo. Esta qualidade de
ser separado do pecado é uma característica fundamental da
santidade de Deus, que tem que ser desenvolvida como parte
do caráter de seus filhos. Depois de observar brevemente a
importância da santificação através de toda a Bíblia,
consideraremos as implicações de um texto desafiador na
segunda carta de Paulo aos cristãos em Corinto.
Deus Quer um Povo Santo
• Desde a criação, Deus quis um povo santo.
• Ele desejou uma comunhão especial com os homens que
fossem capazes de andar com ele e falar com ele numa união
especial.
• Mas a própria natureza de Deus estabelece limites para tal
associação.
• Seu caráter santo não pode permitir ser contaminado pelo
pecado e pela corrupção.
• Os homens só podem estar na sua presença se forem puros.
• Adão e Eva andavam no mesmo jardim que Deus, e falavam
com ele.
• Mas logo pecaram e perderam esta convivência especial.
• Foram expulsos do jardim do Éden
• ¬separados de Deus¬
• o que foi a morte espiritual que Deus havia prometido como
conseqüência do pecado (Gênesis 2:17; 3:23-24).
• Povo sem santidade não podia permanecer na presença do
santo Deus.
• Depois que gerações de pecadores morreram num mundo
corrompido, Deus escolheu os descendentes de Abraão para
serem um povo santo.
• Ele os separou da má influência dos senhores egípcios e
preparou uma terra onde poderiam habitar livres da
corrupção dos povos idólatras.
• Ele até mesmo lhes deu uma lei especial, que ressaltava a
distinção entre o puro e o impuro.
• Deus explicou a necessidade da pureza deles quando lhes deu
essa lei:
• "Eu sou o Senhor, vosso Deus; portanto, vós vos consagrareis
e sereis santos, porque eu sou santo. . . Eu sou o Senhor, que
vos faço subir da terra do Egito, para que eu seja vosso Deus;
portanto, vós sereis santos, porque eu sou santo" (Levítico
11:44-45).
• Contudo, o povo que Deus havia selecionado
excepcionalmente e resgatado não permaneceu santo.
• Os israelitas repetidamente exibiram seu pecado aos olhos de
Deus.
• Ele às vezes avisou que poderia entrar no meio da
congregação pecaminosa e destruir o povo (Êxodo 33:5;
Números 16:44-45).
• Por quê? Simplesmente porque não pode haver comunhão
entre a santidade de Deus e a impureza do homem.
• O homem tem que ser purificado, ou morrerá (veja Isaías 6:1-
7).
• Deus ainda quer um povo santo, e providenciou, através de
Cristo, o meio de purificar os pecadores para servirem-no.
• Os cristãos são o povo santo de Deus (1 Pedro 2:5,9).
• Aqueles que se dizem ser seguidores de Jesus deverão
conduzir-se como um povo santificado e purificado da
impureza do mundo.
• A Santificação é Essencial para ter Comunhão com Deus (2
Coríntios 6:14 - 7:1)
• A igreja em Corinto estava rodeada de imoralidade e falsa
religião. Os cristãos eram freqüentemente tentados a voltar às
más práticas do mundo.
• Paulo entendeu esta tentação quando lhes escreveu cartas de
encorajamento. Consideremos seu ensinamento em 2
Coríntios 6:14 - 7:1.
• Paulo ensinou que o pecado não tem lugar na vida do cristão.
Nos versículos 14 e 15 ele disse:
• "Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos;
porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a
iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que
harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente
com o incrédulo?"
• Encontramos nestes versículos uma lista de coisas que são
totalmente opostas. Paulo não encoraja a nenhum tipo de
compromisso. Ele não nos diz que um pouco de mal pode
coexistir com a justiça.
• Em vez disso, mostra que não pode haver nenhuma tolerância
do pecado na vida de um cristão. Os cristãos pecam (1 João
1:8,10), mas temos que admitir esses erros e procurar o
perdão de Deus para manter a comunhão com ele (1 João 1:9;
2:1).
• Certas religiões e filosofias orientais ensinam que o bem tem
que ser contrabalançado pelo mal e que cada bem é
manchado por alguma quantidade de mal.
• Tais idéias contradizem frontalmente o ensinamento da Bíblia.
Bem e mal são distintos e não podem existir em harmonia. Os
discípulos de Cristo não podem comprometer-se com o erro.
• Esta santificação é baseada em nossa relação com Deus.
• Paulo continuou nos versículos 16 a 18 a dizer que a base para
esta santificação é nossa relação com Deus.
• Nestes versículos, ele usa a linguagem das passagens do Velho
Testamento para mostrar que Deus ainda deseja um povo
santo:
• "Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos?
• Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele
próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus,
e eles serão o meu povo.
• Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor;
não toqueis em cousas impuras; e eu vos receberei, serei
vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor
Todo-poderoso."
• O desejo básico de Deus permanece inalterado.
• Ele quer ter íntima comunhão com seu povo santo.
• Mas um Deus puro não pode ter amizade com pecado;
portanto, temos que separar-nos do mal e da impureza.
• Mas, para que não vejamos isto como uma tarefa
desagradável de renúncia, teremos que nos lembrar do
grande privilégio que é descrito aqui, especialmente no
versículo 18.
• O Deus Todo-poderoso do universo, nosso grande Criador e
Redentor, quer ser nosso Pai.
• Os cristãos têm imenso privilégio de serem chamados filhos e
filhas do próprio Deus!
• Que faremos para aproveitar desta abençoada amizade com
Deus?
• O primeiro versículo do capítulo 7 oferece a conclusão prática
desta passagem:
• "Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifi-quemo-nos de
toda impureza, tanto da carne como do espírito, aper-
feiçoando a nossa santi-dade no temor de Deus."
• Por causa do grande privilégio de sermos chamados filhos e
filhas de Deus, temos que nos purificar de toda impureza.
• Não apenas 50%, 90% ou 99% do pecado, mas de toda
imundície.
• Por quê? Por causa de nosso respeito a Deus. Ele merece
nosso serviço de santificação.
• Temos que ser limpos de que tipos de impureza?
• Paulo menciona duas amplas categorias de pecado que têm
que ser expurgadas de nossas vidas:
Impureza da carne.
• Isto incluiria todas as formas de imoralidade e mundanismo.
• Pecados sexuais, embriaguez, desonestidade e todas as outras
características da carne têm que ser abandonadas.
• Pessoas que praticam tais coisas não terão permissão para
entrar na eterna comunhão com Deus (veja Gálatas 5:19-21; 1
Coríntios 6:9-11; Apocalipse 21:8).
Impureza do espírito.
• Impureza espiritual e religiosa também têm que ser
removidas de nossas vidas. Os cristãos em Corinto estavam
rodeados pela idolatria, por isso Paulo usou este exemplo
específico. Estamos rodeados de uma variedade de doutrinas
humanas e filosofias, práticas de espiritismo, adoração de
santos e de imagens, etc.
• O verdadeiro cristão não pode continuar a participar de tais
práticas impuras. Temos que limpar-nos de qualquer mal
deste tipo (1 Coríntios 10:14), adorando somente a Deus
(Mateus 4:10).
• Nossa adoração a Deus tem que ser de acordo com sua
verdade (João 4:24). Sem nos santificar, não teremos
comunhão com o Senhor que morreu por nós.
Aplicações em nossa Sociedade
• Vivemos num mundo que tem sido manchado, por milhares
de anos, pelo pecado.
• Estamos rodeados por violência, pornografia, desonestidade e
falsa religião.
• Deus não pretende que nos isolemos deste mundo (João
17:14-21), mas que fujamos dos seus pecados (1 Timóteo
6:11) e brilhemos como luzes num mundo de trevas (Mateus
5:14-16).
• Nunca foi fácil viver como povo santificado num mundo de
corrupção e injustiça, mas é possível. Jesus provou isso
durante uma vida de pureza sem pecado. É nossa
responsabilidade seguir seus passos:
• "Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que
também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo
para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado,
nem dolo algum se achou em sua boca" (1 Pedro 2:21-22).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

18. como estudar a biblía ii
18. como estudar a biblía ii18. como estudar a biblía ii
18. como estudar a biblía ii
pohlos
 
ANDAR COM DEUS
ANDAR COM DEUSANDAR COM DEUS
ANDAR COM DEUS
Lc Passold
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
Joel Silva
 
As batalhas espirituais finais parte 2
As batalhas espirituais finais   parte 2As batalhas espirituais finais   parte 2
As batalhas espirituais finais parte 2
Silvio Dutra
 
Lição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 11 - A Tolerância CristãLição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 11 - A Tolerância Cristã
Erberson Pinheiro
 
As Batalhas Espirituais Finais parte 1
As Batalhas Espirituais Finais   parte 1As Batalhas Espirituais Finais   parte 1
As Batalhas Espirituais Finais parte 1
Silvio Dutra
 
“Devemos Ter a Mente de Cristo”
“Devemos Ter a Mente de Cristo”“Devemos Ter a Mente de Cristo”
“Devemos Ter a Mente de Cristo”
JUERP
 
Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2
fogotv
 
Lei e graça pp
Lei e graça ppLei e graça pp
Lei e graça pp
edilenemarcel
 
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
Lc Passold
 
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da GraçaUm Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Silvio Dutra
 
O Cristão e o Mundo Pós-Moderno
O Cristão e o Mundo Pós-ModernoO Cristão e o Mundo Pós-Moderno
O Cristão e o Mundo Pós-Moderno
Silvio Dutra
 
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
Lc Passold
 
A obra de deus (watchman nee)
A obra de deus (watchman nee)A obra de deus (watchman nee)
A obra de deus (watchman nee)
Deusdete Soares
 
Historia Reformada - Palestra
Historia Reformada - PalestraHistoria Reformada - Palestra
Historia Reformada - Palestra
Hubner Braz
 
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e EspirituaisLição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Erberson Pinheiro
 
Racismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos HumanosRacismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos Humanos
Hugo Machado
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 06
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 06Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 06
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 06
Joel Silva
 
Romanos 13
Romanos   13Romanos   13
Romanos 13
Joel Silva
 
ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02
Nivaldo R. Santos
 

Mais procurados (20)

18. como estudar a biblía ii
18. como estudar a biblía ii18. como estudar a biblía ii
18. como estudar a biblía ii
 
ANDAR COM DEUS
ANDAR COM DEUSANDAR COM DEUS
ANDAR COM DEUS
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 10
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 10
 
As batalhas espirituais finais parte 2
As batalhas espirituais finais   parte 2As batalhas espirituais finais   parte 2
As batalhas espirituais finais parte 2
 
Lição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 11 - A Tolerância CristãLição 11 - A Tolerância Cristã
Lição 11 - A Tolerância Cristã
 
As Batalhas Espirituais Finais parte 1
As Batalhas Espirituais Finais   parte 1As Batalhas Espirituais Finais   parte 1
As Batalhas Espirituais Finais parte 1
 
“Devemos Ter a Mente de Cristo”
“Devemos Ter a Mente de Cristo”“Devemos Ter a Mente de Cristo”
“Devemos Ter a Mente de Cristo”
 
Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2
 
Lei e graça pp
Lei e graça ppLei e graça pp
Lei e graça pp
 
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
 
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da GraçaUm Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
Um Tratado Sobre Domínio do Pecado e da Graça
 
O Cristão e o Mundo Pós-Moderno
O Cristão e o Mundo Pós-ModernoO Cristão e o Mundo Pós-Moderno
O Cristão e o Mundo Pós-Moderno
 
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
 
A obra de deus (watchman nee)
A obra de deus (watchman nee)A obra de deus (watchman nee)
A obra de deus (watchman nee)
 
Historia Reformada - Palestra
Historia Reformada - PalestraHistoria Reformada - Palestra
Historia Reformada - Palestra
 
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e EspirituaisLição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
Lição 10 - Deveres Civis, Morais e Espirituais
 
Racismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos HumanosRacismo e Direitos Humanos
Racismo e Direitos Humanos
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 06
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 06Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 06
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 06
 
Romanos 13
Romanos   13Romanos   13
Romanos 13
 
ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02ÉTica cristã aula 02
ÉTica cristã aula 02
 

Destaque

Unix linux introduction_pt_br
Unix linux introduction_pt_brUnix linux introduction_pt_br
Unix linux introduction_pt_br
cr4n10
 
Aplicativo Mobile para Máquina de Vendas
Aplicativo Mobile para Máquina de Vendas Aplicativo Mobile para Máquina de Vendas
Aplicativo Mobile para Máquina de Vendas
Sthefany Esposito
 
SE171finalpresentation
SE171finalpresentationSE171finalpresentation
SE171finalpresentation
Vincent Duong
 
Open SUNY Textbooks presentation at OTSummit May 2015 BC Campus Vancouver Bri...
Open SUNY Textbooks presentation at OTSummit May 2015 BC Campus Vancouver Bri...Open SUNY Textbooks presentation at OTSummit May 2015 BC Campus Vancouver Bri...
Open SUNY Textbooks presentation at OTSummit May 2015 BC Campus Vancouver Bri...
opensunytextbooks
 
Certificate and Letter of Recognition
Certificate and Letter of RecognitionCertificate and Letter of Recognition
Certificate and Letter of RecognitionMaritza Lopez
 
Ley 1314 de 2009 PDF
Ley 1314 de 2009 PDFLey 1314 de 2009 PDF
Ley 1314 de 2009 PDF
DIELOP90
 
Sociologia (1)laura
Sociologia (1)lauraSociologia (1)laura
Sociologia (1)laura
LAURA GUERRA
 
Ebd lições séries 08 - 2º trimestre 2016
Ebd   lições séries 08 - 2º trimestre 2016Ebd   lições séries 08 - 2º trimestre 2016
Ebd lições séries 08 - 2º trimestre 2016
Joel Silva
 
Mikrobiologi dan parasitologi
Mikrobiologi dan parasitologiMikrobiologi dan parasitologi
Mikrobiologi dan parasitologi
Sarthyna Lukman
 
LiteratureReviewFINAL
LiteratureReviewFINALLiteratureReviewFINAL
LiteratureReviewFINAL
RJ Mikolaj
 
Ley 1314 de 2009
Ley 1314 de 2009Ley 1314 de 2009
Ley 1314 de 2009
DIELOP90
 
Ebd lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Ebd   lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016Ebd   lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Ebd lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Joel Silva
 
Mikrobiologi dan parasitologi
Mikrobiologi dan parasitologiMikrobiologi dan parasitologi
Mikrobiologi dan parasitologi
Sarthyna Lukman
 
Unsur hara mikro
Unsur hara mikroUnsur hara mikro
Unsur hara mikro
Sarthyna Lukman
 
Fibra optica
Fibra opticaFibra optica
Fibra optica
Fernanda Kanafany
 

Destaque (15)

Unix linux introduction_pt_br
Unix linux introduction_pt_brUnix linux introduction_pt_br
Unix linux introduction_pt_br
 
Aplicativo Mobile para Máquina de Vendas
Aplicativo Mobile para Máquina de Vendas Aplicativo Mobile para Máquina de Vendas
Aplicativo Mobile para Máquina de Vendas
 
SE171finalpresentation
SE171finalpresentationSE171finalpresentation
SE171finalpresentation
 
Open SUNY Textbooks presentation at OTSummit May 2015 BC Campus Vancouver Bri...
Open SUNY Textbooks presentation at OTSummit May 2015 BC Campus Vancouver Bri...Open SUNY Textbooks presentation at OTSummit May 2015 BC Campus Vancouver Bri...
Open SUNY Textbooks presentation at OTSummit May 2015 BC Campus Vancouver Bri...
 
Certificate and Letter of Recognition
Certificate and Letter of RecognitionCertificate and Letter of Recognition
Certificate and Letter of Recognition
 
Ley 1314 de 2009 PDF
Ley 1314 de 2009 PDFLey 1314 de 2009 PDF
Ley 1314 de 2009 PDF
 
Sociologia (1)laura
Sociologia (1)lauraSociologia (1)laura
Sociologia (1)laura
 
Ebd lições séries 08 - 2º trimestre 2016
Ebd   lições séries 08 - 2º trimestre 2016Ebd   lições séries 08 - 2º trimestre 2016
Ebd lições séries 08 - 2º trimestre 2016
 
Mikrobiologi dan parasitologi
Mikrobiologi dan parasitologiMikrobiologi dan parasitologi
Mikrobiologi dan parasitologi
 
LiteratureReviewFINAL
LiteratureReviewFINALLiteratureReviewFINAL
LiteratureReviewFINAL
 
Ley 1314 de 2009
Ley 1314 de 2009Ley 1314 de 2009
Ley 1314 de 2009
 
Ebd lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Ebd   lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016Ebd   lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
Ebd lições séries 05 - 2ºtrimestre 2016
 
Mikrobiologi dan parasitologi
Mikrobiologi dan parasitologiMikrobiologi dan parasitologi
Mikrobiologi dan parasitologi
 
Unsur hara mikro
Unsur hara mikroUnsur hara mikro
Unsur hara mikro
 
Fibra optica
Fibra opticaFibra optica
Fibra optica
 

Semelhante a Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016

Lição 06 - A luta contra a carne.pptx
Lição 06 - A luta contra a carne.pptxLição 06 - A luta contra a carne.pptx
Lição 06 - A luta contra a carne.pptx
Joel Silva
 
3 romanos.pptx
3 romanos.pptx3 romanos.pptx
3 romanos.pptx
PIB Penha - SP
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Andrew Guimarães
 
A dupla natureza e o duelo interior – Spurgeon
A dupla natureza e o duelo interior – SpurgeonA dupla natureza e o duelo interior – Spurgeon
A dupla natureza e o duelo interior – Spurgeon
Silvio Dutra
 
Pode ou não pode?
Pode ou não pode?Pode ou não pode?
Pode ou não pode?
Viva a Igreja
 
Entrega Daniela Araújo
Entrega Daniela AraújoEntrega Daniela Araújo
Entrega Daniela Araújo
conexaoad
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
Joel Silva
 
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Lba lição 5  a maravilhosa graçaLba lição 5  a maravilhosa graça
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Natalino das Neves Neves
 
Estudo adicional_Cisto, a lei e o evangelho_922014
Estudo adicional_Cisto, a lei e o evangelho_922014Estudo adicional_Cisto, a lei e o evangelho_922014
Estudo adicional_Cisto, a lei e o evangelho_922014
Gerson G. Ramos
 
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
Joel Silva
 
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espíritoLba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Natalino das Neves Neves
 
Pecado original
Pecado originalPecado original
Pecado original
Jezer Ferris
 
Lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lição 6 - A lei, a carne e o espíritoLição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Ailton da Silva
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 07
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 07Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 07
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 07
Joel Silva
 
A santa lei de deus
A santa lei de deusA santa lei de deus
A santa lei de deus
Lucio Flavio Alves d Flavio
 
A Santa lei de Deus
A Santa lei de DeusA Santa lei de Deus
A Santa lei de Deus
Rudimar Ribeiro
 
Lição 5 - A maravilhosa graça
Lição 5 - A maravilhosa graçaLição 5 - A maravilhosa graça
Lição 5 - A maravilhosa graça
Ailton da Silva
 
2016 2º trimestre adultos lição 06.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 06.pptx2016 2º trimestre adultos lição 06.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 06.pptx
Joel Silva
 
Os apóstolos e a lei_1122014_GGR
Os apóstolos e a lei_1122014_GGROs apóstolos e a lei_1122014_GGR
Os apóstolos e a lei_1122014_GGR
Gerson G. Ramos
 
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
Joel Silva
 

Semelhante a Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016 (20)

Lição 06 - A luta contra a carne.pptx
Lição 06 - A luta contra a carne.pptxLição 06 - A luta contra a carne.pptx
Lição 06 - A luta contra a carne.pptx
 
3 romanos.pptx
3 romanos.pptx3 romanos.pptx
3 romanos.pptx
 
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
Lição 5 -  A Maravilhosa GraçaLição 5 -  A Maravilhosa Graça
Lição 5 - A Maravilhosa Graça
 
A dupla natureza e o duelo interior – Spurgeon
A dupla natureza e o duelo interior – SpurgeonA dupla natureza e o duelo interior – Spurgeon
A dupla natureza e o duelo interior – Spurgeon
 
Pode ou não pode?
Pode ou não pode?Pode ou não pode?
Pode ou não pode?
 
Entrega Daniela Araújo
Entrega Daniela AraújoEntrega Daniela Araújo
Entrega Daniela Araújo
 
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05E.b.d  adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
E.b.d adolescentes - 4ºtrimestre 2016 lição 05
 
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Lba lição 5  a maravilhosa graçaLba lição 5  a maravilhosa graça
Lba lição 5 a maravilhosa graça
 
Estudo adicional_Cisto, a lei e o evangelho_922014
Estudo adicional_Cisto, a lei e o evangelho_922014Estudo adicional_Cisto, a lei e o evangelho_922014
Estudo adicional_Cisto, a lei e o evangelho_922014
 
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 05.pptx
 
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espíritoLba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lba lição 6 - A lei, a carne e o espírito
 
Pecado original
Pecado originalPecado original
Pecado original
 
Lição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lição 6 - A lei, a carne e o espíritoLição 6 - A lei, a carne e o espírito
Lição 6 - A lei, a carne e o espírito
 
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 07
Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 07Ebd adultos   2ºtrimestre 2016 - lição 07
Ebd adultos 2ºtrimestre 2016 - lição 07
 
A santa lei de deus
A santa lei de deusA santa lei de deus
A santa lei de deus
 
A Santa lei de Deus
A Santa lei de DeusA Santa lei de Deus
A Santa lei de Deus
 
Lição 5 - A maravilhosa graça
Lição 5 - A maravilhosa graçaLição 5 - A maravilhosa graça
Lição 5 - A maravilhosa graça
 
2016 2º trimestre adultos lição 06.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 06.pptx2016 2º trimestre adultos lição 06.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 06.pptx
 
Os apóstolos e a lei_1122014_GGR
Os apóstolos e a lei_1122014_GGROs apóstolos e a lei_1122014_GGR
Os apóstolos e a lei_1122014_GGR
 
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
2016 2º trimestre adultos lição 07.pptx
 

Último

Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 

Último (10)

Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 

Ebd lições séries 06 - 2ºtrimestre 2016

  • 2. Perceber que buscar a santificação pode ser difícil, mas possível. O nosso compromisso agora é com Jesus
  • 3. • 1 – O Cristão Está Isento da Lei – Rm 7:1-6 • 2 – O Cristão Reconhece o Valor da Lei – Rm 7:7-13 • 3 – O Cristão Sabe Que é Incapaz de Cumprir a Lei da Santificação – Rm 7:14-25 DIVISÃO DA LIÇÃO
  • 4. Segunda-Feira: ....................................................................Gálatas 3 Terça-Feira:.............................................................2 Coríntios 3:1-19 Quarta-Feira:........................................................1 Coríntios 10:1-13 Quinta-Feira:...........................................................Mateus 28:36-46 Sexta-Feira:................................................................Efésios 6:10-20 Sábado:.........................................................................1 João 2:3-17 Domingo:............................................................................Salmo 32
  • 5. TEXTO BÁSICO Romanos 7:1-23 • 1 Porventura, ignorais, irmãos (pois falo aos que conhecem a lei), que a lei tem domínio sobre o homem toda a sua vida? • 2 Ora, a mulher casada está ligada pela lei ao marido, enquanto ele vive; mas, se o mesmo morrer, desobrigada ficará da lei conjugal. • 3 De sorte que será considerada adúltera se, vivendo ainda o marido, unir-se com outro homem; porém, se morrer o marido, estará livre da lei e não será adúltera se contrair novas núpcias.
  • 6. • 4 Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que frutifiquemos para Deus. • 5 Porque, quando vivíamos segundo a carne, as paixões pecaminosas postas em realce pela lei operavam em nossos membros, a fim de frutificarem para a morte. • 6 Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra.
  • 7. • 7 Que diremos, pois? É a lei pecado? De modo nenhum! Mas eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei; pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás. • 8 Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, despertou em mim toda sorte de concupiscência; porque, sem lei, está morto o pecado. • 9 Outrora, sem a lei, eu vivia; mas, sobrevindo o preceito, reviveu o pecado, e eu morri. • 10 E o mandamento que me fora para vida, verifiquei que este mesmo se me tornou para morte.
  • 8. • 11 Porque o pecado, prevalecendo-se do mandamento, pelo mesmo mandamento, me enganou e me matou. • 12 Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e bom. • 13 Acaso o bom se me tornou em morte? De modo nenhum! Pelo contrário, o pecado, para revelar-se como pecado, por meio de uma coisa boa, causou-me a morte, a fim de que, pelo mandamento, se mostrasse sobremaneira maligno. • 14 Porque bem sabemos que a lei é espiritual; eu, todavia, sou carnal, vendido à escravidão do pecado.
  • 9. • 15 Porque nem mesmo compreendo o meu próprio modo de agir, pois não faço o que prefiro, e sim o que detesto. • 16 Ora, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa. • 17 Neste caso, quem faz isto já não sou eu, mas o pecado que habita em mim. • 18 Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo. • 19 Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço.
  • 10. • 20 Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim. • 21 Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim. • 22 Porque, no tocante ao homem interior, tenho prazer na lei de Deus; • 23 mas vejo, nos meus membros, outra lei que, guerreando contra a lei da minha mente, me faz prisioneiro da lei do pecado que está nos meus membros.
  • 11. • 24 Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte? • 25 Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor. De maneira que eu, de mim mesmo, com a mente, sou escravo da lei de Deus, mas, segundo a carne, da lei do pecado.
  • 12. INTRODUÇÃO No desejo de buscar uma vida de santificação o cristão pode tomar três caminhos perigosos. 1) Formalismo Geral Formalizar é descrever um processo, um objeto, um fenômeno, uma fórmula, etc, de tal forma que qualquer pessoa (todas) da área de conhecimento, independente da língua, etnia, religião, política, sexo, etc, possa entender o que está sendo descrito sem alguma dualidade de interpretação.
  • 13. Religioso O formalismo em religião significa uma ênfase no ritual e observância, acima do seu significado. Tem o devido conhecimento religioso, não peca, através da prostituição e nem busca mais a idolatria, como na antiga aliança: como Israel sempre fazia sempre distanciando do seu DEUS, deixando esta pratica somente pós exilio, no novo testamento não buscam mais esta pratica, porem tornaram-se formalista com conhecimento porem sem poder, sem a verdadeira comunhão, realizando cultos mecanizados isto é padrão sem fugir do seu ritmo.
  • 14. 2) Legalismo • Significa pôr as regras acima de Deus e das necessidades humanas. • A Bíblia diz em Mateus 12:9-12 “Partindo dali, entrou Jesus na sinagoga deles. • E eis que estava ali um homem que tinha uma das mãos atrofiadas; e eles, para poderem acusar a Jesus, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? (Claro que eles queriam que Jesus dissesse ‘Sim’ para o poder prender). • “E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que, tendo uma só ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não há de lançar mão dela, e tirá-la? • Ora, quanto mais vale um homem do que uma ovelha! Portanto, é lícito fazer bem nos sábados."
  • 15. • O legalismo é uma forma de escravidão. A Bíblia diz em Gálatas 4:8-9 “Outrora, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses; agora, porém, que já conheceis a Deus, ou, melhor, sendo conhecidos por Deus, como tornais outra vez a esses rudimentos fracos e pobres, aos quais de novo quereis servir?” • O legalismo é atrativo mas destrutivo. A Bíblia diz em Colossenses 2:23 “As quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria em culto voluntário, humildade fingida, e severidade para com o corpo, mas não têm valor algum no combate contra a satisfação da carne.” • Somos salvos pela fé não pelas obras. A Bíblia diz em Efésios 2:8-10 “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.”
  • 16. 3) Antinomismo A palavra antinomianismo vem de duas palavras gregas, anti, que significa "contra", e nomos, que significa "lei". Sendo assim, antinomianismo significa “contra a lei.” Teologicamente, o antinomianismo é a crença de que não há leis morais que Deus espera que os cristãos obedeçam. O antinomianismo leva um ensinamento bíblico a uma conclusão antibíblica. O ensinamento bíblico é o de que os cristãos não são obrigados a observarem a lei do Antigo Testamento como um meio de salvação. Quando Jesus Cristo morreu na cruz, Ele cumpriu a Lei do Antigo Testamento (Romanos 10:4, Gálatas 3:23-25, Efésios 2:15). A conclusão antibíblica é a de que não há nenhuma lei moral que Deus espera que os cristãos obedeçam.
  • 17. • O apóstolo Paulo tratou da questão do antinomianismo em Romanos 6:1-2: "Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que abunde a graça? De modo nenhum. Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele?" • O ataque mais frequente sobre a doutrina da salvação pela graça é que ela encoraja o pecado. As pessoas podem se perguntar: • "Se sou salvo pela graça e todos os meus pecados são perdoados, por que não pecar o quanto quiser?" • ESSE PENSAMENTO NÃO É O RESULTADO DE UMA VERDADEIRA CONVERSÃO PORQUE A VERDADEIRA CONVERSÃO PRODUZ UM MAIOR, NÃO MENOR, DESEJO DE OBEDECER.
  • 18. • O desejo de Deus – e o nosso desejo quando somos regenerados por Seu Espírito - é que nos esforcemos a não pecar. • Como gratidão por Sua graça e perdão, queremos agradá-Lo. • Deus nos deu o Seu dom infinitamente misericordioso através da salvação em Jesus (João 3:16; Romanos 5:8). • Nossa resposta é consagrar nossa vida a Ele como uma forma de amor, adoração e gratidão pelo que Ele fez por nós (Romanos 12:1-2). • O antinomianismo é antibíblico por aplicar de forma errada o significado do favor gracioso de Deus.
  • 19. • A segunda razão por que o antinomianismo é antibíblico é que existe uma lei moral que Deus espera que obedeçamos. • Primeiro João 5:3 nos diz: "Porque este é o amor de Deus, que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são penosos." O que é essa lei que Deus espera que obedeçamos? É a lei de Cristo - "Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas" (Mateus 22:37-40). • Não, não estamos sob a Lei do Antigo Testamento.
  • 20. 1 – O Cristão está ausente da Lei – Rm 7:1-6 Um sermão ministrado em 1876 por C. H. Spurgeon. • Cristo é a conclusão da lei, visto que não estamos mais debaixo de sua maldição. • A lei não pode amaldiçoar um crente, pois não sabe como fazê-lo. • Ela abençoa o crente, sim, e ele será abençoado, porque se a lei exige justiça e olha para o crente em Cristo – e vê que Jesus o deu toda a justiça que lhe é exigido – a lei é obrigada a pronunciá-lo abençoado. “Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada, e cujo pecado é coberto.
  • 21. • Ah, a alegria de estar redimido da maldição da lei através de Cristo, o qual foi “feito maldição por nós”, como está escrito, “Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”. • Vocês entendem o doce mistério da salvação? • Você já viu Jesus tomando o seu lugar para que você se colocasse no lugar dele? • Cristo acusado e Cristo condenado! Cristo levado a morrer e Cristo ferido de Deus, até para a morte! • E você limpo, justificado, liberto da maldição porque a maldição foi paga no Redentor!
  • 22. • Você é chamado para aproveitar a benção porque a justiça a qual era Dele agora é transferida para você para que você seja abençoado do Senhor. • Vamos exultar e nos regojizar nisso para todo o sempre! • Por que não deveríamos? • E ainda assim parte do povo de Deus se submete à lei com seus sentimentos e começam a temer que, porque eles estão conscientes de seu pecado, eles não são salvos, enquanto que está escrito “Ele justifica o ímpio”. • Por mim mesmo, eu amo viver perto de um Salvador de pecadores.
  • 23. • Se a minha presença diante de Deus dependesse do que eu sou em mim mesmo e quais boas obras e justiça eu poderia ofertar, certamente eu teria que condenar a mim mesmo milhares de vezes ao dia! • Mas fugir disso e dizer, “Eu tenho crido em Jesus Cristo e por isso a justiça é minha”, isso é paz, descanso, alegria e começo do Céu!” • Quando uma pessoa alcança essa experiência, seu amor por Jesus Cristo começa a se inflamar e ele alimenta isso, se o Redentor o libertou da maldição da lei, ele não continuará em pecado, mas sim irá se esforçar para viver em novidade de vida!
  • 24. • Não pertencemos a nós mesmos, nós fomos comprados com um preço e nós vamos, então, glorificar a Deus em nossos corpos e em nossos espíritos, os quais pertencem a Deus. • Isso termina o ponto de Cristo em conexão com a lei. • Agora o segundo ponto central desse sermão: Nós mesmos conectados com Cristo – pois, “Cristo é o fim da lei para todo aquele que crê”. • Entenda o ponto – “aquele que crê” – é aí que o estresse reside. E então, homens, mulheres, vocês creem? Nenhuma pergunta de maior peso pode ser feita debaixo do Céu! “Você acredita no Filho de Deus?” E o que é acreditar? Não é meramente aceitar um conjunto de doutrinas e dizer que tal credo é seu e colocá-lo na prateleira e esquecê-lo.
  • 25. • Acreditar é confiar na crença, defendê-la, descansar nela. • Você acredita que Jesus Cristo ressuscitou dos mortos? • Você acredita que Ele tomou o lugar do pecador e sofreu, o Justo pelo injusto? • Você acredita que Ele pode salvar totalmente aquele que vem a Deus por meio Dele? • E você, portanto, entrega todo o peso e estresse da salvação da sua alma sobre Ele, somente Nele? • Então, Cristo é o fim da lei pela justiça sobre você e você se fez justo! • Com a justiça de Deus você é vestido, se você crê! Não há uso algum em trazer à tona nada mais se você não está crendo, porque não servirá de nada.
  • 26. • Se a fé está ausente, as coisas essenciais estão faltando: • – sacramentos, orações, leitura da Bíblia, ouvir do Evangelho • – você pode amontoá-los tão alto quanto as estrelas, mas eles não terão valor algum se a fé não estiver presente! • É o seu crer ou o não crer que resolve a questão! • Você olha para longe de si próprio e olha para Jesus em busca de justiça? • Se sim, Ele é o fim da lei para você.
  • 27. • Agora observe que não há questão levantada sobre seu caráter anterior, porque está escrito • “Porque o fim da lei é Cristo para justiça de todo aquele que crê”. • Mas, Senhor, esse homem, antes de crer, era um perseguidor e ofensivo! • Ele assolava e rugia contra os santos os colocando em prisões e buscando o sangue deles! • Sim, caro amigo, e esse é o mesmo homem que escreveu essas palavras, pelo Espírito Santo, • “Cristo é o fim da lei para justiça de todo aquele que crê”.
  • 28. • Então se eu me dirijo a alguém aqui cuja vida foi contaminada com todo pecado e manchada com toda transgressão que nós podemos conceber, eu ainda digo, lembrem-se que “todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens”. • Se você crê no Senhor Jesus Cristo, suas iniquidades são riscadas, pelo sangue de Jesus Cristo, o filho querido de Deus, que nos limpa de todo o pecado! • Essa é a glória do evangelho, que é um Evangelho para o pecador – boas novas de bençãos, não para aqueles sem pecado, mas para aqueles que confessam e o abandonam! • Jesus veio para o mundo não para recompensar aqueles sem pecados, mas para procurar e salvar aquele que está perdido.
  • 29. • E ele, estando perdido e longe de Deus, o qual vai para perto de Deus por Cristo e acredita Nele, irá descobrir que Ele é capaz de outorgar justiça sobre o culpado. • Ele é o fim da lei pela justiça para todo que crê e, portanto, para a pobre prostituta que acredita, para o bêbado de muitos anos que acredita, para o ladrão, o mentiroso e o escarnecedor que acreditam! Jesus é o fim da lei para aqueles que, antes estavam revoltos em pecado, mas agora se afastam dele e creem em Jesus. Mas eu não sei se preciso mencionar tais casos. • Para mim, o fato mais maravilhoso é que Cristo é o fim da lei para a minha justiça, porque eu creio Nele. “Porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia”.
  • 30. 2 – O Cristão Reconhece o Valor da Lei – Rm 7:7:13 • Sem dúvida, Romanos 7.1-25 é um dos textos mais complexos da epístola e, talvez, um dos mais difíceis de interpretar em todo o NT. • Por isso, há tanta polêmica entre os estudiosos. • A grande tensão está na dificuldade que os ouvintes de Paulo, especialmente os judeus, tinham de relacionar a lei com a fé em Jesus Cristo. • O propósito desta lição é definir e explorar os principais aspectos que dizem respeito à lei e ao seu relacionamento com o cristão.
  • 31. I. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A LEI • No trecho em estudo, aparece 21 vezes a palavra “lei”. • Tal frequência indica o tema central do trecho. • Façamos algumas considerações sobre a palavra “lei” na Bíblia. 1. Que é lei? • De maneira simples, tomamos “lei” como a vontade de Deus revelada aos homens em palavras, princípios, preceitos, julgamentos, atos (cf. Êx 16.28; Sl 119). • Na Bíblia, geralmente está relacionada ao AT, mas não significa que o NT não apresenta normas ao crente.
  • 32. • a. O Pentateuco – Nominado pelos judeus de “A Lei” (Torá), Pentateuco é o conjunto dos cinco primeiros livros do AT. • De origem grega, Pentateuco significa “cinco volumes”. • Para os judeus, ouvintes de Paulo, a Torá, designava todo o conjunto de leis da sua tradição – lei escrita e lei oral. • b. O Antigo Testamento – O AT também era visto como um tipo de compêndio de toda a lei de Deus.
  • 33. • c. Um princípio – Lei, em sentido geral, significa regra, prescrição que emana de autoridade soberana. • Assim, lei também é entendida como um princípio de obediência a toda orientação de Deus. • Nesse sentido o NT é lei de Deus. • d. A lei de Deus – Significa todo desígnio de Deus ao homem – a Bíblia em sua constituição total (66 livros, cf. Sl 119; 2Tm 3.16).
  • 34. 2. Três possíveis atitudes diante da lei • John Stott, em sua obra A Mensagem de Romanos, menciona três tipos de pessoas e as atitudes que elas adotam diante da lei. • a. O legalista – Observa rigorosamente a lei, mas está sob sua servidão. • Uma vez que não é capaz de cumprir integralmente a lei, acaba vivendo de aparências. • Pauta seu comportamento pela religiosidade hipócrita. Observa excessivamente o exterior, mas não é capaz de examinar o próprio interior. • Aponta os pecados alheios, mas não enxerga os próprios erros.
  • 35. • b. O antinomiano (ou libertino) – Detesta a lei e a lança fora. Transforma a liberdade em libertinagem. • Rejeita integralmente a lei e se declara completamente livre de suas exigências. Para quem pensa assim, a lei é causadora de todos os seus problemas. • Vive sem normas ou limites. • c. O cristão equilibrado – Respeita, ama e obedece à lei. Ele se alegra pela libertação do regime da lei e pela liberdade que Deus dá para cumpri-la. • Regozija-se pela oportunidade de observar a revelação de Deus – a Bíblia (Rm 7.12), reconhecendo que a força para cumprir tais preceitos vem do Senhor.
  • 36. 3. Os objetivos da lei • a. Ser uma revelação de Deus e de Sua vontade. • b. Proporcionar bem-estar e preservação da raça humana. • c. Pôr o pecado às claras. • d. Levar os homens ao arrependimento e à confiança na graça de Deus. • e. Prover orientação para a vida do cristão. Romanos para hoje: • Das três atitudes diante da lei, mencionadas na lição: legalista; antinomiana e cristã equilibrada – em qual você se enquadra? Mesmo livre do regime da lei, você tem prazer em cumprir os preceitos de Deus?
  • 37. II. A SEVERIDADE DA LEI (Rm 7.1-6) • Paulo inicia a seção indagando se os seus ouvintes conheciam os limites da lei. • O texto deixa claro que os ouvintes do apóstolo conheciam a lei (Rm 7.1). • Para ele, “a lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e bom” (Rm 7.12). • O problema estava no conceito que se dava à lei. • Segundo F. F. Bruce, os ouvintes de Paulo entendiam que, devido à penosa conformidade com um código de leis, era possível adquirir mérito para salvação diante de Deus.
  • 38. 1. O princípio (Rm 7.1) O princípio estabelecido é: • A lei tem autoridade sobre o homem somente enquanto ele vive. • A morte invalida o domínio da lei sobre o indivíduo e o desobriga dos compromissos contratuais. • Com a morte, os preceitos da lei são dados como terminados. • O princípio é visto de maneira universal como uma sentença legal para qualquer tipo de lei: grega; romana; judaica ou bíblica.
  • 39. 2. A ilustração (Rm 7.2-3) • Paulo explica o princípio da autoridade da lei usando a ilustração do casamento. • A mulher está legalmente unida ao marido enquanto ele viver (o mesmo se aplica ao marido). O compromisso conjugal só é rompido quando uma das partes morre. As obrigações de um para com o outro são canceladas na morte. Matrimônio para toda a vida não significa para além da vida. Na ilustração, o marido morre, e a esposa fica livre para contrair novas núpcias. • No tema em questão, existe uma morte que nos libera da escravidão da lei, pois pela morte de Cristo somos libertos das exigências da lei. É evidente que isso só ocorre por meio da fé em Jesus.
  • 40. 3. A aplicação (Rm 7.4-6) • Na morte de Cristo, o homem pode ser liberto do regime da lei e contrair novo relacionamento, agora com o próprio Senhor Jesus (Rm 7.4). A nova união, porém, não pode ser desfeita uma vez que Cristo ressuscitou e não mais morrerá (Rm 7.9). Então o crente pode frutificar para Deus, uma vez que morreu com Cristo. • John Stott alerta para o fato de que estar emancipado da escravidão da lei não significa estar livre para fazer o que quiser. Libertação da lei não significa liberdade para pecar, e sim liberdade para servir a Deus (Rm 7.6). • F. F. Bruce conclui dizendo que a morte e o pecado são resultados da associação com a lei, mas a vida e a justiça são o resultado da união com Cristo.
  • 41. III. O MINISTÉRIO DA LEI (Rm 7.7-13) 1. A lei é pecado? • A resposta é franca e clara: • “De modo nenhum!” (Rm 7.7). • O apóstolo precisava ter certeza de que seus ouvintes não deturpariam seus ensinos sobre a lei. • Mas se por um lado a lei não é pecado, qual a relação entre pecado e lei?
  • 42. a. A lei revela o pecado (Rm 7.7) • Paulo já havia escrito algo a respeito: “visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado” (Rm 3.20). • Agora ele diz: “eu não teria conhecido o pecado, senão por intermédio da lei” (Rm 7.7). • A lei é capaz de revelar os pecados mais ocultos e conduzir o indivíduo à luz. • Paulo ainda menciona o décimo mandamento: “pois não teria eu conhecido a cobiça, se a lei não dissera: Não cobiçarás” (Rm 7.7). • Paulo dá testemunho da ação da lei em sua vida, citando o pecado da cobiça.
  • 43. • b. A lei desperta o pecado (Rm 7.8) • Para melhor compreensão do verso, faz-se necessário observar como algumas versões traduziram Romanos 7.8. • Bíblia Viva – “O pecado, no entanto, usou essa lei contra os maus desejos lembrando-me que eles estão errados, e despertando dentro de mim toda sorte de desejos proibidos! Somente se não houvesse leis para serem quebradas é que não haveria pecado”. • Cartas para Hoje – “Mas o pecado em mim, encontrando no mandamento oportunidade para se manifestar, estimulou todos os meus desejos. Pois na ausência da lei o pecado não tem vida própria”.
  • 44. • NTLH – “Porém o pecado se aproveitou dessa lei para despertar em mim todo tipo de cobiça. Porque, se não existe a lei, o pecado é uma coisa morta”. • A lei não só revela o pecado como também o expõe ou o desperta. • A natureza pecaminosa do homem, em contraposição à lei de Deus, o leva a fazer o que é proibido. • É como se a lei funcionasse como um fio condutor que desperta a atenção do homem para o pecado e, ao perceber o pecado, ele se sente estimulado a fazer o que não deve. O que é proibido pela lei sempre parece mais prazeroso, porém, sempre será condenado por Deus e pela própria lei.
  • 45. c. A lei condena o pecado (Rm 7.8-11,13) • Se não existir lei, também não existirá transgressão (Rm 7.9). Se pecado é toda forma de transgressão à lei de Deus (1Jo 3.4), ela existe justamente para condenar o pecado. • O papel da lei é mostrar às pessoas que elas são pecadoras e estão destinadas a morrer. • A lei revela, desperta e condena o pecado, mas Paulo deixa claro que a lei não é responsável pelos nossos pecados nem por nossa morte como não foi para ele. • Nossa inclinação ao erro é que nos faz pecar, e o pecado nos conduz à morte (Rm 7.13). Por isso, a lei sempre vai exercer seu papel de condenar o pecado.
  • 46. 2. Atributos da lei (Rm 7.12) • Paulo caracteriza a lei com palavras simples, mas profundas: “a lei é santa, e o mandamento, santo, e justo, e bom”. As características da lei simplesmente refletem o caráter de Deus, sendo uma cópia de Sua perfeição. Isso mostra que o problema não está na lei, e sim em nós. A lei sempre exerceu seu papel perfeito como perfeito é Deus. • Romanos para hoje: • A lei de Deus funciona como alerta contra o pecado. Você tem observado atentamente esse alerta? A lei tem lhe conduzido a viver longe do pecado?
  • 47. IV. A LEI E A CARNE (Rm 7.14-25) • O problema nunca esteve na lei, mas no homem que é frágil e pecador. • O ser humano não é capaz de cumprir integralmente os preceitos da lei e se vê em constante conflito. • Exemplo dessa situação encontramos na vida do apóstolo Paulo.
  • 48. • 1. Os conflitos de Paulo (Rm 7.14-23) • Paulo sentiu na pele os conflitos gerados pelo conhecimento da lei, que o direcionava à vontade de Deus, ao mesmo tempo em que era assediado pelo pecado, que tentava conduzi-lo à morte. • Há conflitos entre o que é espiritual e o que é carnal (Rm 7.14), e entre o saber e o fazer (Rm 7.15.23). • Os constantes conflitos do apóstolo remetem aos três tempos da santificação: somos libertos da culpa do pecado na justificação em Cristo; estamos sendo libertos do poder do pecado pela ação do Espírito Santo e seremos libertos da presença do pecado no encontro com Deus Pai (glorificação).
  • 49. 2. O desespero de Paulo (Rm 7.24) • O grito ecoado de Paulo não é um pedido de socorro de alguém que está completamente perdido nem um apelo sem convicções a respeito de sua salvação, mas um desabafo, em forma de pergunta retórica, de um servo que está fragilizado pelas lutas e anseia pela libertação do pecado. 3. A única saída (Rm 7.25) • Paulo lamenta ser influenciado pelo pecado e fazer algo que não deseja, ansiando pela libertação plena da escravidão do pecado. Ele exalta a Deus por meio do Senhor Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador.
  • 50. 3 – O Cristão Sabe Que é Incapaz de Cumprir a Lei Santificadora – Rm 7:17-25 Santificação • Através de toda a Bíblia, a santificação tem sido um elemento essencial na relação entre Deus e seu povo. Esta qualidade de ser separado do pecado é uma característica fundamental da santidade de Deus, que tem que ser desenvolvida como parte do caráter de seus filhos. Depois de observar brevemente a importância da santificação através de toda a Bíblia, consideraremos as implicações de um texto desafiador na segunda carta de Paulo aos cristãos em Corinto.
  • 51. Deus Quer um Povo Santo • Desde a criação, Deus quis um povo santo. • Ele desejou uma comunhão especial com os homens que fossem capazes de andar com ele e falar com ele numa união especial. • Mas a própria natureza de Deus estabelece limites para tal associação. • Seu caráter santo não pode permitir ser contaminado pelo pecado e pela corrupção. • Os homens só podem estar na sua presença se forem puros.
  • 52. • Adão e Eva andavam no mesmo jardim que Deus, e falavam com ele. • Mas logo pecaram e perderam esta convivência especial. • Foram expulsos do jardim do Éden • ¬separados de Deus¬ • o que foi a morte espiritual que Deus havia prometido como conseqüência do pecado (Gênesis 2:17; 3:23-24). • Povo sem santidade não podia permanecer na presença do santo Deus.
  • 53. • Depois que gerações de pecadores morreram num mundo corrompido, Deus escolheu os descendentes de Abraão para serem um povo santo. • Ele os separou da má influência dos senhores egípcios e preparou uma terra onde poderiam habitar livres da corrupção dos povos idólatras. • Ele até mesmo lhes deu uma lei especial, que ressaltava a distinção entre o puro e o impuro. • Deus explicou a necessidade da pureza deles quando lhes deu essa lei: • "Eu sou o Senhor, vosso Deus; portanto, vós vos consagrareis e sereis santos, porque eu sou santo. . . Eu sou o Senhor, que vos faço subir da terra do Egito, para que eu seja vosso Deus; portanto, vós sereis santos, porque eu sou santo" (Levítico 11:44-45).
  • 54. • Contudo, o povo que Deus havia selecionado excepcionalmente e resgatado não permaneceu santo. • Os israelitas repetidamente exibiram seu pecado aos olhos de Deus. • Ele às vezes avisou que poderia entrar no meio da congregação pecaminosa e destruir o povo (Êxodo 33:5; Números 16:44-45). • Por quê? Simplesmente porque não pode haver comunhão entre a santidade de Deus e a impureza do homem. • O homem tem que ser purificado, ou morrerá (veja Isaías 6:1- 7).
  • 55. • Deus ainda quer um povo santo, e providenciou, através de Cristo, o meio de purificar os pecadores para servirem-no. • Os cristãos são o povo santo de Deus (1 Pedro 2:5,9). • Aqueles que se dizem ser seguidores de Jesus deverão conduzir-se como um povo santificado e purificado da impureza do mundo.
  • 56. • A Santificação é Essencial para ter Comunhão com Deus (2 Coríntios 6:14 - 7:1) • A igreja em Corinto estava rodeada de imoralidade e falsa religião. Os cristãos eram freqüentemente tentados a voltar às más práticas do mundo. • Paulo entendeu esta tentação quando lhes escreveu cartas de encorajamento. Consideremos seu ensinamento em 2 Coríntios 6:14 - 7:1. • Paulo ensinou que o pecado não tem lugar na vida do cristão. Nos versículos 14 e 15 ele disse: • "Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo?"
  • 57. • Encontramos nestes versículos uma lista de coisas que são totalmente opostas. Paulo não encoraja a nenhum tipo de compromisso. Ele não nos diz que um pouco de mal pode coexistir com a justiça. • Em vez disso, mostra que não pode haver nenhuma tolerância do pecado na vida de um cristão. Os cristãos pecam (1 João 1:8,10), mas temos que admitir esses erros e procurar o perdão de Deus para manter a comunhão com ele (1 João 1:9; 2:1). • Certas religiões e filosofias orientais ensinam que o bem tem que ser contrabalançado pelo mal e que cada bem é manchado por alguma quantidade de mal. • Tais idéias contradizem frontalmente o ensinamento da Bíblia. Bem e mal são distintos e não podem existir em harmonia. Os discípulos de Cristo não podem comprometer-se com o erro.
  • 58. • Esta santificação é baseada em nossa relação com Deus. • Paulo continuou nos versículos 16 a 18 a dizer que a base para esta santificação é nossa relação com Deus. • Nestes versículos, ele usa a linguagem das passagens do Velho Testamento para mostrar que Deus ainda deseja um povo santo: • "Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? • Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. • Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em cousas impuras; e eu vos receberei, serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-poderoso."
  • 59. • O desejo básico de Deus permanece inalterado. • Ele quer ter íntima comunhão com seu povo santo. • Mas um Deus puro não pode ter amizade com pecado; portanto, temos que separar-nos do mal e da impureza. • Mas, para que não vejamos isto como uma tarefa desagradável de renúncia, teremos que nos lembrar do grande privilégio que é descrito aqui, especialmente no versículo 18. • O Deus Todo-poderoso do universo, nosso grande Criador e Redentor, quer ser nosso Pai. • Os cristãos têm imenso privilégio de serem chamados filhos e filhas do próprio Deus!
  • 60. • Que faremos para aproveitar desta abençoada amizade com Deus? • O primeiro versículo do capítulo 7 oferece a conclusão prática desta passagem: • "Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifi-quemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aper- feiçoando a nossa santi-dade no temor de Deus." • Por causa do grande privilégio de sermos chamados filhos e filhas de Deus, temos que nos purificar de toda impureza. • Não apenas 50%, 90% ou 99% do pecado, mas de toda imundície. • Por quê? Por causa de nosso respeito a Deus. Ele merece nosso serviço de santificação.
  • 61. • Temos que ser limpos de que tipos de impureza? • Paulo menciona duas amplas categorias de pecado que têm que ser expurgadas de nossas vidas: Impureza da carne. • Isto incluiria todas as formas de imoralidade e mundanismo. • Pecados sexuais, embriaguez, desonestidade e todas as outras características da carne têm que ser abandonadas. • Pessoas que praticam tais coisas não terão permissão para entrar na eterna comunhão com Deus (veja Gálatas 5:19-21; 1 Coríntios 6:9-11; Apocalipse 21:8).
  • 62. Impureza do espírito. • Impureza espiritual e religiosa também têm que ser removidas de nossas vidas. Os cristãos em Corinto estavam rodeados pela idolatria, por isso Paulo usou este exemplo específico. Estamos rodeados de uma variedade de doutrinas humanas e filosofias, práticas de espiritismo, adoração de santos e de imagens, etc. • O verdadeiro cristão não pode continuar a participar de tais práticas impuras. Temos que limpar-nos de qualquer mal deste tipo (1 Coríntios 10:14), adorando somente a Deus (Mateus 4:10). • Nossa adoração a Deus tem que ser de acordo com sua verdade (João 4:24). Sem nos santificar, não teremos comunhão com o Senhor que morreu por nós.
  • 63. Aplicações em nossa Sociedade • Vivemos num mundo que tem sido manchado, por milhares de anos, pelo pecado. • Estamos rodeados por violência, pornografia, desonestidade e falsa religião. • Deus não pretende que nos isolemos deste mundo (João 17:14-21), mas que fujamos dos seus pecados (1 Timóteo 6:11) e brilhemos como luzes num mundo de trevas (Mateus 5:14-16). • Nunca foi fácil viver como povo santificado num mundo de corrupção e injustiça, mas é possível. Jesus provou isso durante uma vida de pureza sem pecado. É nossa responsabilidade seguir seus passos:
  • 64. • "Porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca" (1 Pedro 2:21-22).