SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
1
DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO
Fernando Alcoforado*
Este artigo tem por objetivo apresentar a trajetória dos impérios e dos imperialismos ao
longo da história da humanidade que evoluíram se transformando no imperialismo
unificado ou império global na era contemporânea. Os antigos impérios foram
impulsionados pelos Estados imperiais existentes na Antiguidade até o século XIX que
foram sucedidos pelos imperialismos impulsionados pelos Estados nacionais desde o
século XIX até a segunda metade do século XX quando surgiu o imperialismo unificado
ou império global a partir de 1975. Os antigos impérios surgiram na Antiguidade como
o do Egito Antigo (3200 a.C. a 2300 a.C.), o da Grécia (1100 a.C. a 146 a.C.), o
Macedônico (359 a.C. a 323 a.C.), o Império Romano (27 a.C. a 476 d.C.), o Império
Mongol (1209 d.C. a 1368 d.C.) e o Império Qing na China (1644 d.C. a 1912 d.C.). Na
Idade Média, surgiram o Império Bizantino (330 d.C. a 1453 d.C.), o Árabe Islâmico
(entre os séculos VII e XIII), o Russo ou Czarista (1547 d.C. a 1917 d.C.), o Espanhol
(1492 d.C. a 1975 d.C.), o Português (1415 d.C. a 1999 d.C.), o Britânico (1583 d.C. a
1997 d.C.) e o Holandês (desde 1602 d.C.). Entre a primeira metade do século XIX e a
primeira metade do século XX, surgiram os imperialismos francês, alemão, belga e
italiano que juntamente com o imperialismo britânico atuaram na conquista de colônias
na Ásia, África e América Latina.
Os antigos impérios que existiram na Antiguidade e na Idade Média atendiam os
interesses de cada Estado imperial visando sua expansão e domínio territorial, cultural e
econômico sobre os povos dominados. Em geral, os impérios tinham como objetivo
dominar e explorar os recursos minerais e naturais da região conquistada, cobrar taxas e
impostos da população colonial, divulgar e implantar a cultura ou religião do país
colonizador em áreas colonizadas. Em geral, os imperialismos tinham os mesmos
objetivos dos antigos impérios, além do propósito de transformar as colônias em
mercados para seus produtos. A obtenção de novos mercados consumidores é apontado
por Eric Hobsbawm [1] como o grande fator que empurrou as nações imperialistas
industrializadas a partir do século XIX para a ocupação de novos territórios. Segundo
Hobsbawm, naquela época, acreditava-se que a superprodução de mercadorias existente
seria solucionado por meio da obtenção de novos mercados consumidores. Assim, a
ocupação de novos territórios era vista como a solução para garantir o desenvolvimento
de suas próprias economias. A partir do século XIX, o imperialismo também pode ser
chamado de neocolonialismo, pois foi um novo processo de colonização da África, Ásia
e |Oceania, como continuidade do colonialismo adotado anteriormente pelos impérios
espanhol, português e britânico nas Américas, na África e na Ásia.
O Imperialismo foi responsável pela formação de gigantescos impérios ultramarinos. O
historiador Eric Hobsbawm aponta que durante o ciclo neocolonialista, cerca de 25% das
terras do planeta foram ocupadas por alguma potência imperialista [1]. Inglaterra
aumentou seu território em 10 milhões de km2
, a França em 9 milhões de km2
, Alemanha
em 2,5 milhões de km2
e Bélgica e Itália em cerca de 2 milhões de km2
. Os antigos
impérios que existiram desde a Antiguidade até o século XIX e os imperialismos que
existiram desde o século XIX até metade do século XX mudaram totalmente a
organização do mapa da Terra porque destruíram as organizações sociais existentes nos
territórios ocupados e suas populações foram vítimas de genocídio e escravizadas ou
colocadas sobre uma cruel exploração de seu trabalho. Um dos lugares mais afetados
pelos imperialismos a partir do século XIX foi o continente africano em consequência da
2
violência da administração colonial dos europeus sobre as populações nativas, sobretudo
no Congo Belga, cuja administração colonial belga foi responsável pela morte de 10
milhões de pessoas, a exploração intensa da população africana que legou à África uma
pobreza severa e, também, a criação de nações artificiais que contribuiu para sua
instabilidade política após conquistarem sua independência. O legado mais negativo dos
imperialismos foi o da Alemanha que desencadeou a 1ª e a 2ª Guerra Mundial das quais
resultaram 100 milhões de mortos, disseminou a ideologia assassina nazifascista e
comandou o maior genocídio da história especialmente contra os judeus.
Após a 2ª Guerra Mundial, ocorreu a descolonização quando vários países coloniais
conquistaram sua independência em relação aos países imperialistas e surgiu o
imperialismo norte-americano que atuou visando sua expansão e domínio territorial,
cultural e econômico em todo o mundo cooptando governos e classes dominantes locais
e, em casos extremos, intervindo militarmente para assegurar seus interesses. De todos os
imperialismos surgidos até hoje ao longo da história, os imperialismos alemão, britânico,
francês e norte-americano foram os que cometeram os maiores crimes contra a
Humanidade — das guerras interimperialistas como a 1ª e 2ª Guerra Mundial às chamadas
guerras limitadas como a Guerra da Coreia, a Guerra do Vietnã e o patrocínio dos regimes
de terror como as ditaduras militares implantadas através de golpes de estado na América
Latina nas décadas de 1960 e 1970, inclusive no Brasil. Com o apoio de governos locais
subordinados a seus interesses, o governo dos Estados Unidos e seus aliados patrocinaram
todos os possíveis atos de terrorismo de Estado, que inclui prisões e detenções ilegais,
torturas, assassinatos, entre outras ações. Milhares de pessoas na Ásia, África e América
Latina sofreram com esses atos de terrorismo de Estado. O governo dos Estados Unidos
e seus aliados desencadearam cinco guerras de agressão em larga escala — as do Iraque,
da Iugoslávia, do Afeganistão, da Líbia e da Síria — e neste processo lucraram com
espólios, como os recursos petrolíferos, enquanto os povos destes países sofreram
terrivelmente com o terror imperialista em todas essas guerras de agressão. Os alvos mais
recentes dos Estados Unidos e seus aliados foram a tentativa de derrubada dos regimes
de Assad na Síria e a dos aiatolás no Irã contando com o apoio de Israel. Os Estados
Unidos e os demais países imperialistas são responsáveis pela ruína econômica e social
dos países periféricos do mundo.
Após a 2ª Guerra Mundial, a União Soviética, que exerceu papel fundamental na derrota
do nazi-fascismo, se constituiu em contraponto ao poder dos Estados Unidos ao constituir
o sistema de países socialistas do leste europeu e apoiar as lutas anti-imperialistas pelo
socialismo e de libertação nacional em todo o mundo. Este confronto entre União
Soviética e Estados Unidos recebeu a denominação de Guerra Fria porque ambos
combatiam indiretamente um ao outro. Neste período da Guerra Fria, os países
imperialistas se uniram no plano militar para enfrentar a União Soviética e seus aliados
com a constituição da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) em 1949 sob
a liderança dos Estados Unidos. Por sua vez, a União Soviética constituiu uma aliança
militar com os países socialistas criando o Pacto de Varsóvia. A aliança militar contra a
União Soviética foi o primeiro passo dado pelos países imperialistas rumo à construção
de um imperialismo unificado ou império global. O segundo passo rumo à construção de
um imperialismo unificado ou império global ocorreu quando todos os países
imperialistas e seus aliados chegaram à conclusão que era necessário integrar os mercados
globais e a economia mundial como estratégia capaz de promover o crescimento
econômico e o aumento dos lucros globais do capitalismo desencadeando o processo de
globalização contemporânea a partir da década de 1990. O terceiro passo rumo à
construção de um imperialismo unificado ou império global ocorreu a partir de 1990 com
3
o fim da União Soviética e do sistema socialista do leste europeu, fato este que
potencializou ainda mais o processo de globalização contemporânea com a incorporação
ao capitalismo dos mercados da Rússia e dos países que integravam o sistema socialista
do leste europeu.
A partir de 1990 todos os países do planeta com raras exceções aderiram ao processo de
globalização da economia com a abertura dos mercados dos países do mundo. Os fluxos
de investimentos de capital dos países imperialistas circularam por todo o planeta
especialmente naqueles países onde havia baixos custos de mão de obra e governos
dispostos a colaborar com o avanço do processo de globalização. A China, por exemplo,
se tornou atrativa para o investidor estrangeiro porque, além de ter um mercado
gigantesco, passou a ter uma completa cadeia produtiva industrial, uma capacidade
científica e tecnológica, um sistema de logística bastante desenvolvido e abundantes
recursos humanos de baixo custo, sendo um dos países que mais se beneficiaram com a
globalização contemporânea. O imperialismo unificado ou império global passou a existir
a partir de 1975 quando se articulou através do G7, que é o grupo dos países mais
industrializados do mundo, composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França,
Itália, Japão e Reino Unido com participação, também, da União Europeia. Organizações
como FMI, Banco Mundial, OMC (Organização Mundial do Comércio) e OTAN
(Organização do Tratado do Atlântico Norte) atuam articuladamente com os países
integrantes do G7 visando a consecução dos objetivos do imperialismo unificado ou
império global. Esta articulação ficou bastante clara quando o imperialismo unificado ou
império global decidiu recentemente penalizar a Rússia com drásticas sanções
econômicas e seus magnatas com o confisco de seus bens nos países ocidentais devido a
invasão da Ucrânia pela Rússia.
Pelo exposto, o imperialismo unificado ou império global busca fazer com que os
governantes dos países sejam obedientes a seus ditames. Isto significa dizer que os países
que não obedecerem os ditames do imperialismo unificado global sofrerão as mesmas
consequências enfrentadas pela Rússia atualmente. Este fato deixa evidenciado que o
imperialismo unificado ou império global representa uma ameaça concreta contra a
soberania de todos os países do mundo porque se trata de um poder mundial único, sem
fronteiras, acima de qualquer potência capitalista que impôs uma nova ordem global que
está vigorando na era contemporânea. No passado, quando os imperialismos eram
nacionais havia competição entre eles pela conquista de colônias, dos mercados e do
poder mundial. Hoje, os imperialismos nacionais se uniram constituindo um império
mundial. No passado, a luta de libertação nacional dos países dominados era contra o
imperialismo (alemão, francês, britânico ou norte-americano) que os dominavam. Na
atualidade, a luta de libertação nacional se tornou mais desigual porque todos os países
imperialistas se juntaram compondo o imperialismo unificado ou império global. Diante
deste fato não há outra alternativa para os países que desejam se libertar da dominação
imperialista senão a de lutarem contra o imperialismo unificado ou império global pela
criação de um novo sistema internacional que deveria funcionar com base em um
Contrato Social Planetário (Constituição mundial), um governo democrático mundial, um
parlamento e uma corte suprema mundial capazes de se antepor ao império global.
O Contrato Social Planetário deveria ser elaborado por uma Assembleia Mundial
Constituinte a ser convocada pela Assembleia Geral da ONU com a participação de
representantes eleitos por todos os países do mundo. O Contrato Social Planetário deveria
estabelecer as bases das relações internacionais a serem colocadas em prática
contemplando a existência de um Governo mundial cujo presidente seria eleito com mais
4
de 50% de votos do Parlamento mundial a ser, também, constituído. Para assegurar a
prática democrática e a governabilidade no planeta Terra, o poder mundial deveria ser
exercido pelo Parlamento mundial que, além de eleger o Presidente do Governo mundial,
deveria elaborar e aprovar as leis internacionais baseadas no Contrato Social Planetário.
O Parlamento mundial deveria ser composto por um número determinado e igual de
representantes de cada país eleitos democraticamente para este fim. O Presidente do
Governo mundial só exercerá o comando do governo mundial enquanto contar com o
apoio da maioria do parlamento Se, por maioria do parlamento, houver a necessidade de
substituição do Presidente do Governo mundial isto deve ser feito.
O Governo mundial deve contar com uma estrutura organizacional que seja capaz de lidar
com as relações internacionais, a questão militar, a economia global, o meio ambiente
global, a educação, a saúde, a infraestutura, a ciência e tecnologia, entre outras, para
dialogar com o Parlamento mundial e os países integrantes do sistema internacional. Os
parlamentares deveriam eleger a mesa diretora do Parlamento mundial que contaria com
estrutura organizacional apropriada. A Corte Suprema Mundial deveria ser composta por
juristas de alto nivel do mundo escolhido pelo Parlamento mundial que atuariam por
tempo determinado os quais deveriam eleger o Presidente da Corte para cumprir um
mandato por tempo determinado. À luz do Contrato Social Planetário, a Corte Suprema
Mundial deveria julgar os casos que envolvam litigios entre paises, os crimes contra a
humanidade e contra a natureza praticados por Estados nacionais e por governantes, julgar
conflitos que existam entre o governo mundial e o partamento mundial e atuar como
guardiã do Contrato Social Planetário. O Governo mundial não terá Forças Armadas
próprias devendo contar com o respaldo de Forças Armadas dos países que seriam
convocadas quando necessário.
Portanto, com esta sistemática o governo mundial buscaria atender os interesses de todos
os países do planeta e o parlamento mundial legislaria por meio de um processo
democrático com a participação de todos os países do mundo. Não haveria a necessidade
de uma estrutura militar ligada ao governo mundial para atuar como policial do mundo
porque o Presidente do governo mundial usaria as Forças Armadas de determinados
países que seriam convocadas quando necessário. O novo estado de direito internacional
seria executado pelos três poderes constituidos: Governo mundial, Parlamento mundial e
Corte Suprema mundial. O poder mundial repousaria no Governo mundial, no Parlamento
mundial e na Corte Suprema mundial. O poder mundial não corromperia nem seria
corrompido porque haveria a vigilância de todos os poderes constituídos. Governo
mundial, Parlamento mundial e Corte Suprema mundial atuariam como freios e
contrapesos visando a eficiência e eficácia do sistema internacional.
REFERÊNCIA
[1] HOBSBAWM, Eric. A Era dos Impérios 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.
* Fernando Alcoforado, 82, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema
CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação e da SBPC- Sociedade Brasileira para o
Progresso da Ciência, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela
Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico,
planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, foi Assessor do
Vice-Presidente de Engenharia e Tecnologia da LIGHT S.A. Electric power distribution company do Rio
de Janeiro, Coordenador de Planejamento Estratégico do CEPED- Centro de Pesquisa e Desenvolvimento
da Bahia, Subsecretário de Energia do Estado da Bahia, Secretário do Planejamento de Salvador, é autor
dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem
Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os
condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de
5
Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora
Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos
na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social
Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG,
Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica,
Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate
ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores
Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no
Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba,
2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV,
Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua
convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co-autoria), Como inventar o futuro
para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019) e A humanidade ameaçada e as estratégias para sua
sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021).
.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdf

Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismoisameucci
 
Imperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e AlemãImperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e AlemãFrancisco Neto
 
Aula 14 américa espanhola
Aula 14   américa espanholaAula 14   américa espanhola
Aula 14 américa espanholaJonatas Carlos
 
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)Andre Lucas
 
Aula 03 neocolonialismo e a descolonização
Aula 03   neocolonialismo e a descolonizaçãoAula 03   neocolonialismo e a descolonização
Aula 03 neocolonialismo e a descolonizaçãoJonatas Carlos
 
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)Eder Liborio
 
Zoeira apresentation
Zoeira apresentationZoeira apresentation
Zoeira apresentationCaio Felipe
 
Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_Lucas pk'
 
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - GeografiaCapitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - GeografiaRaquel Stephanny
 
A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1papathy
 
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneoO capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneopolyanabritto35
 
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá los
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá losOs vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá los
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá losFernando Alcoforado
 
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelmaJOSYNEL
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
ImperialismoAlexia 14
 
A GÊNESE DA RIQUEZA E DA POBREZA DAS NAÇÕES
A GÊNESE DA RIQUEZA E DA POBREZA DAS NAÇÕES A GÊNESE DA RIQUEZA E DA POBREZA DAS NAÇÕES
A GÊNESE DA RIQUEZA E DA POBREZA DAS NAÇÕES Fernando Alcoforado
 
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra FriaDo mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra FriaCharles Santos
 

Semelhante a DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdf (20)

Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
 
Imperialismo 2023.pptx
Imperialismo 2023.pptxImperialismo 2023.pptx
Imperialismo 2023.pptx
 
Imperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e AlemãImperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e Alemã
 
Aula 14 américa espanhola
Aula 14   américa espanholaAula 14   américa espanhola
Aula 14 américa espanhola
 
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
Neocolonialismo e a opressão cultural (2)
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Aula 03 neocolonialismo e a descolonização
Aula 03   neocolonialismo e a descolonizaçãoAula 03   neocolonialismo e a descolonização
Aula 03 neocolonialismo e a descolonização
 
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
Regionalização Mundial por Desenvolvimento (IDH)
 
Zoeira apresentation
Zoeira apresentationZoeira apresentation
Zoeira apresentation
 
Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_Capitalismo e socialismo_
Capitalismo e socialismo_
 
Capitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - GeografiaCapitalismo e Socialismo - Geografia
Capitalismo e Socialismo - Geografia
 
A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1
 
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneoO capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
O capitalismo e o cenário geopolítico contemporâneo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá los
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá losOs vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá los
Os vários tipos de terrorismo no mundo e como derrotá los
 
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
A GÊNESE DA RIQUEZA E DA POBREZA DAS NAÇÕES
A GÊNESE DA RIQUEZA E DA POBREZA DAS NAÇÕES A GÊNESE DA RIQUEZA E DA POBREZA DAS NAÇÕES
A GÊNESE DA RIQUEZA E DA POBREZA DAS NAÇÕES
 
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra FriaDo mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
Do mundo multipolar para o bipolar da Guerra Fria
 

Mais de Faga1939

HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...Faga1939
 
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...Faga1939
 
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfHOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfFaga1939
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfFaga1939
 
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...Faga1939
 
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...Faga1939
 
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...Faga1939
 
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...Faga1939
 
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...Faga1939
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...Faga1939
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...Faga1939
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...Faga1939
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...Faga1939
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...Faga1939
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...Faga1939
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...Faga1939
 
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdfAQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdfFaga1939
 
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...Faga1939
 
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...Faga1939
 
LA SUPERINTELLIGENCE ARTIFICIELLE, SES BÉNÉFICES ET NUIRES ET QUE FAIRE POUR ...
LA SUPERINTELLIGENCE ARTIFICIELLE, SES BÉNÉFICES ET NUIRES ET QUE FAIRE POUR ...LA SUPERINTELLIGENCE ARTIFICIELLE, SES BÉNÉFICES ET NUIRES ET QUE FAIRE POUR ...
LA SUPERINTELLIGENCE ARTIFICIELLE, SES BÉNÉFICES ET NUIRES ET QUE FAIRE POUR ...Faga1939
 

Mais de Faga1939 (20)

HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
 
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
 
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfHOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
 
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
 
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
 
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
 
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
 
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 2)...
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
 
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
A ESCALADA DA EDUCAÇÃO NO MUNDO DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA (Parte 1)...
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE ET SES IMPACTS SUR LA SANTÉ DE LA POPULATION MOND...
 
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdfAQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
AQUECIMENTO GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE DA POPULAÇÃO MUNDIAL.pdf
 
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
THIS IS THE FULL COVER OF OUR 21ST BOOK TO BE PUBLISHED BY EDITORA CRV DE CUR...
 
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
 
LA SUPERINTELLIGENCE ARTIFICIELLE, SES BÉNÉFICES ET NUIRES ET QUE FAIRE POUR ...
LA SUPERINTELLIGENCE ARTIFICIELLE, SES BÉNÉFICES ET NUIRES ET QUE FAIRE POUR ...LA SUPERINTELLIGENCE ARTIFICIELLE, SES BÉNÉFICES ET NUIRES ET QUE FAIRE POUR ...
LA SUPERINTELLIGENCE ARTIFICIELLE, SES BÉNÉFICES ET NUIRES ET QUE FAIRE POUR ...
 

DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO.pdf

  • 1. 1 DOS ANTIGOS IMPÉRIOS AO IMPÉRIO GLOBAL CONTEMPORÂNEO Fernando Alcoforado* Este artigo tem por objetivo apresentar a trajetória dos impérios e dos imperialismos ao longo da história da humanidade que evoluíram se transformando no imperialismo unificado ou império global na era contemporânea. Os antigos impérios foram impulsionados pelos Estados imperiais existentes na Antiguidade até o século XIX que foram sucedidos pelos imperialismos impulsionados pelos Estados nacionais desde o século XIX até a segunda metade do século XX quando surgiu o imperialismo unificado ou império global a partir de 1975. Os antigos impérios surgiram na Antiguidade como o do Egito Antigo (3200 a.C. a 2300 a.C.), o da Grécia (1100 a.C. a 146 a.C.), o Macedônico (359 a.C. a 323 a.C.), o Império Romano (27 a.C. a 476 d.C.), o Império Mongol (1209 d.C. a 1368 d.C.) e o Império Qing na China (1644 d.C. a 1912 d.C.). Na Idade Média, surgiram o Império Bizantino (330 d.C. a 1453 d.C.), o Árabe Islâmico (entre os séculos VII e XIII), o Russo ou Czarista (1547 d.C. a 1917 d.C.), o Espanhol (1492 d.C. a 1975 d.C.), o Português (1415 d.C. a 1999 d.C.), o Britânico (1583 d.C. a 1997 d.C.) e o Holandês (desde 1602 d.C.). Entre a primeira metade do século XIX e a primeira metade do século XX, surgiram os imperialismos francês, alemão, belga e italiano que juntamente com o imperialismo britânico atuaram na conquista de colônias na Ásia, África e América Latina. Os antigos impérios que existiram na Antiguidade e na Idade Média atendiam os interesses de cada Estado imperial visando sua expansão e domínio territorial, cultural e econômico sobre os povos dominados. Em geral, os impérios tinham como objetivo dominar e explorar os recursos minerais e naturais da região conquistada, cobrar taxas e impostos da população colonial, divulgar e implantar a cultura ou religião do país colonizador em áreas colonizadas. Em geral, os imperialismos tinham os mesmos objetivos dos antigos impérios, além do propósito de transformar as colônias em mercados para seus produtos. A obtenção de novos mercados consumidores é apontado por Eric Hobsbawm [1] como o grande fator que empurrou as nações imperialistas industrializadas a partir do século XIX para a ocupação de novos territórios. Segundo Hobsbawm, naquela época, acreditava-se que a superprodução de mercadorias existente seria solucionado por meio da obtenção de novos mercados consumidores. Assim, a ocupação de novos territórios era vista como a solução para garantir o desenvolvimento de suas próprias economias. A partir do século XIX, o imperialismo também pode ser chamado de neocolonialismo, pois foi um novo processo de colonização da África, Ásia e |Oceania, como continuidade do colonialismo adotado anteriormente pelos impérios espanhol, português e britânico nas Américas, na África e na Ásia. O Imperialismo foi responsável pela formação de gigantescos impérios ultramarinos. O historiador Eric Hobsbawm aponta que durante o ciclo neocolonialista, cerca de 25% das terras do planeta foram ocupadas por alguma potência imperialista [1]. Inglaterra aumentou seu território em 10 milhões de km2 , a França em 9 milhões de km2 , Alemanha em 2,5 milhões de km2 e Bélgica e Itália em cerca de 2 milhões de km2 . Os antigos impérios que existiram desde a Antiguidade até o século XIX e os imperialismos que existiram desde o século XIX até metade do século XX mudaram totalmente a organização do mapa da Terra porque destruíram as organizações sociais existentes nos territórios ocupados e suas populações foram vítimas de genocídio e escravizadas ou colocadas sobre uma cruel exploração de seu trabalho. Um dos lugares mais afetados pelos imperialismos a partir do século XIX foi o continente africano em consequência da
  • 2. 2 violência da administração colonial dos europeus sobre as populações nativas, sobretudo no Congo Belga, cuja administração colonial belga foi responsável pela morte de 10 milhões de pessoas, a exploração intensa da população africana que legou à África uma pobreza severa e, também, a criação de nações artificiais que contribuiu para sua instabilidade política após conquistarem sua independência. O legado mais negativo dos imperialismos foi o da Alemanha que desencadeou a 1ª e a 2ª Guerra Mundial das quais resultaram 100 milhões de mortos, disseminou a ideologia assassina nazifascista e comandou o maior genocídio da história especialmente contra os judeus. Após a 2ª Guerra Mundial, ocorreu a descolonização quando vários países coloniais conquistaram sua independência em relação aos países imperialistas e surgiu o imperialismo norte-americano que atuou visando sua expansão e domínio territorial, cultural e econômico em todo o mundo cooptando governos e classes dominantes locais e, em casos extremos, intervindo militarmente para assegurar seus interesses. De todos os imperialismos surgidos até hoje ao longo da história, os imperialismos alemão, britânico, francês e norte-americano foram os que cometeram os maiores crimes contra a Humanidade — das guerras interimperialistas como a 1ª e 2ª Guerra Mundial às chamadas guerras limitadas como a Guerra da Coreia, a Guerra do Vietnã e o patrocínio dos regimes de terror como as ditaduras militares implantadas através de golpes de estado na América Latina nas décadas de 1960 e 1970, inclusive no Brasil. Com o apoio de governos locais subordinados a seus interesses, o governo dos Estados Unidos e seus aliados patrocinaram todos os possíveis atos de terrorismo de Estado, que inclui prisões e detenções ilegais, torturas, assassinatos, entre outras ações. Milhares de pessoas na Ásia, África e América Latina sofreram com esses atos de terrorismo de Estado. O governo dos Estados Unidos e seus aliados desencadearam cinco guerras de agressão em larga escala — as do Iraque, da Iugoslávia, do Afeganistão, da Líbia e da Síria — e neste processo lucraram com espólios, como os recursos petrolíferos, enquanto os povos destes países sofreram terrivelmente com o terror imperialista em todas essas guerras de agressão. Os alvos mais recentes dos Estados Unidos e seus aliados foram a tentativa de derrubada dos regimes de Assad na Síria e a dos aiatolás no Irã contando com o apoio de Israel. Os Estados Unidos e os demais países imperialistas são responsáveis pela ruína econômica e social dos países periféricos do mundo. Após a 2ª Guerra Mundial, a União Soviética, que exerceu papel fundamental na derrota do nazi-fascismo, se constituiu em contraponto ao poder dos Estados Unidos ao constituir o sistema de países socialistas do leste europeu e apoiar as lutas anti-imperialistas pelo socialismo e de libertação nacional em todo o mundo. Este confronto entre União Soviética e Estados Unidos recebeu a denominação de Guerra Fria porque ambos combatiam indiretamente um ao outro. Neste período da Guerra Fria, os países imperialistas se uniram no plano militar para enfrentar a União Soviética e seus aliados com a constituição da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) em 1949 sob a liderança dos Estados Unidos. Por sua vez, a União Soviética constituiu uma aliança militar com os países socialistas criando o Pacto de Varsóvia. A aliança militar contra a União Soviética foi o primeiro passo dado pelos países imperialistas rumo à construção de um imperialismo unificado ou império global. O segundo passo rumo à construção de um imperialismo unificado ou império global ocorreu quando todos os países imperialistas e seus aliados chegaram à conclusão que era necessário integrar os mercados globais e a economia mundial como estratégia capaz de promover o crescimento econômico e o aumento dos lucros globais do capitalismo desencadeando o processo de globalização contemporânea a partir da década de 1990. O terceiro passo rumo à construção de um imperialismo unificado ou império global ocorreu a partir de 1990 com
  • 3. 3 o fim da União Soviética e do sistema socialista do leste europeu, fato este que potencializou ainda mais o processo de globalização contemporânea com a incorporação ao capitalismo dos mercados da Rússia e dos países que integravam o sistema socialista do leste europeu. A partir de 1990 todos os países do planeta com raras exceções aderiram ao processo de globalização da economia com a abertura dos mercados dos países do mundo. Os fluxos de investimentos de capital dos países imperialistas circularam por todo o planeta especialmente naqueles países onde havia baixos custos de mão de obra e governos dispostos a colaborar com o avanço do processo de globalização. A China, por exemplo, se tornou atrativa para o investidor estrangeiro porque, além de ter um mercado gigantesco, passou a ter uma completa cadeia produtiva industrial, uma capacidade científica e tecnológica, um sistema de logística bastante desenvolvido e abundantes recursos humanos de baixo custo, sendo um dos países que mais se beneficiaram com a globalização contemporânea. O imperialismo unificado ou império global passou a existir a partir de 1975 quando se articulou através do G7, que é o grupo dos países mais industrializados do mundo, composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido com participação, também, da União Europeia. Organizações como FMI, Banco Mundial, OMC (Organização Mundial do Comércio) e OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) atuam articuladamente com os países integrantes do G7 visando a consecução dos objetivos do imperialismo unificado ou império global. Esta articulação ficou bastante clara quando o imperialismo unificado ou império global decidiu recentemente penalizar a Rússia com drásticas sanções econômicas e seus magnatas com o confisco de seus bens nos países ocidentais devido a invasão da Ucrânia pela Rússia. Pelo exposto, o imperialismo unificado ou império global busca fazer com que os governantes dos países sejam obedientes a seus ditames. Isto significa dizer que os países que não obedecerem os ditames do imperialismo unificado global sofrerão as mesmas consequências enfrentadas pela Rússia atualmente. Este fato deixa evidenciado que o imperialismo unificado ou império global representa uma ameaça concreta contra a soberania de todos os países do mundo porque se trata de um poder mundial único, sem fronteiras, acima de qualquer potência capitalista que impôs uma nova ordem global que está vigorando na era contemporânea. No passado, quando os imperialismos eram nacionais havia competição entre eles pela conquista de colônias, dos mercados e do poder mundial. Hoje, os imperialismos nacionais se uniram constituindo um império mundial. No passado, a luta de libertação nacional dos países dominados era contra o imperialismo (alemão, francês, britânico ou norte-americano) que os dominavam. Na atualidade, a luta de libertação nacional se tornou mais desigual porque todos os países imperialistas se juntaram compondo o imperialismo unificado ou império global. Diante deste fato não há outra alternativa para os países que desejam se libertar da dominação imperialista senão a de lutarem contra o imperialismo unificado ou império global pela criação de um novo sistema internacional que deveria funcionar com base em um Contrato Social Planetário (Constituição mundial), um governo democrático mundial, um parlamento e uma corte suprema mundial capazes de se antepor ao império global. O Contrato Social Planetário deveria ser elaborado por uma Assembleia Mundial Constituinte a ser convocada pela Assembleia Geral da ONU com a participação de representantes eleitos por todos os países do mundo. O Contrato Social Planetário deveria estabelecer as bases das relações internacionais a serem colocadas em prática contemplando a existência de um Governo mundial cujo presidente seria eleito com mais
  • 4. 4 de 50% de votos do Parlamento mundial a ser, também, constituído. Para assegurar a prática democrática e a governabilidade no planeta Terra, o poder mundial deveria ser exercido pelo Parlamento mundial que, além de eleger o Presidente do Governo mundial, deveria elaborar e aprovar as leis internacionais baseadas no Contrato Social Planetário. O Parlamento mundial deveria ser composto por um número determinado e igual de representantes de cada país eleitos democraticamente para este fim. O Presidente do Governo mundial só exercerá o comando do governo mundial enquanto contar com o apoio da maioria do parlamento Se, por maioria do parlamento, houver a necessidade de substituição do Presidente do Governo mundial isto deve ser feito. O Governo mundial deve contar com uma estrutura organizacional que seja capaz de lidar com as relações internacionais, a questão militar, a economia global, o meio ambiente global, a educação, a saúde, a infraestutura, a ciência e tecnologia, entre outras, para dialogar com o Parlamento mundial e os países integrantes do sistema internacional. Os parlamentares deveriam eleger a mesa diretora do Parlamento mundial que contaria com estrutura organizacional apropriada. A Corte Suprema Mundial deveria ser composta por juristas de alto nivel do mundo escolhido pelo Parlamento mundial que atuariam por tempo determinado os quais deveriam eleger o Presidente da Corte para cumprir um mandato por tempo determinado. À luz do Contrato Social Planetário, a Corte Suprema Mundial deveria julgar os casos que envolvam litigios entre paises, os crimes contra a humanidade e contra a natureza praticados por Estados nacionais e por governantes, julgar conflitos que existam entre o governo mundial e o partamento mundial e atuar como guardiã do Contrato Social Planetário. O Governo mundial não terá Forças Armadas próprias devendo contar com o respaldo de Forças Armadas dos países que seriam convocadas quando necessário. Portanto, com esta sistemática o governo mundial buscaria atender os interesses de todos os países do planeta e o parlamento mundial legislaria por meio de um processo democrático com a participação de todos os países do mundo. Não haveria a necessidade de uma estrutura militar ligada ao governo mundial para atuar como policial do mundo porque o Presidente do governo mundial usaria as Forças Armadas de determinados países que seriam convocadas quando necessário. O novo estado de direito internacional seria executado pelos três poderes constituidos: Governo mundial, Parlamento mundial e Corte Suprema mundial. O poder mundial repousaria no Governo mundial, no Parlamento mundial e na Corte Suprema mundial. O poder mundial não corromperia nem seria corrompido porque haveria a vigilância de todos os poderes constituídos. Governo mundial, Parlamento mundial e Corte Suprema mundial atuariam como freios e contrapesos visando a eficiência e eficácia do sistema internacional. REFERÊNCIA [1] HOBSBAWM, Eric. A Era dos Impérios 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014. * Fernando Alcoforado, 82, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema CONFEA/CREA, membro da Academia Baiana de Educação e da SBPC- Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, foi Assessor do Vice-Presidente de Engenharia e Tecnologia da LIGHT S.A. Electric power distribution company do Rio de Janeiro, Coordenador de Planejamento Estratégico do CEPED- Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Bahia, Subsecretário de Energia do Estado da Bahia, Secretário do Planejamento de Salvador, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de
  • 5. 5 Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co-autoria), Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019) e A humanidade ameaçada e as estratégias para sua sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021). .