SlideShare uma empresa Scribd logo
1
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS
NO MUNDO EM QUE VIVEMOS
Fernando Alcoforado*
Este artigo tem por objetivo apresentar as causas da depressão e da ansiedade nos
indivíduos, que são consideradas os males do século, e as soluções que permitiriam
superá-las. A depressão e a ansiedade atingem mais de 300 milhões de pessoas em todo
o mundo. No Brasil, o transtorno afeta cerca de 18,6 milhões de indivíduos, conforme
dados da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde), o que corresponde a 9,3% da
população.
1. Introdução
Este artigo é o resultado de pesquisa realizada a pedido de inúmeros amigos que gostariam
de saber como lidar com a ansiedade e a depressão que afeta a vida de muita gente no
mundo cada vez mais ameaçador em que vivemos. Para realizar esta pesquisa, foram
analisados os artigos Entenda como ansiedade e depressão se relacionam [1], Depressão:
causas, sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção [2], Os principais medos que os
humanos enfrentam na vida e como superá-los [4] e Como conquistar a felicidade dos
seres humanos, individual e coletivamente [5], bem como o livro Psicologia Positiva: dos
Conceitos à Aplicação [3], que permitiram identificar as causas da ansiedade e da
depressão e como superá-los.
2. O que é a ansiedade?
O que é a ansiedade? A ansiedade tem como sua principal característica a inquietação e
a preocupação constantes. A ansiedade se trata de uma reação normal diante de situações
que geram dúvida, expectativa ou medo. O problema é quando a ansiedade é tão grande
a ponto de se tornar um transtorno que compromete a qualidade de vida e o bem-estar do
indivíduo. Quem sofre com o transtorno, pensa muito no futuro e os pensamentos tendem
a ter um viés mais negativo. Nesses casos, a pessoa tende a sofrer demasiadamente com
o futuro, incertezas e imprevisibilidades.
Alguns dos principais tipos de transtornos de ansiedade são [1]:
 TAG (transtorno de ansiedade generalizada): preocupação excessiva e análise
minuciosa de cada situação;
 Fobia social: preocupação e medo de situações sociais que são comuns no dia a dia;
 Síndrome do pânico: crises intensas de medo e mal-estar geral;
 Agorafobia: medo de situações e lugares que são capazes de gerar impotência;
 TOC (transtorno obsessivo-compulsivo): medos irracionais e pensamentos
obsessivos que geram comportamentos compulsivos.
Os sintomas de ansiedade podem variar de acordo com o diagnóstico, mas, no geral, há
alguns problemas físicos e psíquicos bastante comuns, por exemplo [1]:
 Taquicardia;
 Palpitações;
 Agitação de pernas e braços;
 Náuseas e vômitos;
2
 Irritabilidade;
 Insônia;
 Medo constante;
 Sensação de que vai perder o controle ou algo ruim vai acontecer;
 Desrealização, que é o sentimento de desconexão com os seus ambientes;
 Despersonalização, que é a sensação de ser um observador externo em sua própria
vida.
3. O que é a depressão?
Os artigos Entenda como ansiedade e depressão se relacionam [1] e Depressão: causas,
sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção [2] oferecem, também, resposta para o
que é depressão. O que é a depressão? A depressão é uma doença psiquiátrica crônica e
recorrente, caracterizada por uma tristeza profunda e sem fim, associada a sentimentos de
baixa autoestima, culpa e desesperança. A depressão é marcada pela tristeza constante,
desesperança e o desinteresse súbito por aquelas atividades que antes geravam alegria. O
portador da depressão convive com o estado de humor deprimido e pessimista. Em casos
mais graves, há a possibilidade de desenvolver pensamentos suicidas. É fundamental
considerar que a depressão é diferente da tristeza transitória, que costuma ser provocada
por acontecimentos difíceis, que fazem parte da vida, como a morte de uma pessoa
próxima, a perda de emprego ou o término de um relacionamento. Diante desse tipo de
situação, é normal se sentir triste, mas quem não sofre depressão é capaz de encontrar
maneiras de superar as dificuldades. Já quem tem depressão convive com uma tristeza
que não desaparece e, muitas vezes, não tem causa aparente. O humor permanece
deprimido e desaparece o interesse por atividades que antes eram prazerosas. O quadro
depressivo faz com que a pessoa sinta que não há o que possa ser feito para melhorar a
sua situação, ou seja, há ausência de perspectivas positivas.
A depressão é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o "Mal do
Século" [2]. No sentido patológico, há presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima,
que aparecem com frequência e podem combinar-se entre si. A depressão provoca ainda
ausência de prazer em coisas que antes faziam bem e grande oscilação de humor e
pensamentos, que podem culminar em comportamentos e atos suicidas. Está presente na
literatura médica e científica mundial que a depressão também incita alterações
fisiológicas no corpo, sendo porta de entrada para outras doenças. Pessoas acometidas por
depressão podem, além da sensação de infelicidade crônica e prostração, apresentar
baixas no sistema de imunidade e maiores episódios de problemas inflamatórios e
infecciosos. A depressão, dependendo da gravidade, pode desencadear, também, doenças
cardiovasculares, como enfarto, AVC e hipertensão [2].
Além do estado deprimido e desinteresse pelo o que antes gerava alegria, a depressão
também tem outros sintomas, como:
 Problemas de sono (sonolência excessiva ou insônia);
 Alterações de peso;
 Fadiga constante;
 Culpa excessiva;
 Problemas psicomotores, como apatia psicomotora ou agitação;
 Dificuldade de concentração;
 Alteração da libido;
3
 Baixa autoestima;
 Ideações suicidas.
4. Diferenças entre ansiedade e depressão
O artigo Entenda como ansiedade e depressão se relacionam apresenta, também, as
diferenças entre ansiedade e depressão[1]. Ansiedade e depressão são transtornos mentais
que podem sim estar relacionados, mas isso não é uma obrigatoriedade. É bastante
frequente que a ansiedade e a depressão estejam presentes ao mesmo tempo no
diagnóstico de algumas pessoas. Em certos casos, o indivíduo com depressão passa a
apresentar sintomas ansiosos, e vice-versa. Quem é muito ansioso, principalmente em
quadros de ansiedade crônica e incapacitante, é comum que, com o tempo, se desenvolva
também um quadro depressivo decorrente do desgaste emocional e físico. A frustração
causada pela ansiedade, por não se sentir bem para realizar as atividades do dia a dia e
todas as limitações geradas pelo transtorno, pode ser um fator desencadeador para a
depressão. No entanto, não é apenas a ansiedade que é um aspecto de risco para a
depressão, pois o contrário também acontece.
5. Causas da ansiedade e da depressão
Pesquisando na Internet, através do Google, sobre a principal causa da ansiedade, a
resposta é a de que ela tem sua raiz no medo que desempenha um importante papel na
sobrevivência. Quando uma pessoa se vê perante uma situação perigosa, a ansiedade
desencadeia uma resposta de luta ou fuga. Além do medo, há outros fatores que
contribuem para a ansiedade que é a genética do indivíduo e o ambiente hostil onde o
indivíduo está inserido que podem contribuir para que uma pessoa desenvolva transtorno
mental. Em síntese: medo, questão genética e ambiente hostil onde o indivíduo está
inserido são as causas da ansiedade.
Existem alguns fatores de risco que podem contribuir para o desenvolvimento da
depressão [2].
 Histórico familiar
 Transtornos psiquiátricos correlatos
 Estresse crônico
 Ansiedade crônica
 Disfunções hormonais
 Excesso de peso
 Sedentarismo e dieta desregrada
 Vícios (cigarro, álcool e drogas ilícitas)
 Uso excessivo de internet e redes sociais
 Traumas físicos ou psicológicos
 Pancadas na cabeça
 Problemas cardíacos
 Separação conjugal
 Enxaqueca crônica
Há uma série de evidências que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo
deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina,
noradrenalina e, em menor proporção, dopamina), substâncias que transmitem impulsos
4
nervosos entre as células. Ao contrário do que normalmente se pensa, os fatores
psicológicos e sociais muitas vezes são consequência e não causa da depressão. Vale
ressaltar que o estresse pode precipitar a depressão em pessoas com predisposição, que
provavelmente é genética. Estima-se que uma em cada cinco pessoas no mundo
apresentam problemas relacionados a depressão em algum momento da vida [2].
6. Conclusões
Pelo exposto, pode-se concluir que a ansiedade tem como causas o medo, a genética do
indivíduo e o ambiente hostil onde o indivíduo está inserido, enquanto a depressão tem
causas provavelmente genéticas. Se o problema da ansiedade no indivíduo for o medo, é
preciso que o medo seja eliminado com apoio psicológico. Se o problema da ansiedade
no indivíduo tiver causas genéticas resultantes de transtorno mental, é preciso oferecer-
lhe assistência psicológica/ psiquiátrica para superar a ansiedade. Se o problema da
ansiedade do indivíduo for o ambiente hostil onde ele está inserido, é preciso que o
ambiente onde o indivíduo está inserido seja transformado para melhor ou ele passe a
viver em local onde o ambiente não lhe seja hostil. No caso de depressão, a melhor forma
de evitá-la é a prevenção cuidando da mente e do corpo do indivíduo, com alimentação
saudável e prática de atividades físicas regulares. Saber lidar com o estresse e
compartilhar os problemas com amigos ou familiares é outra alternativa, que pode ser
aliada à prática de alguma atividade complementar, como yoga, por exemplo. Ajudam,
também, a prevenir a depressão com o indivíduo praticando a leitura, aprendendo coisas
novas, tendo hobbies, viajando e se divertindo. Essas práticas mantém a cabeça do
indivíduo ativa e a ocupam com pensamentos positivos. A ciência já comprovou
que cuidar do corpo se reflete na saúde mental de forma positiva. Atividades
físicas liberam hormônios e outras substâncias importantes para manutenção do humor.
Na alimentação, receitas ou dietas recheadas de azeite de oliva, peixes, frutas, verduras e
oleaginosas (nozes, castanhas etc) são o ideal para prevenir depressão. Esses produtos são
ricos em nutrientes que protegem e conservam a rede de neurônios [2].
Tanto a ansiedade como a depressão podem requerer estratégias que exijam a avaliação
e acompanhamento psiquiátrico e psicológico. Na avaliação e acompanhamento
psiquiátrico, o médico psiquiatra é o único que pode receitar medicamentos, se
necessário. O uso de medicamentos, por sua vez, costuma ser recomendado em casos de
sintomas graves e incapacitantes, que geram muitos prejuízos na vida da pessoa. Na
avaliação e acompanhamento psicológico, o apoio psicológico contínuo é fundamental
em casos de ansiedade e depressão. Os encontros com um(a) psicólogo(a) têm como
objetivo auxiliar a pessoa a lidar com pensamentos disfuncionais e emoções. Além disso,
é um espaço de acolhimento, no qual se pode desabafar, expressar sentimentos e
aprofundar o autoconhecimento. Dessa forma, com o tempo são definidas estratégias para
encarar melhor os gatilhos e sintomas das doenças [1]. O psicólogo deveria adotar os
princípios da Psicologia Positiva com base na qual será possível fazer algo mais do que
resolver ou minorar perturbações psicológicas, isto é, pretende fazer os indivíduos felizes
A Psicologia Positiva trabalha mais as forças do que as fraquezas do ser humano, mais a
busca da felicidade do que o estudo das doenças mentais. A Psicologia Positiva é o meio
através da qual as pessoas conquistariam a felicidade que, em última instância, é o
principal objetivo que orienta a escolha das pessoas na vida. A Psicologia Positiva
mostraria os caminhos para o indivíduo conquistar sua felicidade [3][5].
Uma das estratégias fundamentais para ajudar o indivíduo a vencer a ansiedade é a que
contribui para atenuar o medo. O que é o medo? O medo é uma emoção-choque,
5
frequentemente precedida de surpresa, provocada pela consciência de um perigo iminente
ou presente. Em alerta, o organismo reage por comportamentos somáticos e alterações
endócrinas que podem ser muito contrastantes dependendo das pessoas e das
circunstâncias como a aceleração ou diminuição do ritmo cardíaco, respiração muito
rápida ou muito lenta, contração ou dilatação dos vasos sanguíneos, aumento ou
diminuição da secreção das glândulas, paralisação ou exteriorização violenta e, no limite,
inibição ou, ao contrário, movimentos desconexos e atabalhoados. O medo é um
sentimento desencadeado a partir de uma região do cérebro chamada amígdala. Ela ativa
o hipotálamo que prepara o indivíduo ameaçado para fugir ou lutar [4].
O medo nasceu com o homem desde os primórdios da humanidade acompanhando toda
a nossa existência. Mas os medos mudaram segundo os tempos e os lugares, em virtude
das ameaças que mudam e pesam sobre nós. O medo tem se apresentado de diversas
formas segundo os tempos e os lugares como, por exemplo o medo da morte, o medo das
forças da natureza, o medo de Satã ou demônio, o medo da noite, o medo da insegurança,
o medo de pandemias, o medo de outro ser humano, o medo das guerras, o medo do
terrorismo, o medo do comunismo e o medo do nazifascismo [4]. O medo tem tido o papel
necessário de alertar as pessoas dos perigos que sucessivamente aparecem em suas vidas.
A humanidade não poderia ter sobrevivido sem o medo, quer dizer, sem a tomada de
consciência dos perigos que sucessivamente aparecem na vida das pessoas. Os principais
medos que atormentam a humanidade são os seguintes [4]:
6.1- O medo da morte
A grande adversária da vida é a morte. O maior dos medos é o medo da morte. O medo
da morte é a raiz da crise existencial da humanidade. Em todas as formas de medo pode
haver, em graus diferentes, o medo da morte que não desaparecerá da condição humana
ao longo de sua existência. Todo mundo sabe que o ser humano é mortal. Daí vem a crise
existencial. Este medo é atenuado em nossa sociedade pelas atividades humanas com o
trabalho, os passatempos e, muitas vezes, é sublimado pela arte e pela religião. A certeza
da nossa finitude deveria nos fazer sempre questionar a forma em que vivemos buscando
construir uma convivência fraterna entre todos os seres humanos.
6.2- O medo das forças da natureza
Desde os primórdios da humanidade, os principais perigos que ameaçaram a humanidade,
e, portanto, os principais medos, vinham da natureza como as feras, as epidemias, as más
colheitas que levavam à fome, os incêndios provocados particularmente por raios, os
terremotos e tremores de terra, as erupções vulcânicas, os maremotos, etc. O mar sempre
foi visto como um espaço perigoso para os ser humano pelo grande risco que representava
navegar nos oceanos cujo medo do mar só foi superado com o avanço científico e
tecnológico utilizado na navegação oceânica. Dos primórdios da humanidade até o século
XVI das grandes navegações, o mar estava ligado à morte, ao abismo. O mar era visto
como o lugar do medo, da loucura, onde habitam Satã, demônios e monstros.
6.3- O medo de Satã ou demônio
Satã, Satanás e Demônio são denominações para uma mesma figura da mitologia cristã:
o anjo que se rebelou contra Deus e foi expulso do Paraíso, condenado ao Inferno. Sua
grande tarefa na Criação, desde então, é enganar e perverter as almas dos seres humanos,
removendo-os do caminho da Salvação. Essa imagem é unânime nos livros bíblicos, tanto
no Velho Testamento quanto no Novo. A simbologia cristã associa o mal à sombra e faz
de Satã o soberano do império das trevas. Jesus reconhece nele o poder sobre o mundo
6
material e o identifica como o grande inimigo a ser vencido pelos homens. Jesus profetiza
o final dos tempos prendendo o demônio e todos os seus seguidores, diabos e homens,
para sempre no Inferno. O medo do demônio está muito presente entre os cristãos.
6.4- O medo da noite
O acúmulo de perigos objetivos que a humanidade conheceu ao longo do tempo, durante
a noite, fez nascer um medo quase natural da escuridão. A história da humanidade é
repleta de assombros noturnos como o medo da Lua, dos lobisomens, dos fantasmas, dos
animais, da floresta, dos saqueadores, de tudo aquilo que pudesse existir (ou não) nas
penumbras. Muita gente sente medo de circular à noite em muitas cidades do mundo. A
noite estaria na origem de um medo fundamental do ser humano como, por exemplo, os
astecas no México que sacrificavam seres humanos em oferenda ao deus Sol para ele
ressurgir a cada dia e a noite não imperasse. Quando aconteciam eclipses totais, gerando
escuridão, ou quando havia a passagem de um cometa, um choro geral se instaurava entre
os astecas temendo pelo fim dos tempos. Os textos bíblicos clássicos induziram, também,
nas pessoas o medo da noite. A noite seria anunciadora da morte.
6.5- O medo da insegurança
Em todos os lugares do mundo, a insegurança está aumentando com roubos e violências.
Constata-se uma sensação de crescente insegurança e de violência cotidianas desde a
Idade Média até a era contemporânea. No mundo todo, a insegurança, sob todas as
formas, avança intensamente e raros são os países como o Japão e os da Escandinávia,
especialmente a Finlândia, que são exceção. Todos os observadores relacionam a
insegurança, sobretudo, com a multiplicação, no século XX, das grandes megalópoles que
ultrapassam a casa do milhão de habitantes. A cidade era antigamente um local de relativa
segurança em comparação com o campo. Hoje é sobretudo nas cidades e especialmente
nas grandes cidades que se tem medo da insegurança. É nos locais com forte concentração
humana que o medo da insegurança é mais intenso, a ponto de induzir uma mudança em
nossas vidas cotidianas, em razão das medidas de controle e de fiscalização tomadas pelas
autoridades, É nas grandes cidades que o terrorismo se instala, porque os autores dos
atentados podem se esconder melhor, jogar cada vez mais com o efeito surpresa,
provocando mais e mais vítimas. Ninguém está protegido nas grandes cidades.
6.6- O medo de outro ser humano
A humanidade terá, certamente, muito tempo ainda para combater esse medo do outro
que nunca deixa de vir à tona e que está na origem do racismo de todos os tempos. Outros
seres humanos podem ser repelidos porque têm a cor da pele diferente, costumes,
comportamentos e práticas culturais diferentes das nossas, não se vestem como nós, não
comem como nós e têm religião, cerimônias e ritos diferentes. Por todas essas razões,
muitos são tentados a considerá-los bodes expiatórios em caso de suposto perigo. Se uma
desgraça acontece a uma coletividade, é atribuída culpa ao estrangeiro. A prática do
racismo contra os negros em várias partes do mundo, o medo dos judeus, que é o caso
extremo do medo cultural do outro e o medo dos mulçumanos desde as Cruzadas até a
era contemporânea se inserem neste contexto do medo de outro ser humano.
6.7- O medo de pandemias
7
O temor do surgimento e da volta das doenças contagiosas pertencem, também, aos medos
contemporâneos com a ocorrência do Coronavirus. Este medo começou coma a irrupção
da peste bubônica durante a Idade Média que matou a metade da população europeia
quando ocorria a fuga desordenada das cidades de quem tinha a possibilidade de escapar
do inferno urbano e havia desconfiança recíproca daqueles que sobreviveram e que se
evitavam uns aos outros. As pessoas trancavam-se em casa, recusavam cuidar de seus
parentes doentes e procuravam um bode expiatório. Alguns padeciam na loucura, outros,
numa decadência a mais ignóbil. Quando todos os remédios haviam fracassado, a
Inquisição patrocinada pela Igreja Católica fez com que houvesse a caça às bruxas com
a perseguição às mulheres, que supostamente possuíam poderes sobrenaturais, fossem
levadas às fogueiras e os sobreviventes mergulhavam no desespero.
6.8- O medo das guerras
Ao longo da história da humanidade, a guerra ocupou um lugar cada vez maior cuja
virulência cresceu a partir da invenção das armas de fogo no fim da Idade Média, com os
milhares de homens chamados a combater durante as guerras napoleônicas, com a
passagem para a cifra de milhões de homens que se mataram uns aos outros por ocasião
da 1ª Guerra Mundial e da 2ª Guerra Mundial com o uso da bomba atômica em 1945. O
século XX foi o mais criminoso da história. Se somarmos os “holocaustos” aos horrores
da guerra propriamente dita, foi então que o medo das guerras atingiu o seu ápice. O
aperfeiçoamento dos armamentos, o movimento para uma guerra total e a multiplicação
dos atos terroristas conduzem a um aumento contínuo do número das vítimas e,
especialmente, de vítimas civis. Isso significa que, quantitativamente, os perigos e os
medos oriundos da guerra, cresceram significativamente.
6.9- O medo do terrorismo
A multiplicação, hoje, dos atos terroristas conduzem logicamente a um aumento contínuo
do número das vítimas e, especialmente, de vítimas civis. O terrorismo tomou dimensão
mundial porque ninguém mais está protegido em lugar nenhum. Hoje é sobretudo nas
cidades e especialmente nas grandes cidades que se tem medo do terrorismo porque os
autores dos atentados podem se esconder melhor, jogar cada vez mais com o efeito
surpresa, provocando mais e mais vítimas. Por conseguinte, a partir de agora, é no mundo
inteiro que podemos nos transformar em vítimas do terrorismo. Ninguém está protegido.
Outra forma de terrorismo é a praticada pelo poder do Estado ditatorial ou totalitário que
utiliza o medo como arma política. Um grupo ou um poder ameaçado, ou que se crê
ameaçado e, portanto, que sente medo do povo, tem a tendência a ver inimigos por todos
os lados seja fora e, cada vez mais, dentro do espaço que ele quer controlar. Ele tende
assim a se tornar ditatorial, totalitário, agressivo e a reprimir todo desvio, até mesmo
qualquer veleidade de discussão. Um Estado totalitário tem, então, vocação terrorista.
6.10- O medo do comunismo
Desde o surgimento do marxismo como ideologia no século XIX, que defende a
construção do socialismo visando a emancipação dos trabalhadores e da humanidade em
geral, surgiu em todo o mundo o medo do comunismo por parte das classes
economicamente dominantes (capitalistas) e de governos a elas associados porque alguns
segmentos das forças políticas marxistas defendem a revolução socialista para a conquista
do poder em cada país visando a expropriação dos capitalistas. Surgiu, também, o medo
do comunismo por parte de correntes religiosas porque o marxismo considera a religião
8
o ópio do povo ao contribuir para sua alienação. O medo do comunismo atinge, também,
segmentos sociais e forças políticas liberais porque o marxismo preconiza a ditadura do
proletariado na construção do socialismo e do comunismo. O medo do comunismo tem
sido em muitos países fator desencadeador de golpes de estado preventivos de extrema
direita para evitar a ascensão ao poder de comunistas ou de forças políticas de esquerda.
6.11- O medo do nazifascismo
O nazifascismo é uma ideologia que surgiu na primeira metade do século XX na Itália e
na Alemanha contra a ascensão dos trabalhadores ao poder em vários países após a vitória
do socialismo na União Soviética em 1917 e se baseava em concepções fortemente
nacionalistas e no exercício totalitário do poder, portanto contra o sistema democrático e
liberal, e repressivo ante as ideias socialdemocratas, socialistas e comunistas. O fascismo
implantado na Itália durante a década de 1920 e o nazismo na Alemanha durante a década
de 1930 do século XX se baseava em um Estado forte, totalitário, que se afirmava
encarnar o espírito do povo, no exercício do poder por um partido único cuja autoridade
se impunha através da violência, da repressão e da propaganda política. O medo do
nazifascismo passou a existir após a 2ª Guerra Mundial pelas devastadoras consequências
que o nazismo e o fascismo produziram na Europa e no mundo razão pela qual tem sido
combatida toda e qualquer tentativa de seu renascimento em todo o mundo. O
nazifascismo é combatido pelos comunistas e pelos liberais em todo o mundo. O medo
do neofascismo, que é o herdeiro do nazifascismo na era contemporânea, contribuiu para
que Lula contasse com amplo apoio e vencesse Bolsonaro nas últimas eleições
presidenciais do Brasil.
Como superar os principais medos que afetam a vida humana? Alguns dos medos
enfrentados pelos seres humanos envolvem uma abordagem individual para sua
superação como é o caso de lidar com o medo de Satã ou demônio e o medo da noite com
a educação e o tratamento psicoterápico de cada indivíduo. Outros medos por parte da
população em geral como o medo das forças da natureza deve ser tratado com a
disseminação do conhecimento científico através da educação formal e pelos meios de
comunicação de massa visando esclarecê-la. O medo da insegurança e o medo do
terrorismo só poderão ser superados com a implantação de uma sociedade em cada país
capaz de eliminar as desigualdades sociais e a violência baseada no Estado de Bem Estar
Social no qual prevaleça a cooperação entre os todos os indivíduos, bem como seja
evitada a existência do terrorismo de estado imposto por ditaduras ou Estados totalitários.
O medo das pandemias deve ser superado evitando a destruição do habitat de animais
portadores de vírus e bactérias e o contato de humanos com esses animais, bem como
desenvolver preventivamente vacinas que possam ser usadas na ocorrência de epidemias
ou pandemias, além de medidas restritivas à propagação de vírus e bactérias em épocas
de epidemias ou pandemias. O medo das guerras só será superado quando existir um
governo mundial que seja capaz de mediar os conflitos internacionais e assegurar a paz
mundial. O medo do comunismo e o medo do nazifascismo só serão superados quando
em cada país do mundo for implantado o Estado de Bem Estar Social com os governos
atendendo as demandas de toda a população sem exceção, condição esta que evitaria a
radicalização política. Finalmente, o medo da morte deve ser enfrentado com assistência
médica para prolongar a vida de cada indivíduo com saúde plena que seria assistido,
também, por tratamento psicoterápico e religioso no caso dos indivíduos que professam
alguma religião para enfrentarem a morte inevitável [4].
REFERÊNCIAS
9
1. BLOG DE SAÚDE MENTAL. Entenda como ansiedade e depressão se
relacionam. Disponível no website <https://www.vittude.com/blog/ansiedade-e-
depressao/#:~:text=Em%20certos%20casos%2C%20o%20indiv%C3%ADduo,d
o%20desgaste%20emocional%20e%20f%C3%ADsico>, 2023.
2. TJDFT. Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. Depressão:
causas, sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção. Disponível no website
<https://www.tjdft.jus.br/informacoes/programas-projetos-e-acoes/pro-
vida/dicas-de-saude/pilulas-de-saude/depressao-causas-sintomas-tratamentos-
diagnostico-e-prevencao>.
3. RODRIGUES, Miriam e PEREIRA, Douglas da Silveira. Psicologia Positiva:
dos Conceitos à Aplicação. Novo Hamburgo/RS: SINOPSYS, 2021.
4. ALCOFORADO, Fernando. Os principais medos que os humanos enfrentam
na vida e como superá-los. Disponível no website
<https://www.linkedin.com/pulse/os-principais-medos-que-humanos-enfrentam-
na-vida-e-como-
alcoforado/?trackingId=5gP0EKmj6p2VX0unCmfVQA%3D%3D>.
5. ALCOFORADO, Fernando. Como conquistar a felicidade dos seres humanos,
individual e coletivamente. Disponível no website
<https://www.linkedin.com/pulse/como-conquistar-felicidade-dos-seres-
humanos-e-alcoforado/>.
* Fernando Alcoforado, 84, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema
CONFEA/CREA, membro da SBPC- Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, do IPB- Instituto
Politécnico da Bahia e da Academia Baiana de Educação, engenheiro pela Escola Politécnica da UFBA e
doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona,
professor universitário (Engenharia, Economia e Administração) e consultor nas áreas de planejamento
estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, foi
Assessor do Vice-Presidente de Engenharia e Tecnologia da LIGHT S.A. Electric power distribution
company do Rio de Janeiro, Coordenador de Planejamento Estratégico do CEPED- Centro de Pesquisa e
Desenvolvimento da Bahia, Subsecretário de Energia do Estado da Bahia, Secretário do Planejamento de
Salvador, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e
a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel,
São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado.
Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e
Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX
e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of
the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller
Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária
(Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o
progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo,
São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV,
Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI
(Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o
Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba,
2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co-
autoria), Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019), A humanidade
ameaçada e as estratégias para sua sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021), A escalada da
ciência e da tecnologia ao longo da história e sua contribuição ao progresso e à sobrevivência da
humanidade (Editora CRV, Curitiba, 2022), de capítulo do livro Flood Handbook (CRC Press, Boca Raton,
Florida, United States, 2022), How to protect human beings from threats to their existence and avoid the
extinction of humanity (Generis Publishing, Europe, Republic of Moldova, Chișinău, 2023) e A revolução
da educação necessária ao Brasil na era contemporânea (Editora CRV, Curitiba, 2023).

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VIVEMOS.pdf

Saúde Mental e Impacto Social.pptx
Saúde Mental e Impacto Social.pptxSaúde Mental e Impacto Social.pptx
Saúde Mental e Impacto Social.pptx
GilAraujo13
 
Slide riscos psicológicos (1)
Slide riscos psicológicos (1)Slide riscos psicológicos (1)
Slide riscos psicológicos (1)
Sharlenne Turitcheva Oliveira Da Silva
 
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
Joice Lima
 
Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
edi
 
ANSIEDADE E DEPRESSÃO, SÃO CONSIDERADAS O MAL DO SÉCULO
ANSIEDADE E DEPRESSÃO, SÃO CONSIDERADAS O MAL DO SÉCULOANSIEDADE E DEPRESSÃO, SÃO CONSIDERADAS O MAL DO SÉCULO
ANSIEDADE E DEPRESSÃO, SÃO CONSIDERADAS O MAL DO SÉCULO
SildeniceCosta
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
SilviaLouro2
 
Artigo: Crise de ansiedade não só machuca fisicamente, mas também corrói a alma
Artigo: Crise de ansiedade não só machuca fisicamente, mas também corrói a almaArtigo: Crise de ansiedade não só machuca fisicamente, mas também corrói a alma
Artigo: Crise de ansiedade não só machuca fisicamente, mas também corrói a alma
Clarice Ribeiro
 
SINDROMES ANSIOSAS.pptx
SINDROMES ANSIOSAS.pptxSINDROMES ANSIOSAS.pptx
SINDROMES ANSIOSAS.pptx
RobertoSilva309300
 
E-book (1).pdf psicologia ansiedade
E-book (1).pdf psicologia ansiedade E-book (1).pdf psicologia ansiedade
E-book (1).pdf psicologia ansiedade
Karlaejobson
 
Estresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da AlmaEstresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da Alma
Robson Roberto
 
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
josytds1
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
CarlosLinsJr
 
Trabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressãoTrabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressão
Eliete Santos
 
Stress
StressStress
Stress
Lala_f
 
Ansiedade e depressão.pdf
Ansiedade e depressão.pdfAnsiedade e depressão.pdf
Ansiedade e depressão.pdf
Pedro327336
 
Depressão marcelly e marcilene
Depressão   marcelly e marcileneDepressão   marcelly e marcilene
Depressão marcelly e marcilene
mahvieira
 
Depressão - Marcelly e Marcilene
Depressão -  Marcelly e MarcileneDepressão -  Marcelly e Marcilene
Depressão - Marcelly e Marcilene
mahvieira
 
E-book bem-estar .pdf
E-book bem-estar .pdfE-book bem-estar .pdf
E-book bem-estar .pdf
EmanuelleRocha16
 
Depressão palestra uniplac
Depressão   palestra uniplacDepressão   palestra uniplac
Depressão palestra uniplac
eduardo guagliardi
 
Depressão e ansiedade
Depressão e ansiedade Depressão e ansiedade
Depressão e ansiedade
RafaelaIdalinadeAlme
 

Semelhante a COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VIVEMOS.pdf (20)

Saúde Mental e Impacto Social.pptx
Saúde Mental e Impacto Social.pptxSaúde Mental e Impacto Social.pptx
Saúde Mental e Impacto Social.pptx
 
Slide riscos psicológicos (1)
Slide riscos psicológicos (1)Slide riscos psicológicos (1)
Slide riscos psicológicos (1)
 
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
 
Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
 
ANSIEDADE E DEPRESSÃO, SÃO CONSIDERADAS O MAL DO SÉCULO
ANSIEDADE E DEPRESSÃO, SÃO CONSIDERADAS O MAL DO SÉCULOANSIEDADE E DEPRESSÃO, SÃO CONSIDERADAS O MAL DO SÉCULO
ANSIEDADE E DEPRESSÃO, SÃO CONSIDERADAS O MAL DO SÉCULO
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
 
Artigo: Crise de ansiedade não só machuca fisicamente, mas também corrói a alma
Artigo: Crise de ansiedade não só machuca fisicamente, mas também corrói a almaArtigo: Crise de ansiedade não só machuca fisicamente, mas também corrói a alma
Artigo: Crise de ansiedade não só machuca fisicamente, mas também corrói a alma
 
SINDROMES ANSIOSAS.pptx
SINDROMES ANSIOSAS.pptxSINDROMES ANSIOSAS.pptx
SINDROMES ANSIOSAS.pptx
 
E-book (1).pdf psicologia ansiedade
E-book (1).pdf psicologia ansiedade E-book (1).pdf psicologia ansiedade
E-book (1).pdf psicologia ansiedade
 
Estresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da AlmaEstresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da Alma
 
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
Trabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressãoTrabalho sobre depressão
Trabalho sobre depressão
 
Stress
StressStress
Stress
 
Ansiedade e depressão.pdf
Ansiedade e depressão.pdfAnsiedade e depressão.pdf
Ansiedade e depressão.pdf
 
Depressão marcelly e marcilene
Depressão   marcelly e marcileneDepressão   marcelly e marcilene
Depressão marcelly e marcilene
 
Depressão - Marcelly e Marcilene
Depressão -  Marcelly e MarcileneDepressão -  Marcelly e Marcilene
Depressão - Marcelly e Marcilene
 
E-book bem-estar .pdf
E-book bem-estar .pdfE-book bem-estar .pdf
E-book bem-estar .pdf
 
Depressão palestra uniplac
Depressão   palestra uniplacDepressão   palestra uniplac
Depressão palestra uniplac
 
Depressão e ansiedade
Depressão e ansiedade Depressão e ansiedade
Depressão e ansiedade
 

Mais de Faga1939

L’EFFONDREMENT DE LA MONDIALISATION CONTEMPORAINE ET L’AVENIR DE L’ÉCONOMIE M...
L’EFFONDREMENT DE LA MONDIALISATION CONTEMPORAINE ET L’AVENIR DE L’ÉCONOMIE M...L’EFFONDREMENT DE LA MONDIALISATION CONTEMPORAINE ET L’AVENIR DE L’ÉCONOMIE M...
L’EFFONDREMENT DE LA MONDIALISATION CONTEMPORAINE ET L’AVENIR DE L’ÉCONOMIE M...
Faga1939
 
JUSQU’À QUAND LE MASSACRE DU GOUVERNEMENT ISRAÉLIEN À GAZA CONTINUERA-T-IL.pdf
JUSQU’À QUAND LE MASSACRE DU GOUVERNEMENT ISRAÉLIEN À GAZA CONTINUERA-T-IL.pdfJUSQU’À QUAND LE MASSACRE DU GOUVERNEMENT ISRAÉLIEN À GAZA CONTINUERA-T-IL.pdf
JUSQU’À QUAND LE MASSACRE DU GOUVERNEMENT ISRAÉLIEN À GAZA CONTINUERA-T-IL.pdf
Faga1939
 
ATÉ QUANDO VAI CONTINUAR O MASSACRE DO GOVERNO ISRAEELENSE EM GAZA.pdf
ATÉ QUANDO VAI CONTINUAR O MASSACRE DO GOVERNO ISRAEELENSE EM GAZA.pdfATÉ QUANDO VAI CONTINUAR O MASSACRE DO GOVERNO ISRAEELENSE EM GAZA.pdf
ATÉ QUANDO VAI CONTINUAR O MASSACRE DO GOVERNO ISRAEELENSE EM GAZA.pdf
Faga1939
 
ENERGY PRODUCTION AND CONSUMPTION FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA AND...
ENERGY PRODUCTION AND CONSUMPTION FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA AND...ENERGY PRODUCTION AND CONSUMPTION FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA AND...
ENERGY PRODUCTION AND CONSUMPTION FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA AND...
Faga1939
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
LA LOI DE L'ENTROPIE ET LA CONQUÊTE DE L'IMMORTALITÉ DE L'ÊTRE HUMAIN.pdf
LA LOI DE L'ENTROPIE ET LA CONQUÊTE DE L'IMMORTALITÉ DE L'ÊTRE HUMAIN.pdfLA LOI DE L'ENTROPIE ET LA CONQUÊTE DE L'IMMORTALITÉ DE L'ÊTRE HUMAIN.pdf
LA LOI DE L'ENTROPIE ET LA CONQUÊTE DE L'IMMORTALITÉ DE L'ÊTRE HUMAIN.pdf
Faga1939
 
THE LAW OF ENTROPY AND THE ACHIEVEMENT OF HUMAN BEING IMMORTALITY.pdf
THE LAW OF ENTROPY AND THE ACHIEVEMENT OF HUMAN BEING IMMORTALITY.pdfTHE LAW OF ENTROPY AND THE ACHIEVEMENT OF HUMAN BEING IMMORTALITY.pdf
THE LAW OF ENTROPY AND THE ACHIEVEMENT OF HUMAN BEING IMMORTALITY.pdf
Faga1939
 
A LEI DA ENTROPIA E A CONQUISTA DA IMORTALIDADE DO SER HUMANO.pdf
A LEI DA ENTROPIA E A CONQUISTA DA IMORTALIDADE DO SER HUMANO.pdfA LEI DA ENTROPIA E A CONQUISTA DA IMORTALIDADE DO SER HUMANO.pdf
A LEI DA ENTROPIA E A CONQUISTA DA IMORTALIDADE DO SER HUMANO.pdf
Faga1939
 
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
Faga1939
 
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
Faga1939
 
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
Faga1939
 
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfHOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
Faga1939
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
Faga1939
 
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
Faga1939
 
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
Faga1939
 
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
Faga1939
 
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
Faga1939
 
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
Faga1939
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
Faga1939
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
Faga1939
 

Mais de Faga1939 (20)

L’EFFONDREMENT DE LA MONDIALISATION CONTEMPORAINE ET L’AVENIR DE L’ÉCONOMIE M...
L’EFFONDREMENT DE LA MONDIALISATION CONTEMPORAINE ET L’AVENIR DE L’ÉCONOMIE M...L’EFFONDREMENT DE LA MONDIALISATION CONTEMPORAINE ET L’AVENIR DE L’ÉCONOMIE M...
L’EFFONDREMENT DE LA MONDIALISATION CONTEMPORAINE ET L’AVENIR DE L’ÉCONOMIE M...
 
JUSQU’À QUAND LE MASSACRE DU GOUVERNEMENT ISRAÉLIEN À GAZA CONTINUERA-T-IL.pdf
JUSQU’À QUAND LE MASSACRE DU GOUVERNEMENT ISRAÉLIEN À GAZA CONTINUERA-T-IL.pdfJUSQU’À QUAND LE MASSACRE DU GOUVERNEMENT ISRAÉLIEN À GAZA CONTINUERA-T-IL.pdf
JUSQU’À QUAND LE MASSACRE DU GOUVERNEMENT ISRAÉLIEN À GAZA CONTINUERA-T-IL.pdf
 
ATÉ QUANDO VAI CONTINUAR O MASSACRE DO GOVERNO ISRAEELENSE EM GAZA.pdf
ATÉ QUANDO VAI CONTINUAR O MASSACRE DO GOVERNO ISRAEELENSE EM GAZA.pdfATÉ QUANDO VAI CONTINUAR O MASSACRE DO GOVERNO ISRAEELENSE EM GAZA.pdf
ATÉ QUANDO VAI CONTINUAR O MASSACRE DO GOVERNO ISRAEELENSE EM GAZA.pdf
 
ENERGY PRODUCTION AND CONSUMPTION FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA AND...
ENERGY PRODUCTION AND CONSUMPTION FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA AND...ENERGY PRODUCTION AND CONSUMPTION FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA AND...
ENERGY PRODUCTION AND CONSUMPTION FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA AND...
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
LA LOI DE L'ENTROPIE ET LA CONQUÊTE DE L'IMMORTALITÉ DE L'ÊTRE HUMAIN.pdf
LA LOI DE L'ENTROPIE ET LA CONQUÊTE DE L'IMMORTALITÉ DE L'ÊTRE HUMAIN.pdfLA LOI DE L'ENTROPIE ET LA CONQUÊTE DE L'IMMORTALITÉ DE L'ÊTRE HUMAIN.pdf
LA LOI DE L'ENTROPIE ET LA CONQUÊTE DE L'IMMORTALITÉ DE L'ÊTRE HUMAIN.pdf
 
THE LAW OF ENTROPY AND THE ACHIEVEMENT OF HUMAN BEING IMMORTALITY.pdf
THE LAW OF ENTROPY AND THE ACHIEVEMENT OF HUMAN BEING IMMORTALITY.pdfTHE LAW OF ENTROPY AND THE ACHIEVEMENT OF HUMAN BEING IMMORTALITY.pdf
THE LAW OF ENTROPY AND THE ACHIEVEMENT OF HUMAN BEING IMMORTALITY.pdf
 
A LEI DA ENTROPIA E A CONQUISTA DA IMORTALIDADE DO SER HUMANO.pdf
A LEI DA ENTROPIA E A CONQUISTA DA IMORTALIDADE DO SER HUMANO.pdfA LEI DA ENTROPIA E A CONQUISTA DA IMORTALIDADE DO SER HUMANO.pdf
A LEI DA ENTROPIA E A CONQUISTA DA IMORTALIDADE DO SER HUMANO.pdf
 
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
PEACE BETWEEN ISRAEL AND PALESTINE REQUIRES EXTREMISTS OUT OF POWER AND RESTR...
 
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
PAZ ENTRE ISRAEL E PALESTINA EXIGE EXTREMISTAS FORA DO PODER E REESTRUTURAÇÃO...
 
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
HOW TO OVERCOME DEPRESSION AND ANXIETY IN THE LIVES OF PEOPLE IN THE WORLD WE...
 
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdfHOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
HOW TO PLAN CITIES TO COPE WITH EXTREME WEATHER EVENTS.pdf
 
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdfCOMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
COMO PLANEJAR AS CIDADES PARA ENFRENTAR EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS.pdf
 
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
LES OBSTACLES QUI ENTRAVENT LE DÉVELOPPEMENT DU BRÉSIL À L'ÈRE CONTEMPORAINE ...
 
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
THE OBSTACLES THAT IMPEDE THE DEVELOPMENT OF BRAZIL IN THE CONTEMPORARY ERA A...
 
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
L'ÉVOLUTION DE L'ÉDUCATION AU BRÉSIL À TRAVERS L'HISTOIRE ET LES EXIGENCES DE...
 
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
THE EVOLUTION OF EDUCATION IN BRAZIL THROUGHOUT HISTORY AND THE REQUIREMENTS ...
 
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA E OS REQUISITOS PARA SE...
 
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
LA MONTÉE DE L'ÉDUCATION DANS LE MONDE DE LA PRÉHISTOIRE À L'ÈRE CONTEMPORAIN...
 
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
THE CLIMB OF EDUCATION IN THE WORLD FROM PREHISTORY TO THE CONTEMPORARY ERA (...
 

Último

mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
AdrianoPompiroCarval
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
ozielgvsantos1
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
ClarissaNiederuaer
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Lenilson Souza
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
BarbaraKelle
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Fabiano Pessanha
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
walterjose20
 

Último (9)

mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdfmapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
mapas-mentais---calculo-de-medicacoes_1-3.pdf
 
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdfTCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
TCC - ALINE PEREIRA BENITES - ABSENTEISMO-E-COVID-19.pdf
 
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasivaPrevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
Prevenção/tratamento de Intercorrências na estética minimamente invasiva
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
Descubra os segredos do emagrecimento sustentável: Dicas práticas e estratégi...
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de espaços    e equipamentoshigienização de espaços    e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagemSistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
Sistema Reprodutor Feminino curso tec. de enfermagem
 
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
Tecnicas-de-Instrumentacao-Cirurgica-Em-Cirurgia-Geral-e-Em-Videolaparoscopia...
 
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptxA-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
A-Importancia-da-Saude-Mental-na-Juventude.pptx
 

COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VIVEMOS.pdf

  • 1. 1 COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VIVEMOS Fernando Alcoforado* Este artigo tem por objetivo apresentar as causas da depressão e da ansiedade nos indivíduos, que são consideradas os males do século, e as soluções que permitiriam superá-las. A depressão e a ansiedade atingem mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo. No Brasil, o transtorno afeta cerca de 18,6 milhões de indivíduos, conforme dados da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde), o que corresponde a 9,3% da população. 1. Introdução Este artigo é o resultado de pesquisa realizada a pedido de inúmeros amigos que gostariam de saber como lidar com a ansiedade e a depressão que afeta a vida de muita gente no mundo cada vez mais ameaçador em que vivemos. Para realizar esta pesquisa, foram analisados os artigos Entenda como ansiedade e depressão se relacionam [1], Depressão: causas, sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção [2], Os principais medos que os humanos enfrentam na vida e como superá-los [4] e Como conquistar a felicidade dos seres humanos, individual e coletivamente [5], bem como o livro Psicologia Positiva: dos Conceitos à Aplicação [3], que permitiram identificar as causas da ansiedade e da depressão e como superá-los. 2. O que é a ansiedade? O que é a ansiedade? A ansiedade tem como sua principal característica a inquietação e a preocupação constantes. A ansiedade se trata de uma reação normal diante de situações que geram dúvida, expectativa ou medo. O problema é quando a ansiedade é tão grande a ponto de se tornar um transtorno que compromete a qualidade de vida e o bem-estar do indivíduo. Quem sofre com o transtorno, pensa muito no futuro e os pensamentos tendem a ter um viés mais negativo. Nesses casos, a pessoa tende a sofrer demasiadamente com o futuro, incertezas e imprevisibilidades. Alguns dos principais tipos de transtornos de ansiedade são [1]:  TAG (transtorno de ansiedade generalizada): preocupação excessiva e análise minuciosa de cada situação;  Fobia social: preocupação e medo de situações sociais que são comuns no dia a dia;  Síndrome do pânico: crises intensas de medo e mal-estar geral;  Agorafobia: medo de situações e lugares que são capazes de gerar impotência;  TOC (transtorno obsessivo-compulsivo): medos irracionais e pensamentos obsessivos que geram comportamentos compulsivos. Os sintomas de ansiedade podem variar de acordo com o diagnóstico, mas, no geral, há alguns problemas físicos e psíquicos bastante comuns, por exemplo [1]:  Taquicardia;  Palpitações;  Agitação de pernas e braços;  Náuseas e vômitos;
  • 2. 2  Irritabilidade;  Insônia;  Medo constante;  Sensação de que vai perder o controle ou algo ruim vai acontecer;  Desrealização, que é o sentimento de desconexão com os seus ambientes;  Despersonalização, que é a sensação de ser um observador externo em sua própria vida. 3. O que é a depressão? Os artigos Entenda como ansiedade e depressão se relacionam [1] e Depressão: causas, sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção [2] oferecem, também, resposta para o que é depressão. O que é a depressão? A depressão é uma doença psiquiátrica crônica e recorrente, caracterizada por uma tristeza profunda e sem fim, associada a sentimentos de baixa autoestima, culpa e desesperança. A depressão é marcada pela tristeza constante, desesperança e o desinteresse súbito por aquelas atividades que antes geravam alegria. O portador da depressão convive com o estado de humor deprimido e pessimista. Em casos mais graves, há a possibilidade de desenvolver pensamentos suicidas. É fundamental considerar que a depressão é diferente da tristeza transitória, que costuma ser provocada por acontecimentos difíceis, que fazem parte da vida, como a morte de uma pessoa próxima, a perda de emprego ou o término de um relacionamento. Diante desse tipo de situação, é normal se sentir triste, mas quem não sofre depressão é capaz de encontrar maneiras de superar as dificuldades. Já quem tem depressão convive com uma tristeza que não desaparece e, muitas vezes, não tem causa aparente. O humor permanece deprimido e desaparece o interesse por atividades que antes eram prazerosas. O quadro depressivo faz com que a pessoa sinta que não há o que possa ser feito para melhorar a sua situação, ou seja, há ausência de perspectivas positivas. A depressão é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o "Mal do Século" [2]. No sentido patológico, há presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima, que aparecem com frequência e podem combinar-se entre si. A depressão provoca ainda ausência de prazer em coisas que antes faziam bem e grande oscilação de humor e pensamentos, que podem culminar em comportamentos e atos suicidas. Está presente na literatura médica e científica mundial que a depressão também incita alterações fisiológicas no corpo, sendo porta de entrada para outras doenças. Pessoas acometidas por depressão podem, além da sensação de infelicidade crônica e prostração, apresentar baixas no sistema de imunidade e maiores episódios de problemas inflamatórios e infecciosos. A depressão, dependendo da gravidade, pode desencadear, também, doenças cardiovasculares, como enfarto, AVC e hipertensão [2]. Além do estado deprimido e desinteresse pelo o que antes gerava alegria, a depressão também tem outros sintomas, como:  Problemas de sono (sonolência excessiva ou insônia);  Alterações de peso;  Fadiga constante;  Culpa excessiva;  Problemas psicomotores, como apatia psicomotora ou agitação;  Dificuldade de concentração;  Alteração da libido;
  • 3. 3  Baixa autoestima;  Ideações suicidas. 4. Diferenças entre ansiedade e depressão O artigo Entenda como ansiedade e depressão se relacionam apresenta, também, as diferenças entre ansiedade e depressão[1]. Ansiedade e depressão são transtornos mentais que podem sim estar relacionados, mas isso não é uma obrigatoriedade. É bastante frequente que a ansiedade e a depressão estejam presentes ao mesmo tempo no diagnóstico de algumas pessoas. Em certos casos, o indivíduo com depressão passa a apresentar sintomas ansiosos, e vice-versa. Quem é muito ansioso, principalmente em quadros de ansiedade crônica e incapacitante, é comum que, com o tempo, se desenvolva também um quadro depressivo decorrente do desgaste emocional e físico. A frustração causada pela ansiedade, por não se sentir bem para realizar as atividades do dia a dia e todas as limitações geradas pelo transtorno, pode ser um fator desencadeador para a depressão. No entanto, não é apenas a ansiedade que é um aspecto de risco para a depressão, pois o contrário também acontece. 5. Causas da ansiedade e da depressão Pesquisando na Internet, através do Google, sobre a principal causa da ansiedade, a resposta é a de que ela tem sua raiz no medo que desempenha um importante papel na sobrevivência. Quando uma pessoa se vê perante uma situação perigosa, a ansiedade desencadeia uma resposta de luta ou fuga. Além do medo, há outros fatores que contribuem para a ansiedade que é a genética do indivíduo e o ambiente hostil onde o indivíduo está inserido que podem contribuir para que uma pessoa desenvolva transtorno mental. Em síntese: medo, questão genética e ambiente hostil onde o indivíduo está inserido são as causas da ansiedade. Existem alguns fatores de risco que podem contribuir para o desenvolvimento da depressão [2].  Histórico familiar  Transtornos psiquiátricos correlatos  Estresse crônico  Ansiedade crônica  Disfunções hormonais  Excesso de peso  Sedentarismo e dieta desregrada  Vícios (cigarro, álcool e drogas ilícitas)  Uso excessivo de internet e redes sociais  Traumas físicos ou psicológicos  Pancadas na cabeça  Problemas cardíacos  Separação conjugal  Enxaqueca crônica Há uma série de evidências que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina e, em menor proporção, dopamina), substâncias que transmitem impulsos
  • 4. 4 nervosos entre as células. Ao contrário do que normalmente se pensa, os fatores psicológicos e sociais muitas vezes são consequência e não causa da depressão. Vale ressaltar que o estresse pode precipitar a depressão em pessoas com predisposição, que provavelmente é genética. Estima-se que uma em cada cinco pessoas no mundo apresentam problemas relacionados a depressão em algum momento da vida [2]. 6. Conclusões Pelo exposto, pode-se concluir que a ansiedade tem como causas o medo, a genética do indivíduo e o ambiente hostil onde o indivíduo está inserido, enquanto a depressão tem causas provavelmente genéticas. Se o problema da ansiedade no indivíduo for o medo, é preciso que o medo seja eliminado com apoio psicológico. Se o problema da ansiedade no indivíduo tiver causas genéticas resultantes de transtorno mental, é preciso oferecer- lhe assistência psicológica/ psiquiátrica para superar a ansiedade. Se o problema da ansiedade do indivíduo for o ambiente hostil onde ele está inserido, é preciso que o ambiente onde o indivíduo está inserido seja transformado para melhor ou ele passe a viver em local onde o ambiente não lhe seja hostil. No caso de depressão, a melhor forma de evitá-la é a prevenção cuidando da mente e do corpo do indivíduo, com alimentação saudável e prática de atividades físicas regulares. Saber lidar com o estresse e compartilhar os problemas com amigos ou familiares é outra alternativa, que pode ser aliada à prática de alguma atividade complementar, como yoga, por exemplo. Ajudam, também, a prevenir a depressão com o indivíduo praticando a leitura, aprendendo coisas novas, tendo hobbies, viajando e se divertindo. Essas práticas mantém a cabeça do indivíduo ativa e a ocupam com pensamentos positivos. A ciência já comprovou que cuidar do corpo se reflete na saúde mental de forma positiva. Atividades físicas liberam hormônios e outras substâncias importantes para manutenção do humor. Na alimentação, receitas ou dietas recheadas de azeite de oliva, peixes, frutas, verduras e oleaginosas (nozes, castanhas etc) são o ideal para prevenir depressão. Esses produtos são ricos em nutrientes que protegem e conservam a rede de neurônios [2]. Tanto a ansiedade como a depressão podem requerer estratégias que exijam a avaliação e acompanhamento psiquiátrico e psicológico. Na avaliação e acompanhamento psiquiátrico, o médico psiquiatra é o único que pode receitar medicamentos, se necessário. O uso de medicamentos, por sua vez, costuma ser recomendado em casos de sintomas graves e incapacitantes, que geram muitos prejuízos na vida da pessoa. Na avaliação e acompanhamento psicológico, o apoio psicológico contínuo é fundamental em casos de ansiedade e depressão. Os encontros com um(a) psicólogo(a) têm como objetivo auxiliar a pessoa a lidar com pensamentos disfuncionais e emoções. Além disso, é um espaço de acolhimento, no qual se pode desabafar, expressar sentimentos e aprofundar o autoconhecimento. Dessa forma, com o tempo são definidas estratégias para encarar melhor os gatilhos e sintomas das doenças [1]. O psicólogo deveria adotar os princípios da Psicologia Positiva com base na qual será possível fazer algo mais do que resolver ou minorar perturbações psicológicas, isto é, pretende fazer os indivíduos felizes A Psicologia Positiva trabalha mais as forças do que as fraquezas do ser humano, mais a busca da felicidade do que o estudo das doenças mentais. A Psicologia Positiva é o meio através da qual as pessoas conquistariam a felicidade que, em última instância, é o principal objetivo que orienta a escolha das pessoas na vida. A Psicologia Positiva mostraria os caminhos para o indivíduo conquistar sua felicidade [3][5]. Uma das estratégias fundamentais para ajudar o indivíduo a vencer a ansiedade é a que contribui para atenuar o medo. O que é o medo? O medo é uma emoção-choque,
  • 5. 5 frequentemente precedida de surpresa, provocada pela consciência de um perigo iminente ou presente. Em alerta, o organismo reage por comportamentos somáticos e alterações endócrinas que podem ser muito contrastantes dependendo das pessoas e das circunstâncias como a aceleração ou diminuição do ritmo cardíaco, respiração muito rápida ou muito lenta, contração ou dilatação dos vasos sanguíneos, aumento ou diminuição da secreção das glândulas, paralisação ou exteriorização violenta e, no limite, inibição ou, ao contrário, movimentos desconexos e atabalhoados. O medo é um sentimento desencadeado a partir de uma região do cérebro chamada amígdala. Ela ativa o hipotálamo que prepara o indivíduo ameaçado para fugir ou lutar [4]. O medo nasceu com o homem desde os primórdios da humanidade acompanhando toda a nossa existência. Mas os medos mudaram segundo os tempos e os lugares, em virtude das ameaças que mudam e pesam sobre nós. O medo tem se apresentado de diversas formas segundo os tempos e os lugares como, por exemplo o medo da morte, o medo das forças da natureza, o medo de Satã ou demônio, o medo da noite, o medo da insegurança, o medo de pandemias, o medo de outro ser humano, o medo das guerras, o medo do terrorismo, o medo do comunismo e o medo do nazifascismo [4]. O medo tem tido o papel necessário de alertar as pessoas dos perigos que sucessivamente aparecem em suas vidas. A humanidade não poderia ter sobrevivido sem o medo, quer dizer, sem a tomada de consciência dos perigos que sucessivamente aparecem na vida das pessoas. Os principais medos que atormentam a humanidade são os seguintes [4]: 6.1- O medo da morte A grande adversária da vida é a morte. O maior dos medos é o medo da morte. O medo da morte é a raiz da crise existencial da humanidade. Em todas as formas de medo pode haver, em graus diferentes, o medo da morte que não desaparecerá da condição humana ao longo de sua existência. Todo mundo sabe que o ser humano é mortal. Daí vem a crise existencial. Este medo é atenuado em nossa sociedade pelas atividades humanas com o trabalho, os passatempos e, muitas vezes, é sublimado pela arte e pela religião. A certeza da nossa finitude deveria nos fazer sempre questionar a forma em que vivemos buscando construir uma convivência fraterna entre todos os seres humanos. 6.2- O medo das forças da natureza Desde os primórdios da humanidade, os principais perigos que ameaçaram a humanidade, e, portanto, os principais medos, vinham da natureza como as feras, as epidemias, as más colheitas que levavam à fome, os incêndios provocados particularmente por raios, os terremotos e tremores de terra, as erupções vulcânicas, os maremotos, etc. O mar sempre foi visto como um espaço perigoso para os ser humano pelo grande risco que representava navegar nos oceanos cujo medo do mar só foi superado com o avanço científico e tecnológico utilizado na navegação oceânica. Dos primórdios da humanidade até o século XVI das grandes navegações, o mar estava ligado à morte, ao abismo. O mar era visto como o lugar do medo, da loucura, onde habitam Satã, demônios e monstros. 6.3- O medo de Satã ou demônio Satã, Satanás e Demônio são denominações para uma mesma figura da mitologia cristã: o anjo que se rebelou contra Deus e foi expulso do Paraíso, condenado ao Inferno. Sua grande tarefa na Criação, desde então, é enganar e perverter as almas dos seres humanos, removendo-os do caminho da Salvação. Essa imagem é unânime nos livros bíblicos, tanto no Velho Testamento quanto no Novo. A simbologia cristã associa o mal à sombra e faz de Satã o soberano do império das trevas. Jesus reconhece nele o poder sobre o mundo
  • 6. 6 material e o identifica como o grande inimigo a ser vencido pelos homens. Jesus profetiza o final dos tempos prendendo o demônio e todos os seus seguidores, diabos e homens, para sempre no Inferno. O medo do demônio está muito presente entre os cristãos. 6.4- O medo da noite O acúmulo de perigos objetivos que a humanidade conheceu ao longo do tempo, durante a noite, fez nascer um medo quase natural da escuridão. A história da humanidade é repleta de assombros noturnos como o medo da Lua, dos lobisomens, dos fantasmas, dos animais, da floresta, dos saqueadores, de tudo aquilo que pudesse existir (ou não) nas penumbras. Muita gente sente medo de circular à noite em muitas cidades do mundo. A noite estaria na origem de um medo fundamental do ser humano como, por exemplo, os astecas no México que sacrificavam seres humanos em oferenda ao deus Sol para ele ressurgir a cada dia e a noite não imperasse. Quando aconteciam eclipses totais, gerando escuridão, ou quando havia a passagem de um cometa, um choro geral se instaurava entre os astecas temendo pelo fim dos tempos. Os textos bíblicos clássicos induziram, também, nas pessoas o medo da noite. A noite seria anunciadora da morte. 6.5- O medo da insegurança Em todos os lugares do mundo, a insegurança está aumentando com roubos e violências. Constata-se uma sensação de crescente insegurança e de violência cotidianas desde a Idade Média até a era contemporânea. No mundo todo, a insegurança, sob todas as formas, avança intensamente e raros são os países como o Japão e os da Escandinávia, especialmente a Finlândia, que são exceção. Todos os observadores relacionam a insegurança, sobretudo, com a multiplicação, no século XX, das grandes megalópoles que ultrapassam a casa do milhão de habitantes. A cidade era antigamente um local de relativa segurança em comparação com o campo. Hoje é sobretudo nas cidades e especialmente nas grandes cidades que se tem medo da insegurança. É nos locais com forte concentração humana que o medo da insegurança é mais intenso, a ponto de induzir uma mudança em nossas vidas cotidianas, em razão das medidas de controle e de fiscalização tomadas pelas autoridades, É nas grandes cidades que o terrorismo se instala, porque os autores dos atentados podem se esconder melhor, jogar cada vez mais com o efeito surpresa, provocando mais e mais vítimas. Ninguém está protegido nas grandes cidades. 6.6- O medo de outro ser humano A humanidade terá, certamente, muito tempo ainda para combater esse medo do outro que nunca deixa de vir à tona e que está na origem do racismo de todos os tempos. Outros seres humanos podem ser repelidos porque têm a cor da pele diferente, costumes, comportamentos e práticas culturais diferentes das nossas, não se vestem como nós, não comem como nós e têm religião, cerimônias e ritos diferentes. Por todas essas razões, muitos são tentados a considerá-los bodes expiatórios em caso de suposto perigo. Se uma desgraça acontece a uma coletividade, é atribuída culpa ao estrangeiro. A prática do racismo contra os negros em várias partes do mundo, o medo dos judeus, que é o caso extremo do medo cultural do outro e o medo dos mulçumanos desde as Cruzadas até a era contemporânea se inserem neste contexto do medo de outro ser humano. 6.7- O medo de pandemias
  • 7. 7 O temor do surgimento e da volta das doenças contagiosas pertencem, também, aos medos contemporâneos com a ocorrência do Coronavirus. Este medo começou coma a irrupção da peste bubônica durante a Idade Média que matou a metade da população europeia quando ocorria a fuga desordenada das cidades de quem tinha a possibilidade de escapar do inferno urbano e havia desconfiança recíproca daqueles que sobreviveram e que se evitavam uns aos outros. As pessoas trancavam-se em casa, recusavam cuidar de seus parentes doentes e procuravam um bode expiatório. Alguns padeciam na loucura, outros, numa decadência a mais ignóbil. Quando todos os remédios haviam fracassado, a Inquisição patrocinada pela Igreja Católica fez com que houvesse a caça às bruxas com a perseguição às mulheres, que supostamente possuíam poderes sobrenaturais, fossem levadas às fogueiras e os sobreviventes mergulhavam no desespero. 6.8- O medo das guerras Ao longo da história da humanidade, a guerra ocupou um lugar cada vez maior cuja virulência cresceu a partir da invenção das armas de fogo no fim da Idade Média, com os milhares de homens chamados a combater durante as guerras napoleônicas, com a passagem para a cifra de milhões de homens que se mataram uns aos outros por ocasião da 1ª Guerra Mundial e da 2ª Guerra Mundial com o uso da bomba atômica em 1945. O século XX foi o mais criminoso da história. Se somarmos os “holocaustos” aos horrores da guerra propriamente dita, foi então que o medo das guerras atingiu o seu ápice. O aperfeiçoamento dos armamentos, o movimento para uma guerra total e a multiplicação dos atos terroristas conduzem a um aumento contínuo do número das vítimas e, especialmente, de vítimas civis. Isso significa que, quantitativamente, os perigos e os medos oriundos da guerra, cresceram significativamente. 6.9- O medo do terrorismo A multiplicação, hoje, dos atos terroristas conduzem logicamente a um aumento contínuo do número das vítimas e, especialmente, de vítimas civis. O terrorismo tomou dimensão mundial porque ninguém mais está protegido em lugar nenhum. Hoje é sobretudo nas cidades e especialmente nas grandes cidades que se tem medo do terrorismo porque os autores dos atentados podem se esconder melhor, jogar cada vez mais com o efeito surpresa, provocando mais e mais vítimas. Por conseguinte, a partir de agora, é no mundo inteiro que podemos nos transformar em vítimas do terrorismo. Ninguém está protegido. Outra forma de terrorismo é a praticada pelo poder do Estado ditatorial ou totalitário que utiliza o medo como arma política. Um grupo ou um poder ameaçado, ou que se crê ameaçado e, portanto, que sente medo do povo, tem a tendência a ver inimigos por todos os lados seja fora e, cada vez mais, dentro do espaço que ele quer controlar. Ele tende assim a se tornar ditatorial, totalitário, agressivo e a reprimir todo desvio, até mesmo qualquer veleidade de discussão. Um Estado totalitário tem, então, vocação terrorista. 6.10- O medo do comunismo Desde o surgimento do marxismo como ideologia no século XIX, que defende a construção do socialismo visando a emancipação dos trabalhadores e da humanidade em geral, surgiu em todo o mundo o medo do comunismo por parte das classes economicamente dominantes (capitalistas) e de governos a elas associados porque alguns segmentos das forças políticas marxistas defendem a revolução socialista para a conquista do poder em cada país visando a expropriação dos capitalistas. Surgiu, também, o medo do comunismo por parte de correntes religiosas porque o marxismo considera a religião
  • 8. 8 o ópio do povo ao contribuir para sua alienação. O medo do comunismo atinge, também, segmentos sociais e forças políticas liberais porque o marxismo preconiza a ditadura do proletariado na construção do socialismo e do comunismo. O medo do comunismo tem sido em muitos países fator desencadeador de golpes de estado preventivos de extrema direita para evitar a ascensão ao poder de comunistas ou de forças políticas de esquerda. 6.11- O medo do nazifascismo O nazifascismo é uma ideologia que surgiu na primeira metade do século XX na Itália e na Alemanha contra a ascensão dos trabalhadores ao poder em vários países após a vitória do socialismo na União Soviética em 1917 e se baseava em concepções fortemente nacionalistas e no exercício totalitário do poder, portanto contra o sistema democrático e liberal, e repressivo ante as ideias socialdemocratas, socialistas e comunistas. O fascismo implantado na Itália durante a década de 1920 e o nazismo na Alemanha durante a década de 1930 do século XX se baseava em um Estado forte, totalitário, que se afirmava encarnar o espírito do povo, no exercício do poder por um partido único cuja autoridade se impunha através da violência, da repressão e da propaganda política. O medo do nazifascismo passou a existir após a 2ª Guerra Mundial pelas devastadoras consequências que o nazismo e o fascismo produziram na Europa e no mundo razão pela qual tem sido combatida toda e qualquer tentativa de seu renascimento em todo o mundo. O nazifascismo é combatido pelos comunistas e pelos liberais em todo o mundo. O medo do neofascismo, que é o herdeiro do nazifascismo na era contemporânea, contribuiu para que Lula contasse com amplo apoio e vencesse Bolsonaro nas últimas eleições presidenciais do Brasil. Como superar os principais medos que afetam a vida humana? Alguns dos medos enfrentados pelos seres humanos envolvem uma abordagem individual para sua superação como é o caso de lidar com o medo de Satã ou demônio e o medo da noite com a educação e o tratamento psicoterápico de cada indivíduo. Outros medos por parte da população em geral como o medo das forças da natureza deve ser tratado com a disseminação do conhecimento científico através da educação formal e pelos meios de comunicação de massa visando esclarecê-la. O medo da insegurança e o medo do terrorismo só poderão ser superados com a implantação de uma sociedade em cada país capaz de eliminar as desigualdades sociais e a violência baseada no Estado de Bem Estar Social no qual prevaleça a cooperação entre os todos os indivíduos, bem como seja evitada a existência do terrorismo de estado imposto por ditaduras ou Estados totalitários. O medo das pandemias deve ser superado evitando a destruição do habitat de animais portadores de vírus e bactérias e o contato de humanos com esses animais, bem como desenvolver preventivamente vacinas que possam ser usadas na ocorrência de epidemias ou pandemias, além de medidas restritivas à propagação de vírus e bactérias em épocas de epidemias ou pandemias. O medo das guerras só será superado quando existir um governo mundial que seja capaz de mediar os conflitos internacionais e assegurar a paz mundial. O medo do comunismo e o medo do nazifascismo só serão superados quando em cada país do mundo for implantado o Estado de Bem Estar Social com os governos atendendo as demandas de toda a população sem exceção, condição esta que evitaria a radicalização política. Finalmente, o medo da morte deve ser enfrentado com assistência médica para prolongar a vida de cada indivíduo com saúde plena que seria assistido, também, por tratamento psicoterápico e religioso no caso dos indivíduos que professam alguma religião para enfrentarem a morte inevitável [4]. REFERÊNCIAS
  • 9. 9 1. BLOG DE SAÚDE MENTAL. Entenda como ansiedade e depressão se relacionam. Disponível no website <https://www.vittude.com/blog/ansiedade-e- depressao/#:~:text=Em%20certos%20casos%2C%20o%20indiv%C3%ADduo,d o%20desgaste%20emocional%20e%20f%C3%ADsico>, 2023. 2. TJDFT. Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. Depressão: causas, sintomas, tratamentos, diagnóstico e prevenção. Disponível no website <https://www.tjdft.jus.br/informacoes/programas-projetos-e-acoes/pro- vida/dicas-de-saude/pilulas-de-saude/depressao-causas-sintomas-tratamentos- diagnostico-e-prevencao>. 3. RODRIGUES, Miriam e PEREIRA, Douglas da Silveira. Psicologia Positiva: dos Conceitos à Aplicação. Novo Hamburgo/RS: SINOPSYS, 2021. 4. ALCOFORADO, Fernando. Os principais medos que os humanos enfrentam na vida e como superá-los. Disponível no website <https://www.linkedin.com/pulse/os-principais-medos-que-humanos-enfrentam- na-vida-e-como- alcoforado/?trackingId=5gP0EKmj6p2VX0unCmfVQA%3D%3D>. 5. ALCOFORADO, Fernando. Como conquistar a felicidade dos seres humanos, individual e coletivamente. Disponível no website <https://www.linkedin.com/pulse/como-conquistar-felicidade-dos-seres- humanos-e-alcoforado/>. * Fernando Alcoforado, 84, condecorado com a Medalha do Mérito da Engenharia do Sistema CONFEA/CREA, membro da SBPC- Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, do IPB- Instituto Politécnico da Bahia e da Academia Baiana de Educação, engenheiro pela Escola Politécnica da UFBA e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário (Engenharia, Economia e Administração) e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, foi Assessor do Vice-Presidente de Engenharia e Tecnologia da LIGHT S.A. Electric power distribution company do Rio de Janeiro, Coordenador de Planejamento Estratégico do CEPED- Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Bahia, Subsecretário de Energia do Estado da Bahia, Secretário do Planejamento de Salvador, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona,http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015), As Grandes Revoluções Científicas, Econômicas e Sociais que Mudaram o Mundo (Editora CRV, Curitiba, 2016), A Invenção de um novo Brasil (Editora CRV, Curitiba, 2017), Esquerda x Direita e a sua convergência (Associação Baiana de Imprensa, Salvador, 2018, em co- autoria), Como inventar o futuro para mudar o mundo (Editora CRV, Curitiba, 2019), A humanidade ameaçada e as estratégias para sua sobrevivência (Editora Dialética, São Paulo, 2021), A escalada da ciência e da tecnologia ao longo da história e sua contribuição ao progresso e à sobrevivência da humanidade (Editora CRV, Curitiba, 2022), de capítulo do livro Flood Handbook (CRC Press, Boca Raton, Florida, United States, 2022), How to protect human beings from threats to their existence and avoid the extinction of humanity (Generis Publishing, Europe, Republic of Moldova, Chișinău, 2023) e A revolução da educação necessária ao Brasil na era contemporânea (Editora CRV, Curitiba, 2023).